Um Plano de Ataque

       J.R.R. Tolkien - illustration for The Hobbit
Creative Commons License Photo Credit:
freeparking 😐 via Compfight

     Objetivos para o 2º Período: Subir a nota a Matemática, consolidar HGP e CN, preparar a Prova de Português.

Estratégias:

I

  •  Onde? Em casa.
  • Quando? à 2ª e à 3ª feira, uma hora de estudo das 17h às 18h; em seguida, reservar 30 minutos para Matemática.
  • Como? Refazer a lição do dia  por escrito. 

II

  • Onde? Em casa. 
  • Quando? à 4ª, uma hora  de estudo, das 15h às 16h 
  • Como? Elaborar apontamentos das lições de HGP e de CN da semana. 

III

  • Onde? Na Oficina de Escrita.
  • Quando? À 4ª feira, às 17h 30 Aproveitar a hora de Tutoria para preparar a PN de Português, quando não houver testes. 
  • Como? Repetir exercícios de Gr do Manual e do C.A.; escrever apontamentos a partir do Manual; realizar as Provas Nacionais dos anos anteriores bem como as mais recentes.

Avaliação

  • Verificar semanalmente o cumprimento das tarefas.
  • Rever os objetivos na 6ª semana – 11 de Fevereiro.

(Transcrição) Afonso R, 6

A Minha Personagem

HDR Photo Credit: youtuberpoeli via Compfight

      – Querido Neto, tinha eu a tua idade, quando conheci a tua avó. Na altura, ela tinha cabelo liso como uma folha e usava sempre rabo de cavalo.

     – Avô, como é que conhecesta a avó? – perguntou o Joãozinho.  

     – Foi numa bela tarde de primavera. Eu, todo curioso, fui aventurar-me pela zona proibida da escola. Depois de passar por vários corredores, avistei uma grande porta castanha; decidi entrar e, quando entrei…

     – Avô, a avó era punk?

     – Não, Joãozinho, mas porque é que perguntas?

     – Ó Avô, ela não estava na zona proibida da escola?

     – Ó Joãozinho, ouve e vais perceber. Então, quando entrei, vi todas as paredes cobertas de livros. Logo de seguida, ouvi uma voz a dizer:

    – Cão Mau, cão mau!

     Fiquei tão assustado que fugi a sete pés. No dia seguinte, voltei ao lugar, mas levei um amigo. Quando lá entramos, o meu amigo disse-me assim:

      – Estamos numa biblioteca antiga. Mal ele acabou de falar, ouvi um cão a fazer  “ão ão ão”. O meu amigo não ouviu e eu passei uma vergonha! Ele foi-se embora, mas eu não, fiquei ali até descobrir quem tinha dito “Cão mau” e “Ão ão”. Fingi que ia ler um livro, para ver se algo acontecia; peguei num livro que dizia “A Menina e o Cão”. Quando abri…

    – Ó Avô…

     – Cala-te e ouve! Onde é que eu estava? Ah, sim… Então, quando o abri, saltou um “pop up”: fiquei a olhar imenso temp, mas a única coisa que vi foi uma gravador. Liguei-o e ouvi:

     – Cão mau, cão mau!

    Desiludido, fui-me embora. Passado um ano, a zona proibida da escola já não era proibida e aquela velha biblioteca onde eu ia, era agora uma biblioteca nova e bonita. Eu, que comecei a estar dia e noite naquela biblioteca, deixei de ter amigos, pois os meus únicos amigos eram as personagens dos livros: a Branca de Neve era a minha namorada!

(Continua)

Matilda M, 6A

Sofia – I

     Rose Arch looking out

 Photo Credit: Amanda Slater via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Sofia, que vivia numa aldeia onde havia pessoas muito humildes tal como ela. Sofia tinha 7 anos e era considerada a criança mais humilde da aldeia.

     A sua casa era muito linda: cheia de flores e trepadeiras à volta da porta; o seu jardim tinha cogumelos, uma pequena casa para ela brincar e uma horta com alfaces, cenouras, tomates, batatas, cebolas e pepino. A sua casa era de madeira e por dentro tinha lindos cortinados a cobrir a janelas.

     Sofia vivia com os seus pais: Clara e Pedro e com os seus  6 irmãos: Catarina, Maria, Matilde, Martim, Miguel e Diogo.

     O seu quarto era cor-se-rosa com uma cama simples, feita de carvalho, com lençóis lindos, como o sol que batia nos vidros do seu quarto.

     Num dia de Sol, Sofia estava a brincar no jardim e, de repente, ouviu um barulhinho. Quando ollhou para trás, viu que era um coelhinho que estava na sua horta a comer cenouras.

     Sofia ficou muito contente e gritou:

     – Mãe, Mãe! Está ali um coelho. Posso ficar com ele? Vá lá…!

    A Mãe respondeu:

   – Sofia, eu deixava, mas assustaste-o, ele fugiu.

   – Oh!

   De repente, Sofia teve uma grande ideia: fazer um caminho com cenouras, e lá montou tudo.

   – Viva! Consegui!

   A coelha voltou e ficou com ela. Chamou-lhe Benny; era castanha e branca.

    – Amanhã, como faço anos, já tenho o meu presente!

     Ela tinha pedido mobília para a sua casa de brincar e a mãe disse-lhe que só podia fazer festa para as amigas. Ficou muito contente e, ao mesmo tempo, triste, porque não ia fazer festa para a família; então, disse à Mãe:

    – Porque é que não fazemos tudo junto?  

    – Bela ideia!  – disse a Mãe.

    E lá passou a noite toda acordada. Quando lhe puseram uma prenda no colo, teve que fingir que estava a dormir.

(Continua)

Mafalda C (2012)

Objetivos para o Carnaval

Muse
Creative Commons License Photo Credit: markos zouridakis via Compfight

Gestão  do Tempo 

     Acabo as aulas, brinco um bocadinho com as minhas amigas; depois de elas se terem ido embora, vou estudar. Se ficar a Luísa W. vou estudar com ela, ou com a Inês ou mais raramente, com a Neuza. Costumo ir para a sala de estudo das 16h 30 até às 17h 20.

      Vou para casa dependendo dos turnos de horário da minha Mãe: ou às 18h 30 ou às 18h 50, mais ou menos.

     Quando chego a casa, a Mãe corrige o que souber, vou tomar banho, janto, vejo um bocadinho de televisão e deito-me por volta das 21 30. Às vezes, dói-me tanto um dente que só adormeço às 2 da manhã. Quando tenho teste, estudo ao serão, não vejo tv.

Métodos 

     Quando estou na sala de estudo, começo por fazer os Tpc das disciplinas do próprio dia. Depois, leio as lições que foram dadas e posso fazer exercícios do que essas lições têm a ver.

Objetivos

      Gostava de subir as notas a Matemática e a Ciências Naturais.

Estratégias 

Matemática – Quando e Onde? 4ª das 15h 35 às 16h 20 estudar Matemática; às  3ªs das 17h 30 às 18h 20, na sala da piscina. Como? Fazendo de novo os exercícios, sem ver a resolução. Refazer a aula do professor.

CiênciasQuando e Onde? e 5ª e 6ª estudar, nas mesas da piscina, Ciências Naturais. Todos os dias, das 16h 30 às 17h 20, estudar na Biblioteca. Escrever apontamentos do Manual. Como? Escrevendo apontamentos do Manual.

(Transcrição) Madalena C, 5a

Um Novo Ano de Glória

     The Wise Men 04
Photo Credit: Waiting For The Word via Compfight

     Eu costumo reunir-me em casa dos meus pais. Quem costuma fazer a árvore de Natal sou eu e a minha mãe. Gosto de ver as estrelas cintilantes e as fitas douradas. No Natal celebramos o nascimento de Jesus: por isso fazemos o presépio, trocamos presentes e a as famílias reúnem-se com Amor e Paz.  

      Os meus pais só me deixam abrir os presentes às 12h. Eu fico a conversar com a minha família, em casa, no quentinho! Eu gostava de receber um Tablet para jogar. O que eu gosto mais de dar aos meus pais é o meu carinho.

         Na minha escola, estamos a preparar a Campanha do livro solidário, para a AJU. Temos um amigo secreto para trocarmos as prendas.

    Desejo um santo e feliz Natal à minha família e aos amigos, do fundo do coração.

    Cada Natal é mais um ano de Glória!  

Carolina F, 5C

Diário de uma Estudante

besottment souvenir journal june 2011
Creative Commons License Photo Credit: Hope via Compfight

      Este ano, estou muito satisfeita com as minhas notas! Adoro Ciências! Todos os dias, quando a minha Mãe chega a casa, eu ainda estou a estudar! Este ano é diferente: a Matemática, escrevemos imenso no caderno, temos menos recreios e já não damos tantos passeios.

     Os meu objetivos para o 2º Período são subir as notas a Matemática e a Português. Para isso, tenho uma estratégia: à 2ª feira tenho coro e hip-hop, por isso começo a estudar às 18h 18m; depois, acrescento 20 minutos para estudar Matemática.

     À 3ª e à 5ª, o meu plano vai ser diferente: começo a estudar às 16h 30;depois acrescento 15 minutos para estudar Matemática. 

    Como vou aplicar estes minutos? Vou refazer, por escrito, a matéria que o Professor nos deu na lição do dia.

     Na 4ª feira, faço os tpc em casa da minha avó. Lancho e vou para o Hip-hop. Vou acrescentar aqui mais 15 m para a mesma estratégia a Matemática.

    Na 5ª, vou para casa às 16h 30, começo a estudar por volta das 17h. Tenho trabalhos de Matemática e de Inglês. Vou acrescentar aqui 15m para Português. Como? A estratégia vai ser a de repetir a lição por escrito.

(Transcrição)

Mafalda A, 5B

Uma Menina no Natal

Flight to Egypt 17
Photo Credit: Waiting For The Word via Compfight

     Era uma vez uma Família que se reunia em casa dos avós, no Natal. Nessa família, quem fazia o presépio eram as crianças. Quem montava a árvore eram os adultos, mas quem a enfeitava com as luzes eram as crianças.

    Uma das crianças, que estava a escrever uma poesia, gostou de um caderno que lhe deram. O que essa menina gostou mais de oferecer foi um avião telecomandado. E essa menina está  a pensar o que há de pôr em 2014 para decorar a casa no Natal.

     Na escola, ela pensa escrever poemas para colar na parede. Ela quer trazer várias coisas para ajudar os oturos. Ela gostaria de receber uma caneta, um lápis e uma borracha.

    Ela gostaria que a Família tivesse Amor e Paz. Os amigos também. E queria que todas as Famílias fossem amigas.

    Ela não se cansava no Natal, porque a menina gostava de ver a Família que não via durante o ano. Quando ela foi a Itália, conseguiu o espírito de Natal: a menina gosta de como as pessoas ajudam as pessoas que precisam de ajuda.  

    Ela achava que o que poderia fazer de totalmente novo era estudar mais, para tirar boas notas no 2º Período. 

     A menina explicou a um amigo que o Natal, cá na Terra, é quando Jesus nasceu.

Madalena C, 5A

O Meu Natal

Nativity
Creative Commons License Photo Credit: jaci XIII via Compfight

      Eu costumo ficar o Natal em casa da minha avó, que se situa no Porto, ou o meu avô vem a minha casa.

     Antes do dia dos Reis Magos, a minha empregada faz a árvore de Natal. E quando a Mãe chega a casa, faz o presépio, claro, com a minha ajuda!

    Na véspera de Natal, eu e a minha família comemos sempre um ou dois frangos e uma prato de peixe cozido. A minha sala só está enfeitada com o presépio e a árvore de Natal com brilhos cintilantes.

     Nós só podemos abrir os presentes na manhã de Natal, mas quando os meus pais acordam. O presente que eu mais gostei foiu um computador e um tablet! O presente que eu mais gostei de oferecer foi uns deliciosos bombons à minha avó.

     Eu gostava que a minha casa estivesse decorada com fitas coloridas, uma faixa a dizer: FELIZ NATAL! e muito mais. A escola, gostava que estivesse decorada com uma gigante árvore de Natal e muitas estrelas!

     No meu coração, quando chegar o Natal, gostava que estivesse sem pecados. Gostava de receber um avião telecomandado. Os meus votos para a minha Família, é que tenham o que mais desejam no Natal! Para os meus amigos o mesmo: tudo o que sonharem! Em relação ao mundo, gostava que houvesse “PAZ MUNDIAL”!

    O espírito do Natal é estarmos com a Família, para celebrarmos os anos de Jesus.

Afonso P, 5B

A Menina Terrorista – III

   EG04 9703 Giza Plateau horsemen cross the sandy expanse
Creative Commons License Photo Credit: Benjamin via Compfight

      Jane não sabia como reagir ao novo marido, mas o marido dela, Al-Mume, quis que ela se sentisse bem. Mas ela estava muito ansiosa,  sem saber o que fazer ou até para onde ir, porque ela não sabia o que a esperava.  Estar num grupo terrorista e perante um marido que pertencia a esse grupo,  para ela era muito assustador e ameaçador, porque se ela fizesse uma coisa que não devia era logo decapitada.

    Eles tiveram que andar cerca de 1 km até chegar a casa deles. Esta tinha pertencido ao seu pai adotivo Al-Khadif que era o vice-presidente do grupo, por isso a casa era muito grande.

    Quando chegaram já era noite, e ela percebeu que o marido, Al-Mume, estava apaixonado por ela por isso não a tratava mal. Pelo contrario, tratava-a bem e queria  sempre agradá-la: era carinhoso, tratava-a bem, ensinava-lhe palavras em árabe para conviver com as outras raparigas.

     Para festejar o noivado eles comeram a seu prato preferido, kebab com cuscus, mas ela não gostou muito da comida. Ele compreendeu que ela estava muito cansada, por isso foram dormir.

Francisco C, 7A

Memórias de Natal

     Daley Plaza Christmas Tree: Yellow Ornament
Photo Credit: laffy4k via Compfight

     As memórias de Natal estão sempre vivas em nós: em especial, costumamos sempre começar por um jantar em casa da minha avó, que faz um grande jantar de família! Com tios, primos, tios-avós, muita gente!

     Logo na entrada da casa da minha avó, vemos a árvore linda, toda decorada com bolas, estrelas, luzes…

     A pouco e pouco começam cada vez mais pessoas a chegar, é incrível!

     A mesa decorada parece mais uma mesa de Rainha espantosa e cintilante, tudo o que se põe em cima daquela mesa fica com um ar mágico, ou melhor, BRILHANTE! Há reflexos dourados, prateados… até me pergunto a mim própria, o Natal…porque tem tantos encantos, com tão diversas coisas a brilhar?

     Mas quando me pergunto, vem-me logo à cabeça:

     – Pois é! O Menino Jesus nasceu!

     Ora que idiota… de repente, dou por mim e estão as minhas queridas e lindíssimas primas a puxar o meu vestido:

     – Anda prima, vamos brincar!

     Para ser sincera, estar com elas, são muito divertidas, são as minhas priminhas! Tendo em conta que já fui a mais nova da família, percebo o que lhes viria á cabeça se eu dissesse que não; de facto, não seria nada bom. Mas depois, quando começamos a brincar, nunca mais paramos!

    Quando é hora de jantar, cada um no seu canto: as crianças na mesa pequena e os adultos na outra mesa, a minha avó e o meu avô estão sempre na cabeceira e a família toda reunida nos seus lugares. Depois, a minha avó, com a ajuda dos primos, vai buscar o jantar. Na ceia, às vezes, nem janto, com tanta brincadeira…

    Gosto de ver a árvore rodeada de presentws, alta, verdejante, por entre os ramos brilham as bolas douradas. Desejo que vivam um feliz Natal, que recebam muitos presentes e que corra o ano bem a toda a Família e aos meus amigos.

Sofia VG, 6A

As Minhas Tradições de Natal

In the Christmas Tree
Photo Credit: Susanne Nilsson via Compfight

     Quando é Natal, passo-o na minha casa. Uma coisa que eu gosto de fazer no tempo de Natal é montar a árvore: enfeito-a sempre eu, às vezes com a minha Mãe, a minha prima e o meu primo.

     Na ceia, comemos, normalmente, lasanha ou bacalhau e, para sobremesa, bolo-rei.

    Nós abrimos os presentes sempre à meia-noite, é o nosso ritual. O melhor presente que recebi foi o meu primeiro telemóvel.

    Este ano, quero que a casa fique mais decorada, eu penso fazer mais decorações, feitas à mão, com alegria, paixão e carinho.

   É isto que eu sinto no Natal: sentimo-nos alegres, reunidos. Espero o Natal com amor, como uma pessoa que adoramos , de quem temos muitas saudades: vemo-la e damos-lhe imenso amor.

Mariana S, 5C

Crónicas de Estudante

     East Palo Alto Library's Quest Learning Center
Creative Commons License Photo Credit: San Mateo County Library via Compfight

     Os meus objetivos até ao Carnaval são subir a nota a Matemática e um bocadinho a Português.

    Para Matemática vou fazer apontamentos das lições e do manual. Para isso, vou reservar cerca de 30 minutos por semana, à 2ª, ao final da tarde e à 4ª, a partir das 15h.

     Para Português devo treinar textos: um de 15 em 15 dias; a interpretação, talvez fazendo exercícios que vou pedir à minha Mãe, pois ela encontrou um na FNAC que não é caro.

      Aconselho os meus colegas a fazer apontamentos num caderno de que gostem muito e escrevam muitas vezes os assuntos das disciplinas em que têm mais dúvidas.

    Estou a fazer a experiência de ser Tutora de um colega: gosto, porque adoro ajudar as pessoas quando têm dúvidas, como o meu colega. Às vezes os professores até me dão autorização para lhe tirar algumas dúvidas durante as aulas: ele está mesmo à minha frente.

Carolina C, 7B

O Natal em Família

     Christmas tree 2008/1 Рождество, Liechtenstein
Creative Commons License Photo Credit: Hellebardius via Compfight

     Eu passo o Natal em minha casa com os meus avós, os meus pais e os meus tios avós. Eu e o meu pai gostamos de fazer a árvore. Há três dias atrás, o meu irmão e a namorada mandaram três vezes a árvore ao chão e partiram bolas! Gosto em especial de um presépio feito por mim e pelos meus pais. Costuma estar numa mesa pequenina perto de uma janela; fizemos as figuras com esferovite e rolhas. Pintamos as caras e os cabelos; eu pintei as ovelhas com uma espécie de pedra que pinta.

   Na ceia, comemos bacalhau e polvo com batatas; a mesa está enfeitada com chocolates e um presépio e enfeites a fazer de neve.

    À meia-noite, nós fazemos o amigo secreto com a família e o meu cão também! Uma prenda inesquecível foi uma que os meus irmãos me deram: uma caixa de sapatos cheia de paletes de gomas. Este ano gostava de receber um telemóvel com ligação à net e aplicações. Gosto de desenhar, com lápis de cor e canetas; estas férias vou treinar no meu Diário Gráfico.

    Eu desejo a todos um muito feliz Natal e que entrem com o pé direito em 2015!

Carolina N, 6A

Natal

     Merry Christmas & Happy New Year To You
Creative Commons License Photo Credit: Mohammadali F. via Compfight

     Costumo reunir-me na casa dos pais, mas às vezes fico em casa dos meus avós. 

     A minha mãe é que faz os enfeites da casa e o presépio. Na ceia, eu como arroz de polvo e, ás vezes, empadão de bacalhau e espinafres, mas eu não gosto. As deliciosas sobremesas que prefiro são Baba de Camelo e Mousse de Manga.

     Na sala, cintila a Árvore com as suas luzes a piscar e ainda uma fiada de lâmpadas brilhantes que acendem no presépio.

     Esperamos pela meia-noite e vamos, a minha mana e eu, buscar os presentes. Como ela acredita no Pai Natal, eu a a Mãe saímos pela cozinha, pomos prendas à porta, tocamos á campaínha e voltamos a correr para a sala.

Ana Carolina O, 5B

O Meu Natal

 

Brooklyn_Museum_-_The_Nativity_-_Cuzco_School_-_overallAtribuição: Wikimedia Commons

     A Emoção      É uma Alegria no Coração;

     O Natal é o Jesus,

     É daí que nasce a Luz.

 

    As árvores de todos os Natais

   São uma felicidade para todos os casais.

   Eu gosto de prendas:

   São muitas diversões,

   Que nos aquecem os corações!

Vasco L, 5B

 

Avatar Wan

     Legend of Korra
Creative Commons License Photo Credit: AsachikaSan via Compfight

     Concebi um filme, Avatar Wan, que é sobre uma pessoa que consegue comunicar com os espíritos e controlar os quatro elementos do Universo: água, terra, fogo e ar.

     Esse filme conta-nos como é que as pessoas começaram a controlar os elementos e como se formou o Avatar.

     Os atores principais são Selena Gomez, Brad Pitt, e Rodrigo Menezes; o realizador é Stanley Kubrick.

     O filme conta como é que as pessoas antes não tinham poderes (Benders) e depois começaram a ter poderes. Um homem chamado Wan foi expulso da sua cidade que era um leão-tartaruga. Nessa expulsão, ele encontrou Raava contra Vaatu; a sua missão é ajudar Raava contra Vaatu na convergênca harmónica – quando os planetas se unem e os Portais Norte e Sul estão abertos, os dois espíritos têm que combater; Vaatu é o espírito do mal e Raava é o espírito da Paz e da Luz.

     Este filme foi basado na série Avatar Korra, nos episódios 7 e 8, na temporada 2. O meu filme estreia a 24 de Outubro de 2014, às 16h 50, na Beloura City.

Ana Filipa M, 7C

O Planeta dos Macacos – A Origem I

Critica-Planeta-dos-Macacos-A-Origem-1_miniImagem: Cinema 10. com br

     Era uma vez uma macaca que vivia na floresta. Essa macaca era muito inteligente e tinha um lar; todos os macacos desse lar eram burros.

     Até que houve um dia em que os caçadores capturaram essa macaca e levaram-na para experiências na América. A primeira experiência que lhe fizeram foi para medir a inteligência: um jogo muito difícil que só os matemáticos faziam. O record do mundo era 20 e essa macaca fez 15, ou seja, era muito esperta!

     No dia seguinte, iam fazer a experiência da força, mas a macaca enlouqueceu, fugiu da cela e começou a partir tudo e a ferir pessoas. Até que aparrceu a polícia, que matou a macaca.

     Eill era um homem com 25 anos que trabalhava no laboratório; teve curiosidade em saber o porquê de a macaca ter enlouquecido. Decidiu ir investigar a cela da macaca e, debaixo da cama dela havia um macaco bebé! Ele disse:

     – A macaca deu à luz um bebé!

    Will ligou ao chefe e o chefe disse:

     – Abate-o! Abate-o!

     Ele não o quis abater, por isso levou-o para casa. Will tomava conta do Pai que era um pobre desgraçado que já era velho e maluco. Will mostrou-lhe o macaquinho e o pai dele ficou orgulhoso de tê-lo em casa e disse:

     – Um macaco? Como se chama?

      – “Ciser” – disse Will.

     Will pediu ao pai se ele podia alimentá-lo; quando o pai virou as costas, o “Ciser” estava a comer sozinho; o pai disse:

    – Will, ele é muito esperto!

    – Pois claro! A mãe dele também era.  – Respondeu Will.

   Passaram anos e anos e “Ciser” tornou-se adulto, forte e corajoso e falava a linguagem gestual. 

(Fim da I Parte)

Pedro G, 6D

O Natal

 

Manner_of_Abraham_Bloemaert_-_Announcement_to_the_shepherds_c1600_mini

     Imagem: Wikimedia Commons

     Jesus nasceu no dia 24 de Dezembro; daí nasceu o Natal alegre e de outro mundo. Deus, o nosso Rei, o nosso Pai, o todo poderoso e o mais alegre.

     Dia 24 de Dezembro, todas as Famílias de todos os Países celebram o Nascimento de Jesus.

    A savana é onde uma pessoa corre perigo, inventa as suas próprias histórias, consegue realizar os seus sonhos e isto assemelha-se ao Natal.

    A celebração é a alegria que vem do coração.

Vasco L, 5C

O Surf É Uma Vida

...deep breath...
Creative Commons License Photo Credit: Hani Amir via Compfight

     Quando eu era pequenino, gostava de ver o meu pai a fazer surf, nas ondas, e sempre lhe perguntava:

     – Pai, como pode fazer isso?

     E ele dizia-me:

     – Se queres, fazer surf, tens que treinar para isso, não podes jogar Ipad.

     Eu fiquei feliz, mas também um pouco triste.

     Ao fazer o primeiro treino, adorei! O meu treinador chama-se Tiago e descobri que ele fazia anos no mesmo dia que eu.

     Ao longo destes anos, evolui muito, ao ponto que já entro em campeonatos e quero continuar. Treino três vezes por semana e, de vez em quando, são quatro. Ele já me disse que eu evolui muito depressa. Ao ouvir isto, fiquei feliz, pela primeira vez, fiz algo muito bem.

     Sempre gosto de quando estou a fazer Surf, poder ver os peixes e entrar em comunicação com o mundo.

     O meu melhor momento do Surf foi estar com um animal raro, o golfinho. Eu vi-o e surfei com o golfinho; foi no Brasil, por este motivo quis ficar no surf mais tempo.

      O meu maior susto foi quando entrei na água com o meu primo; era um fundo de rocha; veio uma onda grande e fui contra uma rocha e comecei a sangrar. Saí da água e não queria entrar, mas o meu Treinador disse-me para não sair: – Para não teres medo, tens que entrar lá outra vez! Fui e passou o medo.

    Eu adoro fazer Surf e cada vez estou melhor, “quem corre por amor não cansa”.

Francisco B, 6D

Uma Mais-Valia para a Humanidade

Shining Star
Creative Commons License Photo Credit: Muhammad Ahmed via Compfight

     O Natal é a minha altura do ano preferida, porque nessa época as casas estão sempre quentinhas, pois estáo cheias de famílas em conversas inesgotáveis, risos e canções.

     Para mim, no Natal ninguém deve estar aborrecido com ninguém, porque é uma altura mágica, em que não há brigas, mas sim amor de pais para filhos.

     No Natal, gasta-se mais luz, mas a casa está enfeitada e é mágico.

    O Menino Jesus foi uma mais-valia para a humanidade, e, apesar de adorar o Natal por imensos motivos, esse é o principal.

    O meu enfeite preferido é a estrela. Para mim, a árvore de Natal tem de ser grande e gorda, as fitas, bolas, pais natal, renas, luzes, têm de estar bonitos e perfeitos, tal como eu. 

Matilde S, 6B

Quando Deus Nasce

     Merry Christmas
Photo Credit: Angelo Amboldi via Compfight

    Em minha casa, no Natal, comemos bacalhau. Sou eu que enfeito a árvore de natal. Este ano poderia enfeitar a árvore com fitas vermelhas, bolas mágicas e uma felicidade diferente. Este Natal, gostaria mais de receber uma PS4.

    O Espírito de Natal consiste em comemorar Deus ter ressuscitado e estarmos juntos em família.

    O Natal não cansa, porque ganhamos prendas e as pessoas ficam felizes, mas o melhor é dar presentes às pessoas que não têm nada, porque assim não recebemos nada dos outros. As ações solidárias são dar comida aos pobrezinhos.

    Eu já fui escuteiro e perguntei, no Pingo Doce, se as pessoas queriam participar no Banco Alimentar.

   O Natal é quando Deus nasce e nós recebemos prendas.

Manuel N, 5A

O Império Nature – II

The Battle of Evermore
Creative Commons License Photo Credit: Dr. Azzacov via Compfight

     Passados três dias, num pasto enorme, cheio de mata, viam-se os dois exércitos, cada um do seu lado. O exército de Sefir tinha espadas de ferro e arcos com flechas incendiárias, enquanto os Natures apenas tinham forquilhas, machados e foices. Embora com a desvantagem de equipamento, Nature tinha todos os seus soldados montados em veados.

     Chegou a tão esperada altura da grande Batalha. Do lado de Nature, o povo estava confiante, mas um pouco com medo, devido à sua desvantagem. Iniciou-se a Batalha: os Natures atacaram em força, só se ouvia o cavalgar dos veados.

     O exército de Sefir formou uma carapaça de escudos e avançou. Os veados cavalgavam em direção  à grande carapaça de escudos, gritando:

     – Por Dom Sóla!

     Dom Sóla era o deus dos Natures, ou seja, eles eram da religião Sólaniana.

    De volta à guerra: os cavaleiros de Nature avançavam, mas todos os cavaleiros que iam contra o escudo caíam do cavalo e, pouco tempo depois, já tinham uma lança espetada no peito. Com esta técnica, o exército de Nature teria sido praticamente dizimado!

     Enquanto os últimos duzentos cavaleiros resistiam, chegava o reforço de Curei. Os soldados de Sefir desfizeram a carapaça e avançaram; os Curei formaram a carapaça, e assim o “feitiço virou-se contra os feiticeiros”: os soldados de Sefir iam contra a carapaça e só davam por si no céu com os anjinhos.

    Assim Nature ganhou a guerra. Nas cortes de Nature, D. Xerei, o general de Curei, foi coroado Rei de Nature. E assim o imenso Império voltou à paz.

(Fim da II parte)

Rafael N, 6D

Um Natal Para Todos

     Dickens Village #3
Photo Credit: Kevin Dooley via Compfight

     No Natal, nós reunimo-nos na casa dos primos. Em minha casa, sou eu  e a minha Mãe a fazer o presépio. Para comer, há bacalhau à Brás, um bufete com cachorro quente, pão com salsichas, pizza com salame e muito mais.

     A sala vai estar enfeitada com um urso, um pássaro e a árvore de brincar a piscar. Para abrirmos os presentes, eu e as duas primas damos as prendas; cada um só pode abrir quando todos tiverem as prendas. Este ano recebo prendas de Natal por causa das notas; só pedi uma: uma tablet só para mim.

    Com ela, se calhar, vou pesquisar os animais para as aulas de EV, de Et e CN e também vou jogar.Se tiver a Tablet, jogo Subway Surfer e outro de um homem que tem um motor a jato nas costas e voa; ainda há outro jogo que é um cowboy que está numa cadeira e tem uma pistola para matar os zoombies.

     Nas férias de Natal, brinco com os amigos; alguns são meus vizinhos e jogam comigo no Clube de Futebol de Cascais.

     A todas as pessoas do mundo desejo Paz e Amor.

     Eu queria ser o homem mais rico do mundo…

Merry Christmas!

André S, 5A

Os Meus Próprios Objetivos

ines_m_cemImagem: Oficina de Escrita

     Gostava de subir a minha nota a EV. Para isso vou treinar fazendo vários desenhos com pintura a lápis; devemos pintar sem carregar muito; devemos ser criativos: por exemplo, não pintar o sol de amarelo.

     Para melhorar a Matemática, já tenho uma boa estratégia: estudo quase todos os dias com a minha Mãe, que foi professora de Matemática. Primeiro ,a minha Mãe vê os trabalhos para ver se preciso da ajuda dela; se forem exercícios básicos, faço sozinha; se acha que preciso, ajuda-me.

     A nova estratégia é que vou começar a fazer todos os dias um exercício de Matemática sobre a matéria que estamos a dar.

     Nas férias, consigo fazer de novo, todas as aulas, por escrito. Vou estudar uma hora ou hora e meia, nos dias de férias só quando não tiver festas.

     No tempo de aulas, às 4ª feiras, depois de fazer os tpc, vou refazer a lição de Matemática por escrito.

Inês M, 5C

Advento: 15 de Dezembro

Love Your Mother

Creative Commons License Photo Credit: Bart via Compfight

 

As palavras têm significado,

para uns são simplesmente insignificantes,

e sem saberem, tornam-se pecado.

Pecado esse que muitas vezes é perdoado,

Perdoado por Aquele que te aceita,

E aceita com qualquer defeito que tenhas.

 

Sim.

Esse melhor Amigo de quem tantas vezes te esqueces,

Cujo nome é Deus,

Que tenta chegar a ti de várias maneiras,

Muitas vezes tenta tocar-te com as palavras.

Aquelas que para tantos outros servem de companhia,

Aos mais sozinhos,

Com mais saudade de um simples abraço,

Ou até da sua rebeldia.

Quando te sentires só e sem ninguém,

Pede-lhe um simples abraço,

Porque será o primeiro a abrir-te os braços.

Não acreditas que Ele existe?

Pede-lhe na mesma!

 

adpt. Matilde Carreiras 10º14B 

Pastoral do CAD

A Peste do Amor

Ballet: The Sadness of Love
Creative Commons License Photo Credit: Patrick McDonald via Compfight

      O que é isto?

     É uma coisa que nos agarra e não nos deixa sair por mais que queiramos.

     O que é isto…

     Que sempre que um certa pessoa passa ou fala connosco,

     Faz o nosso coração palpitar com tanta força que parece que vai rebentar.

     O que é isto…

     Que me dá vontade de ficar a dançar com essa pessoa até à madrugada?

     O que é isto…

     Que não me quer largar?

     Que vai contagiando cada vez mais e mais pessoas.

     Como pará-lo?

     Simplesmente não dá.

     Acho que faz parte de nós.

     O que é isto… que nos possui?

Mell M, 7A

Balanço de Desempenho e Novos Projetos

We begin by charting a course
Creative Commons License Photo Credit: Andrew Becraft via Compfight

     Gestão do Tempo – chego a casa, lancho e faço os Tpc para o dia seguinte, menos à 2ª, em que tenho música. Como, aos fins de semana, tenho os treinos de Vela, só faço os Tpc aos dias de semana. Também estudo antes dos testes.

     Métodos – por exemplo, leio. A minha explicadora de Matemática tem um filho que esteve no 5º ano, e ela fazia cartolinas com esquemas da matéria que me empresta. É útil para pôr na parede e lembrar-nos.

     Objetivos para o 2º Período – Gostava de subir as notas a Matemática e a Inglês.

     Estratégias –  Vou tirar 30 m por dia, depois dos Tpc, para estudar.

     Matemática: à 3ª, 5ª e 6ª, depois dos Tpc, vou estudar. Como? Refaço a lição do dia e consulto o manual.

     Inglês – à 2ª e à 4ª – Como? Depois dos Tpc, treino os exercícios dados com fichas da Net ou faço listas de vocabulário e só consulto no fim.

     Para aproveitar melhor as Tutorias, podemos treinar esquemas e resumos; consultamos o mapa de estudo e, se não houver testes, mudamos de atividades.

Tomás G, 5C

O Espírito do Natal

     Christmas Tree ΦωΦ 〜♪
Photo Credit: きうこ via Compfight

     O Espírito do Natal vem dos nossos primos, avós, pais e familiares, mas, lá no fundo, vem da alegria de todos nós. Quem decora a árvore de Natal é a minha avó, com muita ajuda nossa e, principalmente, com o espírito de Natal e alegria pois na minha família não perdemos a esperança de Jesus Cristo nascer.

     O Espírito de Natal consiste em ajudar os mais pobres, não os tratar como se fossem escravos, mas sim como se fossem pessoas normais. Se tivermos muito dinheiro e formos egoístas, um dia, podemos ser nós a necessitar e ninguém nos vai dar nada, senão Deus Cristo, a Sua proteção.

     O Natal é quando Deus Cristo nasce e há esperança em todo o mundo, há muita felicidade diferente, luzes coloridas de cores imaginárias, enquanto esperamos pelas misteriosas surpresas deslumbrantes dentro daquelas caixinhas pequenas e magníficas.

     No Natal temos o espírito de ajudar os outros, espírito de equipa, espírito de companheirismo.

    A magia do Natal vem do coração deste convívio e do delírio de celebrar a libertação de Jesus Cristo na Terra. Se nos esforçarmos e empenharmos, conseguimos ver Jesus num horizonte infinito. Ele a fazer celebração connosco, numa festa cheia de música, com pessoas a dançar, a mostrar que o esforço e o empenho valem muito na vida.

Afonso C, 5A

O Natal é um Dia Especial

     MERRY CHRISTMAS !!!
Creative Commons License Photo Credit: -Reji via Compfight

    O Natal é feliz para toda a gente, pois convivemos com as nossas famílias.

     O que eu mais gosto é de montar a cintilante árvore de Natal e o presépio lindíssimo com a minha Mãe.

     Costumamos comer peru assado e leite-creme entre muitas outras delícias.

    Vi um belíssimo filme chamado “Frozen”: achei que era emocionante e que era um filme natalício.  A ação decorre no gelo, estava um abundante frio e era sobre uma menina que tinha poderes especiais.

     Gosto de ver uma fita colorida à volta do candeeiro da sala

    Cada vez que o meu relógio dá as badaladas da meia-noite, fico cheia de excitação para abrir os presentes. Adorei receber uma Nancy, no 4º ano, em que tínhamos de escolher a cor do cabelo, podíamos fazer penteados e maquilhagem.

     Na Escola, há uma Campanha de “Livros Solidários”, das emocionantes rifas e da troca de presentes com o “Amigo Secreto”. Os alunos de cada Turma trazem alimentos representados num cabaz, cada semana há uma lista diferente, para ajudar as famílias carenciadas.

Inês M, 5C

     

Natal

Space Christmas
Photo Credit: Allegra Ricci via Compfight

     Eu adoro o Natal, porque me traz uma alegria imensa!

    Ajudar as pessoas, ver as luzes… tudo, não sei…

     Um sentimento muito forte que me traz sempre um sorriso na cara, mesmo nos momentos maus, é algo que me deixa mais feliz do que o normal.

     Não sei, muda tudo, muda o ambiente, às vezes até faz as pessoas ajudar mais.

     É maravilhoso: as luzes, o convívio, a família toda reunida junto da fogueira, a beber nesquick – a bebida que eu mais adoro.

     Até a Lua fica afetada com o Natal, porque eu ponho chapéus de Natal.

     Não sei… simplesmente, adoro!

Mell M, 7A

O Meu 1º Período no 7ºAno

     Students Studying
Creative Commons License Photo Credit: Christopher Porter via Compfight

     Quando eu passei para o 7º ano, estava à espera que as disciplinas fossem ficar muito mais difíceis. Não foi assim e as matérias das disciplinas ainda se tornaram mais interessantes.

     Primeiro, tive um 70%, muitos 80% e um 45% a Físico-Química, mas isto foi o resultado de falta de estudo. Claro que me esforcei e, no segundo teste, tive um 79% (ganhei uma bolinha de neve)!         Agora, nos meus segundos testes, baixei, mas a Português e História, baixei muito, enquanto a Ciências só baixei 6 pontos, portanto, agora, só tenho 81%. Em breve receberei a Ficha de Matemática.

     Para o próximo período, quero ter ótima nota em todos os testes, mas para isso tenho de estudar – o que não é muito giro!

     Eu gosto muito dos professores, mas, claro, que tenho de ou devia gostar, pois se gostar do professor a disciplina acaba por ficar muito mais gira.

          Uma estratégia que aconselho aos leitores: para Físico-Química eu faço primeiro os apontamentos a partir do que a “Stora” escreveu no quadro e vou consultando o Manual para ver se  houve coisas que a “Stora” não escreveu. Depois resolvo os “faz agora” e os exercícios do Caderno de Atividades; às vezes repito, antes dos testes.

     Até agora, o 7º ano está a ser magnífico, mas claro com aspetos menos bons (A vida é assim)!

Laura V, 7A

Natal

sparking star treeImagem: Christmas Stock  Free Images

     Natal, 

    Que é isto?

    Já sei:

    Um sentimento

    Que me dá Alegria.

 

     Natal, 

     Que é isto?

     Já sei: parece uma onda          de Alegria,

    Risos, Magias, Danças.

 

    Natal, 

    Que é isto?

    Já sei:

    Espera,

    Será que é Amor,                   Felicidade?

   Já nem sei,

   Só sei que Adoro.

Mell M, 7A

O Império “Nature”

la rochelle blue hour
Creative Commons License Photo Credit: mariusz kluzniak via Compfight

     Em 436 A.C., um imenso Império conhecido como “Nature”, devido à sua preservação extrema da Natureza. O Império Nature, liderado pelo rei D. Zazeme, era um reino invulgar, devido às suas casas serem construídas nas árvores ; em vez de montarem em cavalos, montavam em veados e, as suas armaduras, em vez de serem de metal, eram feitas da cortiça das árvores mortas.

     Embora os habitantes do Reino tivessem ideias naturalistas, também formavam um Reino expansionista. Nature tinha um inimigo desde o início da sua existência: o Reino de Sefir.

    Em 500 A.C. o Reino estava a passar por uma grave crise real, ou seja, D. Zazeme morreu e só deixou uma filha, D. Maria II, que era casada com o rei de Bersist; assim, Nature perderia a independência. Nature ia entrar em guerra com Bersist.                                                            

     O Reino de Sefir, mal soube disto, preparou as suas armadas e mandou-as em direção a Nature. O povo, assim que soube esta notícia, armou-se e foram em direção à armada. Nature tinha um velho aliado, Curei, que era um Reino militar. Então, um grupo de homens armados de Curei veio ajudar o povo.

Rafael N,6D

Advento – 12 de Dezembro

Joaquin y sus 9 meses
Photo Credit: Montecruz Foto via Compfight

“Levanta-te,

olha em redor

e vê que já nasceu o dia,

e há de andar por aí uma roda de alegria.

Se não souberes a letra, a música ou a dança,

não te admires, porque tudo é novo.

Olha com mais atenção.

Se mesmo assim ainda nada vires,

então olha com os olhos fechados,

olha apenas com o coração,

que há de bater à tua porta uma criança.

Deixa-a entrar.

Faz-lhe uma carícia.

É ela que traz a música e a letra da canção.

Ela é a Notícia”

D. António Couto

Pastoral do CAD

Amigos na Nossa Vida

Caminho da luz

Creative Commons LicensePhoto Credit: Eduardo Amorim via Compfight

     A Sofia é como se fosse outro “eu”: parece-se imenso comigo fisicamente e, além disso, gostamos praticamente das mesmas coisas. Uma tarde, a minha Mãe foi-me buscar; eu e a Sofia estávamos de costas a falar. A minha Mãe tocou na pessoa errada:

     – Mariana, vamos embora.

      Quando ela se virou:

     – Oh, não és tu!

      E eu estava ao lado!

     No sábado, eu fui a casa da Sofia. Quando entrei, vi os seus dois cães: o Marley, pequenino, com dois anos, de pelo branco e com manchas castanhas; o outro era a Luna, que já é velhota e tem o pelo preto.

     Depois fomos para o quarto dela conversar: gostamos de falar, combinar qualquer coisa, falar sobre música, filmes, rapazes giros, desportos, brincadeiras que fazemos…

     Passado um bocado, decidimos ir andar de bicicleta. Foi muito divertido: depois de termos percorrido algumas ruas estreitinhas perto da casa dela, ao chegar,  nós vimos um pôr do sol que se refletia nas nuvens, que ficavam de cor alaranjada e avermelhada.

     Quando chegamos a casa, pudemos brincar com o Marley: atirávamos-lhe a bola e ele ia buscar; depois, pegamos nele e ele ia quase a adormecer nos meus braços, porque tinha tido um dia em cheio.  

    Depois, fomos ver televisão e, de repente, a minha Mãe chegou e eu tive de ir embora. Foi muito divertido este dia, quero voltar a repetir outra vez.

     Os amigos são para sempre; os melhores amigos, às vezes, têm coisas em comum; os melhores amigos trazem-nos uma felicidade indescritível.

Mariana H, 6C

Advento: 11 de Dezembro

Agape
Creative Commons License Photo Credit: Lawrence OP via Compfight

Meus irmãos, se alguém diz que tem fé,

mas não tem obras,

que adianta isso?

Será que a fé poderá salvá-lo?

Por exemplo:

um irmão ou irmã não têm que vestir

e falta-lhes o pão de cada dia.

Então, se algum de vós lhe disser:

“Ide em paz, aquecei-vos e comei bastante”

e, no entanto,

não lhes dá o necessário para o corpo,

que adianta isso?

Assim também é a fé:

sem obras,

está completamente morta.

Carta de São Tiago 2,14-17

Pastoral do CAD

Advento – 10 de Dezembro

The laugh broke into a thousand pieces
Creative Commons License Photo Credit: Nick Kenrick via Compfight

Irmãos, não faleis mal uns dos outros!

Quem critica o irmão

ou julga o seu irmão,

critica a lei e julga o seu irmão,

critica a lei e julga a lei.

Ora se julgas a lei,

já não és alguém que obedece à lei,

mas alguém que a julga.

Ora, só um é o legislador e juiz:

Aquele que pode salvar.

Quem és tu para julgares o teu próximo?

 

S. Tiago 2, 14 – 15

Pastoral do CAD

A Magia do Natal

     Advent
Creative Commons License Photo Credit: Michael E. via Compfight

     No Natal, costumo reunir-me em casa dos meus avós com a minha família toda. Costumo comer perú, às vezes, bacalhau, em casa da minha outra avó. As sobremesas são deliciosas: pequenas bombas explosivas com imensos brinquedos dentro e ainda os suspiros e os brownies da minha Avó.

     Na sala, a árvore, junto a uma porta de vidro, cheia de iluminações coloridas e bolas decoradas. Pendurados na lareira, dois gorros de Pai Natal.

     Em casa da minha avó paterna, cada conjunto de pais e filhos vai dar prendas aos outros: entre primos, entre tios e cunhados…

    O Pai e a Mãe fazem o presépio comigo e com a minha irmã: uma casinha de madeira que tem duas velas, uma de cada lado, e o Menino Jesus. O resto é musgo, com um lago, com um pato, uma ponte e vários bonecos como pastores e os reis Magos.

     Na Escola fazemos a Campanha do livro solidário; vamos oferecer um cabaz por Turma às famílias pobres;  a nossa sala é enfeitada com pais natal e enfeites de natal.

     Para mim, a chegada do Natal é irmos à Missa. Mas na escola, também contribuímos para o Natal, pois no dia 16 de dezembro há Missa na escola e damos os presentes aos amigos secretos. O presente que eu quero ter este Natal é um computador.

     Desejo que haja paz na minha família; que passem bem o Natal é o meu voto para os amigos. A todas as pessoas do mundo eu quero dizer que o mais importante não são os presentes, é o nascimento de Deus.

     O Natal não cansa, porque é outra vez que Deus nasce. E de cada vez é mais alegre, o Natal;  e também recebemos presentes sempre diferentes.

    Para mim, o espírito de Natal é a reunião da Família, as celebrações festivas e a partilha com os outros.

Tomás G, 5ºC

A Consola Virtual

 A Quebra do Tempo

       Imagem: Quebra do Tempo – Minecraft

     Este jogo trata de uma consola que ganha realidade;  reúne-se um grupo  de sobreviventes com caçadeiras a tentar pará-la; encontram um cientista que tem uma fórmula para conseguir parar essa máquina. (Ingredientes da fórmula: um deles é água.)

      Futuro e o passado foram destruídos por uma magia, porque o passado roubou o nexo do futuro e o futuro roubou o nexo do passado e estão em luta. As peronagens são pessoas futuristas e magos, reis, ferreiros e aventureiros do passado.

     A pessoa do futuro, Feromonas,  tem um dragão do passado que encontrou, mas não o pode usar na guerra nem voar com ele; se o fizer pode destruir os nexos e  o mundo acaba… Tem um canhão de água que, quando leva com a água, arde; possui uma armadura robótica com lança-granadas e metralhadoras que é gigante, entra-se nela e controla-se.

     A pessoa do passado – “Authentic Games” –  tem joias mágicas: a armadura sagrada, o martelo da justiça,  luvas que lhe transmitem mais velocidade e um colar que lhe dá mais força. Tem uma capa de invisibilidade que não funciona, apesar de ele quase ter morrido para a conseguir. Para isso, conseguiu auto-invocar-se, juntamente com um súbdito, para o inferno, onde matou um demónio para obter a essência da invisibilidade e colocou-a numa capa para poder usá-la.

    Os dois precisam dos nexos: têm de ter dois nexos no mundo deles; se não tiverem nenhum, desaparecem; se só tiverem um, há uma magia que tenta destruir o mundo deles com meteoritos, furacões e tsunamis.

    A pessoa do passado é um rei; a pessoa do futuro é um aventureiro futurista. Distinguem-se pelos objetos que usam e pela forma como se vestem.

     Cada nexo é uma parte – em corte vertical –  de uma espécie de ampulheta mágica. Se passarem três anos sem o nexo estar completo, só têm mais duas semanas para o resgatar, senão desaparecem no tempo com o seu próprio mundo.

     A ação, no futuro, decorre em Cubetron – a cidade flutuante do futuro, que parece uma nuvem meia destruída, com casas altíssimas, mas só com rés-do-chão, uma espécie de rectângulos brancos; existe ainda  um veículo público, meio destruído,  sem eletricidade, onde umas argolas anti-gravitacionais permitem que o veículo flutue, mas não pode ser utilizado porque está avariado.

     A ação, no passado, decorre ainda no Reino antigo de Gohemlock que possui um castelo meio destruído,  uma muralha com alguns buracos por onde se consegue passar e crateras a arder no chão.

   Zombies, esqueletos com flechas, aranhas gigantes, Crippers  – são uma espécie de corpo retangular com cabeça quadrada e quatro patas –  que explodem quando nos aproximamos – são algumas das figuras que os heróis futuristas e passadistas enfrentam.

Ditado por Miguel F, 7B

 

   

Uma Festa de Natal Encantada

     chrismas tree
Photo Credit: Pilar Diethelm via Compfight

      Dia 24 de Dezembro, eu festejo o Natal no Porto e em Lisboa, é muito giro!

    Alguns dias antes, eu a minha Mãe fazemos a árvore de natal, mas, às vezes, os meus irmãos também querem fazer a árvore.

    No dia de Natal, nós comemos bacalhau e, de sobremesa, comemos rabanadas deliciosas e uma mousse irresistível.

     Decoramos a sala com o presépio, bonecos de pai natal, bolas coloridas, luzes na árvore, estrelinhas douradas, bonecos de neve…

     Quando é meia-noite, eu dou as prendas a toda a gente e, às vezes, o meu tio, muito divertido, também dá.

    Adoro as minhas prendas, mas as que gostei mais foram um quadro para desenhar, uma Nach quando era pequenina… o presente que gostei mais de dar foi uma pulseira muito gira.

     No dia em que toda a gente pensa no Natal, eu, para ter um ambiente de Natal melhor, ponho uma música de Natal, para quando enfeitar o presépio, estarmos a dançar e a conversar na sala.

     Quando houver a Campanha na Escola, eu gostava de dar tudo o que pedissem. No cabaz, queria enfeitar a caixa de Natal.

    Gostava de enfeitar a sala de aula com pais natal, estrelas, fitas coloridas…

    E gostava de preparar o meu coração com o nascimento de Jesus.

Mafalda A, 5B

O Ataque à China

PlayStation 3 Wireless Keypad - Close Up
Photo Credit: William Hook via Compfight

      Era uma vez um jogador de playstation que perdia sempre que jogava contra a China. O seu amigo estava farto: eram só Cheaters (jogadores que utilizam demasiados códigos). O seu primo queria ser o Diretor da maior Empresa de jogos, mas os chineses vieram e criaram mais jogos.

     Então os nossos amigos criaram um jogo com  uma equipa: o Músculo, o Esperto e o Força Tática. Foram até à China e ficaram a estudar os planos de ataque. Passados 20 dias, decidiram atacar: só o rei ficou vivo! Mas o Músculo não sabia que não estava planeado matar o rei e assentou-lhe um murro em cheio nas costelas:

diogo_t_puccch

     Partiu-lhe as costelas e ficou a jorrar sangue do pulmão; até que ficou sem sangue e morreu. A Equipa ficou furiosa! Mas ele pediu desculpa à Equipa e fizeram as pazes.

    Com os lucros deste jogo os amigos ficaram com a maior empresa de jogos do mundo, a “Rockstar” como lhe chamaram. 

Diogo T, 6C

Um Natal Sempre Novo

     Stars
Creative Commons License Photo Credit:
Gertrud K. via Compfight

     Este ano, eu queria decorar a minha casa com um presépio lindo, uma árvore de Natal cheia de luzes coloridas, renas em miniatura, anjinhos e pais natal, fitas brilhantes e muitos mais enfeites bonitos.

     Na escola vamos fazer uma festa de Natal; dia 16 vamos à Missa, depois vamos para as salas com os nossos Diretores de Turma; pomos música, dançamos, trocamos presentes com os nossos amigos secretos, trazemos bolos e bebida.

   No meu coração dou atenção aos sinais do Natal, tenho uma atitude de cuidar os meus pensamentos, admiro o nascimento de Deus.

    Na hora das prendas, eu gostaria de ter a minha família toda reunida.

    A todas as pessoas do mundo, eu gostaria de mandar uma mensagem: queria que houvesse paz e amor.

Carolina S-C, 5B

Balanço de um Novo Ciclo

welcome_to_venetia_miniImagem: Welcome to Venezia – Roblox

OE –  Este ano letivo, até agora, uma experiência intelectualmente estimulante:

Duarte P. – Acho que eu, na aula de história, aprendi imensas coisas sobre o meu país, durante o ano passado. Este ano, percebi que, tendo uma amigo no Brasil, ele, como Português, tem muito pouca cultura, pois perdeu muitos anos de estudo. Acho importante termos este conhecimento sobre a história do nosso próprio país.

OE – Um novo horizonte que se abriu:

Duarte P. – Normalmente, as crianças têm curiosidade sobre o Egito, mas só querem ouvir histórias sobre múmias. Eu consegui aprender muito sobre as civilizações antigas, consegui ganhar interesse sobre essas vivências, o comércio dos egípcios, a importância dos faraós, a sacralização de um poder absoluto.

OE – Vivências dignas de nota com os amigos, dentro e fora da Escola:

Duarte P. – O facto de o Duarte F e o João B estarem na minha turma é muito bom. Antes, os nossos horários eram diferentes; agora conseguimos conviver mais, temos os mesmos horários e experiência das aulas em comum.

 Este ano fui ver a “Comédia a la Carte”, no teatro Vilaret, em Lisboa e foi super divertido. Os próprios atores diziam que era um espetáculo sem piada nenhuma, podiam improvisar, passar três horas a cantar “Lá, lá, lá”, a estalar os dedos e a cantar, mas afinal, quando as pessoas fossem reclamar, eles iam perguntar: “- Não teve piada? Mas nós avisamos!”.

   Foi giro, vimos o César Mourão e o Carlos Cunha; eles chamaram pessoas ao palco: sempre mulheres, mas por último, chamaram um senhor chamado Hugo que contou que foi a um jantar e esteve no palco a fazer de Olívia Palito. Os atores iam-lhe fazendo perguntas sobre a sua mulher, como se conheceram…   depois representaram a história dele e da sua mulher. Improvisavam com comédia, tinham também de cantar e dançar.  No final do espetáculo, eu fiquei à espera nos bastidores, o César Mourão lembrou-se do meu nome. mas não se lembrou  do nome do Duarte.

OE – Expectativa de uma novidade:

Duarte P. – Eu estou entusiasmado com o Natal, porque vou receber algo que me vai ajudar no jogo Roblox: a ter mais dinheiro, roupas e vips . Vai durar para sempre, serei como um deus que domina tudo! Outragious Builders Club: vou receber a entrada no clube – só podem pertencer as pessoas que entram no jogo. Neste momento sou um cidadão robloxiano e posso jogar jogos normais. Se tiver dinheiro no jogo, posso comprar acesso a outros jogos mais interessantes. Welcome to Venezia – uma espécie de “Viver em Veneza”, só que a cidade é muito mais futurista e há carros voadores. Eu e o Duarte conseguimos jogar numa altura em que era grátis e podiamos experimentá-los – custam 25 robux.

Ditado por Duarte P, 7C

Advento – 9 de Dezembro

Faith or the March of the Little Candles
Photo Credit: José Manuel Ríos Valiente via Compfight

“O Natal somos nós ao contrário.
Somos nós com os bolsos do avesso.
Somos nós outra vez meninos a aprender
outra vez a tabuada.
Outra vez sentados à lareira.
Somos nós outra vez rodeados de gente e de carinho.
Somos nós outra vez humanos.
Somos nós outra vez a fazer presépios de musgo
com as nossas mãos cheias de terra e de amor”
 D. António Couto

Pastoral do CAD

A Menina Terrorista II

     foxbat
Photo Credit: Mike via Compfight

     O esconderijo onde os jhadistas estavam era muito bom, pois ficava no maior deserto do mundo, perto do local onde eles estavam a tentar conquistar território.

    Eles tinham aí muitos aviões e helicópteros, por isso era fácil ir à cidade buscar comida, pois havia demasiados supermercados na zona. Também era fácil para os jhadistas ir buscar bebidas, porque havia  serras no local.  Eles subiam às nascentes com garrafas de plástico e traziam-nas para os companheiros beberem.

     Apesar de  nem pagarem, só roubarem, a situação era boa para os jhadistas. A Jane percebeu logo que, pelo menos, não a iam deixar morrer de fome.

     Andaram mais alguns km e estava lá o marido à espera para conhecê-la. O vice presidente do grupo tinha-lhe dito que ia casar com uma jovem americana.  Al-Khadif só o disse por ter uma grande amizade por ele, Al-Mume. O noivo tinha que dar um novo nome a Jane, a jovem.

     Passados 5 minutos, eles chegaram com a rapariga, mas não a trataram mal e não tentaram abusar dela: foi mais ou menos uma viagem de “amigos”.       

     Quando ela saiu do carro, ele ficou logo apaixonado pois ela era uma rapariga muito gira e ele só pensou num nome: Al-Bron, pois era o nome da sua mãe que pertencia ao grupo, como o filho. Apesar de ela estar já morta, quis perpetuar assim a sua memória.

      Tinha sido ameaçada de morte se não matasse o seu próprio marido, acusado de ter passado informação para o FBI. Acreditando na traição, preferiu matar o marido. Mas os terroristas, com medo que ela, de origem iraniana, também passasse informação ao Irão e este, por sua vez, a enviasse ao mundo inteiro, resolveram matá-la também. Pouparam o filho, pois o vice-presidente gostou muito do miúdo, não quis que o matassem e tratou-o como um filho.

(Fim da II Parte)

Francisco C, 7A

 

The World Needs Bacon

rub_some_bacon_on_it

Imagem: DFTBA

     Tuesday, 15th of May 2016, in the White House, the Ebola apocalypse is going to end.

The President  speaks to himself-:

     –  Today is one more day trying to find out the cure for Ebola. – The president turns on the TV.

TV : “Today we all must buy the medicine that cures Ebola …”

 The President reacts:

      – What! But that was my job!

TV: “I introduce you to Bacon-Bot33”.

Bacon-Bot 33 sings cheerfully:

      –  Rub some bacon on it!

(21st May 2016 at UN)

UN’s President says:

     -Today, we are fighting to end Ebola, killing a lot of pigs to do bacon, but there’s still a problem: Africa!!!! (Tam Tam Tam) Yes, the place where Ebola started is the last being cured, so we’re all going to get money to buy Bacon-Bots to send bacon supplies and BLTs: Bacon, lettuce and tomato sandwiches

 

30th May 2016, somewhere in the middle of the desert of Sahara

A Chinese guy said:

–          (something in Chinese) bacon (something in Chinese) bacon (something in Chinese) bacon. 

The President says slowly:

   – Can you speak English?

Chinese guy answers, angry like a lion:

     – No I can’t Mr. President. I spent 5 years of my life In an American College and I don’t know how to speak English … when someone says that Chinese are intelligent it’s because they aren’t, isn’t it ?!

The President, feeling embarrassed:

  – Sorry, did I sound racist ?

Chinese guy, calmer:

     – Yes, but do you want to know what I said first?

The President:

     -Yes, I’m dying to know.

Chinese Guy:

     – I want to thank you for giving bacon to Africa, because the world is all healthy and free from Ebola, because you were the one giving more bacon, giving enough money to buy one thousand tons of bacon!

Duarte P, 7C

Um Halloween Assustador

Happy Halloween!
Photo Credit: Faith Goble via Compfight

     O Halloween é uma noite inesquecível: batemos à porta das pessoas, fazemos partidas e pedimos doces.

     Ao pé da minha casa não tocam à porta, mas, quando fui a casa da minha amiga Mafalda, no Halloween, fomos tocar à porta e deram-nos rebuçados, gomas e uma data de doces!

     Este ano fui ao Continente mascarada de bruxa; quando cheguei a casa, fui fazer partidas aos meus vizinhos, com uma lata que deitava um spray castanho que parece mesmo “cocó”! Há dois anos, o vizinho até foi buscar um papel, porque pensava que tinha sido o cão dele!

     Quando estava com a Mafalda F, fomos pedir doces a uma casa em que nos deram rebuçados, chupa-chupas…

     Esta festa serve para nos divertirmos, para comermos doces, para sairmos à noite e para aprendermos que o medo que temos de bruxas, vampiros e outros monstros, pode ser cómico.

Mafalda A, 5B

Narnia I

     cs lewis statue
Photo Credit: klndonnelly
via Compfight

     Era uma vez quatro irmãos: Peter, o mais velho, a seguir Susan, Edmund e, a mais nova, Lucy. Todos viviam em Londres, com a Mãe; o Pai andava na guerra contra os alemães. Houve um dia em que, durante a noite, se ouviu um barulho estranho: 

pedro_g_vroombobob_miniO barulho cada vez ficou mais alto e, de repente…

pedro_garcia_boom_miniToda a Cidade acordou e…

pedro_g_explosoes

     Voltou-se a ouvir barulho, mas desta vez, várias vezes, o que seria? Eram bombas!!!

     Os quatro irmãos fugiram para a cave, aí as bombas não os afetavam.

    No dia seguinte tiveram de ir para o Sul de Inglaterra, porque a Mãe tinha medo que eles se magoassem durante as invasões, mas a Mãe não foi.  Foram para uma mansão muito grande; o dono dessa mansão chamava-se diretor Will; lá trabalhava também uma senhora que detestava crianças.

     Houve um dia em que decidiram jogar às escondidas. Era a vez de o Peter contar; enquanto Susan se escondeu dentro de um baú, Edmund atrás das cortinas e …e Lucy? Lucy não tinha lugar para se esconder, até que viu um objeto com uma manta por cima: ela tirou a manta… Era um guarda-roupa! Lucy entrou e fechou a porta: lá estava escuro e a Lucy tinha medo, por isso recuou, recuou. De repente tropeçou e caiu em cima de uma coisa fofa: era neve! Lucy levantou-se, olhou à sua volta e viu uma terra mágica gigante!

pedro_g_crac     Lucy ouviu um barulho, viu uma coisa e gritou:

    –  MONSTRO!

     Esse monstro disse:  

     – MONSTRO!

     A Lucy pensou que era um sonho. Foi ter com ele e disse:

     – Olá, eu sou a Lucy.

     – Olá, eu sou o Tumnus. Senhor Tumnus.  

     – O que és tu? – perguntou Lucy.

     – Ah, ah, ah, eu sou um fauno! E tu és o quê? Uma anã?

     – Eu não sou uma anã, sou uma humana.  – disse a Lucy.

    – HUMANA! Tu és uma humana? Foge!

    – Porquê? – Perguntou Lucy.

    – Se a Bruxa te vê, transforma-te em pedra.

    – Que bruxa? Estou confusa.  – Disse Lucy – Amanhã volto com os meus irmãos.

    – Ok, Adeus. – Adeus, Sr. Tumnus.

    Lucy voltou para o seu mundo e contou tudo aos irmãos. Quais foram as respostas?

    – Ah, ah!  – Disse Peter.

     – Grande imaginação. – Disse Susan.

(Fim da I Parte)

Pedro G, 6D

Recordações de Natal

     Christmas Tree Fruit
Creative Commons License Photo Credit: Lutz-R. Frank via Compfight

     Sempre que se aproxima a época de Natal, a minha Mãe começa por preparar tudo antes do dia especial.

     Eu, a minha Mãe, o meu Pai, o meu Irmão e a minha cadelinha costumamos montar a árvore de Natal – com a ajuda do meu Pai preferido, senão não conseguia montá-la. O presépio sou eu que o faço sozinha.

     A minha Mãe adora fazer a Ceia: bola de carne; depois, começam a chegar os meus avós, as minhas primas, os meus primos. Eu gosto de estar com a minha família toda.  Eu adoro ir ao meu quarto pôr enfeites ou luzes, mas faço isso se a minha Mãe me deixar. 

     Quando vamos abrir os presentes, eu costumo dizer:

     – Mãe, posso abrir os meus presentes?

     E a minha Mãe responde:

     – Só um , porque os presentes só se abrem à meia-noite.

     Os meus presentes preferidos foram o amor da  minha família e a minha cadelinha.

Margarida C, 5C

Adeptos do NSA

  NSA

Imagem:Núcleo Sportinguista de Alcabideche

OE – O Vasco S do 6ºA e o Tiago S do 6ºB iniciaram, há duas semanas, uma Oficina em comum. Embora cada um prossiga diferentes objetivos –  o Vasco, mais voltado para a criação de texto livre, onde é exímio, o Tiago, por enquanto, a pôr à prova a eficácia de diferentes estratégias de estudo – ambos têm em comum a paixão pelo futebol e a filiação no mesmo Clube, o NSA.

 Foi pois com muito interesse que a Oficina de Escrita recolheu alguns excertos do diálogo acalorado com que estrearam a  primeira sessão do seu trabalho em comum.

O Tiago Pratica futebol – nos recreios – em todas as posições possíveis na equipa: como avançado, lateral direito,  guarda-redes e defesa. O seu Clube favorito é o Benfica, mas também o Real Madrid; a nível local, participamos no  Mundialito e temos o Copa Guadiana do NSA.

   Tiago –  Sempre fui guarda-redes, primeiro fui defesa. Saí de guarda-redes, porque veio um treinador excessivo, parecia que estava a treinar os profissionais. Ficava exausto: cada vez que não defendia uma bola, ele recomeçava o treino.

Vasco –  Quando eu cheguei, o treinador, em cada dez remates acertava um. Eu era avançado, mas agora sou guarda-redes no NSA.  Estou na equipa A. 

Tiago  – Quando saí, fui para o ténis. Se eu voltar, eu fico logo no início como guarda-redes e tu ficas no banco, Vasco. O Prof Américo sempre foi o meu treinador. Treinamos todos os dias, das 5 àS 9.

Vasco – Treinamos  3 vezes por semana. Uma vez fiquei todos os dias, das 7h às 9h para o professor decidir quem iria pertencer à equipa A.

Tiago – Houve uma altura em que começaram todos a sair, estávamos a perder jogos – agora os de 2004 passaram para a equipa A, estamos melhor.

Tiago  – Gosto de ler o livro “Aprende Futebol”, que tem figuras a três dimensões, com um elástico e uma bola e, na margem, ao lado, tem a explicação da jogada.  NSA

Vasco e Tiago sobre “Táticas mais apreciadas”:

Tática da Inglaterra  – passar a bola para o avançado e o avançado marca  – é um golo  muito direto.

Tática da Alemanha – marcação de golo quase direto de baliza a baliza.

Tática do Brasil – um emaranhado de linhas vivas que mostram a criatividade e surpresa permanentes como tática de jogo.

OE – Aos dois companheiros de campo, obrigada por esta partilha e votos de bom êxito no estudo e no jogo.

Na Noite Maravilhosa de Natal

     Magical Christmas
Photo Credit: SurFeRGiRL30
via Compfight

     Na noite de Natal vamos sempre jantar a casa dos meus avós. Jantamos em casa dos meus avós paternos e, a seguir, vou a casa da minha avó materna.

     Na hora dos presentes temos de ir para a salinha e cantar músicas de Natal em roda. Mas quando ouvimos o sino, abrimos a porta e vamos a correr a para a sala, abrir os presentes. E, de manhã, vamos aos meus avós paternos abrir os presentes, em grande excitação.

     Costumo fazer a árvore com as minhas irmãs. A minha Mãe, em cima da lareira, faz um presépio gigante, com musgo e, sempre que passam os dias, vou mexendo nos Reis Magos para, na noite de Natal, eles estarem lá quando o menino Jesus nascer.

     Na Ceia, comemos sempre peru, frango, batatas assadas, como eu adoro, e queijos frescos e muitas mais coisas saborosas.

    A minha sala está com imensas decorações fabulosas, como presépios, a árvore de Natal cheia de enfeites e com sacos com imagens de Natal em baixo e pais natal.

    Todos os Natais fazemos um teatro ou um poema ou vamos cantar músicas de Natal para a minha avó, os meus tios e os meus pais: é maravilhoso!

     Gostei de muitos presentes que me deram, mas gosto em especial dos que a minha madrinha me dá. No ano passado, deu-me um relógio Tante!

     Na Escola, estamos a fazer umas coroas para o Natal e eu gostava de as pôr também no meu quarto. Gostava de decorar as salas todas do Colégio e os corredores e adorava fazer um cabaz de turma.

     Este Natal, adorava receber coisas antigas do meu Avô e roupa gira, mas sem golas.

   Eu adoro o Natal, especialmente porque a família está toda reunida. Desejo um Natal Feliz e Maravilhoso para a minha Família. Para as outras pessoas, Feliz Natal.  

  – Ho! Ho! Ho!

Carlota C, 5C

Advento – 5 de Dezembro

Austria´04
Photo Credit: Jaume Meneses via Compfight
Hoje , em 1791, morria um dos génios da música – Wolfgang Amadeus Mozart.
Senhor, ao recordar Mozart, queremos agradecer por todos os homens
e mulheres que iluminaram o mundo pela música!
Através da música os nossos dias parecem ganhar um encanto diferente.
Cantarolamos quando estamos felizes…
partilhamos a música da nossa vida com os amigos…
falamos do nosso estado de alma…
através da música!
No dia de hoje, que eu não tenha nem medo nem vergonha
de cantar aquela música que ajuda a trazer luz aos meus dias!
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo…
Pastoral do CAD

Os Meus Desportos Maravilhosos

     Dolphins Jumping Over Keeper
Photo Credit: Lauren Tucker via Compfight

      A prática do desporto ocupa um lugar importante na minha vida.

     Desde há duas semanas ando no Atletismo, estou a adorar! Pratico em Sintra, com um professor que já foi o melhor atleta do mundo. Nas aulas dele fazemos flexões, corrida, saltos em altura ,saltos em comprimento e muitos mais exercícios. 

     Eu também pratico natação desde os meus 6 meses com o meu pai. Hoje em dia, já sei nadar sozinha, no Colégio, às quartas -feiras e às sextas -feiras. A sensação de flutuar é como voar. Quando estamos com frio e tocamos na água, ficamos arrepiados. Quando estamos com stress, batemos na água. Quando estou nas Competições ouço o meu Pai a gritar:

     – Força, Carolina! Força!

     Mas estou debaixo de água.

      A natação , para  mim, é muito importante, porque um dia, posso estar perdida no mar alto e, assim conseguir sobreviver.

    Quando era pequena, fui ao Brasil: foi tão giro! Fui para Natal, nadei com os golfinhos e adorei, foi maravilhoso!

Carolina S-C, 5C

Advento – 4 de Dezembro

the scarlet flowers of passion seem to grow in the same meadow as the poppies of oblivion
Photo Credit: jenny downing via Compfight

Quem é sábio e inteligente entre vós?
Pois então, mostre com a boa conduta,
que as suas ações são de uma sabedoria humilde.
Mas, se tendes no coração ciúme amargo
e espírito de rivalidade,
não vos gabeis nem mintais contra a verdade. (…)
Na verdade, o fruto da justiça é semeado na paz
por aqueles que trabalham pela
paz.
(Carta de São Tiago 3,13-14.18)

pazPastoral do CAD

A Minha Mãe

Roses for Mother's Day
Photo Credit: qthomasbower via Compfight

     A minha Mãe é a pessoa mais importante na minha vida! Ela é alta, bonita e elegante.

    Dependendo dos sítios para onde vai, gosta mais de vestir roupa de festa; quando fiz a minha primeira comunhão, ela foi com um vestido azul às florzinhas e uns sapatos azuis. Um dia, íamos para o Teatro, mas foi cancelado; como havia um espaço verde, a minha mãe tentou explorá-lo de saltos altos, mas ficou com dores nos pés! Quando sabia que íamos para o campo, já ia de ténis, de sandálias…

     O seu rosto é oval, a pele clara, o cabelo castanho claro, pelos ombros, totalmente liso; os olhos castanhos, quando está cansada, parecem mais tristes, mas quando está contente, os seus olhos brilham; a boca, de lábios claros, é sorridente.

     A minha Mãe é fofinha, simpática e boa: ajuda-me em tudo o que eu preciso. Ela esforça-se muito no trabalho. Antes, ela tinha um café e esforçava-se imenso para ter dinheiro para ajudar os outros e também para me ajudar a mim.

     No meu primeiro dia de escola, eu tinha medo e ela disse-me para não ter medo, que ela estava ali para me ajudar no que eu precisava.

     Gosto de fazer tudo com a minha Mãe, não tenho atividades preferidas, porque ela é boa em tudo e, quando não sabe algum jogo, quer sempre aprender.

Matilde S, 6B 

A Menina Terrorista

     In Cold Blood..
Creative Commons License Photo Credit: Shadi Samawi via Compfight

I

     Era uma vez uma rapariga  dos Estados Unidos da América que  foi viajar de avião para a Síria, a fim de fazer trabalho de voluntariado: havia miúdos que estavam a morrer de fome por causa da guerra e ela foi escolhida pelos Estados Unidos para ir dar de comer aos miúdos e ajuda-los psicologicamente.

     Quando ela chegou ao aeroporto, viu a Síria: estava muito pobre e ainda se sentiu com mais vontade de ajudar. Mas, de repente, parou um carro mesmo à frente dela e sequestrou-a; foi mesmo como se estivessem à espera dela. No carro, estava ao lado dela o presidente de um grupo terrorista que era muito conhecido por causa disso. Ele percebeu logo que ela não era da Síria, porque ela tinha olhos azuis, cabelo loiro e não tinha o manto para cobrir a cara. Ele começou a fazer perguntas em árabe e ela não percebia, só falava em americano.

     Ele estava muito baralhado e, com o pouco inglês que sabia, disse que ela tinha 3 hipóteses:

  •  Era decapitada
  • Convertia-se ao Islão e casava com um jihadista que podia ser dos USA.
  • Pedia ajuda ao USA e ia para casa, mas os americanos tinham de dar, em troca, armas dinheiro e pessoas.

    Ela escolheu a hipótese 2, em que se convertia ao Islão e casava com um jihadista. Quando o carro chegou ao seu destino, ela viu crianças a serem torturadas, pessoas a morrer e até pessoas com 97 anos ou perto dessa idade, a fazer trabalhos pesados.

(Fim da 1ª Parte)

Francisco C, 7º

Advento – 3 de Dezembro

Nap in my lap [Explored]
Photo Credit: Susana Fernandez via Compfight
Já reparaste no “jeito” de Deus?
Ele não se serve da força e do poder para intervir na história e mudar o mundo.
É através de um “menino”, símbolo da fragilidade e da dependência,
que Deus propõe aos homens o seu projeto de salvação.
Tens consciência de que é na simplicidade e na humildade que Deus age no mundo?
Já viste que a verdadeira revolução é a do amor?
Pastoral do CAD

Uma Paixão pelo Mar – II

  Nesta segunda parte da  entrevista de Tomás G  vamos introduzir alguns desenhos do lindíssimo livro da Artista  Cláudia Myatt, – que teve a gentileza de responder pessoalmente ao nosso pedido de permissão – a fim de tornar mais acessível a compreensão dos termos técnicos da arte de Navegar.

OE – Pode recordar um momento difícil que tenha vivido na sua experiência de navegador?

tomas_gray_prancha

Imagem: gentileza de  Claudia Myatt

Tomás G. Quando a minha equipa e eu fomos para a Boca do Inferno. Estavam muitos ventos, tantos que o meu peso não chegava para superar o vento. Eu segurava o barco pelos joelhos e inclinava-me para trás. Mas tive que folgar a vela e esperar que a rajada passasse.

Um dia, estava a chover torrencialmente e ainda com nevoeiro: conseguíamos avançar, mas mal víamos o caminho!

Noutro dia, a chuva era tanta que até tivemos de tirar água do barco!

OE – Conte-nos um episódio em que o seu barco tenha virado.

Truque para Desvirar

Imagem: gentileza de Claudia Myatt

Tomás G. – Eu estava a fazer prancha e o barco adornou muito, até que virou e eu fiquei debaixo da vela.

Mas tenho uma técnica: quando o barco está a virar, salto para o patilhão, desviro o barco, salto outra vez para dentro do barco, sem me molhar! É esse o meu truque.

Mas já me aconteceu eu estar a fazer prancha e cair para trás porque não tinha os pés presos nas cintas. Às vezes os meus pés ficam presos à escota e o barco vira; também já apanhei retrancadas: a retranca vira de repente e bate-me.

Retrancada

Imagem: Gentileza de Claudia Myatt

OE – Quais são os seus projetos para o futuro, na Vela? 

Tomás G.- Continuar a aprender cada vez mais. Quando for grande, posso participar numas regatas e dar umas voltas.

OE – O que tem aprendido de mais importante nesta prática de navegação? 

Tomás G.- Transmite-me coragem, gozo e a segurança de conviver com aquelas ondas todas e de fazer treinos muito intensos de 14h por semana, de andar de barco com grandes ventos…

OE – Obrigada por esta partilha de uma vivência ímpar. Desejamos-lhe muitas felicidades na sua aventura de jovem navegador.

(Fim da 2ª Parte)

O Meu Natal

     Strasbourg, France Christmas MarketPhoto Credit: LenDog64 via Compfight

     Antes de começar o Natal, no fim de semana, eu, a minha Mãe e a minha irmã montamos a árvore de Natal na sala e  o resto da casa fica cheio de decoração.

     Depois de montar a árvore e de enfeitar a casa faço uma lista de presentes com a minha irmã.

     Quando chega o Natal, vamos para casa da minha avó mais os meus primos, os meus tios e alguns amigos da minha mãe e do meu pai. Eu e a minha irmã vamos para a sala, ter com os meus pais e cantamos músicas de natal e dançamos.

     Quando estamos lá, nós, as crianças, comemos primeiro e depois a mina avó dá-nos um pai natal de chocolate. Depois de comermos, os adultos vão comer, enquanto nós estamos a brincar todos juntos.

     Quando eles acabam de comer, passado um bocado, já é meia-noite e o pai-natal vem. Então, eu, a minha irmã e os meus primos, ouvimos o barulho dos sinos na rua. E eu fico muito entusiasmada. Nós ficamos muito contentes e recebemos muitos presentes.

    Eu gostei muito deste Natal porque estive em família e recebi muitos presentes.

Mariana H, 6C

O Reino da Mitologia

Centaur Mosaic discovered near the ancient Roman theater at Orange, France.  late 2nd century CE - early 3rd century CE
Creative Commons License Photo Credit: Mary Harrsch via Compfight

     A Mitologia é muito extensa e fala-nos desde os deuses, tais como Zeus e até  às mais pequenas criaturas, como os anões. Então vamos falar de algumas dessas lendas. 

      Para começar com o pé direito, vou começar com o Centauro. O Centauro era uma das criaturas mais conhecidas, devido à sua astúcia e inteligência. O Centauro era meio homem meio cavalo; era conhecido como excelente arqueiro; era considerado como um excelente professor, devido à sua inteligência. Por estas qualidades tornou-se uma das criaturas mais conhecidas.

Perfume jar (Aryballos) in the shape of a minotaur Greek made in Ionia 580-560 BCE Terracotta (1)
Creative Commons License Photo Credit: Mary Harrsch via Compfight

Agora vamos para o poderoso Minotauro. O Minotauro é um homem com cabeça de touro. A sua lenda conta que ele guardava um labirinto e, se alguém se atrevesse a entrar lá não sairia de lá vivo. Consigo levava uma grande machado de ferro para lutar com quem o desafiasse. Assim, este ocupa o segundo lugar dos mais conhecidos.

Le Jour ni l'Heure 1148 : Polyphème et les compagnons d'Ulysse, peintures en grisaille, c. 1820 ?, dét., de la villa Manzoni, demeure de famille d'Alessandro Manzoni, 1785-1872, Lecco, Lombardie, Italie, jeudi 11 août 2011, 16:34:28
Photo Credit: Renaud Camus via Compfight

     E eis o último dos mais conhecidos: o Ciclope. O Ciclope não tem mitologia certa, mas a mais conhecida lenda diz que os Ciclopes eram grandes pastores de ovelhas e eram dos seres mais temidos devido ao gosto horroroso de comerem homens. Digamos que comiam homens como uma criança come doces.

    Para concluir, estas e outras criaturas mitológicas hoje em dia têm diferentes graus de importância: sem a mitologia não existiriam jogos e filmes de que todos nós gostamos.

       A mitologia sempre foi um centro de inspiração para escritores, artistas, realizadores de cinema, entre outros, e, se pensarmos bem, dá-nos uma Cultura mais rica.

Rafael N 6D

Advento – 1 de Dezembro

malala
Creative Commons License Photo Credit: Albert Tarragó via Compfight

     Malala, Prémio Nobel, é uma adolescente paquistanesa que ousou desafiar o regime de opressão que impede as raparigas de ir à escola.

     Malala não se cansa de repetir: “Uma criança, um professor, um livro e um lápis podem mudar o mundo (…) Eu não me importo que tenha de me sentar no chão da escola. Tudo o que eu quero é educação.”

     No início de mais uma semana queremos pedir por todos que não podem ir à escola.

     Queremos pedir por quantos não têm um professor, uma escola, ou um simples caderno!

     Que eu saiba agradecer pelo que tenho e o saiba aproveitar.

     Que na nossa campanha do “LIVRO SOLIDÁRIO” eu possa perceber que um livro pode ser LUZ!

     Mais ainda, que neste ato de dar, perceba que essa luz se transmite e cresce!

Pastoral do CAD