A Alma do Verão

Comporta 2013Creative Commons License Freebird via Compfight

     Este Verão, em minha casa, eu gostei muito de ir á praia, na Comporta. A praia é muito grande, a areia é como a neve, a água é quente, é azul e com ondas enormes!

    Uma vez, uma onda altíssima apanhou-me e eu fiquei como um tornado a redemoinhar! Quando cheguei à areia, estava muito zangada. Quando eu nadava com o meu irmão, o nosso cão, “Koda”, ficava com as patas da frente no ar, como um suricata, aos saltos á beira-mar.

    Uma vez que estava a nadar com os meus pais, o meu pai gritou:

    – Onda! Onda! Eu tentei escapar, mas não tive sucesso: fui a rebolar até à areia! O meu nariz doía porque engoli água. O meu irmão levou areia molhada da beira-mar e atirava-a para cima de mim.

     Na praia, estava a Banda Musical “Depeche Mode” a saltar nas ondas. Eu não perdi a alma na música de Portugal!

Svetty T, 6B

As Melhores Férias de Sempre

Relexo 33Creative Commons License Antonio da Silva Martins via Compfight

     Um dia fui para o Algarve com a minha Família: estava um lindo verão único! E a paisagem, nem se fala: fantástica, cheia de pessoas à volta, com um mar esplêndido!

      Parecia uma sopa de caldo verde, tinha vontade de o comer: águas frescas, ondas maravilhosas e baixinhas.

     De manhã, ia sempre comprar pão, para o pequeno-almoço; íamos a Espanha para meter gasolina e ir às compras ou então íamos à praia ou ainda andar de barco, onde mergulhei com uns óculos, para ver os peixes e as conchas.

     Senti-me muito feliz, convivendo com a minha Família. Podem ter sido umas simples férias no Algarve, de uma semana, mas foram espetaculares!

Margarida R, 5C

O Meu Sonho

     Um dia sonhei que  ia a casa da Susana. Lá  vi  a Susana, o Manel , o Vasco e o Zé. 
    A  casa  era de vidro, madeira e cimento  e também  tinha o telhado.  
    Havia  uma piscina  ao lado da casa e eu mergulhei  com a Susana , Zé, Manel  e Vasco.  A água estava muito boa  e eu nadei imenso.
    De repente, apareceu um ladrão  que queria roubar  a carteira da Susana! O Manel e o Vasco  gritaram tão alto que o ladrão apanhou um susto enorme e fugiu.
    Eu não me lembro de mais nada e acordei na minha cama.
    Foi  um sonho muito agitado.
Francisca P, 5 A

Comprometer-se no “Cuidado do Outro” – II

http://deusmelivro.com/critica/a-princesa-azul-e-a-felicidade-escondida-filipa-saragga-20-5-2015/

Imagem: “Deus me Livro”

Cristal “Cuidar” –    II

      Continuamos, em Outubro, a paráfrase meditativa do lindíssimo livro de Filipa Sáragga, descobrindo, nas dobras do “Cuidado do Outro” as implicações do “Compromisso“, que é o nosso “valor“para este mês.

     Ao longo de um diálogo vivo, a Mestra vai vencendo as apreensões da jovem Princesa, em relação à sua capacidade de ir ao encontro dos outros, pois na atitude de “Cuidar” escondem-se compromissos que nos curam e libertam, bem como potenciam a felicidade dos outros.

  • Se aceitamos o nosso próprio arrependimento ou mágoa, mais rapidamente nos podemos focar  intensamente nos outros, apoiando-os ou apreciando-os.
  • Ao arriscarmos a oportunidade de fazer novos amigos, podemos surpreender-nos a crescer com eles  e a sermos melhores.
  • Incluindo no nosso rumo habitual aquilo que é diferente e o complexo nos outros, ajuda-nos a descobrir em nós qualidades desconhecidas e abrimo-nos para novos compromissos.
  • Mantém-se viva a chama da amizade, no compromisso de permanecer sincero com o outro. 
  • Os amigos são honestos entre si, confiam o que lhes é mais íntimo; mas também se comprometem na mútua celebração dos seus sucessos, cada um fazendo sua a felicidade do outro.

     Finalmente, a suave voz desta Sabedoria, encarnada numa Rosa, indica à Princesa os exercícios que a comprometem na aventura do “Cuidar”e que podemos escolher para este mês de Outubro:

  • Ofereceste um abraço a quem mais precisava?
  • Recolheste uma  história de vida dedicada aos outros?
  • Desenhaste ou escreveste um momento em que visitaste alguém ou lhe prestaste um serviço?
  • Podes contar um momento em que fizeste alguém mais feliz?
  • Tens reparado na beleza? Ela está presente nas pessoas, nas ações, nas nossas criações e nas da natureza. Experimenta este exercício da atenção que se descentra de si própria e descobre mil motivos para agir e criar…

OE

As Lágrimas Amorosas

http://www.escapadinhas.org/escapadinha-lagoa-das-sete-cidades/

   Imagem: Lagoa das 7 Cidades

     Este verão, eu e a minha Família fomos aos lindíssimos Açores!

     Gostei imenso de ver a Lagoa das 7 Cidades: metade era azul turquesa e a outra metade era verde esmeralda!

    Conta a Lenda que era uma vez uma Princesa que se apaixonou por um Pastor, mas não podiam casar, porque ela era uma Princesa e ele era apenas um Pastor.

     A Princesa chorou tanto que formou uma Lagoa Azul, porque a Princesa tinha os olhos azuis. O Pastor, que tinha os olhos verdes, chorou também e formou uma Lagoa Verde.

     E as águas não se misturaram porque eles não se podiam casar!

    Gostei muito da ida aos Açores, senti-me feliz, entusiasmada, curiosa e, do que gostei mais foi da praia de água quente em que ao lado havia um vulcão!

Matilde C, 5ºA

Melhores Férias que já Tive!

http://yourholidayhomes.com/things-to-do/parks-and-gardens/helsinki-zoo_689.html

Imagem: Zoo da Finlândia

     Nestas minhas férias, fiquei muito feliz porque a minha tia e a minha prima vieram do Brasil para nos visitar. Depois de alguns dias, fomos visitar o meu padrasto à Finlândia. 

     Eu, a minha tia e a minha prima fomos visitar a cidade de Cascais: disseram que era mais ou menos igual ao Brasil: quentinho e com muitas pessoas. Fomos á praia e à piscina, mas elas acharam a água fria e com mais tom de azul.

     Depois de duas semanas, nós fomos à Finlândia! Elas acharam muito frio no verão, mas adoraram o Zoo, principalmente a minha prima de 4 anos. Foi a primeira vez que elas foram ao Zoo: estavam animadas!  A única coisa que elas não gostaram foi do mar, porque era muito frio.

     O Tigre branco era giro e chamava muito a atenção das pessoas; e tinha um branco na sua pele igual à neve!

      Eu adorei quando vi a minha prima pequenina e a minha tia em minha casa. Estas férias encheram-me de felicidade porque estive com a minha Família!

Leyane S

As Férias devem ser mais Longas

August 2017 - Nika with Angelina and Aurelia eagle1effi via Compfight

      Em relação às férias, considero que deveriam ser mais longas.

     Em primeiro lugaras crianças com problemas nervosos precisam de descansar, porque há pessoas patetas na escola que as enervam. 

     Em segundo lugar, crianças teriam mais tempo livre para estudar, aprender, brincar e fazer amigos novos; esta abundância de ar e de atividades livres é saudável para elas.  

     Em terceiro lugaras crianças poderiam passar mais tempo com os pais; há alguns pré-adolescentes que não se interessam pelos pais, mas os pais são importantes para a vida, são dois lobos que nos protegem das coisas más. 

      Por todas estas razões, defendo que o descanso deveria prolongar-se no verão e ao longo do ano letivo, em especial nas férias de natal e Carnaval porque eu gosto muito do inverno.

Svetty T, 6B

Contando as Férias a um jovem Castanheiro

Imagem: DW Made for Minds

Esta carta foi enviada para o pequeno castanheiro de Dusseldorf que recebe correio de todo o mundo: 

Kleine Himmelgeister Kastanie
Kölner Weg
40589 Düsseldorf
Germany

https://q-ec.bstatic.com/images/hotel/max300/279/27900055.jpg

Imagem: Aldeias de Montoito

25/09/17

Querida Erona, 

     Nas férias, fui ao Alentejo, que tinha uma paisagem muito bonita. A Aldeia onde fui chamava-se Montoito. Estávamos rodeados de verde, eu, os meus avós e irmãos. Gostei especialmente da visita a um Palácio que tinha vestidos de uma Artista para serem usados por nobres. Tinham feitios malucos: de uma prenda, de um bolo, de uma “cup cake”…

Imagem: Viator.com

     Depois fui ao Algarve, a Lagos, com os meus pais e os meus irmãos. No hotel tinha cinco piscinas e uma praia perto. A água, sempre fria, mas quando estávamos acalorados, era ótima para nos refrescar; às vezes cresciam ondas de um azul esverdeado com espuma branca na crista.

    Fui duas vezes visitar a cidade e fiz um “Tereré” em tons de azul. Nestas férias senti gratidão pelas surpresas da vida: no Alentejo e no Algarve gostei de conviver com a minha Família e com a Natureza.

      E tu, pequena árvore, como passaste o Verão?

Carolina A, 6B

25/09/17

     Dear Erona,

     During my holydays, I have been to Alentejo, where the landscape is beautiful. I was in a small village called Montoito, with my grand parents and my sister and brother. We were surrounded by pure green. I specially appreciated the visit to a Palace where we could see dresses made by an artist ; they were supposed to be used by noble people. But they had strange shapes : one was like a gift, other looked like a super cake, and another was like a cup cake…

     Afterwards I went to Lagos, with my parents, my brother and sister. At the hotel there were 5 swimming pools and, very near, a beach. I went to visit the city twice and there I had a «Tererê” made in my long hair.

     There was a beach near by, where the water was always cold, but, when we were feeling hot, it was great as we could be refreshed; sometimes some big waves would grow, blue and green, with white foam on the crest.

    These holidays I felt gratitude for the surprises of life in Alentejo and Algarve; I enjoyed to be with my family and to be in deep union wtih Nature.

    And how about you, little tree? How did you spent your Summer?

A Kiss from Carolina

As Melhores Férias de 2017

https://pt.aliexpress.com/store/product/Inflatable-Flamingo-Pool-Float-Toy-150CM-Party-Water-Rose-Gold-Giant-Pink-Cute-Boia-Tube-Ride/1897368_32819171439.htmlImagem: Aliexpress.com

     Este Verão extraordinário, estive no Algarve e no Alentejo, com os meus queridos Amigos e Família.

     Quando estava nas praias do Algarve, via o mar claro, as pessoas a divertirem-se, as rochas castanhas, a areia brilhante e muitos chapéus de sol.

      Fiz muitas diversões fixes na praia, como: futebol, volei, raquetes, bodyboard, nadar e mergulhar nas ondas e ainda jogar com uma bola que salta na água.

     Gostei imenso de ir à piscina e recebi duas boias novas: uma, enorme, cor de flamingo e em forma de flamingo; outra, redonda, de várias cores, para descansar.  Basicamente cabíamos todos no flamingo, não lutávamos, mas queríamos todos chegar à boia e ficávamos lá.

     Sempre que jogava com os amigos ou me atirava para o mar sentia-me feliz, calmo e em liberdade.

Afonso F, 6D

Aventuras de Barco

http://www.algarvehousing.net/portugal/ferragudo/Imagem: Ferragudo

     Este verão inesquecível, fiz uma viagem até ao Algarve com toda a minha Família e o barco ás costas. O barco ainda ia com a revisão por fazer.

      Achávamos que não ia ser muito complicado, até que, no dia em que fomos fazer a revisão a Faro, recebemos uma triste notícia: tinha uma pequena lesão no motor. O barco não passou na revisão, mas o meu Pai fez de tudo para nós navegarmos no alto mar. Passada uma semana, já estávamos a navegar lá em cima, felizes e contentes.

     O meu Pai decidiu ir buscar de barco a minha irmã e a minha prima, que vinham do CSVI, de autocarro: uma loucura! Paramos numa praia, no Ferragudo. Quando chegamos…

(Continua)

Carminho S, 6A

Experiências Indescritíveis na Carrapateira

https://www.voyagesetc.fr/carrapateira-mon-petit-paradis-au-portugal/

 Imagem: Mon Petit Paradis     

       Este Agosto suave, na Carrapateira, com a minha Família e Amigos, tive experiências indescritíveis.

      Vivemos nesta pequenina Vila com dunas de areia fina e clara ondulando até ao mar brilhante.

      Criei um negócio emocionante e difícil: todos vieram da praia à hora combinada para preparar as pizzas e organizar um restaurante em casa até 30 pessoas, entre os nossos pais, família e amigos.

     Pesquei com cana: aquela sensação de ter um peixe na linha e a cana a tremer nas minhas mãos! Descia das rochas chamadas “Os dois irmãos” para ir apanhar o peixe, como me ensinou, entre muitos outros truques desse sítio, um pescador que ali ficou meu amigo.

      Nesses 13 dias intensamente vividos, quase apanhei o maior peixe da minha vida: depois de uma luta intensiva, consegui vê-lo e, com todo o cuidado, puxei-o. Quando pensei que ele já era meu, o mal aconteceu: a chumbada prendeu numa rocha alta, veio uma onda enorme, arrastou o peixe e levou-o!

Alexandre T, 7A

Amigas em Aventuras!

    Going Slowly Katherine Herriman via Compfight 

     Um dia fui à missa da minha avó que morreu, e estávamos a rezar. O meu apelido é P.;  a seguir fomos a casa e as minhas amigas  iam para a escola  trabalhar, fazer um teste nas aulas, a escrever,  a dizer qualquer coisa; eu estava a ir para casa com a Juliana. A Francisca e a Inês estavam a sonhar do meu próprio sonho onde andavam a roubar nas minhas coisas!

     Então, a Francisca resolveu ir à Sacolinha com a Inês e também com a Juliana. Depois, iam fazer uma visita de Estudo, as três foram a casa trabalhar e a professora delas pediu para estudar. E havia muita matéria!

     Elas estavam a brincar, mas, de repente, apareceu um ladrão. Então, ele raptou a Francisca. A Juliana e a Inês foram salvá-la, porque o ladrão tinha-se ido embora e a Francisca continuou amarrada. E gritaram o nome delas:

      – Juliana, Juliana! Inês, Inês!

     Elas foram salvar a Francisca. E a Francisca foi ter com as amigas.  Já em casa fizeram uma festa, para celebrar a libertação da grande amiga Francisca!

Texto a duas Mãos

Francisca P 5A e OE 

Aventura na Ilha do Farol

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiyj8XN8czWAhXL7RQKHai4C3QQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DUOoz25BKwgQ&psig=AOvVaw2o8YmhkmpGdT_00ooSs5wx&ust=1506859600670568

   Imagem: Ria Formosa2015

      Este verão fantástico, na ilha do Farol, vivi uma aventura indescritível, com a minha Família e amigos.

     À nossa volta havia o mar imenso, uma massa gigante azul clara e água fresca por todo o lado.

    À noite, sob o céu estrelado, eu e os meus amigos íamos a uma Associação na Ilha, onde jogávamos às cartas e andávamos de bicicleta à vontade, até um bar maravilhoso onde bebíamos batidos e comíamos wafels indescritíveis.

    De manhazinha, ia para a praia com 30º graus, mergulhava no mar fresco com os meus amigos e íamos apanhar lapas ao pontão debaixo de água.

    Eu adorei estar na ilha, porque podia viver livre e andar com os meus amigos em pleno dia e noite: foi uma aventura!

André R, 7A

O Esplêndido Cruzeiro

https://www.logitravel.com/cruceros/mediterraneo-occidental/desde-valencia/msc-splendida/un-mar-mil-maneras-de-vivirlo-16418350.htmlImagem: MCS Splendida

     No verão, eu fui fazer um Cruzeiro com toda a minha Família do lado do meu Pai. Foi esplêndido! Parti de Valencia e passei por Marselha, Génova, Roma, Palermo, Sardenha, Palma de Maiorca… Viajámos num barco gigante, a paisagem era linda de morrer! Acordávamos sempre em cidades e países diferentes.

     Todas as noites, antes de jantar, íamos ver os espetáculos maravilhosos; depois, íamos para o restaurante que tinha sempre o mesmo empregado, chamado Aprianto, que vinha da Indonésia.

     No barco havia dois Jacuzzis, uma piscina interior e outra exterior, kids club, cinema 4D, casino, sala de espetáculos, muitos bares e discotecas, um mega buffet – que eu até me perdi lá – sala de jogos, 25 elevadores, uma loja de gomas e chocolates e outras dimensões surpreendentes…

     Um dia, na piscina, houve um concurso “Master Chef By the Sea” e a minha Tia ganhou com uma sobremesa de frutas, com um nome criativo.

     Senti-me entusiasmada com a brutalidade de tanto mar à volta, no seu azul sempre em movimento. E fiquei espantada com o facto de aquele enorme barcalhão não se afundar.

Margarida Cocco, 6A

Ondas Perfeitas na Arrifana

http://www.arrifanasurfschool.com/

Imagem: Arrifana Suf School

     Era uma vez um surfista chamado Simas. Um dia, ele decidiu ir à Arrifana; lá foi ele. Assim que viu o mar com ondas perfeitas e o céu sem nuvens, sentiu-se cheio de energia.

     Logo de seguida, o Simas encontrou um amigo – isto é, convidou-o – e foram logo para o mar. Surfaram grandes ondas azuis; quando saíram da água, foram para casa brincar, andando de skate.

     Estavam num acampamento e a descida era inclinada, era giríssimo descer a rampa e eles ainda iam muitas vezes a um café muito bom.

EzraCreative Commons License sushitsavo via Compfight

    Uns dias depois, foram embora. Quando chegaram a casa, o Simas foi logo ter com o seu cão bebé, o “Bola”, de pelo curto, cinzento e preto, um galgo wheepet, magrinho e que se encolhe todo ao dormir.

Simão CB, 5C

Adrenalina no Escorrega de Água

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiv7Z7sysPWAhWFmBoKHQBTCV4QjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.feriasemportugal.com%2Faquashow-quarteira-algarve&psig=AFQjCNHpfPeCLRD40K063_LbVZjA6j0MYg&ust=1506540410122578

Imagem: Aqua Show do Algarve

     No Aquashow do Algarve, estava eu na adrenalina do escorrega de água: sentia muuito medo! À minha volta, uma paisagem muito bonita: as diferentes atrações e árvores fora e à volta, poucas casas e uma estrada com os carros a passar.

     A água era transparente e rápida, o ar estava cheio de gritos e de gargalhadas! Já há muito tempo que eu queria andar no Aquashow; tinha lá amigos meus e amigas da minha irmã, também porque era o aniversário de uma amiga da minha irmã.  Foi uma surpresa, porque ela não sabia que íamos!

     Quando saí, já tínhamos a certeza, a minha irmã e eu fizemos uma aposta, e ganhei, porque andei em mais diversões que ela!

Vicente E, 5C

Marrocos Maravilhoso

Imagem: Ibero-Star Saidia

     Nas minhas férias, fui a Saídia, em Marrocos. Durante sete dias fui à praia, havia ondas e eu mergulhava por cima delas: foi muito engraçado! Em Marrocos, no hotel – Ibero Star – em que eu estava, havia diversões animadas: na piscina, tínhamos de mergulhar e de apanhar coisas no fundo; jogamos vólei na água…

     O mar era quente, com ondas azuis, a areia era quente e amarelo-torrado, mas havia mais gente na piscina que na praia. No último dia, os hóspedes todos vestiram-se de branco e fizeram um fogo de artíficio que dizia: “Saídia – Marrocos”.

     Andei de camelo – no maior que havia lá – ao longo da praia. Ele, às vezes, levantava a cabeça para trás, tirava a língua e eu assustava-me. Fui com a minha mãe e estes dias foram inesquecíveis pelo convívio.  Foram dias divertidíssimos, porque havia muitas atividades para fazer e descobri imensas realidades de um país que eu não conhecia.

Mariana C, 7C

O Golfinho Feliz


PortraitCreative Commons License R’lyeh Imaging via Compfight

    Nas minhas férias tive muito contato com a água. Fui muitas vezes ao mar com a minha avó; ela é velhinha mas muito aventureira, ela vai até ao fundo do mar e leva-me como acompanhante. Tenho muitas histórias para contar, mas vou contar a que foi mais divertida.

     Estava eu e a minha avó no mar sem fim e azul escuro, quando aparece um golfinho a nadar, feliz e contente. Eu achei logo que era um tubarão, pois estávamos tão longe que não conseguíamos ver a praia, mas a minha avó logo me alertou e disse que era um golfinho, mas mesmo assim, eu morria de medo que ele ou ela me mordesse. 

Passado algum tempo, o golfinho começou a fazer truques para nós vermos e ele gostava tanto quando nós aplaudíamos. Esperamos até ele acabar com os truques: então eu fui para cima dele e começou a levar-me tão rápido quanto uma chita.De repente, ele foi para debaixo de água cada vez mais e mais fundo e eu soltei-me, porque senão ia morrer afogada.

     Quase sem ar, vim até à superfície e encontrei a minha avó; começamos a nadar até à costa, mas não reparamos que o golfinho vinha atrás de nós. Quando já tínhamos pé, olhamos para trás, a ver se encontrávamos a minha mãe e a minha irmã, mas o que encontramos foi um golfinho novamente a fazer truques. Ele ficou ali por uns tempos e foi-se embora, mas ninguém o viu, pois tínhamos pé, mas a água estava até ao meu pescoço e a praia ainda estava um pouco longe.

     Finalmente, chegamos à costa, onde estavam a minha irmã e a minha mãe a apanhar um bronze. E por fim contamos a toda a fabulosa história a elas!

Carolina Cr, 7B

Definindo Sentimentos

AMISTAD_ Eider Joselito Chaves Chaves via Compfight

A Família não é o sangue que temos em comum, mas sim as pessoas em quem confiamos e que nos fazem sentir só um.

A Coragem é um sentimento poderoso,   pois em quem está vivo, é muito valioso;  

A Coragem sabe sempre quando aparecer, pois na vida e na morte, é um sentimento para proteger.  

O Amor é a diferença, o Amor é a igualdade; o Amor é o que se sente quando se está apaixonado.  

A Felicidade é Tristeza, a Tristeza é felicidade, pois cá na minha cabeça, é tudo o mesmo: Personalidade.                

A magia é uma coisa que qualquer um consegue ver, pois é a luz que temos, que nos faz querer viver.

O medo é uma ilusão Que só está presente na Alma e no Coração                                          

O medo é um sentimento  difícil de explicar, mas para o combater basta a coragem de avançar.

Os Livros são Fantasia, os Livros são Realidade: eles são tudo o que é preciso para construir uma Personalidade.

 A Fantasia é uma mundo onde todos queremos viver, mas sem a Realidade, nunca o iríamos perceber.

Mercedes M 6B

Ser +: “Cena Literária”


Imagem: CAD – Cena Literária 

     Os queridos colegas  Carla, Paula e Paulo estão entre os muitos que aceitam o perturbador desafio da Beleza, através do seu ensino de diferentes Artes no nosso Colégio, cada um deles através da sua específica e especial paixão.

      Estes colegas contribuem intensamente, com o seu dom singular para a fisionomia única da nossa Escola e, mais ainda, vão tecendo a própria alma secreta desta, ao colocar os seus talentos ao serviço dos nossos alunos. 

    É assim que ajudam os seus jovens companheiros a descobrir por sua vez, quais os seus talentos escondidos e encorajam-nos a expor-se com as suas personalidades únicas, a fim de dar os seu melhor tanto às suas próprias jovens vidas como à comunidade escolar. 

     Mas para além disto, eles desafiam os nossos alunos a irem mais longe, a fim de alargar até o horizonte inteiro da sua geração. Na medida em que oferecem gratuitamente o melhor de si próprios, os nossos jovens acrescentam significado e força á perene demanda da humanidade. 

    Como este artigo ficaria demasiado longo, desta vez foi escolhida a Poesia no CAD:

CENA LITERÁRIA

Imagem: Teacher Carla playing Conspiração no Palácio

    Assim, a Prof. Carla – que ensina Português e Literatura – é também uma atriz, numa Companhia de Teatro –  provisoriamente suspensa – onde desempenha variados papéis em drama e comédia, ou performances de rua no Teatro de Sintra.

   Com uma singular paixão por poesia, criou, no Colégio, um evento mensal, cada um para celebrar um diferente poeta: os poemas escolhidos são ditos ou lidos por alunos voluntários, na Biblioteca, aberta a uma audiência de todas as idades.

    Poetas Portugueses, como António GedeãoMário de Sá CarneiroFlorBela EspancaFernando PessoaAfonso Cruz, Almeida Garret, José Saramago,Sophia de Mello BreynerWalter Hugo Mãe, tornam-se presenças vivas na nossa biblioteca, graças às jovens vozes e aos corajosos corações dos nossos Alunos.

OE

 

Os Nossos Valores – Adaptado de Prof Maurice Elias

Sobre o Autor que inspirou esta proposta de escrita reflexiva: Maurice J. Elias of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

Viver os Valores

Acolher é “Cuidar do Outro” – I

 

Imagem: Princesa Azul na “Deus me Livro

Cristal “Cuidar”

      Meditando o nosso tema anual “Ser +” –  com um diferente valor atribuído a cada mês do ano letivo –  vamos apresentar, em paráfrases, a nossa abordagem de um capítulo do lindíssimo livro da nossa querida antiga aluna Filipa Sáragga, “A Princesa Azul” o qual, além de integrar o PLN, deu também origem à  Fundação que apoia e celebra a diferença.

      Trata-se do momento em que a Princesa recebe, sob a forma de um Cristal, um ensinamento precioso que podemos aproximar da vivência do valor escolhido para Setembro: a qualidade do acolhimento aos outros.

       A singela mestra da Princesa mostra-lhe a centralidade desta disposição interior, que revela o seu poder libertador, ao longo do caminho iniciático da Princesa rumo a uma felicidade autêntica. Para atingir este fim, surgem as atitudes concretas que deve exercitar e que a tornam capaz de um relacionamento genuinamente acolhedor.

  • As pessoas felizes são altruístas e pensam nos outros, pois é sobre a base da generosidade que se fundam os relacionamentos fecundos.
  •  Concordas que as pessoas felizes pensam mais nos outros?    Podes dar três exemplos?
  • Cuidar dos outros descentra-nos e cura-nos, pois “Leva muito mais tempo a ultrapassar uma angústia do que a assimilar algo de bom”.
  • Podes partilhar como alguém ultrapassou uma angústia? E porque será mais rápido assimilar algo de bom?
  • As relações com os outros são uma prioridade e cuidar dos amigos torna-se uma responsabilidade vital, pois a Felicidade de cada um é uma resultante das nossas relações com os outros.
  • Se quiseres fala nas tuas prioridades nas relações com os outros.
  • Que outras prioridades devemos considerar na nossa vida?
  • Como definirias a Felicidade?

OE

Acolher

Imagem: Flaming Text   

     Setembro é um mês talhado para o Acolhimento: por todo o mundo, os alunos regressam ou iniciam já o novo ciclo de estudos, na ronda da sua jovem formação, que vai espiralando, ano após ano, até desaguarem no horizonte a perder de vista que é tanto  uma profissão a exercer como uma família a constituir.

     Este ano, com a “roda dos valores” a inspirar cada um dos dez meses letivos, procurarmos uma inspiração de escrita, a fim de que o valor do nosso acolher brote de mais fundo e transborde até mais longe do que poderíamos esperar. 

    Também hoje, no nosso mundo, mais do que nunca, é urgente acolher. Iniciativas eficazes multiplicam-se em todos os países, sobretudo naqueles, distantes, onde a guerra, a pobreza ou os desastres naturais deslocam milhares de famílias sem recursos.

     A Unicef abriu, recentemente, os Espaços Amigos das Crianças – simples tendas ou construções precárias onde voluntários com formação adequada protegem o hesitante descontrair-se de crianças e jovens que tentam retomar a sua confiança básica na vida. 

  •     Como podemos nós conjugar o acolhimento no nosso dia a dia, como um verbo vivido?
  •     Observaste atitudes acolhedoras neste início de ano escolar que possas partilhar?
  •     Descobriste algo inspirador entre os teus novos colegas?
  •     Se quiseres, comenta este pequeno filme da Unicef.

Traçando Rumos Singulares

Words for LifeCreative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      Hoje partilhamos a alegria de ter connosco, na Oficina, a querida antiga aluna Júlia Marçal,  psicóloga organizacional e free lancer numa série de iniciativas enriquecedoras que vão traçando um percurso singular no âmbito profissional.

     OE – Júlia, partilhe uma experiência de vida que tenha sido para si apaixonante durante os seus anos de escola.

     JM –  O que nos toca profundamente fica registado não só na memória, mas também na alma. Assim são as recordações que tenho enquanto aluna do Colégio do Amor de Deus. Um episódio muito engraçado, do qual tenho memória, remonta à minha vivência enquanto aluna do 2º Ciclo, quando, no 5º ano, fui ao Jardim Zoológico de Lisboa e, no decorrer do almoço, com colegas e professores perto da jaula dos macacos, um dos macacos, de pequeno porte, aproximou-se e furtou o iogurte da Professora Sandra Pedrosa. Foi a risota total 😊

     OEQuais são os principais fatores que têm modelado o caminho original que está a traçar como profissional independente?

     JMParticipar em projetos de naturezas diversas e contactar com tarefas e pessoas diferentes são os principais fatores que me motivam. Projetos como o meu livro: “A Comida como Almofada Emocional – Porque comemos sem ter fome?” tornam-se possíveis e permitem-me colocar a minha criatividade em prática e dar a conhecer o meu trabalho.

     OEQue conselhos daria a um jovem recém-chegado ao mercado de trabalho para se orientar no mundo complexo da busca de um emprego?

      JM –  O conselho que dou a estes jovens é o de escolherem um emprego alinhado com os seus valores e interesses pessoais, pois assim é mais fácil manterem-se motivados. Outro conselho é: não deixem de procurar outras e melhores oportunidades, de forma a aprenderem novas competências, o que se torna fundamental num mercado em constante mudança.

     OESe tivesse dois anos de liberdade financeira para sobreviver com um bem-estar moderado, a que atividades se dedicaria? Porquê?

    JM –  Nessas condições dedicar-me-ia à escrita, uma das minhas grandes paixões, assim como me dedicaria a projetos relacionados com o empoderamento das pessoas, aos níveis pessoal e profissional.     

    OE – Obrigada, Júlia, por teres aceitado participar nesta entrevista, no âmbito do desafio do #EdublogsClub. Desejamos que continues com o teu compromisso entusiasta e o teu trabalho criativo.

Júlia Marçal

Autora de “A Comida como Almofada Emocional

e Inesquecível Aluna do CAD

O Que são Valores para Ti?

Imagem: da Oficina de Escrita

Compilação de respostas dadas por alunos de 5º Ano das turmas A, B e C, no ano 2000

    Os valores são aquilo que temos de Bom em nós; são “coisas” importantes que devemos praticar; todas as “coisas” importantes da nossa vida.

    Por exemplo, os meus amigos, o meu corpo, o meu ser.

    Os valores são também o que nós sentimos: o amor, a felicidade e outras coisas.

    Para mim, um valor é uma coisa ou sentimento de grande importância.

    Existem vários tipos de valores: Morais, como as regras de educação, de respeito por nós e pelos outros; Religiosos, como respeitar a fé de cada um; Materiais, que têm um preço em dinheiro ou um preço afetivo.

     São referências que todos devemos ter para dirigir, orientar a nossa vida. Alguns valores são nos dados pelos Pais, pela nossa família, pela escola. Outros, vamos adquirindo ao longo da vida.

    Um valor é uma qualidade, um sentimento. É a importância que damos às coisas, às pessoas. Nós também somos um valor para outras pessoas. A vida é um valor e por isso tem de ser bem vivida. Os amigos são um valor muito importante.

    São dons que Deus nos deu à nascença. São regras que devemos seguir para sermos felizes: por exemplo: repartir amor, ter compreensão para com os outros, dar o nosso perdão.

   São qualidades que a pessoa tem; são factos ou sentimentos a que damos importância na vida. São coisas, ações, sentimentos que ficam para a vida inteira.

   São ideias que orientam as pessoas no seu caminho, na sua vida. São todas as qualidades que estão adormecidas e que só algumas pessoas conseguem libertar… São princípios, ideias-chave que devem orientar o nosso dia a dia. São qualidades que nascem com a pessoa e que ela “faz crescer” praticando boas ações.

     São normas de comportamento ou regras que nos orientam na vida. É o valor que tenho por algum objeto. Os valores que nós damos a tudo o que está à nossa volta: a um objeto, a uma pessoa, a uma ação ou a um animal são feitos a partir de ideias ou sentimentos existentes em nós.

     Valor é todo o empenho ou esforço que ponho em conseguir o que quero… São dons que Deus nos dá e nos ajudam a crescer como pessoas humanas e espirituais, como pessoas felizes.

    Há vários tipos de valores: a amizade, o amor, a saúde, a educação. Todas as pessoas têm valores, umas mais que outras. A ideia de valor varia conforme o sítio e o tempo em que vivemos, e até com a nossa idade e cultura.

Turmas A B e C do 5º – 2000

Inesquecíveis Alunos do CAD

Nadando com Golfinhos

Dolphin Days ShowCreative Commons License Chad Sparkes via Compfight

     Olá, o que eu vos vou contar foi uma coisa linda, um momento emocionante: nadar com golfinhos! Uma experiência que não dá para esquecer. Nadei com um golfinho no Zoomarine, era um golfinho lindo, maravilhoso, ai!

    Chamaram-me: que nervos! Fui-me vestir e só conseguia olhar para a água azul, o céu lindo, com o sol mais bonito que eu já vi. Quando saí encostei-me à parede branca que estava fria, mesmo muito fria; bem, o aperto na barriga, o nervoso miudinho davam cabo de mim, nem sabia se estava frio ou calor, mas pelo céu, devia estar um bom tempo para um mergulhito.

     Mandaram-me dizer aos meus pais que ia entrar na água. Quando olhei para a água com olhos de ve, parecia o mar, estava muito fria e era muito funda, mas consegui superar tudo: aí sim, descobri como os golfinhos eram grandes e o verdadeiro tamanho dos dentes!

    Bem, os dentes eram grandinhos, mas o olhar de ternura entre ambos foi tão forte que eu esqueci o Mundo: não havia ninguém, só eu e o “meu” lindo golfinho! Fiz coisas impensáveis: corri (nadei), dei-lhe imensas festas, o carinho entre nós, parecia que ele me ia dar beijinhos. Só de pensar que daí a pouco me ia embora, ia-me logo abaixo, mas parecia que o golfinho percebia e me ia ajudar.

   Só, só mesmo por causa do olhar de ternura e “amor”, fiquei feliz, e foi aproveitar! Sentia-me deslumbrada, maravilhada e, como na vida todos temos de ser felizes, fazer o que gostamos, eu aproveitei isto ao máximo: tenho um novo amigo e ainda por cima é um golfinho!

    No dia seguinte, via todo este dia como um sonho, ainda não tinha caído em mim, e nem quando a minha mãe me perguntou se eu tinha gostado da experiência, pensei que a mãe sabia do meu sonho. De repente percebi que era realidade!

Alexandra Simões, 6ºA – 2000

Inesquecível Aluna do CAD

Mergulhamos Todos ao mesmoTempo

   Imagem: Piscinas do Vimeiro

      Eu e umas amigas entrámos de mergulho para a piscina, no Vimeiro, fomos a nadar até à parte baixa, onde havia um reflexo que parecia uma cascata com água quente.

     Depois fui ter com outras amigas e amgos, juntámo-nos todos e demos um mergulho todos ao mesmo tempo!

     Quando se está na água, sente-se frescura, as cores dos fatos de banho e da água são giríssimas e ainda não cheirava nada a cloro, pelo contrário, cheirava a flores.

     Só se ouviam gritos de felicidade e de alegria. A Amizade é esta união com toda a gente, é convivermos assim uns com os outros.

Marta Stehn da Silva Antunes, 6B – 1992

Inesquecível Aluna do CAD

O Campo Maravilhoso

Reflection At Durban Botanic Garden Paul Saad via Compfight

     Estas férias fiz uma viagem até ao campo. Na viagem, ia ficando cada vez mais fascinada com as belas e fabulosas paisagens do campo: eram pequenos campos verdes, tão verdes como uma alface acabada de colher; os campos estavam cheios de rebanhos de ovelhas espalhadas por todo o lado.

     Quando chegamos, fui explorar aquele lugar que tanto me fascinou; à medida que ia passeando com os meus pais, gostava cada vez mais daquela magnífica aldeia verde.

     Eu pensei: “Como pode haver uma paisagem tão límpida, tão serena, encantadora como eu nunca tinha visto na cidade?”

     Depois de muito passear, fomos descansar um pouco. Eu não estava cansada, mas sim entusiasmada, pois como descansar, com tanta paisagem para explorar?

    Naquele momento, ao ver como aquelas pessoas eram tão simples e aquela aldeia com tanta paz, perguntei-me: ” – Porque não ter asas como um pássaro para sobrevoar aquele mundo mágico?”

      Passados uns dias, o meu Pai disse:

      – Vamos ao nosso terreno, pois as árvores devem estar cheias de fruta.

     Quando soube da notícia, fiquei excitadíssima, pois nunca tinha colhido fruta. Colhi laranjas, maçãs, peras e muitos outros alimentos. Fui tirar água do poço para regar as árvores e outras plantas.

     Como já era tarde, fomos para casa. Quando já estavam todos deitados e tudo ás escuras, fui para a janela ver o céu estrelado: as estrelas estavam tão brilhantes como o sol! Tão douradas que cobriam o céu. Parecia que estávamos no espaço.

    No dia seguinte acordei com o cantar do galo, porque ainda há muitos naquela região. Gostei de acordar cedo, pois a manhã estava fresca, deslumbrante, tranquila e eu senti uma força espontânea que me tornou livre, que me fez descobrir a liberdade!

Fabíola Mendes, 6B – 1992

Inesquecível Aluna do CAD

O Quarto dos Sonhos Encantados


Bay Window
melystu via Compfight

     Quando se entra, o nosso olhar é logo atingido pelos pequenos ramos de flores estampados no branco limpo do papel que forra as paredes, tornando o meu quarto confortável e acolhedor.

     Logo depois, a nossa atenção é chamada pelo leve tic-tac que vem da mesa de cabeceira, onde um pequeno e antigo despertador verde dá um ar misterioso ao quarto, fazendo-nos pensar que este está a meditar.

    Também nesta mesinha está um pequeno naperon que, com suas cores claras condiz perfeitamente com um pequeno candeeiro de pé de madeira que à noite ilumina uma imagem de Nossa Senhora, que, tão simples, mas tão bela, parece incendiar-se com a luz.

     No meio do quarto, uma mesa de madeira muito lisa e brilhante, faz-nos convencer que pertence a um grande armário, onde, do lado direito, bonecos diferentes parecem representar uma peça de teatro.

     Em cima da cómoda estão vários livros, uns em cima dos outros, prontos para serem lidos e cujos títulos variados despertam curiosidade.

    A grande janela, que dá para uma pequena varanda, alegra muito o quarto, principalmente quando os cortinados estão fechados e a luz passa através do amarelo vivo destes.

    Tudo isto serve para sonhar e talvez, em toda as gavetas e até atrás dos ponteiros do antigo despertador, estejam pequenos sonhos à espera de serem realizados.

Cláudia Rath, 1992

Inesquecível Aluna do CAD

(Texto escolhido para a Prova Global)

Como é Fantástico Este Nosso Mundo

Castelo dos Mouros Keith H via Compfight

     Está uma tarde que convida a ficar em casa, o sol está um pouco coberto com uma nuvem acinzentada que promete uma chuvinha.

     Do meu lado esquerdo, a tão conhecida Serra de Sintra com as suas altas e esplendorosas árvores que, neste momento, estão um bocadinho escondidas pelas condições atmosféricas.  Do meu lado direito, uns prédios muito bem conservados, o colégio e uma pequena imagem do incrível e misterioso mar.

     À minha frente, a Avenida de Sintra, umas bombas de gasolina da “Cepsa”, que dão muita vida á Avenida. Também vejo muitas casas, que parecem uma aldeia, estão tão perto umas das outras, parecem a casa da “Branca de Neve e os Sete Anões”. Adoro ver os carros a passar: é movimento, é vida! As pessoas passam a murmurar, como é possível que as pessoas vistas de cima pareçam tão pequenas?  

     Às vezes, dou comigo a pensar:

     – Como é fantástico este nosso mundo, pois estou no meio da Serra e do Mar: como duas coisas tão diferentes são igualmente belas!

     Este fenómeno, jamais alguém o descobrirá, nem a Ciência, por mais avançada que esteja. Só que tem uma grande sensibilidade pode sentir e descobrir esta magnífica e fabulosa beleza que a Natureza nos oferece.  Contemplar os segredos e as maravilhas que no mundo existem, é mais do que fabuloso e magnífico: não existem palavras para o dizer!

Fabíola Mendes, 6b – 1995

Inesquecível aluna do CAD

Uma Vista Que Imaginava Não Existir

The Pergola Ruth via Compfight

    Há algum tempo que eu vivo aqui e só hoje é que reparei na vista que tinha. Embora não seja muita é alguma. De repente veio-me à cabeça a quantidade de vida que existe neste local.  

     À minha frente vejo plantas floridas e abelhas a fazer comércio; vejo também moscas a fazerem corridas de um lado para o outro, a ver quem é a mais rápida. À minha esquerda, o limoeiro da vizinha, à minha direita, as minhas tartarugas à apanharem banhos de sol.

    No céu, os raios de sol entram pelo meu quintal fora e fazem concursos a ver quem consegue iluminar mais coisas. Vejo pardalecos a brincar à apanhada. O meu papagaio passa as tardes a assobiar, a miar, a ladrar. a cantar os parabéns e até a chamar-nos. Os meus periquitos estão sempre a namorar como duas pessoas e a entrar dentro do ninho, a chocarem os seus ovos. Quando o meu cão vai ao quintal, as moscas põem-se de volta dele e ele tenta trincá-las.

     Nos dias de sol, o quintal cheira a harmonia e sente-se que os seres vivos falam uns com os outros. Quando anoitece, toda esta magia que está no meu quintal desaparece: fica tudo calmo e silencioso. Quando o dia nasce, repete-se tudo e todos os dias isso acontece.

Pedro Almeida, 6B – 2005

Inesquecível Aluno do CAD

A Arte do “Skymmy”

Mar AzulCreative Commons License José Luis Ruiz via Compfight

     Um momento inesquecível que escolhi foi a arte da modalidade de fazer “Skymmy”.

      No primeiro dia, quando observei uns rapazes na praia a fazer, vieri-me para o meu pai e disse que iria ser muito fácil. Peguei na prancha e cheguei á beira de água, atirei a prencha e vi-me atrapalhada para me pôr em cima da prancha. Já em cima da prancha, escorreguei e pimba! Sentei-me na areia.

     O meu pai chegou, agarrou na prancha e fez metade da praia em cima da prancha. Fui a correr ter com ele e perguntei como era possível ele ter feito metade da praia e eu não, foi então que respondeu que quando era miúdo já praticava a modalidade. As semanas passaram-se e eu já estava em cima da prancha cinco minutos. O meu pai explicou que para fazer 360 graus tinha de me pôr quase de joelhos em cima da prancha e colocar vagarosamente a mão no chão, mas não a mão toda, punha só as pontas dos dedos na areia e a prancha virava, mas eu nisso não sou muito boa.

     O meu irmão pediu que eu tentasse entrar na água com a prancha; eu dizia que não, pois não sabia, e ele dizia que sim; nós, se apostássemos quem ganhava era ele; pois de tanto me perseguir eu experimentei entrar com a prancha. Estava a aproximar-me da rebentação, quando levei com a onda ao mesmo tempo que entrei na água. O meu grande azar foi estar seca, pos a água estava gelada!

     Nos dias seguintes, a água parecia de Cuba, pois estava muito quente, transparente, calma e perfeita para cair da prancha abaixo.

 Marta da Silva Pina Lemos Maia, 2005

Inesquecível Aluna do CAD

O Meu Novo Amigo

inspired photographyCreative Commons License Kala Bernier via Compfight

     No fim de umas férias magníficas, fora de casa, os dias que sobram são só para fazer trabalhos de casa. Isto era o que eu pensava na viagem de regresso a casa. Mas estava enganada…

     Era um dia de chuva, no meio de um engarrafamento, num velho Fiat Punto, ia eu e a minha família. A viagem até Lisboa já durara duas das tres horas totais, mas mim tudo er aindiferente. Nem um terramoto me faria desencostar a cabeça do vidro ou tirar-me um olhar  melancólico, pois dias antes, a minha porca da índia, Speedy, tinha morrido. Zangada com a lei da vida, adormeci no assento de trás.

      Horas depois, já no jardim da minha casa, acordei. Calmamente, peguei na mala de viagem e subi lentamente a escada. Quando, finalmente, cheguei à porta, abria-a energicamente e entrei em casa, sítio onde não ouvi nem um som: estava tudo calmo e pacífico. Corri para o computador, decidi arranjar um novo animal.

      Durante horas e horas pesquisei… numa página vi o que viria a ser uma bela desilusão. Era uma criatura linda, era cinzenta, de olhos zuis e chamava-se furão. Interessei-me pelo furão, criei esperanças que foram apagadas ao visitar um site que dizia ser proibida a compara de um furão em portugal. Depois destaa desilusão, lembrei-me da loja de animais de um primo do meu  pai, a “Mercearia do Cão”.

     Aprontei-me e fui visitar a loja. Quando abri a porta, vi montes de animais, aves , porcos-da-índia, apesar de tudo isso, fixei o meu olhar num coelho branquinho. Não perdi tempo e comprei-o. Deram-me a ração e uam caixa para transportá-lo até casa. Cheguei a casa e pus o coelho na antiga gaiola da porca-da-índia.

     Estive horas a observá-lo e vi que ele tomava banho lambendo-se todo e que gostava da ração. Finalmente, chegou a noite, custou-me dizer-lhe boa-noite, pois acabara de lhe pôr o nome de “Joaquim”. Deitei-me a pensar no tão bom que era ter um novo amigo, que é branquinho como uma bola de neve. Afinal é bom ter um animal, pois ficamos cheios de afeto por eles.

Maria Vasconcelos, 6B – 2005

Inesquecível Aluna do CAD

A Noite, da Janela do Meu Quarto

Panorámica de la Vía Láctea. Carlos via Compfight

     A noite já caiu.

    Estou no meu quarto e aproximo-me da janela aberta. A noite está magnífica, apenas uma leve brisa me bate no rosto. Do jardim da minha vizinha que mora em frente, chega-me o perfume das rosas.

    Levanto o olhar, as primeiras luzinhas brilhantes acendem-se no casario; no manto do céu aparecem também as primeiras estrelas.

    Olho agora na direção da Serra de Sintra: não distingo o palácio; será que as nuvens o cobrem?

    A minha atenção é despertada pelo barulho de um avião que sobrevoa os prédios altos à minha esquerda. As ruas enchem-se de carros e dos barulhos dos seus motores, os faróis iluminam o asfalto negro, é a agitação do regresso a casa depois de um dia de atividade.

   A minha mãe chama-me, fecho a janela. Agora, o que me rodeia é bem diferente.

Ana Raquel Santos Henriques

Inesquecível Aluna do CAD

O Mundo Fascinante da Natureza

View from my Balcony Photon-Huntsman via Compfight

     A noite caiu. Está um céu estrelado, estou deslumbrada. Nunca vi coisa mais maravilhosa, e só agora é que me apercebo deste fenómeno da Natureza, apenas visto através da janela do meu quarto, sem ser preciso apenas sair de casa.

     Olho em frente: vejo um muro, um quintal, um portão, mas o mais magnífico ainda está para vir; então vejo algo cintilante que me parece cegar: é o céu estrelado na sua infinidade.

     Desvio a cabeça para a direita e distingo uma luz a iluminar a calçada: é o candeeiro da rua – até parece uma vela acesa debaixo do luar – e, logo ao lado, e que me dá conforto no lar, os postes e fios de eletricidade e telefone. À esquerda, um portão de um tom de verde que me deixa pasmada: é o portão da garagem do meu vizinho.

     O silêncio é quebrado pelo cantar fascinante dos grilos e dos ralos; de vez em quando veem-se pirilampos a brilhar no céu infinito. Há um perfume que paira no ar: é a campo. É assim o que vejo, oiço e cheiro a partir da janela do meu quarto.

     E agora vou voltar à rotina habitual.

Andreia Caetano Rodrigues, 6B

Inesquecível Aluna do CAD

Um Sonho Chamado Vimeiro

Imagem: Oficina de Escrita

       Eu não queria ir para a água, mas o meu grupo de amigos pegou em mim ao colo e “catrapum”, Inês Becken dentro de água! 

     Quando eu estava no ar, sentia-me como um homem a saltar de um avião sem pára-quedas. Quando eu entrei naquela água límpida, macia e azul, eu senti uma frescura imensa, senti também um alívio, pois lá fora estava muito quente e abafado.

      Eu senti-me uma sereia a subir das profundidades mais profundas do mar. Naquele passeio, senti que havia amizade entre nós.

     A amizade é um sentimento muito importante, pois a vida depende dela. 

    Amizade é ter solidariedade para com os outros, é ajudar os amigos quando eles precisam, é dizer: “Ei, anda connosco, vais-te divertir.” É emprestar quando é ncessário, ouvir o seu problema e tentar ajudar da melhor maneira. 

     Naquela aventura no Vimeiro, estávamos todos unidos e amigos, partilhamos a alegria, o almoço, a grande festa, porque aquele passeio foi um reencontro de amigos, foi convívio, foi para nos conhecermos melhor e saber com quem podemos contar e com quem não podemos. 

     Naquela praia onde as ondas rebentavam nas rochas, eu ouvia o respirar das gaivotas; estava um bando de seres humanos a partilhar a sua comida, generosidade, alegria e, por momentos,julguei.me bebé de colo ou uma criança que aprende a falar e está sempre contente, pois não sabe o que a espera mais à frente. 

     Uma criança  com quatro anos não sabe que o mundo não tem assim tanta amizade, mas eu, por alguns momentos, esqueci as guerras, a fome e parecia que o tempo tinha voltado atrás; senti-me muito feliz! 

Inês Becken, 6C

Aluna Inesquecível do CAD

Combate Pelo Verão

NERF Jessica C via Compfight

      Era inverno e nós éramos três irmãos: duas raparigas e um rapaz. Nós adorávamos, mas queríamos o verão.

     A nossa avó ajudava sempre os animais, por isso não lhe fazia diferença; nós só queríamos saltar à  corda, não ler e fazer cálculos, mas sim nadar com a pracha e um fato de mergulho.

     E também porque no verão, no meu aniversário, podia ver as estrelas no meu telescópio e não estudar os micróbios no microscópio; podíamos andar a cem e não andar de carro…

     Passaram vários meses e, finalmente, está aqui o verão! Podia-me esquecer, só que fui enganado: só a pensar nisso, não estudei, fui totó e chumbei. Tive de fazer tudo o que devia ter feito no inverno, na escola: por isso, estudem!

     Logo nos primeiros quinze dias tive de ficar na escola, a ter aulas de recuperação. Mas aí houve um tiroteio: um tipo com uma arma a sério contra outro com uma nerf, que era eu! E então, finalmente, pude viver o verão em Paz com as minhas irmãs!

Afonso S, 5C

Comentário a “O Almocreve” de Machado de Assis

Imagem: da Capa do Livro de Machado de Assis

     Assim que o narrador se sentiu salvo, foi inundado por uma onda de gratidão e de admiração, pela perícia demonstrada pelo Almocreve, e sentiu o desejo de o recompensar.

    Mas  o narrador, quando se aproximou do dinheiro, começou a hesitar se não estaria a dar demasiado. Pensou: “Calma, estou a fazer bem. Se calhar dar-lhe as 3 moedas foi uma decisão no calor do momento.”

     Observou-o, viu que era muito pobre, que bastaria uma moeda para equiparar ou até para superar a boa ação do outro. Se calhar, ele tinha agido simplesmente por defeito profissional, por um impulso natural, por saber domar burros, pelo seu saber profissional, pela sua condição humilde.

     Nesta mudança de atitude, o narrador mostrou-se mesquinho, avarento e mal-agradecido.

     Após uma experiência que poderia ter sido mortal, ele sentiu-se grato e satisfeito apenas com a recuperação da vida; já não estava a dar importância ao material, mas sim à vida. Mas quanto mais esquecia essa experiência, cada vez mais pensava no material e regressava ao seu egoísmo natural.

     Porque já estava bem, não ia morrer, sentia-se fora de perigo, voltava a ver a vida como uma garantia e desprezou o seu salvador.

    (Comentário ao Cap XXI “O Almocreve” de Memórias Póstumas de Brás Cubas de , Machado de Assis)

Miguel F, 9B

Os Mistérios da Linguagem – II

smart cookieImagem: Leonard J Matthews Flickr CC

     As pessoas podem ser possuídas por uma “carga agressiva” porque temos emoções,  e transmiti-la nas palavras, pois as palavras, se voam como gaivotas, também nadam como tubarões.

      A força das palavras para “voar” indica que elas criam sonhos e superam obstáculos; a agilidade das palavras em “nadar” também nos mostra que elas podem impor limites e fazer o outro parar.

      Comunicar não é só falar, mas sim escutar, pois nem sempre se trata de falar com palavras, mas sim escutar a beleza das palavras das outras pessoas. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

O Hamburguer


  Imagem: Tasty Hamburguer Gifs

     Era uma vez um Hamburguer muito solitário, que chorava muito, só bebia batidos de morango e chorava. Quando chovia, ainda mais chorava. Mas um dia ele fez uma amiga: a senhora Bonga, que estava muito feliz.

     O Hamburguer perguntou-lhe:

      – Olha, por que estás sempre feliz?

      A Bonga respondeu:

      – Não, isso é um problema de família: nós comemos muito açúcar, ficamos elétricos.

      O Hamburguer, sempre desanimado, um dia ficou muito feliz quand soube que ganhou no euromilhões e, com muita alegria, saiu de casa em cuecas, a gritar:

      – Sou rico, sou rico, sou rico!

      E as pessoas comentavam:

      – És rico de estupidez!

      Quando foi levantar o dinheiro ao banco, ficou espantado: estava rico para toda a sua vida de tristeza!

      Quando chegou a casa, cheio de comida e de tecnologia de ponta, viu a sua figura de parvo na televisão. E o senhor das notícias, que estava ao microfone, disse:

     – O maluco que ganhou o Euromilhões, vem amanhã à “Estupidamente TV” e é melhor que esteja a ouvir, maluco.

     No dia seguinte, o Hamburguer estava a conduzir o seu ferrari para ir à “Estupidamente TV”, quando, para seu espanto, viu uma gaivota a conduzir um autocarro. Foi aí que o Hamburguer se esmigalhou todo e ficou dois anos colado a uma cama de hospital.

     E disse:

     – Quando tenho sorte, vem-me o azar. Porquê? Porquê? 

Lourenço C, 6B

A Terra Maluca

Eve Vegas 2015 Commemorative PosterCreative Commons License Bryan Ward via Compfight

    Era uma vez uma terra distante, num sistema solar maluco, um planeta sem regras. havia pessoas muito doidas, que até matavam moscas com a língua e comiam. O senhor maluco Gertrudes I, tinha uma só regra: não havia regra. E ele também era muito rico; tinha um castelo com servos robôs.

    Mas aquele planeta era demais: tinham divertimentos no meio da estrada, passavam os sinais vermelhos e até faziam corridas de moscas. Só havia uma coisa má: era o senhor Jackson II, ele só roubava mísseis e coisas de segurança e por isso é que o país ficava pobre.

     Então, o senhor maluco Gertrudes I disse:

     – Já chega! Vamos derrotar Jackson II!

    Depois, os malucos contra os ladrões fizeram uma guerra de doidos e, até que enfim, os malucos ganharam!

Lourenço C, 6B

Os Macacos Assaltantes

Imagem: Prank-Monkey_Jokes

      Era uma vez uma família de quatro pessoas que planearam um lanche na praia. Quando estavam a caminho da praia, não havia pessoas na estrada nem na praia. Eles acharam isso muito estranho.

     O pai disse que as pessoas tinham ido para a praia norte, porque aquela praia estava poluída. Mas a praia norte não era praia fluvial e estava com água.

     Quando chegaram à praia norte, já estava imensa gente e havia macacos a roubar as pessoas. 

     Os quatro exclamaram ao mesmo tempo:

     – Quando é que lanchamos? É que nunca mais lanchamos! 

     Nesse momento olharam para trás e viram um macaco a roubar-lhes o carro! Mas eles não sabiam o que fazer. Então decidiram chamar um taxi e ir para casa. A Família era composta pela mãe, Maria, pelo pai, João e os dois gémeos, Tôto e Totó.

Lourenço C, 6B

A Família Preguiçosa

Polyptych | Happy Port Aikawa Ke via Compfight

     Era uma vez uma família que estava sempre no computador e chamava-se “Famíla Preguiçosa”. O filho não ia à escola, os pais não trabalhavam e estavam sempre a dormir. Só comiam comida de plástico e eram tão gordo que nem cabiam no seu próprio carro.

     Um dia, um dos seus computadores avariou e tiveram de sair de casa para o levar a arranjar, mas as pessoas, quando olharam para eles, disseram:  

     – Que família porca e suja e gorda!

     Então, eles ouviram aquilo e sentiram-se envergonhados e furiosos.

     Um dia, quando o computador ficou arranjado, o pai disse:

     – Família, hoje vamos fazer uma grande mudança: vamos ser mais saudáveis.

     E o pai pôs o computador no lixo, inscreveu a família no ginásio e só comprou comida saudável; só viam televisáo depois do jantar e o filho ia sempre à escola.

      Passado um ano, estavam magros e com melhor aspeto, e as pessoas nunca mais gozaram com eles.

Lourenço C, 6B

A Jóia

Police officer Black Zack via Compfight

     Era uma vez um homem muito perigoso, o mais procurado de  todos: tinha acumulado cadastros relativos a assaltos de bancos e fugas de prisão. Ele era uma pessoa que não se cuidava, tinha uma barba até ao umbigo, umas sobrancelhas hirsutas e uma boca assustadora, com dentes para fora e um nariz superminúsculo. 

     No dia 28 de Setembro de 2016, o homem planeou uma lavagem de dinheiro com o seu amigo presidente do banco. Esse dinheiro chegava no dia 31 de Dezembro – já sabem o ano – e quem o transportava para a mansão do homem mais procurado era o funcionário ou o secretário do presidente do banco.  

     O funcionário estava preocupado com as paragens de auto-stop, porque o que havia lá atrás era sério. Então, passado uma hora, foi mandado parar pela polícia e o camionista estava muito assustado porque eles tinham cães altamente treinados.

Lourenço C, 6B

A ida à Prof. Inês

      Numa terça-feira á tarde, uma amiga minha, chamada Maria, chamou-me, para me perguntar se eu queria ir estudar Ciências Naturais com ela, na Oficina de uma professora muito querida chamada Inês, a quem chamávamos professora Inês P.

      Assim foi, subi até ao piso da biblioteca. Quando nós chegamos, faltavam ainda vinte minutos para as 14 horas. A minha amiga Maria foi perguntar à professora Inês se eu podia ir para  a acompanhar. A professora, com um enorme sorriso na cara, respondeu assim:

     – Claro que sim, podes trazer a tua colega… Como é que tu te chamas?

     – Eu chamo-me Constança. – respondi. – Que nome tão giro…”Constança”. Bem, agora tenho de continuar a dar aulas a esta aluna… mas às 14h 00 cá vos espero! – disse ela.

     – Ok! – Respondi. – Às 14h cá estaremos, professora.

Constança G, 6C

Life of Horses – IV

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

      Um dia, a Flora estava muito zangada com tudo e com todos. Ela estava numa cerca muito linda, mas como ela queria fugir, fugiu. Passou por montanhas, vales e florestas, até chegar a um prado muito florido.

     Estava a passar por lá um Mustang, que era diferente dos outros: era todo preto, com uma crina muito grande, só que estava com um penso na crina.

    Ele estava a ir em direção à Flora; ela tentou fugir, mas não conseguiu, porque as ferraduras novas estavam a fazê-la tropeçar. De repente, apareceu um cavalo à frente dela que lhe disse:

     – Olá, eu sou o Veloz, um cavalo dos Índios!

     A Flora apresentou-se:

     – Olá, eu sou a Flora, eu era um cavalo selvagem, só que me apanharam. Queres fazer uma corrida?

      Respondeu o Veloz:

      – Claro! Mas acho que tirarmos-te essas ferraduras.

      Eles deram coices em pedras, em árvores, até que as ferraduras caíram. Começaram a correr: o Veloz ia á frente, mas a Flora deu um salto e ficou próxima dele. O Mustang ficou em primeiro lugar, mesmo assim, por uns segundos a mais que a Flora.

     O Veloz disse:

     – Queres conhecer os meus donos?

     A Flora respondeu:

       – Quero!

      Quando chegaram à vila, os humanos agarraram logo a Flora para ficarem com ela, mas chegou lá uma menina para ajudar aquela pobre égua. A menina acalmou-a e ficou com ela, porque a Flora não queria sair de junto dela.

      O Veloz disse, a rir:

      – Ah, ah, ah! Mal chegas e já tens uma dona! E essa é uma treinadora de cavalos.

      Enquanto estavam a falar, a menina pòs-lhe um arreio e uma manta azul por cima dela para a montar.

Margarida L, 6B

Life of Horses – III

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

     Num dia de concurso, era a vez de Trovão. Mas havia um pequeno problema: o Trovão só conseguia saltar ao ouvir rock’n roll do Elvis. Só que o rádio estragou-se, porque um gato saltou para cima dele.

     Então tiveram que comprar um rádio novo que tivesse grandes colunas para que os gatos tivessem medo deles. Tinha chegado a vez de Trovão: ele deu grandes saltos, correu como se fosse a luz; o juri ficou espantado e deu-lhe a nota máxima.

     Quando chegou a vez de receber o prémio, ficou o Trovão em 1º lugar, a mãe em 2º e, em 3º, um amigo da Flora.

Margarida L, 6B

Life of Horses – II

Keeping an Eye on ME, brightened.Creative Commons License Tom Driggers via Compfight

     Numa certa quinta, estavam a precisar de cavalos e de mais animais.

     Lá viviam duas pessoas:  a Inês, a irmã mais velha, que tinha um longo cabelo da cor do mel e uns olhos da cor do mar; ela usava uma camisa azul, umas calças castanhas claras e umas botas de cavaleira; e a sua irmã mais nova, Mariana, que tinha também o cabelo da cor do mel e uns olhos azuis como o céu; ela vestia-se com um casaco cinzento. calças de ganga e botas de montar.

     As duas irmãs foram montar os seus cavalos para irem procurar mais vinte mil cavalos, por isso voltaram para a montanha. Passadas três horas, chegaram e apanharam logo o chefe; com o chefe apanhado, todos os outros foram atrás dele, até a sua filha.

     Quando chegaram à quinta, prenderam todos os cavalos num campo com cerca eletrificada. Tentaram montar a Flora, que já era uma grande égua. A Mariana caiu logo, mas a Inês conseguiu. Ela ficou muito contente, mas o pai estava sempre preocupado com ela, porque mesmo que ela estivesse presa ali, continuava, na mesma, a falar com a loba e o leão que já eram grandes.

     Passados cinco anos, os cavalos todos já estavam domados. A Inês tinha dois cavalos: a Flora e o Trovão, o chefe. A Flora passava a vida a ser toda arranjada, o Trovão era usado para concursos e a mãe passava a vida a fugir.

Margarida L, 6B

Life of Horses – I

I think horse photography is going to be my new pleasure !! Welsh photographs via Compfight

     Era uma vez, numa terra distante, onde viviam veados, cavalos selvagens, zebras e muitos outros animais, numa floresta gigantesca com cascatas.

    Mas havia alguém que não era feliz: os cowboys que adoravam apanhar cavalos selvagens novos!

     Espalhou-se uma nova mensagem do chefe dos cavalos selvagens, Trovão:

     – Um novo potro vai nascer! Passados 5 minutos, já se via a nova cara. Ela estava a saltar  pela montanha! A nova cara era amarela como o mel, com olhos azuis e as crinas eram castanhas como a casca das árvores.

     Passado um ano, essa linda égua já estava grande, e o pai dela chamou-a:

    – Flora, vem cá!

    – Estou a ir, pai!

    A única coisa que ele queria dizer era para ela não passar da fronteira onde estavam os lobos e os leões. Mas ela estava com tanta curiosidade, que foi. Ela foi rodeada por um leão e por uma loba.

    – O que está aqui a fazer uma eguinha?  – exclamou a loba, ao ver a Flora.

   – Deixem-me em paz, eu queria só fazer alguns amigos.

   E disse a loba:

     – Que sorte que eu tenho! Eu também só queria uma amiga, em vez desse leãozinho. Eu sou a Veloz e esse leão aí é o King.

     – E eu sou a Flora.

     De repente, saltou um cavalo para ajudar a Flora, porque pensava que iam atacá-la.

     – Não lhes faças mal, Cinza! – gritou a Flora – São meus amigos. Eles também, só com uma patada, tu caías ao chão. Já sabes que não és forte.

Margarida L, 6B

A Família Pintora – III

Artwork (White Horse)Creative Commons License Mark Coleman via Compfight

     A pantera rosnou tão alto que se ouviu na China; a mãe pôs-se á frente do cavalo para a Escuridão não o atacar.

     A Mãe entendeu que o cavalo queria ficar com aquela família. Então, deitou a bicicleta para o lixo e comprou uma quinta para onde iam viver.

     Essa quinta tinha uma casa com quatro andares; no rés-do-chão, havia a entrada, a sala e a cozinha, no primeiro andar tinha um quarto de hóspedes; no segundo andar tinha o quarto da Mariana, onde dormiam ela e a Escuridão; no terceiro andar ficava o quarto de Sofia e, por último, o sótão.

     No jardim, havia um amplo estábulo onde vivia o lindo cavalo branco, que passou a chamar-se Albatroz. E todas as noites, a Escuridão ficava a vigiar o Albatroz.

Margarida L, 6B

A Família Pintora – II

Running From the Sun Russ Seidel via Compfight

     A Família pintora ia acampar, naquele dia, com a sua querida pantera. A Mariana estava a pintar um cavalo branco como a neve que estava a correr ao lado do carro. Quando chegaram, havia uma coisa branca a andar à volta do acampamento e a Sofia disse à Mariana:  

      – Filha, queres ver o que está a andar à nossa volta?

      Ela respondeu:

      – Claro!

      Quando foram ver, era o cavalo que tinha vindo a correr com o cavalo; ele foi ter com a mãe de Mariana, para se deitar ao pé dela, mas quando viu a pantera, deu um alto até às nuvens!

       Mas a Sofia agarrou a crina dele, para ver se aquele cavalo misterioso ficava calmo.

       No dia seguinte, a Família estava a regressar a casa e, no caminho de volta, apreciaram as árvores centenárias, com os troncos cobertos de heras, os campos primaveris salpicados de papilas e uma cascata espumejante de água límpida.

(Continua)

Margarida L, 6B

A Família Pintora – I

panthera pardus Joachim S. Müller via Compfight

     Era uma vez uma Família muito simpática que adorava pintar com o computador, o telemóvel, o Ipad…

     Um dia, a mãe Sofia foi andar de bicicleta na praia, enquanto a Mariana, a filha, estava a desenhar no telemóvel e, atrás dela, a Escuridão: a pantera delas. A Mariana estava a desenhar o pôr-do-sol e a água a bater nas rochas.

     Quando chegaram a casa, a Escuridão foi para cima da sua árvore favorita, a mais alta e com mais folhagem, mas com uns ramos que, se um elefante lhes dessem um toque, os ramos caíam, mas a Escuridão era leve como uma pena.

     A Mariana tinha um cabelo liso e escuro como um tronco de uma árvore; a mãe tinha o cabelo num tom amarelo como o sol; a Escuridão, uns olhos azuis como o céu limpo e o pelo escuro como a noite.

     Quando a Mariana saiu para o jardim, para pintar a  sua querida amiga Escuridão, a pantera tinha feito uma pose de orgulho e a Mãe saiu para ajudar a filha com a tela e as tintas.

Margarida L, 6B

Gelados Versus Cães

Teddy's - Famous For Ice CreamCreative Commons License William Murphy via Compfight

      Era uma vez uma família que adorava animais, menos a sua única filha, Sofia. Ela gritou com o cão:

       – Sai daqui, animal nojento!

      O cão baixou as orelhas e foi embora.

      A mãe e o pai estavam sempre a dizer-lhe:

      – Os cães são tão bonitos!

       Mas a filha não ouvia, só pensava em comer gelados.

       Um dia, a família ia acampar durante um mês. Fizeram as malas: a da Sofia tinha receitas para fazer gelados, gelados, a sua roupa e o material de ténis. A da mãe tinha o seu telemóvel, comida de cão e outras coisas. A do pai tinha o seu Ipad e pastilhas elásticas. A mala dos cães tinha brinquedos, biscoitos, as suas camas e as suas escovas.

       Os cães queriam ir logo, só que a menina não queria que os cães fossem, mas os pais não os queriam deixar para trás. Então, lá foram para o acampamento, mas é óbvio que os cães foram.

      Quando a Sofia abriu a mala, viu os dois cães a comer os seus gelados. Os pais exclamaram:  

       – Oh, que fofos!

      A Sofia reclamou:

      – Agora só tenho cinquenta gelados! Só me dá para um dia!

      Os cães ajudaram a montar as tendas enquanto a Sofia se estava a lamentar pela perda dos seus gelados.

      Quando os pais já estavam a dormir, Sofia tentou matar os cães, mas não conseguiu. Os pais acordaram, os cães chamaram-nos e viram a filha com a faca nas mãos. Mas o Marmaduke, que era um dos cães mais alto do que a Sofia, escondeu-se atrás da Mãe.

Margarida L

Avatar – II

Imagem: Avatar Movie

     A vida de Miriam não era só trabalhar: ela adorava basketball; então, pensou em formar uma equipa.

     – Vou ver se encontro dois Avatares humanos. Mas em vez de encontrar dois Avatares, encontrou dois humanos que estavam a surfar.

      Ela chamou o seu Dragão, mas em vez de vir sozinho, veio Jason, e gritou:

      – Porque estás aqui? Este é o sítio dos humanos!

      – Eu sei, deixa-me em paz! – E subia no seu Dragão, levantando voo.

       Chegou ao pé dos dois rapazes, desceu do seu Dragão e perguntou:

       – Querem ser Avatares?

       Os dois responderam em coro:

       – Sim!

       Eles foram buscar os seus Avatares e Miriam perguntou:

      – Quais são os vossos nomes?

       – O meu nome é Artur e este é o Lourenço, mas tratam-no por “Cata”.

       A Miriam decidiu:

      – Tu, Artur, vais-te chamar “Urso” e o Lourenço vai-se chamar “Cata”, não quero mudar.

      Ela apresentou-os ao Chefe, mas em vez de lhe dizer que eram humanos, disse que eram mesmo Avatares. Depois perguntou-lhes se queriam fazer uma equipa de basquete, mas primeiro teve de lhes dar um Dragão a cada um cavalo, porque os jogos de basquete precisavam deste equipamento.

      Foram voar, mas sempre que um deles caía, Miriam ia apanhá-los com o seu Dragão.

Margarida L, 6B

Avatar – I

 

Imagem:  Avatar Movie

     Era uma vez num planeta distante, umns seres bastantes diferentes: eles tinham o dobro do nosso tamanho, eram como uns tigres azuis às riscas; de um tom azul escuro e o resto azul-claro; o seu cabelo era da cor do chocolate negro.

     Uma menina da mesma espécie chamava-se Miriam e era a filha do chefe Raksa. Miriam tinha um dragão gigante, vermelho, com riscas pretas, algumas partes amarelas e a ponta da cauda tinha um bocadinho de azul. Ela também tinha um cavalo exatamente igual a ela.

    Mais ou menos a 10 km dali viviam humanos que, quando montavam esses seres, a quem vamos chamar Avatares, ficavam com os seus corpos para  transportar a mente dos humanos para o cérebro dos Avatares.

    E havia um novo recruta para os humanos, o Jason, que era paraplégico e, quando o puseram na mente do seu Avatar, ficou louco de alegria, porque ele conseguia andar!

    No dia seguinte, Jason foi fazer explorações com o seu Avatar, porque ele já não conseguia sair daquele corpo.

     Nessa altura, encontrou Miriam. Os seus companheiros já tinham o solto lá para fora. Miriam, como sabia que ele era humano, gritou com um ar muito furioso:

     – Sai daqui!

      Mas quando Miriam lhe foi acertar com uma flecha, apareceu um espírito pois, quando os Avatares querem matar um ser humano, ás vezes aparece um deus.

  – Eu não vou fazer nada de mal.  – E baixou a flecha.

     Miriam chamou o seu Dragão e disse:

     – Sobe, rápido!

     O Dragão não queria que o espírito subisse também. Então, a Miriam não o pôde deixar ir: foram pelo chão, passaram por árvores maiores que uma montanha, chegaram a uma ilha flutuante e alcançaram a árvore da vida. 

(Continua)

Margarida L, 6B

 

Sugestões para Inovar a Escola


Anita Purves Nature Center
Creative Commons License Taylor Studios, Inc. via Compfight

      Nos recreios e em certas aulas, os alunos poderiam ouvir Funk; as salas poderiam estar de acordo com o gosto das pessoas, pois seriam mais apreciadas; poderia haver um canto para cada aluno e customizado por ele; as pessoas com gostos em comum poderiam juntar-se em grupos para trabalhar.

    Poderíamos fazer workshops com duas ou três disciplinas combinadas, como Ciências, FQ e TIC e com um microscópio que vê as coisas muito detalhadamente. Com um microscópio desses  analisávamos células animais, substâncias químicas, energias e a própria luz. Teríamos uma placa gráfica, uma motherboard e um monitor a fim de realizar uma exploração ao micromundo.

    Nos trabalhos de Grupo, acho que os alunos devem escolher com quem trabalham; se escolherem os amigos, trabalharão mais e mais empenhadamente.

    Um Projeto possível para Português, Francês e Inglês podia incluir sairmos de Cascais, viajar ao Reino Unido. Podíamos passear em autocarros de dois andares, visitar o museus das Ciências. Depois íamos a Paris visitar La Villette.  Em Paris tínhamos de subir à Torre Eiffel e, em Londres, à London Eye. Esta, ao longe, parece uma roda gigante normal, mas, lá dentro, parece uma cápsula com uns banquinhos e tablets interativos lá dentro. No regresso, fazíamos um trabalho em que comparávamos as duas visitas.

João Francisco, 7B

Concluindo o 7º, Sonhando o Verão

Child suffocationCreative Commons License Ben Salter via Compfight

     Neste 3º Ciclo, em geral, o que apreciei mais foram as visitas de estudo, principalmente a ida ao Teatro “Leandro, Rei da Ilíria”. Em particular, o que gostei mais foi de ter aulas de TIC, onde aprendi como utilizar melhor o Power Point, mas não aprendemos o Photoshop, infelizmente. Um momento muito difícil, neste ciclo, foi estudar para os testes, por terem muita matéria e serem difíceis.

     Embora as notas não tenham sido muito boas no 2º e 3º períodos, eu tinha um bom método de estudo: fazia exercícios e escrevia resumos. Geralmente sublinho no livro e depois transcrevo o que sublinhei. Enquanto escrevo, estou a ler o que estou a escrever e a lembrar-me.

     A disciplina que gostei mais além de TIC, foi a de História, porque demos as matérias sobre o que eu queria saber sobre Portugal e a Peste Negra. Sobre o Terramoto de Lisboa, gostava de saber detalhadamente.

     Os meus projetos para o Verão de 2017 incluem passar uns dia em casa de um amigo que tem piscina – o que combina muito bem com o verão. Em casa, temos sempre muito que fazer: comer, jogar, ver séries, ir à piscina. Este amigo vai estar de férias fora de Cascais a partir de 30 de Junho.

    Depois, vou para um sítio no Algarve – gosto tanto de lá ir: tem um supermercado Espanhol com ótimas coisas; lá há duas piscinas, uma aberta, que fecha muito tarde, outra coberta e uma praia muito boa para dormir.

    Votos para este Verão: desejo que as pessoas se divirtam muito; que descansem; saiam com os amigos ou fiquem só em casa a fazer as coisas de que gostam mais.

João Francisco, 7B

Conversas na Oficina: O Desafio do 5º

Lost in a Good Book ShellyS via Compfight

     Um bom momento deste ano foi ter entrado para os apoios da Professora Inês.

    Um momento difícil foi as composições terem aumentado de nível;  do 4º para o 5º ano o estudo mudou em relação á exigência e quanto à qualidade. Eu estava numa Escola Pública e vim para uma Privada onde a dificuldade é maior.

    Nunca tinha visto tantos professores, tanta Matemática… No 4º ano só tinha três disciplinas de estudo, agora são cinco!

    Também às outras quatro disciplinas tive de me dedicar e tive dificuldade em algumas que não são de estudo: a tocar flauta, não consigo passar logo de uma nota para a outra, tenho que pensar.

    No Andebol, Râguebi e Futebol, troco as regras: são demasiados desportos. Em ET e EV, como são expressões plásticas, não acerto no traço do rigor devido á motricidade fina: mesmo a cortar com a tesoura, é sempre às curvas.

    Como sugestão para melhorarmos, penso que, à tarde, das 16h 20 às 17h, devíamos ocupar um segmento para fazer algo que a minha Escola Pública tinha, os AECS.

    Alguns pais de alunos ou alunos mais crescidos ou de Funcionários iam gerir uma espécie de aula de apoio ou de workshop: iam explicar a Profissão que tinham, ensinavam-nos atividades, algumas coisas básicas.

    Por exemplo, ensinaram-nos a andar de Skate; em expressão plástica fizemos trabalhos lindos que depois expúnhamos.

Miguel M, 5A 

Visitar o Uganda

Seeking a new life European Commission DG ECHO via Compfight

     Um lugar onde eu aconselhava ir é o Uganda. É uma terra quente, com brisas suaves, paisagens longas e coloridas com suas  árvores e montanhas.

    Tem atividades  muito giras onde podemos pôr as crianças com toda a confiança. Aconselho-vos a ir ao Uganda, onde há tudo o que queremos.

Luísa, 6A Aluna Visitante

(2016)

 

“O Segredo do Rio” – Estar acima da Fome

Imagem: Departamento de Português

      O livro que eu vou apresentar é “O Segredo do Rio“. Este livro foi escrito pelo autor Miguel de Sousa Tavares, que é um jornalista e escritor português, nascido a 25 de Junho de 1950, filho de Sophia de Mello Breiyner e primo, em terceiro grau, de José Avilez.

      A ação decorre no campo, onde o menino e seus pais vivem numa casa muito pequena com um jardim e um ribeiro próximo. No verão, a água estava tão quente que o rapaz tomava banho lá.

      Uma certa tarde de sol, o menino estava no ribeiro e foi surpreendido pour uma enorme carpa. Entre os dois formou-se uma amizade. No inverno seguinte, após uma longa seca, o menino levantou-se de noite, com muita sede, e foi buscar um copo de água, quando ouviu os pais a conversarem sobre os efeitos da seca.

     Nessa mesma noite, o rapaz ouviu a mãe a contar ao pai que tinha visto uma enorme carpa que daria alimentação para mais de um mês. O rapaz ficou tão preocupado que foi avisar o peixe. Combinaram que o peixe fugiria do ribeiro em busca do grande rio e de um novo lar para viver.

     Passadas duas semanas, o menino, ainda triste por ouviu um chamar pelo seu nome e foi logo ver o que era: lá estava o peixe! E trazia com ele uma enorme rede cheia de latas de comida.

     O que mais gostei no livro foi quand o peixe trouxe muita comida para retribuir ao menino o ter-lhe salvo a vida. O que menos gostei foi quando o pai quis matar o peixe. Este livro fez-me refletir em como a amizade está acima da fome.

 

Carolina V, 7B (2015)

A Esperança é Viva


Imagem: Loui_piquee

     Dedicado ao nosso querido colega Bento

     A Esperança não é tangível – entre a água, a terra e o ar -; não repousa sobre provas, eleva-se por si mesma, abre o seu próprio espaço inovador entre os outros elementos conhecidos. 

     A Esperança não é outro elemento a acrescentar para resolver a equação da vida – mas transforma a posição de cada um e a relação entre todos. A Esperança é uma respiração interior que se ativa a si mesma em caso de perigo extremo. Aparelha o coração humano para atravessar naufrágios, mesmo impercetíveis aos nossos sistemas de socorro. 

     A Esperança é viva, não pode ser provocada nem fabricada por meios humanos. Permanece indisponível, mas é familiar e próxima quando eclode, súbita, como uma flor intempestiva, nunca antes vista, uma chama no mais íntimo. 

    A Esperança é  sempre para todos, primeiro, e só então ganha raiz em cada um. Mas ela vem de mais longe, de antes do horizonte humano, de antes de o mundo ser. E nessa glória, sem consumir-se, arde.

OE

Na Imensidão da Música

Creative Commons License Urko Dorronsoro via Compfight

     Numa Noite quente, em Caminha, tínhamos acabado de sair de casa; o céu cobria-se com um manto de azul bem escuro com pequenos brilhantes que lá em cima cintilavam.

    Ao pé do mar podia ver-se o Monte de Santa Tecla, só com uma enorme luz lá no cimo, mesmo no cocuruto do monte. Via-se também Espanha toda iluminada por candeiros de rua; estava tão iluminada como um bolo de aniversário. Ìamos andando e cada vez mais chegava aos nossos ouvidos o som dos pombos excitados pelo pão que recebem todos os dias. 

 De repente, comecei a ouvir ao longe uma música bem animada. Decidimos então ir á praça e lá estavam duas bandas de escolas diferentes, que eram constituídas por um maestro, flautas, três saxofones, alguns violinos e um jogo de sinos. 

Como eram duas, tocavam à vez, o que fazia com que as pessoas se andassem sempre a virr. As músicas eram maravilhosas e eu setia vontade de lá ficar pela noite fora. Para cada música, eu conseguia imaginar um bailado diferente. Sempre que uma voz falava, eu pensava pra mim própia: “- Por favor, cala-te, que eu quero ouvir!”

 Sou uma pessoa que se deixa levar facilmente por estas músicas e sentia-me entusiasmada. Em quase todas as músicas a mãe me fazia perguntas que poucas vezes eram respondidas, porque eu me perdia na imensidão da música; durante aqueles momentos, não consegui deixar de pensar nos tais balidados. 

 Quando voltámos a casa, eu sentia-me perdida e abandonada por aquele mundo que deixava. Agora o silêncio reinava e parecia-me que eu tinha acordado de um desmaio; as imensas músicas e bailados haviam desaparecido da minha cabeça.

Mariana M, 6º ano  – 1998

Do tema “Verão 98 – um momento único”

O Despertar do Cão Preguiçoso

RAF Police Dog Training Defence Images via Compfight

     Era uma vez um cão preguiçoso, que fazia sestas intermináveis á sombra de uma tília no quintal do vizinho Herculano. Este senhor era conhecido por adotar animais abandonados com um carinho desmedido.

      Porém, ele já tinha muitos cães e todos eles eram preguiçosos, mas este era muito mais que os outros e tinha sido sempre assim, desde pequenino: era o “Plof”.

     Foi então que o Sr. Herculano o entregou à escola de cães-guia: com aulas esforçadas, novos companheiros e um instrutor incansável, o cão transformou-se num magnífico sabujo rastreador, que chegou a ganhar torneios em caçadas e se tornou no orgulho do seu dono.

Lourenço C, e OE 6B

Exercício de Escrita Criativa: Texto a duas mãos, segundo o livro Eu Quero ser Escritor”

The Heist

Day 10: Round Up the Usual Suspects Paul Howard via Compfight

13th March 2009

Today, we got some information about a weapon truck that was going to deliver stock to Amunition Store uf the state. We decided to attack it, due to both its low protection and the place. Making moves up in the desert of Deusix was really easy. There weren’t many cops there and some of them were afraid of the local gangs and dealers. We just had to be the firsts to get there.

15th March 2009

Today, we attacked the truck; it was a easy hit. Our only problem was that Franklin, my partner, got shot in the arm. We decided to attack a truck instead of just buying the weapons, because this way is harder to track them back to us.

16th March 2009

Franklin is recovering alright; today we are going to make not so vilan things. Mitchel is going to get some masks and I am gong to get Jump suits.

17th March 2009

The heist is tomorrow; if eveything oes well, we should get about 90.000.000 $. It’s a bank in the South and only certain people deposit their money there. It doesn’t have much security and it looks like it is poor to try to avoid robberies. I don’t think that’s very efficient. We spent all day yesterday getting some things like a drill, smoke grenades and  a fast car.

18th March 2009

Today is the day. We will make our move on the bank. 

Rodrigo L, 8B

The Royal Lion

13 Hábitos das Pessoas Humildes

This post is the translation of the article “13 Habits of Humble People”, kindly authorized by the author, Jeff Boss, whose attribution is due to his web site www.jeff-boss.com where we find “Inspiring Life Lessons on How to Navigate Change, Unpredictability and Chaos”

Este artigo é a tradução do artigo “13 Hábitos das Pessoas Humildes”, gentilmente autorizada pelo autor, Jeff Boss, cuja atribuição é devida  ao seu web site  www.jeff-boss.com, onde podemos encontrar “Lições de Vida Inspiradoras sobre como Navegar na Mudança, na Imprevisibilidade e no Caos”.

Imagem: Cascais – Oficina de Escrita

As pessoas humildes podem ser injustamente censuradas. A humildade é muitas vezes associada a ser demasiado passivo, submisso ou inseguro, mas isso não podia andar mais longe da verdade.

Pelo contrário, as pessoas humildes são precisamente o oposto – competentes, confiantes em si próprias, a ponto de, como consequência, procurarem realizar-se ajudando os seus. As pessoas humildes são, além disso, auto-eficientes; não sentem o impulso para se vangloriar, mas em vez disso, deixam que as suas ações falem pelos seus ideais. Ser humilde não é subestimar-se, pensar menos de si próprio, mas pensar menos em si próprio.

Para ajudar a identificar como se mostra a humildade (e como podemos adotar uma maior humildade para nós próprios. No fim de contas, quem é que não precisa de uma maior humildade?), aqui estão os 13 hábitos das pessoas humildes.

Elas têm Consciência Situacional

A consciência situacional é uma função da inteligência emocional, que inclui ter consciência de si próprio, do grupo, das ações de cada um e da dinâmica social assim gerada. Assim, as pessoas com consciência situacional orientam a sua concentração para o exterior, na medida em que tentam absorver (isto é, aprender) mais sobre a situação.  

Elas Mantêm as Relações

Estudos mostraram que as pessoas humildes são mais capazes de ajudar os amigos do que as pessoas orgulhosas. Como consequência, mantêm relações pessoais e profissionais mais fortes. Um estudo realizado com mais de mil pessoas – com cerca de 200 em posições de liderança – revelou que as empresas com pessoas humildes em cargos de liderança tinham uma equipa de trabalho mais comprometida e com menos mudanças (saídas e novas entradas) de trabalhadores.

Elas tomam Decisões Difíceis com Leveza

Uma vez que as pessoas humildes colocam as necessidades dos outros antes das suas, quando têm de enfrentar tomadas de decisão difíceis, respeitam os limites morais e éticos que guiam a decisão e baseiam os seus critérios para a tomada de decisão no sentido dos objetivos partilhados mais do que nos seus interesses pessoais. 

Elas colocam os Outros em Primeiro Lugar

As pessoas humildes sabem o que valem. Como resultado, não sentem a necessidade de se exibir perante os outros, só para lhes mostrar que sabem muito. Em vez disso, as pessoas humildes compreendem que os outros não se interessam com o que elas sabem até se darem conta como são preciosos para elas.

A humildade é a verdadeira chave para o sucesso. As pessoas de sucesso às vezes desorientam-se nos seus caminhos. Muitas vezes apoderam-se e condescendem com os frutos do sucesso. A humildade impede esta armadilha da arrogância e da autocondescendência. As pessoas humildes partilham os créditos e a riqueza, permanecendo centradas e ávidas por continuar a caminhada do sucesso.”

 Rick Pitino (Fonte)

Elas Escutam

Não há nada mais aborrecido do que estar a conversar com alguém que se nota perfeitamente que está mortinho por intervir. Quando se veem as suas rodinhas mentais a girar, é sinal que não estão a ouvir, estão antes à espera para falar. Porquê? Porque acham que o que têm para dizer tem mais valor do que escutá-lo a si. Por outras palavras, estão a colocar o interesse pessoal em primeiro lugar.

As pessoas humildes, contudo, escutam ativamente os outros antes de resumir as ideias principais duma conversa. Mais ainda, as pessoas humildes não tentam dominar uma conversa ou falar por cima dos outros. Elas estão muito interessadas em compreender os outros, porque são curiosas. Por falar nisso…

The Hunter and the Rabbit

The cliche of the rabbit and his carrotCreative Commons License Luis Alejandro Bernal Romero http://aztlek.com via Compfight

     Rick was a simple hunter. He didn’t do much, besides go out from day to day to hunt a rabbit or a bird for his lunch; he would also make bread for breakfast and take care of his plots of tomatoes, carrots, lettuce and other vegetables that he would use for dinner. He didn’t have TV, hot water, electricity or any of those things that most of us take for granted.

    He had build a house out of logs he had cut with the axe he hunted with. He was an “Axe Master”. He was capable of hitting a moving bird with it. Besides hunting and taking care of his plots, he, sometimes, would go for swimming in a lake nearby. He was alone everyday.

     One day, when he was having dinner, near the lake, a little rabbit showed up; Rick thought about if wether or not he should kill it for next day’s lunch. He decided not to and, instead, gave him half a carrot. He laught at the bunny eating the carrot, due to its cuteness.

Rodrigo L, 8B

Conversas na Oficina: O Ano Maravilhoso

DSC_0234 Rachid H via Compfight

     Um bom momento do 5º ano foi conhecer os professores novos. Um bom professor é um ser carinhoso, uma boa pessoa, não grita com os alunos e explica bem. Um momento difícil do 5º ano, acho que não houve e nem quando tinha de estudar, não chegou a ser difícil demais. No 2º período é que houve muitos testes, não havia descanso.

      Na minha turma havia muitos bons amigos, ao contrário de uns poucos que poderiam ser mais amigos. Na minha turma, a principal qualidade é ser fácil arranjar amigos.

     Os meus projetos para o verão 2017 são ir à praia; gosto muito de ir ao Tamariz: vou a pé com os meus irmãos; gosto de brincar e nadar com a minha sobrinha; ela vai às minhas costas, dentro de água, pois ainda só tem quatro anos: quando vem uma onda, ela salta e eu seguro-a. Quando está a maré baixa, apanhamos caracoizinhos: quando vejo que estão ao sol, tenho medo que eles morram e ponho-os devagarinho na água. Mergulho sempre, mesmo que a água esteja gelada e uma vez até me arranhei porque mergulhei ao pé de uma pedra.

     Gosto de ir ao Aquashow no Algarve; aí, prefiro tudo! Mas ainda não estreei o escorrega de 33 metros. Eu e o Pai temos uma parede e jogamos à bola com raquettes. Gosto muito de ir à praia com o Pai, de conversar com o Pai e de brincar com ele à apanhada.

      Sejam felizes este verão! Ponham chapéus de sol e creme protetor.  Conversem uns com os outros, estejam sempre com a Família, brinquem com os mais novos; com os mais velhos também: joguem ao Monopólio, jogos fáceis que não sejam muito de andar e de correr. 

Ana Sofia D, 5A

Conversas Na Oficina: Uma Escola de Projetos

     Always onwards! jaci XIII via Compfight

     Imaginando uma Escola diferente, gostava que tivéssemos mesas de pares, azuis, com cadeiras iguais; podíamos ter um recanto na sala com um quadro especial e cadeiras viradas ao contrário.

     Gostava que todos os dias pudéssemos mudar de lugar: por exemplo, um dia eu ficava com a Madalena, outro dia ficava com a Maria Jão , outro com a Bia, outro com a Mariana…

      Podíamos ter dias fixos na semana em que só trabalhávamos em Projetos. Com estas amigas, formávamos um Grupo com um Professor em que entrasse EV, Português, Inglês e Matemática.

     Neste projeto, poderíamos construir um sofá automático, com rodas, que teria uma bolinha que serviria de comando. Seria útil para não precisarmos de nos levantar e podíamos comercializar nos lares da 3ª idade. 

Layane S 5C

Conversas na Oficina: Projetos para a Nova Escola

Flying through lights in the the sky M.G. Kafkas via Compfight

     Em Setembro gostaria de ver algo de totalmente inovador: ao pé do campo de futebol há uma zona que não tem nada: podíamos pôr aí um parque com escorregas, baloiços e diversões adaptados ao 2º ciclo.

     Gostava que continuasse a haver Professores sempre mais queridos; gostava de ver cadeiras mais confortáveis; paredes de cores vivas, quadros para escrever com canetas; um outro quadro colorido, com rodas; mesas muito coloridas, com rodas.

     Podiam sentar-se duas pessoas por mesa e podiam juntar-se várias para trabalhos de Grupo. Podíamos fazer um Projeto com Ev, Et e Matemática para construir um brinquedo capaz de ser comandado, como um avião, um helicóptero, conforme os Grupos. Podíamos pô-lo à venda no Toy’s rus  e no Jumbo; podíamos distribuí-lo gratuitamente na Elpo e na AJU ou em Colónias de Férias.

Ana Sofia D, 5A

Ajudando os Alunos a Identificar os seus Valores – III

Imagem: Oficina de Escrita

This Article is the translation, with the kind permission of the author, Maurice J. Eliasof the post Helping your Students Identify Their Values     that has been published in Edutopiathe third July 2017. Due to its extension, here is the third and final part.

Este artigo é a tradução, amavelmente autorizada pelo autor, Maurice J. Eliasdo artigo publicado em Edutopia a 3 de Julho de 2017. Devido à sua extensão, aqui fica a III e última parte.

 

Um aluno, ao escrever sobre como ele e os seus irmãos estavam em vias de ser retirados de casa pelos serviços de proteção á infância após a sua mãe ter sido presa, descreveu como um amigo da mãe, que eles nunca tinham chegado a conhecer, lutou por conseguir a sua custódia, quando nenhum membro da família apareceu. A sua regra de vida tornou-se a importância de dar amor mesmo a pessoas que não conhece.

Outro aluno escreveu, “penso que amar os outros é o mais importante. Uma pessoa precisa de ter amor na sua vida. O Amor faz com que a pessoa sinta que tem importância.”

Eis um excerto de uma reflexão de um aluno do oitavo ano sobre a perseverança:

A chave do sucesso na minha vida é a perseverança. O meu fim último é continuar a alcançar os meus objetivos, apesar das dificuldades que possa ter de enfrentar. A minha bisavó foi uma pessoa que lutou para garantir que a sua família fosse bem sucedida. Nascida em 1902, era uma empregada de limpezas que trabalhou arduamente só para conseguir sobreviver. Andava quilómetros a pé para chegar ao trabalho, porque não tinha dinheiro para os transportes. Depois de trabalhar na cozinha de alguém o dia inteiro, voltava a casa e ainda lavava roupa para fora. O seu desejo orientador de tornar sempre melhor a vida dos seus filhos e netos motivou-a a perseverar numa época em que ser negro significava ser considerado menos do que nada. (Extraído de Urban Dreams: Stories of Hope, Resilience, and Character.)

Da Reflexão à Aplicação

Peçam aos alunos, na abertura do ano letivo, para se comprometerem a viver segundo os seus princípios ou regras desde o início. Ao longo do ano, podem convidá-los a refletir sobre o que escreveram e a que se comprometeram, a verificar com os colegas como é que eles estão a consegui-lo e a rever as suas próprias leis, se necessário.

Acerca do AUTOR

  • Maurice J. Elias of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

 

Ajudando os Alunos a Identificar os seus Valores – II

Imagem: Oficina de Escrita

This Article is the translation, with the kind permission of the author, Maurice J. Eliasof the post Helping your Students Identify Their Values     that has been published in Edutopia, the third July 2017. Due to its extension, here is the second part.

Este artigo é a tradução, amavelmente autorizada pelo autor, Maurice J. Eliasdo artigo publicado em Edutopia a 3 de Julho de 2017. Devido à sua extensão, aqui fica a II parte.

Para Desenvolver:

Pode achar útil pedir a cada aluno que escreva as suas próprias respostas a algumas das questões motivadoras, em primeiro lugar; em seguida, pode pedir aos alunos para partilharem essas respostas a pares, depois com uma parte da turma ou mesmo em grupo-turma.   

Os professores devem acompanhar a partilha dos alunos com perguntas para ajudá-los a pensar mais profundamente sobre as suas respostas. Por exemplo,

  • O que torna estas qualidades merecedoras de admiração e de seguimento?
  • Como é que escolheste este ou aquele incidente, exemplo ou pessoa?
  • Por que motivo estas qualidades ou valores são tão importantes para ti?

Elaboração de um Texto Reflexivo

Depois de os alunos terem tido uma oportunidade de pensar sobre e de discutir as respostas às questões, estarão prontos para começar a escrever. Um texto reflexivo deste género pode estar relacionado, no seu formato, com os critérios e objetivos adequados ao ano de escolaridade dos alunos. Eles devem receber instrução para refletir sobre o ano letivo transacto, tanto dentro como fora da escola, e escrever sobre o que eles consideram serem os valores ou princípios pelos quais querem pautar as suas vidas e porquê.

No meu trabalho com professores que orientaram alunos ao longo desta tarefa, os textos resultantes foram comovedores, reveladores e inspiradores. Muitas vezes, os alunos contaram histórias sobre membros da sua família e acontecimentos que foram importantes nas suas vidas. Trataran temas como o amor, responsabilidade, respeito, relacão humana, perseverança, auto-disciplina, coragem, honestidade e gentileza – muitas vezes combinados entre si.

(Continua)

 Sobre o Autor: Maurice J. EliasProf. of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

Ajudando os  Alunos a Identificar os seus Valores – I

Imagem: Oficina de Escrita

This Article is the translation, with the kind permission of the author, Maurice J. Elias, of the post Helping your Students Identify Their Values     that has been published in Edutopia, the third July 2017. Due to its extension, it will be published in three parts.

Este artigo é a tradução, amavelmente autorizada pelo autorMaurice J. Elias, do artigo publicado em Edutopia a 3 de Julho de 2017. Devido à sua extensão, será publicado em 3 partes.

I

Convide os seus alunos a escrever sobre os princípios orientadores segundo os quais eles querem viver, usando estes tópicos motivadores para os ajudar a começar.

By Maurice J. Elias

     O início do ano escolar é uma ocasião propícia para pedir aos alunos que reflitam sobre aquilo que traz um sentido orientador às suas vidas. E colocar por escrito os seus princípios orientadores de vida é uma tarefa perfeita para esta reflexão.

Os professores de alunos a partir do 5º ano podem pedir-lhes que descrevam os princípios segundo os quais desejam viver as suas vidas. Para os ajudar a sintonizar a ideia, podem conversar sobre biografias que eles tenham lido ou visto em filmes (Também podem ver juntos extratos de vídeos ou lerem juntos excertos de livros); depois organizem um diálogo ou enumerem um resumo das regras pelas quais essas pessoas parecem ter pautado as suas vidas. Também podem colocar aos alunos a mesma questão sobre personagens de romances, adultos presentes nas suas vidas ou figuras históricas.

   Para Começar:

Algumas questões motivadoras podem ajudar os alunos a começar a pensar mais profundamente sobre os seus próprios valores ou princípios.

  • Quem admiras? Enumera três qualidades admiráveis dessa pessoa.
  • Descreve um incidente ou um evento em que tenhas aprendido uma lição da forma mais dura.
  • O que poderias mudar em ti próprio para te tornares uma pessoa melhor?
  • Quais são as três qualidades que valorizas num amigo? Num Professor? No Pai ou na Mãe?
  • Quem foi mais importante na tua vida em ajudar-te a estabelecer os teus valores? Por favor explica.
  • Quais são os três valores mais importantes que pensas serem essenciais para encorajar os teus próprios filhos, um dia mais tarde?
  • Qual é a regra única que tu crês ser a essencial para orientar a tua vida?
  • Se nós vivêssemos num mundo perfeito, como é que as pessoas poderiam proceder de forma diferente do que fazem agora?

(Continua)

     Sobre o Autor: Maurice J. EliasProf. of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

Conversas na Oficina: Ponderações e Projetos

Imagem: Inside Out movie

     Os bons momentos deste ano foram aqueles em que brinquei com as minhas amigas; gostei muito da minha turma: achei-a simpática e engraçada.

    O trabalho que mais gostei foi em EV: “Divertidamente”, o qual consistia em trabalhar, escrevendo sobre as emoções: a Tristeza, a Alegria, o Medo e a Repulsa; foi engraçado escrever sobre as emoções. Elas estão na nossa cabeça e controlam-nos. Todos nós vimos o filme.

     A Professora não publicou o que nós escrevemos; trabalhamos por grupos, podíamos escolher os amigos. Fiquei com o Miguel Duarte e a Sofia; o Grupo funcionou muito bem.

     Na minha opinião, para um grupo funcionar bem, é preciso haver empenho de cada um; cada um escutar os outros.

     Este ano estou em vias de alcançar os meus objetivos e já estou com 66% a Português. Para o ano vou investir mais em HGP. Os momentos mais difíceis do 5º ano foram sempre que eu baixei as notas, o que atribuo não a não ter estudado, mas ao método aplicado.

Layane S, 5C

Da Cidade para a Liberdade

Coming in for a closer look

Geraint Rowland via Compfight   

      Era uma vez uma senhora muito rica que estava farta daquela “fantochada”: uma vida materialista, onde se vivia apenas para o lucro e o bem-estar material e, olhando para as outras pessoas simples, invejava a sua vida.

     Um dia, zangou-se com a sua família e saiu de vez com o dinheiro que trazia nos bolsos e na carteira, o que não era pouco. Com esse dinheiro, comprou uma casa linda, por uma pechincha.

     Porém, o tempo foi passando e ela foi ficando cada vez mais velha e cada vez mais desleixada. Sem amigos e com tanta solidão, cada vez tinha mais animais.

     Um dia, eu passei por lá e fiquei maluco: vi porcos, galinhas, cabras e yorkshires! Vi ao longe um pessoa e fui até lá: parecia uma bruxa, com os cabelos no ar, um cheiro pestilento e umas pantufas estragadas.

(Continua…)

Alexandre S, 6C

Libertem os Pokémons

     Pokemon's Sleigh Ride - Pokemon  challenge Cheryl Grayum via Compfight

      Em relação aos Pokémons, considero que eles devem ser libertados e ter a possibilidade de viverem sem serem apanhados.

      Em primeiro lugar, existe um abuso, que eu própria estou a ver: as pessoas fazem guerras e torneios entre os Pokémons e ouço-os a gritar e a pedir socorro.

      Em segundo lugar, em “Dittos e Eewees”, os treinadores apanham os Eewees para os obrigarem a reproduzir-se com Dittos, o que é contra a vontade deles.

     Em terceiro lugar, a matança dos bebés Pokémons que não são “Shinny” é uma violência que deve ser proibida.

     Em quarto lugar, em “O mistério da enfermeira Alegria”, em que eles são atirados para uma picadora de carne; dos corpos mortos se produz o “rebuçado raro”, o que faz aumentar o nível do Pokémon.

     Por todas estas razões, considero que os Pokémons devem ser libertados deste jogo atroz e terem a possibilidade de viverem livres.

 Svetty T, 5B

Diário de Carminho

Creative Commons License steven connors via Compfight

    (O inesperado final de “A Fuga de Carminho e Ananás)

     O “Ananás” dorme comigo, come da mesma comida, como por exemplo, um bocadinho de maçã. Estou apaixonada por ele: tem 3 meses e duas semanas.

     Dou-lhe comida e água, vou para a sala esperar que ele acabe, mas ele começa a guinchar e tenho de o ir buscar, senão ele escorrega no chão da cozinha, porque ainda não tem flexibilidade nas pernas.

      À noite, dorme em cima da minha cama, com a almofada.  Sempre que dou uma voltinha, levo-o; nunca fica sozinho em casa. Com o meu dinheiro pago à vizinha para ficar com ele; como ela gosta imenso dele, já não quer dinheiro.

     Da última vez que tentou subir as escadas, caiu para trás e ficou de barriga para o ar a abanar as patinhas. Sempre que vou à casa de banho, ele segue-me e , se eu fechar a porta, ele fica a chorar. Quando faço os TPC fica em cima da mesa e, da útlima vez babou-me o livro de Matemática.

     É beige com o focinho preto e as patinhas pretas na ponta, as orelhas descaídas e abre muito os olhos quando lhe dou festinhas, mas fecha-os quando lhe ralho. Durante o dia faz as suas necessidades no quintal e, como é pequenino, às vezes no chão de casa, por isso é que lhe ralho.

Maria M, 6B

A Fuga de Carminho e “Ananás”

Little PumpaCreative Commons License Dmitry Kalinin via Compfight

      Era uma vez uma menina chamada Carminho que gostava muito do seu animal de estimação que era um bulldog Francês, o “Ananás”. A relação entre a Carminho e o “Ananás” era muito forte. Uma noite de lua cheia, eles fugiram e desapareceram.

     A mãe da menina estava muito preocupada, por isso foi à procura dela. Levou consigo o Lavrador preto, “Bela”, e o Cocker, “Buddy”, que farejavam concentradamente o caminho. A mãe avançava, segurando as trelas com toda a força até ao jardim zoológico e começaram a saltar mostrando ter encontrado uma pista.

(Continua)

Maria M, 6B

O Monstro – I

Stormy SeaCreative Commons License Mark via Compfight  

      Miguelito era um aventureiro, gostava de explorar florestas e mares desconhecidos. Sempre que possível, ele contratava uma tripulação e lá partia em direção ao desconhecido, em busca de uma história ou até mesmo de um tesouro. Miguelito, uma vez, tinha descoberto um tesouro na costa do continente africano e foi o suficiente para deixar aquela tripulação inteira rica e isso só o motivou a continuar.

     Miguelito ia, mais uma vez, embarcar numa nova viagem. A tripulação era pouca, mas o suficiente para uma viagem planeada, era só ir comprar especiarias à Índia.

     – Chefe, gosta deste ventinho? – perguntou o Capitão do barco com um sorriso na cara.

     – Por acaso até gosto, Capitão. – respondeu-lhe Miguelito.

     – Bem, ainda vai ficar melhor.

     Miguelito não percebeu e apenas acenou com a cabeça que sim. Miguelito nunca tinha ido à Índia, visto que toda a gente, naqueles dias, lá ia. Só tinha ido desta vez para também abrir um negociozinho de especiarias, para ajudar a pagar as suas viagens.

     A noite caiu, Miguelito foi-se deitar a ler um livro, até que adormeceu. Houve alguns abanos do barco, mas Miguelito calculou que não fosse nada e voltou a dormir. Dormiu durante nove horas, mas ele não sabia que o que iria encontrar fora do quarto era algo que iria fazer com que ele não dormisse por bastante tempo.

     Saiu do quarto e viu corpos rasgados e espalhados pelo chão. Um tripulante estava sem pernas, mas ainda vivo, rastejava em pânico, como se a fugir de algo. Tentou dizer alguma coisa, mas o esforço foi em vão, colapsou e morreu. Miguelito estava em choque, como se congelado, até ouvir um som que o descongelou logo. Entrou de volta no seu camarote. Pensou no som que tinha ouvido e a única coisa a que o conseguia associar era a um monstro.

(Continua)

Rodrigo L, 8B

Para Esquecer – III

Spring Dream

jaci XIII via Compfight

      Francis estava de saída do cemitério quando o seu pé ficou preso. Raízes com flores maravilhosas começaram a crescer em volta do seu corpo. Começou a chamar pelas pessoas mas era  como se ele fosse invisível e todos estivessem surdos. As raízes cobriram-lhe os olhos e parou de conseguir ver.

     De repente, voltou a ver, mas agora estava no seu quarto. Levantou-se, pegou no telemóvel e ligou para a avó. A chamada foi atendida pela voz meiga e alegre da sua avó. Francis, a seguir, não disse nada, até que a sua avó desligou o telemóvel. Repetiu a ação com seus tios e avô.

     Foi à aplicação “Basketlovers” e viu que jogo já tinha sido no dia anterior, que os Maquiavels tinham triunfado sobre os Igotes, num jogo que acabara 107-69.

     Perguntou ao pai o que tinha acontecido durante o jogo e este disse-lhe que ele tinha adormecido a meio e contou-lhe as melhores jogadas e cestos.

     Francis pediu à mãe se podiam ir lanchar a casa dos avós. Esta tratou de tudo com a avó e lá foram eles, juntamente com os tios. Francis abraçou-os a todos com força e estes, sem perceberem o que estava a acontecer, simplesmente deram-lhe um abraço de volta. Francis estava quase a chorar, mas conseguiu aguentar-se.

     No fim, contou o seu sonho ao resto da família e estes ficaram muito sensibilizados com o tal sonho. Decidiram que era melhor esquecer aquele sonho e continuar as suas vidas felizes e sem pensamentos negativos. 

Estrelas de Milevane

 Excertos da Carta da nossa Prof Catarina Santos em Junho de 2017

      Família Amor de Deus,

    Contam-se os dias em que o Santo António guiar-me-á para o aconchego do vosso saudoso abraço, mas não queria sair de Milevane sem antes voltar a partilhar com vocês alguns dos momentos que aqui vivi e senti.

Imagem: Escola de Milevane

     Hoje aprecio o céu como um pintor sente a sua arte. De astronomia pouco percebo, por isso admiro e contemplo esta pintura estelar como se de uma obra de arte se tratasse. Preenche o coração! Imaginem-vos a pegar num pincel grande com tinta branca e a rodopiá-lo sobre um manto negro. Agora imaginem todos a pincelarem o céu em simultâneo!

      As estrelas parecem tão próximas que iluminam o caminho até casa esta noite.

     Os meus olhos já se habituaram à escuridão, alguns sons já não me são estranhos e as pessoas já sabem que existo. Hoje vou aproveitar a oportunidade que as nuvens me deram, de ter a luz das estrelas, enquanto caminho para casa. Atenta aos perigos mas em paz.

[…]

     Esta tarde escrevo-vos à luz das velas. Houve um corte de corrente – a chuva intensa que persiste em durar não deixa passar os raios solares e, por isso, a energia não chega até nós. Quando os painéis solares não funcionam liga-se o gerador mas sem gasolina também não dura muito tempo. Já passaram dois dias em que as baterias estão descarregadas. Talvez amanhã haja um raio de sol que queira permanecer. 

    As noites estão tão frias que me fazem lembrar a minha terra – Sintra. Nestas últimas duas semanas, o chá quente e o cobertor são meus amigos e as camisolas de alças são os inimigos que prendi no guarda-roupa!

    Milevane fica nas montanhas da Zambézia!

Imagem: Campo de Milevane

    Acredito que a simplicidade da palavra obrigada, quando dita do fundo do coração, traduz a importância que esta viagem foi para mim, por todo o que envolveu – sacrifícios, ajudas inesperadas, partilhas…uma verdadeira missão partilhada!

      Às comunidades de Milevane e de Cascais – simplesmente obrigada!

Beijinhos para todos.

Até breve.

Catarina 

(Prof. Catarina S)

Sucessos e Projetos

Imagem: Valtenis

     Os meus planos de futuro a médio prazo são estudar Desporto; gostava imenso que houvesse aqui no Colégio. A longo prazo, gostava de vir a ser a melhor profissional de Ténis do mundo. O meu pai tem um clube, o Clube “Valtenis” – V de Valenti, que fica na Penha Longa, em Sintra. Os nossos cartazes estão na secretaria do Colégio: tivemos mais de 60 alunos inscritos na Clínica de Verão no ano passado. 

      Um bom momento do 6º ano foi poder estar com a Professora Inês na Oficina, porque aqui podemos ser livres. Este ano, o mais difícil foram os testes, sobretudo a disciplina de Ciências, com esquemas e palavras a mais que só complicam. 

      Para o 7º ano as minhas expectativas são ter mais amigos e muito boas notas. Um métodos de estudo que resulta bem é estudar com amigas, em casa umas das outras; não nos distraímos porque estamos com as Mães a estudar. E fazemos lanchinhos!

Federica V, 6B

Para Esquecer – III

       Forever Fifteen

Creative Commons License Midnight Believer via Compfight

       Francis simplesmente acenou que sim e voltou a ver a sua série. O episódio que estava a ver acabou, ele foi pôr o prato na cozinha e começou a ver o seu youtuber favorito “TheRoyalLion” no telemóvel, até que o seu pai o chamou para irem embora.

     O pai de Francis era dono de uma empresa de carros, a “Stinger”; estes carros eram praticamente a junção de Ferraris com Lamborguinis e Mercedes. Eram os carros mais poderosos do mercado e eram utilizados até por corredores profissionais nas corridas de automóveis. O pai de Francis tinha acesso, se quisesse, a um exemplar de cada carro, de graça; mas dos dez que já tinham sido produzidos, ele só tinha escolhido dois.

     Entraram então no Stinger 500 Buzz, vermelho, e fizeram-se á estrada. Francis olhava pela janela e via as matrículas dos carros, coisa que ás vezes o alegrava, quando eram engraçadas. Viu uma que tinha escrito “DYNKM3M35” e não conseguiu evitar um sorriso. Seguiram-se “D14MOND” e “83H4PPY”. Ele sorria cada vez mais, mas quando chegou à Igreja, o sorriso transformou-se numa expressão séria e pesada.

     O funeral demorou meia-hora e quando acabou a cerimónia foram para o cemitério assistir ao enterro. Foi um momento intenso e o facto de três dos quatro caixões estarem vazios e dentro de um estar um corpo todo queimado, não ajudava. A única maneira de saber que era mesmo a pessoa certa foi devido a um dedo não ter sido carbonizado, o que permitiu analisar impressões digitais. A avó de Francis não pôde comparecer por estar internada no hospital com queimaduras graves. Francis estava já de saída do cemitério quando, de repente, o seu pé ficou preso.

(Continua)

Rodrigo L, 8B

Surfando em Ondas Perfeitinhas

    Noroeste Pro 2017 [in explore]

[Paturo] via Compfight

     A minha ocupação favorita é praticar Surf; às terças, quintas e sextas, pratico nas praias de Carcavelos e do Guincho. O meu Treinador vem-me buscar numa carrinha, mas somos só três; deixo sempre a prancha na sala, encostada ao bengaleiro.

      A minha experiência de Surf já dura há sete anos; as melhores Trip-Surfs são na Azambujeira do Mar e daí até Sagres – o ponto mais a sul. O que me fascina neste desporto é que nos divertimos, nos respeitamos; é desafiante combatermos as ondas, tentarmos chegar até onde queremos alcançar; sobretudo as manobras que fazemos com a prancha, como o “bottom”, a “palada”, o “lay back”, a “rasgada”, entre outros. O mais difícil é o “Lay Back” porque exige muito equilíbrio.

       Às vezes é assustador, quando as ondas fazem o “Set”, em que vêm cada vez maiores. Nós falamos uns com os outros de prancha para prancha; com cada instrutor só podem estar quatro praticantes, no máximo. O meu mar preferido é com ondas médias e perfeitinhas. Uma onda perfeita é a que faz um tubo, quando não há vento, o que permite treinar as manobras. No Guincho, as ondas não são perfeitas: há muito vento.

      Ontem, estive no Guincho com o Lourenço P e não se conseguia surfar bem. Tentei apanhar com o maior número possível de ondas; elas quebravam onde eu tinha pé, estava a maré vazia. No Brasil, a praia está protegida, as ondas não chegam: é preciso remar imenso até chegar ao mar aberto e aí não há pé. Os treinos duram de duas a duas horas e meia, a partir das cinco, saímos da água quase sempre depois das sete da tarde. No inverno é mesmo noite escura.

Lourenço C, 6B

A Terra em Harmonia com o Homem

Globo verde

Creative Commons License Olearys via Compfight

     Em relação  à responsabilidade de cada cidadão pela preservação da Terra, considero que constitui um dos mais difíceis problemas de resolver no nosso tempo.

      Todos os dias, biliões de litros de água são inutilmente desperdiçados; o lixo que produzimos é regularmente despejado no oceano ou lançado em fumos para o ar pelas chaminés das fábricas (tanto quanto o senhor das castanhas).

     Sei que o aquecimento global está a fazer as marés subirem, pondo em risco as grandes cidades ribeirinhas como Nova Iorque e Lisboa; a desflorestação na Amazónia, por exemplo, um dos pulmões do mundo, ameaça provocar falta de oxigénio no ambiente e períodos de seca extrema.

       Imaginemos um cenário positivo para daqui a cinquenta anos, contando com essa urgente responsabilização dos cidadãos a nível mundial.

      O Avanço tecnológico ter-nos-á dado o benefício da criação de ozono e a capacidade de o libertarmos na atmosfera.  Os cidadãos passaram de circular em carros a gasóleo a transitar em “sapatos” rolantes que funcionam com super-absorventes da energia solar, graças ao avanço da nanotecnologia.

    Os cidadãos puderam passar a reenviar a água dos despejos para centrais de reciclagem,  sendo os resíduos dessa reciclagem usados para a produção de ozono.

    Os cidadãos esqueceram a  electricidade obtida por combustão de materiais pesados, como petróleo, pois esta  passou a ser extraída de fonte hidráulica, a partir de fornecedores domésticos de energia.

     Imaginemos que, assim, dentro de cinquenta anos, os cidadãos  cumpriram a sua tarefa e o nosso planeta voltou ao auge da estabilidade em harmonia com o homem.

Miguel F, 9B

O Meu Minúsculo Plano de Vida

     Wondercon 2016 - Rick and Morty Cosplay

Creative Commons License William Tung via Compfight

     Se nós queremos ser alguém na vida, temos de escolher um emprego, senão passamos a vida a viver à custa dos nossos pais. Além disso, toda a gente gosta de ter um sentido na vida, algo que nos faz levantar da cama; um emprego, por exemplo, para nos sustentarmos a nós e á nossa família e, se for algo que nos interesse, ainda melhor.

      Para escolher uma profissão, precisamos de pensar o que é que nós gostaríamos de fazer daqui a alguns anos; tem de ser algo que nos anime, que nos traga objetivos e que nos faça exercitar a nossa capacidade de nos desembaraçar em situações complicadas.

    Para escolher um trabalho, também é preciso ir em frente, não ter medo do difícil, mas sim vontade do que gostamos. Claro que precisamos de ser um pouco lutadores, mas sabemos que o esforço e vai valer a pena.

     No futuro, gostaria de ser investigador científico-tecnológico, na área da Nanorobótica. A nanotecnologia é a engenharia das coisas extremamente pequenas, que trabalha com dimensões do nanómetro que é igual a 10-9 m.

       Gostaria de me dedicar a nanorobots que podem, por exemplo, regular a tensão arterial, estudar o funcionamento do corpo humano a níveis totalmente novos, tal como o ADN, podendo nós aprender a modificar o próprio ADN.

     Vou para esta área, porque acho que dentro de poucos anos, o seu estudo vai ser muito procurado e os investigadores muito bem pagos.

Miguel F, 9B

Conviver com Arte – e com Golfinhos

    Reflection Daniel Kulinski via CompfightRiccardo Palazzani 

     Sobre os meus projetos de Verão, desconfio que vou ao México esta próxima 6ª feira; tenho duas festas no dia 16; eu estou a descobrir pois ouvi os Pais a falar em passaportes e já sei que não vou poder ir às festa de 6ª. Não tenho a certeza, mas suspeito: os meus Pais andam estranhos; se eu lhes falo, a minha Mãe diz: “Chega desta conversa!” Eu e a mana andamos descalças à noite e ouvimo-los a murmurar….creio que eles nos querem fazer uma surpresa!

      Eu já lá fui nadar com os golfinhos, passei uma semana onde havia uma praia e uma piscina separadas apenas por arbustos. A minha irmã é que vai viajar para longe pela primeira vez, creio que é sobretudo por causa dela, pois eu, quando era pequenina, ia sempre a todos os lados com os meus Pais.

     Em relação à nossa época, acho que as pessoas são descuidadas, porque o ar é mais poluído na rua do que em minha casa. É importante as pessoas conhecerem-se e saberem de que é que as outras pessoas – que estão a poluir e a fazer o mal – são capazes. Era essencial que cada família conseguisse contribuir, pelo menos um bocadinho, para que não houvesse poluição nem outros males. Sermos todos amigos, como na “minha terra”: é a Terra dos meus Peluches.

     É mais fácil os rapazes conviverem: dão um pontapé para resolver uma questão e ficam bem; já as raparigas arrastam as zangas durante muito tempo. As pessoas podem tornar-se irritantes quando, se estamos a fazer uma coisa, outra quer mandar e, se não a seguimos, amua.

    O meu voto de Boas Férias para o verão de 2017: Desejo que toda a gente tenha férias tranquilas!

Federica V, 6B

Atingir a Riqueza Espiritual com o Vocabulário

Writing in the sand, San Sebastian

Chris Beckett via Compfight

     Em relação à competência/capacidade de tornar o nosso “jogo de palavra” mais poderoso e mais completo, considero que o domínio de um vocabulário mais rico é uma ferramenta muito importante.

    Acima de tudo, a nossa comunicação  é um dos poderes mais específicos do ser humano que nos torna capazes de chegar ao entendimento mútuo.

     A isto acresce que o nosso arsenal de palavras precisa de ser mais vitaminado, em vista de tornar as nossas conversas mais empolgantes e mais variadas.

     Finalmente, o uso da cultura linguística avançada também é uma boa manobra de persuasão, sendo que são explicitados mais pontos de vista de uma forma mais fascinante e convincente.

     “Last, but not least”, o sucesso amoroso dos maiores poetas prova que uma afortunada linguagem consegue expressar a chama inextinguível e conquistar o coração da sua Amada.

       Por todos estes imbatíveis argumentos, espero que os meus colegas leitores se deixem convencer pela verdade e pela novidade que  a linguagem nos desvenda.

Miguel F, 9B

O Dia em que Me Encontrei com o Passado – II

koh tachai

Creative Commons License Andrea via Compfight   

       Achei piada aos peixinhos que se aproximavam para observar as bolhas de água que se libertavam da minha máscara de oxigénio e que se afastavam, enquanto eu nadava para o interior do navio.

     Quanto mais me adentrava, mais me impressionava com o que eu encontrava: destroços da cozinha, o porão com a sua secção de mantimentos.

     Descobri um crânio no camarote do capitão, chamou-me à atenção um resto de mapa, muito gasto, sobre a mesa carcomida e avistei uma arca de tesouro numa velha divisão que parecia ter estado esplendidamente enfeitada: ao abri-la com todas as minhas expectativas, encontrei…

Um Caranguejo Arco-Íris!

Miguel F, 9B

O Dia em que Me encontrei com o Passado

El Oceanario, Isla de San Martín de Pajarales, Cartagena, Colômbia.

Elias Rovielo via Compfight

     Lá ia eu para mais um trabalho que parecia simplesmente mais um. Equipei-me, saltei e mergulhei para aquele paraíso a que chamo mar. Era uma beleza! As pedras do fundo estavam incrustadas de mexilhões coloridos e grutinhas de onde espreitavam pequenos polvos desconfiados.

      Nós íamos procurar uma nova espécie de caranguejo: “o caranguejo arco-íris”. Ele vive a uma grande profundidade, mas nada que eu ainda não tenha feito. Estava eu à procura do caranguejo, quando encontrei um mastro e pensei: “Onde será que está o navio?”

      Procurei, procurei e finalmente encontrei-o: parecia ser uma nau portuguesa, não só porque tinha proa dupla, mas também porque havia indícios de uma cruz na vela. O navio estava muito afectado pelo mar; via-se logo que tinha sido um naufrágio muito violento: o casco estava partido em vários sítios, por onde saíam e entravam pequenos cardumes dançando juntamente com alguns tubarões.

     Decidi entrar cuidadosamente, por causa dos tubarões…

(Continua)

Miguel F, 9B

Conviver Na Escola

   The place to be

Christian Kortum via Compfight

    Em relação a uma boa convivência na Escola, considero que há três normas fundamentais, tais como a boa-educação, a aceitação mútua e o não levar em conta as diferenças problemáticas no convívio quotidiano.

    Acima de tudo, a boa educação é importante, porque, quando nos dirigimos educadamente a outra pessoa, sentimo-nos confortáveis, sentimo-nos abertos à dimensão amigável do outro.

     Além disso, a aceitação mútua é mesmo essencial, pois entre a população estudante encontramos uma variedade imensa de diferenças de temperamento, de modos de vida, de opiniões e de maneiras de pensar que temos de vincular entre os diversos interlocutores de uma forma saudável em vista de uma eventual amizade ou de uma simples conversa.

     Finalmente, temos de deixar de parte aquilo que nos pode parecer “o pior” nos outros, a saber: aquelas diferenças que expõem uma falha na dimensão do convívio. Devemos omiti-las, não as tomar em consideração, quando nos dirigimos a esses colegas.

     Por todas estas razões defendo que, para uma boa convivência nas escolas, torna-se indispensável haver uma educação confortável no bom uso de palavras, tanto como a aceitação mútua de todas as diferenças entre colegas e ainda a tolerância em relação a traços mais problemáticos da personalidade de cada um.

Miguel F, 9B

Para Esquecer – II

Foco

Ana Guzzo via Compfight

30 Minutos Depois

     Amanda recompôs-se, sentou-se ao lado de Francis e, lentamente, explicou-lhe o sucedido. O seu avô e tios maternos tinham morrido e a sua avó tinha partido um braço, que ficara todo queimado e iria ter de ser amputado. Francis tentou processar tudo aquilo mas não conseguia e tudo o que conseguiu dizer foi um fraco “OK”.

     Os pais ficaram confusos, mas não disseram nada.

3 Dias Depois

     Estava um dia de sol, Francis foi acordado pelos raios de luz que entravam pelos buracos dos seus estores. Viu as horas no seu telemóvel e levantou-se. Tomou um banho demorado, vestiu uma camisa branca, gravata preta e calças de fato também pretas; pôs o seu desodorizante favorito, o “seven senses”, pôs gel no cabelo e foi fazer o pequeno-almoço. Sentou-se no sofá e começou a ver “Family Guy”.

    A sua mãe veio ter com ele, num vestido elegante, preto. e perguntou-lhe se queria mesmo ir ao funeral de todas aquelas pessoas.

(Continua)

Rodrigo L, 8D

 

Veteranos do 5º Ano

GR3_8364

Creative Commons License Caruth Institute for Engineering Education via Compfight

Afonso – Um bom momento do 2º ciclo foi fazer amigos novos.

Alexandre  – Ya, brincar com novas pessoas… a turma tornou-se um pouco faladora a partir do 2º período, mas é muito boa.

Afonso – O momento mais difícil foram as Provas de Aferição, porque estudamos muito. Na primeira prova estamos muito nervosos e não sabemos como ela vai ser. Afinal, antes de fazer, rezava cinco vezes e, no fim, achava-a mais ou menos fácil. Na Prova de História, só as primeiras cinco páginas eram imagens e perguntas de cruz.

Alexandre – O momento mais difícil foram os testes. A minha antiga escola, “Os Aprendizes”, é uma escola aberta, não ensina da mesma forma.  

Alexandre – Um bom método de estudo é ter explicadoras. Está-se mais concentrado do que na aula e elas explicam melhor, porque é mais personalizado. Quando estudo só, gosto de pôr uma música no telemóvel.

Afonso – Eu antes tinha uma explicadora que era psicóloga, depois a prof. Inês, a Mãe e o Pai. Quando estudo só, leio em silêncio, depois em voz alta; leio tudo seguido, mas com paragens; gosto de fazer apontamentos, de estar com a porta fechada e em silêncio. Tenho sempre dois pacotinhos de bolachas e uma chávena de leite. A minha Mãe faz-me um horário fixo.

Alexandre – Para o último teste de Português, fiquei no quarto, em silêncio; revi tudo, estudei todos os dias um bocadinho. 

Afonso e Alexandre:E Estamos satisfeitos com as nossas notas!

Afonso F e Alexandre B, 5D

Perspetivas Inovadoras

Imagem: Os melhores Drones Chineses

Alexandre e Afonso – O que gostávamos de encontrar em Setembro era a mesma Turma com os mesmos amigos.

AfonsoGostava que voltassem a pôr lá em baixo umas redes de pinguepongue; que se fizessem torneios, que tivéssemos mais aulas de Educação Física.

Afonso e Alexandre Podía-se construir algo de novo nos sítios que ninguém usa, como ao lado do bebedouro, à esquerda de quem sai para o recreio. Aí podia-se fazer um miniparque de skate, com uma rede a proteger o vidro da sala azul.

AfonsoPodíamos ter aulas com menos minutos; intercalar aulas de Matemática e de Português com aulas de EF ou de EV.

Alexandre – Fui à Finlândia e lá as aulas começavam às sete e acabavam ao meio dia. Depois os alunos podiam ter atividades até às três, como Esgrima, Judo, Karaté.

AfonsoAs nossas salas podiam funcionar com grupos bem organizados; as mesas seriam a pares ou a quatro, em linhas; as cadeiras estofadas, as paredes brancas.

Alexandre Podíamos ter alguma disciplina nova, como Teatro. Podíamos aprender Robótica e fazíamos um drone.

AfonsoPodíamos aprender a falar mais no Inglês, para acompanhar a Robótica.

Afonso F e Alexandre B, 5D

Um Projeto de “Kartingologia”

   Mil Mi-24V "Alien Tiger"

Pavel Vanka via Compfight

     Um bom momento do 3º ciclo foram as atividades de TIC. O mais difícil foram as disciplinas novas, por serem desconhecidas. O meu método de estudo preferido é ler diretamente do livro várias vezes.

      Para uma escola inovadora, gostaria de encontrar, para o ano, secretárias novas, com rodas e cadeiras almofadadas, para duas pessoas, mas que podiam ficar dispostas em pequenos grupos.

     A disciplina de ET podia transformar-se numa disciplina nova de “Kartingologia”: construíamos kartings com uma pista de montanha russa que passava por cima do refeitório, seguia num percurso em que estacionávamos por cima do pavilhão; daí corríamos para o teto aberto da piscina e mergulhávamos ou simplesmente descíamos até lá por um escorrega de água.

Pedro C, 7A

Práticas e Projetos Felizes

     Toronto Botanical Gardens ~ Bike With Flowers

Onasill ~ Bill Badzo via Compfight

      Um bom momento deste 3º ciclo a estrear foi a descobrir a Turma nova: os colegas são muito engraçados! As fases mais difíceis foram os testes, por  serem tantos, tão seguidos e tão complexos!

      O meu melhor método de estudo foi criar apontamentos escritos durante a aula; recordava-os em casa e, para aprender melhor, digo as palavras em voz alta.

     No próximo ano gostava de encontrar, nas salas, umas cadeiras mais confortáveis; gostava que os alunos se pudessem levantar à vontade; que continuássemos a poder dizer poemas de improviso, na aula da professora Carla; até podemos ir um para cada ponta da sala e dizer o poema frase a frase, ao desafio. E isto enquanto decorrem outras atividades silenciosas, isto é, interrompêmo-las, por amor à poesia. É um fabuloso direito adquirido.

     Gostava que as mesas fossem de cores vivas, que tivessem rodas e que dessem para dois colegas.

     Gostava que tivéssemos aulas práticas de karting e de moto quatro. Um projeto possível seria  a construção de uma bicicleta. Com as disciplinas de ET, EF, Inglês, Matemática, Física e EV; no fim fazíamos uma gincana. Seria o projeto das “Bicicletas-Cad”

Manuel D, 7C

Conversas na Oficina: Entre o Difícil e o Sonho

Dragon Tree

trevorklatko via Compfight

Maria SO momento mais difícil do 6º ano foram as pessoas, a arte de conviver e de enfrentar as dificuldades da relação.

André (Convidado) – Pensar que a Turma vai mudar de colegas, que podemos perder amigos bons…

Maria SPara uma nova escola, gostava de encontrar, em Setembro, salas pintadas com cores vivas e cada uma com diferentes recantos: os grupos de alunos poderiam escolher como sentar-se e onde estar.

André – Podemos ter aulas no Ipad com a escola virtual, tecnologia e pufs, umas salas confortáveis e para os profes também. Para aumentar a nossa liberdade, podemos fazer mais trabalhos de grupo; não estarmos sempre calados e não estarmos sempre com os professores

  Maria S –  O que pode aumentar a  liberdade da nossa vida de estudante é ter autonomia nos trabalhos, escolher os pontos do programa…

AndréHá escolas em França em que podemos participar na vida real, por turnos: aprender a cozinhar, lavar a loiça, tratar da horta, ter animais….

OE – Para aumentar a comunhão com a Natureza poderíamos restaurar o nosso pinhal e transformá-lo num espaço de convívio feliz com os animais…

Alexandre SEu podia trazer porquinhos vietnamitas, galinhas com pintainhos… e duas cabrinhas.

André (Convidado) – Eu trazia uma ovelhinha e coelhos do Meco.

Maria S – Eu trazia pássaros coloridos. O Pinhal ajuda-nos a ser mais rústicos e a ter ideias para escrever.

Maria S, Alexandre S e André (Convidado) 

Cuba Maravilhosa

Caribbean beach series . Cuba

Nick Kenrick via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Cláudia que foi de férias para Cuba, durante uma semana. A Cláudia foi de avião e, quando chegou, viu a praia, a piscina e quis ir logo dar um mergulho.

     Quando pôs o pé, viu que estava fria. Então, quis ir fazer escalada: a Cláudia, quando estava a fazer, gritava que ia cair. A sua amiga Matilde disse que não ia cair. A seguir, foi ela a subir e estava numa excitação.

      Depois, foram andar de canoa; andaram uma contra a outra, a ver quem ganhava. Ganhou a Matilde!

     Passados dois dias, foram a um museu e viram tantas coisas bonitas!

     No dia seguinte, foram almoçar, estavam com muita fome… O jantar foi peixe e estava uma delícia! Depois foram ver a praia de noite: tinha velas na areia, tudo iluminado!

     Finalmente, tinha chegado a hora de ir embora: estavam muito tristes. A viagem de avião foi muito agitada, porque estava a formar-seu um furacão sobre o mar das Caraíbas. Elas tiveram algum medo, mas correu tudo bem.

     Quando chegaram a casa, estava à espera da Cláudia a sua irmã Carolina que queria saber as novidades daquelas maravilhosas férias!

Mariana C, 6A

Para Esquecer

Creative Commons License Riik@mctr via Compfight

     Francis estava sentado no sofá com seu pai, Jack, a ver o jogo de basketball : Estavam a perder quando, de repente, uma luz laranja e gritos preencheram o pavilhão. A transmissão foi abaixo e, em menos  de dez minutos, todas as transmissões, mesmo as dos canais infantis, foram substituídas por uma transmissão de notícias de última hora.

     Teria havido um ataque terrorista no pavilhão: havia milhares de mortos e centenas de feridos; sobreviveram poucos e a maior parte deles tinha perdido membros devido ao impacto ou às chamas que os levaram a cinzas. Era algo terrível.

     Francis apressou-se a ir chamar a Mãe para testemunhar aquele acontecimento horrendo. A sua Mãe, Amanda, ficou paralisada até que, de repente, olhou para o lado e afastou-se a chorar. Começou a correr para o telemóvel. Francis e o pai tentavam perceber a quem ligava a Mãe. De repente, o pai lembrou-se que os Avós de Francis tinham ido àquele jogo com os tios, mas preferiu deixar Francis “no branco”. Os outros avós de Francis ligaram logo para Francis, para confirmar que ele não tinha ido ao jogo.

      Depois de uma hora, Amanda desligou o telemóvel, correu para o quarto e Jack correu ao seu encontro. Francis continuou  a acompanhar o acontecimento na TV.    

(Continua)

Rodrigo L 8D