O Convívio Solidário: Transformar o Mundo

mapa mundi, a cores, com o azul forte para os oceanos

     Imagem: Wikipédia Creative Commons Attribution 3.0 License.

     Na Festa da Comunidade Educativa, dançamos e tocamos músicas, além de propormos muitas atividades em que ajudamos os mais necessitados, pois paga-se o bilhete de entrada no Sarau e a participação nas atividades e no bar da Festa. Com cada tema anual, este ano, “Ser +”, celebramos na Festa, um ano inteiro de trabalho e de comunicação entre nós.

     O valor deste mês é a Solidariedade.

     Podemos vivê-la, a nível pessoal, quando as pessoas que vivem melhor ajudam os mais necessitados; podemos dar, por exemplo, comida; podemos dizer “Bom Dia” e conversar; podemos transmitir Alegria.  Podemos não ser desagradáveis com as pessoas de quem não gostamos.

      A nível de Escola, juntamo-nos todos e conseguimos ajudar quem precisa de nós, fazendo Festas em que nos divertimos, mas em que o dinheiro que juntamos, em vez de ficar para nós, damos. Este ano estamos a apoiar 3 Escolas Amor de Deus em Cabo Verde.

     A Solidariedade a nível mundial exige que não criemos guerras entre países, sejamos países calmos; os países mais ricos darem aos mais pobres alguma parte.

Conversas na Oficina

Isabelinha S 6D 

Possibilidades Solidárias

quatro mãos unidas segurando-se mutuamente os pulsos

Pixabay – Mãos Unidas Atribuição CC0

Miguel M – Esta Festa é boa, gosto muito dela, e ainda vamos ajudar outras Escolas em Cabo Verde.

Francisco M N – A Festa é para todos sermos solidários e celebrar a nossa união.

Miguel M – A nível pessoal, a Solidariedade passa por oferecermos aos outros o que usamos, não precisamos, mas o outro precisa.

Francisco M N – Também é partilhar sentimentos, ajudarmos quando um amigo precisa e também sermos retribuídos.

Miguel MA nível de Escola, podemos ajudar outras escolas, com dinheiro, para comprarem livros e melhorarem as instalações.

Francisco M N – A Nível Global devemos não poluir, não haver discriminação de raças; uma pessoa não pode ser maltratada por causa da sua cor, não faz sentido. Cada raça continua a ser um ser humano, com o mesmo coração, pode ter a mesma bondade e ainda muitas características que ainda não descobrimos.

Miguel M – Também tem que haver igualdade de tratamento entre géneros; há mulheres a quem se paga menos. E temos que falar das Metas Globais aos outros, senão não conseguimos; uma pessoa sozinha não consegue mudar, por mais sacrifícios que faça. Eu tenho estado a inventar outra Meta Global: os pobres terem mais bens. Eles nem sequer têm o essencial.

Francisco M N – Vi um Youtuber no Brasil a distribuir o dinheiro que tinha ganho e as pessoas, que tinham trazido os seus filhos, foram logo comprar comida.

Miguel M – Vou tentar distribuir o que não preciso: doar brinquedos.

Francisco M N – Se eu fosse rico, fundava uma Empresa de Solidariedade. Os pais do Bernardo fizeram muito por Angola e Moçambique. Eu enchi dois sacos enormes com Disney, Faísca e outros brinquedos, desde os meus 3, 4 anos.

Miguel M – É essa a ideia: posso ter poucas coisas e aposto que, mesmo assim, de muitas delas, não preciso e há aí quem precise muito mais do que eu.

Como exemplo de Possibilidades Solidárias fica o Vídeo da Fidesco que nos mostra onde e como estão as dezenas de Jovens Famílias que, desde Agosto e durante dois anos, foram viver, em diferentes missões, para as mais diversas situações de pobreza do mundo.

Miguel M e Francisco M N 6A

 

Futuro Vivo: Família, Solidariedade e Aventura

 areal onde está inscrito um cora ção imenso, mar azul ao fundo   Photo by Khadeeja Yasser on Unsplash 

     Um momento único na Páscoa 2018 foi estar com a minha família da parte do Pai, em Óbidos; no sábado de Páscoa, almocei com a minha Família paterna, e no Domingo de Páscoa, almocei com a Família do lado da Mãe. Estes momentos marcam-nos porque estamos em Família; daqui a alguns anos podem alguns membros ter morrido e sermos menos.

     O que mais gosto é de passar tempo com a minha Família, estar com as minhas primas. Gosto de ir para o Algarve no verão, porque os meus pais têm lá imensos amigos e os filhos deles são nossos amigos. Na Praínha, temos segurança, andamos todos juntos e fazemos imensas coisas!

      No CSV, já sei que vou para Inglaterra, New England! Fui sorteada por números. Vou de avião e, primeiro, aterro em Londres.

      A Solidariedade é ajudar os outros nos momentos precisos. Uma experiência vivida de solidariedade é Festa da Comunidade Educativa dos Colégios Amor de Deus, em que se ajudam as pessoas de outros países e pessoas que precisam, através do dinheiro recebido: nas atividades, no Sarau, quando se entra, tem de se pagar para ir ver; no sábado, numa sala da Pré, também fazem um bar que vende comidas, bebidas e rifas.

     Imagino o futuro do mundo muito mais avançado do que agora, vão-se inventando e teremos mais tecnologias, poderemos melhorar o ensino, diminuir a poluição.

     Podemos contribuir para um mundo melhor no sentido dos valores: as pessoas pensem melhor antes de agir; serem melhores enquanto pessoas; se, por exemplo, alguém está a falar e outro diz uma coisa má e começam a gritar… Em vez disso, podem falar normalmente. Com isto, acho que as pessoas podem ser também mais solidárias umas com as outras.

Carminho S, 6A

Festa da Comunidade em União com Cabo Verde

três ilhas de cabo verde e 3 fotos dos alunos

     Imagem: PowerPoint de Amor de Dios.net

      Mais um ano que a nossa Comunidade Educativa percorre, como que subindo mais um pequeno passo na escadaria do Tempo.

     Em 2018, o CAD celebra a sua comunhão de vida, em união com todos as Comunidades Amor de Deus,  em especial solidariedade com três Escolas de Cabo Verde.

 Assim, os frutos recolhidos ao longo dos dois dias Festivos serão reunidos ao de todas as outras Escolas Amor de Deus, na Campanha comum “Aqui precisam de Nós“.

     Nas belíssimas ilhas de S. Vicente, S. Nicolau e Santiago, três Escolas esperam poder melhorar as suas instalações e os seus recursos, para um serviço mais qualificado às crianças e adolescentes que as frequentam.

     Como diz a Carolina C, fazemos a Festa para estarmos todos juntos, a divertirmo-nos em conjunto e, ao mesmo tempo, celebramos a união vivida em cada ano letivo.

     “Na Primavera”, diz a Carolina C, “os animais andam felizes, porque os predadores não atacam as presas e vivem em harmonia. Aparecem as flores e as crias: vida nova”. Para nós, humanos, aparecem as Festas. 

    A Carolina A acrescentou que “podemos ser solidários partilhando bens como a comida ou melhorar instalações das casas, mas também através da nossa presença e da comunicação”. 

    Ser Solidário é, para as pessoas, uma Primavera da alma: “Enquanto dançamos, cantamos, montamos barraquinhas e convivemos, estamos a cultivar a amizade e a recolher fundos para as 3 Escolas de Cabo Verde”.

Carolina A, Carolina C e

OE

 

Ensaios para “Ser +”

                       cartaz do sarau contra fundo preto, estrelado, mostra  as datas e anuncia o espetáculo

Imagem: Cartaz do Sarau do Colégio Amor de Deus

       Hoje é segunda feira e já é loucura total, porque sexta-feira é o Sarau da Escola e andamos a ensaiar a manhã toda.

      Foi mais difícil para mim, pois faltei dois dias, quinta e sexta, que foram os dias em que inventaram a coreografia e hoje, já toda a gente sabia a dança. A Kika viu-me um pouco atrapalhada e ajudou-me; agora já sei a coreografia toda.

     A coreografia é feita para a 1ª música do Musical “Annie”; então, dançamos com as vassouras. O tema do nosso ano letivo é “Ser +”; os sétimos anos tratam da poluição.

     Chega uma turma e polui o palco; outra turma representa a natureza, vestidos de vento, água, fogo e terra.

     A Natureza mostra-se afetada pela Poluição, enquanto os poluidores mostram desprezo pela Natureza.

     Quando essas turmas saem, entra a minha turma  com as vassoutas a limpar a poluição que está represntada pro garrafas de plástico e papéis. Adoro ensaiar, porque sinto que estou num musical e adoro essa sensação.

Carolina CV, 7C

Ecos do Sarau: Caetana B

     

Imagem: Dança das Artes  Colégio Amor de Deus

     Eu gostei mais da Dança das Artes com a minha Tia. Não é por ser minha Tia, mas foi a parte mais viva e com espanto. Havia jovens a cantar, depois os que cantavam tinham um fato preto com fitas de papel higiénico cobertos com uma tinta especial que, com as cores, se tornavam néon. Em cada música, um ou dois cantavam, raparigas e rapazes, alternadamente, enquanto os outros dançavam. Esta dança dava imenso gosto ver.

     Participei como “menina Rosa”; o tema era o facto de que somos todos diferentes; então, havia vários subtemas: as Rosas, os Nerds, os Cientistas, os Góticos etc. Quem gostava de Rock ia dançar mesmo que pertencesse  a grupos diferentes: assim, na diferença, podíamos estar unidos. Aí é que fui dançar Hip Hop.

     Gosto imenso de Hip Hop. A Mafalda Aguiar é que fez a dança, que se chamava “Light it up” e nós ensaiámos 2ª e 3ª antes das férias e depois esta 4ª 5ª e 6ª. Foi a dança do 7º.

    Os objetivos desta Festa foram celebrar a nossa Comunidade Educativa e conseguir dinheiro para a Escola Secundária no Bairro do Namuinho, perto de Quelimane.

Caetana B, 7C

Ecos da Festa do CAD: “Deixa-te Surpreender”

Imagem: CAD

“O que mais apreciou no Sarau ou na Festa da Comunidade Educativa?”

     Com esta pergunta acolhemos quem se dirigia à responsável da Oficina de Escrita, que teve o privilégio de dar apoio na bancada da AJU.

     Ana Catalão, Coordenadora do 3º Ciclo – O que mais me tocou foi a alegria e a cumplicidade entre os alunos.

Prof Ana, Coordenadora do 3ºCiclo

     Um Aluno – A Dança das Artes, cheia de cores fluorescentes.

     Carolina – A Ginástica Rítmica, na Banda.

     Gonçalo, aluno do Secundário – A música “O Avião sem Asas”, porque fui eu que toquei.

Projeto de 5º e 7º: A Horta Biológica

      Maria M, 6B – O que eu mais gostei foi de estar com pessoas que estavam distantes de mim. Fiz descobertas. E toquei flauta: “O Amor é assim” e “We are here right now”.

Prof Paulo – HGP e Espetáculos Magníficos

     João R, 8B – Gostei muito do nono ano: fizeram uma dança sobre um combate entre o bem e o mal. Estavam todos atados e com a vista toda tapada.

Os Maravilhosos Músicos do Secundário

     Júlia Marçal, antiga aluna, autora de A Comida como Almofada Emocional – Gostei muito da Cozinha Molecular, onde fazem morangos com caviar de chocolate, gomas de gelatina… são opções lights para snacks.

A Jovem Autora de “A Comida como Almofada Emocional”

     Sofia Ferreira da Costa, antiga aluna, autora de “O Menino que não Conseguia Sonhar – Gostei mais de ver o meu sobrinho Miguel! Foi a primeira atuação em que ele estava no Xilofone. Em segundo lugar, gostei da dança das Artes do Secundário, com fitas fluorescentes. E pela primeira vez, percebeu-se bem o encadeamento das várias partes do Sarau, que compuseram, de forma original, a história de Jesus. A minha sobrinha Maria fartou-se de dançar: começava tristinha, com um leve sorriso e as outras vinham dançando à volta dela e acabavam todas contentes no fim.

Projeto do 5º Ano: “Embarca no Não É”

     Filipe Ferreira da Costa, antigo aluno, pais de três alunos – Apreciei muito a exposição das Parábolas, a forma como foram recriadas as personagens. Na festa do 1º Ciclo, achei que as crianças estavam muito contentes, que aquilo lhes estava a saber bem, que cantavam com gosto.

    Uma antiga aluna, Mãe da Maria Inês do 5ºC, recordando os seus tempos de estudante, destacou a inesquecível ternura partilhada entre alunos e professores.

” Profes.” Teresinha e Susana, embarcadas no “Não É”

     As nossas antigas coordenadoras, Helena Pinheiro e Isabel Santos vieram ver os seus netos atuar e apreciar toda a Festa, respirando, por momentos, de novo, “o ar da pátria”, pois na alma do nosso Colégio ficou impressa  a doação de toda a sua vida profissional.

    Entretanto, no cantinho da AJU, irmã leiga do CAD, onde o mesmo carisma do Amor inspira “a renovar o mundo passo a passo”, também nós “nos deixámos surpreender” pela alegria viva que iluminava a Festa.

Uma Mini-Equipa AJU participante na Festa 

AJU – Facebook

OE

Festa do CAD Solidária com a Escola de Quelimane

Imagem: Irmãs do Amor de Deus

    Desde 1980 que a Campanha “Aqui precisam de Nós” tem vindo a estreitar os laços entre as diversas Comunidades Amor de Deus espalhadas pelo mundo, no aprofundamento da Solidariedade com todas as crianças, adolescentes e jovens que frequentam as Escolas mais carenciadas.

     Este ano, a Festa da Comunidade Educativa do Colégio Amor de Deus em Cascais, que estreou ontem com o seu belíssimo Sarau e se prolonga por todo o dia de hoje – 22 de Abril – está a orientar todas as suas atividades lucrativas para dar o apoio pedido pela Escola Secundária Amor de Deus, a 10 km de Quelimane, no bairro do Namuinho.

Imagem: Ataca Blog

     A Escola, que conta com mais de 600 alunos do Secundário, carece de um ginásio que possa servir também como salão multi-uso, em vista das diferentes atividades que não se podem realizar ao ar livre durante os frequentes períodos de chuva, tal como as aulas de Educação Física, a prática de Desportos e, ainda, as reuniões alargadas com os Alunos ou os Encarregados de Educação. 

    É de notar, que esta Obra das Irmãs recebeu o devido reconhecimento e gratidão do Ministério da Educação de Moçambique, pelo apoio que representa ao esforço do Ministério em solucionar o problema de sobrelotação das turmas do Ensino Secundário nas Escolas Oficiais, que chegam a incluir 60 alunos. 

    Assim, na Alegria partilhada em mais uma Festa da Comunidade Educativa, saudamos os nossos irmãos e amigos de Quelimane, na Escola Secundária Amor de Deus!

OE

Link para o Video

                   

Aventuras de Vídeo

ines_piano-2

Imagem: Gentileza de  Inês Nokas You Tube

Comente a sua vivência no “Mergulha aqui  é Fish!

     Eu adorei, pois sou muito dedicada à arte. É uma das  atividades que mais gosto de fazer. Participei neste projeto fazendo uma entrevista com a Prof Paula Xavier. O meu Grupo criou onze peixes diferentes. O meu peixe era muito colorido, tal como os outros. Ganhámos um prémio a nível Nacional, Kit do Mar.

Qual a última vez em que fez algo de novo?

     Fiz muitos vídeos no meu canal de You tube desde a última entrevista.  Os últimos vídeos que fiz foram de tecnologia. Adoro comunicar com o meu público através do canal.

Gostaria de experimentar estudar com o seu público uma disciplina preferida?

     Adorava, sentia-me uma professora! Poderia, por exemplo, pegar em Ciências, de que eu gosto muito. 1º lia um parágrafo devagar, depois, mostrando a imagem, repetia por palavras próprias.

Qual é o seu objetivo para este último período?

    Ter boas notas, e haver mais pessoas a gostar do meu canal. Para enriquecer o meu canal, estou a pensar em fazer um vídeo de estudo, como a Khan Academy, só que de alunos para alunos e estou a pensar mostrar o meu desenho da pirata e ensinar a fazê-la.

Escolha três canais favoritos e explique em que é que os aprecia

Tazercraft, Authentic Games e Rezendeevil. Estes canais têm muita simpatia, fazem muito bem vídeos e comunicam com o público de uma forma cativante.  

Inês M, 6C

“Mergulha, aqui é Fish”

    O “Mergulha, aqui é Fish” foi um projeto fantástico que reuniu uma equipa maravilhosa para o concretizar, por exemplo, eu. Muitas pessoas disseram que estava lindo, o projeto e eu concordo, pois não só cada um deu o seu melhor e todos ficaram enriquecidos com isso, como, ainda por cima, se abriram pistas de descoberta para todos!

    Como diz o Fernando Pessoa, “Deus ao Mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o Céu”. Para mim, esta frase tem muito sentido, porque é também uma definição da nossa própria alma Portuguesa, na sua paixão por navegar sobre o dorso vivo e ondeante do Oceano.

     Assim o Tomás, no seu fato de navegante, era o cicerone das visitas extasiadas que se iniciavam na descida aos labirintos da escuridão; mas não era uma escuridão qualquer, era especial, tinha-se de tentar que as pessoas não saíssem do caminho que lá estava preparado:  assim era o meu trabalho. Foi um dos melhores projetos que já fiz! 

    Mergulha, sim, aprofunda-te nesse sentidofruto de uma iniciativa muito boa: um mundo desconhecido, os mistérios do mar na palma da nossa mão. Mergulha, sim, adentra-te, nesse abismo de azul onde parece que estamos no fundo do mar e é uma sensação deliciosa. Mergulha, sim, orienta-te, na escuridão toda constelada de jóias: tubarões, anémonas, lulas, cavlos-marinhos, algas, peixes de mil feitios irisados de magia em sua própria luz. O ambiente era bom, com uma música de fundo em que nos parecia entrar no mar salgado e ver o fascínio de peixes a brilhar.

    Sim, era lindo: os visitantes em fluxo ininterrupto, qual cardume humano deslumbrado e mudo, seguiam por entre as jóias fosforescentes escutando um poema singelo contra o fundo da ressaca bravia. Silêncio e paz, vibração e tumulto, numa harmonia que retratou fielmente o coração do Oceano. 

    

aqui_fixe_2

Imagem: Oficina Cadescrita

    (Texto a Duas Mãos)

Tomás G e OE