Enigmas do Mundo Inverso

     https://www.senscritique.com/film/Patema_et_le_monde_inverse/8804232

     Imagem: Patéma – Le Monde Inversé

     No mundo inverso

  • Será que nós existimos?
  • Se existíssemos, será que nós nunca morreríamos?
  • Se existíssemos, por exemplo, será que o Steve Jobs não morreria e não seria milionário?
  • Será que a Tecnologia não existiria?
  • Será que aí existe uma máquina do Tempo?
  • E com essa máquina, se pudéssemos voltar atrás no Tempo, obviamente continuando a mudar o nosso passado e futuro, seria fixe!
  • A Paz, no Mundo Inverso, em vez de ser liberdade, seria ajuda…

      Agora, o problema é:

  • Será que o Mundo Inverso existe?

Rafael Cy, 6C    

Paz na Natureza

https://unsplash.com/photos/b9drVB7xIOI

Imagem: Photo by Aaron Burden on Unsplash

        A Paz é um momento de tranquilidade para refletires na vida e estudares o que fizeste de mal e de bem.

     É como estar numa floresta ao luar, com boa companhia e silêncio e a sentir tudo á tua volta.

      Sentir aquele ambiente, aquele cheiro, aquele zumbir das abelhas… paisagem magnífica.

      Nos Alpes, um lago miosótis, as ovelhas na encosta e a densa floresta , logo abaixo dos glaciares que cintilam: exultação da Paz.

     Algo bonito, refrescante e silencioso como a maresia, o cheiro e o movimento. 

     Navegamos num pequeno barco que é a própria vida e não sabemos bem para onde a corrente nos leva, mas a Paz é a vastidão do Oceano a toda a volta, que nos rodeia e ampara. 

    Mergulhar no mar e ser tão refrescante: como tu e o mar serem um só: isso é a Paz.

   Quanta Paz dentro de ti, tudo à tua volta é pacífico e bonito.

       Uma águia a cortar o vento com as suas asas amplas e belas a voar por cima de uma magífica montanha congelada.

     Estar em casa, mas “no fora” que fica dentro dela: a varanda envidraçada para onde se debruça um plátano, com tanto entusiasmo que parece querer entrar.

     Eu, rodeado de animais, sentado numa casota, a preparar uma casinha para outro ser.

     Os olhos dos animais falam: eles dizem uma paz diferente das nossas tarefas agitadas; confiam na harmonia de que é capaz a Natureza quando a tratamos bem.

     A Natureza fala com silêncio e com a brisa da floresta passando pelas gotas de orvalho nas folhas verdejantes. 

(Texto a Três Mãos, segundo o livro “Quero Ser Escritor“,  de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra) 

Alexandre T, André R e OE

Um Ano Transformador

Shine

Ann Lo via Compfight

      Este ano, algo mudou:

  • Já consigo ajudar mais a minha Mãe:
  • Indo às compras,
  • Indo buscar o pão do meu irmão;

 

  • Consigo conviver com mais inspiração e acho que estudo mais:
  1. Concentro-me;
  2. Já faço intervalos; a cada vinte minutos, faço uma pausa de 5m;   
  3. Escrevo no meu caderno que imita um Lego.
  • Também sinto que descobri mais o saber dar:
  1. Não só quando alguém na Escola não traz lanche;
  2. Mas também ajudar pessoas que precisam, oferecendo bens.

 

  • Fui à Ajuda, com a minha irmã, fazer uma experiência de beleza: construi o pé da minha irmã com dois quilos de gesso!

Rafael Cy, 6C

Um Presente Absolutamente Inesperado – III

http://actalliance.org/act-news/act-alliance-joins-unicef-refugees-welcome-programme/

    Imagem: actalliance

     Todos os colegas se solidarizaram com a sua tristeza e os intervalos seguintes foram passados, em harmonia, a partilhar as tradições de Natal dos dois países. Tamir pôde finalmente compreender o significado do Natal e a importância profunda do nascimento de Jesus Cristo, que o Duarte e o resto do grupo celebravam, enquanto católicos. 

      Nos dias seguintes, mesmo fora da escola, os dois novos amigos passaram imenso tempo juntos. O Duarte teve oportunidade de conhecer a simpática família de Tamir e até de participar nas suas tradições como, por exemplo, a de brincar ao dreidel, um jogo com um peão de quatro lados com letras hebraicas gravadas, onde o divertimento passava por adivinhar qual era a letra que ficava para cima quando ele parava de rodar. Também Tamir se encantou com o que aprendeu acerca das tradições ligadas ao Natal dos católicos: a coroa de ramos com quatro velas que se vão acendendo sucessivamente nos quatro domingos do Advento, a  Missa do Galo, etc. E claro que ambos se deliciaram com a comparação entre a culinária tradicional da Consoada – o bacalhau cozido com batatas e couves, o bolo-rei, as rabanadas, as filhós – e a típica do Hanukkah – latkes (panquecas de batata) e sufganiyot (roscas com geleia), fritas em óleo.

     Através da mãe do Duarte, até os pais de Tamir acabaram por se envolver (servindo de tradutores e mediadores junto da sua comunidade) no seu projeto de voluntariado, que promovia a integração de imigrantes e refugiados por via do ensino do Português num ambiente acolhedor e facilitador da interação entre eles e os cidadãos locais, o que permitiu aproximar as pessoas, fortalecer as suas redes de solidariedade e projetar a cidadania de cada um no outro, num tempo que, como mais nenhum, é de vivência comunitária e familiar.

     Entretanto, chegara o dia da troca de presentes do amigo secreto e foi já na aula que o Duarte se apercebeu de que, com a catadupa de acontecimentos dos últimos dias, se tinha esquecido completamente do presente. O seu pânico aumentava à medida que a Professora ia tirando à sorte e anunciando os nomes dos alunos que ofereciam e dos respetivos recetores e nem deu atenção à bonita caneta com que foi presenteado pelo Rui, até que ouviu:

            – E para concluir, Duarte, entregue, por favor, o seu presente ao Tamir.

            Quando, muito envergonhado, Duarte se levantou para assumir a sua falha, Tamir interrompeu-o antes que conseguisse falar e, depois de pedir a palavra à Professora, proferiu:

            – Duarte, muito obrigado pelo teu maravilhoso presente, que por ser tão grande e especial não poderia ser trazido para aqui. Eu e a minha família ser-te-emos eternamente gratos pela nova vida que nos proporcionaste. Ofereceste-nos um presente inigualável!

     Nesse momento, os outros colegas levantaram-se e, emocionados, exclamaram em uníssono, enquanto aplaudiam:

            – Duarte, conseguiste dar o melhor presente de sempre! Muitos Parabéns!

      Naquele dia, o Duarte compreendeu que o mais importante não era dar um presente, mas sim ser presente! 

Leonor V, 6B       

Um Presente Absolutamente Inesperado – II

     National Menorah 02 - 2014Creative Commons License Tim Evanson via Compfight

     – Parem com isso e acalmem-se! Vocês são insuportáveis…! – desabafou o Carlos, imediatamente antes do toque de entrada para a última aula, que acabou com a discussão.

            O Duarte passou o tempo da viagem de regresso a casa, a magicar nas possibilidades de presentes que podiam servir para atingir o seu objetivo. Por um lado, tinha de ser algo completamente diferente; por outro, deveria ser um presente unissexo, pois não sabia se lhe calharia uma rapariga ou um rapaz… E era sempre tão difícil agradar às meninas! Absorto nos seus pensamentos, só se apercebeu de que haviam chegado a casa quando a mãe lhe perguntou se não tencionava sair do carro. Depois de partilhar com a mãe as suas preocupações, combinou acompanhá-la nas compras de Natal que planeara fazer mais tarde.

            Assim, nessa tarde, enquanto a mãe escolhia, no supermercado, iguarias para a ceia de Natal da instituição onde fazia voluntariado, o Duarte pediu-lhe para ir dar uma volta pelos vários departamentos do estabelecimento comercial, para tentar inspirar-se. Passou por várias secções, mas nada lhe parecia ser suficientemente especial. Ao passar pelo departamento de utilidades, viu Tamir, que escolhia velas com a sua mãe. Depois de o cumprimentar, o Duarte questionou-o, querendo saber se também procurava o presente para a troca do amigo secreto.

     Tamir, bastante surpreso por o colega lhe dirigir a palavra, pois habitualmente ninguém se aproximava dele na escola, respondeu negativamente, esclarecendo que estava a comprar velas para o Hanukkah, a “Festa das Luzes” do judaísmo…

     – Hanukkah!? Julgava que a religião de todos os sírios era o islamismo! – admirou-se o Duarte.

      – Não. Embora sejamos uma pequena minoria também na Síria, onde as comunidades judaicas se encontram em extinção, a minha religião é o judaísmo – retorquiu o Tamir, sorrindo. E continuou: – Costumamos acender uma vela por noite num candelabro especial, o Chanukkah, durante os oito dias de celebração do Hanukkah…

     Duarte estava a achar a conversa muito interessante, mas ao longe a mãe chamou-o, pelo que se despediu à pressa do colega, declarando que, no dia seguinte, queria saber mais acerca das tradições judaicas.

     No dia seguinte, no primeiro intervalo da manhã, o Duarte chamou Tamir para junto do seu grupo e questionou se ele já havia acendido a primeira vela. O sírio aproximou-se cautelosamente, ao mesmo tempo que todos os colegas do grupo do Duarte apresentavam uma expressão atónita perante a constatação daquela nova relação de amizade, e respondeu hesitante:

     – Sim… Acendi-a ontem à noite…

      Antes dos outros conseguirem articular qualquer tipo de objeção ao convite que efetuara, o Duarte começou a relatar o encontro do dia anterior, aproveitando para pedir a Tamir que lhes contasse mais sobre aquela celebração que, apesar de acontecer mais ou menos na mesma época da festa cristã do Natal (sabia que o Hanukkah ocorria no fim de novembro ou durante o mês de dezembro) tem motivações bastante diferentes.

     Então, Tamir explicou que, no Hanukkah, os judeus comemoram a libertação do Templo de Jerusalém do domínio dos Gregos no século II a.C. e o milagre do azeite que havia numa botija e que supostamente apenas duraria um dia, mas queimou no candelabro do Templo durante oito dias. Por essa razão, o Chanukkah tem nove braços, sendo o do meio, mais proeminente, denominado Shamash (servente), pois a vela que é posta no mesmo é utilizada para acender as velas que são colocadas nos outros oito braços. Também ficaram a saber que muitos sírios montam a árvore de Natal em casa, mas que apenas os cristãos constroem o Presépio. Tamir, encorajado pela atenção e interesse dos colegas de turma, elucidou que o Natal na Síria costumava ser um período de muitos concertos nas igrejas e nos teatros e de decorações nas ruas. Mas, de repente, o seu rosto ensombrou-se e acrescentou tristemente:

     – No entanto, nos últimos anos, deixaram de existir enfeites nas ruas e nas casas, porque muitas famílias perderam os seus entes queridos e o País está quase destruído…

(Continua)

Leonor T, 6B

Um Presente Absolutamente Inesperado – I

Queen Bee of Beverly Hills Designer Handbags HolidayCreative Commons License Queen Bee via Compfight

     Aproximava-se o final do primeiro período e em toda a escola reinava um clima de grande azáfama devido aos preparativos para as comemorações de Natal, mas em nenhuma turma o alvoroço se comparava ao da do Duarte. Por esta altura, habitualmente, realizavam a troca de presentes do amigo secreto, mas na turma do Duarte esta atividade tão singela assumia proporções quase descontroladas, pois havia sempre uma grande competição, existindo até uma espécie de concurso paralelo: quem levasse o presente mais original e apreciado pelo destinatário tornava-se “rei ou rainha da popularidade” até ao ano seguinte.

  Para refrear um pouco os ânimos, a Diretora de Turma até havia definido, como nova regra, que este ano apenas saberiam a quem ofereceriam cada presente no dia da entrega, pelo que não haveria possibilidade de utilizar os estratagemas habituais para conhecer previamente os desejos dos respetivos destinatários e, dessa forma, tentar garantir uma escolha perfeita, capaz de alcançar o tão ambicionado título; ainda assim, a turma estava excitadíssima e o tema do presente passou a dominar as conversas em todos os intervalos.

       Mas nem todos os alunos da turma partilhavam desta agitação: Tamir, um refugiado sírio que havia integrado a turma há pouco tempo, não compreendia todo aquele aparato, quer porque nunca participara numa atividade deste tipo, quer por ser uma pessoa pouco expansiva com quem a turma praticamente não interagia.

      Por seu lado, o Duarte estava muitíssimo entusiasmado, uma vez que se convencera de que, se no último ano os pais do Rafael – um colega com quem mantinha uma rivalidade saudável – não lhe tivessem trazido de Paris um presente absolutamente exclusivo para ele oferecer à Catarina, o título de melhor prenda não lhe teria escapado. Mas, este ano, estava convicto de que, com a nova norma, iria encontrar um presente que surpreenderia e encantaria quem quer que o recebesse. Porém, não era só ele que queria ganhar e, no intervalo, enquanto uns se proclamavam vencedores antecipados, outros queixavam-se dos presentes que tinham recebido no ano anterior.

   – No ano passado, recebi um boneco insignificante saído de uma máquina de brindes! A minha amiga secreta, a Elisa, apesar de conhecer os meus gostos requintados, não se esforçou minimamente! – reclamou a Vitória, a rapariga mais pretensiosa da turma, acrescentando: – Deixo já claro que, este ano, só aceitarei um presente se for de uma marca ao nível do meu excecional bom gosto e classe!

     – E como é que a pessoa vai saber que quem lhe vai calhar és tu, presunçosa?! – indagou o Eduardo, em tom de censura.

(Continua)

Leonor V, 6B

Ser um YouTuber Famoso

Unconventionalpaintings.com Carl Dunn via Compfight

     Gostaria de ser um YouTuber famoso que tivesse milhões de seguidores. Por enquanto tenho estado a treinar para fazer vídeos de alta qualidade. Esta semana fiz um sobre o Natal: mostrei os enfeites e a árvore de Natal.

     Vou participar no campeonato Interturmas de Futebol. Fico no banco até meio do jogo e depois entro como Central Esquerdo. Também jogo Ténis e gostaria de ser um famoso profissional.

     Para sermos muito bons naquilo que gostamos, é preciso treinar e gostar muito do que fazemos.

     Se eu fosse famoso, queria continuar o meu canal de Youtube. E se a minha amiga não gostasse, eu continuava o meu canal na mesma. Gostaria de apresentar-me no meu canal, aparecendo livremente; sabendo que já me conheciam verdadeiramente.

     Apresentaria jogos, vídeos e teorias sobre a área 51, sobre Aliens e também sobre realidades diferentes e bizarras, mas não posso abusar, porque, por enquanto, tenho medo do escuro.

      Gostava de tentar não rir com água na boca, mas isso poderia molhar o teclado. Enfim, gostaria de ter um uso interativo do YouTube e de ter convidados.

Lourenço J, 5A

Pi, o Artista – I

   http://humorgrafe.blogspot.pt/2013/11/apresentacao-do-novo-livro-de-david.htmlImagem: David, o Ilustrador de Lisboa

     Olá, chamo-me Pierrot, mas os meus amigos chamam-me Pi e hoje irei contar a minha história.

     Quando eu nasci, era um menino muito abastado, mas os meus pais, sempre rígidos e frios  nunca estavam comigo. Isso ainda piorou quando a minha irmã nasceu. Aqueles olhares distantes e nunca se importarem comigo…

     Então, com apenas os meus doze anos de idade, eu decidi fugir, só com uma mochila cheia de lápis e folhas. Ai, ai, onde tinha eu a cabeça nessa altura?

      A minha sorte foi ter sido acolhido por um grupo de artista de rua. Eles passaram a ser a minha única e verdadeira família.

      Todos lá faziam alguma coisa e, mesmo não sendo obrigado, eu peguei num lápis e comecei a desenhar as pessoas que iam passando. E nesse exato momento, descobri o meu grande dom do desenho.

Maria S, 7C

Ser Freelancer É…

  Time for my Evening walk !!Creative Commons License Stephen Bowler via Compfight    

     Porque escolhi ser Freelancer? Porque é ser livre! A indústria Disney poderia engolir-me e obrigar-me a fazer desenhos de criancinhas! Ora eu faço desenhos para maiores de doze anos, porque é mais interessante! 

     Svetlana é uma teenager que pode contatar com os seus próprios desenhos e torná-los vivos e reais! 

     Koda é o cão de Svetlana; ele está a dizer coisas que os humanos não percebem. A Svetlana fala com o seu cão. Ele fala de comida e de encontros com cães. Koda é um cão real que fala com a dona, dá-lhe ideias.

     Um dia, ele encontrou uma passagem para uma gruta secreta, mas o irmão dela, Ruslan, não deixou o cão correr. Ser Freelancer é criar personagens livres de palermices, e não ficar fechada no escritório sem o nosso cão favorito, mas a fazer explorações em grutas secretas!

Svetlana T, 6B

Férias de Paz

    chuck and his crazy hair Keith Survell via Compfight

      As minhas férias de Natal foram boas. Recebi um coelho miniloop chamado Tobias, ele é muito brincalhão e gosta muito de saltar!

     O Tobias, quando o vi pela primeira vez, saltou para o meu colo! Ele tem um mês: é um bebé!

     O meu Natal foi giro: fui ao cinema com as minhas amigas vi o filme Coco e o Picture Plenert 3.

      Estive em casa a dormir às vezes até às doze horas.

     No dia 26 fui à Wonderland  de Lisboa: andei de patins e na roda gigante. No dia 25 foi Natal: recebi o meu coelho e roupa giríssima.

     Durante o Ano Novo, nas doze badaladas comi passas. Ouvi o fogo de artifício na minha casa: fiz uma resolução de Ano Novo.

      Este período, devo melhorar a Inglês, a interpretação de texto; a Geografia já consegui uma estratégia para não confundir a Escala Gráfica com a Escala Numérica.Mas quero levantar a nota.

      Este mês celebramos a Paz: gostava muito de fazer uma viagem à Indonésia. Realizarmos estes pensamentos contribui muito para a nossa felicidade. E sermos felizes contribui para a Paz no mundo.

Mariana C 7A

 

 

Momentos de Natal

New Years Eve Fireworks 2017 Kyle Nishioka via Compfight

      Estas férias, a ida à Vila Natal foi ótima! Gostei muito da pista de gelo e de tirar uma foto com o Pai Natal, de andar dentro de uma bola brilhante sobre a neve.

     O Natal foi admirável! Adorei os presentes, mas ainda gostei mais de estar em Família! O meu novo “telelé” é um Vodaphone, cheio de cores espantosas, com uma capa giríssima, de um azul fascinante. Recebi o cartão sim e comecei logo a utilizá-lo.

      No Ano Novo, adorei o concerto dos “Dama“; o hotel em que fiquei chamava-se “Vila Galé“, em Lagos.

     O fogo de artifício foi fantástico: havia uma bala no céu a explodir e a dividir-se, começando numa cor; as mini-balas dessa divisão explodiam de novo.

     Outras pareciam umas balas de canhão que subiam, e quanto mais subiam, mais apagavam a parte de trás até à ponta: eram brancas, verdes e vermelhas! Nunca tinha visto um fogo de artifício tão magnífico, foi uma novidade que nunca vou esquecer.

     Estas férias senti-me muito alegre.

Miguel M, 6A

 

Carta a um Amigo do Passado

 

https://www.youtube.com/watch?v=CLxujqvdsEs

Imagem: You Tube

Cascais, 01/10/2018

   Querido Pedro Alecrim,

    Li o teu livro que conta a tua vida.

     Sei que, no campo, a vida pode ser dura. Mas há aspetos positivos: ser livre, ter os animais da quinta, apreciar os rios, os campos com espigas douradas, e molhar-se à chuva fria como gelo no Antártico, sem usar o guarda-chuva. 

      Também nas cidades há aspetos positivos: animais domésticos, gatos ou cães, piscinas, 

mas com instrutores, há parques de diversões, como a Diverlândia, na Fil, onde fui estas férias, no meu aniversário.

     O teu livro é magnífico pela apresentação de como os Portugueses viveram no passado.Finalmente percebi que, viver em Portugal nos “Oitentas” era um pesadelo.

     Desejo-te Felicidades!

      Beijinhos, 

Svetlana

Svetlana T, 6B

 

 

Eu Amo Música

http://coldplay.com/

Imagem: Imagine Dragons

     Eu gostaria de mostrar a minha personalidade a mais pessoas, por isso decidi fazer este texto.

     Eu gostaria de aperfeiçoar a música que está dentro de mim, fazendo karaoké e treinando coreografias de várias bandas diferentes, para, no meu futuro, poder realizar o meu sonho!  Que ficará em segredo!

      Uma coisa que gostaria de vos dizer é que lutem pelos vossos sonhos, não desistam nem deixem ninguém vos deitar abaixo! O que me inspira são várias bandas, como BTS, Imagine Dragons, Coldplay. Eu, resumida em três palavras, sou: “Eu-Amo-Música”.

     A Música tem um recheio muito importante: 

  • Melodia
  • Sabedoria
  • Poesia
  • Ritmo
  • E é o meu Cartão de Cidadão

     A Melodia é o conjunto de sons que, ao se encontrarem, formam uma grande e esplêndida Família.  A Poesia mostra-se através da letra da música, enquanto o ritmo caracteriza os nossos movimentos que se desenvolvem consoante a melodia, retirando todo o mal, libertando-o.

Aluna Convidada

 

Com as Pessoas de Quem mais Gosto…

http://ilovecascais.blogspot.pt/2013/11/sugestoes-da-cidadela-cascais-para-o.html

  Imagem: I love Cascais   

     Este Natal, abri um presente maravilhoso: uma coluna para ouvir música na Escola; ligo-a ao telemóvel e ouço imensas canções e músicas, a que nem sei dar o nome, pois gosto de tudo. Até ouço ópera com o meu avô! Conheço um cantor francês, Philipe Jaroussky…Enquanto fazíamos a árvore de Natal com o meu avô, eu e o meu irmão ouvíamos ópera.

     A minha prima Inês passou quase uma semana comigo: ficávamos a preguiçar de manhã, fomos a Sintra comprar queijadas originais, conversávamos sem fim e eu até disse à minha Mãe que não é nada igual estar com a Inês ou sem a Inês…

     Fui visitar a Vila Natal com a minha Madrinha e a Constança, de 4 anos – adoro bebés! Adorei patinar no gelo – como sei andar de patins não era difícil – visitei a casa do Pai Natal, passei um túnel de luzes, vi os camelos dos Reis Magos e um recinto com burrinhos, um duende e vários coelhinhos. Andei na bola gigante dentro de uma piscina de esferovite.

     Que férias inesquecíveis com as pessoas de quem mais gosto!

Margarida R, 5C

 

Mini-Aldeias E Campos pelo Mundo Inteiro

OSIRIS-REx Views the Earth During FlybyCreative Commons License NASA Goddard Space Flight Center via Compfight

          Um dia, ouvi a minha mãe a dizer que eu ia para o CISV. Fiquei tão contente que até dei um pulo!

     Chegou o dia de fazer a primeira mini aldeia: fizemos tantas coisas giras que não me apeteceu voltar para casa. Arranjei tantos amigos e os J.C. eram amigos de toda a gente e também super-divertidos! Gostei da Escola que era na praia Grande.

     Agora estou ansiosa pela próxima. Para se conseguir entrar no campo, tem de se fazer um Sorteio.

     Eu adorava ir para o Japão, mas este ano tive azar, porque não há campos no Japão; então, tomei outra decisão: Adorava ir para a Índia, para conhecer sítios e pessoas diferentes.

     O meu Pai diz-me sempre que eu quero ir para o sítio mais longe de Portugal e eu digo sempre que, se calhar, não vou ter uma oportunidade tão grande como esta, por isso agora é para aproveitar!

     Qualquer dia, eu vou vou fazer uma viagem, mas se calhar não é para muito longe. 

     Então agora, que posso ir para a Índia durante um mês, vou ficar com saudades, mas vai valer a pena!

Carminho S, 6A

 

Férias Magníficas

7. It'a beginning to look a lot like ChristmasCreative Commons License Mark Gunn via Compfight 

     Passei as minhas ferias quase todas sentada no sofá ,com uma mantinha a ver televisão , mas algumas vezes fui passear .

     Nesses dias fui visitar a casa dos meus avós ,um museu de dinossauros e fui ao oceanário ,fui também ao shopping ver um filme mexicano chamado”Coco”. Como o filme é Mexicano, em vez de pipocas comi tacos, e achei uma delícia!

     Para passar algum tempo com a minha Família, fui ver as luzes de Natal e também fomos à Wonderland em Lisboa. Passei o Natal na casa do meu Tio e com a minha Família e comemos bastante.

     Passei o Ano Novo no Jardim do Casino a ver os fogos de artifício e foi muito engraçado, porque nós esquecemo-nos do champanhe e das passas: então pedimos emprestado a uma pessoa que estava ao nosso lado e divertimo-nos muito!

Carolina CV

Os Bastidores do Estudo

   le jardin de Jules et MarieCreative Commons License marthe lelievre via Compfight  

     Hoje temos connosco, na Oficina, o famoso trio de jovens alunas de 5º ano, Mariana, Matilde  e Joana, numa partilha ainda incipiente da sua gestão de estudo e estratégias preferidas.

     Em relação a um horário elaborado para os fins de tarde e os fins de semana, todas elas já se organizaram com os seus pais e explicadoras.

       Em relação à sequência de escolha dos tpc diários, a Mariana e a Joana vão fazendo os tpc aleatoriamente, sem atender ao seu grau de dificuldade, enquanto a Matilde começa deliberadamente pelos mais difíceis.

      Por vezes só os faz na véspera da própria aula, isto é, alguns dias depois da aula em que foram marcados.

       As três jovens ainda não sentem necessidade e, provavelmente, não têm tempo para retomar as lições do dia, estudando apenas para testes agendados.

       Combinamos fazer um calendário de Testes com suas etapas de estudo prévio assim que recebermos as marcações definitivas.

       Em relação aos métodos de trabalho, a Matilde prefere apontamentos escritos; a Joana, por vezes, copia uma definição do Manual e depois relê para confirmar se compreendeu. A Mariana faz resumos que a sua explicadora depois corrige ou completa. Em Inglês também treina exercícios de aplicação da gramática.

      Nenhuma das três amigas experimentou ainda criar mapas de ideias como os que costumamos fazer nas sessões de estudo da Oficina.

       Nas revisões finais para os testes, a Matilde e a Joana repetem mentalmente o que já estudaram, mas também em voz alta.

       A Mariana responde às perguntas que lhe fazem. Quando a explicadora já não está, quem faz as perguntas são os pais. A Mãe prepara uma revisão à noite e outra de manhã; dá-lhe a folha que a explicadora fez com ela e verifica se já sabe.

       A Matilde estuda com os pais. O Pai adora História, por isso estuda com ela. Com a Mãe estuda as outras disciplinas, enquanto o Pai vai trabalhar para Abrantes, na Quinta, que fica bem longe.

       A Joana estuda com a explicadora: revê antes, depois fecha o livro e a explicadora faz perguntas.

       Os fatores que mais favorecem a concentração são, para a Matilde e para a Joana, estudar no quarto ou a sala, embora o irmão de 3 anos da Joana por vezes a desconcentre com os seus gritos infantis.

      A Mariana prefere concentrar-se no quarto, embora a Mãe já tenha tentado convidá-la para estudar na sala. Todas as três amigas preferem estudar sem fundo musical.

       Em relação ao modo como expressam mentalmente as perceções visuais e auditivas durante o seu estudo, a Mariana e a Joana, preferem ouvir a voz do pensamento, enquanto a Matilde visualiza as palavras com facilidade.

      Experimentando somar 49 com 11, a Mariana explicou assim o seu cálculo mental: “Do 49 tirei o 4 e fiquei com o 9; acrescentei 9 e 1 e é 10; 10 mais 10 é o 20, pois o 10 vinha do 11; e depois acrescentei 20 ao 40, que dá sessenta.”

     A Matilde explicou: vi o 49 e o 11; tirei um ao 11 e deu 40 + 10. Durante todo o cálculo vi mais do que pensei por palavras.” A Joana pensou: “Quarenta e nove mais dez, cinquenta e nove;  mais um sessenta.” E fez uma correção ao seu cálculo durante o percurso mental.

Conversas na Oficina

Mariana, Matilde e Joana 5ºA

Resoluções de Ano Novo

http://www.cascaischristmasvillage.pt/

     Imagem: Vila Natal Cascais

     Este Natal, um grande momento, foi quando abri os presentes: um livro para pintar com canetas, mas é mesmo dos difíceis.

     A seguir, do que gostei mais foi do livro “Aventuras de um Banana Super-Herói“. Fui à Vila Natal e adorei andar na pista do gelo, tal como faço sempre que vou ao Porto. Como faço patinagem com rodinhas, para  mim é fácil.

     No ano novo, estava a dormir profundamente e assim ganhei um dia 1 todo inteirinho, cheio de energia.

     Este 2º período, a minha principal resolução de Ano Novo vai ser conseguir pintar o meu livro todo, ler a Aventura e subir as notas a Ciências e a Português.

     A Português posso melhorar na resolução de questionários, o que já estou a treinar com a minha terapeuta da fala.

     Que bom, este mês, celebramos a Paz!

Carolina A, 6B

“Sei Lá”

    http://aa.com.tr/en/middle-east/turkeys-refugee-camp-for-aleppo-civilians-gathers-pace/707687Imagem: AA.Com 

     ” – Sei lá” – sugeriu a Madalena, quando lhe pedi um tema enquanto ela própria escrevia, a alta velocidade o seu exercício de escrita criativa.

     “Sei lá” – há tanto que não sabemos e sobretudo o que nunca chegaremos a “saber” para crescer e tornar-se mais livre em relação ao sentido do nosso percurso de vida. Que importa? O verdadeiro verbo que abre a vida não é “saber”. Talvez os verbos “conviver”, “pressentir” e “confiar” nos transportem para muito mais perto desse “lá”.

    “Sei lá” – mas não, precisamente, não sabemos o “lá”. Ele não constitui objeto de saber, mas apenas de expectativa incondicional. “Lá”  é mais longe do que podemos alcançar com a visão e exerce sobre nós um poderoso influxo de atração que pulveriza todo o nosso “saber”. Sim, é a esse preço. Um empobrecimento total do que pensávamos prender nas mãos com segurança, mas para poder abri-las com liberdade.

      Todo o ser em movimento para um futuro ainda não desenhado nem previsto, mas que pode ser antecipado por gestos inauditos. Por exemplo: partilhar tudo, sem prévia escolha, quase como num “rapto”.

     Não disse um “roubo” – só se pode roubar o coração. E “lá” tem a ver com as terras perdidas do coração, território luminoso por desbravar, mas que visto desde o nosso saber, parece obscuro e arriscado, quase como se nos fosse deixar á míngua de ser.

    Mas não: deixa-nos à míngua de ter e de parecer, e isso custa-nos mais experimentar: “lá” jorram as fontes da incerteza viva, da alegria sem motivo, do convívio que não tem fim. “Lá” é a pátria de toda a gente e podemos refugiar-nos nas suas tendas de campanha que deixariam siderados os habitantes dos palácios. Porque essas tendas são acolhedoras e estão tecidas à prova de intempéries.

     “Lá” o sono é repousante, e multiplicam-se, à entrada das tendas, conversas sem fim sob as estrelas. Quem “sabe” se também nós chegaremos, ousadamente, a habitar “lá”?

(Exercício do livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra

OE

A Menina mais Sortuda do Mundo

 untitled-06371 ZephyThor via Compfight

     Era uma vez uma menina que era muito sortuda, porque a mãe lhe dava muitos presentes: ela até chegou a ocupar a sala e a cozinha inteiras.

     Mas um dia, a mãe decidiu comparr outra casa. Então, a casa antiga era agora a casa  dos brinquedos. Até que a casa dos brienqueos incendiou-se,  mas só se perdeu uma boneca.

    Ela nem se importou muito, ela não gostava muito dessa boneca.  Mas como tinha sido o seu avô a dar…

    Então, ela foi pedir ao seu avô para lhe dar outra . O seu avô sabia por que é que ela não gostava da boneca. Ela ainda não tinha descoberto as coisas mais giras que aquela boneca podia fazer: falava, dançava, saltava e até comia!

     Ela só não sabia disso, porque o seu Avô, daquela vez, tinha tirado as instruções, mas desta vez, não as tirou e, quando ela leu as regras, a menina nunca, mas nunca mais largou a sua boneca.

Maria N 6D

Refeições Gratuitas para os Estudantes

New ECB Premises - Staff Restaurant European Central Bank via Compfight

     Em relação às refeições nas Escolas, considero que devem ser gratuitas.

    Em primeiro lugar, os pais já pagam para podermos estar dentro da escola e os alunos não devem gastar o seu dinheiro no bar.

    Em segundo lugar, acho que quando trazemos comida de casa e não usamos a estufa, não devíamos pagar o refeitório; ou, se nós comermos no recreio, não devemos pagar, pois não estamos a utilizar o refeitório.

     Em terceiro lugar, o dinheiro poupado nestes pagamentos poderia permitir aos pais comprar surpresas amorosas para os seus filhos.

     Por todas estas razões, defendo que todas as refeições nas Escolas devem ser gratuitas.

Maria N, 6D

O Peixe que Desenha?

https://www.youtube.com/watch?v=B91tozyQs9M

Imagem: Puffer Fish Youtube

      Há um peixe muito curioso que se chama Puffer. É um peixe que tem uma particularidade muito gira: ele desenha no fundo do mar doce!

     O Puffer é parecido com o peixe balão, mas a única diferença é que ele desenha e o peixe balão, não.

     As suas obras têm de ser feitas em poucos dias, trabalhando quase 24 horas seguidas com pequeninos intervalos, porque demoram pouco tempo para se desfazerem.

    Por que é que se desfazem tão rapidamente?  O Puffer não desfaz a sua obra, mas sim as ondas e as correntes.

    O seu objetivo é atrair uma fêmea para se reproduzirem. É incrível o que os machos fazem para impressionar as fêmeas!

    A natureza é um espanto, ela faz coisas maravilhosas e nós devemos protegê-la!

Alexandre B, 6D

 

A Casa de Natal

http://www.mapav.com/santarem/ferreira_do_zezere/pias/Imagem: Mapav.com     

     Este Natal, no dia 25 de Dezembro, eu fui a Pias, Ferreira do Zêzere, onde estivemos numa casa gigante!

     A casa tinha um trampolim, uma campo de futebol, uma vista linda, um jardim enorme e ainda um parque de estacionamento no exterior.

     No interior, mal abrimos a porta, temos, dos dois lados, dois quartos; se andarmos em frente e virarmos para a esquerda, temos um quarto, uma casa de banho e outro quarto. A seguir, temos as cozinhas, e, ainda ao lado, a enorme sala de jantar; em frente, abre-se a sala de jogos de tabuleiro; logo a seguir, a sala de estar; desde aí vamos dar á entrada. 

    No piso de cima, havia um quarto, depois uma sala onde nós tocamos numa orquestra. Aí também se abria um quarto dentro da sala. A seguir um quarto de crian ças; em frente, um outro quarto com duas  casas de banho e depois, ainda outro quarto.

     Depois de visitarmos a casa de Natal, fomos passear e fazer “caches”.

Afonso F, 6D

Em Cadeira de Gaming

https://www.youtube.com/watch?v=OrzDGHhOz5s

Imagem: Need for Speed You Tube

Recebi uma cadeira de gaming que parece uma cadeira de carro e gostei muito desse presente.

Usei-a para ler e para jogar PS4: Joguei Need for Speed Pay Back e Minecraft e Call of Duty WWII.

Li a Fada Oriana e a Viúva e o Papagaio, este ainda estou a ler.

No Ano Novo também bebi Champanhe para crianças, uns dois copos!

Este mês é dedicado à Paz. Pode ser no mundo, na família, na escola ou dentro de nós.

Para ter paz temos de ser amigos.

Lourenço J, 5A

O que Mais Gostei no Natal

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiQjsaFor_YAhXLwBQKHVmLBw0QjRwIBw&url=http%3A%2F%2Fwww.gamezebo.com%2F2016%2F12%2F12%2Fhill-climb-racing-2-tips-cheats-strategies%2F&psig=AOvVaw2TahIndN3UtK4ACIEdfIJC&ust=1515188136777075

Imagem: Hill Climb 2

O que eu gostei muito de receber foi um telemóvel Huwai, Y6 Pro 2017. Joguei o Hill Climb II, onde já estou muito avançado: já vou no nível Diamante 2.

Nesse jogo, recebemos um carro muito mau e vamos comprando carros com o dinheiro que ganhamos nas corridas indo contra outros carros.  Podemos melhorar a potência do motor, a suspensão e outras qualidades.

Também recebi um skate e andei na pista do Dramático.

No Ano Novo, assisti ao Fogo de artifício no Tamariz. No jardim do casino e ao pé de mim estavam uns homens a atirar uns petardos.

Eduardo M, 5B

Descrevendo a Curva do Trabalho

 http.//cadescrita.edublogs.orgImagem: Oficina de Escrita    

     Costumo organizar as minhas tardes no estudo da prof Maria Jerónimo: por volta das cinco até às cinco e meia. Às  quartas e quintas  tenho uma explicação de Matemática.

    Quarta é a tarde mais dedicada ao estudo. Fico só, mas gosto mais de estudar em grupo. Também estudo ao Sábado de manhã, o meu Pai ajuda-me a Matemática e minha Mãe ajuda-me a Português. Quando há testes, estudo todo o Sábado.

   Quando chego a casa, começo logo pelo que está na mochila. Faço os “tpc” das lições de cada dia. O único dia em que não faço os trabalhos no próprio dia, é na quarta, porque tenho explicação.

     Faço intervalos: posso interromper para comer um pão ou fruta, mas costumo estudar seguido.

     Gosto de brincar à tarde e à noite, então estudo toda a manhã. De manhã, este fim de semana, acordei supercedo e já estava pronto para estudar.

     Preparo o estudo dos Testes: por exemplo, se tenho um teste na quinta, estudo no sábado, domingo e segunda, mas não nos dois dias antes.

    O meu método mais prático é que leio e releio até decorar. Em Matemática decoram-se as regras. Em Inglês, vou ao livro e ponho etiquetas a marcar o mais importante.

     Quando estou a estudar, consigo ouvir o meu pensamento a repetir o que o prof de Matemática disse e consigo ver os números na minha mente.

      O que me ajuda mais a concentrar é comer e estar em silêncio. O que me desconcentra são os amigos.

(Conversas na Oficina . Ditado)

Pedro Cm, 6B

Organizando o Trabalho

   Um livro gigante no meio de um campo, um poente dourado, o livro está aberto

 Imagem: Photos For Class Atribuição: Creative Commons

          Tenho um horário de estudo em casa que varia conforme os dias. Por exemplo, à segunda feira, chego a casa e descanso um bocadinho. Começo a estudar por volta das 17h 30. Faço os tpc, começando pelos mais fáceis; se houver alguma coisa para copiar, fica para o fim. Faço os tpc próprios daquele dia.

     Às vezes janto por volta das 18h 30. Às 19h posso estudar as lições do dia ou preparar-me para algum teste.

     Às quartas, temos um Estudo de uma hora, no Colégio; se não estiver bem preparado para alguns testes, aproveito e estudo.

     O método de estudo que eu aplico mais é fazer exercícios; leio também, mas se o primeiro teste não ficou muito bem, leio umas  quatro vezes; às vezes sublinho.

    Por exemplo, em Ciências, com a ajuda da minha Mãe, consigo compreender a linguagem do Manual. Senão, eu não conseguiria resumir por palavras minhas, apenas copiava o texto.

     Estudo sem escrever; repito mentalmente e, quando estou pronto, a minha Mãe faz -me perguntas.

     Para somar quarenta e nove mais onze, pensei: “Tu já sabes esta conta: nove mais um são dez; tiramos um e, com esses dois, fica cinquenta. Agora é facílimo, é igual a sessenta.”

Pedro M, 5C

A Minha Música

https://www.youtube.com/watch?v=rDA52HNZ_rM

Imagem: youtube Fernando Daniel

     Eu gosto imenso de uma música do Fernando Daniel que se chama “Espera”; sempre que eu a ouço deixa-me feliz; já a ouvi imensas vezes e nunca me canso de a ouvir.

    A minha irmã irrita-se quando eu a canto, porque já a ouviu tantas vezes, tantas vezes, que a minha irmã me pede para eu me calar.

    Esta música fala de uma mulher: ele diz para ela esperar por ele, onde quer que ela vá: 

Onde é que vais
Espera por mim
Eu vou ser melhor por ti
Sempre que sais
Eu sinto o fim
Eu nao quero ficar por aqui

Joana Cb 5A

Um Monstro Amigável


http://djoul3.pagesperso-orange.fr/monstres&cie/personnages/sulli/

    Imagem: Djoul3-pagesPerso

     Se eu fosse um monstro, eu era alto, grande, simpático e amigável; tinha pelo  azul e uns grandes olhos verdes , com uns chifres .

    Eu iria abrir um restaurante chamado DHD Monsters Surfing , mas quem lá fosse iria ver uma enorme discoteca  divertida com gomas , sumos e muita, muita  dança e loucura.

    Os meus amigos eram parecidos comigo, alguns maiores ainda, uns viviam no mar –  eram monstros marinhos – outros voavam – eram dragões: outros eram cobras, metade jacaré, outros podiam ser uma combinação de leões com grifos.

     Também brincávamos com os humanos a andar de skate.

     O meu poder especial era deitar raios laser pelos olhos. A minha língua seria o Espanhol.

      Nos dias de descanso, iria surfar MUITO, MAS MESMO MUITO .

      E assim era todos os dias…

Simão CB, 5C

Ida a Londres: Cidade Linda

The Shard LondonCreative Commons License dronepicr via Compfight

     Quando estive em Londres, fui ao “London Eye”, de onde se podia ver toda a paisagem de Londres. A seguir, fui à porta do Palácio da Rainha e vi o render da Guarda.

     Quando estava no aeroporto de Londres, eu e o meu irmão encontrámos um Youtuber: Bernardo Almeida. Eu desafiei o meu irmão a ir falar com ele; o meu irmão foi e tiramos fotos com ele.

     Na vista do London Eye, avistava-se o ponto mais alto de Londres, a Chard Tower. Eu gostei muito de Londres: à noite, parecia uma Kidzânia gigante, mas ainda maior.

Vicente E, 5A

A Prática do Desporto

Sunrise Yoga, Maschsee David Kaczmarek via Compfight

     Em relação à prática do Desporto, eu considero que é recomendável para todas as idades.

     Por um lado, o desporto é saudável para o nosso corpo. Por exemplo, quando eu pratico desporto, sinto-me livre, porque estou a apanhar ar puro; sinto-me bem quando estou a correr, sinto-me livre e com mais ânimo. Também gosto mais de fazer desporto quando está sol ou calor. Não me sinto muito bem quando estou a fazer desporto com chuva ou frio ou até trovoada.

     Por outro lado, eu penso que os desportos podem magoar as pessoas e também podem causar lesões.  O meu irmão, ontem, levou com o dente do amigo dele na cabeça.

    Finalmente, penso que se pode fazer desporto também com cuidado.

    Por todas estas razões, defendo que a prática do desporto é recomendável para todas as idades.

Teresa F, 6D

Saudades do Verão

Flying Solo Pablo Fernández via Compfight

     Gostei muito das férias de verão porque estive a jogar futebol na Suécia; estive a fazer Surf e gostei muito das Festas do Mar.

 No torneio, havia muitas equipas e foi uma experiência muito boa. Nós, na Suécia, dormimos numa escola com várias equipas; havia um espaço com 25 campos de futebol. Dormíamos colchões, em quartos enormes, éramos mais de vinte e púnhamo-los no chão.

As pessoas eram simpáticas, perguntavam o que nós íamos lá fazer e eles falavam comigo em Inglês, mas eu não percebia nada. 

As Festas do Mar, como todos os anos em Cascais, foram ao pé da Praia dos Pescadores. Só duas vezes é que vi o concerto: a noite estava boa e abandonei o Francisco nas Festas do Mar, pois ia com uns amigos mais à frente e perdemo-nos. Tocaram os HM6, os DAMA…

     Eu não queria ir ao Guincho, mas fui obrigado a ir. Só gostei de ir quando estavam lá amigos meus.  Na Costa da Caparica, houve uma vez em que estava a bandeira amarela: eu apanhei uma onda de joelhos.

    Na praia em que fazíamos Surf, estava muito vento e eu dei com a prancha de Surf na cabeça de um professor. No Surf, havia dias com boas ondas para apanhar e outros em que não havia. 

 Nas duas praias em que íamos fazer Surf, uma na Costa da Caparica, outra na Costa de Sintra, ou havia muito vento ou tínhamos de subir uma encosta a pique. 

Manuel N, 8A