ALEGRIAS – 2

https://getstencil.com/app/savedImagem: Stencil   

      Ela própria se torna o motor do nosso viver: tomamos a decisões, atiramo-nos ao nosso trabalho e resistimos graças à sua energia secreta que mantém o nosso coração fiel.

      Se a Alegria fosse uma animal, seria um coelhinho. A alegria tem liberdade, paixão e sentimentos sem fim. 

     A pomba da Alegria voando e se espalhando por todos nós, saltitamos, brincamos e cantamos sobre a alegria de amar os outros ou de ser amado.

     A Alegria da Família é uma coisa amorosa que nem a conseguimos explicar porque é tanto amor, tanto amor que, se fizermos as contas, é infinito. 

     Misteriosa força que move o coração dos homens e parece penetrar até os poros do universo. Quando já não conseguimos captá-la, sobrevoa-nos, divinamente passa, na sua leveza, para além do horizonte. 

    A Alegria é um sentimento de um coração aberto para ajudar quem mais precisa. Quando alguém sente alegria é algo fantástico. 

     Como se fosse desabando por cima de nós, a Alegria cresce, cresce sem parar.

      A partilha multiplica a Alegria, desdobra-a, quebra-a em mil pedaços doces que misteriosamente sobram mesmo depois de todos a terem saboreado.

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

ALEGRIAS – 1

https://getstencil.com/app/saved

   Imagem: Stencil

   Um infinito, uma torrente que desaba, a nossa alma está viva e sente-se em casa na Alegria.

     Livre, cantando sobre mim, a chuva da Alegria!

    A Alegria, quando nós a sentimos, é uma coisa extraordinária. Por exemplo, no amor, há tanta Alegria que não conseguimos parar de sorrir.

    Alegria de um coração puro que a luz irradia na sua transparência ingénua: apesar de todas as dificuldades, como é maravilhoso viver!

    A Alegria é um sentimento que inclui praticamente todas as pessoas, mas mais a Família e os Amigos. A Alegria até pode ser com o cão, o coelho…

    Há tantas formas de a viver: a própria Natureza nos inspira, nos seus mil matizes de cor que parecem sorrisos do próprio Ser.

    A alegria não tem fim: o melhor da Alegria é amor, amigos, família, bom ser e dar-nos bem com as pessoas e bem-estar com os amigos.

     Amigos verdadeiros estão sempre ao nosso lado para quando precisarmos sem até sem serem chamados, brincam connosco, são como nossos irmãos que são para sempre e nunca nos largam.

    Os amigos são como se fossem família. Para termos amigos temos que respeitar, não os aborrecer e sermos uma bondade para eles

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

Adoro aquele Momento tão Feliz

     IMG_7900_web - Christmas decorations Alex DROP via Compfight

    Eu costumo reunir-me no Natal em casa dos meus tios, avós, ou mesmo em minha casa. Mesmo se for em minha casa ou não, eu e a minha mãe fazemos sempre o presépio e a árvore de Natal na sala.

      Na ceia de Natal costumo comer bolo de chocolate, de iogurte, e também broas de mel e muitas mais surpresas deliciosas.

     A minha sala costuma estar decorada com pais-natal e predominam as cores vermelho e branco.

     Eu costumo abrir os presentes às 00 horas. Os meus pais e as pessoas de família dizem para deixarmos os sapatos e põem lá os presentes – “O Pai-Natal”. O meu presente favorito, que eu gostaria de ganhar era um jogo: The Sims.

     O Natal nunca cansa, sabem porquê? Sempre recebemos presentes e eu adoro estarmos a passar aquele momento tão feliz com as pessoas de quem mais gostamos – a Família.

     Se eu explicasse a um menino de outro planeta o que é o Natal, diria que é das épocas mais bonitas e religiosas de Portugal, em que nós recebemos presentes, brincamos muito e comemos também à vontade. Eu adoro e acho que ele iria gostar desta experiência nova.

     Se, um dia de Natal, eu fizesse uma inovação, iria para outro país com a minha Famíla e como ninguém nos conhecía, ficávamos muito mais à vontade. Mas mesmo assim eu gosto imenso como nós passamos cá o Natal.

Margarida Rs 5C

Animais Favoritos

234A8993.jpg Mark Dumont via Compfight

     O meu animal favorito são os golfinhos, porque acho que são fofos e lindos, mas também gosto muito de pandas e de Koalas, porque acho que são amorosos.

     Se eu fosse um animal, gostava de ser um Koala, porque é prequiçoso como eu, mas também gostava de ser um golfinho, para ser livre, porque tem um imenso espaço para nadar.

     Se eu pudesse mudar algo no Koala, tirava-lhe as garras, para não nos magoarem, mas precisam delas para se agarrarem às árvores.

    Eu tenho um gato preto de olhos verdes, muito querido, que está sempre agarrado a mim, pois até já parece o Koala.

     Ele foi encontrado no lixo, na Golegã. O meu tio estava a deitar o lixo fora e ouviu um som: eram os gatos a miar numa caixa de cartão, mas eram mais de 10 gatos bebés! O meu tio publicou fotos dos gatos nas redes sociais, e pronto! Os gatos ficaram com donos!

     Menos o preto.Então, os meus tios ficaram com ele. Mas, passado um pouco, eles vieram cá a Cascais e mostraram-nos o gato. Nós adorámos, o meu pai não queria, mas a solução foi chorar e pedir muito:  e cá estou eu com o gato mais fofof e amoroso do mundo, o King!

Margarida Rs, 5C

Um Vídeo a Abrir os Presentes

Decorative LightsCreative Commons License Marco Verch via Compfight

     O Natal, para mim, é muito giro.

    Gosto de presentes de Natal e gosto de estar com a Família. Faço um jantar de família e só abro os presentes à meia-noite.

     Se calhar, vou fazer um vídeo de Natal para o youtube e abro os presentes em vídeo. Vai ser muito giro fazer um vídeo com sete subscritores. Não faz mal ser com sete pessoas porque não podemos reclamar com o que temos.

     Se eu tivesse um amigo de outro país que não soubesse o que era o Natal, eu dizia-lhe que é uma época em que se recebe presentes e em que se está com a Família. Lourenço J, 5A

Rosinha, a “elétrica”

Arnold!Creative Commons License Adrian Fallace via Compfight

     Eu tenho quatro Jack Russel e eles vivem todos no quintal, mas eu vou descrever só um: Ela chama-se Rosinha, é muito elétrica, porque ainda é muito bebé. O seu pelo é eriçado e tricolor: branco, preto e castanho dourado. À volta dos olhos o pelo é castanho e mais branco nos flancos. As suas orelhas são pequenas e descaídas.

      Ela é muito excitada, muito esperta e maria-rapaz, por isso fico muito tempo a treiná-la e a jogar futebol com ela. Quando chego a casa, ela vem logo a saltar e corre para o meu colo! Dorme na casota, mas é a mais mimada; os outros têm a casota castanha, mas a dela é castanho-bebé.

     A primeira vez que a vi foi no Shopping; tinha 3 irmãos, mas ficou sozinha ali. Fui com o meu pai e irmã e ficamos apaixonados por ela, porque era muito fofinha.

     Com a Rosinha fiquei mais feliz na minha vida!

Zé G, 5B

Teodoro, o Coelho

Rabbit Fest Tjflex2 via Compfight

     Eu tive um coelho chamado Teodoro.

    Ele era muito veloz, mas também gordinho, pois não nos podemos esquecer da sua característica favorita: ser guloso! Ele adorava comer! Na minha experiência com o meu coelho, quando eu abanava a caixa da comida, ele vinha a correr para cima de mim.

    Quando eu olhava para ele, fazia-me lembrar o meu irmão mais novo.

    O Teodoro era muito preguiçoso; quando fugia de mim, ia para cima da minha cama e punha-se em cima das almofadas todas!

    O meu Teodoro trouxe-me uma alegria especial que muito raramente acontece. A minha preferência por pelos coelhos é por achá-los fofinhos. 

Francisco Go, 5B

A Amizade e o Riso

EmojiCreative Commons License Thomas via Compfight

         Adoro rir, brincar, jogar mata, futebol humano… Adoro estar com os meus amigos e amigas, entre os quais o Salvador, a Leonor, a Isabel, a Carolina.

      O Salvador é um grande amigo do Algarve, que sempre que eu vou lá, não há uma vez em que ele não vá a minha casa ou eu à dele.

      O que eu mais gosto na Leonor é ser divertida, engraçada e muito simpática. Eu já fui da sala dela 4 anos: fui na pré, no 5º e agora no 6º. 

      O que eu mais gosto na Isabel é que eu confio nela, ela ser baixinha como eu e ser muito querida comigo. Conheço-a há seis anos.

      Eu acho que a Carolina tem qualidades em comum com a Leonor, mas distinguem-se em que a Carolina é mais calma, mas é divertida à mesma!

      Às vezes brincamos aos pais e ás mães: a Leonor é sempre a empregada má, eu sou a filha, a Carolina é a mãe. Nem sei explicar porque nos rimos tanto, mas rimo-nos!

      A amizade é um tesouro que nos faz sentir bem. Um amigo não é da nossa família, mas é da nossa confiança e alguém que nos faz rir!

Teresa F, 6D

The Revolution

Halo: Reach | Lone WolfCreative Commons License Joshua | Ezzell via Compfight

      In 2036, the Halgy Army started buying weapons and military equipment from the Tall Gys or the “Gorks” as we call them. The reason why this was happening was because the Gorks were years ahead of us on that subject. They had equipment that no other country had and we wanted that same military power. We started paying they started delivering, everything was going fine until that one day…

     In a matter of minutes, we watched all that equipment shut down like if someone just pressed an off switch. The next day, the Gorks invaded the whole conuntry and on that same day we surrended. The Gorks started to build outposts in checkpoints all over the country, started making new rules, the whole country was now in what seemed to be a nightmare.

     6 months have past since the invasion; a rebel’s group created by Ryan Stintson was starting to get noticed by the Gorks. This group was launching assaults against outposts. They weree slowly starting to get the people’s attention.

     2 Years Later The rebel group was now stronger than ever, they have taken down every single outpost. All that was left to do was conquer the American Military bases the Gorks were using as main outposts plus the ones the Gorks had built.

     Everything was set up, it was time to strike…

Rodrigo L, 9B

O Gatinho Abandonado

MillyCreative Commons License Carolina Barría Kemp via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Francisca que tinha ido fazer um piquenique com a sua amiga Susana.

     Perto das suas casas havia um jardim pequenino, cheio de flores, com um lago redondo no meio, onde vivia um peixe vermelho e uma tartaruga verde que eram grandes amigos.

     Elas sentaram-se num banco verde, à sombra de uma enorme tília e começaram a lanchar o piquenique que a avó da Francisca tinha preparado: tarte de maçã coberta de chocolate e sumo de morango.

     Foi então que viram um miado aflito vindo do lago: um gatinho pequenino, de pelo cinzento e branco, tão magrinho que se viam os ossos, tinha tentado equilibrar-se num nenúfar e caíra para dentro de água.

      A Francisca e a Susana foram a correr até ao lago: viram o peixe vermelho debaixo de água a empurrar o gatinho para cima, enquanto a tartaruga, agarrada à borda do lago, segurava uma orelha do gatinho.

     As meninas ajudaram-no a salvá-lo, distribuíram os pedacinhos de tarte pelo peixe, a tartaruga e o gato. Depois embrulharam-no na toalha do piquenique porque ele estava encharcado.

     Levaram-no para casa e tornou-se o companheiro da avó da Francisca.

Texto Ditado e Dialogado por Francisca e Inês

O Meu Avô

Photo by Christopher Burns on UnsplashPhoto by Christopher Burns on Unsplash

     O meu avô é uma pessoa por vezes rígida, uma vez que ele andou na guerra, mas lá no fundo, ele é uma pessoa querida e engraçada, apesar de não demonstrar muitas vezes  o seu bom humor, mantendo quase sempre a mesma expressão facial.

      Ele dedica-se muito a mim e sempre que eu estou lá em casa, ele esforça-se por interagir comigo e criar momentos divertidos.

     Ele é pedreiro de profissão, e, embora reformado, ainda gosta de trabalhar, nem que seja em sua casa. É ele quem está a fazer a sua própria casa com a ajuda de alguns amigos da Suiça. Desde que se reformou, ele dedicou-se a remodelar o sótão ou o quintal.

     O meu avô não criou a minha Mãe ou o meu tio porque esteve ou na guerra ou na Suiça a trabalhar. Então é como se eu fosse um filho para ele.

Francisco B, 7A

Ser Professora

Exercising the Franchise of Digital Citizenship technovore via Compfight

      Se eu fosse uma professora, eu trataria os meus alunos muito bem.

     Nunca mandaria trabalhos de casa e deixava-os divertirem-se mais para passarem a tarde toda livre.

      Gostaria de ser professora de Português, porque adoro Português e Inglês: são as minhas matérias preferidas e são as que acho muito mais fáceis do que Matemática e Ciências Naturais.

     Daria as matérias aos primeiros anos, também porque seria fácil de lhes dar a matéria e eles estariam mais avançados do que os sextos anos.

      Quando for pré-adolescente não gostarei de ser Professora. Mas agora, se tivesse passado pela experiência de ter sido Professora durante 24 horas, acho que seia giro.

      Para mim, um professor deve ser simpático, querido, que faça muitas brincadeiras e que seja risonho.

Layane S 6C

Projetos de Festas

Airplane vs London Eye mystero233 via Compfight

       O dia 31 de Outubro é dia de Halloween: os mais novos mascaram-se de vampiros, diabos, fantasmas. As crianças pedem doces de casa em casa. Eu vivo essa festa vestindo-me de vampiro ou de fantasma e, com os meus amigos todos mascarados, fazemos uma festa.

      Nós vamos de noite, a casa das pessoas, batemos à porta e pedimos doces ou fazemos travessuras. As pessoas, geralmente, recebem-nos bem, dão-nos rebuçados, doces folhados e chupa-chupas. Mas há outras pessoas que não abrem a porta ou que não nos dão nada. Há pessoas que não seguem a tradição do Halloween, ou então os doces já acabaram.

       Na minha opinião, celebra-se o Halloween porque é uma boa ocasião de as crianças andarem sozinhas na rua, à noite. Em Portugal, há uma tradição com muitos anos, em que as crianças pedem “o pão por Deus”. 

       O dia 1 de Novembro é dia de todos os Santos e eu faço anos: no meu aniversário vai haver bolo e vamos cantar os Parabéns. No dia 2 de Novembro, vou  a Londres, para comemorar o facto de eu ter nascido. Gostava de ir ao Museu de Cera, à loja de MM’s ao London Eye e passear no Hyde Park.

Mariana C, 7C

Querido Eu – VI

  https://unsplash.com/search/photos/twoPhoto by Wil Stewart on Unsplash  

     Querido Eu,

     Obrigada por me fazeres ser querido e me ajudares em todas as situações. Obrigada por teres contribuído para que eu existisse; obrigada por me teres ajudado em todas as vezes em que eu parti a cabeça ou fiz galos, pois já foram muitas até! Sempre me ajudaste a continuar em todas as dificuldades e recordo todas as vezes em que conseguimos ganhar juntos!

      E Não é fantástico existirmos, quando podíamos não existir?

     Também recordo quando me rio de mim mesmo, porque fizemos alguma coisa engraçada, ou parva, ou até quanto tento fazer algo e depois falho.

      Eu aprecio-te por me conseguires fazer ter vários amigos, por fazeres com que eu seja bom a música, por ter boa educação nas aulas e não falar no meio delas.

     Admiro-te por fazeres os meus amigos gostarem de mim, por me inspirares travar amizade com as pessoas certas, por me apoiares em ter coragem para fazer várias cenas arriscadas.

     Gostaria de contribuir contigo para um mundo melhor, talvez até construir uma coisa totalmente nova, ajudar as pessoas contigo, ter uma mulher querida e filhos espertos!

Vicente E, 5ºA

Querido Eu -V

Photo by Andrew Palmer on Unsplash

     Imagem: Andrew Palmer

     Querido Eu,

     Obrigado pela companhia ao longo destes meus anos de vida. Obrigado por estares aqui, senão nunca tinha aprendido a surfar a andar e a sonhar: Obrigado por tudo.

     Obrigado por ajudares a vencer os meus medos, a ter força para aquilo que eu faço; quando eu era mais novo, era maluco, agora já não tenho tantas ideias desatinadas, como tentar subir para uma bicicleta de adulto  e até tentar apanhar cobras, mas que loucura! Obrigado por termos conseguidos passar os meus medos, para poder ir além deles e conquistar as minhas vitórias. 

     Obrigado por estares aqui! É muito bom: posso respirar, posso brincar, posso sorrir e sentir, obrigado por estares aqui! Obrigado por me ajudares a rir das palhaçadas e asneiras, em vez de ficar “chateado” comigo, triste e de mau-humor, mas tu deste-me muita bondade. Ainda me lembro quando deixei cair um balão de água para cima de mim e de um irmão meu, mas depois desatamos a rir à gargalhada!

     Eu aprecio em ti a bondade, força, trapalhice e loucura; são estas qualidades que me fazem ser como eu sou. Sem um destes traços da personalidade eu não era assim. Esqueci-me de falar na minha sensibilidade a fenómenos que metem medo: a isso sou muito, mesmo muito sensível… porque me fazem impressão!

     Quero ter força para sermos um bom surfista; eu acho que vamos longe porque toda a gente diz que surfo bem. Então, eu quero ir contigo mais além de tudo!

Simão CB 5C

Paixões Criativas

Happy child with painted handsCreative Commons License Praveen Kumar via Compfight

     Desde há uma semana, comecei uma ocupação favorita: sou youtuber! Tenho 148 visualizações, 5 subscritores e já realizei 5 vídeos. Os meus vídeos são sobre jogos e coisas reais, tais como um misterioso corredor assustador ou sobre um jogo de GTA. Gosto de ser youtuber porque acho que é uma experiência gira, há muitas pessoas a ver-me e isso importa-me.

     O desporto que eu mais gosto é ténis e o que eu aprecio mais é quando bato a bola com muita força: sei fazer a esquerda e a direita. Psicologicamente, ganho resistência ao fracasso, sinto-me persistente, quero alcançar um objetivo que é ser sempre cada vez melhor; nem que perca sempre, quero atingir um resultado bom!

     Gosto quando estou a conversar à mesa com a minha Mãe e, noutras ocasiões, com o meu Pai: ele gosta sempre de ver futebol ao mesmo tempo.

     Adoro ir a casa dos amigos, tal como hoje, 31/10/2017, dia de Halloween, em que vou a casa do Santiago. Depois vamos tocar à campainha da casa das pessoas a pedir doces! Vou pôr a minha máscara e vou explodir petardos de Carnaval: Pum! Pum!

     Vamos comer doces ou fazer travessuras! Levamos uma enorme abóbora que abre, onde guardamos os doces.

     Em relação ao tema global dos Valores que estamos a viver este ano, o Halloween pertence à Alegria.

Lourenço J, 5A

Aproveitar cada Segundo

Lisbon and the Tagus River (1960) - Abel Manta (1888-1982)Creative Commons License Pedro Ribeiro Simões via Compfight

     As minhas férias foram incríveis, apesar de ter passado muito pouco tempo com os meus pais e quase todo com o meu avô, mas foram momentos bem passados.

     De junho para julho, passei mais tempo com os meus amigos, seja “online” ou em casa de uns e de outros, a jogar.

      Em julho passei a maior parte das férias entre a casa do meu avô e a da minha avó, onde quase nada mudou.

     Em agosto só passei uma das quatro semanas com o meu avô e o resto do mês com a minha mãe.

     Quase todos os dias eu ia à praia e, de vez em quando também, com os meus amigos ou com os meus avós, e também fui a Espanha. Apanhei grandes ondas e diverti-me com a família.

     Em setembro, fui com a minha mãe a uma aldeia de xisto, que é muito pequena e bastante gira, com os seus cidadãos tão interessantes.

     Tentei aproveitar cada segundo de cada dia até chegarem as aulas de novo. Mais uma vez, quase todos os dias eram passados com o meu avô. Nestas férias, percebi o quão importante é o meu avô na minha vida.

Francisco Bt, 7A

Salvação na Tempestade

     Buoy

Patrick McDonald via Compfight

     A Vida é um Cruzeiro que parece não ter fim.

     Tanto na Vida como no Cruzeiro existem partes onde navegamos em águas mais calmas, onde tudo nos corre bem, mas depois encontramos sempre umas águas um pouco mais agitadas, ainda que não seja nada que não se consiga ultrapassar.

     O problema é que existem as tempestades, onde tudo nos parece correr mal. O nosso barco começa a virar-se, quase ao ponto de se afundar: esses são os momentos que mudam tudo.

     Podemos tentar continuar a lutar, mas a tempestade, como se nada fosse e o barco com o risco de se partir. Ou podemos simplesmente aceitqr e voltar para trás: preparamo-nos e, depois, sim, avançar.

     Se cairmos da borda temos de encontrar uma pedra para nos agarrarmos e sobrevivermos até a tempestade passar.

    Eu, pelo menos, sei que terei sempre uma pedra à qual me agarrar nas tempestades, umas asas nos pés para quando quiser voar, o vento nas costas para me empurrar, quando não tiver coragem para avançar e um porto seguro para quando houver tempestade.

    E isso tudo resume-se a uma única coisa ou, melhor dizendo, a uma pessoa: chama-se Raquel, a minha Mãe, que ainda há pouco tempo me ajudou numa imensa tempestade.

Aluna Convidada que não Assinou.

O Dizer do Sentir

https://getstencil.com/app/savedImage: Stencil      

       A Vida é como um vulcão em erupção: com altos e baixos, mas temos de os superar. A Vida não é um sentimento que se escreva em três linhas, mas um sentimento que se vive desde que nascemos até que morremos.

     O sorriso é como uma árvore cheia de frutos, dá muita alegria; só um sorriso pode valer tudo; o sorriso é transmitido a quem o capta.

     O olhar límpido parece-se com uma cascata: ela nunca para, está permanentemente a voar, se ela parar, explode. É como no olhar límpido: temos de dizer o que achamos sem medo de avançar e sofrer as consequências.

     O amanhã ninguém o espera, mas é como uma estrada cheia de pedras, nunca sabemos se vamos cair ou se vamos ficar intactos.

Federica V, 7C

Festa Surpresa ao Prof de HGP

  Surprise party !Creative Commons License Waqas Mustafeez via Compfight   

       No Domingo, o Prof de HGP fez anos e fizemos uma festa surpresa para ele. Ele gostou muito: quando entrou, ficou muito feliz; ele não estava à espera.

      Na 6ª feira, a Bárbara, que trouxe gomas, pediu para cada um trazer algo de comer ou de beber para a festa. A Leonor trouxe um bolo de ananás que é o preferido do Professor. Eu trouxe pipocas e pusemos tudo numa mesa.

      A sala ficou às escuras e nós escondemo-nos debaixo das  carteiras. Quando o Professor abriu a porta, nós cantamos-lhe os Parabéns!

      Neste Professor, eu aprecio ele explicar bem  HGP; o ano passado, descobrimos que o professor desenha muito bem, toca piano e canta. É uma pessoa alegre e que nos transmite boa disposição; ele perdoa os rapazes que fazem disparates e, ao mesmo tempo, tem autoridade.

     O Professor é justo com toda a gente, às vezes tem de perder a paciência com alguns colegas para a aula ser de todos.

     Estas festas de anos de surpresa são importantes para fazermos os outros mais felizes e para celebrarmos o grande mistério de nós existirmos.

Carolina A, 6D

Entrevista à Nossa Bibbliotecária Lola

Mexico Bound

Kenneth Spencer via Compfight

       Temos connosco, no nosso Programa de Rádio MDM, a famosa Bibliotecária Lola. O nosso objetivo é conhecê-la ainda melhor

        Gostaríamos que nos explicasse por que gosta tanto da Formiga.

       Gosto muito da Formiga, eu descobri um amor novo que nunca tinha sentido e nunca pensei ser possível. É um sentimento único que me transmite tranquilidade e uma amizade profunda: a minha “menina preta” como lhe chamo, gosta de mim de qualquer jeito e eu dela. 

http://cadescrita.edublogs.org

Imagem: Gentileza da Entrevistada

      Que motivos a levaram a escolher a sua profissão?

      No início foi apenas coincidência, mas afinal acho que nasci para isso, estar junto das crianças.

     O que mais aprecia no convívio com os alunos? 

      Poder ajudá-los a transformarem-se em adultos melhores, mais humanas, darem valor ao que realmente é importante na vida: serem felizes. 

     Partilhe connosco um ponto alto da sua vida profissional.

     Um dos melhores foi um abraço que recebi de uma aluna ao fim de dez anos e me disse: “-  Foste uma das pessoas mais importantes na minha Adolescência!

     Como tem vindo a realizar, este ano, o seu Projeto de Acolhimento e de Compromisso com os seus Alunos? 

     Tenho tentado  bem fazer com que eles compreendam o que é estar numa Biblioteca e façam dela um espaço agradável para todos.

     Obrigada, Lola, por ter vindo enriquecer o nosso programa com a sua generosa partilha. 

    Tenho de agradecer ao aluno Miguel M por se ter lembrado de mim e também à mentora Prof Inês Pinto.

Miguel M e Lola H

Programa de Rádio MDM

O Que o Meu Coração Ama

Sunny Studio Two Scoops Rainbow Sherbet Card Mendi Yoshikawa via Compfight

      Adoro ir ao Bounce, porque é fabuloso saltar e divirto-me imenso, principalmente quando vou com amigos.

      Gosto muito de fazer anos e convidar amigas, porque há tantas coisas divertidas para fazer: festa de pijama, apanhadas, comer doces, brincar com insufláveis, lutas de balões e corridas.

     Sabe-me bem, de vez em quando, saborear um belo gelado com a Família  e com os amigos, até só de o escrever, já me estou a babar. Os meus sabores preferidos são: avelã, stratiacella, nata, meloa e baunilha.

      Estar com a família é algo que o meu coração ama e eu também amo. Por exemplo, mesmo quando eu estou zangada com os meus pais, ainda sinto o meu coração a bater.

      As amigas são também como os pais, mas ainda assim, não há amor maior do que o dos pais, mas os amigos também são algo muito precioso.

Joana Cb, 5A

O Que Eu Mais Amo

     Eu adoro ir à praia, porque quando eu vou para a água, sinto-me livre!
    As festas para mim, são magia, celebração de algo como o Halloween, com bruxas e fantasminhas.
     Eu gosto imenso de chocolate: quando como um bocado, quero comer o resto, nunca deixo sequer uma migalha e fico cheia de energia!
      Eu amo a minha família, é o que eu tenho de mais valioso;  no Domingo costumo ter um almoço: só eu e o meu mano de 14 anos, os outros são todos adultos e falam ao mesmo tempo em conversas cruzadas!   
     Os amigos são as pessoas em quem podemos confiar. Quando eles fazem anos, gosto tanto de ver a alegria no rosto deles quando recebem um presente.
Mariana L 5A

As Amigas


Strand Praia do Tonel SagresCreative Commons License dronepicr via Compfight 

    Um dia, uma menina chamada Carolina foi a casa da Inês. Estiveram   a  brincar às escondidas à volta da mesa.  Aconteceu que, depois, uma delas magoou-se no joelho, quando estava a fazer escola vitual.

   Hoje, a Carolina esteve com a Inês para tudo, a fazer os trabalhos  de  casa e a jogar. 

    A Luísa, que era a prima delas, estava com os seus amigos; estavam  a ver “Os Descendentes 2”; viram a Uma que esteve triste, porque o seu namorado deu-se mal: zangou-se.

     E viram o Ben: esteve a namorar na escola e, assim,  a portar–se bem.

     Os outros amigos não vieram: o  Ricardo estava a doente, a Violeta, que tem uma casa  grande com uma piscina, foi para a escola,  assim como a Kika e a Rita .

Francisca Pr 5A

À Conquista dos Modos de Estudar

https://getstencil.com/app/saved

Imagem: Stencil

  Esta manhã, na Oficina, a Margarida Rs e a Maria Pr do 5º Ano partilharam a sua reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 Fazer um horário de estudo em casa

Maria e Margarida – Fazemos com os pais; não é um horário fixo, mas a combinar em cada dia os tempos e os intervalos de estudo.

2 – Como cumprir as tarefas de estudo: TPC, estudo e preparação de Testes

Margarida – Faço só os tpc. Só se há teste é que leio o manual.

Maria – Leio a lição do dia se for HGP, Port e CN, depois faço os TPC e arrumo a mochila.

3 – Preparação dos testes

Maria e Margarida – Dividimos por partes a matéria, para estudar aos poucos e só se revê tudo na véspera.

4 – Métodos de Trabalho

Margarida – Marco as páginas,  depois leio, seguidas, todas as páginas e volto a fazer 4 ou 5 vezes. O que sei mais leio para dentro, o que sei menos leio em voz alta. Geralmente, enquanto estudo, ando de um lado para o outro no meu quarto

Maria Leio a primeira  página toda, depois resumo num caderno de estudo A5; quando estou na secretária, que é poucas vezes, ando às voltas na cadeira que tem rodas.

5 – Revisões Finais na Véspera dos Testes

Maria e Margarida Perguntas e Respostas com a Mãe. Se não souber, leio de novo.

6 – O que ajuda à concentração:

Maria e Margarida   O Silêncio, um sítio confortável.

7 – Uma sugestão que possa ser útil para os colegas compreenderem melhor o que se passa na sua mente

Maria  – Estou a andar de bicicleta, faço uns dez pedais e depois treino a tabuada: repito-a enquanto vou a pedalar. Quando vou ao golfe do meu avô, estou a fazer tacada, não penso bem no ângulo, mando com jeito, penso como devo pôr o braço, em qual ângulo, mas sem pensar em números.

Margarida Por exemplo, eu vi o mapa da Península Ibérica e o meu pensamento repetiu:  “Pirinéus”. Podemos tentar ver e ouvir mentalemente.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição.

Maria Pr 5B e Margarida Rs 5C

Conversas na Oficina

Partilhando o Itinerário de Estudo

https://getstencil.com/app/savedImage: Stencil

 Esta tarde, na Oficina, o Miguel M e o Francisco M N  do 6ºA partilharam uma reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 – Horário de estudo em casa

Francisco – Quanto ao Horário, sei o que faço: na 2ª, 3ª 5ª e 6ª tenho karaté e basquet, por isso não consigo estudar. Às Quartas, estudo com a minha Mãe e, ao fim de semana, às vezes. Tenho torneios de Basquete e quase não consigo estudar. Por exemplo, amahã vou ter toda a manhã torneio e só vou ter dois dias para estudar para os próximos testes.

Miguel Sei que estudo 2ª 4ª e  6ª e alguns Domingos. Pratico Karaté à 3ª e 5ª. Ao Sábado vou aos Escuteiros e não posso estudar; alguns fins de semana vamos acampar. Este fim de semana vou para fora.

2 – Qual o grau de dificuldade do TPC que tem prioridade

 Francisco – Começo por fazer os TPC mais  difíceis. Se tiver tempo no próprio dia faço logo, se não faço no dia anterior.

Miguel – Quanto mais tempo demorem é que decido: faço os que demoram mais no fim. Para ter tempo de ainda fazer alguns e não ter faltas a todos.

3 – Intervalos durante o Estudo

Miguel – De matéria em matéria, ou quando acabo um TPC, faço pausa.

Francisco – Como estudo com  a Mãe também vamos conversando. Se há uma pergunta que não percebo vou estudar ao manual.

4 – Preparação de Testes

Miguel – Estudo na semana da véspera, estudo por capítulos ou partes.

Francisco – A Mãe vai ao “inovar”, tira o horário dos testes e cola na minha secretária.

5 –  Estratégias de Estudo

Miguel – Costumo estudar aos poucos, a minha mãe arranja-me fichas e faço exercícios dos livros.

Francisco –  Neste momento estou a usar uma técnica de estudo que a minha Mãe usava: lemos tudo seguido, mas parando em parágrafos ou assuntos: lemos várias vezes e repetimos várias vezes.  Gosto de repetir em voz alta. A Mãe faz uns apontamentos e eu levo-os no carro e vou dando uma olhadela até mesmo antes do teste.

Miguel – Lendo os resumos do final dos capítulos e depois a minha Mãe faz-me perguntas. Se não souber, vou ler de novo. E a Mãe repete as perguntas de novo.

6 – Ao rever mentalmente uma regra, uma fórmula matemática ou uma informação para ser classificada, forma-se uma imagem interior visual ou auditiva? Como é o  “fantasminha mental”. Ex:  Experimentemos somar 49 com 11.

Francisco – No 5º ano conseguia fechar os olhos e ver as palavras ou então ouvia a voz do prof a falar. Este ano uso mais a técnica da Mãe que é repetir em voz alta.

Miguel – Ouço a voz do meu pensamento; fecho os olhos, vejo luzes de várias cores ou efeitos enquanto o pensamento dita a matéria.

7 – Revisão Final para o Teste:

Francisco – Os Apontamentos da Mãe.

Miguel  – Na véspera, com a Mãe a fazer pergungtas. 

8 – O que favorece a concentração:

Miguel – Silêncio ou com alguém que não brinque, como o Pai ou a Mãe. Em total silêncio.

Francisco – Completo silêncio, no quarto, com a porta fechada; às vezes, quando estou a ler a matéria, meto uns “fones” e leio tudo, depois fico a pensar enquanto a música dá. Música calma, tranquila.

Sugestão de uma pergunta que seja útil aos colegas na iniciação à Metacognição

Francisco Pensem num quadro e num giz a escreveros números vendo o movimento dos números a aparecer à medida que o pensamento os dita.

Miguel – Pensem numa pergunta matemática: depois fechem os olhos e digam como é que fizeram a conta na vossa cabeça.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição. 

Miguel M e Francisco M N , 6A

Conversas na Oficina

A Melhor Vida de Sempre

MessiCreative Commons License cchana via Compfight

       O meu ídolo é o Messi, porque ele é amigável quando está a jogar com os colegas. Eu gosto de futebol porque acho muito divertido tentar marcar um golo. Já fiz um jogo em que ganhamos 11 a 5!

       A Família, para mim, é amor. Nas férias, é tão bom acordar de manhã e ir tomar o pequeno-almoço no hotel, todos em Família.

     Adoro brincar com os meus amigos, quando estou feliz com eles, mais aberto e mais à vontade. Costumamos andar de Skate, conversar sem fim, porque eu sou muito amigo das pessoas. 

       Já estive no Dubai e lá andei de camelo, na praia. 

      Estive nas férias, com o meu Pai, a andar de bicicleta. Esta é a melhor vida de sempre!

Zé G, 5B

A Felicidade Transborda

IMG_6022Creative Commons License Marianne Bevis via Compfight

      Eu adoro Ténis porque o Roger Federer é o meu ídolo de Ténis. Eu gosto de bater bolas com o meu Pai, só os dois sozinhos.

     Adoro quando o meu primo faz anos, porque eu fico com os seus amigos de 15 anos e os amigos, mas eu tenho 10 anos. Então eu posso brincar com eles, que são 5 anos mais velhos, o que “mete piada”.

      Adoro brincar com os meus amigos, porque quase não nos zangamos e por isso estamos sempre juntos. Adoro ir à piscina, jogar zoombies, na playstation do meu segundo melhor amigo e jogar na piscina; mas o que eu mais gosto é de fazer bodyboard com o Diogo, no Guincho! No Alentejo apanhei a minha maior onda e adorei.

      Adoro ir para a casa da minha Avó, porque vou para lá com o meu primo favorito. Então, à noite, quando paro para dormir, nós ficamos a ver vídeos para rir e a nossa Avó não nos consegue ouvir a rir, porque com a sua idade já não se ouve muito bem.

       Com tudo isto, a felicidade transborda!

Francisco Go, 5B

Ser Humilde

   Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash

  Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash  

    Ser humilde é uma atitude que deve ser trabalhada todos os dias, pois tal como uma rolha de cortiça na água é constantemente empurrada para a superfície, assim também nós sofremos de uma tendência para sermos o centro de tudo.

 Ser humilde passa por:

  • Tratar bem os outros;
  • Reconhecer o próprio consciente: ficamos a saber algo mais sobre nós; 
  • Os outros  recebem mais atenção, percebem que alguém os compreende.
  • Não é só ser carinhoso e amável, mas sim partilhar ativamente os seus dons com os outros, por exemplo: 
    •  um pintor partilha os seus quadros; 
    •   um professor partilha a sua sabedoria;
    •  um padre partilha a sua religião viva.  

     Como qualquer outro valor,  podemos treinar a humildade de formas muito simples, no quotidiano, tais como: 

  • Esperar uns segundos antes de falar quando uma discussão se torna acesa demais.
  • Ao longo de uma conversa, tomar a decisão consciente de escutar mais do que falar.
  • Apreciar a proximidade dos outros formulando perguntas não intrusivas mas que ajudam os outros a mostrar a riqueza dos seus pontos de vista.

      Ser  humilde tambémm é ser capaz de se dizer as atitudes de que não se gosta no outro, sem precisar de magoar alguém.

Margarida CC e OE

Texto a duas mãos segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra 

A Alegria de Fazer Anos

https://unsplash.com/photos/Z-4kOr93RCI

Imagem: Photo by Luca Upper on Unsplash

     Hoje eu Faço anos!(1) Acho que se deve celebrar, porque o dia em que eu nasci é muito entusiasmante: 

  • Fui e sou uma prenda para os meus Pais 
  • Para Mim própria
  • E para os meus Amigos

     Hoje vai haver um jantar fabuloso de Família: vão lá estar os meus tios, primos, vai haver um bolo de surpresa e vamos cantar os Parabéns com toda a Alegria para mim e para o meu tio que também faz anos neste dia.

      Espero que os meus amigos também se lembrem dos meus anos: Esta manhã a Joana e a Mariana já me deram os Parabéns e sinto como gostam de mim.

      Gostaria de receber um trampolim e todos lá em casa queriam ter uma piscina. Eu punha o trampolim no quintal de trás e podia saltar quando chegasse ao fim da tarde. Não sei o que a minha gata Emília pensaria ao ver-me pelo ar!

     Eu acho que os anos das pessoas são uma Alegria cheia de Fantasia. Estes valores enchem a nossa vida e dão-nos força para crescermos com Felicidade!

(1) 31/10

Matilde Cia, 5A