Conversas na Oficina: O Ano Maravilhoso

DSC_0234 Rachid H via Compfight

     Um bom momento do 5º ano foi conhecer os professores novos. Um bom professor é um ser carinhoso, uma boa pessoa, não grita com os alunos e explica bem. Um momento difícil do 5º ano, acho que não houve e nem quando tinha de estudar, não chegou a ser difícil demais. No 2º período é que houve muitos testes, não havia descanso.

      Na minha turma havia muitos bons amigos, ao contrário de uns poucos que poderiam ser mais amigos. Na minha turma, a principal qualidade é ser fácil arranjar amigos.

     Os meus projetos para o verão 2017 são ir à praia; gosto muito de ir ao Tamariz: vou a pé com os meus irmãos; gosto de brincar e nadar com a minha sobrinha; ela vai às minhas costas, dentro de água, pois ainda só tem quatro anos: quando vem uma onda, ela salta e eu seguro-a. Quando está a maré baixa, apanhamos caracoizinhos: quando vejo que estão ao sol, tenho medo que eles morram e ponho-os devagarinho na água. Mergulho sempre, mesmo que a água esteja gelada e uma vez até me arranhei porque mergulhei ao pé de uma pedra.

     Gosto de ir ao Aquashow no Algarve; aí, prefiro tudo! Mas ainda não estreei o escorrega de 33 metros. Eu e o Pai temos uma parede e jogamos à bola com raquettes. Gosto muito de ir à praia com o Pai, de conversar com o Pai e de brincar com ele à apanhada.

      Sejam felizes este verão! Ponham chapéus de sol e creme protetor.  Conversem uns com os outros, estejam sempre com a Família, brinquem com os mais novos; com os mais velhos também: joguem ao Monopólio, jogos fáceis que não sejam muito de andar e de correr. 

Ana Sofia D, 5A

Uma Emoção Viva em Mim

    hotel-aquashow-park-quarteira

Imagem – Aqua Show Park Hotel Quarteira

     Este verão fui ao Algarve com a minha família. A praia estava óptima e a água quente. Fiquei num apartamento que tinha piscina: eu ia lá todos os dias!

    Um dia antes de me vir embora, fui ao Aquashow de Quarteira: andei numa Montanha Russa de água; no final saltava água para cima de nós e das pessoas que estavam numa ponte. Senti uma emoção de aventura que ainda hoje está viva em mim!

   Passado algum tempo, encontrei uma amiga e passei para uns escorregas coloridos em que encravei a meio! Após isso, fui a outro escorrega que era a “Anaconda”: era tão escuro que não se via nada!

     No fim, fui andar de aviões que se viravam ao contrário. Tinha a sensação que ia cair e vomitar: era estranho mas giro!

Maria B, 6B