Traçando Rumos Singulares

Words for LifeCreative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      Hoje partilhamos a alegria de ter connosco, na Oficina, a querida antiga aluna Júlia Marçal,  psicóloga organizacional e free lancer numa série de iniciativas enriquecedoras que vão traçando um percurso singular no âmbito profissional.

     OE – Júlia, partilhe uma experiência de vida que tenha sido para si apaixonante durante os seus anos de escola.

     JM –  O que nos toca profundamente fica registado não só na memória, mas também na alma. Assim são as recordações que tenho enquanto aluna do Colégio do Amor de Deus. Um episódio muito engraçado, do qual tenho memória, remonta à minha vivência enquanto aluna do 2º Ciclo, quando, no 5º ano, fui ao Jardim Zoológico de Lisboa e, no decorrer do almoço, com colegas e professores perto da jaula dos macacos, um dos macacos, de pequeno porte, aproximou-se e furtou o iogurte da Professora Sandra Pedrosa. Foi a risota total 😊

     OEQuais são os principais fatores que têm modelado o caminho original que está a traçar como profissional independente?

     JMParticipar em projetos de naturezas diversas e contactar com tarefas e pessoas diferentes são os principais fatores que me motivam. Projetos como o meu livro: “A Comida como Almofada Emocional – Porque comemos sem ter fome?” tornam-se possíveis e permitem-me colocar a minha criatividade em prática e dar a conhecer o meu trabalho.

     OEQue conselhos daria a um jovem recém-chegado ao mercado de trabalho para se orientar no mundo complexo da busca de um emprego?

      JM –  O conselho que dou a estes jovens é o de escolherem um emprego alinhado com os seus valores e interesses pessoais, pois assim é mais fácil manterem-se motivados. Outro conselho é: não deixem de procurar outras e melhores oportunidades, de forma a aprenderem novas competências, o que se torna fundamental num mercado em constante mudança.

     OESe tivesse dois anos de liberdade financeira para sobreviver com um bem-estar moderado, a que atividades se dedicaria? Porquê?

    JM –  Nessas condições dedicar-me-ia à escrita, uma das minhas grandes paixões, assim como me dedicaria a projetos relacionados com o empoderamento das pessoas, aos níveis pessoal e profissional.     

    OE – Obrigada, Júlia, por teres aceitado participar nesta entrevista, no âmbito do desafio do #EdublogsClub. Desejamos que continues com o teu compromisso entusiasta e o teu trabalho criativo.

Júlia Marçal

Autora de “A Comida como Almofada Emocional

e Inesquecível Aluna do CAD

Perspetivas de um Jovem Filósofo

joao_rego_7B_novo_frame

Imagem: da Oficina de Escrita

     O momento marcante do meu 7º ano foi o toque de saída, multiplicado alguns milhares de vezes;  todos juntos dão um momento inimaginável em que saboreio a Liberdade na Escola. O toque que irei gostar mais será o último de nove de Junho.

    Um segredo sobre as notas: em Francês, o meu sucesso deve-se a ter um avô que sabe falar francês!

      Se o 7º ano fosse um animal, seria um leão-marinho, porque é muito gordo e nós temos muito que estudar.

     Sonhar acordado serve para nos distrairmos nas aulas, para termos um filme invisível à nossa frente. Leva-nos para o nosso mundo, o mundo da imaginação, sentimo-nos bem. Sai a maldade de dentro de nós.

      Se não fosse a Strª Marina Santos, eu provavelmente, não estaria neste caminho e não teria as notas que tenho agora. Ela puxou-me, falou várias vezes comigo, incentivou-me. Sim, ela merece um magnífico obrigado!

     Uma conquista deste ano, foi ter conseguido desenvolver mais amizades. Ganhei mais competência em controlo, tentei não fazer tantos conflitos e ter mais calma.

     As meninas bonitas, com um coração lindo, linda pele, lindo cabelo e lindo corpo, são uma mudança que me surpreendeu.

     Os meus projetos para este verão são brincar muito e jogar. Vou estar num resort em Portugal; vou encontrar-me com uma jovem senhora; vou muito à praia, mas o que mais prefiro é piscina. Estamos mais à vontade, não é preciso seguir tantas regras. O mar é mais difícil, o mar puxa e vamos ter a Marrocos.

      No meu horizonte está a minha nova casa, a estrear em Setembro. À noite fica escura, fica um pouco assustadora, mas vou gostar muito de estar no meu quarto.

      “A vida não é a nossa morada, é o nosso navio”, porque a vida tem muitos altos e baixos como um navio quando está no mar, dentro de uma tempestade; o navio segue uma direcção que é o seu objetivo, tal como a nossa vida tem o seu. Ele depende de cada pessoa que é, mas ao fim, tudo se interliga: os rumos de todos os navios irão dar ao mesmo porto? Um dia, sim.

    Sê bem-vindo, verão 2016, espero que nos tragas coisas boas, e também más. Com as coisas más aprendemos com as nossas escolhas, com esses erros e vemos a vida de outro modo.

(Ditado)  João Rego 7B

Brinquem no Mundo Todo!

'Floating', Australia, Queensland, Cairns

Chris Ford via Compfight

Momentos marcantes do 5º Ano

    JP As minhas brincadeiras e os castigos que marcaran os meus disparates.

DN – A festa do Final de Período.

Dificuldades na vida de Estudante

JP A concentração, com as dificuldades que nos desconcentram.

DNTermos que estudar fechados no quarto para temos boas notas.

Se o 5º ano fosse um animal…

JP Para mim seria um tigre, porque eles são ferozes como os professores e corajosos como todos os alunos que enfrentam os testes.

DNSeria uma Chita, porque assim eu seria muito rápido.

Um Acontecimento Quotidiano e Espantoso ao mesmo tempo

JP O meu Surf que eu adoro e me persegue.

DNJogar com a bola de Ténis.

Fish Breath

lolilujah via Compfight

Encorajar um amigo em dificuldade

JP Não desistas, eu estarei para te ajudar, aconteça o que acontecer.

DNAcalma-te, amigo. E alegra-te.

3 Projetos para o Verão 2016

JP Fazer Surf todos os dias, estar com os amigos e divertir-me à grande.

DN – Ser feliz, ter amigos, ter boas notas.

Para um Adulto não perder o contacto com a sua infância…

JP Vir comigo fazer Surf, que nas minhas memórias sempre vão ficar.

DNGravar e filmar os grandes dias da vida, para recordar.

Como é gostar de alguém?

    JP –  É ter um sentimento que nos toca e nos faz querer estar com ela; é ter o sentimento de adorar alguém, que nos faz adorar alguém. (Inspirado em Madalena P.)

DN  – É ser amoroso.

Um brinde às férias de verão 2016

JP Brinquem no mundo todo!

DN – Boa sorte, amigos. E então, depois, estudem bem!

João P 5A e Daniel N

Catarina S: Balanços e Projetos

Campeonato Nacional 2014

Campeonato Nacional 2014

Esta Entrevista foi realizada no verão de 2014. Publicamo-la agora com a devida autorização da nossa campeã e entrevistada que entretanto já passou para o 9º ano e deverá ter muitas novidades para contar sobre a belíssima Arte que exerce.

       O.E.  Mais uma vez temos connosco a Catarina, a nossa atleta de Ginástica Rítmica que veio para o CAD este ano letivo.

    Nesta semana de despedidas, veio partilhar connosco um pouco da sua situação atual em Ginástica Rítmica e seus projetos de futuro.

    Escolhi outro clube, isto é, volto para o meu clube antigo, onde estava antes, vou passar a treinar no outro clube SAD – Algés-Dafundo. A minha professora de ginástica, Patrícia Jorge, foi aos Jogos Olímpicos; e a outra, Sara Martins, foi treinada por uma das melhores treinadoras de Portugal e da Europa: Aída Pereira.

    O Projeto é ir de comboio, de motorista ou com os meus pais – como o meu pai trabalha em Lisboa vai buscar-me às 9 30 ou dez, o que é tarde. Mas vou reencontrar as minhas amigas antigas.

    Lá também posso estudar. Eu antes passava lá o dia inteiro. Saía da Escola às 13h 30, ia numa carrinha para lá e ficava até às oito. Aqui, neste clube, no colégio, são quase todos da segunda divisão, têm um ritmo menos “puxado”.

     Este ano, nos vários Campeonatos Distritais, no torneio de dedicação à Sara Martins, na Taça AGL, e outros torneios fiquei em terceiro lugar, em massas e arco, em segundo lugar em bola e em primeiro lugar em massas. No geral fiquei em 4º ,por meio ponto, que é a média de todos.

Campeonato Nacional

Campeonato Nacional

     Este foi o ano em que eu podia ter subido ao pódio no campeonato nacional; Para o ano temos subidas de categoria,  vão muitas pessoas para o nosso escalão e sobem todas as excelentes. Para o ano é mais difícil  subir ao pódio, porque há mais participantes no escalão de juvenis.

    Entretanto, Tenho treinado em casa: faço espargatas, passar os ombros, aranhas, pranchas, pontes, equilíbrios diversos, dorsais, abdominais…

    Em casa tenho um espaço razoável na sala, atrás dos sofás; fico a ouvir música e a treinar; uso 116 músicas diferentes que tenho no meu telemóvel.

    O. E.  seu Labrador costuma acompanhá-la durante os treinos?

     O Puré agora não pode estar comigo, porque o meu pai foi para Munique e a minha Mãe está a fazer-lhe uma surpresa e, como o portão se estragou, o meu cão não pode estar lá, senão foge, tem de ficar na garagem. Estamos a plantar flores e vamos pôr pedrinhas no chão, um canteiro,e,  como o Pai só volta sexta à noite, só vai descobrir no Sábado.

catarina_3_campeonato_nacional_2

     O. E. –  Quais os seus projetos para as próximas Férias:

    Vou uma semana para Sagres, depois vamos para uma casa gigante com uns amigos nossos, e, finalmente, para os Açores. Aí,vamos fazer canoagem, vamos estar nas rochas, onde há cascatas, fazer alpinismo, entrar em grutas, fazer mergulho, nadar com golfinhos, fazer um passeio onde vamos ver baleias, golfinhos tartarugas, vamos às furnas.

    Em família, temos outro projeto a longo prazo, que é construir uma espécie de complexo para Turismo de Habitação, em Sagres, em frente ao mar, num conjunto de pequenas casas geminadas; nesse terreno inclui-se um estabelecimento onde se criam animais de quinta, como cavalos, patos, coelhinhos, burros.

  A ideia é proporcionar às pessoas estrangeiras e de Portugal a possibilidade de irem lá passar as férias, terem descanso, poderem saborear um pequeno-almoço de pãozinho quente com queijinho, leite acabadinho de sair da vaca; poderiam ainda praticar diversas atividades, tais como aulas de surf, aprender a cozinhar comida vegetariana, passeios de burro, aulas de condição física, e, para os pais estarem mais descansados também haveria baby-sitting.

     Cá fora, haveria um jacuzzi, uma piscina e, como atividades de relaxamento, massagens, pedras quentes, aromaterapia, sauna japonesa.

         O. E.  Muito obrigada pela sua participação na nossa Oficina e as maiores felicidades para estes Projetos criativos e que contagiam a Esperança. Assim se renova o mundo!

Catarina S 6C

Sofia VG: o Encanto da Patinagem

Spectacle patinage artistique sur roulette (49)

Orick Kimy via Compfight

OE – O que a atraiu na Patinagem?

Sofia VG – Já tinha andado na dança, no hip-hop… o meu Pai falou-me nesta modalidade e quis experimentar.

OE – Onde pratica?

Sofia VG – No Grupo Desportivo Recreativo Familiar de Murches.

OE – Qual o ritmo dos seus treinos?

Sofia VG – Treino 3 vezes por semana, entre 45 minutos  a uma hora.

OE – Há quanto tempo pratica este desporto artístico?

Sofia VG – Desde Setembro de 2015.

OE – Como decorre um treino normal?

Sofia VG – Primeiro damos quatro voltas ao rinque para aquecer; duas a patinar para a frente e duas a patinar para trás. Segundo, treinamos os testes e os saltos.

OE – Em que consistem os Testes?

Sofia VG – São testes que temos de fazer para subir de nível. Já fiz quatro e passei em todos, mas ainda não vou a Campeonatos.

OE – Que salto considera mais difícil?

Sofia VG – O salto mais difícil é o do Loop: temos de dar uma volta no ar; primeiro vamos a andar para trás, depois salta-se tentando girar e cair sobre o patim direito com um joelho fletido.

OE – Que música a inspira mais?

Sofia VG – Nas aulas só treino saltos para os testes, não ouvimos música. A Treinadora está a observar-nos, diz-me o que estou a fazer mal e depois mostra-me, ela própria, como devo fazer.

OE – Quais os seus objetivos nesta modalidade artística?

Sofia VG – Para já, continuar a aperfeiçoar a dança e os saltos com enorme prazer.

OE – A sua Oficina de Escrita deseja-lhe as maiores felicidades na sua aventura de Patinagem.

 

(Ditado) Sofia VG, 7A

Entrevista a uma Jovem Youtuber

ines-nokas-Under the big top - piano YouTube

Imagem: Inês Nokas – You Tube

     Temos hoje connosco, na Oficina, Inês M, que vem partilhar a sua experiência de youtuber, em segurança, na Net.

OE – Como se tornou uma Youtuber?

Inês M – Desde o mês passado (Fevereiro).

OE – Como teve esta ideia? 

Inês M – Vi muitos vídeos e percebi que eu também podia ser uma Youtuber. 

OE – Toma os cuidados necessários para estar com segurança on line?

 Inês M – Sim, não mostro o rosto, não dou informações pessoais e tenho licença dos meus Pais. 

OE – O que gosta de partilhar com a sua audiência global?

 Inês M – Gosto de mostrar o que gosto de fazer, porque me divirto a fazer os vídeos.

OE – Quais são os assuntos que já partilhou ao longo do primeiro mês? 

  Inês M – Partilhei como jogar Piano Tiles 2 e depois fiz quatro vídeos a jogar; mostrei os meus livros em dois vídeos; dei dicas de bons canais para as pessoas se inscreverem; mostrei como jogar Robbery Bob 1; mostrei as minhas malas,e as minhas coleções de cartas; mostrei o meu Tablet (do meu Pai) e os jogos de Tablet; ensinei alguns cuidados a ter com coelhos de estimação; fiz dois vídeos com músicas que toquei no piano; outros dois com os meus desenhos de desenhos animados e ainda um com um truque de magia.

OE Quais os benefícios em jogar Piano Tiles? 

 Inês M – O Piano Tiles exige muita concentração, treinamos os reflexos. Nas músicas mais difíceis temos que treinar muito para alcançar o nosso objetivo, que é ganhar uma estrela. 

OE – Também encontra ajudas nos canais que subscreve?  

Inês M – Há um canal que me ensinou a fazer os meus desenhos do Diário Gráfico: Igor SaringerEu vou parando o vídeo para seguir os passos. 

OE – Muito obrigada por esta partilha. Voltaremos a encontrar-nos em Maio para nos contar sobre os seus progressos na arte de comunicar em Vídeo e sobre as suas novas produções. Muitas felicidades na Web.

Conversas na Oficina

Inês M, 6C

Entrevista a uma Jovem Ginasta

sarau_ritimica_madalena_c

Imagem: Sarau do CAD 2016

OE – O que aprecia mais nesta actividade artística?

MC – A beleza das danças, dos exercícios que fazemos com os aparelhos.

OE – Há quanto tempo treina e com que regularidade?

MC – Treino há um ano e cerca de cinco meses. Treino duas vezes por semana, das seis ás sete. Antes de qualquer Festa treinamos toda a semana das seis às sete.

OE – Está neste momento a preparar a Festa do CAD com a sua equipa. Fale-nos um pouco des

MC – Gosto muito da coreografia. Já conseguimos coordenar os movimentos. Ainda há uma menina que canta alto e distrai-nos. Vamos dançar durante cerca de 10 minutos; primeiro há um discurso das Diretoras, entramos a seguir ao 5º ano, por volta das 21 50.

madalena_6c-sarau_fitas

Imagem: Sarau do CAD 2016

OE – Qual é a música escolhida?

A música “É preciso perder para depois ganhar”, pois esse é o refrão.

OE – Quais as principais figuras que vão apresentar?

MC – Entramos a descer as escadas, com uma maça.

Nesta coreografia fazemos a onda, a gazela, flexão atrás, e pé à cabeça.

OE – Como vão vestidas?

Vamos de branco e preto, com Leggings pretas, uma camisola de alças branca por dentro e uma camisa branca. Há uma parte em que desapertamos os botões e corremos com as camisas a esvoaçar.

madalena_c_sarau_3

Imagem: Sarau do CAD 2016

OE – Que qualidades aprecia na sua prof?

MC – A professora Carla parece uma mãe para nós. Quando faltamos, fica muito preocupada; é muito brincalhona a ensinar, inventa sempre jogos, mas quando é preciso também sabe ralhar. Faz anos este mês!

OE – Em que é que a ginástica rítmica a tem ajudado a crescer como adolescente?

MC – Raramente brincava com os rapazes e agora brinco mais, porque eles gostam de nos ver e de brincar connosco.

OE – Quais os seus Projetos na prática desta modalidade artística de desporto?

MC – Espero chegar ao nível de competição; se não chegar, passo para a modalidade de ginástica acrobática, no Dramático.

madalena_c_sarau_final_2

Imagem: Sarau do CAD 2016

OE – Poderá expressar-nos em palavras o que vive quando dança?

MC -Quando danço, apetece-me cada vez dançar mais, sinto-me esplêndida, parece que estou a voar, acredito mais facilmente em mim própria, confio mais intensamente no futuro.

Madalena C, 6A

Entrevista a uma Jovem Escoteira

2Mem Martins _ Associacao_de_Escot

Escoteiros de Mem-Martins 1º Trimestre

Hoje temos connosco, na Oficina, uma jovem escoteira, Margarida C, que vem partilhar connosco algumas das suas vivências mais especiais.

 OE – O que a decidiu a tornar-se escoteira?

MC – O facto de poder ajudar o mundo em várias circunstâncias à nossa volta. 

OE Como por exemplo…

MC  – Levar as compras a casa de um senhora de cadeira de rodas; participar na Campanha de JJóticos e na dos Cem anos dos Escoteiros.

OE – Há quanto tempo pertence a esta Instituição Internacional?

MC – Estou inscrita desde os sete anos, já fui Lobito, nesta fase sou Escoteira e, na próxima etapa vou pertencer aos Exploradores que, no CNP – Corpo Nacional de Escutas – corresponde aos Pioneiros. Eu pertenço à AEP – Associação dos Escoteiros de  Portugal, na filial de Mem-Martins.

OE – Qual foi o melhor acampamento da sua vida?

MC – O Acampamento de Ribeira de Pena, pois foi aí que fui merecedora do cargo de Sub-Guia. Também fizemos guerra de pistolas de água, arborismo e rapel.

OE – Quais são as funções de um Sub-Guia?

MC – Ajudar o Guia, ajudar os Chefes quando eles precisam, ajudar a planear atividades, participar em jogos noturnos, ajudar a montar tendas. Uma vez ajudei na “Alage de Guia” que é um exercício de pioneirismo: fazemos o nó que se dá nas cordas que envolvem as bóias salva-vidas; construímos uma tripé que serve para criar uma mesa de almoço; fazemos uma esquadria, que serve para criar o perímetro do acampamento…

OE – Partilhe connosco uma experiência única.

 

MC – Uma vez, fomos de Mem Martins até à Praia das Maçãs e um colega nosso ficou a dormir na praia. Nós fomos embora, mas ele tinha levado o telemóvel escondido e conseguiu avisar-nos. 

OE – Muito obrigada pela sua partilha e as maiores felicidades para a sua belíssima aventura no Escutismo.

 

(Ditado) Margarida C, 6C 

A Paixão do Moto Cross

manel_d_-ARROW-KTM-DUKE-125_

Imagem de: Echapepement ARROW TH

Hoje temos connosco, na Oficina, Manuel D, um verdadeiro apaixonado por Moto Cross que veio partilhar as suas vivências únicas e as suas corajosas expectativas.

OE  – Desde quando se sentiu atraído pelo Moto Cross? 

MD – Eu comecei a sentir-me atraído pelo Moto Cross desde quando, vendo na televisão e em vídeos, percebi que era um desporto radical. 

OE – Tem alguém na sua Família que pratique este desporto?

MD – O meu Pai também; nós, quase todos os domingos, vamos à Serra de Sintra de Moto 4, para fazer Cross.

OE – Como aprendeu a dominar a sua máquina?

MD – Eu, na minha primeira moto, tinha um fio atrás para se o meu pai achasse que eu estava a andar mais rápido, puxar. Ou então ele tinha um comando que desligava a moto.

OE – Quais as vantagens desta sua segunda moto – uma TTR 115 em relação à YFM com cilindrada de 90 cm3 – ?

MD -As vantagens de andar de moto são praticar um desporto radical, também não me magoar tanto, porque é uma moto 4; mas há os perigos na mesma. Eu vou receber uma TTR 115, essa já é uma moto de duas rodas, é mais perigosa.

O E – Quais os seus locais preferidos para praticar?

MD – Eu mudei-me para uma casa – um condomínio – que tem um campo próprio para Moto Cross, onde posso treinar sem incomodar os vizinhos, mas levanto muita terra.

OE – Relate-nos uma experiência inesquecível.

MD  – A experiência mais inesquecível que tive foi quando um dos meus melhores amigos, o Kiko, que tem uma TTR 90, no momento em que eu estava a sair de moto, ele tinha a moto dele em primeira e foi contra a casa. E o Pai dele tinha acabado de dizer: ” – Sim, sim, está tudo controlado.”

OE – Que Projetos para o seu futuro nesta prática desportiva favorita? 

MD – Eu gosto muito de andar de moto e queria que, até ser mais velho, pudesse ter motos e vir a ensinar o meu filho e que ele gostasse tanto como eu. Um dia posso dar-lhe as minhas proteções novas: um peitoral em plástico, preto, botas pretas com ponta de ferro e uma placa flexível, com pregos, que protege as costas. 

 OE – A sua Oficina de Escrita deseja-lhe as maiores felicidades na realização dos seus sonhos desportivos.

Manuel D, 6A

Conversa com um Jovem Guitarrista

Stratocaster

David Ferreras via Compfight

Projetos Musicais para Fevereiro

    Vou tocar muitas vezes as minhas  guitarras, mas como invento solos, então não gosto que me ouçam.

    Há umas escalas e é suposto eu improvisar nessas escalas. Por exemplo, na escala de sol maior, começo no terceiro traste e na sexta corda; 1- 4- com o indicador e o mindinho; 1-3 com o indicador e o anelar; 1-3- igual; 1-3 – igual; 1 – 4 com dedo médio e o mindinho; 1-4 igual: é suposto improvisar, não fazer esta sequência sempre igual.

     Quando estou a inventar, não começo logo a tocar bem, tenho de ir fazer a composição e depois ainda treino; não sei o que vai sair; quando faço uma melodia de que gosto, consigo apanhá-la outra vez de ouvido. Criei uma chamada “Rock and Roll”.

Na escola de Música

     Primeiro toco a Valsa 2 na guitarra clássica, uma música nova chamada “little star”. Depois, passo para a guitarra eléctrica, depois tocamos o “get back” dos Beatles e o “Smoke on the Water” dos Deep Purple. Introduzimos efeitos e o meu amplificador dá  já para os fazer, pois comprei um igual ao da minha escola.

Perspetivas para Março

     Depois do Carnaval, as novas e últimas músicas que aprendi foram Layla de Eric Clapton, na guitarra elétrica e a Valsa 3, na guitarra clássica.

    As que vou aprender nos próximo fim de semana são “Purple Haze” do Jimmy Hendrix  e mais um bocadinho do solo do Hotel California dos Eagles que é a música favorita do meu avô.

Diogo Tv, 8A

Entrevista a uma Jovem Cavaleira – II

 CEIAImagem: da Autora

Publicamos hoje a continuação da nossa conversa com a jovem cavaleira Teresinha R de P do 6ºA que terminou também brilhantemente as suas Provas Nacionais de 6º Ano. 

OE.  Fale-nos um pouco da sua relação com as Éguas “Rufia” e “Utopia”.

T R de P – Dou-me bem com elas; a “Rufia” percebe logo quando estou contente; gosta de festas. Em Badajoz, o treinador disse que lhe dávamos muito mimo, porque que ela estava arquejante. Nos treinos também monto muitas vezes a égua “Utopia”. A “Utopia” tem uma passada muito maior, enquanto a “Rufia” tem o passo pequenino; a “Utopia sai mais longe do obstáculo; mas tem menos experiência de salto, ainda só fez uma prova; foi comigo e ficamos em primeiro lugar. É um alazão castanho, meio dourado, com a crina castanha.

teresinha_2_badajoz

Conjunto Teresa e “Rufia” 

OE. Como se poderia caracterizar o ambiente na Prova de Badajoz?

T R de P – É uma prova competitiva; entra-se com mais garra. Não tenho que ir num ritmo calmo, devo inventar atalhos, o cavalo pode ir à carga, porque é o mais rápido que ganha tudo.

OE. Quais são os seus projetos a médio e longo prazo, em relação às provas de alta competição?

T R de P – Para participar na Alta Competição, tenho de ter um cavalo; não posso fazer melhor com o cavalo com que treino agora. Por isso, vou trabalhar aos dezasseis anos, para poder comprar e sustentar o meu próprio cavalo. Daqui até lá, por exemplo, para a Prova de Badajoz, em Agosto, vou fazer Cup Cakes, pulseiras e vender na praia. 

OE. Agradecemos a partilha desta vivência ímpar no mundo da Equitação e desejamos-lhe as maiores felicidades para os Campeonatos deste verão.

Teresinha R de P, 6ºA

Reflexões Finais

6th grade parent day: hallway posterCreative Commons License woodleywonderworks via Compfight

Em despedida de Grupo,  partilhamos o  balanço do nosso desempenho.

OE –  Um aspeto gratificante deste 5ºAno?

 Margarida C.A amizade entre todos; vivida em momentos especiais, como o “cad tem talento”, com as minhas companhias favoritas, a Sara e a Carolina.

Carolina F. – Apreciei os amigos; a Margarida e a Sara. Estivemos em festas e partilhamos os recreios, em especial. A amizade representa paz e alegria na nossa vida.

OE –  Em que medida têm alcançado os vossos  objetivos de estudo?

Margarida C. –  A Música estou satisfeita. Gostaria de me aperfeiçoar a Matemática, a Português e a Inglês.

CarolEstou satisfeita a Inglês, Matemática e História. Gostaria de evoluir a música a Ciências  e a Educação Física.

OE –  Têm alguma estratégia em vista?

Margarida C.Talvez refazer o horário de estudo em casa: quando não tenho atividades, 2ª , 4ª e 6ª, chego a casa por volta das 17h; lancho e começo pelas disciplinas em que tenho mais dificuldade e com elas gasto mais tempo. Neste caso, a Inglês, é necessário ter um tempo para verbalizar, porque às vezes é difícil pronunciar.

     Devo orientar o meu estudo por horas: demoro mais tempo a Português e a Matemática; a Matemática tenho de ir com calma, porque perco-me do ritmo da professora; em casa consigo refazer a aula, mas quanto ao sítio em que me perdi, bloqueio logo. Normalmente, tiro as dúvidas com a minha mãe. Sugiro refazer os exercícios da aula, com a minha Mãe.

     Para Português, sugiro treinar verbos com o meu irmão que é um craque: um verbo por semana durante 3 semanas de cada período; em relação à interpretação, posso fazer a leitura indicada para férias e partilhar na Oficina de Escrita.

Carolina F.  – Chego todos os dias às 4h e 20, menos às 4ªs. Tomo o lanche da tarde e vou estudar até à hora do jantar. Devo fazer intervalos de 45 em 45 minutos para manter uma boa concentração. Na Oficina de Escrita preciso que a professora me dê o tempo necessário para escrever. Gostava de fazer os meus próprios resumos de Ciências.

OE –  Como veteranas do 2º Ciclo, que sugestões nos dão para uma escola diferente e mais feliz?

Margarida C. e Carolina F.Gostava que usássemos roupa normal; sermos um bocadinho mais livres, por exemplo, todos termos cartão azul; nas tardes livres não termos apoio ao estudo. Trabalharmos a pares nas aulas, irmos mais vezes ao quadro; cada semana mudarmos de Delegado de Turma.

OE – Desejamos umas Férias venturosas e  um Verão 2015 cheio de surpresas.. 

Entrevista a uma Jovem Dançarina

matilda_m_art_move_mini

Créditos: Art Move – Cascais

OE Temos hoje connosco a jovem Matilda, já despedida do 2º ciclo e pronta para se dedicar à sua Arte preferida.

 Desde quando surgiu o seu amor pela Dança?

M. M. –  Surgiu quando eu era pequenina e a minha prima fazia ginástica acrobática. A minha mãe quis  pôr-me no ballet. Eu gostei muito de estar no ballet quando era pequenina, na minhha escola.  Ao mudar de escola, fui inscrever-me nos Ballet dos Bombeiros de Alcabideche, onde fiquei até aos sete anos.

OE – E qual tem sido o seu percurso na Dança a partir dos sete anos?

 

 M.M. – Dos sete anos até hoje consegui evoluir:  como mudei para o hip hop um ano, deu para experimentar uma coisa nova, muitos tipos de dança, desde dança contemporânea, jazz e voltei ainda um bocadinho ao ballet.

OE  – Qual é o ritmo da sua prática de Dança?

M.M. – Danço uma vez por semana, a partir de Junho já vão ser duas vezes, no Art Move em Cascais.

OE – Que modalidade pratica atualmente?

M.M. – Pratico dança jazz. Não quis ir ao Hip Hop porque não tinha tantas regras. A dança jazz tem mais regras e mais posição, é isso que gosto muito. Inventar coreografias:  de vez em quando invento e vou dançar durante o jantar, dou um espetáculo para a família. Ontem houve o espetáculo público, mas não compareci porque  não estava cá, fui ao aniversário da minha avó…

OE – Obrigada por esta partilha. Desejamos-lhe os melhores êxitos para o seu percurso na Dança.

(Transcrição) Matilda M, 6A

Entrevista a 4 Mãos – II

BICO-CHATO-DE-ORELHA-PRETA (Tolmomyias sulphurescens)Creative Commons License Dario Sanches via Compfight 

8. Que deve fazer um adulto para não perder o contacto com a sua infância:

Mariana: Ter um objeto que, sempre que ele olhe para ele, faça vir uma criança ao seu coração. Margarida: Brincar com os seus filhos aos bonecos. Carlota: Nunca mudar e deixar-se estar como era antes. Vasco: Ele, no seu sítio secreto, tem uma máquina do tempo que só funciona à noite. A máquina faz a ação e ele ficará onde sempre gostou de estar. 

9. Proposta para atividade na Oficina de Escrita no 6º ano:

Mariana e Carlota: Fazer jogos, jogos  de escrita e festas. Margarida: No Carnaval, organizarmos um dia para fazermos jogos.  Vasco: Gostava que houvesse um quadro.

10. Como é gostar de alguém?

Mariana: Gosto de uma pessoa porque ela gosta de mim e quando estou triste, ela me ajuda e assim eu gosto dela. Vasco: Ficando com ele ou ela vários tempos. Margarida: Pelo olhar e o sentimento.

 Carlota:  Gostar de amizade; devemos estar sempre lá para ajudar, mesmo no momento mais difícil, e gostar de uma pessoa é admirá-la, não por fora, mas por dentro.

11.Para que serve sonhar acordado?

 Mariana: Sonhar acordado faz-nos pensar nas coisas que vêm na imaginação. Margarida: No primeiro ano, comecei por contar na aula, mas eu não ouvia ninguém. 

Carlota: Sonhar acordado ajuda-nos a pensar sobre a vida real, mas sem pensar nos problemas que podíamos ter por causa disso.

12.Que sonhos se estão a tornar realidade?

Carlota: O sonho de passar o ano e de ter muitos, mas mesmo muitos amigos. Margarida: Gostava de estar no terceiro ano de novo. 

13. Pressentimentos – Como sabemos que algo vai acontecer?

Margarida: Gostava que me dessem um iphone. Isso não sei se vai acontecer. Carlota: Às vezes sonho com o futuro ou tenho um pressentimento estranho. Vasco: Paro e sei que isso vai acontecer; e não vais deixar isso ir-se embora, pois assim não vais ter o que sonhas. Mariana: Sei, pois algo vem ao meu coração.

Entrevista a 4 Mãos – I

Three Gulls Eric Bjerke via Compfight

1. Um momento inesquecível que marcará para sempre a memória do nosso 2º Ciclo:

Carlota e Mariana: A Festa do Carnaval. Vasco: A Festa da Centésima Lição. Margarida: O Carnaval.

2. A maior dificuldade que as exigências do estudo trazem à nossa vida:

Carlota:  Quando eu estou a estudar tenho sempre uma coisa melhor para fazer. Vasco: Estar a pensar nas respostas.

3. Uma pergunta que me persegue de vez em quando:

Mariana: Por que é que nós morremos?

Carlota: O que vai acontecer depois da morte? O Charlie e a Maria Sangrenta são verdadeiros? Os espíritos estão aqui ao meu lado? Por que há vida neste planeta e se calhar não nos outros? Vasco: Como será depois da morte? Em cima das nuvens, as pessoas boas estão lá a morar?

4. Um acontecimento que se possa considerar quotidiano e espantoso ao mesmo tempo:

Mariana: O facto de haver amigos. Carlota – O mistério da vida. Vasco: Surfar e jogar futebol; há vários amigos e assim convivemos com todas as pessoas. Margarida: O facto de existirem os irmãos.

5. A frase que eu diria a um amigo num momento difícil:

Mariana: “Não fiques assim, tu vais conseguir vencer essa tristeza.” Carlota: “Eu vou estar sempre aqui para te ajudar e apoiar para sempre.” Vasco: “Se não fores tu, quem será a brincar e a fazer loucuras comigo?” Margarida: “Sê forte, nunca desistir, tem coragem.”

6. Se o meu 5º ano se transformasse num animal:

 Mariana: num Leão, porque é forte e é o rei. Margarida: Para mim, seria um Leão. Vasco: Um papagaio, pois tem várias cores  e as cores são um destino. Carlota: Leão, porque às vezes é muito mau e às vezes é muito meigo.

7. Três desejos para realizar durante o Verão 2015:

Mariana: Estar com os meus amigos, divertir-me imenso e aproveitar o tempo que resta com a minha irmã antes que ela vá para os Estados Unidos. Margarida: Eu quero voar, sair à noite e, todos os dias, ir ao Jacuzzi.

(Continuação aqui)

Entrevista a uma Jovem Cavaleira

 I Parte

O.E.  – Hoje temos connosco, na Oficina, a jovem cavaleira Teresinha R de P que pratica equitação há 3 anos e acaba de ficar classificada em primeiro lugar, na prova realizada em Badajoz, nos passados dias 30 de Abril, um e dois de Maio.

     Congratulamo-nos com esta vitória e com a sua partilha da extraordinária experiência em que se pode transformar esta modalidade desportiva quando o talento e a maestria se aliam a um verdadeiro amor pelos cavalos.

 

OE.  Desde quando e como nasceu esta sua paixão pelos cavalos?

T.R. de P. –  A Mãe tinha um amigo, R. S. P. que tinha uma filha, a Nonô; fui vê-la  montar. Depois fui com a Sofia, a professora, às boxes, ver os cavalos. Aí é que comecei a gostar. Parei de montar, porque estava sempre em volteio, pois o meu tio dizia que eu era muito pequenina. Comecei a fartar-me e desisti. Um dia pedi para montar outra vez e aí voltei mesmo.

OE.  Quando começou a treinar a modalidade de saltos de obstáculos?

T. R. de P. – Monto há 3 anos, à séria, sem volteios. Passado um ano, comecei com os obstáculos, que é uma modalidade própria da Escola. Quando a Professora Sofia vê que estamos preparados, ensina-nos.

OE. Com que frequência pratica o seu desporto preferido?

T.R. de P. –  Nas férias, se estou cá, vou sempre o dia todo; até almoço lá. No tempo de aulas, monto todos os dias ás cinco; às vezes até vou diretamente para a Escola com os filhos da Sofia. A aula termina às seis; depois tenho de tratar do cavalo e saio às seis e meia.

4. Durante os treinos, que técnicas se esforça mais por aperfeiçoar?

T.R. de P. – Treino mais a posição, pois curvo um pouco as costas e levanto a cabeça; treino para não deixar a “Rufia” borregar; treino para avançar na volta e ficar à espera à frente do obstáculo; nos treinos a “Rufia” não tende a desviar-se do obstáculo; só nos campeonatos: aí eu abro um bocadinho a rédea. Nos treinos, monto também a “Utopia”. É uma égua que tem a passada muito maior; a “Rufia” tem a passada pequenina; por isso a “Utopia” sai mais longe do obstáculo; mas ela tem menos experiência de salto, ainda só fez uma prova.

OE. Em sua opinião, quais as qualidades que um Conjunto – cavalo e cavaleiro – deve apresentar para um bom desempenho em prova?

T.R. de P. – Se os cavalos forem muitas vezes montados e entrarem em muitas provas com eles, adaptam-se aos cavaleiros. Dou sempre biscoitos à “Rufia”. Já provei os de maçã, mas cheiram melhor do que sabem.

[…]

Balanço de um Novo Ciclo

welcome_to_venetia_miniImagem: Welcome to Venezia – Roblox

OE –  Este ano letivo, até agora, uma experiência intelectualmente estimulante:

Duarte P. – Acho que eu, na aula de história, aprendi imensas coisas sobre o meu país, durante o ano passado. Este ano, percebi que, tendo uma amigo no Brasil, ele, como Português, tem muito pouca cultura, pois perdeu muitos anos de estudo. Acho importante termos este conhecimento sobre a história do nosso próprio país.

OE – Um novo horizonte que se abriu:

Duarte P. – Normalmente, as crianças têm curiosidade sobre o Egito, mas só querem ouvir histórias sobre múmias. Eu consegui aprender muito sobre as civilizações antigas, consegui ganhar interesse sobre essas vivências, o comércio dos egípcios, a importância dos faraós, a sacralização de um poder absoluto.

OE – Vivências dignas de nota com os amigos, dentro e fora da Escola:

Duarte P. – O facto de o Duarte F e o João B estarem na minha turma é muito bom. Antes, os nossos horários eram diferentes; agora conseguimos conviver mais, temos os mesmos horários e experiência das aulas em comum.

 Este ano fui ver a “Comédia a la Carte”, no teatro Vilaret, em Lisboa e foi super divertido. Os próprios atores diziam que era um espetáculo sem piada nenhuma, podiam improvisar, passar três horas a cantar “Lá, lá, lá”, a estalar os dedos e a cantar, mas afinal, quando as pessoas fossem reclamar, eles iam perguntar: “- Não teve piada? Mas nós avisamos!”.

   Foi giro, vimos o César Mourão e o Carlos Cunha; eles chamaram pessoas ao palco: sempre mulheres, mas por último, chamaram um senhor chamado Hugo que contou que foi a um jantar e esteve no palco a fazer de Olívia Palito. Os atores iam-lhe fazendo perguntas sobre a sua mulher, como se conheceram…   depois representaram a história dele e da sua mulher. Improvisavam com comédia, tinham também de cantar e dançar.  No final do espetáculo, eu fiquei à espera nos bastidores, o César Mourão lembrou-se do meu nome. mas não se lembrou  do nome do Duarte.

OE – Expectativa de uma novidade:

Duarte P. – Eu estou entusiasmado com o Natal, porque vou receber algo que me vai ajudar no jogo Roblox: a ter mais dinheiro, roupas e vips . Vai durar para sempre, serei como um deus que domina tudo! Outragious Builders Club: vou receber a entrada no clube – só podem pertencer as pessoas que entram no jogo. Neste momento sou um cidadão robloxiano e posso jogar jogos normais. Se tiver dinheiro no jogo, posso comprar acesso a outros jogos mais interessantes. Welcome to Venezia – uma espécie de “Viver em Veneza”, só que a cidade é muito mais futurista e há carros voadores. Eu e o Duarte conseguimos jogar numa altura em que era grátis e podiamos experimentá-los – custam 25 robux.

Ditado por Duarte P, 7C

Uma Paixão pelo Mar

2013 Bay Wind Misc
Creative Commons License Photo Credit: Paul B viCompfight

     Hoje, temos a honra de ter connosco, na Oficina, o jovem velejador Tomás G, já conhecido entre nós como autor de vários artigos, que acedeu a dar-nos esta entrevista sobre a prática do seu desporto preferido.

    Atendendo ao interesse e extensão desta partilha de experiências únicas, vamos publicar a entrevista em dois momentos, a fim de tornar mais confortável e saborosa a sua leitura.

OE – Qual a categoria em que pratica vela? 

Tomás G. – Pratico vela em pré-competição. 

OE – Há quanto tempo pratica esta modalidade de vela? 

Tomás G. – Pratico vela há cinco anos.

OE – Qual a intensidade dos treinos?

Tomás G. – Treino todas as semanas, ao fim de semana, das dez da manhã às cinco da tarde. 

OE – Que equipamento deve utilizar?

 Tomás G.- Boas lycras, cheias de pelo, mais um fato térmico ou um neopren, uns sapatos de vela, para não escorregar, umas luvas impermeáveis, um bom corta-vento, um gorro para não ter frio na cabeça e, o que é mesmo essencial, um colete indicado para um navegador – o meu é vermelho e branco.

publica_opti_std_mini

Curso de Vela do Clube Naval de Cascais

OE – Descreva-nos uma sessão típica de treino. 

Tomás G. – Para o pequeno-almoço a Mãe costuma fazer uns bons ovos mexidos para eu ter energia; mesmo assim, às vezes não chega. Começamos o dia a tirar os barcos das prateleiras; de seguida, aparelhamos os barcos; depois, vamo-nos equipar; temos uma reunião com o meu Treinador e só depois vamos para a água. Os primeiros exercícios são as “largadas à lebre”(1); depois rondamos as bóias, almoçamos no barco (2) e fazemos regatas entre nós. No fim, voltamos para terra, desaparelhamos os barcos e vamos para o duche, (3) que é ótimo.

OE – O o que o levou a escolher esta modalidade?

Tomás G – Íamos, às vezes, almoçar a um restaurante na marginal, que dava para o mar, e eu sempre dizia: “- Adorava andar de barco!”

OE – Indique alguns aspetos que mais aprecie neste seu desporto favorito.

Tomás G. – Ver que consigo passar ondas e ventos muito fortes; o prazer de manobrar bem o barco; a sensação de poder navegar sem fim. Quando olho para terra, sinto muita tranquilidade; olho para outro lado, vejo o Clube Naval; ainda para outro, vejo o mar infinito; e, por cima de mim, imensas nuvens ou um céu azul, que, visto do mar, é redondo. Visto de terra, olhando para cima, parece-me plano.

(1) – Um barco faz as vezes de “lebre” e nós temos de rondar a “lebre” e ficar alinhados. É difícil, às vezes uns chocam.

(2) – Às vezes nem sequer almoçamos porque o treino não permite parar. E eu morro de fome!

(3) – Logo de manhã temos de marcar: “Fico com aquele”, pois só há 5 duches e somos cerca de 10; senão roubam-nos o duche e ficamos com água menos quente.

Fim da I Parte

Atividades de Eleição

Fluid Magenta & Blue Mist Abstract Painting
Creative Commons License Photo Credit: Mark Chadwick via Compfight

     Esta tarde, na Oficina de Escrita temos connosco a Sofia L, a preparar perguntas para fazer à Cátia O do 6ºB, que gosta de fazer de tudo um pouco, com uma lista de preferências bem recheada:

Cátia – O que eu gosto mais é de fazer equitação todos os Domingos, praticar Natação no Cad e ainda tenho o projeto de voltar à Ginástica Rítmica.

O. E.- Quer dizer que interrompeste essa modalidade desportiva tão aliciante?

Cátia – Na verdade, eu tinha interrompido há alguns anos esta atividade, porque, havia alguma incompreensão por parte das professoras e eu chegava a casa com os pés a sangrar.

O. E. – Para além destas práticas habituais, alguma experiência inesquecível na área das atividades ao ar livre?

Cátia – Sim, fiz interação com golfinhos, uma inesquecível experiência que gostaria de repetir.

O. E. – Em relação a atividades que exijam mais interioridade, um pouco de reflexão…

Cátia – Gosto de vários tipos de leituras; tenho uma tática para ver se gosto de um livro: ler as primeiras páginas; se fico com vontade de ler, continuo até ao fim, se vejo que é aborrecido, arrumo-o no sítio – não gosto de ver nada desarrumado!

O. E. – Podes partilhar alguma reflexão em relação à tua experiência de escrita?

 Cátia – Não sei explicar, dão-me um tema e as palavras vão fluindo na minha cabeça como por magia. É como o desenho – tenho um desenho na cabeça, todo feito em amarelo e laranja; vou fazê-lo a guache, ainda não o fiz porque não tenho tempo.

O.E.  – O que é que te inspira ? E como?

Cátia – O meu motivo inspirador é o próprio ar, porque ele traz, de todo mundo, poesia, textos narrativos, prosas, poemas franceses  – que poso decifrar com a minha irmã Sara: ela está no 7º, por isso tem Francês – fábulas de encanto, contos maravilhosos, textos descritivos que descrevem lugares que nem seria possível imaginar, mitos incríveis, e outras coisas que o ar cusca.

     Eu vou às vezes, ao Parque Marechal Carmona; lá subo a um monte muito alto, onde se sente o vento na cara; eu chamo ao monte “O Monte Aliane”e aí vou conhecendo as coisas, mas tem de ser de manhã ou ao por do sol ou então não consigo inspirar-me.

Sofia L. –  Que livros gostas de ler?

Cátia –  Gostei de alguns: “Gerónimo Stilton”, “Os Cinco”…Estou a ler “Uma Rapariga Rebelde”, deram-me no Natal de 2010, mas comecei as aulas e nunca mais me lembrei… Encontrei-o este fim-de-semana e recomecei! Também li “As Mulherzinhas”- gostei imenso desse livro.

Nas férias, normalmente, não leio; quero aproveitar ao máximo para estar com os meus pais.

Sofia – Quando estás a ler, se alguém aparecer, ficas baralhada ou as imagens que estão na tua cabeça continuam firmes?

Cátia: Se eu volto à realidade, as imagens param e começo a ouvir a pessoa. Depois, a pessoa vai-se embora, as imagens rebobinam tudo de novo para trás e posso continuar a ler.

Sofia L. – Como é que descobriste que gostavas de pintar?

Cátia – Não descobri; o meu pai, antes de se casar com a minha mãe, fez várias pinturas a óleo e a carvão. A minha mãe também, desde a infância, que gostava muito de fazer, por vezes, os seus próprios quadros, onde punha as nossas fotos.

    Foi graças a uma irmã do Amor de Deus que comecei a pintar bem. Ela ensinou-me uma técnica para pintar dentro das linhas. E a partir daí, comecei a desenhar e fui desenhando cada vez mais, e depois comecei a ter aulas de EV e foi melhorando cada vez mais a minha pintura: comecei a desenhar também para a professora Inês Pinto, e nuca mais parei e gosto de desenhar quando tenho tempo livre. Cátia O 6B

     Sofia L. e O.E.  – Obrigada, Cátia, pela tua partilha.

Cátia O 6B

Sofia: Entre a Dança e o Teatro

     A Sofia é aluna dedicada na Escola de Dança de Janes; vai praticando quase todo o tipo de danças modernas, incluindo o jazz e o pop.
     Entrou na academia numa época de Natal, quando os alunos de dança preparavam também um espetáculo musical que inclui teatro e canto. Daí surgiu um entusiasmo pelo Teatro que, finalmente, pode concretizar este ano, inscrevendo-se no novo Curso de Teatro que abriu na nossa Escola.
 
     Que lugar ocupa a dança na tua vida?
 
   A dança é algo de que gosto muito. Antes não sabia que gostava de dançar, com o primeiro espetáculo, descobri que tinha jeito. Aos 4 anos fiz natação, aos 6 anos fiz Ballet, no 3º e 4º anos fiz Ginástica Rítmica. Este ano entrei para o Teatro, aqui no CAD.
    A dança, para mim, é uma coisa que eu adoro; as minhas professoras de dança são a Joana e a Mafalda. Na dança somos divididos em grupos: do grupo 1 ao 8. O grupo 8 é dos rapazes e a professora deles é a Vanessa. Ela tem muito jeito de fazer de rapaz. O meu grupo é o 3. Eu fui ver a minha prima Bruna a dançar: ela tinha imenso jeito e, no final, ela fez roda e espargata! Como sou prima dela, temos o mesmo sangue, eu devia ter jeito como ela, mas ela vai sempre melhor do que eu, porque ela pratica desde os quatro anos.
   Este fim-de-semana comecei o novo ano na Escola de Dança, com ensaio geral no Sábado de manhã e Festa no Sábado à noite.
 
  Partilha connosco uma experiência que tenhas apreciado nas Férias de Verão.
 
   No último dia de escola, fui para a Disney, em França. Depois voltei. Fiquei duas semanas no Colégio, em atividades: Ténis, Natação, Teatro.
  Mas o que gostei mais foi de outro Campo de Férias, na escola Pereira Coutinho. De manhã, íamos à praia, à tarde havia muitos jogos. Também fomos a uma espécie de gruta que tinha lama e que nós tínhamos de escalar. Eu caí de dois metros de altura, mas consegui subir. Ficámos todos enlameados!
    Também andámos a cavalo, fizemos arborismo no Parque de Palmela, jogamos volley, basket, futebol e um jogo com arcos: estávamos em fila, chutávamos uma bola e tínhamos de ir a correr para um arco. Quem ficasse sem arco, perdia.
     Eu pertencia à equipa E: quatro meninas, um rapaz de 12 anos e outros dois de 13 e 14. Gostei mais deste Campo de Férias do que o do CAD: os rapazes são mais velhos, mas passam-nos sempre a bola em todos os jogos!
  
 
    Quando estás sozinha, tens uma atividade favorita?
 
     Quando estou só, o que gosto mais de fazer é ler sem ter ninguém à minha volta. Na praia, onde também gosto de ler, não consigo, porque está muita gente à minha volta e distraio-me. Mesmo assim, na praia de Vila Nova de Mil Fontes, onde a água está sempre fria, consegui estar duas horas sempre a ler “O Gatinho Mágico”.
 
  O que apreciaste mais nesse livro?
 
     Quando entraram na caverna e começaram a sua aventura. Também quando o gatinho esteve em risco de se afogar. Vão fazer uma excursão: a dona nunca largava o gato e foi com um amigo explorar uma caverna onde tinha de dar um salto de 3 metros. Ela foi por outro caminho. O João abandonou-a e ela quis voltar para trás, então ele fez troça, dizendo que ela tinha medo.
 
  Quais são os teus objetivos para o 6º Ano?
 
   Fazer tudo para ter boas notas. Estou a experimentar vários métodos de estudo para escolher os que derem mais resultados. O Teatro, que vou começar agora também me entusiasma muito. E, claro, quero fazer progressos na Dança.
Sofia L 6B
 

Pedro G, uma Paixão pela Pintura

“A Cor está viva em mim, sou Pintor!”  Paul Klee

Colourful Acrylic Fluid Flows
Creative Commons License Photo Credit: Mark Chadwick via Compfight

      Esta tarde, na Oficina, temos connosco o Pedro G do 5ºA .Descobriu a sua paixão pelo desenho no 2º ano; desde aí tornou-se uma atividade favorita.

Podes partilhar connosco um projeto para um futuro breve?

     Gostava que um amigo fosse a casa dos meus avós na noite de Natal, porque a casa é muito grande e gira; temos um presépio enorme e fazemos um jogo que é: os reis magos, no dia 1 de Dezembro, começam a andar desde o deserto e, no dia dos Reis Magos, chegam ao Menino Jesus. A minha avó também só põe o Menino na noite de Natal.Eu gosto do presépio porque é muito grande: temos ovelhas, burros, o lenhador… O caminho para a casa de Jesus fica numa montanha; na descida, há muitas casas, por exemplo, a do lenhador, a do ferreiro, a do pastor; ainda há rios e lagos. 

E tens um projeto para o futuro a médio prazo?

      Gostava de ser pintor, no futuro.

Como é que descobriste essa tua vocação para a pintura?

      Acho que, segundo a minha mãe me contou, eu, na Pré, desenhava um bocado mal, mas, no 1º ano, estava a desenhar um palhaço, fui mostrar à minha Mãe e ela ficou espantada. 

     Passei para o 2º ano e descobri um truque: sempre que eu olhava para uma coisa, eu seguia os riscos, por exemplo: estou aqui com uma folha, estou a ver a mesa, e vou fazendo os riscos da forma da mesa à medida da visão. 

     Um dia, no 2º ano, a minha Mãe estava feliz, peguei num papel; parecia fácil: fui seguindo os riscos à medida que desenhava e foi ficando fácil.  À medida que fui desenhando, fui decorando e agora já sei fazer de imaginação. 

    Gosto de desenhar muita coisa: no 2º ano, eu ainda não conhecia ninguém, só o meu primo, e havia um livro de textos que, quando acabava o texto, a Professora mandava-nos copiar o texto para o caderno, e depois fazer ou copiar o desenho, que estava debaixo do texto do livro. Foi aí também que comecei a aprender a desenhar. Lembro-me de um texto que foi o primeiro, que se chamava “uma Aluna Nova”: o desenho mostrava dois meninos e uma menina de outra língua que foi ter com eles e apresentou-se.

      Que materiais preferes utilizar? 

      Normalmente desenho com as cores que aparecem na minha vista. Gosto de usar lápis de carvão, lápis de cor e aguarelas, mas não me dá jeito pintar com guaches porque, quando molhamos o pincel, e depois tocamos com o pincel na tela, quando secar, fica às ondinhas, e assim não fica muito bem. Com as aguarelas, quando molhamos o pincel, tocamos na tela e a tinta fica mais lisa. 

     Que ambiente é mais favorável para Desenhar?

     Normalmente, gosto de desenhar num sítio silencioso e sem ninguém ao meu lado, porque se estiverem ao meu lado, distraio-me. Já experimentei desenhar um cavalo muito mansinho que era do meu pai. Vou desenhar um agora. (a publicar em breve)

Pedro G 5D

Dançar a Vida

Teatro Tascabile Di Bergamo (20)Creative Commons License Photo Credit: Pauline Randall via Compfight

O que significa a Dança para ti?

Significa uma melodia que me constrói, que, quando a sinto, parece que estou no meu verdadeiro mundo, um mundo que só eu sinto, parece que, aí, sou um país que se movimenta.

Como crias coreografias?

Mesmo que esteja sentada no carro, desde que ouça música, não sou eu que faço com que os meus pés se mexam. Eles mexem-se. E eu não consigo evitar.

Que estilo de dança mais aprecias?

Aprecio, acima de tudo, danças de salão. Adoro valsas. Foi uma professora cá da Escola, a professora Paula, da Dança-Jazz, que me ensinou. Já fui dançar, com ela, fora, num palco, diante de uma plateia cheia. Também dancei no Sarau da Escola. Os rapazes fizeram “Uuu-Uuuu” quando eu fiz uma espécie de remoinho com o corpo. A minha Mãe estava na assistência e apeteceu-lhe gritar: “- É a minha Filha!”

Como relacionas Dança e Liberdade?

Mesmo que não dancemos bem, podemos sentir o nosso corpo e deixar que ele nos leve. Assim, não é preciso pedir aos nossos pais para termos liberdade: basta dançar ou fazer algo de que gostamos muito.

Martha Graham, uma bailarina que fundou a Escola de Dança Moderna, inspirou um livro chamado “Dançar a Vida”. O que pode ser, para ti, “dançar a vida”?

Sentir todos os dias uma sintonia desde o momento de acordar, viver a vida como se fosse um espetáculo. A dança leva-me a todo o lado: se a dança quiser que eu caia, eu caio; se a dança quiser que eu salte um muro, eu salto. A dança é que me assegura o equilíbrio.

Este ano, estás a praticar com consistência ou improvisas como amadora dedicada?

Neste momento, estou à espera que haja um número de inscrições suficiente para abrir as aulas de Modern Jazz contemporâneo, com a Prof. Paula, às 3ªs e 5ªs, a partir das 16h30, no CAD.

Convido todas as leitoras a inscreverem-se!

Mafalda B 6B

 

Dream Girls

Oferecido por WP Clip Art 

    Para a avaliação final do desempenho na disciplina de Educação Física, as turmas de 5º ano formaram Grupos de Dança e Coreografaram músicas favoritas.

1.  Quem pertence ao Grupo de Dança das Dream Girl?

     R: A Lara, a Carolina S, a Maria, a Inês e a Ana Clara.

    2. Como escolheram a música a coreografar? Qual foi?

     R: Pelo telemóvel da Inês: fomos ouvindo músicas até que preferimos uma: Scream

     3. Como escolhem os passos da Coreografia?

     4. A partir do ritmo, inventamos os passos, e, se todas gostarem, eles entram na Coreografia. A Lara, muitas vezes, não dá opinião. Ela fica prejudicada por não agir.

     5. Como é que têm conhecimento do resultado da Avaliação?

     R: O Professor Américo dá a notícia.

     6. Onde e quando decorriam os ensaios?

     R: Ensaiávamos no Pavilhão Antigo, durante as aulas de Educação Física e, se necessário, nos recreios.

     7. O que foi mais divertido neste projeto?

     R: O mais divertido foi ver o Francisco T a dançar. Parecia um robot em fúria!

     Obrigada por colaborarem no Cadescrita