Ser Humilde

   Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash

  Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash  

    Ser humilde é uma atitude que deve ser trabalhada todos os dias, pois tal como uma rolha de cortiça na água é constantemente empurrada para a superfície, assim também nós sofremos de uma tendência para sermos o centro de tudo.

 Ser humilde passa por:

  • Tratar bem os outros;
  • Reconhecer o próprio consciente: ficamos a saber algo mais sobre nós; 
  • Os outros  recebem mais atenção, percebem que alguém os compreende.
  • Não é só ser carinhoso e amável, mas sim partilhar ativamente os seus dons com os outros, por exemplo: 
    •  um pintor partilha os seus quadros; 
    •   um professor partilha a sua sabedoria;
    •  um padre partilha a sua religião viva.  

     Como qualquer outro valor,  podemos treinar a humildade de formas muito simples, no quotidiano, tais como: 

  • Esperar uns segundos antes de falar quando uma discussão se torna acesa demais.
  • Ao longo de uma conversa, tomar a decisão consciente de escutar mais do que falar.
  • Apreciar a proximidade dos outros formulando perguntas não intrusivas mas que ajudam os outros a mostrar a riqueza dos seus pontos de vista.

      Ser  humilde tambémm é ser capaz de se dizer as atitudes de que não se gosta no outro, sem precisar de magoar alguém.

Margarida CC e OE

Texto a duas mãos segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra 

O Desafio das Cem Palavras

  !00 Words ChallengeImage: 100 Word Challenge 

     Mrs Julia Skinner, uma professora – e “HeadTeacher” –  reformada é a fundadora do site “The Head’s Office” onde se partilham os mais diversos assuntos de interesse no âmbito da Educação; é também a  criadora de alguns desafios internacionais para crianças e pré-adolescentes, entre os quais o “100 Words Challenge” onde estamos a participar, a seu convite,  como “professora comentadora”.

    Em que consiste este Desafio? Num site, construído com toda a segurança, são expostos os links para os blogs de Turma de Professores de todo o mundo, escrevendo em língua Inglesa; todas as semanas é apresentado o desafio, no site principal, sob a forma de uma imagem apelativa, legendada com perguntas exploratórias ou então é apresentado um pequeno conjungo de tópicos sugestivos.

    Ao longo das semanas, os alunos que são autores nos seus blogs de Turma, recebem um número, que, por sua vez, também é atribuído a um “Professor Comentador”, o qual pode pertencer a qualquer Escola do mundo, desde que devidamente identificado e também ele com blog de Turma.

    Cada um desses Professores voluntários – que constituem o “Team 100” deverá visitar e comentar, no mínimo, cinco textos por semana,  da autoria de alunos dispersos pelo mundo, cada um no seu nicho materno que é o respetivo blog de Turma. Os comentários obedecem a regras explícitas, são sujeitos a moderação antes de serem publicados e têm como principal objetivo encorajar os jovens autores e celebrar a sua criatividade, criando laços de convívio cordial numa imensa Comunidade Virtual unida na língua Inglesa.

     Não será, para os dias de hoje, uma forma especial de acolhimento mútuo? Aqui fica, pois, também o convite aos nossos alunos para participar. Basta o acordo dos Pais e do Diretor de Turma para poderem publicar diretamente no Blog da nossa Oficina e receber o tópico de cada semana.

OE

Os Mistérios da Linguagem – II

smart cookieImagem: Leonard J Matthews Flickr CC

     As pessoas podem ser possuídas por uma “carga agressiva” porque temos emoções,  e transmiti-la nas palavras, pois as palavras, se voam como gaivotas, também nadam como tubarões.

      A força das palavras para “voar” indica que elas criam sonhos e superam obstáculos; a agilidade das palavras em “nadar” também nos mostra que elas podem impor limites e fazer o outro parar.

      Comunicar não é só falar, mas sim escutar, pois nem sempre se trata de falar com palavras, mas sim escutar a beleza das palavras das outras pessoas. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

O Despertar do Cão Preguiçoso

RAF Police Dog Training Defence Images via Compfight

     Era uma vez um cão preguiçoso, que fazia sestas intermináveis á sombra de uma tília no quintal do vizinho Herculano. Este senhor era conhecido por adotar animais abandonados com um carinho desmedido.

      Porém, ele já tinha muitos cães e todos eles eram preguiçosos, mas este era muito mais que os outros e tinha sido sempre assim, desde pequenino: era o “Plof”.

     Foi então que o Sr. Herculano o entregou à escola de cães-guia: com aulas esforçadas, novos companheiros e um instrutor incansável, o cão transformou-se num magnífico sabujo rastreador, que chegou a ganhar torneios em caçadas e se tornou no orgulho do seu dono.

Lourenço C, e OE 6B

Exercício de Escrita Criativa: Texto a duas mãos, segundo o livro Eu Quero ser Escritor”

Os Mistérios da Linguagem

    Smart Cookie

Creative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      É tão estranho nós comunicarmos em palavras! Como as inventamos? Como lhes injetamos um significado? 

      As palavras não vêm assim do nada: vêm do nosso coração, mesmo que seja uma palavra má. Mas depois percebi que, por vezes, as pessoas são como que possuídas por uma palavra que tem carga agressiva. Não pretendem agredir os outros.

     Sempre achei que um palavrão fosse uma autêntica porcaria Mas as palavras más apagam-se com um pedido de desculpa simples e sincero e, se escapar um palavrão, podemos usar uma leve ironia, como: “não se fala com a boca cheia”.

     Como é que nós conseguimos falar e transmitir emoções, através de palavras, como, por exemplo, “Amor”?  Por exemplo, as palavras “Amigo”, “Paz” e “Amor” são palavras que nos mexem no coração.

      A palavra “Família” é linda e é a palavra que une muitas pessoas em comunidade de amor.  Viver a palavra “Família” pede muito cuidado, dedicação e tempo livre, senão ela passa-nos despercebida.

      As palavras criam confiança entre as pessoas e são como uma “chave” que abre a porta para todas as aventuras. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

Texto a 3 Mãos

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

Ágeis mas Perigosas

asleep ( #cc )Creative Commons License Martin Fisch via Compfigh

      Pelas florestas do mundo há criaturas que o mundo desconhece, ou melhor, que não quer conhecer. Ninguém imagina como são, mas eu sim, imagino-as ágeis e perigosas.      

     Ágeis, porque se escondem de todos, sabendo que o medo um dia vai acabar e que os humanos vão descobri-las e estudá-las, há umas que falam e que lêem e, claro, não podem faltar as gigantes sementes ou as minúsculas abelhas.

     E são perigosas: algumas sentem uma espécie de poderes mágicos, mais perigosos do que podes imaginar…

      E se encontrares uma, não te esqueças que são seres como tu, que sentem, que ouvem, que falam e que, apesar de não viverem da mesma maneira que tu, não as estudes. Porquê?

     Oh, “porquê?” é a minha pergunta preferida, mas a tua resposta, só tu a podes encontrar dentro de ti… Gostavas de ser estudado num laboratório a caminho da morte perpétua?

     Pelas florestas do mundo há criaturas e, não te esqueças, elas são ágeis e perigosas.

Francisca, 7A

(convidada da MadalenaC)

Ágeis mas Perigosas

Last Image Of The Day.

John T Howard via Compfight     

     Dedicado a Madalena C e sua convidada Francisca

     Ágeis mas perigosas: são como corças saltando na pradaria, mas não alcançáveis por uma chita.

     Férteis, nas suas iniciativas que não se podem imitar, povoam o seu domínio com momentos agradáveis, totalmente abertos, mas onde quase ninguém ousa entrar.

     São ágeis para desencadear surpresas, mas perigosas para quem as tente dominar.

     Galopam incansáveis, pelo puro prazer do movimento, não por perseguirem qualquer fim obscuro: encontram na amizade o sentido que lhes basta para a celebrarem assim na correria livre da Alegria.

     Preferem o terreno macio, bem calcado, mas pode ser inédito, nunca antes palmilhado, pois fazem do desconhecido o seu oásis.  Elas também descansam, por vezes, quando as noites baixam sob o peso das estrelas e lhes parece que basta estender um braço para colhê-las. Então ficam a pairar no imenso azul cintilante e deixam que do coração lhes brotem os segredos que mais ninguém suspeita.

     Perigosas na maneira como defendem a sua própria verdade: qualquer pessoa que se aproxime terá de enfrentar-se com a espada do seu olhar límpido.

 

Exercício inspirado no livro “Eu Quero ser Escritor” de Elsa Serra e Margarida Fonseca Santos

OE

Um Conhecimento Espetacular

    Dogs

Creative Commons License Hugh Barbour via Compfight

     Num dia de muito sol, eu ia a passear o meu cão Marley e passei por um parque aquático para cães. Encontrei uma menina a passear o seu cão: tinha pelo bege e longo, era médio e tinha orelhas descaídas.

     Encontramo-nos no carrocel de lavagem para cães.  Sem querer, os nossos cães começaram a fugir e chocamos uma com a outra.

    Começamos logo à procura dos nossos cães e depois descobrimos que tínhamos muita coisa em comum.

     O Smokey e o Marley foram comer – eles são uns gordos. Comeram tanto que estavam quase a explodir.

     A seguir, foram correr, a ver se abatiam quilos. Mas quando chegaram à Disney, foram comer mais batatas e bife. De seguida foram ao bar do Mr. Mick, para cães; lá havia tudo o que havia para adultos, mas dedicado a cães, como: cerveja, vinhos, caipirinhas…

     Eles tinham um relógio que, quando fosse 12h 30 na Disney, cá eram três horas da tarde.

(Texto a duas Mãos)

Federica V e Maria B, 5B

Saindo Livre

i like light painting

Creative Commons License Wendelin Jacober via Compfight

Estava aprisionado num Tugúrio

Até me salvarem

Mas eu tinha jurado que ficava

A morrer à fome

Enquanto não pudesse descobrir 

De onde vinha o meu nome. 

Mas antes de sair doeu bastante

Pois estava há tantos anos sem mexer

Que já chegava a arder

O que restava em mim de entusiamante 

Era de pasmar, até acabar

Mas tiraram-me da toca, finalmente

Minha Gente,

Eu tenho de ir,

Que é urgente.

Por isso Adeus,

Para me divertir

Posso atingir os Céus!

Exercício do Livro “Quero ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos

(Texto a duas Mãos)

Miguel F e Oe

Impossíveis Rouxinóis

   Bird | 06.06.14 | 01

Andrey Solovev via Compfight

     São mesmo inimagináveis quando cortam a noite com o seu canto de fogo. Nem se acreditaria na existência deles se não nos fosse dado ouvi-los. Mas é muito raro e perigoso, aproximarmo-nos dos seus esconderijos pois acontece que nascem em ramos altos, escondidos na folhagem, em estratégicos ninhos que mal se podem alcançar.

     Em vias de extinção, seu canto exímio antes da madrugada raramente se ouvirá se não nos adentrarmos na floresta escura. 

     Rouxinol, mas que belo canto, esse! Pena ser noturno. Só quando o luar ilumina as clareiras da floresta, fazendo-as brilhar como pequenos astros, é que podemos distingui-los entre os ramos dos enormes carvalhos… mas carvalhos que tão pouco existem na floresta, agora só eucaliptos, secando tudo à sua volta, sós no orgulho que retira a água aos arbustos mais pequenos.

      Não assim os carvalhos imponentes, sábios anciãos da floresta orvalhada, nobres no seu aprumo sob a chuva. Aí, entre a  folhagem, em noites de luar, entre cintilações de porcelana, podes ouvir o canto de fogo a rasgar a noite e acreditar nos quase impossíveis rouxinóis.

 É essa triste verdade

Que me faz pena

Pois é essa realidade

Que me impediu

De escutar tão belo canto

No entretanto,

Com muito espanto,

Já avistei uns quantos

E mais ninguém os viu.

(Texto a duas mãos)

Segundo “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos

Miguel F e OE

Reflexões em Mosaico

Botanical Backyard Art

Wayne S. Grazio via Compfight

Uma Mudança que me surpreendeu

     Uma nova maneira de pensar: agora não sei o que me aconteceu, mas cada vez que penso em alguma coisa, penso mais do que uma vez, poia penso logo nos riscos que pode ter.

Temas preferidos na Escrita da Oficina

     A Escrita criativa, pois eu gosto de escrever sem temas, de ser eu a inventá-los.

Fontes de Inspiração

     O próprio dia-a-dia; as pessoas que  estão à minha volta.

Sonhar Acordado

     Serve para pensarmos melhor na nossa vida e nos erros que já cometemos e que devemos corrigir.

Uma Vida Solitária

     Para mim, a vida sozinha não iria ter significado nenhum, pois eu só sou feliz com as pessoas que estão à minha volta , pois sem elas não saberia o que é ter uma vida animada e feliz.

Quatro espécies de Silêncio

     As quatro espécies de silêncio podem ser quando a pessoa não tem ninguém com quem falar nem desabafar; também pode ser um silêncio contente, para conseguirmos dar expectativas a alguém. Também pode ser um silêncio desesperado, em que precisamos de estar sozinhos; e ainda pode ser um silêncio só nosso que nunca ninguém  vai desvendar.

Ser Amigo

     Para mim, ser amigo, é quando saemos que teremos sempre aquela ou aquelas pessoas ao nosso lado para tudo, como para nos animar e para nós desabafarmos. Para mim, ser amigo é ter confiança no outro e ajudá-lo no que for preciso.

Catarina C, 7D

 

A Busca do Gorro

anthropomorphic taxidermy mouse lost in new york subway map metro card

Creative Commons License Amber Maykut via Compfight

      Era uma vez um rato que era rei, gostava muito de fumar e de usar um gorro.

     Há pessoas que dizem que fumar faz emagrecer, mas ele era gordo, porque comia muita coisa, apesar de ter sido expulso do Mac, porque é proibido fumar no restaurante, por isso ele prefere ir a bares em que tenha esplanada.

    Uma vez, perdeu o gorro, porque é muito distraído e o gorro também era um modelo pequeno porque era para ratos.

      Ele procurou  em todo o lado, mas não o encontrava no meio do bar: foi um escândalo, pois o gorro era caro. Ele procurou e, por fim,  encontrou debaixo da mesa.

      Mas ele não estava a conseguir tirar o gorro de debaixo da mesa, porque estava preso, e como era gordo, sem querer, deu um encontrão ao seu ajudante que guardava a droga.

     Ele caiu na mesa, a mesa caiu e assim o rato pegou no gorro.

(Exercício de escrita criativa: com as letras do nome V-A-S-C-O criar um desenho; dar um nome a cada desenho e escrever uma história, em cinco minutos relacionando as palavras escolhidas numa narrativa – segundo o livro de Margarida Fonseca Santos.)

Vasco E, 8

Tenho Andado a…

Original Acrylic Abstract Painting on Canvas Panel "S8 XVIII"

Carl Dunn via Compfight

     Tenho andado a desenhar uma flor rara com cores que não existem na paleta. Ela é muito difícil, mas vale a pena gastar tempo a desenhar. O Tempo modela-se nas mãos como barro macio quando fazemos algo de que gostamos muito.

     Não conheço as cores da minha flor incrível, mas vou inventá-las inventando misturas de verde e azul, as minhas cores preferidas. Com elas se dizem a Terra e o Céu, com elas se pensa o divino e se exalta a esperança.

     Eu gosto muito de dedicar tempo à Família e Amigos: com eles sinto-me muito melhor. Viajar é uma das coisas  que queria aproveitar nos meus passatempos, pois gosto de descobrir novas aventuras.

     Tenho andado a desenhar e a fazer vídeos de youtube. No youtube é que me sinto livre a partilhar o que mais gosto para uma multidão invisível que me escuta ou gosto também de ver vídeos de jogos e falar com os amigos, no skype e sem ser no skype, claro! 

    Falar com os amigos é uma arte de escuta e do dom que nasce connosco em semente, e depois, ao contacto dos outros, com o calor do afeto e a luz do pensamento, começa a germinar. É uma das coisas que gosto mais de fazer na minha vida!

     É tão bom ser livre e fazermos o que nos apetece, mas nem sempre isso acontece! Vivemos como um ribeirinho, saltitando entre as pedras redondas, saltitando num leito apertado: somos livres no saltar, mesmo se o caminho nos obriga.

(Texto a duas Mãos: “Quero Ser Escritor“)  Inês M, OE

Tomada pela Mão

Hand in Hand

Creative Commons License Rosa majalis via Compfight

Dedicado a Vasco E, ao seu Futuro

Tomada pela mão

Ela é uma visão

Que me inspira;

Sentia, há muito tempo,

Que me sobrava o alento

Da vida. 

Agora que ela veio

Já tudo o que era feio 

Se transformou:

Tomada pela mão,

O seu olhar recria

Aquilo que antes via

Como um “não”.

Andamos de mão dada

À volta do jardim

E o seu sorriso aberto

Faz-me sentir mais certo

Do seu “Sim”.

Conheço-a e não conheço

Mas sei que não tem preço

Fazer a descoberta

Desta Pessoa amada:

Sei que não deixará 

Seu coração ardente

Que eu possa sossegar. 

Sei que nós sermos gente

Será uma aventura

E uma segurança

Vivida em Oração.

E que ela quererá

Ficar por toda a vida,

Junto ao meu coração:

Na minha confiança,

Tomada pela mão.

OE

(Exercício de escrita criativa de Margarida Fonseca Santos: a partir de um tema dado: “Tomada” escrever sem parar durante 6 minutos.)

Uma Porta

Open up

Creative Commons License Patrik Theander via Compfight

Dedicado a Vasco E

     Uma Porta, abertura suspensa, uma área de nada, um nada limitado que se pode tampar. Porta: uma volta e fechou, outra volta e abriu, um soco e arrombou.

     Mas sem tampa, uma porta é passagem segura, para outra viagem que não se vai prever, porque aberta, ela chama e desperta, para mil caminhadas num mundo a conhecer.

      Porque porta fechada, ela apenas importa, mas aberta é fachada, despida e despojada, que nos serve de entrada num país de ouro e azul.

      Sendo porta, ela é forte e armada, mas se for destrancada, tu sais livre e és levada para outra dimensão, onde o rosto de alguém pode ser a canção ou, ao menos, à frente, podes ver, adiante, que cada vez mais se sente uma aproximação.

     E quem quer que viaja e se arrisca, encoraja todo aquele que fica e o inveja no amor.

OE

(Exercício criativo: dado “um tema” por um colega, escrever sem parar durante cinco minutos, segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos.)

Suporte de Rodinhas

    suporte_com_rodinhas 

     Será que ninguém liga à importância do suporte?

    Toda a gente gosta mais das rodinhas do que do suporte. Podes estar a pensar que não, mas quando os miúdos vão comprar uma mochila, pedem uma mochila com rodinhas, mas ninguém liga ao suporte, ninguém diz: “Mochila com suporte”.

    A Sério! Já não suporto isto. Eu sou quem suporta as mochilas ou o peso, sou “tipo” o musculado a levantar os pesos; as rodinhas só rodam, são “tipo” aqueles gordos a rebolarem no chão e a chorar porque acabaram as batatas fritas.

    Sou um suporte, mas já não suporto.

Vasco E, 8B

Imagem: bolsas, malas e mochilas

(Exercício de escrita criativa: recebendo “o tema” de um colega, narrar na 1ª pessoa dados autobiográficos relativos ao tema, durante 5 minutos)

Mar Aberto

Creative Commons License Daily Sublime via Compfight

Flightscape 128

Corro sem parar e chego ao mar

Parece que comecei a viajar

Não há fim, só mar

Já é noite escura,

Mas com um grande luar

Agora não posso parar de nadar.

 

Se parar eu afundo.

Talvez, se eu continuar

A viajar

Verei o fim do mundo.

O que haverá por trás do horizonte?

 

Haverá mais mar?

Mar e mar, só vejo o mar

Mas vou continuar a correr sem parar

Por isso o mar  continuo a rasgar.

 

Vasco E, 8B

Nicolás Robles via Compfight

As Amigas Garrafa

Like Dancers in a Line

Viewminder via Compfight

     As amigas garrafa tinham garra e cuidavam de uma girafa no zoo. Elas tinham crescido juntas e costumavam partilhar, ao lanche, uma garrafa de leite abaunilhado.

    A mais nova tinha o pescoço longo e por isso usava colares grossos ou écharpes coloridas; a do meio tinha cabelos compridos com madeixas de um tom azul esverdeado.

    A mais velha era a menos ajuizada, mas ouvia com atenção  os conselhos das mais novas e assim conseguia levar uma vida tranquila sem se meter em sarilhos. Os seus olhos verde-mar eram os mais sonhadores que jamais se viu.

    A mãe das Amigas Garrafa trabalhava num banco, mas o pai dedicava-se ao fabrico artístico de garrafas de vidro que continham pequenos veleiros dentro, construídos com pequenos fósforos devidamente envernizados e pintados.

    As três irmãs sentiam-se seguras com as qualidades da mãe, que garantia o bom rumo das finanças da casa, mas admiravam sobretudo a perícia e o maravilhamento do pai que tinha coração de navegante e amava a imensidão dos mares longínquos aprisionada misteriosamente no pequeno recinto daquelas garrafas verdes.

Para a Maddy, 6A

(Exercício de escrita criativa de “Eu Quero Ser Escritor” que consiste em escrever durante cinco minutos sem parar sobre um tema dado)

OE

Partida para o Desconhecido

Endless

Creative Commons License Adrian Fallace via Compfight

Começo, não posso parar

Estou a correr, mas sem me cansar

Não sei para onde vou

Mas sei que vou

Quando escrevo só consigo

Ouvir canetas a escrever

Ou cadeiras a arrastar

Parece tudo normal

Sem haver algum mal

Só espero correr bem

Sem nenhum rival

Vou a correr para o desconhecido

Sem que comer e sem ter bebido

Mas antes de correr

Lembro-me que tinha lido

“A partida para o desconhecido”.

Vasco E, 8C

Com as Letras de MANUEL…

#010 Caterpie

Figure Focus via Compfight

     Um dia, uma minhoca com seis braços, e um bigode, foi até ao Hawaí; queria ir para uma ilha mágica, mas precisava de um barco, pois a ilha era no meio do mar. Ela precisava também de uma tripulação. Então, ela encontrou  a mulher do guarda-chuva e já tinha um membro da tripulação.

      Ela disse ainda:

    – Precisamos de um barco, vamos falar com o narigudo. Ele tem um amigo com seis braços.

     Então, foram à procura da ilha, pois era a única chance de ficarem ricos.

     Chegaram à ilha. O que eles não sabiam é que a ilha era uma baleia que ia submergir! Mas eles não se afogaram, pois eram óptimos nadadores!

Exercício de “Quero Ser Escritor”

Afonso C, 6A

Sonho de Uma Noite de Verão – II

A soft summer night in the marsh

Trey Ratcliff via Compfight

     Que verão aquele, verão sem igual, uma chuva quente de amigos sempre à roda, mil conversas no ar, a liberdade de ir e vir, celebrávamos a leveza da aurora, a certeza da terra, o sonho de voar.

     Quero ver o mundo e viajar como as andorinhas e descobrir o mundo com as minhas próprias asas.

    As próprias asas crescem devagar, com a paixão do sol poente antes de mergulhar, naquele sentido de dar glória ao abismo do céu, uma aclamação muda, um espanto sempre diverso e a contagiar os outros de um sonho ousado para partir de novo, sempre mais uma vez.

     Patinhar na praia é o sonho que nós temos. Adoramos a praia: é macia, fresca e cheirosa e se não podemos ir à água, vamos patinhar na areia amarela e macia.

      O toque, a textura, o tecido, o trabalho dos dedos no lazer do dia limpo: tudo é concreto e vivo, refulge, na aurora, uma luz de vitória para nós, os filhos da noite de Verão.

      Uma noite de Verão é para celebrar o primeiro dia de verão. Nessa noite, é o dia das partidas e ver as pessoas a queixar-se do calor e a reclamar contra o tempo. Mas continuam a adorar o verão.

      O verão revela a face calma e rumorosa do tempo que se abate sob as estrelas do sonho e se espraia para fora das margens pensadas em todas as direcções que o nosso olhar alcança e mais ainda, muito para lá de onde atinge a vontade genuína dos filhos das noites de Verão.

(Texto a duas Mãos 2º o livro: “Quero Ser Escritor“)

Sofia L e OE

O Ataque dos Zoombies

zombie_hamster

Yo Mostro via Compfight

     Era uma vez um Zoombie que atacava as casas de uma rua. Nela vivia uma velhota sozinha com um gato peludo. O seu primo era agente secreto da CIA.

     Um dia, o Zoombie atacou a casa da velhota. O que ele não esperava é que ela era uma antiga campeã de artes marciais. O primo estava a fazer patrulha nessa rua e ouviu gritos aterradores e correu para o local.

    O Zombie queria comer o cérebro da velhota, mas ela estava a defender-se bem, até que o Zombie lhe tirasse a bengala e a prendesse.

     Com a sua bengala de mogno envernizado com um velho veneno do antigo Irão, cada bengalada que ela dava ia retirando poder ao Zombie. Mas agora estava amarrada na banheira com as torneiras a correr.

        O primo arrombou a porta com uma cabeçada e seguiu o gato peludo todo assanhado até à banheira. Só conseguiu entrar pela janela, pois a porta estava trancada a sete chaves.

       Tirou a sua Golden Eagle do bolso e deu um tiro certeiro na cabeça do Zoombie.

       O Zoombie rebentou todo e espalhou a sua sujidade verde pelas paredes da casa de banho.

     A velhota, já quase a morrer sem ar, foi libertada pelo Primo, com o seu canivete suíço que cortou as cortas.

    A CIA atribuiu-lhe um prémio de caçador de Zombies,  um milhão de dólares e o prémio da Paz. O primo e a sua avó foram viver  para uma mansão com toda a Família.

Narrativa “a 3 mãos”:

João P, 5A, Daniel N, 5A e OE

Exercícios Criativos de “Quero Ser Escritor” de Margarida  Fonseca: cada autor escreve uma frase entre 20 a 40 palavras e passa ao colega.

Um ET Navegador

    Boatman

Creative Commons License Mark via Compfight

    Era uma vez um ET que tinha um grande olho e um chapéu de festa que um amigo lhe tinha oferecido. Ele viajava no seu Optimist, tinha uma cobra estranha e grande.

      Um dia, o Óscar, o ET foi viajar com o seu Optimist, pois tinha que ir ao oftalmologista ver o seu olho gigante, pois tinha passado de gigante para enorme.

      Ele queria entrar no consultório com a sua cobra, ao que o médico respondeu que não eram permitidos animais. O médico disse-lhe que era uma coisa normal dos extraterrestres de Marte, que não era nada de especial.

    Então o Óscar viveu feliz para sempre com o seu Optimist, a sua cobra, o seu chapéu e o seu olho gigante.

Tomás G, 6C

     Exercícios Criativos de “Eu Quero Ser Escritor” de Margarida da Fonseca. Narrativa em cinco minutos relacionando as palavras atribuídas aos desenhos inventados a partir das letras do nome: Tomás – T – Optimist –  – O – Olho – M – ET  – A –  Chapéu de festa – S – Cobra.

Sonho de uma Noite de Verão – I

Hobbit town and country, by the late, great Ken Vititus

Creative Commons License Wonderlane via Compfight

     Acabou a primavera, veio o verão, podemos começar a ir à praia, andar de bicicleta e todos os animais a voltar ou a manter-se na sua casinha. Casinhas pequeninas, construídas com o barro do amor, como os ninhos a que se volta sempre e estão entretecidos de musgo seco e pauzinhos, ou então abrigos cavados na terra mais fofa, rente à rocha, forrados de palhinhas.

     O amor do verão é que nos faz apaixonar e amar o sol. O sol é maravilhoso e permite fazer mais surpresas fora de casa.

    Lá fora, na vastidão dos encontros e das construções humanas, é que pode, quem sabe, encontrar-se o rigor apetecido para nos podermos realmente dar. Seguimos os outros, servimos os outros, confiamos nos outros, todos nós, filhos das noites de Verão. Vemos melhor assim, no escuro luminoso do próprio coração.

    O Coração vê tudo, especialmente o que gosta e o mais bonito: o amor da nossa vida, mas não só, também a beleza do verão.

     O Amor, esse sonho perseguido por cada geração , vida a vida, devoradas todas no braseiro do infinito, o amor vivaz, ressurgindo a cada nova descoberta, diluindo-se no tempo, escoando-se na alma das cidades, toalha subterrânea turbilhonando por baixo do calendário estabelecido.

    O Verão, a primeira semana já passou e o sol é diferente para os meus olhos: continua a ser amarelo e bonito. E agora, até acabar o verão o sol vai mudar para mim ou não?

(Texto a duas mãos)

Sofia L e OE

Como Enfrentar os Medos?

     SurrealityCreative Commons License

Poster Boy via Compfight

    Era uma  vez um homem que tinha um nariz muito grande e um sinal muito feio, como se fosse um R. O que é muito engraçado é que o nome era Ricardo.

     Um dia, Ricardo foi à praia e todos gozaram com ele. Então Ricardo decidiu ficar na cama a olhar o poster do Justin Bieber: ele adorava-o, tinha todos os CD e até cantava no chuveiro o “Love Your Self”.

     Então, como dizia a canção, enfrentou os seus medos e foi à praia. Nem sequer quis saber. Pensou:

     – Eu vou voltar e vou conseguir.

      Mas os comentários foram tão fortes que diz a lenda: até ao dia de hoje o senhor nunca mais saiu da cama.

     Exercício Criativo de “Eu Quero Ser Escritor” –  breve narrativa escrita em cinco minutos, relacionando as palavras atribuídas aos desenhos inventados para as iniciais do nome: SARA – SCama; APoster; R“R” em nariz de homem; APraia.

Sara M, 6C

Leitores de Todos os Tempos

madalena 1

Imagem: Oficina de Escrita

Exercício de escrita criativa: escrever durante 3 minutos, sem parar, seguindo só a ordem das letras do própio nome.

     Mariana chamo-me eu, que não gosto nada de aprender HGP, pois prefiro a Dança, porque não interessa o que os reis aprenderam, e o que fizeram, ou ler os documentos que escreveram e com quem eles casaram…

     As roupas nem eram nada bonitas, como agora, nesta geração, nem sabiam mexer num telemóvel nem num tablet…

    E, para eles, o que são computadores? Pensam que é só escrever à mão, mas também é mais fácil escrever a computador. E não temos de gastar a nossa voz para ler os livros em voz alta, para sabermos as coisas que eles descobriram.

   Mas afinal não foram pouco inteligentes, pois, se cremos noutra vida, podemos pensar que eles conseguem ver o nosso site para ler isto! Não se esqueçam, todos os do passado, do presente e do futuro, de ler todos os dias os nossos textos, porque é muito divertido fazer isto!

Madalena C, 6A

O que Torna uma Conversa Inesgotável?

     Between the columns JF Sebastian via Compfight

     Falamos todo o dia…falamos tanto…no entanto, por vezes, tapamos o vazio com um fio de palavras como colar de contas que nos ajuda a saltar no carreirinho do tempo, de momento em momento, sem que o coração consiga respirar.

     Às vezes acontece o milagre: o tempo dobra-se e volta, vai e volta, como a naveta de um tear lançado pelas palavras; escava um círculo que se aprofunda e o instante presente parece alargar-se ao infinito.

     O que torna uma conversa inesgotável?

     Foi ela que provocou a alquimia do tempo: o adensou, o curvou, o inclinou para dentro e depois o ampliou sem limites. O coração respira fundo, a inteligência espreguiça-se e lança-se à dança de pensar.

     Alguém está connosco e nós próprios somos, finalmente, alguém para o outro.

     Que dizemos? Que falar é este que faz do tempo um barro em seus dedos de palavras?

     Quem nos tornamos, um para o outro, interlocutores únicos, emergindo cada um para o reconhecimento do outro, como duas questões vivas a aprofundar sem fim?

Conversas na Oficina

OE

Oficina de Escrita 4-5: História com o meu Nome

As Letras Dos Nossos Nomes Formam Histórias

História do Nome "Maria"

Montanhas Russas

     O Francisco e a Inês foram para Los Angeles. Quando chegaram, viram um vulcão em erupção na televisão.  Então a Inês pôs o chapéu de fada e resolveu o problema. Mas, de repente, lembram-se que só lá estavam para ir ao Parque de Diversões. Finalmente, já cansados do snowboard na montanha, sentaram-se num banco. Mas não sabiam que era uma montanha russa debaixo da terra.

Maria C

A História que as Letras contam

Parque de Diversões

     Dois meninos a passear pelo Parque de Diversões: M – Eles a saltarem num trampolim. A – Eles a dormir numa tenda. C – Eles a descerem de escorrega. A – Eles a subirem uma Montanha.

Mafalda B.

   

O Sonho

Um Universo Paralelo

     

   

      Era uma vez um senhor, mais ou menos entre os quarenta e os quarenta e cinco anos, que um dia viu, num beco sem saída, entre duas casas de tijolo, um tijolo saliente aos outros; ele, a princípio, não ligou, mas como ele queria sempre ter tudo arrumado, pôs o tijolo no sítio. Ao pôr o tijolo no sítio, um buraco abriu-se a seus pés! Ele caiu e, logo a seguir, o buraco fechou-se.

     Ele caiu num universo paralelo: parecia o céu: era azul e com umas nuvens amarelas que pareciam mais algodão doce. Ele caiu numa ilha voadora onde havia três objetos: uma boca sem língua, óculos de sol e uma miniporta. Ele pôs tudo numa mochila laranja que estava ao lado, pôs a mochila às costas e abriu uma porta que apareceu mal ele pôs as coisas na mochila.

     Mal entrou, uma luz ofuscante cegou-o. Ele pôs os óculos que tirou da mochila e depois conseguiu ver outra porta. Quando saiu, outro desafio o esperava: viu uma parede gigante. Reparou num buraco na parede. Tirou a porta e pô-la na parede: rapidamente ela cresceu. Ele abriu-a e viu uma montanha russa em forma de R. Enfrentou saltos, curvas e a gravidade.

     No fim viu uma taça vazia e, por cima, uma língua. Pôs a boca lá e começou a sair água da língua. Ele bebeu a água e… acordou de um sonho.

Pedro C

 Esforço e Diversão

     Desportos Radicais: simbolizam uma maneira de viver junto ao que é extremo. Mafalda, Pedro e Maria: para subir, sempre a dois, pois no outro se busca apoio; para descer- só no fim – já se pode vir sozinho, pois a própria gravidade nos traz de volta.

     Primeiro, uma muralha sólida: Maria e Mafalda à mesma altura. Em seguida, um precipício entre dois píncaros: Pedro apoia Maria. Depois, a longa escada que permite uma visão superior: Mafalda disfruta e Maria dança entre os degraus a pique. Finalmente, na descida curvilínea, Pedro redobra de velocidade num escorrega vibratório: tais são as ondulações da nossa escrita criativa!

Prof Inês P

Oficina de Escrita 3 Um Conto a 4 Mãos

   Neste exercício,retirado do livro Quero Ser Escritor, cada uma das 4 folhas, com o a indicação do género de conto, passa continuamente entre os elementos do grupo. Estes não podem escrever mais do que 5 palavras de cada vez, em cada folha. O segredo é não pensar, mas completar a frase que o companheiro nos passa escrevendo apenas. Aqui vão exemplos dos resultados:

    Uma vez um cavalo comeu a minha bota e o palhaço adormeceu de o ver, mas a assistênca aplaudiu porque ele era engraçado e divertido e dei uma gargalhada parva; então chegou lá a minha amiga domadora de elefantes indianos, que era parecida com um macaco palhaço do circo: eles eram tão malucos que atiraram o palhaço ao ar e ele caiu em leite creme.

     Eu vi uma sala onde um monstro verde se babava: saltei para cima dele e ele deitou baba verde escura para cima de mim e dele. Ficámos transformados numa libelinha gigantesca e eu dei-lhe um pontapé, ele ia-me comer com os seus grandes olhos, mas fugi pela clarabóia aberta e lancei um C4 que o matou e eu continuei no sótão.

     Desapareceram os índices dos livros, eu fiquei assuastado e fui para o sótão: nunca vi alguma coisa assim tão assustadora: uma espécie de bicho devorava a cabeça da minha avó. Era um bicho velho e tão fei que me saltaram os botões do casaco, mas eu continuei a busca e encontrei uma coisa esquisita: li-a e era tão gira que eu percebi o desaparecimento misterioso.

     O amor do meu marido: só me queria ver a dançar para ele ao luar. E dar-lhe um beijo na boca bonita e cor de rosa. Só queria que ele me levasse em lua de mel para o lindo Havai. E casámo-nos num hotel de 5 estrelas…A lua de mel vai acabar num futuro muito feliz. E quando acabar vamos para casa seguros no amor.

Mafalda B, Maria C, Pedro C

Ler, Escrever e Contar

  

     No dia 24 de Setembro, realizou-se, na Biblioteca Juvenil e Infantil de Cascais, uma Formação de Escrita Criativa, orientada pela formadora Cláudia Marques, com a participação das professoras de Português do CAD.

     O Encontro, intitulado “Ler, Escrever e Contar”, foi subordinado ao tema que unificou, ao longo do ano, todas as Atividades oferecidas pela Biblioteca, a saber, os Contos Tradicionais da Infância.

     As atividades de escrita combinaram, em sábia proporção, os constrangimentos de uma disciplina estrita com a espontaneidade da invenção; a música, em ampla variedade, veio abrir-nos a uma escuta diferente, mais afinada para captar os pensamentos que sussuram abaixo das opiniões barulhentas da superfície; a livre expressão corporal também contribuiu para invocar a beleza esquecida das palavras que andavam enrodilhadas nos bolsos do nosso afazer nervoso.

     As participantes fizeram, assim, a experiência gratificante de comunicar mais profundamente entre si, enriquecendo também a união do grupo de trabalho com  uma vivência original e estimulante.

     Agora, transmitimos aos nossos alunos alguns destes exercícios libertadores e já são eles a perguntar “Onde é que há mais?”

    Aqui fica o nosso agradecimento pela colaboração generosa da Biblioteca Juvenil de Cascais e pela excelente orientação da nossa Formadora, Cláudia Marques.