Animais em Liberdade

Little Pretty Bird

Trey Ratcliff via Compfight

Tese:

    Em relação a os animais, considero que devem viver em liberdade.

1º Argumento:

     Em primeiro lugar, embora nos jardins zoológicos ou aquáticos se diga que os animais são “felizes”, na verdade, eles sofrem nas suas celas, chegam a enlouquecer ou ficam com depressão.

2º Argumento:

     Em segundo lugar, os animais têm direito a caçar, saltar, correr, reproduzir-se livremente porque eles pertencem á selva e assim foram criados por Jesus.

3º Argumento:

     Finalmente, os animais precisam do amor que só encontram no seu habitat ou em territórios próprios bem defendidos, como por exemplo, o lince ibérico na serra da  Malcata.

Conclusão:

     Por todas estas razões, eu defendo que os animais devem viver em liberdade!

Svetty

Print Friendly

Conversas na Oficina: Uma Raposinha no AquaPark

On the Run! Pat Gaines via Compfigh

          O Dia começou como normal, com o Túlio, panda vermelho ou pequeno, que acordou e disse:

    – Vou pintar as caras dos meus irmãos e irmãs com pasta de dentes.

     E desenhou uns bigodes ao Vanya, o cabrito; e com a caneta desenhou os olhos e foi ter com a Svetlana, eu, a raposa com seis caudas e penteado vavilonas e também sou um Pokémon Vulpix, nº 37 e desenhou-me uma barba e uns olhos.

     Eu acordei e ralhei:

     – Tuuuuuulio! Apaga isso, depressa!

     O Tuliou apagou e disse-me:

     – Tu viste a tua cara?  – E riu-se.

      Eu, Svetlana, dei-lhe uma bofetada:

      Twack! E afirmei:

     – Se me voltas a fazer isso, vais ser o meu saco de boxing!

     Ao pequeno-almoço os pais perguntaram:

    – Crianças, sabem onde nós vamos?

    – Vamos ao Aquapark?

    – Claro! – responderam os pais.

       Nós fomos numa caravana, o Tulio, os seus irmãos, eu, os cachorrinhos de Huskie, Aliosha, Grisha, os cachorrinhos de Boxer, todos  para o Aquapark e, no minuto certo, os cachorrinhos de Huskie, exclamaram:

      – Estamos cansados! – a viagem era longa.

    Quando chegaram, eu mostrei os Escorregas radicais, chamados “Tornado-Kamikaze-Whirlwater”.

     Eles experimentaram as  diversões mais espectaculares. Recordo quando Vanya gritou:

     – Não Quero!

      Mas depois, todos se divertiram imenso e regressamos à noite. Nunca me esquecerei desse dia maravilhoso.

(Em parte ditado)

Svetty T, 5B

Print Friendly

Conversas na Oficina: Projetando o Estudo – Svetty

Choose Your Own Adventure

chiaralily via Compfight

     Avalio o meu desempenho, neste período, como suficiente. Mantive quase todas as médias, incluindo a média excelente a Inglês, mas desci a Matemática e a Português.

     Penso ter descido a Português porque os complementos são difíceis, há longos textos e interpretação para escrever e não consigo escrever muito, porque fico cansada.

     A Ciências não subi mais por falta de atenção nos testes, pois nas aulas estou com atenção. Mas nos testes quero fazer depressa, para poder esperar que toque e desenhar. Enquanto não desenho as minhas ideias, estou inquieta, sinto-me nervosa.

      Como estratégia, para melhorar, vou fazer os meus testes a duas velocidades: 1º rapidamente, depois, mais lentamente, para ver e corrigir o que já fiz. Não vou levar papelinhos de apoio para os testes de HGP, isso não é justo.

     Para subir a Português, vou agendar 5 etapas de estudo; vou ler o “Príncipe Nabo” e estudar as categorias do Texto Dramático.

    Para subir a HGP, também vou agendar etapas; depois leio por parágrafos, tapo o livro e repito por palavras próprias. Em seguida vou escrever apontamentos.

    Para que o ambiente na aula seja melhor, tenho o direito de pedir para não ser incomodada com pequenos ruídos feitos de propósito para me desconcentrar.

     Projetos de Arte para estas férias: Vou desenhar “A Guerra dos Balões de Água” em banda desenhada, um “Aquapark” e um Holmes Place” de SPA e lazer. Vou também escrever sobre “Aventuras de Crianças com Cauda”, que são bandas desenhadas sobre animais antropomórficos – na internet chamam-se “Furry”.

     Um bom momento deste período foi escrever com a Prof Inês.

Svetlana T, 5B

Print Friendly

A Vida Selvagem – XVII

   Batman and Robin (1949), movie poster illustration by Glenn Cravath

Tom Simpson via Compfight

     A Família ia acampar com os seus amigos, mas a Safira e os irmãos não queriam ir e então ficaram em casa.

     O Michael ficou com eles, o seu empregado e o pai. À noite, a Safira ouviu uns barulhos, assim como todos os seus animais. Foram todos lá abaixo, à entrada e viram uma pessoa com fato de morcego.

     A Safira, sem pensar, deu-lhe um pontapé e o estranho gritou:

    – Calma, sou eu, o teu pai! Eu torno-te numa companheira de um Super-Herói.

     Então, a Safira tornou-se a companheira do Batman e a ajudante de Safira era a sua pantera.

     Foram todos dormir e, de manhã, a Safira foi  ver o Michael para lhe contar tudo.

Margarida L, 6B

Print Friendly

A Vida Selvagem – XVI

_IGP1045

Creative Commons License Stah via Compfight

      Foi um grande jantar, com bifes, batatas, bolos, frutas, saladas e sobremesas. No final do jantar, o Michael perguntou à família da Sabrina:

       – Querem ir ao cinema?

       A Sofia perguntou:

      – O que é o cinema?

       E a mãe respondeu:

     – Nós temos uma sala de cinema! Vamos, venham!

      Quando chegaram à sala de cinema, foram com  a bicharada atrás. Passadas três horas, já estavam a sair e a Sabrina disse:

      – Eu gostei do filme: era a história de uma menina que vive com os lobos.

      O Michael  perguntou:

      – Posso levar a Sabrina a um Parque de diversões?

      A Mãe respondeu:

      – Desculpa, mas agora elas vão ter uma aula de equitação.

      O Michael perguntou:

     – Posso ir?

      O Pai respondeu:

      – Sim.

      Quando chegaram ao picadeiro, viram aqueles cavalos amarrados e as duas irmãs exclamaram:  

      – Nós usamos os nossos! Deram um grande assobio, e lá vieram os dois cavalos. Um senhor estava pronto para lhes pôr uma sela, mas a Sofia e a Sabrina disseram que não era preciso.

     Quando estavam na sua aula, o instrutor estava sem palavras e gritou:

     – Vocês não precisam de aulas!

Margarida L, 6B

 

Print Friendly

Aventura Selvagem – XV

     Riley's reaction to last nights US presidential debate.

Valerie via Compfight

      As irmãs estavam muito felizes. A mãe perguntou se queriam ir ao ZOO e, como elas não sabiam o que era, quiseram ir.

      Quando chegaram, viram aqueles animais todos presos e quiseram logo soltá-los. Passaram por portas secretas, lasers, animais, só que estes não lhes fizeram nada. Até às 9h00, já tinham aqueles animais todos soltos. A mãe gritou:

     – Filhas! Vão já para a limousine!

     A Sofia, que era a Escura, perguntou:

    – O que é que fizemos?

    – O que vocês fizeram foi soltar os animais todos.  – Disse a Mãe.

    A Sabrina, que era a Loba Selvagem, embora os pais trocassem os nomes delas, disse:

     – Eles são animais exóticos, não podem ficar aqui presos para sempre.

    Depois de chegaram a casa, a Sabrina saiu, foi ver a cidade e conheceu um rapaz que se chamava Michael e que era rico: ganhava, por semana, mais ou menos 100 000 000 000 000 000 500 euros. 

     Ficaram logo amigos: o Michael tinha olhos azuis claros, o cabelo loiro e roupa casual: era um casaco preto com uma camisola branca e calças de ganga, que era o estilo da Sabrina. O Michael perguntou:  

     – Queres que te leve para casa?

     – Obrigada, mas eu vou de outra maneira; se quiseres, podes vir comigo. – Respondeu a Sabrina.

     Sabrina chamou a sua pantera e disse a Michael:

     – Queres vir ou ficas aí a olhar para o nada?

     Michael subiu muito apressado para o dorso da pantera e Sabrina avisou:

     – Agarra-te!

     Passados dez minutos, já estavam em casa e a Sabrina perguntou:

     – Queres entrar?

Margarida L, 6B

Print Friendly

Um Tubarão na Praia

     Shark!

duncan c via Compfight

      Era uma vez uma menina  e um menino que estavam a fazer um castelo. Ela chamava-se Matilde e ele Santiago; eles estavam a brincar, quando apareceu um rapaz que começou a cantar para a Matilde e o Santiago.

     O miúdo estava a cantar para eles e, de repente, no mar apareceu um tubarão que diz:

     – Eu quero esta ilha para mim, senão como-vos!

     Eles ficaram tão assustados que fugiram. Ele já tinha devorado o castelo delas e a Matilde começou  a chorar.

      A Matilde e o Santiago, quando foram embora, viram que afinal não era um mnstro a sério: era a Beatriz e a Joana vestidas num fato de tubarão! Logo de seguida, as crianças voltaram a aparecer!

Mariana C, 6A

Print Friendly

O Ratinho Corajoso

     rhabdomys pumilio

Joachim S. Müller via Compfight

     Era uma vez uma matilha de cães selvagens e loucos. Eles matavam um animal em cada hora. Viviam numa caverna especial, com muitos ossos e um terrível mau-cheiro.

     Um dia, um ratinho tão pequenino, ficou cansado, porque ele não podia atravessar a floresta por causa dos cães selvagens. Mas, no dia seguinte, ele conseguiu sair, porque a sua mãe lhe deu uma varinha.

      O Ratinho perguntou:

     – Mas porquê, Mãe?

     A Mãe do ratinho disse:

     – É de condão.

     Os irmãos do ratinho gritaram todos:

     – Boa Sorte!

The Wild Dogs were out to play.

Wild in Africa. via Compfight

     E o ratinho saiu. Na floresta estavam todos os animais a tremer de medo. O ratinho foi para essa caverna, cheia de mau cheiro. Os cães selvagens rosnaram:

     – Outro idiota!?

    O ratinho exclamou, apontando a varinha:

     – “Ridiculus”!

     E todos os cães selvagens se tornaram uns cachorrinhos a chamar pela mãe e correram com medo da escuridão da floresta. Então os lobos, as corujas, os veados, os esquilos, as raposas, os coelhos, os ouriços-cacheiros, os pássaros chamaram-lhe “o herói” porque ele salvou toda a floresta com a sua coragem.

Svetlana T, 5B

 

Print Friendly

O Coelho Queixinhas

     Hmmm

Creative Commons License Ketzirah Lesser & Art Drauglis via Compfight

      Era uma vez um coelhinho tão pequenino, branco, felpudo de orelhas espetadas… mas ele fazia muitas, muitas queixas! Ele queixava-se dos seus amigos:

     – Professora, o meu amigo fez sons… o meu amigo empurrou-me… o meu amigo fez batota no jogo…o meu amigo mentiu-me… não me fala…

     Um dia, os amigos decidiram pregar-lhe uma partida: eles esconderam-se todos no armário (um lugar de que o coelho queixinhas tinha medo). Ele chamou:

    – Amigos, onde estão?

    Ele ficou a brincar sozinho, durante uns dias, mas tão triste e aborrecido… Então parou de fazer queixinhas.

      Os amigos disseram-lhe:

      – Tu nunca mais vais fazer queixinhas de nós.

      O Coelhinho passou a chamar-se “risota”  porque se ria muito com os amigos quando brincava.

Svetty T, 5B

Print Friendly

Aventura Selvagem – XIV

     Roxane (?) - WIP

Agathe’ via Compfight

     A Loba Selvagem estava muito contente, porque ela e a irmã iam para a cidade, durante um ano, com os seus animais todos: raposas, leões, panteras, cães, aves, crocodilos…

     Quando chegaram, tinham uma mansão à sua disposição, onde vivia uma senhora de 40 anos e um senhor de 50 anos.

     Quando as meninas entraram, elas encontraram umas roupas na porta do quarto: para a Loba Selvagem umas calças rasgadas, com uma camisola vermelha e um casaco preto. A irmã tinha um vestido azul escuro com uma fita azul clara. Depois que se vestiram, foram ver os donos da casa.

     – Será que estas meninas são as que perdemos há 19 anos?  – interrogou-se a velha senhora Sofia.

     Quando viram a Loba Selvagem, reconheceram aquele sorriso, os olhos e o cabelo. Os dois gritaram:

     –  Filha!

     As duas, que eram as filhas dela, começaram a fuir e perguntaram:

     – Quem é que são?

     Respondeu a Sofia:

     – Nós somos os teus pais!

     As duas ficaram assutadas, mas confiaram. Os pais lobos continuaram a ser pais delas.

     Voltaram a correr para a Floresta. Como descobriram, foram dizer à mãe Loba e disseram para ela ir viver para a cidade, para a casa. A Loba mãe concordou e foram todos os lobos.

     Quando a Mãe Sofia e o Pai Rodrigo viram aquela alcateia, assustaram-se, mas as irmãs disseram:

     – Estes animais são os que  nos trataram e este é nosso irmão.

     Os pais humanos perguntaram: – Como é que eles vos percebem?

    Elas responderam:

    – Graças a estas pulseiras.

Margarida L, 6B

Print Friendly

Aventura Selvagem – XIII

Leopard on famous leopard rock at dusk

Shanaka Aravinda via Compfight

     Estava tanta chuva que ninguém queria sair de casa; a pantera adormeceu em cima dos três irmãos.

     De manhã, a Loba Selvagem tentava sair de baixo da pantera; passadas 3 horas, conseguiu. Acordou logo a pantera Safira e exclamou:

     – Eu estava tão quentinha e agora pareço um bloco de gelo!

    – Vamos dar uma volta – propôs a Loba Selvagem.

    – Só se formos todos, mas está muito frio – queixou-se a pantera Safira.

     – Mas quem disse que íamos lá fora? Vamos acordá-los a todos: tu acordas estes, tu, os otros todos.

     Encontraram-se todos na caverna e perguntaram á Loba Selvagem:

    – Onde vamos?

     A Loba Selvagem não disse nada e puxou uma pedra; para lá dessa rocha, estava uma gruta gigante, com cascata, árvores, coqueiros, bar…

     Exclamaram:  – Não sabemos o que dizer!

     As panteras, a primeira coisa que fizeram foi subir às árvores; os leões rugiram cinquenta vezes; os cachorros nadaram, os gatos estavam em cima das panteras e os irmãos a mergulhar!

     O pai viu uma pantera e foi lá dentro. Quando ele viu as panteras, os leões, os cães, os gatos e os filhos, gritou:  

     – Atacar!

     Ele só disse “atacar” porque é outro lobo, caso não se lembrem. Todos os lobos correram para as árvores, mas… A Loba Selvagem pôs-se á frente. O pai disse:

     – Sai da frente!

    – Não, eles estão do nosso lado! Espera, tu, o meu pai, sabias que eles estavam do nosso lado!

     O falso pai começou a correr e a Loba Selvagem gritou:

     – Atrás dele!

     Correram por bosques até o apanharem, mas os lobos não aguentaram e quiseram matá-lo. E mataram-no mesmo!

      O que irá acontecer a seguir?

Madalena L, 6B

Print Friendly

A Aventura Selvagem – XII

   IMG_1918

Ignacio Avendano via Compfight

      Passados cinco anos – portanto, a Loba Selvagem tinha 18 anos – ela tinha ficado muito séria, já não brincava com os lobos pequeninos. Mas ela não gostava nada de trabalhar assim.

     À noite, os lobos estavam todos de vigia e repararam num lobo não identificado. A Loba Selvagem gritou:

     – Atacar!

     Mas logo parou, porque reparou que era o seu Pai, mas diferente, agora regressava todo preto! Todos os lobos gritaram:

     – Chefe, Chefe!

     A Família dele gritou:

     – Pai, Pai!

     E a Loba Selvagem disse, com grande alegria:

     – Já não vou ser chefe!

     Começou a correr como se não houvesse fim, até encontrar os seus irmãos que tinham saído e gritou-lhes:

     – Já não sou chefe! O Pai voltou!

     Deram todos um grande abraço. E disseram em conjunto:

    – ‘Bora dar uma volta com os animais.

     Foram buscá-los: os dois irmãos sentaram-se nas panteras e a Loba Selvagem no Simba.

     No dia seguinte, fizeram uma grande festa  de manhã. Descobriram que o pai, que pensavam ser o seu, era um lobo mau da outra alcateia; mas reparou no que lhe fizeram e tornou-se bom.

Margarida L, 6B

Print Friendly

A Vida Selvagem – XI

     White wolves

jaci XIII via Compfight

     Os três irmãos correram para casa, porque já estavam a ficar muito de noite. Eles chegaram a casa e estavam o pai lobo e a mãe a tentar fazer um plano de ataque; a Loba Selvagem perguntou:

     – O que aconteceu?

     – Nós vamos á Guerra logo de manhã!

     – Nós vamos dormir com os nossos animais noutro sítio; de manhã, já estamos cá.

     Começaram a correr para o sítio dos cavalos com os seus animais todos.

     De manhã, os cães, as panteras, os leões , começaram a ouvir lobos a correr em direção ao sítio onde a Loba Selvagem morava e estavam os animais todos a tentar acordar os irmãos.

     Quando todos saltaram para cima deles, eles acordaram.

     Sem dizer nada, começaram a correr, pois já era para aí meio-dia. Os irmãos mais novos iam pelo chão a correr, com os outros animais. E a Loba Selvagem, com as panteras, pelas árvores.

     Quando eles chegaram, a Loba Selvagem pensou que ainda havia mais árvores e saltou: todas as panteras tentaram agarrá-la, mas caíram todos uns em cima dos outros. O Pai disse:

      – Estão atrasados! – com uma cara muito irritada.

      – Desculpa, Pai – disseram os irmãos. E foram andando. A Loba selvagem ia pelas árvores que ela adorava.

      Quando chegaram, começou a guerra: lobos para um lado, lobos para o outro…

     No final, estava a mãe sentada ao pé de um lobo que era o pai deles que estava cheio de sangue. Quando a Loba Selvagem viu, começou a correr em direção à mãe e, quando chegou, deu um grande abraço à mãe, nem conseguiu dizer nada.

      E como o Pai morreu, era a fila a comandar, isto é, era a Loba Selvagem a governar a alcateia.

Margarida L, 6B

 

Print Friendly

Loguin

Wolves at Wolf Park INPygoscelis papua

   

 

 

 

 

 

       Até agora, o Loguin é um animal que junta um pinguim e um lobo. É pequeno, forte e um grande predador. Tem uma boca enorme, um focinho molhado e preto, uns olhos assustaores e umas orelhas redondas e felpudas. As patas são tal e qual as dos pinguins.

     Ele adora nadar e comer os maiores peixes possíveis e atrai as presas, sejam peixes ou ovelhas  com o seu olhar aberto. Os bebés são muito fofinhos e já sabem nadar e caçar assim que nascem; como já são fofos, são atraentes e usam essa técnica para caçar os outros animais.

     No futuro, os cientistas dizem que, se os seres humanos os aceitarem como animais de estimação, pode vir a ser mais inteligente do que o próprio ser humano: vão aprender a cozinhar, a ligar a televisão e o resto que o ser humano faz e fará.

      Ele não é rapaz ou rapariga, pode acasalar-se com outro ou não e pode ter filhos sozinho a partir dos 20 anos, por isso os cientistas ainda não sabem classificá-lo quanto ao ser sexuado.

     Os filhos, até aos dois anos, só se riem do que dizem, são uns verdadeiros mestres da comédia. Eles vivem até aos 70 anos de idade; aos 50 os filhos constroem casas parecidas com as dos seres humanos; com lã de ovelha fazem uma cama com 1,30 m de comprimento, que é o tamanho normal deles. Na sua morte, os filhos protegem a casa.

Afonso S, 5C

Images: Patrick Marioné via Compfight  Creative Commons License Max Goldberg via Compfight

Print Friendly

A Vida Selvagem – X

     Cheetah

Eric Neitzel via Compfight

      Estavam todos em casa e os três irmãos estavam todos a dormir. A Loba Selvagem acordou de noite e, como não conseguia dormir, foi lá fora. Foi ter com o seu cavalo Trovão.

     Ela foi para uma gruta gigante, para falar com um amigo leão. E disse:

      – Olá!

      O leão saltou para cima dela e gritou:

      – Eu quero viver contigo!

       A Loba Selvagem disse:

      – Sim, anda!

       Ele deitou-se aos pés da Loba Selvagem. De manhã, a Loba Selvagem disse:      

       – Bom dia, Senhor Simba!

       – Bom dia!

        Os dois foram brincar e os dois irmãos foram também. O pai estava zangado por ter um leão lá em casa. E os três irmãos foram fazer uma corrida.

       A irmã Escura ia montada no Simba, a Loba Selvagem na pantera, que já tinha crescido, e o irmão, na égua.

       Passaram por árvores e a Loba tinha sorte, porque ia por cima das árvores. Depois, surgiu um sítio com muitos saltos: então, o irmão tinha sorte porque estava em cima da égua. Por último, a passagem era uma escalada e a sorte foi para o leão.

       Quem ganhou foram os três!

Margarida L, 6A

Print Friendly

A Vida Selvagem – IX

The Hunt!

Creative Commons License Nick Jewell via Compfight

      Os três irmãos foram dar um passeio com os seus animais. As panteras estavam sempre a brincar e a saltar para cima deles. O cavalo Trovão estava sempre a brincar com a Cinza; os cãezinhos gostavam de brincar com as panteras: gostavam de lhes morderem as orelhas.

     As panteras tiveram um bebé preto, mas muito preto, com os olhos azuis, como a Mãe. Passados três meses, nasceu um potro preto, com manchas brancas, ao contrário do Pai.

      Os cães eram grandes amigos e quiseram fazer uma caçada sozinhos, mas foram atacados por um leão! O Serra de Estrela queria proteger o seu amigo, mas, de repente:

      – Rrrrrrrrr!

      O Leão pôs-lhe a pata na cara e estava pronto para lhe dar uma dentada no pescoço, mas o cão Salsicha, para o defender, pôs-se à frente do leão e o leão matou-o. Mas soltou o Serra da Estrela e foi-se embora.

       A Loba Selvagem passou por lá, viu o cão Salsicha no chão e gritou:

      – Porquê?!

     O Serra da Estrela viu a dona, foi ter com ela e disse-lhe:

     – Foi um leão. Nós só queríamos que tu nos achasses fortes.

     E disse a Loba Selvagem:

     – Mas vocês são fortes!

Margarida L, 6B

Print Friendly

O Cabritinho Abandonado

 enjoy the sun

Creative Commons License Jos via Compfight

     Era o dia do almoço de Natal e, como sempre, era na minha quinta. Eu e a minha mãe chegamos primeiro para preparar tudo. Quando o meu pai chegou, começaram a chegar os convidados e quando os meus primos chegaram, eu e o meu pai e os meus primos fomos a uma quinta que há por baixo da minha quinta e encontrámos um cabrito bebé.

      Era um estábulo miserável, sem palha no chão, com muito pouco milho e quase nada de água, mas já castanha como lama. O animalzinho estava enroscado no chão, tremia de frio e berrava pela mãe. Eu e o meu pai ficamos com muita pena e decidimos levá-lo para a minha quinta.

     Quando lá chegamos, dissemos à família que o bicho estava em perigo, mas ninguém o quis. Então, tivemos de devolvê-lo.  

     O meu pai falou com o dono, ofereceu-se para o comprar; primeiro, o senhor disse que o cabrito já estava encomendado e não o podia vender; então, o meu pai ofereceu 70 euros, mas com a condição de darem de comer ao cabrito e de tratarem dele. O senhor aceitou e temos confirmado que ele realmente tem tratado bem do bichinho. Temos de continuar a dar dinheiro ao senhor.

     Desde que vi o cabrito a ser tirado da mãe, até agora não comi mais carne.

Alexandre S, 6C

Print Friendly

O Natal Maravilhoso

     

Imagem: Quinta da Torre

      Este Natal foi incrível.

     Na primeira semana das férias fui para casa do meu avô que vive em Óbidos. O meu avô tem uma quinta enorme. Eu vou lá com as minhas irmãs a um estágio de cavalos que se chama Ceia (Centro Equestre Internacional de Alfeizerão).

Imagem: Quinta da Torre

     Eu ia de manhã, limpava alguns cavalos, almoçava e, à tarde, ia montar um cavalo chamado Saturno. Era branco, de crinas compridas, gostava de festas; davamos-lhes biscoitos próprios; ele adorava andar a trote.

     O meu avô tem um cavalo chamado Tafetá e, num sábado de manhã, fomos passá-lo à Guia, para ele se habituar a ser montado pela minha irmã. No Sábado, celebramos o Natal com o meu Avô.

     No Domingo, voltei para casa e celebrei com a Família da minha Mãe. Recebi presentes espetaculares: um cartão da Decathlon com dinheiro lá dentro, um casaco muito giro, uma caixa cheia de materiais de artes, uma caixa de brilhantes com dez cores, entre as quais um tom de salmão… A Mãe fez anos no dia 28 e dei-lhe um marcador que é como um livro que se tem de enfeitar, fazer um buraquinho, passar uma fita.

     Na passagem de ano eu fui para o paredão ver os foguetes e bebi champomix. Estas férias foram muito giras. Ninguém diria que iam ser assim tão fantásticas.

     Desejo a todas as pessoas do mundo que este ano corra tudo bem e com muitas felicidades.

Isabel S, 5D

Print Friendly

O Animal Real que foi Inventado

cat #653

K-nekoTR via Compfight

     Era uma vez um animal que tinha umas orelhas de lince Ibérico, corpo de chita, carapaça de tartaruga, força de elefante e riscas de tigre.

     Um dia, ele foi passear e o lince Ibérico, o tigre comum, a chita comum, o elefante comum e a tartaruga comum disseram:

     – Que estranho! Foste inventado pelo cientista mais maluco que existe!

     – Eu sou como quiser. Hum! – Respondeu. – Vamos fazer o concurso do melhor animal. Concordam?

     – Sim! – Afirmaram.

     – 3…2…1…Vão!

      Correram. E o animal estranho e a chita ganharam. E atraíram todos os animais a gritar sem parar:

      – São os melhores do mundo!

       E quem ganhou foi o estranho animal. Mas quem será o dono? Na etiqueta diz que é o Miguel M.

(Teste de Português)

Miguel M, 5A

Print Friendly

Querida Ana

suritigre_ana_sofia

Imagem: Zoo de New York 

Floresta dos Castanheiros 6 de Março de 2017

     Querida Ana,

     Estou muito feliz por me teres inventado.

    O meu nome é Suritigre, o meu pelo é fofo, castanho, com riscas brancas.

    Vou contar-te um pouco da minha vida: gosto de viver rodeado de árvores e de ter, ao pé das árvores, uma ribeira. Gosto do inverno: relva coberta de neve, o vento a refrescar-me. Posso comer mirtilos, framboesas e avelãs.

     Os meus amigos são o Timom e o Pumba.

     Sou muito pequeno e tenho a cabeça muito pesada, por isso, quando vou a correr, caio algumas vezes.

     Adorei o desenho que fizeste de mim e sou muito feliz.

Beijinhos para ti,

Suritigre

Ana Sofia D, 5B

Print Friendly

A Vida Selvagem – VII

Deutscher Schäferhund DDR-Linie

Creative Commons License Maja Dumat via Compfight

     Os três andavam a galopar sempre todos os dias.

     De repente, os cavalos deram um salto gigante e caíram no chão. Ao levantarem-se, caíram num buraco muito grande.

     – Aaaahhh! – Gritaram em coro.

     – Estão bem? – Perguntou a Escura.

     Eles disseram:  – Sim, e tu?

     – Também. – respondeu a Escura.

     Ouviram um ladrar; foram a correr para lá: eram dois cães, um Serra da Estrela e um Salsicha; os dois eram bebés. A Loba Selvagem perguntou:

     – Acham que fiquemos com eles?

      A Escura disse:  – Vamos perguntar ao pai.

     Lá foram, no seu jeito de subir com lianas e pezinhos de ladrão. Quando chegaram, o pai perguntou:

    – Por onde andaram? Vão tomar um banho!

     – Ok, mas podemos ter dois cães?  – perguntaram as irmãs.

     – Sim, deixem ver os cãezinhos.

     Elas agarraram nos cachorrinhos: o Serra da Estrela era de uma cor castanha claríssima, com umas manchas pretas na cara e um pouco de branco. O Salsicha era preto com uma linha castanha na cara. Elas foram buscar diamantes para fazer coleiras e fizeram umas casotas muito grandes para eles.

Margarida L, 6B

Print Friendly

A Vida Selvagem – VI

Here's Starin' at You!!!

Creative Commons License possumgirl2 via Compfight

      A Loba Selvagem e a Escura andavam sempre juntas e os seus cavalos, mas o Picasso ficou todo preto e a Loba Selvagem mudou-lhe o nome para Trovão.

     Um dia, o rapaz, que se chamava Roger, foi a seguir as pistas dos cavalos. As duas amigas estavam a andar a cavalo quando, de repente, apareceu o Roger e elas foram falar com ele para saber porque é que ele estava sempre a segui-las;  e  a Escura perguntou:

     – Por que é que nos segues?

      – Eu estou a tentar que vocês sejam minhas amigas. – Respondeu o Roger.

     A Loba Selvagem disse:

      – Ok, mas vens connosco para ver se o nosso pai aceita.

       E foram os três, mas o Roger estava amarrado. Quando chegaram, todos ficaram a olhar para o rapaz. Estavam num sítio muito escuro, num gruta gigante, com cerca de cem mil lobos! Quando o Pai viu o rapaz, disse para eles entrarem na gruta. Quando entraram, a Loba Selvagem perguntou ao Pai:

       – Pai, este rapaz quer ser nosso amigo!

      O pai respondeu:

      – Ok, mas ele vai ter de viver aqui, vai-se chamar Trovoada e vocês as duas vão ter de o ensinar. Está combinado?

       As duas disseram em coro:

        – Ok!

        Foram lá para fora e começaram por apanhar um cavalo. Apanharam um cavalo branco com uma mancha cinzenta na cara. Tentaram todos agarrar a égua e ele conseguiu montá-la. Depois, ele gritou:

      – Aleluia! O que acham de mim em cima da égua?

       – Estás bem fixe.  – Disseram a Escura e a Loba Selvagem.

       – Vamos chamá-lo “Cinza”.

        Elas não o viam mais como amigo, viam-no como irmão.

        Um dia, a Loba perguntou a todos:  

       – Quem quer fazer uma corrida de cavalos?

        E eles responderam:

       – Nós!

       Estavam a preparar-se e começaram a correr;  estavam a passar por árvores, rios, vulcões. Quem ganhou foi o Trovão, em segundo a Escura e em 3º o Trovoada.

Margarida L, 6B

Print Friendly

A Vida Selvagem – V

   Buddies

Creative Commons License Amanda via Compfight

     Ela esperou e esperou… quando a Mãe chegou e o Pai, ela perguntou:

    – Mãe, Pai, eu posso montar cavalos selvagens? É que uma vez, vi um e gostei. E se eu puder, posso ficar com ele?

    O Pai e a Mãe responderam:

    – Não, os cavalos não são para montar! A Mãe pensou um pouco e disse: – Sim, mas vais ter de o acalmar, às vezes, por causa dos lobos. Mas nós vamos dizer-lhes para não o comerem.

     E o Pai acrescentou logo:

    – Lobos, não podem comer o cavalo da minha filha!

      A Loba Selvagem, com a sua irmã e melhor amiga, foram apanhar dois potros. O da Escura era branco, muito branco. O da Loba Selvagem era branco e preto às manchinhas. O da Escura chamou-se Silver; o da Loba Selvagem chamou-se Piicasso.

     Como elas não queriam que os lobos fizessem nada aos cavalos, fizeram um estábulo numa gruta para eles. Era grande, com muita palha no chão, para eles rebolarem. A gruta estava muito escondida. Até o animal que farejava melhor não conseguia encontrar! Tinham água e leite, com cenouras.

      Passados alguns anos, os potros eram cavalos bem fortes, e as irmãs saíam de casa a correr para irem ter com os cavalos. Tentavam sempre montar; a Escura ficou com uma cicatriz na boca e a Loba Selvagem também.

    Elas eram totalmente gémeas, mas as irmãs apanharam  diamantes para fazerem uns colares, para se distinguirem. A Mãe e o Pai começaram a estranhar, mas deixaram estar.

     Um dia, conseguiram montar e, de repente, os cavalos foram a galope para a cidade, para encontrarem o rapaz que seguia a Loba Selvagem. Encontraram-no, assustaram-se e voltaram com ele para trás.

Margarida L, 6B

Print Friendly

Caçadora de Leões

     3H3A4565

Andrew. via Compfight

     Eu tenho uma Leoa da Rodésia; esta raça, antigamente, ajudava a caçar leões: este tipo de cão rodeava o leão e esperava que o caçador chegasse para caçar o leão.

      Tivemos sorte, porque uma amiga da minha mãe era criadora desta raça, mas a sua cadela, que teve onze filhos, morreu atropelada e éramos nós que estávamos a cuidar dela, enquanto a dona tinha ido a um batizado em Santarém.

     Quando esta cadela desapareceu, estivemos duas semanas à procura dela, por uns prédios. Na segunda semana, uns homens tiveram de nos mentir, para não nos sentirmos mal, porque eles já sabiam que a cadela tinha morrido na auto-estrada.

     Jogamos à “Rabia” com uma bola de futebol: ela vai buscar a bola com a boca, quando dizemos “deixa”, ela larga a bola.

     Ela tem um pelo cor de torrada mais queimada e um pedaço de pelo virado ao contrário. É uma cadela que pede festas a toda a gente que vê.

     A cadela vai ficar para o meu rimão mais velho e por isso não vou ter problemas. Eu sempre quis ter um cão. Agora sinto-me mais seguro em casa.

Rafael S, 5C

Print Friendly

O que me dá Asas

elefonte

Imagem oferecida pelo Zoo de New York

     O que me dá asas é quando um amigo chega a minha casa, porque eu gosto de brincar com os meus amigos. Vivo num prédio e, quando um amigo meu chega, vou até lá abaixo mesmo descalço. (O meu melhor amigo e eu vivemos os dois num 1º A!).

    Eu estou a gostar do projecto “Arca do Não é”: o que estou a gostar mais é de fazer parte do projecto e juntar animais é muito divertido: escolhi um elefante e um siamango, uma espécie de macaco; quando ele grita, incha o papo.

     Vou poucas vezes ao Zoo, porque moro no Estoril, longe de Lisboa. Também já juntei um elefante e um hipopótamo que é a cria e os nomes dos pais são elefango e siamante; a cria chama-se elefonte.

     O Elefonte adora brincar, corre muito e come folhas, como os pais. Gostam de viver perto dos rios, em abrigos, para se protegerem e beberem água. A mãe e a cria podem ser domesticados, o pai não, porque ele é selvagem. Eles gostam de festas, se não os atacarem, eles não atacam.

Vasco L, 5C

(Tema inspirado no livro de Ecologia Emocional  “Energias e Relações para Crescer” de Mercés Conangla e Jaume Solers)

Print Friendly

Animais Selvagens em Liberdade

Hide and Seek, Cotswolds, Gloucestershire

Creative Commons License Kumweni via Compfight

       Em relação aos animais selvagens, considero que os animais selvagens devem ser livres.

     Acima de tudo, acho que os animais não foram criados para viverem em cativeiro; o meu irmão, que vive em África, vê imensos animais no campo quando vai para a Universidade.

      Em seguida, quando os animais são livres, têm mais capacidades do que quando estão em cativeiro. Imaginem como os macacos são felizes na floresta, se já se sentem tão contentes no recinto do Badoka Parque.

     Além disso, os animais têm mais capacidades para se reproduzir quando vivem livres do que quando estão em cativeiro.

     Portanto, temos de os proteger para os animais não ficarem em extinção.

Federica V, 6B

Print Friendly

Um Conhecimento Espetacular

    Dogs

Creative Commons License Hugh Barbour via Compfight

     Num dia de muito sol, eu ia a passear o meu cão Marley e passei por um parque aquático para cães. Encontrei uma menina a passear o seu cão: tinha pelo bege e longo, era médio e tinha orelhas descaídas.

     Encontramo-nos no carrocel de lavagem para cães.  Sem querer, os nossos cães começaram a fugir e chocamos uma com a outra.

    Começamos logo à procura dos nossos cães e depois descobrimos que tínhamos muita coisa em comum.

     O Smokey e o Marley foram comer – eles são uns gordos. Comeram tanto que estavam quase a explodir.

     A seguir, foram correr, a ver se abatiam quilos. Mas quando chegaram à Disney, foram comer mais batatas e bife. De seguida foram ao bar do Mr. Mick, para cães; lá havia tudo o que havia para adultos, mas dedicado a cães, como: cerveja, vinhos, caipirinhas…

     Eles tinham um relógio que, quando fosse 12h 30 na Disney, cá eram três horas da tarde.

(Texto a duas Mãos)

Federica V e Maria B, 5B

Print Friendly

A Praia mais Bonita do Mundo

     Baia dos Porcos

Creative Commons License guilherme jofili via Compfight

     Passadas as minhas férias em Pipa, eu e o meu tio decidimos ir para a ilha Fernando de Noronha, porque o meu tio fazia anos.

    No dia 1 de Setembro, foi quando eu parti de Natal para ir para a ilha maravilhosa; chegamos ao aeroporto, e, como estávamos com fome, comemos pão de queijo.          

     Passada uma hora, estava em Fernando de Noronha! No dia seguinte, fomos, eu e o meu tio, fazer um passeio pelas praias mais bonitas de sempre! A praia a que eu mais gostei de ir foi à “praia mais bonita do mundo”: Praia do Sancho“! E as coisas de que eu também mais gostei foram uma água transparente, de fazer snorkelling e de ver os animais: golfinhos a saltar lá ao fundo, tubarões…. logo de manhãzinha, vi peixes de várias cores, raias e tartarugas.

ze_henrique_moura_praia_sancho

Autor: Zé Henrique Moura

       No dia seguinte,  fui fazer um passeio de barco, apra conhecer melhor os animais debaixo de água e ver um pôr do Sol fantástico.

      No dia em que viemos embora, fiquei muito triste, mas teve que ser. Então, chegamos a Natal e fui para Pipa outra vez.

Lourenço C, 6B

Print Friendly

Animais em Liberdade

   Roe Deer, Cotswolds, Gloucestershire

Creative Commons License Kumweni via Compfight

                Em relação aos animais selvagens, considero que devem viver em liberdade.

     Acima de tudo, os animais são espontaneamente livres e têm uma alimentação melhor, pois caçam o que querem. Por exemplo, em África, os leões sobrevivem caçando antílopes.

     Além disso, está provado cientificamente que os animais selvagens, quando vivem presos enlouquecem e, às vezes até comem as suas crias, perdendo o seu instinto maternal.

     Em seguida, podemos observar que os animais livres se tornam robustos, inteligentes, felizes.

      Por todas estas razões, acho que devemos criar leis que proíbam o cativeiro dos animais e respeitem a sua liberdade.

Maria B, 6B

Print Friendly

A Aventura da Pomba

Pigeon vol

Jacques Caffin via Compfight

       Era uma vez uma pomba. O seu nome era Flyer.

     No dia 1 de Dezembro de  2016, ela acordou às 5 horas.

    – Ainda é muito cedo! – Exclamou o Flyer.

     Apanhou as suas Adidas e subiu as escadas. Na cozinha, pegou no pão e comeu-o ao pequeno-almoço. Depois, pegou na mochila e arrumou as Adidas na mochila. Um amigo dela disse:

     – Acho que vais à Serra da Estrela.

     A Flyer respondeu:

     – Sim, mas para fazer o quê?

    – O amigo deu a Flyer muitos euros.

     – Obrigada! – disse a Flyer. E voaram.

     A 1234 km da Rússia, o vento estava tão forte, que a Flyer achou que já estavam em Portugal. Mas ela voou com o vento e… já estava em Tchernobyl!

     E a Flyer voou para a zona de exclusão. Quando atravessou a ponte Prypiat, encontrou um brinquedo, uma espada de plástico e continuou. Em Kopachi, encontrou um gato que queria comer a pomba. Flyer fez isto: voou e espetou a espada no olho do gato. O gato, sem olho, gritou e correu.

     Passada uma semana, a 8 de Dezembro, ela chegou a Portugal, à Serra da Estrela. Pagou o quarto do hotel e foi para a cama às 23h 50.

(TS de Português) Svetlana T, 5B

 

Print Friendly

A Aventura de Flyer – II

pigeon dans un ciel bleu

jean pierre PRON via Compfight

     Flyer estava na Rússia. Ela estava a pensar:

    – Onde é que eu vou passar o meu verão?

     Ela estava a pensar:

   – Tchernobyl? Não, há demasiados gatos e cães. E os ursos acordam-me.

    – França? Não, os franceses vão me comer.

     – Alemanha? Sim, é uma boa ideia!

     Ela voou para Berlim, durante a noite. Foi dormir numa rocha e, de repente, acordou.

     – Isto é Rammstein?

     Ela ouviu: “Du hast du hast du hast me?”

    Foi para o palco e pousou no ombro do solista. E cantou também: “Du hast du hast du hast me?”

     A Flyer era fanática dos Rammstein. Cantou toda a noite.

     Voou para a Rússia a 12 de Junho.

Svetlana T, 5B

Print Friendly

O Meu Cão Pepe

PUPPY!

sbluerock via Compfight

     O meu cão é um Labrador preto, tem quatro anos e chama-se Pepe.

    O seu pelo é macio e espesso. O focinho não é curto nem comprido. As orelhas são descaídas e muito macias. Eu gosto de fazer muitas coisas com ele, mas a principal coisa que eu gosto de fazer é brincar com ele.

     Quando ele for velhinho, vou tratá-lo muito melhor do que trato agora: vou passear com ele, vou cuidar bem dele.

     Quando veio para a minha casa, foi uma alegria! Brincamos imenso com ele. Demos-lhe imensos brinquedos.

      Foi um dos melhores dias da minha vida, foi um máximo!

Isabel S 5D

Print Friendly

A Vida Selvagem – III

Verulven

Anya Sergeeva via Compfight

     A loba selvagem tinha saído da gruta a correr; o pai chamou-a, mas como ela não queria parar, olhou para trás, continuou a correr e disse:

     – O que aconteceu? – E foi bater na parede.- Au! O que foi, pai?

     O pai respondeu:

     – Eu só queria dizer adeus! Mas só mais uma coisa: tens uma surpresa lá fora.

     Ela foi a correr lá para fora: estava lá uma loba que era a mãe dela, que tinha estado desaparecida durante seis anos, desde o dia em que tinham fugido da outra caverna.

    E ela gritou de felicidade:

    – Mãe! Tinha tantas saudades!

     O pai foi lá fora e disse:

     – Onde estavas este tempo todo?

       – E a filha perguntou:

     – Mas esta não era  a tua surpresa?

     E o pai disse:

     – Não, o teu presente era um bolo de aniversário que encontramos no meio da floresta, eu não estava à espera  da tua mãe que estava desaparecida!

(Continua)

Margarida L, 6B

Print Friendly

Um Gatinho muito “Cute”

     L'heure de la sieste!

Creative Commons License Sandrine Néel via Compfight

    Eu, este ano, recebi um gatinho muito “cute”, Chamado Lucas. Ele apresenta olhos que não se conseguem descrever;  o seu pêlo é preto e branco e tem uma manchinha no nariz. Ainda tem dois meses: foi um bocadinho complicado, ele habituar-se a nós, mas já se sente à vontade.

    Eu acho uma ideia excelente ter um gato, porque quando as pessoas não estão presentes, os gatos fazem-nos companhia.

     Gosto de brincar com ele quando atiro a bola e ele vai atrás dela. Gosto, quando estou a ver o “the Voice Portugal”, com ele ao colo. Ele adora festinhas e faz ronron e lambe-me.

meu_novo_gato_lucas

Imagem: Lukas no You Tube

    Nota-se as garrinhas dele no papel higiénico. Um dia, a minha mãe foi me dar um beijinho de bom dia e, quando acordei, quando acordei, vi que o Lukas já estava deitadinho em cima da minha cama.

    O Lukas trouxe mais companhia à minha vida, pois não tenho irmãos da minha idade. Quando o Lukas for muito velhinho, vou tratá-lo muito bem e levar ao veterinário.

    Eu acho que os gatos existem para serem companheiros do homem.

Inês M 7B

Print Friendly

Miles, o Amigo Fiel

     cachorro-preto-labrador-retriever

 Imagem:  fofux.com

     O meu cão é grande e tem 15 anos. O pêlo é preto, espesso e comprido; as orelhas são caídas; os olhos têm alegria.

     O Miles é querido e pacato. Tem uma pata partida, pois foi atropelado quando era pequenino. Quando vou passear com o meu cão, eu gosto muito.

   Ele trouxe-me uma riqueza que não se pode trocar: a Felicidade!

     P. S. Tenho também uma cadela, um gato e um passarinho, mas conto da próxima vez.

Vasco Lp, 5C

Print Friendly

O Meu Cão é Perfeito!

     La Rula

Creative Commons License Mario Sánchez Prada via Compfight

     O meu cão é de estatura grande, de raça boxer, e tem três anos. O pelo é tigrado: castanho, branco e preto; é curto e macio. As orelhas são pequenas e meio caídas. Ele corre muito depressa e morde como dois tubarões. É um bocadinho preguiçoso. Gosto de brincar à tourada com ele. A minha Mãe é que quis um boxer, mas eu preferia um Huskie ou um gato. Mas, quando o vi, senti-me realmente feliz por ter um boxer na minha casa.

      Lembro-me quando ele tinha medo de subir as escadas , em pequenino. Quando ele for velhinho e doente vou construir uma máquina para apoiar o meu velho cão.

      Hoje durmo sem medo, mas quando tinha cinco anos foi assustador: quando a minha mãe me deixou eu pensei que vinham pesadelos da janela e da porta para baixo da minha cama. Eu tinha medo do escuro quando era pequena. E agora que o meu cão veio, já não tenho.

Svetlana T 5B

 

Print Friendly

Um Cão Brincalhão

Silvia Sala via Compfight

     Numa certa manhã de Outono, o meu dono estava a dormir, enquanto eu estava ocupado a brincar com um monte de folhas que ele tinha juntado ontem.

     Quando o meu dono acordou, eu ouvi-o a descer as escadas e chegou ao jardim com um saco de plástico, pronto para apanhar o monte de folhas com que eu tinha brincado esta manhã.

     Quando ele chegou ao jardim, ficou a olhar para mim, boquiaberto, e eu fiquei feliz ao vê-lo, porque assim ele podia ver o magnífico trabalho que eu tinha feito. Mas quando reparei na sua cara de mau, pensei que alguém tinha feito alguma coisa… Mas como? Só estávamos lá os dois!

     Reparei que era comigo, mas eu não estava a perceber, porque eu não tinha feito nada de mal…Mas quando vi que ele tinha um biscoito na mão e não mo deu, eu fiquei mesmo a perceber que tinha feito algo de mal.

     E ele disse-me:

     – Por que é que voltaste a fazer o mesmo de ontem, a desmanchar o meu monte de folhas?

     – Ão, ão, ão!

     Fiquei muito triste, por, no dia seguinte, o meu dono não me dar a ração – de que eu não gosto – nem me trazer um miminho do supermercado. Por isso, os cães que me estão a ler esta narrativa, nunca façam isto aos vossos donos!

(TPC de Português) Madalena C, 7A

Print Friendly

O Mar e Eu

Blue Ringed Octopus

Tom Weilenmann via Compfight

     Eu gosto de fazer mergulho, porque gosto de conviver com os animais como se fossem os meus familiares.

     Quando a maré está baixa, eu consigo ver os búzios; encontro polvos, peixes e caranguejos.

2015-06-30_07-31-26 ZeFlower via Compfight

     Um animal de que eu gostei imenso foi a sapateira, que eu nunca tinha visto, com o meu irmão Tiago. Temos de levar um elástico para ela ficar imobilizada, e apertar-lhe as tenazes com um fio próprio. Agarra-se pelo ponto fraco da barriga.

大安海水浴場

William Chen1 via Compfight

    Eu calço barbatanas, luvas, visto um fato, uns pés por cima do fato, ponho uns óculos com cano de mergulho.

Francisco N, 5C

Print Friendly

Verão na Austrália

     Estas férias vivi do outro lado do planeta: fui à Austrália!

australia_png

Imagem: Google Maps

     Senti que na Austrália há tudo: inverno e verão. Na primeira parte da viagem, apanhei o inverno em Melbourne, mas o hotel era ótimo e mais alto que a torre Eiffel: havia uma piscina lá em cima – “infinity” – e com a vista toda sobre Melbourne! 

uluru

Imagem: Crystalinks.com

    No deserto, vi imensas realidades diferentes, como um dos “monumentos” mais conhecidos da Austrália: a rocha Uluru, que era gigante. Dizem que é do tamanho do centro de Sidney. Os arborígenas não gostam que as pessoas subam a rocha; dizem que  quem subir fica amaldiçoado. Para subir é preciso agarrar numa corda, senão, cai-se e morre-se…

recife_cairns

     Imagem: Sun Lover

    Cairns é uma cidade onde está sempre calor; é um dos locais preferidos para passar férias, mas temos que ter cuidado com os crocodilos e os tubarões: cada praia avisa que pode haver. Também Cairns foi um dos meus melhores sítios, porque fomos ao recife de corais. Chegamos cedo e levava uma hora e meia para lá chegar; estava imensa vaga e vento. Chegamos e era um Paraíso: nunca tinha visto água tão transparente e tão limpa.

     Nós ficamos numa jangada apetrechada para nos vestirmos para mergulhar. Depois entramos dentro de água e aí foi lindo: eram peixes de todas as cores que possamos imaginar; os corais eram lindos; havia imensas anémonas que abriam e fechavam a boca e ainda o mais fascinante foi a tartaruga a nadar calmamente: era enorme, foi inesquecível!

     Em Cairns também fomos visitar um rio de crocodilos grandes. Fomos num barco, de onde também víamos cobras penduradas nas árvores que queriam atacar-nos. Os crocodilos eram assustadores; um bebé crocodilo é do tamanho de um lagarto grande; e não podíamos pôr as mãos fora do barco, pois os crocodilos rodeavam-nos. 

crocodile_cairn

Imagem: Hardley Crocodile Farm Cairn

     Em Apollo Bay, tudo era floresta tropical e água, onde também vimos baleias, mas naquele mar não se podia entrar, porque havia umas alforrecas mortíferas que matavam as pessoas em dois minutos. 

apollo-bay-aviation

Imagem: Apollo Bay Aviation

    Tomás G, 7A

Print Friendly

Nascida para Saltar

                                                 Jamie Riding

Creative Commons License Five Furlongs via Compfight

 Um Momento que marcou este ano:

 No  final de  2015  recebi o meu cavalo castanho, o Barão:  surpresa da minha mãe, mas depois ela disse que era ainda para experimentar, faltavam os atestados médicos; afinal sempre estava doente: havia algo na pata que podia  rebentar de repente. 

A maior dificuldade que os estudos nos trazem:

Não tenho tempo para vida social. Chego a casa, tomo banho e estou a estudar. Geralmente às oito ou sete e meia. Mas gosto também à noite. Deixo para a última. Se chegar às cinco ainda fico na rua, com amigas, faço o máximo que posso quando tenho tempo livre. ao telefone…

Se o sétimo ano fosse um animal, seria um monstro: só o que eu estudei no 7ºano! O que me irrita é que tiro um 90 e depois já não consigo tanto e vou ter 4. Então,para que me esforcei tanto? Aconteceu-me isso imenso e irrita-me. Para que me esforço para noventas se vou ter 4 no final do período?

Desde o 5º ano que não tinha amigas tão á séria! A Mariana e a Sofia é que passaram a ser as minhas melhores amigas. 

A sofia é mesmo divertida. Quando estou com ela divirto-me imenso, apesar de às vezes ter aqueles ataques…

 O Segredo do sucesso obtido este ano num assunto de estudo.

Fiquei surpreendida com o cinco a Matemática. O sucesso deve-se a ter estudado. Gosto imenso de estudar matemática com música, posso estar no jardim, a fazer exercícios.

 3 Projetos para o Verão 2016

 Não estar um dia parada em casa, montar todos os dias, embora tenha de tirar umas férias, ir ao guincho, e à riviera na Caparica.
O que me irrita é que tenho amigos de Lisboa que vêm para cá e outros de Lisboa e a mãe aluga a praia de Tróia e temos de ir para lá.
Venho de Tróia todos os dias montar. Vou ter de arranjar boleia do Tio João Pedro que vai para Lisboa trabalhar e eu vou para a quinta da Marinha.

Para que serve sonhar acordado?

Estou sempre a pensar nos cavalos. Gostava de tirar um curso relacionado com cavalos.

 Um novo Horizonte que quero conquistar.

Limpar os obstáculos nos três dias do Campeonato – 26 de Junho e da Taça da Juventude, no Hipódromo, em início de Agosto. Adorava classificar-me, mas o que mais quero é,pelo menos,não ter penalizações.

 Comentar a frase de Christian Bobin:

 “Quando estamos com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

 Quando somos mais que dois,não temos a atenção para esse amigo. Se estamos sozinhos não temos a quem dar nem nos divertimos. Mas se estivermos com uma amiga, não somos duas, porque estamos em união.

 Um brinde às férias de Verão 2016.

Brindo a que seja o melhor verão de sempre!

Teresinha R P, 7A

Print Friendly

Aventura Selvagem – I

path

Arthur Davison via Compfight

Vida Selvagem

     Era uma vez uma menina que tinha sido criada por lobos e o pai (lobo) era o chefe da alcateia.

     Dois lobos fizeram uma pulseira para a menina: com aquela pulseira, podia-se perceber os lobos.

     O pai lobo, que se chamava Trovão deu-lhe o nome de “Loba Selvagem”.

     Uma vez, os lenhadores começaram a cortar árvores e, passadas umas horas, já tinham chegado à caverna dos lobos.

     Os lobos começaram a fugir para outra caverna numa montanha e levaram a menina na boca.

   Ela cresceu naquela montanha. Quando já tinha 14 anos, começou a usar armas, mas só usava instrumentos muito simples: arcos, flechas e uma lança.

     O Pai dela não a deixava usar balas, porque assim podiam denunciar o disfarce dos lobos. Como na montanha havia partes negras, eles podiam-se camuflar aí. Ao ouvirem as balas, os caçadores podiam ir lá ver e descobriam os lobos.

     Um dia, eles foram caçar um urso. Um lobo estava a distrair o urso e os outros morderam-no nas costas, mas só conseguiam matá-lo com um arco e flechas. O pai pediu àfilha para lhe acertar, ela acertou-lhe e o urso morreu.

       Tiveram um grande banquete!

Margarida L, 5B

Print Friendly

Viajar no Tempo!

     Snowy OwlCreative Commons License

der LichtKlicker via Compfight

      Era uma vez, em 1940, uma coruja branca e castanha que andava a voar à noite. Toda a gente dizia que, quem olhasse nos olhos dessa coruja, transformava-se em coruja.

     Mas uma vez, a coruja estava a voar e sentiu frio; por isso voou para cima de um telhado e desceu pela chaminé, de maneira a poder entrar numa casa. Quando entrou na casa, viu que parecia estar uma outra coruja á sua frente.

     Então olhou, lançando um raio dos olhos para ficar uma coruja feia, mas em vez de ser uma coruja à sua frente, na verdade era um espelho. Então, o raio, ao bater no espelho, bateu nela própria.

      Nesse momento não aconteceu nada; mas dois dias depois, quando acordou, pensou no número 2000. Tinha viajado no tempo para 2000! Reparou que as fotos que estavam penduradas nas paredes tinham cores! Voou para fora: a paisagem era linda, com vivendas muito mais evoluídas. A coruja estava fascinada com a beleza dessa terra!

      Quando começou  a ficar mas escuro, a coruja atirou um raio a um espelho para voltar a 1940, mas não funcionou. Voltou a tentar para ver se agora funcionava, mas não dava! Voou e voou para ver se voltava, mas não! Até que viu um nevoeiro cinzento escuro que a atraiu: entrou nele e nunca mais saiu.

      E há quem diga que, em noites de nevoeiro, a coruja aparece.

Madalena M 5C

Print Friendly

As Minas de Ouro

Old Gold Mine

Tjflex2 via Compfight

         O Manuel e o Afonso, estavam a andar ao pé da casa do Afonso e foram passear um cão dele.  O cão fugiu deles e desataram logo a gritar:

   – Peleu , onde estás? – Gritou o Afonso

   – Peleu! – Gritou o Manuel.

   De repente, encontraram-no e disseram:

    – Onde foste e fazer o quê?  – Perguntou o Afonso.

    O Manuel respondiu:

    – Ele é um Beagle, deve ter visto um pardal.

   – Sim, pois é. – Concordou o Afonso.

    Enquanto isso, o Peleu, não tinha visto um pardal, mas entrava numas minas. O Manuel disse ao  Afonso para o seguirem, para ver se era mesmo por causa de um pardal.

     Mas, inesperadamente, lá foram, curvados, quase agachados, avançando por uma galeria muito quente, até que encontraram uma bifurcação de três galerias e o Afonso, já sentia muito calor por causa do ar abafado. Eles traziam polares e o Manuel disse:

    – Vamos tirar as camisolas e deixá-las aqui, para quando voltarmos sabermos qual o caminho, não nos perdermos.

   – Qual dos três trilhos vamos seguir, Afonso?

   – No meio está a virtude! – respondeu o amigo.

   Lá avançaram aos tropeções e começaram a ver algo brilhante, ao fundo do túnel. Aproximaram-se dessa luz incandescente e, qual não foi o seu espanto, quando viram veios de ouro cintilando no minério da parede e um baú repleto de diamantes, barras de  ouro mal formadas e pérolas!!!!

    Doaram uma Parte aos “Cãesroad” para melhorar as condições de vida dos companheiros de Peleu; e outra parte para a Escolinha Amor de Deus no Maranhão, para poderem  aumentar e fazer obras, ao viverem lá irmãs nas suas casinhas pobres.

Manuel D, 6A

Print Friendly

O Salvamento da Tartaruga

2 weeks old

liesvanrompaey via Compfight

     Era uma vez uma tartaruga que estava numa poça que uma vaca tinha acabado de pisar. Eu salvei-a daquela mistela mal cheirosa. Mal a tirei dali, ela caiu num riacho fresquinho que a arrastou até a um lago.

     Eu lancei-me para dentro de um lago e por sorte apanhei-a. Depois, subi para uma rocha e sequei-a. Levei-a para casa e ela começou a habituar-se a mim.

     As tartarugas gostam de comer fruta. Dou-lhe de comer uma vez por dia e tem a piscina sempre limpinha. Mal ela me vê, agarra-se à minha mão e sente-se a felicidade entre os dois.

      Eu apanhei esta tartaruga porque o meu tio tinha uma tartaruga amiga que ele levava para os restaurantes e ela comia pedacinhos de carne em cima da mesa.

Alexandre, 5C

Print Friendly

Pipo – A fuga do Canil

 Free running dogs

Dario Di Mauro via Compfight

A fuga do Canil com Jim e os seus Amigos

     Era um dia maravilhoso quando o Pipo, um beagle,  estava a passear sem coleira.

     E apareceu o “Canilzeiro” (o homem do Canil), apanhou o Pipo e levou-o para o canil.

     Quando ele chegou ao canil, e viu o  Jim, outro beagle, o Fluffy, um Yorkshire e Max, um cão para polícia, um pastor alemão. E o Pipo disse:

    – Ôi gente!

     Mas o Max interrompeu com ar sério:

     – Nós estamos no Canil, não é caso para  brincadeiras!

      – Acalma-te! – interveio o Fluffy.

     O Fluffy era um cão pequenino e adorava comer salsichas e disse:

   –   É a tua vez, Max.

     Isto porque eles já tinham ido para o Canil e fugido várias vezes antes, menos o Pipo, que era um novato.

      – Ok, eu já vos tiro daqui.

     O homem do Canil pegou no Max, mas o Max tinha o botão que accionava a abertura das jaulas mesmo à frente, carregou: os amigos fogem, menos o Pipo que foi morder o homem, para ele largar o Max.

     E os quatro amigos fugiram para casa da Margarida.

     Mas antes tiveram de atravessar o trânsito: o Jim, que gostava de fugir e roer coisas, roeu um pneu, para saltarem por cima dos carros para atravessarem a rua.  E o Fluffy foi buscar jornais para fazerem de capas, à super-cães. O Max levou o Fluffy na boca, porque ele não era capaz de dar aqueles saltos gigantes.

     Então, correram até casa da Margarida.

Margarida L, 5B

Print Friendly

Um Cão Diferente de Todos os Outros

On the Run!

Pat Gaines via Compfight

     Era uma vez um rapaz que se chamava Nody. Passava os dias a passear o seu cão, chamado Snoopy. Esse cão era diferente de todos os outros, ele era especial!

     Era branco, com pintas pretas, quase castanhas escuras. Ao luar, as suas pintas ficavam fluorescentes e belas.

     Todos os dias, Nody e Snoopy iam passear a um charco do parque ao pé da casa do Nody; divertiam-se muito com uma bola que o Nody trazia para brincarem.

     Uma vez, o Snoopy caiu no charco e ficou todo encharcado. Então, tiveram de ir a casa, para se secar. Chegaram, pegaram no secador e o Nody secou o Snoopy. Quando ficou tarde e escureceu, o Snoopy ficou todo fluorescente, mas neste dia, ele também se transformou numa raposa.

      Como a raposa Snoopy queria viver livre na floresta, porque já não era um animal doméstico, então, Nody levou a raposa Snoopy para a floresta, para ficar livre, mas Nody, triste, chorou.

   E há quem diga que quando Nody chora, a raposa transforma-se em cão.

Madalena M 5C

Print Friendly

O Desastre com a Tartaruga

Aldabrachelys gigantea (Tortue géante des Seychelles)

William Crochot via Compfight

     Estávamos nós preparadas para sair, para levar a nossa tartaruga a Belém, para casa da minha irmã… É que a minha mãe vai estes dias de Páscoa para Madrid. Para o bichinho não ficar às escuras, resolvemos alojá-la em casa da Maria. Foi então que ouvimos um estrondo: algo a cair no chão!

      Não sabíamos o que era. Eu, a tentar sair do carro, bati com a cabça no capot. quando fui ver à frente do carro, estava o aquário caído no chão! O aquário que a minha irmã me ofereceu e a minha querida tartaruga, a “Pequena Sereia”.

     A minha preocupação foi tão grande, tão grande, e ainda por cima, ia passando um carro mesmo junto dela. Eu adiantei-me e puxei-a. com medo que ela se tivesse ferido, comecei a examinar as patinhas, a cabecinha e… não é então que ela tinha um pico muito fininho espetado na patinha!

     Como ela não queria da  a sua patinha, fui pedir à minha mãe para a puxar suavemente, enquanto eu, com as minhas unhas vermelhas, conseguia tirar o pico. A minha Mãe foi a casa buscar uma daquelas caixas de frigorífico muito finas, para colocar a Pequena Sereia. O aquário teve de ir para o depósito de lixo pois ficou em cacos.

     Mas a minha tartaruga não sabia o que a esperava em Lisboa: um aquário imenso com serviço de água, um repuxo e uma pedra enorme, trazida do rio, que pesava quilos, só para a Pequena Sereia estar confortável.

     Ela adora o Sol!

Sara M, 6C

Print Friendly

A Salvadora

     animais_salvos

   Imagem: La Ferme des Réscapés

     Andava eu a passear com os meus dois amigos pela rua da Carne Assada, em Sintra, quando um dos meus amigos viu uma cobra!

     Era preta, ondulada, pois estava a fugir, e tinha cerca de 80 cm de comprimento com dois dedos de grossura. Rapidamente, eu peguei numa rede e apanhei-a.

    A cobra tentou trepar a rede e nós desatamos a gritar, porque ela estava perto de um pé de um amigo. Então, gritamos todos!

    Uma velhinha ouviu e saiu de casa a correr num passo inseguro . Depois convidou-nos a entrar e mostrou-nos os seus animais. A senhora tinha setenta anos e adorava animais. Ela dedica-se a salvar animais em perigo de vida.

     Contou-nos que tinha comprado um pónei aos ciganos por um balúrdio, só porque ele tinha uma doença nas patas. Mostrou-nos Alces, bambis, cavalos, porcos, patos, pintainhos e patos bebés.

    Era uma senhora muito boa para o ambiente. Ela criou uma espécie de lar de terceira idade para animais. A Quinta da Portagem que herdamos dos meus avós, fica mesmo ao lado e nós nem sonhávamos que ela protegia aqueles animais todos!

Alex, 5C

Print Friendly

Teresa e Sabrina

teresinha_sabrina_mini

Imagem: Gentileza da Cavaleira 

     Era uma vez uma menina chamada Teresa, que adorava cavalos. Um dia, sua mãe deu-lhe uma égua chamada Sabrina: ela adorou-a!

     A Sabrina é um égua muito especial; antes de ir para a Teresinha, esteve no campo, a ter filhos. A Sabrina, no início, estava sempre muito atenta, porque não conhecia a sua nova casa e tinha que se ter muita paciência, mas agora já está muito calminha.

     A única coisa de que ela não gosta é que lhe façam pressão na cabeça. Às vezes, na boxe, ela não é muito amigável, mas cá fora, quando a Teresa está a trabalhá-la, é. A Teresa vai montá-la todos os dias.

     A Professora chama-se Sofia e a aluna gosta muito dela. A Sofia é uma ótima professora, pois transmite confiança aos alunos, põe sempre em primeiro lugar a segurança, explica muito bem a técnica e tem uma relação com os alunos que é quase como uma mãe.

     Quando a Teresa fez a sua primeira prova com a égua, correu muito mal, e até pensaram em mudar de égua. Mas pensaram melhor e, como era apenas  a primeira prova, podia ser normal.

     Passado um mês, já foi muito melhor: a Sabrina já não correu sem a Teresa a controlar e já não “borregou” diante dos obstáculos. A Sofia, para aperfeiçoar o conjunto, foi mandando a Teresa passar varas no chão, com muita calma e paciência, a fim de a égua se habituar e a Teresa calcular melhor as distâncias.

     Para quem não sabe, um obstáculo é composto por dois postes ou anteparas movíveis, de madeira, entre os quais se intercalam as varas a diferentes alturas.

     Agora, já passou muito tempo e a Teresa já está a fazer um metro, um metro e dez , com a égua a portar-se muito bem, a “limpar” as provas todas, isto é, sem borregar nem tocar nas varas.

     A Teresa também entrou, há poucas semanas, com um pónei, na Beloura, para o estrear em prova, por a dona ser ainda muito jovem.

     Finalmente, em Lisboa, no primeiro fim de semana de férias, a Teresa já saltou um metro e dez com grande entusiasmo da Sabrina e orgulho da sua Cavaleira. A Sabrina ajudou-a imenso: se a Teresa calculava mal a distância e se pusesse na posição de a égua “pôr a mão” para saltar, a que se chama “a saída na frente”, a égua, inteligente, ainda dava uma passadinha e só saltava mais à frente, salvando-lhe a falta!

Teresinha R de P, 7A

Print Friendly

A Beca

brinkley romp one

Creative Commons License patchattack via Compfight

     O cão do meu tio é um cão salsicha. É muito comprido e é castanho claro, uma cadela, muito ativa e fofa.

      Eu conheci-a quando o meu tio foi ficar 6 meses a passar férias na minha casa e trouxe o cão. Ela chama-se Beca.

     A primeira vez que a vi, tive medo, porque ela saltou para cima de mim e latiu.

      Lembro-me quando ela saltou para cima da minha cama e se enrolou no meu edredon.

     Se ela ficar doente, eu vou fazer de tudo para que ela se cure. Ela faz-me feliz, porque sinto-me bem com ela.

Carolina C C 5C

Print Friendly

Porque é que os Animais são Fixes

     A Long Time Away From New Zealand

Trey Ratcliff via Compfight

     Os meus animais preferidos são os cães e os gatos, pois acho que são muito fofinhos.

     Penso que os animais não devem ser maltratados, porque eles são como se fossem humanos; também se fôssemos nós, não gostávamos que nos tratassem mal.

    O animal que eu acho mais bonito é o cavalo. São muito belos os saltos que eles fazem e o encanto de como lhes preparam as crinas. O que eu mais gostei, quando passei um dia a dar conta dos cavalos da minha avó foi quando estive a pentear as crinas e a montá-los.

     A experiência de montar a cavalo é fabulosa, porque estamos a montar nós sentimos os ossos deles a moverem-se e faz um pouco de impressão, mas é divertido na mesma. Quando eu caí do cavalo não me magoei, mas o cavalo ficou muito triste e começou a gemer um bocadinho e eu pus-me em pé e ele ficou muito contente e continuei a montar.

     O animal que eu acho que deve passar o dia a dia connosco é o cão porque se nos acontecer alguma coisa, o primeiro a preocupar-se é o cão. Mas também, quando é preciso, atacam as pessoas que estão a fazer mal a alguém conhecido.

    “Os cães  nunca mentem quando falam de amor” pois eles são aconselhadores perfeitos sobre o amor, mas se têm dúvidas podem ver uma série na televisão, “o meu cão tem um blog”, no Disney Channel.

     Quem leu este texto, nunca se esqueça de tratar bem os animais, porque eles são humanos como nós.

Madalena C, 6A

Print Friendly

Minnie e o seu Blog

margarida_ninnie_cunha_2_

Imagem de Minnie, oferecida pela Autora à Oficina 

        Olá, eu sou a Minnie. Tenho 4 anos e adoro a minha dona Margarida: ela gosta de brincar comigo. Eu fico todos os dias à espera que ela venha da explicação, da escola  ou dos escoteiros, mais vale sempre esperar do que não lhe ligar.

     À s vezes , quando eu me zango com ela, muda tudo: a nossa relação e o nosso ser. Mas admito: não consigo ficar magoada com a minha doninha. Durmo no colo dela. Eu tenho dias em que sou eu que a acordo. Bem, por hoje chega, até à próxima. Eu sou pequena, tenho as orelhas espetadas,  mais aloiradas que o corpo, a cauda é pequenina, , o pelo é espesso e longo,  castanho e aloirado: sou uma Terrier do Yorkshire. Tenho facebook: Minnie Cunha, cheio de fotos, com as minhas peripécias.

       A vida de cão é ficar acordado de manhã sem nada para fazer até anoitecer. E não é que a minha dona só chega a casa por volta das 5 e tal e só passado uma hora é que ela vem ter comigo para brincarmos juntas.

Adeus, até à próxima!

Margarida C, 6C

Print Friendly

Olá, Eu sou o Pipo

      Roxy: Daisy's sister, also my sister's dog Malingering via Compfight

     Olá! Estou a falar pelo computador da minha amiga Margarida (BFF). Ela está a jogar com o primo, eu não posso fazer barulho, senão ralham comigo.

     A minha raça é Beagle, o meu pelo é curto e macio, a minha cor é branca, preta e castanha clara na cabeça. As minhas orelhas são muito macias, mas acho que até são demais; o seu tamanho é comprido, mas não comecem a pensar que são até ao chão. Eu sou fofo.

      Agora tenho de ir, estão a chamar-me; a minha BFF está a descer, vou fugir. Eu depois continuo. Adeus!

***

     Desculpem a demora, estava a fugir dos meus donos, onde é que nós íamos? Não me apetece ler tudo outra vez… Eu gosto muito de pessoas, especialmente da minha dona Margarida. Eu tenho uma coleira vermelha

        De repente:

     – Pipo, sai daqui!

     Olá, eu sou a Margarida, o Pipo é um cão muito fofo. Nós, normalmente, jogamos ás apanhadas, mas os vizinhos que têm cães estragam sempre tudo, porque se põem ao pé do Pipo e ele depois distrai-se.

     O momento que eu gostei mais com o meu cão foi quando fomos dar um passeio sozinhos: passamos para fora do Condomínio, fomos até um muro branco…

Tan tan tan tan

     Eu acho que os cães existem para os humanos não estarem sozinhos.

Margarida L, 5B

Print Friendly

A Fuga do Canil

···Our·pre·cious·pu·ppy-la···

Caro via Compfight

     Os cães vadios andam pela rua sem comida, mas isto é preferível ao canil. O canil é uma espécie de prisão, só que é para os cães.

     Um dia, um Rotveiller, uma Pastora Alemã e um Doberman foram à caça de comida, mas qual não foi a surpresa: eles não encontraram nada, mas encontraram uma agência de apanhar cães, a “Cãesroad”.

     Eles desataram a fugir, mas já não conseguiram. Foram presos com uma rede lançada por um apanhador e foram para o canil. Mas eles tinham um plano para escapar do canil. A Pastora Alemã saltava  um metro e trinta e as grades eram de um metro, por isso ela conseguiu escapar, mas tinha de salvar os amigos.

     Viu um botão que abria as celas. Então, foi clicar, mas acionou os alarmes! Pelo lado positivo, abriu as celas e os cães fugiram e foram para as suas casas de cartão. E ficaram felizes para sempre! Sempre que tinham outros amigos no canil, iam ajudá-los e ficaram muitos com eles nas casinhas da rua.

     Eles ficaram felizes, porque é melhor viver em aventura e risco e fazer coisas novas, do que fazer as mesmas coisas todos os dias sem liberdade.

Manuel D, 6A

Print Friendly

Olá, Eu Sou o Bongo – II

Audit

voyageAnatolia.blogspot.com via Compfight     

     Olá meus amigos e amigas, eu estou de volta. Agora tenho outra amiguinha que também mais um membro da minha família enorme. Ela só tem 10 meses, mas sempre que eu passo, ela começa a fazer “ão ão”. E quando eu vou para o pé dela, ela estica a mão para me dar festinhas. Às vezes afastam a mão dela de mim, porque ela só me pode tocar se for logo lavar as mãos, para não ficar com pelos quando meter a mão na boca. Eu percebo, mas agora já é mais difícil, porque ela gatinha muito rápido.

     Agora vou ter mais um amigo, mas ainda não o posso ver, porque só nasce em Fevereiro! Mas até lá, posso brincar com a minha dona Carlota.

     Nós brincamos sempre no jardim da minha casa, que é gigante. Tem baloiços, mas para eu os baloiçar, vai ser difícil, porque eu não tenho mãos nem me consigo levantar. Podemos rebolar na relva verde, linda, cheia de vida, onde também jogamos à bola. No canto do jardim há uma espécie de uma floresta, onde eu às vezes faço buracos, mas a Carlota, de vez em quando, tapa-os, para as outras donas não verem e não se zangarem. Temos uma rampa, onde elas às vezes descem, numa mota de brincar ou uma trotinete e eu e o meu amigo Scup corremos atrás delas. Atrás da casa, temos outro jardim onde há uma banheira gigante, a que as minhas donas chamam piscina e quando elas vão para lá no verão, eu meto a bola na piscina para elas me atirarem.

    A Carlota agora tem menos tempo para brincar comigo, mas sempre que pode, ela brinca. Quando ela vai para a escola, eu fico cheia de saudades. Eu até já sei os horários dela, porque parece sempre uma eternidade até ela chegar. Mas quando o meu amigo for mais velho, vai poder brincar á bola comigo, porque entre nós quem joga é a Carlota, mas ela não é lá muito boa no futebol, mas não lhe digam. Estou super-contente porque vamos brincar e saltar, vou-me divertir tanto! Mas ainda faltam uns aninhos. Eu adoro a minha Família!

     A Carlota chegou da escola, vou brincar com ela, Adeus!

Carlota C, 6C

Print Friendly

Amazónia Incrível

 toco Herbert Kajiura via Compfight

     Tinha chegado ao Brasil a seguir ao almoço e ia para a selva amazónica; comecei a andar na selva: só se ouviam as onças, os papagaios, os tucanos….

     Passou um macaco e eu assustei-me; continuei e encontrei um bando de papagaios, verdes, amarelos, vermelhos e azuis: aquilo era um espetáculo de cores; eu fiquei espantado, mas se aquilo era o princípio, o que me esperava devia ser maravilhoso!

     Mais uns Passos e, na margem de um afluente do Amazonas, encontrei uns jacarés; os macacos fugiam a sete pés; uma anaconda  conseguiu ganhar a luta contra os jacarés.

     Dei mais uns passos, então não é que havia ali um sítio onde vivia uma onça e as suas crias fêmeas e machos. Eu decidi sair dali logo, ainda me atacavam. Fugi dali a sete pés, acabei por me encontrar com os macacos: eram imensos! Era uma macacada ver aquilo!

     Então fui embora para a continuar explorar a Amazónia. Passou-me uma piton pelos pés: fiquei com medo que ela me mordesse os pés ou noutro sitio.

     Depois fui ver mais coisas e encontrei um Dragão barbudo: ele era muito fofinho, então fiquei com ele; enquanto estava na Amazónia ficamos muito amigos.

     Depois vi uma pantera preta: ela tinha uma cria que era macho, ela estava mais agressiva, porque tinha medo que roubassem a sua cria que era muito bebé.

     Então, eu fui para outro lugar, encontrei um papagaio ferido na asa direita; ajudei-o, imobilizei-lhe a asa; depois vi que estava a escurecer, larguei o Dragão barbudo e comecei a correr para casa.

     Finalmente, contei  a minha aventura aos meus pais.

Manuel D, 6A

Print Friendly

Aventura com meus Amigos e Cães

   Forêt Serge Costa via Compfight

     Era uma vez três crianças e três cães: o Jim, um cão Beagle, de tamanho médio e também muito forte, o Pipo, também um Beagle, o Caetano, um cão grande, fofo e brincalhão. Os nomes  dos meus amigos são  Afonso, a dona do Jim, Tabia, a dona do Caetano e eu, que sou a dona do Pipo.

      Um dia, nós fomos a uma floresta, até lá ao fundo e os cães começaram a ladrar. Só ouvimos:

     – É melhor irem para casa! – com uma voz assustadora.

     E a Tabia gritou:

      – Caetano, ataca!

     E lá foram, o Caetano, o Jim e o Pipo. Mas eles voltaram para trás e só ouvimos:  “Pá!”

       E começamos a correr. O Afonso tinha uma empregada que tinha ido connosco, mas tinha parado mais no início. Então o Afonso gritou

      – Nini, acuda! Está aqui um psicopata!

      Mas quando chegamos, ela não tinha acreditado, e nós nunca mais vimos o psicopata. É que o grito do Afonso pô-lo a milhas.

Margarida L, 5B

Print Friendly

África e Kevin

     kevin_2

Imagem: Kevin Richardson

     Em África, tudo é maravilhoso, quando Kevin foi para lá, tudo e todos ficaram muito melhores. É um senhor que trabalha com animais no seu próprio terreno. Chama-se Kevin Richardson e anda sempre com leões e leoas. Vai todos os dias correr com eles e ainda os leva para casa.

    Ele criou dois leões bebés, que se tornaram chefes de um bando. Ele tem uma casa lá dentro num terreno gigante onde estão no total 36 leões e leoas.

     Mas há muitos mais animais: chitas, hienas, leopardos, etc

      Um dia, o Kevin estava a passear com um leão e uma leoa. Quando ela estava atrás de um leão , a andar, a leoa saltou upara as costas dele e ele caiu no chão, mas ele não se magoou.

      Não se esqueçam, vão ver o Kevin com os seus melhores amigos de quatro patas.

Margarida l, 5B

Print Friendly

Carta ao Zoo

The main mane. egnilk66 via Compfight       

            Zoo de Lisboa, 4 de Outubro de 2005

     Queridos Caçadores:

     O Zoo adorava, se pudessem, parar de caçar animais, mas não é só um, são todos! Principalmente, o leão mais bonito que temos.

     Se fizessem isso, podiam vir trabalhar connosco para o Jardim Zoológico. Podiam cuidar dos animais, não levar nenhuma arma e não os ameaçar.

     Continuando, vamos falar de animais: os linces são animais fantásticos, com aquelas orelhas pontiagudas…

     Obrigada e lembrem-se:

Não matem os animais!

Os Responsáveis do Zoo

Margarida L, 5B

Print Friendly

Amigos e Diferentes

     Hunting Squirrels

Ralph Hightower via Compfight

     No meu verão, estive na piscina do meu condomínio, a brincar com o meu amigo Afonso, com o Pipo, o cão do meu irmão, com o cão Jim, e ainda com o Caetano, o cão da minha amiga Tabiá.
     Nós andávamos todos a correr atrás do Jim, o fugitivo, que se metia pelas casas todas do Condomínio.
     O meu amigo Afonso contou-me que, uma vez, o Jim saltou para a piscina para salvar um gato, mas quando o pousou no chão continuou a correr atrás dele.
     A Tabiá joga Basquete e o Caetano é um cão brincalhão e bem comportado.               Normalmente nós saltávamos no trampolim dela, com o Caetano e o Afonso.
Nós adorávamos fingir que o Caetano era um cavalo: montávamos nele e com comida de cão, atirávamos para a frente; ele corria até lá e nós a ver se não caíamos.
Também brincávamos na piscina, a ver quem aguentava mais tempo debaixo de água.
     O que eu mais gostei nestas férias foi de estar com os meus amigos. Sinto-me melhor com eles do que cá na escola, com as outras pessoas. Eles são diferentes e eu sinto-me diferente quando estou com eles.

Margarida L, 5B

Print Friendly

Dia de Outono com o Marley

 A walk in the mist. Stephen Bowler via Compfight

     Lá estava eu a apanhar as folhas de Outono pela milésima vez e estava o Marley a olhar para mim, com um ar furioso, como quem diz:

     – Tu estás-te aí a gabar porque apanhaste as folhas todas; depois, logo vês o que te vai acontecer.

     Lá vai o Marley para cima do monte de folhas, a toda a velocidade, mas não conseguiu, porque eu meti-me à sua frente, para ele não voltar a mandar o monte de folhas abaixo.

    O Marley rosnou-me com um ar feroz e eu disse-lhe:

     – Marley, não pode ser, pois  eu já apanhei estas folhas muitas vezes sozinho, e tu nunca me ajudaste, só me distrais…

     O Marley foi-se embora porque percebeu que comigo não brinca.

     No dia seguinte, estava eu a continuar a apanhar o resto que faltava; o Marley continuava a olhar para o molho de folhas e eu disse-lhe:

     – Marley, o dono já vem e não estragues o meu trabalho.

     Fui-me embora e, passados cinco minutos, estava o Marley no mesmo sítio sem mexer nas folhas, pois já estava entretido com um coelho. E assim o Marley aprendeu a lição.

(Texto escrito  em Aula de Português)

Catarina C, 7D

Print Friendly

O Abate de Cães de Rua Será Legal?

     Free but LostCreative Commons License Feliciano Guimarães via Compfight

      Do meu ponto de vista, os cães de rua não deveriam ser abatidos.

      Em primeiro lugar, imaginemos estar no lugar dos pequenos bichos. Gostaríamos de sermos nós a estar na rua, e a chover, sem comida, assustados e sem ninguém para nos tratar? E ainda por cima, estarmos a andar e passar uma carrinha e levar-nos para o abate?

     Por outro lado, mais vale viver preso no canil, em vez de estar na rua abandonado. Por exemplo, a minha avó adotou uma cadela perdida que, hoje em dia, é muito feliz.

     Em segundo lugar, eu prefiro que os cães de rua vão para um canil e morram de morte natural em vez de serem abatidos.

     Por todas estas razões, eu considero que deveriam existir mais canis para o acolhimento de cães, em vez de abaterem cruelmente os pobres cães inocentes.

Tomás G, 6C

Print Friendly

O Porquinho-da-Índia

   Not sure about this look, Mal, 9 Dec 12

Castaway in Scotland via Compfight

      Era uma vez um porquinho que era muito importante para o Rei da Índia, o Grande e Poderoso.

     Costumava estar ao pé do Rei, em cima de uma almofada grande e peluda. À noite é que dormia numa gaiolinha dourada, no salão real. Só quando o Rei saía é que o Porquinho tinha de ficar na gaiola. 

     Uma noite, houve uma trovoada e o porquinho desapareceu da gaiola. O rei começou a ouvir guinchos do Porquinho:

     – Hi,Hi,Hi!

      E o Rei perguntou, aflito:

   – Onde estás, onde estás, meu Porquinho?

    Quando o Rei chegou ao salão já o porco tinha desaparecido.

    Então, foi à procura dele e dizia em voz alta:

  – Porquinho, és tu? Aparece, apareeeeeeeece! –  Enquanto isso, chorava. – Porquê? Porque me aconteceu isto? Porquê? Eu não sou mau com ele!

   De repente, viu uma luz muito brilhante: era a sua Fada Madrinha, que lhe disse:

   – Não chores meu amigo, ele é teu e só teu. Ele vai aparecer.  

   – E tu podes ajudar-me, Fada?

   – Sim!

   – Como?

   – Ele está ali.

   – Obrigada, Fada!

(Continua)

Carolina S-C 5B

Print Friendly

Nina, a Surpresa

     Instagram Photo -- Follow us @pawstruckpetsCreative Commons License Pawstruck.com via Compfight

    Uma vez, numa tarde calorosa de verão, eu estava no Alentejo e achava que algo de estranho, mas bom, iria acontecer.

     Eu estava no meu quarto, que é no sótão e estava a ouvir a minha mãe e a minha avó a falarem sobre cães. Eu fiquei a pensar se eu iria ter um cão, porque , na verdade, esse era o meu sonho desde pequenina! Eu queria que fosse surpresa, então deixei o assunto em “stand by”.

     No dia em que me fui embora para Lisboa, antes de me despedir dos meus avós, eles disseram:

    – Espera, temos uma surpresa para ti!

     E, de repente, vem uma caniche branquinha… eu nem conseguia acreditar!

     Perguntei:

     – Como se chama?  

      – Chama-se Nina. – Respondeu a minha avó.

     – Eu amo-a! Obrigada, avó.  – Disse eu.

     Fui embora, levei-a comigo, e, quando cheguei a minha casa, deixei-a no chão… Ela, toda esperta, começou a conhecer a casa. Andava ali, parecia que estava a desfilar pela casa.

     À tarde fui com ela à rua…

Rafaela C, 7A

Print Friendly

Só Gosta de Mim

HORSE BALL les cavalières à l'oeuvreCreative Commons License alainalele via Compfight

     O Alvim é um cavalo de estatura média, com pelo branco e liso e crinas curtas. Os olhos são grandes, escuros e, quando nos olha, parece que só gosta de mim, que não gosta das outras pessoas.    

     O Alvim é inteligente, ágil, astuto e amigo. Compreende as regras do “Horse Ball” facilmente.

     Ele gosta de andar à solta, no picadeiro, e também quando eu o passo à guia, ele dá pinotes porque está feliz. Quando o monto, ele faz tudo o que eu peço.

Martim P 6A

Print Friendly

Eu e a Dona

   Hello...My Name is Salty.. Jovana via Compfight

      Eu sou um coelho chamado Bunny, muito vaidoso e embirrento. Adoro brincar com a minha bolinha verde e fofinha que a minha dona Inês me deu! Tenho muito pelo sedoso e brilhante. Sou branco, às riscas beges, tenho olhos castanhos brilhantes e umas orelhas grandes, espetadas, às vezes caídas, e estou sempre com o nariz a mexer.

    Sou muito brincalhão e elétrico. Odeio o pai da minha dona: está sempre a puxar-me os bigodes e a fazer-me maldades. Também adoro ver tv no colo da minha dona. Outro dia, fui esperto: a minha dona deixou a cozinha aberta e eu fugi para debaixo da mesa da sala. Ela pegou na bolinha e eu fui atraído por ela…

    Adoro como a minha dona me cuida!

Inês M, 5C

Print Friendly

Ela faz a minha Vida mais Feliz

Meet Taylor

 Bill Selak via Compfight

      A minha cadela Chica é um Labrador de estatura corpulenta; o pelo é castanho, curto e brilhante; tem cerca de sete anos, mas está sempre a correr. Tem o focinho macio e as orelhas caídas; os olhos parecem tristes e meigos.

     Em pequenina, foi para casa da minha avó; fui conhecendo-a bem: brincava com ela, atirando uma bola para ela ir buscar e correndo com ela no quintal.

    Quando estamos a jogar à bola parece que a minha cadela está sempre a morder-me nas pernas, na brincadeira.  No Alentejo, a minha cadela está sempre a morder na mangueira.

     Ela faz a minha vida mais feliz porque é a minha melhor amiga.

Manuel N, 5A

Print Friendly

Animais em Liberdade

Running Wild 5 gwendolen via Compfight

     Na minha opinião, os animais selvagens devem viver em liberdade, mas terem alguém que os cuide.

    Em primeiro lugar, os animais selvagens devem estar em liberdade, porque eles nascem na selva com liberdade e gostam de ter espaço para andar e comer.

     Mas, por outro lado, também acho que devem estar no jardim zoológico, porque os tratadores dão-lhes comida saudável e, quando estão doentes, ou para ter um bebé, ajudam os animais e cuidam bem deles.

      E também é certo que, na floresta, os animais podem desaparecer e acabar aquela espécie. Enquanto que, no jardim zoológico, a espécie continua, porque os tratadores tentam que os animais se reproduzam.

     Por estas razões, o ideal seria que os animais estivessem em liberdade, mas também com alguém que os tratasse e cuidasse.

Mariana H, 6C

Print Friendly

Eu Sou a Pepa!

     Happy hollow sparkieg via Compfight

     Olá, eu sou a Pepa!

     Adoro escrever, tenho dois aninhos e sou uma Jack Russell um pouco maior do que devia ser. Muita gente diz que o meu nome devia ser “Pirata”, mas eu prefiro “Pepa”.

     Tenho o meu corpo todo, mas todo, branco, tirando o meu olho esquerdo, que é preto. O meu pêlo é fino e curto; o focinho, como as orelhas, é pequeno, e os meus olhos são castanhos.

     Tenho um companheiro que me está sempre a aquecer quando me vou deitar, é como se fosse meu pai. Gosto muito de bolas e adoro os meus donos!  Sou muito dorminhoca: consigo dormir um dia e uma noite. Às vezes faço asneiras: por exemplo, escavar buracos no jardim, saltar a vedação para ir até ao Parque vizinho… Gosto de brincar ao “braço de ferro”, mas improvisado. Adoro que o meu dono Tomás me atire o peluche: corro e devolvo o meu peluche ao dono. Quando os meus donos estão a ver televisão, eu peço para ir para o sofá e faço beicinho: às vezes eles deixam, outras não.

     Quando eu for velhinha acho que os meus donos vão ter muito cuidado comigo: levar-me ao veterinário, dar-me todos os remédios e todo o carinho.

     Para mim, ser cão é muito elegante, pois os donos dão-nos muita coisa boa. Se eu tivesse uns donos maus, aí sim, preferia não ser cão. Cá para mim, penso que nós existimos para fazer as pessoas mais felizes.

Tomás G, 5C

Print Friendly

Eu Sou o Bongo

Old pup TheGiantVermin via Compfight   

     Olá, eu sou o Bongo! Sei que não era de mim que estavam á espera, porque este blog é do meu amigo Scup.

     Já que o meu amigo disse como era, eu também vou dizer. Tenho altura média, sou bem proporcionado. O meu pelo é curto e espesso, é castanho clarinho numas partes, sou loiro e as minhas donas dizem que o pelo da cabeça é mais fofinho.  Tenho orelhas caídas. Os meus olhos são castanhos amarelados e têm uma expressão meiga. No meio do meu pescoço tenho uma coleira de metal, com uma chapa em forma de bola, com o meu nome e o número do telemóvel da minha dona.

     Adoro brincar ao futebol e ao “busca”, com a minha dona preferida – Carlota -. Às vezes, quando as minhas donas simpáticas estão na piscina e elas pegam na bola e atiram. Adoro a minha casa: tem um jardim enorme, o que é bom para eu brincar e correr. Mas há um sítio onde eu só fui uma ou duas vezes é 0… 0 … o… andar de cima.

Tam, Tam, Tam…

     A minha família é grande: tenho sete donas, de 54 anos a 1 mês e tenho quatro donos, dos 53 aos 19 anos: um está sempre lá em casa e os outros não. A minha preferida é a Carlota; ela não consegue ralhar comigo a dar palmadas, porque me adora. Tem loucura por me dar muitas festinhas. Sempre que ela está desanimada, vem brincar comigo, para se esquecer dos seus problemas e eu faço-lhe a mesma coisa. Não sei como é que iríamos viver separados! Eu já perdi dois amigos: o Dengo e o Scone – não vou perder outra – e tenho imensas saudades deles!

     O Scup vem aí, por isso não posso continuar… Adeus, adorei falar com vocês!

Carlota C, 5C

Print Friendly

Acompanhada pelo meu Fiel Cão

Running dog Tim Shields via Compfight

     Um dia, gostava de ir à praia, com o meu cão, o Óscar. O meu cão é pequeno, branco, tem pintas pretas, a cabeça preta e é muito brincalhão.
      Na praia, gostava de correr na areia molhada, com ele, jogar à bola, atirar-lhe o disco e irmos para a água brincar.
     Depois das brincadeiras todas que fizesse com ele, ia passar os pés por água doce para tirar a areia.
     Quando acabasse de me lavar, eu ia andar de bicicleta e ele acompanhava-me a correr.
     Quando estivesse a andar, sentia a brisa do vento que fazia esvoaçar o meu cabelo, as orelhas do meu cão ondulavam para cima e para baixo, o céu estava limpo, sem nuvens, um dia lindo de sol.
     Eu sentia-me muito feliz e, ao mesmo tempo, estaria acompanhada pelo meu fiel cão.
Quando começasse a escurecer, tínhamos que ir embora; mas esse tinha sido o melhor momento que eu vivi com o meu cão, adorava –  era espetacular!

Mariana H, 6C

Print Friendly

O Chico

barbadoImagem: Autótotones     

     O Chico é o meu cão, de raça Barbado da Terceira; tem pelo longo, branco e espesso,  as orelhas caídas, o focinho curto e os olhos azuis. Tem uma estatura grande, é um dos cães mais fortes do mundo.

     Ele é muito brincalhão, mas quando sente que os donos estão em perigo ou quando se irrita com os outros cães, começa a ladrar.

     As minhas atividades favoritas com o meu cão são passear na praia e no parque. Quando estou na praia, eu solto-o e ele vai a correr para os outros cães e brinca imenso com eles. Depois, eu e ele vamos para as dunas e descemos a duna a alta velocidade;  a seguir vou para casa, porque estou cheio de areia.

     O Chico é importante na minha vida, porque sempre quis ter um cão e o Chico é o meu primeiro.

Diogo T, 7A

Print Friendly

Eu Sou O Scup

     macho-1-canil-oeiras_mini

   Imagem: Adota-nos

     Olá! Eu sou o Scup e adoro brincar com o meu melhor amigo que é quase meu irmão. Eu sou muito trapalhão e peludo. As minhas donas mais velhas, às vezes, dizem para eu ir para a rua ou afastar-me, porque estou todo, todo, mas todo babado!

     A minha dona mais nova é a mais querida. Brinca comigo e com o Bongo – é o meu melhor amigo/irmão – . E não é como as outras donas que dizem para me afastar quando estou babado.

     Eu sou muito alto. Sou mais alto do que o Bongo e ele é mais velho do que eu. O Bongo já está a ficar velhinho; então não brinca muito comigo. Mas eu admito, às vezes, sou um bocadinho irritante para ele. A minha família é gigante! Tenho 6 donas: a mais velha chama-se Ana, que é a mãe, depois é a Catarina, que é a filha mais velha; de seguida, a Mariana, (2ª filha mais velha) a Marta (3ª), a Matilde (4ª) e a mais querida para mim, a Carlota!

     Eu sou alto e magro; o meu pelo é espesso e longo; é preto e tem manchas pretas. As minhas donas dizem que ele é fofinho. Tenho orelhas caídas; os meus olhos são amendoados e têm uma expressão meiga. No meu pescoço tenho uma coleira vermelha com uma chapa em forma de um osso que à frente tem o meu nome e, atrás, o número da minha dona mais velha – a Ana.

    Adoro brincar com umas bolas de ténis que temos cá em casa. Às vezes vou buscar a minha manta de dormir, a minha dona Carlota senta-se em cima e eu puxo-a. Tenho um quintal muito grande, o que é bom, porque adoro rebolar na relva, ladrar às pessoas que vão na rua, roer a minha bola e correr.

     A minha dona mais nova – Carlota – é a minha preferida: faz-me muitas festas, brinca comigo e percebe-me mais do que as outras donas. Acho que não conseguia viver sem a nossa amizade!

     Bem tenho de desligar o blog porque a minha dona está a chegar. Até amanhã!

     – Au,au, au au!

Carlota C, 5C

Print Friendly

O Meu Novo Cão

Polly Marc Hadley via Compfight

     O meu cão é pequeno, o seu corpo cabe nas minhas duas mãos; a sua cabeça é mais pequena que a palma da minha mão; é fofo, tem o pelo macio, preto, mas com as patas castanhas; tem orelhas caídas e uns olhos enormes, castanhos e brilhantes.

     Gosta de comer, dormir e só brinca. Quando quer é muito independente e mal disposto, mas quando quer ser fofo, é.  Ele só tem um mês, por isso está sempre cheio de frio; é tão resmungão, mas eu adoro-o na mesma. Ele mudou tudo na minha vida: trouxe-me uma alegria…

     Sempre tive cães grandes e cresci com labradores – o Kiko, a Paki e o Max; quando me deram a minha primeira cadela, fiquei muito contente, mas agora que me deram o meu segundo cão pequenino, ainda estou mais encantada!

     Quando estive com febre, peguei nele e deitei-me com ele no sofá; senti-me nas nuvens: ele não tem mãe, então era como se o Toby pensasse que eu era a sua mãe. Eu sentia um conforto muito agradável por estar com ele. Foi a melhor febre que já tive!

     Só porque o tenho perto de mim já dou graças a Deus.

mariana_toby

Matilde S, 6B

Print Friendly

Um Melhor Momento

Dolphins in Pine Island SoundCreative Commons License Pete Markham via Compfight

     Eu estava em Soltróia, a recolher as conchas – a coisa que eu mais gosto de fazer quando estou na praia.

      De repente, vi a água a agitar-se: vi uma barbatana e, subitamente, salta um golfinho, mas não era um, eram três!

     Eu e o meu pai fomos num catamarã atrás dos golfinhos e, de seguida, o golfinho dá um mortal mesmo à minha frente!

     Um acontecimento inesquecível, a coisa mais bonita que eu já tinha visto!

Vasco L, 5C

Print Friendly

Eu Sou a Cuca

Rino 2 Igor Pardini via Compfight   

      Eu sou a Cuca e gosto de embirrar com a minha dona.

     Eu adoro brincar com os meus brinquedos – bola, peluche, tigre com os olhos grandes, osso de borracha – e com a minha dona, é claro.

     Sou pequena, só tenho sete meses, o meu pelo é curto e fofo, em tons de branco, castanho e preto: a minha cara é castanha, os meus olhos são debruados de castanho claro, a minha cauda é preta com a ponta branca. A minha raça é Jack Russel; a minha mãe chama-se Uva e tenho sete irmãos, todos diferentes. Um é às bolinhas, outro é às risquinhas…

     A minha dona diz-me sempre que eu, um dia, vou ser grande como ela, e eu digo para mim: “Espero que sim”. Quando ela vai para o seu pai, eu sinto muitas saudades dela e, quando a vejo, fico toda stressada: salto-lhe para as pernas, corro pela casa toda e lambo-lhe a cara toda!

     Ela ensinou-me a não ir para o sofá, porque  eu deito muito pelo. Ainda no outro dia, a tia da minha dona trouxe o seu cão e eu fiquei cheia de ciúmes; a minha dona achou uma graça que não parava de rir!

     E isto sou eu.

Carolina S-C 5C

Print Friendly

A História de Tery

The Grass Sampler
Photo Credit: Tony Alter via Compfight    

     O novo membro da Família! A minha avó queria muito ter um cão. Eu, a minha irmã, a minha Mãe e o meu Pai tentamos arranjar um cão por Facebook, por Olx, mas muitos donos não nos responderam. Mas a minha Mãe viu um cão na net que era a cara da minha avó! Ficou marcado irmos buscar o cão no Domingo, dia 11 de Janeiro. 

     Chegou domingo! Íamos a caminho para ir buscar o cão, a Palmela; o encontro era no supermercado Continente. A minha avó estava muito ansiosa.

     Levamos o cão: cheirava mal, chegamos a casa e demos-lhe logo um banho quente. Chamamos-lhe “Tery”. A cadela Tery simpatizou muito com a minha avó e comigo e a minha família.

    Tery é brincalhona, curiosa, gosta de vigiar e a melhor parte é que gosta de fazer um olhar de curiosidade, pondo a cabeça para o lado e a mexer as orelhas de forma que as orelhas ficam com uma onda por cima.

     A Tery gosta de brincar, mas ainda não se habituou ao peluche, pois quando eu vou atirar, ela foge com medo. Os seus olhos mostram curiosidade e ternura. A Tery vem para cima de nós porque adora receber festinhas.

     Ela tem dois anos, mas parece que é muito mais nova; ainda está magrinha e é de estatura média; é parecida com um Teckel, mas em grande; a cor dela é cinzenta, com a cabeça meia amarelada e acastanhada; o pelo é longo, encaracolado e espesso. As orelhas são caídas, mas a Tery consegue levantá-las.

      A Tery é muito simpática e, com tudo o que a minha avó lhe faz, não há melhor! Eu adoro a Tery!

Tomás G, 5C

Print Friendly

Animal de Sonho

 

Little Low-Light Monsters (D800 @ ISO 25,600)
Creative Commons License Photo Credit: Sean Molin via Compfight

        O meu animal de sonho é o meu gato, aliás, a minha gata; ela chama-se Lili.

      É felina, porque parece um tigre. É cor de laranja, com riscas mais clarinhas e o pêlo é muito fofinho e não é muito comprido. O focinho é cor de rosa com manchinhas pretas, os olhos são verdes, meios acastanhados, as orelhas têm um pelinho por cima como se fosse uma crista por cima  das orelhas. O seu corpo é muito engraçado, porque  quando ela corre, o pelo atrás das patas abana; ela é um bocadinho gorda, mas fica-lhe muito bem.

     Ela gosta muito de passear na rua, mia sempre quando quer sair para a rua, tem o hábito de sair pela janela da sala. Quando sai, passado um tempo, vota, mia e, quando abrimos a janela, ela fica à espera que saíamos da frente da janela para saltar e entrar.

     Eu gosto muito da Lili, porque quando a minha mãe me diz por exemplo: “Vai-te calçar” e eu não vou, a Lili fica parada à minha frente, à espera  que eu me vá calçar e, se eu não for, ela morde-me.

     Lembro-me muito bem do dia em que a encontrei, parece que foi ontem: Estava em casa dos avós dos meus primos, “para aí” com cinco anos. Estava a brincar numa espécie de gruta, com a minha irmã e com os meus primos, nessa altura, o meu irmão não existia. Estávamos nessa gruta a brincar “às mães e aos pais” e o meu primo tinha ido passear pelo jardim, porque é muito grande.

     Começou a chamar a minha irmã e ela foi ter com ele: ele tinha encontrado uma gata! Fomos chamar os meus pais e os meus tios, e perguntamos aos meus pais se podíamos ficar com ela. A minha mãe disse que, no dia seguinte, íamos para Caminha, que é no Norte; por isso, tínhamos de esperar: se ela ainda estivesse no jardim quando voltássemos, ficávamos com ela.

    Assim foi. Quando voltamos, o meu pai pô-la dentro de uma caixa de cartão.

Maria Ana, 6A

Print Friendly

Animais Favoritos

Cerração
Creative Commons License Photo Credit: Eduardo Amorim via Compfight

       O meu animal favorito é o cão porque os cães são muito fofinhos e brincalhões. O animal que eu acho mais bonito é o pavão. O animal que eu preferia no dia a dia é um cão, porque não larga muito pelo e não faz muita porcaria.

     Também gosto de cavalos, porque podemos montar neles. Eu já montei num cavalo, e foi divertido, senti-me mais alta e pude dar uma festa na cabeça, quando estava em cima dele! Eu já dei um banho com a mangueira ao cavalo, quando estávamos numa festa e também escovamos-lhe o pelo e penteamos as crinas.

     Como agora estou a fazer Surf com uma amiga  – a Maria C e o Bernardo M – não tenho tido tempo para a Equitação.

Mariana H, 6C

Print Friendly

Os Meus Cães

 

Bright EyesShe's OK!

Photo Credit: Jose Roberto V Moraes via Compfight                                                                         Creative Commons License Photo Credit: geckoam via Compfight

      Tenho dois cães: um que se chama Bongo, outro que se chama Scup.

     O pelo do Bongo é loiro  e os olhos castanhos, da cor de caramelo. Gosta muito de jogar à bola. Tem 5 anos e é muito mimado, mas bem comportado. Tem um tamanho médio e é uma mistura de raças.

     O meu segundo cão tem pelo preto e manchas castanhas e os olhos são castanhos escuros. É muito trapalhão porque é pesado e, às vezes, as pernas falham ao fazer curvas ou quando o chão está escorregadio. Tem  três ou quatro anos, também é mimado, mas ainda não obedece muito bem. Veio para minha casa quando ainda precisava de beber leite.

     O Bongo veio porque o marido da minha irmã, na altura namorado, não podia ficar em sua casa e veio para cá.

     Adoro os meus cães, são os meus melhores amigos!

Carlota C, 5C

Print Friendly

Animais Favoritos

 Bucking Mad
Creative Commons License Photo Credit: Marc Soller via Compfight

     O meu animal favorito é um tigre bebé, porque é muito fofo. O lobo bebé é o animal mais bonito.

     O cão é o animal preferido para o dia-a-dia porque podemos sempre brincar com ele.

    O cavalo preto é o meu ideal; a sua habilidade especial é dar saltos sobre a água; já montei muitos cavalos e já fiz alguns torneios. O cavalo que me marcou mais foi o Flecha, porque era muito rápido, era do dono da escola e ninguém, mesmo ninguém, nem o próprio dono, o conseguia montar, apenas eu o conseguia, pois ele era muito rebelde e ele sentia a minha rebeldia.

     Os cavalos são muito meigos; os cavalos são o símbolo da liberdade.

Bernado M 6C 

Print Friendly

Olie, um Companheiro Único

Oli_Pepa_quadroImagem: Oferta do Autor

     O meu cão é um companheiro único. Tem orelhas grandes e bochechas também. O seu pelo é castanho e branco, curto e liso; as patas são pequeninas e o corpo é comprido.

     É um basset, o nome dele é Oliver e a alcunha é “Oli”. O Oli veio para nossa casa quando era muito pequenino. A coisa mais engraçada é que eu faço anos no dia 15 de Setembro e ele faz dia 14 de Setembro! Quando eu o vi pela primeira vez, vi logo que era um bom cão.

     Os meus pais, a minha avó, a minha irmã e eu fomos busca-lo ao canil.

     Estávamos todos a investigar os cães e vimos uma ninhada com imensos Bassets pequeninos. E vimos um dos mais bonitos…

     Libertámo-lo e ele veio com as suas orelhas a raspar no chão. Então decidimos levá-lo. No carro, ele ia muito contente ao meu colo.

      Achámos que ele estava muito sozinho e demos uma Jack Russel à minha Mãe. Ela é toda branca e, à volta de um olho, tem o pelo preto. É como se fossem irmãos: ao dormir, ela, por vezes, põe o focinho em cima dele. E eles juntos fazem muitas malandrices.

    O meu Oli e a minha Pepa trazem-me alegria todos os dias!

Tomás G, 5C

(Em parte escrito, em parte ditado)

Print Friendly

Animais Favoritos

       grandmaster FLAX ~ II
Photo Credit: hobvias sudoneighm via Compfight

     Os meus animais preferidos são os coelhos e os periquitos de coleira. Eu gosto do coelho porque é um animal com quem podemos brincar, dar-lhe festas e não é preciso muito esforço para tratar dele.

      No caso do periquito de coleira é igual: podemos dar-lhe festas, ao contrário da maioria das outras aves, podemos brincar com eles, como, por exemplo: eu antes punha bonecos da Lego em cima da mesa e ele fazia batalhas com os bonecos.

     Se eu fosse atribuir um símbolo aos meus animais, seria: ao periquito de coleira, atribuía o símbolo de ser perseverante, porque estas aves, em pequenas,  voam muito mal, e batem contra tuo, durante os dois primeiros anos. Mas não desistem, continuam sempre a tentar.

     Na minha opinião, ao coelho, eu atribuía o símbolo da inteligência, porque eles têm umas estratégias, tais como: escondem a toca quando saem de casa; e quando veem um predador que acha que não há ali toca e o tentam apanhar, ele vai para a toca. E para os seus bebés não saírem, põe palha ou erva, amontodada,  a tapar a saída de casa.

     Para quem não sabe, os periquitos de coleira  são oriundos de África, Ásia e de alguns países do mundo. Esta raça tem o nome de “coleira”, porque , no pescoço, apresentam uma coleira ou um risco, normalmente azul, vermelho ou laranja, nos machos e um risco sem cor ou cor-de-rosa, nas fêmeas.

     Este pássaro, se não se comprar com cunhas, custa, em bebé, 500 euros e, em adulto, 400 euros.

     E isto é só o início do que eu podia contar sobre os meus animais!

Rafael N 5D

Print Friendly

Um Companheiro Único

 

puppy5Imagem: Ookaboo 

  1. Descreve o teu cão: aspeto físico e maneira de ser.
  2. Como é que o teu cão entrou na  tua vida?
  3. O que sentiste quando o viste pela 1ª vez?
  4. Recorda uma experiência inesquecível que tenhas vivido com ele.
  5.  Como pensas apoiar o teu cão quando ele for velho e doente?
  6. Que enriquecimento o teu cão traz à tua vida?

Oficina – trabalho em Grupo

Print Friendly

O Meu Animal Favorito

Este texto foi escrito por Mariana M 5b 2011-12

O Leăo Marinho é o meu animal favorito, porque é um animal bonito, inteligente e capaz de fazer coisas extraordinárias. O Leăo-Marinho é cinzento acastanhado, com bigodes e duas orelhinhas pequeninas. As suas patas traseiras săo duas barbatanas como as das morsas. Esta espécie vive nos oceanos de todo o mundo. Eu gostava de ser um leăo marinho, pois assim, podia descobrir todos os tesouros que existiam debaixo de água.

     Eu năo mudaria nada, nele, pois ele é muito bonito como é. Eu acho que o meu animal favorito năo está em vias de extinçăo porque eles estăo epalhados por todo o mundo. Os caçadores furtivos săo uns falhados, porque ao matarem os animais năo ganham nada com isso.

     Os animais existem porque sem eles o mundo era diferente. Por exemplo: as moscas fazem muita diferença, pois sem elas tínhamos muito lixo, proque as moscas alimentam-se dele.

Mariana  M 5B 2011-12

Print Friendly