A Égua de Olhar Esplendoroso

Rulla sig fungerar överallt…Creative Commons License Patrick Strandberg via Compfight

      Era uma vez uma menina, chamada Beatriz, que estava numa quinta, quando viu uma égua e pensou logo em ficar com ela: era muito bonita, com o pelo malhado de branco e preto; as crinas eram compridas e o seu olhar esplendoroso brilhava quando via alguém.

     A Beatriz chamou-lhe Luz, ficou com ela e andou a passear a passo, pelos pastos verdejantes, salpicados de flores silvestres: papoilas, malmequeres e dentes de leão. A menina, de repente, desequilibrou-se e caiu, enquanto a égua fugiu, muito assustada. A menina foi socorrida por um jovem agricultor e teve de ir ao hospital.

     A Luz apareceu inesperadamente no quarto do hospital e disse:

     – Quero que te salves.

     Beatriz ficou logo boa e a égua mágica ajudou-a.

     No dia seguinte, houve uma competição de cavalos e Beatriz ganhou com a ajuda da Luz. Tornaram-se campeãs em imensas competições e ficaram inseparáveis para sempre.

Mariana C, 7C

O Meu Cão de Peluche Gigante

     Teddybear Christmas Eric.Ray via Compfight

       Esta é a história do meu cão de Peluche gigante, da Ikea.

     Recordo-me, no 5º ano, na véspera da Festa da Comunidade Educativa; os alunos do 6º ano fizeram rifas. Eu vi um cão de peluche GIGANTESCO, na barraquinha das rifas, ao lado de uma menina.

     Mas como não tinha sorte, – já tinha comprado várias rifas, ganhava só um livro para bebés, um pequeno saco branco, e muitas, muitas canetas giras. Uma menina trocou-me o livro para bebés por um cão fantoche.

     No dia seguinte, vi como o Sebastião ganhou este cão. Eu chorei muito e até abracei uma árvore!

      Um menino perguntou o que se estava a passar. Eu contei-lhe esta história e, no último dia das aulas, ele deu-me um pequeno dálmata de peluche.

     Quando eu ia fazer doze anos, nós – os meus pais e eu – fomos ao Ikea e, para meu imenso espanto, vi um cão semelhante ao que eu tanto tinha desejado! (Deus é Bom)

    Esqueci-me logo do kit de desenhos e tirei o cão de uma prateleira gira.

     Também me recordo quando, em Março, à noite, estava uma forte trovoada e o meu telemóvel estava sem bateria: abracei o cão e assim passei toda a noite.

     Quando crescer, vou usar este cão como inspiração para desenhos.

Fim

Obrigada

Svetty, 6B

 

Seguir em Frente com a Vida

Call of Duty: Infinite Warfare Clinton Crumpler via Compfight

     Um acontecimento inesperado destas férias foi o meu irmão e o meu vizinho terem encontrado um cão abandonado: era rafeiro, pequeno, de pelo claro. Habituou-se bem a nós, mas parecia bem alimentado, embora sem chip. Ficou bem com o nosso cão Pepe, durante um dia e depois fomos entregá-lo a uma Associação de animais, para ser adotado.

     No dia 24, o meu Avô fez anos, passei o dia todo em Família e estávamos muito felizes! À meia-noite, abrimos os presentes. O meu favorito foi o Hawei P8 Lite e, ultimamente, tenho jogado PS4. Troquei um jogo repetido por Lego Marvel Super Heros 2 e amanhã ainda vou comprar o Watch Dogs 2.

     Eu passei o Ano Novo com a minha Mãe, um amigo meu, o Mota, e estivemos a jogar, na minha PS4, Call of Duty Infinite Warfare Eu e o meu irmão completamos um jogo a 100%. Jantamos “almofada de pato” e fomos para Cascais ver o fogo de artifício, que era de imensas cores: azul, vermelho, verde, laranja; formavam diferentes formas no céu e lançavam quilos de fumo.

     O meu irmão disparou a rolha do Champanhe e depois disso fomos ao LuzMar; enquanto estávamos lá, vimos o meu vizinho a passar, junto á Roda Gigante, mas, infelizmente, não conseguimos cumprimentá-lo.

    Não pedi desejos em especial, mas como resolução de Ano Novo gostaria de melhorar a nota de Português, em especial nos Verbos e Adjetivos.

     E é só seguir em frente com a Vida! 

     Em cada Turma, há Grupos de 3 pessoas que têm de fazer uma tábua de madeira onde criam símbolos para o valor de cada mês. Este mês, estou a trabalhar num projeto em que celebramos a Paz: se toda a gente se ajudasse uns aos outros, teríamos um mundo melhor.

Vicente E, 5A

 

Férias de Paz

    chuck and his crazy hair Keith Survell via Compfight

      As minhas férias de Natal foram boas. Recebi um coelho miniloop chamado Tobias, ele é muito brincalhão e gosta muito de saltar!

     O Tobias, quando o vi pela primeira vez, saltou para o meu colo! Ele tem um mês: é um bebé!

     O meu Natal foi giro: fui ao cinema com as minhas amigas vi o filme Coco e o Picture Plenert 3.

      Estive em casa a dormir às vezes até às doze horas.

     No dia 26 fui à Wonderland  de Lisboa: andei de patins e na roda gigante. No dia 25 foi Natal: recebi o meu coelho e roupa giríssima.

     Durante o Ano Novo, nas doze badaladas comi passas. Ouvi o fogo de artifício na minha casa: fiz uma resolução de Ano Novo.

      Este período, devo melhorar a Inglês, a interpretação de texto; a Geografia já consegui uma estratégia para não confundir a Escala Gráfica com a Escala Numérica.Mas quero levantar a nota.

      Este mês celebramos a Paz: gostava muito de fazer uma viagem à Indonésia. Realizarmos estes pensamentos contribui muito para a nossa felicidade. E sermos felizes contribui para a Paz no mundo.

Mariana C 7A

 

 

O Peixe que Desenha?

https://www.youtube.com/watch?v=B91tozyQs9M

Imagem: Puffer Fish Youtube

      Há um peixe muito curioso que se chama Puffer. É um peixe que tem uma particularidade muito gira: ele desenha no fundo do mar doce!

     O Puffer é parecido com o peixe balão, mas a única diferença é que ele desenha e o peixe balão, não.

     As suas obras têm de ser feitas em poucos dias, trabalhando quase 24 horas seguidas com pequeninos intervalos, porque demoram pouco tempo para se desfazerem.

    Por que é que se desfazem tão rapidamente?  O Puffer não desfaz a sua obra, mas sim as ondas e as correntes.

    O seu objetivo é atrair uma fêmea para se reproduzirem. É incrível o que os machos fazem para impressionar as fêmeas!

    A natureza é um espanto, ela faz coisas maravilhosas e nós devemos protegê-la!

Alexandre B, 6D

 

O Monstro das Profundezas – I

Arenal volcano, Costa Rica Gregoire Dubois via Compfight

    Eu, o Monstro das Profundezas, aterrorizo as cidades por causa dos meus superpoderes mutantes! Os meus poderes são: lançar fogo das mãos e saltar tão alto que posso andar de prédio em prédio; o meu último superpoder é a invisibilidade: é fantástico!

     O único problema é que as autoridades querem apanhar-me e prender-me. Acho que esse é o preço a pagar por ser um monstro.

    A minha casa é um enorme vulcão no Hawai. É divertido viver num vulcão, pois nunca tenho frio. De noite, caço animais, como aves ou peixes, pois sou carnívoro.

    Eu não faço mal às pessoas, mas como sou diferente dos outros, eles têm dificuldade em comunicar comigo.

     Um dia, um menino encontrou-me perto do vulcão, estando eu já cansado de caçar as aves que estavam a dormir, para o meu pequeno-almoço nutritivo.

      O menino estava num acampamento de escuteiros e tinha-se perdido, mas, em vez de me atacar, dormiu comigo e deu-me festinhas, pois eu sou meio-animal, meio-monstro.

      Quando acordei, tentei levá-lo para o acampamento, pois, enquanto tinha estado a caçar, apercebi-me do local de encontro dos escuteiros.

      Quando nos aproximávamos, outro menino viu-me e foi contar aos caçadores da floresta, que foram logo à minha procura! De repente, ouvi:

      – Ali está o monstro!

(Continua)

Francisco M N, 5A

Animais Favoritos

234A8993.jpg Mark Dumont via Compfight

     O meu animal favorito são os golfinhos, porque acho que são fofos e lindos, mas também gosto muito de pandas e de Koalas, porque acho que são amorosos.

     Se eu fosse um animal, gostava de ser um Koala, porque é prequiçoso como eu, mas também gostava de ser um golfinho, para ser livre, porque tem um imenso espaço para nadar.

     Se eu pudesse mudar algo no Koala, tirava-lhe as garras, para não nos magoarem, mas precisam delas para se agarrarem às árvores.

    Eu tenho um gato preto de olhos verdes, muito querido, que está sempre agarrado a mim, pois até já parece o Koala.

     Ele foi encontrado no lixo, na Golegã. O meu tio estava a deitar o lixo fora e ouviu um som: eram os gatos a miar numa caixa de cartão, mas eram mais de 10 gatos bebés! O meu tio publicou fotos dos gatos nas redes sociais, e pronto! Os gatos ficaram com donos!

     Menos o preto.Então, os meus tios ficaram com ele. Mas, passado um pouco, eles vieram cá a Cascais e mostraram-nos o gato. Nós adorámos, o meu pai não queria, mas a solução foi chorar e pedir muito:  e cá estou eu com o gato mais fofof e amoroso do mundo, o King!

Margarida Rs, 5C

Rosinha, a “elétrica”

Arnold!Creative Commons License Adrian Fallace via Compfight

     Eu tenho quatro Jack Russel e eles vivem todos no quintal, mas eu vou descrever só um: Ela chama-se Rosinha, é muito elétrica, porque ainda é muito bebé. O seu pelo é eriçado e tricolor: branco, preto e castanho dourado. À volta dos olhos o pelo é castanho e mais branco nos flancos. As suas orelhas são pequenas e descaídas.

      Ela é muito excitada, muito esperta e maria-rapaz, por isso fico muito tempo a treiná-la e a jogar futebol com ela. Quando chego a casa, ela vem logo a saltar e corre para o meu colo! Dorme na casota, mas é a mais mimada; os outros têm a casota castanha, mas a dela é castanho-bebé.

     A primeira vez que a vi foi no Shopping; tinha 3 irmãos, mas ficou sozinha ali. Fui com o meu pai e irmã e ficamos apaixonados por ela, porque era muito fofinha.

     Com a Rosinha fiquei mais feliz na minha vida!

Zé G, 5B

Teodoro, o Coelho

Rabbit Fest Tjflex2 via Compfight

     Eu tive um coelho chamado Teodoro.

    Ele era muito veloz, mas também gordinho, pois não nos podemos esquecer da sua característica favorita: ser guloso! Ele adorava comer! Na minha experiência com o meu coelho, quando eu abanava a caixa da comida, ele vinha a correr para cima de mim.

    Quando eu olhava para ele, fazia-me lembrar o meu irmão mais novo.

    O Teodoro era muito preguiçoso; quando fugia de mim, ia para cima da minha cama e punha-se em cima das almofadas todas!

    O meu Teodoro trouxe-me uma alegria especial que muito raramente acontece. A minha preferência por pelos coelhos é por achá-los fofinhos. 

Francisco Go, 5B

O Gatinho Abandonado

MillyCreative Commons License Carolina Barría Kemp via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Francisca que tinha ido fazer um piquenique com a sua amiga Susana.

     Perto das suas casas havia um jardim pequenino, cheio de flores, com um lago redondo no meio, onde vivia um peixe vermelho e uma tartaruga verde que eram grandes amigos.

     Elas sentaram-se num banco verde, à sombra de uma enorme tília e começaram a lanchar o piquenique que a avó da Francisca tinha preparado: tarte de maçã coberta de chocolate e sumo de morango.

     Foi então que viram um miado aflito vindo do lago: um gatinho pequenino, de pelo cinzento e branco, tão magrinho que se viam os ossos, tinha tentado equilibrar-se num nenúfar e caíra para dentro de água.

      A Francisca e a Susana foram a correr até ao lago: viram o peixe vermelho debaixo de água a empurrar o gatinho para cima, enquanto a tartaruga, agarrada à borda do lago, segurava uma orelha do gatinho.

     As meninas ajudaram-no a salvá-lo, distribuíram os pedacinhos de tarte pelo peixe, a tartaruga e o gato. Depois embrulharam-no na toalha do piquenique porque ele estava encharcado.

     Levaram-no para casa e tornou-se o companheiro da avó da Francisca.

Texto Ditado e Dialogado por Francisca e Inês

Entrevista à Nossa Bibbliotecária Lola

Mexico Bound

Kenneth Spencer via Compfight

       Temos connosco, no nosso Programa de Rádio MDM, a famosa Bibliotecária Lola. O nosso objetivo é conhecê-la ainda melhor

        Gostaríamos que nos explicasse por que gosta tanto da Formiga.

       Gosto muito da Formiga, eu descobri um amor novo que nunca tinha sentido e nunca pensei ser possível. É um sentimento único que me transmite tranquilidade e uma amizade profunda: a minha “menina preta” como lhe chamo, gosta de mim de qualquer jeito e eu dela. 

http://cadescrita.edublogs.org

Imagem: Gentileza da Entrevistada

      Que motivos a levaram a escolher a sua profissão?

      No início foi apenas coincidência, mas afinal acho que nasci para isso, estar junto das crianças.

     O que mais aprecia no convívio com os alunos? 

      Poder ajudá-los a transformarem-se em adultos melhores, mais humanas, darem valor ao que realmente é importante na vida: serem felizes. 

     Partilhe connosco um ponto alto da sua vida profissional.

     Um dos melhores foi um abraço que recebi de uma aluna ao fim de dez anos e me disse: “-  Foste uma das pessoas mais importantes na minha Adolescência!

     Como tem vindo a realizar, este ano, o seu Projeto de Acolhimento e de Compromisso com os seus Alunos? 

     Tenho tentado  bem fazer com que eles compreendam o que é estar numa Biblioteca e façam dela um espaço agradável para todos.

     Obrigada, Lola, por ter vindo enriquecer o nosso programa com a sua generosa partilha. 

    Tenho de agradecer ao aluno Miguel M por se ter lembrado de mim e também à mentora Prof Inês Pinto.

Miguel M e Lola H

Programa de Rádio MDM

As Melhores Férias de 2017

https://pt.aliexpress.com/store/product/Inflatable-Flamingo-Pool-Float-Toy-150CM-Party-Water-Rose-Gold-Giant-Pink-Cute-Boia-Tube-Ride/1897368_32819171439.htmlImagem: Aliexpress.com

     Este Verão extraordinário, estive no Algarve e no Alentejo, com os meus queridos Amigos e Família.

     Quando estava nas praias do Algarve, via o mar claro, as pessoas a divertirem-se, as rochas castanhas, a areia brilhante e muitos chapéus de sol.

      Fiz muitas diversões fixes na praia, como: futebol, volei, raquetes, bodyboard, nadar e mergulhar nas ondas e ainda jogar com uma bola que salta na água.

     Gostei imenso de ir à piscina e recebi duas boias novas: uma, enorme, cor de flamingo e em forma de flamingo; outra, redonda, de várias cores, para descansar.  Basicamente cabíamos todos no flamingo, não lutávamos, mas queríamos todos chegar à boia e ficávamos lá.

     Sempre que jogava com os amigos ou me atirava para o mar sentia-me feliz, calmo e em liberdade.

Afonso F, 6D

O Golfinho Feliz


PortraitCreative Commons License R’lyeh Imaging via Compfight

    Nas minhas férias tive muito contato com a água. Fui muitas vezes ao mar com a minha avó; ela é velhinha mas muito aventureira, ela vai até ao fundo do mar e leva-me como acompanhante. Tenho muitas histórias para contar, mas vou contar a que foi mais divertida.

     Estava eu e a minha avó no mar sem fim e azul escuro, quando aparece um golfinho a nadar, feliz e contente. Eu achei logo que era um tubarão, pois estávamos tão longe que não conseguíamos ver a praia, mas a minha avó logo me alertou e disse que era um golfinho, mas mesmo assim, eu morria de medo que ele ou ela me mordesse. 

Passado algum tempo, o golfinho começou a fazer truques para nós vermos e ele gostava tanto quando nós aplaudíamos. Esperamos até ele acabar com os truques: então eu fui para cima dele e começou a levar-me tão rápido quanto uma chita.De repente, ele foi para debaixo de água cada vez mais e mais fundo e eu soltei-me, porque senão ia morrer afogada.

     Quase sem ar, vim até à superfície e encontrei a minha avó; começamos a nadar até à costa, mas não reparamos que o golfinho vinha atrás de nós. Quando já tínhamos pé, olhamos para trás, a ver se encontrávamos a minha mãe e a minha irmã, mas o que encontramos foi um golfinho novamente a fazer truques. Ele ficou ali por uns tempos e foi-se embora, mas ninguém o viu, pois tínhamos pé, mas a água estava até ao meu pescoço e a praia ainda estava um pouco longe.

     Finalmente, chegamos à costa, onde estavam a minha irmã e a minha mãe a apanhar um bronze. E por fim contamos a toda a fabulosa história a elas!

Carolina Cr, 7B

Nadando com Golfinhos

Dolphin Days ShowCreative Commons License Chad Sparkes via Compfight

     Olá, o que eu vos vou contar foi uma coisa linda, um momento emocionante: nadar com golfinhos! Uma experiência que não dá para esquecer. Nadei com um golfinho no Zoomarine, era um golfinho lindo, maravilhoso, ai!

    Chamaram-me: que nervos! Fui-me vestir e só conseguia olhar para a água azul, o céu lindo, com o sol mais bonito que eu já vi. Quando saí encostei-me à parede branca que estava fria, mesmo muito fria; bem, o aperto na barriga, o nervoso miudinho davam cabo de mim, nem sabia se estava frio ou calor, mas pelo céu, devia estar um bom tempo para um mergulhito.

     Mandaram-me dizer aos meus pais que ia entrar na água. Quando olhei para a água com olhos de ve, parecia o mar, estava muito fria e era muito funda, mas consegui superar tudo: aí sim, descobri como os golfinhos eram grandes e o verdadeiro tamanho dos dentes!

    Bem, os dentes eram grandinhos, mas o olhar de ternura entre ambos foi tão forte que eu esqueci o Mundo: não havia ninguém, só eu e o “meu” lindo golfinho! Fiz coisas impensáveis: corri (nadei), dei-lhe imensas festas, o carinho entre nós, parecia que ele me ia dar beijinhos. Só de pensar que daí a pouco me ia embora, ia-me logo abaixo, mas parecia que o golfinho percebia e me ia ajudar.

   Só, só mesmo por causa do olhar de ternura e “amor”, fiquei feliz, e foi aproveitar! Sentia-me deslumbrada, maravilhada e, como na vida todos temos de ser felizes, fazer o que gostamos, eu aproveitei isto ao máximo: tenho um novo amigo e ainda por cima é um golfinho!

    No dia seguinte, via todo este dia como um sonho, ainda não tinha caído em mim, e nem quando a minha mãe me perguntou se eu tinha gostado da experiência, pensei que a mãe sabia do meu sonho. De repente percebi que era realidade!

Alexandra Simões, 6ºA – 2000

Inesquecível Aluna do CAD

O Meu Novo Amigo

inspired photographyCreative Commons License Kala Bernier via Compfight

     No fim de umas férias magníficas, fora de casa, os dias que sobram são só para fazer trabalhos de casa. Isto era o que eu pensava na viagem de regresso a casa. Mas estava enganada…

     Era um dia de chuva, no meio de um engarrafamento, num velho Fiat Punto, ia eu e a minha família. A viagem até Lisboa já durara duas das tres horas totais, mas mim tudo er aindiferente. Nem um terramoto me faria desencostar a cabeça do vidro ou tirar-me um olhar  melancólico, pois dias antes, a minha porca da índia, Speedy, tinha morrido. Zangada com a lei da vida, adormeci no assento de trás.

      Horas depois, já no jardim da minha casa, acordei. Calmamente, peguei na mala de viagem e subi lentamente a escada. Quando, finalmente, cheguei à porta, abria-a energicamente e entrei em casa, sítio onde não ouvi nem um som: estava tudo calmo e pacífico. Corri para o computador, decidi arranjar um novo animal.

      Durante horas e horas pesquisei… numa página vi o que viria a ser uma bela desilusão. Era uma criatura linda, era cinzenta, de olhos zuis e chamava-se furão. Interessei-me pelo furão, criei esperanças que foram apagadas ao visitar um site que dizia ser proibida a compara de um furão em portugal. Depois destaa desilusão, lembrei-me da loja de animais de um primo do meu  pai, a “Mercearia do Cão”.

     Aprontei-me e fui visitar a loja. Quando abri a porta, vi montes de animais, aves , porcos-da-índia, apesar de tudo isso, fixei o meu olhar num coelho branquinho. Não perdi tempo e comprei-o. Deram-me a ração e uam caixa para transportá-lo até casa. Cheguei a casa e pus o coelho na antiga gaiola da porca-da-índia.

     Estive horas a observá-lo e vi que ele tomava banho lambendo-se todo e que gostava da ração. Finalmente, chegou a noite, custou-me dizer-lhe boa-noite, pois acabara de lhe pôr o nome de “Joaquim”. Deitei-me a pensar no tão bom que era ter um novo amigo, que é branquinho como uma bola de neve. Afinal é bom ter um animal, pois ficamos cheios de afeto por eles.

Maria Vasconcelos, 6B – 2005

Inesquecível Aluna do CAD

Life of Horses – IV

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

      Um dia, a Flora estava muito zangada com tudo e com todos. Ela estava numa cerca muito linda, mas como ela queria fugir, fugiu. Passou por montanhas, vales e florestas, até chegar a um prado muito florido.

     Estava a passar por lá um Mustang, que era diferente dos outros: era todo preto, com uma crina muito grande, só que estava com um penso na crina.

    Ele estava a ir em direção à Flora; ela tentou fugir, mas não conseguiu, porque as ferraduras novas estavam a fazê-la tropeçar. De repente, apareceu um cavalo à frente dela que lhe disse:

     – Olá, eu sou o Veloz, um cavalo dos Índios!

     A Flora apresentou-se:

     – Olá, eu sou a Flora, eu era um cavalo selvagem, só que me apanharam. Queres fazer uma corrida?

      Respondeu o Veloz:

      – Claro! Mas acho que tirarmos-te essas ferraduras.

      Eles deram coices em pedras, em árvores, até que as ferraduras caíram. Começaram a correr: o Veloz ia á frente, mas a Flora deu um salto e ficou próxima dele. O Mustang ficou em primeiro lugar, mesmo assim, por uns segundos a mais que a Flora.

     O Veloz disse:

     – Queres conhecer os meus donos?

     A Flora respondeu:

       – Quero!

      Quando chegaram à vila, os humanos agarraram logo a Flora para ficarem com ela, mas chegou lá uma menina para ajudar aquela pobre égua. A menina acalmou-a e ficou com ela, porque a Flora não queria sair de junto dela.

      O Veloz disse, a rir:

      – Ah, ah, ah! Mal chegas e já tens uma dona! E essa é uma treinadora de cavalos.

      Enquanto estavam a falar, a menina pòs-lhe um arreio e uma manta azul por cima dela para a montar.

Margarida L, 6B

Life of Horses – III

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

     Num dia de concurso, era a vez de Trovão. Mas havia um pequeno problema: o Trovão só conseguia saltar ao ouvir rock’n roll do Elvis. Só que o rádio estragou-se, porque um gato saltou para cima dele.

     Então tiveram que comprar um rádio novo que tivesse grandes colunas para que os gatos tivessem medo deles. Tinha chegado a vez de Trovão: ele deu grandes saltos, correu como se fosse a luz; o juri ficou espantado e deu-lhe a nota máxima.

     Quando chegou a vez de receber o prémio, ficou o Trovão em 1º lugar, a mãe em 2º e, em 3º, um amigo da Flora.

Margarida L, 6B

Life of Horses – II

Keeping an Eye on ME, brightened.Creative Commons License Tom Driggers via Compfight

     Numa certa quinta, estavam a precisar de cavalos e de mais animais.

     Lá viviam duas pessoas:  a Inês, a irmã mais velha, que tinha um longo cabelo da cor do mel e uns olhos da cor do mar; ela usava uma camisa azul, umas calças castanhas claras e umas botas de cavaleira; e a sua irmã mais nova, Mariana, que tinha também o cabelo da cor do mel e uns olhos azuis como o céu; ela vestia-se com um casaco cinzento. calças de ganga e botas de montar.

     As duas irmãs foram montar os seus cavalos para irem procurar mais vinte mil cavalos, por isso voltaram para a montanha. Passadas três horas, chegaram e apanharam logo o chefe; com o chefe apanhado, todos os outros foram atrás dele, até a sua filha.

     Quando chegaram à quinta, prenderam todos os cavalos num campo com cerca eletrificada. Tentaram montar a Flora, que já era uma grande égua. A Mariana caiu logo, mas a Inês conseguiu. Ela ficou muito contente, mas o pai estava sempre preocupado com ela, porque mesmo que ela estivesse presa ali, continuava, na mesma, a falar com a loba e o leão que já eram grandes.

     Passados cinco anos, os cavalos todos já estavam domados. A Inês tinha dois cavalos: a Flora e o Trovão, o chefe. A Flora passava a vida a ser toda arranjada, o Trovão era usado para concursos e a mãe passava a vida a fugir.

Margarida L, 6B

Life of Horses – I

I think horse photography is going to be my new pleasure !! Welsh photographs via Compfight

     Era uma vez, numa terra distante, onde viviam veados, cavalos selvagens, zebras e muitos outros animais, numa floresta gigantesca com cascatas.

    Mas havia alguém que não era feliz: os cowboys que adoravam apanhar cavalos selvagens novos!

     Espalhou-se uma nova mensagem do chefe dos cavalos selvagens, Trovão:

     – Um novo potro vai nascer! Passados 5 minutos, já se via a nova cara. Ela estava a saltar  pela montanha! A nova cara era amarela como o mel, com olhos azuis e as crinas eram castanhas como a casca das árvores.

     Passado um ano, essa linda égua já estava grande, e o pai dela chamou-a:

    – Flora, vem cá!

    – Estou a ir, pai!

    A única coisa que ele queria dizer era para ela não passar da fronteira onde estavam os lobos e os leões. Mas ela estava com tanta curiosidade, que foi. Ela foi rodeada por um leão e por uma loba.

    – O que está aqui a fazer uma eguinha?  – exclamou a loba, ao ver a Flora.

   – Deixem-me em paz, eu queria só fazer alguns amigos.

   E disse a loba:

     – Que sorte que eu tenho! Eu também só queria uma amiga, em vez desse leãozinho. Eu sou a Veloz e esse leão aí é o King.

     – E eu sou a Flora.

     De repente, saltou um cavalo para ajudar a Flora, porque pensava que iam atacá-la.

     – Não lhes faças mal, Cinza! – gritou a Flora – São meus amigos. Eles também, só com uma patada, tu caías ao chão. Já sabes que não és forte.

Margarida L, 6B

A Família Pintora – III

Artwork (White Horse)Creative Commons License Mark Coleman via Compfight

     A pantera rosnou tão alto que se ouviu na China; a mãe pôs-se á frente do cavalo para a Escuridão não o atacar.

     A Mãe entendeu que o cavalo queria ficar com aquela família. Então, deitou a bicicleta para o lixo e comprou uma quinta para onde iam viver.

     Essa quinta tinha uma casa com quatro andares; no rés-do-chão, havia a entrada, a sala e a cozinha, no primeiro andar tinha um quarto de hóspedes; no segundo andar tinha o quarto da Mariana, onde dormiam ela e a Escuridão; no terceiro andar ficava o quarto de Sofia e, por último, o sótão.

     No jardim, havia um amplo estábulo onde vivia o lindo cavalo branco, que passou a chamar-se Albatroz. E todas as noites, a Escuridão ficava a vigiar o Albatroz.

Margarida L, 6B

A Família Pintora – II

Running From the Sun Russ Seidel via Compfight

     A Família pintora ia acampar, naquele dia, com a sua querida pantera. A Mariana estava a pintar um cavalo branco como a neve que estava a correr ao lado do carro. Quando chegaram, havia uma coisa branca a andar à volta do acampamento e a Sofia disse à Mariana:  

      – Filha, queres ver o que está a andar à nossa volta?

      Ela respondeu:

      – Claro!

      Quando foram ver, era o cavalo que tinha vindo a correr com o cavalo; ele foi ter com a mãe de Mariana, para se deitar ao pé dela, mas quando viu a pantera, deu um alto até às nuvens!

       Mas a Sofia agarrou a crina dele, para ver se aquele cavalo misterioso ficava calmo.

       No dia seguinte, a Família estava a regressar a casa e, no caminho de volta, apreciaram as árvores centenárias, com os troncos cobertos de heras, os campos primaveris salpicados de papilas e uma cascata espumejante de água límpida.

(Continua)

Margarida L, 6B

A Família Pintora – I

panthera pardus Joachim S. Müller via Compfight

     Era uma vez uma Família muito simpática que adorava pintar com o computador, o telemóvel, o Ipad…

     Um dia, a mãe Sofia foi andar de bicicleta na praia, enquanto a Mariana, a filha, estava a desenhar no telemóvel e, atrás dela, a Escuridão: a pantera delas. A Mariana estava a desenhar o pôr-do-sol e a água a bater nas rochas.

     Quando chegaram a casa, a Escuridão foi para cima da sua árvore favorita, a mais alta e com mais folhagem, mas com uns ramos que, se um elefante lhes dessem um toque, os ramos caíam, mas a Escuridão era leve como uma pena.

     A Mariana tinha um cabelo liso e escuro como um tronco de uma árvore; a mãe tinha o cabelo num tom amarelo como o sol; a Escuridão, uns olhos azuis como o céu limpo e o pelo escuro como a noite.

     Quando a Mariana saiu para o jardim, para pintar a  sua querida amiga Escuridão, a pantera tinha feito uma pose de orgulho e a Mãe saiu para ajudar a filha com a tela e as tintas.

Margarida L, 6B

Gelados Versus Cães

Teddy's - Famous For Ice CreamCreative Commons License William Murphy via Compfight

      Era uma vez uma família que adorava animais, menos a sua única filha, Sofia. Ela gritou com o cão:

       – Sai daqui, animal nojento!

      O cão baixou as orelhas e foi embora.

      A mãe e o pai estavam sempre a dizer-lhe:

      – Os cães são tão bonitos!

       Mas a filha não ouvia, só pensava em comer gelados.

       Um dia, a família ia acampar durante um mês. Fizeram as malas: a da Sofia tinha receitas para fazer gelados, gelados, a sua roupa e o material de ténis. A da mãe tinha o seu telemóvel, comida de cão e outras coisas. A do pai tinha o seu Ipad e pastilhas elásticas. A mala dos cães tinha brinquedos, biscoitos, as suas camas e as suas escovas.

       Os cães queriam ir logo, só que a menina não queria que os cães fossem, mas os pais não os queriam deixar para trás. Então, lá foram para o acampamento, mas é óbvio que os cães foram.

      Quando a Sofia abriu a mala, viu os dois cães a comer os seus gelados. Os pais exclamaram:  

       – Oh, que fofos!

      A Sofia reclamou:

      – Agora só tenho cinquenta gelados! Só me dá para um dia!

      Os cães ajudaram a montar as tendas enquanto a Sofia se estava a lamentar pela perda dos seus gelados.

      Quando os pais já estavam a dormir, Sofia tentou matar os cães, mas não conseguiu. Os pais acordaram, os cães chamaram-nos e viram a filha com a faca nas mãos. Mas o Marmaduke, que era um dos cães mais alto do que a Sofia, escondeu-se atrás da Mãe.

Margarida L

“O Segredo do Rio” – Estar acima da Fome

Imagem: Departamento de Português

      O livro que eu vou apresentar é “O Segredo do Rio“. Este livro foi escrito pelo autor Miguel de Sousa Tavares, que é um jornalista e escritor português, nascido a 25 de Junho de 1950, filho de Sophia de Mello Breiyner e primo, em terceiro grau, de José Avilez.

      A ação decorre no campo, onde o menino e seus pais vivem numa casa muito pequena com um jardim e um ribeiro próximo. No verão, a água estava tão quente que o rapaz tomava banho lá.

      Uma certa tarde de sol, o menino estava no ribeiro e foi surpreendido pour uma enorme carpa. Entre os dois formou-se uma amizade. No inverno seguinte, após uma longa seca, o menino levantou-se de noite, com muita sede, e foi buscar um copo de água, quando ouviu os pais a conversarem sobre os efeitos da seca.

     Nessa mesma noite, o rapaz ouviu a mãe a contar ao pai que tinha visto uma enorme carpa que daria alimentação para mais de um mês. O rapaz ficou tão preocupado que foi avisar o peixe. Combinaram que o peixe fugiria do ribeiro em busca do grande rio e de um novo lar para viver.

     Passadas duas semanas, o menino, ainda triste por ouviu um chamar pelo seu nome e foi logo ver o que era: lá estava o peixe! E trazia com ele uma enorme rede cheia de latas de comida.

     O que mais gostei no livro foi quand o peixe trouxe muita comida para retribuir ao menino o ter-lhe salvo a vida. O que menos gostei foi quando o pai quis matar o peixe. Este livro fez-me refletir em como a amizade está acima da fome.

 

Carolina V, 7B (2015)

O Despertar do Cão Preguiçoso

RAF Police Dog Training Defence Images via Compfight

     Era uma vez um cão preguiçoso, que fazia sestas intermináveis á sombra de uma tília no quintal do vizinho Herculano. Este senhor era conhecido por adotar animais abandonados com um carinho desmedido.

      Porém, ele já tinha muitos cães e todos eles eram preguiçosos, mas este era muito mais que os outros e tinha sido sempre assim, desde pequenino: era o “Plof”.

     Foi então que o Sr. Herculano o entregou à escola de cães-guia: com aulas esforçadas, novos companheiros e um instrutor incansável, o cão transformou-se num magnífico sabujo rastreador, que chegou a ganhar torneios em caçadas e se tornou no orgulho do seu dono.

Lourenço C, e OE 6B

Exercício de Escrita Criativa: Texto a duas mãos, segundo o livro Eu Quero ser Escritor”

The Hunter and the Rabbit

The cliche of the rabbit and his carrotCreative Commons License Luis Alejandro Bernal Romero http://aztlek.com via Compfight

     Rick was a simple hunter. He didn’t do much, besides go out from day to day to hunt a rabbit or a bird for his lunch; he would also make bread for breakfast and take care of his plots of tomatoes, carrots, lettuce and other vegetables that he would use for dinner. He didn’t have TV, hot water, electricity or any of those things that most of us take for granted.

    He had build a house out of logs he had cut with the axe he hunted with. He was an “Axe Master”. He was capable of hitting a moving bird with it. Besides hunting and taking care of his plots, he, sometimes, would go for swimming in a lake nearby. He was alone everyday.

     One day, when he was having dinner, near the lake, a little rabbit showed up; Rick thought about if wether or not he should kill it for next day’s lunch. He decided not to and, instead, gave him half a carrot. He laught at the bunny eating the carrot, due to its cuteness.

Rodrigo L, 8B

Da Cidade para a Liberdade

Coming in for a closer look

Geraint Rowland via Compfight   

      Era uma vez uma senhora muito rica que estava farta daquela “fantochada”: uma vida materialista, onde se vivia apenas para o lucro e o bem-estar material e, olhando para as outras pessoas simples, invejava a sua vida.

     Um dia, zangou-se com a sua família e saiu de vez com o dinheiro que trazia nos bolsos e na carteira, o que não era pouco. Com esse dinheiro, comprou uma casa linda, por uma pechincha.

     Porém, o tempo foi passando e ela foi ficando cada vez mais velha e cada vez mais desleixada. Sem amigos e com tanta solidão, cada vez tinha mais animais.

     Um dia, eu passei por lá e fiquei maluco: vi porcos, galinhas, cabras e yorkshires! Vi ao longe um pessoa e fui até lá: parecia uma bruxa, com os cabelos no ar, um cheiro pestilento e umas pantufas estragadas.

(Continua…)

Alexandre S, 6C

Diário de Carminho

Creative Commons License steven connors via Compfight

    (O inesperado final de “A Fuga de Carminho e Ananás)

     O “Ananás” dorme comigo, come da mesma comida, como por exemplo, um bocadinho de maçã. Estou apaixonada por ele: tem 3 meses e duas semanas.

     Dou-lhe comida e água, vou para a sala esperar que ele acabe, mas ele começa a guinchar e tenho de o ir buscar, senão ele escorrega no chão da cozinha, porque ainda não tem flexibilidade nas pernas.

      À noite, dorme em cima da minha cama, com a almofada.  Sempre que dou uma voltinha, levo-o; nunca fica sozinho em casa. Com o meu dinheiro pago à vizinha para ficar com ele; como ela gosta imenso dele, já não quer dinheiro.

     Da última vez que tentou subir as escadas, caiu para trás e ficou de barriga para o ar a abanar as patinhas. Sempre que vou à casa de banho, ele segue-me e , se eu fechar a porta, ele fica a chorar. Quando faço os TPC fica em cima da mesa e, da útlima vez babou-me o livro de Matemática.

     É beige com o focinho preto e as patinhas pretas na ponta, as orelhas descaídas e abre muito os olhos quando lhe dou festinhas, mas fecha-os quando lhe ralho. Durante o dia faz as suas necessidades no quintal e, como é pequenino, às vezes no chão de casa, por isso é que lhe ralho.

Maria M, 6B

A Fuga de Carminho e “Ananás”

Little PumpaCreative Commons License Dmitry Kalinin via Compfight

      Era uma vez uma menina chamada Carminho que gostava muito do seu animal de estimação que era um bulldog Francês, o “Ananás”. A relação entre a Carminho e o “Ananás” era muito forte. Uma noite de lua cheia, eles fugiram e desapareceram.

     A mãe da menina estava muito preocupada, por isso foi à procura dela. Levou consigo o Lavrador preto, “Bela”, e o Cocker, “Buddy”, que farejavam concentradamente o caminho. A mãe avançava, segurando as trelas com toda a força até ao jardim zoológico e começaram a saltar mostrando ter encontrado uma pista.

(Continua)

Maria M, 6B

Um Presente Secreto

cats cuatrok77 via Compfight

      Era uma vez uma senhora chamada Srª Dufné, que fazia anos. Ela recebeu, como prendas, um livro e um cd para ouvir as 80 músicas preferidas dela. Ela sabia que ainda faltava um presente, mas foi surpresa.

     A Srª Dufné ouviu uma conversa do Luís a dizer que o último presente eram tartarugas, cães e gatos.

     Quando ela os recebeu, ficou surpreendida! Quando chegou a altura de cantar os Parabéns, a Srª Dufné sentiu-se muito contente.

     Aí, trouxeram-lhe um cestinhos com as crias: duas tartaruguinhas verdes com olhinhos á chinês; um cãozinho Floppy, às manchinhas e o gato mais pequenino do mundo!

Mariana C, 6A

Conviver com Arte – e com Golfinhos

    Reflection Daniel Kulinski via CompfightRiccardo Palazzani 

     Sobre os meus projetos de Verão, desconfio que vou ao México esta próxima 6ª feira; tenho duas festas no dia 16; eu estou a descobrir pois ouvi os Pais a falar em passaportes e já sei que não vou poder ir às festa de 6ª. Não tenho a certeza, mas suspeito: os meus Pais andam estranhos; se eu lhes falo, a minha Mãe diz: “Chega desta conversa!” Eu e a mana andamos descalças à noite e ouvimo-los a murmurar….creio que eles nos querem fazer uma surpresa!

      Eu já lá fui nadar com os golfinhos, passei uma semana onde havia uma praia e uma piscina separadas apenas por arbustos. A minha irmã é que vai viajar para longe pela primeira vez, creio que é sobretudo por causa dela, pois eu, quando era pequenina, ia sempre a todos os lados com os meus Pais.

     Em relação à nossa época, acho que as pessoas são descuidadas, porque o ar é mais poluído na rua do que em minha casa. É importante as pessoas conhecerem-se e saberem de que é que as outras pessoas – que estão a poluir e a fazer o mal – são capazes. Era essencial que cada família conseguisse contribuir, pelo menos um bocadinho, para que não houvesse poluição nem outros males. Sermos todos amigos, como na “minha terra”: é a Terra dos meus Peluches.

     É mais fácil os rapazes conviverem: dão um pontapé para resolver uma questão e ficam bem; já as raparigas arrastam as zangas durante muito tempo. As pessoas podem tornar-se irritantes quando, se estamos a fazer uma coisa, outra quer mandar e, se não a seguimos, amua.

    O meu voto de Boas Férias para o verão de 2017: Desejo que toda a gente tenha férias tranquilas!

Federica V, 6B

O Dia em que Me Encontrei com o Passado – II

koh tachai

Creative Commons License Andrea via Compfight   

       Achei piada aos peixinhos que se aproximavam para observar as bolhas de água que se libertavam da minha máscara de oxigénio e que se afastavam, enquanto eu nadava para o interior do navio.

     Quanto mais me adentrava, mais me impressionava com o que eu encontrava: destroços da cozinha, o porão com a sua secção de mantimentos.

     Descobri um crânio no camarote do capitão, chamou-me à atenção um resto de mapa, muito gasto, sobre a mesa carcomida e avistei uma arca de tesouro numa velha divisão que parecia ter estado esplendidamente enfeitada: ao abri-la com todas as minhas expectativas, encontrei…

Um Caranguejo Arco-Íris!

Miguel F, 9B

O Dia em que Me encontrei com o Passado

El Oceanario, Isla de San Martín de Pajarales, Cartagena, Colômbia.

Elias Rovielo via Compfight

     Lá ia eu para mais um trabalho que parecia simplesmente mais um. Equipei-me, saltei e mergulhei para aquele paraíso a que chamo mar. Era uma beleza! As pedras do fundo estavam incrustadas de mexilhões coloridos e grutinhas de onde espreitavam pequenos polvos desconfiados.

      Nós íamos procurar uma nova espécie de caranguejo: “o caranguejo arco-íris”. Ele vive a uma grande profundidade, mas nada que eu ainda não tenha feito. Estava eu à procura do caranguejo, quando encontrei um mastro e pensei: “Onde será que está o navio?”

      Procurei, procurei e finalmente encontrei-o: parecia ser uma nau portuguesa, não só porque tinha proa dupla, mas também porque havia indícios de uma cruz na vela. O navio estava muito afectado pelo mar; via-se logo que tinha sido um naufrágio muito violento: o casco estava partido em vários sítios, por onde saíam e entravam pequenos cardumes dançando juntamente com alguns tubarões.

     Decidi entrar cuidadosamente, por causa dos tubarões…

(Continua)

Miguel F, 9B

Um Cãozinho no Acampamento

'Camping On The Coast' - Anglesey

Kris Williams via Compfight

        Era uma vez uns meninos que iam acampar. Eram o João, o Pedro, a Maria e a Matilde. Iam passar as férias de verão a Cuba.

     Quando chegaram, montaram a sua tenda numa mata verdejante, á beira do mar das Caraíbas.

     Ao anoitecer, ouviram um barulho esquisito e tentaram averiguar.

    Descobriram, num tronco oco de uma árvore um cão pequenino, de pelo branco curto, de orelhas caídas, a ladrar, muito aflito.

     A Maria é que o encontrou primeiro: os rapazes treparam à árvore, mas o Pedro caiu, só o João é que chegou até ao buraco do tronco.

     Quando o João tirou o cão  do buraco, ficou muito contente, e numa aflição que podia ter caído, mas correu tudo na perfeição. E os miúdos gritaram de alegria.

     Depois era a hora de ir fazer surf: estavam numa excitação! Gostaram muito de fazer aquelas manobras. Foi uma loucura e muito divertido.

     Passado dois dias tinham de ir embora. Estavam tristes por terem de deixar o acampamento, mas no fim ficaram contentes por saberem que o cãozinho ia com eles.

 Mariana C 6A

A Vida Renovada

     Where else can you have a wet salty dog on your lap?

smilla4 via Compfight

     Era uma vez um homem chamado Luís. Esse homem, todos os dias, estava sempre no computador, a trabalhar muito e não fazia “coisas” giras.

     Um dia, quando saiu para o super-mercado, para comprar uma pizza que ia comer logo nessa noite, um senhor velhinho veio ter com ele e disse:

     – Temos que fazer “coisas” mais giras e não estar sempre no computador.

     O Luís, intrigado, perguntou ao senhor como é que sabia que ele estava sempre no computador.

     O velhote foi-se embora e o Luís ficou a pensar sobre o assunto: decidiu que queria mudar e fazer “coisas” divertidas. Foi para casa, fechou o computador e foi comprar um cão. Depois disso, enquanto passeava o cão, foi comprar uns óculos de sol e um boné para ir á praia, coisa que ele nunca tinha experimentado.

     E, a partir desse dia, o Luís tornou-se feliz e fez muitos amigos, incluindo o Bolinha, o cão que ele tinha comprado e que se tornou o melhor amigo dele.

    E assim viveram todos felizes para sempre!

Carolina Cr, 6C

Aluna Convidada

Animais em Liberdade

Little Pretty Bird

Trey Ratcliff via Compfight

Tese:

    Em relação a os animais, considero que devem viver em liberdade.

1º Argumento:

     Em primeiro lugar, embora nos jardins zoológicos ou aquáticos se diga que os animais são “felizes”, na verdade, eles sofrem nas suas celas, chegam a enlouquecer ou ficam com depressão.

2º Argumento:

     Em segundo lugar, os animais têm direito a caçar, saltar, correr, reproduzir-se livremente porque eles pertencem á selva e assim foram criados por Jesus.

3º Argumento:

     Finalmente, os animais precisam do amor que só encontram no seu habitat ou em territórios próprios bem defendidos, como por exemplo, o lince ibérico na serra da  Malcata.

Conclusão:

     Por todas estas razões, eu defendo que os animais devem viver em liberdade!

Svetty

Conversas na Oficina: Uma Raposinha no AquaPark

On the Run! Pat Gaines via Compfigh

          O Dia começou como normal, com o Túlio, panda vermelho ou pequeno, que acordou e disse:

    – Vou pintar as caras dos meus irmãos e irmãs com pasta de dentes.

     E desenhou uns bigodes ao Vanya, o cabrito; e com a caneta desenhou os olhos e foi ter com a Svetlana, eu, a raposa com seis caudas e penteado vavilonas e também sou um Pokémon Vulpix, nº 37 e desenhou-me uma barba e uns olhos.

     Eu acordei e ralhei:

     – Tuuuuuulio! Apaga isso, depressa!

     O Tuliou apagou e disse-me:

     – Tu viste a tua cara?  – E riu-se.

      Eu, Svetlana, dei-lhe uma bofetada:

      Twack! E afirmei:

     – Se me voltas a fazer isso, vais ser o meu saco de boxing!

     Ao pequeno-almoço os pais perguntaram:

    – Crianças, sabem onde nós vamos?

    – Vamos ao Aquapark?

    – Claro! – responderam os pais.

       Nós fomos numa caravana, o Tulio, os seus irmãos, eu, os cachorrinhos de Huskie, Aliosha, Grisha, os cachorrinhos de Boxer, todos  para o Aquapark e, no minuto certo, os cachorrinhos de Huskie, exclamaram:

      – Estamos cansados! – a viagem era longa.

    Quando chegaram, eu mostrei os Escorregas radicais, chamados “Tornado-Kamikaze-Whirlwater”.

     Eles experimentaram as  diversões mais espectaculares. Recordo quando Vanya gritou:

     – Não Quero!

      Mas depois, todos se divertiram imenso e regressamos à noite. Nunca me esquecerei desse dia maravilhoso.

(Em parte ditado)

Svetty T, 5B

Conversas na Oficina: Projetando o Estudo – Svetty

Choose Your Own Adventure

chiaralily via Compfight

     Avalio o meu desempenho, neste período, como suficiente. Mantive quase todas as médias, incluindo a média excelente a Inglês, mas desci a Matemática e a Português.

     Penso ter descido a Português porque os complementos são difíceis, há longos textos e interpretação para escrever e não consigo escrever muito, porque fico cansada.

     A Ciências não subi mais por falta de atenção nos testes, pois nas aulas estou com atenção. Mas nos testes quero fazer depressa, para poder esperar que toque e desenhar. Enquanto não desenho as minhas ideias, estou inquieta, sinto-me nervosa.

      Como estratégia, para melhorar, vou fazer os meus testes a duas velocidades: 1º rapidamente, depois, mais lentamente, para ver e corrigir o que já fiz. Não vou levar papelinhos de apoio para os testes de HGP, isso não é justo.

     Para subir a Português, vou agendar 5 etapas de estudo; vou ler o “Príncipe Nabo” e estudar as categorias do Texto Dramático.

    Para subir a HGP, também vou agendar etapas; depois leio por parágrafos, tapo o livro e repito por palavras próprias. Em seguida vou escrever apontamentos.

    Para que o ambiente na aula seja melhor, tenho o direito de pedir para não ser incomodada com pequenos ruídos feitos de propósito para me desconcentrar.

     Projetos de Arte para estas férias: Vou desenhar “A Guerra dos Balões de Água” em banda desenhada, um “Aquapark” e um Holmes Place” de SPA e lazer. Vou também escrever sobre “Aventuras de Crianças com Cauda”, que são bandas desenhadas sobre animais antropomórficos – na internet chamam-se “Furry”.

     Um bom momento deste período foi escrever com a Prof Inês.

Svetlana T, 5B

A Vida Selvagem – XVII

   Batman and Robin (1949), movie poster illustration by Glenn Cravath

Tom Simpson via Compfight

     A Família ia acampar com os seus amigos, mas a Safira e os irmãos não queriam ir e então ficaram em casa.

     O Michael ficou com eles, o seu empregado e o pai. À noite, a Safira ouviu uns barulhos, assim como todos os seus animais. Foram todos lá abaixo, à entrada e viram uma pessoa com fato de morcego.

     A Safira, sem pensar, deu-lhe um pontapé e o estranho gritou:

    – Calma, sou eu, o teu pai! Eu torno-te numa companheira de um Super-Herói.

     Então, a Safira tornou-se a companheira do Batman e a ajudante de Safira era a sua pantera.

     Foram todos dormir e, de manhã, a Safira foi  ver o Michael para lhe contar tudo.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – XVI

_IGP1045

Creative Commons License Stah via Compfight

      Foi um grande jantar, com bifes, batatas, bolos, frutas, saladas e sobremesas. No final do jantar, o Michael perguntou à família da Sabrina:

       – Querem ir ao cinema?

       A Sofia perguntou:

      – O que é o cinema?

       E a mãe respondeu:

     – Nós temos uma sala de cinema! Vamos, venham!

      Quando chegaram à sala de cinema, foram com  a bicharada atrás. Passadas três horas, já estavam a sair e a Sabrina disse:

      – Eu gostei do filme: era a história de uma menina que vive com os lobos.

      O Michael  perguntou:

      – Posso levar a Sabrina a um Parque de diversões?

      A Mãe respondeu:

      – Desculpa, mas agora elas vão ter uma aula de equitação.

      O Michael perguntou:

     – Posso ir?

      O Pai respondeu:

      – Sim.

      Quando chegaram ao picadeiro, viram aqueles cavalos amarrados e as duas irmãs exclamaram:  

      – Nós usamos os nossos! Deram um grande assobio, e lá vieram os dois cavalos. Um senhor estava pronto para lhes pôr uma sela, mas a Sofia e a Sabrina disseram que não era preciso.

     Quando estavam na sua aula, o instrutor estava sem palavras e gritou:

     – Vocês não precisam de aulas!

Margarida L, 6B

 

Aventura Selvagem – XV

     Riley's reaction to last nights US presidential debate.

Valerie via Compfight

      As irmãs estavam muito felizes. A mãe perguntou se queriam ir ao ZOO e, como elas não sabiam o que era, quiseram ir.

      Quando chegaram, viram aqueles animais todos presos e quiseram logo soltá-los. Passaram por portas secretas, lasers, animais, só que estes não lhes fizeram nada. Até às 9h00, já tinham aqueles animais todos soltos. A mãe gritou:

     – Filhas! Vão já para a limousine!

     A Sofia, que era a Escura, perguntou:

    – O que é que fizemos?

    – O que vocês fizeram foi soltar os animais todos.  – Disse a Mãe.

    A Sabrina, que era a Loba Selvagem, embora os pais trocassem os nomes delas, disse:

     – Eles são animais exóticos, não podem ficar aqui presos para sempre.

    Depois de chegaram a casa, a Sabrina saiu, foi ver a cidade e conheceu um rapaz que se chamava Michael e que era rico: ganhava, por semana, mais ou menos 100 000 000 000 000 000 500 euros. 

     Ficaram logo amigos: o Michael tinha olhos azuis claros, o cabelo loiro e roupa casual: era um casaco preto com uma camisola branca e calças de ganga, que era o estilo da Sabrina. O Michael perguntou:  

     – Queres que te leve para casa?

     – Obrigada, mas eu vou de outra maneira; se quiseres, podes vir comigo. – Respondeu a Sabrina.

     Sabrina chamou a sua pantera e disse a Michael:

     – Queres vir ou ficas aí a olhar para o nada?

     Michael subiu muito apressado para o dorso da pantera e Sabrina avisou:

     – Agarra-te!

     Passados dez minutos, já estavam em casa e a Sabrina perguntou:

     – Queres entrar?

Margarida L, 6B

Um Tubarão na Praia

     Shark!

duncan c via Compfight

      Era uma vez uma menina  e um menino que estavam a fazer um castelo. Ela chamava-se Matilde e ele Santiago; eles estavam a brincar, quando apareceu um rapaz que começou a cantar para a Matilde e o Santiago.

     O miúdo estava a cantar para eles e, de repente, no mar apareceu um tubarão que diz:

     – Eu quero esta ilha para mim, senão como-vos!

     Eles ficaram tão assustados que fugiram. Ele já tinha devorado o castelo delas e a Matilde começou  a chorar.

      A Matilde e o Santiago, quando foram embora, viram que afinal não era um mnstro a sério: era a Beatriz e a Joana vestidas num fato de tubarão! Logo de seguida, as crianças voltaram a aparecer!

Mariana C, 6A

O Ratinho Corajoso

     rhabdomys pumilio

Joachim S. Müller via Compfight

     Era uma vez uma matilha de cães selvagens e loucos. Eles matavam um animal em cada hora. Viviam numa caverna especial, com muitos ossos e um terrível mau-cheiro.

     Um dia, um ratinho tão pequenino, ficou cansado, porque ele não podia atravessar a floresta por causa dos cães selvagens. Mas, no dia seguinte, ele conseguiu sair, porque a sua mãe lhe deu uma varinha.

      O Ratinho perguntou:

     – Mas porquê, Mãe?

     A Mãe do ratinho disse:

     – É de condão.

     Os irmãos do ratinho gritaram todos:

     – Boa Sorte!

The Wild Dogs were out to play.

Wild in Africa. via Compfight

     E o ratinho saiu. Na floresta estavam todos os animais a tremer de medo. O ratinho foi para essa caverna, cheia de mau cheiro. Os cães selvagens rosnaram:

     – Outro idiota!?

    O ratinho exclamou, apontando a varinha:

     – “Ridiculus”!

     E todos os cães selvagens se tornaram uns cachorrinhos a chamar pela mãe e correram com medo da escuridão da floresta. Então os lobos, as corujas, os veados, os esquilos, as raposas, os coelhos, os ouriços-cacheiros, os pássaros chamaram-lhe “o herói” porque ele salvou toda a floresta com a sua coragem.

Svetlana T, 5B

 

O Coelho Queixinhas

     Hmmm

Creative Commons License Ketzirah Lesser & Art Drauglis via Compfight

      Era uma vez um coelhinho tão pequenino, branco, felpudo de orelhas espetadas… mas ele fazia muitas, muitas queixas! Ele queixava-se dos seus amigos:

     – Professora, o meu amigo fez sons… o meu amigo empurrou-me… o meu amigo fez batota no jogo…o meu amigo mentiu-me… não me fala…

     Um dia, os amigos decidiram pregar-lhe uma partida: eles esconderam-se todos no armário (um lugar de que o coelho queixinhas tinha medo). Ele chamou:

    – Amigos, onde estão?

    Ele ficou a brincar sozinho, durante uns dias, mas tão triste e aborrecido… Então parou de fazer queixinhas.

      Os amigos disseram-lhe:

      – Tu nunca mais vais fazer queixinhas de nós.

      O Coelhinho passou a chamar-se “risota”  porque se ria muito com os amigos quando brincava.

Svetty T, 5B

Aventura Selvagem – XIV

     Roxane (?) - WIP

Agathe’ via Compfight

     A Loba Selvagem estava muito contente, porque ela e a irmã iam para a cidade, durante um ano, com os seus animais todos: raposas, leões, panteras, cães, aves, crocodilos…

     Quando chegaram, tinham uma mansão à sua disposição, onde vivia uma senhora de 40 anos e um senhor de 50 anos.

     Quando as meninas entraram, elas encontraram umas roupas na porta do quarto: para a Loba Selvagem umas calças rasgadas, com uma camisola vermelha e um casaco preto. A irmã tinha um vestido azul escuro com uma fita azul clara. Depois que se vestiram, foram ver os donos da casa.

     – Será que estas meninas são as que perdemos há 19 anos?  – interrogou-se a velha senhora Sofia.

     Quando viram a Loba Selvagem, reconheceram aquele sorriso, os olhos e o cabelo. Os dois gritaram:

     –  Filha!

     As duas, que eram as filhas dela, começaram a fuir e perguntaram:

     – Quem é que são?

     Respondeu a Sofia:

     – Nós somos os teus pais!

     As duas ficaram assutadas, mas confiaram. Os pais lobos continuaram a ser pais delas.

     Voltaram a correr para a Floresta. Como descobriram, foram dizer à mãe Loba e disseram para ela ir viver para a cidade, para a casa. A Loba mãe concordou e foram todos os lobos.

     Quando a Mãe Sofia e o Pai Rodrigo viram aquela alcateia, assustaram-se, mas as irmãs disseram:

     – Estes animais são os que  nos trataram e este é nosso irmão.

     Os pais humanos perguntaram: – Como é que eles vos percebem?

    Elas responderam:

    – Graças a estas pulseiras.

Margarida L, 6B

Aventura Selvagem – XIII

Leopard on famous leopard rock at dusk

Shanaka Aravinda via Compfight

     Estava tanta chuva que ninguém queria sair de casa; a pantera adormeceu em cima dos três irmãos.

     De manhã, a Loba Selvagem tentava sair de baixo da pantera; passadas 3 horas, conseguiu. Acordou logo a pantera Safira e exclamou:

     – Eu estava tão quentinha e agora pareço um bloco de gelo!

    – Vamos dar uma volta – propôs a Loba Selvagem.

    – Só se formos todos, mas está muito frio – queixou-se a pantera Safira.

     – Mas quem disse que íamos lá fora? Vamos acordá-los a todos: tu acordas estes, tu, os otros todos.

     Encontraram-se todos na caverna e perguntaram á Loba Selvagem:

    – Onde vamos?

     A Loba Selvagem não disse nada e puxou uma pedra; para lá dessa rocha, estava uma gruta gigante, com cascata, árvores, coqueiros, bar…

     Exclamaram:  – Não sabemos o que dizer!

     As panteras, a primeira coisa que fizeram foi subir às árvores; os leões rugiram cinquenta vezes; os cachorros nadaram, os gatos estavam em cima das panteras e os irmãos a mergulhar!

     O pai viu uma pantera e foi lá dentro. Quando ele viu as panteras, os leões, os cães, os gatos e os filhos, gritou:  

     – Atacar!

     Ele só disse “atacar” porque é outro lobo, caso não se lembrem. Todos os lobos correram para as árvores, mas… A Loba Selvagem pôs-se á frente. O pai disse:

     – Sai da frente!

    – Não, eles estão do nosso lado! Espera, tu, o meu pai, sabias que eles estavam do nosso lado!

     O falso pai começou a correr e a Loba Selvagem gritou:

     – Atrás dele!

     Correram por bosques até o apanharem, mas os lobos não aguentaram e quiseram matá-lo. E mataram-no mesmo!

      O que irá acontecer a seguir?

Madalena L, 6B

A Aventura Selvagem – XII

   IMG_1918

Ignacio Avendano via Compfight

      Passados cinco anos – portanto, a Loba Selvagem tinha 18 anos – ela tinha ficado muito séria, já não brincava com os lobos pequeninos. Mas ela não gostava nada de trabalhar assim.

     À noite, os lobos estavam todos de vigia e repararam num lobo não identificado. A Loba Selvagem gritou:

     – Atacar!

     Mas logo parou, porque reparou que era o seu Pai, mas diferente, agora regressava todo preto! Todos os lobos gritaram:

     – Chefe, Chefe!

     A Família dele gritou:

     – Pai, Pai!

     E a Loba Selvagem disse, com grande alegria:

     – Já não vou ser chefe!

     Começou a correr como se não houvesse fim, até encontrar os seus irmãos que tinham saído e gritou-lhes:

     – Já não sou chefe! O Pai voltou!

     Deram todos um grande abraço. E disseram em conjunto:

    – ‘Bora dar uma volta com os animais.

     Foram buscá-los: os dois irmãos sentaram-se nas panteras e a Loba Selvagem no Simba.

     No dia seguinte, fizeram uma grande festa  de manhã. Descobriram que o pai, que pensavam ser o seu, era um lobo mau da outra alcateia; mas reparou no que lhe fizeram e tornou-se bom.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – XI

     White wolves

jaci XIII via Compfight

     Os três irmãos correram para casa, porque já estavam a ficar muito de noite. Eles chegaram a casa e estavam o pai lobo e a mãe a tentar fazer um plano de ataque; a Loba Selvagem perguntou:

     – O que aconteceu?

     – Nós vamos á Guerra logo de manhã!

     – Nós vamos dormir com os nossos animais noutro sítio; de manhã, já estamos cá.

     Começaram a correr para o sítio dos cavalos com os seus animais todos.

     De manhã, os cães, as panteras, os leões , começaram a ouvir lobos a correr em direção ao sítio onde a Loba Selvagem morava e estavam os animais todos a tentar acordar os irmãos.

     Quando todos saltaram para cima deles, eles acordaram.

     Sem dizer nada, começaram a correr, pois já era para aí meio-dia. Os irmãos mais novos iam pelo chão a correr, com os outros animais. E a Loba Selvagem, com as panteras, pelas árvores.

     Quando eles chegaram, a Loba Selvagem pensou que ainda havia mais árvores e saltou: todas as panteras tentaram agarrá-la, mas caíram todos uns em cima dos outros. O Pai disse:

      – Estão atrasados! – com uma cara muito irritada.

      – Desculpa, Pai – disseram os irmãos. E foram andando. A Loba selvagem ia pelas árvores que ela adorava.

      Quando chegaram, começou a guerra: lobos para um lado, lobos para o outro…

     No final, estava a mãe sentada ao pé de um lobo que era o pai deles que estava cheio de sangue. Quando a Loba Selvagem viu, começou a correr em direção à mãe e, quando chegou, deu um grande abraço à mãe, nem conseguiu dizer nada.

      E como o Pai morreu, era a fila a comandar, isto é, era a Loba Selvagem a governar a alcateia.

Margarida L, 6B

 

Loguin

Wolves at Wolf Park INPygoscelis papua

   

 

 

 

 

 

       Até agora, o Loguin é um animal que junta um pinguim e um lobo. É pequeno, forte e um grande predador. Tem uma boca enorme, um focinho molhado e preto, uns olhos assustaores e umas orelhas redondas e felpudas. As patas são tal e qual as dos pinguins.

     Ele adora nadar e comer os maiores peixes possíveis e atrai as presas, sejam peixes ou ovelhas  com o seu olhar aberto. Os bebés são muito fofinhos e já sabem nadar e caçar assim que nascem; como já são fofos, são atraentes e usam essa técnica para caçar os outros animais.

     No futuro, os cientistas dizem que, se os seres humanos os aceitarem como animais de estimação, pode vir a ser mais inteligente do que o próprio ser humano: vão aprender a cozinhar, a ligar a televisão e o resto que o ser humano faz e fará.

      Ele não é rapaz ou rapariga, pode acasalar-se com outro ou não e pode ter filhos sozinho a partir dos 20 anos, por isso os cientistas ainda não sabem classificá-lo quanto ao ser sexuado.

     Os filhos, até aos dois anos, só se riem do que dizem, são uns verdadeiros mestres da comédia. Eles vivem até aos 70 anos de idade; aos 50 os filhos constroem casas parecidas com as dos seres humanos; com lã de ovelha fazem uma cama com 1,30 m de comprimento, que é o tamanho normal deles. Na sua morte, os filhos protegem a casa.

Afonso S, 5C

Images: Patrick Marioné via Compfight  Creative Commons License Max Goldberg via Compfight

A Vida Selvagem – X

     Cheetah

Eric Neitzel via Compfight

      Estavam todos em casa e os três irmãos estavam todos a dormir. A Loba Selvagem acordou de noite e, como não conseguia dormir, foi lá fora. Foi ter com o seu cavalo Trovão.

     Ela foi para uma gruta gigante, para falar com um amigo leão. E disse:

      – Olá!

      O leão saltou para cima dela e gritou:

      – Eu quero viver contigo!

       A Loba Selvagem disse:

      – Sim, anda!

       Ele deitou-se aos pés da Loba Selvagem. De manhã, a Loba Selvagem disse:      

       – Bom dia, Senhor Simba!

       – Bom dia!

        Os dois foram brincar e os dois irmãos foram também. O pai estava zangado por ter um leão lá em casa. E os três irmãos foram fazer uma corrida.

       A irmã Escura ia montada no Simba, a Loba Selvagem na pantera, que já tinha crescido, e o irmão, na égua.

       Passaram por árvores e a Loba tinha sorte, porque ia por cima das árvores. Depois, surgiu um sítio com muitos saltos: então, o irmão tinha sorte porque estava em cima da égua. Por último, a passagem era uma escalada e a sorte foi para o leão.

       Quem ganhou foram os três!

Margarida L, 6A