Ana Clara – ano zero da Oficina

ana_clara_pinturas_montagem

     A Ana Clara chegou à Oficina com os seus livros de aventuras, os seus desenhos e pinturas e uma bicicleta impaciente.

     Trazia também expectativas de sucesso e de partilha que alcançou, no CAD, com a sua entrada imediata no Quadro de Mérito e o animado convívio nos seus grupos de amizade.

     Com a preciosa colaboração no projeto dos Diários Gráficos, trouxe para a Oficina, com as suas pinturas e desenhos, toda a vida e cor que tem vindo a ganhar na sua aprendizagem  da Pintura.   

     Partilha ainda arte e escrita como pioneira dos blogs de estudante, no seu blog “Viva“, que estreou em Junho. Aí descobrimos que também está empenhada no mundo da Música como teclista e vocalista numa Banda formada por amigas,  que o professor de viola orienta.

    O entusiasmo da sua colaboração inspiradora vai ser contagioso na Oficina. Feliz Novo Ano Letivo, Ana Clara!

De Vinte em Vinte Letras

de_20_em_20_oficina_0


Imagem da Oficina

1. Uma pessoa escreve 20 letras;

2. A pessoa seguinte continua a frase.

3. O sentido das sucessivas frases interrompidas ao fim das 20 vinte letras, vai sempre alterando e sendo reinventado.

 

 “A  Mafalda era uma menina muito mal comportada e muito rezingona e bonita, mas não sabia que era bela e mágica.

     Mas toda a gente  lhe atirava pedras.

 

     Ela sapateava a dizer que era alegre e inteligente como a Beatriz e o Pedro F, mas a verdade é que ela copiava os tpc do Manual do Professor Pardal e tornou-se um génio Matemático mundial!”

 

 Mafalda B, Maria C e Pedro C

Cátia e Mafalda no encontro com José Fanha

mandela_gandhi

 Imagens de 3 Alpes e Chronicle

Cátia:

     – O escritor aconselhou-nos a ler A Gaivota que ensinou o gato a voar. Ele foi simpático e muito divertido. Também foi divertido ao ler os seus poemas.

     Gostei de o ouvir falar em Gandhi e em Mandela.

Mafalda

    Os maiores heróis eram Gandhi e Mandela, porque faziam tudo para proteger as pessoas.

Cátia:  

     Ele falou no poder do escritor: o poder de criar e decidir. Às vezes eu pensava que o mundo era em forma de quadrado. Mas eu não tinha uma caneta mágica.

Mafalda:

     – Percebi que a escrita não é uma obrigação, é uma coisa pura.

Cátia:

     – Gostei quando falou no Alex.com. Que na vida real só temos uma vida e nos jogos temos muitas. É giro pensar se tivéssemos uma vida nos jogos, só uma, e muitas na vida real.

Mafalda:

     – O que eu ouvi inspirou-me para eu escrever um livro.

     Ele fez-me acreditar que a escrita não é só pensar em coisas que as pessoas gostem: é o que nos vem à imaginação. Por exemplo, na história da Galinha Verde, ele escreve o que sente, não está à espera que as pessoas gostem, mas sim que percebam a sua inspiração.

Cátia O e Mafalda B

 

 C

Temas e Tópicos: A Passagem de Ano

party_drinks

Imagem: WPClipart

1. Onde foste passar a tua passagem de ano?

2. Com quem foste e em que dia partiste?

3. Foi divertida a tua viagem?

4.1. Ficaste num Hotel? 4.2. Qual?

5. O que gostaste mais de fazer lá?

6.1. A cidade tinha agitação? 6.2. Descreve-a.

7.1.  Havia muitos sítios para onde ir? 7. 2.Quais?

8. Com quem partilhaste o quarto?

9. Como passaste os teus dias?

10.1. Onde festejaste a meia-noite? 10.2. Ficaste acordado até que horas?

11. Em que dia regressaste?

 

Frederico L

Mafalda: Ano Zero da Oficina

mafalda_flor_da_vida_mini 

Imagem da Autora

Atividades recordadas:

Gostei do Teatro: levei com um gelado na cara: eu era alguém que estava preso debaixo dos carris numa Montanha Russa; gostei da Mímica com expressões idiomáticas, com títulos de filmes… e com a aventura do Pedro em que os detetives procuravam um gato… gostei de fazermos o nosso nome com as letras transformadas em desenhos e uma história para eles.

Na Observação no Recreio descrevi o 6ºano à luta; gostei de recontar o desaparecimento da Maria C.

Entre os exercícios do livro, lembro-me da História a 4 mãos, da Frase com 20 palavras até conseguir uma história coletiva; os textos escondidos para descobrirmos o título: inventar a história em que uma pessoa tinha um poder ignorado e o descobria. Também criámos um convite bem decorado.

Sobre a experiência de Escrita:

Sempre gostei de escrever; às vezes, quando estou sozinha, digo coisas que nem sei como disse, como se eu não estivesse a escrever, mas outra pessoa a escrever por mim. E sentia-me assim na Oficina. A Oficina ajuda-me a descobrir que eu gosto de escrever. Escrever faz parte de mim.

Sugestões para o próximo ano:

O importante é divertirmo-nos e estarmos abertos ao que nos vem à cabeça. Não tentar fazer bem, mas abrir-se bem.

Proponho escrevermos e comentarmos quadros. Comentar quadros é difícil, temos de estudar o quadro, mas é divertido à mesma; por vezes não conseguimos descobrir tudo o que está no quadro.

Também gostava de fazer Teatro: é giro, porque nos inspira para escrever e às vezes pode tornar-se realidade.

Mafalda B

 

Susan, um Destino

nighthawks_mafalda2

    Imagem Andrew Graham Dixon Archive

    Era uma vez uma menina chamada Susan: não tinha muito dinheiro e então teria de trabalhar num bar onde havia espetáculos. Estava numa noite de circo e apareceu um homem muito, muito mas mesmo muito rico, digamos que era mais do que bilionário, e disse:

     – Ó menina, dê-me um wiskhy!
     – Com certeza, chefe! – respondeu Susan, bem educada.
     Passado um bocado, o homem voltou com a mesma cara séria e pediu que o acompanhasse. Daí começaram a namorar e, mais tarde, casaram-se, mas porque não saiu ela do bar? Aí fica um pergunta sem resposta…

Imagem: Andrew Graham Dixon – Archive

Mafalda B 5B

Cátia: o Ano Zero da Oficina

     Oficina_tempo_marcadores

 

Imagem de Cadescrita   

     Gostei muito do teatro, pois inspirou-me a escrever mais. Foi um trabalho de equipa, fartámo-nos de rir.

     Gostei da observação no recreio: a maior parte das pessoas, ao observá-las, podemos ter ideias que nos inspiram a escrever.

     No seu todo, a Oficina, além de divertida, foi gira e inspirou-me para os textos.

     Em relação ao Diário Gráfico, no início, só queria fazer flores, mas fui amadurecendo. Comecei a fazer desenho à vista. Às vezes ficava borrado porque eu não tinha experiência. Todas as terças feiras, ao fim do dia, no 2º piso, a Stora Paula Xavier dava aulas ao 11º ano e eu ia sempre para ela me dar conselhos. Via coisas maravilhosas: frutos, paisagens ao longe… Ver os desenhos inspirou-me a desenhar. Agora, já desenho a caneta.

Cátia O

Inês V P: sobre o Encontro com José Fanha

      ines_v_P_oficina2

Imagem: propriedade de Cadescrita

      O Escritor José Fanha tem a sua própria maneira de ser, a sua personalidade, consegue explicar as coisas à sua maneira, não diz frases feitas.

     Apreciei em especial quando disse:

     ” – Por causa dos livros, conheço muito bem as ruas, as praças e até as livrarias de Buenos Aires, sem nunca lá ter ido!”

     Fez-me pensar quando o meu Pai diz:

     “- Se você vai ler, vai ter cultura”.  

   É uma verdade, pois ouvi uma pessoa a dizer isso, e já com experiência.

Inês V P

 

Pintar é Silêncio

.silencio_paula_450

 Imagem: Prof Paula 

     Iniciámos muitas vezes as nossas sessões folheando um ou outro livro de Arte para Crianças. Este desvio silenciava-nos; uns breves momentos de atenção a desenhos e pinturas geravam em nós aquela disposição interior que permite acolher a realidade mais familiar como um dom inesperado.

 As pequenas coisas da vida voltavam então  para nós o rosto da sua oculta novidade. E como quem entra na água, entrávamos na frescura do processo de escrever.

Ana Clara: sobre a Visita de José Fanha

     

     Gostei do bigode espesso e redondo, quase a tapar a boca. Da forma divertida de contar. De ter falado em Gandhi e Mandela; da forma como vê não só a Europa, como o resto do mundo. Admira as pessoas que lutaram,não com a espada nem com a força, pela felicidade das pessoas que viviam nos seus países.

     O escritor é como o rei e o presidente de cada mundo que cria. Ele é que decide quem é que vai estar lá, como são as pessoas e que instintos vão ter.

     Admiro-o muito, pois tem maneira de conseguir fazer um pouco de tudo, recorrendo à felicidade que vive: teatro, pintura, escrita, maneiras de brincar também com as crianças – como, por exemplo, o rap que nos fez – e explicar o que cada palavra quer dizer.

Ana Clara