As Minhas Férias

Imagem: Wook.pt

      Tudo começou no dia 17/12/2016: tinha ido às compras de Natal: foi giríssimo!

    Dali em diante, à noite, fui para casa da minha avó, em Torres Vedras, uma pequena aldeia ao pé do Bombarral. Aí, todos os dias havia um novo filme “Sozinho em Casa” I, II e III e “2 Big Heros 6”.

      Eu estava cansado, porque a minha prima de 16 anos só ia chegar na 6ªfeira e por isso levei os meus brinquedos de Five Nights at Freddie’s para ver alguns detalhes que tinham posto nos novos bonecos que encomendei – o tempo, aí, passou a correr.

    No quarto dos meus pais, em casa dos meus avós, no último dia, brinquei com o drone do meu avô: aí chegou o tão esperado dia 24, abri os meus presentes e recebi o livro do Sirkazzio, uma nerf, uma caneca da coleção Keep Calm, um pijama da Star Wars…

      No dia seguinte, fui para casa dos meus outros avós, onde estava a minha prima de 4 anos; abrimos as prendas e recebi vários “Ferrero Rocher” – os meus bombons favoritos e ainda 180 Euros!

     No dia seguinte, visitei a Aldeia Natal; fui ter com os Romanos, entrei na árvore de Natal, andei no gelo…

    Vamos já passar para o fim do Ano: instalei uma rede social da Five Night’s, que se chama Bnaf Amino e criei lá o meu Blog que se chama “Teorias Fnaf”. Depois fui jantar hamburgueres no pão com batatas fritas, pus um temporizador para chegar a 2017 e assim acabei o meu dia!

Afonso S 5C

Print Friendly

A Marta dos Videogames – II

II

The Fiery Dragon

Muhammad Elarbi via Compfight

     No caminho, Marta pensava que tinha renascido, mas ela só queria parir para o seu mundo; ainda pensou na hipótese do que ela tinha dito no seu quarto, ela só queria ser feliz. Entretanto, a Rainha Shmolca levou-a para o seu Castelo, que era de gelo e tinha estátuas lindas.

     Entretanto, a rainha Shmolca explicou-lhe que ela tinha ido parar a um sítio chamado Encárnia, e que esta se  estava a preparar para o dia Nacional dos Videogames Reais. Ela pensou que era o futuro e que ali podia ser livre; então pediu se podia participar; a rainha autorizou, mas antes dela ir treinar, a Rainha cedeu-lhe um papel com as regras do jogo.

       Ela demorou 3 horas a ler as regras, até que, finalmente, tinha acabado de ler 1403 regras. Ela pensava que já tinham passado três dias, quando olhou para o relógio, nem queria acreditar que tinham passado 3 horas, sim, porque três dias em Encárnia equivaliam a 3 horas.

     Bem, lá chegou o dia dos jogos, ela só queria vencer! O primeiro nível era muito fácil. Ela conseguiu passar, porque só tinha Montanhas com lava (coca-cola) e que explodiam se se atirasse uma pedra branca lá para dentro (mentos). Marta poisou uma pedra branca e abanou, mas não caiu. Ela passou 30 níveis, só faltavam mais 5 níveis.

    No nível 31, ela tinha um ajudante que se chamava Cliar, tinha 600 anos, já estava um bocadinho velho; ainda estavam 10 Encarnianos em jogo e um humano.

     Passou os quatro níveis, só faltava mais um, mas ela não ganhou, pois com criaturas de três metros, acho que Marta não tinha hipótese. Mesmo assim, ela ficou feliz, mas, de repente, foi parar ao seu quarto outra vez.

     Ela correu por toda a casa para ver se encontrava o buraco Negro, mas nem vestígio dele! Apetecia-lhe chorar, pois ali podia ser livre; ela ficou confiante que um dia pudesse voltar a ver o buraco negro novamente.

Dia dois de Novembro, 2140,

Querido Diário,

      Hoje percebi que podemos ser nós mesmos não importa quem não gosta de nós, mas sim quem ou o que é que nos faz viver todos os dias com um sorriso na cara e impede que os outros nos deitem abaixo.

     Querido Diário, não desistas dos teus sonhos, pois um dia quem sabe, noutro mundo, ele se vão concretizar.

Mafalda C, 8A

Print Friendly

A Marta dos Videogames I

I

Deep in the forest

Sergio Otero via Compfight

    Era uma vez uma menina chamada Marta. Na escola, era tratada por “Marta dos Videogames”. Ela era muito boa aluna, entregava os trabalhos no dia, fazia todos os tpc, mas o que ela não gostava era de se sentir sozinha, pois Marta achava que muitas pessoas ali não eram elas próprias, e Marta mostrava-se ela própria.

     Um dia, quando ela estava em casa a jogar videogames, pensou que já estava farta deste mundo e queria ir para outro.

     Não estava ninguém em casa, quando ouviu uma voz a chamar por ela que parecia vir da cozinha. Marta estava com medo, porque não sabia quem era, portanto, ela pegou no seu cão Lucky – um Labrador – e foi ver quem era. Não estava lá ninguém, mas depois ouviu o som de uma coisa a cair no quarto.

     Marta foi lá e estava um buraco negro! Ela decidiu tentar destruí-lo, mas não conseguiu e então o buraco sugou-a.

    Enquanto ela passava pelo buraco, pensava que ia ficar sem vida, pois estava no fundo do tempo; entretanto ela desmaiou.

     E Acordou para lá do Horizonte … Vontade de rir? Pensava que era um sonho, até que viu uma senhora com uma coroa de ouro, a dizer:

     – Bem-vinda às minhas terras! Como queres que te chame? – Perguntou a senhora.

     Marta respondeu:

     – Pode-me tratar por Marta!

      Disse a Senhora:

     – Nunca ouvi esse nome nas minhas terras. O meu nome é Shmolka, sou a rainha das terras de Encárnia.

     A Rainha Shmolca disse para Marta a acompanhar.

(Continua)

Mafalda C, 8A

Print Friendly

O Obscuro Salão de Jogos

Cobra MkIII

Ik Neema via Compfight

     Numa noite normal, numa cidade normal, existia um salão de jogos normal.

      Nessa noite, que era uma sexta feira 13 de Novembro, um cão falante, um gato falante e uma Pop Star foram a esse salão de jogos.

     O senhor da loja, que tinha setecentos anos, disse que era de graça. Logo, quando entraram, as portas fecharam-se sozinhas.

     Quando eles estavam a ir para os jogos, havia muitos esqueletos no chão. Mas eles não quiseram saber dos esqueletos, e, quando começaram a jogar, o velhote pressionou num botão que estava por baixo do balcão. Eles foram para dentro do vídeo jogos. O velhote disse que eles só saíriam dos vídeo jogos quando morressem.

    Mas eles pensaram: se conseguissem passar um jogo todo, conseguiam sair dali nos jogos.

     Mas entretanto,  o velhote era tão velho que morreu. Por isso,  entraram nos videojogos e saíram dali, livres, sem terem tido trabalho nenhum.

      As portas abriram-se e eles fugiram.

     Mas afinal, o velhote não tinha morrido, porque ele era invencível.

      Na sexta feira, 13 de Novembro, ele fazia vinganças: por isso, quem ler esta lenda irá ser teletransportado para esse salão de jogos e irá ficar lá para sempre.

Duarte S, 5C

Print Friendly