O Dia em que Me Encontrei com o Passado – II

koh tachai

Creative Commons License Andrea via Compfight   

       Achei piada aos peixinhos que se aproximavam para observar as bolhas de água que se libertavam da minha máscara de oxigénio e que se afastavam, enquanto eu nadava para o interior do navio.

     Quanto mais me adentrava, mais me impressionava com o que eu encontrava: destroços da cozinha, o porão com a sua secção de mantimentos.

     Descobri um crânio no camarote do capitão, chamou-me à atenção um resto de mapa, muito gasto, sobre a mesa carcomida e avistei uma arca de tesouro numa velha divisão que parecia ter estado esplendidamente enfeitada: ao abri-la com todas as minhas expectativas, encontrei…

Um Caranguejo Arco-Íris!

Miguel F, 9B

Print Friendly

O Dia em que Me encontrei com o Passado

El Oceanario, Isla de San Martín de Pajarales, Cartagena, Colômbia.

Elias Rovielo via Compfight

     Lá ia eu para mais um trabalho que parecia simplesmente mais um. Equipei-me, saltei e mergulhei para aquele paraíso a que chamo mar. Era uma beleza! As pedras do fundo estavam incrustadas de mexilhões coloridos e grutinhas de onde espreitavam pequenos polvos desconfiados.

      Nós íamos procurar uma nova espécie de caranguejo: “o caranguejo arco-íris”. Ele vive a uma grande profundidade, mas nada que eu ainda não tenha feito. Estava eu à procura do caranguejo, quando encontrei um mastro e pensei: “Onde será que está o navio?”

      Procurei, procurei e finalmente encontrei-o: parecia ser uma nau portuguesa, não só porque tinha proa dupla, mas também porque havia indícios de uma cruz na vela. O navio estava muito afectado pelo mar; via-se logo que tinha sido um naufrágio muito violento: o casco estava partido em vários sítios, por onde saíam e entravam pequenos cardumes dançando juntamente com alguns tubarões.

     Decidi entrar cuidadosamente, por causa dos tubarões…

(Continua)

Miguel F, 9B

Print Friendly

No Fundo do Mar

peixes-porcoImagem: Blog Normak

     Estávamos na praia do Amado, e fui a uma ilha chamada Cavaleiro, onde apanhei três peixes-porco e uns mexilhões enormes.

     Depois, quando voltei, fui fazer mini pesca e apanhei 4 charrocos. E ainda fui caçar ali perto e apanhei um sargo e quatro navalheiras!

sargo

Imagem: Oceanário de Lisboa

       Nessa noite houve uma festa de despedida porque era o nosso último dia.

praia_do-amado

Imagem: Município de Aljezur

     Este verão foi o melhor, porque não havia ondas e eu podia caçar sempre que quisesse. O meu Pai gosta de partilhar o que pesca com os amigos.

     Costumamos caçar na praia Pequena, ao pé da Praia das Maçãs. Para caçar, levo um fato preto com riscas amarelas, barbatanas, pistola de arpão, óculos, um tubo para respirar e um cinto de chumbos para ir bem fundo.

     O meu Pai ensinou-me a fazer tudo o que eu sei: as técnicas que se têm de utilizar  para caçar, como, por exemplo: bater numa rocha de fundo com a pistola para os peixes ficarem curiosos e virem ver.

Alexandre S 6C

Print Friendly