O Esplêndido Cruzeiro

https://www.logitravel.com/cruceros/mediterraneo-occidental/desde-valencia/msc-splendida/un-mar-mil-maneras-de-vivirlo-16418350.htmlImagem: MCS Splendida

     No verão, eu fui fazer um Cruzeiro com toda a minha Família do lado do meu Pai. Foi esplêndido! Parti de Valencia e passei por Marselha, Génova, Roma, Palermo, Sardenha, Palma de Maiorca… Viajámos num barco gigante, a paisagem era linda de morrer! Acordávamos sempre em cidades e países diferentes.

     Todas as noites, antes de jantar, íamos ver os espetáculos maravilhosos; depois, íamos para o restaurante que tinha sempre o mesmo empregado, chamado Aprianto, que vinha da Indonésia.

     No barco havia dois Jacuzzis, uma piscina interior e outra exterior, kids club, cinema 4D, casino, sala de espetáculos, muitos bares e discotecas, um mega buffet – que eu até me perdi lá – sala de jogos, 25 elevadores, uma loja de gomas e chocolates e outras dimensões surpreendentes…

     Um dia, na piscina, houve um concurso “Master Chef By the Sea” e a minha Tia ganhou com uma sobremesa de frutas, com um nome criativo.

     Senti-me entusiasmada com a brutalidade de tanto mar à volta, no seu azul sempre em movimento. E fiquei espantada com o facto de aquele enorme barcalhão não se afundar.

Margarida Cocco, 6A

Ondas Perfeitas na Arrifana

http://www.arrifanasurfschool.com/

Imagem: Arrifana Suf School

     Era uma vez um surfista chamado Simas. Um dia, ele decidiu ir à Arrifana; lá foi ele. Assim que viu o mar com ondas perfeitas e o céu sem nuvens, sentiu-se cheio de energia.

     Logo de seguida, o Simas encontrou um amigo – isto é, convidou-o – e foram logo para o mar. Surfaram grandes ondas azuis; quando saíram da água, foram para casa brincar, andando de skate.

     Estavam num acampamento e a descida era inclinada, era giríssimo descer a rampa e eles ainda iam muitas vezes a um café muito bom.

EzraCreative Commons License sushitsavo via Compfight

    Uns dias depois, foram embora. Quando chegaram a casa, o Simas foi logo ter com o seu cão bebé, o “Bola”, de pelo curto, cinzento e preto, um galgo wheepet, magrinho e que se encolhe todo ao dormir.

Simão CB, 5C

Adrenalina no Escorrega de Água

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiv7Z7sysPWAhWFmBoKHQBTCV4QjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.feriasemportugal.com%2Faquashow-quarteira-algarve&psig=AFQjCNHpfPeCLRD40K063_LbVZjA6j0MYg&ust=1506540410122578

Imagem: Aqua Show do Algarve

     No Aquashow do Algarve, estava eu na adrenalina do escorrega de água: sentia muuito medo! À minha volta, uma paisagem muito bonita: as diferentes atrações e árvores fora e à volta, poucas casas e uma estrada com os carros a passar.

     A água era transparente e rápida, o ar estava cheio de gritos e de gargalhadas! Já há muito tempo que eu queria andar no Aquashow; tinha lá amigos meus e amigas da minha irmã, também porque era o aniversário de uma amiga da minha irmã.  Foi uma surpresa, porque ela não sabia que íamos!

     Quando saí, já tínhamos a certeza, a minha irmã e eu fizemos uma aposta, e ganhei, porque andei em mais diversões que ela!

Vicente E, 5C

Marrocos Maravilhoso

Imagem: Ibero-Star Saidia

     Nas minhas férias, fui a Saídia, em Marrocos. Durante sete dias fui à praia, havia ondas e eu mergulhava por cima delas: foi muito engraçado! Em Marrocos, no hotel – Ibero Star – em que eu estava, havia diversões animadas: na piscina, tínhamos de mergulhar e de apanhar coisas no fundo; jogamos vólei na água…

     O mar era quente, com ondas azuis, a areia era quente e amarelo-torrado, mas havia mais gente na piscina que na praia. No último dia, os hóspedes todos vestiram-se de branco e fizeram um fogo de artíficio que dizia: “Saídia – Marrocos”.

     Andei de camelo – no maior que havia lá – ao longo da praia. Ele, às vezes, levantava a cabeça para trás, tirava a língua e eu assustava-me. Fui com a minha mãe e estes dias foram inesquecíveis pelo convívio.  Foram dias divertidíssimos, porque havia muitas atividades para fazer e descobri imensas realidades de um país que eu não conhecia.

Mariana C, 7C

O Golfinho Feliz


PortraitCreative Commons License R’lyeh Imaging via Compfight

    Nas minhas férias tive muito contato com a água. Fui muitas vezes ao mar com a minha avó; ela é velhinha mas muito aventureira, ela vai até ao fundo do mar e leva-me como acompanhante. Tenho muitas histórias para contar, mas vou contar a que foi mais divertida.

     Estava eu e a minha avó no mar sem fim e azul escuro, quando aparece um golfinho a nadar, feliz e contente. Eu achei logo que era um tubarão, pois estávamos tão longe que não conseguíamos ver a praia, mas a minha avó logo me alertou e disse que era um golfinho, mas mesmo assim, eu morria de medo que ele ou ela me mordesse. 

Passado algum tempo, o golfinho começou a fazer truques para nós vermos e ele gostava tanto quando nós aplaudíamos. Esperamos até ele acabar com os truques: então eu fui para cima dele e começou a levar-me tão rápido quanto uma chita.De repente, ele foi para debaixo de água cada vez mais e mais fundo e eu soltei-me, porque senão ia morrer afogada.

     Quase sem ar, vim até à superfície e encontrei a minha avó; começamos a nadar até à costa, mas não reparamos que o golfinho vinha atrás de nós. Quando já tínhamos pé, olhamos para trás, a ver se encontrávamos a minha mãe e a minha irmã, mas o que encontramos foi um golfinho novamente a fazer truques. Ele ficou ali por uns tempos e foi-se embora, mas ninguém o viu, pois tínhamos pé, mas a água estava até ao meu pescoço e a praia ainda estava um pouco longe.

     Finalmente, chegamos à costa, onde estavam a minha irmã e a minha mãe a apanhar um bronze. E por fim contamos a toda a fabulosa história a elas!

Carolina Cr, 7B

Definindo Sentimentos

AMISTAD_ Eider Joselito Chaves Chaves via Compfight

A Família não é o sangue que temos em comum, mas sim as pessoas em quem confiamos e que nos fazem sentir só um.

A Coragem é um sentimento poderoso,   pois em quem está vivo, é muito valioso;  

A Coragem sabe sempre quando aparecer, pois na vida e na morte, é um sentimento para proteger.  

O Amor é a diferença, o Amor é a igualdade; o Amor é o que se sente quando se está apaixonado.  

A Felicidade é Tristeza, a Tristeza é felicidade, pois cá na minha cabeça, é tudo o mesmo: Personalidade.                

A magia é uma coisa que qualquer um consegue ver, pois é a luz que temos, que nos faz querer viver.

O medo é uma ilusão Que só está presente na Alma e no Coração                                          

O medo é um sentimento  difícil de explicar, mas para o combater basta a coragem de avançar.

Os Livros são Fantasia, os Livros são Realidade: eles são tudo o que é preciso para construir uma Personalidade.

 A Fantasia é uma mundo onde todos queremos viver, mas sem a Realidade, nunca o iríamos perceber.

Mercedes M 6B

O Desafio das Cem Palavras

  !00 Words ChallengeImage: 100 Word Challenge 

     Mrs Julia Skinner, uma professora – e “HeadTeacher” –  reformada é a fundadora do site “The Head’s Office” onde se partilham os mais diversos assuntos de interesse no âmbito da Educação; é também a  criadora de alguns desafios internacionais para crianças e pré-adolescentes, entre os quais o “100 Words Challenge” onde estamos a participar, a seu convite,  como “professora comentadora”.

    Em que consiste este Desafio? Num site, construído com toda a segurança, são expostos os links para os blogs de Turma de Professores de todo o mundo, escrevendo em língua Inglesa; todas as semanas é apresentado o desafio, no site principal, sob a forma de uma imagem apelativa, legendada com perguntas exploratórias ou então é apresentado um pequeno conjungo de tópicos sugestivos.

    Ao longo das semanas, os alunos que são autores nos seus blogs de Turma, recebem um número, que, por sua vez, também é atribuído a um “Professor Comentador”, o qual pode pertencer a qualquer Escola do mundo, desde que devidamente identificado e também ele com blog de Turma.

    Cada um desses Professores voluntários – que constituem o “Team 100” deverá visitar e comentar, no mínimo, cinco textos por semana,  da autoria de alunos dispersos pelo mundo, cada um no seu nicho materno que é o respetivo blog de Turma. Os comentários obedecem a regras explícitas, são sujeitos a moderação antes de serem publicados e têm como principal objetivo encorajar os jovens autores e celebrar a sua criatividade, criando laços de convívio cordial numa imensa Comunidade Virtual unida na língua Inglesa.

     Não será, para os dias de hoje, uma forma especial de acolhimento mútuo? Aqui fica, pois, também o convite aos nossos alunos para participar. Basta o acordo dos Pais e do Diretor de Turma para poderem publicar diretamente no Blog da nossa Oficina e receber o tópico de cada semana.

OE

Ser +: “Cena Literária”


Imagem: CAD – Cena Literária 

     Os queridos colegas  Carla, Paula e Paulo estão entre os muitos que aceitam o perturbador desafio da Beleza, através do seu ensino de diferentes Artes no nosso Colégio, cada um deles através da sua específica e especial paixão.

      Estes colegas contribuem intensamente, com o seu dom singular para a fisionomia única da nossa Escola e, mais ainda, vão tecendo a própria alma secreta desta, ao colocar os seus talentos ao serviço dos nossos alunos. 

    É assim que ajudam os seus jovens companheiros a descobrir por sua vez, quais os seus talentos escondidos e encorajam-nos a expor-se com as suas personalidades únicas, a fim de dar os seu melhor tanto às suas próprias jovens vidas como à comunidade escolar. 

     Mas para além disto, eles desafiam os nossos alunos a irem mais longe, a fim de alargar até o horizonte inteiro da sua geração. Na medida em que oferecem gratuitamente o melhor de si próprios, os nossos jovens acrescentam significado e força á perene demanda da humanidade. 

    Como este artigo ficaria demasiado longo, desta vez foi escolhida a Poesia no CAD:

CENA LITERÁRIA

Imagem: Teacher Carla playing Conspiração no Palácio

    Assim, a Prof. Carla – que ensina Português e Literatura – é também uma atriz, numa Companhia de Teatro –  provisoriamente suspensa – onde desempenha variados papéis em drama e comédia, ou performances de rua no Teatro de Sintra.

   Com uma singular paixão por poesia, criou, no Colégio, um evento mensal, cada um para celebrar um diferente poeta: os poemas escolhidos são ditos ou lidos por alunos voluntários, na Biblioteca, aberta a uma audiência de todas as idades.

    Poetas Portugueses, como António GedeãoMário de Sá CarneiroFlorBela EspancaFernando PessoaAfonso Cruz, Almeida Garret, José Saramago,Sophia de Mello BreynerWalter Hugo Mãe, tornam-se presenças vivas na nossa biblioteca, graças às jovens vozes e aos corajosos corações dos nossos Alunos.

OE

 

Os Nossos Valores – Adaptado de Prof Maurice Elias

Sobre o Autor que inspirou esta proposta de escrita reflexiva: Maurice J. Elias of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

Viver os Valores

Acolher é “Cuidar do Outro” – I

 

Imagem: Princesa Azul na “Deus me Livro

Cristal “Cuidar”

      Meditando o nosso tema anual “Ser +” –  com um diferente valor atribuído a cada mês do ano letivo –  vamos apresentar, em paráfrases, a nossa abordagem de um capítulo do lindíssimo livro da nossa querida antiga aluna Filipa Sáragga, “A Princesa Azul” o qual, além de integrar o PLN, deu também origem à  Fundação que apoia e celebra a diferença.

      Trata-se do momento em que a Princesa recebe, sob a forma de um Cristal, um ensinamento precioso que podemos aproximar da vivência do valor escolhido para Setembro: a qualidade do acolhimento aos outros.

       A singela mestra da Princesa mostra-lhe a centralidade desta disposição interior, que revela o seu poder libertador, ao longo do caminho iniciático da Princesa rumo a uma felicidade autêntica. Para atingir este fim, surgem as atitudes concretas que deve exercitar e que a tornam capaz de um relacionamento genuinamente acolhedor.

  • As pessoas felizes são altruístas e pensam nos outros, pois é sobre a base da generosidade que se fundam os relacionamentos fecundos.
  •  Concordas que as pessoas felizes pensam mais nos outros?    Podes dar três exemplos?
  • Cuidar dos outros descentra-nos e cura-nos, pois “Leva muito mais tempo a ultrapassar uma angústia do que a assimilar algo de bom”.
  • Podes partilhar como alguém ultrapassou uma angústia? E porque será mais rápido assimilar algo de bom?
  • As relações com os outros são uma prioridade e cuidar dos amigos torna-se uma responsabilidade vital, pois a Felicidade de cada um é uma resultante das nossas relações com os outros.
  • Se quiseres fala nas tuas prioridades nas relações com os outros.
  • Que outras prioridades devemos considerar na nossa vida?
  • Como definirias a Felicidade?

OE

Ser + – Juventude e Metas Globais

Imagem: Moving Goals

      Este ano, o nosso tema global, abrindo o acesso à vivência de valores desafiadores, pode relacionar-se diretamente com os esforços desenvolvidos, por todo o mundo, para integrar a vitalidade e a força inventiva dos jovens na realização das Metas para o Desenvolvimento Sustentável segundo o projeto das Nações Unidas.

     No seu programa de ação para a Participação da Juventude , incluem-se objetivos concretos que facilitem as iniciativas dos jovens, a fim de tomarem decisões.

    Que decisões são os nossos alunos convidados a tomar no âmbito da inovação da aprendizagem e do  permanente aperfeiçoamento do ambiente escolar nas suas vertentes ecológica e humana?

     Podemos aqui dar como exemplos já em curso a sua presença ativa no projeto Eco-Escolas e na livre recriação de Poesia no evento mensal “Cena Literária“, indo assim, ao encontro das metas 12 e 16, se damos crédito ao poder transformante da poesia para humanizar as relações humanas. . 

    O mesmo programa de ação destaca a importância de se removerem os obstáculos que impeçam a  plena participação juvenil na sociedade, com a incontornável liberdade de associação.

    Sabemos que está em curso a implementação de uma Associação de Estudantes na nossa Escola, construindo-se por eles e com eles, inspirada nos valores do nosso Projeto Educativo comum.

    O mesmo programa encoraja vivamente que as diferentes organizações juvenis interajam mutuamente, a nível nacional e internacional, indo assim ao encontro das Metas 4, 5 e 17.

     Sabemos que estão em curso projetos de sempre renovada colaboração com a  Fundação AJU, inspirada no nosso Carisma, onde os jovens utentes desenvolvem também ações de voluntariado e de solidariedade, bem como com outras Organizações de teor idêntico..

     E a nível internacional, como podemos facilitar a interação entre os nossos alunos e outras organizações juvenis? 

    Eles saberão escolher, com o seu entusiasmo inventivo, de entre as inúmeras redes que se entrelaçam, na nossa aldeia global, incluindo as comunidades irmãs disseminadas por África e América do Sul.

OE

Imagem: Comunidades Amor de Deus no Mundo

Acolher

Imagem: Flaming Text   

     Setembro é um mês talhado para o Acolhimento: por todo o mundo, os alunos regressam ou iniciam já o novo ciclo de estudos, na ronda da sua jovem formação, que vai espiralando, ano após ano, até desaguarem no horizonte a perder de vista que é tanto  uma profissão a exercer como uma família a constituir.

     Este ano, com a “roda dos valores” a inspirar cada um dos dez meses letivos, procurarmos uma inspiração de escrita, a fim de que o valor do nosso acolher brote de mais fundo e transborde até mais longe do que poderíamos esperar. 

    Também hoje, no nosso mundo, mais do que nunca, é urgente acolher. Iniciativas eficazes multiplicam-se em todos os países, sobretudo naqueles, distantes, onde a guerra, a pobreza ou os desastres naturais deslocam milhares de famílias sem recursos.

     A Unicef abriu, recentemente, os Espaços Amigos das Crianças – simples tendas ou construções precárias onde voluntários com formação adequada protegem o hesitante descontrair-se de crianças e jovens que tentam retomar a sua confiança básica na vida. 

  •     Como podemos nós conjugar o acolhimento no nosso dia a dia, como um verbo vivido?
  •     Observaste atitudes acolhedoras neste início de ano escolar que possas partilhar?
  •     Descobriste algo inspirador entre os teus novos colegas?
  •     Se quiseres, comenta este pequeno filme da Unicef.

Ser + – Revalorizar-se

Imagem: CAD

      Cada ano novo traz à Escola – e às pessoas que lhe dão vida e alma – um desafio, um sonho e uma surpresa.

      Trata-se sempre de procurar ir mais além num horizonte tão vasto que nunca se alcançará, mas de onde sopra o vento refrescante de uma liberdade irresistível.

      Desta vez o desafio propõe-nos buscar mais longe o fundamento das nossas relações vivas: valores que estruturam a comunidade escolar, o fino reticulado das amizades que ela nutre e ainda a íntima demanda de cada um.

     Para cada um dos dez meses do ano letivo – e fazendo eco ao calendário litúrgico que ritma as nossas festas – 10 valores dispostos como um brasão de honra, fazem-nos face com seu olhar de esfinge, a sua força oculta de questionamento.

     “Estás vivo? És alguém que se possa interrogar?” – assim expressava Shakespeare o sentido transformante de uma reflexão que não se articula sem o compromisso de vida consigo próprio e com os outros.

    Todo o programa do ano conta com essa indispensável contribuição inventiva de cada um, com o aprofundamento da convivência entre os vários grupos  que formamos pela diversidade de funções: alunos, funcionários, professores, irmãs.

     Num mesmo espaço de presenças que se partilham, no melhor das suas diferenças, se cultiva e fortalece o sentido da comunidade viva, onde cada um existe para que os outros sejam mais.

OE

Traçando Rumos Singulares

Words for LifeCreative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      Hoje partilhamos a alegria de ter connosco, na Oficina, a querida antiga aluna Júlia Marçal,  psicóloga organizacional e free lancer numa série de iniciativas enriquecedoras que vão traçando um percurso singular no âmbito profissional.

     OE – Júlia, partilhe uma experiência de vida que tenha sido para si apaixonante durante os seus anos de escola.

     JM –  O que nos toca profundamente fica registado não só na memória, mas também na alma. Assim são as recordações que tenho enquanto aluna do Colégio do Amor de Deus. Um episódio muito engraçado, do qual tenho memória, remonta à minha vivência enquanto aluna do 2º Ciclo, quando, no 5º ano, fui ao Jardim Zoológico de Lisboa e, no decorrer do almoço, com colegas e professores perto da jaula dos macacos, um dos macacos, de pequeno porte, aproximou-se e furtou o iogurte da Professora Sandra Pedrosa. Foi a risota total 😊

     OEQuais são os principais fatores que têm modelado o caminho original que está a traçar como profissional independente?

     JMParticipar em projetos de naturezas diversas e contactar com tarefas e pessoas diferentes são os principais fatores que me motivam. Projetos como o meu livro: “A Comida como Almofada Emocional – Porque comemos sem ter fome?” tornam-se possíveis e permitem-me colocar a minha criatividade em prática e dar a conhecer o meu trabalho.

     OEQue conselhos daria a um jovem recém-chegado ao mercado de trabalho para se orientar no mundo complexo da busca de um emprego?

      JM –  O conselho que dou a estes jovens é o de escolherem um emprego alinhado com os seus valores e interesses pessoais, pois assim é mais fácil manterem-se motivados. Outro conselho é: não deixem de procurar outras e melhores oportunidades, de forma a aprenderem novas competências, o que se torna fundamental num mercado em constante mudança.

     OESe tivesse dois anos de liberdade financeira para sobreviver com um bem-estar moderado, a que atividades se dedicaria? Porquê?

    JM –  Nessas condições dedicar-me-ia à escrita, uma das minhas grandes paixões, assim como me dedicaria a projetos relacionados com o empoderamento das pessoas, aos níveis pessoal e profissional.     

    OE – Obrigada, Júlia, por teres aceitado participar nesta entrevista, no âmbito do desafio do #EdublogsClub. Desejamos que continues com o teu compromisso entusiasta e o teu trabalho criativo.

Júlia Marçal

Autora de “A Comida como Almofada Emocional

e Inesquecível Aluna do CAD

O Que são Valores para Ti?

Imagem: da Oficina de Escrita

Compilação de respostas dadas por alunos de 5º Ano das turmas A, B e C, no ano 2000

    Os valores são aquilo que temos de Bom em nós; são “coisas” importantes que devemos praticar; todas as “coisas” importantes da nossa vida.

    Por exemplo, os meus amigos, o meu corpo, o meu ser.

    Os valores são também o que nós sentimos: o amor, a felicidade e outras coisas.

    Para mim, um valor é uma coisa ou sentimento de grande importância.

    Existem vários tipos de valores: Morais, como as regras de educação, de respeito por nós e pelos outros; Religiosos, como respeitar a fé de cada um; Materiais, que têm um preço em dinheiro ou um preço afetivo.

     São referências que todos devemos ter para dirigir, orientar a nossa vida. Alguns valores são nos dados pelos Pais, pela nossa família, pela escola. Outros, vamos adquirindo ao longo da vida.

    Um valor é uma qualidade, um sentimento. É a importância que damos às coisas, às pessoas. Nós também somos um valor para outras pessoas. A vida é um valor e por isso tem de ser bem vivida. Os amigos são um valor muito importante.

    São dons que Deus nos deu à nascença. São regras que devemos seguir para sermos felizes: por exemplo: repartir amor, ter compreensão para com os outros, dar o nosso perdão.

   São qualidades que a pessoa tem; são factos ou sentimentos a que damos importância na vida. São coisas, ações, sentimentos que ficam para a vida inteira.

   São ideias que orientam as pessoas no seu caminho, na sua vida. São todas as qualidades que estão adormecidas e que só algumas pessoas conseguem libertar… São princípios, ideias-chave que devem orientar o nosso dia a dia. São qualidades que nascem com a pessoa e que ela “faz crescer” praticando boas ações.

     São normas de comportamento ou regras que nos orientam na vida. É o valor que tenho por algum objeto. Os valores que nós damos a tudo o que está à nossa volta: a um objeto, a uma pessoa, a uma ação ou a um animal são feitos a partir de ideias ou sentimentos existentes em nós.

     Valor é todo o empenho ou esforço que ponho em conseguir o que quero… São dons que Deus nos dá e nos ajudam a crescer como pessoas humanas e espirituais, como pessoas felizes.

    Há vários tipos de valores: a amizade, o amor, a saúde, a educação. Todas as pessoas têm valores, umas mais que outras. A ideia de valor varia conforme o sítio e o tempo em que vivemos, e até com a nossa idade e cultura.

Turmas A B e C do 5º – 2000

Inesquecíveis Alunos do CAD

Sobre “A Crise de Significado na Educação”

Women of the World Angela Sevin via Compfight

“Nothing good will come of these technologies, if we do not first confront the crises of significance in Education.” – Michael Wesch

    Segundo este mundialmente conhecido professor, as formas criativas de aprendizagem não constituem ainda uma motivação para aprender efetivamente. As questões sobre o sentido, as grandes questões motivadoras, só se conseguem colocar quando emerge uma narrativa global onde os jovens se possam sentir integrados e comprometidos. Na nossa época emerge uma visão unificada do mundo, como “aldeia global” em que todos estamos interconectados e onde o futuro depende da ação concreta de cada um em estreita relação com os outros.

     Pode ser este um fio condutor que configure, ao mesmo tempo, os conteúdos e as formas de aprendizagem, de modo que os nossos alunos experimentem que não estão apenas a preparar-se para uma eventual tarefa ulterior, mas que estão já a participar numa missão comum.

    Muitos alunos esforçam-se atualmente por atribuir um significado válido e estimulante ao seu árduo ou negligenciado trabalho nas escolas. Sofrem perante o facto de apenas serem confrontados com o dever de assimilar superficial e rapidamente conteúdos técnicos, sem relação direta uns com os outros, sem relação aparente com uma gratificante aplicação futura, sem uma perspetiva pessoalmente elaborada sobre a totalidade do que está em causa na sua própria formação.

     Procuram uma visão distanciada, mas de amplitude incondicional, onde possam exercer o seu poder latente de reflexão – o único a abrir-lhes o acesso às grandes questões de fundo que cada nova geração deve retomar de raiz, num corpo a corpo genuíno.

    Tais questões vivificadoras, que colocam o problema do sentido último nas várias dimensões da vida, imemorialmente convocam o ser humano na sua autenticidade e lançam-no numa demanda vital, não de respostas académicas cerradas, mas como referências orientadoras e geradoras de sentido.

    É assim que o nosso autor, centrando-se no que ele designa “uma simulação do mundo“, nas suas aulas, reordena a configuração dos conteúdos de aprendizagem priorizando o “Porquê?”,  “Para quê” e “Como”, deixando que estes decidam sobre o “O Quê? e acabem mesmo por gerá-lo.

OE

A Nossa Graça

Imagem: La Croix   JMJ 20013

     As pessoas são a nossa Graça. Uma prenda, um dom do Senhor.

     Algumas dão uns passos connosco pelo caminho  estreito da aventura que sabe bem partilhar. Outras vão mais longe; vão até onde se torna difícil avançar. Elas pertencem a momentos quase inacessíveis, ficam-nos entranhadas no coração.

    As pessoas-anjo, as pessoas-abismo, as pessoas-fidelidade-viva que não hesitam em assumir-nos no nosso mais profundo estranhamento para nos apresentarem, cheias de esperança, ao coração de Deus.

    As pessoas rodeiam-nos por todos os lados, no sagrado silêncio que as destaca e aureola de divino: mães, pais, famílias, amigos, companheiros, ao serviço, a quem servimos, multidões, nomes de santos apostos na fronte dos dias, gerações incontáveis que nos fizeram emergir, por um instante, à luz imensa da vida, gerações futuras que por nós assomarão um momento na beleza fulgurante de existir, míriades em júbilo, todos livres e um na Pessoa ressuscitada de Cristo.

OE