Teacher Challenge – Step 9A

     I’m still on the same step, trying to learn how to use Animoto. I subscribed for a month just to explore its possibilities.

    Meanwhile, I’m learning how to create interactive presentations and facilitate group work in Spiral, who is now totally compatible with Edmodo. Both platforms joined their forces to enhance students and teachers enthusiasm for working more creatively.

    And here is what I came up with my Animoto pro personal account: 



Teacher Challenge – Step 9

  In Setp 9 I have to make an halt and start again, more carefully, at my own pace.
For today, just to be sure that I tried something beautiful and that I managed to created it and to embed it in my blog, I’m simply posting a 30 seconds video form Animoto about one of my favourite themes “Purposes of Writing”.

Purposes or Writing

Teacher Challenge – Step 8



Imagem: Oficina de Escrita

     In Step 8, we are initiated in the art of embedding online tools. The advantages of posting articles with embeded tools are easy to grasp: it becomes attractive to engage students and to provide collaboration opportunities.

Audio Presentation Tools

     In our school, all along this year, Prof Carla, of Portuguese, has been gathering older students and special guests, once a month, to read Poems or Texts from different Portuguese authors. Since the initiative found success among students,  we are planning to record-alive and publish these sessions of Poetry and Reading in our Library Blog. So, I plan to follow the steps needed to embed these special moments called “Literary Scene” in Audacity which I downloaded in its new version in Portuguese.

     As for embedding Padlet, it didn’t work properly and although I received an e-mail form the support team, my new padlet kept saying it couldn´t be saved. There it goes:


Teacher Challenge – 4


Image Author Ines Pinto Source:  flickr Commons Atribution: Creative Commons

     This picture, posted in July 2007, as a creative commons attribution share alike, in Flickr photos, belongs to an album of 20 pictures, specially created for an exercise asked by Edublogs, during the 2008 Comment Challenge.

    In Step 7, we must understand, in order to make it clear for our students, that pictures and images on the web are not just free to use no matter how.

     Usually they are published explicitly under certain rules, whether they prevent us to use them without a special permission, as is the case of copyright, or they just are apparently not related to any kind of rule, as it is the case, for instance, of pictures of a hotel posted on its site, as in Pousada dos Girassóis, whose owner is the young author’s uncle.

     In these cases, we must either ask a written permission to publish the image as kindly offered by its author and rightly linked to its source. If no copyright signs are at sight, at least we must link to its source and name it. I usually do this when copying my student texts about public places or hotels they have been during holidays. I think hotels or other public places accept this kind of use of their pictures as a sort of publicity to them. However, I assume I take some risk by doing so.

   Once I asked the Hubble Site if I could post some of their Hubble pictures in order to explain how to change the personal pronouns according to their role in the sentence. Hubble site had the kindness of answering me not only to give the permission but also to ask for a link in order to include my work in their archive of educational items.

   In Edublogs-Pro, with the free access to Compfight, we can choose among thousands of pictures licensed under Creative Commons, which means that those pictures are kindly offered for us to use. There, my students often find what they had precisely imagined.


     I use this creative commons license badge  in our wiki of resources at pbworks so that anyone who wishes can come and pick tests, exercises, writing suggestions, inspirational quotes  or  other kind of assessment tools. I’ve found that visitors from Brazil and Portuguese Speaking Africa take benefit or this sharing, which is the main point of using CC licenses.

   When my students and I can’t find what we are looking for in Compfight  we look in this wiki page where edublogs taught us to collect links to sites that offer creative common images

 In Step 7, I’ve learned that in sites as the Getty Open Content, all the digital images are available whether the Getty holds the rights to them or they belong to the public domain, in which case one must use the simple source credit: “digital image courtesy of the Getty’s Open Content Program”.

     Thanks to the Challenge Team for the very useful lesson.

Inês P

Teacher Challenge – 3


Imagem: Oficina de Escrita

      In Step 6, I’ve sort of created a model for a business card magnet, but I will change a few details whose translation in English is a bit difficult for me.

    On the card we can see the urls of both our writing workshop blog and our wiki where we collect resources for study and curricular subjects, as well as some links to student texts prior to 2014. At the moment I’m gathering a new collection of links to some very inspiring sites about innovation in schools.

    I’ve also created an e-mail signature in G-mail, adding the link to our workshop blog,  which I think will help parents and my own students to keep track more easily of posts published as well as to comment and make the blog come alive.

    Our school is planning to have a newsletter for the coming school year, so I hope to be allowed to add our blog url to it.

     I would love to learn how to create a QR code, but I’m sure some of my older students will teach me how to do it. I also appreciated the idea of getting the students to write a letter to their parents explaining what blogging is all about and, in our case, also how we will be using our writing workshop blog.

     Thanks to the Edublogs Challenge Team and the Blogging Teachers for their inspiration.

Ines P

Com a Frescura da Nascente


Imagem: Oficina de Escrita

Verão de 1997:

Sofia Costa

Sofia Bost: “Uma onda monstruosa estava prestes a cair em cima de mim. Pensei que ia morrer, que a onda me ia cair aos bocados e, naquele segundo, a onda desabou sobre mim. Estatelei-me na areia, dei imensas cambalhotas e ia engolindo água…”

Madalena Garcia:”Estava um dia de sol e eu estava radiante para chegar, para ir dar um mergulho à praia. Ajudei o meu tio a guiar o barco, foi sensacional.”

Madalena Lagido: “… foi uma sensação em que o meu coração parecia que ia saltar pela boca, aquilo dava curvas e mais, e mais… o escorrega parecia não ter fim. Mas num abrir e fechar de olhos eu vi uma luz: olhei para cima e só vi azul…”

Francisco Seruya: “Enchi-me de coragem e mergulhei: foi uma sensação única, até parecia que estava a sonhar. De repente, abri os olhos e vi o mar transparente e um cardume de peixes dourados. ”

Tiago Lima:”Quando chegou a minha vez, quase desmaiei; o nadador salvador prendeu-me a bóia ao corpo e fê-la deslizar pelo escorrega; sentia-me horrível: a pista tinha curvas e mais curvas, até que… vejo uma luz lá em baixo: era a água com reflexos do sol.

        Onde estão os nossos alunos de 30 anos?

     Uns vivem em Londres, outros em Portugal; fazem cinema, arte, gestão e informática, psicologia…inventam uma aventura única com aqueles que amam.

      As suas palavras vibrantes de vida, recolhidas à entrada do 6º ano, na velha aula de Português,  ficaram abrigadas no “ouvido atento” da escrita. 19 anos depois ainda vêm inspirar as novas gerações, pois mantêm-se intactas no seu ímpeto de alegria e na sua frescura de nascente.

     Onde quer que estejam os seus autores, muitas felicidades!


Teacher Challenge – 2


Imagem: Oficina de Escrita

     In Step 4 of the Challenge, Teachers are asked to reflect upon quality commenting skills: what are they, why to practice them, how to share them with our students, helping them to improve their literacy and communication skills.

    Among several activities, I chose to create a comment guideline poster whose translation is as following:

  • Greet the Author, highlight something positive.
  • Write about the post’s subject: by adding information, building upon its line of thought, sharing a counter-argument to it.
  • Conclude with a question that enables to go on with the conversation.
  • Revise your grammatical correction; use the translation widget to communicate in a foreign language; preview before publishing.
  • Do not give any personal information.

    I’m looking forward to welcoming my students again: some of them will surely enjoy this new challenge to participate in the blog activities as authors.

    I also found out that the several steps we are invited to go trough along the Teacher Challenge are so rich of complex information that we should perhaps take it more often and at a slow pace.

Ines P

Marciano, um Amigo na Guiné


     Imagem: Oficina de Escrita

     A Associação dos Leigos Missionários da Consolata, AD Gentes, é uma ONG, instituída em 2008, com a vocação de enviar leigos voluntários em Missão, para países em desenvolvimento, bem como para implementar ações sociais, a nível local, com mais incidência na zona de Lisboa, sendo de salientar a última iniciativa, a Loja Solidária online,  ArteGentes

     Neste contexto, tem-se desenvolvido, desde há vários anos, o Projeto Estuda Lá, destinado a financiar bolsas de estudo anuais a alunos de Moçambique, do 8º ao 12º ano. Desde o seu início, este Projeto organizou-se igualmente em torno de um Liceu situado em Empada, na Guiné-Bissau.

    Foi desta pequena povoação, situada em plena floresta exuberante de verdura, que a Oficina de Escrita recebeu já duas cartas de um jovem que vem cumprindo o seu plano de estudos com entusiasmo e dedicação.

    O Marciano, nosso amigo e afilhado, que transitou com mérito para o 10º ano de Escolaridade, relembra, na sua última carta, a importância do “Projeto Estuda Lá” para todos os seus colegas:


    Na verdade, todos estes alunos dependem, a partir do 8º ano, de uma bolsa de estudos de 50 euros anuais para garantirem o acesso aos materiais de estudo e à frequência do ano letivo.

     Como disse Luís Ventura, voluntário na Amazónia com a sua família ao longo de 4 anos, durante o III Encontro Nacional de Leigos: “a graves problemas só podemos responder com redes comunitárias.” 

     Aqui fica o convite do Marciano a participarmos neste Projeto tão simples e tão eficaz, “em rede comunitária”. E o nosso abraço amigo para ele.


Sabor de Verão


Imagem: Oficina de Escrita

    Um momento que me marcou este ano foi quando os rapazes da nossa turma defenderam as raparigas. 

     A mudança que me surpreendeu foi quando eu conheci pessoas novas ao entrar no 5º ano. 

    O meu sucesso num assunto de estudo foi quando tirei uma nota alta a Matemática e outra a Ciências quando não costumava ser tanto assim. 

    Quero que corra bem a próxima quinta feira, porque vou ter um dia muito atarefado: ginástica rítmica, ir para casa com a Neusa para o nosso jantar! Também quero que as minhas férias em Viseu sejam fantásticas! Espero que continuemos a ter os nossos maravilhosos e  esplêndidos textos, que eu passe de ano, que fique numa boa turma no 7º Ano e que o X comece a gostar de mim…

    O meu horizonte é passar para o nível de Competição na Ginástica Rítmica.

“Quando estamos com um Amigo, nem somos dois, nem estamos sós.”

    Eu acho que quando estamos com um amigo, isso nos muda, porque nós tentamos agradá-lo, mas ele também muda. Não somos dois, porque juntamo-nos e passamos a ser um, nem estamos sós, porque estamos sempre juntos.

Madalena C, 6A

Brindes de Verão


Imagem: Oficina de Escrita

Dedicado a André S, Mafalda A  e Carolina S-C

O brinde para o André: Viver um novo verão

Numa bola ao pontapé, a ganhar no Futebol

A passar de mão em mão o que nos traz alegria

Conviver dias ao sol com renovada energia!

Para a singular Mafalda foge o nosso coração

Ela é única e sem falha na gentileza do olhar

Lealdade a toda a prova: vai viver este verão

Como a vida a começar, uma jovem alma nova!

Adorável Carolina com um toque de malícia

Mas esta jovem menina sabe ser uma delícia

E se a surpresa convém e surgir uma aventura

Tudo o que o sonho contém ela acolhe com Ternura!


Aproveitar a Vida

    Sunset Season [Explore 10/29/2015]

W. Tipton via Compfight

     Num belo dia, cinco lindas raparigas, a Sofia, a Bárbara, a Ana, a Marízia, a Cátia e a Rafaela, já não podiam ouvir os professores: eles não paravam!

     Então, a Sofia teve uma excelente ideia e perguntou às amigas:

     – E se nós fôssemos ver o por do sol ao fim do dia?

     Todas acharam uma magnífica ideia, embora a Cátia e a Marízia não quisessem ir, pois queriam ir para  Biblioteca ver “Animos”, elas estavam tão viciadas que só viam um computador à frente e não sabiam o que era o por do sol e aproveitar a vida.

     E a Ana também não queria ir, pois ela gostava de chegar a horas às aulas. Só a Bárbara e a Rafaela é que aceitaram a ideia da Sofia. As três conseguiram convencer as outras amigas para irem todas ver o por do sol.

     Então foram à praia de Cascais, aproveitar o pôr do sol, ver as ondas do mar e cheirar a maresia. A praia estava enorme, não havia ninguém, a maré estava baixa e as gaivotas, sem perceberem, todas pousaram fazendo um coração de amor para o dia de S. Valentim. Elas ficaram espantadas a ver o belíssimo por do sol e chegaram a distrair-se com as horas. Já tinham passado 45 minutos da aula espedial ao fim da tarde!

     Subiram a correr pela avenida acima, e, quando chegaram à Escola, tiveram que ouvir um belo raspanete da professora de Matemática. A professora perguntou-lhes logo:

       – Meninas, onde estiveram?

     E a Rafaela, como também estava mal disposta, respondeu da mesma forma:

     – Estivemos a aproveitar o por do sol! E a turma toda devia fazer o mesmo, pois já ninguém aguentava as aulas.

      Então, no dia seguinte, a turma levantou-se toda e foi até à praia aproveitar o cheiro das ondas do mar e ouvir os pássaros cantar.

     A professora de Matemática foi fazer queixa à Coordenadora, que disse:

    – A vida  dos alunos não é só números; não podemos pressionar tanto os alunos. Eles têm que aproveitar a vida. Mas, ao mesmo tempo, têm também que aproveitar o futuro, preparando-o desde agora, e também com a Matemática.

     A professora sentou-se na sala a pensar no que a Coordenadora  tinha dito. E conseguiu perceber que a vida, é não só Matemática, mas também o por do sol e que os dois são viver, aproveitar!…

Sofia L, 8C

O Violino Mágico – I

   For Sale

Creative Commons License Randen Pederson via Compfight

     Havia um  Violino mágico que encantava toas as miúdas e todas gostavam de o ouvir. Então, um dia, uma rapaz começou a tocar e ele deixou de encantar as miúdas.

     Talvez a culpa não fosse do violino, talvez o violino fosse um violino como qualquer outro, mas por várias coincidências, sempre que alguém o tocava, tocava-o bem.

     Talvez as pessoas que o ouviam tivessem deixado de gostar das músicas, mas, enfim, o violino foi abandonado na lixeira. Passados três meses, o violino preparava a sua vingança contra as pessoas: queria torná-las escravas e, aquelas que recusassem, morriam.

     Mas que violino este… após muito pensar em como o fazer é que se lembrou de um importante pormenor… É que era um violino. Era um violino e os violinos não andam nem batem nos escravos e tudo o que um violino faz  é tocar belas músicas.

     O violino percebeu o quão mau tinha sido e que podia ser para sempre abandonado, pois ninguém quereria um violino como ele. Ficou muito tempo abandonado e pensou numa maneira de ser desculpado, mas não, nunca foi desculpado: foi para a Flórida, viver e foi posto à venda por 100 000 000 Euros.

    Houve um homem, que adorava música e comprou o violino para os seus empregados tocarem. Do nada começou a haver um apocalipse de Zoombies, mas o violino acalmava-os e punha-os a dormir, até que um dia, este violino, que custou um número que não sei ler, envolvido como os outros violinos dos outros textos, entre zoombies e diabos. Sem pessoas normais.

     Ele foi para a Nasa e partiu de foguetão para Vénus, onde ficou a viver num país chamado Vétoquis onde foi comprado por um Vénotis.

     Então a polícia espacial apanhou o violino e todas essas pessoas. Durante dez anos ficaram à espera do seu castigo e, quando o descobriram, ficaram histéricos de medo: o castigo era ser atirado para um buraco negro. E viveram felizes para sempre.


(Texto a três Mãos)

Vasco S, Bernardo M, Matilda M – 7A

A Minha Casa de You Tuber

     U-Bahn Control Room

James P. Morse via Compfight

    Na minha casa de sonho, não só posso fazer vídeos como também conviver com os meus amigos e família. A minha casa não ia ser só minha, ia também partilhá-la com dois amigos meus, o Duarte F e o João M.

    No primeiro andar (não, não é o rés-do-chão) haveria os meus dois quartos e a minha casa de banho. O meu primeiro quarto iria ter um roupeiro elétrico, com imensas t-shirts costumizadas do meu canal de you tube, uma king size bed, uma televisão Samsung curved tv e um sítio para eu carregar o meu telemóvel e o meu tablet sem ter de usar fichas.

     O meu quarto de jogar e de editar vídeos teria uma secretária curva no canto do quarto, com um ecran triplo, umas colunas para ouvir música enquanto edito vídeos, uma PS4, uma Wiiu, um computador de jogos, um computador de pesquisa, um computador com um disco rígido gigante, um servidor e um programa de edição de vídeos.

Duarte P (2015)

(Atualmente no Colégio dos Plátanos)

Voando num Papagaio de Papel

Orillia Ontario Canada ~ Leacock Museum ~ Boat House

Onasill ~ Bill Badzo via Compfight

Dedicado a Carolina F

     A Carolina soltava papagaios na praia do Guincho sempre que estava vento; nas tardes de calmaria, o seu papagaio colorido oscilava como um caracol hesitante e ela perdia o entusiasmo por este desporto. 

      Vivia numa casa singular: ficava no meio de um lago, rodeada de água de um azul profundo, por todos os lados. Só podia sair de barco, quando o Pai a levava, na sua lancha rápida que deixava um sulco branco na superfície espelhada das águas.

      Por isso Carolina ficava muitas vezes a vigiar os ventos na sua janela que tinha grades onduladas de ferro forjado e um canteiro de flores azuis. Ela sonhava poder um dia sair sem a ajuda do Pai, voando, suspensa, no seu próprio papagaio de papel.

(texto  construído a partir das palavras atribuídas aos desenhos improvisados com as letras do nome

C – A – R – O – L – I – N – A; segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida da Fonseca Santos.

Exercícios Criativos


Jovem Sofia

Spin Painting 32                   Mark Chadwick via Compfight

   Dedicado a Sofia L

Era uma jovem Sofia

Que inventava a sua paz

Muito para lá do céu

Buscava a sabedoria

De um modo que ninguém faz

Mas que lá sabia Deus

Tinha muita paciência

Com o seu horário de estudo

E acumulava ciência

Durante parte do ano

Até desfilar no Entrudo

Vestida de Marciano

Quase chegando o verão

No teatro era uma fada

Que cuidava da floresta

Onde se ouvia a canção:

” – Em férias, não estudes nada

Torna a vida numa festa!”






As Maiores Amigas


David Kingham via Compfight

     As melhores amigas não se conheciam, mas os pais delas eram amigos, só que nunca tinham apresentado a Inês e a Carolina…

     Numa tarde, o pai da Carolina combinou um jantar com os pais da Inês e tinham que levar as filhas.

     Quando chegaram ao restaurante, já sentados, chegaram os pais da Carolina. Qual não foi o seu espanto, ao saber que os pais das duas eram velhos amigos!

     Combinaram então um acampamento numa floresta deliciosa. Quando chegaram, todos juntos ao local do acampamento, decidiram que os pais das meninas ficariam em duas tendas e elas partilhariam uma pequena tenda roxa que tinha uma janelinha de plástico transparente.

     As duas amigas contaram segredos e davam risadinhas á doce luz de uma pequena lanterna. Lá fora, ouviam-se ruídos: o piar das corujas e o sussurrar dos ventos nas folhagens.

     Depois desses cinco dias, foram para a escola e souberam que frequentavam a mesma escola há muitos anos, só que em turmas diferentes e ficaram as melhores amigas para sempre!

Carolina F, 6C

Why I Like Technology

   Blue vivid image of globe and space tin can

Creative Commons License Patrick Bombaert via Compfight

     I like technology because nowadays technology is making people more connected and if I want to talk to my father, who lives in Brazil, I can just skype him and have the opportunity to see his face.

      And if I want to play a game on my iPad,  I can download it and in one minute I will be playing the game, thanks to the very fast internet connection that people can have in their houses and basically be connected to the whole world, just with a little router.

Duarte P, 8C

(Atualmente no Colégio dos Plátanos)