Quem será o meu Príncipe?

pegasus

Eddi van W. via Compfight

     Se eu quisesse ter um príncipe, ele seria alto, moreno, de olhos verdes. Seria sincero comigo, diria tudo o que pensava, o que sentia dentro do seu coração, diria o que pensava sobre mim.

      Essas coisas de dizerem que querem ter um Príncipe Perfeito é tudo uma treta. Os Príncipes não são como nós queremos, têm defeitos diferentes e nós gostamos deles à mesma e achamo-los engraçados quando têm sentido de humor.

     Nós não escolhemos por quem nos apaixonamos, o amor é que nos aparece à frente e o nosso coração diz para nós: “- Estou apaixonado.”

      Para manter o amor temos de nos dar bem com a pessoa de quem gostamos, sermos nós próprios e fazermos bem a quem amamos.

Sara M, 6C

Print Friendly

Minha Querida Mãe – II


madalena_diario_2

Imagem: Oficina de Escrita

    Ah, Mãe, ele é lindo, que “swag”, ah, Mãe, desculpa, “swag” é estilo, ah ah, é a palavra que agora se usa para estilo.

     Mãe, o pai já está a dizer que o jantar está pronto, sim, Mãe, o pai está a cozinhar, ah ah, então vá, nós falamos até às 18 30.

     Mãe, estou tão feliz, ele partilhou coisas tão íntimas comigo, entre as quais, o pai ter falecido há uns dias! Mãe, e agora, com a minha experiência do que é perder alguém, sinto-me capaz de o ajudar e de o apoiar.

     Mãe, o Papi já me está a chamar, vou saltar para a parte mais importante e quando tiver tempo, explico-te em pormenor.

     Então, um dia, estávamos só os dois no parque e ele disse-me que o ajudei muito e que me tinha tornado a melhor amiga dele. Depois, nas semanas seguintes, ele afastou-se muito de mim e mais uma vez estávamos no spot e o momento finalmente chegou: ele declarou-se a mim e pediu-me em namoro.

     Mãe, agora abordo o tema ” o Amor é tão confuso”: Mãe, foi estranho ele ficar umas semanas sem falar comigo e depois declarou-se!

     Mãe, não tenho mais tempo tempo, tenho de ir provar o petisco do pai. Não estás cá fisicamente, mas o teu espírito permanecerá para sempre no meu coração.

     Amo-te, mulher da minha vida.

Madalena G, 8B

Print Friendly

A Rapariga das Flores

     Tuscan countryside

Wasfi Akab via Compfight

     Numa aldeia muito distante, vivia um rapaz de 14 anos; ele era pobre, por isso a mãe não o conseguiu pôr na escola e, em vez disso, ele trabalhava, ajudava o pai na quinta do homem mais rico da aldeia.

     Todos os dias, o pobre rapaz começava por varrer as folhas do jardim, dar comida ao cão e à vaca e, por fim, carregar a lenha; e todos os dias recebia duas moedas de prata, enquanto o seu pai recebia cinco.

     Um dia, a caminho da quinta, o rapaz conheceu uma rapariga que levava flores para o senhor António, que era o dono da quinta, pois a mãe do mesmo tinha falecido. O rapaz pediu-lhe uma das suas flores para dar ao seu patrão.  

     Maria Papoila era alta, tinha os cabelos castanhos cor de avelã, usava roupas simples, mas sempre com um sorriso no rosto; não era de muitas conversas, apenas as necessárias.

     Quando chegaram à quinta, o patrão já lá não estava, tinh-se mudado para junto da sua própria família, mas deixou a casa para a pobre família de trabalhadores, mais mil moedas. Então, a mãe do rapaz conseguiu pô-lo na escola.

      Ele andava muito feliz, não só por poder ir para a escola, mas também porque andava a sair com a rapariga que tinha encontrado no dia em que a mãe do Senhor António tinha morrido; ele estava realmente apaixonado, estava a pensar em pedi-la em namoro.

     Então combinaram ir ao restaurante do mestre Zé, que fazia uns belos pratos. E assim foi: ele chegou-se ao lado dela, no fim do jantar e disse:

     – Maria Papoila, tornas o meu desejo possível e namoras comigo?

     Ela respondeu sem hesitar, que sim.

Matilda M, 7A

Print Friendly