Pokémon Go

     Primary Colors of Fun

William Hanlon via Compfight

      O Pokémon Go é um mapa onde uma pessoa se desloca para obter “determinada coisa”. Podemos estar no Pokestop, no Pokémon ou no Ginásio. Com isto, podemos viciar-nos neste jogo, que, por vezes, já levou pessoas à morte.

      Este jogo tem que se jogar de uma forma diferente, com 3G e saber como jogar. As pessoas sabem ou deviam saber que este jogo é um dos mais jogados em todo o mundo.

      Por vezes, o Pokémon tem o satélite interligado com o telemóvel; permite 5 metros de distância para encontrarmos os Pokémons; estes, são apanhados com uma “pokébola” e eles podem fugir ou não. Neste jogo, o melhor e o mais falado é o Picachu.

     Para mim, este é o jogo favorito e também viciante. E hoje passei para o nível quinze!

Vasco L, 7A

Compreender a Tristeza destes meus Alunos

Maple Street Playground

Ryan Alexander via Compfight

Cascais, 27/02/13

       Exmo Sr. Presidente da Câmara,

     Gostaria de colocar um campo de futebol no meu Colégio, pois não tenho dinheiro suficiente para o conseguir comprar, para os meus queridos alunos.

     Senhor Presidente, espero que pense bem neste assunto, pois os meus alunos querem divertir-se nos recreios de 10, 20 minutos e de 1h 30. Também preciso de melhores condições escolares: salas, mobiliário…

     Sr. Presidente da Câmara, mais uma vez, pense bem neste assunto: ao todo é uma despesa de 5 mil euros com as salas e de 10 mil euros para o campo, uma despesa total de 15 mil euros. Obrigada por ter lido esta carta.

Vasco L

Candidato a Presidente da Câmara.

PS – Espero que compreenda a tristeza destes meus alunos.

Vasco L, 7A 

Memórias de Natal

The last memory of christmas

Creative Commons License Matthias Ripp via Compfight

      Lembro-me que, há cinco anos, a minha irmã mais velha, com a minha idade, fez um presépio e, até hoje, ainda o temos: é o presépio da Família.

       Há dois anos atrás, eu fiz uma estrela de origami com a minha professora: ficou lindíssima e está na nossa árvore de Natal. Nós montamos a árvore todos em família e é muito giro.

      Nos dois últimos Natais, os meus pais distraíam-nos, a mim e à minha irmã mais nova, no meu quarto, com o meu avô e quando acabavam de pôr todos os presentes, batiam uma panela na outra para fazer um barulho e depois vinham os meus pais e diziam: ” – Que barulho era aquele?” E nós íamos a correr, felizes, e abríamos os presentes enquanto a minha Mãe nos tirava fotografias.

       O Natal é um momento para celebrar o nascimento de Jesus: um Deus muito importante para nós. Também é o momento de receber presentes, estar feliz, estar junto com a família, e um momento de Paz.

Vasco L, 5C

Miles, o Amigo Fiel

     cachorro-preto-labrador-retriever

 Imagem:  fofux.com

     O meu cão é grande e tem 15 anos. O pêlo é preto, espesso e comprido; as orelhas são caídas; os olhos têm alegria.

     O Miles é querido e pacato. Tem uma pata partida, pois foi atropelado quando era pequenino. Quando vou passear com o meu cão, eu gosto muito.

   Ele trouxe-me uma riqueza que não se pode trocar: a Felicidade!

     P. S. Tenho também uma cadela, um gato e um passarinho, mas conto da próxima vez.

Vasco Lp, 5C

Surf Trip Sines

Crooklets Beach - Waves

Lee via Compfight

      Foi um experiência nova ir fazer uma Surf Trip numa autocaravana.

    No mar, sinto a liberdade de não estar na escola, de não estar sempre a respeitar os professores. E o mar ajuda a espairecer a cabeça.

   No primeiro dia, tomei banho numa fonte, em Sines. Depois de um grande dia de Surf, estavam umas ondas de um metrão e eu só queria fazer uma onda nesse dia, para depois dizer que sou forte!

   No 2º dia, foi o que eu mais gostei, pois foi quando eu fiz uma onda com cinco manobras boas!

   O meu professor de Surf viu e ficou muito orgulhoso de mim e eu fiquei muito contente comigo próprio.

    No 3º dia, tomei banho na praia, também foi uma experiência nova e também foi muito engraçado!

   No 4º dia, apanhei uma tal ventania, que voei com a prancha para os montes, mal me vesti.

   No 5º dia, foi giro, por ser o último dia: dei uma surfada com ondas pequenas, lá de fora, a rolarem até à areia, as esquerdas e direitas.

     Nunca mais me vou esquecer desta Surf Trip!

Vasco L 6C

A Ida à Liga Moche

Santa Cruz : 4

Creative Commons License John Tregoning via Compfight

      Eu, o Sebas, o Quartim e o Queimado fomos à Liga Moche. Fomos surfar e ver o oito do Vasco Ribeiro e do Kikas. Todos nós apostámos no Kikas. Ele ganhou e foi ao pódium.

     Antes de ele entrar, para o seu Hit, desejei-lhe boa sorte. Depois fomos todos surfar. Eu adorei! Experimentei novas manobras e um senhor disse “ – Surfas muito bem!”

     De seguida, fomos ao skate Parque. Como estão a ver, foi um dia muito longo. Adorei!

     Também recebi imensos brindes, como aquela camisa que diz “Amigos amigos, ondas à parte”, um poster, dois cartões para o telemóvel, e também, se nós tirássemos uma foto e puséssemos no Instagram, recebíamos dois guarda-chuvas, dois guarda-sóis, uma camisola e mais 7 pósteres!

Vasco L, 6C

Surf Trip Peniche

Muniz pro surfer

Creative Commons License SayLuiiiis via Compfight

     Mal chegamos a Peniche, eu, o Nuno, o João, o Vasco, o Afonso A. fomos ver a casa do Afonso: era uma quinta enorme, com diversas coisas: tinha um trampolim, uma garagem cheia de fatos, pranchas e também havia lá uma cadela que já estava a “deitar as águas” em situação de parto iminente.

     Sábado, fomos surfar para o Baleal: o João A ensinou-me uma boa tática para ter mais velocidade nos “botames”. Ele diz que é mais importante os “botames” porque se o “botame” fosse bom, a manobra saía bem de certeza.

    Eu tentei dar um “aéreo”  pela primeira vez: até saiu bem!

     O Afonso A, em quase todas as ondas fazia um “aéreo recourse”. O Pai dele é óptimo treinador e surfista e também é muito simpático e calmo.

     Domingo, fomos para uma praia com óptimas ondas. Foi o dia que eu mais gostei, com a minha tentativa de aéreo, mais uma vez e também um lance a soltar as “quinhas” à frente do Nuno.

      Almoçamos no Pingo Doce e depois fomos logo fazer surf. Nos primeiros minutos,  surfei bem e na última meia hora, tentei dar mais dois aéreos “rivense”.

     Os cães também nasceram nesse mesmo dia, eram mínimos, mais ou menos com 13 cm.

      E Fim.

Vasco L, 6C

3 Desejos Concretizados

Dandelion

Creative Commons License Melissa McMasters via Compfight

     Uma vez, soprei um “amor de homem” e o meu desejo nunca aconteceu.

     Um dia, fui escavar um buraco com um amigo, com o objetivo de encontrar uma pedra, algo parecido com ruínas antigas.

     Saiu da escavação, nada mais nada menos do que uma lamparina muito antiga e de lá surgiu um Génio ladino. O Génio Ladino era alto, usava  duas pulseiras e com elas fazia magia; tinha um fone e tudo era feito de ouro.

     Ele surgiu a perguntar quais seriam os meus três desejos.

     Mas eu só lhe respondi no dia seguinte. Então já tinha pensado:

  • Ter uma família feliz para sempre.
  • Ter uma namorada gira.
  • Ter muitos amigos.

      E logo aí obtive o que sempre tinha estado a pedir ao “amor de homem”!

Vasco L, 6C

O Duarte Nasceu!

newborn boy

Jonnie Andersen via Compfight

     O Duarte nasceu na semana passada: ele é super fofinho; ele é um pouco alto, nasceu com 3 kilos, ele já abre os olhos que parecem estrelas cadentes caídas do céu. Ele ainda não tem cabelo, mas quando tiver, vai derreter as miúdas todas da escola e por todos os sítios por onde passar, elas vão ficar de boca aberta!

     Ele é bonito, mas quanto mais velho, melhor tem a noção do que faz.

     Conselhos, Mano: sempre que vires uma menina gira, vai falar com ela e elogia-a. Sempre que tiveres um amigo, não o persigas para estar sempre contigo, senão ainda se vai afastar de ti. Partilha com ele coisas de que gostas e semeia boas trocas de palavras.

     Sê persistente, Mano!

Vasco L, 6C

A nossa Ida ao Bounce

bounce_vasco_lImagem: Bounce Portgugal  

     Foi emocionante para mim uma nova diversão com os meus amigos: Juliana, Mariana, Maria, Matilde e Henrique. Foi super bom, eu experimentei dar um mortal para a frente com uma prancha, eu gostei também, principalmente, de estar com os meus amigos.

     A Matilde O. deu boleia a mim e à Mariana S, até ao Bounce, ir e voltar; falamos sobre várias coisas divertidas. Quando chegamos ao Bouce, a mãe da Matilde foi-se embora para o supermercado. Passado uma hora de diversão no Bouce com os meus amigos, ficamos com fome e, com o troco que sobrou (1 Euros)  não dava para comprar nada.

      Então eu e a Mariana pedimos aos pais dos meus amigos se podíamos ir lá para fora e. só por acaso, encontramos 5 Euros! Demos um euro a cada um e lá fomos nós comprar comida ou uma bebida. Depois, contamos tudo à mãe da Matilde, ela ficou de boca aberta.

     De seguida, a mãe da Matilde foi levar-me a mim e à Mariana, ao Colégio para os nossos pais nos irem buscar. Eu e a Mariana ainda conversamos um bocado sobre “coisas” interessantes …

     E depois dissemos um ao outro: Adeus!

Vasco L, 6C

Virar a Casaca

    Tiger Fight

Creative Commons License Fraser Mummery via Compfight

     Era uma vez um grupo de rapazes fortes, os “Super-Style” em que os líderes eram o Martim e o Mário. Treinavam todos os dias. Iam treinar para o ginásio e era por isso que tinham aquele cabedal.

     O Jorge estava no grupo dos fracos, os “Vídeo-lingrinhas”: iam todos os dias para casa jogar vídeo jogos (treinar os dedos). Era por isso que não tinham músculos.

     Os Líderes dos Super-Style pediram que lutassem contra eles. O Jorge, mal soube disso, virou a casaca, foi logo para o Grupo dos fortes.

    O Grupo dos Super-Style deixaram-no entrar para o seu grupo, porque não sabiam que o Jorge tinha virado a casaca, isto é, tinha abandonado o Grupo dos Vídeo-Lingrinhas, que era mais fraco, porque ele só queria ganhar.

     Os Super-Style, como era de esperar, ganharam esta luta! Mas quando descobriram o que tinha acontecido, os líderes,  Mário e Martim, e o próprio Grupo dos Vídeo-Lingrinhas, nunca mais lhe dirigiram a palavra.

Síntese

O Jorge ficará sem amigos por ter virado a casaca.

Vasco L, 6C

Super-Poderes

thundermans-800x450Imagem: Slime Cup     

     Era uma vez uma família poderosa: todos tinham poderes, tais como: uns lançavam raios das mãos, outro tinha uma força imbatível; os dois irmãos mais velhos tinham um hálito quente e um hálito frio, para congelar e descongelar; dos dois mais novos, um corria super rápido e o outro deitava lasers dos olhos. Eles salvavam o mundo.

    O Max era um vilão cujo melhor amigo era um mau que se tinha tornado num coelho falante. Desencadeou-se uma guerra entre o mal e o bem: uma espécie de bebé falso vai aterrorizar todos os bebés do mundo, transformando-os em monstros.

     Os nossos heróis vão enfrentá-los num poço: os Thunderman enfiaram o nosso vilão num poço infinito de bolas onde os bebés de novo fofos ficaram.

     Passados alguns meses, veio um meteorito que descontrolava os poderes dos nossos Thunderman. Tão descontrolados ficaram que o Billy tinha um baloiço elástico. A Nora usava uns óculos para não deitar lasers dos olhos.

Vasco L, 6C

Ano Novo 2016

vasco_setubalImagem: Ano Novo em Setúbal

     Na passagem de ano vi muito fogo de artifício, foi muito bonito! Eu nunca tinha ido para a cama à uma da manhã, foi o melhor dia do ano!

     Fui a Tróia ver o fogo e também conseguia ver o de Setúbal. Via tantos fogos, eram tão giros, fiquei de boca aberta!

     Comi dez passas; para cada passa, devia pedir um desejo, mas só pedi três. Também pedi que o mundo ficasse melhor.

Vasco L, 6C

Uma Tragédia Surgiu

Flying the California Desert with Fire Chief

Russ Seidel via Compfight

     O meu professor de Surf, com aqueles carros ingleses de Surf ia ter uma reunião com a minha mãe. Eu estava a jogar na rua quando ele passou, mas o carro não tinha travões; sem querer, chutei a bola com muita força e o carro começou a andar instantaneamente.

     Fui a andar de skate para ver se eu encontrava o carro, mas não. Percebi que tinha o meu I-Pad na mão e, de repente, eu tropecei e caí ao chão, pois o skate tinha batido numa pedra e o meu I-Pad partiu-se em pequenos fragmentos, como se fosse uma peça de vidro.

    Então, fui a casa, e disse à minha mãe o que tinha acontecido. A minha mãe disse que tinha de procurar melhor. Mas nada surgiu. Voltei a casa e disse ao meu professor de Surf que não encontrava o seu carro. Ele aceitou as minhas desculpas e ficou tudo bem.

    Isto foi um sonho, UF!

Vasco L, 6C

O Pai Natal Aleijou-se

     This is just the leftovers

Creative Commons License MoToMo via Compfight

     Na noite anterior à festa, o Pai Natal tinha muitas entregas para fazer em Inglaterra; ao entrar numa casa, tropeçou e, como  não se lembrou que já não era magro, o Pai Natal caiu da chaminé e fez uma ferida no joelho.

     O Pai Natal começou a gritar muito alto e a dona da casa foi à sala;  o Pai Natal percebeu que ela sabia a sua identidade. Então a senhora cuidou dele, e disse que podia fazer as entregas.

     Lá foi a senhora e entregou todas as prendas e ninguém suspeitou. Ela percebeu que o Pai Natal só estava gordo porque as pessoas punham muitas coisas boas,  como chocolate, na mesa do jantar.

Vasco L, 6C

O Náufrago

 Vasco_l_6-cVannaGocaraRupaImagem: Lonely Planet Creative Commons

     Estava num avião de mercadoria, ia fazer entregas, mas o motor teve uma falha e ele tinha pelo menos sete entregas para fazer!

     Com sorte, aterrou numa ilha, mas com muita pouca sorte, não havia lá ninguém. A comida, já quase não havia, a única coisa que lhe restava eram  sete caixas: cada caixa tinha uma coisa útil, mas uma delas tinha uma bola que ficou a melhor amiga dele durante vinte anos.

      Experimentou fazer fogo. Para fazer comida: peixe, caranguejo, mas ele só conseguiu fazer fogo no dia seguinte. Nas ilhas, de manhã, está bom tempo, mas à noite é uma tempestade. Ele, já bem cheio, construiu uma barraca e nela viveu 20 anos!

     Ninguém sabia onde ele estava. Fez uma conta de quanto é que a ilha media e onde se situava.

      Quando estava a pescar, encontrou metade de uma casa de banho portátil. Construiu uma jangada em que o teto era a metade dessa casa de banho. A jangada tinha de ser muito resistente para atravessar as ondas e o oceano pacífico.

     Passados 3 meses, o homem já estava em terra firme, na América. Foi considerado como a pessoa mais corajosa da América. E foi entregar a encomenda que não tinha aberto ainda!

Vasco L, 6C

Ir mais longe a Português e a Ciências

 

 Caver at the Kings's Shower wrcochran via Compfight

Objetivo: A Carlota e o Vasco  querem melhorar a sua média a Ciências. 

Tempo disponível: Faltam seis dias úteis para o último teste de Ciências. 

Organização dos tempos de estudo: Vascovai estudar em especial na 3ª , dia 10, quinta 12, terça 17, na explicação das 17h às 18h e na tarde de sábado dia 14.

Carlotavai estudar em especial na segunda, dia 9 e dia 16, na quarta, dia 11 e dia 18, na explicação e na 6ªdia 13, das 17h às 18h.

Estratégias:

  • Intensificar o cuidado em estar atentos nas aulas.
  • Dividir as páginas da matéria por quatro e por seis sessões:
  • Vascoa Ciências dá 7 páginas por cada sessão de estudo, reservando uma sessão para rever tudo.
  • Carlota – a Ciências dá cerca de 5 páginas para estudar por cada sessão, reservando 2 sessões para rever tudo.

      Métodos de estudo:

          (Carlota)

  • Estudo dialogado na explicação.
  • Estudo pessoal: Falar alto; fazer exercícios a português, do caderno de actividades e a Ciências, do manual;
  • Estudo dialogado em casa: pedir à Mãe para fazer perguntas. a Ciências.

      (Vasco)

  • Estudo dialogado na explicação.
  • Estudo pessoal:
  • Fazer exercícios de Português e de Ciências.
  • tapar a matéria com uma folha e repetir mentalmente.

         Autoavaliação do domínio dos tópicos de estudo:

  • Verificar o domínio dos assuntos em Ciências colocando um “V” diante dos tópicos de estudo:

    1. Sistema digestivo: tubo e órgãos          

    2. Transformações dos alimentos na boca

    2.1. no estômago

    2.2. no intestino delgado

    2.3. no intestino grosso.              

    3. Digestão nos carnívoros

    4. Digestão nos herbívoros

    5. Digestão nas Aves

Carlota C e Vasco L, 6C

Momentos Escolhidos

     vasco_l_sol_troia_mini

     Imagem: Troia Resort

     Os meus primos e eu, de madrugada, fomos andar de bicicleta, desde Sol-Tróia a Tróia – 2 km ir e voltar – pois estávamos a procurar o meu tio. Ele não se tinha perdido, eu é que tinha exclamado que chegava primeiro.

     Passado uma semana, vieram os brasileiros, os amigos do meu pai e eu não adorei que eles viessem – a empregada era fixe, pois ensinava-nos muitas coisas, como jogar às cartas, mas jogos do Brasil, em que temos de pôr as cartas por números seguidos. 

vasco_l_waveblue

     Imagem: chriseatsacrisp

     Passados cinco dias, já eu estava em Sagres a divertir-me a fazer Surf, pois quando apanhei uma onda, apercebi-me que era o sítio perfeito para Surfar.

     Apanhar uma onda é uma grande sensação, pois quando damos alguma manobra, sentimo-nos felizes. 

Vasco L, 6C

De Quem é este Dragão?

There's a Dragon in My PoolCreative Commons License Rob Shenk via Compfight

Este dragão

É do meu avô comilão

Come, come, come,

Que nem tem noção.

Este dragão gosta de voar

Quando quer chegar

A um ponto,

não o consegue alcançar.

Este dragão

Faz as coisas em vão

Voa, voa, voa

Nem se lembra que é comilão!

Este Dragão

É um fortalhaço

Parece um Dragão

Feito de Aço!

Vasco L, 5C

Entrevista a 4 Mãos – II

BICO-CHATO-DE-ORELHA-PRETA (Tolmomyias sulphurescens)Creative Commons License Dario Sanches via Compfight 

8. Que deve fazer um adulto para não perder o contacto com a sua infância:

Mariana: Ter um objeto que, sempre que ele olhe para ele, faça vir uma criança ao seu coração. Margarida: Brincar com os seus filhos aos bonecos. Carlota: Nunca mudar e deixar-se estar como era antes. Vasco: Ele, no seu sítio secreto, tem uma máquina do tempo que só funciona à noite. A máquina faz a ação e ele ficará onde sempre gostou de estar. 

9. Proposta para atividade na Oficina de Escrita no 6º ano:

Mariana e Carlota: Fazer jogos, jogos  de escrita e festas. Margarida: No Carnaval, organizarmos um dia para fazermos jogos.  Vasco: Gostava que houvesse um quadro.

10. Como é gostar de alguém?

Mariana: Gosto de uma pessoa porque ela gosta de mim e quando estou triste, ela me ajuda e assim eu gosto dela. Vasco: Ficando com ele ou ela vários tempos. Margarida: Pelo olhar e o sentimento.

 Carlota:  Gostar de amizade; devemos estar sempre lá para ajudar, mesmo no momento mais difícil, e gostar de uma pessoa é admirá-la, não por fora, mas por dentro.

11.Para que serve sonhar acordado?

 Mariana: Sonhar acordado faz-nos pensar nas coisas que vêm na imaginação. Margarida: No primeiro ano, comecei por contar na aula, mas eu não ouvia ninguém. 

Carlota: Sonhar acordado ajuda-nos a pensar sobre a vida real, mas sem pensar nos problemas que podíamos ter por causa disso.

12.Que sonhos se estão a tornar realidade?

Carlota: O sonho de passar o ano e de ter muitos, mas mesmo muitos amigos. Margarida: Gostava de estar no terceiro ano de novo. 

13. Pressentimentos – Como sabemos que algo vai acontecer?

Margarida: Gostava que me dessem um iphone. Isso não sei se vai acontecer. Carlota: Às vezes sonho com o futuro ou tenho um pressentimento estranho. Vasco: Paro e sei que isso vai acontecer; e não vais deixar isso ir-se embora, pois assim não vais ter o que sonhas. Mariana: Sei, pois algo vem ao meu coração.

Entrevista a 4 Mãos – I

Three Gulls Eric Bjerke via Compfight

1. Um momento inesquecível que marcará para sempre a memória do nosso 2º Ciclo:

Carlota e Mariana: A Festa do Carnaval. Vasco: A Festa da Centésima Lição. Margarida: O Carnaval.

2. A maior dificuldade que as exigências do estudo trazem à nossa vida:

Carlota:  Quando eu estou a estudar tenho sempre uma coisa melhor para fazer. Vasco: Estar a pensar nas respostas.

3. Uma pergunta que me persegue de vez em quando:

Mariana: Por que é que nós morremos?

Carlota: O que vai acontecer depois da morte? O Charlie e a Maria Sangrenta são verdadeiros? Os espíritos estão aqui ao meu lado? Por que há vida neste planeta e se calhar não nos outros? Vasco: Como será depois da morte? Em cima das nuvens, as pessoas boas estão lá a morar?

4. Um acontecimento que se possa considerar quotidiano e espantoso ao mesmo tempo:

Mariana: O facto de haver amigos. Carlota – O mistério da vida. Vasco: Surfar e jogar futebol; há vários amigos e assim convivemos com todas as pessoas. Margarida: O facto de existirem os irmãos.

5. A frase que eu diria a um amigo num momento difícil:

Mariana: “Não fiques assim, tu vais conseguir vencer essa tristeza.” Carlota: “Eu vou estar sempre aqui para te ajudar e apoiar para sempre.” Vasco: “Se não fores tu, quem será a brincar e a fazer loucuras comigo?” Margarida: “Sê forte, nunca desistir, tem coragem.”

6. Se o meu 5º ano se transformasse num animal:

 Mariana: num Leão, porque é forte e é o rei. Margarida: Para mim, seria um Leão. Vasco: Um papagaio, pois tem várias cores  e as cores são um destino. Carlota: Leão, porque às vezes é muito mau e às vezes é muito meigo.

7. Três desejos para realizar durante o Verão 2015:

Mariana: Estar com os meus amigos, divertir-me imenso e aproveitar o tempo que resta com a minha irmã antes que ela vá para os Estados Unidos. Margarida: Eu quero voar, sair à noite e, todos os dias, ir ao Jacuzzi.

(Continuação aqui)

Uma Viagem a Marte

     Borizu Outterspace visitors CHILDREN OF DARKLIGHT [DKL] via Compfight

     Eu tornei-me num extraterrestre e fui a Marte. Reparei em três coisas: não havia ar, não havia água e havia pessoas. Fiquei de boca aberta por não estar a sufocar, pois gostei do que aconteceu. Assim, pensei que havia mais alguma coisa que eu poderia descobrir. Encontrei mais seres iguais a mim, que disseram o seguinte:

     – Olá, Rúben!

     Eu fiquei espantado, mas eu era o Alfredo; mas, se calhar, para eles, poderia ser esse tal Rúben.

       – Olá amigos. – Respondi como Rúben.

       – Queres vir brincar às escondidas?

       – Sim!

     Assim descobri mais uma coisa: Marte era o melhor sítio para jogar às escondidas. Tinha várias pedras, buracos e túneis enormes e contínuos.

     Quis fazer mais uma experiência: se eu desse um salto e se esse salto fosse como se diz que eram os saltos em Marte, muito altos? Mas não deu, acho que por  causa do ar dos astronautas. Se não desse saltos com uma grande altitude, não seria divertido.

Vasco L, 5C

O Xerife da Cidade – “Uma Catástrofe”

Bald Eagle Fishing Sequence Lorne Sykora via Compfight 

     O dia era seco no deserto. Um senhor foi lá passar as férias; quando chegou, não havia praticamente água. Ainda só havia água num cofre  com 10 m3 de água para 53 pessoas; com ele eram 54 pessoas.

     Nesse sítio havia uma águia muito grande e o Xerife que lá mandava ainda não tinha derrotado a águia feroz e enorme.

     O Senhor que lá estava a passar férias, enfrentou a águia e derrotou-a. Daí em diante, muitas catástrofes aconteceram.

     O Senhor tinha uma arma, mas só tinha uma bala e disparou contra uma corda que segurava um tanque de água, mas que não tinha água, tinha areia; o tanque de água caiu mesmo em cima da Águia, derrotando-a. Com uma única bala ele derrotou a Águia e tornou-se o novo Xerife da cidade.

     Este Senhor armou-se muito, pois podia engraxar sapatos como o último Xerife. Então o Senhor prometeu ir numa longa viagem para procurar água e garantiu que trazia água. Voltou sem nada, desapontado, e sem nada nas mãos.

     Mas antes houve uma guerra, com uma cobra grande, que era o verdadeiro Xerife da cidade e o seu  amigo que o tinha enganado. Pois uma tartaruga montara-lhe uma armadilha sem hipóteses de sobreviver.

     Então, o chão começou a estremecer, a água saiu do chão, como se nada fosse, e levou os maus embora na corrente.

     Aquele sítio passou de completamente seco para uma praia com água, a única coisa que ainda não havia lá. A partir desse dia, o Senhor foi o verdadeiro Xerife da cidade.

Vasco Luvish, 5C

Nevão

  vasco_neve

     Imagem: Georges Roth

     À nossa frente ondula uma estrada larga, marcada pela passagem das rodas das carroças, a neve branca e fria nas bermas da estrada, de onde se expande um campo grande e bonito.

     Mais adiante, um monte que se alonga, com arbustos cobertos de neve, árvores altas com poucas folhas nos ramos. Ao lado, algumas casas, os camponeses a falarem; um, que está sentado num cavalo, poderia seguir para outra terra distante.

     Ao fundo, do lado esquerdo, o cimo de uma montanha alta e coberta de neve, que as nuvens cinza e rosa sobrevoam – sinal de que não vai chover.

    E lá no alto, o céu azul, num divertido dia em que se pode brincar, pois quando olhas para uma paisagem bonita, ficas emocionado.

Vasco L, 5C

O Fantasma Poderoso e Assustador

     Inky, Blinky and OMGWTFBBQ!!!11 Jason Nobody via Compfight

    Dois rapazes foram ao cemitério, visitar o túmulo da bisavó, no seu dia de anos. Iam muito assustados com a escuridão, árvores assombradas e tudo muito repugnante.

     De repente, os dois amigos ouviram um som muito assustador a exclamar:

    – Saiam do meu cemitério, pois assim vão sofrer com a minha força e habilidade!

     Os dois amigos disseram, respondendo à voz estranha que lhes falara:

     – Só deixar fe-fe-fe-flores à nossa bi-bisa-bisavó, po-pode ser?

    – Não, voltem para trás, senão serão assombrados para todo o sempre.

   – Sim, está bem!

   De seguida, os dois amigos foram embora a correr, recambiados para casa, mas o fantasma nunca faria o bem, só seguia o caminho do mal;  os amigos, embora desconfiados, acabaram por pensar que o fantasma não lhes iria fazer mal.

    Ora o fantasma maldoso perseguiu-os até à sua casa e apoderou-se deles por terem invadido o seu território sombrio e repugnante. Tal e qual ele, maldoso, sombrio, poderoso e assustador.

    Os dois amigos perderam as suas namoradas, os seus amigos e seus pais perderam a confiança deles.

     Mas certo dia, o fantasma perdeu os seus poderes…

Vasco L, 5C

Uma Sensação Sem Igual

inside seals beachbreak gaftels via Compfight

      Se tivesse de apanhar uma onda grande, assim o faria. O Surf é a minha vida eterna!

     Gosto de surfar, principalmente com ondas de dois metros. Já me magoei, já toquei em alforrecas maiores que eu, de 20 centímetros; odeio-as, são moles e peganhentas, parecem ranho, mas nunca vi uma caravela-do-mar – já me disseram que são tão más!

     Para ser um surfista, tem de se apanhar ondas grandes, ouvir o seu professor e fazer treino físico. Diante do perigo, tens de reagir e dizer “SIM”. 

     No meu treino de Surf tenho de me esforçar para obter o meu objetivo. (Devagar se vai ao longe.)Tenho de fazê-lo rápido e bem, porque, se não cumprir o que diz o professor Pedro Marques, conhecido como “O Careca”…

     Ele é muito fixe, mas é duro também:  ele faz coisas que eu nunca pensei fazer, como correr a praia e fazer treino físico à noite. Quando comecei a surfar, ele próprio disse que eu tinha futuro, e agora, depois de dois anos de surf, consegui ver os meus objetivos alcançados.

     Apanhar uma onda boa é fixe, porque ela não me esquece; é bom ter amigos, porque eles ficam ao pé de nós; gosto de apanhar um tubo, porque eu fico histérico.

    É uma sensação gira, a água atrás de nós, nós com a mão na onda… é uma sensação sem igual, juro-vos.

Vasco L, 5C

Um Melhor Momento

Dolphins in Pine Island SoundCreative Commons License Pete Markham via Compfight

     Eu estava em Soltróia, a recolher as conchas – a coisa que eu mais gosto de fazer quando estou na praia.

      De repente, vi a água a agitar-se: vi uma barbatana e, subitamente, salta um golfinho, mas não era um, eram três!

     Eu e o meu pai fomos num catamarã atrás dos golfinhos e, de seguida, o golfinho dá um mortal mesmo à minha frente!

     Um acontecimento inesquecível, a coisa mais bonita que eu já tinha visto!

Vasco L, 5C

Ataque de Piratas


Queen Anne's Revenge in Hawaii
Photo Credit: Joel via Compfight

     Estava no alto mar, a navegar, de repente surge um barco pirata a velejar. Eu estava num ambiente calmo, a velejar, com os meus amigos mais próximos.

     As ondas estavam meio bravas, a corrente não era pouca e só faltava uma coisa má que andava também no alto mar e era muito injusto, mandão e um capitão: “Os Piratas”.

    Mais tarde, quando tudo ficou mais calmo, viu-se um barco de grande porte, e uma bandeira preta que tinha uma espécie de sinal deste género:

vasco_pirates_640Imagem: Pixabay.com

    Todos nós ficámos curiosos de terror.

Narrador: Pois eu também teria muito medo.

     De seguida, eu e os meus amigos içamos as velas, soltamos a âncora … mas o barco pirata lançou uma bola de canhão: o barco furou e não andou. Os piratas fizeram-nos reféns, mas eles tinham uma volta a dar.

   Quando os piratas bêbados já tinham adormecido, nós mandámo-los borda fora, e voltamos sãos, mas destruídos para casa.

Vasco L, 5C

O Meu Natal

 

Brooklyn_Museum_-_The_Nativity_-_Cuzco_School_-_overallAtribuição: Wikimedia Commons

     A Emoção      É uma Alegria no Coração;

     O Natal é o Jesus,

     É daí que nasce a Luz.

 

    As árvores de todos os Natais

   São uma felicidade para todos os casais.

   Eu gosto de prendas:

   São muitas diversões,

   Que nos aquecem os corações!

Vasco L, 5B

 

O Natal

 

Manner_of_Abraham_Bloemaert_-_Announcement_to_the_shepherds_c1600_mini

     Imagem: Wikimedia Commons

     Jesus nasceu no dia 24 de Dezembro; daí nasceu o Natal alegre e de outro mundo. Deus, o nosso Rei, o nosso Pai, o todo poderoso e o mais alegre.

     Dia 24 de Dezembro, todas as Famílias de todos os Países celebram o Nascimento de Jesus.

    A savana é onde uma pessoa corre perigo, inventa as suas próprias histórias, consegue realizar os seus sonhos e isto assemelha-se ao Natal.

    A celebração é a alegria que vem do coração.

Vasco L, 5C

Do Que Eu Gosto Mais

Jazz en sol mineur Hussygny
Creative Commons License Photo Credit: Daniel BRACCHETTI via Compfight

     Eu gosto mais de desenhar do que de pintar, porque desenhar  é ter imaginação,  pintar é só pintar; também é divertido, mas só porque assim cobrimos o nosso desenho.

     Eu gosto de cantar e de tocar bateria, porque é com a bateria que me divirto e com o ritmo que ela faz.

     Às vezes, eu posso escrever, para mais tarde recordar, para recordar os bons momentos da vida.

     Eu adoro cantar e inventar músicas estranhas e, às vezes, invento uma língua, uma mistura de Inglês e Português.

     Gosto de escrever, desenhar, cantar e de falar com os amigos.

     Desenhar é: imaginar, pensar, pintar, é tudo o que posso fazer enquanto estou a desenhar.

     Cantar é: inventar, pensar no que fazemos, ver quem está à nossa volta.

     Falar com os amigos é: pensar no que fizemos, saber pensar no que dizemos, acreditar.

Vasco L, 5C