A Escola Inovadora

   https://www.dn.pt/portugal/interior/portugal-testa-salas-de-aula-do-futuro-5040206.html

     Imagem: Diário de Notícias

     Se eu mandasse numa Escola, como Diretor, seria assim: as aulas eram de uma hora, com intervalos de uma hora.

    Haveria aulas de Educação Física, de qualquer Desporto, pois nós, os alunos é que escolhíamos. Os refeitórios seriam grandes e os professores e os alunos é que escolhiam a ementa.

    A Escola tinha uma piscina para natação e saltos, com dois metros de profundidade, era enorme!

    Os alunos poderiam votar para que algo melhorasse na Escola, como, por exemplo, quando houvesse um conflito, iam os alunos e um ou dois professores resolver por votação. 

    À volta do Colégio havia um jardim privado para professores  com um lago que tinha peixes e gansos. Havia um pavão que tornava chique a parte dos professores.

    Os alunos tinham uma casa na árvore e e o sítio onde eles brincavam era metade de um campo de futebol. Se quisessem, podiam dormir na Escola.

    Se fosse real, uma Escola destas podia valer uns três milhões.

    Todos os meses fazíamos uma visita de Estudo á praia. Quem quisesse podia fazer equitação na nossa quinta.  Podíamos levar pranchas e equipamento de mergulho para observar peixes e estrelas do mar.

    Além disto tudo, tínhamos regras, pois são fundamentais para o funcionamento do nosso Colégio.

(Ditado)

Francisco N, 6A

O Monstro das Profundezas – 2

Hello HaloweenCreative Commons License Maurits Verbiest via Compfight

     De repente ouvi:

    – Ali está o Monstro!

    Peguei no rapaz e fui para o vulcão dando os meus saltos de grande alcance.

    Enquanto escalávamos, um dos caçadores acertou-me com uma das suas balas frias e perfurantes, mesmo no braço onde eu segurava o pobre rapaz indefeso.

    Sem querer, larguei-o e caiu pela cratera do vulcão. Como a cratera era muito funda, enquanto o menino estava a cair, eu saltei para o ajudar. Como eu sou á prova de fogo, consegui agarrar o menino em plena queda, antes que ele fosse derretido pela lava.

    Atirei então uma bomba que fez ir os caçadores pelos ares, e como viram a minha bravura, não se atreveram a chamar-me monstro. Ofereceram-me, como recompensa, uma cura, para eu voltar a ser um rapaz normal outra vez.

    O meu companheiro tornou-se um grande amigo e fomos para a mesma escola!

Francisco M N, 6A

O Monstro das Profundezas – I

Arenal volcano, Costa Rica Gregoire Dubois via Compfight

    Eu, o Monstro das Profundezas, aterrorizo as cidades por causa dos meus superpoderes mutantes! Os meus poderes são: lançar fogo das mãos e saltar tão alto que posso andar de prédio em prédio; o meu último superpoder é a invisibilidade: é fantástico!

     O único problema é que as autoridades querem apanhar-me e prender-me. Acho que esse é o preço a pagar por ser um monstro.

    A minha casa é um enorme vulcão no Hawai. É divertido viver num vulcão, pois nunca tenho frio. De noite, caço animais, como aves ou peixes, pois sou carnívoro.

    Eu não faço mal às pessoas, mas como sou diferente dos outros, eles têm dificuldade em comunicar comigo.

     Um dia, um menino encontrou-me perto do vulcão, estando eu já cansado de caçar as aves que estavam a dormir, para o meu pequeno-almoço nutritivo.

      O menino estava num acampamento de escuteiros e tinha-se perdido, mas, em vez de me atacar, dormiu comigo e deu-me festinhas, pois eu sou meio-animal, meio-monstro.

      Quando acordei, tentei levá-lo para o acampamento, pois, enquanto tinha estado a caçar, apercebi-me do local de encontro dos escuteiros.

      Quando nos aproximávamos, outro menino viu-me e foi contar aos caçadores da floresta, que foram logo à minha procura! De repente, ouvi:

      – Ali está o monstro!

(Continua)

Francisco M N, 5A

Partilhando o Itinerário de Estudo

https://getstencil.com/app/savedImage: Stencil

 Esta tarde, na Oficina, o Miguel M e o Francisco M N  do 6ºA partilharam uma reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 – Horário de estudo em casa

Francisco – Quanto ao Horário, sei o que faço: na 2ª, 3ª 5ª e 6ª tenho karaté e basquet, por isso não consigo estudar. Às Quartas, estudo com a minha Mãe e, ao fim de semana, às vezes. Tenho torneios de Basquete e quase não consigo estudar. Por exemplo, amahã vou ter toda a manhã torneio e só vou ter dois dias para estudar para os próximos testes.

Miguel Sei que estudo 2ª 4ª e  6ª e alguns Domingos. Pratico Karaté à 3ª e 5ª. Ao Sábado vou aos Escuteiros e não posso estudar; alguns fins de semana vamos acampar. Este fim de semana vou para fora.

2 – Qual o grau de dificuldade do TPC que tem prioridade

 Francisco – Começo por fazer os TPC mais  difíceis. Se tiver tempo no próprio dia faço logo, se não faço no dia anterior.

Miguel – Quanto mais tempo demorem é que decido: faço os que demoram mais no fim. Para ter tempo de ainda fazer alguns e não ter faltas a todos.

3 – Intervalos durante o Estudo

Miguel – De matéria em matéria, ou quando acabo um TPC, faço pausa.

Francisco – Como estudo com  a Mãe também vamos conversando. Se há uma pergunta que não percebo vou estudar ao manual.

4 – Preparação de Testes

Miguel – Estudo na semana da véspera, estudo por capítulos ou partes.

Francisco – A Mãe vai ao “inovar”, tira o horário dos testes e cola na minha secretária.

5 –  Estratégias de Estudo

Miguel – Costumo estudar aos poucos, a minha mãe arranja-me fichas e faço exercícios dos livros.

Francisco –  Neste momento estou a usar uma técnica de estudo que a minha Mãe usava: lemos tudo seguido, mas parando em parágrafos ou assuntos: lemos várias vezes e repetimos várias vezes.  Gosto de repetir em voz alta. A Mãe faz uns apontamentos e eu levo-os no carro e vou dando uma olhadela até mesmo antes do teste.

Miguel – Lendo os resumos do final dos capítulos e depois a minha Mãe faz-me perguntas. Se não souber, vou ler de novo. E a Mãe repete as perguntas de novo.

6 – Ao rever mentalmente uma regra, uma fórmula matemática ou uma informação para ser classificada, forma-se uma imagem interior visual ou auditiva? Como é o  “fantasminha mental”. Ex:  Experimentemos somar 49 com 11.

Francisco – No 5º ano conseguia fechar os olhos e ver as palavras ou então ouvia a voz do prof a falar. Este ano uso mais a técnica da Mãe que é repetir em voz alta.

Miguel – Ouço a voz do meu pensamento; fecho os olhos, vejo luzes de várias cores ou efeitos enquanto o pensamento dita a matéria.

7 – Revisão Final para o Teste:

Francisco – Os Apontamentos da Mãe.

Miguel  – Na véspera, com a Mãe a fazer pergungtas. 

8 – O que favorece a concentração:

Miguel – Silêncio ou com alguém que não brinque, como o Pai ou a Mãe. Em total silêncio.

Francisco – Completo silêncio, no quarto, com a porta fechada; às vezes, quando estou a ler a matéria, meto uns “fones” e leio tudo, depois fico a pensar enquanto a música dá. Música calma, tranquila.

Sugestão de uma pergunta que seja útil aos colegas na iniciação à Metacognição

Francisco Pensem num quadro e num giz a escreveros números vendo o movimento dos números a aparecer à medida que o pensamento os dita.

Miguel – Pensem numa pergunta matemática: depois fechem os olhos e digam como é que fizeram a conta na vossa cabeça.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição. 

Miguel M e Francisco M N , 6A

Conversas na Oficina

Os Mistérios da Linguagem – II

smart cookieImagem: Leonard J Matthews Flickr CC

     As pessoas podem ser possuídas por uma “carga agressiva” porque temos emoções,  e transmiti-la nas palavras, pois as palavras, se voam como gaivotas, também nadam como tubarões.

      A força das palavras para “voar” indica que elas criam sonhos e superam obstáculos; a agilidade das palavras em “nadar” também nos mostra que elas podem impor limites e fazer o outro parar.

      Comunicar não é só falar, mas sim escutar, pois nem sempre se trata de falar com palavras, mas sim escutar a beleza das palavras das outras pessoas. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

Mãe, és um Amor

An antidote to winter

Michael Levine-Clark via Compfight

     Se eu estiver a chorar, Mãe, tentas tudo para me fazer rir, mas quando não resulta, dás-me beijinho e abraços para eu me sentir melhor.

     Mãe, tu és uma pessoa boa, falas de modo calmo – quando não te zangas – e de modo correto, sem dizer asneiras.

     Mãe, és linda com qualquer vestido, e ficas maravilhosa com aquele macacão azul-bebé com alças!

    És uma pessoa imaginativa: o nosso querido cão foi chamado de “Bem” e ainda lhe chamas “Peto da Guiné”.

    Todas as noites vens ao meu quarto e dás-me a mão. Se eu tiver um pesadelo, vou ter com o pai e ficamos todos juntos a dormir.

    Agradeço-te todo o amor que tu me dás e a energia, quando estou mais cansado. Agradeço o dinheiro que tu gastas comigo, é incrível.

    És um Amor.

     Mãe, neste teu Dia, desejo-te tanta felicidade como a que sinto, quando encesto e faço 2 pontos e neste 3º Período, prometo-te boas notas!

Francisco Miguel N

 

Os Mistérios da Linguagem

    Smart Cookie

Creative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      É tão estranho nós comunicarmos em palavras! Como as inventamos? Como lhes injetamos um significado? 

      As palavras não vêm assim do nada: vêm do nosso coração, mesmo que seja uma palavra má. Mas depois percebi que, por vezes, as pessoas são como que possuídas por uma palavra que tem carga agressiva. Não pretendem agredir os outros.

     Sempre achei que um palavrão fosse uma autêntica porcaria Mas as palavras más apagam-se com um pedido de desculpa simples e sincero e, se escapar um palavrão, podemos usar uma leve ironia, como: “não se fala com a boca cheia”.

     Como é que nós conseguimos falar e transmitir emoções, através de palavras, como, por exemplo, “Amor”?  Por exemplo, as palavras “Amigo”, “Paz” e “Amor” são palavras que nos mexem no coração.

      A palavra “Família” é linda e é a palavra que une muitas pessoas em comunidade de amor.  Viver a palavra “Família” pede muito cuidado, dedicação e tempo livre, senão ela passa-nos despercebida.

      As palavras criam confiança entre as pessoas e são como uma “chave” que abre a porta para todas as aventuras. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

Texto a 3 Mãos

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

Meu Querido Pai

Impressioni portoghesi - bagliore

Creative Commons License Stròlic Furlàn – Davide Gabino via Compfight

      O meu Pai é um homem de altura média, muito forte e musculado; o seu tom de pele é claro, o rosto é redondo, o seu nariz é arredondado e direito; o seu cabelo é muito curto e raro, exceto atrás;  tem olhos  acastanhados e brilhantes como estrelas no céu. 

     Quando a Mãe se zanga, tem um tom de voz forte, e o Pai, quando se zanga, fala num tom calmo. Ele quase nunca se irrita. É muito resistente, se tiver uma ferida ou uma dor forte, ele não chora.

     Tem um sentido de humor hilariante; é profissional no que faz; ele muda lâmpadas como ninguém na Philips; está sempre a inventar novas piadas e, de cada vez, diferentes! Joga basquetebol  comigo entusiasticamente.

     Nunca me esquecerei quando me deu o meu primeiro telemóvel… uma prova de confiança! 

    Costumo ir com o Pai ao Algarve e trazer sempre uma bola, para o Pai jogar futebol comigo!

 Quando o meu pai for velhinho, quero que conte histórias aos meus filhos, para eles também ficarem com recordações.

 Pai, neste teu dia, desejo-te muita saúde e alegria.

Francisco M N, 5A

 

Liberdade Total!

   Skateboarding - Mick O' Connor - Ramalde Skate Park Porto, Portugal

Darren Johnson / iDJ Photography via Compfight

      Eu gosto de andar de skate, porque é Adrenalina, uma forma de vida, dá-me liberdade total! Faço-o aos fins de semana e gostaria de entrar num campeonato!

     Quando vou passear os meus cães – Max, o maior, um Serra da Estrela, a Becas, que é rafeira e o Ben, um Schnauser miniatura – ao mesmo tempo ando de skate.

    Uma vez, o meu cão teve um desentendimento com uma senhora de idade e mordeu-a numa perna: ela teve de ir para o hospital.

Adam Keys - Ollie Over Rail

old_skool_paul via Compfight

     Se eu ensinasse manobras de skate a um amigo, ensinava-lhe o “Kickiflip“: vais  a andar e as rodas da frente têm de estar no ar; a parte de trás tem de bater no chão, para as rodas de trás levantarem. Ensinava o “Ollie“: vais a andar e levantas o skate, o skate gira no ar e cais em pé.

     O verão é melhor para praticar, porque apanhamos vento que nos refresca. Uma vez, no inverno, eu deslizei numa toalha de água e caí no chão.

Francisco Miguel N, 5A 

Verão Espetacular

Gulls on Lake Michigan

Creative Commons License USFWSmidwest via Compfight

      O meu verão foi espetacular! Fui á praia: as ondas baixas, as gaivotas á procura de peixe, era uma maravilha. E ainda por cima foi no Bombarral.

      Mas o meu problema é que eu só queria ir para a Escola. Os meus pais puseram-me na Oficina de Escrita: é ótimo! Ainda por cima tenho a professora Inês.

      A Primária era a melhor coisa da minha vida. E antes, a minha Mãe puxava-me pelo carrinho de bebés. A minha Educadora era a Amélia e as minhas bochechas eram tão fofas, pareciam peluches.

    Desejo aos colegas que cada dia seja melhor.

Francisco M N 5A