O que Cabe em Versos Pequeninos

   1000-and-some Dutch poems

Creative Commons License Ronald van der Graaf via Compfight

      Um Poema, para mim, é algo bastante importante: dá para nós escrevermos o que achamos num determinado e pouco tempo, em versos pequeninos.

     Num poema de amor que eu escrevi e li, posso expressar um pouco de mim, de amigos que estão sempre comigo ou até de alguém que conheci nesse dia. A paixão pode ficar escrita, mas só o futuro o dirá. Até lá, faço a minha vida e continuo a escrever, para mais tarde lembrar-me.  

    A energia emocional desta atividade liga-me a um mundo diferente; escrever um poema dá para relaxar por um tempo, esquecer os problemas da vida…

    Para mim, o preço dos bens não importa, o valor que damos ao que recebemos é que vale e dá a diferença. Um dos valores mais importantes é ouvir os nossos amigos e que eles nos ouçam.

    O Poema também nos permite desabafar, mas ninguém o sabe e, se chegar a saber, já é tarde para ajudar, pois a vida continua e os seus problemas eu resolvi sozinha.

    Podemos escrever como queremos, mas sempre falando com alguém que, se não for da família, seja algum amigo que nos ouça.

(Reflexão Inspirada em “Energias e Relações para Crescer” – Ecologia Emocional de Mercè Conangla e Jaume Soler)

Sofia L, 9C

Print Friendly

Querido Eu – 2

pair of eastern bluebirds

Vicki DeLoach via Compfight

Oficina de Escrita, 18 de Novembro de 2016

     Querido Eu,

     Obrigado pela tua companhia; obrigado pelo cuidado que me dás todos os dias; obrigado pela tua presença ao longo de toda a vida, quando eu estou só e não só: quando eu estou sem ninguém, eu estou comigo e quando estou com amigos, eu também estou comigo. Lembras-te?

     Eu estava irritado para dar o teste de Português à professora, mas eu e o meu “amigo-eu” conseguimos superar esse problema.

     Eu lembrei-me de nós: eu e o meu “amigo-eu” passamos as férias de Natal com a família e primos… estamos juntos com eles e também abrimos as prendas.

    Eu podia não ser eu, podia ter nascido alguém sem ser eu: por isso, “amigo-eu”, somos especiais.

     Eu e eu divertimo-nos e rimo-nos de nós próprios, às vezes por razões “parvas” = tão engraçadas!

     Quando eu estou nervoso para fazer algo, eu luto para conseguir. Quando um amigo se magoa, eu ajudo-o e fico com ele até ele dizer: “Podes ir”.

     Se eu pudesse brincar comigo, queria divertir-me comigo!

Afonso F, 5D

Ideia inspirada no LivroEnergias e Relações para Crescerde Mercés Conangla e Jaume Solers

Print Friendly

A Paz Vivida

   kids_for_peace_logo

Imagem: Kids for Peace.org

     A Paz é um sentimento, um sonho, um ideal, um valor supremo?

     É um pouco de tudo isto.

    Todos os anos uma pessoa ganha um prémio Nobel da paz. O Prémio Nobel consiste em dar a conhecer ao mundo inteiro que, se uma pessoa consegue fazer um pouco disto tudo em favor da Paz, porque não o consegue fazer o mundo inteiro?

     Eu penso que a Paz, para mim, além da interrogação que eu disse, é fazer um pouco de algo nosso, que para nós pode não ser nada, mas para outra pessoa pode fazer a diferença.

     Lembro-me de um dia ter ido a um restaurante onde se fazem pizzas. Tinha sobrado uma inteira: então demos a uma pessoa pobre e tirou-me um peso do coração.

       O meu prof. de Matemática, com o seu enorme vozeirão, tem sido a favor da Paz na nossa turma: sente-se um ambiente à vontade e concentrado!

     A paz não é só entre pessoas, mas também a relação entre nós e o planeta: reciclando, sabendo partilhar, tratando bem os animais…

Margarida C, 5A

Tema inspirado no livro de Ecologia Emocional “Energias e Relações para Crescer” de Mercé Conangla e Jaume Soler.

Print Friendly

Querido Eu

a November fritillary

Vicki DeLoach via Compfight

Cascais, Oficina de Escrita, 18/11/2016

     Querido Eu,

     Obrigada pela tua companhia, que me tens dado quando estou só e não só: em todos os momentos da minha vida, as festas, os jantares em família e com amigos, os jogos de ténis… etc.

     Lembras-te daquele teste de História em que eu pensava que ia ter 30% e tivemos 72,5%? Graças á tua vontade e esperanças até ao final do teste de avaliação.

     Viva nós em todas as vitórias do ténis! Nunca me esqueço dos belos momentos em que saboreamos os gelados.

     Olha como é curioso: podíamos não ter sido criadas para a vida na Terra…

  Coleciono todas as gargalhadas que demos juntas em situações fantásticas ou cómicas! Admiro o teu entusiasmo no convívio, a tua explosão de riso, a tua alegria de viver!

    Gostaria de participar contigo em projetos solidários, como, por exemplo, na Cozinha com alma!

    E sonho ter uma Famíla maravilhosa para além da que já temos!

Beijinhos grandes,

                                       Margarida

Margarida C, 5A

Ideia inspirada no Livro “Energias e Relações para Crescer” de Mercés Conangla e Jaume Solers

Print Friendly

Ecologia Emocional para os mais Jovens

 edicare-energias_e_relacoes_para_crescer-siImagem: Botão Colorido- Um loja de Brincadeiras

     Este ano, no nosso Colégio, foi a descoberta: a Edicare publicou há dois anos esta inspiradora trilogia sobre “Ecologia Emocional” que ajuda os pais e professores a guiar os mais novos na aventura de gerir as emoções a partir das experiências simples com o mundo envolvente sob a perspetiva da Ecologia.

    Os três volumes, divulgados pela professora de EV, oferecem também a sua riqueza de sugestões criativas às disciplinas de ET, EMRC, Ciências e Português, que convergem em trabalhos de Projeto.

    Ainda mal foram abordados, já os três livros despertam nos seus leitores uma girândola de inspirações para aprender a reconhecer e a trabalhar as experiências de vida, bem como para refletir por escrito sobre elas, tornando apreensível a sua natureza fugaz e esquiva, como um voo de borboleta. 

    Os autores – que também têm publicados numerosos livros para adultos dentro desta temática – María Mercé Conanglia e Jaume Soler são os fundadores do Instituto de Ecologia Emocional com o seu conceito-chave de “sustentabilidade emocional”  e o seu código ético

    Inspirando-se tanto nas tradições milenárias da sabedoria humana como nas investigações da psicologia moderna, definem a “Ecologia Emocional” como a arte de transformar a energia que toda a emoção nos traz, de modo que a possamos orientar para o aperfeiçoamento das relações connosco próprios, com os outros e com o vasto mundo que nos envolve.

      A nossa equipa de educadores, iniciada recentemente em formações relacionadas com este âmbito do desenvolvimento pessoal, encontrará certamente, na preciosa trilogia dedicada aos mais novos, uma inspiradora ferramenta de trabalho.

OE

Print Friendly