Um Surfista Incrível

Relaxing timeCreative Commons License Hernán Piñera via Compfight

     Se eu fosse famoso, seria famoso no Surf. Gostaria de viver no Hawaí, onde iria surfar todos os dias às 07h e sairia da água às 19h. Teria uma casa linda, com uma piscina deslumbrante e um enorme jardim cheio de pranchas.

    Por último, também teria um restaurante, onde as especialidades eram Sushi, coca-cola, cerveja e água de côco. A sobremesa especial da casa era bolo de côco com banana.

     Era um restaurante muito caro, menos para mim, pois eu tinha tudo de graça, por ser o meu restaurante, mas era um local muito animado, pois tinha sempre a minha Família e os Amigos surfistas.

    Assim seria o meu mundo!

Simão CB 5C

Momentos de Adrenalina

http://www.theinertia.com/surf/whos-counting-gmacs-controversial-90-foot-wave/

     Imagem: The Inertia

     Quando fui à Nazaré, à praia, andei sobre as ondas de moto-quatro, com o Mac Namara. Lá as ondas eram gigantes e isso metia medo. A certa hora, as ondas estavam a ficar ainda maiores.

   O outro momento de Adrenalina que também me impressionou foi quando fui saltar com o Nelson Evora e ele saltava 18 m em cada salto! Era gigante!

     Quem me dera ser famoso e talvez venha a ser… Se eu fosse famoso, eu queria ser futebolista e ganhar a bola de ouro, a boa de ouro e a Champion League!

    Treino todos os dias, menos ao Domingo, no Dramático de Cascais. Os treinadores da minha equipa são o Carlos e o Guilherme.

   O que eu gosto mais de fazer é a receção e o remate. A nossa tática é “2-3-1” e agora estamos a treinar a tática “1-3-2”. “2” significa os centrais; “3” é o médio direito e o “1” é o avançado. A primeira tática serve melhor para defender. A segunda é melhor para atacar.

    Eu sou médio direito, que é uma das posições mais rápidas, porque o médio direito tem de defender e atacar ao mesmo tempo.

Eduardo M, 5B

Ondas Perfeitas na Arrifana

http://www.arrifanasurfschool.com/

Imagem: Arrifana Suf School

     Era uma vez um surfista chamado Simas. Um dia, ele decidiu ir à Arrifana; lá foi ele. Assim que viu o mar com ondas perfeitas e o céu sem nuvens, sentiu-se cheio de energia.

     Logo de seguida, o Simas encontrou um amigo – isto é, convidou-o – e foram logo para o mar. Surfaram grandes ondas azuis; quando saíram da água, foram para casa brincar, andando de skate.

     Estavam num acampamento e a descida era inclinada, era giríssimo descer a rampa e eles ainda iam muitas vezes a um café muito bom.

EzraCreative Commons License sushitsavo via Compfight

    Uns dias depois, foram embora. Quando chegaram a casa, o Simas foi logo ter com o seu cão bebé, o “Bola”, de pelo curto, cinzento e preto, um galgo wheepet, magrinho e que se encolhe todo ao dormir.

Simão CB, 5C

Surfando em Ondas Perfeitinhas

    Noroeste Pro 2017 [in explore]

[Paturo] via Compfight

     A minha ocupação favorita é praticar Surf; às terças, quintas e sextas, pratico nas praias de Carcavelos e do Guincho. O meu Treinador vem-me buscar numa carrinha, mas somos só três; deixo sempre a prancha na sala, encostada ao bengaleiro.

      A minha experiência de Surf já dura há sete anos; as melhores Trip-Surfs são na Azambujeira do Mar e daí até Sagres – o ponto mais a sul. O que me fascina neste desporto é que nos divertimos, nos respeitamos; é desafiante combatermos as ondas, tentarmos chegar até onde queremos alcançar; sobretudo as manobras que fazemos com a prancha, como o “bottom”, a “palada”, o “lay back”, a “rasgada”, entre outros. O mais difícil é o “Lay Back” porque exige muito equilíbrio.

       Às vezes é assustador, quando as ondas fazem o “Set”, em que vêm cada vez maiores. Nós falamos uns com os outros de prancha para prancha; com cada instrutor só podem estar quatro praticantes, no máximo. O meu mar preferido é com ondas médias e perfeitinhas. Uma onda perfeita é a que faz um tubo, quando não há vento, o que permite treinar as manobras. No Guincho, as ondas não são perfeitas: há muito vento.

      Ontem, estive no Guincho com o Lourenço P e não se conseguia surfar bem. Tentei apanhar com o maior número possível de ondas; elas quebravam onde eu tinha pé, estava a maré vazia. No Brasil, a praia está protegida, as ondas não chegam: é preciso remar imenso até chegar ao mar aberto e aí não há pé. Os treinos duram de duas a duas horas e meia, a partir das cinco, saímos da água quase sempre depois das sete da tarde. No inverno é mesmo noite escura.

Lourenço C, 6B

Onda de Férias

Surf's Up!

Prab Bhatia via Compfight

      Começou muito cedo o meu primeiro dia de férias, porque ainda estava habituado à escola,  e porque não gosto de acordar depois das  8h 30.

     Então, a preparação para o Campeonato começou num sábado, em que não tinha que estudar e podia fazer Surf o dia todo. Acordei, lavei a cara, tomei o pequeno-almoço, habitual, depois o meu professor de Surf, “o Gatinho”, levou o seu cão para o treino.

     Começamos a ir buscar as pessoas na carrinha: eu sou sempre o primeiro a “ser buscado” e demorou muito tempo. Finalmente, chegamos à praia e estavam altas ondas! vestimos o fato, pegamos nas pranchas e fomos Surfar com o “Gatinho” a filmar. Depois fomos todos jogar futebol e voltamos a Surfar outra vez.

    Assim acabou o meu dia com altas “surfadas”, dias super-divertidos, e daí em diante, todos os dias de treino serão assim!

João P, 6A

Nas Ondas da Nazaré

Résultat de recherche d'images pour "onda gigante nazare 2016"

     Imagem: Praia do Norte

     A Amizade, essa força insuperável que transforma as nossas vidas, enrolou o seu laço fiel em torno dos seis destinos destes jovens inseparáveis: Lourenço, João, Manuel, Maria, Maria, Federica e Matilde. Aquelas férias da Páscoa seriam as mais aventurosas, entre altas ondas, na praia da Nazaré. (OE)

     A Francisca, a irmã mais pequenina da Federica, não podia ir, porque nesse sítio havia muitos ladrões e animais ferozes, (1- Francisca 3º ano) o famoso “Sítio da Nazaré”, onde se formam as ondas maiores do mundo! Era muito, muito, muito, perigoso: dizia-se que, uma vez, de repente, a Nazaré ficou inundada de água, pois uma onda gigante desabou sobre a própria cidade! (2 Tomás 3º ano).

      A Maria  era uma rapariga loira, alta, com olhos azuis, (3 –  Maria B, 6B) os seus cabelos ondulavam ao vento e refletiam o sol, como fios de ouro, quando o vento quase a fazia voar da prancha, nas altas ondas da Nazaré. Elegante, morena do sol, era uma jovem esfuziante de entusiasmo e parecia ter uma energia inesgotável.

      A Maria gostava muito de um rapaz chamado Manuel, que era moreno, baixo, com olhos verdes, cor das belas florestas verdejantes, e um belo rosto (3 – Maria B 6B) salpicado de sardas que lhe davam um ar maroto e atrevido. O seu amor era interminável, e embora ainda não o soubessem, iriam continuar juntos para o resto da sua  vida. (3 – Maria B 6B)

      O Lourenço era ruivo e tinha caracóis, era um pouco baixo, mas muito querido. Era uma pessoa com muita paciência para os outros; gostava muito de João, Maria, Maria e Federica. Eram muito amigos e adoravam aventuras, como descobrir tesouros ou perseguir ladrões.

     O Lourenço era o namorado fiel da Federica; o João era o namorado perfeito da Maria M, e o namorado inigualável da Maria B era o Manuel.

     Maria tinha ainda uma irmã mais nova, que era a Francisca. Como ela era mais pequena, não podia ir, pois tornava-se perigoso. Lourenço era um atleta de alto escalão, João praticava surf e era já um surfista de alta competição, Manuel jogava ténis e muito bem.

      Quando acabaram as aulas, decidiram ir acampar para o “Sítio da Nazaré” porque o João ia entrar num campeonato de Surf. (4 Federica).

     A Maria M era uma rapariga morena, muito bonita, que namorava o João. A Federica era a rapariga perfeita para o Lourenço, com a sua bela cabeleira muito volumosa, (5 Maria M) que fazia lembrar uma princesa do Oriente.

      Nessas férias, os seis amigos foram acampar para uma floresta, na véspera de o João ter a sua prova (5) face às temíveis vagas. Na floresta onde acampavam os seis amigos, brilhava um sol intenso, erguiam-se pinheiros altos, cheios de pinhas castanhas (1 Francisca, 3º ano), que por vezes, caíam, mesmo na cabeça dos rapazes, para grande gozo das meninas.

      À noite, junto da fogueira, estavam a comer marshmellows com chocolate, espetados em pauzinhos, enquanto observavam estrelas maravilhosas. A Maria, a Maria e a Federica, exclamaram ao mesmo tempo:

     – São 3 estrelas… não, quatro… não, dez! Sim, de certeza que são dez! (Francisca, 3º ano). E assim, contando estrelas douradas, os seis amigos apreciavam a maravilha da noite cantando, em sua honra, um hino improvisado das “Super-Heroínas”.

Texto escrito a quatro mãos com dois colaboradores do 3º ano.

Maria M, Maria B, Federica e OE 

O Meu Segundo Campeonato

Big Day Along the Central Coast Steve Corey via Compfight

     Este Campeonato começou uma semana antes do previsto; eu não me conseguia inscrever, mas depois fui pedir ao meu treinador e tudo correu bem.

    Uma semana depois estávamos, eu e o meu pai, com as minhas pranchas no carro e com a nossa comida.

     Chegamos à praia e eu não estava muito nervoso, mas quando chegou o meu “heat” tremia muito.

     Então, um amigo do meu pai que é treinador, chegou  ao pé de mim e disse-me:     

     – Não estejas nervoso, concentra-te nos primeiros cinco minutos, apanha duas ondas e depois apanha as melhores ondas.

     Eu aqueci e fui para dentro de água.

    Nos primeiros cinco minutos, apanhei boas ondas e são só as duas melhores ondas que contam.

     Depois, dessas duas ondas, não houve ondas tão boas, mas duas horas depois, veio lá uma boa onda e eu estava com a prioridade.

     Então fui na onda e mandei três manobras!

    E disseram:

     – Faltam 10 minutos para o final. João R… de P… em primeiro lugar, Eduardo G… a precisar de 4,63 pontos.

     Depois remei para fora e apanhei outra onda e fiz outro “quatro”. Para o final, ninguém apanhou ondas e eu ganhei o  campeonato Nport!

João R de P, 6A

A Manobra

Carlos

Marc Schmidt via Compfight

     Eu gostaria de inventar uma nova manobra de Surf que se chamaria “Pinho-Curva” – seria como um “Cut Back Roundnose”, mas, em vez de darmos a “Palada”, dávamos o “Aéreo”.

    Depois, poderia haver, por exemplo, “Pinho-Curve to Reverse” e ainda “Pinho-Curve 360º.

      Um Inglês, James Cook, viu, pela primeira vez, o Surf, no Hawai e gostou: eram os povos do Peru que andavam pelas ondas em cima de umas canoas de junco.

     Gostaria que usassem a minha manobra nos jogos olímpicos. Também imagino o Jonh Florence a fazer todas as manobras perfeitamente, em especial a minha.

     Se eu tivesse que dar dicas a um amigo que  se fosse iniciar no Surf, eu diria:

     – Começa nas ondas que já estão em espuma. Usa uma prancha grande, uma long board, de espuma.

     Não queiras fazer logo tudo, porque o Surf é um desporto difícil, que leva muito tempo a aprender.

João P, 6A

Vantagens e Desvantagens

 

deep and shallow

Creative Commons License Chris Kuga via Compfight

       Em relação à prática de Surf, considero que há vantagens e desvantagens.

     Por um lado, acho que o Surf é um desporto saudável e divertido. Tem várias manobras e eu gosto muito de as fazer.  E adoro o ambiente de campeonatos! Há manobras mais fáceis, como, por exemplo, “cortar a onda”. Depois, há a “Palada”, em que se faz o “Bottom”; depois, vira-se subindo, vai-se acima da onda e chuta-se o “Tail”.

     Por outro lado, acho que o Surf é um desporto cansativo, fica-se com uma sensação na boca muito má: salgada e seca. E com muita fome e sede!

     Além disso, depois de Surfar durante muito tempo, fica-se tão exausto, que já não o fazemos tão bem.

     Finalmente, apesar de cansar muito e de eu chegar a casa muito mole para estudar, adoro fazer Surf e vou sempre evoluir no meu desporto!

João P, 6A

Uma Recordação para a Vida

Pêche du soir

Christian Arnal via Compfight

     Nas minhas férias as coisas que me fizeram muito feliz foi ter passado muito tempo com as pessoas de quem gosto: o meu pai, a minha mãe, e a minha irmã mais velha.

     Eu fui muitas vezes à praia até um dia o meu pai comprou-me uma prancha, e eu fui logo correr para as ondas; tentei pôr-me em pé como os surfistas profissionais, mas óbvio que não consegui. O meu pai foi lá e começou a ajudar-me.

JaxBeachPier_12-27-15-1897

Creative Commons License Rob Bixby via Compfight

     Ele ensinou-me que eu não me posso pôr em pé, pois a prancha podia partir-se e também que só era preciso pôr-me deitada e as ondas tratavam do resto; depois de algum treino, conseguia, mais ou menos, fazer bem!

Big Seas

Long Road Photography (formerly Aff) via Compfight

     Só que um dia, estava um dia tão bonito e refrescante que eu decidi ir ver as ondas: estavam uma bomba! Eram enormes! Por isso fui chamar a minha família, até os meus avós foram e todos fizemos uma recordação para a vida!

     Eu senti que não havia família melhor e senti que o meu lugar era ali!

Carolina M, 5D

Surf Trip Sines

Crooklets Beach - Waves

Lee via Compfight

      Foi um experiência nova ir fazer uma Surf Trip numa autocaravana.

    No mar, sinto a liberdade de não estar na escola, de não estar sempre a respeitar os professores. E o mar ajuda a espairecer a cabeça.

   No primeiro dia, tomei banho numa fonte, em Sines. Depois de um grande dia de Surf, estavam umas ondas de um metrão e eu só queria fazer uma onda nesse dia, para depois dizer que sou forte!

   No 2º dia, foi o que eu mais gostei, pois foi quando eu fiz uma onda com cinco manobras boas!

   O meu professor de Surf viu e ficou muito orgulhoso de mim e eu fiquei muito contente comigo próprio.

    No 3º dia, tomei banho na praia, também foi uma experiência nova e também foi muito engraçado!

   No 4º dia, apanhei uma tal ventania, que voei com a prancha para os montes, mal me vesti.

   No 5º dia, foi giro, por ser o último dia: dei uma surfada com ondas pequenas, lá de fora, a rolarem até à areia, as esquerdas e direitas.

     Nunca mais me vou esquecer desta Surf Trip!

Vasco L 6C

Brinquem no Mundo Todo!

'Floating', Australia, Queensland, Cairns

Chris Ford via Compfight

Momentos marcantes do 5º Ano

    JP As minhas brincadeiras e os castigos que marcaran os meus disparates.

DN – A festa do Final de Período.

Dificuldades na vida de Estudante

JP A concentração, com as dificuldades que nos desconcentram.

DNTermos que estudar fechados no quarto para temos boas notas.

Se o 5º ano fosse um animal…

JP Para mim seria um tigre, porque eles são ferozes como os professores e corajosos como todos os alunos que enfrentam os testes.

DNSeria uma Chita, porque assim eu seria muito rápido.

Um Acontecimento Quotidiano e Espantoso ao mesmo tempo

JP O meu Surf que eu adoro e me persegue.

DNJogar com a bola de Ténis.

Fish Breath

lolilujah via Compfight

Encorajar um amigo em dificuldade

JP Não desistas, eu estarei para te ajudar, aconteça o que acontecer.

DNAcalma-te, amigo. E alegra-te.

3 Projetos para o Verão 2016

JP Fazer Surf todos os dias, estar com os amigos e divertir-me à grande.

DN – Ser feliz, ter amigos, ter boas notas.

Para um Adulto não perder o contacto com a sua infância…

JP Vir comigo fazer Surf, que nas minhas memórias sempre vão ficar.

DNGravar e filmar os grandes dias da vida, para recordar.

Como é gostar de alguém?

    JP –  É ter um sentimento que nos toca e nos faz querer estar com ela; é ter o sentimento de adorar alguém, que nos faz adorar alguém. (Inspirado em Madalena P.)

DN  – É ser amoroso.

Um brinde às férias de verão 2016

JP Brinquem no mundo todo!

DN – Boa sorte, amigos. E então, depois, estudem bem!

João P 5A e Daniel N

A Ida à Liga Moche

Santa Cruz : 4

Creative Commons License John Tregoning via Compfight

      Eu, o Sebas, o Quartim e o Queimado fomos à Liga Moche. Fomos surfar e ver o oito do Vasco Ribeiro e do Kikas. Todos nós apostámos no Kikas. Ele ganhou e foi ao pódium.

     Antes de ele entrar, para o seu Hit, desejei-lhe boa sorte. Depois fomos todos surfar. Eu adorei! Experimentei novas manobras e um senhor disse “ – Surfas muito bem!”

     De seguida, fomos ao skate Parque. Como estão a ver, foi um dia muito longo. Adorei!

     Também recebi imensos brindes, como aquela camisa que diz “Amigos amigos, ondas à parte”, um poster, dois cartões para o telemóvel, e também, se nós tirássemos uma foto e puséssemos no Instagram, recebíamos dois guarda-chuvas, dois guarda-sóis, uma camisola e mais 7 pósteres!

Vasco L, 6C

Surf Trip Peniche

Muniz pro surfer

Creative Commons License SayLuiiiis via Compfight

     Mal chegamos a Peniche, eu, o Nuno, o João, o Vasco, o Afonso A. fomos ver a casa do Afonso: era uma quinta enorme, com diversas coisas: tinha um trampolim, uma garagem cheia de fatos, pranchas e também havia lá uma cadela que já estava a “deitar as águas” em situação de parto iminente.

     Sábado, fomos surfar para o Baleal: o João A ensinou-me uma boa tática para ter mais velocidade nos “botames”. Ele diz que é mais importante os “botames” porque se o “botame” fosse bom, a manobra saía bem de certeza.

    Eu tentei dar um “aéreo”  pela primeira vez: até saiu bem!

     O Afonso A, em quase todas as ondas fazia um “aéreo recourse”. O Pai dele é óptimo treinador e surfista e também é muito simpático e calmo.

     Domingo, fomos para uma praia com óptimas ondas. Foi o dia que eu mais gostei, com a minha tentativa de aéreo, mais uma vez e também um lance a soltar as “quinhas” à frente do Nuno.

      Almoçamos no Pingo Doce e depois fomos logo fazer surf. Nos primeiros minutos,  surfei bem e na última meia hora, tentei dar mais dois aéreos “rivense”.

     Os cães também nasceram nesse mesmo dia, eram mínimos, mais ou menos com 13 cm.

      E Fim.

Vasco L, 6C