Conversas na Oficina: Entre o Difícil e o Sonho

Dragon Tree

trevorklatko via Compfight

Maria SO momento mais difícil do 6º ano foram as pessoas, a arte de conviver e de enfrentar as dificuldades da relação.

André (Convidado) – Pensar que a Turma vai mudar de colegas, que podemos perder amigos bons…

Maria SPara uma nova escola, gostava de encontrar, em Setembro, salas pintadas com cores vivas e cada uma com diferentes recantos: os grupos de alunos poderiam escolher como sentar-se e onde estar.

André – Podemos ter aulas no Ipad com a escola virtual, tecnologia e pufs, umas salas confortáveis e para os profes também. Para aumentar a nossa liberdade, podemos fazer mais trabalhos de grupo; não estarmos sempre calados e não estarmos sempre com os professores

  Maria S –  O que pode aumentar a  liberdade da nossa vida de estudante é ter autonomia nos trabalhos, escolher os pontos do programa…

AndréHá escolas em França em que podemos participar na vida real, por turnos: aprender a cozinhar, lavar a loiça, tratar da horta, ter animais….

OE – Para aumentar a comunhão com a Natureza poderíamos restaurar o nosso pinhal e transformá-lo num espaço de convívio feliz com os animais…

Alexandre SEu podia trazer porquinhos vietnamitas, galinhas com pintainhos… e duas cabrinhas.

André (Convidado) – Eu trazia uma ovelhinha e coelhos do Meco.

Maria S – Eu trazia pássaros coloridos. O Pinhal ajuda-nos a ser mais rústicos e a ter ideias para escrever.

Maria S, Alexandre S e André (Convidado) 

Eu Estou Sozinha -II

   Hirshhorn Museum and Sculpture Garden, Washington, DC

Creative Commons License Leeann Cafferata via Compfight

      Ele deu-me o seu número e eu dei-lhe o meu.

     Quando cheguei a casa, estava tão feliz por talvez ter um amigo, que lhe telefonei logo. Nós passamos horas e horas a falar, sempre sem parar, parecíamos uns papagaios… Bem, finalmente, sentia-me feliz!

      A partir desse dia, passamos sempre a acordar bem cedo, o Bilbo e eu, e assim encontravamo-nos sempre durante cerca de três anos e meio.

      Até que, num dia de chuva, ele não apareceu. Eu esperei, esperei, esperei… mas ele não apareceu.

      Eu tive de ir para a Universidade, porque era o dia da minha Formatura; foi giro, mas fiquei triste por não o ter visto.

      Quando cheguei a casa, tentei telefonar, mas ele não atendia. Passaram-se dois dias e eu, finalmente, decidi ganhar coragem para voltar àquele sítio só nosso.

      Quando cheguei, avistei-o a ir para um autocarro, com uma grande mochila e uma cesta onde estava a sua cadela.

     – Onde vais? – perguntei.

   – Ah, olá! Como estás? Já não te via há muito tempo.

     – Porque não me respondeste nem há bocado?  

      – Ah, isso… É que no dia da tua Formatura, eu já tinha acabado a minha um dia antes… por isso não fui nesse dia. Também não fui nos outros… mas.. bem… “bora”, eu vou dizer-te a resposta: o meu Diretor disse-me que eu tinha muito talento e então ele arranjou-me um estágio em Nova Iorque.

      – Então quando voltas?  – Perguntei eu, muito preocupada.

(Cont)

Maria S, 6C

A Mãe que És

delicacies of Spring

Creative Commons License frederic gombert via Compfight

     Hoje estou aqui para celebrar o teu Dia, Mãe.

      Mas antes vamos recordar memórias, as melhores memórias que me pudeste dar dos dias, Mãe. Foste tu que sempre me ajudaste a melhorar e a sempre lutar pelo que quero fazer; nos momentos mais tristes, alegraste-me: ainda me lembro, no outro dia em que comecei a chorar e tu foste ter comigo; deixei de lacrimejar, mas, Mãe, os teus abraços sempre foram os mais carinhosos!  

     Tu sempre foste um exemplo para mim. Sempre que alguém te chamasse e te tratasse mal, tu não ligavas e punhas um grande sorriso, Mãe!

    Quero que saibas que te adoro. Mãe, agradeço-te por me dares a Vida, luz,  tanta alegria, e por nunca me deixares ficar mal.

     Mãe, neste teu Dia, desejo-te que sejas tão, tão feliz, como eu me sinto de te abraçar!

Maria S, 6C

Eu Estou Sozinha – I

The Long Night

Alireza Borhani via Compfight

     Quando eu era pequena, eu estava sempre a estudar ciências e a jogar no telemóvel. Eu adorava abraços e também brincar, mas todos me punham de parte e não gostavam de me abraçar.

     A escola era o mais difícil: eu parecia ser excluída e nunca, mas nunca, conseguia um sorriso; só conseguia chorar de solidão. Eu sonhava ser velha, e os meus amigos serem apenas o meu cão Lilo, que é o meu único amigo. E foi assim.

     Eu nunca fiz amigos, ficava sempre de lado e continuou assim, até que um dia, quando eu tinha crescido, e ido para a Faculdade com o meu cão, sem querer, choquei com um rapaz alto e um pouco gordinho.

    Ele tinha o cabelo cheio de areia e era todo preto. Trazia consigo um cão castanho, que era um vira-lata, mas parecia muito puro. Achei que o meu cão também tinha feito um amigo.  Levantámo-nos e chocamos….

     – Oh, desculpa – disse eu muito envergonhada.

      – Não faz mal. – respondeu ele.

      – A sério? Não faz mal?  – Perguntei eu.

       – Não faz mal. Sabes, a minha cabeça já passou por pior.

       – O meu nome é…

       – E o meu nome é…

       – Para onde vais?

       – Vou para a Universidade de Belas Artes.

        – Ah, que bom, eu também vou para a Universidade, mas é de Informática avançada. Fica mesmo ao lado da tua. 

     Então eu fui com ele até à Universidade e, durante o caminho, eu e ele não paramos de sorrir. 

(Continua)

Maria S, 6C

 

O Meu Pai é o meu Tesouro

Hiking back from Jug Island Beach

Creative Commons License Ruth Hartnup via Compfight

Eurico, nome tão estranho…

“Defensor da lei”, perfeito!

Olhem a sorte que tenho

De ter um com esse feito!

Quando eu era pequenina,

Não tinha jeito pra andar.

 Então pegou-me na mão

E eu que era uma menina,

Comecei logo a voar!

O  pai tem uma grande mão

E um enorme  coração.

Ele é forte como um touro, 

E também é o meu tesouro.

Joga sempre  sem parar

Já ganhou prémios sem fim

Que não consigo contar,

Mas a imitá-lo assim,

Ainda o espero ultrapassar!

Maria S, 6C

A Rapariga das Estrelas – III

     Cascades Mountain Scene

Russ Seidel via Compfight

      Ela decidiu comer os biscoitos e, de repente, começou a voar, mas sem conseguir controlar por onde ia.

      – Ah! – Gritou a Rapariga das Estrelas.

Oseus amigos pássaros, ao vê-la em pânico, pegaram nos três dentes-de-leão e deram-lhe.

Quando ela pegou nos dentes de leão, consegiuu equilibrar-se mas começarama por levá-la até às Estrelas.

 Quando chegou, viu que elas eram um mundo totalmente diferente, cheio de riachos da cor mais azul e cheio de árvores completamente verdes.

Ela virou-se e os seus amigos transformaram-se em pessoas como ela.

– Mas quê – Exclamou a rapariga.

– Olá, Estrela! – Ainda bem que voltaste! Sabes, tu foste para à Terra quando estavas a viajar e bateste com a cabeça. Nós ficamos aflitos, mas aquela área era desconhecida, então transformamo-nos em pássaros para ninguém desconfiar.

– Uau! Então esta é a minha casa?

– Sim, Bem-Vinda, minha amiga!

Maria S, 6C

A Rapariga das Estrelas – II

Dandelions

Creative Commons License Eamon Curry via Compfight

    – Estás bem? – Perguntaram os seus amigos pássaros.

     – Sim, estou, mas ainda não vou desistir de ir às estrelas – respondeu ela cheia de entusiasmo nos olhos tristes e quase a perder a esperança. – Por mais que tente, vou sempre cair no chão.

     Os anos foram passando e a rapariga não desistiu.

     Um dia, de repente, ela encontrou uma velhota com uns biscoitos estranhos, que pareciam ser rijos como o aço mas também moles como a espuma do mar. A velhota foi ter também com a menina e disse-lhe:

     – Olá, Estrela. Toma estes biscoitos e não deixes de acreditar nos teus sonhos.

      E apontou para cima.

     – Mas o meu nome não é Estrela!

     – Foi um palpite, sabes, porque queres ir tanto às estrelas? É porque tu vieste de lá.

     – O quê? – exclamou a rapariga, espantada.

     Quando olhou à sua volta, a velhota tinha desaparecido, mas deixara uma mala cheia de cartas, biscoitos e três grandes dentes de leão. Ela decidiu abrir as cartas e todas falavam no mundo que eram as estrelas e como eram belas.

     (Cont)

Maria S, 6C

A Rapariga das Estrelas – I

We choose to see Vol.002

Creative Commons License AM Renault via Compfight

      Era uma vez uma rapariga cujo sonho era ir às estrelas e não ia parar de tentar até lá chegar.

      “Um dia” – pensou ela – “se eu conseguir subir àquela árvore, talvez consiga ir até às estrelas.”

     Então, ela subiu e caiu.

     – Nós avisamos-te! – disseram os seus amigos pássaros.

     A rapariga das estrelas olhou para os seus amigos com um sorriso. Ela,  que era alta como o céu, mas não o suficiente para chegar às estrelas, tinha um cabelo cor de chocolate, olhos de esmeralda e um olhar cativante. A sua pele era branca como a seda e tudo fazia para proteger os seus amigos. E acreditava mais do que tudo nos seus belos sonhos e desejos.

     Então ela pensou: “Se a árvore não resultar, vou tentar com balões.”

     Então tentou e caiu.

(cont)

Maria S, 6C

Os Desenhos da Vida

      play

Alice via Compfight

      Era uma vez, num dia normal como sempre, todos já estávamos fartos de, dia após dia, só fazermos desenhos. (É que nós desenhamos muito.) Já farto, uma raposa chamada Luk, foi à bruxa que via tudo e sabia tudo.

     – Quem vem lá?  – Exclamou a bruxa.

     – Eu, a Luk, quero saber se consegues tornar a minha vida mais interessante.

     – Sim, posso, em troca de um favor!

     – Qual?

     – Agora não te posso dizer, mas concordas?

     – Sim.

     Então, a bruxa foi dizendo uns encantamentos, e avisou que, no dia seguinte, ela ia ter um dia inesperado.

     No outro dia, ela acordou e os desenhos da cidade começaram a ganhar vida.

     Foi lindo ao princípio, até que a bruxa usou os seus feitiços para os comandar: eles ficaram maléficos, ninguém estava a salvo, tudo estava mau, até que se ouviu uma voz:

     – Ah, ah, ah!

     – É a bruxa! – exclamou um cidadão.

     – O que é que tu queres? – perguntou a Luk.

     – Eu quero esta aldeia só para mim e agora consegui!

     De repente, vinda do nada, uma luz encandeou a Luk e anunciou:

     – Já sei! Escuta bruxa: não interessa que sejas muito forte, porque o meu coração é maior!

     Os habitantes, ouvindo o que Luk disse, ficaram encorajados, juntaram os corações e derreteram a bruxa e os desenhos. Mas, curioso… a bruxa ficou presa nos nossos pesadelos e os desenhos transformaram-se em cinzas.

Maria S, 5C

O Dragão que foi à Universidade

A Funny Thing Happened...

Poe Tatum via Compfight

      Era uma vez um dragão muito amigável, que se chamava Charlie. Todos os dias, o dragão Charlie queria aprender, mas a sua Mãe só dizia:

     – Não, Charlie, todos os humanos pensam que somos monstros maléficos e perigosos e também dizem com desprezo: “Porque queres aprender?”

     Passado algum tempo, quando o Charlie tinha 18 anos, foi passear, até que descobriu um grupo de crianças que fugiu quando o viu, exceto duas crianças. Elas chamavam-se Ema e Loki. O Charlie ficou triste, quando as crianças desapareceram. Até que ouviu uma voz:

     – Olá, eu chamo-me Ema e este é o Loki!

     – Vocês não têm medo de mim?

     – Pelo contrário, pareces fantástico! – apreciou o Loki.

     – A sério? – Espantou-se o Charlie com um sorriso nos dentes.

     – Sim!

     – Tenho uma pergunta: sabes ler?  – quis saber  o Loki.

     – Não…

     Então nós ensinamos-te! – exclamou a Ema.

     À medida que o Charlie ia aprendendo, só queria ir para a Universidade com os seus amigos. Quando chegou a hora de ir, ele disse à sua Mãe que ia para a Universidade. Ela não gostou, mas o Charlie insistiu.

     E foi assim que os Dragões se tornaram amigos das pessoas!

Maria S, 5C

Dragonologista

Uma Descoberta por Descobrir

     Sharing the Sky

Kirill ΞΚ Voloshin via Compfight

     Olá, eu chamo-me Maria e tenho 10 anos. Eu posso não ter as melhores notas da Turma, mas eu já sei o que vou descobrir.

     Vou descobrir uma máquina que tem forma de pássaro e funciona a energia solar e eólica. Ela faz desaparecer todas as poluições terrestres, marítimas e aéreas.

    Funciona assim: Ela deteta a poluição e faz uma redoma à volta para não se espalhar e recicla-a.

   Eu espero conseguir ajudar o mundo a ficar com menos poluição e, quem sabe, ganhar o prémio Nobel da Paz no Planeta.

Maria S, 5C

Um Carnaval Mágico

Inside an ancient yew tree...

Chris Hawes via Compfight

     Num dia de Carnaval normal, tudo estava calmo, até que um grande cometa azul apareceu suspenso no ar. De repente, toda a escola ficou iluminada com a sua luz e toda a gente ficou o que era, ou seja, eles transformaram-se no que estavam vestidos.

      Eu transformei-me numa marinheira; os meus amigos Duarte, Teresa R, Teresa B, foram transformados em Punks; quanto ao Pedro M, António, André e o Lourenço, ficaram DJ profissionais; a Marta, o Guilherme, o Henrique e o Alexandre tornaram -se estudantes honorários.

     Então, nós espalhamo-nos pelo recreio: o campo de futebol tinha sido transformado num farol e todas as marinheiras foram para lá, mas os DJ e os Punk foram para o campo de ténis que foi transformado em discoteca. E os estudantes ficaram na sala de aula!

     E, finalmente, começou a caça das serpentinas de ouro. Todos nós fomos atrás , só os estudantes ficaram na sala de aula. As serpentinas tinham -se transformado em ouro. Mas aconteceu o inacreditável: quando nós estávamos distraídos, os alunos, como eram espertos, roubaram as serpentinas!

     De repente, o cometa desapareceu e tudo voltou ao normal, mas parece que nós também nos tínhamos esquecido desta aventura fantástica!

Maria S, 5C 

A Chave da Sabedoria

The key of Saint Peter

jaci XIII via Compfight

     Há muitos anos atrás, numa terra chamada Trapalhândia, existia um belo príncipe muito trapalhão. Um dia, de repente, recebeu uma mensagem: 

Se queres voltar a ver a tua querida Princesa,

tens de ir ao meu castelo e encontrar a chave da Sabedoria!

Assinado:

O Dragão Opala

     – Oh Não! – exclamou o príncipe.

     Foi andando para o seu Castelo. Tudo estava calmo, nem os pássaros falavam, tudo estava tranquilo… de repente, vindo do nada, cai um monte de espadas! O Príncipe encolheu-se e ficou a salvo, estranhamente!

     Foi andando pela floresta e quanto mais caía, mais se salvava de armadilhas. Quando chegou a uma clareira, viu a chave que brilhava no ar: era enorme, suspensa da maior árvore da floresta! Aproximou-se da chave e… a Princesa estava lá dentro!

     Vindo do nada, o Dragão rugiu e disse:

     – Passaste o primeiro teste! Agora escolhe: a chave da Sabedoria, as riquezas mais belas da Terra ou a Vida Eterna?

      O Príncipe, muito intrigado, respondeu-lhe:

     – Não preciso de ter as mais belas riquezas, porque tenho a Princesa; nem preciso da tua vida eterna, porque o meu maior sonho é ficar com ela para sempre!

Maria S, 5C

Como um Milagre

13-52 Madroño de Navidad

Félix Bernet via Compfight

     Olá, eu chamo-me Maria e queria falar-vos do Natal.

     Eu e a minha família costumamos reunir-nos em casa dos meus avós. Nós fazemos um grande presépio e é muito giro quando comemos a ceia. Sabem porquê?

     É porque todos os Natais, a minha avó faz uma surpresa de Natal! Ela faz a árvore e eu ponho a estrela. Se vocês forem como eu, vão adorar celebrar ao pé da árvore: fica linda, quando nós pomos as luzes e abrimos os presentes: parece que é um milagre de Natal!

     Gosto de receber brinquedos, mas o mais giro é celebrar com a família, comer sonhos, conviver… é esse o verdadeiro espírito de Natal!

Maria S, 5C

O Dia em que os Dentes Caíram

 minions_1_miniImagem: Orlee Pasion/Creative Commons

      Era uma vez uma ilha tropical, onde a água era tão transparente e límpida!

     Os habitantes eram os Minions e o Super Mário e o Luigi.

     De repente, quando o minion vigia deixou cair um queque no vulcão, começaram todos a fugir. Mas, como o vulcão gostava tanto deles, mandou-os para o fundo de uma ravina cheia de chocolate.

     Então, o Mário disse:

     – Já sei! Que tal nós comermos este chocolate “fantabulástico”!

     – Sim, que bela ideia!

      E os habitantes começaram a comer aquele doce irresistível.

     Mas, no fim, os Minions, o Super Mário e o Luigi jogaram todos consola e brincaram sem parar. Até que:

     – Au! O meu dente! – queixaram-se todos os habitantes.

Maria S, 5C

(Colaboração de Duarte S)

Subindo a Inglês

     Colorful hot-air balloons in Nyaungshwe, Myanmar Dietmar Temps via Compfight

     Para o Natal nós gostávamos de subir a nossa nota de Inglês. Faltam 17 dias úteis para o próximo teste. Como vamos usar este tempo:

  • Podemos prestar mais  ainda mais atenção nas aulas.
  • Tirar todas as nossas dúvidas – durante as aulas e em casa. A Maria usa um bloquinho para apontá-las.
  • Posso jogar a um jogo de Ingês com a minha mãe: leio parte do manual e a mãe faz perguntas. (Este é um método  da Maria.)
  • Sábado e Domingo o Duarte vai estudar : fazer os exercícios que a Professora indicar, durante uma hora com um pequeno intervalo.
  • 2ª 4ª e 6ª a Maria vai fazer os exercícios que a Professora indicar além do jogo com a Mãe – 30m a acrescentar ao tempo de estudo diário.

Maria S e Duarte S, 5C