As Férias devem ser mais Longas

August 2017 - Nika with Angelina and Aurelia eagle1effi via Compfight

      Em relação às férias, considero que deveriam ser mais longas.

     Em primeiro lugaras crianças com problemas nervosos precisam de descansar, porque há pessoas patetas na escola que as enervam. 

     Em segundo lugar, crianças teriam mais tempo livre para estudar, aprender, brincar e fazer amigos novos; esta abundância de ar e de atividades livres é saudável para elas.  

     Em terceiro lugaras crianças poderiam passar mais tempo com os pais; há alguns pré-adolescentes que não se interessam pelos pais, mas os pais são importantes para a vida, são dois lobos que nos protegem das coisas más. 

      Por todas estas razões, defendo que o descanso deveria prolongar-se no verão e ao longo do ano letivo, em especial nas férias de natal e Carnaval porque eu gosto muito do inverno.

Svetty T, 6B

Libertem os Pokémons

     Pokemon's Sleigh Ride - Pokemon  challenge Cheryl Grayum via Compfight

      Em relação aos Pokémons, considero que eles devem ser libertados e ter a possibilidade de viverem sem serem apanhados.

      Em primeiro lugar, existe um abuso, que eu própria estou a ver: as pessoas fazem guerras e torneios entre os Pokémons e ouço-os a gritar e a pedir socorro.

      Em segundo lugar, em “Dittos e Eewees”, os treinadores apanham os Eewees para os obrigarem a reproduzir-se com Dittos, o que é contra a vontade deles.

     Em terceiro lugar, a matança dos bebés Pokémons que não são “Shinny” é uma violência que deve ser proibida.

     Em quarto lugar, em “O mistério da enfermeira Alegria”, em que eles são atirados para uma picadora de carne; dos corpos mortos se produz o “rebuçado raro”, o que faz aumentar o nível do Pokémon.

     Por todas estas razões, considero que os Pokémons devem ser libertados deste jogo atroz e terem a possibilidade de viverem livres.

 Svetty T, 5B

A Terra em Harmonia com o Homem

Globo verde

Creative Commons License Olearys via Compfight

     Em relação  à responsabilidade de cada cidadão pela preservação da Terra, considero que constitui um dos mais difíceis problemas de resolver no nosso tempo.

      Todos os dias, biliões de litros de água são inutilmente desperdiçados; o lixo que produzimos é regularmente despejado no oceano ou lançado em fumos para o ar pelas chaminés das fábricas (tanto quanto o senhor das castanhas).

     Sei que o aquecimento global está a fazer as marés subirem, pondo em risco as grandes cidades ribeirinhas como Nova Iorque e Lisboa; a desflorestação na Amazónia, por exemplo, um dos pulmões do mundo, ameaça provocar falta de oxigénio no ambiente e períodos de seca extrema.

       Imaginemos um cenário positivo para daqui a cinquenta anos, contando com essa urgente responsabilização dos cidadãos a nível mundial.

      O Avanço tecnológico ter-nos-á dado o benefício da criação de ozono e a capacidade de o libertarmos na atmosfera.  Os cidadãos passaram de circular em carros a gasóleo a transitar em “sapatos” rolantes que funcionam com super-absorventes da energia solar, graças ao avanço da nanotecnologia.

    Os cidadãos puderam passar a reenviar a água dos despejos para centrais de reciclagem,  sendo os resíduos dessa reciclagem usados para a produção de ozono.

    Os cidadãos esqueceram a  electricidade obtida por combustão de materiais pesados, como petróleo, pois esta  passou a ser extraída de fonte hidráulica, a partir de fornecedores domésticos de energia.

     Imaginemos que, assim, dentro de cinquenta anos, os cidadãos  cumpriram a sua tarefa e o nosso planeta voltou ao auge da estabilidade em harmonia com o homem.

Miguel F, 9B

Atingir a Riqueza Espiritual com o Vocabulário

Writing in the sand, San Sebastian

Chris Beckett via Compfight

     Em relação à competência/capacidade de tornar o nosso “jogo de palavra” mais poderoso e mais completo, considero que o domínio de um vocabulário mais rico é uma ferramenta muito importante.

    Acima de tudo, a nossa comunicação  é um dos poderes mais específicos do ser humano que nos torna capazes de chegar ao entendimento mútuo.

     A isto acresce que o nosso arsenal de palavras precisa de ser mais vitaminado, em vista de tornar as nossas conversas mais empolgantes e mais variadas.

     Finalmente, o uso da cultura linguística avançada também é uma boa manobra de persuasão, sendo que são explicitados mais pontos de vista de uma forma mais fascinante e convincente.

     “Last, but not least”, o sucesso amoroso dos maiores poetas prova que uma afortunada linguagem consegue expressar a chama inextinguível e conquistar o coração da sua Amada.

       Por todos estes imbatíveis argumentos, espero que os meus colegas leitores se deixem convencer pela verdade e pela novidade que  a linguagem nos desvenda.

Miguel F, 9B

Conviver Na Escola

   The place to be

Christian Kortum via Compfight

    Em relação a uma boa convivência na Escola, considero que há três normas fundamentais, tais como a boa-educação, a aceitação mútua e o não levar em conta as diferenças problemáticas no convívio quotidiano.

    Acima de tudo, a boa educação é importante, porque, quando nos dirigimos educadamente a outra pessoa, sentimo-nos confortáveis, sentimo-nos abertos à dimensão amigável do outro.

     Além disso, a aceitação mútua é mesmo essencial, pois entre a população estudante encontramos uma variedade imensa de diferenças de temperamento, de modos de vida, de opiniões e de maneiras de pensar que temos de vincular entre os diversos interlocutores de uma forma saudável em vista de uma eventual amizade ou de uma simples conversa.

     Finalmente, temos de deixar de parte aquilo que nos pode parecer “o pior” nos outros, a saber: aquelas diferenças que expõem uma falha na dimensão do convívio. Devemos omiti-las, não as tomar em consideração, quando nos dirigimos a esses colegas.

     Por todas estas razões defendo que, para uma boa convivência nas escolas, torna-se indispensável haver uma educação confortável no bom uso de palavras, tanto como a aceitação mútua de todas as diferenças entre colegas e ainda a tolerância em relação a traços mais problemáticos da personalidade de cada um.

Miguel F, 9B

Animais em Liberdade

Little Pretty Bird

Trey Ratcliff via Compfight

Tese:

    Em relação a os animais, considero que devem viver em liberdade.

1º Argumento:

     Em primeiro lugar, embora nos jardins zoológicos ou aquáticos se diga que os animais são “felizes”, na verdade, eles sofrem nas suas celas, chegam a enlouquecer ou ficam com depressão.

2º Argumento:

     Em segundo lugar, os animais têm direito a caçar, saltar, correr, reproduzir-se livremente porque eles pertencem á selva e assim foram criados por Jesus.

3º Argumento:

     Finalmente, os animais precisam do amor que só encontram no seu habitat ou em territórios próprios bem defendidos, como por exemplo, o lince ibérico na serra da  Malcata.

Conclusão:

     Por todas estas razões, eu defendo que os animais devem viver em liberdade!

Svetty

Notícias de Paris

We'll always have Paris...

Sorin Popovich via Compfight

Paris, 26 Outubro 2015

     Queridos Pais,

      Paris é uma cidade muito bonita, cheia de coisas maravilhosas. Hoje vamos visitar o museu do Louvre e ontem subimos à torre Eiffel: lá de cima vê-se tudo!

     A parte mais fixe foi a ida á Disney: vi o Mikey, a Minnie,  o Pato Donald e fui à montanha russa. 

    Amanhã já estamos juntos para matar as saudades.

Mariana

    PS – Perdi o telemóvel.

Paris, France

Creative Commons License Alejandro via Compfight

     Em relação á minha experiência em Paris, considero que há realidades agradáveis e outras desagradáveis.

     Por um lado, as coisas boas são as paisagens, os monumentos e a beleza natural dos jardins.

     Por outro lado, por vezes é insuportável a poluição do trânsito e o ruído nas ruas; também há muita gente nas filas; por exemplo, na pirâmide do Louvre e na torre Eiffel.

     Mas para além disso, nada se compara à moda de Paris e à deliciosa comida, como as baguetes, os croissants e os crepes.

Maria M, 5 e 6 B

Animais Selvagens em Liberdade

Hide and Seek, Cotswolds, Gloucestershire

Creative Commons License Kumweni via Compfight

       Em relação aos animais selvagens, considero que os animais selvagens devem ser livres.

     Acima de tudo, acho que os animais não foram criados para viverem em cativeiro; o meu irmão, que vive em África, vê imensos animais no campo quando vai para a Universidade.

      Em seguida, quando os animais são livres, têm mais capacidades do que quando estão em cativeiro. Imaginem como os macacos são felizes na floresta, se já se sentem tão contentes no recinto do Badoka Parque.

     Além disso, os animais têm mais capacidades para se reproduzir quando vivem livres do que quando estão em cativeiro.

     Portanto, temos de os proteger para os animais não ficarem em extinção.

Federica V, 6B

Animais em Liberdade

   Roe Deer, Cotswolds, Gloucestershire

Creative Commons License Kumweni via Compfight

                Em relação aos animais selvagens, considero que devem viver em liberdade.

     Acima de tudo, os animais são espontaneamente livres e têm uma alimentação melhor, pois caçam o que querem. Por exemplo, em África, os leões sobrevivem caçando antílopes.

     Além disso, está provado cientificamente que os animais selvagens, quando vivem presos enlouquecem e, às vezes até comem as suas crias, perdendo o seu instinto maternal.

     Em seguida, podemos observar que os animais livres se tornam robustos, inteligentes, felizes.

      Por todas estas razões, acho que devemos criar leis que proíbam o cativeiro dos animais e respeitem a sua liberdade.

Maria B, 6B

Vantagens e Desvantagens

 

deep and shallow

Creative Commons License Chris Kuga via Compfight

       Em relação à prática de Surf, considero que há vantagens e desvantagens.

     Por um lado, acho que o Surf é um desporto saudável e divertido. Tem várias manobras e eu gosto muito de as fazer.  E adoro o ambiente de campeonatos! Há manobras mais fáceis, como, por exemplo, “cortar a onda”. Depois, há a “Palada”, em que se faz o “Bottom”; depois, vira-se subindo, vai-se acima da onda e chuta-se o “Tail”.

     Por outro lado, acho que o Surf é um desporto cansativo, fica-se com uma sensação na boca muito má: salgada e seca. E com muita fome e sede!

     Além disso, depois de Surfar durante muito tempo, fica-se tão exausto, que já não o fazemos tão bem.

     Finalmente, apesar de cansar muito e de eu chegar a casa muito mole para estudar, adoro fazer Surf e vou sempre evoluir no meu desporto!

João P, 6A

Um Bloco de Português, Matemática, HGP, CN…

Students in classroom setting

Government of Prince Edward Island via Compfight

     Em relação às aulas de Português, Matemática, Ciências… considero que não devem ser de um bloco.

    Por um lado, é um bocado agradável, (mas um bocadinho de nada, 10%), porque ficamos a conhecer melhor os professores, mas do lado duro deles!

    Mas por outro lado, é prejudicial (um bocadão de 90%) porque os psicólogos conseguem-nos provar que nem os adultos não conseguem estar nem 90 minutos concentrados.

    Finalmente, se as aulas forem de 45m, todos beneficiamos da variedade que desperta o interesse e dos intervalos que nos permitem descansar.

     Por estas razões, a partir de agora, defendo que  devemos ter um segmento de 45 m em cada aula.

Esperança M, 6A

Abolir os TPC

Day 4: Truffle sleeping on the job again (and browsing dogster.com)!Creative Commons License star5112 via Compfight

     Em relação aos trabalhos de casa, considero que deveriam ser abolidos.

     Em primeiro lugar, penso que os trabalhos de casa roubam tempo ao estudo, assim fazendo as crianças terem piores notas.

    Em segundo lugar, os trabalhos de casa tiram tempo às crianças para atividades musicais, desportivas, e até mesmo ocupam o tempo de convívio entre elas.

   Em terceiro lugar, os trabalhos de casa causam várias e graves perturbações cerebrais que já afetaram milhares de crianças.

     Por todas estas razões, considero que os trabalhos de casa deviam ser abolidos.

Rafael N, 6D

Animais em Liberdade

Running Wild 5 gwendolen via Compfight

     Na minha opinião, os animais selvagens devem viver em liberdade, mas terem alguém que os cuide.

    Em primeiro lugar, os animais selvagens devem estar em liberdade, porque eles nascem na selva com liberdade e gostam de ter espaço para andar e comer.

     Mas, por outro lado, também acho que devem estar no jardim zoológico, porque os tratadores dão-lhes comida saudável e, quando estão doentes, ou para ter um bebé, ajudam os animais e cuidam bem deles.

      E também é certo que, na floresta, os animais podem desaparecer e acabar aquela espécie. Enquanto que, no jardim zoológico, a espécie continua, porque os tratadores tentam que os animais se reproduzam.

     Por estas razões, o ideal seria que os animais estivessem em liberdade, mas também com alguém que os tratasse e cuidasse.

Mariana H, 6C