A Família Pintora – III

Artwork (White Horse)Creative Commons License Mark Coleman via Compfight

     A pantera rosnou tão alto que se ouviu na China; a mãe pôs-se á frente do cavalo para a Escuridão não o atacar.

     A Mãe entendeu que o cavalo queria ficar com aquela família. Então, deitou a bicicleta para o lixo e comprou uma quinta para onde iam viver.

     Essa quinta tinha uma casa com quatro andares; no rés-do-chão, havia a entrada, a sala e a cozinha, no primeiro andar tinha um quarto de hóspedes; no segundo andar tinha o quarto da Mariana, onde dormiam ela e a Escuridão; no terceiro andar ficava o quarto de Sofia e, por último, o sótão.

     No jardim, havia um amplo estábulo onde vivia o lindo cavalo branco, que passou a chamar-se Albatroz. E todas as noites, a Escuridão ficava a vigiar o Albatroz.

Margarida L, 6B

Gelados Versus Cães

Teddy's - Famous For Ice CreamCreative Commons License William Murphy via Compfight

      Era uma vez uma família que adorava animais, menos a sua única filha, Sofia. Ela gritou com o cão:

       – Sai daqui, animal nojento!

      O cão baixou as orelhas e foi embora.

      A mãe e o pai estavam sempre a dizer-lhe:

      – Os cães são tão bonitos!

       Mas a filha não ouvia, só pensava em comer gelados.

       Um dia, a família ia acampar durante um mês. Fizeram as malas: a da Sofia tinha receitas para fazer gelados, gelados, a sua roupa e o material de ténis. A da mãe tinha o seu telemóvel, comida de cão e outras coisas. A do pai tinha o seu Ipad e pastilhas elásticas. A mala dos cães tinha brinquedos, biscoitos, as suas camas e as suas escovas.

       Os cães queriam ir logo, só que a menina não queria que os cães fossem, mas os pais não os queriam deixar para trás. Então, lá foram para o acampamento, mas é óbvio que os cães foram.

      Quando a Sofia abriu a mala, viu os dois cães a comer os seus gelados. Os pais exclamaram:  

       – Oh, que fofos!

      A Sofia reclamou:

      – Agora só tenho cinquenta gelados! Só me dá para um dia!

      Os cães ajudaram a montar as tendas enquanto a Sofia se estava a lamentar pela perda dos seus gelados.

      Quando os pais já estavam a dormir, Sofia tentou matar os cães, mas não conseguiu. Os pais acordaram, os cães chamaram-nos e viram a filha com a faca nas mãos. Mas o Marmaduke, que era um dos cães mais alto do que a Sofia, escondeu-se atrás da Mãe.

Margarida L

Um Presente Secreto

cats cuatrok77 via Compfight

      Era uma vez uma senhora chamada Srª Dufné, que fazia anos. Ela recebeu, como prendas, um livro e um cd para ouvir as 80 músicas preferidas dela. Ela sabia que ainda faltava um presente, mas foi surpresa.

     A Srª Dufné ouviu uma conversa do Luís a dizer que o último presente eram tartarugas, cães e gatos.

     Quando ela os recebeu, ficou surpreendida! Quando chegou a altura de cantar os Parabéns, a Srª Dufné sentiu-se muito contente.

     Aí, trouxeram-lhe um cestinhos com as crias: duas tartaruguinhas verdes com olhinhos á chinês; um cãozinho Floppy, às manchinhas e o gato mais pequenino do mundo!

Mariana C, 6A

O Monstro – I

Stormy SeaCreative Commons License Mark via Compfight  

      Miguelito era um aventureiro, gostava de explorar florestas e mares desconhecidos. Sempre que possível, ele contratava uma tripulação e lá partia em direção ao desconhecido, em busca de uma história ou até mesmo de um tesouro. Miguelito, uma vez, tinha descoberto um tesouro na costa do continente africano e foi o suficiente para deixar aquela tripulação inteira rica e isso só o motivou a continuar.

     Miguelito ia, mais uma vez, embarcar numa nova viagem. A tripulação era pouca, mas o suficiente para uma viagem planeada, era só ir comprar especiarias à Índia.

     – Chefe, gosta deste ventinho? – perguntou o Capitão do barco com um sorriso na cara.

     – Por acaso até gosto, Capitão. – respondeu-lhe Miguelito.

     – Bem, ainda vai ficar melhor.

     Miguelito não percebeu e apenas acenou com a cabeça que sim. Miguelito nunca tinha ido à Índia, visto que toda a gente, naqueles dias, lá ia. Só tinha ido desta vez para também abrir um negociozinho de especiarias, para ajudar a pagar as suas viagens.

     A noite caiu, Miguelito foi-se deitar a ler um livro, até que adormeceu. Houve alguns abanos do barco, mas Miguelito calculou que não fosse nada e voltou a dormir. Dormiu durante nove horas, mas ele não sabia que o que iria encontrar fora do quarto era algo que iria fazer com que ele não dormisse por bastante tempo.

     Saiu do quarto e viu corpos rasgados e espalhados pelo chão. Um tripulante estava sem pernas, mas ainda vivo, rastejava em pânico, como se a fugir de algo. Tentou dizer alguma coisa, mas o esforço foi em vão, colapsou e morreu. Miguelito estava em choque, como se congelado, até ouvir um som que o descongelou logo. Entrou de volta no seu camarote. Pensou no som que tinha ouvido e a única coisa a que o conseguia associar era a um monstro.

(Continua)

Rodrigo L, 8B

Para Esquecer – II

Foco

Ana Guzzo via Compfight

30 Minutos Depois

     Amanda recompôs-se, sentou-se ao lado de Francis e, lentamente, explicou-lhe o sucedido. O seu avô e tios maternos tinham morrido e a sua avó tinha partido um braço, que ficara todo queimado e iria ter de ser amputado. Francis tentou processar tudo aquilo mas não conseguia e tudo o que conseguiu dizer foi um fraco “OK”.

     Os pais ficaram confusos, mas não disseram nada.

3 Dias Depois

     Estava um dia de sol, Francis foi acordado pelos raios de luz que entravam pelos buracos dos seus estores. Viu as horas no seu telemóvel e levantou-se. Tomou um banho demorado, vestiu uma camisa branca, gravata preta e calças de fato também pretas; pôs o seu desodorizante favorito, o “seven senses”, pôs gel no cabelo e foi fazer o pequeno-almoço. Sentou-se no sofá e começou a ver “Family Guy”.

    A sua mãe veio ter com ele, num vestido elegante, preto. e perguntou-lhe se queria mesmo ir ao funeral de todas aquelas pessoas.

(Continua)

Rodrigo L, 8D

 

Para Esquecer

Creative Commons License Riik@mctr via Compfight

     Francis estava sentado no sofá com seu pai, Jack, a ver o jogo de basketball : Estavam a perder quando, de repente, uma luz laranja e gritos preencheram o pavilhão. A transmissão foi abaixo e, em menos  de dez minutos, todas as transmissões, mesmo as dos canais infantis, foram substituídas por uma transmissão de notícias de última hora.

     Teria havido um ataque terrorista no pavilhão: havia milhares de mortos e centenas de feridos; sobreviveram poucos e a maior parte deles tinha perdido membros devido ao impacto ou às chamas que os levaram a cinzas. Era algo terrível.

     Francis apressou-se a ir chamar a Mãe para testemunhar aquele acontecimento horrendo. A sua Mãe, Amanda, ficou paralisada até que, de repente, olhou para o lado e afastou-se a chorar. Começou a correr para o telemóvel. Francis e o pai tentavam perceber a quem ligava a Mãe. De repente, o pai lembrou-se que os Avós de Francis tinham ido àquele jogo com os tios, mas preferiu deixar Francis “no branco”. Os outros avós de Francis ligaram logo para Francis, para confirmar que ele não tinha ido ao jogo.

      Depois de uma hora, Amanda desligou o telemóvel, correu para o quarto e Jack correu ao seu encontro. Francis continuou  a acompanhar o acontecimento na TV.    

(Continua)

Rodrigo L 8D

Um Dia em Paris

Finding Nemo the Musical

Creative Commons License Joel via Compfight

     Na 6ª feira, dia 7 de Abril de 2017, fui para Paris. O meu voo foi às 5h 00 da madrugada. O avião em que eu fui era da TAP. Como o horário de Paris é diferente do nosso, cheguei lá às 7h 00 da manhã.

     Assim que cheguei ao hotel – que se chamava Premier Inn, fui pôr as malas no meu quarto. O número do quarto era o 205, portanto estava no 2º andar e localizava-se à esquerda, pois o último algarismo do número 205 é 5 e 5 é um número ímpar.

     Bem… já me estou a desviar do assunto. Continuando…

     Saí do Hotel e fui para a Disney. Mas, é claro, estou a falar da Disney de Paris. Voltando ao que interessa… Ah, já sei onde ia… Assim que entrei na Disney, fui logo para um divertimento que eu escolhi de livre vontade. Claro que o que eu escolhi foi o meu preferido, que é… o divertimento do Nemo!

Constança G, 6C

Uma Avó Hiperativa

   Granny's Blue Ribbon Rhubarb Custard Pie

Creative Commons License Theresa Thompson via Compfight

      Tudo começou numa manhã de verão, quando a Avó Elisa tocou à campainha de minha casa, para me convidar a ir com ela fazer um piquenique num jardim muito bonito do Estoril.

     Como eu não conseguia dizer que não, disse para ela se sentar no sofá da sala, que eu ia-me vestir.

      Mas, como sempre, quando lá cheguei, a minha avó já tinha entornado tudo: só se viam as minhas tintas de acrílico preferidas: rosa, azul e verde, espalhadas por todo o lado e os meus dois lápis verde e azul estragados. Como sempre, também, tive de manter a calma e dizer à Avó que já estava pronta.

     Quando a avó já só queria mexer em tudo, eu, desesperada, levei-a dali e fomos para o Parque fazer o piquenique. Fomos logo comer e depois apreciamos o lindo parque, o que a acalmou totalmente. Assim acabou um belo dia.

    Afinal, a minha Avó e eu conseguimos estar bem juntas!

Madalena M, 6C

A Rapariga das Estrelas – II

Dandelions

Creative Commons License Eamon Curry via Compfight

    – Estás bem? – Perguntaram os seus amigos pássaros.

     – Sim, estou, mas ainda não vou desistir de ir às estrelas – respondeu ela cheia de entusiasmo nos olhos tristes e quase a perder a esperança. – Por mais que tente, vou sempre cair no chão.

     Os anos foram passando e a rapariga não desistiu.

     Um dia, de repente, ela encontrou uma velhota com uns biscoitos estranhos, que pareciam ser rijos como o aço mas também moles como a espuma do mar. A velhota foi ter também com a menina e disse-lhe:

     – Olá, Estrela. Toma estes biscoitos e não deixes de acreditar nos teus sonhos.

      E apontou para cima.

     – Mas o meu nome não é Estrela!

     – Foi um palpite, sabes, porque queres ir tanto às estrelas? É porque tu vieste de lá.

     – O quê? – exclamou a rapariga, espantada.

     Quando olhou à sua volta, a velhota tinha desaparecido, mas deixara uma mala cheia de cartas, biscoitos e três grandes dentes de leão. Ela decidiu abrir as cartas e todas falavam no mundo que eram as estrelas e como eram belas.

     (Cont)

Maria S, 6C

Fugi de Casa

   Have Stick, Will Travel

gfpeck via Compfight

     Minha Doce Clara,

    Quando a Mamã veio do hospital contigo nos braços, nem imaginas, sentia-me como um vulcão, nem consigo descrever! Passaram-se alguns dias e ia pensando que os pais já não gostavam de mim.

     Então, para eles me darem mais valor, fugi de casa. Durante dez dias estive em casa da Tília, a minha melhor amiga ( é óbvio que eles não sabiam que eu tinha uma nova melhor amiga). Quando cheguei a casa, a mãe perguntou:

      – Então, foi bom, em casa da Joana?

      Ela pensava que eu tinha ido dormir a casa da minha antiga melhor amiga. Respondi como se tivesse sido insultada:

     – Foi, foi muito bom ter fugido de casa para ir para casa da Tília. Caso não saiba, é a minha nova melhor amiga, mas de certeza que não sabe…

      A minha mãe começou a chorar e disse:

      – Eu sabia! Sou horrível, sou a pior mãe do mundo!

      Não consegui resistir, abracei-a e disse:

     – Mamã, a mãe é a melhor mãe do mundo, eu é que sou a pior. Mas isto é por causa da Clara: ela destruiu-me a vida!

      A minha mãe sorriu e disse:

     – Isso vai passar, meu amor! A Clara só quer ser como tu!

Matilda M 7A

Um Novo Super-Herói

    Take Off Ben Lyon via Compfight

     O meu Super-Herói seria Super-Músculos, os meus super poderes seriam ter músculos e lança-teias. O meu fato seria um rectângulo a dizer SM, preto e laranja fluorescente e umas botas pretas. O meu arqui-inimigo seria o batatóide e ele lançaria batatas muito quentes que me queimavam muitas vezes.

     Eu viveria disfarçado como um adolescente que era muito rebelde mas tinha boas notas e era super-giro, basicamente, era o rapaz mais popular.

    Eu costumava dizer: “os meus amigos gostariam que eu fosse às festas, mas quase sempre não posso ir, porque tenho missões. Os meus pais querem saber onde é que eu vou e eu digo: – Vou à festa do Costa.”

     As missões de que eu gostaria eram ir à esquadra da Polícia vestir-me de S.W.A.T. e ir atrás dos ladrões. Outra missão era comprar uma loja de vídeo-jogos para ter acesso às câmaras de vigilância.

     Os Supervilões tinham roubado o banco Inicial e receberam as 100 peças que tornam qualquer pessoa um vilão, mas, no outro banco, havia as peças que transformavam as pessoas em pessoas com superpoderes bons, para ajudar os outros. As pessoas ficavam boas e com superpoderes.

Manel D, 6A


Motorcar Painting No.7 Mark Chadwick via Compfight

     Por esta altura, já o sol desaparecera atrás das nuvens carregadas de chuva; e esta chuva caía com tamanha intensidade que fazia um imenso barulho quando embatia no chão, um  barulho maior ainda quando embatia nas guarda-chuvas das pessoas que apressadamente se dirigiam para o seu destino.

     E é para aí que vamos, para um guarda-chuva que produzia barulho e para uma pessoa que caminhava apressada debaixo desse guara-chuva, um guarda-chuva preto e uma pessoa que caminhava apressada debaixo deste; essa pessoa era a nossa personagem, o nosso herói que de resto nada de heróico faz.

    Ele estava apenas apressado, já tinha estacionado o carro e caminhava rapidamente para o escritório, naquele dia em que tinha cometido um atraso bastante grande. Quando chegou à sua secretária, logo os colegas o avisaram que o chefe queria falar com ele.

      Foi uma conversa desagradável e rápida, tudo o que posso dizer é que depois de tal “conversa”, Guilherme já não tinha emprego.

    Sara era uma rapariga que tinha 27 anos e trabalhava em Marketing numa pequena empresa. Era uma pessoa muito amável e prestável, muito simpática e cheia de vida. Duma boa zona e de uma boa família, ela era uma boa pessoa. Gostava de ser como ela, era justa e simpática para todos, por onde passava deixava um pouco de amor e de alegria.

     Guilherme passou os seis meses seguintes da sua vida sem conquistas, sem percas nem memórias, nem pensamentos assinaláveis. Passou muito tempo no fundo de desemprego, mas não conseguia nada, visto que não tivera grandes notas enquanto estudante. Guilherme acabou por duvidar e pensar seriamente em voltar a estudar, mas mesmo os seus próprios fundos não o tornavam possível. Enfim, Guilherme decidiu procurar um trabalho que metesse menos cabeça e mais físico. Lá ia conseguindo um trabalhinho ou outro.

     Passados três meses, ou melhor, nove meses desde que Guilherme fora despedido, estávamos em agosto, em finais de agosto, a nossa personagem recebeu uma proposta para trabalhar numa oficina de automóveis (automóveis, a paixão do nosso herói), passaria assim a ser mecânico.

     Como já se deduzia, Guilherme aceitou logo o emprego. Passou alguns meses como assistente, para perceber a arte necessária para desempenhar a função. Ia fazendo uns trabalhitos e, passados três meses da sua entrada na oficina, já não era assistente nenhum, era mesmo mecânico; trabalhava sempre com o seu colega Pedro.

     E assim, passado tão rapidamente um ano desde o seu despedimento, voltamos a Novembro, a um Novembro escuro e apressado. Era um Novembro quase igual ao antigo Novembro e um Guilherme um pouco mais completo que o antigo Guilherme.

[…]

Vasco S, 7A

rainy (cc)Creative Commons License Martin Fisch via Compfight

     Estávamos no décimo segundo dia do mês de Novembro; estava um céu cinzento naquela zona, vento e mar bravo; os pássaros cantavam, tentando alegrar o mundo, mas nada alcançando.

     Guilherme era uma pessoa solitária, que não tinha onde cair morto; vivia num pequeno apartamento de um prédio humilde, numa má zona.

     Ele era trintão e solteiro, triste e incompleto. Vivia a sua vida numa rotina chata e amarga, vazia. Sentia-se incompleto e ele queria completar-se; não procurava de forma completa e faltava-lhe completar a sua busca incompleta da completude absoluta.

     Acelera, muda de faixa, pé na embraiagem e quarta mudança, pé no acelerador, toque leve no travão, travão e acelerador. Enquanto fazia a curva, vinha uma descida: acelera, embraiagem, quinta mudança, três mil rotações. Guilherme já se aproximava da descida: ponto morto e o carro simplesmente deslizava.

     Era esta a forma de Guilherme se completar um pouco mais, com esta sua paixão. Todos os dias ele se desafiava a dar mais e a dar melhor; tinha uma condução perfeita e suave e estava bem acostumado ao seu Audi AG, a única riqueza que ele tinha.

     Guilherme chegou ao escritório às oito e quarenta e cinco, no seu horário puxado. Treze e cinquenta: Guilherme fazia a primeira pausa no seu trabalho árduo. O dia aquecera e o sol aparecera, ganhando, assim, uma vez mais, às nuvens, que surgiam no horizonte, escuras e pesadas; adivinhava-se chuva forte.

     Mesmo assim, Guilherme achava que estava muito abafado, que o dia estava mau, mas ele achava isto porque o dia dele estava a ser um dia mau. Os seus olhos brilhavam e o dia iluminava, quando o seu dia melhorava. Quando ele conduzia o seu Audi AG.

     Guilherme foi à cozinha da empresa aquecer o seu almoço. Tomou-o de uma forma rápida e solitária. Foi tirar o café e dirigiu-se à sua secretária para voltar ao trabalho; eram duas e vinte e cinco.

      Ele trabalhava muito e recebia mal. A sua própria função afastava-o das pessoas. Era uma sala com cerca de uma dúzia de secretárias, mas poucos deviam saber o nome daquele jovem.

[…]

Vasco S, 7A

O Porquinho-da-Índia

   Not sure about this look, Mal, 9 Dec 12

Castaway in Scotland via Compfight

      Era uma vez um porquinho que era muito importante para o Rei da Índia, o Grande e Poderoso.

     Costumava estar ao pé do Rei, em cima de uma almofada grande e peluda. À noite é que dormia numa gaiolinha dourada, no salão real. Só quando o Rei saía é que o Porquinho tinha de ficar na gaiola. 

     Uma noite, houve uma trovoada e o porquinho desapareceu da gaiola. O rei começou a ouvir guinchos do Porquinho:

     – Hi,Hi,Hi!

      E o Rei perguntou, aflito:

   – Onde estás, onde estás, meu Porquinho?

    Quando o Rei chegou ao salão já o porco tinha desaparecido.

    Então, foi à procura dele e dizia em voz alta:

  – Porquinho, és tu? Aparece, apareeeeeeeece! –  Enquanto isso, chorava. – Porquê? Porque me aconteceu isto? Porquê? Eu não sou mau com ele!

   De repente, viu uma luz muito brilhante: era a sua Fada Madrinha, que lhe disse:

   – Não chores meu amigo, ele é teu e só teu. Ele vai aparecer.  

   – E tu podes ajudar-me, Fada?

   – Sim!

   – Como?

   – Ele está ali.

   – Obrigada, Fada!

(Continua)

Carolina S-C 5B

O Mistério – III

     Tokyo 250

tokyoform via Compfight

     Maria, estando já a sair do apartamento de Pedro, continuava um pouco (um “pouco” muito acentuado) confusa, com tudo aquilo.

      Maria já sabia que era melhor ficar na sua, e deixar Pedro feliz da vida com o seu diamante achado debaixo das almofadas, mas, como é óbvio, este facto abalou Maria; apesar de ser já tratada por “dona”, ou seja, de já ter muita experiência na vida, continuava a refletir sobre o tema.

      Para se acalmar, tentara assobiar uma melodia, mas não funcionou. Por fim, pegou nas suas chaves, que estavam no móvel antigo de madeira, na entrada. Seguidamente, abriu a porta, saiu de casa e fechou a porta. Trancou a porta o mais que conseguia, pois afinal de contas sempre se encontrava lá uma jóia com um valor quase ilimitado.

     Por esta altura, já Joana se encontrava no restaurante combinado. O relógio marcava já 20h 37. Maria desceu de elevador, do 4º piso ao piso nº0 , também conhecido por rés do chão; em tudo o que fazia mostrava uma certa falta de calma. Numa dessas situações, ia ficando mesmo presa no elevador, o que lhe custou mais dois preciosos minutos. 

     Era uma noite fria de Novembro. O céu estava escuro como breu e o alcatrão da estrada, molhado; pouca gente se via na rua. Ao sair do prédio, Maria encolheu-se de frio e tapou-se bem tapada com o casaco da rua. Cheirava a gasolina e a alcatrão molhado. Nas paredes dos prédios brancos viam-se manchas de humidade. 

     Maria ainda andou uns bons trezentos metros, num profundo vazio. Quase não se cruzou com ninguém e, com quem se cruzou, ninguém tinha um ar simpático. O seu Alfa Romeu parecia estar tão longe. E ela andou, andou e andou. Estava quase com medo. 

     Vagueava pelas ruas, num escuro imenso, cheia de frio: quando expirava, saía uma mancha branca da sua boca (não, ela não  fumava; era, sim, uma mancha de vapor de água) . Ela andou, andou, andou… Por fim, já às 20h 40, chegou ao carro. 

[…]

Vasco S, 6A

Uma Bela Adormecida

     Océane
Photo Credit: r e n a t a via Compfight

     Era uma vez, há muitos anos, uma menina que vivia com as suas três tias que a tinham criado desde que nasceu, numa casa no meio de um bosque.

     A menina fazia dezasseis anos no dia seguinte e as tias queriam fazer-lhe uma festa surpresa. Então mandaram a menina ir apanhar flores. Ela achou estranho, mas foi. Aí, conheceu um rapaz, um príncipe.

     O que ela não sabia é que era uma princesa e que quando nasceu já tinha um príncipe para casar com ela e as tias só tomaram conta dela porque houve uma bruxa que lhe tinha lançado uma maldição.

     O príncipe que ela conheceu no bosque é o mesmo que ia casar com ela; as tias vão levá-la agora ao palácio, para conhecer os pais.

     Ela ficou contente e triste por ninguém lhe ter contado a verdade antes, e foi para o seu quarto.De repente, viu uma luz verde e amarela. Curiosa como era, seguiu-a e foi dar a um sótão onde havia uma roca e picou-se num fuso. Desmaiou e ficou a dormir durante 1000 anos e o resto do seu povo também.

     O príncipe foi até ao castelo para libertar a sua princesa, mas foi mais difícil do que ele pensava: teve de passar por um buraco sem fundo, um gigante e uma floresta de espantos. Depois disso conseguiu entrar no palácio, foi a todo o lado até encontrar o quarto da princesa: foi à sala, cozinha, sala de jantar, quarto dos pais, varanda e, finalmente, chegou ao quarto da menina e beijou-a. Depois ela acordou, ele pegou-a ao colo e beijou-a outra vez e toda a gente do Reino acordou.

     Ficaram todos contentes quando viram a princesa viva, especialmente especialmente os pais, que quiseram que eles se casassem e eles aceitaram logo. Porque o amor é mais forte que tudo e eles amavam-se loucamente. No dia do casamento todo o reino apareceu e toda a gente viveu feliz e em paz para sempre.

     
     
Quanto à bruxa, isso já é outra história.

Matilde S 6B