A Vida Selvagem – VIII

     panthera pardus japonensis

Joachim S. Müller via Compfight

    A Loba Selvagem só queria mais animais de estimação e então foi perguntar ao pai se podia ter um gato. Quando chegou ao pé do pai, perguntou-lhe.

      – Não, só se conseguires apanhar um que nos ajude.

      Então ela teve a ideia de ter uma pantera. Foi ter com os irmãos à selva e, de repente:

      – AAAAhhh! Uma pantera, rápido!

     A Loba Selvagem apanhou uma pantera e uma pantera-macho. Os cavalos tremiam demasiado, nem queriam correr e a Loba Selvagem disse-lhes:  

     – Vão lá para casa!

     Mas eles só tropeçavam uns nos outros.

    A Escura sugeriu: – Vamos de pantera!

    Lá montaram e foram para casa mostrar ao pai e à mãe. Quando chegaram, o pai ficou espantado: estava sem palavras.

     – Hummm… mas como? Isso é uma pantera? Calma, duas? Mas como é possível?

    E eles, em coro:

    – Só lhes saltamos em cima!

    – Esses podem ficar aqui. Sigam-nos, panteras. – disseram o pai e a mãe.

     As panteras conseguiram falar e apresentaram-se:

    – Eu sou o Paguera e ela é a Safira.

    Foram atrás dos reis lobos e eles disseram:

    – Esta é a vossa casa!

     Era uma área com trinta mil milhas de comprimento e cem mil de largura.

(cont)

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – VII

Deutscher Schäferhund DDR-Linie

Creative Commons License Maja Dumat via Compfight

     Os três andavam a galopar sempre todos os dias.

     De repente, os cavalos deram um salto gigante e caíram no chão. Ao levantarem-se, caíram num buraco muito grande.

     – Aaaahhh! – Gritaram em coro.

     – Estão bem? – Perguntou a Escura.

     Eles disseram:  – Sim, e tu?

     – Também. – respondeu a Escura.

     Ouviram um ladrar; foram a correr para lá: eram dois cães, um Serra da Estrela e um Salsicha; os dois eram bebés. A Loba Selvagem perguntou:

     – Acham que fiquemos com eles?

      A Escura disse:  – Vamos perguntar ao pai.

     Lá foram, no seu jeito de subir com lianas e pezinhos de ladrão. Quando chegaram, o pai perguntou:

    – Por onde andaram? Vão tomar um banho!

     – Ok, mas podemos ter dois cães?  – perguntaram as irmãs.

     – Sim, deixem ver os cãezinhos.

     Elas agarraram nos cachorrinhos: o Serra da Estrela era de uma cor castanha claríssima, com umas manchas pretas na cara e um pouco de branco. O Salsicha era preto com uma linha castanha na cara. Elas foram buscar diamantes para fazer coleiras e fizeram umas casotas muito grandes para eles.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – VI

Here's Starin' at You!!!

Creative Commons License possumgirl2 via Compfight

      A Loba Selvagem e a Escura andavam sempre juntas e os seus cavalos, mas o Picasso ficou todo preto e a Loba Selvagem mudou-lhe o nome para Trovão.

     Um dia, o rapaz, que se chamava Roger, foi a seguir as pistas dos cavalos. As duas amigas estavam a andar a cavalo quando, de repente, apareceu o Roger e elas foram falar com ele para saber porque é que ele estava sempre a segui-las;  e  a Escura perguntou:

     – Por que é que nos segues?

      – Eu estou a tentar que vocês sejam minhas amigas. – Respondeu o Roger.

     A Loba Selvagem disse:

      – Ok, mas vens connosco para ver se o nosso pai aceita.

       E foram os três, mas o Roger estava amarrado. Quando chegaram, todos ficaram a olhar para o rapaz. Estavam num sítio muito escuro, num gruta gigante, com cerca de cem mil lobos! Quando o Pai viu o rapaz, disse para eles entrarem na gruta. Quando entraram, a Loba Selvagem perguntou ao Pai:

       – Pai, este rapaz quer ser nosso amigo!

      O pai respondeu:

      – Ok, mas ele vai ter de viver aqui, vai-se chamar Trovoada e vocês as duas vão ter de o ensinar. Está combinado?

       As duas disseram em coro:

        – Ok!

        Foram lá para fora e começaram por apanhar um cavalo. Apanharam um cavalo branco com uma mancha cinzenta na cara. Tentaram todos agarrar a égua e ele conseguiu montá-la. Depois, ele gritou:

      – Aleluia! O que acham de mim em cima da égua?

       – Estás bem fixe.  – Disseram a Escura e a Loba Selvagem.

       – Vamos chamá-lo “Cinza”.

        Elas não o viam mais como amigo, viam-no como irmão.

        Um dia, a Loba perguntou a todos:  

       – Quem quer fazer uma corrida de cavalos?

        E eles responderam:

       – Nós!

       Estavam a preparar-se e começaram a correr;  estavam a passar por árvores, rios, vulcões. Quem ganhou foi o Trovão, em segundo a Escura e em 3º o Trovoada.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – V

   Buddies

Creative Commons License Amanda via Compfight

     Ela esperou e esperou… quando a Mãe chegou e o Pai, ela perguntou:

    – Mãe, Pai, eu posso montar cavalos selvagens? É que uma vez, vi um e gostei. E se eu puder, posso ficar com ele?

    O Pai e a Mãe responderam:

    – Não, os cavalos não são para montar! A Mãe pensou um pouco e disse: – Sim, mas vais ter de o acalmar, às vezes, por causa dos lobos. Mas nós vamos dizer-lhes para não o comerem.

     E o Pai acrescentou logo:

    – Lobos, não podem comer o cavalo da minha filha!

      A Loba Selvagem, com a sua irmã e melhor amiga, foram apanhar dois potros. O da Escura era branco, muito branco. O da Loba Selvagem era branco e preto às manchinhas. O da Escura chamou-se Silver; o da Loba Selvagem chamou-se Piicasso.

     Como elas não queriam que os lobos fizessem nada aos cavalos, fizeram um estábulo numa gruta para eles. Era grande, com muita palha no chão, para eles rebolarem. A gruta estava muito escondida. Até o animal que farejava melhor não conseguia encontrar! Tinham água e leite, com cenouras.

      Passados alguns anos, os potros eram cavalos bem fortes, e as irmãs saíam de casa a correr para irem ter com os cavalos. Tentavam sempre montar; a Escura ficou com uma cicatriz na boca e a Loba Selvagem também.

    Elas eram totalmente gémeas, mas as irmãs apanharam  diamantes para fazerem uns colares, para se distinguirem. A Mãe e o Pai começaram a estranhar, mas deixaram estar.

     Um dia, conseguiram montar e, de repente, os cavalos foram a galope para a cidade, para encontrarem o rapaz que seguia a Loba Selvagem. Encontraram-no, assustaram-se e voltaram com ele para trás.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – IV

     Little Red Riding Hood with Jamie Elizabeth and Ironwood Wolves

Creative Commons License WoogglyBooggly via Compfight

     A Loba Selvagem já tinha 15 anos. O pai não envelhecia nem a mãe. Ela quis falar sobre a sua festa. Mas como a Mãe estava num encontro com o Pai, ela pensou:  “- Não, não vou interromper, vou esperar aqui.”

     E perto da meia-noite já tinham chegado. Foi ter com ela e a Mãe interrompeu-a num segundo.

     – Já pensaste na tua festa?

     – Sim. – disse a filha.

      E a mãe:

     – Vou-te dar um presente agora.  De repente, apareceu uma rapariga da mesma idade que ela tinha, e a Mãe disse:

     – Ela vai ser a tua irmã. Chama-se Bella. Peço-lhe que a ensines.

     E a filha, que já lá estava há mais tempo, e que era muito amiga, disse:

      – Olha, tu tens que ensinar-te a ti mesma. Eu não sei ensinar-te, mas a única coisa que te ensino são os meus amigos. E foi chamá-los à floresta.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – III

Verulven

Anya Sergeeva via Compfight

     A loba selvagem tinha saído da gruta a correr; o pai chamou-a, mas como ela não queria parar, olhou para trás, continuou a correr e disse:

     – O que aconteceu? – E foi bater na parede.- Au! O que foi, pai?

     O pai respondeu:

     – Eu só queria dizer adeus! Mas só mais uma coisa: tens uma surpresa lá fora.

     Ela foi a correr lá para fora: estava lá uma loba que era a mãe dela, que tinha estado desaparecida durante seis anos, desde o dia em que tinham fugido da outra caverna.

    E ela gritou de felicidade:

    – Mãe! Tinha tantas saudades!

     O pai foi lá fora e disse:

     – Onde estavas este tempo todo?

       – E a filha perguntou:

     – Mas esta não era  a tua surpresa?

     E o pai disse:

     – Não, o teu presente era um bolo de aniversário que encontramos no meio da floresta, eu não estava à espera  da tua mãe que estava desaparecida!

(Continua)

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – II

galaxies and hurricanes via Compfight

     Ela comeu muito pouco, porque estava a pensar como seria a vida dos humanos  normais. Um dia, ela foi ter com os humanos na Cidade e chocou com um rapaz da idade dela, só que o único problema é que ele era caçador de lobos!

     O rapaz disse:

     – Olá, como te chamas?

    Mas ela, como estava nervosa, fugiu. Ele foi atrás dela, só que ela foi para a floresta, subiu a uma árvore e ele não a viu. Ela, entre as folhagens, deu uma risadinha. Ele ouviu e levantou a cabeça, à procura…

     E lá estava ela! Mas saltou de árvore em árvore e foi tão rápida, tão rápida que, quando ele conseguiu subir, ela já tinha desaparecido.

    – Subi isto tudo para nada!

     Ela foi ter com o pai para dizer que tinha encontrado um urso maior ainda. Lá foi a caçada de novo: toda a alcateia a correr, ela ia pelas árvores e os outros pelo chão. E ela fez ao urso a mesma coisa que no outro dia.

     Mas a única coisa diferente foi que o rapaz conseguiu encontrá-la. Ela deu-lhe um murro, para ele desmaiar e levou-o de rastos para a cidade. Como desceu a montanha, ele foi sempre a apanhar com pedras na cabeça.

      Entretanto, como começou a chover, as pegadas e os rastos desapareceram.

      Ela voltou para a toca dos lobos. O rapaz acordou e não viu a rapariga. Estava com a roupa toda castanha, porque ela tinha-o arrrastado pela lama!

      – Tanto trabalho que eu tive e agora é isto que acontece! O pai dela ficou furioso quando descobriu que ele conhecia a filha dele:

       – Eu já percebi. Tu conheceste esse rapaz. Não foi?

       E disse a filha, a mentir:

      – Não, pai, não o conheci.

      – Pois, pois, o meu nariz não me engana. Vamos jantar. Não faz mal tu teres conhecido esse rapaz, desde que me prometas que não  voltas a falar com ele.

      E ela respondeu:

      – Ok, Pai. –  E foram jantar.

       No dia seguinte, o rapaz esteve a investigar o rasto que tinha deixado e descobriu a rapariga numa montanha com a alcateia.

(Continua)

Margarida L, 5B

A Minha Família

newborn girl

Jonnie Andersen via Compfight     

     A minha irmã, Mia, é a mais fofinha de todas: ela tem um ano e eu adoro-a, porque ela me adora, quer que eu esteja sempre com ela. Está sempre com a mãe ou comigo.

     A minha irmã Francisca é a mais velha; tem 19 anos. Quer ser animadora e já está na Universidade em Inglaterra. Vem cá no verão, chega a 19 de Junho.

     O meu irmão lourenço é com quem eu me dou mais; tem 18 anos. Nós os dois gostamos muito de estar a jogar ou a lutar na brincadeira. Ele está no Amor de Deus como eu.

    A minha mãe, Paula, é muito simpática; ela preocupa-se muito comigo e com o Lourenço e a Francisca.

     O meu tio Zé é casado com a minha mãe; é muito simpático  tanto que gosta muito de nós.

     O meu pai, João, é piloto; normalmente fica longe de nós 3 meses, mas, de qualquer maneira, eu adoro-o.

    A minha madrasta, Ashley, é a Mãe da minha irmã Mia; ela é simpática e as suas panquecas são uma delícia!

    São as pessoas mais importantes da minha vida!!!

Margarida L, 5B

 

Aventura Selvagem – I

path

Arthur Davison via Compfight

Vida Selvagem

     Era uma vez uma menina que tinha sido criada por lobos e o pai (lobo) era o chefe da alcateia.

     Dois lobos fizeram uma pulseira para a menina: com aquela pulseira, podia-se perceber os lobos.

     O pai lobo, que se chamava Trovão deu-lhe o nome de “Loba Selvagem”.

     Uma vez, os lenhadores começaram a cortar árvores e, passadas umas horas, já tinham chegado à caverna dos lobos.

     Os lobos começaram a fugir para outra caverna numa montanha e levaram a menina na boca.

   Ela cresceu naquela montanha. Quando já tinha 14 anos, começou a usar armas, mas só usava instrumentos muito simples: arcos, flechas e uma lança.

     O Pai dela não a deixava usar balas, porque assim podiam denunciar o disfarce dos lobos. Como na montanha havia partes negras, eles podiam-se camuflar aí. Ao ouvirem as balas, os caçadores podiam ir lá ver e descobriam os lobos.

     Um dia, eles foram caçar um urso. Um lobo estava a distrair o urso e os outros morderam-no nas costas, mas só conseguiam matá-lo com um arco e flechas. O pai pediu àfilha para lhe acertar, ela acertou-lhe e o urso morreu.

       Tiveram um grande banquete!

Margarida L, 5B

Pipo – A fuga do Canil

 Free running dogs

Dario Di Mauro via Compfight

A fuga do Canil com Jim e os seus Amigos

     Era um dia maravilhoso quando o Pipo, um beagle,  estava a passear sem coleira.

     E apareceu o “Canilzeiro” (o homem do Canil), apanhou o Pipo e levou-o para o canil.

     Quando ele chegou ao canil, e viu o  Jim, outro beagle, o Fluffy, um Yorkshire e Max, um cão para polícia, um pastor alemão. E o Pipo disse:

    – Ôi gente!

     Mas o Max interrompeu com ar sério:

     – Nós estamos no Canil, não é caso para  brincadeiras!

      – Acalma-te! – interveio o Fluffy.

     O Fluffy era um cão pequenino e adorava comer salsichas e disse:

   –   É a tua vez, Max.

     Isto porque eles já tinham ido para o Canil e fugido várias vezes antes, menos o Pipo, que era um novato.

      – Ok, eu já vos tiro daqui.

     O homem do Canil pegou no Max, mas o Max tinha o botão que accionava a abertura das jaulas mesmo à frente, carregou: os amigos fogem, menos o Pipo que foi morder o homem, para ele largar o Max.

     E os quatro amigos fugiram para casa da Margarida.

     Mas antes tiveram de atravessar o trânsito: o Jim, que gostava de fugir e roer coisas, roeu um pneu, para saltarem por cima dos carros para atravessarem a rua.  E o Fluffy foi buscar jornais para fazerem de capas, à super-cães. O Max levou o Fluffy na boca, porque ele não era capaz de dar aqueles saltos gigantes.

     Então, correram até casa da Margarida.

Margarida L, 5B

Eu e o meu Irmão no Minecraft

    minecraft_YouTubeImagem: Minecraft – You Tube

    Ontem, dia 24 de Janeiro, fomos à FNAC comprar um jogo para a PSP4. O meu irmão disse que era ele a pagar, mas depois eu tinha de lhe dar 12,50 euros.

     Quando chegamos a casa, eu tive de estudar das 3h às 6h e depois fui jogar com ele.  Nós estávamos a jogar Minecraft: fizemos uma casa numa montanha.

     Ele estava a tentar fazer uma mina mais funda do que o mar. Depois fez uma casa no cimo da montanha. Eu construí a casa: primeiro fiz um buraco na montanha com uma picareta, depois troquei a pedra por madeira.

     Fiz o meu quarto e depois fui plantar cenouras, trigo e açúcar.

Margarida L, 5B

Zootrópolis – I

Zootropolis_2_ _ disney.pt videos

Imagem: Zootrópolis Trailer 2

        Era uma vez uma coelha que queria ser polícia desde criança.

     Um dia, ela foi para Zootrópolis; ia ser a primeira polícia coelha, mas o trabalho dos outros animais era muito mais interessante.

     Mas a Judy Hops. era uma polícia de trânsito que foi falar com uma raposa, Nick Wiles:

      – Quero falar-lhe sobre um caso.

     – Arranjem uma polícia a sério para resolver isso. – respondeu a raposa.

     – Tu és um mentiroso, tu vendes gelados sem licença! – acusou Judy.

     – Não, eu tenho licença.  – E mostrou um pequeno cartão.

     Eles foram ao Flash, onde trabalhavam só Preguiças. Chegaram lá de manhã e saíram de lá à noite.

     Foram ao Alaska, para resolver o caso e entraram num limusina que estava com arranhadelas de lontra nas almofadas.

     – Este carro é de quem? – Perguntou a agente Hops.

    – Do terrível Barão do crime, o Senhor B.

     Eles abrem a porta da limusine e são levados de repente por uns ursos que pertenciam ao tal Barão do crime.

     E uma ratazana exclamou:

     – Congela!

     – Não, por favor! – Suplicou a raposa, desesperada.

     – Papá – disse uma voz fininha, que era a filha da ratazana – Eu disse que no meu casamento não se congela ninguém.

     – Mas é preciso,  querida, é preciso,  – insistiu a ratazana.

     – Nós só queremos saber se sabe alguma coisa sobre o senhor Lontra. – Esclareceu a gente Hops.

    – Eu não sei de nada, mas eu acho que há uma pantera, que é o meu chofer – respondeu a Ratazana.

[…]

Margarida L, 5C

Os Detetives – II

     Inspector_Gadget_2_poster

Imagem: IMDb

     Depois da confusão toda, o Gadget foi-se embora.

     No dia seguinte, a Penny foi para a escola e o Gadget para o trabalho (Polícia). Quando ele chegou ao trabalho, disseram-lhe: 

     – Está despedido!

      E ele foi-se embora triste. No dia seguinte, ele não saiu da cama e a Penny, a tentar que ele se sentisse melhor, mas não conseguiu animá-lo, e foi  a correr, a chorar, para um banco do jardim. E foi então o Génio animá-la e conseguiu.

      E foram desvendar o mistério. A Penny e o Génio descobriram  o sítio onde o Garra estava escondido e foram para lá.

      Quando chegaram lá, não estava ninguém, mas passado um bocado eles apareceram, apanharam a Penny, e o Génio fugiu para ir chamar o Gadget. Quando ele lhe apareceu á frente sem a Penny, o Gadget foi buscar logo a G2. E lá foram salvar a Penny.

      Mas quando o Gadget estava quase a apanhá-los, eles largaram a Penny num carrinho feito de Pins com uma bomba. O Gadget tinha 15 m para a salvar, enquanto ao G2 ia apanhar os outros bandidos.

     Quando a G2 os tinha apanhado, foi ter com o Gadget; quando ela chegou, a bomba já tinha explodido. Mas eles conseguiram fugir – Penny e Gadget – entraram os quatro no Gadget Mobile (Génio, Penny, G2 e o Gadget) para apanhar o Garra, mas quando tinham chegado, o Garra tinha fugido. E o Gadget e a G2 casaram!

Margarida L, 5B

Olá, Eu sou o Pipo

      Roxy: Daisy's sister, also my sister's dog Malingering via Compfight

     Olá! Estou a falar pelo computador da minha amiga Margarida (BFF). Ela está a jogar com o primo, eu não posso fazer barulho, senão ralham comigo.

     A minha raça é Beagle, o meu pelo é curto e macio, a minha cor é branca, preta e castanha clara na cabeça. As minhas orelhas são muito macias, mas acho que até são demais; o seu tamanho é comprido, mas não comecem a pensar que são até ao chão. Eu sou fofo.

      Agora tenho de ir, estão a chamar-me; a minha BFF está a descer, vou fugir. Eu depois continuo. Adeus!

***

     Desculpem a demora, estava a fugir dos meus donos, onde é que nós íamos? Não me apetece ler tudo outra vez… Eu gosto muito de pessoas, especialmente da minha dona Margarida. Eu tenho uma coleira vermelha

        De repente:

     – Pipo, sai daqui!

     Olá, eu sou a Margarida, o Pipo é um cão muito fofo. Nós, normalmente, jogamos ás apanhadas, mas os vizinhos que têm cães estragam sempre tudo, porque se põem ao pé do Pipo e ele depois distrai-se.

     O momento que eu gostei mais com o meu cão foi quando fomos dar um passeio sozinhos: passamos para fora do Condomínio, fomos até um muro branco…

Tan tan tan tan

     Eu acho que os cães existem para os humanos não estarem sozinhos.

Margarida L, 5B

Os Detetives – I

     

6gadget

Imagem: Site de Animação Infantil

     Era uma vez um detetive que se chamava Gadget e a sua parceira G2;  os dois eram robots e polícias detetives. Havia mais dois parceiros: o cão, que se chamava Génio e um carro que se chamava Gadjet-Mobile.

     Um dia, eles tinham prendido um génio do mal que  se chamava Garra.

     Passado algum tempo, o Garra conseguiu fugir por um buraco enorme ao pé da prisão. E quando o o Gadget estava a dormir, só se ouviu:  

Drriiiiiiiiii!

     Ele acordou, mas nem se teve de levantar da cama, porque a mão dele é um telemóvel. Era o seu chefe e o Gadget perguntou:

     – O que se passa, Chefe?

    – O Garra fugiu!!!

     – O quê?

    A cabeça dele esticou-se até ao quarto da sua sobrinha e ela perguntou:

     – O que se passa, tio Gadgget?

    – O “Garra” fugiu, Penny!!!

    – O quê?!!!!

    E quando ele estava a arranjar-se para ir tentar prender o Garra, a Penny já estava a descer para ir com o tio, mas ele não deixou.

     Logo de seguida, foi ligar  à G2 e ela também ficou espantada e foram a correr ter com o seu chefe, ao pé do buraco.

    Quando ele chegou lá, disse ao chefe, que estava ao pé do buraco:

     – Acho que o Garra fugiu por aqui.

     E o Chefe respondeu, sarcástico:  

   – Oh, a sério?

    E quando se iam embora, para desvendar o mistério, o Gadget bateu nas costas do seu chefe a dizer:  

    – Até já, Chefe! Vamos desvendar o crime.

    E lá foi  Chefe a cair para o buraco por causa da palmada nas costas e gritou:

      – GaAAAAAAAdget!

     –  Ooops, lá se foi o Chefe!

(Cont)

Margarida L, 5B

O Natal Maravilhoso

     Polar Express tickets BACK 1up RED

Creative Commons License Kevin Edwards via Compfight

     Numa noite de Natal, só se viam casas decoradas, ruas enfeitadas; num condomínio havia muitas casas, mas hoje famos falar numa casa em especial.

      Nessa casa viviam seis pessoas: quatro crianças, uma mais nova, com dez anos, um com dezasseis anos, uma com dezoito anos e, por fim, um com vinte anos; além disso, dois adultos: a mãe, que se chama Paula e o tio, que se chama Zé.

      Nós, no Natal, estamos na sala, ao pé da lareira, a ver a mesma coisa: “O Expresso do Pólo Norte”. Mas neste Natal vamos ter de fazer pausas, porque temos de levar o cão à rua. E também, este Natal, vamos passar com mais pessoas da família.

      Está quase a chegar o Pai-Natal, agora tenho de ir, Adeus!

Margarida L, 5B

Aventura com meus Amigos e Cães

   Forêt Serge Costa via Compfight

     Era uma vez três crianças e três cães: o Jim, um cão Beagle, de tamanho médio e também muito forte, o Pipo, também um Beagle, o Caetano, um cão grande, fofo e brincalhão. Os nomes  dos meus amigos são  Afonso, a dona do Jim, Tabia, a dona do Caetano e eu, que sou a dona do Pipo.

      Um dia, nós fomos a uma floresta, até lá ao fundo e os cães começaram a ladrar. Só ouvimos:

     – É melhor irem para casa! – com uma voz assustadora.

     E a Tabia gritou:

      – Caetano, ataca!

     E lá foram, o Caetano, o Jim e o Pipo. Mas eles voltaram para trás e só ouvimos:  “Pá!”

       E começamos a correr. O Afonso tinha uma empregada que tinha ido connosco, mas tinha parado mais no início. Então o Afonso gritou

      – Nini, acuda! Está aqui um psicopata!

      Mas quando chegamos, ela não tinha acreditado, e nós nunca mais vimos o psicopata. É que o grito do Afonso pô-lo a milhas.

Margarida L, 5B

África e Kevin

     kevin_2

Imagem: Kevin Richardson

     Em África, tudo é maravilhoso, quando Kevin foi para lá, tudo e todos ficaram muito melhores. É um senhor que trabalha com animais no seu próprio terreno. Chama-se Kevin Richardson e anda sempre com leões e leoas. Vai todos os dias correr com eles e ainda os leva para casa.

    Ele criou dois leões bebés, que se tornaram chefes de um bando. Ele tem uma casa lá dentro num terreno gigante onde estão no total 36 leões e leoas.

     Mas há muitos mais animais: chitas, hienas, leopardos, etc

      Um dia, o Kevin estava a passear com um leão e uma leoa. Quando ela estava atrás de um leão , a andar, a leoa saltou upara as costas dele e ele caiu no chão, mas ele não se magoou.

      Não se esqueçam, vão ver o Kevin com os seus melhores amigos de quatro patas.

Margarida l, 5B

Carta ao Zoo

The main mane. egnilk66 via Compfight       

            Zoo de Lisboa, 4 de Outubro de 2005

     Queridos Caçadores:

     O Zoo adorava, se pudessem, parar de caçar animais, mas não é só um, são todos! Principalmente, o leão mais bonito que temos.

     Se fizessem isso, podiam vir trabalhar connosco para o Jardim Zoológico. Podiam cuidar dos animais, não levar nenhuma arma e não os ameaçar.

     Continuando, vamos falar de animais: os linces são animais fantásticos, com aquelas orelhas pontiagudas…

     Obrigada e lembrem-se:

Não matem os animais!

Os Responsáveis do Zoo

Margarida L, 5B

Amigos e Diferentes

     Hunting Squirrels

Ralph Hightower via Compfight

     No meu verão, estive na piscina do meu condomínio, a brincar com o meu amigo Afonso, com o Pipo, o cão do meu irmão, com o cão Jim, e ainda com o Caetano, o cão da minha amiga Tabiá.
     Nós andávamos todos a correr atrás do Jim, o fugitivo, que se metia pelas casas todas do Condomínio.
     O meu amigo Afonso contou-me que, uma vez, o Jim saltou para a piscina para salvar um gato, mas quando o pousou no chão continuou a correr atrás dele.
     A Tabiá joga Basquete e o Caetano é um cão brincalhão e bem comportado.               Normalmente nós saltávamos no trampolim dela, com o Caetano e o Afonso.
Nós adorávamos fingir que o Caetano era um cavalo: montávamos nele e com comida de cão, atirávamos para a frente; ele corria até lá e nós a ver se não caíamos.
Também brincávamos na piscina, a ver quem aguentava mais tempo debaixo de água.
     O que eu mais gostei nestas férias foi de estar com os meus amigos. Sinto-me melhor com eles do que cá na escola, com as outras pessoas. Eles são diferentes e eu sinto-me diferente quando estou com eles.

Margarida L, 5B