Os Bastidores do Estudo

   le jardin de Jules et MarieCreative Commons License marthe lelievre via Compfight  

     Hoje temos connosco, na Oficina, o famoso trio de jovens alunas de 5º ano, Mariana, Matilde  e Joana, numa partilha ainda incipiente da sua gestão de estudo e estratégias preferidas.

     Em relação a um horário elaborado para os fins de tarde e os fins de semana, todas elas já se organizaram com os seus pais e explicadoras.

       Em relação à sequência de escolha dos tpc diários, a Mariana e a Joana vão fazendo os tpc aleatoriamente, sem atender ao seu grau de dificuldade, enquanto a Matilde começa deliberadamente pelos mais difíceis.

      Por vezes só os faz na véspera da própria aula, isto é, alguns dias depois da aula em que foram marcados.

       As três jovens ainda não sentem necessidade e, provavelmente, não têm tempo para retomar as lições do dia, estudando apenas para testes agendados.

       Combinamos fazer um calendário de Testes com suas etapas de estudo prévio assim que recebermos as marcações definitivas.

       Em relação aos métodos de trabalho, a Matilde prefere apontamentos escritos; a Joana, por vezes, copia uma definição do Manual e depois relê para confirmar se compreendeu. A Mariana faz resumos que a sua explicadora depois corrige ou completa. Em Inglês também treina exercícios de aplicação da gramática.

      Nenhuma das três amigas experimentou ainda criar mapas de ideias como os que costumamos fazer nas sessões de estudo da Oficina.

       Nas revisões finais para os testes, a Matilde e a Joana repetem mentalmente o que já estudaram, mas também em voz alta.

       A Mariana responde às perguntas que lhe fazem. Quando a explicadora já não está, quem faz as perguntas são os pais. A Mãe prepara uma revisão à noite e outra de manhã; dá-lhe a folha que a explicadora fez com ela e verifica se já sabe.

       A Matilde estuda com os pais. O Pai adora História, por isso estuda com ela. Com a Mãe estuda as outras disciplinas, enquanto o Pai vai trabalhar para Abrantes, na Quinta, que fica bem longe.

       A Joana estuda com a explicadora: revê antes, depois fecha o livro e a explicadora faz perguntas.

       Os fatores que mais favorecem a concentração são, para a Matilde e para a Joana, estudar no quarto ou a sala, embora o irmão de 3 anos da Joana por vezes a desconcentre com os seus gritos infantis.

      A Mariana prefere concentrar-se no quarto, embora a Mãe já tenha tentado convidá-la para estudar na sala. Todas as três amigas preferem estudar sem fundo musical.

       Em relação ao modo como expressam mentalmente as perceções visuais e auditivas durante o seu estudo, a Mariana e a Joana, preferem ouvir a voz do pensamento, enquanto a Matilde visualiza as palavras com facilidade.

      Experimentando somar 49 com 11, a Mariana explicou assim o seu cálculo mental: “Do 49 tirei o 4 e fiquei com o 9; acrescentei 9 e 1 e é 10; 10 mais 10 é o 20, pois o 10 vinha do 11; e depois acrescentei 20 ao 40, que dá sessenta.”

     A Matilde explicou: vi o 49 e o 11; tirei um ao 11 e deu 40 + 10. Durante todo o cálculo vi mais do que pensei por palavras.” A Joana pensou: “Quarenta e nove mais dez, cinquenta e nove;  mais um sessenta.” E fez uma correção ao seu cálculo durante o percurso mental.

Conversas na Oficina

Mariana, Matilde e Joana 5ºA

A Minha Música

https://www.youtube.com/watch?v=rDA52HNZ_rM

Imagem: youtube Fernando Daniel

     Eu gosto imenso de uma música do Fernando Daniel que se chama “Espera”; sempre que eu a ouço deixa-me feliz; já a ouvi imensas vezes e nunca me canso de a ouvir.

    A minha irmã irrita-se quando eu a canto, porque já a ouviu tantas vezes, tantas vezes, que a minha irmã me pede para eu me calar.

    Esta música fala de uma mulher: ele diz para ela esperar por ele, onde quer que ela vá: 

Onde é que vais
Espera por mim
Eu vou ser melhor por ti
Sempre que sais
Eu sinto o fim
Eu nao quero ficar por aqui

Joana Cb 5A

ALEGRIAS – 3

https://unsplash.com/photos/tvc5imO5pXk   Photo by Robert Collins on Unsplash

     No dia de Natal, acabamos de acordar e vem a Felicidade, olhamos para o dia, achamo-nos na Alegria. O Natal é um momento de Família, todos felizes com coração e paixão, recebemos os presentes dá-nos vontade de agradecer.

     Até quando olhamos para o lado, os amigos estão lá para brincar connosco e para nos ajudar quando precisamos: uma Alegria tê-los ao pé de nós

     Tantas Alegrias nos rodeiam: os pequeninos que sobem à Biblioteca com grandes olhos redondos e ainda nem sabem ler.

  A Alegria está em todo o lado, até mesmo onde se pensa não se ver nada.

   Até com os amigos, quando estamos em grupo com os amigos mais chegados, eu sinto uma Alegria infinita.

     Invisível, sob os acontecimentos, racha o solo do acontecer quotidiano e brota como um repuxo de água viva.

   Tal como uma semente brota em flor, brota a esperança e alegra facilmente o coração de uma pessoa, pois tal como a semente, a Alegria precisa de ser tratada até crescer e ser maior que a soma das suas partes.

     Cuidamo-la, feridos, por vezes, pela vida, mas é sobre ela que nos debruçamos primeiro: a mais vulnerável, a mais jovem, promessa de um Futuro Absoluto que mal adivinhamos.

Texto a 4 mãos:

5A: Joana Cb, Mariana Lm, Matilde ConsOE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

ALEGRIAS – 2

https://getstencil.com/app/savedImagem: Stencil   

      Ela própria se torna o motor do nosso viver: tomamos a decisões, atiramo-nos ao nosso trabalho e resistimos graças à sua energia secreta que mantém o nosso coração fiel.

      Se a Alegria fosse uma animal, seria um coelhinho. A alegria tem liberdade, paixão e sentimentos sem fim. 

     A pomba da Alegria voando e se espalhando por todos nós, saltitamos, brincamos e cantamos sobre a alegria de amar os outros ou de ser amado.

     A Alegria da Família é uma coisa amorosa que nem a conseguimos explicar porque é tanto amor, tanto amor que, se fizermos as contas, é infinito. 

     Misteriosa força que move o coração dos homens e parece penetrar até os poros do universo. Quando já não conseguimos captá-la, sobrevoa-nos, divinamente passa, na sua leveza, para além do horizonte. 

    A Alegria é um sentimento de um coração aberto para ajudar quem mais precisa. Quando alguém sente alegria é algo fantástico. 

     Como se fosse desabando por cima de nós, a Alegria cresce, cresce sem parar.

      A partilha multiplica a Alegria, desdobra-a, quebra-a em mil pedaços doces que misteriosamente sobram mesmo depois de todos a terem saboreado.

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

ALEGRIAS – 1

https://getstencil.com/app/saved

   Imagem: Stencil

   Um infinito, uma torrente que desaba, a nossa alma está viva e sente-se em casa na Alegria.

     Livre, cantando sobre mim, a chuva da Alegria!

    A Alegria, quando nós a sentimos, é uma coisa extraordinária. Por exemplo, no amor, há tanta Alegria que não conseguimos parar de sorrir.

    Alegria de um coração puro que a luz irradia na sua transparência ingénua: apesar de todas as dificuldades, como é maravilhoso viver!

    A Alegria é um sentimento que inclui praticamente todas as pessoas, mas mais a Família e os Amigos. A Alegria até pode ser com o cão, o coelho…

    Há tantas formas de a viver: a própria Natureza nos inspira, nos seus mil matizes de cor que parecem sorrisos do próprio Ser.

    A alegria não tem fim: o melhor da Alegria é amor, amigos, família, bom ser e dar-nos bem com as pessoas e bem-estar com os amigos.

     Amigos verdadeiros estão sempre ao nosso lado para quando precisarmos sem até sem serem chamados, brincam connosco, são como nossos irmãos que são para sempre e nunca nos largam.

    Os amigos são como se fossem família. Para termos amigos temos que respeitar, não os aborrecer e sermos uma bondade para eles

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

O Que o Meu Coração Ama

Sunny Studio Two Scoops Rainbow Sherbet Card Mendi Yoshikawa via Compfight

      Adoro ir ao Bounce, porque é fabuloso saltar e divirto-me imenso, principalmente quando vou com amigos.

      Gosto muito de fazer anos e convidar amigas, porque há tantas coisas divertidas para fazer: festa de pijama, apanhadas, comer doces, brincar com insufláveis, lutas de balões e corridas.

     Sabe-me bem, de vez em quando, saborear um belo gelado com a Família  e com os amigos, até só de o escrever, já me estou a babar. Os meus sabores preferidos são: avelã, stratiacella, nata, meloa e baunilha.

      Estar com a família é algo que o meu coração ama e eu também amo. Por exemplo, mesmo quando eu estou zangada com os meus pais, ainda sinto o meu coração a bater.

      As amigas são também como os pais, mas ainda assim, não há amor maior do que o dos pais, mas os amigos também são algo muito precioso.

Joana Cb, 5A