Um Surfista Incrível

Relaxing timeCreative Commons License Hernán Piñera via Compfight

     Se eu fosse famoso, seria famoso no Surf. Gostaria de viver no Hawaí, onde iria surfar todos os dias às 07h e sairia da água às 19h. Teria uma casa linda, com uma piscina deslumbrante e um enorme jardim cheio de pranchas.

    Por último, também teria um restaurante, onde as especialidades eram Sushi, coca-cola, cerveja e água de côco. A sobremesa especial da casa era bolo de côco com banana.

     Era um restaurante muito caro, menos para mim, pois eu tinha tudo de graça, por ser o meu restaurante, mas era um local muito animado, pois tinha sempre a minha Família e os Amigos surfistas.

    Assim seria o meu mundo!

Simão CB 5C

Ser Feliz, Amar os Outros…

Seasonal Joy IICreative Commons License Anne Worner via Compfight

     Eu nunca me canso do Natal, porque é estar com a Família e ser feliz, amar os outros.

     Para mim, a Família é o mais importante; se eu a perdesse, nunca voltava a ser a mesma.

    Quando passo por alguma pessoa pobre, eu começo a pensar no Natal e como as pessoas podem não ter Família.

    Se alguém me perguntasse o que é o Natal, eu diria que é uma celebração, quando Jesus nasce, celebra-se com a Família e entramos no tempo d’Ele.

    Este ano, eu já não recebo presentes, e já não faço cartas para a minha Família. Tenho tanta pena!

   Ah, mas vou dar bombons, com uma pequena carta, a cada pessoa da Família, a dizer que gosto muito dela, a dizer que a adoro. E ver os sorrisos na cara de cada uma, ao receber…

    O Natal é magia, canções, convívio e surpresas. Eu adoro o Natal!

Mariana Lm, 5ºA

Um Natal Maravilhoso

Narizao, The Cool Brother of the Other Guy - 2017.02.17.F01 jonix_k via Compfight

    Eu costumo, no Natal, estar em casa dos meus avós.

     Eu, o meu irmão, a minha irmã e o meu pai fazemos a árvore de Natal e o presépio. Nós costumos comer bacalhau e bolo Rainha.

    A minha sala tem luzes por todo lado, tenho a árvore toda iluminada.

   Os meus avós põem os presentes debaixo da árvore e depois chamam as crianças e ficamos muito contentes.

   O ano passado eu recebi três puzzles e uns brincos muito giros. Eu dei um postal à minha mãe e ao meu pai.

  Foi um Natal maravilhoso!

Carolina A, 6B

Diário de um Skater

 

Alex Griffiths - Invert - Southsea old_skool_paul via Compfight

     Era uma vez um miúdo que adorava andar de skate; esse menino chamava-se Zé e eis um extrato do seu Diário:

    “Eu fiquei cheio de adrenalina porque sempre adorei andar de skate e vou várias vezes ao Parque das Gerações. E o melhor acontecimento da minha vida de skater foi o Back Flip. A minha sensação foi que nunca pensava que conseguia uma coisa tão difícil como esta e eu senti-me muito feliz.

    Costumo ir andar de skate com o meu Pai, lá no Parque das Gerações onde tenho colegas de outros desportos. Este tem muita Matemática e isso, às vezes, ajuda-me a pensar. Mas eu não ando de skate só com amigos do parque, também ando com os meus vizinhos.

   Com os meus vizinhos, fazemos muitas rampas de skate. Conheci este desporto quando era pequenino: vi um homem a andar de skate muito bem.

Zé Gr, 5B

A Escola Inovadora

   https://www.dn.pt/portugal/interior/portugal-testa-salas-de-aula-do-futuro-5040206.html

     Imagem: Diário de Notícias

     Se eu mandasse numa Escola, como Diretor, seria assim: as aulas eram de uma hora, com intervalos de uma hora.

    Haveria aulas de Educação Física, de qualquer Desporto, pois nós, os alunos é que escolhíamos. Os refeitórios seriam grandes e os professores e os alunos é que escolhiam a ementa.

    A Escola tinha uma piscina para natação e saltos, com dois metros de profundidade, era enorme!

    Os alunos poderiam votar para que algo melhorasse na Escola, como, por exemplo, quando houvesse um conflito, iam os alunos e um ou dois professores resolver por votação. 

    À volta do Colégio havia um jardim privado para professores  com um lago que tinha peixes e gansos. Havia um pavão que tornava chique a parte dos professores.

    Os alunos tinham uma casa na árvore e e o sítio onde eles brincavam era metade de um campo de futebol. Se quisessem, podiam dormir na Escola.

    Se fosse real, uma Escola destas podia valer uns três milhões.

    Todos os meses fazíamos uma visita de Estudo á praia. Quem quisesse podia fazer equitação na nossa quinta.  Podíamos levar pranchas e equipamento de mergulho para observar peixes e estrelas do mar.

    Além disto tudo, tínhamos regras, pois são fundamentais para o funcionamento do nosso Colégio.

(Ditado)

Francisco N, 6A

Momentos de Adrenalina

http://www.theinertia.com/surf/whos-counting-gmacs-controversial-90-foot-wave/

     Imagem: The Inertia

     Quando fui à Nazaré, à praia, andei sobre as ondas de moto-quatro, com o Mac Namara. Lá as ondas eram gigantes e isso metia medo. A certa hora, as ondas estavam a ficar ainda maiores.

   O outro momento de Adrenalina que também me impressionou foi quando fui saltar com o Nelson Evora e ele saltava 18 m em cada salto! Era gigante!

     Quem me dera ser famoso e talvez venha a ser… Se eu fosse famoso, eu queria ser futebolista e ganhar a bola de ouro, a boa de ouro e a Champion League!

    Treino todos os dias, menos ao Domingo, no Dramático de Cascais. Os treinadores da minha equipa são o Carlos e o Guilherme.

   O que eu gosto mais de fazer é a receção e o remate. A nossa tática é “2-3-1” e agora estamos a treinar a tática “1-3-2”. “2” significa os centrais; “3” é o médio direito e o “1” é o avançado. A primeira tática serve melhor para defender. A segunda é melhor para atacar.

    Eu sou médio direito, que é uma das posições mais rápidas, porque o médio direito tem de defender e atacar ao mesmo tempo.

Eduardo M, 5B

O Meu Natal

Brunna Peretti Loureiro via Compfight

     Eu costumo começar o meu  Natal dia 23, em casa dos meus Tios, do lado do Pai. Depois, dia 24, é em casa da Bisavó, do lado do Pai. No dia 25 recebo presentes em casa da Mãe e, a seguir, vou a casa da minha Avó.

     O presépio e a árvore são feitos por todos nós, em casa da Mãe; em casa do Pai, são os filhos e em casa da Avó, são os 16 netos.

     Como sobremesas especiais e bebo leite com chocolate quente. A sala está tão enfeitada e gira! O ritual para celebrar em casa da minha Mãe e da minha Avó é estarmos à espera de que todos cheguem.

Maria Pr, 5B

O Monstro das Profundezas – I

Arenal volcano, Costa Rica Gregoire Dubois via Compfight

    Eu, o Monstro das Profundezas, aterrorizo as cidades por causa dos meus superpoderes mutantes! Os meus poderes são: lançar fogo das mãos e saltar tão alto que posso andar de prédio em prédio; o meu último superpoder é a invisibilidade: é fantástico!

     O único problema é que as autoridades querem apanhar-me e prender-me. Acho que esse é o preço a pagar por ser um monstro.

    A minha casa é um enorme vulcão no Hawai. É divertido viver num vulcão, pois nunca tenho frio. De noite, caço animais, como aves ou peixes, pois sou carnívoro.

    Eu não faço mal às pessoas, mas como sou diferente dos outros, eles têm dificuldade em comunicar comigo.

     Um dia, um menino encontrou-me perto do vulcão, estando eu já cansado de caçar as aves que estavam a dormir, para o meu pequeno-almoço nutritivo.

      O menino estava num acampamento de escuteiros e tinha-se perdido, mas, em vez de me atacar, dormiu comigo e deu-me festinhas, pois eu sou meio-animal, meio-monstro.

      Quando acordei, tentei levá-lo para o acampamento, pois, enquanto tinha estado a caçar, apercebi-me do local de encontro dos escuteiros.

      Quando nos aproximávamos, outro menino viu-me e foi contar aos caçadores da floresta, que foram logo à minha procura! De repente, ouvi:

      – Ali está o monstro!

(Continua)

Francisco M N, 5A

Sobre o Uso de Uniforme

Test 0.3 Beryl_snw via Compfight

     Em relação ao uso de uniforme, defendo que a Escola deixe os alunos do 2º Ciclo escolher a sua própria roupa.

     Em primeiro lugar, a escolha da própria roupa é um ato de liberdade que manifesta a personalidade de cada aluno.

     Por outro lado, o uniforme identifica a Escola onde estamos, os pais gastam menos dinheiro e nós sentimo-nos mais iguais. Em segundo lugar, sentimo-nos mais confortáveis com a nossa roupa: por exemplo, mais quenstes no inverno e mais frescas no verão.

     Por todas estas razões, é que eu defendo a livre escolha da própria roupa para os estudantes usarem na Escola.

Carolina A, 6ºB

Adrenalina ao Máximo

  Gran Canaria Frontón King Festival 2017 GáldarCreative Commons License El Coleccionista de Instantes Fotografía & Video via Compfight   

     Eu adoro o Body Board porque é giro. É a minha atividade favorita, porque gosto de fazer rolos, 360º e ARS (1)!

     Durante o ano, em Carcavelos, mas quase não no verão; treino todas as quartas e sábados; nos outros dias, treino com a minha Mãe. 

    A minha máxima adrenalina foi o meu primiro campeonato num sábado, em Carcavelos, com os meus colegas e a minha treinadora. As ondas estavam de 1,5m; consegui fazer dez “360 graus” e uma tentativa de rolo.   

      Com boa vista e quando está calor, é ótimo ir fazer BB. Noutra surfada, os outros concorrentes dropinavam – isto é tiravam as ondas aos outros – sempre, mas a partir de certa altura, eu é que dropinava todos.

     Este verão bom, na Arrifana, com um amigo, o Santiago, e com os meus irmãos, diverti-me imenso. À minha volta vejo tudo azul, o cheiro a maresia, a água bonita mas fria, quando estou na minha prancha. 

     Tive de concorrer no campeonato  do meu desporto favorito e, por isso, ultrapassei os meus limites. A minha sensação foi fabulosa! Finalmente, cheguei a casa com uma imensa Vitória!

(1) Estar no ar a fazer o rolo e o BELI 360º.

Maria Pr, 5B

A Minha Flor Francisca

   https://unsplash.com/photos/JfolIjRnveY

   Imagem: Usplash Senjuti Kundu  

     Neste momento eu tenho 12 anos… como a vida passa tão rápido! Ainda me lembro quando não havia escola e estava sempre nas minhas sete quintas sem estudos ou preocupações.

    Eu gostaria de ter talvez  três anos, pois naquela altura vi uma flor a nascer.

   Nos primeiros dias gostei muito dela, mas, às vezes,  acho que  ela veio para me aborrecer; no entanto, a melhor coisa de ter uma irmã é poder partilhar carinho e  desabafar .

    Os três anos são uma idade em que começamos  a descobrir a noção do “porquê” de haver pré-escolar- termos de abandonar o nosso lar de conforto –  ou o “porquê” de termos amigos .

    Quando a minha flor Francisca teve os seus três anos, já seguia os meus passos; só que era mais avançada; mas ela gosta muito de seguir o meu caminho, de fazer o que eu faço. A diferença é que ela gosta de ser mais perfeita do que eu; como eu digo,  ela é “a menina perfeição” e “a mais bonita do mundo todo”; “a mais bonita, a mais esperta  e a mais convencida do universo” mas acho que é muito boa pessoa, pelo menos dá essa impressão .

    Acho que mudei de ideias: todas as idades são ótimas desde que tenhamos muito Amor na vida.

Federica V, 7C

Tão Leve e Tão Subtil

https://getstencil.com/app/saved

     A Alegria é o melhor que há na vida: quando estamos felizes esquecemo-nos das desventuras da vida.

     A cada minuto que passa existe um novo nascimento fruto do amor de um homem e de uma mulher: o amor, também ele é fruto da Alegria, pois antes da Paixão existe uma Alegria que junta esses dois seres.

     Alegria amorosa que atrai os opostos, geração após geração, no abraço fecundo que perpetua a Humanidade.

     A Alegria é a felicidade que há nas pessoas, é como fazer surf nas ondas que torna algumas pessoas tão felizes. A Alegria é algo que não se vê, mas é como se sentisse no corpo apesar de não o tocar. 

      Tão leve e tão subtil, parece entranhar-se nos recessos do ser, por vezes mendigo aguardando guarida.

      A Alegria é estarmos felizes por algo que fizemos de bem: como a maré baixa, vai subindo e fica maré cheia.

     As marés, por vezes transbordam, no oceano agitado da Alegria: fertilizam os terrenos esgotados, encharcam sonhos gastos, fazem brotar, onde o silêncio era deserto, uma canção inesperada. 

Texto a 3 mãos

Manuel N, Franciso B e OE

ALEGRIAS – 3

https://unsplash.com/photos/tvc5imO5pXk   Photo by Robert Collins on Unsplash

     No dia de Natal, acabamos de acordar e vem a Felicidade, olhamos para o dia, achamo-nos na Alegria. O Natal é um momento de Família, todos felizes com coração e paixão, recebemos os presentes dá-nos vontade de agradecer.

     Até quando olhamos para o lado, os amigos estão lá para brincar connosco e para nos ajudar quando precisamos: uma Alegria tê-los ao pé de nós

     Tantas Alegrias nos rodeiam: os pequeninos que sobem à Biblioteca com grandes olhos redondos e ainda nem sabem ler.

  A Alegria está em todo o lado, até mesmo onde se pensa não se ver nada.

   Até com os amigos, quando estamos em grupo com os amigos mais chegados, eu sinto uma Alegria infinita.

     Invisível, sob os acontecimentos, racha o solo do acontecer quotidiano e brota como um repuxo de água viva.

   Tal como uma semente brota em flor, brota a esperança e alegra facilmente o coração de uma pessoa, pois tal como a semente, a Alegria precisa de ser tratada até crescer e ser maior que a soma das suas partes.

     Cuidamo-la, feridos, por vezes, pela vida, mas é sobre ela que nos debruçamos primeiro: a mais vulnerável, a mais jovem, promessa de um Futuro Absoluto que mal adivinhamos.

Texto a 4 mãos:

5A: Joana Cb, Mariana Lm, Matilde ConsOE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

ALEGRIAS – 2

https://getstencil.com/app/savedImagem: Stencil   

      Ela própria se torna o motor do nosso viver: tomamos a decisões, atiramo-nos ao nosso trabalho e resistimos graças à sua energia secreta que mantém o nosso coração fiel.

      Se a Alegria fosse uma animal, seria um coelhinho. A alegria tem liberdade, paixão e sentimentos sem fim. 

     A pomba da Alegria voando e se espalhando por todos nós, saltitamos, brincamos e cantamos sobre a alegria de amar os outros ou de ser amado.

     A Alegria da Família é uma coisa amorosa que nem a conseguimos explicar porque é tanto amor, tanto amor que, se fizermos as contas, é infinito. 

     Misteriosa força que move o coração dos homens e parece penetrar até os poros do universo. Quando já não conseguimos captá-la, sobrevoa-nos, divinamente passa, na sua leveza, para além do horizonte. 

    A Alegria é um sentimento de um coração aberto para ajudar quem mais precisa. Quando alguém sente alegria é algo fantástico. 

     Como se fosse desabando por cima de nós, a Alegria cresce, cresce sem parar.

      A partilha multiplica a Alegria, desdobra-a, quebra-a em mil pedaços doces que misteriosamente sobram mesmo depois de todos a terem saboreado.

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

ALEGRIAS – 1

https://getstencil.com/app/saved

   Imagem: Stencil

   Um infinito, uma torrente que desaba, a nossa alma está viva e sente-se em casa na Alegria.

     Livre, cantando sobre mim, a chuva da Alegria!

    A Alegria, quando nós a sentimos, é uma coisa extraordinária. Por exemplo, no amor, há tanta Alegria que não conseguimos parar de sorrir.

    Alegria de um coração puro que a luz irradia na sua transparência ingénua: apesar de todas as dificuldades, como é maravilhoso viver!

    A Alegria é um sentimento que inclui praticamente todas as pessoas, mas mais a Família e os Amigos. A Alegria até pode ser com o cão, o coelho…

    Há tantas formas de a viver: a própria Natureza nos inspira, nos seus mil matizes de cor que parecem sorrisos do próprio Ser.

    A alegria não tem fim: o melhor da Alegria é amor, amigos, família, bom ser e dar-nos bem com as pessoas e bem-estar com os amigos.

     Amigos verdadeiros estão sempre ao nosso lado para quando precisarmos sem até sem serem chamados, brincam connosco, são como nossos irmãos que são para sempre e nunca nos largam.

    Os amigos são como se fossem família. Para termos amigos temos que respeitar, não os aborrecer e sermos uma bondade para eles

Texto a 4 mãos:

5A: Joana C, Mariana L, Matilde COE

Exercício de Escrita Criativa segundo o Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra. 

Adoro aquele Momento tão Feliz

     IMG_7900_web - Christmas decorations Alex DROP via Compfight

    Eu costumo reunir-me no Natal em casa dos meus tios, avós, ou mesmo em minha casa. Mesmo se for em minha casa ou não, eu e a minha mãe fazemos sempre o presépio e a árvore de Natal na sala.

      Na ceia de Natal costumo comer bolo de chocolate, de iogurte, e também broas de mel e muitas mais surpresas deliciosas.

     A minha sala costuma estar decorada com pais-natal e predominam as cores vermelho e branco.

     Eu costumo abrir os presentes às 00 horas. Os meus pais e as pessoas de família dizem para deixarmos os sapatos e põem lá os presentes – “O Pai-Natal”. O meu presente favorito, que eu gostaria de ganhar era um jogo: The Sims.

     O Natal nunca cansa, sabem porquê? Sempre recebemos presentes e eu adoro estarmos a passar aquele momento tão feliz com as pessoas de quem mais gostamos – a Família.

     Se eu explicasse a um menino de outro planeta o que é o Natal, diria que é das épocas mais bonitas e religiosas de Portugal, em que nós recebemos presentes, brincamos muito e comemos também à vontade. Eu adoro e acho que ele iria gostar desta experiência nova.

     Se, um dia de Natal, eu fizesse uma inovação, iria para outro país com a minha Famíla e como ninguém nos conhecía, ficávamos muito mais à vontade. Mas mesmo assim eu gosto imenso como nós passamos cá o Natal.

Margarida Rs 5C

Animais Favoritos

234A8993.jpg Mark Dumont via Compfight

     O meu animal favorito são os golfinhos, porque acho que são fofos e lindos, mas também gosto muito de pandas e de Koalas, porque acho que são amorosos.

     Se eu fosse um animal, gostava de ser um Koala, porque é prequiçoso como eu, mas também gostava de ser um golfinho, para ser livre, porque tem um imenso espaço para nadar.

     Se eu pudesse mudar algo no Koala, tirava-lhe as garras, para não nos magoarem, mas precisam delas para se agarrarem às árvores.

    Eu tenho um gato preto de olhos verdes, muito querido, que está sempre agarrado a mim, pois até já parece o Koala.

     Ele foi encontrado no lixo, na Golegã. O meu tio estava a deitar o lixo fora e ouviu um som: eram os gatos a miar numa caixa de cartão, mas eram mais de 10 gatos bebés! O meu tio publicou fotos dos gatos nas redes sociais, e pronto! Os gatos ficaram com donos!

     Menos o preto.Então, os meus tios ficaram com ele. Mas, passado um pouco, eles vieram cá a Cascais e mostraram-nos o gato. Nós adorámos, o meu pai não queria, mas a solução foi chorar e pedir muito:  e cá estou eu com o gato mais fofof e amoroso do mundo, o King!

Margarida Rs, 5C

Um Vídeo a Abrir os Presentes

Decorative LightsCreative Commons License Marco Verch via Compfight

     O Natal, para mim, é muito giro.

    Gosto de presentes de Natal e gosto de estar com a Família. Faço um jantar de família e só abro os presentes à meia-noite.

     Se calhar, vou fazer um vídeo de Natal para o youtube e abro os presentes em vídeo. Vai ser muito giro fazer um vídeo com sete subscritores. Não faz mal ser com sete pessoas porque não podemos reclamar com o que temos.

     Se eu tivesse um amigo de outro país que não soubesse o que era o Natal, eu dizia-lhe que é uma época em que se recebe presentes e em que se está com a Família. Lourenço J, 5A

Rosinha, a “elétrica”

Arnold!Creative Commons License Adrian Fallace via Compfight

     Eu tenho quatro Jack Russel e eles vivem todos no quintal, mas eu vou descrever só um: Ela chama-se Rosinha, é muito elétrica, porque ainda é muito bebé. O seu pelo é eriçado e tricolor: branco, preto e castanho dourado. À volta dos olhos o pelo é castanho e mais branco nos flancos. As suas orelhas são pequenas e descaídas.

      Ela é muito excitada, muito esperta e maria-rapaz, por isso fico muito tempo a treiná-la e a jogar futebol com ela. Quando chego a casa, ela vem logo a saltar e corre para o meu colo! Dorme na casota, mas é a mais mimada; os outros têm a casota castanha, mas a dela é castanho-bebé.

     A primeira vez que a vi foi no Shopping; tinha 3 irmãos, mas ficou sozinha ali. Fui com o meu pai e irmã e ficamos apaixonados por ela, porque era muito fofinha.

     Com a Rosinha fiquei mais feliz na minha vida!

Zé G, 5B

Teodoro, o Coelho

Rabbit Fest Tjflex2 via Compfight

     Eu tive um coelho chamado Teodoro.

    Ele era muito veloz, mas também gordinho, pois não nos podemos esquecer da sua característica favorita: ser guloso! Ele adorava comer! Na minha experiência com o meu coelho, quando eu abanava a caixa da comida, ele vinha a correr para cima de mim.

    Quando eu olhava para ele, fazia-me lembrar o meu irmão mais novo.

    O Teodoro era muito preguiçoso; quando fugia de mim, ia para cima da minha cama e punha-se em cima das almofadas todas!

    O meu Teodoro trouxe-me uma alegria especial que muito raramente acontece. A minha preferência por pelos coelhos é por achá-los fofinhos. 

Francisco Go, 5B

A Amizade e o Riso

EmojiCreative Commons License Thomas via Compfight

         Adoro rir, brincar, jogar mata, futebol humano… Adoro estar com os meus amigos e amigas, entre os quais o Salvador, a Leonor, a Isabel, a Carolina.

      O Salvador é um grande amigo do Algarve, que sempre que eu vou lá, não há uma vez em que ele não vá a minha casa ou eu à dele.

      O que eu mais gosto na Leonor é ser divertida, engraçada e muito simpática. Eu já fui da sala dela 4 anos: fui na pré, no 5º e agora no 6º. 

      O que eu mais gosto na Isabel é que eu confio nela, ela ser baixinha como eu e ser muito querida comigo. Conheço-a há seis anos.

      Eu acho que a Carolina tem qualidades em comum com a Leonor, mas distinguem-se em que a Carolina é mais calma, mas é divertida à mesma!

      Às vezes brincamos aos pais e ás mães: a Leonor é sempre a empregada má, eu sou a filha, a Carolina é a mãe. Nem sei explicar porque nos rimos tanto, mas rimo-nos!

      A amizade é um tesouro que nos faz sentir bem. Um amigo não é da nossa família, mas é da nossa confiança e alguém que nos faz rir!

Teresa F, 6D

The Revolution

Halo: Reach | Lone WolfCreative Commons License Joshua | Ezzell via Compfight

      In 2036, the Halgy Army started buying weapons and military equipment from the Tall Gys or the “Gorks” as we call them. The reason why this was happening was because the Gorks were years ahead of us on that subject. They had equipment that no other country had and we wanted that same military power. We started paying they started delivering, everything was going fine until that one day…

     In a matter of minutes, we watched all that equipment shut down like if someone just pressed an off switch. The next day, the Gorks invaded the whole conuntry and on that same day we surrended. The Gorks started to build outposts in checkpoints all over the country, started making new rules, the whole country was now in what seemed to be a nightmare.

     6 months have past since the invasion; a rebel’s group created by Ryan Stintson was starting to get noticed by the Gorks. This group was launching assaults against outposts. They weree slowly starting to get the people’s attention.

     2 Years Later The rebel group was now stronger than ever, they have taken down every single outpost. All that was left to do was conquer the American Military bases the Gorks were using as main outposts plus the ones the Gorks had built.

     Everything was set up, it was time to strike…

Rodrigo L, 9B

O Gatinho Abandonado

MillyCreative Commons License Carolina Barría Kemp via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Francisca que tinha ido fazer um piquenique com a sua amiga Susana.

     Perto das suas casas havia um jardim pequenino, cheio de flores, com um lago redondo no meio, onde vivia um peixe vermelho e uma tartaruga verde que eram grandes amigos.

     Elas sentaram-se num banco verde, à sombra de uma enorme tília e começaram a lanchar o piquenique que a avó da Francisca tinha preparado: tarte de maçã coberta de chocolate e sumo de morango.

     Foi então que viram um miado aflito vindo do lago: um gatinho pequenino, de pelo cinzento e branco, tão magrinho que se viam os ossos, tinha tentado equilibrar-se num nenúfar e caíra para dentro de água.

      A Francisca e a Susana foram a correr até ao lago: viram o peixe vermelho debaixo de água a empurrar o gatinho para cima, enquanto a tartaruga, agarrada à borda do lago, segurava uma orelha do gatinho.

     As meninas ajudaram-no a salvá-lo, distribuíram os pedacinhos de tarte pelo peixe, a tartaruga e o gato. Depois embrulharam-no na toalha do piquenique porque ele estava encharcado.

     Levaram-no para casa e tornou-se o companheiro da avó da Francisca.

Texto Ditado e Dialogado por Francisca e Inês

O Meu Avô

Photo by Christopher Burns on UnsplashPhoto by Christopher Burns on Unsplash

     O meu avô é uma pessoa por vezes rígida, uma vez que ele andou na guerra, mas lá no fundo, ele é uma pessoa querida e engraçada, apesar de não demonstrar muitas vezes  o seu bom humor, mantendo quase sempre a mesma expressão facial.

      Ele dedica-se muito a mim e sempre que eu estou lá em casa, ele esforça-se por interagir comigo e criar momentos divertidos.

     Ele é pedreiro de profissão, e, embora reformado, ainda gosta de trabalhar, nem que seja em sua casa. É ele quem está a fazer a sua própria casa com a ajuda de alguns amigos da Suiça. Desde que se reformou, ele dedicou-se a remodelar o sótão ou o quintal.

     O meu avô não criou a minha Mãe ou o meu tio porque esteve ou na guerra ou na Suiça a trabalhar. Então é como se eu fosse um filho para ele.

Francisco B, 7A

Ser Professora

Exercising the Franchise of Digital Citizenship technovore via Compfight

      Se eu fosse uma professora, eu trataria os meus alunos muito bem.

     Nunca mandaria trabalhos de casa e deixava-os divertirem-se mais para passarem a tarde toda livre.

      Gostaria de ser professora de Português, porque adoro Português e Inglês: são as minhas matérias preferidas e são as que acho muito mais fáceis do que Matemática e Ciências Naturais.

     Daria as matérias aos primeiros anos, também porque seria fácil de lhes dar a matéria e eles estariam mais avançados do que os sextos anos.

      Quando for pré-adolescente não gostarei de ser Professora. Mas agora, se tivesse passado pela experiência de ter sido Professora durante 24 horas, acho que seia giro.

      Para mim, um professor deve ser simpático, querido, que faça muitas brincadeiras e que seja risonho.

Layane S 6C

Projetos de Festas

Airplane vs London Eye mystero233 via Compfight

       O dia 31 de Outubro é dia de Halloween: os mais novos mascaram-se de vampiros, diabos, fantasmas. As crianças pedem doces de casa em casa. Eu vivo essa festa vestindo-me de vampiro ou de fantasma e, com os meus amigos todos mascarados, fazemos uma festa.

      Nós vamos de noite, a casa das pessoas, batemos à porta e pedimos doces ou fazemos travessuras. As pessoas, geralmente, recebem-nos bem, dão-nos rebuçados, doces folhados e chupa-chupas. Mas há outras pessoas que não abrem a porta ou que não nos dão nada. Há pessoas que não seguem a tradição do Halloween, ou então os doces já acabaram.

       Na minha opinião, celebra-se o Halloween porque é uma boa ocasião de as crianças andarem sozinhas na rua, à noite. Em Portugal, há uma tradição com muitos anos, em que as crianças pedem “o pão por Deus”. 

       O dia 1 de Novembro é dia de todos os Santos e eu faço anos: no meu aniversário vai haver bolo e vamos cantar os Parabéns. No dia 2 de Novembro, vou  a Londres, para comemorar o facto de eu ter nascido. Gostava de ir ao Museu de Cera, à loja de MM’s ao London Eye e passear no Hyde Park.

Mariana C, 7C

Querido Eu – VI

  https://unsplash.com/search/photos/twoPhoto by Wil Stewart on Unsplash  

     Querido Eu,

     Obrigada por me fazeres ser querido e me ajudares em todas as situações. Obrigada por teres contribuído para que eu existisse; obrigada por me teres ajudado em todas as vezes em que eu parti a cabeça ou fiz galos, pois já foram muitas até! Sempre me ajudaste a continuar em todas as dificuldades e recordo todas as vezes em que conseguimos ganhar juntos!

      E Não é fantástico existirmos, quando podíamos não existir?

     Também recordo quando me rio de mim mesmo, porque fizemos alguma coisa engraçada, ou parva, ou até quanto tento fazer algo e depois falho.

      Eu aprecio-te por me conseguires fazer ter vários amigos, por fazeres com que eu seja bom a música, por ter boa educação nas aulas e não falar no meio delas.

     Admiro-te por fazeres os meus amigos gostarem de mim, por me inspirares travar amizade com as pessoas certas, por me apoiares em ter coragem para fazer várias cenas arriscadas.

     Gostaria de contribuir contigo para um mundo melhor, talvez até construir uma coisa totalmente nova, ajudar as pessoas contigo, ter uma mulher querida e filhos espertos!

Vicente E, 5ºA

Querido Eu -V

Photo by Andrew Palmer on Unsplash

     Imagem: Andrew Palmer

     Querido Eu,

     Obrigado pela companhia ao longo destes meus anos de vida. Obrigado por estares aqui, senão nunca tinha aprendido a surfar a andar e a sonhar: Obrigado por tudo.

     Obrigado por ajudares a vencer os meus medos, a ter força para aquilo que eu faço; quando eu era mais novo, era maluco, agora já não tenho tantas ideias desatinadas, como tentar subir para uma bicicleta de adulto  e até tentar apanhar cobras, mas que loucura! Obrigado por termos conseguidos passar os meus medos, para poder ir além deles e conquistar as minhas vitórias. 

     Obrigado por estares aqui! É muito bom: posso respirar, posso brincar, posso sorrir e sentir, obrigado por estares aqui! Obrigado por me ajudares a rir das palhaçadas e asneiras, em vez de ficar “chateado” comigo, triste e de mau-humor, mas tu deste-me muita bondade. Ainda me lembro quando deixei cair um balão de água para cima de mim e de um irmão meu, mas depois desatamos a rir à gargalhada!

     Eu aprecio em ti a bondade, força, trapalhice e loucura; são estas qualidades que me fazem ser como eu sou. Sem um destes traços da personalidade eu não era assim. Esqueci-me de falar na minha sensibilidade a fenómenos que metem medo: a isso sou muito, mesmo muito sensível… porque me fazem impressão!

     Quero ter força para sermos um bom surfista; eu acho que vamos longe porque toda a gente diz que surfo bem. Então, eu quero ir contigo mais além de tudo!

Simão CB 5C

Paixões Criativas

Happy child with painted handsCreative Commons License Praveen Kumar via Compfight

     Desde há uma semana, comecei uma ocupação favorita: sou youtuber! Tenho 148 visualizações, 5 subscritores e já realizei 5 vídeos. Os meus vídeos são sobre jogos e coisas reais, tais como um misterioso corredor assustador ou sobre um jogo de GTA. Gosto de ser youtuber porque acho que é uma experiência gira, há muitas pessoas a ver-me e isso importa-me.

     O desporto que eu mais gosto é ténis e o que eu aprecio mais é quando bato a bola com muita força: sei fazer a esquerda e a direita. Psicologicamente, ganho resistência ao fracasso, sinto-me persistente, quero alcançar um objetivo que é ser sempre cada vez melhor; nem que perca sempre, quero atingir um resultado bom!

     Gosto quando estou a conversar à mesa com a minha Mãe e, noutras ocasiões, com o meu Pai: ele gosta sempre de ver futebol ao mesmo tempo.

     Adoro ir a casa dos amigos, tal como hoje, 31/10/2017, dia de Halloween, em que vou a casa do Santiago. Depois vamos tocar à campainha da casa das pessoas a pedir doces! Vou pôr a minha máscara e vou explodir petardos de Carnaval: Pum! Pum!

     Vamos comer doces ou fazer travessuras! Levamos uma enorme abóbora que abre, onde guardamos os doces.

     Em relação ao tema global dos Valores que estamos a viver este ano, o Halloween pertence à Alegria.

Lourenço J, 5A

Aproveitar cada Segundo

Lisbon and the Tagus River (1960) - Abel Manta (1888-1982)Creative Commons License Pedro Ribeiro Simões via Compfight

     As minhas férias foram incríveis, apesar de ter passado muito pouco tempo com os meus pais e quase todo com o meu avô, mas foram momentos bem passados.

     De junho para julho, passei mais tempo com os meus amigos, seja “online” ou em casa de uns e de outros, a jogar.

      Em julho passei a maior parte das férias entre a casa do meu avô e a da minha avó, onde quase nada mudou.

     Em agosto só passei uma das quatro semanas com o meu avô e o resto do mês com a minha mãe.

     Quase todos os dias eu ia à praia e, de vez em quando também, com os meus amigos ou com os meus avós, e também fui a Espanha. Apanhei grandes ondas e diverti-me com a família.

     Em setembro, fui com a minha mãe a uma aldeia de xisto, que é muito pequena e bastante gira, com os seus cidadãos tão interessantes.

     Tentei aproveitar cada segundo de cada dia até chegarem as aulas de novo. Mais uma vez, quase todos os dias eram passados com o meu avô. Nestas férias, percebi o quão importante é o meu avô na minha vida.

Francisco Bt, 7A

Salvação na Tempestade

     Buoy

Patrick McDonald via Compfight

     A Vida é um Cruzeiro que parece não ter fim.

     Tanto na Vida como no Cruzeiro existem partes onde navegamos em águas mais calmas, onde tudo nos corre bem, mas depois encontramos sempre umas águas um pouco mais agitadas, ainda que não seja nada que não se consiga ultrapassar.

     O problema é que existem as tempestades, onde tudo nos parece correr mal. O nosso barco começa a virar-se, quase ao ponto de se afundar: esses são os momentos que mudam tudo.

     Podemos tentar continuar a lutar, mas a tempestade, como se nada fosse e o barco com o risco de se partir. Ou podemos simplesmente aceitqr e voltar para trás: preparamo-nos e, depois, sim, avançar.

     Se cairmos da borda temos de encontrar uma pedra para nos agarrarmos e sobrevivermos até a tempestade passar.

    Eu, pelo menos, sei que terei sempre uma pedra à qual me agarrar nas tempestades, umas asas nos pés para quando quiser voar, o vento nas costas para me empurrar, quando não tiver coragem para avançar e um porto seguro para quando houver tempestade.

    E isso tudo resume-se a uma única coisa ou, melhor dizendo, a uma pessoa: chama-se Raquel, a minha Mãe, que ainda há pouco tempo me ajudou numa imensa tempestade.

Aluna Convidada que não Assinou.

O Dizer do Sentir

https://getstencil.com/app/savedImage: Stencil      

       A Vida é como um vulcão em erupção: com altos e baixos, mas temos de os superar. A Vida não é um sentimento que se escreva em três linhas, mas um sentimento que se vive desde que nascemos até que morremos.

     O sorriso é como uma árvore cheia de frutos, dá muita alegria; só um sorriso pode valer tudo; o sorriso é transmitido a quem o capta.

     O olhar límpido parece-se com uma cascata: ela nunca para, está permanentemente a voar, se ela parar, explode. É como no olhar límpido: temos de dizer o que achamos sem medo de avançar e sofrer as consequências.

     O amanhã ninguém o espera, mas é como uma estrada cheia de pedras, nunca sabemos se vamos cair ou se vamos ficar intactos.

Federica V, 7C

Festa Surpresa ao Prof de HGP

  Surprise party !Creative Commons License Waqas Mustafeez via Compfight   

       No Domingo, o Prof de HGP fez anos e fizemos uma festa surpresa para ele. Ele gostou muito: quando entrou, ficou muito feliz; ele não estava à espera.

      Na 6ª feira, a Bárbara, que trouxe gomas, pediu para cada um trazer algo de comer ou de beber para a festa. A Leonor trouxe um bolo de ananás que é o preferido do Professor. Eu trouxe pipocas e pusemos tudo numa mesa.

      A sala ficou às escuras e nós escondemo-nos debaixo das  carteiras. Quando o Professor abriu a porta, nós cantamos-lhe os Parabéns!

      Neste Professor, eu aprecio ele explicar bem  HGP; o ano passado, descobrimos que o professor desenha muito bem, toca piano e canta. É uma pessoa alegre e que nos transmite boa disposição; ele perdoa os rapazes que fazem disparates e, ao mesmo tempo, tem autoridade.

     O Professor é justo com toda a gente, às vezes tem de perder a paciência com alguns colegas para a aula ser de todos.

     Estas festas de anos de surpresa são importantes para fazermos os outros mais felizes e para celebrarmos o grande mistério de nós existirmos.

Carolina A, 6D

Entrevista à Nossa Bibbliotecária Lola

Mexico Bound

Kenneth Spencer via Compfight

       Temos connosco, no nosso Programa de Rádio MDM, a famosa Bibliotecária Lola. O nosso objetivo é conhecê-la ainda melhor

        Gostaríamos que nos explicasse por que gosta tanto da Formiga.

       Gosto muito da Formiga, eu descobri um amor novo que nunca tinha sentido e nunca pensei ser possível. É um sentimento único que me transmite tranquilidade e uma amizade profunda: a minha “menina preta” como lhe chamo, gosta de mim de qualquer jeito e eu dela. 

http://cadescrita.edublogs.org

Imagem: Gentileza da Entrevistada

      Que motivos a levaram a escolher a sua profissão?

      No início foi apenas coincidência, mas afinal acho que nasci para isso, estar junto das crianças.

     O que mais aprecia no convívio com os alunos? 

      Poder ajudá-los a transformarem-se em adultos melhores, mais humanas, darem valor ao que realmente é importante na vida: serem felizes. 

     Partilhe connosco um ponto alto da sua vida profissional.

     Um dos melhores foi um abraço que recebi de uma aluna ao fim de dez anos e me disse: “-  Foste uma das pessoas mais importantes na minha Adolescência!

     Como tem vindo a realizar, este ano, o seu Projeto de Acolhimento e de Compromisso com os seus Alunos? 

     Tenho tentado  bem fazer com que eles compreendam o que é estar numa Biblioteca e façam dela um espaço agradável para todos.

     Obrigada, Lola, por ter vindo enriquecer o nosso programa com a sua generosa partilha. 

    Tenho de agradecer ao aluno Miguel M por se ter lembrado de mim e também à mentora Prof Inês Pinto.

Miguel M e Lola H

Programa de Rádio MDM

O Que o Meu Coração Ama

Sunny Studio Two Scoops Rainbow Sherbet Card Mendi Yoshikawa via Compfight

      Adoro ir ao Bounce, porque é fabuloso saltar e divirto-me imenso, principalmente quando vou com amigos.

      Gosto muito de fazer anos e convidar amigas, porque há tantas coisas divertidas para fazer: festa de pijama, apanhadas, comer doces, brincar com insufláveis, lutas de balões e corridas.

     Sabe-me bem, de vez em quando, saborear um belo gelado com a Família  e com os amigos, até só de o escrever, já me estou a babar. Os meus sabores preferidos são: avelã, stratiacella, nata, meloa e baunilha.

      Estar com a família é algo que o meu coração ama e eu também amo. Por exemplo, mesmo quando eu estou zangada com os meus pais, ainda sinto o meu coração a bater.

      As amigas são também como os pais, mas ainda assim, não há amor maior do que o dos pais, mas os amigos também são algo muito precioso.

Joana Cb, 5A

O Que Eu Mais Amo

     Eu adoro ir à praia, porque quando eu vou para a água, sinto-me livre!
    As festas para mim, são magia, celebração de algo como o Halloween, com bruxas e fantasminhas.
     Eu gosto imenso de chocolate: quando como um bocado, quero comer o resto, nunca deixo sequer uma migalha e fico cheia de energia!
      Eu amo a minha família, é o que eu tenho de mais valioso;  no Domingo costumo ter um almoço: só eu e o meu mano de 14 anos, os outros são todos adultos e falam ao mesmo tempo em conversas cruzadas!   
     Os amigos são as pessoas em quem podemos confiar. Quando eles fazem anos, gosto tanto de ver a alegria no rosto deles quando recebem um presente.
Mariana L 5A

As Amigas


Strand Praia do Tonel SagresCreative Commons License dronepicr via Compfight 

    Um dia, uma menina chamada Carolina foi a casa da Inês. Estiveram   a  brincar às escondidas à volta da mesa.  Aconteceu que, depois, uma delas magoou-se no joelho, quando estava a fazer escola vitual.

   Hoje, a Carolina esteve com a Inês para tudo, a fazer os trabalhos  de  casa e a jogar. 

    A Luísa, que era a prima delas, estava com os seus amigos; estavam  a ver “Os Descendentes 2”; viram a Uma que esteve triste, porque o seu namorado deu-se mal: zangou-se.

     E viram o Ben: esteve a namorar na escola e, assim,  a portar–se bem.

     Os outros amigos não vieram: o  Ricardo estava a doente, a Violeta, que tem uma casa  grande com uma piscina, foi para a escola,  assim como a Kika e a Rita .

Francisca Pr 5A

À Conquista dos Modos de Estudar

https://getstencil.com/app/saved

Imagem: Stencil

  Esta manhã, na Oficina, a Margarida Rs e a Maria Pr do 5º Ano partilharam a sua reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 Fazer um horário de estudo em casa

Maria e Margarida – Fazemos com os pais; não é um horário fixo, mas a combinar em cada dia os tempos e os intervalos de estudo.

2 – Como cumprir as tarefas de estudo: TPC, estudo e preparação de Testes

Margarida – Faço só os tpc. Só se há teste é que leio o manual.

Maria – Leio a lição do dia se for HGP, Port e CN, depois faço os TPC e arrumo a mochila.

3 – Preparação dos testes

Maria e Margarida – Dividimos por partes a matéria, para estudar aos poucos e só se revê tudo na véspera.

4 – Métodos de Trabalho

Margarida – Marco as páginas,  depois leio, seguidas, todas as páginas e volto a fazer 4 ou 5 vezes. O que sei mais leio para dentro, o que sei menos leio em voz alta. Geralmente, enquanto estudo, ando de um lado para o outro no meu quarto

Maria Leio a primeira  página toda, depois resumo num caderno de estudo A5; quando estou na secretária, que é poucas vezes, ando às voltas na cadeira que tem rodas.

5 – Revisões Finais na Véspera dos Testes

Maria e Margarida Perguntas e Respostas com a Mãe. Se não souber, leio de novo.

6 – O que ajuda à concentração:

Maria e Margarida   O Silêncio, um sítio confortável.

7 – Uma sugestão que possa ser útil para os colegas compreenderem melhor o que se passa na sua mente

Maria  – Estou a andar de bicicleta, faço uns dez pedais e depois treino a tabuada: repito-a enquanto vou a pedalar. Quando vou ao golfe do meu avô, estou a fazer tacada, não penso bem no ângulo, mando com jeito, penso como devo pôr o braço, em qual ângulo, mas sem pensar em números.

Margarida Por exemplo, eu vi o mapa da Península Ibérica e o meu pensamento repetiu:  “Pirinéus”. Podemos tentar ver e ouvir mentalemente.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição.

Maria Pr 5B e Margarida Rs 5C

Conversas na Oficina

Partilhando o Itinerário de Estudo

https://getstencil.com/app/savedImage: Stencil

 Esta tarde, na Oficina, o Miguel M e o Francisco M N  do 6ºA partilharam uma reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 – Horário de estudo em casa

Francisco – Quanto ao Horário, sei o que faço: na 2ª, 3ª 5ª e 6ª tenho karaté e basquet, por isso não consigo estudar. Às Quartas, estudo com a minha Mãe e, ao fim de semana, às vezes. Tenho torneios de Basquete e quase não consigo estudar. Por exemplo, amahã vou ter toda a manhã torneio e só vou ter dois dias para estudar para os próximos testes.

Miguel Sei que estudo 2ª 4ª e  6ª e alguns Domingos. Pratico Karaté à 3ª e 5ª. Ao Sábado vou aos Escuteiros e não posso estudar; alguns fins de semana vamos acampar. Este fim de semana vou para fora.

2 – Qual o grau de dificuldade do TPC que tem prioridade

 Francisco – Começo por fazer os TPC mais  difíceis. Se tiver tempo no próprio dia faço logo, se não faço no dia anterior.

Miguel – Quanto mais tempo demorem é que decido: faço os que demoram mais no fim. Para ter tempo de ainda fazer alguns e não ter faltas a todos.

3 – Intervalos durante o Estudo

Miguel – De matéria em matéria, ou quando acabo um TPC, faço pausa.

Francisco – Como estudo com  a Mãe também vamos conversando. Se há uma pergunta que não percebo vou estudar ao manual.

4 – Preparação de Testes

Miguel – Estudo na semana da véspera, estudo por capítulos ou partes.

Francisco – A Mãe vai ao “inovar”, tira o horário dos testes e cola na minha secretária.

5 –  Estratégias de Estudo

Miguel – Costumo estudar aos poucos, a minha mãe arranja-me fichas e faço exercícios dos livros.

Francisco –  Neste momento estou a usar uma técnica de estudo que a minha Mãe usava: lemos tudo seguido, mas parando em parágrafos ou assuntos: lemos várias vezes e repetimos várias vezes.  Gosto de repetir em voz alta. A Mãe faz uns apontamentos e eu levo-os no carro e vou dando uma olhadela até mesmo antes do teste.

Miguel – Lendo os resumos do final dos capítulos e depois a minha Mãe faz-me perguntas. Se não souber, vou ler de novo. E a Mãe repete as perguntas de novo.

6 – Ao rever mentalmente uma regra, uma fórmula matemática ou uma informação para ser classificada, forma-se uma imagem interior visual ou auditiva? Como é o  “fantasminha mental”. Ex:  Experimentemos somar 49 com 11.

Francisco – No 5º ano conseguia fechar os olhos e ver as palavras ou então ouvia a voz do prof a falar. Este ano uso mais a técnica da Mãe que é repetir em voz alta.

Miguel – Ouço a voz do meu pensamento; fecho os olhos, vejo luzes de várias cores ou efeitos enquanto o pensamento dita a matéria.

7 – Revisão Final para o Teste:

Francisco – Os Apontamentos da Mãe.

Miguel  – Na véspera, com a Mãe a fazer pergungtas. 

8 – O que favorece a concentração:

Miguel – Silêncio ou com alguém que não brinque, como o Pai ou a Mãe. Em total silêncio.

Francisco – Completo silêncio, no quarto, com a porta fechada; às vezes, quando estou a ler a matéria, meto uns “fones” e leio tudo, depois fico a pensar enquanto a música dá. Música calma, tranquila.

Sugestão de uma pergunta que seja útil aos colegas na iniciação à Metacognição

Francisco Pensem num quadro e num giz a escreveros números vendo o movimento dos números a aparecer à medida que o pensamento os dita.

Miguel – Pensem numa pergunta matemática: depois fechem os olhos e digam como é que fizeram a conta na vossa cabeça.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição. 

Miguel M e Francisco M N , 6A

Conversas na Oficina

A Melhor Vida de Sempre

MessiCreative Commons License cchana via Compfight

       O meu ídolo é o Messi, porque ele é amigável quando está a jogar com os colegas. Eu gosto de futebol porque acho muito divertido tentar marcar um golo. Já fiz um jogo em que ganhamos 11 a 5!

       A Família, para mim, é amor. Nas férias, é tão bom acordar de manhã e ir tomar o pequeno-almoço no hotel, todos em Família.

     Adoro brincar com os meus amigos, quando estou feliz com eles, mais aberto e mais à vontade. Costumamos andar de Skate, conversar sem fim, porque eu sou muito amigo das pessoas. 

       Já estive no Dubai e lá andei de camelo, na praia. 

      Estive nas férias, com o meu Pai, a andar de bicicleta. Esta é a melhor vida de sempre!

Zé G, 5B

A Felicidade Transborda

IMG_6022Creative Commons License Marianne Bevis via Compfight

      Eu adoro Ténis porque o Roger Federer é o meu ídolo de Ténis. Eu gosto de bater bolas com o meu Pai, só os dois sozinhos.

     Adoro quando o meu primo faz anos, porque eu fico com os seus amigos de 15 anos e os amigos, mas eu tenho 10 anos. Então eu posso brincar com eles, que são 5 anos mais velhos, o que “mete piada”.

      Adoro brincar com os meus amigos, porque quase não nos zangamos e por isso estamos sempre juntos. Adoro ir à piscina, jogar zoombies, na playstation do meu segundo melhor amigo e jogar na piscina; mas o que eu mais gosto é de fazer bodyboard com o Diogo, no Guincho! No Alentejo apanhei a minha maior onda e adorei.

      Adoro ir para a casa da minha Avó, porque vou para lá com o meu primo favorito. Então, à noite, quando paro para dormir, nós ficamos a ver vídeos para rir e a nossa Avó não nos consegue ouvir a rir, porque com a sua idade já não se ouve muito bem.

       Com tudo isto, a felicidade transborda!

Francisco Go, 5B

Ser Humilde

   Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash

  Photo by Vittorio Zamboni on Unsplash  

    Ser humilde é uma atitude que deve ser trabalhada todos os dias, pois tal como uma rolha de cortiça na água é constantemente empurrada para a superfície, assim também nós sofremos de uma tendência para sermos o centro de tudo.

 Ser humilde passa por:

  • Tratar bem os outros;
  • Reconhecer o próprio consciente: ficamos a saber algo mais sobre nós; 
  • Os outros  recebem mais atenção, percebem que alguém os compreende.
  • Não é só ser carinhoso e amável, mas sim partilhar ativamente os seus dons com os outros, por exemplo: 
    •  um pintor partilha os seus quadros; 
    •   um professor partilha a sua sabedoria;
    •  um padre partilha a sua religião viva.  

     Como qualquer outro valor,  podemos treinar a humildade de formas muito simples, no quotidiano, tais como: 

  • Esperar uns segundos antes de falar quando uma discussão se torna acesa demais.
  • Ao longo de uma conversa, tomar a decisão consciente de escutar mais do que falar.
  • Apreciar a proximidade dos outros formulando perguntas não intrusivas mas que ajudam os outros a mostrar a riqueza dos seus pontos de vista.

      Ser  humilde tambémm é ser capaz de se dizer as atitudes de que não se gosta no outro, sem precisar de magoar alguém.

Margarida CC e OE

Texto a duas mãos segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra 

A Alegria de Fazer Anos

https://unsplash.com/photos/Z-4kOr93RCI

Imagem: Photo by Luca Upper on Unsplash

     Hoje eu Faço anos!(1) Acho que se deve celebrar, porque o dia em que eu nasci é muito entusiasmante: 

  • Fui e sou uma prenda para os meus Pais 
  • Para Mim própria
  • E para os meus Amigos

     Hoje vai haver um jantar fabuloso de Família: vão lá estar os meus tios, primos, vai haver um bolo de surpresa e vamos cantar os Parabéns com toda a Alegria para mim e para o meu tio que também faz anos neste dia.

      Espero que os meus amigos também se lembrem dos meus anos: Esta manhã a Joana e a Mariana já me deram os Parabéns e sinto como gostam de mim.

      Gostaria de receber um trampolim e todos lá em casa queriam ter uma piscina. Eu punha o trampolim no quintal de trás e podia saltar quando chegasse ao fim da tarde. Não sei o que a minha gata Emília pensaria ao ver-me pelo ar!

     Eu acho que os anos das pessoas são uma Alegria cheia de Fantasia. Estes valores enchem a nossa vida e dão-nos força para crescermos com Felicidade!

(1) 31/10

Matilde Cia, 5A

Trabalhando o Compromisso

   http://cadescrita.edublogs.orgImagem: Oficina de Escrita

“Todas as Vidas são Compromissos” 

Jacqueline Rémi

      Em Outubro estamos a trabalhar o Compromisso; ele pode consiste em agradar e ajudar uma pessoa que precise que alguém se comprometa com ela, por exemplo: 

  • Um colega que não sabe fazer amizades; 
  • Os colegas mais inteligentes ajudarem – “sem se armarem – os que têm mais dificuldades.
  • O Professor de Matemática compromete-se a ajudar-nos puxando por nós, mandando-nos calar, para mantermos a atenção, o nosso futuro ser melhor e não ficarmos ignorantes.

Margarida Cc, 6A

O que Eu Gosto mais de Fazer na Vida

Harry playing footy vs Oak Park-30 Russell Charters via Compfight

     Para mim, o futebol é o melhor desporto do sempre!  O jogador que eu mais admiro é o Harry Kane, da Equipa do Tottenham: ele chuta mesmo bem!

      Estar com os amigos é fabuloso, pois se eu não tivesse amigos, não tinha com quem brincar.

      Adoro as festas de família, como os aniversários e o Natal. As melhores festas de aniversários são as dos meus tios e dos meus primos, porque têm uma enorme garagem para fazer uma discoteca.

       Fui duas vezes à Madeira e o que eu admirei mais foi a água do mar porque era muito quente, transparente, o mar era manso e havia pedras em vez de areia.

       Na Disneylândia o que eu achei mais extraordinário foi a montanha russa maior da Europa: a Space Mountain.

       No verão, vou três meses ao Alentejo e admiro muitas estrelas quando vou andar de bicicleta à noite. Faço bodyboard na praia da Zambujeira onde o mar tem muitas ondas e a areia tem cor de pele e é fofa. 

Eduardo M, 5B

Aceitando as Diferenças

  htp://cadescrita.edublogs.orgImagem: Oficina de Escrita     

     Em Setembro, trabalhamos o Acolhimento. Tínhamos uma tabela de madeira pendurada à porta da sala:

  • Juntámo-nos em Grupo para discutirmos o que é “ser +” e o que é o Acolhimento.
  • Depois da discussão, partilhamos em Grupo-turma.
  • Concluímos que a melhor interpretação para esta palavra era: “ACEITAR AS DIFERENÇAS”.

       A nossa Diretora de Turma disse para estarmos atentas às pessoas, não só aquelas que são verdadeiros mendigos e refugiados, mas também às que estão mesmo à frente dos nossos olhos. Por exemplo:

  • Um colega que está sempre sozinho e não comunica, a não ser com o seu telemóvel – falamos também sobre este problema.
  • Outro colega fez anos e nós não demos por nada, mas ele trouxe chupas para todos. Reconhecemos que a sua postura e o seu silêncio nos afastam e não sabemos como fazer.

Margarida Cc, 6A

Autogestão e Estratégias de Estudo

https://getstencil.com/app/saved

     Imagem: Stencil

     Esta tarde, na Oficina, o Afonso F e o Alexandre B do 6ºD partilharam a sua reflexão sobre o seu itinerário de estudo desde o início do ano.

1 – Horário de estudo em casa

Afonso Posso aperfeiçoar o meu horário pessoal por escrito, atendendo a que tenho Natação duas vezes por semana e vou começar o Inglês, aqui no CAD.

AlexTenho horário fixo de estudo nos dias da explicadora e nos outros faço-o com a mãe; o tempo de trabalho depende se vou ou não a casa da avó.

2 – Intervalos durante o Estudo

AfonsoA Mãe obriga-me a estudar um tempo determinado e depois faço intervalos. Se estou com o Pai, nesses intervalos,  saio de bicicleta pela Serra de Sintra, fazer “Cache”, que é um jogo em que usamos uma aplicação do telemóvel.

Alexandre – A minha mãe dá- me uma hora ou meia-hora, para eu descansar e fazer o que eu quiser.

3 – Qual o grau de dificuldade do TPC que tem prioridade? 

Afonso  – Começo pelos TPC mais fáceis, para ser mais rápido e fico com tempo para os mais longos;  assim, se não conseguir fazer todos, tenho menos para justificar na Agenda.

Alex Começo com os TPC mais difíceis, para ficar com mais tempo  livre. Chego a casa, descanso e só depois vou estudar. Dou prioridade a Português e a Matemática.

Afonso – Se eu tiver TPC numa disciplina em que só volto a ter aula daí a dois ou três dias, se tiver mais outros TPC para o dia seguinte, espero pela  véspera da próxima aula; senão despacho logo.

Alexandre – Faço logo, normalmente.

4 – Preparação de Testes

Afonso Na véspera faço um resumo  e 3 ou 2 dias antes a minha Mãe escreve os apontamentos para eu estudar por partes.

Alex Na véspera faço uma revisão: com a minha explicadora; antes, em cada dia, fazemos os TPC e depois, vemos na Agenda quais os testes que se aproximam e vamos estudando  por partes.

5 – Estratégias de Estudo

Alex –  Leio sempre 3 vezes por parágrafos; repito duas vezes; nas perguntas, repito 3: a 1ª vez, em geral, não percebi, a 2ª foi mais ou menos, a 3ª vez, já tenho a certeza do que se pede.

Afonso – Leio sempre 3 vezes as perguntas e duas os parágrafos; só às vezes faço resumos. Geralmente os apontamentos da minha Mãe são perfeitos e não os escrevo.

6 – Ao rever mentalmente uma regra, uma fórmula matemática ou uma informação para ser classificada, forma-se uma imagem interior visual ou auditiva? Como é o  “fantasminha mental”. Ex:  Experimentemos somar 49 com 11.

Alex – Ouço o pensamento.

Afonso – Depende – O  pensamento ditou: “quarenta e nove mais um cinquenta mais dez sessenta”.

Alex – Eu vi 49 + 1 = 50 +10 = 60

Afonso – Quando me pedem contas eu primeiro faço auditiva e depois visualmente.

Alexandre – As contas difíceis eu torno-as fáceis.

7 – O que favorece a concentração?

Alex – Fechar-me no quarto, em silêncio total, fecho os vidros das janelas e começo a raciocinar, amo  o estudo.

Afonso – Não consigo estar muito tempo em silêncio, começo a distrair-me e então ponho alguma música. Não muito agitada, mais “soft”. Gosto de estar sentado no sofá da sala ou no meu quarto.

A Oficina de Escrita agradece este precioso contributo para a nossa iniciação em questões de Metacognição.

Afonso F e Alexandre B, 6D

Conversas na Oficina

Transformando “Still Life and a Guitar” – Juan Gris

http://cadescrita.edublogs.orgImagem: “O Cão” gentileza da Autora

Este projeto consistiu em construir um imagem a partir de uma Imagem do Pintor Juan Gris.

OE – Quais foram as etapas do processo para esta criação?

Francisca e Prof Paula– Tínhamos um quadro para desconstruir, recortar e colar. Depois juntamos as peças para uma nova criação.

Francisca – Colamos as peças.

 OE – Qual era o Quadro?

 Francisca e Prof Paula – “Still Life with a Guitar” Foi transformado num cão chamado “Pipoca”

https://www.metmuseum.org/art/collection/search/489983

  Francisca – Este cão fugiu de casa. Entrou numa floresta e encontrou uma raposa pequenina que lhe ensinou Matemática.

  A raposinha ficou admirada com os olhos verdes do “Pipoca”. O seu pelo tinha o ar de uma guitarra. Nessa noite, dormiram na toca pequenina da raposa e conversaram um bocadinho sobre Juan Griz, um pintor que o “Pipoca” apreciava muito. E combinaram visitar uma exposição. Depois adormeceram ao luar que entrava pela toca.

Francisca P, 5A

O Hino da Vida

https://getstencil.com/app/saved

  Imagem: Stencil   

     Dedicado ao Amigo Miguel, nos seus 15 Anos

   Graças pelos 15 anos de Paz que deslizam rápidos, atraídos pela eternidade rumorosa, peso de ouro a encurvar o espaço-tempo de tudo, na gravidade do coração jovem, irresitível queda em mais além como num voo vertiginoso.

     Um presente: a beleza toda surpreendida deste hoje que se distende no estuário do seu curso, uma homenagem de filho a seus pais: nasci livre, um prodígio.

    Os 15 anos de vida fluem, tão imprecisos na estonteante diversidade do que acontece, indecifráveis na sua permanente prenhez de sentido que explode, abrindo atalhos inventados pela força do seu ímpeto e é assim que compõe um hino de louvor.

    A tua vida flui, mas obedece a um ritmo, responde a um compasso interior que lhe orienta o fluxo e quando te deixas modelar por ele, mais te surpreende pelo efeito de suprema liberdade com que desfaz o que parecia emaranhado e áspero, com que torna invencível o que de ti se aproxima sob os traços da Paz. 

Parabéns, Miguel!

OE

Acolher, Comprometer-se, Ser Pacífico

https://unsplash.com/search/photos/welcoming

Imagem: Unsplashing

    Em relação ao acolhimento, no princípio do ano, vi um aluno que, no ano passado era muito popular, mas não era acolhedor; este ano estava diferente: ajudava todos. Com isso, ele deixou de ser popular e os antigos colegas não o acolheram. Agora, ele convive com quem é com ele e, na realidade, está muito mais feliz do que estava antes.

Alexandre T

    Comprometer-se – é uma palavra gira, não é? Mas sabem o que quer dizer? Comprometer vem de “prometer” algo a si próprio, como, por exemplo, acolher as pessoas que foram vítimas do incêndio gigante aqui em Portugal. Eu já fiz isso, porque uma amiga da minha mãe e outras pessoas ficaram sem nada. Eu dei muitos dos meus brinquedos a crianças que necessitavam. Sei que não é o suficiente, mas se todos ajudarem, é diferente.

André  R

     Ser Pacífico é quem ajuda toda a gente. Se as crianças forem pacíficas, já é uma ajuda para melhorar o mundo. E se os pais retribuirem, vão passar boas impressões aos filhos. 

Alexandre T

      Paz. Que Palavra profunda e bonita, não é? Paz tem a ver com ser pacífico, como, por exemplo, não começar uma guerra. E sabem como se faz? Não é com armas, nem ameaçando: é chegar a uma conclusão que é boa para os dois indivíduos. Por acaso usamos uma arma – essa podemos usar para o bem e para o mal – que é a palavra, mas, neste caso, usamo-la para o bem.

André  R

A Vida, um Sorriso, um Olhar Límpido

     http://www.cultureuniversity.com/shhh-values-economy-arrived/

Imagem: CultureUniversity.com

     A Vida não é um assunto que se escreva em duas linhas, é um mistério que se sente.

     A Vida, multiplicada em risos, desce, numa cascada vertiginosa, pelos rochedos do Tempo. Sabemos que o sofrimento é capaz de dobrar os corações, mas a Vida é em si mesma um ímpeto de Alegria incontida, um espumejar de entusiasmo que brota de nascente.

    O Sorriso é o melhor bem da Vida: com um sorriso podemos fazer mil maravilhas: podemos alegrar alguém que esteja triste; o nosso sorriso é como uma rajada que leva alegria a todos os que são capazes de a captar.

     A maravilha do Sorriso é uma cintilação rápida do infinito que dardeja, entre dois amigos, um pacto invencível: serão fiéis, prometem-se apoio mútuo, confiam sem limites.

     O Olhar límpido é um sentimento que não nos deixa conter: temos de desabafar, é como um rio, nunca para.

     O Olhar límpido é uma seta tensa no arco, pronta a voar a direito: o pensamento está firme, apoiado nas palavras claras que deixam correr o sentido direito ao seu fim: não há traição nas terras da Lealdade.

Federica V e OE

Texto a duas mãos

Exercício de Escrita Criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra

Carção é Diversão!

http://5l-henrique.blogspot.pt/2011/06/aldeia-de-carcao.htmlImagem: 5lHenrique     

    Este verão, em Carção, adorei estar com a Família nas Festas de Carção.

    Carção é uma aldeia que pertence a Bragança e fica perto de Espanha. No seu brasão aparece um candelabro de sete braços, recordando que aí viveram Judeus ou Cristãos Novos.

     Como só há uma loja pequena, tivemos de ir a Espanha para fazer compras.

    As festas são no Verão à noite, tem um Bar, carrinhos de choque, muita música, barraquinhas, jogos e as famílias na rua.

     Eu senti-me bem nas férias, animado e com muita diversão! As férias fazem-nos estar com a família, descansar e divertir!

Pedro M 5A

A Alma do Verão

Comporta 2013Creative Commons License Freebird via Compfight

     Este Verão, em minha casa, eu gostei muito de ir á praia, na Comporta. A praia é muito grande, a areia é como a neve, a água é quente, é azul e com ondas enormes!

    Uma vez, uma onda altíssima apanhou-me e eu fiquei como um tornado a redemoinhar! Quando cheguei à areia, estava muito zangada. Quando eu nadava com o meu irmão, o nosso cão, “Koda”, ficava com as patas da frente no ar, como um suricata, aos saltos á beira-mar.

    Uma vez que estava a nadar com os meus pais, o meu pai gritou:

    – Onda! Onda! Eu tentei escapar, mas não tive sucesso: fui a rebolar até à areia! O meu nariz doía porque engoli água. O meu irmão levou areia molhada da beira-mar e atirava-a para cima de mim.

     Na praia, estava a Banda Musical “Depeche Mode” a saltar nas ondas. Eu não perdi a alma na música de Portugal!

Svetty T, 6B

As Melhores Férias de Sempre

Relexo 33Creative Commons License Antonio da Silva Martins via Compfight

     Um dia fui para o Algarve com a minha Família: estava um lindo verão único! E a paisagem, nem se fala: fantástica, cheia de pessoas à volta, com um mar esplêndido!

      Parecia uma sopa de caldo verde, tinha vontade de o comer: águas frescas, ondas maravilhosas e baixinhas.

     De manhã, ia sempre comprar pão, para o pequeno-almoço; íamos a Espanha para meter gasolina e ir às compras ou então íamos à praia ou ainda andar de barco, onde mergulhei com uns óculos, para ver os peixes e as conchas.

     Senti-me muito feliz, convivendo com a minha Família. Podem ter sido umas simples férias no Algarve, de uma semana, mas foram espetaculares!

Margarida R, 5C

O Meu Sonho

     Um dia sonhei que  ia a casa da Susana. Lá  vi  a Susana, o Manel , o Vasco e o Zé. 
    A  casa  era de vidro, madeira e cimento  e também  tinha o telhado.  
    Havia  uma piscina  ao lado da casa e eu mergulhei  com a Susana , Zé, Manel  e Vasco.  A água estava muito boa  e eu nadei imenso.
    De repente, apareceu um ladrão  que queria roubar  a carteira da Susana! O Manel e o Vasco  gritaram tão alto que o ladrão apanhou um susto enorme e fugiu.
    Eu não me lembro de mais nada e acordei na minha cama.
    Foi  um sonho muito agitado.
Francisca P, 5 A

Comprometer-se no “Cuidado do Outro” – II

http://deusmelivro.com/critica/a-princesa-azul-e-a-felicidade-escondida-filipa-saragga-20-5-2015/

Imagem: “Deus me Livro”

Cristal “Cuidar” –    II

      Continuamos, em Outubro, a paráfrase meditativa do lindíssimo livro de Filipa Sáragga, descobrindo, nas dobras do “Cuidado do Outro” as implicações do “Compromisso“, que é o nosso “valor“para este mês.

     Ao longo de um diálogo vivo, a Mestra vai vencendo as apreensões da jovem Princesa, em relação à sua capacidade de ir ao encontro dos outros, pois na atitude de “Cuidar” escondem-se compromissos que nos curam e libertam, bem como potenciam a felicidade dos outros.

  • Se aceitamos o nosso próprio arrependimento ou mágoa, mais rapidamente nos podemos focar  intensamente nos outros, apoiando-os ou apreciando-os.
  • Ao arriscarmos a oportunidade de fazer novos amigos, podemos surpreender-nos a crescer com eles  e a sermos melhores.
  • Incluindo no nosso rumo habitual aquilo que é diferente e o complexo nos outros, ajuda-nos a descobrir em nós qualidades desconhecidas e abrimo-nos para novos compromissos.
  • Mantém-se viva a chama da amizade, no compromisso de permanecer sincero com o outro. 
  • Os amigos são honestos entre si, confiam o que lhes é mais íntimo; mas também se comprometem na mútua celebração dos seus sucessos, cada um fazendo sua a felicidade do outro.

     Finalmente, a suave voz desta Sabedoria, encarnada numa Rosa, indica à Princesa os exercícios que a comprometem na aventura do “Cuidar”e que podemos escolher para este mês de Outubro:

  • Ofereceste um abraço a quem mais precisava?
  • Recolheste uma  história de vida dedicada aos outros?
  • Desenhaste ou escreveste um momento em que visitaste alguém ou lhe prestaste um serviço?
  • Podes contar um momento em que fizeste alguém mais feliz?
  • Tens reparado na beleza? Ela está presente nas pessoas, nas ações, nas nossas criações e nas da natureza. Experimenta este exercício da atenção que se descentra de si própria e descobre mil motivos para agir e criar…

OE

As Lágrimas Amorosas

http://www.escapadinhas.org/escapadinha-lagoa-das-sete-cidades/

   Imagem: Lagoa das 7 Cidades

     Este verão, eu e a minha Família fomos aos lindíssimos Açores!

     Gostei imenso de ver a Lagoa das 7 Cidades: metade era azul turquesa e a outra metade era verde esmeralda!

    Conta a Lenda que era uma vez uma Princesa que se apaixonou por um Pastor, mas não podiam casar, porque ela era uma Princesa e ele era apenas um Pastor.

     A Princesa chorou tanto que formou uma Lagoa Azul, porque a Princesa tinha os olhos azuis. O Pastor, que tinha os olhos verdes, chorou também e formou uma Lagoa Verde.

     E as águas não se misturaram porque eles não se podiam casar!

    Gostei muito da ida aos Açores, senti-me feliz, entusiasmada, curiosa e, do que gostei mais foi da praia de água quente em que ao lado havia um vulcão!

Matilde C, 5ºA

Melhores Férias que já Tive!

http://yourholidayhomes.com/things-to-do/parks-and-gardens/helsinki-zoo_689.html

Imagem: Zoo da Finlândia

     Nestas minhas férias, fiquei muito feliz porque a minha tia e a minha prima vieram do Brasil para nos visitar. Depois de alguns dias, fomos visitar o meu padrasto à Finlândia. 

     Eu, a minha tia e a minha prima fomos visitar a cidade de Cascais: disseram que era mais ou menos igual ao Brasil: quentinho e com muitas pessoas. Fomos á praia e à piscina, mas elas acharam a água fria e com mais tom de azul.

     Depois de duas semanas, nós fomos à Finlândia! Elas acharam muito frio no verão, mas adoraram o Zoo, principalmente a minha prima de 4 anos. Foi a primeira vez que elas foram ao Zoo: estavam animadas!  A única coisa que elas não gostaram foi do mar, porque era muito frio.

     O Tigre branco era giro e chamava muito a atenção das pessoas; e tinha um branco na sua pele igual à neve!

      Eu adorei quando vi a minha prima pequenina e a minha tia em minha casa. Estas férias encheram-me de felicidade porque estive com a minha Família!

Leyane S

As Férias devem ser mais Longas

August 2017 - Nika with Angelina and Aurelia eagle1effi via Compfight

      Em relação às férias, considero que deveriam ser mais longas.

     Em primeiro lugaras crianças com problemas nervosos precisam de descansar, porque há pessoas patetas na escola que as enervam. 

     Em segundo lugar, crianças teriam mais tempo livre para estudar, aprender, brincar e fazer amigos novos; esta abundância de ar e de atividades livres é saudável para elas.  

     Em terceiro lugaras crianças poderiam passar mais tempo com os pais; há alguns pré-adolescentes que não se interessam pelos pais, mas os pais são importantes para a vida, são dois lobos que nos protegem das coisas más. 

      Por todas estas razões, defendo que o descanso deveria prolongar-se no verão e ao longo do ano letivo, em especial nas férias de natal e Carnaval porque eu gosto muito do inverno.

Svetty T, 6B

Contando as Férias a um jovem Castanheiro

Imagem: DW Made for Minds

Esta carta foi enviada para o pequeno castanheiro de Dusseldorf que recebe correio de todo o mundo: 

Kleine Himmelgeister Kastanie
Kölner Weg
40589 Düsseldorf
Germany

https://q-ec.bstatic.com/images/hotel/max300/279/27900055.jpg

Imagem: Aldeias de Montoito

25/09/17

Querida Erona, 

     Nas férias, fui ao Alentejo, que tinha uma paisagem muito bonita. A Aldeia onde fui chamava-se Montoito. Estávamos rodeados de verde, eu, os meus avós e irmãos. Gostei especialmente da visita a um Palácio que tinha vestidos de uma Artista para serem usados por nobres. Tinham feitios malucos: de uma prenda, de um bolo, de uma “cup cake”…

Imagem: Viator.com

     Depois fui ao Algarve, a Lagos, com os meus pais e os meus irmãos. No hotel tinha cinco piscinas e uma praia perto. A água, sempre fria, mas quando estávamos acalorados, era ótima para nos refrescar; às vezes cresciam ondas de um azul esverdeado com espuma branca na crista.

    Fui duas vezes visitar a cidade e fiz um “Tereré” em tons de azul. Nestas férias senti gratidão pelas surpresas da vida: no Alentejo e no Algarve gostei de conviver com a minha Família e com a Natureza.

      E tu, pequena árvore, como passaste o Verão?

Carolina A, 6B

25/09/17

     Dear Erona,

     During my holydays, I have been to Alentejo, where the landscape is beautiful. I was in a small village called Montoito, with my grand parents and my sister and brother. We were surrounded by pure green. I specially appreciated the visit to a Palace where we could see dresses made by an artist ; they were supposed to be used by noble people. But they had strange shapes : one was like a gift, other looked like a super cake, and another was like a cup cake…

     Afterwards I went to Lagos, with my parents, my brother and sister. At the hotel there were 5 swimming pools and, very near, a beach. I went to visit the city twice and there I had a «Tererê” made in my long hair.

     There was a beach near by, where the water was always cold, but, when we were feeling hot, it was great as we could be refreshed; sometimes some big waves would grow, blue and green, with white foam on the crest.

    These holidays I felt gratitude for the surprises of life in Alentejo and Algarve; I enjoyed to be with my family and to be in deep union wtih Nature.

    And how about you, little tree? How did you spent your Summer?

A Kiss from Carolina

As Melhores Férias de 2017

https://pt.aliexpress.com/store/product/Inflatable-Flamingo-Pool-Float-Toy-150CM-Party-Water-Rose-Gold-Giant-Pink-Cute-Boia-Tube-Ride/1897368_32819171439.htmlImagem: Aliexpress.com

     Este Verão extraordinário, estive no Algarve e no Alentejo, com os meus queridos Amigos e Família.

     Quando estava nas praias do Algarve, via o mar claro, as pessoas a divertirem-se, as rochas castanhas, a areia brilhante e muitos chapéus de sol.

      Fiz muitas diversões fixes na praia, como: futebol, volei, raquetes, bodyboard, nadar e mergulhar nas ondas e ainda jogar com uma bola que salta na água.

     Gostei imenso de ir à piscina e recebi duas boias novas: uma, enorme, cor de flamingo e em forma de flamingo; outra, redonda, de várias cores, para descansar.  Basicamente cabíamos todos no flamingo, não lutávamos, mas queríamos todos chegar à boia e ficávamos lá.

     Sempre que jogava com os amigos ou me atirava para o mar sentia-me feliz, calmo e em liberdade.

Afonso F, 6D

Aventuras de Barco

http://www.algarvehousing.net/portugal/ferragudo/Imagem: Ferragudo

     Este verão inesquecível, fiz uma viagem até ao Algarve com toda a minha Família e o barco ás costas. O barco ainda ia com a revisão por fazer.

      Achávamos que não ia ser muito complicado, até que, no dia em que fomos fazer a revisão a Faro, recebemos uma triste notícia: tinha uma pequena lesão no motor. O barco não passou na revisão, mas o meu Pai fez de tudo para nós navegarmos no alto mar. Passada uma semana, já estávamos a navegar lá em cima, felizes e contentes.

     O meu Pai decidiu ir buscar de barco a minha irmã e a minha prima, que vinham do CSVI, de autocarro: uma loucura! Paramos numa praia, no Ferragudo. Quando chegamos…

(Continua)

Carminho S, 6A

Experiências Indescritíveis na Carrapateira

https://www.voyagesetc.fr/carrapateira-mon-petit-paradis-au-portugal/

 Imagem: Mon Petit Paradis     

       Este Agosto suave, na Carrapateira, com a minha Família e Amigos, tive experiências indescritíveis.

      Vivemos nesta pequenina Vila com dunas de areia fina e clara ondulando até ao mar brilhante.

      Criei um negócio emocionante e difícil: todos vieram da praia à hora combinada para preparar as pizzas e organizar um restaurante em casa até 30 pessoas, entre os nossos pais, família e amigos.

     Pesquei com cana: aquela sensação de ter um peixe na linha e a cana a tremer nas minhas mãos! Descia das rochas chamadas “Os dois irmãos” para ir apanhar o peixe, como me ensinou, entre muitos outros truques desse sítio, um pescador que ali ficou meu amigo.

      Nesses 13 dias intensamente vividos, quase apanhei o maior peixe da minha vida: depois de uma luta intensiva, consegui vê-lo e, com todo o cuidado, puxei-o. Quando pensei que ele já era meu, o mal aconteceu: a chumbada prendeu numa rocha alta, veio uma onda enorme, arrastou o peixe e levou-o!

Alexandre T, 7A

Amigas em Aventuras!

    Going Slowly Katherine Herriman via Compfight 

     Um dia fui à missa da minha avó que morreu, e estávamos a rezar. O meu apelido é P.;  a seguir fomos a casa e as minhas amigas  iam para a escola  trabalhar, fazer um teste nas aulas, a escrever,  a dizer qualquer coisa; eu estava a ir para casa com a Juliana. A Francisca e a Inês estavam a sonhar do meu próprio sonho onde andavam a roubar nas minhas coisas!

     Então, a Francisca resolveu ir à Sacolinha com a Inês e também com a Juliana. Depois, iam fazer uma visita de Estudo, as três foram a casa trabalhar e a professora delas pediu para estudar. E havia muita matéria!

     Elas estavam a brincar, mas, de repente, apareceu um ladrão. Então, ele raptou a Francisca. A Juliana e a Inês foram salvá-la, porque o ladrão tinha-se ido embora e a Francisca continuou amarrada. E gritaram o nome delas:

      – Juliana, Juliana! Inês, Inês!

     Elas foram salvar a Francisca. E a Francisca foi ter com as amigas.  Já em casa fizeram uma festa, para celebrar a libertação da grande amiga Francisca!

Texto a duas Mãos

Francisca P 5A e OE 

Aventura na Ilha do Farol

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiyj8XN8czWAhXL7RQKHai4C3QQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DUOoz25BKwgQ&psig=AOvVaw2o8YmhkmpGdT_00ooSs5wx&ust=1506859600670568

   Imagem: Ria Formosa2015

      Este verão fantástico, na ilha do Farol, vivi uma aventura indescritível, com a minha Família e amigos.

     À nossa volta havia o mar imenso, uma massa gigante azul clara e água fresca por todo o lado.

    À noite, sob o céu estrelado, eu e os meus amigos íamos a uma Associação na Ilha, onde jogávamos às cartas e andávamos de bicicleta à vontade, até um bar maravilhoso onde bebíamos batidos e comíamos wafels indescritíveis.

    De manhazinha, ia para a praia com 30º graus, mergulhava no mar fresco com os meus amigos e íamos apanhar lapas ao pontão debaixo de água.

    Eu adorei estar na ilha, porque podia viver livre e andar com os meus amigos em pleno dia e noite: foi uma aventura!

André R, 7A

O Esplêndido Cruzeiro

https://www.logitravel.com/cruceros/mediterraneo-occidental/desde-valencia/msc-splendida/un-mar-mil-maneras-de-vivirlo-16418350.htmlImagem: MCS Splendida

     No verão, eu fui fazer um Cruzeiro com toda a minha Família do lado do meu Pai. Foi esplêndido! Parti de Valencia e passei por Marselha, Génova, Roma, Palermo, Sardenha, Palma de Maiorca… Viajámos num barco gigante, a paisagem era linda de morrer! Acordávamos sempre em cidades e países diferentes.

     Todas as noites, antes de jantar, íamos ver os espetáculos maravilhosos; depois, íamos para o restaurante que tinha sempre o mesmo empregado, chamado Aprianto, que vinha da Indonésia.

     No barco havia dois Jacuzzis, uma piscina interior e outra exterior, kids club, cinema 4D, casino, sala de espetáculos, muitos bares e discotecas, um mega buffet – que eu até me perdi lá – sala de jogos, 25 elevadores, uma loja de gomas e chocolates e outras dimensões surpreendentes…

     Um dia, na piscina, houve um concurso “Master Chef By the Sea” e a minha Tia ganhou com uma sobremesa de frutas, com um nome criativo.

     Senti-me entusiasmada com a brutalidade de tanto mar à volta, no seu azul sempre em movimento. E fiquei espantada com o facto de aquele enorme barcalhão não se afundar.

Margarida Cocco, 6A

Ondas Perfeitas na Arrifana

http://www.arrifanasurfschool.com/

Imagem: Arrifana Suf School

     Era uma vez um surfista chamado Simas. Um dia, ele decidiu ir à Arrifana; lá foi ele. Assim que viu o mar com ondas perfeitas e o céu sem nuvens, sentiu-se cheio de energia.

     Logo de seguida, o Simas encontrou um amigo – isto é, convidou-o – e foram logo para o mar. Surfaram grandes ondas azuis; quando saíram da água, foram para casa brincar, andando de skate.

     Estavam num acampamento e a descida era inclinada, era giríssimo descer a rampa e eles ainda iam muitas vezes a um café muito bom.

EzraCreative Commons License sushitsavo via Compfight

    Uns dias depois, foram embora. Quando chegaram a casa, o Simas foi logo ter com o seu cão bebé, o “Bola”, de pelo curto, cinzento e preto, um galgo wheepet, magrinho e que se encolhe todo ao dormir.

Simão CB, 5C

Adrenalina no Escorrega de Água

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiv7Z7sysPWAhWFmBoKHQBTCV4QjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.feriasemportugal.com%2Faquashow-quarteira-algarve&psig=AFQjCNHpfPeCLRD40K063_LbVZjA6j0MYg&ust=1506540410122578

Imagem: Aqua Show do Algarve

     No Aquashow do Algarve, estava eu na adrenalina do escorrega de água: sentia muuito medo! À minha volta, uma paisagem muito bonita: as diferentes atrações e árvores fora e à volta, poucas casas e uma estrada com os carros a passar.

     A água era transparente e rápida, o ar estava cheio de gritos e de gargalhadas! Já há muito tempo que eu queria andar no Aquashow; tinha lá amigos meus e amigas da minha irmã, também porque era o aniversário de uma amiga da minha irmã.  Foi uma surpresa, porque ela não sabia que íamos!

     Quando saí, já tínhamos a certeza, a minha irmã e eu fizemos uma aposta, e ganhei, porque andei em mais diversões que ela!

Vicente E, 5C

Marrocos Maravilhoso

Imagem: Ibero-Star Saidia

     Nas minhas férias, fui a Saídia, em Marrocos. Durante sete dias fui à praia, havia ondas e eu mergulhava por cima delas: foi muito engraçado! Em Marrocos, no hotel – Ibero Star – em que eu estava, havia diversões animadas: na piscina, tínhamos de mergulhar e de apanhar coisas no fundo; jogamos vólei na água…

     O mar era quente, com ondas azuis, a areia era quente e amarelo-torrado, mas havia mais gente na piscina que na praia. No último dia, os hóspedes todos vestiram-se de branco e fizeram um fogo de artíficio que dizia: “Saídia – Marrocos”.

     Andei de camelo – no maior que havia lá – ao longo da praia. Ele, às vezes, levantava a cabeça para trás, tirava a língua e eu assustava-me. Fui com a minha mãe e estes dias foram inesquecíveis pelo convívio.  Foram dias divertidíssimos, porque havia muitas atividades para fazer e descobri imensas realidades de um país que eu não conhecia.

Mariana C, 7C

O Golfinho Feliz


PortraitCreative Commons License R’lyeh Imaging via Compfight

    Nas minhas férias tive muito contato com a água. Fui muitas vezes ao mar com a minha avó; ela é velhinha mas muito aventureira, ela vai até ao fundo do mar e leva-me como acompanhante. Tenho muitas histórias para contar, mas vou contar a que foi mais divertida.

     Estava eu e a minha avó no mar sem fim e azul escuro, quando aparece um golfinho a nadar, feliz e contente. Eu achei logo que era um tubarão, pois estávamos tão longe que não conseguíamos ver a praia, mas a minha avó logo me alertou e disse que era um golfinho, mas mesmo assim, eu morria de medo que ele ou ela me mordesse. 

Passado algum tempo, o golfinho começou a fazer truques para nós vermos e ele gostava tanto quando nós aplaudíamos. Esperamos até ele acabar com os truques: então eu fui para cima dele e começou a levar-me tão rápido quanto uma chita.De repente, ele foi para debaixo de água cada vez mais e mais fundo e eu soltei-me, porque senão ia morrer afogada.

     Quase sem ar, vim até à superfície e encontrei a minha avó; começamos a nadar até à costa, mas não reparamos que o golfinho vinha atrás de nós. Quando já tínhamos pé, olhamos para trás, a ver se encontrávamos a minha mãe e a minha irmã, mas o que encontramos foi um golfinho novamente a fazer truques. Ele ficou ali por uns tempos e foi-se embora, mas ninguém o viu, pois tínhamos pé, mas a água estava até ao meu pescoço e a praia ainda estava um pouco longe.

     Finalmente, chegamos à costa, onde estavam a minha irmã e a minha mãe a apanhar um bronze. E por fim contamos a toda a fabulosa história a elas!

Carolina Cr, 7B

Definindo Sentimentos

AMISTAD_ Eider Joselito Chaves Chaves via Compfight

A Família não é o sangue que temos em comum, mas sim as pessoas em quem confiamos e que nos fazem sentir só um.

A Coragem é um sentimento poderoso,   pois em quem está vivo, é muito valioso;  

A Coragem sabe sempre quando aparecer, pois na vida e na morte, é um sentimento para proteger.  

O Amor é a diferença, o Amor é a igualdade; o Amor é o que se sente quando se está apaixonado.  

A Felicidade é Tristeza, a Tristeza é felicidade, pois cá na minha cabeça, é tudo o mesmo: Personalidade.                

A magia é uma coisa que qualquer um consegue ver, pois é a luz que temos, que nos faz querer viver.

O medo é uma ilusão Que só está presente na Alma e no Coração                                          

O medo é um sentimento  difícil de explicar, mas para o combater basta a coragem de avançar.

Os Livros são Fantasia, os Livros são Realidade: eles são tudo o que é preciso para construir uma Personalidade.

 A Fantasia é uma mundo onde todos queremos viver, mas sem a Realidade, nunca o iríamos perceber.

Mercedes M 6B

Ser +: “Cena Literária”


Imagem: CAD – Cena Literária 

     Os queridos colegas  Carla, Paula e Paulo estão entre os muitos que aceitam o perturbador desafio da Beleza, através do seu ensino de diferentes Artes no nosso Colégio, cada um deles através da sua específica e especial paixão.

      Estes colegas contribuem intensamente, com o seu dom singular para a fisionomia única da nossa Escola e, mais ainda, vão tecendo a própria alma secreta desta, ao colocar os seus talentos ao serviço dos nossos alunos. 

    É assim que ajudam os seus jovens companheiros a descobrir por sua vez, quais os seus talentos escondidos e encorajam-nos a expor-se com as suas personalidades únicas, a fim de dar os seu melhor tanto às suas próprias jovens vidas como à comunidade escolar. 

     Mas para além disto, eles desafiam os nossos alunos a irem mais longe, a fim de alargar até o horizonte inteiro da sua geração. Na medida em que oferecem gratuitamente o melhor de si próprios, os nossos jovens acrescentam significado e força á perene demanda da humanidade. 

    Como este artigo ficaria demasiado longo, desta vez foi escolhida a Poesia no CAD:

CENA LITERÁRIA

Imagem: Teacher Carla playing Conspiração no Palácio

    Assim, a Prof. Carla – que ensina Português e Literatura – é também uma atriz, numa Companhia de Teatro –  provisoriamente suspensa – onde desempenha variados papéis em drama e comédia, ou performances de rua no Teatro de Sintra.

   Com uma singular paixão por poesia, criou, no Colégio, um evento mensal, cada um para celebrar um diferente poeta: os poemas escolhidos são ditos ou lidos por alunos voluntários, na Biblioteca, aberta a uma audiência de todas as idades.

    Poetas Portugueses, como António GedeãoMário de Sá CarneiroFlorBela EspancaFernando PessoaAfonso Cruz, Almeida Garret, José Saramago,Sophia de Mello BreynerWalter Hugo Mãe, tornam-se presenças vivas na nossa biblioteca, graças às jovens vozes e aos corajosos corações dos nossos Alunos.

OE

 

Os Nossos Valores – Adaptado de Prof Maurice Elias

Sobre o Autor que inspirou esta proposta de escrita reflexiva: Maurice J. Elias of Psychology, Director, Rutgers Social-Emotional and Character Development Lab (www.secdlab.org), Director, the Collaborative Center for Community-Based Research and Service (engage.rutgers.edu)@SELinSchools

Viver os Valores

Acolher é “Cuidar do Outro” – I

 

Imagem: Princesa Azul na “Deus me Livro

Cristal “Cuidar”

      Meditando o nosso tema anual “Ser +” –  com um diferente valor atribuído a cada mês do ano letivo –  vamos apresentar, em paráfrases, a nossa abordagem de um capítulo do lindíssimo livro da nossa querida antiga aluna Filipa Sáragga, “A Princesa Azul” o qual, além de integrar o PLN, deu também origem à  Fundação que apoia e celebra a diferença.

      Trata-se do momento em que a Princesa recebe, sob a forma de um Cristal, um ensinamento precioso que podemos aproximar da vivência do valor escolhido para Setembro: a qualidade do acolhimento aos outros.

       A singela mestra da Princesa mostra-lhe a centralidade desta disposição interior, que revela o seu poder libertador, ao longo do caminho iniciático da Princesa rumo a uma felicidade autêntica. Para atingir este fim, surgem as atitudes concretas que deve exercitar e que a tornam capaz de um relacionamento genuinamente acolhedor.

  • As pessoas felizes são altruístas e pensam nos outros, pois é sobre a base da generosidade que se fundam os relacionamentos fecundos.
  •  Concordas que as pessoas felizes pensam mais nos outros?    Podes dar três exemplos?
  • Cuidar dos outros descentra-nos e cura-nos, pois “Leva muito mais tempo a ultrapassar uma angústia do que a assimilar algo de bom”.
  • Podes partilhar como alguém ultrapassou uma angústia? E porque será mais rápido assimilar algo de bom?
  • As relações com os outros são uma prioridade e cuidar dos amigos torna-se uma responsabilidade vital, pois a Felicidade de cada um é uma resultante das nossas relações com os outros.
  • Se quiseres fala nas tuas prioridades nas relações com os outros.
  • Que outras prioridades devemos considerar na nossa vida?
  • Como definirias a Felicidade?

OE

Acolher

Imagem: Flaming Text   

     Setembro é um mês talhado para o Acolhimento: por todo o mundo, os alunos regressam ou iniciam já o novo ciclo de estudos, na ronda da sua jovem formação, que vai espiralando, ano após ano, até desaguarem no horizonte a perder de vista que é tanto  uma profissão a exercer como uma família a constituir.

     Este ano, com a “roda dos valores” a inspirar cada um dos dez meses letivos, procurarmos uma inspiração de escrita, a fim de que o valor do nosso acolher brote de mais fundo e transborde até mais longe do que poderíamos esperar. 

    Também hoje, no nosso mundo, mais do que nunca, é urgente acolher. Iniciativas eficazes multiplicam-se em todos os países, sobretudo naqueles, distantes, onde a guerra, a pobreza ou os desastres naturais deslocam milhares de famílias sem recursos.

     A Unicef abriu, recentemente, os Espaços Amigos das Crianças – simples tendas ou construções precárias onde voluntários com formação adequada protegem o hesitante descontrair-se de crianças e jovens que tentam retomar a sua confiança básica na vida. 

  •     Como podemos nós conjugar o acolhimento no nosso dia a dia, como um verbo vivido?
  •     Observaste atitudes acolhedoras neste início de ano escolar que possas partilhar?
  •     Descobriste algo inspirador entre os teus novos colegas?
  •     Se quiseres, comenta este pequeno filme da Unicef.

Traçando Rumos Singulares

Words for LifeCreative Commons License Leonard J Matthews via Compfight

      Hoje partilhamos a alegria de ter connosco, na Oficina, a querida antiga aluna Júlia Marçal,  psicóloga organizacional e free lancer numa série de iniciativas enriquecedoras que vão traçando um percurso singular no âmbito profissional.

     OE – Júlia, partilhe uma experiência de vida que tenha sido para si apaixonante durante os seus anos de escola.

     JM –  O que nos toca profundamente fica registado não só na memória, mas também na alma. Assim são as recordações que tenho enquanto aluna do Colégio do Amor de Deus. Um episódio muito engraçado, do qual tenho memória, remonta à minha vivência enquanto aluna do 2º Ciclo, quando, no 5º ano, fui ao Jardim Zoológico de Lisboa e, no decorrer do almoço, com colegas e professores perto da jaula dos macacos, um dos macacos, de pequeno porte, aproximou-se e furtou o iogurte da Professora Sandra Pedrosa. Foi a risota total 😊

     OEQuais são os principais fatores que têm modelado o caminho original que está a traçar como profissional independente?

     JMParticipar em projetos de naturezas diversas e contactar com tarefas e pessoas diferentes são os principais fatores que me motivam. Projetos como o meu livro: “A Comida como Almofada Emocional – Porque comemos sem ter fome?” tornam-se possíveis e permitem-me colocar a minha criatividade em prática e dar a conhecer o meu trabalho.

     OEQue conselhos daria a um jovem recém-chegado ao mercado de trabalho para se orientar no mundo complexo da busca de um emprego?

      JM –  O conselho que dou a estes jovens é o de escolherem um emprego alinhado com os seus valores e interesses pessoais, pois assim é mais fácil manterem-se motivados. Outro conselho é: não deixem de procurar outras e melhores oportunidades, de forma a aprenderem novas competências, o que se torna fundamental num mercado em constante mudança.

     OESe tivesse dois anos de liberdade financeira para sobreviver com um bem-estar moderado, a que atividades se dedicaria? Porquê?

    JM –  Nessas condições dedicar-me-ia à escrita, uma das minhas grandes paixões, assim como me dedicaria a projetos relacionados com o empoderamento das pessoas, aos níveis pessoal e profissional.     

    OE – Obrigada, Júlia, por teres aceitado participar nesta entrevista, no âmbito do desafio do #EdublogsClub. Desejamos que continues com o teu compromisso entusiasta e o teu trabalho criativo.

Júlia Marçal

Autora de “A Comida como Almofada Emocional

e Inesquecível Aluna do CAD

O Que são Valores para Ti?

Imagem: da Oficina de Escrita

Compilação de respostas dadas por alunos de 5º Ano das turmas A, B e C, no ano 2000

    Os valores são aquilo que temos de Bom em nós; são “coisas” importantes que devemos praticar; todas as “coisas” importantes da nossa vida.

    Por exemplo, os meus amigos, o meu corpo, o meu ser.

    Os valores são também o que nós sentimos: o amor, a felicidade e outras coisas.

    Para mim, um valor é uma coisa ou sentimento de grande importância.

    Existem vários tipos de valores: Morais, como as regras de educação, de respeito por nós e pelos outros; Religiosos, como respeitar a fé de cada um; Materiais, que têm um preço em dinheiro ou um preço afetivo.

     São referências que todos devemos ter para dirigir, orientar a nossa vida. Alguns valores são nos dados pelos Pais, pela nossa família, pela escola. Outros, vamos adquirindo ao longo da vida.

    Um valor é uma qualidade, um sentimento. É a importância que damos às coisas, às pessoas. Nós também somos um valor para outras pessoas. A vida é um valor e por isso tem de ser bem vivida. Os amigos são um valor muito importante.

    São dons que Deus nos deu à nascença. São regras que devemos seguir para sermos felizes: por exemplo: repartir amor, ter compreensão para com os outros, dar o nosso perdão.

   São qualidades que a pessoa tem; são factos ou sentimentos a que damos importância na vida. São coisas, ações, sentimentos que ficam para a vida inteira.

   São ideias que orientam as pessoas no seu caminho, na sua vida. São todas as qualidades que estão adormecidas e que só algumas pessoas conseguem libertar… São princípios, ideias-chave que devem orientar o nosso dia a dia. São qualidades que nascem com a pessoa e que ela “faz crescer” praticando boas ações.

     São normas de comportamento ou regras que nos orientam na vida. É o valor que tenho por algum objeto. Os valores que nós damos a tudo o que está à nossa volta: a um objeto, a uma pessoa, a uma ação ou a um animal são feitos a partir de ideias ou sentimentos existentes em nós.

     Valor é todo o empenho ou esforço que ponho em conseguir o que quero… São dons que Deus nos dá e nos ajudam a crescer como pessoas humanas e espirituais, como pessoas felizes.

    Há vários tipos de valores: a amizade, o amor, a saúde, a educação. Todas as pessoas têm valores, umas mais que outras. A ideia de valor varia conforme o sítio e o tempo em que vivemos, e até com a nossa idade e cultura.

Turmas A B e C do 5º – 2000

Inesquecíveis Alunos do CAD

Nadando com Golfinhos

Dolphin Days ShowCreative Commons License Chad Sparkes via Compfight

     Olá, o que eu vos vou contar foi uma coisa linda, um momento emocionante: nadar com golfinhos! Uma experiência que não dá para esquecer. Nadei com um golfinho no Zoomarine, era um golfinho lindo, maravilhoso, ai!

    Chamaram-me: que nervos! Fui-me vestir e só conseguia olhar para a água azul, o céu lindo, com o sol mais bonito que eu já vi. Quando saí encostei-me à parede branca que estava fria, mesmo muito fria; bem, o aperto na barriga, o nervoso miudinho davam cabo de mim, nem sabia se estava frio ou calor, mas pelo céu, devia estar um bom tempo para um mergulhito.

     Mandaram-me dizer aos meus pais que ia entrar na água. Quando olhei para a água com olhos de ve, parecia o mar, estava muito fria e era muito funda, mas consegui superar tudo: aí sim, descobri como os golfinhos eram grandes e o verdadeiro tamanho dos dentes!

    Bem, os dentes eram grandinhos, mas o olhar de ternura entre ambos foi tão forte que eu esqueci o Mundo: não havia ninguém, só eu e o “meu” lindo golfinho! Fiz coisas impensáveis: corri (nadei), dei-lhe imensas festas, o carinho entre nós, parecia que ele me ia dar beijinhos. Só de pensar que daí a pouco me ia embora, ia-me logo abaixo, mas parecia que o golfinho percebia e me ia ajudar.

   Só, só mesmo por causa do olhar de ternura e “amor”, fiquei feliz, e foi aproveitar! Sentia-me deslumbrada, maravilhada e, como na vida todos temos de ser felizes, fazer o que gostamos, eu aproveitei isto ao máximo: tenho um novo amigo e ainda por cima é um golfinho!

    No dia seguinte, via todo este dia como um sonho, ainda não tinha caído em mim, e nem quando a minha mãe me perguntou se eu tinha gostado da experiência, pensei que a mãe sabia do meu sonho. De repente percebi que era realidade!

Alexandra Simões, 6ºA – 2000

Inesquecível Aluna do CAD

Mergulhamos Todos ao mesmoTempo

   Imagem: Piscinas do Vimeiro

      Eu e umas amigas entrámos de mergulho para a piscina, no Vimeiro, fomos a nadar até à parte baixa, onde havia um reflexo que parecia uma cascata com água quente.

     Depois fui ter com outras amigas e amgos, juntámo-nos todos e demos um mergulho todos ao mesmo tempo!

     Quando se está na água, sente-se frescura, as cores dos fatos de banho e da água são giríssimas e ainda não cheirava nada a cloro, pelo contrário, cheirava a flores.

     Só se ouviam gritos de felicidade e de alegria. A Amizade é esta união com toda a gente, é convivermos assim uns com os outros.

Marta Stehn da Silva Antunes, 6B – 1992

Inesquecível Aluna do CAD

O Campo Maravilhoso

Reflection At Durban Botanic Garden Paul Saad via Compfight

     Estas férias fiz uma viagem até ao campo. Na viagem, ia ficando cada vez mais fascinada com as belas e fabulosas paisagens do campo: eram pequenos campos verdes, tão verdes como uma alface acabada de colher; os campos estavam cheios de rebanhos de ovelhas espalhadas por todo o lado.

     Quando chegamos, fui explorar aquele lugar que tanto me fascinou; à medida que ia passeando com os meus pais, gostava cada vez mais daquela magnífica aldeia verde.

     Eu pensei: “Como pode haver uma paisagem tão límpida, tão serena, encantadora como eu nunca tinha visto na cidade?”

     Depois de muito passear, fomos descansar um pouco. Eu não estava cansada, mas sim entusiasmada, pois como descansar, com tanta paisagem para explorar?

    Naquele momento, ao ver como aquelas pessoas eram tão simples e aquela aldeia com tanta paz, perguntei-me: ” – Porque não ter asas como um pássaro para sobrevoar aquele mundo mágico?”

      Passados uns dias, o meu Pai disse:

      – Vamos ao nosso terreno, pois as árvores devem estar cheias de fruta.

     Quando soube da notícia, fiquei excitadíssima, pois nunca tinha colhido fruta. Colhi laranjas, maçãs, peras e muitos outros alimentos. Fui tirar água do poço para regar as árvores e outras plantas.

     Como já era tarde, fomos para casa. Quando já estavam todos deitados e tudo ás escuras, fui para a janela ver o céu estrelado: as estrelas estavam tão brilhantes como o sol! Tão douradas que cobriam o céu. Parecia que estávamos no espaço.

    No dia seguinte acordei com o cantar do galo, porque ainda há muitos naquela região. Gostei de acordar cedo, pois a manhã estava fresca, deslumbrante, tranquila e eu senti uma força espontânea que me tornou livre, que me fez descobrir a liberdade!

Fabíola Mendes, 6B – 1992

Inesquecível Aluna do CAD

O Quarto dos Sonhos Encantados


Bay Window
melystu via Compfight

     Quando se entra, o nosso olhar é logo atingido pelos pequenos ramos de flores estampados no branco limpo do papel que forra as paredes, tornando o meu quarto confortável e acolhedor.

     Logo depois, a nossa atenção é chamada pelo leve tic-tac que vem da mesa de cabeceira, onde um pequeno e antigo despertador verde dá um ar misterioso ao quarto, fazendo-nos pensar que este está a meditar.

    Também nesta mesinha está um pequeno naperon que, com suas cores claras condiz perfeitamente com um pequeno candeeiro de pé de madeira que à noite ilumina uma imagem de Nossa Senhora, que, tão simples, mas tão bela, parece incendiar-se com a luz.

     No meio do quarto, uma mesa de madeira muito lisa e brilhante, faz-nos convencer que pertence a um grande armário, onde, do lado direito, bonecos diferentes parecem representar uma peça de teatro.

     Em cima da cómoda estão vários livros, uns em cima dos outros, prontos para serem lidos e cujos títulos variados despertam curiosidade.

    A grande janela, que dá para uma pequena varanda, alegra muito o quarto, principalmente quando os cortinados estão fechados e a luz passa através do amarelo vivo destes.

    Tudo isto serve para sonhar e talvez, em toda as gavetas e até atrás dos ponteiros do antigo despertador, estejam pequenos sonhos à espera de serem realizados.

Cláudia Rath, 1992

Inesquecível Aluna do CAD

(Texto escolhido para a Prova Global)

Como é Fantástico Este Nosso Mundo

Castelo dos Mouros Keith H via Compfight

     Está uma tarde que convida a ficar em casa, o sol está um pouco coberto com uma nuvem acinzentada que promete uma chuvinha.

     Do meu lado esquerdo, a tão conhecida Serra de Sintra com as suas altas e esplendorosas árvores que, neste momento, estão um bocadinho escondidas pelas condições atmosféricas.  Do meu lado direito, uns prédios muito bem conservados, o colégio e uma pequena imagem do incrível e misterioso mar.

     À minha frente, a Avenida de Sintra, umas bombas de gasolina da “Cepsa”, que dão muita vida á Avenida. Também vejo muitas casas, que parecem uma aldeia, estão tão perto umas das outras, parecem a casa da “Branca de Neve e os Sete Anões”. Adoro ver os carros a passar: é movimento, é vida! As pessoas passam a murmurar, como é possível que as pessoas vistas de cima pareçam tão pequenas?  

     Às vezes, dou comigo a pensar:

     – Como é fantástico este nosso mundo, pois estou no meio da Serra e do Mar: como duas coisas tão diferentes são igualmente belas!

     Este fenómeno, jamais alguém o descobrirá, nem a Ciência, por mais avançada que esteja. Só que tem uma grande sensibilidade pode sentir e descobrir esta magnífica e fabulosa beleza que a Natureza nos oferece.  Contemplar os segredos e as maravilhas que no mundo existem, é mais do que fabuloso e magnífico: não existem palavras para o dizer!

Fabíola Mendes, 6b – 1995

Inesquecível aluna do CAD

Uma Vista Que Imaginava Não Existir

The Pergola Ruth via Compfight

    Há algum tempo que eu vivo aqui e só hoje é que reparei na vista que tinha. Embora não seja muita é alguma. De repente veio-me à cabeça a quantidade de vida que existe neste local.  

     À minha frente vejo plantas floridas e abelhas a fazer comércio; vejo também moscas a fazerem corridas de um lado para o outro, a ver quem é a mais rápida. À minha esquerda, o limoeiro da vizinha, à minha direita, as minhas tartarugas à apanharem banhos de sol.

    No céu, os raios de sol entram pelo meu quintal fora e fazem concursos a ver quem consegue iluminar mais coisas. Vejo pardalecos a brincar à apanhada. O meu papagaio passa as tardes a assobiar, a miar, a ladrar. a cantar os parabéns e até a chamar-nos. Os meus periquitos estão sempre a namorar como duas pessoas e a entrar dentro do ninho, a chocarem os seus ovos. Quando o meu cão vai ao quintal, as moscas põem-se de volta dele e ele tenta trincá-las.

     Nos dias de sol, o quintal cheira a harmonia e sente-se que os seres vivos falam uns com os outros. Quando anoitece, toda esta magia que está no meu quintal desaparece: fica tudo calmo e silencioso. Quando o dia nasce, repete-se tudo e todos os dias isso acontece.

Pedro Almeida, 6B – 2005

Inesquecível Aluno do CAD

A Arte do “Skymmy”

Mar AzulCreative Commons License José Luis Ruiz via Compfight

     Um momento inesquecível que escolhi foi a arte da modalidade de fazer “Skymmy”.

      No primeiro dia, quando observei uns rapazes na praia a fazer, vieri-me para o meu pai e disse que iria ser muito fácil. Peguei na prancha e cheguei á beira de água, atirei a prencha e vi-me atrapalhada para me pôr em cima da prancha. Já em cima da prancha, escorreguei e pimba! Sentei-me na areia.

     O meu pai chegou, agarrou na prancha e fez metade da praia em cima da prancha. Fui a correr ter com ele e perguntei como era possível ele ter feito metade da praia e eu não, foi então que respondeu que quando era miúdo já praticava a modalidade. As semanas passaram-se e eu já estava em cima da prancha cinco minutos. O meu pai explicou que para fazer 360 graus tinha de me pôr quase de joelhos em cima da prancha e colocar vagarosamente a mão no chão, mas não a mão toda, punha só as pontas dos dedos na areia e a prancha virava, mas eu nisso não sou muito boa.

     O meu irmão pediu que eu tentasse entrar na água com a prancha; eu dizia que não, pois não sabia, e ele dizia que sim; nós, se apostássemos quem ganhava era ele; pois de tanto me perseguir eu experimentei entrar com a prancha. Estava a aproximar-me da rebentação, quando levei com a onda ao mesmo tempo que entrei na água. O meu grande azar foi estar seca, pos a água estava gelada!

     Nos dias seguintes, a água parecia de Cuba, pois estava muito quente, transparente, calma e perfeita para cair da prancha abaixo.

 Marta da Silva Pina Lemos Maia, 2005

Inesquecível Aluna do CAD

O Meu Novo Amigo

inspired photographyCreative Commons License Kala Bernier via Compfight

     No fim de umas férias magníficas, fora de casa, os dias que sobram são só para fazer trabalhos de casa. Isto era o que eu pensava na viagem de regresso a casa. Mas estava enganada…

     Era um dia de chuva, no meio de um engarrafamento, num velho Fiat Punto, ia eu e a minha família. A viagem até Lisboa já durara duas das tres horas totais, mas mim tudo er aindiferente. Nem um terramoto me faria desencostar a cabeça do vidro ou tirar-me um olhar  melancólico, pois dias antes, a minha porca da índia, Speedy, tinha morrido. Zangada com a lei da vida, adormeci no assento de trás.

      Horas depois, já no jardim da minha casa, acordei. Calmamente, peguei na mala de viagem e subi lentamente a escada. Quando, finalmente, cheguei à porta, abria-a energicamente e entrei em casa, sítio onde não ouvi nem um som: estava tudo calmo e pacífico. Corri para o computador, decidi arranjar um novo animal.

      Durante horas e horas pesquisei… numa página vi o que viria a ser uma bela desilusão. Era uma criatura linda, era cinzenta, de olhos zuis e chamava-se furão. Interessei-me pelo furão, criei esperanças que foram apagadas ao visitar um site que dizia ser proibida a compara de um furão em portugal. Depois destaa desilusão, lembrei-me da loja de animais de um primo do meu  pai, a “Mercearia do Cão”.

     Aprontei-me e fui visitar a loja. Quando abri a porta, vi montes de animais, aves , porcos-da-índia, apesar de tudo isso, fixei o meu olhar num coelho branquinho. Não perdi tempo e comprei-o. Deram-me a ração e uam caixa para transportá-lo até casa. Cheguei a casa e pus o coelho na antiga gaiola da porca-da-índia.

     Estive horas a observá-lo e vi que ele tomava banho lambendo-se todo e que gostava da ração. Finalmente, chegou a noite, custou-me dizer-lhe boa-noite, pois acabara de lhe pôr o nome de “Joaquim”. Deitei-me a pensar no tão bom que era ter um novo amigo, que é branquinho como uma bola de neve. Afinal é bom ter um animal, pois ficamos cheios de afeto por eles.

Maria Vasconcelos, 6B – 2005

Inesquecível Aluna do CAD

A Noite, da Janela do Meu Quarto

Panorámica de la Vía Láctea. Carlos via Compfight

     A noite já caiu.

    Estou no meu quarto e aproximo-me da janela aberta. A noite está magnífica, apenas uma leve brisa me bate no rosto. Do jardim da minha vizinha que mora em frente, chega-me o perfume das rosas.

    Levanto o olhar, as primeiras luzinhas brilhantes acendem-se no casario; no manto do céu aparecem também as primeiras estrelas.

    Olho agora na direção da Serra de Sintra: não distingo o palácio; será que as nuvens o cobrem?

    A minha atenção é despertada pelo barulho de um avião que sobrevoa os prédios altos à minha esquerda. As ruas enchem-se de carros e dos barulhos dos seus motores, os faróis iluminam o asfalto negro, é a agitação do regresso a casa depois de um dia de atividade.

   A minha mãe chama-me, fecho a janela. Agora, o que me rodeia é bem diferente.

Ana Raquel Santos Henriques

Inesquecível Aluna do CAD

O Mundo Fascinante da Natureza

View from my Balcony Photon-Huntsman via Compfight

     A noite caiu. Está um céu estrelado, estou deslumbrada. Nunca vi coisa mais maravilhosa, e só agora é que me apercebo deste fenómeno da Natureza, apenas visto através da janela do meu quarto, sem ser preciso apenas sair de casa.

     Olho em frente: vejo um muro, um quintal, um portão, mas o mais magnífico ainda está para vir; então vejo algo cintilante que me parece cegar: é o céu estrelado na sua infinidade.

     Desvio a cabeça para a direita e distingo uma luz a iluminar a calçada: é o candeeiro da rua – até parece uma vela acesa debaixo do luar – e, logo ao lado, e que me dá conforto no lar, os postes e fios de eletricidade e telefone. À esquerda, um portão de um tom de verde que me deixa pasmada: é o portão da garagem do meu vizinho.

     O silêncio é quebrado pelo cantar fascinante dos grilos e dos ralos; de vez em quando veem-se pirilampos a brilhar no céu infinito. Há um perfume que paira no ar: é a campo. É assim o que vejo, oiço e cheiro a partir da janela do meu quarto.

     E agora vou voltar à rotina habitual.

Andreia Caetano Rodrigues, 6B

Inesquecível Aluna do CAD

Um Sonho Chamado Vimeiro

Imagem: Oficina de Escrita

       Eu não queria ir para a água, mas o meu grupo de amigos pegou em mim ao colo e “catrapum”, Inês Becken dentro de água! 

     Quando eu estava no ar, sentia-me como um homem a saltar de um avião sem pára-quedas. Quando eu entrei naquela água límpida, macia e azul, eu senti uma frescura imensa, senti também um alívio, pois lá fora estava muito quente e abafado.

      Eu senti-me uma sereia a subir das profundidades mais profundas do mar. Naquele passeio, senti que havia amizade entre nós.

     A amizade é um sentimento muito importante, pois a vida depende dela. 

    Amizade é ter solidariedade para com os outros, é ajudar os amigos quando eles precisam, é dizer: “Ei, anda connosco, vais-te divertir.” É emprestar quando é ncessário, ouvir o seu problema e tentar ajudar da melhor maneira. 

     Naquela aventura no Vimeiro, estávamos todos unidos e amigos, partilhamos a alegria, o almoço, a grande festa, porque aquele passeio foi um reencontro de amigos, foi convívio, foi para nos conhecermos melhor e saber com quem podemos contar e com quem não podemos. 

     Naquela praia onde as ondas rebentavam nas rochas, eu ouvia o respirar das gaivotas; estava um bando de seres humanos a partilhar a sua comida, generosidade, alegria e, por momentos,julguei.me bebé de colo ou uma criança que aprende a falar e está sempre contente, pois não sabe o que a espera mais à frente. 

     Uma criança  com quatro anos não sabe que o mundo não tem assim tanta amizade, mas eu, por alguns momentos, esqueci as guerras, a fome e parecia que o tempo tinha voltado atrás; senti-me muito feliz! 

Inês Becken, 6C

Aluna Inesquecível do CAD

Combate Pelo Verão

NERF Jessica C via Compfight

      Era inverno e nós éramos três irmãos: duas raparigas e um rapaz. Nós adorávamos, mas queríamos o verão.

     A nossa avó ajudava sempre os animais, por isso não lhe fazia diferença; nós só queríamos saltar à  corda, não ler e fazer cálculos, mas sim nadar com a pracha e um fato de mergulho.

     E também porque no verão, no meu aniversário, podia ver as estrelas no meu telescópio e não estudar os micróbios no microscópio; podíamos andar a cem e não andar de carro…

     Passaram vários meses e, finalmente, está aqui o verão! Podia-me esquecer, só que fui enganado: só a pensar nisso, não estudei, fui totó e chumbei. Tive de fazer tudo o que devia ter feito no inverno, na escola: por isso, estudem!

     Logo nos primeiros quinze dias tive de ficar na escola, a ter aulas de recuperação. Mas aí houve um tiroteio: um tipo com uma arma a sério contra outro com uma nerf, que era eu! E então, finalmente, pude viver o verão em Paz com as minhas irmãs!

Afonso S, 5C

Comentário a “O Almocreve” de Machado de Assis

Imagem: da Capa do Livro de Machado de Assis

     Assim que o narrador se sentiu salvo, foi inundado por uma onda de gratidão e de admiração, pela perícia demonstrada pelo Almocreve, e sentiu o desejo de o recompensar.

    Mas  o narrador, quando se aproximou do dinheiro, começou a hesitar se não estaria a dar demasiado. Pensou: “Calma, estou a fazer bem. Se calhar dar-lhe as 3 moedas foi uma decisão no calor do momento.”

     Observou-o, viu que era muito pobre, que bastaria uma moeda para equiparar ou até para superar a boa ação do outro. Se calhar, ele tinha agido simplesmente por defeito profissional, por um impulso natural, por saber domar burros, pelo seu saber profissional, pela sua condição humilde.

     Nesta mudança de atitude, o narrador mostrou-se mesquinho, avarento e mal-agradecido.

     Após uma experiência que poderia ter sido mortal, ele sentiu-se grato e satisfeito apenas com a recuperação da vida; já não estava a dar importância ao material, mas sim à vida. Mas quanto mais esquecia essa experiência, cada vez mais pensava no material e regressava ao seu egoísmo natural.

     Porque já estava bem, não ia morrer, sentia-se fora de perigo, voltava a ver a vida como uma garantia e desprezou o seu salvador.

    (Comentário ao Cap XXI “O Almocreve” de Memórias Póstumas de Brás Cubas de , Machado de Assis)

Miguel F, 9B

Os Mistérios da Linguagem – II

smart cookieImagem: Leonard J Matthews Flickr CC

     As pessoas podem ser possuídas por uma “carga agressiva” porque temos emoções,  e transmiti-la nas palavras, pois as palavras, se voam como gaivotas, também nadam como tubarões.

      A força das palavras para “voar” indica que elas criam sonhos e superam obstáculos; a agilidade das palavras em “nadar” também nos mostra que elas podem impor limites e fazer o outro parar.

      Comunicar não é só falar, mas sim escutar, pois nem sempre se trata de falar com palavras, mas sim escutar a beleza das palavras das outras pessoas. 

Margarida Cc, Francisco M N, OE

(Exercício de escrita criativa segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra)

O Hamburguer


  Imagem: Tasty Hamburguer Gifs

     Era uma vez um Hamburguer muito solitário, que chorava muito, só bebia batidos de morango e chorava. Quando chovia, ainda mais chorava. Mas um dia ele fez uma amiga: a senhora Bonga, que estava muito feliz.

     O Hamburguer perguntou-lhe:

      – Olha, por que estás sempre feliz?

      A Bonga respondeu:

      – Não, isso é um problema de família: nós comemos muito açúcar, ficamos elétricos.

      O Hamburguer, sempre desanimado, um dia ficou muito feliz quand soube que ganhou no euromilhões e, com muita alegria, saiu de casa em cuecas, a gritar:

      – Sou rico, sou rico, sou rico!

      E as pessoas comentavam:

      – És rico de estupidez!

      Quando foi levantar o dinheiro ao banco, ficou espantado: estava rico para toda a sua vida de tristeza!

      Quando chegou a casa, cheio de comida e de tecnologia de ponta, viu a sua figura de parvo na televisão. E o senhor das notícias, que estava ao microfone, disse:

     – O maluco que ganhou o Euromilhões, vem amanhã à “Estupidamente TV” e é melhor que esteja a ouvir, maluco.

     No dia seguinte, o Hamburguer estava a conduzir o seu ferrari para ir à “Estupidamente TV”, quando, para seu espanto, viu uma gaivota a conduzir um autocarro. Foi aí que o Hamburguer se esmigalhou todo e ficou dois anos colado a uma cama de hospital.

     E disse:

     – Quando tenho sorte, vem-me o azar. Porquê? Porquê? 

Lourenço C, 6B

A Terra Maluca

Eve Vegas 2015 Commemorative PosterCreative Commons License Bryan Ward via Compfight

    Era uma vez uma terra distante, num sistema solar maluco, um planeta sem regras. havia pessoas muito doidas, que até matavam moscas com a língua e comiam. O senhor maluco Gertrudes I, tinha uma só regra: não havia regra. E ele também era muito rico; tinha um castelo com servos robôs.

    Mas aquele planeta era demais: tinham divertimentos no meio da estrada, passavam os sinais vermelhos e até faziam corridas de moscas. Só havia uma coisa má: era o senhor Jackson II, ele só roubava mísseis e coisas de segurança e por isso é que o país ficava pobre.

     Então, o senhor maluco Gertrudes I disse:

     – Já chega! Vamos derrotar Jackson II!

    Depois, os malucos contra os ladrões fizeram uma guerra de doidos e, até que enfim, os malucos ganharam!

Lourenço C, 6B

Os Macacos Assaltantes

Imagem: Prank-Monkey_Jokes

      Era uma vez uma família de quatro pessoas que planearam um lanche na praia. Quando estavam a caminho da praia, não havia pessoas na estrada nem na praia. Eles acharam isso muito estranho.

     O pai disse que as pessoas tinham ido para a praia norte, porque aquela praia estava poluída. Mas a praia norte não era praia fluvial e estava com água.

     Quando chegaram à praia norte, já estava imensa gente e havia macacos a roubar as pessoas. 

     Os quatro exclamaram ao mesmo tempo:

     – Quando é que lanchamos? É que nunca mais lanchamos! 

     Nesse momento olharam para trás e viram um macaco a roubar-lhes o carro! Mas eles não sabiam o que fazer. Então decidiram chamar um taxi e ir para casa. A Família era composta pela mãe, Maria, pelo pai, João e os dois gémeos, Tôto e Totó.

Lourenço C, 6B

A Família Preguiçosa

Polyptych | Happy Port Aikawa Ke via Compfight

     Era uma vez uma família que estava sempre no computador e chamava-se “Famíla Preguiçosa”. O filho não ia à escola, os pais não trabalhavam e estavam sempre a dormir. Só comiam comida de plástico e eram tão gordo que nem cabiam no seu próprio carro.

     Um dia, um dos seus computadores avariou e tiveram de sair de casa para o levar a arranjar, mas as pessoas, quando olharam para eles, disseram:  

     – Que família porca e suja e gorda!

     Então, eles ouviram aquilo e sentiram-se envergonhados e furiosos.

     Um dia, quando o computador ficou arranjado, o pai disse:

     – Família, hoje vamos fazer uma grande mudança: vamos ser mais saudáveis.

     E o pai pôs o computador no lixo, inscreveu a família no ginásio e só comprou comida saudável; só viam televisáo depois do jantar e o filho ia sempre à escola.

      Passado um ano, estavam magros e com melhor aspeto, e as pessoas nunca mais gozaram com eles.

Lourenço C, 6B

A Jóia

Police officer Black Zack via Compfight

     Era uma vez um homem muito perigoso, o mais procurado de  todos: tinha acumulado cadastros relativos a assaltos de bancos e fugas de prisão. Ele era uma pessoa que não se cuidava, tinha uma barba até ao umbigo, umas sobrancelhas hirsutas e uma boca assustadora, com dentes para fora e um nariz superminúsculo. 

     No dia 28 de Setembro de 2016, o homem planeou uma lavagem de dinheiro com o seu amigo presidente do banco. Esse dinheiro chegava no dia 31 de Dezembro – já sabem o ano – e quem o transportava para a mansão do homem mais procurado era o funcionário ou o secretário do presidente do banco.  

     O funcionário estava preocupado com as paragens de auto-stop, porque o que havia lá atrás era sério. Então, passado uma hora, foi mandado parar pela polícia e o camionista estava muito assustado porque eles tinham cães altamente treinados.

Lourenço C, 6B

A ida à Prof. Inês

      Numa terça-feira á tarde, uma amiga minha, chamada Maria, chamou-me, para me perguntar se eu queria ir estudar Ciências Naturais com ela, na Oficina de uma professora muito querida chamada Inês, a quem chamávamos professora Inês P.

      Assim foi, subi até ao piso da biblioteca. Quando nós chegamos, faltavam ainda vinte minutos para as 14 horas. A minha amiga Maria foi perguntar à professora Inês se eu podia ir para  a acompanhar. A professora, com um enorme sorriso na cara, respondeu assim:

     – Claro que sim, podes trazer a tua colega… Como é que tu te chamas?

     – Eu chamo-me Constança. – respondi. – Que nome tão giro…”Constança”. Bem, agora tenho de continuar a dar aulas a esta aluna… mas às 14h 00 cá vos espero! – disse ela.

     – Ok! – Respondi. – Às 14h cá estaremos, professora.

Constança G, 6C

Life of Horses – IV

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

      Um dia, a Flora estava muito zangada com tudo e com todos. Ela estava numa cerca muito linda, mas como ela queria fugir, fugiu. Passou por montanhas, vales e florestas, até chegar a um prado muito florido.

     Estava a passar por lá um Mustang, que era diferente dos outros: era todo preto, com uma crina muito grande, só que estava com um penso na crina.

    Ele estava a ir em direção à Flora; ela tentou fugir, mas não conseguiu, porque as ferraduras novas estavam a fazê-la tropeçar. De repente, apareceu um cavalo à frente dela que lhe disse:

     – Olá, eu sou o Veloz, um cavalo dos Índios!

     A Flora apresentou-se:

     – Olá, eu sou a Flora, eu era um cavalo selvagem, só que me apanharam. Queres fazer uma corrida?

      Respondeu o Veloz:

      – Claro! Mas acho que tirarmos-te essas ferraduras.

      Eles deram coices em pedras, em árvores, até que as ferraduras caíram. Começaram a correr: o Veloz ia á frente, mas a Flora deu um salto e ficou próxima dele. O Mustang ficou em primeiro lugar, mesmo assim, por uns segundos a mais que a Flora.

     O Veloz disse:

     – Queres conhecer os meus donos?

     A Flora respondeu:

       – Quero!

      Quando chegaram à vila, os humanos agarraram logo a Flora para ficarem com ela, mas chegou lá uma menina para ajudar aquela pobre égua. A menina acalmou-a e ficou com ela, porque a Flora não queria sair de junto dela.

      O Veloz disse, a rir:

      – Ah, ah, ah! Mal chegas e já tens uma dona! E essa é uma treinadora de cavalos.

      Enquanto estavam a falar, a menina pòs-lhe um arreio e uma manta azul por cima dela para a montar.

Margarida L, 6B

Life of Horses – III

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

     Num dia de concurso, era a vez de Trovão. Mas havia um pequeno problema: o Trovão só conseguia saltar ao ouvir rock’n roll do Elvis. Só que o rádio estragou-se, porque um gato saltou para cima dele.

     Então tiveram que comprar um rádio novo que tivesse grandes colunas para que os gatos tivessem medo deles. Tinha chegado a vez de Trovão: ele deu grandes saltos, correu como se fosse a luz; o juri ficou espantado e deu-lhe a nota máxima.

     Quando chegou a vez de receber o prémio, ficou o Trovão em 1º lugar, a mãe em 2º e, em 3º, um amigo da Flora.

Margarida L, 6B