“O Segredo do Rio” – Estar acima da Fome

Imagem: Departamento de Português

      O livro que eu vou apresentar é “O Segredo do Rio“. Este livro foi escrito pelo autor Miguel de Sousa Tavares, que é um jornalista e escritor português, nascido a 25 de Junho de 1950, filho de Sophia de Mello Breiyner e primo, em terceiro grau, de José Avilez.

      A ação decorre no campo, onde o menino e seus pais vivem numa casa muito pequena com um jardim e um ribeiro próximo. No verão, a água estava tão quente que o rapaz tomava banho lá.

      Uma certa tarde de sol, o menino estava no ribeiro e foi surpreendido pour uma enorme carpa. Entre os dois formou-se uma amizade. No inverno seguinte, após uma longa seca, o menino levantou-se de noite, com muita sede, e foi buscar um copo de água, quando ouviu os pais a conversarem sobre os efeitos da seca.

     Nessa mesma noite, o rapaz ouviu a mãe a contar ao pai que tinha visto uma enorme carpa que daria alimentação para mais de um mês. O rapaz ficou tão preocupado que foi avisar o peixe. Combinaram que o peixe fugiria do ribeiro em busca do grande rio e de um novo lar para viver.

     Passadas duas semanas, o menino, ainda triste por ouviu um chamar pelo seu nome e foi logo ver o que era: lá estava o peixe! E trazia com ele uma enorme rede cheia de latas de comida.

     O que mais gostei no livro foi quand o peixe trouxe muita comida para retribuir ao menino o ter-lhe salvo a vida. O que menos gostei foi quando o pai quis matar o peixe. Este livro fez-me refletir em como a amizade está acima da fome.

 

Carolina V, 7B (2015)

Leitura Partilhada – I – “O Menino que não Conseguia Sonhar”

Imagem: Oficina de Escrita

     Alguns dos Pequenos Visitantes da Oficina vieram comentar a sua leitura do belo livro da nossa querida antiga aluna Sofia Ferreira da Costa,  partilhando alguns dos seus sonhos.

FranciscaO Pedro não sabia qual o sonho que queria, mas ficava na dúvida. 

Maria – Seria guardado numa caixa feita pelos meninos.

VitóriaEle não sabia bem o que sonhar. O meu sonho era que a minha avó voltasse à vida. Isso é o que eu mais queria.

MariaQue as pessoas voltassem, e o meu cão também voltasse.

FranciscaEu tenho o sonho de ser rica, mas não ajuda nada. Não se tem amigos, só se quer comprar coisas. 

MadalenaOs ricos, às vezes, gozam connosco. Também queria que a minha avó voltasse, pois nunca a conheci.

Francisca – Só consegui ver o meu avô.

MadalenaEu tenho muitos sonhos: queria que os Pais voltassem a estar juntos.

VitóriaQueria que a minha cadela voltasse. O meu Pai até chorou.Eu gostava imenso da minha cadela. Eu fingia que ela era um cavalo, porque ter um cavalo era o meu sonho. mas ela levou uma vacina e morreu ao colo do meu Pai.

MadalenaTenho o sonho de ir a Nova Yorque e a Itália.

VitóriaEu tenho o sonho de ir aos países que mais gosto e ter uma irmã mais nova. Já tenho cinco irmãs.

FranciscaTenho o sonho de ir à neve e voltar a andar de avião, que nunca mais fui.

Maria – Gostava de ir a Paris e a New York.

MadalenaGostava muito de ter uma irmã mais nova.

FranciscaQueria que ao chegar aos 3 anos, ia sempre logo para trás, para o colinho da Mãe.

Madalena – Gosto muito desse sonho. Também quero ser sempre bebé.

VitóriaPois eu quero dar um pulo para adulta. Quero ser veterinária de animais domésticos.

Francisca Também quero ser veterinária de animais domésticos ou médica de bebés.

MadalenaAdoro ser bebé, estar no colinho da Mamã, mas  quando fosse para mudar a fralda, dava um pulo para a vida adulta.

VitóriaAdorava ter uma máquina do tempo para voltar aos momentos de que eu mais gostei.

Madalena e Maria  – Eu também!

MadalenaE quero ser uma grande inventora.

Os Pequenos Visitantes da Oficina

  

Recriando “Desencontros” de Jimmy Liao

carolina_desencontros2     

     Como os números de telefone ficaram esborratados, eles não se conseguiram encontrar. Foi um enorme problema para eles. Como se iriam ver? Passaram dias, semanas. meses… e nada.

    Ainda não se tinham encontrado. E um dia, estava um em cada lado da estrada e viram-se. Mas quando iam passar a estrada, passou um camião com uma amigo dele e foram os dois dar um passeio.

     Ela ficou muito triste. Ela passou por todo o lado onde tinha passado com ele, pensava que ele já não queira falar com ela, mas era mentira, ele estava  a planear isto tudo para lhe fazer uma surpresa, para a pedir em namoro.

    Ela desistiu de o procurar e foi ao café onde ele tocava violino: ele estava com um ramo de flores e perguntou-lhe se ela queria namorar com ele. Ela disse obviamente que sim. Trocaram logo outra vez os números de telefone. E viveram felizes para sempre.

(Recriação da conclusão da História de Jimmy Liao Desencontros)

Carolina S-C, 6B

“O Olhar de Sophie”

Margaret of Vienwray

Arabella Proffer via Compfight

     Em 1916, Sophie vivia numa vila ocupada pelo exército Alemão. Passou vários dias e noites em claro, porque o seu marido, Edward, tinha ido para a guerra. Antes de partir, Edward pintou um retrato de Sophie.

     Um comandante alemão viu o retrato de Sophie; ela teve que ter muito cuidado por causa da sua família e da sua própria vida. Sophie teve de reabrir um hotel abandonado, porque os mais importantes alemães não tinham sítio para dormir, portanto, Sophie foi obrigada a abrir.

     Ela tinha colocado o quadro no corredor e, à medida que os alemães passavam pelo corredor, para irem para os seus quartos, ficavam especados a olhar e Sophie não se apercebia de nada. Ela escondeu o quadro, porque pensava que eles tinham inveja ou que o queriam roubar. 

      Edward voltou da guerra; Sophie ficou muito contente e quando dizia: 

     – Por que é que, quando os alemães viam o meu quadro que tu pintaste, ficavam especados a olhar?

     Edward respondia sempre o mesmo:  que era um pintor muito bom.

     Entretanto, Sophie achou melhor esconder o quadro e  morreu sem saber a verdade.

     Gostei deste livro de Jojo Moyes, porque revela-se uma narrativa que nos faz viver o passado e o presente; que nos faz sorrir e aguentar a emoção; que nos mostra a sorte de sermos felizes.

    Adoro ler livros de Romance, porque eu aprecio a maneira como as pessoas lidam com a sua vida a partir do afeto e do amor. . É um livro cheio de emoção, revelações e surpresas.

O Misterioso Caderno Preto

Mariana R, 7C

5º Ano: Tempos Livres e Escola

Atac del Rubi
Photo Credit: Rafel Miro via Compfight

           Nas férias, encontro tempo para ler, à noite, à tarde  e de manhã.

     Eu gosto de ler, porque aumento o meu vocabulário e conheço novas palavras para usar em textos, para ficarem realistas.

     Eu gosto de desenhar, porque queria ser como os grandes ilustradores, como no “Bebedor de Tinta”, “Narnia” e “O Ponto”.

     Eu gosto de tocar flauta, porque tem sons diferentes de todos os outros.

     O meu hobby favorito é hóquei, porque se arranjam amigos novos, estamos em grupo, brincamos e jogamos em sintonia. O hóquei para mim, é viver, é amar o que fazemos, é atacar e defender em sintonia.

     Na escola, a minha turma é muito alegre e estamos quase sempre unidos. Às vezes só nos “chateamos” quando fazemos coisas más, mas depois dizemos:

    – Tu hás-de conseguir, um dia não viramos as costas uns aos outros, porque somos companheiros, até conseguires, não deixo de te ajudar.

     A minha prioridade no 5º ano é que ninguém se sinta sozinho, “triste” ou aborrecido, sem amigos e com vergonha de brincar. Eu gostaria de desejar à minha Turma um Bom Ano, com paixão e alegria.

Afonso C, 5A

Os Meus Livros

The Colorful Library of an Interaction Designer (Juhan Sonin) / 20100423.7D.05887.P1 / SML
Photo Credit: See-ming Lee via Compfight

     Eu gosto de livros de ação e de terror. São os meus preferidos, porque nesses livros lemos um capítulo e queremos ler mais e mais para ver o que vai acontecer depois, principalmente nos livros de ação. Nos de terror é mais ou menos assim: uma pessoa está a ler ou a ver filmes, mas mais a ver filmes, a pessoa parece que está mesmo lá e está com medo do que vai acontecer a seguir, apesar de ser um filme.

     Um livro de que eu gostei muito foi a “República Popular” de Robert Muchaore, um autor inglês, pois era dos tais livros de ação que uma pessoa queria ver mais e mais.

     Eu posso recomendá-lo aos colegas porque é um livro para todas as idades, principalmente para a adolescência e porque se calhar é um livro de que toda a gente gosta, independentemente das pessoas.

     Eu encontro tempo para ler antes de ir dormir; eu leio uns 10 ou 15 minutos, porque antes tenho de estudar ou tenho atividades.

     Nas férias, como vou à praia, ás vezes vou jantar fora e posso brincar com o meu cão à vontade, também tenho amigos em casa, posso até não ler, porque estou a conviver.

     Se eu gostasse muito de Ciências, ia ler livros de ciências para fazer descobertas. Se eu leio um livro de ação ou de terror tenho de ter mais cuidado, pois o que eu li pode acontecer na realidade, não exatamente a mesma coisa, mas uma coisa parecida.

     Acho que as pessoas deviam ler, porque podem descobrir mais assuntos, como receitas, ou aprender sobre o que gostam. Tenho um livro “Sabias que?” com mais de duzentas perguntas e as suas respostas, onde já aprendi muito.

Francisco C, 7A

 

 

Ler e Ver

Imagem: The Chronicles of Narnia

     A Leitura é útil para aprender, para nos entreter. As profissões em que se escreve são as em que se ensina, em que se inventa.

     Nunca houve um livro que me entusiasmasse; pelo que me lembro, nunca apreciei muito a leitura; há um livro que eu gosto: Narnia. O meu pai ainda me lê algumas histórias ao adormecer; estamos todos no quarto das minhas irmãs.

     Mesmo  assim, em vez de ler, vejo histórias por um portal chamado televisão. As que aprecio mais são “Narnia” e “Dentuça e Papuça” – são desenhos animados antigos, que este ano já passaram: têm um cão e uma raposa que, primeiro, brincam imenso quando são bebés e depois, o cão, desde o Inverno até à Primavera, vai aprender a caçar longe do amigo. Quando volta, é um grande caçador; a raposa chega, mas o cão pára de brincar com ela.

     Eu diria a um colega que ler é muito importante, porque aprende-se a estudar; aprende-se a ler, sabe-se o que é que se passa dia a dia , ler é muito importante para o futuro.

     Eu, em HGP, primeiro leio e decoro muito bem o estudo. Depois, a minha mãe faz-me perguntas. Leio, fico a pensar na resposta, por vezes ouço ou vejo e outras vezes é só decorar, digo logo certo.

    Gosto muito de máquinas, na aula, apresentaria um artigo ou um livro sobre máquinas, como funcionam e como é que se inventam.

Miguel F 5C

A Leitura

 Este texto foi escrito por Mariana C, 5B 2011/2012

O meu livro preferido é Alice no País das Maravilhas, porque é uma história emocionante e é um País encantador.

     Eu adoro ler, pois aprendo mais e ler é sempre muito bom. O meu tipo de livros é livros de açăo e de muita aventura, mas eu, que me lembre, nunca odiei um livro. 

      Agora, os livros para a minha idade săo todos muito giros.

     O primeiro livro que li foi do Ruca, mas ainda era muito pequenina. Os meus pais ou os adultos nunca me liam livros; eu, a pouco e pouco comecei a ler com a minha măe. Quando comecei a ler muito bem, o meu poder que senti foi que já năo tinha vergonha para ler ŕ frente de toda a gente.

Mariana C  5B

Leitura

 Este texto foi escrito pela Inęs B. do 5şB 2011/12

     O meu livro preferido săo “As Aventuras de Teodora” e gosto muito de ler, porque é muito entusiasmante e desperta-nos a atençăo, que nos faz ficar agarrados ao livro. Eu adoro ler, é uma das minhas atividades favoritas. Faz-me aprender mais , năo sei explicar porque gosto de ler, só digo que adoro, porque é mesmo.

     Os meus tipos preferidos de livros săo so de aventura e mistério. O livro que eu li e que năo gosto nada foi a “Bruxinha Lili e a Cidade Submersa”, pois năo me despertou muito a atençăo, năo era bem o meu género de livros e tinha palavras demasiado fáceis, pouco implícitas, e eu gosto muito de explorar livros com palavras difíceis, pois é um desafio para mim.

     O primeiro livro que eu li, foi um livro para pequeninos, mas o meu primeiro livro a sério foi no final do primeiro ano, o livro “Geronimo Stilton e o grande Segredo do Conde”.

     Quando eu năo sabia ler, antes de ir para a cama obrigava os  meus pais ou aminha avó a ler, nem que fosse só uma página. Desde pequenina que aprecio muito lerem para mim e ler também sozinha. 

     Quando comecei a ler, senti um poder novo, um poder de viver aventuras sentada ou deitada a ver letras a passar.

Inęs B 5B