Querido Eu – VI

  https://unsplash.com/search/photos/twoPhoto by Wil Stewart on Unsplash  

     Querido Eu,

     Obrigada por me fazeres ser querido e me ajudares em todas as situações. Obrigada por teres contribuído para que eu existisse; obrigada por me teres ajudado em todas as vezes em que eu parti a cabeça ou fiz galos, pois já foram muitas até! Sempre me ajudaste a continuar em todas as dificuldades e recordo todas as vezes em que conseguimos ganhar juntos!

      E Não é fantástico existirmos, quando podíamos não existir?

     Também recordo quando me rio de mim mesmo, porque fizemos alguma coisa engraçada, ou parva, ou até quanto tento fazer algo e depois falho.

      Eu aprecio-te por me conseguires fazer ter vários amigos, por fazeres com que eu seja bom a música, por ter boa educação nas aulas e não falar no meio delas.

     Admiro-te por fazeres os meus amigos gostarem de mim, por me inspirares travar amizade com as pessoas certas, por me apoiares em ter coragem para fazer várias cenas arriscadas.

     Gostaria de contribuir contigo para um mundo melhor, talvez até construir uma coisa totalmente nova, ajudar as pessoas contigo, ter uma mulher querida e filhos espertos!

Vicente E, 5ºA

Salvação na Tempestade

     Buoy

Patrick McDonald via Compfight

     A Vida é um Cruzeiro que parece não ter fim.

     Tanto na Vida como no Cruzeiro existem partes onde navegamos em águas mais calmas, onde tudo nos corre bem, mas depois encontramos sempre umas águas um pouco mais agitadas, ainda que não seja nada que não se consiga ultrapassar.

     O problema é que existem as tempestades, onde tudo nos parece correr mal. O nosso barco começa a virar-se, quase ao ponto de se afundar: esses são os momentos que mudam tudo.

     Podemos tentar continuar a lutar, mas a tempestade, como se nada fosse e o barco com o risco de se partir. Ou podemos simplesmente aceitqr e voltar para trás: preparamo-nos e, depois, sim, avançar.

     Se cairmos da borda temos de encontrar uma pedra para nos agarrarmos e sobrevivermos até a tempestade passar.

    Eu, pelo menos, sei que terei sempre uma pedra à qual me agarrar nas tempestades, umas asas nos pés para quando quiser voar, o vento nas costas para me empurrar, quando não tiver coragem para avançar e um porto seguro para quando houver tempestade.

    E isso tudo resume-se a uma única coisa ou, melhor dizendo, a uma pessoa: chama-se Raquel, a minha Mãe, que ainda há pouco tempo me ajudou numa imensa tempestade.

Aluna Convidada que não Assinou.

Aceitando as Diferenças

  htp://cadescrita.edublogs.orgImagem: Oficina de Escrita     

     Em Setembro, trabalhamos o Acolhimento. Tínhamos uma tabela de madeira pendurada à porta da sala:

  • Juntámo-nos em Grupo para discutirmos o que é “ser +” e o que é o Acolhimento.
  • Depois da discussão, partilhamos em Grupo-turma.
  • Concluímos que a melhor interpretação para esta palavra era: “ACEITAR AS DIFERENÇAS”.

       A nossa Diretora de Turma disse para estarmos atentas às pessoas, não só aquelas que são verdadeiros mendigos e refugiados, mas também às que estão mesmo à frente dos nossos olhos. Por exemplo:

  • Um colega que está sempre sozinho e não comunica, a não ser com o seu telemóvel – falamos também sobre este problema.
  • Outro colega fez anos e nós não demos por nada, mas ele trouxe chupas para todos. Reconhecemos que a sua postura e o seu silêncio nos afastam e não sabemos como fazer.

Margarida Cc, 6A

Conversas na Oficina: O Desafio do 5º

Lost in a Good Book ShellyS via Compfight

     Um bom momento deste ano foi ter entrado para os apoios da Professora Inês.

    Um momento difícil foi as composições terem aumentado de nível;  do 4º para o 5º ano o estudo mudou em relação á exigência e quanto à qualidade. Eu estava numa Escola Pública e vim para uma Privada onde a dificuldade é maior.

    Nunca tinha visto tantos professores, tanta Matemática… No 4º ano só tinha três disciplinas de estudo, agora são cinco!

    Também às outras quatro disciplinas tive de me dedicar e tive dificuldade em algumas que não são de estudo: a tocar flauta, não consigo passar logo de uma nota para a outra, tenho que pensar.

    No Andebol, Râguebi e Futebol, troco as regras: são demasiados desportos. Em ET e EV, como são expressões plásticas, não acerto no traço do rigor devido á motricidade fina: mesmo a cortar com a tesoura, é sempre às curvas.

    Como sugestão para melhorarmos, penso que, à tarde, das 16h 20 às 17h, devíamos ocupar um segmento para fazer algo que a minha Escola Pública tinha, os AECS.

    Alguns pais de alunos ou alunos mais crescidos ou de Funcionários iam gerir uma espécie de aula de apoio ou de workshop: iam explicar a Profissão que tinham, ensinavam-nos atividades, algumas coisas básicas.

    Por exemplo, ensinaram-nos a andar de Skate; em expressão plástica fizemos trabalhos lindos que depois expúnhamos.

Miguel M, 5A 

Na Imensidão da Música

Creative Commons License Urko Dorronsoro via Compfight

     Numa Noite quente, em Caminha, tínhamos acabado de sair de casa; o céu cobria-se com um manto de azul bem escuro com pequenos brilhantes que lá em cima cintilavam.

    Ao pé do mar podia ver-se o Monte de Santa Tecla, só com uma enorme luz lá no cimo, mesmo no cocuruto do monte. Via-se também Espanha toda iluminada por candeiros de rua; estava tão iluminada como um bolo de aniversário. Ìamos andando e cada vez mais chegava aos nossos ouvidos o som dos pombos excitados pelo pão que recebem todos os dias. 

 De repente, comecei a ouvir ao longe uma música bem animada. Decidimos então ir á praça e lá estavam duas bandas de escolas diferentes, que eram constituídas por um maestro, flautas, três saxofones, alguns violinos e um jogo de sinos. 

Como eram duas, tocavam à vez, o que fazia com que as pessoas se andassem sempre a virr. As músicas eram maravilhosas e eu setia vontade de lá ficar pela noite fora. Para cada música, eu conseguia imaginar um bailado diferente. Sempre que uma voz falava, eu pensava pra mim própia: “- Por favor, cala-te, que eu quero ouvir!”

 Sou uma pessoa que se deixa levar facilmente por estas músicas e sentia-me entusiasmada. Em quase todas as músicas a mãe me fazia perguntas que poucas vezes eram respondidas, porque eu me perdia na imensidão da música; durante aqueles momentos, não consegui deixar de pensar nos tais balidados. 

 Quando voltámos a casa, eu sentia-me perdida e abandonada por aquele mundo que deixava. Agora o silêncio reinava e parecia-me que eu tinha acordado de um desmaio; as imensas músicas e bailados haviam desaparecido da minha cabeça.

Mariana M, 6º ano  – 1998

Do tema “Verão 98 – um momento único”

Estrelas de Milevane

 Excertos da Carta da nossa Prof Catarina Santos em Junho de 2017

      Família Amor de Deus,

    Contam-se os dias em que o Santo António guiar-me-á para o aconchego do vosso saudoso abraço, mas não queria sair de Milevane sem antes voltar a partilhar com vocês alguns dos momentos que aqui vivi e senti.

Imagem: Escola de Milevane

     Hoje aprecio o céu como um pintor sente a sua arte. De astronomia pouco percebo, por isso admiro e contemplo esta pintura estelar como se de uma obra de arte se tratasse. Preenche o coração! Imaginem-vos a pegar num pincel grande com tinta branca e a rodopiá-lo sobre um manto negro. Agora imaginem todos a pincelarem o céu em simultâneo!

      As estrelas parecem tão próximas que iluminam o caminho até casa esta noite.

     Os meus olhos já se habituaram à escuridão, alguns sons já não me são estranhos e as pessoas já sabem que existo. Hoje vou aproveitar a oportunidade que as nuvens me deram, de ter a luz das estrelas, enquanto caminho para casa. Atenta aos perigos mas em paz.

[…]

     Esta tarde escrevo-vos à luz das velas. Houve um corte de corrente – a chuva intensa que persiste em durar não deixa passar os raios solares e, por isso, a energia não chega até nós. Quando os painéis solares não funcionam liga-se o gerador mas sem gasolina também não dura muito tempo. Já passaram dois dias em que as baterias estão descarregadas. Talvez amanhã haja um raio de sol que queira permanecer. 

    As noites estão tão frias que me fazem lembrar a minha terra – Sintra. Nestas últimas duas semanas, o chá quente e o cobertor são meus amigos e as camisolas de alças são os inimigos que prendi no guarda-roupa!

    Milevane fica nas montanhas da Zambézia!

Imagem: Campo de Milevane

    Acredito que a simplicidade da palavra obrigada, quando dita do fundo do coração, traduz a importância que esta viagem foi para mim, por todo o que envolveu – sacrifícios, ajudas inesperadas, partilhas…uma verdadeira missão partilhada!

      Às comunidades de Milevane e de Cascais – simplesmente obrigada!

Beijinhos para todos.

Até breve.

Catarina 

(Prof. Catarina S)

Práticas e Projetos Felizes

     Toronto Botanical Gardens ~ Bike With Flowers

Onasill ~ Bill Badzo via Compfight

      Um bom momento deste 3º ciclo a estrear foi a descobrir a Turma nova: os colegas são muito engraçados! As fases mais difíceis foram os testes, por  serem tantos, tão seguidos e tão complexos!

      O meu melhor método de estudo foi criar apontamentos escritos durante a aula; recordava-os em casa e, para aprender melhor, digo as palavras em voz alta.

     No próximo ano gostava de encontrar, nas salas, umas cadeiras mais confortáveis; gostava que os alunos se pudessem levantar à vontade; que continuássemos a poder dizer poemas de improviso, na aula da professora Carla; até podemos ir um para cada ponta da sala e dizer o poema frase a frase, ao desafio. E isto enquanto decorrem outras atividades silenciosas, isto é, interrompêmo-las, por amor à poesia. É um fabuloso direito adquirido.

     Gostava que as mesas fossem de cores vivas, que tivessem rodas e que dessem para dois colegas.

     Gostava que tivéssemos aulas práticas de karting e de moto quatro. Um projeto possível seria  a construção de uma bicicleta. Com as disciplinas de ET, EF, Inglês, Matemática, Física e EV; no fim fazíamos uma gincana. Seria o projeto das “Bicicletas-Cad”

Manuel D, 7C

A Vida Renovada

     Where else can you have a wet salty dog on your lap?

smilla4 via Compfight

     Era uma vez um homem chamado Luís. Esse homem, todos os dias, estava sempre no computador, a trabalhar muito e não fazia “coisas” giras.

     Um dia, quando saiu para o super-mercado, para comprar uma pizza que ia comer logo nessa noite, um senhor velhinho veio ter com ele e disse:

     – Temos que fazer “coisas” mais giras e não estar sempre no computador.

     O Luís, intrigado, perguntou ao senhor como é que sabia que ele estava sempre no computador.

     O velhote foi-se embora e o Luís ficou a pensar sobre o assunto: decidiu que queria mudar e fazer “coisas” divertidas. Foi para casa, fechou o computador e foi comprar um cão. Depois disso, enquanto passeava o cão, foi comprar uns óculos de sol e um boné para ir á praia, coisa que ele nunca tinha experimentado.

     E, a partir desse dia, o Luís tornou-se feliz e fez muitos amigos, incluindo o Bolinha, o cão que ele tinha comprado e que se tornou o melhor amigo dele.

    E assim viveram todos felizes para sempre!

Carolina Cr, 6C

Aluna Convidada

A Experiência Pura do Velejador

     Club Náutico de Barcelona Optimist

Creative Commons License Jendroszczyk via Compfight

    Chegou o dia tão esperado pela Equipa de Otimist do CNC! Esta prova decorreu nas férias da Páscoa, mas vamo-nos focar num dos velejadores que participou com brio. Não foi o melhor campeonato devido às condições do vento que provocaram alguma desestabilização aos velejadores mais pesados.

      Tomás G, no 1º dia, devido à falta de vento, teve de aguardar em terra com os seus companheiros. Ainda se conseguiu realizar uma regata em que, com azar, o Tomás largou fora da linha e teve um Ufd – levando 60 pontos de penalidade.

      No segundo dia, também com ausência de vento, Tomás conseguiu não largar fora e tirou boas regatas, mas dentro dos 20 primeiros.

     No terceiro dia, as regatas foram bem sucedidas e Tomás conseguiu recuperar 20 lugares.

     No quarto dia, foram realizadas duas regatas em que Tomás conseguiu melhorar a sua posição, recuperando 50 lugares no final.

     O mar estava demasiado calmo, mas de um azul e de um cinzento esverdeado, frio e denso. Os velejadores do CNC tinham vindo quatro dias antes para um estágio de treino que não podia ser intenso. Ficaram hospedados numa mansão estupenda com piscina, pinguepongue, snooker, e ainda havia duas cabrinhas sempre a brincar na relva.

      No último dia, o Day Off, estávamos livres por causa do campeonato Nacional: então ficamos em casa a descansar, a partilhar, pois as pessoas estavam nervosas e o convívio é tranquilizante. Fomos à piscina, jogamos playstation…

     O Tomás pode não ter tido a melhor performance no campeonato, mas de certeza que ele aprendeu imenso, divertiu-se e enriquececeu a sua experiência como velejador.

Tomás G, 7A

De Paris a Lisboa em Bicicleta

Imagem: An engineer on a Bike    

      O nosso querido antigo aluno Miguel Dias, recém formado com distinção em Engenharia aeroespacial, tem agora de tomar uma decisão complexa: doutorar-se imediatamente ou estrear-se no mundo do trabalho?

     Criou então um contexto original que contribua para o pôr em “modo de desafio”, a fim de ver mais claramente os prós e os contras da decisão que vai mudar, em breve, os rumos da sua jovem vida. Desde o dia 15 de maio, como podemos seguir no seu site, partiu, de bicicleta, rumo a Lisboa, numa aventura que combina “couchsurfing”, coragem de pedalar e a atração por amizades ainda desconhecidas.

    Em jeito de homenagem, publicamos aqui um texto seu, escrito aos 11 anos, que já anuncia, de algum modo, como é essencial trilhar o que assume forma de caminho real, isto é, o que nos abre a um futuro verdadeiro: 

Imagem: Oficina de Escrita

“Nunca caminhes fora do caminho,

fora do caminho só econtras o mal,

mas, se caminhares dentro dele,

só encontras felicidade.

Dentro do caminho aprendes a viver,

a respeitar e a ajudar,

mas fora dele só aprendes a roubar e a fazer mal.

Vai sempre pelos caminhos,

fora deles só há tentação e maldade.

Se fores pelos caminhos, podes demorar mais tempo,

mas encontras paz, harmonia e felicidade.”

Miguel Dias, 2004

Conversas na Oficina: MB e MM

Imagem: Oficina de Escrita

MM – Qual é o teu um objetivo para o 3º Período?

MB – Voltar a subir a HGP, pois desci muito.

MM – Eu subi a Matemática: tive 73% e quero continuar a subir. Outro objetivo é subir a HGP, em que também desci muito, mas estudei imenso.

MB – Estudaste mal.

MM – Eu desci porque achei as perguntas difíceis. A matéria também é muito árida.

MB – Eu distraio-me na aula e devia ter estudado mais. O Gonçalo e o Flor distraem-me na aula.

MM – Passa-se o mesmo comigo. Subi às outras disciplinas, mas o Prof não me deixou mudar mais para trás. Continuo entre o Areia e o Gonçalo.

MB – Também subi ás outras disciplinas. Já tenho 60% a Português.

MM – Um bom método de estudo, para mim, que sou mais visual, é escrever resumos com cores diferentes.

MB – Faço desenhos, sobretudo a Ciências e sou mais auditiva.

MM – Um bom momento deste Período foi quando faltei á escola: fui à Serra da Estrela e queimei a mão na neve; caí a fazer sky.

MB – Um bom momento foi a Festa do meu Amigo: fomos todos juntos ao Bounce, com os melhores amigos e depois fomos todos juntos para casa dele.

MM – Os meus projetos de Páscoa são passá-la em Família. Tenho 19 primos e a minha Tia está grávida de gémeas: vão ser 21 e, ao todo, somos 42 primos direitos. Nós, os pequeninos e só até aos dez anos, fazemos a caça aos ovos. Eu e a minha prima vamos receber um buldog francês e estamos a pensar fazer uma caça ao tesouro com poistas para os priminhos pequeninos.

MB – O meu projeto é que a minha avó melhore e pare de subir o escadote. Ela vive no Folhadal, ao pé de Viseu. Na Páscoa vou vê-la e tenho um primo lá também. Vamos tentar convencer a Vovó para não viver sozinha.

MB e MM – Os valores supremos para uma vida feliz são a Família e os Amigos.

MM – Fiz uma experiência solidária indo ao Shopping recolher comida para o Banco Alimentar.

MB – Também fazia isso quando era escuteira. Havia uma Senhora com dois cães que não tinha dinheiro, mas nós ajudamos a Senhora e os cães. Ela vivia num cantinho, no meio da rua.

MB e MM – Para Inovar a Escola, podemos fazer jogos para aprender. Por exemplo, o Str de Matemática diz “Barra – 4:2” e nós fazemos as contas e vamos a correr buscar o lenço. Também podemos fazer mais trabalhos de Grupo, usar suportes digitais. Temos muito mais ideias com os outros.

MB – Se aparecesse alguém, quem escolherias?

MM – Justin Bieber! No dia dos anos enviei-lhe uma mensagem. É o adolescente mais famoso do mundo! 

MB – Alguém que merece um magnífico obrigada é a minha Avó. Porque sempre cuidou de mim quando eu estava doente. Convivemos muito quando eu era pequenina. Fez dia 14 um ano que ela morreu.

MM – A Minha Avó! Gostaria tanto de a rever!

MB – Eu também gostava tanto de a rever. Porque também me encheu de carinho!

Maria B e Maria M, 6ºB

Conversas na Oficina: Em Defesa da Pátria – I

     A Stuart light tank, fitted with a hedge cute and heavily sandbagged against ‘panzerfausts’, supports US infantry in the bocage, July, 1944.

Jared Enos via Compfight

     O meu projeto de Futuro é seguir a carreira militar. Sinto que as coisas militares sempre foram para mim, começando pelo meu avô, que levou 3 tiros no joelho, durante uma guerra, o meu próprio pai que fez a Guerra do Ultramar e o meu irmão mais velho que já foi convidado para o Exército.

    Gostaria de continuar a estudar, para, no futuro, ser militar, a fim de proteger todos os cidadãos de Portugal.

    Quando a escola militar se tornar inovadora, vamos ter um pavilhão para aprender a fazer um tiroteio contra alvos – isto sim que é fixe!

    Além disso, se estivermos na rua, se alguém nos aponta uma arma, eu consigo fazer o que é preciso para nos defendermos: levantamos os braços, dizemos:”- Baixa!”. Assim que ele inclinar um bocadinho a arma, nós agarramos-lhe a mão, torcemos, a arma cai e nós chutamos a arma. O mais importante é arrematar, quando ela cai no chão, pois mais vale andarmos à luta, do que estarmos ali aos tiros.

     Uma vez, quando era pequenino, fui com o meu tio a um Centro Militar e andei dentro dos tanques: há lá um botão para levantar o disparo gigante.  Andei num carro de combate com dois metros de altura e nos autocarros onde os militares vão todos preparados.

    Também assisti a um tiroteio: estava a ir para Lisboa de carro, vi a polícia e tiros a passar em frente á janela. Os bandidos estavam dentro de uma casa e eles disparavam contra os escudos e os carros da polícia.

(Continua)

Francisco N, 5C

Conversas na Oficina: Uma Vida Intensa

Caballito del diablo Azul (Calopteryx xanthostoma) Macho.

Pedro Luna Guillen via Compfight

      OE – Hoje temos connosco na Oficina, a Federica V que partilha connosco o seu balanço deste trimestre, os seus interesses mais vivos, os seus belos projetos a longo e a curto prazo: 

     Federica V – O balanço do meu desempenho ao longo deste período, embora não saiba ainda todas as notas, resume-se em ter mantido a média a HGP, com 70%, ter subido a Português com 64% e 71,5%, mas em ter descido a Matemática, com 56%, 59% e 72% na Ficha.

      Desci porque faltei durante muito tempo: dores de cabeça terríveis e vomitei muitas vezes. O meu Objetivo para o 3º Período vai ser melhorar a Matemática. Esta é a minha estratégia de recuperação:na 1ª semana de férias, posso rever e estudar; tirei fotocópias das aulas a que faltei; posso pedir ao Pai para ir à Khan Academy.

     O meu Projeto de Páscoa é Ir à Flórida, incluindo a Miami. A Mãe vai à praia e eu vou passear com o Pai.

      A minha imaginação vai para quando eu chegar aos trinta, voltar a ser bebé de novo… E gostava de ser a melhor jogadora de ténis do mundo!

      A um de Abril tenho os Jogos Userianos, onde vou jogar Volley até às duas e logo de seguida o Campeonato de ténis na Quinta da Moura, com nove ou mais torneios de uma hora cada um.

      Às vezes penso: “Como vai ser o meu futuro?” Gostava imenso de viajar pelo mundo a fazer torneios.

     Agora já treino todos os dias, menos à segunda, porque tenho karaté. Faço um treino intenso. E no intervalo de almoço tenho volley  duas vezes por semana. Sábados e Domingos treino patinagem na Marina de Cascais. Às vezes ainda vou ao sábado com o meu  Pai correr no Guincho e ao Domingo tenho uma hora de Piano, em casa da professora: estou a tocar o “Stay with me” e vou começar o “My way” que também é o hino do Sporting. O meu Pai é que apresenta as músicas e depois eu fico a ouvi-las e gosto imenso. Depois de ouvir começamos a gostar.

       Os treinos começam às cinco e acabam às  vezes às oito. Chego, tenho de tomar banho, jantar, fazer os tpc e fico exausta, vou dormir até às oito da manhã, por isso é que, às vezes, chego atrasada. Mas gosto imenso deste ritmo, uma pessoa habitua-se. Mas como estou com uma dor nas costas, agora não posso fazer esforços.

     Para o treino físico intenso, tenho de levar duas bombas de ar para a asma, batatas fritas com sal, 2 ou 3 garrafas de água; o que eu gosto mais disto é que às vezes tenho de comer croissants com chocolate.

      Os valores que considero supremos para  uma vida feliz são ser honesta e ajudar os outros. Concretamente, gostaria de ajudar os outros fazendo voluntariado, cozinhando em casa e indo de noite distribuir comida pelos Sem Abrigo.

     Vou sair pela primeira vez sozinha, com as minhas amigas, mas o meu pai vai disfarçado, à distância, a ver se tudo corre bem e estamos em segurança. Eu própria lho pedi.

     Vamos ao cinema das 18 30 às 20 30, ver a “Bela e o Monstro”; depois vamos jantar a um restaurante no Shopping.

OE – Então esperamos-te de novo aqui para comentar a experiência inédita!

Federica V, 6B

As Estações do Ano

One Path, Four Seasons

Steven Feather via Compfight

     A minha estação do ano favorita é o verão. No verão gosto de fazer castelos de areia na praia com o meu irmão e também gosto de fazer pontes de areia para fazer passar água por baixo.

     Do Outono, eu não gosto muito, porque é frio, mas eu gosto de apanhar folhas porque acho o seu formato muito bonito e também gosto do seu tom alaranjado. Então apanho-as e colo-as num caderno que tenho em casa.

     No inverno, eu adoro ter a lareira acesa, sempre embrulhada numa mantinha quentinha, mas a única parte que eu não gosto é de passear o meu cão, porque lá fora está frio e então tenho que pôr luvas e cachecóis e o meu cão passa frio. Mas mesmo assim, gosto, até porque é no inverno que é o Natal e recebo prendas!

    E depois, passa-se para a Primavera: um tempo  nem muito quente nem muito frio. Então eu gosto de saltar à corda lá fora, para ver as flores que nascem.

(Aluna Visitante) Carolina C, 7

Conversas na Oficina: Momentos de Alegria

Imagem: The little singers – Oficina de Escrita

Partilhando um Momento de Alegria:

Tomás – Ontem, um momento de Alegria no hipódromo de Cascais: A Festa dos Pastorinhos!

Maria – Tive imensos! Os anos da minha Mãe e do meu Pai…Ao meu Pai vou fazer uma surpresa para o dia 19, ainda estou a pensar… À minha Mãe ofereci um colar com rolos de fazer tranças e uma boneca.

Francisca – No Domingo, fui ao Piano e tive 100% e autocolantes com smiles! Estou a tocar o “Rei Leão” e o “Mama Mia”. Treino uma vez por semana na aula e todos os dias em casa, nos tpc de Piano.

Madalena – O grande momento foi quando o meu irmão nasceu, em Novembro! Aprendi que os bebés gostam muito de festinhas, que às vezes tentam imitar-nos e que são muito fofinhos. No dia dos Namorados, como eu estava doente, e eu fiz um cartaz enorme a dizer: “Para os melhores Pais do mundo! Pus muitos corações e  jantamos à luz das velas!

Imagem: Oficina de Escrita

Joana – O Aniversário da minha irmã que fez 12 anos e está no 7º ano: a Carlota! E houve uma festa de Sushi!

Maria – Eu perdi um medo! No dia de S. Valentim, dei uma rosa à minha Mãe e um coração com uma mensagem para todos: uma mensagem longa!

Peony in a peony

Creative Commons License bluesbby via Compfight

     Francisca – A minha irmã vai ter uma menina em Junho! No verão e no Natal, omeu irmão e a minha irmã vêm sempre cá!

Os Pequenos Visitantes da Oficina – 3º Ano

O Meu Segundo Campeonato

Big Day Along the Central Coast Steve Corey via Compfight

     Este Campeonato começou uma semana antes do previsto; eu não me conseguia inscrever, mas depois fui pedir ao meu treinador e tudo correu bem.

    Uma semana depois estávamos, eu e o meu pai, com as minhas pranchas no carro e com a nossa comida.

     Chegamos à praia e eu não estava muito nervoso, mas quando chegou o meu “heat” tremia muito.

     Então, um amigo do meu pai que é treinador, chegou  ao pé de mim e disse-me:     

     – Não estejas nervoso, concentra-te nos primeiros cinco minutos, apanha duas ondas e depois apanha as melhores ondas.

     Eu aqueci e fui para dentro de água.

    Nos primeiros cinco minutos, apanhei boas ondas e são só as duas melhores ondas que contam.

     Depois, dessas duas ondas, não houve ondas tão boas, mas duas horas depois, veio lá uma boa onda e eu estava com a prioridade.

     Então fui na onda e mandei três manobras!

    E disseram:

     – Faltam 10 minutos para o final. João R… de P… em primeiro lugar, Eduardo G… a precisar de 4,63 pontos.

     Depois remei para fora e apanhei outra onda e fiz outro “quatro”. Para o final, ninguém apanhou ondas e eu ganhei o  campeonato Nport!

João R de P, 6A

Arte da Relação

Russian modernism...

Alex Naanou via Compfight   

     Nós refletimos sobre os nossos objetivos e ao mesmo tempo observamos o mundo. Por exemplo, para este segundo trimestre, desejo subir a nota de Inglês, mas, ao mesmo tempo, estou atenta à amizade, á vida: os ensaios para a peça de teatro, os ensaios da dança para o desfile de Carnaval, a festa dos meus anos.

    A ansiedade leva-nos a aguentar não falar. Por exemplo, perante uma situação em que há um olhar contrariado, podes aguardar em silêncio que a pessoa fale, mesmo se tiveres medo do que ela possa dizer.

    Uma pessoa sozinha começa por observar as suas companheiras. Quando alguém vem falar com essa pessoa, descobre o seu interior, a verdadeira personalidade que, ao estar tímida, sem falar, não se revelava. Quando já há mais confiança, a amiga que se adiantou vai levar a nova amiga às outras, e formam um grupo.

     Uma pessoa é tua amiga, mas não se torna a tua dona.

     Tu vives segundo o teu coração, tu é que escolhes o teu futuro.

Sofia L

(Reflexão Inspirada emEnergias e Relações para Crescer– Ecologia Emocional de Mercè Conangla e Jaume Soler)

O Cabritinho Abandonado

 enjoy the sun

Creative Commons License Jos via Compfight

     Era o dia do almoço de Natal e, como sempre, era na minha quinta. Eu e a minha mãe chegamos primeiro para preparar tudo. Quando o meu pai chegou, começaram a chegar os convidados e quando os meus primos chegaram, eu e o meu pai e os meus primos fomos a uma quinta que há por baixo da minha quinta e encontrámos um cabrito bebé.

      Era um estábulo miserável, sem palha no chão, com muito pouco milho e quase nada de água, mas já castanha como lama. O animalzinho estava enroscado no chão, tremia de frio e berrava pela mãe. Eu e o meu pai ficamos com muita pena e decidimos levá-lo para a minha quinta.

     Quando lá chegamos, dissemos à família que o bicho estava em perigo, mas ninguém o quis. Então, tivemos de devolvê-lo.  

     O meu pai falou com o dono, ofereceu-se para o comprar; primeiro, o senhor disse que o cabrito já estava encomendado e não o podia vender; então, o meu pai ofereceu 70 euros, mas com a condição de darem de comer ao cabrito e de tratarem dele. O senhor aceitou e temos confirmado que ele realmente tem tratado bem do bichinho. Temos de continuar a dar dinheiro ao senhor.

     Desde que vi o cabrito a ser tirado da mãe, até agora não comi mais carne.

Alexandre S, 6C

A Beleza da Música

Movement and Motion

Thomas Hawk via Compfight

     Eu gosto imenso de música desde pequenina. Dá-nos inspiração e calma. Dá-nos vontade de dançar.

     Gosto de ouvir música a qualquer momento. Prefiro as músicas mais mexidas, como “Cold Water“, “Nauthy Boy“. Às vezes ouço música quando estou a estudar.

    Quando começo a dançar, entro no meu mundo e esqueço os problemas. Frequento uma escola de dança há cerca de quatro anos, na Sociedade de Janes. Aí aprendi a dançar diferentes tipos de música, como Hip Hop, Contemporânea e Jazz.

     Até a própria Natureza – como no canto dos pássaros – mostra a beleza da música.

Sofia L, 9C

Querido Eu – 2

pair of eastern bluebirds

Vicki DeLoach via Compfight

Oficina de Escrita, 18 de Novembro de 2016

     Querido Eu,

     Obrigado pela tua companhia; obrigado pelo cuidado que me dás todos os dias; obrigado pela tua presença ao longo de toda a vida, quando eu estou só e não só: quando eu estou sem ninguém, eu estou comigo e quando estou com amigos, eu também estou comigo. Lembras-te?

     Eu estava irritado para dar o teste de Português à professora, mas eu e o meu “amigo-eu” conseguimos superar esse problema.

     Eu lembrei-me de nós: eu e o meu “amigo-eu” passamos as férias de Natal com a família e primos… estamos juntos com eles e também abrimos as prendas.

    Eu podia não ser eu, podia ter nascido alguém sem ser eu: por isso, “amigo-eu”, somos especiais.

     Eu e eu divertimo-nos e rimo-nos de nós próprios, às vezes por razões “parvas” = tão engraçadas!

     Quando eu estou nervoso para fazer algo, eu luto para conseguir. Quando um amigo se magoa, eu ajudo-o e fico com ele até ele dizer: “Podes ir”.

     Se eu pudesse brincar comigo, queria divertir-me comigo!

Afonso F, 5D

Ideia inspirada no LivroEnergias e Relações para Crescerde Mercés Conangla e Jaume Solers

A Paz Vivida

   kids_for_peace_logo

Imagem: Kids for Peace.org

     A Paz é um sentimento, um sonho, um ideal, um valor supremo?

     É um pouco de tudo isto.

    Todos os anos uma pessoa ganha um prémio Nobel da paz. O Prémio Nobel consiste em dar a conhecer ao mundo inteiro que, se uma pessoa consegue fazer um pouco disto tudo em favor da Paz, porque não o consegue fazer o mundo inteiro?

     Eu penso que a Paz, para mim, além da interrogação que eu disse, é fazer um pouco de algo nosso, que para nós pode não ser nada, mas para outra pessoa pode fazer a diferença.

     Lembro-me de um dia ter ido a um restaurante onde se fazem pizzas. Tinha sobrado uma inteira: então demos a uma pessoa pobre e tirou-me um peso do coração.

       O meu prof. de Matemática, com o seu enorme vozeirão, tem sido a favor da Paz na nossa turma: sente-se um ambiente à vontade e concentrado!

     A paz não é só entre pessoas, mas também a relação entre nós e o planeta: reciclando, sabendo partilhar, tratando bem os animais…

Margarida C, 5A

Tema inspirado no livro de Ecologia Emocional “Energias e Relações para Crescer” de Mercé Conangla e Jaume Soler.

Sem Música não há Ninguém

pianimation19

zen Sutherland via Compfight   

      Todos os dias a música não falta em minha casa: ponho os meus phones, ponho karaoke e canto.

     Já pensaram em viver sem música? Isso, na minha vida, é impossível de acontecer! Às vezes, até chorei ao ouvir música! Porque cantar, dançar e ouvir música ajuda a expressar os meus sentimentos.

    Por favor, vejam o meu vídeo “Música” e vão ver o quanto ela é importante; apreciem-na e ouçam-na! No futuro, eu queria ter alguma profissão relacionada com música.

     Só peço uma coisa: não desistam dos vossos sonhos!

Inês M, 7B

Querido Eu

a November fritillary

Vicki DeLoach via Compfight

Cascais, Oficina de Escrita, 18/11/2016

     Querido Eu,

     Obrigada pela tua companhia, que me tens dado quando estou só e não só: em todos os momentos da minha vida, as festas, os jantares em família e com amigos, os jogos de ténis… etc.

     Lembras-te daquele teste de História em que eu pensava que ia ter 30% e tivemos 72,5%? Graças á tua vontade e esperanças até ao final do teste de avaliação.

     Viva nós em todas as vitórias do ténis! Nunca me esqueço dos belos momentos em que saboreamos os gelados.

     Olha como é curioso: podíamos não ter sido criadas para a vida na Terra…

  Coleciono todas as gargalhadas que demos juntas em situações fantásticas ou cómicas! Admiro o teu entusiasmo no convívio, a tua explosão de riso, a tua alegria de viver!

    Gostaria de participar contigo em projetos solidários, como, por exemplo, na Cozinha com alma!

    E sonho ter uma Famíla maravilhosa para além da que já temos!

Beijinhos grandes,

                                       Margarida

Margarida C, 5A

Ideia inspirada no Livro “Energias e Relações para Crescer” de Mercés Conangla e Jaume Solers

Os Meus Sonhos

Intiaanikesä

Jukka-Pekka Korpi-Vartiainen via Compfight

     Os meus sonhos são ser campeã nacional da ginástica acrobática. Também gostava de ser atriz, quando fosse mais velha. Mas o meu maior sonho de infância é ter uma vida com saúde e amizade e também que a minha avó fique melhor e que o meu pai nunca mais vá para Angola.

     Treino todos os dias cerca de duas horas, das 17h 30 às 19h, com uma equipa de cerca de vinte elementos. Aprecio sobretudo os mortais e as espargatas, sou a mais pequenina, por isso sou eu que vou no ar.

     Há um mortal que se chama “salto mortal” e outro chama-se “salto de pára-quedas”. As posições que eu gosto mais na ginástica são a espargata e o mortal para trás.

        Para ser uma boa ginasta acrobata, é preciso ser flexível, ter paixão, estar bem musculada, ter harmonia nos movimentos, ter um bom espírigo de equipa. As músicas que mais me inspiram para as coreografias da Ginástia Acrobática são as do Justin Bieber. Quando estou em voo, sinto a liberdade!

        Para quem ler isto: pensem também nos vossos sonhos e escrevam!

Maria M, 5B 

Um Dia na Kidzânia

maternidade2

Imagem: Kdzania – Maternidade

     No dia sete de Maio, eu, a Maria e amigas da minha irmã fomos á Kidzânia. Foi uma viagem longa, mas quando chegamos, pensamos três vezes e apercebemo-nos que valeu a pena. Estávamos entusiasmadas! Pagamos os bilhetes e entramos logo.

     Primeiro, fomos à farmácia: aprendemos o que comer e o que fazer como desporto. Depois,  fomos fazer a carta de condução.

    Logo a seguir estivemos a almoçar. Fomos à Telepizza, comemos duas fatias de pizza e coca-cola. O António comeu três e, mesmo assim, ficou cheio de fome, como sempre.

     A seguir fomos ao veterinário, aprendemos a cuidar de gatos e cães. Mas o que eu mais gostei foi de ir à Maternidade: eu queria um menino preto, mas a Maria, de tanto insistir em ter um menino branco, a Senhora deu-lhe uma bebé preto.

     O meu dia foi óptimo!

Federica V, 5B

A Manobra

Carlos

Marc Schmidt via Compfight

     Eu gostaria de inventar uma nova manobra de Surf que se chamaria “Pinho-Curva” – seria como um “Cut Back Roundnose”, mas, em vez de darmos a “Palada”, dávamos o “Aéreo”.

    Depois, poderia haver, por exemplo, “Pinho-Curve to Reverse” e ainda “Pinho-Curve 360º.

      Um Inglês, James Cook, viu, pela primeira vez, o Surf, no Hawai e gostou: eram os povos do Peru que andavam pelas ondas em cima de umas canoas de junco.

     Gostaria que usassem a minha manobra nos jogos olímpicos. Também imagino o Jonh Florence a fazer todas as manobras perfeitamente, em especial a minha.

     Se eu tivesse que dar dicas a um amigo que  se fosse iniciar no Surf, eu diria:

     – Começa nas ondas que já estão em espuma. Usa uma prancha grande, uma long board, de espuma.

     Não queiras fazer logo tudo, porque o Surf é um desporto difícil, que leva muito tempo a aprender.

João P, 6A

Um Gatinho muito “Cute”

     L'heure de la sieste!

Creative Commons License Sandrine Néel via Compfight

    Eu, este ano, recebi um gatinho muito “cute”, Chamado Lucas. Ele apresenta olhos que não se conseguem descrever;  o seu pêlo é preto e branco e tem uma manchinha no nariz. Ainda tem dois meses: foi um bocadinho complicado, ele habituar-se a nós, mas já se sente à vontade.

    Eu acho uma ideia excelente ter um gato, porque quando as pessoas não estão presentes, os gatos fazem-nos companhia.

     Gosto de brincar com ele quando atiro a bola e ele vai atrás dela. Gosto, quando estou a ver o “the Voice Portugal”, com ele ao colo. Ele adora festinhas e faz ronron e lambe-me.

meu_novo_gato_lucas

Imagem: Lukas no You Tube

    Nota-se as garrinhas dele no papel higiénico. Um dia, a minha mãe foi me dar um beijinho de bom dia e, quando acordei, quando acordei, vi que o Lukas já estava deitadinho em cima da minha cama.

    O Lukas trouxe mais companhia à minha vida, pois não tenho irmãos da minha idade. Quando o Lukas for muito velhinho, vou tratá-lo muito bem e levar ao veterinário.

    Eu acho que os gatos existem para serem companheiros do homem.

Inês M 7B

Uma Semana em Cheio!

    Douro sunsetCreative Commons License Artur Tomaz Photography via Compfight

  Num dia de verão, eu e os meus pais fomos andar de barco no rio Douro. Estávamos com os meus primos italianos. Começámos por fazer uma aposta que era ver quem conseguia ir mais longe sem colete.

     Começamos a corrida e quem estava em primeiro lugar era o meu primo: ele é um ótimo nadador! Como já percebemos, ele ganhou.

Jump!

Creative Commons License Fabrizio Sciami via Compfight

    Depois fomos comer umas pataniscas em forma de bolinhas. A seguir, atiramos o meu tio para o rio, ele estava quase a matar-nos: fugimos todos do meu tio.

     No dia seguinte, andamos de ski e de bóia. O meu tio andava muito rápido e eu estava sempre a cair ao rio. Foi uma semana em cheio!

Federica, 6B

Às Voltas no Slinky

afonso_paris

Imagem: Paris  Vacation

     Um dia fui a Paris, no avião. Eu assustei-me quando começou a levantar, depois até adormeci!

      Daí a pouco acordei sobre Espanha: almocei batatas fritas, vi tudo, amei. Cheguei ao hotel: foi lindo! Depois fui para a Disney lanchar; andei em várias atrações. A Disney era grande, estava cheia de brinquedos, eu queria todos! Fui a quase todas as atrações: Slinky, Stich, Marretas…

Slinky Dog and Woody in the Paint the Night parade

Creative Commons License Ruth Hartnup via Compfight

     Andei às voltas no Slinky,pensei que  ia vomitar, o slinky não gosta de mim…

Afonso S, 5C

Uma Recordação para a Vida

Pêche du soir

Christian Arnal via Compfight

     Nas minhas férias as coisas que me fizeram muito feliz foi ter passado muito tempo com as pessoas de quem gosto: o meu pai, a minha mãe, e a minha irmã mais velha.

     Eu fui muitas vezes à praia até um dia o meu pai comprou-me uma prancha, e eu fui logo correr para as ondas; tentei pôr-me em pé como os surfistas profissionais, mas óbvio que não consegui. O meu pai foi lá e começou a ajudar-me.

JaxBeachPier_12-27-15-1897

Creative Commons License Rob Bixby via Compfight

     Ele ensinou-me que eu não me posso pôr em pé, pois a prancha podia partir-se e também que só era preciso pôr-me deitada e as ondas tratavam do resto; depois de algum treino, conseguia, mais ou menos, fazer bem!

Big Seas

Long Road Photography (formerly Aff) via Compfight

     Só que um dia, estava um dia tão bonito e refrescante que eu decidi ir ver as ondas: estavam uma bomba! Eram enormes! Por isso fui chamar a minha família, até os meus avós foram e todos fizemos uma recordação para a vida!

     Eu senti que não havia família melhor e senti que o meu lugar era ali!

Carolina M, 5D

As Melhores Férias

barco_douro1

Imagem: Cruzeiros pelo Douro

     Estas férias fui descer o rio Douro de barco, durante a semana. Partimos do Porto: a vista era linda, só se via verde! À hora de almoço, parávamos para almoçar.

     O que eu gostei mais foi de subir e descer as barragens com a Família.

     À noite ia para o hotel ou para uma casa, jantar e dormir.

cruzeiro-douro-12

Imagem: Douro.com

     No dia seguinte, punha-me no barco e continuávamos o caminho. No último dia estivemos numa casa que parecia de bonecas: tinha uma piscina, um jardim maravilhoso e um cheiro óptimo.

     Fomos a uma quinta em que se produzia vinho e estava muito bem arranjada. As vinhas estavam todas em linha e cheias de uvas.

foto_barcadouro_25302

Imagem: Douro.com

     Estas férias foram uma maravilha. Eu adorei estar com os amigos. Foi um máximo!

Isabel S, 5D

O Verão trouxe Aventuras

sofia_equitacao_charneca

Imagem: Centro Hípico da Charneca

     Este ano, fui outra vez ao Campo de Férias da Pereira Coutinho; este foi o meu último ano, pois já fiz 14 anos.

     O que eu adorei foi andar de cavalo sozinha. A sensação é óptima e divertida! Havia uma altura em que eu pensava que o senhor estava a segurar as rédeas, mas eu olhava para o lado e não estava.

     Na parte da tarde, ficávamos na escola e jogávamos mata, volley, basquetebol… O convívio entre os adolescentes é óptimo, maravilhoso!

sofia_pedra_amarela

Imagem: Campos Sioux

     Na segunda quinzena, fui, pela primeira vez, aos Campos Sioux, na Pedra Amarela, perto do Pisão; é no meio do mato, come-se em mesas e bancos de madeira. Nós tínhamos de inventar e decorar um totem de madeira e dávamos um grito criado por cada tribo. Na primeira semana, foi o “Tugo Fox” e, na segunda, o grito era o “Sem Nome”.

    O ambiente era saudável, havia imensas árvores, com ramos cheios de folhagens espessas e verdes.

     Este ano consegui perder o medo de fazer arborismo, que há dois anos não tive coragem. Subia-se por umas pedras, chegava-se a um sítio alto onde havia árvores e começávamos a aventura: andando por umas passadeiras, saltando por pneus ou mesmo troncos deitados e, assim, andávamos lá no alto, por entre as árvores.

sofia_canoagem

Imagem: Pedaços de Aventura

     Fiz canoagem na praia dos pescadores. Este ano houve uma diferença e foi que ficávamos na praia até tarde.

     Fui ao zoo marine duas vezes: no 1º dia fui com a família mais próxima;  no 2º dia fui também com os primos todos. O que mais gostei foi dos escorregas: havia um colchão para duas pessoas e lá íamos ondulando para cima e para baixo, mas à nossa frente havia uma descida a pique!

     Fui uma semana para o Algarve em que fiquei num bungalow e os meus tios e avó noutro; lá havia três piscinas! Adorei sair à noite!

     Este verão trouxe-me novas aventuras!

Sofia L, 9C

Férias 2016!

     Nas minhas férias, fui à praia, dei mergulhos e fiz bodyboard com amigos. Numa onda grande, enrolei-me e bati com a cara na prancha e numa pedra! Fizemos, os amigos e eu,  muralhas enormes e buracos grandes.

     Também estive no Gerês, onde fui andar de barco, na barragem. Fiz snowboard e descobri que, debaixo de água há casas e outras pontes.

vilarinho-das-furnas

Imagem: Vilarinho das Furnas

     Quando podíamos deixar a minha irmã Maggy em segurança, eu ia andar de bicicleta com o meu Pai. O que mais gosto é de passear de bicicleta na Serra de Sintra.

     Este fim-de-semana, o meu Pai já montou o conta-quilómetros na minha bicicleta e ainda vai pôr uns pedais de encaixe!

    

      Também fui a Espanha, almocei lá, fui à praia, e gostei muito de ir.

    E agora, um voto à Turma: desejo que toda a gente passe para o 6º!

Afonso F, 5D

Churrascos ao Luar

zambujeira_do_marImagem: Visit Portugal

     Este verão, a minha Mãe fez anos e fomos ao Algarve. Vimos lá um jogo de Portugal, num restaurante.

     Estive na Zambujeira, no acampamento com a minha família.

     Fui a Espanha, fiquei 13 dias lá, em Conil de la Frontera. E agora, um voto à minha Turma:  eu espero que tenham todos um bom ano!

Vasco L 5C

Verão na Austrália

     Estas férias vivi do outro lado do planeta: fui à Austrália!

australia_png

Imagem: Google Maps

     Senti que na Austrália há tudo: inverno e verão. Na primeira parte da viagem, apanhei o inverno em Melbourne, mas o hotel era ótimo e mais alto que a torre Eiffel: havia uma piscina lá em cima – “infinity” – e com a vista toda sobre Melbourne! 

uluru

Imagem: Crystalinks.com

    No deserto, vi imensas realidades diferentes, como um dos “monumentos” mais conhecidos da Austrália: a rocha Uluru, que era gigante. Dizem que é do tamanho do centro de Sidney. Os arborígenas não gostam que as pessoas subam a rocha; dizem que  quem subir fica amaldiçoado. Para subir é preciso agarrar numa corda, senão, cai-se e morre-se…

recife_cairns

     Imagem: Sun Lover

    Cairns é uma cidade onde está sempre calor; é um dos locais preferidos para passar férias, mas temos que ter cuidado com os crocodilos e os tubarões: cada praia avisa que pode haver. Também Cairns foi um dos meus melhores sítios, porque fomos ao recife de corais. Chegamos cedo e levava uma hora e meia para lá chegar; estava imensa vaga e vento. Chegamos e era um Paraíso: nunca tinha visto água tão transparente e tão limpa.

     Nós ficamos numa jangada apetrechada para nos vestirmos para mergulhar. Depois entramos dentro de água e aí foi lindo: eram peixes de todas as cores que possamos imaginar; os corais eram lindos; havia imensas anémonas que abriam e fechavam a boca e ainda o mais fascinante foi a tartaruga a nadar calmamente: era enorme, foi inesquecível!

     Em Cairns também fomos visitar um rio de crocodilos grandes. Fomos num barco, de onde também víamos cobras penduradas nas árvores que queriam atacar-nos. Os crocodilos eram assustadores; um bebé crocodilo é do tamanho de um lagarto grande; e não podíamos pôr as mãos fora do barco, pois os crocodilos rodeavam-nos. 

crocodile_cairn

Imagem: Hardley Crocodile Farm Cairn

     Em Apollo Bay, tudo era floresta tropical e água, onde também vimos baleias, mas naquele mar não se podia entrar, porque havia umas alforrecas mortíferas que matavam as pessoas em dois minutos. 

apollo-bay-aviation

Imagem: Apollo Bay Aviation

    Tomás G, 7A

Sob o Signo da Inovação

       Sparrow & Plums

Lilac and Honey via Compfight

     Na primeira reunião alargada a todos os professores, em que se anunciaram as essenciais linhas de força que vão determinar o rumo dinâmico do ano letivo, destacou-se a partilha das boas práticas – que deverá pontuar o ano em reuniões trimestrais e culminar numa espécie de “Convenção”anual, em Julho, a fim de consagrar as iniciativas que se tiverem revelado com maior poder transformador.

     Sob o signo da Inovação, sobressaiu ainda a generalização dos trabalhos de projeto a todos os ciclos. Assim será viável o cruzamento dos diferentes conteúdos do currículo, a sua ligação viva com o mundo real bem como a devolução aos alunos do protagonismo que lhes compete no seu processo de aprendizagem.

     Ambas as orientações têm por base o desafio de implementar um modo de agir plenamente colaborativo, formando-se laços vivos entre as diferentes equipas de estudantes, de educadores e mistas. Assim, as boas práticas se multiplicarão nas partilhas e a juvenil inspiração dos alunos pode vir inaugurar  experiências criativas de trabalho conjunto.

     É com renovada expectativa que aguardamos a manifestação das belezas germinantes deste novo ano letivo.

 OE

Despedidas de 5º Ano

   One World, Many Stories

Creative Commons License Thad Zajdowicz via Compfight

      Um momento que ficará vivo na minha memória foi  quando eu estava de muletas e as minhas amigas ficaram comigo os intervalos todos (PACIÊNCIA).

      A maior dificuldade que os estudos me trouxeram foi sempre que os meus pais iam planear qualquer coisa, e por causa dos meus estudos, não o faziam.

     Às vezes fico a pensar: “por que é que há meninos a sofrer e outros ricalhaços?

     O facto de o amor existir é para mim um facto quotidiano e espantoso ao mesmo tempo.

     Num momento difícil, eu diria a um amigo: “- Não desistas. Não é por causa da tua perna que vais ficar triste!”

     Se o meu 5º ano fosse um animal, seria um leão, porque é perigoso demais, demora muito tempo a morrer, é feroz e insistente.

       Um novo horizonte para mim seria os homens amarelos, um mundo de chocolate, uma terra por conquistar…

Esperança M 5A

Felicidade

    curtain.

Lee Royal via Compfight

    O que é realmente a felicidade?

   A felicidade pode ser tanta coisa, eu já senti a felicidade, mas não a verdadeira felicidade. Esta palavra tão divertida, mas, por vezes distante, é do que se vai à procura durante toda a vida, ao menos é o que minha avó diz.

    A minha Mãe diz que a felicidade dela foi quando eu e as minhas irmãs nascemos e quando pinta.

    Para o meu Pai, a felicidade é ter tido a oportunidade de conseguir melhorar.

    Por enquanto, a minha felicidade é ter alguém com quem brincar ou ver o chocolate derreter, ou sair com os amigos, ir à praia, a felicidade é viver, acordar e ver o sol.

    A Felicidade é quase tudo, por enquanto.

Matilda M, 7A

Muitos Amigos Diferentes

2016-05-06_15-40-32_ILCE-6300_4092_DxO

Creative Commons License Miguel Discart via Compfight

      Um momento que marcou este sétimo ano foi quando estávamos mesmo a começar o ano e vim com uma amiga ver em que turma tinha ficado e fiquei muito feliz, pois tínhamos ficado juntas! Íamos juntas até ao nono ano! Se o sétimo ano fosse um animal, seria uma girafa, pois é difícil de alcançar.

      Acho que mudei muito, pois o ano passado deixei de falar tanto com as minhas melhores amigas. Comecei o ano a fazer relações novas. E eu que era uma pessoa muito tímida, agora já não sou tão tímida. Foi a melhor coisa que me podia ter acontecido, agora tenho muitos amigos diferentes.

     Tenho segredos que nem eu sei. Como é que eu tive positiva a FQ! Não fiz nada para melhorar as notas, e subi-as! Ainda hoje estou para descobrir…

    Como o ano passado fui para o Campo de férias Milonga, não estive com a Família muito  tempo. Este ano vou compensar, como se fosse este ano e o outro. Gostava de ir viajar, vamos para Monte Clérigo, Vila Moura, Serra da Estrela, Belmonte.

     Adoro praia, mas só comecei a gostar o ano passado. Tinha medo dos peixes aranhas, ficava tapada com a toalha e a minha mãe atirava-me com baldes de água. Gostava de aprender a Surfar. Eu trocava sempre os pés quando tentei o ano passado…

      Acho que tenho de mudar imenso: um objectivo que gostava de alcançar era tentar a alimentação saudável, tentar ser vegetariana. Nós em casa bebemos leite de arroz, leite de amêndoa…Na escola, nós não temos de decorar as coisas, mas aprender.

     Quando estamos com os amigos somos só um, somos apenas nós. Podemos ser nós próprios. Precisamos de nos completar. 

     Sonhar acordado serve para imaginarmos, para ficarmos mais felizes. O adulto deve brincar com os mais novos, e deve ter sobrinhos. Não deve ter filhos, pois os filhos tornam-nos mais rígidos, mais secantes. Se formos tios, somos mais divertidos. O meu tio é assim. Ele brinca muito connosco.

     Gostar de alguém é quando sentimos que precisamos dessa pessoa, como, por exemplo, quando somos pequeninos, gostamos dos nossos pais, porque precisamos deles para tudo. Depois, quando somos crescidos, gostamos dos namorados e namoradas, porque precisamos deles, para ficarmos mais felizes, para falar, para entreter, para pensar e para nos sentirmos melhores.

Matilda M, 7A

Com a Frescura da Nascente

inesqueciveis_97-98

Imagem: Oficina de Escrita

Verão de 1997:

Sofia Costa

Sofia Bost: “Uma onda monstruosa estava prestes a cair em cima de mim. Pensei que ia morrer, que a onda me ia cair aos bocados e, naquele segundo, a onda desabou sobre mim. Estatelei-me na areia, dei imensas cambalhotas e ia engolindo água…”

Madalena Garcia:”Estava um dia de sol e eu estava radiante para chegar, para ir dar um mergulho à praia. Ajudei o meu tio a guiar o barco, foi sensacional.”

Madalena Lagido: “… foi uma sensação em que o meu coração parecia que ia saltar pela boca, aquilo dava curvas e mais, e mais… o escorrega parecia não ter fim. Mas num abrir e fechar de olhos eu vi uma luz: olhei para cima e só vi azul…”

Francisco Seruya: “Enchi-me de coragem e mergulhei: foi uma sensação única, até parecia que estava a sonhar. De repente, abri os olhos e vi o mar transparente e um cardume de peixes dourados. ”

Tiago Lima:”Quando chegou a minha vez, quase desmaiei; o nadador salvador prendeu-me a bóia ao corpo e fê-la deslizar pelo escorrega; sentia-me horrível: a pista tinha curvas e mais curvas, até que… vejo uma luz lá em baixo: era a água com reflexos do sol.

        Onde estão os nossos alunos de 30 anos?

     Uns vivem em Londres, outros em Portugal; fazem cinema, arte, gestão e informática, psicologia…inventam uma aventura única com aqueles que amam.

      As suas palavras vibrantes de vida, recolhidas à entrada do 6º ano, na velha aula de Português,  ficaram abrigadas no “ouvido atento” da escrita. 19 anos depois ainda vêm inspirar as novas gerações, pois mantêm-se intactas no seu ímpeto de alegria e na sua frescura de nascente.

     Onde quer que estejam os seus autores, muitas felicidades!

OE

Sabor de Verão

madalena_c

Imagem: Oficina de Escrita

    Um momento que me marcou este ano foi quando os rapazes da nossa turma defenderam as raparigas. 

     A mudança que me surpreendeu foi quando eu conheci pessoas novas ao entrar no 5º ano. 

    O meu sucesso num assunto de estudo foi quando tirei uma nota alta a Matemática e outra a Ciências quando não costumava ser tanto assim. 

    Quero que corra bem a próxima quinta feira, porque vou ter um dia muito atarefado: ginástica rítmica, ir para casa com a Neusa para o nosso jantar! Também quero que as minhas férias em Viseu sejam fantásticas! Espero que continuemos a ter os nossos maravilhosos e  esplêndidos textos, que eu passe de ano, que fique numa boa turma no 7º Ano e que o X comece a gostar de mim…

    O meu horizonte é passar para o nível de Competição na Ginástica Rítmica.

“Quando estamos com um Amigo, nem somos dois, nem estamos sós.”

    Eu acho que quando estamos com um amigo, isso nos muda, porque nós tentamos agradá-lo, mas ele também muda. Não somos dois, porque juntamo-nos e passamos a ser um, nem estamos sós, porque estamos sempre juntos.

Madalena C, 6A

Aproveitar a Vida

    Sunset Season [Explore 10/29/2015]

W. Tipton via Compfight

     Num belo dia, cinco lindas raparigas, a Sofia, a Bárbara, a Ana, a Marízia, a Cátia e a Rafaela, já não podiam ouvir os professores: eles não paravam!

     Então, a Sofia teve uma excelente ideia e perguntou às amigas:

     – E se nós fôssemos ver o por do sol ao fim do dia?

     Todas acharam uma magnífica ideia, embora a Cátia e a Marízia não quisessem ir, pois queriam ir para  Biblioteca ver “Animos”, elas estavam tão viciadas que só viam um computador à frente e não sabiam o que era o por do sol e aproveitar a vida.

     E a Ana também não queria ir, pois ela gostava de chegar a horas às aulas. Só a Bárbara e a Rafaela é que aceitaram a ideia da Sofia. As três conseguiram convencer as outras amigas para irem todas ver o por do sol.

     Então foram à praia de Cascais, aproveitar o pôr do sol, ver as ondas do mar e cheirar a maresia. A praia estava enorme, não havia ninguém, a maré estava baixa e as gaivotas, sem perceberem, todas pousaram fazendo um coração de amor para o dia de S. Valentim. Elas ficaram espantadas a ver o belíssimo por do sol e chegaram a distrair-se com as horas. Já tinham passado 45 minutos da aula espedial ao fim da tarde!

     Subiram a correr pela avenida acima, e, quando chegaram à Escola, tiveram que ouvir um belo raspanete da professora de Matemática. A professora perguntou-lhes logo:

       – Meninas, onde estiveram?

     E a Rafaela, como também estava mal disposta, respondeu da mesma forma:

     – Estivemos a aproveitar o por do sol! E a turma toda devia fazer o mesmo, pois já ninguém aguentava as aulas.

      Então, no dia seguinte, a turma levantou-se toda e foi até à praia aproveitar o cheiro das ondas do mar e ouvir os pássaros cantar.

     A professora de Matemática foi fazer queixa à Coordenadora, que disse:

    – A vida  dos alunos não é só números; não podemos pressionar tanto os alunos. Eles têm que aproveitar a vida. Mas, ao mesmo tempo, têm também que aproveitar o futuro, preparando-o desde agora, e também com a Matemática.

     A professora sentou-se na sala a pensar no que a Coordenadora  tinha dito. E conseguiu perceber que a vida, é não só Matemática, mas também o por do sol e que os dois são viver, aproveitar!…

Sofia L, 8C

Esclarecendo o Pensamento

Haiku Mind

Creative Commons License Fabrice Florin via Compfight

“O Trabalho pode ser um Apelo e uma Paixão”

     O Trabalho como paixão, é algo que nós queremos ver como nosso futuro e depois, como nosso presente. É algo que queremos como objetivo de começar e de terminar. O trabalho como apelo é algo que nós devemos fazer e que nos deve interessar para ser mais fácil de fazer ou de se passar. Enquanto o trabalho como paixão é algo que nós gostamos e queremos fazer ao máximo para o acabar perfeito e para o começar ainda melhor.  

“Nunca serás suficientemente bom para todos, mas sempre serás perfeita para aquela pessoa que te merece”.

     Nós nunca seremos totalmente aquilo que as pessoas à nossa volta querem ver em nós, mas, para aquela pessoa que te merece, serás sempre especial, mesmo que faças tudo errado.

 “A vida ensinou-me que chorar alivia, mas sorrir torna tudo mais bonito.”

     “Chorar” significa, para mim, aliviar algo que não consigo expressar de outra maneira e “sorrir” é a melhor coisa, pois a alegria faz com que cada pessoa viva o seu dia mais plenamente.

Haiku Mind

Creative Commons License Fabrice Florin via Compfight

“Nunca termines o dia com raiva de alguém, pois nunca sabes quando o seu coração pode parar de bater”.

     Nós nunca devemos acabar nem um dia, nem um capítulo da nossa vida de mal com alguém, pois quando o tempo vai passando, vais ver que te arrependeste de dizer coisas que devias ter dito antes. Ou até, por vezes, um gesto que se podia evitar. Fazemos “aquilo” naquele momento e não pensamos no amanhã. Que até pode ser o hoje.

(Comentários a “frases para pensar” que a Catarina coleciona no seu telemóvel)

Catarina C, 7D

Despedidas Felizes

despedidas_felizes

Imagem: Oficina de Escrita

     Quando tive 62% a Matemática, foi óptimo! O segredo deste sucesso pode até ter sido  não estudar para Matemática!

     Mudar de casa surpreendeu-me. Foi magnífico! Esta casa é diferente! O meu quarto é cor de rosa e o teto é branco.

    O que gostei mais de escrever foram textos de autobiografia.

    Quando estamos com um amigo, nós somos diferentes, principalmente se é o teu melhor amigo. Para mim, a minha melhor amiga é como uma mana; fazemos tudo juntas. Eu adoro-a. O mais cómico é que a minha melhor amiga está no mesmo desporto que eu: lindo! Nós adorávamos e, por coincidência, fomos as duas para a ginástica rítmica, aqui na nossa escola.

     A Professora Carla não nos dava sossego até chegarmos ao nível de competição. Todas as tardes, seguíamos das aulas para o Pavilhão, com o lanche de artista e os tpc da escola. Mas os tpc esvoaçavam pelo ar enquanto fazíamos os exercícios de aquecimento.

     Eu tive de sair por algum tempo, devido a um grande problema no pé, mas isso não nos impediu de rir e estar unidas. Mas houve um dia, antes de eu sair, que a Francisca veio triste para a ginástica, porque tinha de ser operada a um pé.

     Tudo passou: voltaram os dias risonhos, os treinos em esforço, a vitória em figuras difíceis. O campeonato estava às portas e demos o nosso melhor. Foi um sucesso!

    Os meus programas para este verão são ir a Madrid, jogar padel e estar com as pessoas que mais amo.

    Para sermos capazes de amar melhor este verão, devemos não pensar no que os outros dizem; contar apenas com o amor: ele é o resultado das relações e da amizade. Não te preocupes, segue em frente.

    Os meus votos para o verão 2016 é que os professores e alunos continuem de saúde, nadem muito, estejam connosco, sejam felizes. E que a turma do 6C fique junta para a nova etapa!

Sara M, 6C

Rumo à Vitória

'The girls are back in town' ad

anabananasplit via Compfight

Um Momento Marcante do Ano

    Foi o Sarau: na semana do Sarau, eu e dez minhas grandes amigas faltamos uma semana e meia às aulas para criar a coreografia e ensaiar a dançar! Os ensaios eram muito divertidos.

   Se o Oitavo fosse um Animal

    Seria um rato, porque é básico. Achei o mais fácil deles todos. Ao mesmo tempo, fartei-me mais, fiquei mais cansada. Nos três últimos testes já não estudei.

     Hoje fizemos o jogo da mímica na aula de Matemática e eu fiz um caranguejo e uma tartaruga. Eles adivinharam: a Madalena e o Tiago. Depois jogamos ao telefone estragado.

O Ténis e a vida de Estudante

     No estudo cheguei a chumbar e desde que comecei a competição do ténis, as minhas notas subiram muito e consegui alcançar boas notas. O ténis dá-nos mais autonomia, mais responsabilidade: saímos sempre às 8 30, temos sempre menos tempo, já sei que tenho mesmo de fazer as coisas naquele tempo limitado.

Uma Mudança Surpreendente

    Tornei-me mais simpática para as pessoas.

Projetos para o verão 2016

      Ganhar o Nacional, em Julho. Já estou em treinos intensivos; quero fazer uma boa classificação  nos 3 Campeonatos internacionais. Em Setembro vou faltar um mês inteiro às aulas.  Vou ter torneios até Setembro. Venho aqui treinar ou no Jamor. O nosso clube vai treinar ao Jamor.

Como se Progride no Ténis

     Progride-se no ténis em aspectos técnicos, psicológicos e físicos.

     Fisicamente, temos de correr, estar sempre em movimento, ter resistência física.

    Tecnicamente, temos de aperfeiçoar a direita, a esquerda, o smash, o serviço.

   Num jogo, há que  estar sempre positiva, saber onde se mete a bola; o ténis é muito psicológico: se uma pessoa falhar quatro bolas seguidas, é muito difícil ficar indiferente na 5ª jogada. Pode faltar um ponto para fechar o jogo e, se não fechar, pode perder: é uma pressão terrível.

    Pressentimentos

     Como sabemos que algo vai acontecer: trabalhando, se queremos muito algo, para alcançar, torna-se um objectivo. Os sonhos que estão no horizonte mudam sempre, depois de os alcançar. Neste momento já mudaram, já alcancei alguns.

   Para que serve Sonhar Acordado

      As pessoas gostam de sonhar, num momento de relaxamento, sonhom o que gostariam de ter ou de ser…

Conselho a um Adulto

    Um adulto deve ter filhos para não perder o contacto com a sua infância.

Uma Pergunta que às vezes nos Persegue

    Como será lá em cima?

Votos para o Verão 2016

     Ganhar o NACIONAL!

(Ditado) Luisinha R P, 8B

A Minha Despedida do 6º Ano

Ines_Nokas-You_Tube

Imagem de Ines Nokas

        O que adorei este ano e foi muito especial para mim, foi estar com os meus amigos e fazer brincadeiras malucas: passamos muito tempo a conversar, às vezes dançamos e outras cantamos. 

    Quando estamos com os amigos, unimo-nos como se fôssemos um. Não estamos sós, porque estamos com um amigo e um amigo é muito especial.

    Surpreendeu-me ter fãs no youtube, pois tenho já 13 subscritores, em dois meses e pouco, no meu canal.

     Queria conquistar mais subscritores e continuar com a minha turma… estes votos parecem impossíveis, mas em parte dependem de mim: posso ter mais qualidade nos meus vídeos, melhorar o som, a maneira de falar e editar melhor as imagens.

     Eu poderia fazer um esquema antes de começar os meus vídeos. Assim a construção das frases seria mais perfeita e comunicava melhor.

     Na Oficina de escrita, eu poderia recolher ideias para aperfeiçoar o meu canal e ajudar a Stora a fazer vídeos de escrita criativa. Vamos colocar um frasco bonito para coleccionar as sugestões dos colegas quer sejam youtubers ou não.

      Em relação á turma,  depende pouco de mim, os professores têm de escolher as turmas e não podem ser iguais. Mas podemos ficar com os melhores amigos. Eu escolhi a Adriana e a Raquel, não sei se o Diogo poderá ficar.

    Este verão, vou à praia de Carcavelos, e à piscina da casa dos meus avós, na Costa da Caparica e vou-me livrar um bocadinho da Escola.

        Se eu fosse um animal, eu seria um golfinho, porque os golfinhos são inteligentes e muito brincalhões dentro e fora de água.

    Espero que o nosso verão corra muito bem, que seja muito divertido e que as pessoas que não são youtubers criem um canal para poderem fazer mais amizades.

Inês M, 6C

Algo sobre Mim

carol_f_peluches

Imagem: Oficina de Escrita

         Este ano já consigo ter boas notas a Matemática, a Educação Física e a Moral.

    Para mim, o mais importante, por ordem decrescente, é a saúde, a felicidade, o amor, a fama e o dinheiro.

     Numa só frase, eu sou uma jovem estudante, sonhadora, corajosa e divertida. Sinto que a minha vida está melhor, à medida que passa o tempo, sinto-me mais integrada na turma e as pessoas que antes não iam muito bem com a minha cara, agora já são minhas amigas, conversamos e passamos os recreios todos juntos.

     As qualidades principais que procuro num amigo são ser divertido, e confiante. Divertido para saber rir das piadas dos outros e se lhe acontecer algo cómico, como cair, por exemplo, ele possa rir de si próprio.  E confiante. Confiante, pois será alguém que pensa pela sua própria cabeça e não liga ao que os outros dizem para ser alguém no futuro.

     Desde criança que desejo estar rodeada de pessoas que me amem; um ambiente de felicidade, amor e paixão.

     Sinto que precisava de estar mais tempo a brincar com as minhas colegas, pois às vezes o tempo não é suficiente para falarmos sobre coisas que queremos. Por vezes temos de ver e ouvir algo que não nos interessa, mas que nos foi dito para ouvirmos com muita atenção.

Carolina F, 6C

Perspetivas de um Jovem Filósofo

joao_rego_7B_novo_frame

Imagem: da Oficina de Escrita

     O momento marcante do meu 7º ano foi o toque de saída, multiplicado alguns milhares de vezes;  todos juntos dão um momento inimaginável em que saboreio a Liberdade na Escola. O toque que irei gostar mais será o último de nove de Junho.

    Um segredo sobre as notas: em Francês, o meu sucesso deve-se a ter um avô que sabe falar francês!

      Se o 7º ano fosse um animal, seria um leão-marinho, porque é muito gordo e nós temos muito que estudar.

     Sonhar acordado serve para nos distrairmos nas aulas, para termos um filme invisível à nossa frente. Leva-nos para o nosso mundo, o mundo da imaginação, sentimo-nos bem. Sai a maldade de dentro de nós.

      Se não fosse a Strª Marina Santos, eu provavelmente, não estaria neste caminho e não teria as notas que tenho agora. Ela puxou-me, falou várias vezes comigo, incentivou-me. Sim, ela merece um magnífico obrigado!

     Uma conquista deste ano, foi ter conseguido desenvolver mais amizades. Ganhei mais competência em controlo, tentei não fazer tantos conflitos e ter mais calma.

     As meninas bonitas, com um coração lindo, linda pele, lindo cabelo e lindo corpo, são uma mudança que me surpreendeu.

     Os meus projetos para este verão são brincar muito e jogar. Vou estar num resort em Portugal; vou encontrar-me com uma jovem senhora; vou muito à praia, mas o que mais prefiro é piscina. Estamos mais à vontade, não é preciso seguir tantas regras. O mar é mais difícil, o mar puxa e vamos ter a Marrocos.

      No meu horizonte está a minha nova casa, a estrear em Setembro. À noite fica escura, fica um pouco assustadora, mas vou gostar muito de estar no meu quarto.

      “A vida não é a nossa morada, é o nosso navio”, porque a vida tem muitos altos e baixos como um navio quando está no mar, dentro de uma tempestade; o navio segue uma direcção que é o seu objetivo, tal como a nossa vida tem o seu. Ele depende de cada pessoa que é, mas ao fim, tudo se interliga: os rumos de todos os navios irão dar ao mesmo porto? Um dia, sim.

    Sê bem-vindo, verão 2016, espero que nos tragas coisas boas, e também más. Com as coisas más aprendemos com as nossas escolhas, com esses erros e vemos a vida de outro modo.

(Ditado)  João Rego 7B

Surf Trip Sines

Crooklets Beach - Waves

Lee via Compfight

      Foi um experiência nova ir fazer uma Surf Trip numa autocaravana.

    No mar, sinto a liberdade de não estar na escola, de não estar sempre a respeitar os professores. E o mar ajuda a espairecer a cabeça.

   No primeiro dia, tomei banho numa fonte, em Sines. Depois de um grande dia de Surf, estavam umas ondas de um metrão e eu só queria fazer uma onda nesse dia, para depois dizer que sou forte!

   No 2º dia, foi o que eu mais gostei, pois foi quando eu fiz uma onda com cinco manobras boas!

   O meu professor de Surf viu e ficou muito orgulhoso de mim e eu fiquei muito contente comigo próprio.

    No 3º dia, tomei banho na praia, também foi uma experiência nova e também foi muito engraçado!

   No 4º dia, apanhei uma tal ventania, que voei com a prancha para os montes, mal me vesti.

   No 5º dia, foi giro, por ser o último dia: dei uma surfada com ondas pequenas, lá de fora, a rolarem até à areia, as esquerdas e direitas.

     Nunca mais me vou esquecer desta Surf Trip!

Vasco L 6C

Brinquem no Mundo Todo!

'Floating', Australia, Queensland, Cairns

Chris Ford via Compfight

Momentos marcantes do 5º Ano

    JP As minhas brincadeiras e os castigos que marcaran os meus disparates.

DN – A festa do Final de Período.

Dificuldades na vida de Estudante

JP A concentração, com as dificuldades que nos desconcentram.

DNTermos que estudar fechados no quarto para temos boas notas.

Se o 5º ano fosse um animal…

JP Para mim seria um tigre, porque eles são ferozes como os professores e corajosos como todos os alunos que enfrentam os testes.

DNSeria uma Chita, porque assim eu seria muito rápido.

Um Acontecimento Quotidiano e Espantoso ao mesmo tempo

JP O meu Surf que eu adoro e me persegue.

DNJogar com a bola de Ténis.

Fish Breath

lolilujah via Compfight

Encorajar um amigo em dificuldade

JP Não desistas, eu estarei para te ajudar, aconteça o que acontecer.

DNAcalma-te, amigo. E alegra-te.

3 Projetos para o Verão 2016

JP Fazer Surf todos os dias, estar com os amigos e divertir-me à grande.

DN – Ser feliz, ter amigos, ter boas notas.

Para um Adulto não perder o contacto com a sua infância…

JP Vir comigo fazer Surf, que nas minhas memórias sempre vão ficar.

DNGravar e filmar os grandes dias da vida, para recordar.

Como é gostar de alguém?

    JP –  É ter um sentimento que nos toca e nos faz querer estar com ela; é ter o sentimento de adorar alguém, que nos faz adorar alguém. (Inspirado em Madalena P.)

DN  – É ser amoroso.

Um brinde às férias de verão 2016

JP Brinquem no mundo todo!

DN – Boa sorte, amigos. E então, depois, estudem bem!

João P 5A e Daniel N

Um Novo Horizonte

leao NSA

Imagem de NSA

          Um novo horizonte que eu gostaria  de conquistar seria treinar com a  equipa A, na Decatlhon, no futebol. Treino duas vezes por semana, na equipa B, com alguns colegas da minha escola, como o Afonso e outros de fora.

     Se treinar bem posso passar para a Equipa A, onde terei colegas diferentes. Nesta equipa os jogadores são melhores nas suas posições:

     Os Avançados – Que tentam marcar golo e também ajudam a defender.

     Os Defesas – Que defendem os Avançados em duas situações diferentes.

      Os Médios – Não me lembro bem agora.

      O Guarda-redes – Defende a baliza.

    Eu já treinei Avançado, agora o meu Mister está a treinar-me para Defesa. Tenho de ajudar os Avançados quando eles estão a atacar e tenho de defender a baliza quando a equipa adversária tem a bola e está a atacar.

    Treinei ao longo deste ano e desde há anos, só faltei para estudar, quando havia testes. Um momento marcante desta época, foi quando o Mister Américo me convidou para treinar com a Equipa A. Senti a diferença: começamos por fazer passes, depois, entramos no jogos. Jogam de cabeça sem medo, enquanto na Equipa B, encolhem-se todos, praticamente.

    Agora começamos a fazer um campeonato com Odivelas, Cacém e outros Clubes.

    Houve um torneio em que a Equipa adversária faltou e ganhamos 3-0, e na vez seguinte, perdemos 2- 0.

    Treino duas vezes por semana, durante uma hora. Sinto o cansaço físico só quando fazemos jogo, mas é normal. Uma vez estava a equipar-me tive uma caimbra, mas passou. Sempre que caí em campo nunca me magoei.

   Este Verão 2016 vou treinar num Estádio mesmo coladinho ao Estádio gigante do Benfica.

(Ditado) Manuel N, 6A

Nos Rápidos do Tempo

Playa de Castalejo

Creative Commons License Guillén Pérez via Compfight

Um momento marcante do 8º ano

     Foi hoje mesmo, porque em vez de termos Matemática e Inglês,  as professoras deixaram-nos ver um  filme: “Os Coristas”.

O segredo do sucesso num  assunto de estudo

     Foi ter descoberto, graças à minha Mãe, como fazer apontamentos.

Se o oitavo ano fosse um animal

     Seria uma anaconda, porque nunca mais ia acabar e era venenosa, cheia de estudo, aulas e testes, a cada minuto que passa.

    Estou exausto de acordar às sete da manhã, trazer uma mochila tão pesada, e saber as gerações futuras em perigo com estes pesos.

     Uma pergunta que às vezes me persegue

    Porque é que eu tenho sempre, até às férias, de levantar-me cedo e deitar-me cedo? Isso é uma vida inteira!

Projetos para o Verão

     Gostava de ir uma semana com o Algarve numa bela casinha com piscina e uma varandinha de onde se vê a piscina em frente;  é só atravessar a estrada e está logo a praia: à frente, ainda há um campo de ténis.

     Depois vou com o Pai para Fromentera: água quentinha! Até podemos dormir na varanda! Depois de chegarmos de avião, ainda vamos de barco a motor para a ilha!

     Vou ainda quinze dias com o Pai para o Algarve, para a praia Verde. Há uma discoteca na areia, na própria praia!

Memórias Felizes

     No ano passado, o que mais gostei foi Tróia: tão bom! À nossa frente havia um parque infantil e uma barraquinha sobre a Kidzânia. Podíamos passear à noite, sozinhos, com os amigos, por todo o lado.

“Quando se está com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

     Quando estamos com um amigo, no exterior, no mundo fora desse amigo, há cada vez mais amigos: os que são amigos daquele, conhecem-nos a nós e passam também a ser nossos amigos, ficando assimmais largo o círculo. Não estamos sós, pois há mais pessoas para conhecer.

Brinde para o Verão 2016

     Aproveitem bem as férias, que o tempo passa rápido!

Tomás O, 8C

A Ida à Liga Moche

Santa Cruz : 4

Creative Commons License John Tregoning via Compfight

      Eu, o Sebas, o Quartim e o Queimado fomos à Liga Moche. Fomos surfar e ver o oito do Vasco Ribeiro e do Kikas. Todos nós apostámos no Kikas. Ele ganhou e foi ao pódium.

     Antes de ele entrar, para o seu Hit, desejei-lhe boa sorte. Depois fomos todos surfar. Eu adorei! Experimentei novas manobras e um senhor disse “ – Surfas muito bem!”

     De seguida, fomos ao skate Parque. Como estão a ver, foi um dia muito longo. Adorei!

     Também recebi imensos brindes, como aquela camisa que diz “Amigos amigos, ondas à parte”, um poster, dois cartões para o telemóvel, e também, se nós tirássemos uma foto e puséssemos no Instagram, recebíamos dois guarda-chuvas, dois guarda-sóis, uma camisola e mais 7 pósteres!

Vasco L, 6C

Surf Trip Peniche

Muniz pro surfer

Creative Commons License SayLuiiiis via Compfight

     Mal chegamos a Peniche, eu, o Nuno, o João, o Vasco, o Afonso A. fomos ver a casa do Afonso: era uma quinta enorme, com diversas coisas: tinha um trampolim, uma garagem cheia de fatos, pranchas e também havia lá uma cadela que já estava a “deitar as águas” em situação de parto iminente.

     Sábado, fomos surfar para o Baleal: o João A ensinou-me uma boa tática para ter mais velocidade nos “botames”. Ele diz que é mais importante os “botames” porque se o “botame” fosse bom, a manobra saía bem de certeza.

    Eu tentei dar um “aéreo”  pela primeira vez: até saiu bem!

     O Afonso A, em quase todas as ondas fazia um “aéreo recourse”. O Pai dele é óptimo treinador e surfista e também é muito simpático e calmo.

     Domingo, fomos para uma praia com óptimas ondas. Foi o dia que eu mais gostei, com a minha tentativa de aéreo, mais uma vez e também um lance a soltar as “quinhas” à frente do Nuno.

      Almoçamos no Pingo Doce e depois fomos logo fazer surf. Nos primeiros minutos,  surfei bem e na última meia hora, tentei dar mais dois aéreos “rivense”.

     Os cães também nasceram nesse mesmo dia, eram mínimos, mais ou menos com 13 cm.

      E Fim.

Vasco L, 6C

Entre o Trabalho e o Lazer

Flickr Montage

Alex Loach via Compfight

Se o sétimo ano fosse um animal

     Seria um cão, porque este ano aconteceram-me muitas coisas boas e, para mim, o cão é o melhor animal que existe para nos ajudar e para confiar.

O segredo de um sucesso nos estudos

     Quando recebi o teste de Inglês, nem acreditei: tive 70%! Foi um grande recorde para mim, pois pensei que iria ter negativa. O segredo é estudar e, quando acabamos, darmos uma grande volta ou passearmos para organizar a mente.

O que significa o Trabalho para ti?

     O trabalho como um apelo é algo que nós devemos fazer e nos deve interessar, para se tornar mais fácil de fazer ou de passar.

    O trabalho como paixão é algo que nós queremos ver como nosso futuro e, um dia mais tarde, como nosso presente. É algo que queremos como objetivo de começar e de terminar. É algo que nós gostamos e queremos fazer ao máximo, temos de o acabar perfeito e de o começar ainda  melhor.

Projetos de Verão

     Viajar muito e divertir-me ao máximo. Vou ao Alentejo, ao Algarve, com a minha Tia; Também espero ir a Espanha e eventualmente a um lugar desconhecido.

Como posso amar melhor este Verão?

     Ajudando os outros com um simples gesto, como as pessoas mais carenciadas que vivem na rua, dar-lhes pão ou até uma simples palavra, como: “Confie na vida, pois ela irá ajudá-lo”.

Catarina C, 7D

Acolhendo o Verão

fresh_rootz_ok

Imagem do Sapo On Line  

Ensinar a Avó

     Hoje, vêm-me buscar às 3 para ir à praia com a minha avó. Vou-lhe ensinar um bocadinho a nadar.

Os Trampolins

    Os meus “Pelolies” – os meus cães – não vão para os trampolins. Eu tenho um trampolim no jardim do condomínio e eu salto, mas queria saltar com o meu cão ao mesmo tempo. Tenho uns vizinhos franceses que têm trampolim.

    Eu salto uma vez, duas, depois, à terceira, já estou lá em cima, tento rodar para a frente como quem dá uma cambalhota.

     É muito difícil, mas sigo as orientações do meu treinador que pede para fazermos um certo número de abdominais por semana. Ontem fiz uns 25 abdominais no trampolim. Tenho uma aplicação no Ipad que vai contando os abdominais, diz quantas calorias perdi, mas ganho massa magra.

Street Food

     Perto de casa há o jardim do casino e estes cinco dias estiveram lá umas cinquenta carrinhas a venderem comida, mas totalmente diferentes. Havia comida de todo o mundo. Comi a Conopizza, que é uma pizza em cone. A que eu comi tinha queijo a mais, dei uma trinca e saiu o queijo todo.

Sobre Música

       Hoje vimos um filme sobre um menino sem pais, mas que era muito bom músico, tocava –  piano, viola e violino –  e acabou por reencontrar os pais.

À Vela até Lisboa

      Ainda vou treinar as regatas no Optimist com os meus amigos.

     Para a semana todos os membros da minha equipa vão levar os Optimists até Lisboa, mas depois não podemos treinar e temos lá a regata daqui a 15 dias! É o Regata Duarte Belo – este senhor foi o campeão que representou o Portugal no Campeonato Mundial e ficou em 3º lugar.

A Grande Expectativa

      Este verão, vou divertir-me em ir à Austrália,

     A Expectativa maior em relação a Austrália é ver cangurus. São 14 horas de voo com paragem em Dubai. Durante a viagem vemos filmes, ouço música e vou à casa de banho.

     Vou filmar peixes com a minha Go Pro quando fizer snorkling na Austrália.

Um Brinde ao Verão 2016

    Desejo que tenham um feliz verão e não pensem em problemas. Divirtam-se, estejam com os amigos, não entrem em conflitos.

Tomás G, 6C

Reflexões de Estudante

criacao2

Os momentos que ficam em nós

     A turma é muito simpática, não faz diferenças entre os colegas, somos trabalhadores em equipa, jogava muito futebol com os amigos e as raparigas às vezes também jogavam.

Dificuldades que nos traz a Vida de estudante:

     A ligação entre a vela e as aulas: distinguir os tempos a dedicar aos dois. Tenho de estudar e, ao mesmo tempo, estou na Vela a sério.

Um segredo do sucesso num assunto de estudo:

     A Matemática, no início do ano detestava-a; depois, fui para a explicação e agora gosto e tive 80%.

       Se o 6º ano fosse um Animal

       Seria um esquilo, porque tem uma cauda grande; a cauda representa que foi um ano bom de passar.

O Texto preferido

      Foi “Aquela explosão fascinante”, porque consegui descrever o que se passou naquela altura, que foi a passagem do ano com o seu fogo de artifício.

Expectativas em relação ao 7º:

     Gostava de aumentar as notas e de  reconciliar melhor a vela e o  estudo.

 “A mente não é um navio para carregar, mas é um fogo para acender.”

    A mente não funciona com stress: isso faz nos pensar noutras coisas em vez de nos focar. Ter calma é uma condição essencial, não sermos precipitados. Quanto mais nós soubermos, melhores resultados vamos ter.

     Temos também que desabafar o que vivemos: deitar para o lixo o que foi mau, por exemplo desabafamos os pesadelos e devemos guardar os sonhos e os sucessos.

Tomás G, 6C

Aventuras de Vídeo

ines_piano-2

Imagem: Gentileza de  Inês Nokas You Tube

Comente a sua vivência no “Mergulha aqui  é Fish!

     Eu adorei, pois sou muito dedicada à arte. É uma das  atividades que mais gosto de fazer. Participei neste projeto fazendo uma entrevista com a Prof Paula Xavier. O meu Grupo criou onze peixes diferentes. O meu peixe era muito colorido, tal como os outros. Ganhámos um prémio a nível Nacional, Kit do Mar.

Qual a última vez em que fez algo de novo?

     Fiz muitos vídeos no meu canal de You tube desde a última entrevista.  Os últimos vídeos que fiz foram de tecnologia. Adoro comunicar com o meu público através do canal.

Gostaria de experimentar estudar com o seu público uma disciplina preferida?

     Adorava, sentia-me uma professora! Poderia, por exemplo, pegar em Ciências, de que eu gosto muito. 1º lia um parágrafo devagar, depois, mostrando a imagem, repetia por palavras próprias.

Qual é o seu objetivo para este último período?

    Ter boas notas, e haver mais pessoas a gostar do meu canal. Para enriquecer o meu canal, estou a pensar em fazer um vídeo de estudo, como a Khan Academy, só que de alunos para alunos e estou a pensar mostrar o meu desenho da pirata e ensinar a fazê-la.

Escolha três canais favoritos e explique em que é que os aprecia

Tazercraft, Authentic Games e Rezendeevil. Estes canais têm muita simpatia, fazem muito bem vídeos e comunicam com o público de uma forma cativante.  

Inês M, 6C

Reflexões em Mosaico

Botanical Backyard Art

Wayne S. Grazio via Compfight

Uma Mudança que me surpreendeu

     Uma nova maneira de pensar: agora não sei o que me aconteceu, mas cada vez que penso em alguma coisa, penso mais do que uma vez, poia penso logo nos riscos que pode ter.

Temas preferidos na Escrita da Oficina

     A Escrita criativa, pois eu gosto de escrever sem temas, de ser eu a inventá-los.

Fontes de Inspiração

     O próprio dia-a-dia; as pessoas que  estão à minha volta.

Sonhar Acordado

     Serve para pensarmos melhor na nossa vida e nos erros que já cometemos e que devemos corrigir.

Uma Vida Solitária

     Para mim, a vida sozinha não iria ter significado nenhum, pois eu só sou feliz com as pessoas que estão à minha volta , pois sem elas não saberia o que é ter uma vida animada e feliz.

Quatro espécies de Silêncio

     As quatro espécies de silêncio podem ser quando a pessoa não tem ninguém com quem falar nem desabafar; também pode ser um silêncio contente, para conseguirmos dar expectativas a alguém. Também pode ser um silêncio desesperado, em que precisamos de estar sozinhos; e ainda pode ser um silêncio só nosso que nunca ninguém  vai desvendar.

Ser Amigo

     Para mim, ser amigo, é quando saemos que teremos sempre aquela ou aquelas pessoas ao nosso lado para tudo, como para nos animar e para nós desabafarmos. Para mim, ser amigo é ter confiança no outro e ajudá-lo no que for preciso.

Catarina C, 7D

 

Três Meses de Vida Azul

   in clouds

Autumn’s Lull via Compfight

     Um momento marcante do meu 6º ano foi quando toda a turma me apoiou depois de haver um conflito.  

      Se o sexto C fosse um objeto, seria a perna de uma cadeira, que está na sala e é a nossa mascote, chama-se Paulina.

       Quando tive quase 57,5 no teste de Português, descobri que o segredo foi estudar muito e fazer bons intervalos, por exemplo de uma hora.

      Este verão quero andar de bicicleta com a minha mãe, no paredão. Quero fazer Padel, com a minha mãe. ir a Londres com o meu pai; conhecer o Bigbang.

     Quando acordo de manhã, em férias, o meu primeiro pensamento é: Não ter aulas! Não ter de me levantar às sete da manhã. É uma maravilha!

     E brincar  horas sem parar no meu condomínio com a minha BEST FRIEND e a irmã dela.

     Um dia, na festa da minha melhor amiga, fomos ao bounce porque ela fazia 13 anos, mas toda agente pensa que uma menina com a idade dela pode ser amiga de uma menina mais nova do que eu. Mas a idade não importa, o que é mais importante é divertirmo-nos juntas.  

     Desde o dia 18-06-2016 até ao dia 24-06-2016 vou para ao Algarve e vai ser uma diversão!

     Vão ser assim as minhas melhores férias de verão.

E AGORA DESPEÇO-ME COM GRANDE AMOR.

Sara M, 6C

Nascida para Saltar

                                                 Jamie Riding

Creative Commons License Five Furlongs via Compfight

 Um Momento que marcou este ano:

 No  final de  2015  recebi o meu cavalo castanho, o Barão:  surpresa da minha mãe, mas depois ela disse que era ainda para experimentar, faltavam os atestados médicos; afinal sempre estava doente: havia algo na pata que podia  rebentar de repente. 

A maior dificuldade que os estudos nos trazem:

Não tenho tempo para vida social. Chego a casa, tomo banho e estou a estudar. Geralmente às oito ou sete e meia. Mas gosto também à noite. Deixo para a última. Se chegar às cinco ainda fico na rua, com amigas, faço o máximo que posso quando tenho tempo livre. ao telefone…

Se o sétimo ano fosse um animal, seria um monstro: só o que eu estudei no 7ºano! O que me irrita é que tiro um 90 e depois já não consigo tanto e vou ter 4. Então,para que me esforcei tanto? Aconteceu-me isso imenso e irrita-me. Para que me esforço para noventas se vou ter 4 no final do período?

Desde o 5º ano que não tinha amigas tão á séria! A Mariana e a Sofia é que passaram a ser as minhas melhores amigas. 

A sofia é mesmo divertida. Quando estou com ela divirto-me imenso, apesar de às vezes ter aqueles ataques…

 O Segredo do sucesso obtido este ano num assunto de estudo.

Fiquei surpreendida com o cinco a Matemática. O sucesso deve-se a ter estudado. Gosto imenso de estudar matemática com música, posso estar no jardim, a fazer exercícios.

 3 Projetos para o Verão 2016

 Não estar um dia parada em casa, montar todos os dias, embora tenha de tirar umas férias, ir ao guincho, e à riviera na Caparica.
O que me irrita é que tenho amigos de Lisboa que vêm para cá e outros de Lisboa e a mãe aluga a praia de Tróia e temos de ir para lá.
Venho de Tróia todos os dias montar. Vou ter de arranjar boleia do Tio João Pedro que vai para Lisboa trabalhar e eu vou para a quinta da Marinha.

Para que serve sonhar acordado?

Estou sempre a pensar nos cavalos. Gostava de tirar um curso relacionado com cavalos.

 Um novo Horizonte que quero conquistar.

Limpar os obstáculos nos três dias do Campeonato – 26 de Junho e da Taça da Juventude, no Hipódromo, em início de Agosto. Adorava classificar-me, mas o que mais quero é,pelo menos,não ter penalizações.

 Comentar a frase de Christian Bobin:

 “Quando estamos com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

 Quando somos mais que dois,não temos a atenção para esse amigo. Se estamos sozinhos não temos a quem dar nem nos divertimos. Mas se estivermos com uma amiga, não somos duas, porque estamos em união.

 Um brinde às férias de Verão 2016.

Brindo a que seja o melhor verão de sempre!

Teresinha R P, 7A

Conversas na Oficina: Um Verão Recém-Nascido

Foz do Arelho - Lagoa_de_Obidos_8_mini

Imagem autorizada por A Terceira Dimensão

Um Momento que marcou este 8º Ano

     No dia da criança, fomos com o meu primo e o seu melhor amigo visitar uma exposição de pães de forma e carochas; no parque havia uma bola gigante de ar: metemo-nos os três ao mesmo tempo e andamos, mas como eles eram mais pequenos, iam a cair um em cima do outro.

     Fomos para a Baía, jogamos tiro ao alvo, mas não acertei no centro amarelo do alvo. Fomos andar de Seagway, mas foi só durante 30 segundos e, quando vou com o meu pai, ando uma hora. Fizemos escalada pela praia do Peixe e a seguir rapel, desta vez correu bem.

O Segredo do Sucesso obtido este ano num Assunto de Estudo

    O meu 67,5 a Português que foi quase um 4. A minha mãe ajudou-me como de costume, mas desta vez resultou melhor.

Se o oitavo ano fosse um animal…

    Seria um leão, porque é muito difícil.

O que custa mais na vida de um estudante…

    É estudar. As aulas ajudam se estivermos com atenção.

    O que aprecio mais é a Matemática. É difícil, mas é gira, porque é como se fosse um jogo; se conseguir resolver um problema, fica-se contente, ganha-se.

Porque falhamos por vezes, se temos tão boas intenções?

     Por exemplo, para os testes, temos de estudar, não basta só ter a intenção.

Um novo Horizonte que quero conquistar.

    Quero tentar tocar solos muito bons, como o meu professor e os outros guitarristas famosos. Como o Bake in Black dos ACDC.

    Na guitarra eléctrica, a próxima valsa que vou treinar é a nº5, que utiliza todas as diferentes técnicas das anteriores.

 Projetos para o Verão 2016

     Eu e o João Pedro M., na festa dele, vamos disparar nerfs no Parque Marechal Carmona. E também vamos jogar futebol lá.

    Vou brincar com os meus amigos do Algarve, vou levar a minha guitarra  e andar de bicicleta. Já sei fazer truques, até rebentei o pneu da frente quando tentava fazer um “bunny hop” por cima da relva, entre dois pedaços de cimento. A roda bateu no cimento e rebentou o pneu. Agora pode acontecer o mesmo à outra bicicleta,  que é mais frágil.

    Vou tentar ensinar o meu melhor amigo a surfar melhor pois ano passado ele começou a aprender.

     Também penso estar uma semana na Foz do Arelho, na casa dos meus avós, em frente à lagoa, para onde levo a guitarra, pois o meu avô gosta muito de me ouvir tocar.

     Enquanto estou na piscina, vejo as pessoas a fazer kate surf, e  apanho caruma da piscina: por cada uma, ganho 2 cêntimos, se tiver um pinhão é um cêntimo, se forem objectos maiores, 3 cêntimos, se for um bicho, ganho 5 cêntimos. Já tirei uma lagartixa da água.

   Vou a Maiorca, espero que corram muito bem essas férias, mas vou com toda a família.

Como pensa viver as férias em Mayorca?

     Vou tirar um dos dias para ir conhecer a cidade. De resto vou estar na piscina com escorregas e na praia com o meu pai. No hotel há um campo de futebol.

Vou visitar também o Oceanário, vou querer fazer snorkling porque a água é muito transparente e ainda penso ir a um parque de diversões chamado Katmandu.


This photo of Katmandu Park is courtesy of TripAdvisor

     Existia uma pedra vermelha numa montanha do Everest. Toda a gente queria descobri-la porque dava poderes fortes às pessoas. Um dia, um explorador chegou ao Everest e conseguiu descobrir a pedra. Mas estava lá um yeti chamado Brooke, que era grande  e forte, a proteger a pedra. O explorador foi perseguido e escondeu-se numa casa. Mas o yeti entrou e a pedra explodiu: houve uma grande explosão vermelha, a casa começou a voar pelo ar e foi parar, virada ao contrário, na entrada do Parque de Diversões Katmandu.

Em férias, o que é que te faz levantar da cama?

     Ir andar de bicicleta com o meu pai. Agora não posso ir, pois o pai está em recuperação do braço.. Tenho de ver tv, mas também combinei com o Rui irmos andar de Bicicleta este verão.

     O meu pai, com 13 anos, andava pela Quinta da Bicuda, onde só havia a casa dele e pouco mais, o resto era quinta. Então era um espaço de terra aberto. O pai andava a jogar futebol.

Brinde ao Verão a Estrear:

    Brindo a que toda a minha família e os amigos gostem todos muito deste  Verão e  sejam muito felizes.

Diogo T, 8A

Conversas na Oficina: 3 Vozes Únicas

3_vozes_.mini

Imagem da Oficina de Escrita 

Um grande sucesso na nossa vida

MM Quando o meu Mano nasceu.

E quando fiquei em primeiro lugar, numa prova de dressage; montei a “Formiga”, que é um lusitano branco. O meu Pai monta desde os 15 anos, na Coudelaria do meu tio Henrique Abecassis.

MB – Ter conhecido muitas pessoas novas. Gosto muito de conhecer pessoas.

FedriTer ganho ténis contra meninos de 15 anos! E montei o Lolypop, foi a 2ª vez que andei a cavalo.

E qual é a tua viagem para o Sucesso?

MMA minha viagem para o sucesso passa por muita “coisa” como os meus estudos, partilhar a minha vida com pessoas de quem eu gosto…

Fedri – Não seria possível ter boas férias sem amigas e sem companhia. 

Qual é o teu sonho de férias?

MBÉ estar com as minhas amigas e divertir-me. 

O que diz a tua imaginação sobre a vida a dois?

Fedri – A Vida a dois é uma coisa fantástica.

Realidades espantosas e quotidianas

Fedri  – O facto de a minha irmã existir! 

Uma vez esmagamos ovos nas nossas próprias cabeças!

Se um amigo sofre

MB– “Eu vou estar aqui para o que  precisares e para te consolar.” 

 Para os adultos manterem o seu espírito de infância

Fedri –  Olhar para os seus filhos e pensar que eram eles quando eram pequenos.

Momentos marcantes do 5º Ano

MM – O prof Bento a Rir-se! 

MB – A Festa com o Str de Mat.

Fedri – Ter vinte para a professora Inês.

Se o 5º ano fosse um animal

MB  – Seria um cão, porque os cães são espertos e muito divertidos.

MM –  Seria um tigre, porque são ferozes, elegantes e amigos da família.

Fedri – Seria um leão, porque nós somos poderosos.

 

A maior dificuldade que o estudo traz à nossa vida?

MM – Ter de ler e não poder sair.

MB – Não poder sair.

Fedri – Não poder sair e não estar com as amigas.

 

Segredo de um sucesso num assunto de estudo

Fedri – Estudei com a Maria B e tive 80% a Matemática!

MB – Tive 68% a HGP, graças a estudar com a Beatriz.

MM – Tive 63% a HGP porque estudei com a minha prima.

Projetos para o Verão

MB – Convidar as amigas para ir a minha casa, ao Bounce e à praia da Conceição.

Também gosto muito das praias de Marrocos.  Vou já esta tarde, às 15h 30, para Viseu, para casa da minha avó. 

Gostava de ir para acampamentos, como o My Camp, vou com uma amiga.

Fedri – Ir para o Clube do meu Pai, ValTenis, vou à piscina, jogo ténis, e exploramos a Penha Longa.

Conviver com três amigas, durante todo o verão: a Maria, a Beatriz e a Luísa. Vou estar com a primeira, na Comporta, com as outras em outros lugares de veraneio.

MM – Quero ter muitos meninos nas Clínicas da Penha Longa, para brincar com eles: lá fazemos ténis, padel, bicicleta e jogos de verão. Vou já esta tarde, às 14h 30, para o Algarve.

Para que serve sonhar acordado?

Fedri – Para ajudar a que os sonhos se realizem. E mesmo que não aconteça na vida, realizam-se na nossa cabeça.

MM  – Servem para ver o passado e pressentir o futuro.

MB – Uma vez sonhei que ia ao Bounce, e fui, realizou-se!

Brinde ao verão 2016

 Em conjunto – Que seja feliz,  divertido, cheio de momentos para recordar e bom para nós, amigos, família, as famílias dos refugiados e toda a gente do mundo!

Maria B, Maria M, Fedri, 5B

Alguns Planos para o Futuro


ines_nokas_MINECRAFT

Imagem: Canal da Inês Nokas

     No futuro, eu gostaria de ser uma YouTuber boa, que as pessoas me admirassem. Quem não viu o meu canal Inês Nokas, assista aos meus vídeos; se não gostarem, ponham nos comentários, para eu tentar melhorar!

     Neste momento, vou tentar fazer uma série, no meu canal: “Série Aventura Minecraft”. Já fiz um vídeo da série “Aventura Minecraft”. Vou filmar de outra maneira, sem ser o computador a gravar: vou gravar com a tablet, pois fica muito lento com o computador.

    Algumas das razões de eu ter um canal no You Tube são as seguintes:

  • Divirto-me a fazer os vídeos;
  • Posso falar com o público;
  • Posso mostrar o que gosto de criar e o que tenho para dar, fazendo com que as pessoas se sintam noutro mundo;
  • Também me ajuda a desenvolver a oralidade, para falar melhor com os outros;
  • Ajuda-me a expressar-me de uma forma mais divertida.

     Se vocês quiserem ser youtubers basta pedirem autorização aos vossos Encarregados de Educação, seguirem as Regras de Segurança na Net e “Bora lá”!

Inês M. 6C

Tenho Andado a…

Original Acrylic Abstract Painting on Canvas Panel "S8 XVIII"

Carl Dunn via Compfight

     Tenho andado a desenhar uma flor rara com cores que não existem na paleta. Ela é muito difícil, mas vale a pena gastar tempo a desenhar. O Tempo modela-se nas mãos como barro macio quando fazemos algo de que gostamos muito.

     Não conheço as cores da minha flor incrível, mas vou inventá-las inventando misturas de verde e azul, as minhas cores preferidas. Com elas se dizem a Terra e o Céu, com elas se pensa o divino e se exalta a esperança.

     Eu gosto muito de dedicar tempo à Família e Amigos: com eles sinto-me muito melhor. Viajar é uma das coisas  que queria aproveitar nos meus passatempos, pois gosto de descobrir novas aventuras.

     Tenho andado a desenhar e a fazer vídeos de youtube. No youtube é que me sinto livre a partilhar o que mais gosto para uma multidão invisível que me escuta ou gosto também de ver vídeos de jogos e falar com os amigos, no skype e sem ser no skype, claro! 

    Falar com os amigos é uma arte de escuta e do dom que nasce connosco em semente, e depois, ao contacto dos outros, com o calor do afeto e a luz do pensamento, começa a germinar. É uma das coisas que gosto mais de fazer na minha vida!

     É tão bom ser livre e fazermos o que nos apetece, mas nem sempre isso acontece! Vivemos como um ribeirinho, saltitando entre as pedras redondas, saltitando num leito apertado: somos livres no saltar, mesmo se o caminho nos obriga.

(Texto a duas Mãos: “Quero Ser Escritor“)  Inês M, OE

Sofia VG: o Encanto da Patinagem

Spectacle patinage artistique sur roulette (49)

Orick Kimy via Compfight

OE – O que a atraiu na Patinagem?

Sofia VG – Já tinha andado na dança, no hip-hop… o meu Pai falou-me nesta modalidade e quis experimentar.

OE – Onde pratica?

Sofia VG – No Grupo Desportivo Recreativo Familiar de Murches.

OE – Qual o ritmo dos seus treinos?

Sofia VG – Treino 3 vezes por semana, entre 45 minutos  a uma hora.

OE – Há quanto tempo pratica este desporto artístico?

Sofia VG – Desde Setembro de 2015.

OE – Como decorre um treino normal?

Sofia VG – Primeiro damos quatro voltas ao rinque para aquecer; duas a patinar para a frente e duas a patinar para trás. Segundo, treinamos os testes e os saltos.

OE – Em que consistem os Testes?

Sofia VG – São testes que temos de fazer para subir de nível. Já fiz quatro e passei em todos, mas ainda não vou a Campeonatos.

OE – Que salto considera mais difícil?

Sofia VG – O salto mais difícil é o do Loop: temos de dar uma volta no ar; primeiro vamos a andar para trás, depois salta-se tentando girar e cair sobre o patim direito com um joelho fletido.

OE – Que música a inspira mais?

Sofia VG – Nas aulas só treino saltos para os testes, não ouvimos música. A Treinadora está a observar-nos, diz-me o que estou a fazer mal e depois mostra-me, ela própria, como devo fazer.

OE – Quais os seus objetivos nesta modalidade artística?

Sofia VG – Para já, continuar a aperfeiçoar a dança e os saltos com enorme prazer.

OE – A sua Oficina de Escrita deseja-lhe as maiores felicidades na sua aventura de Patinagem.

 

(Ditado) Sofia VG, 7A

Questões para Pensar – III

Hybiscus Blend

Wayne S. Grazio via Compfight

     O que consegue fazer hoje que não conseguia fazer o ano passado?

     O ano passado tinha medo de errar, não conseguia admitir muito bem o que tinha feito de mal, era muito mais envergonhada com as outras pessoas. Agora já não sou assim; percebi que não havia mal em eu errar, faz parte do homem, todas as pessoas erram neste mundo e mesmo se errarmos, temos de admitir, especialmente porque muitas pessoas podem ficar prejudicadas com isso.

      Em que ordem de importância colocaria: Felicidade, dinheiro, amor, saúde, fama?

     Amor, felicidade, saúde, dinheiro e fama.

     Sem amor, só há ódio e uma pessoa com ódio não consegue, mesmo que tente bastante, não consegue ser feliz.

    A nossa saúde também é importante, mas não tanto como poder amar e ser felizes, mas não consegue ter uma vida saudável sem ter dinheiro para pagar a comida, os hospitais… A fama vem em último, porque não precisamos de ser famosos para sermos felizes; claro que não me importo, mas não é uma necessidade.

Carlota C, 6C

Margarida: Questões para Pensar – I

   Original Acrylic Abstract Painting on Canvas Panel "S8 XXIII"

Carl Dunn via Compfight

     O que consegue fazer hoje que não conseguia fazer o ano passado?

     M.C. – Na semana passada, aprendi o que é  ser solidário connosco próprios e com outras pessoas.

    O que pode fazer para tornar  a semana menos stressante?

    M.C. – É só preciso manter a calma, rezar três Ave-marias e três Pai-nossos.

    Quais são os seus receios?

   M.C. – Tenho muitos receios, como, por exemplo, fui a uma festa no meu Colégio e apareceram três bêbados.

   Por que é que se sente mais grata?

   M. C. – Quando sou simpática comigo mesma e com todos à nossa volta.

   Alguma das suas recentes acções a aproximou dos seu objectivos?

   M. C. – Sim, sobre a minha autoconfiança. Nunca estou segura do que vou fazer.

  Quais são os seus 3 objetivos prioritários para os próximos 3 anos?

  M. C. – Estudar mais, conseguir um curso ou um lugar na faculdade, e, se for Mãe, ser uma excelente mulher e ter um óptimo filho.

   Como é que pode ajudar alguém nesta próxima semana?

   M. C. – Ajudar uma pessoa a pensar que a vida é uma virtude e não é só gastar dinheiro.

Margarida C, 6C

O Quarto Gamer

     Dancin' Danbo

Blake Danger Bentley via Compfight

     João CR123, era um rapaz especial: a sua paixão pelos jogos tornara-o famoso entre os amigos, por ser o melhor.

     Recebera a sua PS4, finalmente, pelo Natal, bem como um quarto novo, totalmente remodelado. Chamou o quarto de “Quarto Gamer”, o quarto que ele sempre quis.

     Quando entrava, ele ficava à porta do quarto 30 segundos, porque ele não saberia como mereceu aquele quarto tão fantástico!

    Ele já imaginava que, quando fosse dormir, deixaria o comando da TV e da PS4, para, quando acordar, às sete da manhã, nem precisar de sair da cama: se clicarmos no botão de ligar no comando da PS4, liga o comando e a própria PS4. Depois é só clicar para ligar a TV e ficar a jogar.

     Para comer, como já está meio acordado, basta levantar-se, descer as escadas, ir buscar a comida e voltar ao quarto para jogar.

      Era um lugar acolhedor e original: à entrada, via-se a cama de madeira branca, com gavetões em baixo, do lado direito e encostada à parede pintada no tom de um verde-tropa. Depois, a mesinha de cabeceira, com um candeeiro de luz led, a dizer “New York” a toda a volta do abat-jour.

    Ao lado da mesinha, um pequeno móvel para guardar os phones, o comando da PS4, alguns carregadores e os jogos organizados

     Uma mesa azul, que era do meu avô, com tampo de madeira, que nos deixa ver pela janela a rua em curva, por onde se vislumbra um parque.

     Na parede em esquina, dois móveis de gavetas encostados: cada gaveta é de vidro fosco e tem uma pega em cima. Por cima das cómodas irei pôr fotos de família do lado esquerdo;  do lado direito irei pôr uma bola  do Sportigng, um Estádio do Sporting de madeira com luzes;  pendurado por cima, afixado à parede, um quadro com uma camisola do Sporting com vidro anti-reflexo, com todas as assinaturas dos jogadores do SCP.

     Tenho uma coleção de posters que comprei na Toys’r us – alguns afixo na parede sobre a cama, outros na portas dos armários e vou  mudando. No meio disso tudo, tenho uma Tv. O meu quarto é um verdadeiro Bunker de viciados em jogos!

João R, 7B

Carlota: Questões para Pensar – II

Original Acrylic Abstract Painting on Canvas "S8 XIII"

Carl Dunn via Compfight

     O que pode fazer para evitar ter semanas  stressantes?

       Tento sempre ter um bocadinho para descontrair e aliviar as ideias. Muitas vezes, brinco com os meus cães: corro, mando-lhes a bola com muita força, como se as minhas energias más fossem com ela. Também danço e canto, porque enquanto estou a fazer isso, não penso em mais nada. Quando jogo ténis e estou irritada com algo ou com alguém, bato  com imensa força na bola e descontraio-me muito mais, como quando nós nos vamos confessar e, quando saímos dali, sentimo-nos muito mais leves.

     Há alguém que mereça um grande obrigada?

      Sim. Os meus pais, os meus familiares e os meus amigos. Primeiro, porque estão lá nos momentos bons e maus; mesmo que eu não lhes diga, eles conseguem saber que estou mal e tentam-me ajudar no que puderem, mesmo quando eu não quero, mas preciso, por isto é que eu acho que eles merecem um grande e magnífico “OBRIGADA”!

    Partilhe um aspeto da sua personalidade que gostaria de aperfeiçoar.

     Gostava de saber falar para muita gente e de ter coragem para levar com as consequências das minhas acções.

     O que é que a inspira?

Os meus sobrinhos, porque sempre que estou com eles, não paro de rir e são uma grande inspiração.

    Em três palavras, quem é?

     Sou uma pessoa simples, que quer aprender muito mais.

Perguntas do Blog de Marc and Angel

Carlota C, 6C

Rhythmic Gymnastics, My Passion

madalena_ginastica_velado

Imagem: Oferecida à Oficina

     Hello,

     My name is Madalena. I love rhythmic gym. I practice for a year and two months.

    My teacher is Carla Roque and we are about fifty girls between five and sixteen years old. We are a great team!

     We practice twice a week for about an hour in our school gymnasium.

     My favourite exercises are when we dance or when we make steps on pairs.

    We may dance with a hoop,(o arco) a ball, a pair of clubs (duas maças) or a  ribbon (uma fita). We throw them in the air while we make leaps (saltos), turns (voltas) or acrobatic manoeuvres.

    Rhythmic Gym is a mix of Ballet and Sport: it is very elegant and dangerous at the same time.

(Trabalho para o “Speaking” de Inglês)

Madalena C, 6A

O Salvamento da Tartaruga

2 weeks old

liesvanrompaey via Compfight

     Era uma vez uma tartaruga que estava numa poça que uma vaca tinha acabado de pisar. Eu salvei-a daquela mistela mal cheirosa. Mal a tirei dali, ela caiu num riacho fresquinho que a arrastou até a um lago.

     Eu lancei-me para dentro de um lago e por sorte apanhei-a. Depois, subi para uma rocha e sequei-a. Levei-a para casa e ela começou a habituar-se a mim.

     As tartarugas gostam de comer fruta. Dou-lhe de comer uma vez por dia e tem a piscina sempre limpinha. Mal ela me vê, agarra-se à minha mão e sente-se a felicidade entre os dois.

      Eu apanhei esta tartaruga porque o meu tio tinha uma tartaruga amiga que ele levava para os restaurantes e ela comia pedacinhos de carne em cima da mesa.

Alexandre, 5C

O Significado da Amizade

Vydubychi monastery at spring. Kyiv, Ukraine. N51

Viktor Kirilko via Compfight

     A amizade é muito importante, porque, se não temos amigos, nem temos vida. A Amizade está em tudo: é como o Amor e o Oxigénio: se não tivermos oxigénio, não vivemos, morremos.

     Para darem valor à amizade, nunca façam coisas más aos vossos amigos e, se um amigo ou uma amiga vossa quiser ser mau ou má com outra, tentem impedir.

     Não devem andar sempre com a mesma pessoa, porque senão pode ficar um bocadinho repetitivo e, se essa pessoa mudar de escola, vocês vão ficar sozinhos e isso vocês não querem.

     Mas também não julguem um pessoa pela aparência, porque eu tenho uma amiga que é muito estranha, mas é muito querida e tem bom coração.

     Se não querem acreditar em mim, vejam só uma parte do filme “Os Descendentes” no Disney Channel, “O Macaco de Rabo Cortado”, em que as crianças, gozavam com ele, mas depois ficaram muito amigos do macaco.

    Ou então, leiam o nosso livro que criámos aqui na Escola, que tem a ver com a Amizade e a Aparência. O livro chama-se “O Vestido do Lagarto” dos Cabeçudos, Fábrica de Histórias, como podem ver no site do Colégio Amor de Deus.

     Nunca percam a Amizade nem o Amor.

Madalena C, 6A

Perguntas para Pensar – II

 Colourful Fluid Painting Detail

Mark Chadwick via Compfight

    Se eu pudesse recomeçar  de novo, modificava alguma coisa?

     Se eu conseguisse mudar em mim, eu ajudaria mais os outros e não permitia que falassem mal de mim nas minhas costas.

       Se fosse para mudar o mundo, eu ajudaria as pessoas mais pobres e a comida iria ser mais barata para mesmo os mais pobres conseguirem aceder-lhe, mais facilmente.

É possível mentir sem dizer uma palavra?

     Eu acho que quando nós conhecemos muto bem uma pessoa, conseguimos perceber, pela sua feição, o que está a pensar ou o que vai fazer.

Qual é a diferença entre “viver” e “existir”?

    “Viver” é quando uma pessoa está a passar por um acontecimento, enquanto “existir” é algo que há de novo na vida de alguém ou de uma coisa. “Existir” significa algo que nunca viste e estás a ver pela primeira vez. “Existir” é um mistério que tu vais desvendando ao longo do tempo, e és tu que irás escolher o teu caminho…

Se tivesse que ensinar algo, o que ensinaria?

    Eu ensinaria que nada na vida é fácil e que, para teres uma vida como tu queres, tens que fazer por ela, pois nunca nada aparece sem esforço. Quanto mais nos esforçamos, mais fácil será a vida, e isso irás descobrir ao longo do tempo, pois nada cai do céu sem tu te esforçares.

Catarina C, 7D

Perguntas retiradas do site Marc and Angel

Comida Deliciosa

    alex_5c_almoco1Imagem: Oficina de Escrita 

      Gosto muito de comida, porque me sabe tão bem e alimenta o nosso organismo.

     Uma das minhas comidas favoritas é massa com salmão e natas, porque tem um sabor delicioso e enche-me muito a barriga. Uma das comidas que eu menos gosto é pizza com cogumelos.

     Gosto de cozinhar, porque assim saboreio a minha própria comida: massa com salmão, feijoada e salsichas, ovo estrelado e ovo mexido.

     Já cozinhei o meu próprio almoço e fiz salsichas, ovo mexido e ovo estrelado. Cozinhei sem ajuda e foi muito divertido, até me enganei na temperatura do fogão.

    Aconselho a quem se interesse a fazer comidas mais fáceis, como por exemplo, bolo de yogurte, para começar!

Lourenço C, 5C

A Defesa de uma Causa

simple drawings colorful drawings that can have concrete representational meaning or may just be composed of random and abstract lines

Creative Commons License Iloveart Iloveart via Compfight

    Eu defendi uma causa no passado: “As trocas comerciais”. Eu defendo as trocas comerciais, porque é sempre bom conhecer novas coisas e ficar com novos costumes. No futuro, eu gostava de defender causas do passado. Gostaria de o fazer com um grupo de amigos, porque é sempre melhor fazermos coisas acompanhados, pois torna-se mais fácil trabalhar.

    Eu ainda não posso lutar por uma causa, porque sou menor; só posso aos 18 e ainda tenho 9, mas este fim de semana, a 28 de Novembro de 2015, vou fazer 10, portanto ainda faltam oito anos para eu poder lutar por uma causa.

    Se a minha Mãe estivesse a ser raptada, eu fazia de tudo para a salvar, porque era a minha Mãe, e eu não consigo viver sem Ela!

João P, 5A

Perguntas para Pensar

Original Acrylic Abstract Painting on Canvas Panel "S8 XXIV"

Carl Dunn via Compfight

Que idade teria se não se soubesse a sua idade?

C – Eu acho que tinha 13, 14 anos, porque olhava para o meu corpo e sentia que tinha essa idade.

Se pudesse enviar uma mensagem a um grande grupo de pessoas, o que lhes diria?

C – Eu diria um simples olá e dois emojis a rirem-se para eles se sentirem mais contentes durante o dia. Diria muitas coisas: como defender uma pessoa de  quem ninguém gosta, diria tudo.

É possível mentir sem dizer uma palavra?

C – Eu acho que é possível, pelo olhar e os outros sentidos, porque as palavras não são o único meio com que podemos comunicar com as outras pessoas.

Se não for agora, então, quando será?

C – Não sei bem, mas seria quando o tempo mandasse.

Está a agarrar-se a alguma coisa que precisa de largar?

C – O medo de estar sozinha, o medo do futuro, o medo de perder professoras.

Fez ultimamente algo que mereça ser lembrado?

C – Sim, noutro dia o meu pai deu-me uma moeda e depois eu fui à missa e, no ofertório, dei essa moeda.

 Quem ama? Como cuida desse amor?

C – Eu amo muita gente: os meus amigos, a minha família, basicamente todos os que me rodeiam. Eu cuido do meu amor por eles a dar abraços, beijinhos, a dizer “adoro-te”…

Quando for muito velhinha, o que será importante para si?

M – Eu acho que o mais importante será a minha saúde e a da minha família, e que todos estejam felizes.

Coloca-se perguntas suficientes ou basta-lhe o que já sabe?

C – Eu sou das pessoas que coloca mais perguntas, porque acho que devemos estar sempre a aprender mais. Eu coloco muitas perguntas a mim própria, especialmente as que não aprendo na escola, como: como será o mundo dos mortos? Como serei quando crescer? Como é que o mundo surgiu? Se os acontecimentos se passaram como dizem… Como era viver no tempo dos meus avós? Etc.

Celebra aquilo que tem?

C – Às vezes, não, com muita pena. Eu acho que às vezes não dou valor às coisas que tenho, ou não aproveito as coisas boas da vida.

Que atividades lhe fazem perder a noção do tempo?

C – Só perco a noção do tempo quando estou a fazer coisas divertidas, como: falar com os meus amigos, dançar, basicamente tudo o que eu faço com gosto e amor.

Se pudesse recomeçar de novo, mudaria alguma coisa?

Eu não mudaria nada, porque aprendo com os erros, mesmo que sejam os poiores de todos, porque mesmo assim podemo-nos levantar e conseguir resolver.

Se tivesse um amigo que lhe falasse como às vezes fala consigo própria, quando tempo lhe permitiria ser seu amigo?

C – Eu dava-lhe todo o tempo do mundo, para ser meu amigo, porque, de certeza que era muito boa pessoa.

Se tivesse de ensinar algo, o que ensinaria?

C – Eu ia ensinar a Lei da Vida, mas não era toda, porque as pessoas têm de aprender como lidar com a vida, só lhes ensinava a moral da vida.

Perguntas escolhidas nos questionários de Marc and Angel Blog.

Carlota C, 6C

Teresa e Sabrina

teresinha_sabrina_mini

Imagem: Gentileza da Cavaleira 

     Era uma vez uma menina chamada Teresa, que adorava cavalos. Um dia, sua mãe deu-lhe uma égua chamada Sabrina: ela adorou-a!

     A Sabrina é um égua muito especial; antes de ir para a Teresinha, esteve no campo, a ter filhos. A Sabrina, no início, estava sempre muito atenta, porque não conhecia a sua nova casa e tinha que se ter muita paciência, mas agora já está muito calminha.

     A única coisa de que ela não gosta é que lhe façam pressão na cabeça. Às vezes, na boxe, ela não é muito amigável, mas cá fora, quando a Teresa está a trabalhá-la, é. A Teresa vai montá-la todos os dias.

     A Professora chama-se Sofia e a aluna gosta muito dela. A Sofia é uma ótima professora, pois transmite confiança aos alunos, põe sempre em primeiro lugar a segurança, explica muito bem a técnica e tem uma relação com os alunos que é quase como uma mãe.

     Quando a Teresa fez a sua primeira prova com a égua, correu muito mal, e até pensaram em mudar de égua. Mas pensaram melhor e, como era apenas  a primeira prova, podia ser normal.

     Passado um mês, já foi muito melhor: a Sabrina já não correu sem a Teresa a controlar e já não “borregou” diante dos obstáculos. A Sofia, para aperfeiçoar o conjunto, foi mandando a Teresa passar varas no chão, com muita calma e paciência, a fim de a égua se habituar e a Teresa calcular melhor as distâncias.

     Para quem não sabe, um obstáculo é composto por dois postes ou anteparas movíveis, de madeira, entre os quais se intercalam as varas a diferentes alturas.

     Agora, já passou muito tempo e a Teresa já está a fazer um metro, um metro e dez , com a égua a portar-se muito bem, a “limpar” as provas todas, isto é, sem borregar nem tocar nas varas.

     A Teresa também entrou, há poucas semanas, com um pónei, na Beloura, para o estrear em prova, por a dona ser ainda muito jovem.

     Finalmente, em Lisboa, no primeiro fim de semana de férias, a Teresa já saltou um metro e dez com grande entusiasmo da Sabrina e orgulho da sua Cavaleira. A Sabrina ajudou-a imenso: se a Teresa calculava mal a distância e se pusesse na posição de a égua “pôr a mão” para saltar, a que se chama “a saída na frente”, a égua, inteligente, ainda dava uma passadinha e só saltava mais à frente, salvando-lhe a falta!

Teresinha R de P, 7A

O Duarte Nasceu!

newborn boy

Jonnie Andersen via Compfight

     O Duarte nasceu na semana passada: ele é super fofinho; ele é um pouco alto, nasceu com 3 kilos, ele já abre os olhos que parecem estrelas cadentes caídas do céu. Ele ainda não tem cabelo, mas quando tiver, vai derreter as miúdas todas da escola e por todos os sítios por onde passar, elas vão ficar de boca aberta!

     Ele é bonito, mas quanto mais velho, melhor tem a noção do que faz.

     Conselhos, Mano: sempre que vires uma menina gira, vai falar com ela e elogia-a. Sempre que tiveres um amigo, não o persigas para estar sempre contigo, senão ainda se vai afastar de ti. Partilha com ele coisas de que gostas e semeia boas trocas de palavras.

     Sê persistente, Mano!

Vasco L, 6C

Quem será o meu Príncipe?

pegasus

Eddi van W. via Compfight

     Se eu quisesse ter um príncipe, ele seria alto, moreno, de olhos verdes. Seria sincero comigo, diria tudo o que pensava, o que sentia dentro do seu coração, diria o que pensava sobre mim.

      Essas coisas de dizerem que querem ter um Príncipe Perfeito é tudo uma treta. Os Príncipes não são como nós queremos, têm defeitos diferentes e nós gostamos deles à mesma e achamo-los engraçados quando têm sentido de humor.

     Nós não escolhemos por quem nos apaixonamos, o amor é que nos aparece à frente e o nosso coração diz para nós: “- Estou apaixonado.”

      Para manter o amor temos de nos dar bem com a pessoa de quem gostamos, sermos nós próprios e fazermos bem a quem amamos.

Sara M, 6C

O Acidente Imprevisível

  Ambulance

Med PhotoBlog via Compfight 

     No sábado, por volta das 9 30 ou 10h, ligaram para minha casa. Fui eu que atendi e perguntaram quem era, mas eu só consegui ficar uns segundos a pensar na minha resposta, porque os meus pais disseram para eu nunca dizer como me chamo a estranhos. Então, eu só  consegui responder:

     – Quem é o Senhor?  

     Eles respnderam que era da PSP e queriam falar com o meu pai. Eu fiquei superpreocupada, porque, como o meu pai é Presidente da Câmara, e andamos num tempo com terroristas, eu associei logo a isso. O Polícia disse que tinha acontecido uma coisa á minha avó ou mãe, mas para eu não me preocupar, porque estava tudo bem, ( o que os adultos mentem às crianças para não ficarem preocupadas).

     Depois passou o telefone à minha mãe e ela perguntou o mesmo com voz de choro. Eu voltei a dizer que não e passei o telefone à minha segunda irmã mais velha. Até esse momento, eu pensava que tinha acontecido alguma coisa á minha avó, que ela estava a ir para o Hospital e que a minha mãe queria dizer ao meu pai para desabafar a angústia.

     Eu, nesse momento, também estava com angústia, mas não queria dizer, para não se preocuparem. Nesse momento, eu estava a falar com a minha melhor amiga. Quando a minha irmã desligou, disse que a minha mãe tinha caído na feira, em Cascais. Eu fiquei com o coração a mil.

     A minha irmã foi para o Hospital. A minha mãe estava muito zonza e não sabia o que dizia (disse que se chamava Maria). Enquanto a minha irmã estava no hospital, eu e a minha irmã estávamos sozinhas, eu a arrumar as coisas, e a minha irmã a vestir-se. Depois, veio a minha irmã Catarina tomar conta de nós, mas tinha de ser eu a arrumar as coisas, porque ela estava grávida.

      Todos me diziam para ter calma, que não era nada de mais, só tinha feito uma ferida pequena, não era nada de grave. (Eu nunca acreditei muito). Também diziam que ia só coser e voltava para casa daí a pouco.

      Infelizmente, não foi assim, a minha Mãe teve um pequeno derrame e um traumatismo e só voltou para casa na quinta-feira. Mas felizmente, acabou tudo bem.

Carlota C, 6C 

Porque é que os Animais são Fixes

     A Long Time Away From New Zealand

Trey Ratcliff via Compfight

     Os meus animais preferidos são os cães e os gatos, pois acho que são muito fofinhos.

     Penso que os animais não devem ser maltratados, porque eles são como se fossem humanos; também se fôssemos nós, não gostávamos que nos tratassem mal.

    O animal que eu acho mais bonito é o cavalo. São muito belos os saltos que eles fazem e o encanto de como lhes preparam as crinas. O que eu mais gostei, quando passei um dia a dar conta dos cavalos da minha avó foi quando estive a pentear as crinas e a montá-los.

     A experiência de montar a cavalo é fabulosa, porque estamos a montar nós sentimos os ossos deles a moverem-se e faz um pouco de impressão, mas é divertido na mesma. Quando eu caí do cavalo não me magoei, mas o cavalo ficou muito triste e começou a gemer um bocadinho e eu pus-me em pé e ele ficou muito contente e continuei a montar.

     O animal que eu acho que deve passar o dia a dia connosco é o cão porque se nos acontecer alguma coisa, o primeiro a preocupar-se é o cão. Mas também, quando é preciso, atacam as pessoas que estão a fazer mal a alguém conhecido.

    “Os cães  nunca mentem quando falam de amor” pois eles são aconselhadores perfeitos sobre o amor, mas se têm dúvidas podem ver uma série na televisão, “o meu cão tem um blog”, no Disney Channel.

     Quem leu este texto, nunca se esqueça de tratar bem os animais, porque eles são humanos como nós.

Madalena C, 6A

Querido Pai

     a baby's hand - 26/366

Creative Commons License David D via Compfight

     Olá Pai,

     Hoje é o teu dia! Espero que tenhas um dia maravilhoso! Eu gosto muito como tu és: alto, forte. Também o teu cabelo faz-me lembrar às vezes o do mano, curto e crespo, só que grisalho. O teu rosto é oval, de pele morena, como a minha e a do mano. O meu nariz é igual ao teu: direito e fino. Os teus olhos são parecidos com uma amêndoa, castanhos e vivos. A boca, de lábios grossos, como um afia pequeno e muito sorridente.

      És muito brincalhão e paciente, não gostas de te zangar connosco; também és muito atento.

     Eu gosto muito das coisas que fazemos juntos, como quando vamos à praia, à piscina, ao parque e às compras nas quartas-feiras.

       Muito obrigada por seres quem és e por me teres dado o dom da vida.

Madalena C 6A 

 

 

A nossa Ida ao Bounce

bounce_vasco_lImagem: Bounce Portgugal  

     Foi emocionante para mim uma nova diversão com os meus amigos: Juliana, Mariana, Maria, Matilde e Henrique. Foi super bom, eu experimentei dar um mortal para a frente com uma prancha, eu gostei também, principalmente, de estar com os meus amigos.

     A Matilde O. deu boleia a mim e à Mariana S, até ao Bounce, ir e voltar; falamos sobre várias coisas divertidas. Quando chegamos ao Bouce, a mãe da Matilde foi-se embora para o supermercado. Passado uma hora de diversão no Bouce com os meus amigos, ficamos com fome e, com o troco que sobrou (1 Euros)  não dava para comprar nada.

      Então eu e a Mariana pedimos aos pais dos meus amigos se podíamos ir lá para fora e. só por acaso, encontramos 5 Euros! Demos um euro a cada um e lá fomos nós comprar comida ou uma bebida. Depois, contamos tudo à mãe da Matilde, ela ficou de boca aberta.

     De seguida, a mãe da Matilde foi levar-me a mim e à Mariana, ao Colégio para os nossos pais nos irem buscar. Eu e a Mariana ainda conversamos um bocado sobre “coisas” interessantes …

     E depois dissemos um ao outro: Adeus!

Vasco L, 6C

Entrevista a uma Jovem Escoteira

2Mem Martins _ Associacao_de_Escot

Escoteiros de Mem-Martins 1º Trimestre

Hoje temos connosco, na Oficina, uma jovem escoteira, Margarida C, que vem partilhar connosco algumas das suas vivências mais especiais.

 OE – O que a decidiu a tornar-se escoteira?

MC – O facto de poder ajudar o mundo em várias circunstâncias à nossa volta. 

OE Como por exemplo…

MC  – Levar as compras a casa de um senhora de cadeira de rodas; participar na Campanha de JJóticos e na dos Cem anos dos Escoteiros.

OE – Há quanto tempo pertence a esta Instituição Internacional?

MC – Estou inscrita desde os sete anos, já fui Lobito, nesta fase sou Escoteira e, na próxima etapa vou pertencer aos Exploradores que, no CNP – Corpo Nacional de Escutas – corresponde aos Pioneiros. Eu pertenço à AEP – Associação dos Escoteiros de  Portugal, na filial de Mem-Martins.

OE – Qual foi o melhor acampamento da sua vida?

MC – O Acampamento de Ribeira de Pena, pois foi aí que fui merecedora do cargo de Sub-Guia. Também fizemos guerra de pistolas de água, arborismo e rapel.

OE – Quais são as funções de um Sub-Guia?

MC – Ajudar o Guia, ajudar os Chefes quando eles precisam, ajudar a planear atividades, participar em jogos noturnos, ajudar a montar tendas. Uma vez ajudei na “Alage de Guia” que é um exercício de pioneirismo: fazemos o nó que se dá nas cordas que envolvem as bóias salva-vidas; construímos uma tripé que serve para criar uma mesa de almoço; fazemos uma esquadria, que serve para criar o perímetro do acampamento…

OE – Partilhe connosco uma experiência única.

 

MC – Uma vez, fomos de Mem Martins até à Praia das Maçãs e um colega nosso ficou a dormir na praia. Nós fomos embora, mas ele tinha levado o telemóvel escondido e conseguiu avisar-nos. 

OE – Muito obrigada pela sua partilha e as maiores felicidades para a sua belíssima aventura no Escutismo.

 

(Ditado) Margarida C, 6C 

Parece-me uma Eternidade

       The Happy Cousins

Skip via Compfight

      Olá Maria,

     Estou a escrever-te esta carta para te dizer: Parabéns! Pois estive sempre contigo nos teus anos, mas neste dia especial não estou.

     Também queria dizer-te o quanto sinto a tua falta:     

      Sinto falta das noites em que fazíamos vídeos engraçados, surgidos de sei lá onde; sinto falta de partirmo-nos às gargalhadas, só por dizermos palavras como “Kebab”, “Pudim”… (Não tenho ninguém com quem rir disto agora); sinto falta de darmos as mãos quando ninguém conhecido está a ver; sinto falta de irmos para a juveleo apoiar o Sporting…

     Resumindo: tenho saudades tuas.

    Tu disseste-me que voltavas rápido, “num piscar de olhos”, mas para mim parece uma eternidade.

     Para ti é o melhor ano da tua vida, mas para mim é o pior, porque não estás cá. Na revista onde apareceste, perguntaste se podias ficar mais um ano: Ai! Mas eu não conseguia aguentar! Se tu fosses mais uma vez, eu ia contigo, pois adoro-te e, se um ano sem ti é um pesadelo, quanto mais dois!

     Espero que voltes rápido!

Mariana S, 6C

Conversa com um Jovem Guitarrista

Stratocaster

David Ferreras via Compfight

Projetos Musicais para Fevereiro

    Vou tocar muitas vezes as minhas  guitarras, mas como invento solos, então não gosto que me ouçam.

    Há umas escalas e é suposto eu improvisar nessas escalas. Por exemplo, na escala de sol maior, começo no terceiro traste e na sexta corda; 1- 4- com o indicador e o mindinho; 1-3 com o indicador e o anelar; 1-3- igual; 1-3 – igual; 1 – 4 com dedo médio e o mindinho; 1-4 igual: é suposto improvisar, não fazer esta sequência sempre igual.

     Quando estou a inventar, não começo logo a tocar bem, tenho de ir fazer a composição e depois ainda treino; não sei o que vai sair; quando faço uma melodia de que gosto, consigo apanhá-la outra vez de ouvido. Criei uma chamada “Rock and Roll”.

Na escola de Música

     Primeiro toco a Valsa 2 na guitarra clássica, uma música nova chamada “little star”. Depois, passo para a guitarra eléctrica, depois tocamos o “get back” dos Beatles e o “Smoke on the Water” dos Deep Purple. Introduzimos efeitos e o meu amplificador dá  já para os fazer, pois comprei um igual ao da minha escola.

Perspetivas para Março

     Depois do Carnaval, as novas e últimas músicas que aprendi foram Layla de Eric Clapton, na guitarra elétrica e a Valsa 3, na guitarra clássica.

    As que vou aprender nos próximo fim de semana são “Purple Haze” do Jimmy Hendrix  e mais um bocadinho do solo do Hotel California dos Eagles que é a música favorita do meu avô.

Diogo Tv, 8A

 Memórias de Natal

Imagem: Imagenes de Navidad

     No Natal, costumo reunir-me mais em casa  da avó do lado da minha Mãe, perto do Jardim das Cervejas.

    Geralmente, todos em conjunto fazemos a Árvore de Natal e o Presépio. Temos o presépio completo: com pastores, casas, senhoras a lavar a roupa numas rampinhas inclinadas e que parecem umas escadinhas e com ovelhinhas. Pus uma ovelha bebé em cima de um miniskate e fiz a ovelha mais radical.

     Na Ceia, às vezes comemos massa no forno com queijo, carne picada, molho de almôndegas… não costumamos ter sobremesas tradicionais, às vezes comemos “mini magnuns” e também há gelado de baunilha, outras vezes de chocolate.

     A árvore está enfeitada com bolas que têm um papelinho: se o tirarmos, é um chocolate – então, vou sempre lá tirar.           Temos uma sala de televisão dos crescidos e outra para os mais novos: tem uma mesa com sois sofás para um e dois gigantes nos lados e uma tv. à frente. Aí temos uma mini-árvore, clicamos num botão e ela começa a cantar “Jingle Bell”.

    Há um ritual para abrir os presentes: quando acordamos, não podemos ir lá abaixo até o meu pai dizer:

    – Já pooooodem!

    O Pai põe uma música de Natal e nós vamos como uns doidos a rasgar o papel e a abrir tudo! Há sempre um presente para a família toda, como, por exemplo, a wii – mas eu é que a utilizo mais, as manas estão sempre no Dancing Days.

     As mais inesquecíveis prendas que já recebi foram a Wii, Mario Galaxy II para a Wii. O presente que gostei mais de oferecer foi um saco cheio de brinquedos que já não usava. Não ofereço desenhos, as minhas manas é que fazem isso, mas não é útil e depois queixam-se que eu não ligo.

  Miguel F, 5C