Por uma Nova Escola

Youth!Creative Commons License Georgios Liakopoulos via Compfight

        A Escola atual está a influenciar os alunos em vários aspetos negativos, mas também positivos. Nos últimos anos, estão outra vez mais pessoas jovens com problemas de coluna e défice de concentração. Neste caso, demonstra-se que tudo o que é demais, faz mal.

      Os professores dizem muitas vezes a mesma expressão: “A nossa vida não é só a Escola”,  mas às vezes parece que se esquecem dos alunos. Em vez de estarmos sempre só na sala de aula, podíamos ocupar também espaços abertos como o jardim, as mesas coloridas, o recreio atapetado, por baixo do pavilhão, e o nosso pequeno pinhal abandonado.

     Até, por exemplo, podíamos estar a jogar algum desporto, como o badminton,  uma professora fazia um pergunta e nós respondíamos atirando o volante de volta.

      Quando estamos no nono ano, não nos lembramos de muita informação de anos anteriores, que não tenha continuidade: por exemplo, noções de geografia, estudo das rochas, muitas informações históricas…

      Já a Matemática, se não soubermos a tabuada, não fazemos contas; em línguas também o que aprendemos é preciso para elaborarmos mais informação nos anos seguintes.

     Em relação à avaliação, em vez de estudarmos da pag 60 à 120, por exemplo, podemos fazer mini-fichas com cerca de 10 páginas, mais frequentemente; também podemos fazer uma micro-ficha sobre os assuntos dados na própria aula, nos últimos 20 minutos.

      Em vez de os professores corrigirem os nossos testes, nós fazíamos uma ficha, e os professores corrigiam logo na aula a seguir;  nós próprios corrigíamos enquanto os professores apresentavam as soluções no ecrã do computador, não as soluções deles, mas as nossas, que iríamos ditando ou sugerindo, no caso de serem assuntos de discussão.

      Se eu ensinasse a aprender, ensinaria o que era a vida: tinha de estar atenta às aulas, depois íamos arejar; na parte da tarde, quando viesse a sombra, estudava-se um pouco com resumos e apontamentos; de hora a hora, faziam-se intervalos de cinco a 10 minutos. Arrumavam-se os livros, levantavam-se os estudantes e variava-se de lugar: primeiro no jardim, depois por exemplo, num quiosque; outras vezes com amigos. No fim de semana, acordávamos de manhã no sábado, estudávamos até à hora do almoço. Ou então escolhíamos estudar só no sábado ou só no domingo.

          A vida vai mudar: aguentem, esperam, confiem.

(Em parte escrito, em parte ditado)

Sofia L, 9A

Print Friendly

O Dinheiro traz Felicidade?

Buring Money

Creative Commons License Purple Slog via Compfight

      O dinheiro não traz felicidade, porque, de que vale ser rico, se não tiveres amigos? Não se compra a amizade.

     Hoje em dia, o mundo anda muito à volta do dinheiro. Há quem diga que o dinheiro traz felicidade, mas uma pessoa pode sentir-se só, e quando não houver mais nada que comprar?

     O dinheiro é “tipo” uma peste: veio e deu cabo de tudo, por isso é que o mundo gira à volta do dinheiro.

     O dinheiro não é infinito: quanto mais se comprar, menos é o dinheiro que as pessoas têm. Há pessoas que trabalham das nove às dezassete, para receber um salário mínimo todos os meses. Há pessoas que não têm condições para cuidar de si e da sua família.

       Esqueçam o dinheiro e concentrem-se nas coisas mais importantes da vida.

Bernardo M 7A

Print Friendly

Azar ou Apenas Falta de Jeito?

desaparecido Stolen w-heels via Compfight

     O tema deste texto já é muito famoso mundialmente, mas não é famoso por concertos ou programas de tv, mas sim por velhas e ingénuas teorias que arranjam desculpa para os erros das pessoas; porque eu não sei quem foi o parvo que há 2500 anos decidiu dizer às pessoas:

     – Caros aldeões, Deus falou comigo e disse-me: Se alguma vez vires um gato preto, tudo vai correr mal. Se partires um espelho, durante 7 anos serás perseguido por algo novo chamado azar!.

     Sinceramente, qual foi a ideia desse tipo? Será que viu um gato preto e tropeçou nele? Será que matou alguém atirando contra um espelho e arranjou como desculpa que foi “azar”? E ainda estou a por azar entre aspas, porque, sinceramente, isso existe?

     Coitado de Deus, já deve estar com multas da cabeça aos pés! Afinal sempre que alguém leva uma multa, diz que foi azar.

    Agora, pergunto a vocês, leitores: acham que o azar faz sentido? Afinal, hoje em dia, toda a gente culpa uma força sobrenatural por todos os problemas da vida, só porque não sabe assumir esses problemas e porque pensa que tudo na vida é sol e felicidade. Mas esquecem-se que sem chuva não há arco-íris.

     E a seguir a isto tudo, só tenho uma dúvida: porquê, porque é que os nossos antepassados ainda não perceberam que isto não devia ser ensinado às novas gerações e, ainda por cima, por que é que eu, que tenho 12 anos, descobri mais cedo do que algumas pessoas adultas, que o azar é uma pura ficção, ainda menos realista que o “Star Wars”?

Duarte P, 7C

Print Friendly