O Monstro das Profundezas – 2

Hello HaloweenCreative Commons License Maurits Verbiest via Compfight

     De repente ouvi:

    – Ali está o Monstro!

    Peguei no rapaz e fui para o vulcão dando os meus saltos de grande alcance.

    Enquanto escalávamos, um dos caçadores acertou-me com uma das suas balas frias e perfurantes, mesmo no braço onde eu segurava o pobre rapaz indefeso.

    Sem querer, larguei-o e caiu pela cratera do vulcão. Como a cratera era muito funda, enquanto o menino estava a cair, eu saltei para o ajudar. Como eu sou á prova de fogo, consegui agarrar o menino em plena queda, antes que ele fosse derretido pela lava.

    Atirei então uma bomba que fez ir os caçadores pelos ares, e como viram a minha bravura, não se atreveram a chamar-me monstro. Ofereceram-me, como recompensa, uma cura, para eu voltar a ser um rapaz normal outra vez.

    O meu companheiro tornou-se um grande amigo e fomos para a mesma escola!

Francisco M N, 6A

O Monstro das Profundezas – I

Arenal volcano, Costa Rica Gregoire Dubois via Compfight

    Eu, o Monstro das Profundezas, aterrorizo as cidades por causa dos meus superpoderes mutantes! Os meus poderes são: lançar fogo das mãos e saltar tão alto que posso andar de prédio em prédio; o meu último superpoder é a invisibilidade: é fantástico!

     O único problema é que as autoridades querem apanhar-me e prender-me. Acho que esse é o preço a pagar por ser um monstro.

    A minha casa é um enorme vulcão no Hawai. É divertido viver num vulcão, pois nunca tenho frio. De noite, caço animais, como aves ou peixes, pois sou carnívoro.

    Eu não faço mal às pessoas, mas como sou diferente dos outros, eles têm dificuldade em comunicar comigo.

     Um dia, um menino encontrou-me perto do vulcão, estando eu já cansado de caçar as aves que estavam a dormir, para o meu pequeno-almoço nutritivo.

      O menino estava num acampamento de escuteiros e tinha-se perdido, mas, em vez de me atacar, dormiu comigo e deu-me festinhas, pois eu sou meio-animal, meio-monstro.

      Quando acordei, tentei levá-lo para o acampamento, pois, enquanto tinha estado a caçar, apercebi-me do local de encontro dos escuteiros.

      Quando nos aproximávamos, outro menino viu-me e foi contar aos caçadores da floresta, que foram logo à minha procura! De repente, ouvi:

      – Ali está o monstro!

(Continua)

Francisco M N, 5A

The Revolution

Halo: Reach | Lone WolfCreative Commons License Joshua | Ezzell via Compfight

      In 2036, the Halgy Army started buying weapons and military equipment from the Tall Gys or the “Gorks” as we call them. The reason why this was happening was because the Gorks were years ahead of us on that subject. They had equipment that no other country had and we wanted that same military power. We started paying they started delivering, everything was going fine until that one day…

     In a matter of minutes, we watched all that equipment shut down like if someone just pressed an off switch. The next day, the Gorks invaded the whole conuntry and on that same day we surrended. The Gorks started to build outposts in checkpoints all over the country, started making new rules, the whole country was now in what seemed to be a nightmare.

     6 months have past since the invasion; a rebel’s group created by Ryan Stintson was starting to get noticed by the Gorks. This group was launching assaults against outposts. They weree slowly starting to get the people’s attention.

     2 Years Later The rebel group was now stronger than ever, they have taken down every single outpost. All that was left to do was conquer the American Military bases the Gorks were using as main outposts plus the ones the Gorks had built.

     Everything was set up, it was time to strike…

Rodrigo L, 9B

A Jóia

Police officer Black Zack via Compfight

     Era uma vez um homem muito perigoso, o mais procurado de  todos: tinha acumulado cadastros relativos a assaltos de bancos e fugas de prisão. Ele era uma pessoa que não se cuidava, tinha uma barba até ao umbigo, umas sobrancelhas hirsutas e uma boca assustadora, com dentes para fora e um nariz superminúsculo. 

     No dia 28 de Setembro de 2016, o homem planeou uma lavagem de dinheiro com o seu amigo presidente do banco. Esse dinheiro chegava no dia 31 de Dezembro – já sabem o ano – e quem o transportava para a mansão do homem mais procurado era o funcionário ou o secretário do presidente do banco.  

     O funcionário estava preocupado com as paragens de auto-stop, porque o que havia lá atrás era sério. Então, passado uma hora, foi mandado parar pela polícia e o camionista estava muito assustado porque eles tinham cães altamente treinados.

Lourenço C, 6B

Life of Horses – IV

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

      Um dia, a Flora estava muito zangada com tudo e com todos. Ela estava numa cerca muito linda, mas como ela queria fugir, fugiu. Passou por montanhas, vales e florestas, até chegar a um prado muito florido.

     Estava a passar por lá um Mustang, que era diferente dos outros: era todo preto, com uma crina muito grande, só que estava com um penso na crina.

    Ele estava a ir em direção à Flora; ela tentou fugir, mas não conseguiu, porque as ferraduras novas estavam a fazê-la tropeçar. De repente, apareceu um cavalo à frente dela que lhe disse:

     – Olá, eu sou o Veloz, um cavalo dos Índios!

     A Flora apresentou-se:

     – Olá, eu sou a Flora, eu era um cavalo selvagem, só que me apanharam. Queres fazer uma corrida?

      Respondeu o Veloz:

      – Claro! Mas acho que tirarmos-te essas ferraduras.

      Eles deram coices em pedras, em árvores, até que as ferraduras caíram. Começaram a correr: o Veloz ia á frente, mas a Flora deu um salto e ficou próxima dele. O Mustang ficou em primeiro lugar, mesmo assim, por uns segundos a mais que a Flora.

     O Veloz disse:

     – Queres conhecer os meus donos?

     A Flora respondeu:

       – Quero!

      Quando chegaram à vila, os humanos agarraram logo a Flora para ficarem com ela, mas chegou lá uma menina para ajudar aquela pobre égua. A menina acalmou-a e ficou com ela, porque a Flora não queria sair de junto dela.

      O Veloz disse, a rir:

      – Ah, ah, ah! Mal chegas e já tens uma dona! E essa é uma treinadora de cavalos.

      Enquanto estavam a falar, a menina pòs-lhe um arreio e uma manta azul por cima dela para a montar.

Margarida L, 6B

Life of Horses – III

HorseCreative Commons License Mark via Compfight

     Num dia de concurso, era a vez de Trovão. Mas havia um pequeno problema: o Trovão só conseguia saltar ao ouvir rock’n roll do Elvis. Só que o rádio estragou-se, porque um gato saltou para cima dele.

     Então tiveram que comprar um rádio novo que tivesse grandes colunas para que os gatos tivessem medo deles. Tinha chegado a vez de Trovão: ele deu grandes saltos, correu como se fosse a luz; o juri ficou espantado e deu-lhe a nota máxima.

     Quando chegou a vez de receber o prémio, ficou o Trovão em 1º lugar, a mãe em 2º e, em 3º, um amigo da Flora.

Margarida L, 6B

Life of Horses – II

Keeping an Eye on ME, brightened.Creative Commons License Tom Driggers via Compfight

     Numa certa quinta, estavam a precisar de cavalos e de mais animais.

     Lá viviam duas pessoas:  a Inês, a irmã mais velha, que tinha um longo cabelo da cor do mel e uns olhos da cor do mar; ela usava uma camisa azul, umas calças castanhas claras e umas botas de cavaleira; e a sua irmã mais nova, Mariana, que tinha também o cabelo da cor do mel e uns olhos azuis como o céu; ela vestia-se com um casaco cinzento. calças de ganga e botas de montar.

     As duas irmãs foram montar os seus cavalos para irem procurar mais vinte mil cavalos, por isso voltaram para a montanha. Passadas três horas, chegaram e apanharam logo o chefe; com o chefe apanhado, todos os outros foram atrás dele, até a sua filha.

     Quando chegaram à quinta, prenderam todos os cavalos num campo com cerca eletrificada. Tentaram montar a Flora, que já era uma grande égua. A Mariana caiu logo, mas a Inês conseguiu. Ela ficou muito contente, mas o pai estava sempre preocupado com ela, porque mesmo que ela estivesse presa ali, continuava, na mesma, a falar com a loba e o leão que já eram grandes.

     Passados cinco anos, os cavalos todos já estavam domados. A Inês tinha dois cavalos: a Flora e o Trovão, o chefe. A Flora passava a vida a ser toda arranjada, o Trovão era usado para concursos e a mãe passava a vida a fugir.

Margarida L, 6B

Life of Horses – I

I think horse photography is going to be my new pleasure !! Welsh photographs via Compfight

     Era uma vez, numa terra distante, onde viviam veados, cavalos selvagens, zebras e muitos outros animais, numa floresta gigantesca com cascatas.

    Mas havia alguém que não era feliz: os cowboys que adoravam apanhar cavalos selvagens novos!

     Espalhou-se uma nova mensagem do chefe dos cavalos selvagens, Trovão:

     – Um novo potro vai nascer! Passados 5 minutos, já se via a nova cara. Ela estava a saltar  pela montanha! A nova cara era amarela como o mel, com olhos azuis e as crinas eram castanhas como a casca das árvores.

     Passado um ano, essa linda égua já estava grande, e o pai dela chamou-a:

    – Flora, vem cá!

    – Estou a ir, pai!

    A única coisa que ele queria dizer era para ela não passar da fronteira onde estavam os lobos e os leões. Mas ela estava com tanta curiosidade, que foi. Ela foi rodeada por um leão e por uma loba.

    – O que está aqui a fazer uma eguinha?  – exclamou a loba, ao ver a Flora.

   – Deixem-me em paz, eu queria só fazer alguns amigos.

   E disse a loba:

     – Que sorte que eu tenho! Eu também só queria uma amiga, em vez desse leãozinho. Eu sou a Veloz e esse leão aí é o King.

     – E eu sou a Flora.

     De repente, saltou um cavalo para ajudar a Flora, porque pensava que iam atacá-la.

     – Não lhes faças mal, Cinza! – gritou a Flora – São meus amigos. Eles também, só com uma patada, tu caías ao chão. Já sabes que não és forte.

Margarida L, 6B

Avatar – II

Imagem: Avatar Movie

     A vida de Miriam não era só trabalhar: ela adorava basketball; então, pensou em formar uma equipa.

     – Vou ver se encontro dois Avatares humanos. Mas em vez de encontrar dois Avatares, encontrou dois humanos que estavam a surfar.

      Ela chamou o seu Dragão, mas em vez de vir sozinho, veio Jason, e gritou:

      – Porque estás aqui? Este é o sítio dos humanos!

      – Eu sei, deixa-me em paz! – E subia no seu Dragão, levantando voo.

       Chegou ao pé dos dois rapazes, desceu do seu Dragão e perguntou:

       – Querem ser Avatares?

       Os dois responderam em coro:

       – Sim!

       Eles foram buscar os seus Avatares e Miriam perguntou:

      – Quais são os vossos nomes?

       – O meu nome é Artur e este é o Lourenço, mas tratam-no por “Cata”.

       A Miriam decidiu:

      – Tu, Artur, vais-te chamar “Urso” e o Lourenço vai-se chamar “Cata”, não quero mudar.

      Ela apresentou-os ao Chefe, mas em vez de lhe dizer que eram humanos, disse que eram mesmo Avatares. Depois perguntou-lhes se queriam fazer uma equipa de basquete, mas primeiro teve de lhes dar um Dragão a cada um cavalo, porque os jogos de basquete precisavam deste equipamento.

      Foram voar, mas sempre que um deles caía, Miriam ia apanhá-los com o seu Dragão.

Margarida L, 6B

Avatar – I

 

Imagem:  Avatar Movie

     Era uma vez num planeta distante, umns seres bastantes diferentes: eles tinham o dobro do nosso tamanho, eram como uns tigres azuis às riscas; de um tom azul escuro e o resto azul-claro; o seu cabelo era da cor do chocolate negro.

     Uma menina da mesma espécie chamava-se Miriam e era a filha do chefe Raksa. Miriam tinha um dragão gigante, vermelho, com riscas pretas, algumas partes amarelas e a ponta da cauda tinha um bocadinho de azul. Ela também tinha um cavalo exatamente igual a ela.

    Mais ou menos a 10 km dali viviam humanos que, quando montavam esses seres, a quem vamos chamar Avatares, ficavam com os seus corpos para  transportar a mente dos humanos para o cérebro dos Avatares.

    E havia um novo recruta para os humanos, o Jason, que era paraplégico e, quando o puseram na mente do seu Avatar, ficou louco de alegria, porque ele conseguia andar!

    No dia seguinte, Jason foi fazer explorações com o seu Avatar, porque ele já não conseguia sair daquele corpo.

     Nessa altura, encontrou Miriam. Os seus companheiros já tinham o solto lá para fora. Miriam, como sabia que ele era humano, gritou com um ar muito furioso:

     – Sai daqui!

      Mas quando Miriam lhe foi acertar com uma flecha, apareceu um espírito pois, quando os Avatares querem matar um ser humano, ás vezes aparece um deus.

  – Eu não vou fazer nada de mal.  – E baixou a flecha.

     Miriam chamou o seu Dragão e disse:

     – Sobe, rápido!

     O Dragão não queria que o espírito subisse também. Então, a Miriam não o pôde deixar ir: foram pelo chão, passaram por árvores maiores que uma montanha, chegaram a uma ilha flutuante e alcançaram a árvore da vida. 

(Continua)

Margarida L, 6B

 

The Heist

Day 10: Round Up the Usual Suspects Paul Howard via Compfight

13th March 2009

Today, we got some information about a weapon truck that was going to deliver stock to Amunition Store uf the state. We decided to attack it, due to both its low protection and the place. Making moves up in the desert of Deusix was really easy. There weren’t many cops there and some of them were afraid of the local gangs and dealers. We just had to be the firsts to get there.

15th March 2009

Today, we attacked the truck; it was a easy hit. Our only problem was that Franklin, my partner, got shot in the arm. We decided to attack a truck instead of just buying the weapons, because this way is harder to track them back to us.

16th March 2009

Franklin is recovering alright; today we are going to make not so vilan things. Mitchel is going to get some masks and I am gong to get Jump suits.

17th March 2009

The heist is tomorrow; if eveything oes well, we should get about 90.000.000 $. It’s a bank in the South and only certain people deposit their money there. It doesn’t have much security and it looks like it is poor to try to avoid robberies. I don’t think that’s very efficient. We spent all day yesterday getting some things like a drill, smoke grenades and  a fast car.

18th March 2009

Today is the day. We will make our move on the bank. 

Rodrigo L, 8B

The Royal Lion

The Hunter and the Rabbit

The cliche of the rabbit and his carrotCreative Commons License Luis Alejandro Bernal Romero http://aztlek.com via Compfight

     Rick was a simple hunter. He didn’t do much, besides go out from day to day to hunt a rabbit or a bird for his lunch; he would also make bread for breakfast and take care of his plots of tomatoes, carrots, lettuce and other vegetables that he would use for dinner. He didn’t have TV, hot water, electricity or any of those things that most of us take for granted.

    He had build a house out of logs he had cut with the axe he hunted with. He was an “Axe Master”. He was capable of hitting a moving bird with it. Besides hunting and taking care of his plots, he, sometimes, would go for swimming in a lake nearby. He was alone everyday.

     One day, when he was having dinner, near the lake, a little rabbit showed up; Rick thought about if wether or not he should kill it for next day’s lunch. He decided not to and, instead, gave him half a carrot. He laught at the bunny eating the carrot, due to its cuteness.

Rodrigo L, 8B

Da Cidade para a Liberdade

Coming in for a closer look

Geraint Rowland via Compfight   

      Era uma vez uma senhora muito rica que estava farta daquela “fantochada”: uma vida materialista, onde se vivia apenas para o lucro e o bem-estar material e, olhando para as outras pessoas simples, invejava a sua vida.

     Um dia, zangou-se com a sua família e saiu de vez com o dinheiro que trazia nos bolsos e na carteira, o que não era pouco. Com esse dinheiro, comprou uma casa linda, por uma pechincha.

     Porém, o tempo foi passando e ela foi ficando cada vez mais velha e cada vez mais desleixada. Sem amigos e com tanta solidão, cada vez tinha mais animais.

     Um dia, eu passei por lá e fiquei maluco: vi porcos, galinhas, cabras e yorkshires! Vi ao longe um pessoa e fui até lá: parecia uma bruxa, com os cabelos no ar, um cheiro pestilento e umas pantufas estragadas.

(Continua…)

Alexandre S, 6C

A Fuga de Carminho e “Ananás”

Little PumpaCreative Commons License Dmitry Kalinin via Compfight

      Era uma vez uma menina chamada Carminho que gostava muito do seu animal de estimação que era um bulldog Francês, o “Ananás”. A relação entre a Carminho e o “Ananás” era muito forte. Uma noite de lua cheia, eles fugiram e desapareceram.

     A mãe da menina estava muito preocupada, por isso foi à procura dela. Levou consigo o Lavrador preto, “Bela”, e o Cocker, “Buddy”, que farejavam concentradamente o caminho. A mãe avançava, segurando as trelas com toda a força até ao jardim zoológico e começaram a saltar mostrando ter encontrado uma pista.

(Continua)

Maria M, 6B

O Monstro – I

Stormy SeaCreative Commons License Mark via Compfight  

      Miguelito era um aventureiro, gostava de explorar florestas e mares desconhecidos. Sempre que possível, ele contratava uma tripulação e lá partia em direção ao desconhecido, em busca de uma história ou até mesmo de um tesouro. Miguelito, uma vez, tinha descoberto um tesouro na costa do continente africano e foi o suficiente para deixar aquela tripulação inteira rica e isso só o motivou a continuar.

     Miguelito ia, mais uma vez, embarcar numa nova viagem. A tripulação era pouca, mas o suficiente para uma viagem planeada, era só ir comprar especiarias à Índia.

     – Chefe, gosta deste ventinho? – perguntou o Capitão do barco com um sorriso na cara.

     – Por acaso até gosto, Capitão. – respondeu-lhe Miguelito.

     – Bem, ainda vai ficar melhor.

     Miguelito não percebeu e apenas acenou com a cabeça que sim. Miguelito nunca tinha ido à Índia, visto que toda a gente, naqueles dias, lá ia. Só tinha ido desta vez para também abrir um negociozinho de especiarias, para ajudar a pagar as suas viagens.

     A noite caiu, Miguelito foi-se deitar a ler um livro, até que adormeceu. Houve alguns abanos do barco, mas Miguelito calculou que não fosse nada e voltou a dormir. Dormiu durante nove horas, mas ele não sabia que o que iria encontrar fora do quarto era algo que iria fazer com que ele não dormisse por bastante tempo.

     Saiu do quarto e viu corpos rasgados e espalhados pelo chão. Um tripulante estava sem pernas, mas ainda vivo, rastejava em pânico, como se a fugir de algo. Tentou dizer alguma coisa, mas o esforço foi em vão, colapsou e morreu. Miguelito estava em choque, como se congelado, até ouvir um som que o descongelou logo. Entrou de volta no seu camarote. Pensou no som que tinha ouvido e a única coisa a que o conseguia associar era a um monstro.

(Continua)

Rodrigo L, 8B

Para Esquecer – III

Spring Dream

jaci XIII via Compfight

      Francis estava de saída do cemitério quando o seu pé ficou preso. Raízes com flores maravilhosas começaram a crescer em volta do seu corpo. Começou a chamar pelas pessoas mas era  como se ele fosse invisível e todos estivessem surdos. As raízes cobriram-lhe os olhos e parou de conseguir ver.

     De repente, voltou a ver, mas agora estava no seu quarto. Levantou-se, pegou no telemóvel e ligou para a avó. A chamada foi atendida pela voz meiga e alegre da sua avó. Francis, a seguir, não disse nada, até que a sua avó desligou o telemóvel. Repetiu a ação com seus tios e avô.

     Foi à aplicação “Basketlovers” e viu que jogo já tinha sido no dia anterior, que os Maquiavels tinham triunfado sobre os Igotes, num jogo que acabara 107-69.

     Perguntou ao pai o que tinha acontecido durante o jogo e este disse-lhe que ele tinha adormecido a meio e contou-lhe as melhores jogadas e cestos.

     Francis pediu à mãe se podiam ir lanchar a casa dos avós. Esta tratou de tudo com a avó e lá foram eles, juntamente com os tios. Francis abraçou-os a todos com força e estes, sem perceberem o que estava a acontecer, simplesmente deram-lhe um abraço de volta. Francis estava quase a chorar, mas conseguiu aguentar-se.

     No fim, contou o seu sonho ao resto da família e estes ficaram muito sensibilizados com o tal sonho. Decidiram que era melhor esquecer aquele sonho e continuar as suas vidas felizes e sem pensamentos negativos. 

Para Esquecer – III

       Forever Fifteen

Creative Commons License Midnight Believer via Compfight

       Francis simplesmente acenou que sim e voltou a ver a sua série. O episódio que estava a ver acabou, ele foi pôr o prato na cozinha e começou a ver o seu youtuber favorito “TheRoyalLion” no telemóvel, até que o seu pai o chamou para irem embora.

     O pai de Francis era dono de uma empresa de carros, a “Stinger”; estes carros eram praticamente a junção de Ferraris com Lamborguinis e Mercedes. Eram os carros mais poderosos do mercado e eram utilizados até por corredores profissionais nas corridas de automóveis. O pai de Francis tinha acesso, se quisesse, a um exemplar de cada carro, de graça; mas dos dez que já tinham sido produzidos, ele só tinha escolhido dois.

     Entraram então no Stinger 500 Buzz, vermelho, e fizeram-se á estrada. Francis olhava pela janela e via as matrículas dos carros, coisa que ás vezes o alegrava, quando eram engraçadas. Viu uma que tinha escrito “DYNKM3M35” e não conseguiu evitar um sorriso. Seguiram-se “D14MOND” e “83H4PPY”. Ele sorria cada vez mais, mas quando chegou à Igreja, o sorriso transformou-se numa expressão séria e pesada.

     O funeral demorou meia-hora e quando acabou a cerimónia foram para o cemitério assistir ao enterro. Foi um momento intenso e o facto de três dos quatro caixões estarem vazios e dentro de um estar um corpo todo queimado, não ajudava. A única maneira de saber que era mesmo a pessoa certa foi devido a um dedo não ter sido carbonizado, o que permitiu analisar impressões digitais. A avó de Francis não pôde comparecer por estar internada no hospital com queimaduras graves. Francis estava já de saída do cemitério quando, de repente, o seu pé ficou preso.

(Continua)

Rodrigo L, 8B

O Dia em que Me encontrei com o Passado

El Oceanario, Isla de San Martín de Pajarales, Cartagena, Colômbia.

Elias Rovielo via Compfight

     Lá ia eu para mais um trabalho que parecia simplesmente mais um. Equipei-me, saltei e mergulhei para aquele paraíso a que chamo mar. Era uma beleza! As pedras do fundo estavam incrustadas de mexilhões coloridos e grutinhas de onde espreitavam pequenos polvos desconfiados.

      Nós íamos procurar uma nova espécie de caranguejo: “o caranguejo arco-íris”. Ele vive a uma grande profundidade, mas nada que eu ainda não tenha feito. Estava eu à procura do caranguejo, quando encontrei um mastro e pensei: “Onde será que está o navio?”

      Procurei, procurei e finalmente encontrei-o: parecia ser uma nau portuguesa, não só porque tinha proa dupla, mas também porque havia indícios de uma cruz na vela. O navio estava muito afectado pelo mar; via-se logo que tinha sido um naufrágio muito violento: o casco estava partido em vários sítios, por onde saíam e entravam pequenos cardumes dançando juntamente com alguns tubarões.

     Decidi entrar cuidadosamente, por causa dos tubarões…

(Continua)

Miguel F, 9B

Para Esquecer – II

Foco

Ana Guzzo via Compfight

30 Minutos Depois

     Amanda recompôs-se, sentou-se ao lado de Francis e, lentamente, explicou-lhe o sucedido. O seu avô e tios maternos tinham morrido e a sua avó tinha partido um braço, que ficara todo queimado e iria ter de ser amputado. Francis tentou processar tudo aquilo mas não conseguia e tudo o que conseguiu dizer foi um fraco “OK”.

     Os pais ficaram confusos, mas não disseram nada.

3 Dias Depois

     Estava um dia de sol, Francis foi acordado pelos raios de luz que entravam pelos buracos dos seus estores. Viu as horas no seu telemóvel e levantou-se. Tomou um banho demorado, vestiu uma camisa branca, gravata preta e calças de fato também pretas; pôs o seu desodorizante favorito, o “seven senses”, pôs gel no cabelo e foi fazer o pequeno-almoço. Sentou-se no sofá e começou a ver “Family Guy”.

    A sua mãe veio ter com ele, num vestido elegante, preto. e perguntou-lhe se queria mesmo ir ao funeral de todas aquelas pessoas.

(Continua)

Rodrigo L, 8D

 

Cuba Maravilhosa

Caribbean beach series . Cuba

Nick Kenrick via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Cláudia que foi de férias para Cuba, durante uma semana. A Cláudia foi de avião e, quando chegou, viu a praia, a piscina e quis ir logo dar um mergulho.

     Quando pôs o pé, viu que estava fria. Então, quis ir fazer escalada: a Cláudia, quando estava a fazer, gritava que ia cair. A sua amiga Matilde disse que não ia cair. A seguir, foi ela a subir e estava numa excitação.

      Depois, foram andar de canoa; andaram uma contra a outra, a ver quem ganhava. Ganhou a Matilde!

     Passados dois dias, foram a um museu e viram tantas coisas bonitas!

     No dia seguinte, foram almoçar, estavam com muita fome… O jantar foi peixe e estava uma delícia! Depois foram ver a praia de noite: tinha velas na areia, tudo iluminado!

     Finalmente, tinha chegado a hora de ir embora: estavam muito tristes. A viagem de avião foi muito agitada, porque estava a formar-seu um furacão sobre o mar das Caraíbas. Elas tiveram algum medo, mas correu tudo bem.

     Quando chegaram a casa, estava à espera da Cláudia a sua irmã Carolina que queria saber as novidades daquelas maravilhosas férias!

Mariana C, 6A

Para Esquecer

Creative Commons License Riik@mctr via Compfight

     Francis estava sentado no sofá com seu pai, Jack, a ver o jogo de basketball : Estavam a perder quando, de repente, uma luz laranja e gritos preencheram o pavilhão. A transmissão foi abaixo e, em menos  de dez minutos, todas as transmissões, mesmo as dos canais infantis, foram substituídas por uma transmissão de notícias de última hora.

     Teria havido um ataque terrorista no pavilhão: havia milhares de mortos e centenas de feridos; sobreviveram poucos e a maior parte deles tinha perdido membros devido ao impacto ou às chamas que os levaram a cinzas. Era algo terrível.

     Francis apressou-se a ir chamar a Mãe para testemunhar aquele acontecimento horrendo. A sua Mãe, Amanda, ficou paralisada até que, de repente, olhou para o lado e afastou-se a chorar. Começou a correr para o telemóvel. Francis e o pai tentavam perceber a quem ligava a Mãe. De repente, o pai lembrou-se que os Avós de Francis tinham ido àquele jogo com os tios, mas preferiu deixar Francis “no branco”. Os outros avós de Francis ligaram logo para Francis, para confirmar que ele não tinha ido ao jogo.

      Depois de uma hora, Amanda desligou o telemóvel, correu para o quarto e Jack correu ao seu encontro. Francis continuou  a acompanhar o acontecimento na TV.    

(Continua)

Rodrigo L 8D

Fairies and Trolls

     La piscine des fées

Christophe Maclaren via Compfight

     Once upon a time, fairies, trolls and other magical creatures lived in the world we live today. The world was prfect, it was nature and magic all over it. That is… if you leave out the trolls.

     Fairies were a very kind species of magical criatures, I mean… who weren’t… If…again you  leave out the trolls …

     As you probably already understood, the trolls weren’t very famous among the rest of the magical creatures and you gotta understand why: they were ugly, they smelt bad and even if the other creatures invited them to parties, wanted  to be   with them, they would never even show a smile, basically, no matter how they were treated, they would always be sad.

Rodrigo L 8B

Um Cãozinho no Acampamento

'Camping On The Coast' - Anglesey

Kris Williams via Compfight

        Era uma vez uns meninos que iam acampar. Eram o João, o Pedro, a Maria e a Matilde. Iam passar as férias de verão a Cuba.

     Quando chegaram, montaram a sua tenda numa mata verdejante, á beira do mar das Caraíbas.

     Ao anoitecer, ouviram um barulho esquisito e tentaram averiguar.

    Descobriram, num tronco oco de uma árvore um cão pequenino, de pelo branco curto, de orelhas caídas, a ladrar, muito aflito.

     A Maria é que o encontrou primeiro: os rapazes treparam à árvore, mas o Pedro caiu, só o João é que chegou até ao buraco do tronco.

     Quando o João tirou o cão  do buraco, ficou muito contente, e numa aflição que podia ter caído, mas correu tudo na perfeição. E os miúdos gritaram de alegria.

     Depois era a hora de ir fazer surf: estavam numa excitação! Gostaram muito de fazer aquelas manobras. Foi uma loucura e muito divertido.

     Passado dois dias tinham de ir embora. Estavam tristes por terem de deixar o acampamento, mas no fim ficaram contentes por saberem que o cãozinho ia com eles.

 Mariana C 6A

A Terra Prometida

     

Asparrena

Paulo  melystu via Compfight

     Era uma vez uma terra muito distante… o seu nome era a TERRA PROMETIDA! Era linda e maravilhosa, os hebreus queriam conquistá-la. Mas tinham de passar pelos Cananeus, os povos mais fortes de Jericó. O rei e a rainha de Jericó eram maus e ácidos.

   Os povos hebreus andaram 40 anos para conquistar a Terra Prometida. Josué era o líder dos povos hebreus e o seu tio Moisés era o antigo líder. O deserto onde viveram 40 anos tinha uma paisagem impressionante: viviam ali serpentes, escorpiões, cabras, camelos e, junto dos oásis, havia cavalos.

     As estrelas, tão bonitas, iluminavam a noite, fazendo toda a gente sair da sua tenda para observá-las. Mudavam-se para longe, a andar dia e noite; sempre que chegavam a um lugar agradável para dormir,  mulheres encantadoras, e com vozes espetaculares, cantavam sempre em festas especiais e também dançavam em roda.

     No seu dia de combater Jericó, os Hebreus estavam muito ansiosos para ganhar, claro que com a ajuda de Deus. Chegaram a Jericó e começaram a combater com os seus inimigos, os Cananeus. Acabaram a luta para ganhar a promessa de Deus: a TERRA PROMETIDA! Todos gritaram:

      – Vencemos!

      E foi aí que conseguiram conquistar “A Terra Prometida”

Layane S, 5C

De Paris a Lisboa em Bicicleta

Imagem: An engineer on a Bike    

      O nosso querido antigo aluno Miguel Dias, recém formado com distinção em Engenharia aeroespacial, tem agora de tomar uma decisão complexa: doutorar-se imediatamente ou estrear-se no mundo do trabalho?

     Criou então um contexto original que contribua para o pôr em “modo de desafio”, a fim de ver mais claramente os prós e os contras da decisão que vai mudar, em breve, os rumos da sua jovem vida. Desde o dia 15 de maio, como podemos seguir no seu site, partiu, de bicicleta, rumo a Lisboa, numa aventura que combina “couchsurfing”, coragem de pedalar e a atração por amizades ainda desconhecidas.

    Em jeito de homenagem, publicamos aqui um texto seu, escrito aos 11 anos, que já anuncia, de algum modo, como é essencial trilhar o que assume forma de caminho real, isto é, o que nos abre a um futuro verdadeiro: 

Imagem: Oficina de Escrita

“Nunca caminhes fora do caminho,

fora do caminho só econtras o mal,

mas, se caminhares dentro dele,

só encontras felicidade.

Dentro do caminho aprendes a viver,

a respeitar e a ajudar,

mas fora dele só aprendes a roubar e a fazer mal.

Vai sempre pelos caminhos,

fora deles só há tentação e maldade.

Se fores pelos caminhos, podes demorar mais tempo,

mas encontras paz, harmonia e felicidade.”

Miguel Dias, 2004

Conversas na Oficina: Em Defesa da Pátria – II

Imagem: Colégio Militar da Luz

     Gosto muito de arriscar, adoro mesmo! Já pensei em ser polícia, mas os tropas é que fazem quase tudo: vão para as guerras, protegem os cidadãos… Uma vez, eu estava a ver um jogo no Porto, começaram-se a meter com o meu Pai,  veio um militar e Pumba! no meio da corneta, com a pistola de laser!

     Quero ser tropa de operações especiais: são os mais perigosos do mundo; temos toda a liberdade, acertamos em alvos com tiros de G3, usamos canhões…

     A 1ª Missão que eu queria fazer era proteger Portugal da Ucrânia e da Rússia, pois eles estão loucos pelo Petróleo, mas os carros vão ser movidos a água – com um litro dão a volta ao país. Como o petróleo vai acabar, eles podem ficar loucos contra Portugal.

     Queria usar um fato especial de comandos. Na minha carreira militar, quero ir para países distantes, proteger mulheres e crianças. Como vou para o Colégio Militar, quando tiver 20 anos já vou estar a fazer tiroteios com coletes à prova de bala. Venho do Colégio, com a minha professora Inês e com a minha Mãe, todas as quartas-feiras para jantar. Sempre que me puderem ir ver a marchar, no desfile anual do Colégio, iam a minha Mãe e os meus primos; a professora Inês tirava fotos e mostrava no blog.

Francisco N, 5C

A Vida Selvagem – XVII

   Batman and Robin (1949), movie poster illustration by Glenn Cravath

Tom Simpson via Compfight

     A Família ia acampar com os seus amigos, mas a Safira e os irmãos não queriam ir e então ficaram em casa.

     O Michael ficou com eles, o seu empregado e o pai. À noite, a Safira ouviu uns barulhos, assim como todos os seus animais. Foram todos lá abaixo, à entrada e viram uma pessoa com fato de morcego.

     A Safira, sem pensar, deu-lhe um pontapé e o estranho gritou:

    – Calma, sou eu, o teu pai! Eu torno-te numa companheira de um Super-Herói.

     Então, a Safira tornou-se a companheira do Batman e a ajudante de Safira era a sua pantera.

     Foram todos dormir e, de manhã, a Safira foi  ver o Michael para lhe contar tudo.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – XVI

_IGP1045

Creative Commons License Stah via Compfight

      Foi um grande jantar, com bifes, batatas, bolos, frutas, saladas e sobremesas. No final do jantar, o Michael perguntou à família da Sabrina:

       – Querem ir ao cinema?

       A Sofia perguntou:

      – O que é o cinema?

       E a mãe respondeu:

     – Nós temos uma sala de cinema! Vamos, venham!

      Quando chegaram à sala de cinema, foram com  a bicharada atrás. Passadas três horas, já estavam a sair e a Sabrina disse:

      – Eu gostei do filme: era a história de uma menina que vive com os lobos.

      O Michael  perguntou:

      – Posso levar a Sabrina a um Parque de diversões?

      A Mãe respondeu:

      – Desculpa, mas agora elas vão ter uma aula de equitação.

      O Michael perguntou:

     – Posso ir?

      O Pai respondeu:

      – Sim.

      Quando chegaram ao picadeiro, viram aqueles cavalos amarrados e as duas irmãs exclamaram:  

      – Nós usamos os nossos! Deram um grande assobio, e lá vieram os dois cavalos. Um senhor estava pronto para lhes pôr uma sela, mas a Sofia e a Sabrina disseram que não era preciso.

     Quando estavam na sua aula, o instrutor estava sem palavras e gritou:

     – Vocês não precisam de aulas!

Margarida L, 6B

 

O Melhor Natal de Sempre – II

     Which one's him?

Simon Webster via Compfight

      Mais tarde, enquanto se preparavam para sair para a atmosfera gélida, estavam excitadíssimos. Além de terem a oportunidade de observar um fenómeno natural magnífico, poderiam aproveitar para colocar em prática o seu plano. Saíram e foram ter com o guia turístico, que os conduziu à zona da casa do Pai Natal. Enquanto alguns turistas, incluindo o tio, preferiram ficar no exterior à espera de ver a aurora boreal, outros, à semelhança dos primos, foram visitar a casa do Pai Natal.

 À porta encontraram um aviso que dizia: “Fechado para férias”. Enquanto os outros turistas discutiam perplexos a invulgar situação, os primos esgueiraram-se em direção a um edifício lateral com uma placa reluzente na qual se podia ler: “Oficina. Interdito a visitantes”. A Rita piscou o olho aos outros que retribuíram a piscadela e, cautelosamente, entraram. Ficaram maravilhados com o que viram: uma imensa sala cheia de máquinas, umas de embrulhar presentes, outras de colocar laços e de etiquetar com o nome e endereço dos destinatários. Decidiram “pôr mãos à obra” e tentar salvar o Natal de milhões de crianças de todo o mundo. Trabalharam alegremente em conjunto e com espírito de entreajuda, para conseguirem que todos os embrulhos ficassem prontos para distribuição, até ao limite da exaustão.

      – Acordem, meninos! Ainda vamos chegar atrasados à Consoada! – exclamou o tio, com voz forte.

  Acordaram estremunhados no autocarro de excursão e sem saber se aquela aventura tinha sido um sonho ou realidade. Apressaram-se a sair do veículo e correram para a mesa, onde a restante família os aguardava.

 Depois da animada ceia de Natal, os primos conversaram um pouco acerca do sucedido.

   – Acham que tudo não passou de um sonho? Bem, mesmo que não tenha sido apenas imaginação, os presentes nunca serão distribuídos este ano, pelo que não serviu para nada. – observou, com tristeza, a Mariana.

   – Animem-se! Ao menos já adiantámos trabalho para o próximo ano. – retorquiu, sabiamente, o Vasco.

   A Constança, que não era muito faladora, rematou melancolicamente:

 – Sabem? Eu acho que recebemos o melhor presente de sempre… estivemos juntos em harmonia, concentrados apenas no bem de todos, fomos tolerantes, pacientes e esquecemo-nos dos defeitos que habitualmente só vemos uns nos outros…

   Os oito primos abraçaram-se visivelmente emocionados.

Na manhã seguinte, despediram-se já com saudades, mas todos tinham de regressar às suas casas. Já em Portugal, a Rita e os irmãos observaram estupefactos, quando entraram na sala da sua casa, a árvore de Natal rodeada de presentes e um cartão que dizia: “Muito obrigado. Sem vós não teria conseguido!”

 Quando o telefone tocou, a Rita olhou para os irmãos e adivinhou de imediato o que os primos, completamente eufóricos, lhes queriam contar…

  Enfim, foi o melhor Natal de sempre!!!

Maria Leonor Simões Matos Pinheiro e Valadares (CAD – 5º B)

1º Prémio no concurso literário “Um Conto de Natal 2016” (escalão B – Texto original – Alunos do 2º ciclo do ensino básico)

O Melhor Natal de Sempre – I

Sleigh

Steven Feather via Compfight

      As tão desejadas férias do Natal tinham começado há quase uma semana mas, naquele dia, a Rita não podia estar mais ansiosa e entusiasmada: ia visitar o seu tio que estava a fazer um mestrado na Finlândia e, como se não bastasse poder “matar” as saudades que tinha do seu tio preferido, iriam hospedar-se, com toda a família, num hotel na terra do Pai Natal! Só esperava que as coisas corressem melhor do que nos anos anteriores, em que os primos não paravam de se desentender, devido aos seus temperamentos tão diferentes…

     Quando chegou à sala, os pais já estavam lá fora a colocar as malas no carro. Antes de entrar no carro, a Rita verificou mecanicamente a caixa do correio, constatando que existiam três cartas idênticas, respetivamente dirigidas a si própria e a cada um dos seus irmãos. Abriu de imediato a sua e leu, incrédula: “Cara Rita, lamento informar que este ano não poderei distribuir os habituais presentes, pois estou absolutamente esgotado e resolvi tirar umas férias. Espero que compreendas e que nunca te esqueças de que os presentes são a parte menos importante do Natal. Boas Festas! Assinatura: Pai Natal”.

        Já no aeroporto, entregou as cartas aos irmãos que, ao lerem-nas, ficaram tão atónitos como ela.

        – Então e a minha Barbie Starlight Adventure? – indagou, furiosa, a Patrícia. E acrescentou: – O Pai Natal não tem o direito de tirar férias agora, sem pelo menos ter alguém que o venha substituir!

     A Rita, que sabia como a irmã mais nova conseguia ser irritante, egoísta e mimada, encolheu os ombros, mas o Pedro, sempre pronto a ajudar, tentou acalmá-la:

        – Calma! Olhem, já que vamos à Finlândia, podíamos ir à casa do Pai Natal e investigar o que se passa… Provavelmente, estas cartas não passarão de uma brincadeira de mau gosto…

      Não puderam acabar a conversa, pois chegara a hora de embarcarem no avião.

     A viagem foi longa e, por isso, os irmãos passaram praticamente o tempo todo a dormir e, quando não o estavam a fazer, a utilizar os respetivos MP3, consolas e telemóveis. Em “modo de voo”, claro!

        Ao chegarem a Helsínquia, onde fizeram escala, já lá estavam os tios e os primos que tinham vindo da Alemanha – a Constança, o Vasco e a Mariana, com os seus pais -, mas tiveram de esperar pelo resto da família que viria dos Estados Unidos da América. Quando todos chegaram, saudaram-se efusivamente e seguiram juntos para Rovaniemi, onde fica a Vila do Pai Natal.

     Já novamente no avião, os primos americanos, Michael e Kathy, e os que viviam em Berlim contaram-lhes que tinham recebido exatamente a mesma carta, nos respetivos países onde moravam, o que começou a deixá-los francamente preocupados. Todos concordaram com a ideia inicial de Pedro, à exceção da Kathy, que proferiu, irónica:

        – Se quiserem, vão vocês… Eu prefiro ficar na cama, mas teria todo o prazer em acompanhar-vos se estivéssemos em Nova Iorque ou em Paris e o Pai Natal vivesse lá… Lá é que o Natal tem classe e elegância…

     Os primos entreolharam-se e pensaram de si para si como a Kathy continuava a ser a presunçosa de sempre… Entretanto, chegaram ao hotel, onde já estava o tio, que os recebeu com grande festa. Abraçou-os um a um e indagou:

     – Como estão, queridos sobrinhos? O que dizem a acompanharem-me, logo, numa excursão para tentar ver a aurora boreal?

        Todos adoraram a ideia, até mesmo a Kathy e exclamaram em uníssono:

        – Siiiiiiim!!!!!!

(Continua)

Maria Leonor Simões Matos Pinheiro e Valadares (CAD – 5º B)

1º Prémio no concurso literário “Um Conto de Natal 2016” (escalão B – Texto original – Alunos do 2º ciclo do ensino básico)

Um Destino Difícil

     IMG_0469

Creative Commons License Steve Baker via Compfight

     Era uma vez uma Agente de Segurança de uma das pessoas mais importantes do mundo que, por causas misteriosas, foi despedida. E desde então, andava perdida pelas ruas, ao pé da minha casa. Foi acusada injustamente de um crime que não fez. Os vizinhos acusaram-na de andar  a roubar cães e decidiram chamar a polícia. Mas ela negou ter feito esse crime; a polícia quis detê-la, para reunir mais informações, mas ela, revoltada, deu um pontapé num dos polícias e, misteriosamente, desapareceu nas sombras… Depois desse acontecimento, não foi vista durante três meses.  

     Até que um dia,  o meu próprio irmão teve uma atitude inaceitável de assobiar àquela pessoa revoltada contra a vida. Indignada, respondeu uma coisa que não lhe saiu do coração. Outro dia, um bêbado foi malcriado com ela e disse-lhe coisas indecentes. A mulher, furiosa, espancou-o e pô-lo inconsciente.

       Naquela angústia amargurada, correu chorando pelas ruas; as pessoas, passavam de carro a olhar para aquele imenso desespero. Nesse momento,  a Senhora teve um ataque e caiu no chão; outra senhora, que passava  de carro, decidiu parar para ver se podia ajudar. Aproximou-se inocentemente e, ao debruçar-se, ela acordou da crise, mas, na sua loucura, agrediu a senhora, mordendo-lhe as mãos até se ver o osso!

       Passou um condutor que, admirado com aquele drama, decidiu chamar a polícia. Quando a polícia chegou, foi obrigada a agir e deu-lhe com um “taser”.

       A Senhora foi presa, mas, depois de 15 meses, foi libertada e levada para um Centro de Recuperação da Comunidade Vida e Paz. Aí melhorou muito, graças a um psicólogo que a ajudou imenso e, quando ela ficou boa, acabaram por casar!

Alexandre S, 6C

A Cave – II

German soldier carrying ammunition forward during the German counteroffensive, in the Belgium-Luxembourg salient. January 2, 1945.

Jared Enos via Compfight

Duas Semanas Depois

     A força alemã estava a ficar cada vez menos forte na França, muitos soldados tinham sido enviados para os campos de batalha na Rússia, mas mesmo assim, ainda se sentia.

      Enquanto eu me perdia nos meus pensamentos sobre a derrota dos Alemães, entraram pela porta e alojaram duas balas no crânio do pai de James; os quatro separaram-se pela casa e só um veio cá abaixo à cave. Nós não tivemos tempo de nos esconder, mas, quando olhamos para o soldado, era o meu irmão!

     Ele nunca tinha sido muito de religião e por isso consegiu safar-se da morte, mas foi depois capturado e obrigado a ser soldado pelos alemães. Todos  congelamos, não podíamos acreditar.

     Não houve tempo para abraços, porque os companheiros do meu irmão já estavam a perguntar se era preciso descer para ajudar. Ele gritou que não e, rapidamente, tirou  a pólvora quase toda de quatro ou cinco balas e explicou-nos que só ia doer um bocado, devido à falta de pólvora e que,  assim, nós podíamos parecer mortos e depois só tínhamos que tirar as balas do peito.

      Era costume os soldados deixarem os corpos onde os matavam. Ele pediu-nos desculpa e, quase a chorar, disparou uma bala no peito de cada um. Realmente, só doera, nem nos tinha atirado ao chão.

      Os companheiro desceram as escadas apressadamente e viram-nos no chão, onde já nos tínhamos deitado para fingir de mortos. Eles limitaram-se a dizer “Bom trabalho” e a subir de volta as escadas.

     Depos de ourvirmos a porta da casa a bater, esperamos um pouco, levantamo-nos e fomos buscar o kit médico do pai de James. Tiramos as balas,  desinfetamos as feridas e pusemos ligaduras.

     James estava desaparecido, mas depois desceu à cave e contou-nos tudo sobre como se tinha escondido. Contamos-lhe o que acontecera ao pai e quebrou em lágrimas com a notícia.

     Pouco tempo depois,  a guerra acabou e pudemos sair da cave.

(4º TS de Português) Rodrigo L, 8B

A Cave – I

Masses / Quadrature (DE)

Ars Electronica via Compfight    

      Lá estava eu, escondido numa cave de um amigo da escola. O pai dele tinha-nos deixado esconder ali, até ao fim da guerra. Depois do recolher obrigatório (1),  o meu amigo James descia até à cave, com comida, os livros da escola  e brinquedos. Ele ensinava-me o que tinha aprendido, jogávamos com soldados  e fingíamos que os Ingleses e Americanos começavam a conquistar território aos alemães. Mas depois  lembrávamo-nos sempre dos submarinos alemães (2) que afundavam os barcos americanos que traziam armas, comida e outros mantimentos que eram necessários lá em França.

        Um dia, enquanto brincava com o James aos soldados, a Militia (3) entrou pela porta: agarraram no pai de James e começaram a interrogá-lo. Aparentemente havia suspeitas de judeus e, se nos encontrassem, matar-nos-iam  a sangue frio. Estes eram as pessoas que não tinham qualquer problema em matar quem quer que fosse. Eles dirigiram-se à porta da cave, mas eu, a minha mãe, a minha irmã e o meu pai já tínhamos descoberto sítios perfeitos para nos escondermos. Fizeram uma revista ao de leve, empurraram umas caixas, olharam por um bocado, mas depois foram-se embora. A Cave providenciava muitos esconderijos devido à sua dimensão e à quantidade enorme de caixas.

      Algum tempo depois, as tropas alemãs tinham começado a perder território na Rússia e o Reino Unido estava a conseguir, aos poucos, entrar na Europa. Muitos espiões  entravam por Portugal, mas a maior parte eram mortos pouco depois de entrar na Alemanha, devido a serem descobertos. 

     (1) Em França, enquanto foi dominada pelos Alemães, existiram horas de recolher obrigatório.

     (2) Estes submarinos patrulhavam o oceano Atlântico e afundavam qualquer navio americano que tentasse aproximar-se da Europa.

     (3) Polícia francesa que fazia todo o trabalho sujo que a polícia normal não conseguia; trabalhavam a favor dos Alemães.

(Continua)

(3º TS de Português)      Rodrigo L, 8B

 

Aventura Selvagem – XV

     Riley's reaction to last nights US presidential debate.

Valerie via Compfight

      As irmãs estavam muito felizes. A mãe perguntou se queriam ir ao ZOO e, como elas não sabiam o que era, quiseram ir.

      Quando chegaram, viram aqueles animais todos presos e quiseram logo soltá-los. Passaram por portas secretas, lasers, animais, só que estes não lhes fizeram nada. Até às 9h00, já tinham aqueles animais todos soltos. A mãe gritou:

     – Filhas! Vão já para a limousine!

     A Sofia, que era a Escura, perguntou:

    – O que é que fizemos?

    – O que vocês fizeram foi soltar os animais todos.  – Disse a Mãe.

    A Sabrina, que era a Loba Selvagem, embora os pais trocassem os nomes delas, disse:

     – Eles são animais exóticos, não podem ficar aqui presos para sempre.

    Depois de chegaram a casa, a Sabrina saiu, foi ver a cidade e conheceu um rapaz que se chamava Michael e que era rico: ganhava, por semana, mais ou menos 100 000 000 000 000 000 500 euros. 

     Ficaram logo amigos: o Michael tinha olhos azuis claros, o cabelo loiro e roupa casual: era um casaco preto com uma camisola branca e calças de ganga, que era o estilo da Sabrina. O Michael perguntou:  

     – Queres que te leve para casa?

     – Obrigada, mas eu vou de outra maneira; se quiseres, podes vir comigo. – Respondeu a Sabrina.

     Sabrina chamou a sua pantera e disse a Michael:

     – Queres vir ou ficas aí a olhar para o nada?

     Michael subiu muito apressado para o dorso da pantera e Sabrina avisou:

     – Agarra-te!

     Passados dez minutos, já estavam em casa e a Sabrina perguntou:

     – Queres entrar?

Margarida L, 6B

O Ratinho Corajoso

     rhabdomys pumilio

Joachim S. Müller via Compfight

     Era uma vez uma matilha de cães selvagens e loucos. Eles matavam um animal em cada hora. Viviam numa caverna especial, com muitos ossos e um terrível mau-cheiro.

     Um dia, um ratinho tão pequenino, ficou cansado, porque ele não podia atravessar a floresta por causa dos cães selvagens. Mas, no dia seguinte, ele conseguiu sair, porque a sua mãe lhe deu uma varinha.

      O Ratinho perguntou:

     – Mas porquê, Mãe?

     A Mãe do ratinho disse:

     – É de condão.

     Os irmãos do ratinho gritaram todos:

     – Boa Sorte!

The Wild Dogs were out to play.

Wild in Africa. via Compfight

     E o ratinho saiu. Na floresta estavam todos os animais a tremer de medo. O ratinho foi para essa caverna, cheia de mau cheiro. Os cães selvagens rosnaram:

     – Outro idiota!?

    O ratinho exclamou, apontando a varinha:

     – “Ridiculus”!

     E todos os cães selvagens se tornaram uns cachorrinhos a chamar pela mãe e correram com medo da escuridão da floresta. Então os lobos, as corujas, os veados, os esquilos, as raposas, os coelhos, os ouriços-cacheiros, os pássaros chamaram-lhe “o herói” porque ele salvou toda a floresta com a sua coragem.

Svetlana T, 5B

 

Aventura Selvagem – XIV

     Roxane (?) - WIP

Agathe’ via Compfight

     A Loba Selvagem estava muito contente, porque ela e a irmã iam para a cidade, durante um ano, com os seus animais todos: raposas, leões, panteras, cães, aves, crocodilos…

     Quando chegaram, tinham uma mansão à sua disposição, onde vivia uma senhora de 40 anos e um senhor de 50 anos.

     Quando as meninas entraram, elas encontraram umas roupas na porta do quarto: para a Loba Selvagem umas calças rasgadas, com uma camisola vermelha e um casaco preto. A irmã tinha um vestido azul escuro com uma fita azul clara. Depois que se vestiram, foram ver os donos da casa.

     – Será que estas meninas são as que perdemos há 19 anos?  – interrogou-se a velha senhora Sofia.

     Quando viram a Loba Selvagem, reconheceram aquele sorriso, os olhos e o cabelo. Os dois gritaram:

     –  Filha!

     As duas, que eram as filhas dela, começaram a fuir e perguntaram:

     – Quem é que são?

     Respondeu a Sofia:

     – Nós somos os teus pais!

     As duas ficaram assutadas, mas confiaram. Os pais lobos continuaram a ser pais delas.

     Voltaram a correr para a Floresta. Como descobriram, foram dizer à mãe Loba e disseram para ela ir viver para a cidade, para a casa. A Loba mãe concordou e foram todos os lobos.

     Quando a Mãe Sofia e o Pai Rodrigo viram aquela alcateia, assustaram-se, mas as irmãs disseram:

     – Estes animais são os que  nos trataram e este é nosso irmão.

     Os pais humanos perguntaram: – Como é que eles vos percebem?

    Elas responderam:

    – Graças a estas pulseiras.

Margarida L, 6B

Aventura Selvagem – XIII

Leopard on famous leopard rock at dusk

Shanaka Aravinda via Compfight

     Estava tanta chuva que ninguém queria sair de casa; a pantera adormeceu em cima dos três irmãos.

     De manhã, a Loba Selvagem tentava sair de baixo da pantera; passadas 3 horas, conseguiu. Acordou logo a pantera Safira e exclamou:

     – Eu estava tão quentinha e agora pareço um bloco de gelo!

    – Vamos dar uma volta – propôs a Loba Selvagem.

    – Só se formos todos, mas está muito frio – queixou-se a pantera Safira.

     – Mas quem disse que íamos lá fora? Vamos acordá-los a todos: tu acordas estes, tu, os otros todos.

     Encontraram-se todos na caverna e perguntaram á Loba Selvagem:

    – Onde vamos?

     A Loba Selvagem não disse nada e puxou uma pedra; para lá dessa rocha, estava uma gruta gigante, com cascata, árvores, coqueiros, bar…

     Exclamaram:  – Não sabemos o que dizer!

     As panteras, a primeira coisa que fizeram foi subir às árvores; os leões rugiram cinquenta vezes; os cachorros nadaram, os gatos estavam em cima das panteras e os irmãos a mergulhar!

     O pai viu uma pantera e foi lá dentro. Quando ele viu as panteras, os leões, os cães, os gatos e os filhos, gritou:  

     – Atacar!

     Ele só disse “atacar” porque é outro lobo, caso não se lembrem. Todos os lobos correram para as árvores, mas… A Loba Selvagem pôs-se á frente. O pai disse:

     – Sai da frente!

    – Não, eles estão do nosso lado! Espera, tu, o meu pai, sabias que eles estavam do nosso lado!

     O falso pai começou a correr e a Loba Selvagem gritou:

     – Atrás dele!

     Correram por bosques até o apanharem, mas os lobos não aguentaram e quiseram matá-lo. E mataram-no mesmo!

      O que irá acontecer a seguir?

Madalena L, 6B

A Aventura Selvagem – XII

   IMG_1918

Ignacio Avendano via Compfight

      Passados cinco anos – portanto, a Loba Selvagem tinha 18 anos – ela tinha ficado muito séria, já não brincava com os lobos pequeninos. Mas ela não gostava nada de trabalhar assim.

     À noite, os lobos estavam todos de vigia e repararam num lobo não identificado. A Loba Selvagem gritou:

     – Atacar!

     Mas logo parou, porque reparou que era o seu Pai, mas diferente, agora regressava todo preto! Todos os lobos gritaram:

     – Chefe, Chefe!

     A Família dele gritou:

     – Pai, Pai!

     E a Loba Selvagem disse, com grande alegria:

     – Já não vou ser chefe!

     Começou a correr como se não houvesse fim, até encontrar os seus irmãos que tinham saído e gritou-lhes:

     – Já não sou chefe! O Pai voltou!

     Deram todos um grande abraço. E disseram em conjunto:

    – ‘Bora dar uma volta com os animais.

     Foram buscá-los: os dois irmãos sentaram-se nas panteras e a Loba Selvagem no Simba.

     No dia seguinte, fizeram uma grande festa  de manhã. Descobriram que o pai, que pensavam ser o seu, era um lobo mau da outra alcateia; mas reparou no que lhe fizeram e tornou-se bom.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – XI

     White wolves

jaci XIII via Compfight

     Os três irmãos correram para casa, porque já estavam a ficar muito de noite. Eles chegaram a casa e estavam o pai lobo e a mãe a tentar fazer um plano de ataque; a Loba Selvagem perguntou:

     – O que aconteceu?

     – Nós vamos á Guerra logo de manhã!

     – Nós vamos dormir com os nossos animais noutro sítio; de manhã, já estamos cá.

     Começaram a correr para o sítio dos cavalos com os seus animais todos.

     De manhã, os cães, as panteras, os leões , começaram a ouvir lobos a correr em direção ao sítio onde a Loba Selvagem morava e estavam os animais todos a tentar acordar os irmãos.

     Quando todos saltaram para cima deles, eles acordaram.

     Sem dizer nada, começaram a correr, pois já era para aí meio-dia. Os irmãos mais novos iam pelo chão a correr, com os outros animais. E a Loba Selvagem, com as panteras, pelas árvores.

     Quando eles chegaram, a Loba Selvagem pensou que ainda havia mais árvores e saltou: todas as panteras tentaram agarrá-la, mas caíram todos uns em cima dos outros. O Pai disse:

      – Estão atrasados! – com uma cara muito irritada.

      – Desculpa, Pai – disseram os irmãos. E foram andando. A Loba selvagem ia pelas árvores que ela adorava.

      Quando chegaram, começou a guerra: lobos para um lado, lobos para o outro…

     No final, estava a mãe sentada ao pé de um lobo que era o pai deles que estava cheio de sangue. Quando a Loba Selvagem viu, começou a correr em direção à mãe e, quando chegou, deu um grande abraço à mãe, nem conseguiu dizer nada.

      E como o Pai morreu, era a fila a comandar, isto é, era a Loba Selvagem a governar a alcateia.

Margarida L, 6B

 

A Rapariga das Estrelas – III

     Cascades Mountain Scene

Russ Seidel via Compfight

      Ela decidiu comer os biscoitos e, de repente, começou a voar, mas sem conseguir controlar por onde ia.

      – Ah! – Gritou a Rapariga das Estrelas.

Oseus amigos pássaros, ao vê-la em pânico, pegaram nos três dentes-de-leão e deram-lhe.

Quando ela pegou nos dentes de leão, consegiuu equilibrar-se mas começarama por levá-la até às Estrelas.

 Quando chegou, viu que elas eram um mundo totalmente diferente, cheio de riachos da cor mais azul e cheio de árvores completamente verdes.

Ela virou-se e os seus amigos transformaram-se em pessoas como ela.

– Mas quê – Exclamou a rapariga.

– Olá, Estrela! – Ainda bem que voltaste! Sabes, tu foste para à Terra quando estavas a viajar e bateste com a cabeça. Nós ficamos aflitos, mas aquela área era desconhecida, então transformamo-nos em pássaros para ninguém desconfiar.

– Uau! Então esta é a minha casa?

– Sim, Bem-Vinda, minha amiga!

Maria S, 6C

A Rapariga das Estrelas – II

Dandelions

Creative Commons License Eamon Curry via Compfight

    – Estás bem? – Perguntaram os seus amigos pássaros.

     – Sim, estou, mas ainda não vou desistir de ir às estrelas – respondeu ela cheia de entusiasmo nos olhos tristes e quase a perder a esperança. – Por mais que tente, vou sempre cair no chão.

     Os anos foram passando e a rapariga não desistiu.

     Um dia, de repente, ela encontrou uma velhota com uns biscoitos estranhos, que pareciam ser rijos como o aço mas também moles como a espuma do mar. A velhota foi ter também com a menina e disse-lhe:

     – Olá, Estrela. Toma estes biscoitos e não deixes de acreditar nos teus sonhos.

      E apontou para cima.

     – Mas o meu nome não é Estrela!

     – Foi um palpite, sabes, porque queres ir tanto às estrelas? É porque tu vieste de lá.

     – O quê? – exclamou a rapariga, espantada.

     Quando olhou à sua volta, a velhota tinha desaparecido, mas deixara uma mala cheia de cartas, biscoitos e três grandes dentes de leão. Ela decidiu abrir as cartas e todas falavam no mundo que eram as estrelas e como eram belas.

     (Cont)

Maria S, 6C

A Vida Selvagem – X

     Cheetah

Eric Neitzel via Compfight

      Estavam todos em casa e os três irmãos estavam todos a dormir. A Loba Selvagem acordou de noite e, como não conseguia dormir, foi lá fora. Foi ter com o seu cavalo Trovão.

     Ela foi para uma gruta gigante, para falar com um amigo leão. E disse:

      – Olá!

      O leão saltou para cima dela e gritou:

      – Eu quero viver contigo!

       A Loba Selvagem disse:

      – Sim, anda!

       Ele deitou-se aos pés da Loba Selvagem. De manhã, a Loba Selvagem disse:      

       – Bom dia, Senhor Simba!

       – Bom dia!

        Os dois foram brincar e os dois irmãos foram também. O pai estava zangado por ter um leão lá em casa. E os três irmãos foram fazer uma corrida.

       A irmã Escura ia montada no Simba, a Loba Selvagem na pantera, que já tinha crescido, e o irmão, na égua.

       Passaram por árvores e a Loba tinha sorte, porque ia por cima das árvores. Depois, surgiu um sítio com muitos saltos: então, o irmão tinha sorte porque estava em cima da égua. Por último, a passagem era uma escalada e a sorte foi para o leão.

       Quem ganhou foram os três!

Margarida L, 6A

A Vida Selvagem – IX

The Hunt!

Creative Commons License Nick Jewell via Compfight

      Os três irmãos foram dar um passeio com os seus animais. As panteras estavam sempre a brincar e a saltar para cima deles. O cavalo Trovão estava sempre a brincar com a Cinza; os cãezinhos gostavam de brincar com as panteras: gostavam de lhes morderem as orelhas.

     As panteras tiveram um bebé preto, mas muito preto, com os olhos azuis, como a Mãe. Passados três meses, nasceu um potro preto, com manchas brancas, ao contrário do Pai.

      Os cães eram grandes amigos e quiseram fazer uma caçada sozinhos, mas foram atacados por um leão! O Serra de Estrela queria proteger o seu amigo, mas, de repente:

      – Rrrrrrrrr!

      O Leão pôs-lhe a pata na cara e estava pronto para lhe dar uma dentada no pescoço, mas o cão Salsicha, para o defender, pôs-se à frente do leão e o leão matou-o. Mas soltou o Serra da Estrela e foi-se embora.

       A Loba Selvagem passou por lá, viu o cão Salsicha no chão e gritou:

      – Porquê?!

     O Serra da Estrela viu a dona, foi ter com ela e disse-lhe:

     – Foi um leão. Nós só queríamos que tu nos achasses fortes.

     E disse a Loba Selvagem:

     – Mas vocês são fortes!

Margarida L, 6B

Cláudia e o Jovem Músico

     jimmy_liao

Autor da imagem: Jimmy-Liao

    Era uma vez uma menina chamada Cláudia; ela estava a passear na rua, quando viu um músico a cantar: ficou tão encantda com o menino que quis cantar com ele. A menina, quando cantava com ele,ficava tão contente que dava pulos. Quando ela acabou, o músico foi para casa.

     Quando chegoou a casa, viu que os seus primos estavam no seu quarto a brincar e mandou-os embora:

      – Saiam já daqui! – disse a Cláudia.

     No dia seguinte, a Cláudia foi para o bosque à procura do rapaz misterioso e encontrou-o. Perguntou o seu nome:

      – Chamo-me Afonso. E tu?

     – Chamo-me Cláudia.

     – Muito bem. Queres vir comigo a um sítio especial?

     – Pode ser…

     A menina, quando foi passear com ele, divertiu-se imenso. Mas depois teve de ir para casa.

(Cont.)

Mariana C, 6A

Recordar Tempos Tranquilos

DSC_1198

Creative Commons License CWSC Panthers via Compfight

     Foi numa manhã de Outono que, quando acordei, vi que tinha uma cadeirinha de rodas mesmo ao lado da minha cama.

     Olhei atentamente e não percebi porque é que a minha casa era diferente do que antigamente… chamo a minha mãe e ninguém dizia nada, parecia que estava sozinho em casa.

     Tentei levantar-me, mas não consegui, parecia que havia um monstro a segurar as minhas pernas, de maneira a não me conseguir levantar. Tentei e tentei com esperanças de conseguir, mas não consegui. Quando tentei agarrar-me à cadeirinha de rodas para poder sair da cama e consegui, sentei-me na cadeira; vi as horas: já eram 8h 30 da manhã. Já eram horas de ir jogar basquetebol com a equipa.

    Fui á cozinha com ar estranho a pensar: “- Mas que raio de casa é esta”? – com um café na mão, ouvi a campainha “Ding dong, ding dong, ding dong”. Abri a porta: era uma senhora com roupa branca como uma enfermeira; de seguida, ela levou-me para a mesa da cozinha e fez-me o pequeno-almoço; depois, sentou-se comigo na mesa e perguntei:

     – Quem é que tu és? E porque é que estás aqui?

     Ela deu uma grande gargalhada:  

    – Sou a tua enfermeira de ajuda!

     E eu respondi como se isto fosse um sonho, ou algo assim:

    – Pois, desculpa, ainda estou um bocado a dormir.

     E a enfermeira:

    – Dever ser isso.

     Umas horas depois, fomos ao parque comer um gelado e passear um bocadinho por Lisboa. Quando ficou tarde, fomos para casa e aí foi quando ele se lembrou que tinha faltado o dia todo ao Basquebol! Então, pediu á enfermeira que o levasse para a casa do treinador.

    Foram, ele tocou à campaínha e abriu-lhes a mulher do treinador:

    – Olá, Diogo. Tudo bem?

     – Sim, mas eu vim para perguntar se o treinador Rodrigo está cá.

     – Diogo, estás a fazer a pergunta certa? – Respondeu a mulher do treinador.

(Cont)

Madalena M, 6C

A Vida Selvagem – VIII

     panthera pardus japonensis

Joachim S. Müller via Compfight

    A Loba Selvagem só queria mais animais de estimação e então foi perguntar ao pai se podia ter um gato. Quando chegou ao pé do pai, perguntou-lhe.

      – Não, só se conseguires apanhar um que nos ajude.

      Então ela teve a ideia de ter uma pantera. Foi ter com os irmãos à selva e, de repente:

      – AAAAhhh! Uma pantera, rápido!

     A Loba Selvagem apanhou uma pantera e uma pantera-macho. Os cavalos tremiam demasiado, nem queriam correr e a Loba Selvagem disse-lhes:  

     – Vão lá para casa!

     Mas eles só tropeçavam uns nos outros.

    A Escura sugeriu: – Vamos de pantera!

    Lá montaram e foram para casa mostrar ao pai e à mãe. Quando chegaram, o pai ficou espantado: estava sem palavras.

     – Hummm… mas como? Isso é uma pantera? Calma, duas? Mas como é possível?

    E eles, em coro:

    – Só lhes saltamos em cima!

    – Esses podem ficar aqui. Sigam-nos, panteras. – disseram o pai e a mãe.

     As panteras conseguiram falar e apresentaram-se:

    – Eu sou o Paguera e ela é a Safira.

    Foram atrás dos reis lobos e eles disseram:

    – Esta é a vossa casa!

     Era uma área com trinta mil milhas de comprimento e cem mil de largura.

(cont)

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – VII

Deutscher Schäferhund DDR-Linie

Creative Commons License Maja Dumat via Compfight

     Os três andavam a galopar sempre todos os dias.

     De repente, os cavalos deram um salto gigante e caíram no chão. Ao levantarem-se, caíram num buraco muito grande.

     – Aaaahhh! – Gritaram em coro.

     – Estão bem? – Perguntou a Escura.

     Eles disseram:  – Sim, e tu?

     – Também. – respondeu a Escura.

     Ouviram um ladrar; foram a correr para lá: eram dois cães, um Serra da Estrela e um Salsicha; os dois eram bebés. A Loba Selvagem perguntou:

     – Acham que fiquemos com eles?

      A Escura disse:  – Vamos perguntar ao pai.

     Lá foram, no seu jeito de subir com lianas e pezinhos de ladrão. Quando chegaram, o pai perguntou:

    – Por onde andaram? Vão tomar um banho!

     – Ok, mas podemos ter dois cães?  – perguntaram as irmãs.

     – Sim, deixem ver os cãezinhos.

     Elas agarraram nos cachorrinhos: o Serra da Estrela era de uma cor castanha claríssima, com umas manchas pretas na cara e um pouco de branco. O Salsicha era preto com uma linha castanha na cara. Elas foram buscar diamantes para fazer coleiras e fizeram umas casotas muito grandes para eles.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – VI

Here's Starin' at You!!!

Creative Commons License possumgirl2 via Compfight

      A Loba Selvagem e a Escura andavam sempre juntas e os seus cavalos, mas o Picasso ficou todo preto e a Loba Selvagem mudou-lhe o nome para Trovão.

     Um dia, o rapaz, que se chamava Roger, foi a seguir as pistas dos cavalos. As duas amigas estavam a andar a cavalo quando, de repente, apareceu o Roger e elas foram falar com ele para saber porque é que ele estava sempre a segui-las;  e  a Escura perguntou:

     – Por que é que nos segues?

      – Eu estou a tentar que vocês sejam minhas amigas. – Respondeu o Roger.

     A Loba Selvagem disse:

      – Ok, mas vens connosco para ver se o nosso pai aceita.

       E foram os três, mas o Roger estava amarrado. Quando chegaram, todos ficaram a olhar para o rapaz. Estavam num sítio muito escuro, num gruta gigante, com cerca de cem mil lobos! Quando o Pai viu o rapaz, disse para eles entrarem na gruta. Quando entraram, a Loba Selvagem perguntou ao Pai:

       – Pai, este rapaz quer ser nosso amigo!

      O pai respondeu:

      – Ok, mas ele vai ter de viver aqui, vai-se chamar Trovoada e vocês as duas vão ter de o ensinar. Está combinado?

       As duas disseram em coro:

        – Ok!

        Foram lá para fora e começaram por apanhar um cavalo. Apanharam um cavalo branco com uma mancha cinzenta na cara. Tentaram todos agarrar a égua e ele conseguiu montá-la. Depois, ele gritou:

      – Aleluia! O que acham de mim em cima da égua?

       – Estás bem fixe.  – Disseram a Escura e a Loba Selvagem.

       – Vamos chamá-lo “Cinza”.

        Elas não o viam mais como amigo, viam-no como irmão.

        Um dia, a Loba perguntou a todos:  

       – Quem quer fazer uma corrida de cavalos?

        E eles responderam:

       – Nós!

       Estavam a preparar-se e começaram a correr;  estavam a passar por árvores, rios, vulcões. Quem ganhou foi o Trovão, em segundo a Escura e em 3º o Trovoada.

Margarida L, 6B

A Vida Selvagem – V

   Buddies

Creative Commons License Amanda via Compfight

     Ela esperou e esperou… quando a Mãe chegou e o Pai, ela perguntou:

    – Mãe, Pai, eu posso montar cavalos selvagens? É que uma vez, vi um e gostei. E se eu puder, posso ficar com ele?

    O Pai e a Mãe responderam:

    – Não, os cavalos não são para montar! A Mãe pensou um pouco e disse: – Sim, mas vais ter de o acalmar, às vezes, por causa dos lobos. Mas nós vamos dizer-lhes para não o comerem.

     E o Pai acrescentou logo:

    – Lobos, não podem comer o cavalo da minha filha!

      A Loba Selvagem, com a sua irmã e melhor amiga, foram apanhar dois potros. O da Escura era branco, muito branco. O da Loba Selvagem era branco e preto às manchinhas. O da Escura chamou-se Silver; o da Loba Selvagem chamou-se Piicasso.

     Como elas não queriam que os lobos fizessem nada aos cavalos, fizeram um estábulo numa gruta para eles. Era grande, com muita palha no chão, para eles rebolarem. A gruta estava muito escondida. Até o animal que farejava melhor não conseguia encontrar! Tinham água e leite, com cenouras.

      Passados alguns anos, os potros eram cavalos bem fortes, e as irmãs saíam de casa a correr para irem ter com os cavalos. Tentavam sempre montar; a Escura ficou com uma cicatriz na boca e a Loba Selvagem também.

    Elas eram totalmente gémeas, mas as irmãs apanharam  diamantes para fazerem uns colares, para se distinguirem. A Mãe e o Pai começaram a estranhar, mas deixaram estar.

     Um dia, conseguiram montar e, de repente, os cavalos foram a galope para a cidade, para encontrarem o rapaz que seguia a Loba Selvagem. Encontraram-no, assustaram-se e voltaram com ele para trás.

Margarida L, 6B

O Trimilionário

432Park

hiimlynx via Compfight

     Uma vez, num país muito quente, chamado Dubai, existiu um homem muito rico, chamado Rirriró; era um homem grande e musculoso, de olhos azuis, cabelo comprido e cor de pele branca.

     Sim, era um homem muito poderoso; era simpático e vendia o seu petróleo o mais barato possível. Tinha uma casa gigantesca com um aeroporto lá dentro. Na sua casa, tinha imensos ipads, iphones por todo o lado, play stations, muitas; imensos quartos e piscina interior, porque ele adorava crianças.

     Tinha um jato privado e a melhor empresa de petróleo do mundo; com isto, tornou-se o “homem nobel” e mais rico.

    Mas uma vez, um presidente Bibil Rup disse:

    – Já não pode fabricar mais petróleo!

     Porque ele tinha inveja de Rirriró ter mais dinheiro.

     Todas as empresas de gasolina se voltaram contra Bibil Rup porque Rirriró vendia o petróleo muito barato.

     Então, o presidente anunciou uma guerra entre ambos: houve batalhas de palavras e, finalmente, foram a votação: no dia das eleições, ganhou Bibil Rup.

     Porém, o Rirriró continuou milionário e intocável, pois tinha o apoio do mundo inteiro. Por causa das empresas que o ajudaram muito, ele voltou ao petróleo e, como Bibil Rup não sabia fazer nada,  Rirriró ficou trilionário para sempre.

Lourenço C, 6B

A Vida Selvagem – IV

     Little Red Riding Hood with Jamie Elizabeth and Ironwood Wolves

Creative Commons License WoogglyBooggly via Compfight

     A Loba Selvagem já tinha 15 anos. O pai não envelhecia nem a mãe. Ela quis falar sobre a sua festa. Mas como a Mãe estava num encontro com o Pai, ela pensou:  “- Não, não vou interromper, vou esperar aqui.”

     E perto da meia-noite já tinham chegado. Foi ter com ela e a Mãe interrompeu-a num segundo.

     – Já pensaste na tua festa?

     – Sim. – disse a filha.

      E a mãe:

     – Vou-te dar um presente agora.  De repente, apareceu uma rapariga da mesma idade que ela tinha, e a Mãe disse:

     – Ela vai ser a tua irmã. Chama-se Bella. Peço-lhe que a ensines.

     E a filha, que já lá estava há mais tempo, e que era muito amiga, disse:

      – Olha, tu tens que ensinar-te a ti mesma. Eu não sei ensinar-te, mas a única coisa que te ensino são os meus amigos. E foi chamá-los à floresta.

Margarida L, 6B

A Rapariga das Estrelas – I

We choose to see Vol.002

Creative Commons License AM Renault via Compfight

      Era uma vez uma rapariga cujo sonho era ir às estrelas e não ia parar de tentar até lá chegar.

      “Um dia” – pensou ela – “se eu conseguir subir àquela árvore, talvez consiga ir até às estrelas.”

     Então, ela subiu e caiu.

     – Nós avisamos-te! – disseram os seus amigos pássaros.

     A rapariga das estrelas olhou para os seus amigos com um sorriso. Ela,  que era alta como o céu, mas não o suficiente para chegar às estrelas, tinha um cabelo cor de chocolate, olhos de esmeralda e um olhar cativante. A sua pele era branca como a seda e tudo fazia para proteger os seus amigos. E acreditava mais do que tudo nos seus belos sonhos e desejos.

     Então ela pensou: “Se a árvore não resultar, vou tentar com balões.”

     Então tentou e caiu.

(cont)

Maria S, 6C

A Vida Selvagem – III

Verulven

Anya Sergeeva via Compfight

     A loba selvagem tinha saído da gruta a correr; o pai chamou-a, mas como ela não queria parar, olhou para trás, continuou a correr e disse:

     – O que aconteceu? – E foi bater na parede.- Au! O que foi, pai?

     O pai respondeu:

     – Eu só queria dizer adeus! Mas só mais uma coisa: tens uma surpresa lá fora.

     Ela foi a correr lá para fora: estava lá uma loba que era a mãe dela, que tinha estado desaparecida durante seis anos, desde o dia em que tinham fugido da outra caverna.

    E ela gritou de felicidade:

    – Mãe! Tinha tantas saudades!

     O pai foi lá fora e disse:

     – Onde estavas este tempo todo?

       – E a filha perguntou:

     – Mas esta não era  a tua surpresa?

     E o pai disse:

     – Não, o teu presente era um bolo de aniversário que encontramos no meio da floresta, eu não estava à espera  da tua mãe que estava desaparecida!

(Continua)

Margarida L, 6B

Lucy na Universidade – I

     Victoria Learning Theatre

UBC Library Communications via Compfight

     Chamo-me Lucy. Nasci num lugar desconhecido que nem eu sei onde é. Neste momento, vivo com uns senhores muito simpáticos, que cuidam de mim. Essa família é impecável e, para mim, são quase pais.

     Na semana passada, inscrevi-me numa Universidade para estudar Economia, mas não estou confiante de entrar.

     Instalei-me numa Residencial Universitária e, a certa altura, ouvi um barulho: “Dim, dom, dim, dom”. Era a campainha! A minha mãe adotiva tinha chegado. Abri a porta e dei com ela cheia de sacos de compras. Ajudei-a a levar as compras para a cozinha e depois fui para o meu quarto estudar Inglês.

     Quando estava a estudar, ouvi um outro barulho: “Drim”. Era uma mensagem. Fui ver: era a minha melhor amiga, a Liza, a perguntar se eu já tinha entrado na Universidade. Eu respondi que ainda não tinha recebido a confirmação. Então, a minha mãe adotiva chamou-me e eu desci as escadas e fui ter com ela. A minha mãe deu-me uma carta muito pequenina: as cartas grandes costumam ser boas, mas as pequeninas…

     Eu, Lucy, com medo  e muito nervosa, abri a carta: estava lá dentro uma cartolina muito grande, dobrada num retângulo muito pequeno. Dizia:

     “Caro Encarregado de Educação, o seu Educando foi admitido. Deve apresentar-se a 15 /09/2025 para a receção dos alunos do primeiro ano universitário.”

     Dei um grande abraço à minha mãe e fui para o quarto muito feliz. Lembrei-me de enviar uma mensagem à Liza, a dizer que tinha entrado; mandei e, poucos segundos depois, Liza respondeu-me a dizer: “Que bom, amiga, como eu também entrei, vamos ficar juntas!” E eu respondi “Ya, que fixe!”

     Passados quinze dias, numa manhã cheia de sol, entrei numa sala imensa, cheia de colegas que não conhecia.

(Cont)

Madalena M 5C

O Assalto ao Banco

 

mini_bank

Imagem: GPA V

Era uma vez dois ladrões que queriam muito assaltar o banco mais rico do mundo.

Então, resolveram elaborar um plano; para o realizar, era preciso: 

  • Carros blindados, rápidos, rodas à prova de bala e disfarçados.
  • As armas mais raras do mundo.
  • Roupas como as dos Seguranças do banco.
  • Coletes à prova de bala.
  • Dois reparadores de pneus.
  • Hackers, para desbloquear o SS (sistema de segurança).

     Depois de elaborarem o plano, foram logo resolver o problema; o mais difícil foi assaltar a carrinha da polícia, porque, depois, a polícia os ia perseguir. Então, lá conseguiram.

     No dia do assalto ao banco, todos estavam nervosos. Passados alguns minutos, entraram os dois assaltantes na carrinha disfarçada. Foram andando pela cidade até chegarem ao banco. Como vinham atrás duas carrinhas do banco, verdadeiras, eles puseram picos na estrada. E o que aconteceu foi que os pneus das duas carrinhas furaram-se. Os dois assaltantes rodearam rapidamente as carrinhas, algemaram os Seguranças e entraram no banco.

 Entraram num banco com a roupa dos Seguranças, dirigiram-se para os cofres subterrâneos e avisaram os Hackers por telemóvel, para estes desativarem os Sistemas de Segurança. Regressaram com os sacos cheios de notas e ainda cumprimentaram os empregados do banco que estavam ao balcão.

Conseguiram roubar o ouro que estava lá, mas a polícia ia atrás deles, pois tinha-os visto passar sinais vermelhos; seria muito difícil escapar.

Então, dentro de um túnel, esconderam-se dentro de uns camiões de carga e conseguiram completar o golpe. Passaram a fronteira e foram para o deserto de Sandy Shores.

Lourenço C, 5B

A Vida Selvagem – II

galaxies and hurricanes via Compfight

     Ela comeu muito pouco, porque estava a pensar como seria a vida dos humanos  normais. Um dia, ela foi ter com os humanos na Cidade e chocou com um rapaz da idade dela, só que o único problema é que ele era caçador de lobos!

     O rapaz disse:

     – Olá, como te chamas?

    Mas ela, como estava nervosa, fugiu. Ele foi atrás dela, só que ela foi para a floresta, subiu a uma árvore e ele não a viu. Ela, entre as folhagens, deu uma risadinha. Ele ouviu e levantou a cabeça, à procura…

     E lá estava ela! Mas saltou de árvore em árvore e foi tão rápida, tão rápida que, quando ele conseguiu subir, ela já tinha desaparecido.

    – Subi isto tudo para nada!

     Ela foi ter com o pai para dizer que tinha encontrado um urso maior ainda. Lá foi a caçada de novo: toda a alcateia a correr, ela ia pelas árvores e os outros pelo chão. E ela fez ao urso a mesma coisa que no outro dia.

     Mas a única coisa diferente foi que o rapaz conseguiu encontrá-la. Ela deu-lhe um murro, para ele desmaiar e levou-o de rastos para a cidade. Como desceu a montanha, ele foi sempre a apanhar com pedras na cabeça.

      Entretanto, como começou a chover, as pegadas e os rastos desapareceram.

      Ela voltou para a toca dos lobos. O rapaz acordou e não viu a rapariga. Estava com a roupa toda castanha, porque ela tinha-o arrrastado pela lama!

      – Tanto trabalho que eu tive e agora é isto que acontece! O pai dela ficou furioso quando descobriu que ele conhecia a filha dele:

       – Eu já percebi. Tu conheceste esse rapaz. Não foi?

       E disse a filha, a mentir:

      – Não, pai, não o conheci.

      – Pois, pois, o meu nariz não me engana. Vamos jantar. Não faz mal tu teres conhecido esse rapaz, desde que me prometas que não  voltas a falar com ele.

      E ela respondeu:

      – Ok, Pai. –  E foram jantar.

       No dia seguinte, o rapaz esteve a investigar o rasto que tinha deixado e descobriu a rapariga numa montanha com a alcateia.

(Continua)

Margarida L, 5B

Um Sonho Realizado

 

Rafa Nadal

mirsasha via Compfight

    Era uma vez uma menina que adorava jogar ténis! Ela só falava em ténis, só ria com ténis, aquilo para ela era…

    Ela começou a jogar ténis com 3 anos em casa dos avós, com o pai;  o pai jogava muito bem e ela gostaria de um dia chegar a ser igual ao pai. Sempre que ia a casa dos avós, ela passava o dia todo a jogar ténis com o pai; o pai dela adorava que ela fosse jogadora de ténis profissional.

     A maria foi crescendo e crescendo, até que já jogava ténis num clube, todos os dias, em competição: tinha ela 7 anos, jogava muito bem, a todos os torneios que ia, ganhava!

     Até que, com 12 anos, ela ganhou o Campeonato Nacional e ganhou vários Campeonatos Internacionais. Nesse mesmo ano, Maria foi convidada para ir para uma Academia na América do Norte, onde ficou  a viver. Tornou-se uma grande jogadora, alcançando a pessoa que ganhou mais títulos de sempre. Claro, sempre ao lado do seu pai e do seu avô!

     Ainda como profissional de ténis, conheceu um rapaz americano, pelo qual se apaixonou e, depois de reformada, teve uns belíssimos dois filhos que também jogavam ténis os dois, muito, mas muito bem!

     E assim, Maria teve um vida fantástica, com um marido querido, de quem ela gosta muito e com dois filhos fantásticos também, a Carlota e o Manuel, ambos jogadores de ténis.

     E, claro, realizou o seu verdadeiro sonho: foi uma grande jogadora que  mais ninguém a vai conseguir bater com tantos títulos, mas também tem de agradecer muito ao seu pai e aos seus avós que a acompanharam sempre!

Luisinha R P, 8B

O Regresso da Aldeia Secreta

The Hidden Mountain Village

Christian Ortiz via Compfight

Dedicado a Vasco E

     Vasco e Rita tinham chegado há pouco tempo à estação de comboios, mas ela parecia adormecida de cansaço porque havia uma espécie de muralha em forma de pente que lhes tinha sido difícil escalar até chegarem ali.

      Vasco não se importava; junto dela o tempo tinha perdido a pressa; o seu relógio escorregava, flácido, no pulso; ficar a olhá-la era já a eternidade.

     Contudo, estavam ambos perdidos e sabiam-no. A sua viagem na Amazónia resultara numa descoberta fulgurante que, no entanto, não poderiam partilhar com ninguém.

      Uma aldeia – sim, uma aldeia secreta e desconhecida, tanto do largo mundo como das autoridades, como até da comunidade científica: uma aldeia virgem, povoada de nativos que os tinham acolhido fraternalmente e viviam ainda num estado primitivo de felicidade.

     Agora, de volta à Civilização, extenuados pela dureza da jornada, sabiam que mais este segredo os unia, que só com amigos muito especiais o poderiam partilhar e isto tornava Rita ainda mais encantadora e insubstituível para Vasco.

OE

(Exercícios Criativos: escrever sem parar durante 6 minutos a partir de um tema dado pelo colega – do livro de Margarida Fonseca Santos)

Mistério no Sótão

Pastel of the Savoy

Creative Commons License 826 PARANORMAL via Compfight

     Lá estava eu no meu quarto pronto para ir dormir. Estava sozinha no quarto e em minha casa, pensava eu, até ouvir um barulho que me parecia um móvel pesado a cair. Pensei: ”Deve ter sido o vento” – mas depois lembrei-me que no sótão não há janelas.

     Fiquei assustada, não sabia o que fazer, tentei adormecer, mas o meu sono não queria acender. Tive coragem, disse:

     – Eu consigo.

     Peguei numa vassoura e fui em direcção ao sótão lentamente, a cada passo parava. Abri a porta, com o barulho que ela fez ainda fiquei mais assustada.

     Quando olhei através da porta… era grande… fiquei traumatizada pelo… acho que era um lobisomen, nem sei, quando ele me viu, fugiu logo.

     Acho que nunca vou descobrir ao certo o que era, mas gostaria de vir a saber o mistério do monstro.

Mariana S, 6C

O Violino Mágico – II

A Descoberta

Finding your toneCreative Commons License Black Note via Compfight

     Gonçalo encantou-se com os seus olhos brilhantes e os seus cabelos radiantes.

     A menina pedia ajuda ao menino para sair do buraco, porque tinha de levar o violino mágico para a vila.

    Mas o menino não sabia como a tirar do buraco: tentou tirá-la a partir de uma escada que ele fez com madeira, mas esta desfez-se.

     Não sabia como a tirar, mas apareceu-lhe uma luz na cabeça que o fez pensar: pegou numa corda e puxou-a para fora daquele enorme buraco.

     Depois de entregar o violino à Rainha da Vila, o Gonçalo perguntou-lhe se queria ir ao cinema ver “O Diabo veste Pravda”, que falava de uma senhora, que era muito bonito.

   Ficaram a falar dia e noite e …

(Continua)

Mafalda A, 6B

Aventura Selvagem – I

path

Arthur Davison via Compfight

Vida Selvagem

     Era uma vez uma menina que tinha sido criada por lobos e o pai (lobo) era o chefe da alcateia.

     Dois lobos fizeram uma pulseira para a menina: com aquela pulseira, podia-se perceber os lobos.

     O pai lobo, que se chamava Trovão deu-lhe o nome de “Loba Selvagem”.

     Uma vez, os lenhadores começaram a cortar árvores e, passadas umas horas, já tinham chegado à caverna dos lobos.

     Os lobos começaram a fugir para outra caverna numa montanha e levaram a menina na boca.

   Ela cresceu naquela montanha. Quando já tinha 14 anos, começou a usar armas, mas só usava instrumentos muito simples: arcos, flechas e uma lança.

     O Pai dela não a deixava usar balas, porque assim podiam denunciar o disfarce dos lobos. Como na montanha havia partes negras, eles podiam-se camuflar aí. Ao ouvirem as balas, os caçadores podiam ir lá ver e descobriam os lobos.

     Um dia, eles foram caçar um urso. Um lobo estava a distrair o urso e os outros morderam-no nas costas, mas só conseguiam matá-lo com um arco e flechas. O pai pediu àfilha para lhe acertar, ela acertou-lhe e o urso morreu.

       Tiveram um grande banquete!

Margarida L, 5B

As Minas de Ouro

Old Gold Mine

Tjflex2 via Compfight

         O Manuel e o Afonso, estavam a andar ao pé da casa do Afonso e foram passear um cão dele.  O cão fugiu deles e desataram logo a gritar:

   – Peleu , onde estás? – Gritou o Afonso

   – Peleu! – Gritou o Manuel.

   De repente, encontraram-no e disseram:

    – Onde foste e fazer o quê?  – Perguntou o Afonso.

    O Manuel respondiu:

    – Ele é um Beagle, deve ter visto um pardal.

   – Sim, pois é. – Concordou o Afonso.

    Enquanto isso, o Peleu, não tinha visto um pardal, mas entrava numas minas. O Manuel disse ao  Afonso para o seguirem, para ver se era mesmo por causa de um pardal.

     Mas, inesperadamente, lá foram, curvados, quase agachados, avançando por uma galeria muito quente, até que encontraram uma bifurcação de três galerias e o Afonso, já sentia muito calor por causa do ar abafado. Eles traziam polares e o Manuel disse:

    – Vamos tirar as camisolas e deixá-las aqui, para quando voltarmos sabermos qual o caminho, não nos perdermos.

   – Qual dos três trilhos vamos seguir, Afonso?

   – No meio está a virtude! – respondeu o amigo.

   Lá avançaram aos tropeções e começaram a ver algo brilhante, ao fundo do túnel. Aproximaram-se dessa luz incandescente e, qual não foi o seu espanto, quando viram veios de ouro cintilando no minério da parede e um baú repleto de diamantes, barras de  ouro mal formadas e pérolas!!!!

    Doaram uma Parte aos “Cãesroad” para melhorar as condições de vida dos companheiros de Peleu; e outra parte para a Escolinha Amor de Deus no Maranhão, para poderem  aumentar e fazer obras, ao viverem lá irmãs nas suas casinhas pobres.

Manuel D, 6A

A Casa Assombrada numa História de Amor

   Just get (RL) married ...

Creative Commons License Neda Andel via Compfight

       Num dia de nuvens, chuva e nevoeiro, toda a gente estava dentro de casa, menos uma pessoa: ela era alta, estranha, de olhos pretos, lábios encarnados, nariz fino. Chamava-se Marta, mas não falava com ninguém. Era uma excelente aluna.

     Marta gostava de uma pessoa, mas não o dizia a ninguém, porque não tinha amigos. Ele chamava-se Vasco C, um rapaz muito social, jogador de futebol americano e boxe. Era alto, de cabelo castanho como a avelã e de olhos azuis como o mar do Gerês. Ele era lindo.

     A casa da Marta era escura e assustadora, mas, para ela, era a casa mais bonita. Toda a gente dizia que ela vivia numa casa assombrada.

     Vasco odiava ver Marta a ser gozada, mas para ela não notar, só depois de ela se ir embora é que foi dizer às outras miúdas para pararem de gozar com ela.

     E as miúdas diziam assim:

     – Até parece que gostas dela!

     Ele, furioso, respondeu:

     – Não, mas vocês também não gostavam que eu estivesse sempre a insultar-vos, ok?

     Elas ficaram todas danadas.

     Noutra altura, ele estava sentado ao lado da Marta, enquanto ela estava a ler um livro. Passado algum tempo, Marta e Vasco disseram ao mesmo tempo:

     – Queres ir dar um passeio?

     Começaram-se a rir por terem dito ao mesmo tempo e a Marta acrescentou:

     – Claro, adorava!

      Marta e Vasco foram para um parque mesmo ao lado da Escola. O Parque era magnífico, tinha um vale muito amplo, um lago azul como o céu e margens muito verdejantes, com as cores todas do arco-íris.

     Estavam muito contentes. Marta e Vasco começaram a encontrar-se. Passados alguns dias, Vasco afirmou a Marta que gostava dela e Marta também o disse.

     Vasco ficou espantado, pensava que a resposta dela seria a gozar, mas não, ela estava mesmo muito apaixonada, já há quatro anos. Ele disse:

      – Pois é que eu gosto de ti há sete anos, tu és maravilhosa!

(Continua) 

Carolina S-C, 6B

O Violino Mágico – III

L'Art pour l'Art

Creative Commons License Photocapy via Compfight

     O Violino mágico era procurado pela vila toda de Cascais, porque quem o tocasse ficava com poderes magníficos.

     Havia uma rapariga pobre do campo, com os olhos talhados em amêndoa e com um rosto fino e único,  que gostava de tocar violino pelos bosques a apanhar ar puro para se distrair e comungar com a Natureza.

     Um dia, como estava tão distraída a cantar uma música, caiu num buraco fundo em que não se via nada nem ninguém! Nesse momento, pensou que estava a ter alucinações, porque estava a ver o violino mágico!

      Tentou sair do buraco com o violino na mão, mas não conseguia, até ficou ferida e a sua linda camisola azul como o céu limpo estava rasgada; caiu-lhe uma pinga de água do olho para o violino e o violino, de repente, fez um som; ela pegou no arco e começou a tocar… saiu, da caixa de ressonância, uma fada que era a sua Fada Madrinha!!!  A Fada Madrinha tinha cabelos compridos, loiros como o sol e uma varinha preta.

    Um menino chamado Gonçalo passou muito perto do buraco, ouviu um som de violino a sair dali e foi lá ver.

    Estava lá  uma menina com olhos de amêndoa e ele apaixonou-se por ela.

(Continua)

Mafalda A, 6C

Pipo – A fuga do Canil

 Free running dogs

Dario Di Mauro via Compfight

A fuga do Canil com Jim e os seus Amigos

     Era um dia maravilhoso quando o Pipo, um beagle,  estava a passear sem coleira.

     E apareceu o “Canilzeiro” (o homem do Canil), apanhou o Pipo e levou-o para o canil.

     Quando ele chegou ao canil, e viu o  Jim, outro beagle, o Fluffy, um Yorkshire e Max, um cão para polícia, um pastor alemão. E o Pipo disse:

    – Ôi gente!

     Mas o Max interrompeu com ar sério:

     – Nós estamos no Canil, não é caso para  brincadeiras!

      – Acalma-te! – interveio o Fluffy.

     O Fluffy era um cão pequenino e adorava comer salsichas e disse:

   –   É a tua vez, Max.

     Isto porque eles já tinham ido para o Canil e fugido várias vezes antes, menos o Pipo, que era um novato.

      – Ok, eu já vos tiro daqui.

     O homem do Canil pegou no Max, mas o Max tinha o botão que accionava a abertura das jaulas mesmo à frente, carregou: os amigos fogem, menos o Pipo que foi morder o homem, para ele largar o Max.

     E os quatro amigos fugiram para casa da Margarida.

     Mas antes tiveram de atravessar o trânsito: o Jim, que gostava de fugir e roer coisas, roeu um pneu, para saltarem por cima dos carros para atravessarem a rua.  E o Fluffy foi buscar jornais para fazerem de capas, à super-cães. O Max levou o Fluffy na boca, porque ele não era capaz de dar aqueles saltos gigantes.

     Então, correram até casa da Margarida.

Margarida L, 5B

Atraída Pela Luz

Detail from 'Lady with the Unicorn' tapestries at Musee de Cluny, Paris

Eric Meyer via Compfigh

     Num dia de sol, eu e os meus amigos decidimos ir acampar para um lugar longínquo. Nesse lugar, ao fundo de uma floresta, ficava uma cascata com um lago em volta, azul-turquesa, em que parecia haver magia.

     Quando chegamos, montamos as tendas e fomos dar um mergulho. O pôr do sol encadeava o lago com a sua luz amarela escura que irradiava através das folhagens; os pássaros cantavam à medida que o vento mexia os ramos das árvores mais antigas. Ao fundo do lago nadavam peixes com cores irisadas que me afloravam os pés.

      Quando mergulhei tive a sensação de estar nas nuvens. De repente, encontrei uma peça valiosa que era um diamante no fundo do lago, entre os limos e os peixes. Achei muito estranho, mas trouxe-o comigo e guardei-o.

     Jantei e fomo-nos deitar, mas não conseguia dormir: o pensamento do diamante não me deixava; de repente, vi, dentro da tenda, uma luz branca e brilhante que me dizia:

     – Mafalda, vem até aqui.

    Eu achei muito estranho, mas o apelo era tão suave que não senti medo algum e levantei-me. Quando saí da tenda, não estava ninguém, mas, de repente, olho para trás, e, junto à cascata, descubro um unicórnio!

Mafalda A, 6B

O Dragão que foi à Universidade

A Funny Thing Happened...

Poe Tatum via Compfight

      Era uma vez um dragão muito amigável, que se chamava Charlie. Todos os dias, o dragão Charlie queria aprender, mas a sua Mãe só dizia:

     – Não, Charlie, todos os humanos pensam que somos monstros maléficos e perigosos e também dizem com desprezo: “Porque queres aprender?”

     Passado algum tempo, quando o Charlie tinha 18 anos, foi passear, até que descobriu um grupo de crianças que fugiu quando o viu, exceto duas crianças. Elas chamavam-se Ema e Loki. O Charlie ficou triste, quando as crianças desapareceram. Até que ouviu uma voz:

     – Olá, eu chamo-me Ema e este é o Loki!

     – Vocês não têm medo de mim?

     – Pelo contrário, pareces fantástico! – apreciou o Loki.

     – A sério? – Espantou-se o Charlie com um sorriso nos dentes.

     – Sim!

     – Tenho uma pergunta: sabes ler?  – quis saber  o Loki.

     – Não…

     Então nós ensinamos-te! – exclamou a Ema.

     À medida que o Charlie ia aprendendo, só queria ir para a Universidade com os seus amigos. Quando chegou a hora de ir, ele disse à sua Mãe que ia para a Universidade. Ela não gostou, mas o Charlie insistiu.

     E foi assim que os Dragões se tornaram amigos das pessoas!

Maria S, 5C

Dragonologista

Entre Mar e Céu

     Redningsskøyta RS 135 "Kaptein Egil J. Nygård" i grov sjø

Mads Henrik via Compfight

    Dedicado a Carolina, Mafalda e André

      Íamos a bordo de um luxuoso cruzeiro que devia atravessar o Atlântico em cerca de três semanas. Todas as manhãs, estávamos as três, a Meg, a Carol e eu a bronzear no convés, à beira da piscina azul turquesa do navio, esplendidamente servidas por empregados atenciosos que satisfaziam os nossos mínimos desejos com um sorriso encantador.

     O Piloto do navio, um velho amigo do nosso Grupo, Andrew, tinha-se formado em engenharia naval com distinção e fazia a sua primeira travessia oceânica. Por vezes, tínhamos o privilégio de o irmos visitar à cabine de comando e ele explicava-nos entusiasticamente o funcionamento daquela quantidade de radares, alavancas e botões brilhantes.

     Carol e Meg passavam os serões na pista de dança, para gáudio dos músicos a bordo, pois elas eram exímias em hip-hop e dnça-jazz, atraindo à discoteca uma multidão de passageiros.

     Contudo, no início da 2ª semana, o sol forte e a mansidão das ondas que nos vinham embalando começaram lentamente a transformar-se : nuvens encasteladas de um cinza escuro e ameaçador, ondas que refletiam a rapidez dos ventos de noroeste, raspando o convés com suas rendas de espuma e transindo os passageiros com um arrepio de medo e de frio que nada deixava pressagiar de bom.

      Andrew, o nosso amigo querido, não sáia da cabine, branco como a cal, o coração inquieto, contatando desesperadamente por telégrafo todos os barcos em redor: mas nada! Não recebia respostas, parecia que estávamos isolados no meio do Oceano feroz.

      Nessa noite, as vagas alteraram-se: subiram a mais de 15 metros e a proa do navio mergulhava a pique no vazio de cada onda. Foi então que aconteceu o terrível: em plena noite, à luz de um relâmpago incendiário, Andrew viu erguer-se à frente do navio os dentes escarpados de um rochedo vulcânico que emergira do mar há milhares de anos.

     Tínhamos saído da nossa rota e estávamos prestes a chocar com a costa rochosa de uma ilha dos Açores! Que iria acontecer? Carol, Meg e eu abraçámo-nos no camarote escuro, suspensas entre o Mar e o Céu.

Improviso para um tema: “Tempestade”.

OE

O Manuscrito Perdido

   Appenzell, Landesarchiv Appenzell Innerrhoden, E.10.02.01.01, e011

e-codices via Compfight

Dedicado ao Tomás G, 6C

     Os amigos estavam à mesa a saborear um banquete delicioso. Em vésperas de partida para uma aventura tão perigosa, não sabiam sequer se se voltariam a encontrar. Tudo era intenso naquele momento: ergueram os copos num brinde à inquebrantável amizade que os unia.

     Partiram de bicicleta, depois que um pôr do sol alaranjado tingiu o céu imenso com as suas cintilações de luz. Pedalaram com ânimo, enquanto faziam planos rápidos para as próximas etapas que iam exigir toda a sua coragem.

     Pararam um instante em casa da avó do Vasco que tinha preparado os cantis e as mochilas cheios de sumos, sandes de presunto e tabletes de chocolate. As roupas de expedição acabavam de secar, ainda no estendal, mas eles empacotaram tudo rapidamente e, numa despedida á avó com grandes beijos comovidos, atiraram-se á estrada com ânimo renovado.

     Foi já tarde, alta madrugada, que chegaram à floresta onde haviam contatado o misterioso veículo de luz, porventura pilotado por seres de outro mundo, por enquanto invisíveis para eles, mas que lhes tinham prometido um manuscrito precioso, perdido há séculos, sobre as origens do Universo e do tempo em que vários planetas habitados tinham estabelecido alianças entre si.

      (Exercício Criativo do Livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca: Narrativa improvisada em 10 minutos relacionando as palavras atribuídas aos desenhos inventados a partir das letras do nome: Tomás. T –  Amigos à mesaO – Corrida de bicicletaM –   EstendalA –  Veículo de luz S –  Manuscrito perdido).

OE

A Nova Aventura de Ulisses

    Fighting wolves

Creative Commons License Tambako The Jaguar via Compfight

     Ulisses foi obrigado a ir para a guerra e, a seguir a essa terrível guerra, estava todo magoado.

      Já que estava num país desconhecido, decidiu explorar esse local. Era todo escuro, com quase todas as árvores a cair.

     Ao tentar abanar as folhas para pedir ajuda, Ulisses não ficou com medo, continuou, até chegar a uma gruta cheia de lobos assustadores.

     Ulisses, ao ouvir o som de rachar das rochas que tapavam a entrada da gruta, fico um bocado assustado, mas pensou: “- Ganha coragem, Ulisses.”

      Então, pegou num pau que estava encostado a uma rocha e, com toda a sua energia, (com pouca, por causa da guerra) atacou-os. Um deles tinha muita força. Perante isso, Ulisses tentou ter ainda mais energia do que a que tinha gasto nos outros.

      Depois de derrotar os lobos, encontrou um Português loiro, de olhos azuis, chamado João, fora da gruta, pedindo ajuda.

      – Por favor, ajuda-me! – Pediu João.

      – Não consigo, estou muito fraco! – respondeu Ulisses, aflito.

      – Por…Fa…vor! – Vou tentar!

      Então, Ulisses foi a correr salvar o João dum ataque de águias.

     – Estás bem? – Perguntou Ulisses. 

      – Sim, obrigada!

      Então, a seguir desse imprevisto, Ulisses sentiu-se um herói!

4º TS de Português

Inês M, 6C

O Nosso Marinheiro

adamastor

Mathieu Bertrand Struck via Compfight   

     Era uma vez um menino chamado Robinson Crusoé: era pequeno, elegante e só queria uma coisa: ser marinheiro!

     Quando cresceu, foi à praia dos pescadores e lá encontrou o seu amigo Alberto que tinha uma irmã toda amarela, parecia dos Simpsons. Ela chamava-se Luísa, era do 6 A, mais conhecida por “Pizza” ou “Febre Amarela”.

      Nesse mesmo dia, Robinson Crusoé partiu para a sua aventura, a 4 de Março de 2016.

     Passados uns anos, Robinson foi para a América: lá fez a maior troca do mundo.

     Ao vir para cá, Robinson foi engolido pelo Adamastor e os seus companheiros voaram sem ele conseguir ver. Ele ficou atrás de um cavalo que estava embarcado, por isso, não foi levado.

      Quando acabou a fúria do Adamastor, no barco só estavam ele e o cavalo.

     Quando chegaram a Portugal, o cavalo e ele eram os melhores amigos.

Afonso Costa, 6A

O Fogo

 

Fire / Cannon fun

Creative Commons License Matt Barber via Compfight

         Era uma vez, numa cidade normal, uma mulher chamada Doutora Dimensional. Um dia, a Doutora Dimensional estava a passear pela rua e, de repente, acendeu-se um incêndio feito pelo vilão João que destruía tudo o que via. A mulher tentava, tentava, mas não conseguia apagar o fogo. De repente, apareceu uma figura misteriosa que apagou o fogo com o seu espirro. Chamaram-no o “Espirro da morte”. A mulher disse:

     – Obrigada, sem ti, não conseguíamos!

     – É sempre um prazer ajudar a sociedade bondosa e a criminosa vai para a cadeia! – Respondeu o Espirro da morte.

     – Ajuda-nos a apanhar o João! – Pediu a doutora Dimensional.

     – Claro que sim. Levará tautau – afirmou o Espirro.

     – No dia a seguir, encontraram-no a assaltar uma velhota.

     – Socorro! Socorro! – pediu a velhota.

     Os dois heróis prenderam-no e João sofreu a escravatura até ao fim dos seus dias.

Bernardo M, 7A

Sofia e o seu Punk

Decorative Mask

Creative Commons License alantankenghoe via Compfight

     Chegou o Carnaval e Sofia foi para a Escola mascarada de Punk; ela sempre tinha gostado de ser rebelde, mas na brincadeira. Então, achou que era o momento ideal: vestiu-se de preto, pôs unhas de gel e pintou o cabelo com latas de spray  – alaranjado, dourado e rosa -; vestia umas calças pretas justas, blusão negro de cabedal, um relógio antigo incrustado em prata ao pescoço, um brinco-corrente que acompanhava a curva da a orelha.  

     E lá foi ela de bicicleta, como sempre, a ver passar pela rua várias pessoas, cada uma com o seu disfarce. Todos os disfarces eram diferentes; ela achou muito engraçado nenhum disfarce ter um “gémeo”. Lá chegou ela à escola, foi ter com a sua melhor amiga Rita, e deram um abraço. Rita estava mascarada de Cantora Pop, não tinham nada a ver uma com a outra.

     Depois, veio um rapaz ter com ela; era alto, elegante, mascarado de Batman, com um fato preto justo, que lhe realçava os músculos, os olhos verdes cintilando atrás da máscara – e convidou-a para ir beber um copo… de sumo (Essa teve muita piada, ah ah) e ela aceitou.

     Depois, chegaram à mesa dos copos de sumo, ele tirou a máscara e Sofia viu que era…

Mafalda C, 8A

A Fuga do Canil

···Our·pre·cious·pu·ppy-la···

Caro via Compfight

     Os cães vadios andam pela rua sem comida, mas isto é preferível ao canil. O canil é uma espécie de prisão, só que é para os cães.

     Um dia, um Rotveiller, uma Pastora Alemã e um Doberman foram à caça de comida, mas qual não foi a surpresa: eles não encontraram nada, mas encontraram uma agência de apanhar cães, a “Cãesroad”.

     Eles desataram a fugir, mas já não conseguiram. Foram presos com uma rede lançada por um apanhador e foram para o canil. Mas eles tinham um plano para escapar do canil. A Pastora Alemã saltava  um metro e trinta e as grades eram de um metro, por isso ela conseguiu escapar, mas tinha de salvar os amigos.

     Viu um botão que abria as celas. Então, foi clicar, mas acionou os alarmes! Pelo lado positivo, abriu as celas e os cães fugiram e foram para as suas casas de cartão. E ficaram felizes para sempre! Sempre que tinham outros amigos no canil, iam ajudá-los e ficaram muitos com eles nas casinhas da rua.

     Eles ficaram felizes, porque é melhor viver em aventura e risco e fazer coisas novas, do que fazer as mesmas coisas todos os dias sem liberdade.

Manuel D, 6A

O Castelo Assombrado

_MG_3186

pougnol via Compfight

     A minha família tem um castelo e ninguém ia lá desde há séculos.

    Quando, finalmente, fomos lá, tinha as janelas partidas, paredes a desmoronar-se, móveis estragados… Eu fiquei cheio de medo: apareceram uns mochos e depois morcegos.

    Passado um bocado, o meu Pai disse:

      – Isto é nosso!

     Mas rebentaram logo muitos trovões. Eu exclamei:

    – Parece um filme de terror!

   – Filho, não tenhas medo, eu estou armado.  – Respondeu o meu Pai.

   Logo a seguir, entraram raposas; o meu Pai deu um tiro para o ar e as raposas afastaram-se. Ele acendeu uma lareira, pegou num cobertor, sacudiu-o e disse:

    – Isto é nosso!

     E o Pai e o Filho ficaram felizes para sempre!

Manuel D, 6A

As Folhas que eram Morcegos – II

Colonial Williamsburg / Williamsburg, Virginia / May 2008

Bill Barber via Compfight

     Este sítio era normal, tinha um chão comum, umas árvores normais…

    Os amigos observaram o local e o Gabriel notou que havia uma tabuleta a dizer “Rua do Sizal”, que era onde a Inês morava. 

      – Acho que viemos parar a casa!  – Disse ele então com uma voz contente e ansiosa. 

      – Está ali a tua casa! –  exclamou Gabriel.

     Então os amigos foram a correr até lá…

     Chegaram e a mãe da Inês que estava na cozinha, viu-os e perguntou-lhes: -Voltaram! Foi boa a viagem?

     – Sim, exclamou a Inês olhando para os amigos com um riso brilhante!

Mariana S, 6C

O Herói e o Vilão

Top oder Flop

Tim Reckmann via Compfight

     Era uma vez o povo de S. Miguel a festejar da vitória do Herói contra o Vilão que acabou por ficar preso.

     Nessa mesma noite, o Vilão  fez um túnel e, quando os Seguranças vieram ver, ele já não estava lá. Fizeram o alerta e ninguém o encontrou, proque o túnel estava debaixo da cama e assim ele  conseguiu escapar.

      Quando o Herói soube, ficou nervoso, porque não sabia o que iria fazer a seguir. Por isso ficou alerta para o perigo que podia acontecer. Alertou toda a gente e ficaram todos cheios de medo.

     Nessa noite, quando o Herói foi dormir, mas o Vilão apareceu lá e meteu éter num papel e o Herói desmaiou.

     Quando acordou, já estava numa floresta, amarrado num pau com o Vilão à sua frente. No entanto, houve um miúdo que apareceu na floresta e viu o Vilão com o Herói amarrado. Por isso, o menino foi desamarrar o Herói, quando o vilão estava a dormir. Estava o herói desamarrado e logo deu um soco na cara e foi o Vilão que desmaiou.

     E quando acordou já estava na prisão outra vez.

André S, 6A

Sofia e um Natal Especial

Christmas.

Creative Commons License sixtwelve via Compfight

     Passados cinco meses, os cahorrinhos foram adotados e chegou o Natal!

    A Pastelaria cheia de pessoas para encomendar bolos, a aldeia cheia de enfeites, em cada casa, todas as famílias estavam felizes…

     Quando Sofia saiu da pastelaria, olhava para as casas por onde passava e via muita alegria!

     Até que passou por uma casa sem nada destas coisas; lá dentro, através da janela, via-se um velhote sozinho com um ar muito tristonho. Sofia ficou com muita pena; estava sozinho e era Natal; então Sofia bateu à porta do senhor; ele abriu-a e perguntou:

     – Boa Noite! Esta menina bonita deseja alguma coisa?

     E ela respondeu:

     – Sim, desejo que o senhor me acompanha até a minha casa ! Pois tenho medo de estar sozinha à noite na aldeia.

    (Isto foi a  desculpa para o senhor ir com ela.)

    O senhor disse:

   – Claro, deixe-me só vestir o casaco… Bem… lá foram os dois até casa de Sofia. Os pais tinham ido ao concerto da sua irmã Matilde. Ela e o senhor entraram em casa. 

     Enquanto a Sofia fazia umas torradas e um chá, o senhor sentou-se no sofá a apreciar a beleza do Natal. Observou, na sala, a lareira com botas natalícias, a árvore de Natal decorada com enfeites e um Pai Natal de peluche pendurado na chaminé.

          Sofia preparou-lhe um chá, umas torradas e, quando lhas entregou, disse-lhe:

      –  Esta noite fica cá a dormir. 

    O Senhor recusou e Sofia insistiu tanto que ele disse:

    – Está bem, mas porquê?

    E Sofia explicou:

    – Porque é Natal. E toda a gente tem que estar feliz neste dia tão especial!

Mafalda C, 8A

Os Detetives – I

     

6gadget

Imagem: Site de Animação Infantil

     Era uma vez um detetive que se chamava Gadget e a sua parceira G2;  os dois eram robots e polícias detetives. Havia mais dois parceiros: o cão, que se chamava Génio e um carro que se chamava Gadjet-Mobile.

     Um dia, eles tinham prendido um génio do mal que  se chamava Garra.

     Passado algum tempo, o Garra conseguiu fugir por um buraco enorme ao pé da prisão. E quando o o Gadget estava a dormir, só se ouviu:  

Drriiiiiiiiii!

     Ele acordou, mas nem se teve de levantar da cama, porque a mão dele é um telemóvel. Era o seu chefe e o Gadget perguntou:

     – O que se passa, Chefe?

    – O Garra fugiu!!!

     – O quê?

    A cabeça dele esticou-se até ao quarto da sua sobrinha e ela perguntou:

     – O que se passa, tio Gadgget?

    – O “Garra” fugiu, Penny!!!

    – O quê?!!!!

    E quando ele estava a arranjar-se para ir tentar prender o Garra, a Penny já estava a descer para ir com o tio, mas ele não deixou.

     Logo de seguida, foi ligar  à G2 e ela também ficou espantada e foram a correr ter com o seu chefe, ao pé do buraco.

    Quando ele chegou lá, disse ao chefe, que estava ao pé do buraco:

     – Acho que o Garra fugiu por aqui.

     E o Chefe respondeu, sarcástico:  

   – Oh, a sério?

    E quando se iam embora, para desvendar o mistério, o Gadget bateu nas costas do seu chefe a dizer:  

    – Até já, Chefe! Vamos desvendar o crime.

    E lá foi  Chefe a cair para o buraco por causa da palmada nas costas e gritou:

      – GaAAAAAAAdget!

     –  Ooops, lá se foi o Chefe!

(Cont)

Margarida L, 5B

Sabichona e sua Amiga

Alice in Wonderland Caterpillar concept art by Mary Blair

Tom Simpson via Compfight

     Era uma vez uma lagarta chamada Sabichona; toda a gente gozava com ela por gostar de estudar.

     Uma vez, ela foi para uma casa na árvore: subiu e subiu, até que lá chegou. Quando entrou, já lá estavam três caracóis a fazer uma corrida. Então decidiu ir embora.

     Foi para uma biblioteca estudar. Quando lá chegou, subiu para uma parteleira, encontrou um livro sobre animais. Pegou no livro e levou-o para uma mesa, começou a ler e começou a perceber muito mais sobre a sua espécie animal.

     Depois de ver bem o livro, foi pedir à caracoleta bibliotecária se podia comer na biblioteca; a caracoleta disse que sim, mas que tentasse não sujar. A Sabichona tirou do bolso uma tabulete de chocolate e comeu-o, mas depois caiu chocolate no livro e sujou-o.

     Uma lagarta que estava no livro, de repente saiu do livro e estava ao seu lado. A lagarta disse:

      – Olá, eu chamo-me Ariel. E tu?

     A lagarta Sabichona, um bocado confusa, disse:  

     – Mas tu não és uma imagem de um livro?

     E a Ariel respondeu:

     – Não sei, mas como te chamas?

     A Sabichona respondeu:

    – Chamo-me Sabichona.

     E a Ariel perguntou:

    – Podemos ser amigas?

     E a Sabichona disse que sim. Logo de seguida, a Ariel perguntou:

    – Queres estudar? Eu adoro estudar!

     Com um ar contente, a Sabichona respondeu:

    – Eu também adoro! Finalmente, alguém com quem posso estudar!

     As duas, contentes, foram estudar. Leram vários livros e, no final, foram brincar lá para fora. Passaram momentos muitos bons, mas houve um dia em que Ariel disse:

     – Desculpa, mas tenho que voltar para o livro.

     A Sabichona, com um ar triste, disse:

    – Ok, tudo bem, mas eu vou contigo.

     Então, as duas foram buscar o livro e saltaram para dentro dele. Assim ficaram as duas a viver lá.

Madalena M, 5C

A Chave da Sabedoria

The key of Saint Peter

jaci XIII via Compfight

     Há muitos anos atrás, numa terra chamada Trapalhândia, existia um belo príncipe muito trapalhão. Um dia, de repente, recebeu uma mensagem: 

Se queres voltar a ver a tua querida Princesa,

tens de ir ao meu castelo e encontrar a chave da Sabedoria!

Assinado:

O Dragão Opala

     – Oh Não! – exclamou o príncipe.

     Foi andando para o seu Castelo. Tudo estava calmo, nem os pássaros falavam, tudo estava tranquilo… de repente, vindo do nada, cai um monte de espadas! O Príncipe encolheu-se e ficou a salvo, estranhamente!

     Foi andando pela floresta e quanto mais caía, mais se salvava de armadilhas. Quando chegou a uma clareira, viu a chave que brilhava no ar: era enorme, suspensa da maior árvore da floresta! Aproximou-se da chave e… a Princesa estava lá dentro!

     Vindo do nada, o Dragão rugiu e disse:

     – Passaste o primeiro teste! Agora escolhe: a chave da Sabedoria, as riquezas mais belas da Terra ou a Vida Eterna?

      O Príncipe, muito intrigado, respondeu-lhe:

     – Não preciso de ter as mais belas riquezas, porque tenho a Princesa; nem preciso da tua vida eterna, porque o meu maior sonho é ficar com ela para sempre!

Maria S, 5C

As Folhas que eram Morcegos

     'Anybody Out There?', United States, Maine, Wheeler Bay

Chris Ford via Compfight

     Numa vulgar noite, quatro amigos, chamados Vera, Gabriel, Inês e António, foram acampar num parque aonde ninguém ia.

     Quando já passava da uma da manhã, adormeceram.

     O dia apresentou-se claro e límpido; Gabriel saiu da tenda e, logo ao abrir a porta da tenda, disse:

     – Malta, venham cá ver isto! – com uma cara espantada e, ao  mesmo tempo, assustada.

     Os amigos foram lá e ficaram com a mesma cara durante dois minutos inteiros.

     Sabem onde eles foram parar? Sabem onde? Numa floresta com os troncos encaracolados comos os caracóis do cabelo da Inês e as folhas eram morcegos!

     Quando os “morcegos” caíam, eles, em vez de irem para  o chão, iam para o céu. E o chão, pelo contrário, era uma espiral às cores, tal com o arco-íris.

     Passados dois minutos, a Vera disse:  

    – Onde estamos? Como viemos aqui parar?  

    Todos tinham essa questão, eles não iam descobrir ficando ali especados!

     Então começaram a desmontar a tenda e os seus mantimentos, e puseram mãos à obra. Deram só uns passinhos e o Gabriel pediu ajuda ao amigos; olharam e:

     – Como foste aí parar?

    – Não sei! Achou que foi a árvore que me fez isso!  – disse o Gabriel, que tinha ficado preso nos ramos.

    Os amigos foram logo ajudá-lo a sair de lá. Quando o tiraram, continuaram a caminhar , mas a cada passo que davam, um amigo enrolava-se numa árvore; só faltava o António a ser “comido”: ele ia dar o próximo passo e eles todos disseram em coro:

     – Não dês outro passo! – Mas disseram-no tarde demais e os quatro foram sugados para baixo. Eles foram parar a outro sítio, mas este era normal.

(Cont)

Mariana S, 6C

A Rapariga das Flores

     Tuscan countryside

Wasfi Akab via Compfight

     Numa aldeia muito distante, vivia um rapaz de 14 anos; ele era pobre, por isso a mãe não o conseguiu pôr na escola e, em vez disso, ele trabalhava, ajudava o pai na quinta do homem mais rico da aldeia.

     Todos os dias, o pobre rapaz começava por varrer as folhas do jardim, dar comida ao cão e à vaca e, por fim, carregar a lenha; e todos os dias recebia duas moedas de prata, enquanto o seu pai recebia cinco.

     Um dia, a caminho da quinta, o rapaz conheceu uma rapariga que levava flores para o senhor António, que era o dono da quinta, pois a mãe do mesmo tinha falecido. O rapaz pediu-lhe uma das suas flores para dar ao seu patrão.  

     Maria Papoila era alta, tinha os cabelos castanhos cor de avelã, usava roupas simples, mas sempre com um sorriso no rosto; não era de muitas conversas, apenas as necessárias.

     Quando chegaram à quinta, o patrão já lá não estava, tinh-se mudado para junto da sua própria família, mas deixou a casa para a pobre família de trabalhadores, mais mil moedas. Então, a mãe do rapaz conseguiu pô-lo na escola.

      Ele andava muito feliz, não só por poder ir para a escola, mas também porque andava a sair com a rapariga que tinha encontrado no dia em que a mãe do Senhor António tinha morrido; ele estava realmente apaixonado, estava a pensar em pedi-la em namoro.

     Então combinaram ir ao restaurante do mestre Zé, que fazia uns belos pratos. E assim foi: ele chegou-se ao lado dela, no fim do jantar e disse:

     – Maria Papoila, tornas o meu desejo possível e namoras comigo?

     Ela respondeu sem hesitar, que sim.

Matilda M, 7A

Super-Poderes

thundermans-800x450Imagem: Slime Cup     

     Era uma vez uma família poderosa: todos tinham poderes, tais como: uns lançavam raios das mãos, outro tinha uma força imbatível; os dois irmãos mais velhos tinham um hálito quente e um hálito frio, para congelar e descongelar; dos dois mais novos, um corria super rápido e o outro deitava lasers dos olhos. Eles salvavam o mundo.

    O Max era um vilão cujo melhor amigo era um mau que se tinha tornado num coelho falante. Desencadeou-se uma guerra entre o mal e o bem: uma espécie de bebé falso vai aterrorizar todos os bebés do mundo, transformando-os em monstros.

     Os nossos heróis vão enfrentá-los num poço: os Thunderman enfiaram o nosso vilão num poço infinito de bolas onde os bebés de novo fofos ficaram.

     Passados alguns meses, veio um meteorito que descontrolava os poderes dos nossos Thunderman. Tão descontrolados ficaram que o Billy tinha um baloiço elástico. A Nora usava uns óculos para não deitar lasers dos olhos.

Vasco L, 6C

Uma Noite no Shopping – III

      228_0841

   Imagem do Cascais Shopping

     – O que é que fazemos? – Perguntou a Vera a gritar.

     – Vocês não vão fazer nada! – Ouviram uma voz grossa atrás deles.

     Quando se viraram, qual não foi a surpresa deles, ao ver os senhores que estavam a falar. O senhor gritou:

     – Apanhem-nos!

     E começaram a vir patrulhas de todos os lados, sem deixar um sítio para fugir. De repente, puseram-lhes uns lenços brancos no nariz e eles desmaiaram.

      Quando acordaram, os miúdos viram uma sala grande sem iluminação, só com uma luz forte a apontar para eles. Lá fora, continuava a tempestade. Os bandidos começaram a fazer imensas perguntas gigantes e complicadas. Eles não queriam responder, mas ficaram sem alternativa, porque o chefe começou a ameaçar as suas famílias.

    A certa altura, ficou só o escravo com eles; o Bernardo conseguiu que o escravo se aproximasse.

     Quando o criado se chegou ao Bernardo, este fez-lhe logo um golpe de karaté e ele caiu no chão. O Bernardo saiu da cadeira a pensar que já estava tudo bem, mas  estava enganado. O criado levantou-se e começaram uma luta gigante como nunca tinham visto. O Bernardo segurou-se aos cortinados e deu-lhe com os pés no tronco, fazendo-o cair e ir contra a parede, magoando-se e caindo no chão.

     O Bernardo aproveitou, desamarrou os seus companheiros e fugiram.

     Eles refugiaram-se num caixote que tinham encontrado fora do esconderijo. Enquanto os amigos discutiam o que fazer, a Leonor pegou no seu telemóvel e ligou para a polícia que, por acaso, estava perto e chegou depressa.

     Os polícias disseram que já tinham recebido queixas sobre eles e descobriram que eles eram traficantes de filmes pirateados.

   E foram todos para casa, contentes.

 Carlota C, 6C

Pégasos de Coração

   Surreal 2

Creative Commons License Five Furlongs via Compfight

      Há alguns anos atrás , um cavalo voador da família real, ouviu falar num lugar onde os cavalos eram livres; então, quis ir para lá, despediu-se da sua família e pôs-se a caminho.

     No caminho, os cavaleiros negros apanharam-no levando-o para o seu estábulo.

      Ficou lá durante uns meses, até que a princesa da Família Real percebeu que ele tinha fugido: então, perguntou ao seu irmão Rufus. A princesa conseguia falar com os animais, pois era o poder do seu amuleto; além deste eram muitos mais. A princesa e Rufus foram à procura dele, vendo por um GPS na sua coleira. Por fim, encontraram-no no estábulo; entraram em silêncio e lá estava ele.

    A partir deste momento da história  dispomos do Diário da própria Princesa: 

     Quando estávamos a soltá-lo, um cavaleiro negro chegou e perguntou com uma voz grossa e assustadora:

    – O que estão a qui a fazer?

   Eu só agarrei no Rufus e no Pégaso, montei-me no Rufus  e começamos a voar. O cavaleiro lançou uma corda, apanhando o pescoço do Pégaso. Continuei a voar e pousei para pensar o que iria fazer; até que disse ao Rufus:

    – O que é que vamos fazer? Ele tem uma espada e nós só temos um guarda-chuva. Assustada voltei-me e o cavaleiro ainda estava a voar com o Pégaso preso com uma trela; então, disse para o Rufus acelerar como nunca o tinha feito. Aproximamo-nos,  eu peguei no guarda-chuva e abri o cadeado da trela do Pégaso:

    – Pégaso, voa rápido – disse eu com uma voz alta.

     No entanto,  o Pégaso ainda queria ir para o tal sítio onde os cavalos eram livres. Então fomos a caminho deste. Chegamos e era fabuloso, parecia o paraíso: havia um arco-íris gigante, uma cascata maravilhosa. O Pégaso perguntou ao seu irmão:

     – Rufus, não queres ficar aqui comigo, neste paraíso?

     Ele negou, pois gostava de trabalhar com a Família Real, ao contrário do seu irmão que queria ser livre. Então, ele disse:

    – Somos diferentes, mas eu adoro-te, pois és o melhor irmão do mundo.

     Esta foi uma história do meu Diário.

Mariana S, 6C

O Nobre Guerreiro

   This is Sparta

Creative Commons License Nathan Forget via Compfight

     Num mau dia de chuva e trovoada, erguia-se uma montanha ardente dos trovões, aí havia uma pequena aldeia onde vivia um nobre cavaleiro.

     Nessa aldeia havia muita alegria; em honra dela tinham construído uma torre muito grande, onde estava sempre um soldado.

    Passados alguns dias, ainda chovia de forma agreste, quando o homem da torre avistou um grupo gigante de soldados. Rapidamente, o nobre armou e preparou os seus homens, mandando um cavaleiro pedir ajuda. Quando o cavaleiro veio, trazia cem mil elfos para ajudar e eles, então, construíram muralhas.

    De repente, o homenzinho da Torre vislumbrou que eram mais de dois milhões de soldaditos inimigos.

    Nessa noite, eles atacaram a aldeia. Passados quatro anos, a aldeia era um terror.

    Numa noite, começaram a cair pedregulhos; os Orcs meteram-se em posição de defender-se, mas o nobre que voltava levava mais de duzentos biliões de homens.

    Todos eles atacaram com garra e ganharam. Depois da guerra o nobre tinha desaparecido. Todos o procuravam, mas ele tinha morrido. Então, em sua honra, construíram muralhas com estátuas dele.

Afonso C, 6A

Mistério na Biblioteca

 Cat and fire

Creative Commons License Michel Filion via Compfight

     Entrei na biblioteca de Cascais e sentei-me ao pé da lareira a ler um livro sobre gatos. O livro era delicioso: imaginem que um gato persa, peludo usava uma capa com uma cara de gato e conseguia voar!

      Ora havia um gato muito parecido com o que eu estava a ler, deitado em frente à lareira, enroscado num tapete vermelho, muito sossegado, enquanto eu estava a ler, sentado numa cadeira, exactamente a mesma coisa.

      O gato levantou a cabeça e falou comigo:

     – Queres fazer uma aventura comigo?

      Senti-me espantado mas disse que sim.

   Então o gato deu-me superpoderes, como por exemplo, voar. Saímos dali num instante, mas não da Biblioteca, antes entramos pelo livro adentro.

     Voamos, por entre picos altíssimos, cobertos de neve, até chegarmos à entrada de uma gruta escondida. Lá dentro, estava uma centena de livros velhos com umas estantes para segurar e organizar os livros.

     E foi graças a ler esses livros que o gato passou a ter superpoderes.

André S, 6B

O Temporal – II Episódio

     storm_mini

   Imagem: Captain Brad - Flickr Creative Commons

      Nesse dia do temporal, acenderam-se as luzes novamente e toda a gente ficou aliviada; mas, de repente, o temporal era tão grande que a Vila de Cascais ficou sem electricidade.

     A escola encerrou e a Direção também telefonou aos nossos pais para nos irem buscar.

     Passado uma hora, todos os pais chegaram à escola; toda a gente também estava aliviada outra vez, com os seus pais.

     Passadas algumas horas, voltaram a acender-se as luzes. Eu liguei a televisão, pus no canal 3 e o senhor jornalista disse para as pessoas se prepararem para o temporal.

    O vento já era de 350 km por hora, chuva intensa e ondas de dez metros.

     À noite, em minha casa, as luzes apagavam-se e voltavam a acender.

     Mas de manhã, estava um dia lindíssimo de S. Martinho…

Lourenço C, 5B

O Náufrago

 Vasco_l_6-cVannaGocaraRupaImagem: Lonely Planet Creative Commons

     Estava num avião de mercadoria, ia fazer entregas, mas o motor teve uma falha e ele tinha pelo menos sete entregas para fazer!

     Com sorte, aterrou numa ilha, mas com muita pouca sorte, não havia lá ninguém. A comida, já quase não havia, a única coisa que lhe restava eram  sete caixas: cada caixa tinha uma coisa útil, mas uma delas tinha uma bola que ficou a melhor amiga dele durante vinte anos.

      Experimentou fazer fogo. Para fazer comida: peixe, caranguejo, mas ele só conseguiu fazer fogo no dia seguinte. Nas ilhas, de manhã, está bom tempo, mas à noite é uma tempestade. Ele, já bem cheio, construiu uma barraca e nela viveu 20 anos!

     Ninguém sabia onde ele estava. Fez uma conta de quanto é que a ilha media e onde se situava.

      Quando estava a pescar, encontrou metade de uma casa de banho portátil. Construiu uma jangada em que o teto era a metade dessa casa de banho. A jangada tinha de ser muito resistente para atravessar as ondas e o oceano pacífico.

     Passados 3 meses, o homem já estava em terra firme, na América. Foi considerado como a pessoa mais corajosa da América. E foi entregar a encomenda que não tinha aberto ainda!

Vasco L, 6C

Um Novo Super-Herói

    Take Off Ben Lyon via Compfight

     O meu Super-Herói seria Super-Músculos, os meus super poderes seriam ter músculos e lança-teias. O meu fato seria um rectângulo a dizer SM, preto e laranja fluorescente e umas botas pretas. O meu arqui-inimigo seria o batatóide e ele lançaria batatas muito quentes que me queimavam muitas vezes.

     Eu viveria disfarçado como um adolescente que era muito rebelde mas tinha boas notas e era super-giro, basicamente, era o rapaz mais popular.

    Eu costumava dizer: “os meus amigos gostariam que eu fosse às festas, mas quase sempre não posso ir, porque tenho missões. Os meus pais querem saber onde é que eu vou e eu digo: – Vou à festa do Costa.”

     As missões de que eu gostaria eram ir à esquadra da Polícia vestir-me de S.W.A.T. e ir atrás dos ladrões. Outra missão era comprar uma loja de vídeo-jogos para ter acesso às câmaras de vigilância.

     Os Supervilões tinham roubado o banco Inicial e receberam as 100 peças que tornam qualquer pessoa um vilão, mas, no outro banco, havia as peças que transformavam as pessoas em pessoas com superpoderes bons, para ajudar os outros. As pessoas ficavam boas e com superpoderes.

Manel D, 6A

Os Piratas Afonso e Manuel

Dead Men Tell No Tales SoCalDork via Compfight 

     Os piratas Afonso e Manuel eram muito bons a caçar tesouros; já eram podres de ricos.

     Um dia, eles tentaram assaltar outro barco de piratas, mas eles eram sete e o Manuel e o Afonso, com mais dois tripulantes, eram quatro.

     Por isso eles aplicaram uma grande tática: enquanto os outros dois tripulantes iam contra os sete, o Afonso e o Manuel iam roubar o tesouro, que era de cem biliões de euros. E conseguiram roubá-lo! Então, quando foram comprar um papagaio, um deles disse: 

      – Ah, que bela paisagem! Lindo, olha!

     E estava uma paisagem assim: mar calmo, uma praia deserta, com uma palmeira e o Sol a pôr-se. O Manuel disse:

     – Bem, acho que vamos dormir aqui.

      – Sim, acho que sim. – Concordou o Afonso.

      No dia seguinte, encontravam-se no meio do Oceano. Mas rapidamente foram para o mar Mediterrâneo. De repente, sentiram um embate: estavam em França!

      Depois, foram a terra e comeram um peixe grelhado com muitos legumes. A partir daí, sempre que iam caçar um tesouro, depois vinham para França. E tiveram uma casa em França, com piscina e um jacuzzi.

Manuel D, 6A

Uma Noite no Shopping – II

     caiscais-shopping_mini

Imagem: My Christmas Experience in Cascais Shopping

     Quando já estavam cheios de sono foram-se deitar com pijamas e roupas quentes que tiraram de lojas.

     Quando estavam a dormir, a Maria ouviu um som esquisito e acordou os outros, muito assustada.

     – O que foi agora, Mariana? – Refilaram as duas ao mesmo tempo.

     – É que eu ouvi um barulho muito esquisito e depois pareceu-me ouvir uma pessoa a refilar.

     No exato momento em que a Mariana acabou a frase, ouviu-se outra vez e aí os rapazes acordaram.

     O que foi isto? – Perguntou o Bernardo.

     – Não sei, mas também não tenho medo! – Afirmou o Rui, cheio de medo por dentro.

     – É melhor irem ver! – Desafiaram as raparigas para ver se os rapazes tinham medo.

     – Porque não vão vocês? – Replicou o Salvador indignado.

    – Nós não vamos, porque somos raparigas!

    – Então, para agradar toda a gente, podemos ir todos. – disse a Leonor, já cansada da discussão.

     Todos apoiaram a opinião da Leonor. Lá foram eles por ali fora. Parecia um autêntico filme de terror. De repente, todos pararam, para ouvir uma conversa que vinha de uma loja.

     – De que estarão a falar? –  Perguntou o Bernardo.

     – Não sei, tu não deixas ouvir! – Refilou o Salvador.

     – Deixem ouvir! – Resmungou o resto do grupo. Ficaram todos calados a ouvir a conversa.  

     – Estes miúdos vão-nos dar muitos problemas.

     – Sim, Chefe! – Concordou o criado dele.

     – Temos de tratar deles.

     – Pois é, Chefe.

     – Para de responder! – Refilou o chefe.

     – Claro, Chefe.

     – Para! Que irritante! Continuando, chama as patrulhas e que cheguem depressa, porque são muitos miúdos.

     A conversa acabou; os amigos ficaram a olhar uns para os outros e desataram a correr. Quando estavam a correr, fechou-se a porta da frente. Correram para todas as portas, mas sempre que chegaram lá, fecharam-se.  

     – Bolas, eles foram rápidos! – Afirmou o Salvador.

     – Não temos nenhum lado para fugir…

[…]

Carlota C, 6C

 

Uma Noite no Shopping

cascaishopping-interiorImagem: Portugal Virtual    

      Era uma vez um grupo de sete amigos que decidiram ir almoçar fora e ir ver um filme ao Cascais Shopping.

      Estava um dia muito chuvoso e com muito vento, as árvores caíam por todo o lado, ouvia-se o ruído do vento a passar pelas folhas castanhas.

     Os amigos saíram do cinema, depois de ver o “Ataque de Zombies 2”, que era o filme mais assustador do ano. Claro que as raparigas ficaram cheiinhas de medo e o Rui também estava, mas tentava mostrar que não tinha medo, para passar a seu lado como “macho”.

     De repente, ouve-se:

    – Caros clientes, Cascais está sob alerta vermelho, portanto só vão poder sair amanhã de manhã. Até lá, podem pedir tudo o que quiserem, sem pagar. Esperamos que tenham uma noite descansada.

     A Carlota, que sabia muito sobre o Cascais Shopping, disse:

      – Vamos dormir para a Area, têm lá muitas camas! Despachem-se, senão as pessoas vão ocupar as camas todas!

     Quando lá chegaram, não havia ninguém; então, fecharam, para ficarem só eles nas lojas.

     A meio  da noite, eles andaram pelas lojas todas a comer gelado, gomas e, claro, as raparigas queriam levar tudo: todos os sapatos, vestidos, calças, jardineiras, colares lindos com jóias lindas de morrer. Os rapazes andavam na Fnac, nas lojas de Surf, na Sport Zone. Todos estavam a divertir-se imenso!

[…]

Carlota C, 6C

A Sala de Aula Vazia

     Mister Pokey

Michelle MacPhearson via Compfight

      Era uma vez, numa Escola perfeitamente normal, uma sala do 6ºC que estava sempre vazia. Muitos alunos iam à Secretaria e até gritavam:

     – Deixem-nos entrar na sala vazia!

    – Não! Nunca mais alguém poderá lá entrar!  – Irritou-se a Diretora.

    Três crianças corajosas foram tirar a chave à Vigilante do corredor e entraram.

    De repente, apareceu um fantasma pequeno, transparente, a flutuar e exclamou:  

   – Eu sou da década de oitenta, morri de tédio na aula de Matemática e vou sugar-vos a alma também!   – Não! – Exclamaram as crianças, espavoridas.

   Uma delas esgueirou-se para o corredor, arrastou o aspirador da Srª da Limpeza e aspirou o fantasma.

     E viveram felizes para sempre.

Diogo T, 6C

Os Ovos de Dinossauro

     DSCF4899aJPG

Creative Commons License SantaRosa OLD SKOOL via Compfight

     Certo dia, o Sr. Alfredo, o famoso explorador, resolveu ir explorar a Natureza em busca de um ovo de dinossauro.

     O Sr. Alfredo era jovem, corajoso e ágil.  Quando chegou à árvore da vida, a paisagem tinha montes de árvores, plantas e muitos pássaros, ao pé de um rio. Ele tentou entrar numa passagem secreta, porque não queria que alguém soubesse da existência dos dinossauros.

     O António era fraco, velho, mas muito inteligente. O António e o Sr. Alfredo começaram a lutar. Passado um bocado, o António pôs uma rede no chão e escondeu-se atrás de uns arbustos. O Sr. Alfredo pisou a rede e o António puxou-a. À noite, o Sr. Alfredo teve a ideia de cortar a rede com a sua faca de mato.

    Quando saiu da rede, entrou na passagem secreta, tirou cinco ovos e levou-os para casa. Após chegar a casa, meteu-os num sítio quente.

     Passado um ano, os dinossauros cresceram e o Sr. Alfredo ganhou um prémio de 103 contos, que equivale a 540 euros. Pôs os seus dinossauros no Jardim Zoológico e toda a gente ia lá ver; por tudo isto ficou conhecido como um herói.

Martim P, 6A

Planeta dos Macacos – V

monkeys_forest

Imagem de FX Guide

    Mas antes disso, Coba e os macacos que estavam por cima da ponte saltaram para cima dos polícias e os polícias começaram a disparar sobre eles. Enquanto isso, Maurice e os orangotangos saltaram novamente para a ponte. E os gorilas saltaram por cima do autocarro e também atacaram.

     Mas o helicóptero tinha uma metralhadora e estava a tentar acertar em Ciser. Um gorila meteu-se à frente de Císer e saltou para cima do helicóptero. Um homem que estava lá dentro deu-lhe vários tiros, mas ele não morreu. O helicóptero caiu e explodiu; o gorila, com a explosão morreu.

     Todos os macacos conseguiram ir para a floresta e, de aqui em diante, todos obedecem a Císer. A partir daqui, os macacos tiveram liberdade!

Pedro G, 6D

A Guerra Final

As Origens de Wilderland

   The Littlest Ogre (2) Amber Dodds via Compfight

      Em 1565, na Inglaterra, começam a surgir fenómenos “estranhos”, por exemplo: os Orcs; os Orcs eram uma tribo de monstros; havia monstros que já não tinham cara; eles eram muito assustadores. Havia Elfos, Goblins e fantasmas…

     Por essa altura, havia três irmãos: um deles dedicou-se à magia, outro arranjou o seu próprio exército em Riverrunning e o último teve um filho, que era Drake – nome parecido com o do pai, Drako. Drako cuidou de Drake e arranjou um exército, para que, no futuro, fosse de Drake, mas houve um problema: os Orcs raptaram Drake apenas com um ano e aí,  o pai Drako teve de ser inteligente e criou Mirkwood.

(Continua) Pedro G, 6D

O Império Nature – IX

Château de La Cité Javier Medina via Compfight

Nature, a Guerra perdida e Laminor, o Traidor

    Um mês depois, um exército de Majadir invadiu Malacas, uma cidade muito rica de Nature. Dª Maláqua, visto prever uma Guerra perdida, não atacou o exército de Majadir, mas deu a volta e atacou a capital de Majadir. À beira dos portões da cidade de Malaquena – capital de Majadir – o exército de Nature preparou as armas de cerco para o assalto.

      Ouviu-se Dª Maláqua gritar:

      – Por Dom Salá!

      E sobre as muralhas inimigas caíram pedras de catapulta e flechas. Na cidade instaurou-se um clima de gritos, devido às mortes com as flechas, algumas delas incendiárias. De repente,  casas começaram a cair, enquanto pessoas caíam em falésias e o fogo causado pelas flechas alastrava até que uma parte da muralha de pedra desmoronou em cima de Dª Maláqua e do Gerneral Mali Carmon. O terramoto foi tão forte que destruiu Norga, capital de Nature, Wormos, capital do Antigo Império Nórdico, destruindo assim o exército de Majadir.

      Em Norga reinava o caos: ninguém sabia o que fazer, como se orientar, tal como em todo o reino de Nature e em todo o reino de Majadir. O A. E. N. (Antigo Império Nórdico) ofereceu ajuda a Nature e assim todo o Império Nature foi reconstruído e passou a ser governado por Dom Varna, engenheiro que reconstruiu Norga e todas as cidades de Nature.

     Nature entrou então numa época de paz com Majadir, mas perdeu cinco cidades e três províncias devido às conquistas de Curence. Em 418 A.C., Dom Varna recebeu a notícia de que o seu irmão, Dom Margos tinha proclamado Laminor Nation independente; neste encalce, Nature declarou-lhe guerra.

Rafael N, 6D

O Tesouro

   BOOTY

Blake via Compfight

      Num belo dia de sol, quatro crianças do Colégio Amor de Deus, encontraram no chão, um mapa, ao pé de umas escadas estranhas. O João pegou no mapa e exclamou:

     – Acho que aqui está um tesouro!

     A Mariana perguntou:

     – Onde fica esse tesouro?

      O João respondeu:

     – Fica na floresta.

    A floresta ficava perto da escola, tinha pinheiros altos, carvalhos antigos e pedras cobertas de musgo. Então, todos entusiasmados, foram à procura do tesouro. Começaram a seguir o que o mapa dizia, e, entretanto, passaram por um sítio que tinha animais ferozes, e o Bernardo segredou:

     – Não façam barulho.

     Mas o Diogo, sem querer, pisou um galho e todos os animais, que estavam a dormir, acordaram e foram atrás das crianças. Elas correram tão rápido, todas em conjunto, que os animais não conseguiram apanhá-las.

     Depois, pararam e viram o que estava no mapa; de repente, o Bernardo exclamou:

     Acho que chegámos ao sítio!

     E todos concordaram. Começaram a escavar com muita pressa, em sítios diferentes da floresta, mas na mesma zona, até que a Mariana disse:

     – Acho que encontrei alguma coisa!

      Todos foram a correr, puxaram ao mesmo tempo e encontraram a arca do tesouro! Depois, o Diogo fez saltar a fechadura com o canivete, abriu-a e gritou:

      – Estamos ricos! Viva!

     A arca estava cheia de moedas de ouro douradas e redondas, a brilhar com uma luz reluzente. Todos em conjunto levaram a arca para casa da Mariana e dividiram o tesouro pelos quatro. Quando chegaram a suas casas, as mães ficaram muito contentes e eles também.

Mariana H, 6C