Aproveitar cada Segundo

Lisbon and the Tagus River (1960) - Abel Manta (1888-1982)Creative Commons License Pedro Ribeiro Simões via Compfight

     As minhas férias foram incríveis, apesar de ter passado muito pouco tempo com os meus pais e quase todo com o meu avô, mas foram momentos bem passados.

     De junho para julho, passei mais tempo com os meus amigos, seja “online” ou em casa de uns e de outros, a jogar.

      Em julho passei a maior parte das férias entre a casa do meu avô e a da minha avó, onde quase nada mudou.

     Em agosto só passei uma das quatro semanas com o meu avô e o resto do mês com a minha mãe.

     Quase todos os dias eu ia à praia e, de vez em quando também, com os meus amigos ou com os meus avós, e também fui a Espanha. Apanhei grandes ondas e diverti-me com a família.

     Em setembro, fui com a minha mãe a uma aldeia de xisto, que é muito pequena e bastante gira, com os seus cidadãos tão interessantes.

     Tentei aproveitar cada segundo de cada dia até chegarem as aulas de novo. Mais uma vez, quase todos os dias eram passados com o meu avô. Nestas férias, percebi o quão importante é o meu avô na minha vida.

Francisco Bt, 7A

O Que o Meu Coração Ama

Sunny Studio Two Scoops Rainbow Sherbet Card Mendi Yoshikawa via Compfight

      Adoro ir ao Bounce, porque é fabuloso saltar e divirto-me imenso, principalmente quando vou com amigos.

      Gosto muito de fazer anos e convidar amigas, porque há tantas coisas divertidas para fazer: festa de pijama, apanhadas, comer doces, brincar com insufláveis, lutas de balões e corridas.

     Sabe-me bem, de vez em quando, saborear um belo gelado com a Família  e com os amigos, até só de o escrever, já me estou a babar. Os meus sabores preferidos são: avelã, stratiacella, nata, meloa e baunilha.

      Estar com a família é algo que o meu coração ama e eu também amo. Por exemplo, mesmo quando eu estou zangada com os meus pais, ainda sinto o meu coração a bater.

      As amigas são também como os pais, mas ainda assim, não há amor maior do que o dos pais, mas os amigos também são algo muito precioso.

Joana Cb, 5A

O Que Eu Mais Amo

     Eu adoro ir à praia, porque quando eu vou para a água, sinto-me livre!
    As festas para mim, são magia, celebração de algo como o Halloween, com bruxas e fantasminhas.
     Eu gosto imenso de chocolate: quando como um bocado, quero comer o resto, nunca deixo sequer uma migalha e fico cheia de energia!
      Eu amo a minha família, é o que eu tenho de mais valioso;  no Domingo costumo ter um almoço: só eu e o meu mano de 14 anos, os outros são todos adultos e falam ao mesmo tempo em conversas cruzadas!   
     Os amigos são as pessoas em quem podemos confiar. Quando eles fazem anos, gosto tanto de ver a alegria no rosto deles quando recebem um presente.
Mariana L 5A

As Amigas


Strand Praia do Tonel SagresCreative Commons License dronepicr via Compfight 

    Um dia, uma menina chamada Carolina foi a casa da Inês. Estiveram   a  brincar às escondidas à volta da mesa.  Aconteceu que, depois, uma delas magoou-se no joelho, quando estava a fazer escola vitual.

   Hoje, a Carolina esteve com a Inês para tudo, a fazer os trabalhos  de  casa e a jogar. 

    A Luísa, que era a prima delas, estava com os seus amigos; estavam  a ver “Os Descendentes 2”; viram a Uma que esteve triste, porque o seu namorado deu-se mal: zangou-se.

     E viram o Ben: esteve a namorar na escola e, assim,  a portar–se bem.

     Os outros amigos não vieram: o  Ricardo estava a doente, a Violeta, que tem uma casa  grande com uma piscina, foi para a escola,  assim como a Kika e a Rita .

Francisca Pr 5A

A Melhor Vida de Sempre

MessiCreative Commons License cchana via Compfight

       O meu ídolo é o Messi, porque ele é amigável quando está a jogar com os colegas. Eu gosto de futebol porque acho muito divertido tentar marcar um golo. Já fiz um jogo em que ganhamos 11 a 5!

       A Família, para mim, é amor. Nas férias, é tão bom acordar de manhã e ir tomar o pequeno-almoço no hotel, todos em Família.

     Adoro brincar com os meus amigos, quando estou feliz com eles, mais aberto e mais à vontade. Costumamos andar de Skate, conversar sem fim, porque eu sou muito amigo das pessoas. 

       Já estive no Dubai e lá andei de camelo, na praia. 

      Estive nas férias, com o meu Pai, a andar de bicicleta. Esta é a melhor vida de sempre!

Zé G, 5B

O que Eu Gosto mais de Fazer na Vida

Harry playing footy vs Oak Park-30 Russell Charters via Compfight

     Para mim, o futebol é o melhor desporto do sempre!  O jogador que eu mais admiro é o Harry Kane, da Equipa do Tottenham: ele chuta mesmo bem!

      Estar com os amigos é fabuloso, pois se eu não tivesse amigos, não tinha com quem brincar.

      Adoro as festas de família, como os aniversários e o Natal. As melhores festas de aniversários são as dos meus tios e dos meus primos, porque têm uma enorme garagem para fazer uma discoteca.

       Fui duas vezes à Madeira e o que eu admirei mais foi a água do mar porque era muito quente, transparente, o mar era manso e havia pedras em vez de areia.

       Na Disneylândia o que eu achei mais extraordinário foi a montanha russa maior da Europa: a Space Mountain.

       No verão, vou três meses ao Alentejo e admiro muitas estrelas quando vou andar de bicicleta à noite. Faço bodyboard na praia da Zambujeira onde o mar tem muitas ondas e a areia tem cor de pele e é fofa. 

Eduardo M, 5B

Experiências Indescritíveis na Carrapateira

https://www.voyagesetc.fr/carrapateira-mon-petit-paradis-au-portugal/

 Imagem: Mon Petit Paradis     

       Este Agosto suave, na Carrapateira, com a minha Família e Amigos, tive experiências indescritíveis.

      Vivemos nesta pequenina Vila com dunas de areia fina e clara ondulando até ao mar brilhante.

      Criei um negócio emocionante e difícil: todos vieram da praia à hora combinada para preparar as pizzas e organizar um restaurante em casa até 30 pessoas, entre os nossos pais, família e amigos.

     Pesquei com cana: aquela sensação de ter um peixe na linha e a cana a tremer nas minhas mãos! Descia das rochas chamadas “Os dois irmãos” para ir apanhar o peixe, como me ensinou, entre muitos outros truques desse sítio, um pescador que ali ficou meu amigo.

      Nesses 13 dias intensamente vividos, quase apanhei o maior peixe da minha vida: depois de uma luta intensiva, consegui vê-lo e, com todo o cuidado, puxei-o. Quando pensei que ele já era meu, o mal aconteceu: a chumbada prendeu numa rocha alta, veio uma onda enorme, arrastou o peixe e levou-o!

Alexandre T, 7A

Amigas em Aventuras!

    Going Slowly Katherine Herriman via Compfight 

     Um dia fui à missa da minha avó que morreu, e estávamos a rezar. O meu apelido é P.;  a seguir fomos a casa e as minhas amigas  iam para a escola  trabalhar, fazer um teste nas aulas, a escrever,  a dizer qualquer coisa; eu estava a ir para casa com a Juliana. A Francisca e a Inês estavam a sonhar do meu próprio sonho onde andavam a roubar nas minhas coisas!

     Então, a Francisca resolveu ir à Sacolinha com a Inês e também com a Juliana. Depois, iam fazer uma visita de Estudo, as três foram a casa trabalhar e a professora delas pediu para estudar. E havia muita matéria!

     Elas estavam a brincar, mas, de repente, apareceu um ladrão. Então, ele raptou a Francisca. A Juliana e a Inês foram salvá-la, porque o ladrão tinha-se ido embora e a Francisca continuou amarrada. E gritaram o nome delas:

      – Juliana, Juliana! Inês, Inês!

     Elas foram salvar a Francisca. E a Francisca foi ter com as amigas.  Já em casa fizeram uma festa, para celebrar a libertação da grande amiga Francisca!

Texto a duas Mãos

Francisca P 5A e OE 

Aventura na Ilha do Farol

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiyj8XN8czWAhXL7RQKHai4C3QQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DUOoz25BKwgQ&psig=AOvVaw2o8YmhkmpGdT_00ooSs5wx&ust=1506859600670568

   Imagem: Ria Formosa2015

      Este verão fantástico, na ilha do Farol, vivi uma aventura indescritível, com a minha Família e amigos.

     À nossa volta havia o mar imenso, uma massa gigante azul clara e água fresca por todo o lado.

    À noite, sob o céu estrelado, eu e os meus amigos íamos a uma Associação na Ilha, onde jogávamos às cartas e andávamos de bicicleta à vontade, até um bar maravilhoso onde bebíamos batidos e comíamos wafels indescritíveis.

    De manhazinha, ia para a praia com 30º graus, mergulhava no mar fresco com os meus amigos e íamos apanhar lapas ao pontão debaixo de água.

    Eu adorei estar na ilha, porque podia viver livre e andar com os meus amigos em pleno dia e noite: foi uma aventura!

André R, 7A

Mergulhamos Todos ao mesmoTempo

   Imagem: Piscinas do Vimeiro

      Eu e umas amigas entrámos de mergulho para a piscina, no Vimeiro, fomos a nadar até à parte baixa, onde havia um reflexo que parecia uma cascata com água quente.

     Depois fui ter com outras amigas e amgos, juntámo-nos todos e demos um mergulho todos ao mesmo tempo!

     Quando se está na água, sente-se frescura, as cores dos fatos de banho e da água são giríssimas e ainda não cheirava nada a cloro, pelo contrário, cheirava a flores.

     Só se ouviam gritos de felicidade e de alegria. A Amizade é esta união com toda a gente, é convivermos assim uns com os outros.

Marta Stehn da Silva Antunes, 6B – 1992

Inesquecível Aluna do CAD

Um Sonho Chamado Vimeiro

Imagem: Oficina de Escrita

       Eu não queria ir para a água, mas o meu grupo de amigos pegou em mim ao colo e “catrapum”, Inês Becken dentro de água! 

     Quando eu estava no ar, sentia-me como um homem a saltar de um avião sem pára-quedas. Quando eu entrei naquela água límpida, macia e azul, eu senti uma frescura imensa, senti também um alívio, pois lá fora estava muito quente e abafado.

      Eu senti-me uma sereia a subir das profundidades mais profundas do mar. Naquele passeio, senti que havia amizade entre nós.

     A amizade é um sentimento muito importante, pois a vida depende dela. 

    Amizade é ter solidariedade para com os outros, é ajudar os amigos quando eles precisam, é dizer: “Ei, anda connosco, vais-te divertir.” É emprestar quando é ncessário, ouvir o seu problema e tentar ajudar da melhor maneira. 

     Naquela aventura no Vimeiro, estávamos todos unidos e amigos, partilhamos a alegria, o almoço, a grande festa, porque aquele passeio foi um reencontro de amigos, foi convívio, foi para nos conhecermos melhor e saber com quem podemos contar e com quem não podemos. 

     Naquela praia onde as ondas rebentavam nas rochas, eu ouvia o respirar das gaivotas; estava um bando de seres humanos a partilhar a sua comida, generosidade, alegria e, por momentos,julguei.me bebé de colo ou uma criança que aprende a falar e está sempre contente, pois não sabe o que a espera mais à frente. 

     Uma criança  com quatro anos não sabe que o mundo não tem assim tanta amizade, mas eu, por alguns momentos, esqueci as guerras, a fome e parecia que o tempo tinha voltado atrás; senti-me muito feliz! 

Inês Becken, 6C

Aluna Inesquecível do CAD

Concluindo o 7º, Sonhando o Verão

Child suffocationCreative Commons License Ben Salter via Compfight

     Neste 3º Ciclo, em geral, o que apreciei mais foram as visitas de estudo, principalmente a ida ao Teatro “Leandro, Rei da Ilíria”. Em particular, o que gostei mais foi de ter aulas de TIC, onde aprendi como utilizar melhor o Power Point, mas não aprendemos o Photoshop, infelizmente. Um momento muito difícil, neste ciclo, foi estudar para os testes, por terem muita matéria e serem difíceis.

     Embora as notas não tenham sido muito boas no 2º e 3º períodos, eu tinha um bom método de estudo: fazia exercícios e escrevia resumos. Geralmente sublinho no livro e depois transcrevo o que sublinhei. Enquanto escrevo, estou a ler o que estou a escrever e a lembrar-me.

     A disciplina que gostei mais além de TIC, foi a de História, porque demos as matérias sobre o que eu queria saber sobre Portugal e a Peste Negra. Sobre o Terramoto de Lisboa, gostava de saber detalhadamente.

     Os meus projetos para o Verão de 2017 incluem passar uns dia em casa de um amigo que tem piscina – o que combina muito bem com o verão. Em casa, temos sempre muito que fazer: comer, jogar, ver séries, ir à piscina. Este amigo vai estar de férias fora de Cascais a partir de 30 de Junho.

    Depois, vou para um sítio no Algarve – gosto tanto de lá ir: tem um supermercado Espanhol com ótimas coisas; lá há duas piscinas, uma aberta, que fecha muito tarde, outra coberta e uma praia muito boa para dormir.

    Votos para este Verão: desejo que as pessoas se divirtam muito; que descansem; saiam com os amigos ou fiquem só em casa a fazer as coisas de que gostam mais.

João Francisco, 7B

A Esperança é Viva


Imagem: Loui_piquee

     Dedicado ao nosso querido colega Bento

     A Esperança não é tangível – entre a água, a terra e o ar -; não repousa sobre provas, eleva-se por si mesma, abre o seu próprio espaço inovador entre os outros elementos conhecidos. 

     A Esperança não é outro elemento a acrescentar para resolver a equação da vida – mas transforma a posição de cada um e a relação entre todos. A Esperança é uma respiração interior que se ativa a si mesma em caso de perigo extremo. Aparelha o coração humano para atravessar naufrágios, mesmo impercetíveis aos nossos sistemas de socorro. 

     A Esperança é viva, não pode ser provocada nem fabricada por meios humanos. Permanece indisponível, mas é familiar e próxima quando eclode, súbita, como uma flor intempestiva, nunca antes vista, uma chama no mais íntimo. 

    A Esperança é  sempre para todos, primeiro, e só então ganha raiz em cada um. Mas ela vem de mais longe, de antes do horizonte humano, de antes de o mundo ser. E nessa glória, sem consumir-se, arde.

OE

Um Cãozinho no Acampamento

'Camping On The Coast' - Anglesey

Kris Williams via Compfight

        Era uma vez uns meninos que iam acampar. Eram o João, o Pedro, a Maria e a Matilde. Iam passar as férias de verão a Cuba.

     Quando chegaram, montaram a sua tenda numa mata verdejante, á beira do mar das Caraíbas.

     Ao anoitecer, ouviram um barulho esquisito e tentaram averiguar.

    Descobriram, num tronco oco de uma árvore um cão pequenino, de pelo branco curto, de orelhas caídas, a ladrar, muito aflito.

     A Maria é que o encontrou primeiro: os rapazes treparam à árvore, mas o Pedro caiu, só o João é que chegou até ao buraco do tronco.

     Quando o João tirou o cão  do buraco, ficou muito contente, e numa aflição que podia ter caído, mas correu tudo na perfeição. E os miúdos gritaram de alegria.

     Depois era a hora de ir fazer surf: estavam numa excitação! Gostaram muito de fazer aquelas manobras. Foi uma loucura e muito divertido.

     Passado dois dias tinham de ir embora. Estavam tristes por terem de deixar o acampamento, mas no fim ficaram contentes por saberem que o cãozinho ia com eles.

 Mariana C 6A

A Bike Inacessível

     Colorful Childhood

Aikawa Ke via Compfight

      Era uma vez um menino chamado Gonçalo que gostava muito de correr.

       Um dia, os sapatos dele estragaram-se e ele teve de ir ao cascais shopping comprar outros. Ele comprou uns all stars vermelhos porque era do Benfica.

       No dia seguinte, passou outra vez no shopping e viu uma bike muito gira: era azul e tinha uns pedais muito bons. Mas o problema é que ele não tinha dinheiro suficiente. Foi pedir a uma amigo, que estava a comer uma noz e disse ao Gonçalo:

       –  Vá, vai! – Disse o amigo, estendendo-lhe uma nota.

      Mas ainda não bastava. Então, os dois amigos tiraram muitas fotos à bike com o seu iphone.

Gonçalo R, 6A

Conversas na Oficina: Ideias para o Futuro

Elite Dangerous / Careful of the AsteroidsCreative Commons License Stefans02 via Compfight

      Avalio o meu desempenho como suficiente. Subi muito em Moral, mas tenho que estudar mais para Português, pois desci. A HGP desci a média e a CN muito pouco.

     A Português desci por causa dos tempos dos verbos, e o que é mais difícil para mim nos testes são as interpretações de texto. Nas composições posso melhorar os advérbios e as preposições.

      A minha estratégia para HGP é escrever apontamentos, tentado fazer por palavras minhas e uso as do Manual que não posso mudar. O meu Pai estuda um pouco comigo.

      A CN desci muito pouco, mas devido à forma como as perguntas são feitas. A Estratégia de recuperação vai ser estudar mais sobre os  animais fazendo perguntas por palavras minhas e imitando os exercícios do teste.

     A subida a Moral foi graças ao resumo que o Prof nos deu; escrevi algumas ideias do papel que o Prof nos deu, acrescentei outras ideias do Manual e fui buscar outras ideias à minha cabeça. Gostei de pensar sobre os sítios em que Jesus foi um homem verdadeiro e verdadeiro Deus e onde viveu na Terra.

     Os meus Projetos de Páscoa são fazer alguns ovos de decoração, comprando doces para comemorar, se conseguir. Brincar com a minha vizinha, é a única companhia que tenho, é como a minha melhor amiga. Gosto de desenhar, uso um caderno de folhas lisas, desenho por imaginação, pois ganho as minhas ideias nos meus sonhos, quando estou a dormir à noite. Tenho uma cabeça fresca, lembro-me bem dos sonhos.

     Estou a ajudar um rapaz que tem cancro, com toda a minha Turma: compramos alimentos,  vendêmo-los por preços mais baixos e enviamos o dinheiro para esse menino, que se chama Tiago.  

     Desejo que nós ajudemos todas as pessoas do mundo que precisam de ajuda!

Michael S, 5A

Nas Ondas da Nazaré

Résultat de recherche d'images pour "onda gigante nazare 2016"

     Imagem: Praia do Norte

     A Amizade, essa força insuperável que transforma as nossas vidas, enrolou o seu laço fiel em torno dos seis destinos destes jovens inseparáveis: Lourenço, João, Manuel, Maria, Maria, Federica e Matilde. Aquelas férias da Páscoa seriam as mais aventurosas, entre altas ondas, na praia da Nazaré. (OE)

     A Francisca, a irmã mais pequenina da Federica, não podia ir, porque nesse sítio havia muitos ladrões e animais ferozes, (1- Francisca 3º ano) o famoso “Sítio da Nazaré”, onde se formam as ondas maiores do mundo! Era muito, muito, muito, perigoso: dizia-se que, uma vez, de repente, a Nazaré ficou inundada de água, pois uma onda gigante desabou sobre a própria cidade! (2 Tomás 3º ano).

      A Maria  era uma rapariga loira, alta, com olhos azuis, (3 –  Maria B, 6B) os seus cabelos ondulavam ao vento e refletiam o sol, como fios de ouro, quando o vento quase a fazia voar da prancha, nas altas ondas da Nazaré. Elegante, morena do sol, era uma jovem esfuziante de entusiasmo e parecia ter uma energia inesgotável.

      A Maria gostava muito de um rapaz chamado Manuel, que era moreno, baixo, com olhos verdes, cor das belas florestas verdejantes, e um belo rosto (3 – Maria B 6B) salpicado de sardas que lhe davam um ar maroto e atrevido. O seu amor era interminável, e embora ainda não o soubessem, iriam continuar juntos para o resto da sua  vida. (3 – Maria B 6B)

      O Lourenço era ruivo e tinha caracóis, era um pouco baixo, mas muito querido. Era uma pessoa com muita paciência para os outros; gostava muito de João, Maria, Maria e Federica. Eram muito amigos e adoravam aventuras, como descobrir tesouros ou perseguir ladrões.

     O Lourenço era o namorado fiel da Federica; o João era o namorado perfeito da Maria M, e o namorado inigualável da Maria B era o Manuel.

     Maria tinha ainda uma irmã mais nova, que era a Francisca. Como ela era mais pequena, não podia ir, pois tornava-se perigoso. Lourenço era um atleta de alto escalão, João praticava surf e era já um surfista de alta competição, Manuel jogava ténis e muito bem.

      Quando acabaram as aulas, decidiram ir acampar para o “Sítio da Nazaré” porque o João ia entrar num campeonato de Surf. (4 Federica).

     A Maria M era uma rapariga morena, muito bonita, que namorava o João. A Federica era a rapariga perfeita para o Lourenço, com a sua bela cabeleira muito volumosa, (5 Maria M) que fazia lembrar uma princesa do Oriente.

      Nessas férias, os seis amigos foram acampar para uma floresta, na véspera de o João ter a sua prova (5) face às temíveis vagas. Na floresta onde acampavam os seis amigos, brilhava um sol intenso, erguiam-se pinheiros altos, cheios de pinhas castanhas (1 Francisca, 3º ano), que por vezes, caíam, mesmo na cabeça dos rapazes, para grande gozo das meninas.

      À noite, junto da fogueira, estavam a comer marshmellows com chocolate, espetados em pauzinhos, enquanto observavam estrelas maravilhosas. A Maria, a Maria e a Federica, exclamaram ao mesmo tempo:

     – São 3 estrelas… não, quatro… não, dez! Sim, de certeza que são dez! (Francisca, 3º ano). E assim, contando estrelas douradas, os seis amigos apreciavam a maravilha da noite cantando, em sua honra, um hino improvisado das “Super-Heroínas”.

Texto escrito a quatro mãos com dois colaboradores do 3º ano.

Maria M, Maria B, Federica e OE 

Amigos, há Amor?

Therapy

Dianne Lacourciere via Compfight

Com Amigos, há amor, há esperança para a vida…

Existem amigos para tudo, e mesmo que não estejamos bem, eles nos ajudam de todas as maneiras possíveis.

A amizade é um sentimento bom, é aquele sentimento de amor pelo outro e do outro por nós.Um coração muito pequeno, que não vemos, nem sentimos.

Agora, eu pergunto: e o Amor? O Amor não é na totalidade, é quele amor de confiar no outro, Confiar na pessoa que achas que é teu amigo… aprender a cuidar do outro, pela vossa amizade.

Lara B, 9A

O que me dá Asas

elefonte

Imagem oferecida pelo Zoo de New York

     O que me dá asas é quando um amigo chega a minha casa, porque eu gosto de brincar com os meus amigos. Vivo num prédio e, quando um amigo meu chega, vou até lá abaixo mesmo descalço. (O meu melhor amigo e eu vivemos os dois num 1º A!).

    Eu estou a gostar do projecto “Arca do Não é”: o que estou a gostar mais é de fazer parte do projecto e juntar animais é muito divertido: escolhi um elefante e um siamango, uma espécie de macaco; quando ele grita, incha o papo.

     Vou poucas vezes ao Zoo, porque moro no Estoril, longe de Lisboa. Também já juntei um elefante e um hipopótamo que é a cria e os nomes dos pais são elefango e siamante; a cria chama-se elefonte.

     O Elefonte adora brincar, corre muito e come folhas, como os pais. Gostam de viver perto dos rios, em abrigos, para se protegerem e beberem água. A mãe e a cria podem ser domesticados, o pai não, porque ele é selvagem. Eles gostam de festas, se não os atacarem, eles não atacam.

Vasco L, 5C

(Tema inspirado no livro de Ecologia Emocional  “Energias e Relações para Crescer” de Mercés Conangla e Jaume Solers)

Momentos Especiais

blue light autumn

Creative Commons License frederic gombert via Compfight

     De entre os 120 meses que vivi, tive muitos dias especiais!

   Este ano fui passar férias à terra da minha avó, perto de Viseu e conheci pessoas novas muito queridas que vivem em sítios muito bonitos: Algarve e Alentejo! Têm familiares onde vive a minha avó e conheci-os lá.

     Outro momento foi muito especial, porque estive com as minhas amigas. Para mim, uma das coisas mais especiais é estar com as minhas amigas! Convidei-as  para o Bounce: saltamos, demos mortais, cambalhotas, tantas coisas divertidas!

     Elas foram lá dormir a minha casa e fizemos frasquinhos com cor para decoração, barro também e pulseiras. Depois vimos um filme “A Barbie de Férias” e fomos dormir.

     No dia a seguir, acordamos, tomamos o pequeno almoço, fomos ao Parque e, logo a seguir, andamos de baloiço, de escorrega, e até subimos sozinhas ao cimo da rua!

     Na minha festa de anos, tinha uma bola espelh0os, pintamos as nossas próprias camisolas, o meu bolo foi de chocolate e era um Minio. Com a minha amiga Federica, inventamos uma dança muito gira e mudamos uma parte de uma música. 

Maria B, 5B

Parecia Voar no Céu!

   Trek bike

Jim via Compfight

      Eu aprendi a andar de bicicleta  este verão, pois todos os meus amigos já estavam a andar e eu tinha de ir de trotinete. Então, eu cheguei ao ponto em que estava farta e decidi aprender a andar. Quando tentei, consegui logo e soube-me tão bem! Parecia que estava a voar no céu!

      No meu Campo de Férias, eu diverti-me imenso, mas a melhor parte foi quando descobri que a minha amiga Carolina estava a namorar com o Rafael, um menino francês. Eles eram perfeitos um para o outro, mas tiveram que acabar pois o Rafael tinha de ir outra vez para França, porque as férias tinham acabado! Nós ainda tivemos uma ideia, mas eles não quiseram.

    Eu gosto imenso do 5º ano, acho que é mais fácil do que eu pensava e espero que  as pessoas da minha turma achem o mesmo.

Carolina C, 5B

Os Amigos

Soul Mates

Scott Norris via Compfight

Dedicado a Sofia VG e Catarina C

Os Amigos são irmãos

Que o destino libertou:

Colocou nas nossas mãos

E depois nos inspirou.

Despertamos para Alguém

Que antes não tínhamos visto

E vamos fazer-lhes bem

Como se eles fossem Cristo.

Com os Amigos não há medo

Nem a rotina do dia.

Eles guardam um segredo

E transmitem Alegria.

Sem amigos não há vida,

Os sentimentos são escuros,

Mas basta uma pessoa querida

Para saltar todos os muros.

Sofia, na patinagem,

No Karaté, Catarina,

Ambas vivem a Coragem

Numa vida de menina

E preparam, sem saber,

Um tesouro pró Futuro

Pois é feliz a viver

Quem guarda o coração puro.

OE

Uma Amizade à 1ª Vista

   Musa & Tecna ~ DSCN96986_Winx_Musa_Tecna_

applecandy spica via Compfight

    Dia 15 de Setembro de 2015 : eu acordei numa manhã invernosa. Saí da cama e espreitei por entre os estores: vi o meu jardim todo cheio de neve, e, nisto, oiço uma voz:

     – Madalena, já acordaste?

     Era o meu Pai e pensei: ” Hoje é o primeiro dia de aulas”. Fui pôr a farda da escola à pressa e fui com o meu pai e a minha irmã para o carro. Fomos para a escola.

     Eu estava cheia de vergonha, então, agarrei-me ao meu pai, até que entrei para a sala; quando lá entrei, só pensava: “Queres ver que não vou gostar desta escola?”

     Até que uma menina veio ter comigo e perguntou:

     – És nova?

     E eu respondi:

     –  Sim, porquê?. Ela respondeu:  

     – Por nada, mas podemos ser amigas?

      E eu disse:

      – Claro que sim!

      Então começamos a ser amigas. Um dia depois, ela apresentou-me as amigas dela: a Xixica, a Carolina e a Beatriz. Logo depois, a Xixica disse:

     –  Tu não andavas numa escola chamada “Chupeta”, quando eras bebé?

     Eu respondi:

     – Sim, porquê?

     – Eu também – disse a Xixica.

      – Ah, então é daí que conheço a tua cara!

      – Que fixe termos ficado na mesma turma, como em bebés! – exclamou a Xixica.

      – Yah, e assim já tenho uma amiga de quando era pequena!

      – Acho que vamos ser grandes amigas! – disse eu.

      E foi isso que aconteceu: ficamos cada vez mais amigas, melhores amigas, e agora acho que nunca mais nos vamos separar!

Madalena M, 5C

Despedidas de 5º Ano

   One World, Many Stories

Creative Commons License Thad Zajdowicz via Compfight

      Um momento que ficará vivo na minha memória foi  quando eu estava de muletas e as minhas amigas ficaram comigo os intervalos todos (PACIÊNCIA).

      A maior dificuldade que os estudos me trouxeram foi sempre que os meus pais iam planear qualquer coisa, e por causa dos meus estudos, não o faziam.

     Às vezes fico a pensar: “por que é que há meninos a sofrer e outros ricalhaços?

     O facto de o amor existir é para mim um facto quotidiano e espantoso ao mesmo tempo.

     Num momento difícil, eu diria a um amigo: “- Não desistas. Não é por causa da tua perna que vais ficar triste!”

     Se o meu 5º ano fosse um animal, seria um leão, porque é perigoso demais, demora muito tempo a morrer, é feroz e insistente.

       Um novo horizonte para mim seria os homens amarelos, um mundo de chocolate, uma terra por conquistar…

Esperança M 5A

Marciano, um Amigo na Guiné


marciano_3

     Imagem: Oficina de Escrita

     A Associação dos Leigos Missionários da Consolata, AD Gentes, é uma ONG, instituída em 2008, com a vocação de enviar leigos voluntários em Missão, para países em desenvolvimento, bem como para implementar ações sociais, a nível local, com mais incidência na zona de Lisboa, sendo de salientar a última iniciativa, a Loja Solidária online,  ArteGentes

     Neste contexto, tem-se desenvolvido, desde há vários anos, o Projeto Estuda Lá, destinado a financiar bolsas de estudo anuais a alunos de Moçambique, do 8º ao 12º ano. Desde o seu início, este Projeto organizou-se igualmente em torno de um Liceu situado em Empada, na Guiné-Bissau.

    Foi desta pequena povoação, situada em plena floresta exuberante de verdura, que a Oficina de Escrita recebeu já duas cartas de um jovem que vem cumprindo o seu plano de estudos com entusiasmo e dedicação.

    O Marciano, nosso amigo e afilhado, que transitou com mérito para o 10º ano de Escolaridade, relembra, na sua última carta, a importância do “Projeto Estuda Lá” para todos os seus colegas:

marciano_8

    Na verdade, todos estes alunos dependem, a partir do 8º ano, de uma bolsa de estudos de 50 euros anuais para garantirem o acesso aos materiais de estudo e à frequência do ano letivo.

     Como disse Luís Ventura, voluntário na Amazónia com a sua família ao longo de 4 anos, durante o III Encontro Nacional de Leigos: “a graves problemas só podemos responder com redes comunitárias.” 

     Aqui fica o convite do Marciano a participarmos neste Projeto tão simples e tão eficaz, “em rede comunitária”. E o nosso abraço amigo para ele.

OE

As Maiores Amigas

Campsite

David Kingham via Compfight

     As melhores amigas não se conheciam, mas os pais delas eram amigos, só que nunca tinham apresentado a Inês e a Carolina…

     Numa tarde, o pai da Carolina combinou um jantar com os pais da Inês e tinham que levar as filhas.

     Quando chegaram ao restaurante, já sentados, chegaram os pais da Carolina. Qual não foi o seu espanto, ao saber que os pais das duas eram velhos amigos!

     Combinaram então um acampamento numa floresta deliciosa. Quando chegaram, todos juntos ao local do acampamento, decidiram que os pais das meninas ficariam em duas tendas e elas partilhariam uma pequena tenda roxa que tinha uma janelinha de plástico transparente.

     As duas amigas contaram segredos e davam risadinhas á doce luz de uma pequena lanterna. Lá fora, ouviam-se ruídos: o piar das corujas e o sussurrar dos ventos nas folhagens.

     Depois desses cinco dias, foram para a escola e souberam que frequentavam a mesma escola há muitos anos, só que em turmas diferentes e ficaram as melhores amigas para sempre!

Carolina F, 6C

Despedidas Felizes

despedidas_felizes

Imagem: Oficina de Escrita

     Quando tive 62% a Matemática, foi óptimo! O segredo deste sucesso pode até ter sido  não estudar para Matemática!

     Mudar de casa surpreendeu-me. Foi magnífico! Esta casa é diferente! O meu quarto é cor de rosa e o teto é branco.

    O que gostei mais de escrever foram textos de autobiografia.

    Quando estamos com um amigo, nós somos diferentes, principalmente se é o teu melhor amigo. Para mim, a minha melhor amiga é como uma mana; fazemos tudo juntas. Eu adoro-a. O mais cómico é que a minha melhor amiga está no mesmo desporto que eu: lindo! Nós adorávamos e, por coincidência, fomos as duas para a ginástica rítmica, aqui na nossa escola.

     A Professora Carla não nos dava sossego até chegarmos ao nível de competição. Todas as tardes, seguíamos das aulas para o Pavilhão, com o lanche de artista e os tpc da escola. Mas os tpc esvoaçavam pelo ar enquanto fazíamos os exercícios de aquecimento.

     Eu tive de sair por algum tempo, devido a um grande problema no pé, mas isso não nos impediu de rir e estar unidas. Mas houve um dia, antes de eu sair, que a Francisca veio triste para a ginástica, porque tinha de ser operada a um pé.

     Tudo passou: voltaram os dias risonhos, os treinos em esforço, a vitória em figuras difíceis. O campeonato estava às portas e demos o nosso melhor. Foi um sucesso!

    Os meus programas para este verão são ir a Madrid, jogar padel e estar com as pessoas que mais amo.

    Para sermos capazes de amar melhor este verão, devemos não pensar no que os outros dizem; contar apenas com o amor: ele é o resultado das relações e da amizade. Não te preocupes, segue em frente.

    Os meus votos para o verão 2016 é que os professores e alunos continuem de saúde, nadem muito, estejam connosco, sejam felizes. E que a turma do 6C fique junta para a nova etapa!

Sara M, 6C

A Minha Despedida do 6º Ano

Ines_Nokas-You_Tube

Imagem de Ines Nokas

        O que adorei este ano e foi muito especial para mim, foi estar com os meus amigos e fazer brincadeiras malucas: passamos muito tempo a conversar, às vezes dançamos e outras cantamos. 

    Quando estamos com os amigos, unimo-nos como se fôssemos um. Não estamos sós, porque estamos com um amigo e um amigo é muito especial.

    Surpreendeu-me ter fãs no youtube, pois tenho já 13 subscritores, em dois meses e pouco, no meu canal.

     Queria conquistar mais subscritores e continuar com a minha turma… estes votos parecem impossíveis, mas em parte dependem de mim: posso ter mais qualidade nos meus vídeos, melhorar o som, a maneira de falar e editar melhor as imagens.

     Eu poderia fazer um esquema antes de começar os meus vídeos. Assim a construção das frases seria mais perfeita e comunicava melhor.

     Na Oficina de escrita, eu poderia recolher ideias para aperfeiçoar o meu canal e ajudar a Stora a fazer vídeos de escrita criativa. Vamos colocar um frasco bonito para coleccionar as sugestões dos colegas quer sejam youtubers ou não.

      Em relação á turma,  depende pouco de mim, os professores têm de escolher as turmas e não podem ser iguais. Mas podemos ficar com os melhores amigos. Eu escolhi a Adriana e a Raquel, não sei se o Diogo poderá ficar.

    Este verão, vou à praia de Carcavelos, e à piscina da casa dos meus avós, na Costa da Caparica e vou-me livrar um bocadinho da Escola.

        Se eu fosse um animal, eu seria um golfinho, porque os golfinhos são inteligentes e muito brincalhões dentro e fora de água.

    Espero que o nosso verão corra muito bem, que seja muito divertido e que as pessoas que não são youtubers criem um canal para poderem fazer mais amizades.

Inês M, 6C

Algo sobre Mim

carol_f_peluches

Imagem: Oficina de Escrita

         Este ano já consigo ter boas notas a Matemática, a Educação Física e a Moral.

    Para mim, o mais importante, por ordem decrescente, é a saúde, a felicidade, o amor, a fama e o dinheiro.

     Numa só frase, eu sou uma jovem estudante, sonhadora, corajosa e divertida. Sinto que a minha vida está melhor, à medida que passa o tempo, sinto-me mais integrada na turma e as pessoas que antes não iam muito bem com a minha cara, agora já são minhas amigas, conversamos e passamos os recreios todos juntos.

     As qualidades principais que procuro num amigo são ser divertido, e confiante. Divertido para saber rir das piadas dos outros e se lhe acontecer algo cómico, como cair, por exemplo, ele possa rir de si próprio.  E confiante. Confiante, pois será alguém que pensa pela sua própria cabeça e não liga ao que os outros dizem para ser alguém no futuro.

     Desde criança que desejo estar rodeada de pessoas que me amem; um ambiente de felicidade, amor e paixão.

     Sinto que precisava de estar mais tempo a brincar com as minhas colegas, pois às vezes o tempo não é suficiente para falarmos sobre coisas que queremos. Por vezes temos de ver e ouvir algo que não nos interessa, mas que nos foi dito para ouvirmos com muita atenção.

Carolina F, 6C

Brinquem no Mundo Todo!

'Floating', Australia, Queensland, Cairns

Chris Ford via Compfight

Momentos marcantes do 5º Ano

    JP As minhas brincadeiras e os castigos que marcaran os meus disparates.

DN – A festa do Final de Período.

Dificuldades na vida de Estudante

JP A concentração, com as dificuldades que nos desconcentram.

DNTermos que estudar fechados no quarto para temos boas notas.

Se o 5º ano fosse um animal…

JP Para mim seria um tigre, porque eles são ferozes como os professores e corajosos como todos os alunos que enfrentam os testes.

DNSeria uma Chita, porque assim eu seria muito rápido.

Um Acontecimento Quotidiano e Espantoso ao mesmo tempo

JP O meu Surf que eu adoro e me persegue.

DNJogar com a bola de Ténis.

Fish Breath

lolilujah via Compfight

Encorajar um amigo em dificuldade

JP Não desistas, eu estarei para te ajudar, aconteça o que acontecer.

DNAcalma-te, amigo. E alegra-te.

3 Projetos para o Verão 2016

JP Fazer Surf todos os dias, estar com os amigos e divertir-me à grande.

DN – Ser feliz, ter amigos, ter boas notas.

Para um Adulto não perder o contacto com a sua infância…

JP Vir comigo fazer Surf, que nas minhas memórias sempre vão ficar.

DNGravar e filmar os grandes dias da vida, para recordar.

Como é gostar de alguém?

    JP –  É ter um sentimento que nos toca e nos faz querer estar com ela; é ter o sentimento de adorar alguém, que nos faz adorar alguém. (Inspirado em Madalena P.)

DN  – É ser amoroso.

Um brinde às férias de verão 2016

JP Brinquem no mundo todo!

DN – Boa sorte, amigos. E então, depois, estudem bem!

João P 5A e Daniel N

Um dos Melhores Acampamentos em Portugal

milonga_2012

 Imagem pertencente a Milonga – Paróquia do Estoril

     Dia 20 de Abril, eu inscrevi-me num dos melhores acampamentos de Portugal, a que a minha irmã já tinha ido.

     Todos os dias eu ia ao email da minha Mãe , para ver se tinha entrado ou não havia vaga.

     Na 6ª feira, duas semanas e meia depois de ter feito a inscrição, soube que tinha entrado, fiquei com uma emoção fantástica!

     Comecei a dançar e, depois de saber que uma amiga minha também tinha entrado, ainda fiquei mais contente!

      Continuando, devem estar a pensar porque é que  este campo de férias é um dos melhores acampamentos de Portugal? Vou explicar:

     Na Milonga existem imensas actividades giríssimas, uma delas ocorre à noite, pesar de eu ainda não ter ido, já me disseram que existe uma noite de terror, em que os monitores e as monitoras assustam os campistas, algumas pessoas ficam mesmo capturadas, e tenho o pressentimento que, neste ano, vou ser uma delas.

     Apesar das actividades todas que eles fazem, o acampamento também é católico e estou ansiosa por ir.

Mariana S, 6C

O Concerto da Boa Nova

banner_dama

Imagem: Agenda Cascais

      Na sexta-feira passada, fui a um concerto de solidariedade dos D.A.M.A. na Boa Nova. Imensos amigos meus disseram que iam, mas nunca imaginei que fosse tanta gente.

     Quando cheguei lá com a minha irmã e as amigas, ficamos chocados com tantas pessoas que foram: dos 4 aos 7; dos 8 aos 15; dos 16 aos 40: todas as idades!

     Também achei muito engraçado que as mães eram todas amigas e depois iam com os filhos que também eram todos amigos, por isso iam todos juntos ao concerto.

     Quando cheguei ao pátio, estava cheio de pessoas a cantar e a dançar. Foi tão divertido!

     Mais tarde, fui ter com os meus amigos e os meus melhores amigos: Carlota M, Matilde D; Teresa S, Titi M e Diogo L. Estivemos a saltar, a dançar, a berrar, e a cantar. Apesar de ter sido um concerto pequeno, foi giríssimo!

     Eles conseguiram reunir pessoas dos 4 aos 40 ou mais: todos a cantar e a saltar. Foi mesmo giro!

Carlota C 6C

Nascida para Saltar

                                                 Jamie Riding

Creative Commons License Five Furlongs via Compfight

 Um Momento que marcou este ano:

 No  final de  2015  recebi o meu cavalo castanho, o Barão:  surpresa da minha mãe, mas depois ela disse que era ainda para experimentar, faltavam os atestados médicos; afinal sempre estava doente: havia algo na pata que podia  rebentar de repente. 

A maior dificuldade que os estudos nos trazem:

Não tenho tempo para vida social. Chego a casa, tomo banho e estou a estudar. Geralmente às oito ou sete e meia. Mas gosto também à noite. Deixo para a última. Se chegar às cinco ainda fico na rua, com amigas, faço o máximo que posso quando tenho tempo livre. ao telefone…

Se o sétimo ano fosse um animal, seria um monstro: só o que eu estudei no 7ºano! O que me irrita é que tiro um 90 e depois já não consigo tanto e vou ter 4. Então,para que me esforcei tanto? Aconteceu-me isso imenso e irrita-me. Para que me esforço para noventas se vou ter 4 no final do período?

Desde o 5º ano que não tinha amigas tão á séria! A Mariana e a Sofia é que passaram a ser as minhas melhores amigas. 

A sofia é mesmo divertida. Quando estou com ela divirto-me imenso, apesar de às vezes ter aqueles ataques…

 O Segredo do sucesso obtido este ano num assunto de estudo.

Fiquei surpreendida com o cinco a Matemática. O sucesso deve-se a ter estudado. Gosto imenso de estudar matemática com música, posso estar no jardim, a fazer exercícios.

 3 Projetos para o Verão 2016

 Não estar um dia parada em casa, montar todos os dias, embora tenha de tirar umas férias, ir ao guincho, e à riviera na Caparica.
O que me irrita é que tenho amigos de Lisboa que vêm para cá e outros de Lisboa e a mãe aluga a praia de Tróia e temos de ir para lá.
Venho de Tróia todos os dias montar. Vou ter de arranjar boleia do Tio João Pedro que vai para Lisboa trabalhar e eu vou para a quinta da Marinha.

Para que serve sonhar acordado?

Estou sempre a pensar nos cavalos. Gostava de tirar um curso relacionado com cavalos.

 Um novo Horizonte que quero conquistar.

Limpar os obstáculos nos três dias do Campeonato – 26 de Junho e da Taça da Juventude, no Hipódromo, em início de Agosto. Adorava classificar-me, mas o que mais quero é,pelo menos,não ter penalizações.

 Comentar a frase de Christian Bobin:

 “Quando estamos com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

 Quando somos mais que dois,não temos a atenção para esse amigo. Se estamos sozinhos não temos a quem dar nem nos divertimos. Mas se estivermos com uma amiga, não somos duas, porque estamos em união.

 Um brinde às férias de Verão 2016.

Brindo a que seja o melhor verão de sempre!

Teresinha R P, 7A

Conversas na Oficina: Um Verão Recém-Nascido

Foz do Arelho - Lagoa_de_Obidos_8_mini

Imagem autorizada por A Terceira Dimensão

Um Momento que marcou este 8º Ano

     No dia da criança, fomos com o meu primo e o seu melhor amigo visitar uma exposição de pães de forma e carochas; no parque havia uma bola gigante de ar: metemo-nos os três ao mesmo tempo e andamos, mas como eles eram mais pequenos, iam a cair um em cima do outro.

     Fomos para a Baía, jogamos tiro ao alvo, mas não acertei no centro amarelo do alvo. Fomos andar de Seagway, mas foi só durante 30 segundos e, quando vou com o meu pai, ando uma hora. Fizemos escalada pela praia do Peixe e a seguir rapel, desta vez correu bem.

O Segredo do Sucesso obtido este ano num Assunto de Estudo

    O meu 67,5 a Português que foi quase um 4. A minha mãe ajudou-me como de costume, mas desta vez resultou melhor.

Se o oitavo ano fosse um animal…

    Seria um leão, porque é muito difícil.

O que custa mais na vida de um estudante…

    É estudar. As aulas ajudam se estivermos com atenção.

    O que aprecio mais é a Matemática. É difícil, mas é gira, porque é como se fosse um jogo; se conseguir resolver um problema, fica-se contente, ganha-se.

Porque falhamos por vezes, se temos tão boas intenções?

     Por exemplo, para os testes, temos de estudar, não basta só ter a intenção.

Um novo Horizonte que quero conquistar.

    Quero tentar tocar solos muito bons, como o meu professor e os outros guitarristas famosos. Como o Bake in Black dos ACDC.

    Na guitarra eléctrica, a próxima valsa que vou treinar é a nº5, que utiliza todas as diferentes técnicas das anteriores.

 Projetos para o Verão 2016

     Eu e o João Pedro M., na festa dele, vamos disparar nerfs no Parque Marechal Carmona. E também vamos jogar futebol lá.

    Vou brincar com os meus amigos do Algarve, vou levar a minha guitarra  e andar de bicicleta. Já sei fazer truques, até rebentei o pneu da frente quando tentava fazer um “bunny hop” por cima da relva, entre dois pedaços de cimento. A roda bateu no cimento e rebentou o pneu. Agora pode acontecer o mesmo à outra bicicleta,  que é mais frágil.

    Vou tentar ensinar o meu melhor amigo a surfar melhor pois ano passado ele começou a aprender.

     Também penso estar uma semana na Foz do Arelho, na casa dos meus avós, em frente à lagoa, para onde levo a guitarra, pois o meu avô gosta muito de me ouvir tocar.

     Enquanto estou na piscina, vejo as pessoas a fazer kate surf, e  apanho caruma da piscina: por cada uma, ganho 2 cêntimos, se tiver um pinhão é um cêntimo, se forem objectos maiores, 3 cêntimos, se for um bicho, ganho 5 cêntimos. Já tirei uma lagartixa da água.

   Vou a Maiorca, espero que corram muito bem essas férias, mas vou com toda a família.

Como pensa viver as férias em Mayorca?

     Vou tirar um dos dias para ir conhecer a cidade. De resto vou estar na piscina com escorregas e na praia com o meu pai. No hotel há um campo de futebol.

Vou visitar também o Oceanário, vou querer fazer snorkling porque a água é muito transparente e ainda penso ir a um parque de diversões chamado Katmandu.


This photo of Katmandu Park is courtesy of TripAdvisor

     Existia uma pedra vermelha numa montanha do Everest. Toda a gente queria descobri-la porque dava poderes fortes às pessoas. Um dia, um explorador chegou ao Everest e conseguiu descobrir a pedra. Mas estava lá um yeti chamado Brooke, que era grande  e forte, a proteger a pedra. O explorador foi perseguido e escondeu-se numa casa. Mas o yeti entrou e a pedra explodiu: houve uma grande explosão vermelha, a casa começou a voar pelo ar e foi parar, virada ao contrário, na entrada do Parque de Diversões Katmandu.

Em férias, o que é que te faz levantar da cama?

     Ir andar de bicicleta com o meu pai. Agora não posso ir, pois o pai está em recuperação do braço.. Tenho de ver tv, mas também combinei com o Rui irmos andar de Bicicleta este verão.

     O meu pai, com 13 anos, andava pela Quinta da Bicuda, onde só havia a casa dele e pouco mais, o resto era quinta. Então era um espaço de terra aberto. O pai andava a jogar futebol.

Brinde ao Verão a Estrear:

    Brindo a que toda a minha família e os amigos gostem todos muito deste  Verão e  sejam muito felizes.

Diogo T, 8A

Diário de Escola

    Basket

Leo Hidalgo via Compfight

     Hoje acordei com a minha mãe aos berros. Estava sempre assim porque já eram 7 h 40. Ela Tinha acabado de tomar banho. Ela odiava dizer “acorda” e eu ficar a dormir, mas… pronto.

     Fomos para a escola: era azul com linhas amarelas; tinha muita luz, mas à noite era assustadora: havia muito vento a soprar nos campos de futebol.

     Os professores eram maus e rudes, excluindo  uma “setora”  que era muito simpática e bondosa.

     A Escola era na rua das Palmeiras. Aqui estudo a Arte de Navegar, Música de África com Instrumentos, e a parte mais gira, Natação acrobática.

     A minha outra escola era diferente: era em Espanha, a escola de Cáceres, uma escola que participou sempre, até 2016, nos Jogos Userianos.

     Eu era muito boa no futebol, por isso, o treinador da Escola convidou-me para ser Federada lá na Escola. Hoje é o único dia da semana em que ligo para a minha Escola de Espanha, “Cáceres”.

    Olha, nem sabes o que aconteceu hoje, foi lindo: os meus melhores amigos, o Alex e o Juan, vieram visitar-me à minha escola nova.

    Quando chegaram, nem queria acreditar, saltei para os braços deles e comecei a chorar. Eles também estavam muito contentes. Depois foram comigo para casa e ficaram a semana inteira.

Carolina S-C, 6B

Uma Ótima Notícia


carlota_ Milonga 2016

Imagem: Milonga Paróquia do Estoril

     Esta semana recebi uma notícia fantástica. Vamos recuar no tempo, até ao dia 20 de Abril. Foi o dia da inscrição para um dos campos mais concorridos de Cascais, o Milonga, onde milhares de pessoas se inscrevem para passar uma semana inesquecível, com oito jogos de água, de lama, jogos noturnos  e muitos mais jogos malucos que passam pelas cabeças dos monitores. Os Tios dos Campos ajudam muito os monitores e a Tia Carmo oferece a sua casa para os Campos.

     As minhas duas irmãs – a 3ª e a 4ª – já tinham sido: a Marta foi Monitora só um ano, mas a Matilde foi monitora quatro anos. Por isso eu já tinha um bocadinho de voto na matéria. Só havia 30 vagas para cento e tal raparigas, eu achava mesmo que não ia entrar. Foi muito difícil de entrar, porque a minha Mãe já estava no site a inscrever-me, mas não funcionava muito bem, porque havia muitas pessoas a entrar no site ao mesmo tempo… mas consegui. Estava inscrita, agora era só esperar!

     E, finalmente, esta sexta-feira, imensas amigas minhas estavam a dizer que não tinham entrado. Cada vez mais ficava com o pressentimento que não ia entrar. Mas mesmo assim liguei à minha Mãe: tinha entrado! Nem estava a acreditar que ia para o Milonga! Comecei aos saltos e a berrar, no sítio onde se vê a piscina da Escola, mas estava tão contente que nem queria saber o que as pessoas queriam pensar.

      As minhas irmãs estavam a dizer que ia ser mesmo giro. Eu só tenho um receio: a noite de terror, que me disseram que era mesmo assustadora. Mas toda a gente dizia que era a melhor parte do acampamento, por isso vou-me aventurar e, como uma amiga minha também entrou, eu não me importo tanto.

     O  Acampamento dura uma semana com jogos divertidos, uma noite de Terror e todas as outras ideias dos monitores. Acho que vou adorar, estou superansiosa!

Carlota C, 6C

A Incrível Festa do Pijama

Walka na pierze / Down fight

Marcin Bajer via Compfight

      Um momento favorito destas férias foi estar  com os meus amigos prediletos.

     Partilhei-o com os meus amigos: Sassá, Cancela, Rodrigo, João, Leonor, Filipa, e o elemento principal, o Potty, o meu cão.

     O que mais gostei foi de fazer uma direta, isto é, não dormir durante a noite e também de ficarmos acordados até às 4 horas da manhã a lutar com as almofadas. Não dormi e, no dia seguinte, não joguei muito bem futebol. Jogamos contra o Benfica e empatamos 4 a 4.

     Foi muito divertido e quero repetir este divertimento. As férias são uma pausa das aulas e servem para nós tranquilizarmos e também aventurarmo-nos no infinito.

Beijinhos

Gonçalo R, 5A

Bons Momentos das Férias

         Sonoda Umi

RICO Lee via Compfight

     Estas férias foram perfeitas.

     Fui ao Bouce, onde há Mata, futebol e basquetebol; fui a casa dos meus Avós; fui também ao Alentejo, onde fiz “a caça aos ovos”; também fiz “a caça aos ovos” em casa da minha avó, com as minhas primas.

     No Alentejo, os ovos estavam escondidos dentro da casa da minha avó, e lá fora, debaixo da relva, ao pé das árvores, no jardim. Em casa dos meus outros avós, os ovos estavam no quintal.

    Fui também a casa da avó do Francisco B onde estivemos a jogar Eta 5; neste jogo assaltamos carros, fazemos missões, como por exemplo: guiamos submarinos, andamos debaixo de água com um fato, procurar peças para consertar o submarino.

    Fui ao cinema com o Francisco B e com o João Francisco ver o filme “Super-Homem versus Batman”. O que apreciei mais neste filme foi ver o Super-Homem a lutar com um monstro.

     Espero que vocês também tenham tido umas férias felizes!

Manuel N, 6A

Acampamento Kikiwaca – A Quinta Inesquecível

 

Praia do Meco

Hans Pohl via Compfight

Dedicado aos Aprendizes da Oficina do 5C e seus Convidados: Alexandre, André, Madalena e Carolina.

     Os quatro amigos foram acampar na Quinta do Miguel, na praia do Meco que é da mãe do André, lá para o Sul do Tejo.

     O André montava as tendas com especial perícia. O Alexandre sabia truques com cordas e fez uma escada para subirem e descerem da árvore.

     As duas amigas inseparáveis prepararam um petisco de salsichas espetadas nuns pauzinhos e tostadas numa fogueirinha improvisada.

     Quando subiu no céu uma lua imensa – pois era Páscoa – os quatros amigos reunidos à volta do fogo escutavam os ruídos da noite: uma coruja branca piava, ouviam-se pequenos seres rastejantes por trás dos arbustos e uma jovem raposa veio espreitar a Carolina, puxando-lhe um bocadinho pelo cabelo.

     Foi então que o André se pôs a tocar no seu miniteclado portátil e toda a floresta pareceu silenciar para escutá-lo.

(Exercícios Criativos: improviso para Projetos de Férias)

O E

A Casa no Barco

     She Lit The Candles

Pekka Nikrus via Compfight

     Era uma vez um menino que se chamava Tiago e vivia num barco; estava sempre a navegar com o seu pai, o Jorge.

     Um dia, o Tiago andava de um lado para o outro no barco, sem nada para fazer. Até que viu uma porta secreta: ele tentou abri-la, mas não conseguia, por isso foi ao quarto do Pai e da Mãe buscar as chaves de todas as portas da casa no barco. Tentou todas e não conseguiu abri-la.

      Enquanto tentava encontrar alguma coisa no meio do pó todo, de repente, ouviu um barulho que parecia um rato a arranhar alguma coisa; mas o Tiago, sem medo, seguiu o barulho e foi encontrar uma caixa de vidro que tinha lá dentro uma vela acesa quase a acabar.

     O Tiago estava a arranjar uma maneira de não partir  a caixa no meio daquela escuridão, pois a pilha da lanterna dele tinha acabado; mas ele conseguiu, porque arranjou uma pilha e pô-la na lanterna e então colocou a lanterna dentro da caixa de vidro.

      Mas quando chegou da sala secreta, o Pai estava muito preocupado com o Tiago e, de repente, perguntou:

      – Tiago, onde estavas?

     – Pai, eu encontrei uma sala secreta!

     – O que encontraste?

     – Encontrei esta caixa de vidro!

     – Mas essa caixa é do teu Trisavô, não a partas.

     – Está bem, Pai.

     O Tiago ficou a pensar onde iria pôr a caixa. Lembrou-se que podia enfeitá-la e dá-la no dia do Pai.

Madalena C, 6C

(Exercícios Criativos: Narrativa escrita em 12 minutos, com as palavras atribuídas aos desenhos inventados para cada letra do nome Tiago: T – Barco; I – Vela; A – Casa; G – Caixa de Vidro; O – Tiago.)

O Salvamento do Optimist

   jpc-1572

Jaime de Pablos via Compfight 

     A tempestade aproximava-se: windguru já tinha mostrado os ventos a 45 nós e as nuvens espessas a juntar-se todas por cima da Baía. Já se sentia o granizo a chegar às nossas velas, enquanto nós aparelhávamos. Já começavam as rajadas fortes e ondulação a aumentar.

      O Optimist do Luís virou quatro vezes, esgotando-lhe as forças e fazendo-o quase pedir socorro. Eu tentei aproximar-me, contra a corrente fortíssima, para ajudar o meu amigo. Nesse momento, estava a chover imenso e eu gritei-lhe:

      – Luís, agarra-te a este cabo, senão vais contra as rochas! 

     Ainda tive tempo, antes de atirar o cabo, de apitar três vezes para o meu treinador ouvir. Mas o treinador estava muito longe, a ajudar outros navegadores, por isso não se apercebeu logo do perigo que corríamos. Quando vimos que o Treinador e os seus navegadores estavam a milhas de nós, passamos ao plano B, que era “o plano da corda” e que ocorreu da seguinte forma:

     Eu atirei a bossa, aproveitando uma onda encrespada que aproximou os dois barcos. Nessa altura já o granizo nos fustigava a cara e uma chuva sem tréguas limitava a visão a dois metros. 

      – Agarra a bossa, Luís!

      – Estou a tentar, Tomás!

     Via-se ao fundo uma onda enorme que ia rebentar. O Luís, com medo, gritou:

      – Cuidado, vem uma onda pirata!

      – Luís, deixa passar esta onda e a seguir já te passo novamente o cabo.

      Aí, a onda passou, o Luís acalmou-se e lá agarrou a bossa, já a tocar com o patilhão nas rochas.

(Exercício “a duas mãos”)

Tomás G e O E

Simas Party Falsa

     Holiday Party Hat invitations

jcbonbon via Compfight

     Querido Diário,

     Ontem eu e as minhas amigas combinamos irmos dormir a minha casa, mas antes, uma amiga minha, chamada Gabi tinha perguntado à mãe se podia vir comigo ao Shopping, mas  a Mãe dela não deixou, pois a Gabi estava de castigo.

     Então, nós tivemos a ideia de fazer uma Festa falsa, para isso, fiz-lhe um convite falso. Entreguei o convite à Gabi hoje. Agora esperemos que a mãe dela deixe, para eu, ela e mais amigas irmos. SPF, até à próxima.

    Querido Diário,

     A minha Simas Party falsa já ocorreu: foi gira. Fomos ao cinema ver um filme espetacular, de seguida comemos no Sushi, perto do casino.

     A única coisa que correu mal, foi a mãe da Gabi não a ter deixado ir. Ela disse: Hum… como foi? Ah, foi: “- Não posso abrir exceção” – em Brasileiro. Ela não podia ir nem as minhas duas amigas Carlotas. Mas adiante… apesar de elas não terem ido, foi maravilhosa a nossa Festa falsa. SPF.

     Adeus Diário.

Mariana S, 6C

Um Carnaval Mágico

Inside an ancient yew tree...

Chris Hawes via Compfight

     Num dia de Carnaval normal, tudo estava calmo, até que um grande cometa azul apareceu suspenso no ar. De repente, toda a escola ficou iluminada com a sua luz e toda a gente ficou o que era, ou seja, eles transformaram-se no que estavam vestidos.

      Eu transformei-me numa marinheira; os meus amigos Duarte, Teresa R, Teresa B, foram transformados em Punks; quanto ao Pedro M, António, André e o Lourenço, ficaram DJ profissionais; a Marta, o Guilherme, o Henrique e o Alexandre tornaram -se estudantes honorários.

     Então, nós espalhamo-nos pelo recreio: o campo de futebol tinha sido transformado num farol e todas as marinheiras foram para lá, mas os DJ e os Punk foram para o campo de ténis que foi transformado em discoteca. E os estudantes ficaram na sala de aula!

     E, finalmente, começou a caça das serpentinas de ouro. Todos nós fomos atrás , só os estudantes ficaram na sala de aula. As serpentinas tinham -se transformado em ouro. Mas aconteceu o inacreditável: quando nós estávamos distraídos, os alunos, como eram espertos, roubaram as serpentinas!

     De repente, o cometa desapareceu e tudo voltou ao normal, mas parece que nós também nos tínhamos esquecido desta aventura fantástica!

Maria S, 5C 

Os Meus Amigos do Algarve

  Late November sunset, Olhão

cyclingshepherd via Compfight   

      Quando eu vou ao Algarve, tenho sempre imensos amigos. As férias dividem-se em duas partes: Julho e Agosto. Em Julho vêm os meus amigos que gostam mais de jogar futebol. Aliás, antes disso, vou para o condomínio ao lado do meu, porque tenho lá um amigo chamado João, e, por isso, eu brinco com ele e as outras pessoas do condomínio dele.

      Quando começam a chegar os meus amigos do futebol, começa logo a diversão no meu condomínio. Nas minhas férias de Julho, de manhã, vou à praia com os meus pais e com  a minha avó, e, à tarde, fico a jogar futebol e vou à piscina com eles.

     Em Agosto, vêm os meus amigos da praia, do futebol e das piscinas e o melhor de tudo é que vem o meu melhor amigo, o Simão.

       Agora, eu conto como é um dia com o Simão. Levantamo-nos cedo e vamos para a praia fazer bodyboard, Surf e ir à Marina ver os barcos. Chegamos a casa e encontramo-nos na piscina, para irmos dar um mergulho antes de comermos.

      O nosso condomínio tem uma piscina muito grande, de um azul transparente, e, no meio, uma piscina pequena, numa ponta do jardim. O jardim tem relva verdejante e palmeiras. Há um jardim secundário, no fundo do condomínio, onde nós jogamos á bola, porque no jardim principal não nos deixam.

     Eu adoro os meus amigos do Algarve. Os nomes deles são:

diogo_tv_amigos

Simão, Xavi, João, Luís, Luís, Pedro, Duarte, Miguel , Miguel, Miguel, Diogo pequeno, Diogo médio, Diogo grande (sou eu).

Diogo Tv, 8A

 

A nossa Ida ao Bounce

bounce_vasco_lImagem: Bounce Portgugal  

     Foi emocionante para mim uma nova diversão com os meus amigos: Juliana, Mariana, Maria, Matilde e Henrique. Foi super bom, eu experimentei dar um mortal para a frente com uma prancha, eu gostei também, principalmente, de estar com os meus amigos.

     A Matilde O. deu boleia a mim e à Mariana S, até ao Bounce, ir e voltar; falamos sobre várias coisas divertidas. Quando chegamos ao Bouce, a mãe da Matilde foi-se embora para o supermercado. Passado uma hora de diversão no Bouce com os meus amigos, ficamos com fome e, com o troco que sobrou (1 Euros)  não dava para comprar nada.

      Então eu e a Mariana pedimos aos pais dos meus amigos se podíamos ir lá para fora e. só por acaso, encontramos 5 Euros! Demos um euro a cada um e lá fomos nós comprar comida ou uma bebida. Depois, contamos tudo à mãe da Matilde, ela ficou de boca aberta.

     De seguida, a mãe da Matilde foi levar-me a mim e à Mariana, ao Colégio para os nossos pais nos irem buscar. Eu e a Mariana ainda conversamos um bocado sobre “coisas” interessantes …

     E depois dissemos um ao outro: Adeus!

Vasco L, 6C

A Aventura dos Quatro

     Amber and Ron

Tracy Lee Carroll via Compfight

     Num dia de sol, quatro amigos decidiram ir fazer voluntariado para muito longe, para Amsterdão. No dia quatro de março, levantaram-se bem cedo para ir para  o avião.

     Estavam deslumbrados por  ir ajudar as pessoas necessitadas, porque nunca houve muitos voluntários adolescentes para ajudar as pessoas. As mais entusiasmadas eram a Mafalda e a Carolina, que eram as meninas do Grupo, com mais dois rapazes que eram o Zé Maria e o Júlio. O Júlio era do Dubai e um dos nossos melhores amigos.

     Quando chegamos a Amsterdão para ajudar as pessoas, havia problemas graves. Depois de um dia cansativo fomos para um Hotel; a sorte foi que não pagamos nada, porque a Empresa AKP  – “Ajuda Quem Precisa” – pagou a estadia.

     Ajudar as pessoas que precisam é muito bom também porque parece que estamos a ajudar o mundo para haver mais ajudantes. Há dias em que ajudamos velhinhas a atravessar as estradas; a subir escadas e a comer, porque elas não têm força.

      Ficamos em Amsterdão um mês, mas a Carolina e o Júlio foram embora mais cedo, pois seguiam para o Dubai. Eu e o Zé Maria ficamos mais uma semana, mas no fim eu já estava cansada de trabalhar. Quando eu e o Zé Maria nos fomos embora para Portugal, demoramos quase um dia, porque o avião que estava à nossa frente, caiu para o mar, e eu estava cheia de medo e só queria chegar a casa muito rápido.

      Quando chegamos, eu estava aliviada e cheia de saudades da minha família; cheguei de rastos, nem jantei, mas quando me deitei na cama, pensei num nome para o meu Grupo e ficou “CMZJ”.

     E valeu a pena ajudar as pessoas.

Mafalda A, 6B

Estágio de Vela em Vila Moura

 

tomas_segunda_optimist

Imagem: Oferecida pela Mãe á Oficina

     Estou muito ansioso para o Estágio de Vela do Carnaval em Vila Moura. Nós vamos dormir num hotel muito bom, chamado D. Pedro. O estágio vai durar a semana toda, vai ser muito divertido e com uma grande animação.  Todos os meus amigos vão comigo!

     Por acaso ainda não sei se vamos fazer o exercício matinal, por exemplo, correr ou fazer abdominais, ou outros exercícios. Tomamos o pequeno-almoço cedo e depois do treino físico, ficamos na água de manhã até à noite.

      Neste estágio vão participar várias modalidades: Lazer, 420 e Optimist – nesta somos 12 navegadores. Vamos todos em três carrinhas.

      Vou levar imensa roupa e equipamento: fato estanque à água, verde e preto; botas de enfiar, pretas; luvas; colete; cinco licras; gorro; não costumo usar proteção nos ouvidos, mas a chuva, ao cair, dói imenso nas mãos e na cara.

     Gostava de melhorar algumas técnicas, tais como: largadas à lebre, rondagens á bóia, ir a sotavento, largadas, folgar a espicha na popa, estar sempre com a vela caçada…

     O nosso treinador, o João Vidinha ou o “Vidinha” é ótimo: sabe gerir bem a brincadeira e os treinos. Ajuda-nos imenso a tornarmo-nos melhores.

     Ensina-nos também a ver a meteorologia – o que eu já sei: por exemplo, quando há nuvens sobre a Serra de Sintra e também no horizonte do mar, elas vão juntar-se  por cima de nós, quando nós estivermos a navegar.

     Também em Vila Moura vai ser o mundial de Optimist, em Junho e eu vou assistir!

(Parcialmente ditado)

Tomás G, 6C

O Melhor Mês do Mundo

Ballons at Disney World HDR

Creative Commons License Mickey Views via Compfight

        Para mim, este é o melhor mês do ano, porque é quando eu faço anos!

     Eu vou explicar como vai ser, quem não quier ver passe para o próximo parágrafo.

     Vou convidar cinco amigas: primeiro, vamos todas para minha casa, todas mascaradas; segundo, vamos ao Bowlling; terceiro, voltamos para casa; quarto, vamos jantar a uma pizzaria; quinto, acabamos por ir dormir às 12:00 h e fazemos 80% de maluquices; sexto, quando acordamos, mais ou menos às nove, nove e meia, temos pequeno-almoço: crepes e sumos na mesa.

     Depois tenho uma amiga que faz anos no dia a seguir a mim! Nós estivemos no mesmo berçário e, se calhar, a tomar banho juntas!

     Mas vamos voltar à minha amiga: ela convidou-me para a sua festa, a mim e a algumas amigas da minha festa.

Esperança M, 5A

Um Encontro Surpreendente

  DSC_0101_resize_42

    Imagem: Guia da Cidade

     No Algarve, uma manhã de céu bonito, estava eu na espreguiçadeira, a apanhar sol, para ficar ainda mais morena do que já sou. Sentia o sol a bater-me com muita força no peito e pensava:

      – É tão bom estar no Algarve…

     Foi nesse momento que apareceu uma grande amiga que vive em Macau e tinha chegado há 4 minutos!

     Ela chama-se Leonor, é um ano mais velha que eu, tem o cabelo curto, castanho aloirado e os olhos verdes, lindos. Fiquei surpreendida, levantei-me para a abraçar, mas dei-lhe um empurrão e, com ela toda vestida, caímos as duas para a piscina!

    Ela saiu para se despir, ficamos a conversar sobre as nossas coisas, e ainda fomos para a praia juntas!

    Até almoçamos lá num bar. Foi um momento inesquecível do Verão!

Carolina F, 6C

Amigos Inseparáveis

Abseiling Window Cleaners

Theen Moy via Compfight

     Num mundo longínquo, havia dois amigos inseparáveis; eles viviam num mundo desconhecido e super-bonito.

     Um chamava-se Afonso e o outro Manuel. Desde a infância que se conheciam, andavam sempre juntos e brincavam sem parar. E ainda hoje, todos os dias eles se falam e brincam juntos. Todas as férias, cada um vai muitas vezes a casa um do outro.

     Esta amizade nunca acaba. Temos de ter o conceito de fazer cada vez mais amizades pelo mundo, perdoar os amigos e perdoar ainda mais o inimigo.

     Estes momentos que passamos com amigos, fazem-nos sentir um toque gigante interior, a dizer:

É Melhor não perderes esta oportunidade de ganhares uma Amizade para sempre!

Afonso C, 6A

Brinde aos Amigos

    IMG_7318.JPG

alanak via Compfight

    Tenho dois melhores amigos, mas aquele com quem gosto mais de estar é o Pedro G: ele gosta de muitas coisas como eu, por exemplo, Parkour, de brincar e não gostamos de estudar!

     Ele é muito fixe e engraçado, diz muitas piadas. De vez em quando zangamo-nos, mas depois, parece que do nada, voltamos a ser amigos. Há pessoas que não veem as suas qualidades, mas é porque não o conhecem; eu também sou assim, só mostro as minhas qualidades quando me sinto mais próximo das pessoas.

      Eu gostaria que continuássemos a ser amigos até crescermos e podermos ir beber uma cerveja ou um gim tónico, até podermos passar o Natal juntos, primeiro com as nossas namoradas e depois com as nossas famílias.

     Gostaria de dizer a toda a gente que aproveitem os seus bons momentos com os melhores amigos.

     E agora aqui fica o meu brinde aos melhores amigos, neste Natal!

João R, 7B

Peripécias

    00041-Velo

Theo Olfers via Compfight

    Começou tudo ao fim do sétimo ano. Uma vez, Vasco e Diogo combinaram encontrar-se no campo de futebol da Charneca.

     Vasco era um bocado atrapalhado, por isso, às vezes sem querer e às vezes querendo, ele só fazia “por…” e ficava de castigo. O Diogo não era tão atrapalhado como Vasco, mas tinha maus pensamentos em mente. Como o Vasco era atrapalhado, não tinha um telemóvel, porque tinha partido o último e os seus pais não tinham paciência para lhe comprar outro. Por isso, Diogo tinha de ligar para o telefone fixo da casa do Vasco. Quando ligou, disse que já tinha chegado ao Campo. Vasco, rapida e atrapalhadamente, tirou a bicicleta do quintal e foi-se embora para o campo. quando chegou, sentiu vontade de rir, porque Diogo tinha uma bicicleta clásssica, de estrada, e estava a andar nela. Diogo disse:

      – Não te assustes, esta não é mesmo a minha bicicleta.

     Vasco sorriu. Diogo acrescentou: 

      – A minha bicicleta está para arranjar. 

      Vasco sempre tinha querido ter uma bicicleta de estrada, mas não era aquele triciclo andante. Foram jogar futebol para o campo, mas quando ficou tarde, Diogo disse que se tinha de ir embora. Despediu-se e foi cada um para seu lado. Estas combinações começaram a ser regulares.

     Mas uma vez, combinaram e o Diogo convidou:

   – Queres ir para minha casa fazer qualquer coisa? 

    – Sim, mas não digas aos meus pais, que eles não me deixam sair da Charneca – disse Vasco sem receio.

    Diogo, de seguida, disse:

   – Os meus pais também não me deixam sair de Murches.

   Vasco riu-se e foi com Diogo. Vasco começou a ir para Murches, mas sempre com Diogo.

    Numa sexta-feira, Vasco estava no cruzamento da entrada e saída da Charneca, à espera de Diogo. Vasco já estava lá há algum tempo, ficou sem paciência e foi, pela primeira vez, para casa do Diogo, sozinho.

      Quando Vasco chegou, tocou à campaínha e, passado algum tempo, Diogo abriu a porta e informou:

       – Afinal não posso andar de bicicleta, estou de castigo.

     Vasco respondeu:

      – Então porque disseste que ias ter comigo?

      Diogo explicou de seguida: 

     – Porque soube há pouco tempo que não podia e telefonei, só que já tinhas saído!

      Vasco ficou desiludido até que Diogo continuou: 

      – Entra, vamos jogar qualquer coisa!

      Vasco achou estranho o Diogo estar de castigo, não poder andar de bicicleta, mas poder ter amigos em casa, mas nem perguntou. Foram jogar computador, mas fartaram-se e foram para trás da casa do Diogo andar de skate. Ficaram lá algum tempo; quando saíram e foram para a porta da casa do Diogo, viram o carro da mãe do Diogo e ele nervosamente exclamou:

      – A minha Mãe chegou!!! 

      – Qual é o problema?

      – Supostamente tu não devias estar cá!

[…]

Vasco E, 8B

Aventura com meus Amigos e Cães

   Forêt Serge Costa via Compfight

     Era uma vez três crianças e três cães: o Jim, um cão Beagle, de tamanho médio e também muito forte, o Pipo, também um Beagle, o Caetano, um cão grande, fofo e brincalhão. Os nomes  dos meus amigos são  Afonso, a dona do Jim, Tabia, a dona do Caetano e eu, que sou a dona do Pipo.

      Um dia, nós fomos a uma floresta, até lá ao fundo e os cães começaram a ladrar. Só ouvimos:

     – É melhor irem para casa! – com uma voz assustadora.

     E a Tabia gritou:

      – Caetano, ataca!

     E lá foram, o Caetano, o Jim e o Pipo. Mas eles voltaram para trás e só ouvimos:  “Pá!”

       E começamos a correr. O Afonso tinha uma empregada que tinha ido connosco, mas tinha parado mais no início. Então o Afonso gritou

      – Nini, acuda! Está aqui um psicopata!

      Mas quando chegamos, ela não tinha acreditado, e nós nunca mais vimos o psicopata. É que o grito do Afonso pô-lo a milhas.

Margarida L, 5B

Amigos e Diferentes

     Hunting Squirrels

Ralph Hightower via Compfight

     No meu verão, estive na piscina do meu condomínio, a brincar com o meu amigo Afonso, com o Pipo, o cão do meu irmão, com o cão Jim, e ainda com o Caetano, o cão da minha amiga Tabiá.
     Nós andávamos todos a correr atrás do Jim, o fugitivo, que se metia pelas casas todas do Condomínio.
     O meu amigo Afonso contou-me que, uma vez, o Jim saltou para a piscina para salvar um gato, mas quando o pousou no chão continuou a correr atrás dele.
     A Tabiá joga Basquete e o Caetano é um cão brincalhão e bem comportado.               Normalmente nós saltávamos no trampolim dela, com o Caetano e o Afonso.
Nós adorávamos fingir que o Caetano era um cavalo: montávamos nele e com comida de cão, atirávamos para a frente; ele corria até lá e nós a ver se não caíamos.
Também brincávamos na piscina, a ver quem aguentava mais tempo debaixo de água.
     O que eu mais gostei nestas férias foi de estar com os meus amigos. Sinto-me melhor com eles do que cá na escola, com as outras pessoas. Eles são diferentes e eu sinto-me diferente quando estou com eles.

Margarida L, 5B

A Amizade é tudo numa Vida

 

       St. Stephen's Pink - HDR

        Creative Commons License Nicolas Raymond via Compfight

     O que é para mim a amizade?

   Para mim, a amizade é tudo: pela amizade, quando tenho amizade, sinto que posso fazer tudo.

     As amigas verdadeiras são as amigas com quem nos podemos sentir à vontade, a quem podemos contar tudo o que sentimos.

     Sinto-me diferente quando vivo uma amizade autêntica: sinto-me mais alegre, porque a amizade é o verdadeiro sentido da vida.

     Quando me aborreço com a Beatriz, com a Federica ou com a Maria, sinto-me mal, não gosto, porque sem a amizade não há nada, porque eu grito com elas sem razão.

     A amizade é tudo numa vida. Eu podia fazer qualquer coisa para toda a gente ser feliz, mas têm de ter amizade.

Maria B, 5B

Quando vivo a Amizade

SUBLIME BEAUTY (TO MY BELOVED FRIEND J.J.)

José Luis Mieza via Compfight   

     O que é para mim a amizade? O Amor que tenho pelas minhas amigas e amigos…

     Amigas de verdade são amigas que me amam como eu sou.

     Eu sinto-me diferente quando estou a viver a amizade; sinto-me mais feliz por estar a brincar.

    Quando eu discuto com a Fedê ou com a Maria H fico triste, porque me sinto mais sozinha.

     Mas a amizade não tem sentido sem o amor que temos por nós próprias.

     Eu fazia um espetáculo sobre como é bom ter amizade, para todo o Universo perceber que a Amizade é o melhor que pode haver no mundo.

Maria M, 5B

Convite para o Natal 2015

Central Park LampCreative Commons License Randen Pederson via Compfight

   Cascais, 12/05/15

    Olá Amigo!

     Tenho muitas saudades tuas e desejo voltar a ver-te nas férias do Natal!

    Eu estou bem: gostei imenso de ir ao cinema e de jogar futebol. Já vou no volume IX do “Diário de um Banana”, e tu? Já fiz o meu contrato de leitura, já posso estar descansado. E tu, o que andas a ler?

     Fui ao Parque de Palmela e fiz um concurso de obstáculos, mas como tenho vertigens, às vezes não sabia como fazer.

    Conto que nos vamos ver nas férias de Natal; podemos ir ao cinema ver o último filme de Nárnia ou um dos Ninjas. Podemos ir à kidzânia e experimentar os bombeiros. As minhas festas de anos são sempre no cinema e, como sabes, faço anos a cinco de Janeiro.

     Vamos ter umas ótimas férias!

     Um abraço do teu amigo,

Manuel N, 5A

Eu e o meu Amigo mais Alto da Turma

   Matraquilhos Francesco Negri via Compfight

      O João Francisco é a pessoa mais alta da turma; tem onze anos, não é flexível e tem o cabelo castanho. Tem rosto oval, o nariz arrebitado, boca sorridente, olhos amendoados e amigos.

      Joga sempre matraquilhos comigo, eu ganho-lhe quase sempre e ele é honesto quando jogamos. Odeia jogar futebol e odeia bacalhau. Está quase sempre distraído nas aulas de Matemática e quase nunca passa o que está no quadro, mas o professor de Matemática vê que o João não está a passar o que está no quadro. Ele às vezes esquece-se do material para EV.

     No futuro, quer ser astronauta. Desejo-lhe uma vida muito feliz.

Manuel N, 5A

Quanto Gosto de Ti

    Cleo!

Charles Rodstrom via Compfight

     Era uma vez uma menina chamada Luísa. Gostava muito de ir à sua piscina. Os seus entretenimentos em casa eram: fazer pulseiras, bases para copos, os TPC e pintar; gosta de ouvir os “Dama”, “O Benfica ninguém Pára” e de comer “crias”.

     Mas um dia, quando chegou a casa, estava um presente na sua cama: dentro do embrulho estava um unicórnio muito fofinho.

    Mas quando chegou à Escola, as amigas começaram  a gozar com ela. Mas a Luísa, sem bocas a medir:

     – Se vocês estão com inveja é porque gostavam de ter um igual. Amanhã trago-vos um igual. Não era necessário pedir, porque se encontra na loja “Enfeites”.

      Muito obrigada, na próxima, gostava que perguntassem onde comprei em vez de estarem a gozar.

     Luísa, este texto quer mostrar quanto gosto de ti!

Madalena C           

De Janela para Janela

     Eyebrows Barbro Björnemalm via Compfight

     – Olá, eu sou a Madalena!
     – Olá, eu sou a melhor amiga da Madalena, a Inês.
Nós somos vizinhas e eu hoje fui dormir a casa da Madalena; fizemos tudo juntas, mas nós hoje pedimos à mãe da Madalena, a Lurdes, para irmos para a escola a pé, juntas. A mãe da Madalena deixou-nos ir.
      A meio da viagem, continuou a Madalena:

    – A minha mãe foi a um café pedir duas raspadinhas de um euro. Calhou-lhe 40 euros em cada uma, por isso ela deu-me vinte a mim e outros vinte à Inês.

     Depois da escola, fomos juntas para casa e eu,  Madalena fui dormir a casa da Inês.
     Nós, amigas vizinhas, gostamos de fazer os trabalhos juntas, de janela para janela. Gosto tanto de viver assim tão perto da minha melhor amiga!

Madalena C, 5A

Francisca, uma Amiga Leal

Claire e HiroAlineCoutinho via Compfight

   Quando estamos na fila para ir almoçar, a Francisca está sempre a dizer uma piada muito engraçada. Quando eu estou a escrever mal, ela ajuda-me a escrever bem. É muito rápida a escrever, a comer, a falar e a correr! Eu não consigo apanhar quando estamos a jogar às apanhadas.

      É muito organizada: nunca deixa nada em casa; só se esquece do catecismo quando estamos na catequese. É muito honesta: um dia, estávamos a comer em minha casa e ela disse-me que não gostava daquele comer que a minha mãe tinha feito.

     É muito meiga: às vezes, quando me esqueço de alguma coisa em casa, se ela tiver a mais, ela empresta-me; não pede emprestado a outra pessoa, empresta-me, para eu não ter falta de material. Não gosto de um defeito dela: quando suja alguma coisa, não gosta de limpar. Ela diz:

     – Para que é que vou sujar as mãos, se há pessoas que podem limpar?

     Muitas vezes a professora não a deixa fazer o que ela quer, como, por exemplo, ir à casa de banho; então ela diz que os professores são maus, porque deixam ir os outros e a ela não. Gosta muito de E.T.; a maior parte das vezes não gosta do comer da escola.

     A Francisca, para mim, é uma guerreira; quando a irritam, ela fica uma víbora; compreendemo-nos, temos situações parecidas em que nos ajudamos uma á outra a superar.

     Francisca, agora gostava que escrevesses o meu retrato.

Madalena C, 5A

Amigos na Nossa Vida

Caminho da luz

Creative Commons LicensePhoto Credit: Eduardo Amorim via Compfight

     A Sofia é como se fosse outro “eu”: parece-se imenso comigo fisicamente e, além disso, gostamos praticamente das mesmas coisas. Uma tarde, a minha Mãe foi-me buscar; eu e a Sofia estávamos de costas a falar. A minha Mãe tocou na pessoa errada:

     – Mariana, vamos embora.

      Quando ela se virou:

     – Oh, não és tu!

      E eu estava ao lado!

     No sábado, eu fui a casa da Sofia. Quando entrei, vi os seus dois cães: o Marley, pequenino, com dois anos, de pelo branco e com manchas castanhas; o outro era a Luna, que já é velhota e tem o pelo preto.

     Depois fomos para o quarto dela conversar: gostamos de falar, combinar qualquer coisa, falar sobre música, filmes, rapazes giros, desportos, brincadeiras que fazemos…

     Passado um bocado, decidimos ir andar de bicicleta. Foi muito divertido: depois de termos percorrido algumas ruas estreitinhas perto da casa dela, ao chegar,  nós vimos um pôr do sol que se refletia nas nuvens, que ficavam de cor alaranjada e avermelhada.

     Quando chegamos a casa, pudemos brincar com o Marley: atirávamos-lhe a bola e ele ia buscar; depois, pegamos nele e ele ia quase a adormecer nos meus braços, porque tinha tido um dia em cheio.  

    Depois, fomos ver televisão e, de repente, a minha Mãe chegou e eu tive de ir embora. Foi muito divertido este dia, quero voltar a repetir outra vez.

     Os amigos são para sempre; os melhores amigos, às vezes, têm coisas em comum; os melhores amigos trazem-nos uma felicidade indescritível.

Mariana H, 6C

Ana Clara

ana_clara_vieira_mini

Imagem: de Ana Clara  R

     A Ana Clara é bonita e alta para os seus onze anos. O seu cabelo é comprido e escuro, os seus olhos são castanhos-claros e os seus lábios são rosados e fininhos. O nariz é perfeito, direito e bem desenhado.

     Ela é a minha melhor amiga; bastante inteligente, gosta muito de desenhar, é maravilhosa, tem um talento magnífico.

     Ela pertence a uma banda de música com umas colegas de oitavo ano, com um professor que as orienta. Ela é maravilhosa a cantar, tem uma excelente voz, toca muito bem guitarra.

     Adoro ir a casa dela, tem sempre atividades muito divertidas para fazer, como, por exemplo, ficamos a conversar horas sem fim, jogamos ao “quarto escuro” no sótão e fazemos “caça ao tesouro”.

     Espero que fiquemos melhores amigas para sempre.

Carolina C, 7B

Como Construir uma Amizade

   ✽ marguerites ✽ daisies ✽
Photo Credit: ✿ nicolas_gent ✿ via Compfight

      Uma amizade, para mim, é muito importante, porque eu, quando saio à rua, sinto-me uma pessoa muito mais feliz.

     Para construir uma amizade é preciso ser leal, não contar segredos e ajudar a outra pessoa a integrar-se com os outros.

     Os amigos verdadeiros são os amigos que ficam para sempre e que nunca mais se vão esquecer.

     Quando eu discuti com a minha melhor amiga, senti-me mal, porque percebi que  já tinha feito asneira e podia ter estragado tudo.

     Devia haver o dia internacional dos amigos, ou então criar-se um clube de amigos em todos os bairros.

Eu adoro a Amizade!

Catarina C, 6A

O Novo Mundo

Running From the Sun

Russ Seidel via Compfight     

      Houve uma grande mudança de recreio: já não há escorregas; o campo é maior e é de pedra; em caso de os grandes “chatearem”, só depois de se procurar muito é que encontramos “salvação”. No recreio, temos feito as mesmas brincadeiras: aos agentes secretos, com dardos, facas e temos de matar “os maus” para salvar a nossa família e o nosso chefe.
      No fundo do recreio coberto do Pavilhão há uma passagem, mas não é um local muito secreto: foi descoberto desde sempre.
     Nós, que somos muito curiosos, encontrámos uma passagem em que subi mos dois andares, depois entramos num corredor, vamos até ao fundo, do lado esquerdo, depois descemos um andar, porque há outras escadas, e encontramo-nos na papelaria.
       Na Biblioteca, ao fundo de tudo, há umas portas e um caminho; a minha prima contou-me que, se seguirmos bem esse caminho, encontramos a sala de descanso da Diretora – a minha prima já a encontrou em pijama, a beber chá!
     Os Professores são muito queridos. O Professor de Matemática, nas contas de somar, quando é com três números, junta dois números para ficar um número certo e depois soma com o outro – Esperto!
       De Português não gosto muito, mas este ano estou a gostar.
      Em Ciências estou a aprender imensas coisas: são detalhes de coisas que já sabia, outras são coisas novas, pois graças ao meu pai, a mim e aos professores, sei imensas coisas novas. O meu pai é curioso, sabe um bocadinho de tudo.
       É bom as turmas estarem baralhadas, porque assim temos de começar do pico zero, é como se não conhecêssemos ninguém. Ah, ia-me esquecendo, não estou tão sozinho como penso, pois tenho um grande amigo com quem partilhei a minha idade desde o 2º ano – porque antes éramos mais rivais, lutávamos imenso… – É bom ter alguém aventuroso para partilhar…
       Recordo o Parque da Primária: eu ia secretamente para o outro lado, sem que as vigilantes vissem; quando havia fila, íamos para o corredor onde há a rampa e as escadas, avançávamos até à portaria, íamos à casa de banho dos homens e, outras vezes, íamos por esse túnel só para esperar que a casa de banho ficasse vazia.
       A Professora gritava muito comigo, mas era a brincar; era muito querida. Chamava, algumas vezes, os outros alunos de “Miguel”, porque estava sempre a dizer “Migueeeeeeeeel seu cabeçudo!”
        Na festa de despedida, foi giro as camisolas com a fotografia, da professora
        No passeio de despedida, não sei o nome, mas fomos a um sítio onde havia brincadeiras com água; havia jogos como os matrecos humanos: com água, um sabonete e uma mangueira e muitas vezes as pessoas caíam!
        Também havia uma espécie de jogo em que as pessoas estavam de um lado com um balão de água e tínhamos de fugir sem nos molharmos. Um estava de frente para mim, acertaram-me muitas vezes, mas nenhum rebentou; até que veio um balão aqui e outro aqui e eu saltei e baixei-me.
       Este ano gostaria de alcançar os objetivos: escrever mais rápido, arranjar novos amigos.
       À minha Turma diria para fecharem a boca e pararem de dizer para eu escrever!

Miguel F, 5C

Amigas

Estes tema e tópicos foram sugeridos pela Sara S 5C 2011-12

1. Quem é a tua melhor amiga?

2. Há quanto tempo a conheces? Como ficaram amigas?

3. O que significa ela para ti?

4. Alguma vez discutiram? Se sim, diz porquę.

5. Tu e ela tęm interesses em comum? Quais?

6. O que fazem em conjunto?

7. Indica 3 qualidades que aprecias nela.

8. Sem ser a tua melhor amiga, quanto amigos tens? A quantidade é importante? Porquę?

Sara S 5C 2011-12