O Infinito é Vida

Syon House & The Thames From Kew 2 by Simon & His Camera

Simon & His Camera via Compfight

       Como é que se imaginam depois da morte?

       Bem, eu imagino-me a nascer numa espécie de dimensão paralela, mas superior.

      Do meu ponto de vista, a felicidade vai crescer cada vez mais e não só:  a moral das pessoas vai progredir, assim como a Paz vai vencer a Guerra.

      Agora falaremos de um Paraíso Superior e com maravilhosas condições de vida. As fábricas poluidoras já terão desaparecido. Em vez delas, haverá como único combustível, a eletricidade, graças a painéis solares.

      No renascer, espera-nos uma pessoa radiante, que transborda de amor, tal como a nossa Mãe que nos olha com a maior ternura. Se acreditares, Jesus vai aparecer e receber-te-á com a maior Paixão, mesmo se não fores católico.

       Acordarás dentro do sonho da tua vida. Se fosseu eu, gostaria de despertar num mundo repleto de magia e de felicidade e rodeada pela minha família, mesmo os que ainda não conheci.

       Haverá animais, um céu da cor do mar e um mar verde e azul radiante que deixarão as pessoas deslumbradas. Os animais falavam, não eram perigosos, falavam de Jesus e alguns eram profetas.

       Não haveria chão, voavamos e flutuávamos, mas no ar; por cada riso de bebé nasciam flores por todo o lado. As atividades seriam maravilhosas, parecidas com o ténis, o voley e o Surf, claro, e ainda umas surpresas que não consigo descrever.  

      Por um lado, penso que talvez as pessoas boas vão para o pé de Jesus e as más vão para o inferno, mas acho que as coisas não são bem assim, toda a gente merece uma segunda oportunidade.

Federica V, 6B

Print Friendly

Momentos de Arrasar

bounce-1

Imagem: SuperStar Kids

     Eu fui a uma festa, no Salvador Lopes, no Bounce. Eu e uma amiga minha ficamos amigas do instrutor que se chamava David e demos-lhe o nome de “Cristinhas” porque tinha uma grande crista. Foi muito giro! Consegui dar duplo mortal para a frente, mas para trás, só consegui um!

     Fomos a casa dele e estivemos a jogar snooker. Na nossa casa de S. Martinho, a Federica e eu batizamos a nossa cadelinha de “Smurfina” que tinha 4 meses, era preta e branca. A minha avó dizia que ela era uma vaquinha.

     Quando vim pela primeira vez à Oficina de Escrita, foi um momento único: a Inês é muito divertida!

     No ano passado, ainda não conseguia fazer mortal para trás, mas treinei muito e agora já consigo!

Maria M, 5B

Print Friendly