Inventamos as Festas…

mário a guiar o seu carro azul no jogo Mário KartAutor: Bago Games Flickr Atribuição: CC      

     Nas minhas grandes férias de Natal, fiz muitas coisas; a primeira foi estar com a minha Família e descobrir que o meu Pai vinha de Angola para Portugal.

     A minha segunda atividade criativa a fazer nas férias era ajudar a minha Mãe a embrulhar as prendas de Natal para os meus primos.

     E a terceira surpresa a realizar foi abrir as minhas prendas de Natal: tudo o que recebi foi fantástico. No momento em que acabei, a minha Mãe pregou-me uma partida, dando-me, num saco de roupa, uma consola!

     Desde aí, tenho-a utilizado de muitas maneiras: uso-a como um écran com dois comandos ao lado, presos à consola, onde jogo “Just Dance“. Posso tirar dois comandos e transformá-los num para jogar “Mário Kart 8“. Tirando os dois comandos e mexendo-os com os movimentos das próprias mãos, gosto de jogar ARMS – os jogadores são todos de boxe e os seus braços são molas!

     No fim do ano, o meu Pai convidou todos os seus amigos e, por causa  disso, não havia crianças, mas, às 2h 20, o meu Tio chegou com o meu primo Martins; até às 3h 10m o meu primo e eu comemos gelado e jogamos na minha consola.

      Inventamos as Festas para termos uma pausa no nosso trabalho, mas não só: também serve para nós, humanos, estarmos felizes por alguma razão que nem precisamos de saber qual é.

Luís P 6C

Peripécias no Natal

Christmas Compose

CBcreativity via Compfight

    Passei todo o dia de Natal com a minha Família. No Natal posso brincar com eles: brincar ao Peka Bod; já lá fui uma vez brincar com flores de neve.

     Um dia até a minha cadela já brincou com elas. Os flocos tocavam no nariz da minha cadela e ela, de cada vez, ia lambendo o nariz, mas cada vez caía mais neve.

    Mas chegou a comida do jantar da véspera do Natal, e, de repente, fechou-se a luz. A minha cadela aproveitou a vez dela para atacar a comida. Quando voltou a luz, ela estava em cima da mesa a comer as sobremesas!

    O Natal é o melhor tesouro que acontece todos os anos na minha vida!

Constança R, 5A

Momentos de Aventura e Paz

Airbeat One Festival 2017 Spanhof.Info – Illusions of Photo-Art via Compfight

     Nas férias de Natal, fui à piscina do Hotel onde o meu Pai trabalha, o Hotel Pestana, na Fortaleza de Cascais. Depois, estive a ver os jogadores do Portimonense a entrar no Hotel: parece que eles comeram onze quilos de bananas!

      Nas férias, fui também à Festa dos Anos do Afonso, em que jogamos Laser Tag

   O que eu gostei mais de receber no Natal foi o Red Pass do Benfica. Também fui a um Museu de Arte e Tecnologia e joguei Fifa 18. Fui ver o Star Wars ao cinema. Um amigo meu levou com um chinelo na cara e deitou sangue do nariz!

      Passei o Natal em casa da minha Tia onde apreciei sobretudo o bolo de chocolate. No fim de Ano estive em casa da minha Avó: a nossa cadela estava com medo do fogo de artifício e veio esconder-se na sala. Depois saltou para cima da mesa e comeu uma tigela de pinhões!

     O meu principal objetivo para este 2º Perído: gostava de terminar com positiva a Matemática.

     Este mês de Janeiro, celebramos a Paz: 

  • Para haver Paz em Portugal temos que contribuir para não haver incêndios, limpando as florestas e patrulhando os lugares mais sensíveis.
  • Para manter a Paz a nível da Escola, é bom tratarmo-nos com respeito e bom-humor. Em relação aos professores, temos de fazer um esforço para estarmos atentos.
  • Para aprofundarmos a Paz dentro de nós, devemos evitar preocuparmo-nos inutilmente e procurar atividades de que gostamos.

Manuel N 8B

Aventuras de Natal

Me ✈Busy-Off To Canada Today!✈ via Compfight

     No meu Natal recebi muitas prendas, mas antes de começar a enumerá-las, o mais importante foi estar com a Família.

      De entre as prendas que recebi, gostei muito de um perfume, um jogo de carros para a PS4, e o jogo do Grande Turismo, com volante e pedais.

       Com a Família toda, estivemos a jogar Sing e eu controlo o meu tio “cá com uma pinta”! Antes da meia-noite, vimos um filme: “A Viagem de Arlo”, que era bem giro.

      Nunca tinha visto fogo de artifício tão perto: uma luz muito forte e todas as cores do arco-íris. Como eu fazia anos nesse dia, antes da meia-noite comemos o bolo, que tinha a forma de um jogo de Basket.

      No hospital, vesti uma roupa própria e deitei-me na cama com rodas e fui levado por duas enfermeiras giríssimas para a sala de operações. Puseram-me a máscara e adormeci logo. Acordei cheio de dores, mas não reagi como o médico tinha esperado.

Francisco M N, 6A

 

Seguir em Frente com a Vida

Call of Duty: Infinite Warfare Clinton Crumpler via Compfight

     Um acontecimento inesperado destas férias foi o meu irmão e o meu vizinho terem encontrado um cão abandonado: era rafeiro, pequeno, de pelo claro. Habituou-se bem a nós, mas parecia bem alimentado, embora sem chip. Ficou bem com o nosso cão Pepe, durante um dia e depois fomos entregá-lo a uma Associação de animais, para ser adotado.

     No dia 24, o meu Avô fez anos, passei o dia todo em Família e estávamos muito felizes! À meia-noite, abrimos os presentes. O meu favorito foi o Hawei P8 Lite e, ultimamente, tenho jogado PS4. Troquei um jogo repetido por Lego Marvel Super Heros 2 e amanhã ainda vou comprar o Watch Dogs 2.

     Eu passei o Ano Novo com a minha Mãe, um amigo meu, o Mota, e estivemos a jogar, na minha PS4, Call of Duty Infinite Warfare Eu e o meu irmão completamos um jogo a 100%. Jantamos “almofada de pato” e fomos para Cascais ver o fogo de artifício, que era de imensas cores: azul, vermelho, verde, laranja; formavam diferentes formas no céu e lançavam quilos de fumo.

     O meu irmão disparou a rolha do Champanhe e depois disso fomos ao LuzMar; enquanto estávamos lá, vimos o meu vizinho a passar, junto á Roda Gigante, mas, infelizmente, não conseguimos cumprimentá-lo.

    Não pedi desejos em especial, mas como resolução de Ano Novo gostaria de melhorar a nota de Português, em especial nos Verbos e Adjetivos.

     E é só seguir em frente com a Vida! 

     Em cada Turma, há Grupos de 3 pessoas que têm de fazer uma tábua de madeira onde criam símbolos para o valor de cada mês. Este mês, estou a trabalhar num projeto em que celebramos a Paz: se toda a gente se ajudasse uns aos outros, teríamos um mundo melhor.

Vicente E, 5A

 

Confetis, Prendas e Carinho

https://www.jeuxdenim.be/jeu-DixitImagem: Dixit

      A minha querida véspera de Natal foi em casa dos meus primos. Foi tão giro: recebi tantas prendas e carinho!

      Eu passei o Ano com a minha Família: o meu pai, mãe e irmã e outros amigos Espanhóis e Portugueses. Ao todo, éramos 14 e sempre jogávamos um jogo de tabuleiro chamado “Dixit“.

     Nós éramos 6 crianças e passávamos as noites a jogar às escondidas, foi tão engraçado!

    Ao jantar, a entrada foi tamboril molhado em molho de ouriços do mar, sopa de peixe, o prato principal foi ravioli de cabrito e a sobremesa foi mousse de chocolate e avelã.

    Depois, à  meia-noite, lançamos confetis e fomos dormir.

André R, 7A

Um Presente Absolutamente Inesperado – III

http://actalliance.org/act-news/act-alliance-joins-unicef-refugees-welcome-programme/

    Imagem: actalliance

     Todos os colegas se solidarizaram com a sua tristeza e os intervalos seguintes foram passados, em harmonia, a partilhar as tradições de Natal dos dois países. Tamir pôde finalmente compreender o significado do Natal e a importância profunda do nascimento de Jesus Cristo, que o Duarte e o resto do grupo celebravam, enquanto católicos. 

      Nos dias seguintes, mesmo fora da escola, os dois novos amigos passaram imenso tempo juntos. O Duarte teve oportunidade de conhecer a simpática família de Tamir e até de participar nas suas tradições como, por exemplo, a de brincar ao dreidel, um jogo com um peão de quatro lados com letras hebraicas gravadas, onde o divertimento passava por adivinhar qual era a letra que ficava para cima quando ele parava de rodar. Também Tamir se encantou com o que aprendeu acerca das tradições ligadas ao Natal dos católicos: a coroa de ramos com quatro velas que se vão acendendo sucessivamente nos quatro domingos do Advento, a  Missa do Galo, etc. E claro que ambos se deliciaram com a comparação entre a culinária tradicional da Consoada – o bacalhau cozido com batatas e couves, o bolo-rei, as rabanadas, as filhós – e a típica do Hanukkah – latkes (panquecas de batata) e sufganiyot (roscas com geleia), fritas em óleo.

     Através da mãe do Duarte, até os pais de Tamir acabaram por se envolver (servindo de tradutores e mediadores junto da sua comunidade) no seu projeto de voluntariado, que promovia a integração de imigrantes e refugiados por via do ensino do Português num ambiente acolhedor e facilitador da interação entre eles e os cidadãos locais, o que permitiu aproximar as pessoas, fortalecer as suas redes de solidariedade e projetar a cidadania de cada um no outro, num tempo que, como mais nenhum, é de vivência comunitária e familiar.

     Entretanto, chegara o dia da troca de presentes do amigo secreto e foi já na aula que o Duarte se apercebeu de que, com a catadupa de acontecimentos dos últimos dias, se tinha esquecido completamente do presente. O seu pânico aumentava à medida que a Professora ia tirando à sorte e anunciando os nomes dos alunos que ofereciam e dos respetivos recetores e nem deu atenção à bonita caneta com que foi presenteado pelo Rui, até que ouviu:

            – E para concluir, Duarte, entregue, por favor, o seu presente ao Tamir.

            Quando, muito envergonhado, Duarte se levantou para assumir a sua falha, Tamir interrompeu-o antes que conseguisse falar e, depois de pedir a palavra à Professora, proferiu:

            – Duarte, muito obrigado pelo teu maravilhoso presente, que por ser tão grande e especial não poderia ser trazido para aqui. Eu e a minha família ser-te-emos eternamente gratos pela nova vida que nos proporcionaste. Ofereceste-nos um presente inigualável!

     Nesse momento, os outros colegas levantaram-se e, emocionados, exclamaram em uníssono, enquanto aplaudiam:

            – Duarte, conseguiste dar o melhor presente de sempre! Muitos Parabéns!

      Naquele dia, o Duarte compreendeu que o mais importante não era dar um presente, mas sim ser presente! 

Leonor V, 6B       

Um Presente Absolutamente Inesperado – I

Queen Bee of Beverly Hills Designer Handbags HolidayCreative Commons License Queen Bee via Compfight

     Aproximava-se o final do primeiro período e em toda a escola reinava um clima de grande azáfama devido aos preparativos para as comemorações de Natal, mas em nenhuma turma o alvoroço se comparava ao da do Duarte. Por esta altura, habitualmente, realizavam a troca de presentes do amigo secreto, mas na turma do Duarte esta atividade tão singela assumia proporções quase descontroladas, pois havia sempre uma grande competição, existindo até uma espécie de concurso paralelo: quem levasse o presente mais original e apreciado pelo destinatário tornava-se “rei ou rainha da popularidade” até ao ano seguinte.

  Para refrear um pouco os ânimos, a Diretora de Turma até havia definido, como nova regra, que este ano apenas saberiam a quem ofereceriam cada presente no dia da entrega, pelo que não haveria possibilidade de utilizar os estratagemas habituais para conhecer previamente os desejos dos respetivos destinatários e, dessa forma, tentar garantir uma escolha perfeita, capaz de alcançar o tão ambicionado título; ainda assim, a turma estava excitadíssima e o tema do presente passou a dominar as conversas em todos os intervalos.

       Mas nem todos os alunos da turma partilhavam desta agitação: Tamir, um refugiado sírio que havia integrado a turma há pouco tempo, não compreendia todo aquele aparato, quer porque nunca participara numa atividade deste tipo, quer por ser uma pessoa pouco expansiva com quem a turma praticamente não interagia.

      Por seu lado, o Duarte estava muitíssimo entusiasmado, uma vez que se convencera de que, se no último ano os pais do Rafael – um colega com quem mantinha uma rivalidade saudável – não lhe tivessem trazido de Paris um presente absolutamente exclusivo para ele oferecer à Catarina, o título de melhor prenda não lhe teria escapado. Mas, este ano, estava convicto de que, com a nova norma, iria encontrar um presente que surpreenderia e encantaria quem quer que o recebesse. Porém, não era só ele que queria ganhar e, no intervalo, enquanto uns se proclamavam vencedores antecipados, outros queixavam-se dos presentes que tinham recebido no ano anterior.

   – No ano passado, recebi um boneco insignificante saído de uma máquina de brindes! A minha amiga secreta, a Elisa, apesar de conhecer os meus gostos requintados, não se esforçou minimamente! – reclamou a Vitória, a rapariga mais pretensiosa da turma, acrescentando: – Deixo já claro que, este ano, só aceitarei um presente se for de uma marca ao nível do meu excecional bom gosto e classe!

     – E como é que a pessoa vai saber que quem lhe vai calhar és tu, presunçosa?! – indagou o Eduardo, em tom de censura.

(Continua)

Leonor V, 6B

Férias de Paz

    chuck and his crazy hair Keith Survell via Compfight

      As minhas férias de Natal foram boas. Recebi um coelho miniloop chamado Tobias, ele é muito brincalhão e gosta muito de saltar!

     O Tobias, quando o vi pela primeira vez, saltou para o meu colo! Ele tem um mês: é um bebé!

     O meu Natal foi giro: fui ao cinema com as minhas amigas vi o filme Coco e o Picture Plenert 3.

      Estive em casa a dormir às vezes até às doze horas.

     No dia 26 fui à Wonderland  de Lisboa: andei de patins e na roda gigante. No dia 25 foi Natal: recebi o meu coelho e roupa giríssima.

     Durante o Ano Novo, nas doze badaladas comi passas. Ouvi o fogo de artifício na minha casa: fiz uma resolução de Ano Novo.

      Este período, devo melhorar a Inglês, a interpretação de texto; a Geografia já consegui uma estratégia para não confundir a Escala Gráfica com a Escala Numérica.Mas quero levantar a nota.

      Este mês celebramos a Paz: gostava muito de fazer uma viagem à Indonésia. Realizarmos estes pensamentos contribui muito para a nossa felicidade. E sermos felizes contribui para a Paz no mundo.

Mariana C 7A

 

 

Momentos de Natal

New Years Eve Fireworks 2017 Kyle Nishioka via Compfight

      Estas férias, a ida à Vila Natal foi ótima! Gostei muito da pista de gelo e de tirar uma foto com o Pai Natal, de andar dentro de uma bola brilhante sobre a neve.

     O Natal foi admirável! Adorei os presentes, mas ainda gostei mais de estar em Família! O meu novo “telelé” é um Vodaphone, cheio de cores espantosas, com uma capa giríssima, de um azul fascinante. Recebi o cartão sim e comecei logo a utilizá-lo.

      No Ano Novo, adorei o concerto dos “Dama“; o hotel em que fiquei chamava-se “Vila Galé“, em Lagos.

     O fogo de artifício foi fantástico: havia uma bala no céu a explodir e a dividir-se, começando numa cor; as mini-balas dessa divisão explodiam de novo.

     Outras pareciam umas balas de canhão que subiam, e quanto mais subiam, mais apagavam a parte de trás até à ponta: eram brancas, verdes e vermelhas! Nunca tinha visto um fogo de artifício tão magnífico, foi uma novidade que nunca vou esquecer.

     Estas férias senti-me muito alegre.

Miguel M, 6A

 

Com as Pessoas de Quem mais Gosto…

Garden over the bayCreative Commons License pedrik via Compfight 

     Este Natal, abri um presente maravilhoso: uma coluna para ouvir música na Escola; ligo-a ao telemóvel e ouço imensas canções e músicas, a que nem sei dar o nome, pois gosto de tudo. Até ouço ópera com o meu avô! Conheço um cantor francês, Philipe Jaroussky…Enquanto fazíamos a árvore de Natal com o meu avô, eu e o meu irmão ouvíamos ópera.

     A minha prima Inês passou quase uma semana comigo: ficávamos a preguiçar de manhã, fomos a Sintra comprar queijadas originais, conversávamos sem fim e eu até disse à minha Mãe que não é nada igual estar com a Inês ou sem a Inês…

     Fui visitar a Vila Natal com a minha Madrinha e a Constança, de 4 anos – adoro bebés! Adorei patinar no gelo – como sei andar de patins não era difícil – visitei a casa do Pai Natal, passei um túnel de luzes, vi os camelos dos Reis Magos e um recinto com burrinhos, um duende e vários coelhinhos. Andei na bola gigante dentro de uma piscina de esferovite.

     Que férias inesquecíveis com as pessoas de quem mais gosto!

Margarida R, 5C

Férias Magníficas

7. It'a beginning to look a lot like ChristmasCreative Commons License Mark Gunn via Compfight 

     Passei as minhas ferias quase todas sentada no sofá ,com uma mantinha a ver televisão , mas algumas vezes fui passear .

     Nesses dias fui visitar a casa dos meus avós ,um museu de dinossauros e fui ao oceanário ,fui também ao shopping ver um filme mexicano chamado”Coco”. Como o filme é Mexicano, em vez de pipocas comi tacos, e achei uma delícia!

     Para passar algum tempo com a minha Família, fui ver as luzes de Natal e também fomos à Wonderland em Lisboa. Passei o Natal na casa do meu Tio e com a minha Família e comemos bastante.

     Passei o Ano Novo no Jardim do Casino a ver os fogos de artifício e foi muito engraçado, porque nós esquecemo-nos do champanhe e das passas: então pedimos emprestado a uma pessoa que estava ao nosso lado e divertimo-nos muito!

Carolina CV

Resoluções de Ano Novo

http://www.cascaischristmasvillage.pt/

     Imagem: Vila Natal Cascais

     Este Natal, um grande momento, foi quando abri os presentes: um livro para pintar com canetas, mas é mesmo dos difíceis.

     A seguir, do que gostei mais foi do livro “Aventuras de um Banana Super-Herói“. Fui à Vila Natal e adorei andar na pista do gelo, tal como faço sempre que vou ao Porto. Como faço patinagem com rodinhas, para  mim é fácil.

     No ano novo, estava a dormir profundamente e assim ganhei um dia 1 todo inteirinho, cheio de energia.

     Este 2º período, a minha principal resolução de Ano Novo vai ser conseguir pintar o meu livro todo, ler a Aventura e subir as notas a Ciências e a Português.

     A Português posso melhorar na resolução de questionários, o que já estou a treinar com a minha terapeuta da fala.

     Que bom, este mês, celebramos a Paz!

Carolina A, 6B

A Casa de Natal

http://www.mapav.com/santarem/ferreira_do_zezere/pias/Imagem: Mapav.com     

     Este Natal, no dia 25 de Dezembro, eu fui a Pias, Ferreira do Zêzere, onde estivemos numa casa gigante!

     A casa tinha um trampolim, uma campo de futebol, uma vista linda, um jardim enorme e ainda um parque de estacionamento no exterior.

     No interior, mal abrimos a porta, temos, dos dois lados, dois quartos; se andarmos em frente e virarmos para a esquerda, temos um quarto, uma casa de banho e outro quarto. A seguir, temos as cozinhas, e, ainda ao lado, a enorme sala de jantar; em frente, abre-se a sala de jogos de tabuleiro; logo a seguir, a sala de estar; desde aí vamos dar á entrada. 

    No piso de cima, havia um quarto, depois uma sala onde nós tocamos numa orquestra. Aí também se abria um quarto dentro da sala. A seguir um quarto de crian ças; em frente, um outro quarto com duas  casas de banho e depois, ainda outro quarto.

     Depois de visitarmos a casa de Natal, fomos passear e fazer “caches”.

Afonso F, 6D

O que Mais Gostei no Natal

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiQjsaFor_YAhXLwBQKHVmLBw0QjRwIBw&url=http%3A%2F%2Fwww.gamezebo.com%2F2016%2F12%2F12%2Fhill-climb-racing-2-tips-cheats-strategies%2F&psig=AOvVaw2TahIndN3UtK4ACIEdfIJC&ust=1515188136777075

Imagem: Hill Climb 2

O que eu gostei muito de receber foi um telemóvel Huwai, Y6 Pro 2017. Joguei o Hill Climb II, onde já estou muito avançado: já vou no nível Diamante 2.

Nesse jogo, recebemos um carro muito mau e vamos comprando carros com o dinheiro que ganhamos nas corridas indo contra outros carros.  Podemos melhorar a potência do motor, a suspensão e outras qualidades.

Também recebi um skate e andei na pista do Dramático.

No Ano Novo, assisti ao Fogo de artifício no Tamariz. No jardim do casino e ao pé de mim estavam uns homens a atirar uns petardos.

Eduardo M, 5B

As Surpresas com que Eu Sonho

http://cadescrita.edublogs.org

Imagem: Mariana J – 2011     

      Olá Pai Natal,

     Eu queria receber muitas surpresas, que seriam: 

  • Uma hoverboard
  • Uma boneca
  • Visitar a minha avó na Ucrânia
  • Ter um Forbe e uma Piscina
  • Uma casa nova e grande
  • Comprar prendas para a minha Família toda!

 Gostava que a minha casa tivesse uma sala grande para o nosso convívio, uma sala de cinema, o meu quarto amplo e verde-água; um jardim enorme à volta, umas árvores com frutos, como pêssegos, maçãs, pêras e ainda vegetais, como tomate, pepino e alface. Teria ainda dois cãezinhos e um gatinho dentro de casa!

    Desejo a todos também que imaginem e possam ter o que mais querem.

Ana Sofia D, 6A

O Espírito de Natal

   Merry Christmas Leo Reynolds via Compfight

     O Espírito de Natal consiste em fazer o Presépio, passar o Natal em Família e em abrir os presentes. Multiplicam-se campanhas de Solidariedade nesta época, precisamente por ser uma época de amizade, inspirada na pobreza de um Deus sem abrigo.

   Nas férias, adoro jogar na PS4 e treinar  Futebol. A prenda mais fabulosa que eu já recebi foi a PS4! Costumo passar aPassagem de Ano a ver a Televisão e a conversar.

 Quando estou de férias, o meu primeiro pensamento é sobre estar livre dos Testes! Prefiro passar o meu tempo a passear ou a andar de bicicleta.

Este Natal gostava de receber um Iphone 6.

A minha sobremesa preferida são rabanadas!

 Desejo que o Natal continue a ser o mesmo: árvore a brilhar, convívio em Famíla, abrir presentes e Espírito de ajudar quem mais precisa!

Manuel N, 8A

O Silêncio da Alegria

http://www.etoilenotredame.org/actualites/resolutions-pour-le-mois-de-jesus-naissant-24

     Imagem: Étoile Notre Dame

     José já se instalou no último lugar: junto ao  berço da Glória. A jovem Esposa radiante ilumina-lhe a confiança pedida pelo Anjo em pleno sonho.

     Não pode ir mais longe, não há outro abrigo:  chegou a hora em que o coração tão denso de silêncio pode captar o relâmpago da Alegria.

    Os pastores dormitavam nos campos ou falavam em voz baixa em volta das fogueiras: figuras de silêncio recortadas na noite. Os magos caminhavam no rasto da Estrela que os inebriava de silêncio.

    Tanta luz transparece nesta noite, que só a espessura do silêncio – a espessura de séculos de silêncio – acertadamente sintoniza.

    José, à entrada da gruta, transido de silêncio. Maria, inclinada sobre a mangedoura, transfigurada de silêncio: só eles contêm o dilúvio da Alegria, ligam à terra a torrencial voltagem da Alegria, que se aquieta, infante, no berço de carne do silêncio.

OE

A Esperança dos Pobres

http://michele-gabriel.chez-alice.fr/pge83-25.html

Imagem: Michel-Gabriel-chez-Alice

“Que Alegria, quando me disseram: “O Senhor vem a nossa casa!”

      Belém, a mais pequenina das cidades de Judá… para lá sobe José, descendente de David, com sua esposa, grávida de Ti!

     Os passos dos pobres seguem em Esperança: os que não têm lugar em nenhuma estalagem, os que dormem nos campos, ao relento, e a quem envolve a Glória do Altíssimo. 

    Mais atrás vamos nós, seguindo os rastos de ouro que a Esperança dos pobres acendeu: escuridão e frio; esforço do silêncio; e todo o ser de homem uma questão que pulsa, escuta e, finalmente, vive.

 OE

Um Alien no Natal

No One Inside Remembers Jason Carpenter via Compfight

     No ano de 2017 tive um Natal muito bom em casa do meu avô. Nós comemos cabrito, estava ótimo! Foi o melhor cabrito que eu já comi!

     Depois de abrir os presentes, fui para a cama, olhei pela janela e vi uma coisa azul a vir para mim; começou a aproximar-se e BOOM! Partiu a janela. E eu disse:

    – O que é que será?

     Fui ver e era uma espécie de homem pequenino, só que verde, com duas antenas. Ele perguntou-me:

    – O que é o Natal?

     – O Natal, para mim, é a melhor celebração do mundo! Celebramos o Nascimento de Cristo, fazemos uma Ceia com a nossa Família e abrimos muitos presentes.

     E ele disse: 

    – Ah, okay! Assim, quando chegar ao meu planeta, já posso dizer o que é o Natal aos meus amigos.

    –  Adeus, até ao próximo ano! – Exclamei.

    – Adeus! – Respondeu ele, antes de entrar na sua pequena nave redonda e azul que deixou um rasto elétrico azulado, desaparecendo a alta velocidade.

     E assim, o Alien e o Eduardo ficaram os melhores amigos.

Eduardo M 5B

O Natal Russo

Fortnum & Mason Christmas window display Kotomi_ via Compfight

      Túlio tentou acordar a Svetlana, mas sentia-se muito dorminhoco.

     – Acorda, cabeça de sono! – exclamou Túlio.

     Mas a Svetla estava a dormir. Ele resolveu atirar-lhe água.

    – Mas o que se passa, Túlio? Estás Normal?

     – Depressa, Svetla, é Natal! A Família do nosso pai vai estar cá.

     Foram os dois fazer um bolo de chocolate. Os dois tinham medo da Elia, a pequenina sobrinha que chegou da Rússia. Um dia, quando eles estavam a dormir, ela pintou-os, como Mascha e o Urso.

     Este bolo vai atraí-la. Eles puseram o bolo na mesa, correram para o seu quarto e esconderam-se.

    A Elia chegou com a Família toda do Aeroporto. Primeiro, ela interessou-se pelo Túlio e Svetlana, e não pelo chocolate. Foi um “flop”. Perguntou onde estavam os primos.

      Os dois amigos saltaram pela varanda e foram esconder-se na sua casa da árvore, mesmo em frente ao quarto. Treparam pela escada de lã e enrolaram-na rapidamente para que a pequenina não soubesse onde é que eles estavam.

    À noite, comeram todos um delicioso bolo de chocolate e riram-se deste episódio divertido de um Natal Russo!

Svetty T, 6B

Ser Feliz, Amar os Outros…

Seasonal Joy IICreative Commons License Anne Worner via Compfight

     Eu nunca me canso do Natal, porque é estar com a Família e ser feliz, amar os outros.

     Para mim, a Família é o mais importante; se eu a perdesse, nunca voltava a ser a mesma.

    Quando passo por alguma pessoa pobre, eu começo a pensar no Natal e como as pessoas podem não ter Família.

    Se alguém me perguntasse o que é o Natal, eu diria que é uma celebração, quando Jesus nasce, celebra-se com a Família e entramos no tempo d’Ele.

    Este ano, eu já não recebo presentes, e já não faço cartas para a minha Família. Tenho tanta pena!

   Ah, mas vou dar bombons, com uma pequena carta, a cada pessoa da Família, a dizer que gosto muito dela, a dizer que a adoro. E ver os sorrisos na cara de cada uma, ao receber…

    O Natal é magia, canções, convívio e surpresas. Eu adoro o Natal!

Mariana Lm, 5ºA

Um Natal Maravilhoso

Narizao, The Cool Brother of the Other Guy - 2017.02.17.F01 jonix_k via Compfight

    Eu costumo, no Natal, estar em casa dos meus avós.

     Eu, o meu irmão, a minha irmã e o meu pai fazemos a árvore de Natal e o presépio. Nós costumos comer bacalhau e bolo Rainha.

    A minha sala tem luzes por todo lado, tenho a árvore toda iluminada.

   Os meus avós põem os presentes debaixo da árvore e depois chamam as crianças e ficamos muito contentes.

   O ano passado eu recebi três puzzles e uns brincos muito giros. Eu dei um postal à minha mãe e ao meu pai.

  Foi um Natal maravilhoso!

Carolina A, 6B

O Meu Natal

Brunna Peretti Loureiro via Compfight

     Eu costumo começar o meu  Natal dia 23, em casa dos meus Tios, do lado do Pai. Depois, dia 24, é em casa da Bisavó, do lado do Pai. No dia 25 recebo presentes em casa da Mãe e, a seguir, vou a casa da minha Avó.

     O presépio e a árvore são feitos por todos nós, em casa da Mãe; em casa do Pai, são os filhos e em casa da Avó, são os 16 netos.

     Como sobremesas especiais e bebo leite com chocolate quente. A sala está tão enfeitada e gira! O ritual para celebrar em casa da minha Mãe e da minha Avó é estarmos à espera de que todos cheguem.

Maria Pr, 5B

Adoro aquele Momento tão Feliz

     IMG_7900_web - Christmas decorations Alex DROP via Compfight

    Eu costumo reunir-me no Natal em casa dos meus tios, avós, ou mesmo em minha casa. Mesmo se for em minha casa ou não, eu e a minha mãe fazemos sempre o presépio e a árvore de Natal na sala.

      Na ceia de Natal costumo comer bolo de chocolate, de iogurte, e também broas de mel e muitas mais surpresas deliciosas.

     A minha sala costuma estar decorada com pais-natal e predominam as cores vermelho e branco.

     Eu costumo abrir os presentes às 00 horas. Os meus pais e as pessoas de família dizem para deixarmos os sapatos e põem lá os presentes – “O Pai-Natal”. O meu presente favorito, que eu gostaria de ganhar era um jogo: The Sims.

     O Natal nunca cansa, sabem porquê? Sempre recebemos presentes e eu adoro estarmos a passar aquele momento tão feliz com as pessoas de quem mais gostamos – a Família.

     Se eu explicasse a um menino de outro planeta o que é o Natal, diria que é das épocas mais bonitas e religiosas de Portugal, em que nós recebemos presentes, brincamos muito e comemos também à vontade. Eu adoro e acho que ele iria gostar desta experiência nova.

     Se, um dia de Natal, eu fizesse uma inovação, iria para outro país com a minha Famíla e como ninguém nos conhecía, ficávamos muito mais à vontade. Mas mesmo assim eu gosto imenso como nós passamos cá o Natal.

Margarida Rs 5C

Um Vídeo a Abrir os Presentes

Decorative LightsCreative Commons License Marco Verch via Compfight

     O Natal, para mim, é muito giro.

    Gosto de presentes de Natal e gosto de estar com a Família. Faço um jantar de família e só abro os presentes à meia-noite.

     Se calhar, vou fazer um vídeo de Natal para o youtube e abro os presentes em vídeo. Vai ser muito giro fazer um vídeo com sete subscritores. Não faz mal ser com sete pessoas porque não podemos reclamar com o que temos.

     Se eu tivesse um amigo de outro país que não soubesse o que era o Natal, eu dizia-lhe que é uma época em que se recebe presentes e em que se está com a Família. Lourenço J, 5A

O Melhor Natal de Sempre – II

     Which one's him?

Simon Webster via Compfight

      Mais tarde, enquanto se preparavam para sair para a atmosfera gélida, estavam excitadíssimos. Além de terem a oportunidade de observar um fenómeno natural magnífico, poderiam aproveitar para colocar em prática o seu plano. Saíram e foram ter com o guia turístico, que os conduziu à zona da casa do Pai Natal. Enquanto alguns turistas, incluindo o tio, preferiram ficar no exterior à espera de ver a aurora boreal, outros, à semelhança dos primos, foram visitar a casa do Pai Natal.

 À porta encontraram um aviso que dizia: “Fechado para férias”. Enquanto os outros turistas discutiam perplexos a invulgar situação, os primos esgueiraram-se em direção a um edifício lateral com uma placa reluzente na qual se podia ler: “Oficina. Interdito a visitantes”. A Rita piscou o olho aos outros que retribuíram a piscadela e, cautelosamente, entraram. Ficaram maravilhados com o que viram: uma imensa sala cheia de máquinas, umas de embrulhar presentes, outras de colocar laços e de etiquetar com o nome e endereço dos destinatários. Decidiram “pôr mãos à obra” e tentar salvar o Natal de milhões de crianças de todo o mundo. Trabalharam alegremente em conjunto e com espírito de entreajuda, para conseguirem que todos os embrulhos ficassem prontos para distribuição, até ao limite da exaustão.

      – Acordem, meninos! Ainda vamos chegar atrasados à Consoada! – exclamou o tio, com voz forte.

  Acordaram estremunhados no autocarro de excursão e sem saber se aquela aventura tinha sido um sonho ou realidade. Apressaram-se a sair do veículo e correram para a mesa, onde a restante família os aguardava.

 Depois da animada ceia de Natal, os primos conversaram um pouco acerca do sucedido.

   – Acham que tudo não passou de um sonho? Bem, mesmo que não tenha sido apenas imaginação, os presentes nunca serão distribuídos este ano, pelo que não serviu para nada. – observou, com tristeza, a Mariana.

   – Animem-se! Ao menos já adiantámos trabalho para o próximo ano. – retorquiu, sabiamente, o Vasco.

   A Constança, que não era muito faladora, rematou melancolicamente:

 – Sabem? Eu acho que recebemos o melhor presente de sempre… estivemos juntos em harmonia, concentrados apenas no bem de todos, fomos tolerantes, pacientes e esquecemo-nos dos defeitos que habitualmente só vemos uns nos outros…

   Os oito primos abraçaram-se visivelmente emocionados.

Na manhã seguinte, despediram-se já com saudades, mas todos tinham de regressar às suas casas. Já em Portugal, a Rita e os irmãos observaram estupefactos, quando entraram na sala da sua casa, a árvore de Natal rodeada de presentes e um cartão que dizia: “Muito obrigado. Sem vós não teria conseguido!”

 Quando o telefone tocou, a Rita olhou para os irmãos e adivinhou de imediato o que os primos, completamente eufóricos, lhes queriam contar…

  Enfim, foi o melhor Natal de sempre!!!

Maria Leonor Simões Matos Pinheiro e Valadares (CAD – 5º B)

1º Prémio no concurso literário “Um Conto de Natal 2016” (escalão B – Texto original – Alunos do 2º ciclo do ensino básico)

O Melhor Natal de Sempre – I

Sleigh

Steven Feather via Compfight

      As tão desejadas férias do Natal tinham começado há quase uma semana mas, naquele dia, a Rita não podia estar mais ansiosa e entusiasmada: ia visitar o seu tio que estava a fazer um mestrado na Finlândia e, como se não bastasse poder “matar” as saudades que tinha do seu tio preferido, iriam hospedar-se, com toda a família, num hotel na terra do Pai Natal! Só esperava que as coisas corressem melhor do que nos anos anteriores, em que os primos não paravam de se desentender, devido aos seus temperamentos tão diferentes…

     Quando chegou à sala, os pais já estavam lá fora a colocar as malas no carro. Antes de entrar no carro, a Rita verificou mecanicamente a caixa do correio, constatando que existiam três cartas idênticas, respetivamente dirigidas a si própria e a cada um dos seus irmãos. Abriu de imediato a sua e leu, incrédula: “Cara Rita, lamento informar que este ano não poderei distribuir os habituais presentes, pois estou absolutamente esgotado e resolvi tirar umas férias. Espero que compreendas e que nunca te esqueças de que os presentes são a parte menos importante do Natal. Boas Festas! Assinatura: Pai Natal”.

        Já no aeroporto, entregou as cartas aos irmãos que, ao lerem-nas, ficaram tão atónitos como ela.

        – Então e a minha Barbie Starlight Adventure? – indagou, furiosa, a Patrícia. E acrescentou: – O Pai Natal não tem o direito de tirar férias agora, sem pelo menos ter alguém que o venha substituir!

     A Rita, que sabia como a irmã mais nova conseguia ser irritante, egoísta e mimada, encolheu os ombros, mas o Pedro, sempre pronto a ajudar, tentou acalmá-la:

        – Calma! Olhem, já que vamos à Finlândia, podíamos ir à casa do Pai Natal e investigar o que se passa… Provavelmente, estas cartas não passarão de uma brincadeira de mau gosto…

      Não puderam acabar a conversa, pois chegara a hora de embarcarem no avião.

     A viagem foi longa e, por isso, os irmãos passaram praticamente o tempo todo a dormir e, quando não o estavam a fazer, a utilizar os respetivos MP3, consolas e telemóveis. Em “modo de voo”, claro!

        Ao chegarem a Helsínquia, onde fizeram escala, já lá estavam os tios e os primos que tinham vindo da Alemanha – a Constança, o Vasco e a Mariana, com os seus pais -, mas tiveram de esperar pelo resto da família que viria dos Estados Unidos da América. Quando todos chegaram, saudaram-se efusivamente e seguiram juntos para Rovaniemi, onde fica a Vila do Pai Natal.

     Já novamente no avião, os primos americanos, Michael e Kathy, e os que viviam em Berlim contaram-lhes que tinham recebido exatamente a mesma carta, nos respetivos países onde moravam, o que começou a deixá-los francamente preocupados. Todos concordaram com a ideia inicial de Pedro, à exceção da Kathy, que proferiu, irónica:

        – Se quiserem, vão vocês… Eu prefiro ficar na cama, mas teria todo o prazer em acompanhar-vos se estivéssemos em Nova Iorque ou em Paris e o Pai Natal vivesse lá… Lá é que o Natal tem classe e elegância…

     Os primos entreolharam-se e pensaram de si para si como a Kathy continuava a ser a presunçosa de sempre… Entretanto, chegaram ao hotel, onde já estava o tio, que os recebeu com grande festa. Abraçou-os um a um e indagou:

     – Como estão, queridos sobrinhos? O que dizem a acompanharem-me, logo, numa excursão para tentar ver a aurora boreal?

        Todos adoraram a ideia, até mesmo a Kathy e exclamaram em uníssono:

        – Siiiiiiim!!!!!!

(Continua)

Maria Leonor Simões Matos Pinheiro e Valadares (CAD – 5º B)

1º Prémio no concurso literário “Um Conto de Natal 2016” (escalão B – Texto original – Alunos do 2º ciclo do ensino básico)

Ano Novo e Natal

     Natividade

jaci XIII via Compfight

     No Natal, celebramos o nascimento de Jesus em Família e juntamo-nos todos à mesa e comemos bacalhau com batatas.

     Na época do Natal, dia 24, às 00 horas, recebemos as prendas. Eu recebi uns ténis muito bons e um cd, um livro e desenhos para pintar no quadro. Depois, no dia 25 de Dezembro, comemos passas e bolo-rei, sonhos, azevias…

      No dia de Ano Novo eu ouvi o fogo de artifício, fiz um brinde de champanhe e ouvi pessoas nas ruas a gritar de alegria. No dia seguinte, fui almoçar com a minha mãe, o meu avô e a minha avó.

     Pretendo melhorar a Português no 2º período.

     Para todos formulo um voto de um bom Ano Novo.

Mariana C, 6A

Um Ano Inesquecível

 Colorful fireworks

Nikolaus Kauderwelsch via Compfight

      No dia 31, jantei com os meus pais; de seguida fui a casa dos meus primos ver o fogo de artifício pela primeira vez.

   Era luminoso, de muitas cores, formava uma espécie de flores em movimento fascinante, que subia muito alto no céu, até explodir em milhares de poeiras cintilantes.  Senti emoção e alegria. O fogo de artifício provocava um barulho nunca antes ouvido, que me fez sentir espanto.

     Um minuto após o fim de ano, senti uma grande emoção.  Usámos bandeletes com um chapelinho prateado que dizem que dá sorte.

     Desejo que, em 2017, o mundo tenha sorte, saúde e juízo!

Federica V, 6B

Legos, Mac e Karaoke

     "Are we really doing this?!"

Mike Napolitan via Compfight

    O Natal foi muito divertido. Recebi um Lego para 16 anos e eu só tenho 11. Posso construir em Lego carros, motos, camiões, etc. Eu já comecei a montar um Lego “bué fixe” que era da Star Wars.

     Penso vestir a camisola vermelha que me deram para sair; por exemplo, quando vou ao cinema e ao Mac – como vou hoje com os meus amigos cá da Escola.

      Passei a passagem de ano no Gervásio, com a minha prima e amigas minhas. Fiquei lá até às 05h 30 da manhã! Foi muito “fixe”, houve Karaoke. Cantei músicas do “Agir” e do “David Carreira”. Não dancei, mas gostei muito.

    O meu brinde para 2017 é: subir as negativas e desejo muita saúde para todos.

Gonçalo R, 6A

Viver em Paz e Harmonia

   Embroidered Silk

Rhiannon Boyle via Compfight

    Um momento de que eu gostei na escola foi a partilha com o amigo secreto: recebi uma surpresa fantástica!

     Na véspera de Natal, estive com a minha Família do lado do pai. Depois, no almoço de Natal, estive com a Família da minha mãe.

     A minha mãe tinha feito salame de chocolate, porque eu e as minhas irmãs não gostamos das sobremesas de Natal. Eu adorei um presente que foi uma viagem a Santorini.

     O Ano Novo eu adorei, porque estive com muitas pessoas e vimos fogo de artifício.

     Para o 2º período, espero que as minhas notas sejam “fantabulásticas” e que as pessoas de todo o mundo vivam em Paz e Harmonia.

Margarida C, 5º A

Desejo que sejam felizes

  Kailas Yatra 2012 Yantra.lv

Raimond Klavins via Compfight   

     Quando estou de férias não me sinto criativa, pois como estou sem fazer nada e sem barulho à volta, não consigo fazê-lo.      

    Festejei a passagem de ano com os meus avós e irmãos enquanto os meus pais foram ao casino do Estoril.

     As profissões que se aproximam mais da vivência de uma festa são: os artistas e os palhaços, pois divertem-se em festas…

    Para 2017, queria descobrir porque é que o amor é tão difícil…

    Desejo a todas as pessoas  que sejam felizes , tenham paz, amor e alegria…

Carolina F, 7B

Em Festa nos Açores

     

Imagem: Azores Today

     Nos dias 24 e 25, eu costumo estar com os meus tios e a minha mãe, o meu irmão e a minha irmã. A minha Mãe faz o presépio. Comemos perna de peru e sonhos. Abrimos os presentes sempre à meia-noite. A minha Mãe deu-me uma camisola do Sporting e lá dentro estava um envelope com trinta euros!  

      Fomos para os Açores passar o Ano Novo no Clube: depois, à meia-noite, disparamos os canudos de serpentinas e comemos 12 passas. Eu estava de blaser. Fomos dormir às 3 e meia da manhã e vimos fogo de artifício. Até lá, conversamos, ouvimos música e dançamos.

     Os meus objetivos são melhorar a Matemática e a Ciências. Para 2017, desejo que o mundo melhore: menos mentiras e menos desastres.

Rafael Cy, 5C

Um Natal Muito Divertido

   

Imagem: Canal Tech

     No Natal recebi um Lego para dezasseis anos, e eu só tenho onze. O que podemos construir com este lego são carros, motas, camiões… Eu já comecei a montar um Lego bué fixe que é da Star Wars.

     Penso vestir a camisola vermelha que me deram para sair. Por exemplo, quando vou ao cinema e ao Mac – onde vou hoje com os meus amigos cá da escola.

      Passei a passagem de ano no Gervásio, com a minha prima e amigas minhas. Fiquei lá até às 5h 30 da manhã. Foi muito fixe, houve karaoké: cantei músicas do Agir e do David Carreira. Não dancei, mas gostei muito.

     O meu brinde para 2017 é: subir as negativas e muita saúde para todos!

Gonçalo R, 6A

Enigmas de Salamanca

Imagem: Denibatista Flickr Creative Commons

     Eu gostei muito dos meus presentes, mas o que mais gostei foi de um jogo para a Nintendo.

     Gostei imenso de ir a Salamanca.Lá havia muitas igrejas, tão bonitas, tão incríveis, que nem sei explicar.

     Na velha Universidade, descobri uma rã em cima de uma caveira; essa rã era especial, dizem que a pessoa que conseguir encontra-la sem ajuda de ninguém terá muita sorte para o resto da vida.

    Também descobri um astronauta numa Igreja muito, muito antiga e fiquei a pensar como é que eles esculpiram aquilo, se nem sabiam o que era um astronauta ou se alguém do futuro lhes tinha deixado a sua marca…

     Eu adorei o Ano Novo: fui a casa dos meus vizinhos. O pai deles disse-nos para não atirarmos serpentinas para cima dos carros estacionados, mas nós atiramos à mesma! 

(Imagem: Misterio Desocnocido)

Carolina C, 5B

O Natal Especial

 

Imagem: St Andreas Fail Le Veilleur.com   

     O meu Natal foi uma Beleza! Nós comemos e fomos abrir os presentes. Os presentes que eu gostei mais foram dois: foi a minha Tia ter ficado connosco no Natal e ter ganho duas secretárias, uma para mim e outra para a minha irmã.

     A minha tia vive na Califórnia, em baixo da falha de St Andreas; ela ficou duas semanas connosco, nas infelizmente, foi-se embora ontem.

     Antes de ela se ir embora, fomos buscar umas pedras que tínhamos lá em casa, juntou-as e disse-me para escolher uma pedra; eu escolhi uma pedra que se chama Quartzo. Depois, ela pegou nas minhas mãos, agarramos as duas na pedra e ela disse:

     – Quando estiveres triste, agarra nesta pedra e lembra-te que eu vou estar sempre contigo

    E eu emocionei-me muito, pois gostava muito dela. Como recordação ela deu-me um fio dental em forma de uma aranha azul. Pedi-lhe uma coisa que tivesse o seu cheiro e ela deu-me o seu top que estava a usar e uma capa para o telemóvel.

    Dei-lhe um saco que tinha um rei mago desenhado e dentro uma carta que ela só podia abrir no avião.

      A minha tia deu à minha irmã umas meias que ela queria e a minha irmã pôs as meias em cima, no topo do armário. Quando a minha Tia viu, começou a chorar, pois eram meias normais, mas a minha irmã achou-as especiais e pôs no armário, no topo.

     Eu rezei para que a viagem dela corresse bem e por outras coisas maravilhosas.

Carolina M, 5D

As Minhas Férias

Imagem: Wook.pt

      Tudo começou no dia 17/12/2016: tinha ido às compras de Natal: foi giríssimo!

    Dali em diante, à noite, fui para casa da minha avó, em Torres Vedras, uma pequena aldeia ao pé do Bombarral. Aí, todos os dias havia um novo filme “Sozinho em Casa” I, II e III e “2 Big Heros 6”.

      Eu estava cansado, porque a minha prima de 16 anos só ia chegar na 6ªfeira e por isso levei os meus brinquedos de Five Nights at Freddie’s para ver alguns detalhes que tinham posto nos novos bonecos que encomendei – o tempo, aí, passou a correr.

    No quarto dos meus pais, em casa dos meus avós, no último dia, brinquei com o drone do meu avô: aí chegou o tão esperado dia 24, abri os meus presentes e recebi o livro do Sirkazzio, uma nerf, uma caneca da coleção Keep Calm, um pijama da Star Wars…

      No dia seguinte, fui para casa dos meus outros avós, onde estava a minha prima de 4 anos; abrimos as prendas e recebi vários “Ferrero Rocher” – os meus bombons favoritos e ainda 180 Euros!

     No dia seguinte, visitei a Aldeia Natal; fui ter com os Romanos, entrei na árvore de Natal, andei no gelo…

    Vamos já passar para o fim do Ano: instalei uma rede social da Five Night’s, que se chama Bnaf Amino e criei lá o meu Blog que se chama “Teorias Fnaf”. Depois fui jantar hamburgueres no pão com batatas fritas, pus um temporizador para chegar a 2017 e assim acabei o meu dia!

Afonso S 5C

O Natal Maravilhoso

     

Imagem: Quinta da Torre

      Este Natal foi incrível.

     Na primeira semana das férias fui para casa do meu avô que vive em Óbidos. O meu avô tem uma quinta enorme. Eu vou lá com as minhas irmãs a um estágio de cavalos que se chama Ceia (Centro Equestre Internacional de Alfeizerão).

Imagem: Quinta da Torre

     Eu ia de manhã, limpava alguns cavalos, almoçava e, à tarde, ia montar um cavalo chamado Saturno. Era branco, de crinas compridas, gostava de festas; davamos-lhes biscoitos próprios; ele adorava andar a trote.

     O meu avô tem um cavalo chamado Tafetá e, num sábado de manhã, fomos passá-lo à Guia, para ele se habituar a ser montado pela minha irmã. No Sábado, celebramos o Natal com o meu Avô.

     No Domingo, voltei para casa e celebrei com a Família da minha Mãe. Recebi presentes espetaculares: um cartão da Decathlon com dinheiro lá dentro, um casaco muito giro, uma caixa cheia de materiais de artes, uma caixa de brilhantes com dez cores, entre as quais um tom de salmão… A Mãe fez anos no dia 28 e dei-lhe um marcador que é como um livro que se tem de enfeitar, fazer um buraquinho, passar uma fita.

     Na passagem de ano eu fui para o paredão ver os foguetes e bebi champomix. Estas férias foram muito giras. Ninguém diria que iam ser assim tão fantásticas.

     Desejo a todas as pessoas do mundo que este ano corra tudo bem e com muitas felicidades.

Isabel S, 5D

Umas Férias de Rei

Lake Fireworks

Creative Commons License Erik Larson via Compfight

         A 1ª informação que tive foi que ia ficar uma semana em casa da minha mãe e outra em casa do meu pai.

      Em casa da minha mãe joguei playstation: PES 2015. Fui a casa do namorado da Mãe, ficamos a brincar o dia todo com os filhos dele. Também vi filmes, para aproveitar, como, por exemplo, “Sozinho em Casa III”.

    Em casa de meu Pai é que foi a loucura: o Diogo tem lá a PS4 com o Fifa 17. O meu Pai já tem a tela pronta, vimos filmes com projector e tudo! Lá em casa somos 6 crianças e dois adultos. O meu primo do Alentejo também foi passar uns dias connosco.

    A noite de Natal foi em casa da Tia com a Mãe; deram-me um drone, uma bola de futebol, a almofada do Benfica, édredon de cama do Benfica, lençóis do Benfica e uma almofada pequena do Benfica; toalha de banho e toalha das mãos do Benfica e um GTA5!

     No dia 25, com o Pai,  recebi roupa: calças, camisas… Jogamos futebol num campo com balizas, só que o chão é de pedra, mesmo ao lado do prédio.

    A passagem de ano foi em casa do meu Tio: da parte dos miúdos éramos 12, num último andar, uma casa enorme, a dar sobre a ponte 25 de Abril: o fogo de artifício vinha de Almada.

    Espero que 2017 traga um futuro melhor para todos, com menos crise política.

(Ditado)  Tomás O, 9C

Amor, Alegria neste Natal tão Especial

Wrapping up Christmas Katrinitsa via Compfight

     Escolhi este título pois penso que o Amor e a Alegria é que dão um Natal maravilhoso…

    A minha árvore de Natal tem muitos enfeites: bolinhas de vária cores e luzes muito cintilantes… com o presépio ao lado, onde gosto muito de mexer no Menino Jesus, gosto de brincar com ele.

     Carinho e Paz é o que desejo neste Natal, para as Famílias que estamos a ajudar na nossa Turma. Tenho várias roupas para dar à Mariana, pois sei que ela precisa.

    Quero dar muito carinho às Famílias que precisam mais de nós.

Carolina F, 7B

Na Oitava de Natal

   Christian Christmas Nativity Scene

Creative Commons License John Dillon via Compfight

     Chegou.

     Silencioso crepitar da alegria que faz saltar faíscas minúsculas e rápidas na expectativa em oração.

    Já o veludo da noite cintila, já a espessura onde os passos se afogam se torna mais firme: abriu-se um caminho escondido entre as águas.

     Que promessa faz erguer assim a haste do coração e o põe a sonhar mais alto do que alcançam as seguranças mortais?

     Que desígnio secreto abre ao meio as nossas certezas cerradas? O aparo afiado da Esperança já inscreve na alma outras fronteiras de Paz.

    E as palavras antigas brilham, agora, como se um risco de fogo as percorresse e enchem toda a abóbada do coração.

     Quem apressou assim o passo das sentinelas que tiritavam de frio nas guaritas? E clandestinamente convocou os povos, sem passar pelas ordens dos reis?

      Eis outro arco-íris, outro pacto. E um silêncio sagrado torrencialmente derruba a inteligência do seu corcel alado: pelos infinitos atalhos abertos no oceano do tempo, a multidão dos pobres já se escapa ao tumulto inútil dos mundos.

     Vão na esperança do Rei que abriu as vias impossíveis, é só a pura esperança d’Ele que os atrai, o vermelho vivo em que se vão transformando os corações de pedra: tingida de amor, a morte expressa nos seus olhos a força da Incarnação.

    “O Verbo se fez carne” – tal é o encontro com o Rei.

OE

O Natal para Mim

Colors of Christmas

Katrinitsa via Compfight

Porque é que se Festeja o NATAL?

     Para mim, o Natal festeja-se porque vieram povos ricos, pobres… de todas as qualidades, ver o nosso Herói a nascer. Em parte, foi graças à vinda desses povos que, Ele percebeu, ao crescer, que ia ser o herói.

  Quão Importante é o Natal para Mim

     Para mim, o Natal é o momento da serenidade, porque Jesus Cristo pôs a Paz no mundo e inventou as coisas mais importantes de sempre. Eu honro as palavras de Jesus e, dentro do possível, tento cumpri-las. Gosto do Natal, porque Jesus nasceu e porque estamos juntos. 

Natal e Solidariedade

      Solidariedade é uma das realidades mais importantes para mim. A Paz também se torna essencial, porque é restabelecida e nós estamos sempre com a Família.

Miguel M, 5A

Tradições de Natal

Merry Christmas

Martin Frey via Compfight

     Dia 25 de Dezembro eu vou para casa dos meus avós paternos com os meus primos. No dia 8, fiz a árvore de Natal em casa dos meus avós. Lá, para comer, tenho guloseimas, bacalhau…

    À meia-noite abrimos os presentes. Os nossos pais põem as prendas debaixo da árvore, enquanto eu e os meus irmãos e primos estamos no quarto a fazer jogos. O que eu gosto mais no Natal é que a Família se junte toda para festejar.

     As Famílias que eu vou ajudar são: pais e uma filha com 12 anos e mãe e um filho também com 12; com a Turma, vamos fazer uma cabaz e oferecer prendas: estamos a angariar dinheiro para as compras.

    No nosso presépio, Jesus é muito giro, é fofinho. No Natal do ano passado, o meu irmão partiu o Rei Mago “Gaspar”, mas agora já está colado.

Carolina A, 5B

O Meu Natal

   golden lamp

Katrinitsa via Compfight

      Eu, o meu Pai, a Mana e a Mãe, todos os anos, no dia 24 de Dezembro, estamos juntos com a minha Família numerosa, todos alegres!

     Abrimos os presentes com as primas, primeiro, com umas botas ou sapatos a localizar o nosso sítio, e depois é que são os adultos, avós e tios…

     Quando eu era pequenino, as cairanças estavam acordadas, à espera que o Pai Natal viesse. Nós íamos dormir, mas a minha irmã e eu saíamos do quarto e íamos para o das minhas primas. E outra pessoa ficava à porta, do lado de trás, a espreitar, a vigiar a vinda do Pai Natal.

    Quando eu era pequenino, já sabia abrir um bocadinho as prendas; uma vez a minha Mãe não me conseguiu apanhar e eu abri a maior prenda: um avião da Play Mobil. Este ano gostava de receber Legos; vou querer fazer uma cidade grande, daquelas que estão em exposição; já montei uma nave muito grande, da Star Wars, que me deram o ano passado, no Natal.

     Nós temos umas sensações diferentes de todos os dias, como: há mais imaginação e alegria; também é um dia diferente, cheio de magia e entusiasmo; tem preparações a mais, comida e pessoas simpáticas à mesa; jogamos jogos e fazemos “seguidas” (1) para ver se o Pai Natal vem por trás ou pela frente da casa; montamos uma árvore com luzes a piscar, de brilhos fixos ou cintilantes. 

      Todos os anos há cabazes de Natal: na nossa turma estamos a fazer dois que servem para ajudar as duas famílias que a Turma recebeu. Já trouxe uma pasta de dentes para um menino de quatro anos e uma papa Nestum. Nós fazemos isto, porque, quando Jesus nasceu, foram lá três Reis Magos trazer ofertas para ajudar; por isso é que fazemos estas ações solidárias.

     Eu quero que o mundo tenha um bom Natal e que ajudem os pobres sem abrigo a terem uma vida mais fácil e a aprenderem a ter uma vida boa e festas, ânimo, alguns amigos.

De Afonso, para o Mundo.

(1) Diretas

Afonso F, 5D

Vivências de Natal

 Christmas Lights

Guido Gloor Modjib via Compfight

     Eu adoro o Natal, pois ele faz com que a minha Família se junte toda.

    Eu acho que o Natal serve para ajudar as pessoas, pois é o Nascimento de Jesus e Jesus ajudava as pessoas.

     Eu gostava de ir à Serra da Estrela. No Natal, costumo estar com os meus avós, primos e os meus pais.

     No Natal eu gosto de construir a árvore de Natal, mas quando eu me magoo, eu não gosto, pois eu não consigo encaixar os ramos, mas chamo o meu Pai e ele encaixa aquilo num segundo.

     Houve um ano em que a minha mãe meteu bolachas na mesa e nós saímos de casa; quando voltamos, os biscoitos tinham desaparecido!

    Às vezes penso – quando estou na cama e não consigo adormecer – se eu fizesse algo, por exemplo, se fosse por um caminho, mas recuasse no tempo e fosse por outro, eu ficava confusa sobre se o meu destino era mesmo esse: mudar o que aconteceu…

Carolina C, 5B

Natal: o Imprevisível

Journey

Robert Hruzek via Compfight

      Natal: abre-se de novo, por entre o tapete coberto de folhas de Outono, o caminho secreto para Belém; por ele entramos no espírito de inaudito recomeço que teima em espreitar pelas fendas das ruínas.

    Imprevisível, a onda do Natal dobra para si os objetivos do mundo: mesmo no despiste das compras e das vendas brilha uma atenção diferente ao facto de haver alguém; uma evidência tão simples, que de repente se torna surpreendente e nos envolve como uma canção.

     Natal: descemos, passo a passo para a pequenez de Belém, até ao abrigo mínimo da Gruta. Entre músicas, pressentimentos e um reinventado espanto, seguimos o vulto que se  apoia no cajado, ao ritmo balançado do burrinho que transporta, clandestino, todo o Tesouro dos Céus.

OE

Os Sonhos de Natal

arvore_federica

     Eu gostaria muito que a nossa tia fosse passar connosco o Natal para ela se sentir feliz e que tem família; na verdade, a minha tia está internada no hospital com uma doença grave.

     Gostaria que este ano, todo o mundo, incluindo eu e a minha família, tivéssemos sorte, saúde e juízo.

     O Natal, em minha casa, é sempre igual, mas não cansa, porque é passado com a família, que são as pessoas que mais amamos nesta vida.

     Eu e a minha irmã estamos a pensar em fazer poemas inspirando-nos um pouco na Net. Vamos pô-los nas prendas, sem assiná-los e a minha irmã vai decorar os guardanapos com vernizes.

    No Natal, há inesperadas delícias, pois a minha avó vai fazê-las. Iremos oferecer ao meu cão roupas de pai natal para ele entregar os presentes.

    O Natal é um momento de convívio, paz e felicidade, em que as pessoas gostam de estar reunidas.

    Gostaria que o mundo tivesse em conta que o Natal não é todos os dias, por isso temos que o aproveitar bem.

    A minha família vai dar objetos aos mais necessitados, para que o cabaz da escola fique mais enriquecido.

     No Natal multiplicam-se as ajudas porque queremos que as pessoas sejam felizes e sentimos piedade dos que necessitam.

     No Natal ajudamos Jesus a construir a Paz. 

Imagem: da Autora

Federica V, 6B