Páscoa 18 – Momentos Únicos 2

                          Um coração desenhado, contra um fund oazul de céu com pequenas nuvens brancas e corodado de balões de festa coloridos                      Atribuição CC0    Pixabay           

     Fui a uma festa de aniversário: fomos à Kidzânia, jantamos no Mac Donalds, depois fizemos uma Festa de Pijama e adormecemos até às 11h da manhã! É que uma das meninas que foi lá dormir, ressonava e a Matilde Cs e eu não conseguimos dormir! Mas uma das meninas adormeceu como um anjinho.

    No dia seguinte, fui ter a casa da Matilde C, onde jogamos  ao quarto escuro, pusemos roupas hilariantes; de seguida, fomos almoçar e comer gelo: foi uma Maravilha! Quem me dera nunca mais sair de lá!

    Infelizmente, no dia seguinte, começaram as aulas e já não dava para combinar mais nada. Nós voltamos para o 3º Período, que é o mais pequenino, só tem dois meses e depois vamos de férias três meses de verão! Eu vou para o Algarve, onde vamos às praias e às piscinas!

Mariana Lm, 5A

A Beleza Vence Sempre o Perigo

Dream beach

Peter_069 via Compfight

     O meu Projeto para este Carnaval é ir a Bali com a minha Família. Eu acho que Bali é muito bonito, principalmente as paisagens. O pôr do sol deve ser mágico.   Estou muito ansiosa por ir.

    Bali é uma ilha exótica, que fica na cintura de fogo do Pacífico com vulcões ativos, mas a sua principal fonte de lucro continua a ser o Turismo, porque a Natureza e a Beleza vencem sempre o perigo.

    As praias são belas, maravilhosas, os tons da areia são negros no Norte e a areia, no Sul, é branca. A água é transparente e magnífica. A temperatura deve ser ótima: muito melhor do que Cascais em Fevereiro. 

     Mesmo se explodir um vulcão  enquanto uma pessoa está lá, essa pessoa sabe que foi a um sítio inacreditável, e não se limitou à sua zona de conforto; ao contrário, foi arriscar a sua vida para ver o mais esplêndido e talvez se sinta mais realizada e feliz que uma pesso que nunca viajou e não conhece o resto do mundo.

Teresa F, 6D 

Momentos de Aventura e Paz

Airbeat One Festival 2017 Spanhof.Info – Illusions of Photo-Art via Compfight

     Nas férias de Natal, fui à piscina do Hotel onde o meu Pai trabalha, o Hotel Pestana, na Fortaleza de Cascais. Depois, estive a ver os jogadores do Portimonense a entrar no Hotel: parece que eles comeram onze quilos de bananas!

      Nas férias, fui também à Festa dos Anos do Afonso, em que jogamos Laser Tag

   O que eu gostei mais de receber no Natal foi o Red Pass do Benfica. Também fui a um Museu de Arte e Tecnologia e joguei Fifa 18. Fui ver o Star Wars ao cinema. Um amigo meu levou com um chinelo na cara e deitou sangue do nariz!

      Passei o Natal em casa da minha Tia onde apreciei sobretudo o bolo de chocolate. No fim de Ano estive em casa da minha Avó: a nossa cadela estava com medo do fogo de artifício e veio esconder-se na sala. Depois saltou para cima da mesa e comeu uma tigela de pinhões!

     O meu principal objetivo para este 2º Perído: gostava de terminar com positiva a Matemática.

     Este mês de Janeiro, celebramos a Paz: 

  • Para haver Paz em Portugal temos que contribuir para não haver incêndios, limpando as florestas e patrulhando os lugares mais sensíveis.
  • Para manter a Paz a nível da Escola, é bom tratarmo-nos com respeito e bom-humor. Em relação aos professores, temos de fazer um esforço para estarmos atentos.
  • Para aprofundarmos a Paz dentro de nós, devemos evitar preocuparmo-nos inutilmente e procurar atividades de que gostamos.

Manuel N 8B

Seguir em Frente com a Vida

Call of Duty: Infinite Warfare Clinton Crumpler via Compfight

     Um acontecimento inesperado destas férias foi o meu irmão e o meu vizinho terem encontrado um cão abandonado: era rafeiro, pequeno, de pelo claro. Habituou-se bem a nós, mas parecia bem alimentado, embora sem chip. Ficou bem com o nosso cão Pepe, durante um dia e depois fomos entregá-lo a uma Associação de animais, para ser adotado.

     No dia 24, o meu Avô fez anos, passei o dia todo em Família e estávamos muito felizes! À meia-noite, abrimos os presentes. O meu favorito foi o Hawei P8 Lite e, ultimamente, tenho jogado PS4. Troquei um jogo repetido por Lego Marvel Super Heros 2 e amanhã ainda vou comprar o Watch Dogs 2.

     Eu passei o Ano Novo com a minha Mãe, um amigo meu, o Mota, e estivemos a jogar, na minha PS4, Call of Duty Infinite Warfare Eu e o meu irmão completamos um jogo a 100%. Jantamos “almofada de pato” e fomos para Cascais ver o fogo de artifício, que era de imensas cores: azul, vermelho, verde, laranja; formavam diferentes formas no céu e lançavam quilos de fumo.

     O meu irmão disparou a rolha do Champanhe e depois disso fomos ao LuzMar; enquanto estávamos lá, vimos o meu vizinho a passar, junto á Roda Gigante, mas, infelizmente, não conseguimos cumprimentá-lo.

    Não pedi desejos em especial, mas como resolução de Ano Novo gostaria de melhorar a nota de Português, em especial nos Verbos e Adjetivos.

     E é só seguir em frente com a Vida! 

     Em cada Turma, há Grupos de 3 pessoas que têm de fazer uma tábua de madeira onde criam símbolos para o valor de cada mês. Este mês, estou a trabalhar num projeto em que celebramos a Paz: se toda a gente se ajudasse uns aos outros, teríamos um mundo melhor.

Vicente E, 5A

 

Férias de Paz

    chuck and his crazy hair Keith Survell via Compfight

      As minhas férias de Natal foram boas. Recebi um coelho miniloop chamado Tobias, ele é muito brincalhão e gosta muito de saltar!

     O Tobias, quando o vi pela primeira vez, saltou para o meu colo! Ele tem um mês: é um bebé!

     O meu Natal foi giro: fui ao cinema com as minhas amigas vi o filme Coco e o Picture Plenert 3.

      Estive em casa a dormir às vezes até às doze horas.

     No dia 26 fui à Wonderland  de Lisboa: andei de patins e na roda gigante. No dia 25 foi Natal: recebi o meu coelho e roupa giríssima.

     Durante o Ano Novo, nas doze badaladas comi passas. Ouvi o fogo de artifício na minha casa: fiz uma resolução de Ano Novo.

      Este período, devo melhorar a Inglês, a interpretação de texto; a Geografia já consegui uma estratégia para não confundir a Escala Gráfica com a Escala Numérica.Mas quero levantar a nota.

      Este mês celebramos a Paz: gostava muito de fazer uma viagem à Indonésia. Realizarmos estes pensamentos contribui muito para a nossa felicidade. E sermos felizes contribui para a Paz no mundo.

Mariana C 7A

 

 

Com as Pessoas de Quem mais Gosto…

http://ilovecascais.blogspot.pt/2013/11/sugestoes-da-cidadela-cascais-para-o.html

  Imagem: I love Cascais   

     Este Natal, abri um presente maravilhoso: uma coluna para ouvir música na Escola; ligo-a ao telemóvel e ouço imensas canções e músicas, a que nem sei dar o nome, pois gosto de tudo. Até ouço ópera com o meu avô! Conheço um cantor francês, Philipe Jaroussky…Enquanto fazíamos a árvore de Natal com o meu avô, eu e o meu irmão ouvíamos ópera.

     A minha prima Inês passou quase uma semana comigo: ficávamos a preguiçar de manhã, fomos a Sintra comprar queijadas originais, conversávamos sem fim e eu até disse à minha Mãe que não é nada igual estar com a Inês ou sem a Inês…

     Fui visitar a Vila Natal com a minha Madrinha e a Constança, de 4 anos – adoro bebés! Adorei patinar no gelo – como sei andar de patins não era difícil – visitei a casa do Pai Natal, passei um túnel de luzes, vi os camelos dos Reis Magos e um recinto com burrinhos, um duende e vários coelhinhos. Andei na bola gigante dentro de uma piscina de esferovite.

     Que férias inesquecíveis com as pessoas de quem mais gosto!

Margarida R, 5C

 

Mini-Aldeias E Campos pelo Mundo Inteiro

OSIRIS-REx Views the Earth During FlybyCreative Commons License NASA Goddard Space Flight Center via Compfight

          Um dia, ouvi a minha mãe a dizer que eu ia para o CISV. Fiquei tão contente que até dei um pulo!

     Chegou o dia de fazer a primeira mini aldeia: fizemos tantas coisas giras que não me apeteceu voltar para casa. Arranjei tantos amigos e os J.C. eram amigos de toda a gente e também super-divertidos! Gostei da Escola que era na praia Grande.

     Agora estou ansiosa pela próxima. Para se conseguir entrar no campo, tem de se fazer um Sorteio.

     Eu adorava ir para o Japão, mas este ano tive azar, porque não há campos no Japão; então, tomei outra decisão: Adorava ir para a Índia, para conhecer sítios e pessoas diferentes.

     O meu Pai diz-me sempre que eu quero ir para o sítio mais longe de Portugal e eu digo sempre que, se calhar, não vou ter uma oportunidade tão grande como esta, por isso agora é para aproveitar!

     Qualquer dia, eu vou vou fazer uma viagem, mas se calhar não é para muito longe. 

     Então agora, que posso ir para a Índia durante um mês, vou ficar com saudades, mas vai valer a pena!

Carminho S, 6A

 

Férias Magníficas

7. It'a beginning to look a lot like ChristmasCreative Commons License Mark Gunn via Compfight 

     Passei as minhas ferias quase todas sentada no sofá ,com uma mantinha a ver televisão , mas algumas vezes fui passear .

     Nesses dias fui visitar a casa dos meus avós ,um museu de dinossauros e fui ao oceanário ,fui também ao shopping ver um filme mexicano chamado”Coco”. Como o filme é Mexicano, em vez de pipocas comi tacos, e achei uma delícia!

     Para passar algum tempo com a minha Família, fui ver as luzes de Natal e também fomos à Wonderland em Lisboa. Passei o Natal na casa do meu Tio e com a minha Família e comemos bastante.

     Passei o Ano Novo no Jardim do Casino a ver os fogos de artifício e foi muito engraçado, porque nós esquecemo-nos do champanhe e das passas: então pedimos emprestado a uma pessoa que estava ao nosso lado e divertimo-nos muito!

Carolina CV

Resoluções de Ano Novo

http://www.cascaischristmasvillage.pt/

     Imagem: Vila Natal Cascais

     Este Natal, um grande momento, foi quando abri os presentes: um livro para pintar com canetas, mas é mesmo dos difíceis.

     A seguir, do que gostei mais foi do livro “Aventuras de um Banana Super-Herói“. Fui à Vila Natal e adorei andar na pista do gelo, tal como faço sempre que vou ao Porto. Como faço patinagem com rodinhas, para  mim é fácil.

     No ano novo, estava a dormir profundamente e assim ganhei um dia 1 todo inteirinho, cheio de energia.

     Este 2º período, a minha principal resolução de Ano Novo vai ser conseguir pintar o meu livro todo, ler a Aventura e subir as notas a Ciências e a Português.

     A Português posso melhorar na resolução de questionários, o que já estou a treinar com a minha terapeuta da fala.

     Que bom, este mês, celebramos a Paz!

Carolina A, 6B

A Casa de Natal

http://www.mapav.com/santarem/ferreira_do_zezere/pias/Imagem: Mapav.com     

     Este Natal, no dia 25 de Dezembro, eu fui a Pias, Ferreira do Zêzere, onde estivemos numa casa gigante!

     A casa tinha um trampolim, uma campo de futebol, uma vista linda, um jardim enorme e ainda um parque de estacionamento no exterior.

     No interior, mal abrimos a porta, temos, dos dois lados, dois quartos; se andarmos em frente e virarmos para a esquerda, temos um quarto, uma casa de banho e outro quarto. A seguir, temos as cozinhas, e, ainda ao lado, a enorme sala de jantar; em frente, abre-se a sala de jogos de tabuleiro; logo a seguir, a sala de estar; desde aí vamos dar á entrada. 

    No piso de cima, havia um quarto, depois uma sala onde nós tocamos numa orquestra. Aí também se abria um quarto dentro da sala. A seguir um quarto de crian ças; em frente, um outro quarto com duas  casas de banho e depois, ainda outro quarto.

     Depois de visitarmos a casa de Natal, fomos passear e fazer “caches”.

Afonso F, 6D

Ida a Londres: Cidade Linda

The Shard LondonCreative Commons License dronepicr via Compfight

     Quando estive em Londres, fui ao “London Eye”, de onde se podia ver toda a paisagem de Londres. A seguir, fui à porta do Palácio da Rainha e vi o render da Guarda.

     Quando estava no aeroporto de Londres, eu e o meu irmão encontrámos um Youtuber: Bernardo Almeida. Eu desafiei o meu irmão a ir falar com ele; o meu irmão foi e tiramos fotos com ele.

     Na vista do London Eye, avistava-se o ponto mais alto de Londres, a Chard Tower. Eu gostei muito de Londres: à noite, parecia uma Kidzânia gigante, mas ainda maior.

Vicente E, 5A

Saudades do Verão

Flying Solo Pablo Fernández via Compfight

     Gostei muito das férias de verão porque estive a jogar futebol na Suécia; estive a fazer Surf e gostei muito das Festas do Mar.

 No torneio, havia muitas equipas e foi uma experiência muito boa. Nós, na Suécia, dormimos numa escola com várias equipas; havia um espaço com 25 campos de futebol. Dormíamos colchões, em quartos enormes, éramos mais de vinte e púnhamo-los no chão.

As pessoas eram simpáticas, perguntavam o que nós íamos lá fazer e eles falavam comigo em Inglês, mas eu não percebia nada. 

As Festas do Mar, como todos os anos em Cascais, foram ao pé da Praia dos Pescadores. Só duas vezes é que vi o concerto: a noite estava boa e abandonei o Francisco nas Festas do Mar, pois ia com uns amigos mais à frente e perdemo-nos. Tocaram os HM6, os DAMA…

     Eu não queria ir ao Guincho, mas fui obrigado a ir. Só gostei de ir quando estavam lá amigos meus.  Na Costa da Caparica, houve uma vez em que estava a bandeira amarela: eu apanhei uma onda de joelhos.

    Na praia em que fazíamos Surf, estava muito vento e eu dei com a prancha de Surf na cabeça de um professor. No Surf, havia dias com boas ondas para apanhar e outros em que não havia. 

 Nas duas praias em que íamos fazer Surf, uma na Costa da Caparica, outra na Costa de Sintra, ou havia muito vento ou tínhamos de subir uma encosta a pique. 

Manuel N, 8A

Peripécias em Londres

https://www.visitlondon.com/things-to-do/sightseeing/london-attraction/big-ben

     Imagem: Visit London

    Este verão fui a Londres e quase que estive ao pé do desaparecimento de uma menina.

     Aterramos no aeroporto de Londres, mas quando saímos, vimos os poícias a prender um ladrão e levaram cães e tasers!

     Estive mesmo em frente ao BigBen – lá perto fui a uma loja em que a senhora era Portuguesa. Comprei um lápis, uma caneta e um peluche, um colar e uns brincos para oferecer.

     Visitei um Cromeleque que são umas casas redondas com  chão de terra. Havia martelos e machados, pedras postas como beliches, onde os homens dormiam, e o de cima cobria-se com palha. Empapavam a terra com água, misturavam terra, deixavam secar e cobriam-se.

Francisco N, 6C

Projetos de Festas

Airplane vs London Eye mystero233 via Compfight

       O dia 31 de Outubro é dia de Halloween: os mais novos mascaram-se de vampiros, diabos, fantasmas. As crianças pedem doces de casa em casa. Eu vivo essa festa vestindo-me de vampiro ou de fantasma e, com os meus amigos todos mascarados, fazemos uma festa.

      Nós vamos de noite, a casa das pessoas, batemos à porta e pedimos doces ou fazemos travessuras. As pessoas, geralmente, recebem-nos bem, dão-nos rebuçados, doces folhados e chupa-chupas. Mas há outras pessoas que não abrem a porta ou que não nos dão nada. Há pessoas que não seguem a tradição do Halloween, ou então os doces já acabaram.

       Na minha opinião, celebra-se o Halloween porque é uma boa ocasião de as crianças andarem sozinhas na rua, à noite. Em Portugal, há uma tradição com muitos anos, em que as crianças pedem “o pão por Deus”. 

       O dia 1 de Novembro é dia de todos os Santos e eu faço anos: no meu aniversário vai haver bolo e vamos cantar os Parabéns. No dia 2 de Novembro, vou  a Londres, para comemorar o facto de eu ter nascido. Gostava de ir ao Museu de Cera, à loja de MM’s ao London Eye e passear no Hyde Park.

Mariana C, 7C

Paixões Criativas

Happy child with painted handsCreative Commons License Praveen Kumar via Compfight

     Desde há uma semana, comecei uma ocupação favorita: sou youtuber! Tenho 148 visualizações, 5 subscritores e já realizei 5 vídeos. Os meus vídeos são sobre jogos e coisas reais, tais como um misterioso corredor assustador ou sobre um jogo de GTA. Gosto de ser youtuber porque acho que é uma experiência gira, há muitas pessoas a ver-me e isso importa-me.

     O desporto que eu mais gosto é ténis e o que eu aprecio mais é quando bato a bola com muita força: sei fazer a esquerda e a direita. Psicologicamente, ganho resistência ao fracasso, sinto-me persistente, quero alcançar um objetivo que é ser sempre cada vez melhor; nem que perca sempre, quero atingir um resultado bom!

     Gosto quando estou a conversar à mesa com a minha Mãe e, noutras ocasiões, com o meu Pai: ele gosta sempre de ver futebol ao mesmo tempo.

     Adoro ir a casa dos amigos, tal como hoje, 31/10/2017, dia de Halloween, em que vou a casa do Santiago. Depois vamos tocar à campainha da casa das pessoas a pedir doces! Vou pôr a minha máscara e vou explodir petardos de Carnaval: Pum! Pum!

     Vamos comer doces ou fazer travessuras! Levamos uma enorme abóbora que abre, onde guardamos os doces.

     Em relação ao tema global dos Valores que estamos a viver este ano, o Halloween pertence à Alegria.

Lourenço J, 5A

Aproveitar cada Segundo

Lisbon and the Tagus River (1960) - Abel Manta (1888-1982)Creative Commons License Pedro Ribeiro Simões via Compfight

     As minhas férias foram incríveis, apesar de ter passado muito pouco tempo com os meus pais e quase todo com o meu avô, mas foram momentos bem passados.

     De junho para julho, passei mais tempo com os meus amigos, seja “online” ou em casa de uns e de outros, a jogar.

      Em julho passei a maior parte das férias entre a casa do meu avô e a da minha avó, onde quase nada mudou.

     Em agosto só passei uma das quatro semanas com o meu avô e o resto do mês com a minha mãe.

     Quase todos os dias eu ia à praia e, de vez em quando também, com os meus amigos ou com os meus avós, e também fui a Espanha. Apanhei grandes ondas e diverti-me com a família.

     Em setembro, fui com a minha mãe a uma aldeia de xisto, que é muito pequena e bastante gira, com os seus cidadãos tão interessantes.

     Tentei aproveitar cada segundo de cada dia até chegarem as aulas de novo. Mais uma vez, quase todos os dias eram passados com o meu avô. Nestas férias, percebi o quão importante é o meu avô na minha vida.

Francisco Bt, 7A

A Melhor Vida de Sempre

MessiCreative Commons License cchana via Compfight

       O meu ídolo é o Messi, porque ele é amigável quando está a jogar com os colegas. Eu gosto de futebol porque acho muito divertido tentar marcar um golo. Já fiz um jogo em que ganhamos 11 a 5!

       A Família, para mim, é amor. Nas férias, é tão bom acordar de manhã e ir tomar o pequeno-almoço no hotel, todos em Família.

     Adoro brincar com os meus amigos, quando estou feliz com eles, mais aberto e mais à vontade. Costumamos andar de Skate, conversar sem fim, porque eu sou muito amigo das pessoas. 

       Já estive no Dubai e lá andei de camelo, na praia. 

      Estive nas férias, com o meu Pai, a andar de bicicleta. Esta é a melhor vida de sempre!

Zé G, 5B

A Felicidade Transborda

IMG_6022Creative Commons License Marianne Bevis via Compfight

      Eu adoro Ténis porque o Roger Federer é o meu ídolo de Ténis. Eu gosto de bater bolas com o meu Pai, só os dois sozinhos.

     Adoro quando o meu primo faz anos, porque eu fico com os seus amigos de 15 anos e os amigos, mas eu tenho 10 anos. Então eu posso brincar com eles, que são 5 anos mais velhos, o que “mete piada”.

      Adoro brincar com os meus amigos, porque quase não nos zangamos e por isso estamos sempre juntos. Adoro ir à piscina, jogar zoombies, na playstation do meu segundo melhor amigo e jogar na piscina; mas o que eu mais gosto é de fazer bodyboard com o Diogo, no Guincho! No Alentejo apanhei a minha maior onda e adorei.

      Adoro ir para a casa da minha Avó, porque vou para lá com o meu primo favorito. Então, à noite, quando paro para dormir, nós ficamos a ver vídeos para rir e a nossa Avó não nos consegue ouvir a rir, porque com a sua idade já não se ouve muito bem.

       Com tudo isto, a felicidade transborda!

Francisco Go, 5B

O que Eu Gosto mais de Fazer na Vida

Harry playing footy vs Oak Park-30 Russell Charters via Compfight

     Para mim, o futebol é o melhor desporto do sempre!  O jogador que eu mais admiro é o Harry Kane, da Equipa do Tottenham: ele chuta mesmo bem!

      Estar com os amigos é fabuloso, pois se eu não tivesse amigos, não tinha com quem brincar.

      Adoro as festas de família, como os aniversários e o Natal. As melhores festas de aniversários são as dos meus tios e dos meus primos, porque têm uma enorme garagem para fazer uma discoteca.

       Fui duas vezes à Madeira e o que eu admirei mais foi a água do mar porque era muito quente, transparente, o mar era manso e havia pedras em vez de areia.

       Na Disneylândia o que eu achei mais extraordinário foi a montanha russa maior da Europa: a Space Mountain.

       No verão, vou três meses ao Alentejo e admiro muitas estrelas quando vou andar de bicicleta à noite. Faço bodyboard na praia da Zambujeira onde o mar tem muitas ondas e a areia tem cor de pele e é fofa. 

Eduardo M, 5B

Carção é Diversão!

http://5l-henrique.blogspot.pt/2011/06/aldeia-de-carcao.htmlImagem: 5lHenrique     

    Este verão, em Carção, adorei estar com a Família nas Festas de Carção.

    Carção é uma aldeia que pertence a Bragança e fica perto de Espanha. No seu brasão aparece um candelabro de sete braços, recordando que aí viveram Judeus ou Cristãos Novos.

     Como só há uma loja pequena, tivemos de ir a Espanha para fazer compras.

    As festas são no Verão à noite, tem um Bar, carrinhos de choque, muita música, barraquinhas, jogos e as famílias na rua.

     Eu senti-me bem nas férias, animado e com muita diversão! As férias fazem-nos estar com a família, descansar e divertir!

Pedro M 5A

A Alma do Verão

Comporta 2013Creative Commons License Freebird via Compfight

     Este Verão, em minha casa, eu gostei muito de ir á praia, na Comporta. A praia é muito grande, a areia é como a neve, a água é quente, é azul e com ondas enormes!

    Uma vez, uma onda altíssima apanhou-me e eu fiquei como um tornado a redemoinhar! Quando cheguei à areia, estava muito zangada. Quando eu nadava com o meu irmão, o nosso cão, “Koda”, ficava com as patas da frente no ar, como um suricata, aos saltos á beira-mar.

    Uma vez que estava a nadar com os meus pais, o meu pai gritou:

    – Onda! Onda! Eu tentei escapar, mas não tive sucesso: fui a rebolar até à areia! O meu nariz doía porque engoli água. O meu irmão levou areia molhada da beira-mar e atirava-a para cima de mim.

     Na praia, estava a Banda Musical “Depeche Mode” a saltar nas ondas. Eu não perdi a alma na música de Portugal!

Svetty T, 6B

A Vindima Espetacular

http://asenhoradomonte.com/2016/10/06/historia-e-tradicao-das-vindimas/

Imagem: História e Tradição das Vindimas

     Este verão, no Casal dos Siopa, gostei muito de encontrar um ninho com ovos, quando estávamos nas vindimas, com o meu tio.

    O Casal dos Siopa fica no Cabeço do Trigo, Gaio, em Alcobaça. Estávamos nós e quatro amigos do meu Tio, que eram de Roma.

     Para fazer a vindima, cada um tinha uma tesoura e um balde, e cortávamos os cachos maduros para os baldes. Quando os baldes ficavam cheios, despejávamos para uns bidés que estavam cá fora, ao pé de nós, e que depois levávamos de trator para a Adega.

    Eu senti-me feliz nas Férias! Elas servem para brincarmos, para nos divertirmos e para nos sentirmos felizes.

Daniel S, 5B

 

As Melhores Férias de Sempre

Relexo 33Creative Commons License Antonio da Silva Martins via Compfight

     Um dia fui para o Algarve com a minha Família: estava um lindo verão único! E a paisagem, nem se fala: fantástica, cheia de pessoas à volta, com um mar esplêndido!

      Parecia uma sopa de caldo verde, tinha vontade de o comer: águas frescas, ondas maravilhosas e baixinhas.

     De manhã, ia sempre comprar pão, para o pequeno-almoço; íamos a Espanha para meter gasolina e ir às compras ou então íamos à praia ou ainda andar de barco, onde mergulhei com uns óculos, para ver os peixes e as conchas.

     Senti-me muito feliz, convivendo com a minha Família. Podem ter sido umas simples férias no Algarve, de uma semana, mas foram espetaculares!

Margarida R, 5C

As Lágrimas Amorosas

http://www.escapadinhas.org/escapadinha-lagoa-das-sete-cidades/

   Imagem: Lagoa das 7 Cidades

     Este verão, eu e a minha Família fomos aos lindíssimos Açores!

     Gostei imenso de ver a Lagoa das 7 Cidades: metade era azul turquesa e a outra metade era verde esmeralda!

    Conta a Lenda que era uma vez uma Princesa que se apaixonou por um Pastor, mas não podiam casar, porque ela era uma Princesa e ele era apenas um Pastor.

     A Princesa chorou tanto que formou uma Lagoa Azul, porque a Princesa tinha os olhos azuis. O Pastor, que tinha os olhos verdes, chorou também e formou uma Lagoa Verde.

     E as águas não se misturaram porque eles não se podiam casar!

    Gostei muito da ida aos Açores, senti-me feliz, entusiasmada, curiosa e, do que gostei mais foi da praia de água quente em que ao lado havia um vulcão!

Matilde C, 5ºA

Melhores Férias que já Tive!

http://yourholidayhomes.com/things-to-do/parks-and-gardens/helsinki-zoo_689.html

Imagem: Zoo da Finlândia

     Nestas minhas férias, fiquei muito feliz porque a minha tia e a minha prima vieram do Brasil para nos visitar. Depois de alguns dias, fomos visitar o meu padrasto à Finlândia. 

     Eu, a minha tia e a minha prima fomos visitar a cidade de Cascais: disseram que era mais ou menos igual ao Brasil: quentinho e com muitas pessoas. Fomos á praia e à piscina, mas elas acharam a água fria e com mais tom de azul.

     Depois de duas semanas, nós fomos à Finlândia! Elas acharam muito frio no verão, mas adoraram o Zoo, principalmente a minha prima de 4 anos. Foi a primeira vez que elas foram ao Zoo: estavam animadas!  A única coisa que elas não gostaram foi do mar, porque era muito frio.

     O Tigre branco era giro e chamava muito a atenção das pessoas; e tinha um branco na sua pele igual à neve!

      Eu adorei quando vi a minha prima pequenina e a minha tia em minha casa. Estas férias encheram-me de felicidade porque estive com a minha Família!

Leyane S

As Férias devem ser mais Longas

August 2017 - Nika with Angelina and Aurelia eagle1effi via Compfight

      Em relação às férias, considero que deveriam ser mais longas.

     Em primeiro lugaras crianças com problemas nervosos precisam de descansar, porque há pessoas patetas na escola que as enervam. 

     Em segundo lugar, crianças teriam mais tempo livre para estudar, aprender, brincar e fazer amigos novos; esta abundância de ar e de atividades livres é saudável para elas.  

     Em terceiro lugaras crianças poderiam passar mais tempo com os pais; há alguns pré-adolescentes que não se interessam pelos pais, mas os pais são importantes para a vida, são dois lobos que nos protegem das coisas más. 

      Por todas estas razões, defendo que o descanso deveria prolongar-se no verão e ao longo do ano letivo, em especial nas férias de natal e Carnaval porque eu gosto muito do inverno.

Svetty T, 6B

Contando as Férias a um jovem Castanheiro

Imagem: DW Made for Minds

Esta carta foi enviada para o pequeno castanheiro de Dusseldorf que recebe correio de todo o mundo: 

Kleine Himmelgeister Kastanie
Kölner Weg
40589 Düsseldorf
Germany

https://q-ec.bstatic.com/images/hotel/max300/279/27900055.jpg

Imagem: Aldeias de Montoito

25/09/17

Querida Erona, 

     Nas férias, fui ao Alentejo, que tinha uma paisagem muito bonita. A Aldeia onde fui chamava-se Montoito. Estávamos rodeados de verde, eu, os meus avós e irmãos. Gostei especialmente da visita a um Palácio que tinha vestidos de uma Artista para serem usados por nobres. Tinham feitios malucos: de uma prenda, de um bolo, de uma “cup cake”…

Imagem: Viator.com

     Depois fui ao Algarve, a Lagos, com os meus pais e os meus irmãos. No hotel tinha cinco piscinas e uma praia perto. A água, sempre fria, mas quando estávamos acalorados, era ótima para nos refrescar; às vezes cresciam ondas de um azul esverdeado com espuma branca na crista.

    Fui duas vezes visitar a cidade e fiz um “Tereré” em tons de azul. Nestas férias senti gratidão pelas surpresas da vida: no Alentejo e no Algarve gostei de conviver com a minha Família e com a Natureza.

      E tu, pequena árvore, como passaste o Verão?

Carolina A, 6B

25/09/17

     Dear Erona,

     During my holydays, I have been to Alentejo, where the landscape is beautiful. I was in a small village called Montoito, with my grand parents and my sister and brother. We were surrounded by pure green. I specially appreciated the visit to a Palace where we could see dresses made by an artist ; they were supposed to be used by noble people. But they had strange shapes : one was like a gift, other looked like a super cake, and another was like a cup cake…

     Afterwards I went to Lagos, with my parents, my brother and sister. At the hotel there were 5 swimming pools and, very near, a beach. I went to visit the city twice and there I had a «Tererê” made in my long hair.

     There was a beach near by, where the water was always cold, but, when we were feeling hot, it was great as we could be refreshed; sometimes some big waves would grow, blue and green, with white foam on the crest.

    These holidays I felt gratitude for the surprises of life in Alentejo and Algarve; I enjoyed to be with my family and to be in deep union wtih Nature.

    And how about you, little tree? How did you spent your Summer?

A Kiss from Carolina

As Melhores Férias de 2017

https://pt.aliexpress.com/store/product/Inflatable-Flamingo-Pool-Float-Toy-150CM-Party-Water-Rose-Gold-Giant-Pink-Cute-Boia-Tube-Ride/1897368_32819171439.htmlImagem: Aliexpress.com

     Este Verão extraordinário, estive no Algarve e no Alentejo, com os meus queridos Amigos e Família.

     Quando estava nas praias do Algarve, via o mar claro, as pessoas a divertirem-se, as rochas castanhas, a areia brilhante e muitos chapéus de sol.

      Fiz muitas diversões fixes na praia, como: futebol, volei, raquetes, bodyboard, nadar e mergulhar nas ondas e ainda jogar com uma bola que salta na água.

     Gostei imenso de ir à piscina e recebi duas boias novas: uma, enorme, cor de flamingo e em forma de flamingo; outra, redonda, de várias cores, para descansar.  Basicamente cabíamos todos no flamingo, não lutávamos, mas queríamos todos chegar à boia e ficávamos lá.

     Sempre que jogava com os amigos ou me atirava para o mar sentia-me feliz, calmo e em liberdade.

Afonso F, 6D

Aventuras de Barco

http://www.algarvehousing.net/portugal/ferragudo/Imagem: Ferragudo

     Este verão inesquecível, fiz uma viagem até ao Algarve com toda a minha Família e o barco ás costas. O barco ainda ia com a revisão por fazer.

      Achávamos que não ia ser muito complicado, até que, no dia em que fomos fazer a revisão a Faro, recebemos uma triste notícia: tinha uma pequena lesão no motor. O barco não passou na revisão, mas o meu Pai fez de tudo para nós navegarmos no alto mar. Passada uma semana, já estávamos a navegar lá em cima, felizes e contentes.

     O meu Pai decidiu ir buscar de barco a minha irmã e a minha prima, que vinham do CSVI, de autocarro: uma loucura! Paramos numa praia, no Ferragudo. Quando chegamos…

(Continua)

Carminho S, 6A

Experiências Indescritíveis na Carrapateira

https://www.voyagesetc.fr/carrapateira-mon-petit-paradis-au-portugal/

 Imagem: Mon Petit Paradis     

       Este Agosto suave, na Carrapateira, com a minha Família e Amigos, tive experiências indescritíveis.

      Vivemos nesta pequenina Vila com dunas de areia fina e clara ondulando até ao mar brilhante.

      Criei um negócio emocionante e difícil: todos vieram da praia à hora combinada para preparar as pizzas e organizar um restaurante em casa até 30 pessoas, entre os nossos pais, família e amigos.

     Pesquei com cana: aquela sensação de ter um peixe na linha e a cana a tremer nas minhas mãos! Descia das rochas chamadas “Os dois irmãos” para ir apanhar o peixe, como me ensinou, entre muitos outros truques desse sítio, um pescador que ali ficou meu amigo.

      Nesses 13 dias intensamente vividos, quase apanhei o maior peixe da minha vida: depois de uma luta intensiva, consegui vê-lo e, com todo o cuidado, puxei-o. Quando pensei que ele já era meu, o mal aconteceu: a chumbada prendeu numa rocha alta, veio uma onda enorme, arrastou o peixe e levou-o!

Alexandre T, 7A

Aventura na Ilha do Farol

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiyj8XN8czWAhXL7RQKHai4C3QQjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DUOoz25BKwgQ&psig=AOvVaw2o8YmhkmpGdT_00ooSs5wx&ust=1506859600670568

   Imagem: Ria Formosa2015

      Este verão fantástico, na ilha do Farol, vivi uma aventura indescritível, com a minha Família e amigos.

     À nossa volta havia o mar imenso, uma massa gigante azul clara e água fresca por todo o lado.

    À noite, sob o céu estrelado, eu e os meus amigos íamos a uma Associação na Ilha, onde jogávamos às cartas e andávamos de bicicleta à vontade, até um bar maravilhoso onde bebíamos batidos e comíamos wafels indescritíveis.

    De manhazinha, ia para a praia com 30º graus, mergulhava no mar fresco com os meus amigos e íamos apanhar lapas ao pontão debaixo de água.

    Eu adorei estar na ilha, porque podia viver livre e andar com os meus amigos em pleno dia e noite: foi uma aventura!

André R, 7A

O Esplêndido Cruzeiro

https://www.logitravel.com/cruceros/mediterraneo-occidental/desde-valencia/msc-splendida/un-mar-mil-maneras-de-vivirlo-16418350.htmlImagem: MCS Splendida

     No verão, eu fui fazer um Cruzeiro com toda a minha Família do lado do meu Pai. Foi esplêndido! Parti de Valencia e passei por Marselha, Génova, Roma, Palermo, Sardenha, Palma de Maiorca… Viajámos num barco gigante, a paisagem era linda de morrer! Acordávamos sempre em cidades e países diferentes.

     Todas as noites, antes de jantar, íamos ver os espetáculos maravilhosos; depois, íamos para o restaurante que tinha sempre o mesmo empregado, chamado Aprianto, que vinha da Indonésia.

     No barco havia dois Jacuzzis, uma piscina interior e outra exterior, kids club, cinema 4D, casino, sala de espetáculos, muitos bares e discotecas, um mega buffet – que eu até me perdi lá – sala de jogos, 25 elevadores, uma loja de gomas e chocolates e outras dimensões surpreendentes…

     Um dia, na piscina, houve um concurso “Master Chef By the Sea” e a minha Tia ganhou com uma sobremesa de frutas, com um nome criativo.

     Senti-me entusiasmada com a brutalidade de tanto mar à volta, no seu azul sempre em movimento. E fiquei espantada com o facto de aquele enorme barcalhão não se afundar.

Margarida Cocco, 6A

Ondas Perfeitas na Arrifana

http://www.arrifanasurfschool.com/

Imagem: Arrifana Suf School

     Era uma vez um surfista chamado Simas. Um dia, ele decidiu ir à Arrifana; lá foi ele. Assim que viu o mar com ondas perfeitas e o céu sem nuvens, sentiu-se cheio de energia.

     Logo de seguida, o Simas encontrou um amigo – isto é, convidou-o – e foram logo para o mar. Surfaram grandes ondas azuis; quando saíram da água, foram para casa brincar, andando de skate.

     Estavam num acampamento e a descida era inclinada, era giríssimo descer a rampa e eles ainda iam muitas vezes a um café muito bom.

EzraCreative Commons License sushitsavo via Compfight

    Uns dias depois, foram embora. Quando chegaram a casa, o Simas foi logo ter com o seu cão bebé, o “Bola”, de pelo curto, cinzento e preto, um galgo wheepet, magrinho e que se encolhe todo ao dormir.

Simão CB, 5C

Adrenalina no Escorrega de Água

https://www.google.pt/url?sa=i&rct=j&q=&esrc=s&source=images&cd=&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwiv7Z7sysPWAhWFmBoKHQBTCV4QjRwIBw&url=https%3A%2F%2Fwww.feriasemportugal.com%2Faquashow-quarteira-algarve&psig=AFQjCNHpfPeCLRD40K063_LbVZjA6j0MYg&ust=1506540410122578

Imagem: Aqua Show do Algarve

     No Aquashow do Algarve, estava eu na adrenalina do escorrega de água: sentia muuito medo! À minha volta, uma paisagem muito bonita: as diferentes atrações e árvores fora e à volta, poucas casas e uma estrada com os carros a passar.

     A água era transparente e rápida, o ar estava cheio de gritos e de gargalhadas! Já há muito tempo que eu queria andar no Aquashow; tinha lá amigos meus e amigas da minha irmã, também porque era o aniversário de uma amiga da minha irmã.  Foi uma surpresa, porque ela não sabia que íamos!

     Quando saí, já tínhamos a certeza, a minha irmã e eu fizemos uma aposta, e ganhei, porque andei em mais diversões que ela!

Vicente E, 5C

Marrocos Maravilhoso

Imagem: Ibero-Star Saidia

     Nas minhas férias, fui a Saídia, em Marrocos. Durante sete dias fui à praia, havia ondas e eu mergulhava por cima delas: foi muito engraçado! Em Marrocos, no hotel – Ibero Star – em que eu estava, havia diversões animadas: na piscina, tínhamos de mergulhar e de apanhar coisas no fundo; jogamos vólei na água…

     O mar era quente, com ondas azuis, a areia era quente e amarelo-torrado, mas havia mais gente na piscina que na praia. No último dia, os hóspedes todos vestiram-se de branco e fizeram um fogo de artíficio que dizia: “Saídia – Marrocos”.

     Andei de camelo – no maior que havia lá – ao longo da praia. Ele, às vezes, levantava a cabeça para trás, tirava a língua e eu assustava-me. Fui com a minha mãe e estes dias foram inesquecíveis pelo convívio.  Foram dias divertidíssimos, porque havia muitas atividades para fazer e descobri imensas realidades de um país que eu não conhecia.

Mariana C, 7C

O Golfinho Feliz


PortraitCreative Commons License R’lyeh Imaging via Compfight

    Nas minhas férias tive muito contato com a água. Fui muitas vezes ao mar com a minha avó; ela é velhinha mas muito aventureira, ela vai até ao fundo do mar e leva-me como acompanhante. Tenho muitas histórias para contar, mas vou contar a que foi mais divertida.

     Estava eu e a minha avó no mar sem fim e azul escuro, quando aparece um golfinho a nadar, feliz e contente. Eu achei logo que era um tubarão, pois estávamos tão longe que não conseguíamos ver a praia, mas a minha avó logo me alertou e disse que era um golfinho, mas mesmo assim, eu morria de medo que ele ou ela me mordesse. 

Passado algum tempo, o golfinho começou a fazer truques para nós vermos e ele gostava tanto quando nós aplaudíamos. Esperamos até ele acabar com os truques: então eu fui para cima dele e começou a levar-me tão rápido quanto uma chita.De repente, ele foi para debaixo de água cada vez mais e mais fundo e eu soltei-me, porque senão ia morrer afogada.

     Quase sem ar, vim até à superfície e encontrei a minha avó; começamos a nadar até à costa, mas não reparamos que o golfinho vinha atrás de nós. Quando já tínhamos pé, olhamos para trás, a ver se encontrávamos a minha mãe e a minha irmã, mas o que encontramos foi um golfinho novamente a fazer truques. Ele ficou ali por uns tempos e foi-se embora, mas ninguém o viu, pois tínhamos pé, mas a água estava até ao meu pescoço e a praia ainda estava um pouco longe.

     Finalmente, chegamos à costa, onde estavam a minha irmã e a minha mãe a apanhar um bronze. E por fim contamos a toda a fabulosa história a elas!

Carolina Cr, 7B

A Arte do “Skymmy”

Mar AzulCreative Commons License José Luis Ruiz via Compfight

     Um momento inesquecível que escolhi foi a arte da modalidade de fazer “Skymmy”.

      No primeiro dia, quando observei uns rapazes na praia a fazer, vieri-me para o meu pai e disse que iria ser muito fácil. Peguei na prancha e cheguei á beira de água, atirei a prencha e vi-me atrapalhada para me pôr em cima da prancha. Já em cima da prancha, escorreguei e pimba! Sentei-me na areia.

     O meu pai chegou, agarrou na prancha e fez metade da praia em cima da prancha. Fui a correr ter com ele e perguntei como era possível ele ter feito metade da praia e eu não, foi então que respondeu que quando era miúdo já praticava a modalidade. As semanas passaram-se e eu já estava em cima da prancha cinco minutos. O meu pai explicou que para fazer 360 graus tinha de me pôr quase de joelhos em cima da prancha e colocar vagarosamente a mão no chão, mas não a mão toda, punha só as pontas dos dedos na areia e a prancha virava, mas eu nisso não sou muito boa.

     O meu irmão pediu que eu tentasse entrar na água com a prancha; eu dizia que não, pois não sabia, e ele dizia que sim; nós, se apostássemos quem ganhava era ele; pois de tanto me perseguir eu experimentei entrar com a prancha. Estava a aproximar-me da rebentação, quando levei com a onda ao mesmo tempo que entrei na água. O meu grande azar foi estar seca, pos a água estava gelada!

     Nos dias seguintes, a água parecia de Cuba, pois estava muito quente, transparente, calma e perfeita para cair da prancha abaixo.

 Marta da Silva Pina Lemos Maia, 2005

Inesquecível Aluna do CAD

Gelados Versus Cães

Teddy's - Famous For Ice CreamCreative Commons License William Murphy via Compfight

      Era uma vez uma família que adorava animais, menos a sua única filha, Sofia. Ela gritou com o cão:

       – Sai daqui, animal nojento!

      O cão baixou as orelhas e foi embora.

      A mãe e o pai estavam sempre a dizer-lhe:

      – Os cães são tão bonitos!

       Mas a filha não ouvia, só pensava em comer gelados.

       Um dia, a família ia acampar durante um mês. Fizeram as malas: a da Sofia tinha receitas para fazer gelados, gelados, a sua roupa e o material de ténis. A da mãe tinha o seu telemóvel, comida de cão e outras coisas. A do pai tinha o seu Ipad e pastilhas elásticas. A mala dos cães tinha brinquedos, biscoitos, as suas camas e as suas escovas.

       Os cães queriam ir logo, só que a menina não queria que os cães fossem, mas os pais não os queriam deixar para trás. Então, lá foram para o acampamento, mas é óbvio que os cães foram.

      Quando a Sofia abriu a mala, viu os dois cães a comer os seus gelados. Os pais exclamaram:  

       – Oh, que fofos!

      A Sofia reclamou:

      – Agora só tenho cinquenta gelados! Só me dá para um dia!

      Os cães ajudaram a montar as tendas enquanto a Sofia se estava a lamentar pela perda dos seus gelados.

      Quando os pais já estavam a dormir, Sofia tentou matar os cães, mas não conseguiu. Os pais acordaram, os cães chamaram-nos e viram a filha com a faca nas mãos. Mas o Marmaduke, que era um dos cães mais alto do que a Sofia, escondeu-se atrás da Mãe.

Margarida L

Concluindo o 7º, Sonhando o Verão

Child suffocationCreative Commons License Ben Salter via Compfight

     Neste 3º Ciclo, em geral, o que apreciei mais foram as visitas de estudo, principalmente a ida ao Teatro “Leandro, Rei da Ilíria”. Em particular, o que gostei mais foi de ter aulas de TIC, onde aprendi como utilizar melhor o Power Point, mas não aprendemos o Photoshop, infelizmente. Um momento muito difícil, neste ciclo, foi estudar para os testes, por terem muita matéria e serem difíceis.

     Embora as notas não tenham sido muito boas no 2º e 3º períodos, eu tinha um bom método de estudo: fazia exercícios e escrevia resumos. Geralmente sublinho no livro e depois transcrevo o que sublinhei. Enquanto escrevo, estou a ler o que estou a escrever e a lembrar-me.

     A disciplina que gostei mais além de TIC, foi a de História, porque demos as matérias sobre o que eu queria saber sobre Portugal e a Peste Negra. Sobre o Terramoto de Lisboa, gostava de saber detalhadamente.

     Os meus projetos para o Verão de 2017 incluem passar uns dia em casa de um amigo que tem piscina – o que combina muito bem com o verão. Em casa, temos sempre muito que fazer: comer, jogar, ver séries, ir à piscina. Este amigo vai estar de férias fora de Cascais a partir de 30 de Junho.

    Depois, vou para um sítio no Algarve – gosto tanto de lá ir: tem um supermercado Espanhol com ótimas coisas; lá há duas piscinas, uma aberta, que fecha muito tarde, outra coberta e uma praia muito boa para dormir.

    Votos para este Verão: desejo que as pessoas se divirtam muito; que descansem; saiam com os amigos ou fiquem só em casa a fazer as coisas de que gostam mais.

João Francisco, 7B

Na Imensidão da Música

Creative Commons License Urko Dorronsoro via Compfight

     Numa Noite quente, em Caminha, tínhamos acabado de sair de casa; o céu cobria-se com um manto de azul bem escuro com pequenos brilhantes que lá em cima cintilavam.

    Ao pé do mar podia ver-se o Monte de Santa Tecla, só com uma enorme luz lá no cimo, mesmo no cocuruto do monte. Via-se também Espanha toda iluminada por candeiros de rua; estava tão iluminada como um bolo de aniversário. Ìamos andando e cada vez mais chegava aos nossos ouvidos o som dos pombos excitados pelo pão que recebem todos os dias. 

 De repente, comecei a ouvir ao longe uma música bem animada. Decidimos então ir á praça e lá estavam duas bandas de escolas diferentes, que eram constituídas por um maestro, flautas, três saxofones, alguns violinos e um jogo de sinos. 

Como eram duas, tocavam à vez, o que fazia com que as pessoas se andassem sempre a virr. As músicas eram maravilhosas e eu setia vontade de lá ficar pela noite fora. Para cada música, eu conseguia imaginar um bailado diferente. Sempre que uma voz falava, eu pensava pra mim própia: “- Por favor, cala-te, que eu quero ouvir!”

 Sou uma pessoa que se deixa levar facilmente por estas músicas e sentia-me entusiasmada. Em quase todas as músicas a mãe me fazia perguntas que poucas vezes eram respondidas, porque eu me perdia na imensidão da música; durante aqueles momentos, não consegui deixar de pensar nos tais balidados. 

 Quando voltámos a casa, eu sentia-me perdida e abandonada por aquele mundo que deixava. Agora o silêncio reinava e parecia-me que eu tinha acordado de um desmaio; as imensas músicas e bailados haviam desaparecido da minha cabeça.

Mariana M, 6º ano  – 1998

Do tema “Verão 98 – um momento único”

Conversas na Oficina: O Ano Maravilhoso

DSC_0234 Rachid H via Compfight

     Um bom momento do 5º ano foi conhecer os professores novos. Um bom professor é um ser carinhoso, uma boa pessoa, não grita com os alunos e explica bem. Um momento difícil do 5º ano, acho que não houve e nem quando tinha de estudar, não chegou a ser difícil demais. No 2º período é que houve muitos testes, não havia descanso.

      Na minha turma havia muitos bons amigos, ao contrário de uns poucos que poderiam ser mais amigos. Na minha turma, a principal qualidade é ser fácil arranjar amigos.

     Os meus projetos para o verão 2017 são ir à praia; gosto muito de ir ao Tamariz: vou a pé com os meus irmãos; gosto de brincar e nadar com a minha sobrinha; ela vai às minhas costas, dentro de água, pois ainda só tem quatro anos: quando vem uma onda, ela salta e eu seguro-a. Quando está a maré baixa, apanhamos caracoizinhos: quando vejo que estão ao sol, tenho medo que eles morram e ponho-os devagarinho na água. Mergulho sempre, mesmo que a água esteja gelada e uma vez até me arranhei porque mergulhei ao pé de uma pedra.

     Gosto de ir ao Aquashow no Algarve; aí, prefiro tudo! Mas ainda não estreei o escorrega de 33 metros. Eu e o Pai temos uma parede e jogamos à bola com raquettes. Gosto muito de ir à praia com o Pai, de conversar com o Pai e de brincar com ele à apanhada.

      Sejam felizes este verão! Ponham chapéus de sol e creme protetor.  Conversem uns com os outros, estejam sempre com a Família, brinquem com os mais novos; com os mais velhos também: joguem ao Monopólio, jogos fáceis que não sejam muito de andar e de correr. 

Ana Sofia D, 5A

Conversas na Oficina: Entre o Difícil e o Sonho

Dragon Tree

trevorklatko via Compfight

Maria SO momento mais difícil do 6º ano foram as pessoas, a arte de conviver e de enfrentar as dificuldades da relação.

André (Convidado) – Pensar que a Turma vai mudar de colegas, que podemos perder amigos bons…

Maria SPara uma nova escola, gostava de encontrar, em Setembro, salas pintadas com cores vivas e cada uma com diferentes recantos: os grupos de alunos poderiam escolher como sentar-se e onde estar.

André – Podemos ter aulas no Ipad com a escola virtual, tecnologia e pufs, umas salas confortáveis e para os profes também. Para aumentar a nossa liberdade, podemos fazer mais trabalhos de grupo; não estarmos sempre calados e não estarmos sempre com os professores

  Maria S –  O que pode aumentar a  liberdade da nossa vida de estudante é ter autonomia nos trabalhos, escolher os pontos do programa…

AndréHá escolas em França em que podemos participar na vida real, por turnos: aprender a cozinhar, lavar a loiça, tratar da horta, ter animais….

OE – Para aumentar a comunhão com a Natureza poderíamos restaurar o nosso pinhal e transformá-lo num espaço de convívio feliz com os animais…

Alexandre SEu podia trazer porquinhos vietnamitas, galinhas com pintainhos… e duas cabrinhas.

André (Convidado) – Eu trazia uma ovelhinha e coelhos do Meco.

Maria S – Eu trazia pássaros coloridos. O Pinhal ajuda-nos a ser mais rústicos e a ter ideias para escrever.

Maria S, Alexandre S e André (Convidado) 

Um Cãozinho no Acampamento

'Camping On The Coast' - Anglesey

Kris Williams via Compfight

        Era uma vez uns meninos que iam acampar. Eram o João, o Pedro, a Maria e a Matilde. Iam passar as férias de verão a Cuba.

     Quando chegaram, montaram a sua tenda numa mata verdejante, á beira do mar das Caraíbas.

     Ao anoitecer, ouviram um barulho esquisito e tentaram averiguar.

    Descobriram, num tronco oco de uma árvore um cão pequenino, de pelo branco curto, de orelhas caídas, a ladrar, muito aflito.

     A Maria é que o encontrou primeiro: os rapazes treparam à árvore, mas o Pedro caiu, só o João é que chegou até ao buraco do tronco.

     Quando o João tirou o cão  do buraco, ficou muito contente, e numa aflição que podia ter caído, mas correu tudo na perfeição. E os miúdos gritaram de alegria.

     Depois era a hora de ir fazer surf: estavam numa excitação! Gostaram muito de fazer aquelas manobras. Foi uma loucura e muito divertido.

     Passado dois dias tinham de ir embora. Estavam tristes por terem de deixar o acampamento, mas no fim ficaram contentes por saberem que o cãozinho ia com eles.

 Mariana C 6A

Um Dia em Paris

Finding Nemo the Musical

Creative Commons License Joel via Compfight

     Na 6ª feira, dia 7 de Abril de 2017, fui para Paris. O meu voo foi às 5h 00 da madrugada. O avião em que eu fui era da TAP. Como o horário de Paris é diferente do nosso, cheguei lá às 7h 00 da manhã.

     Assim que cheguei ao hotel – que se chamava Premier Inn, fui pôr as malas no meu quarto. O número do quarto era o 205, portanto estava no 2º andar e localizava-se à esquerda, pois o último algarismo do número 205 é 5 e 5 é um número ímpar.

     Bem… já me estou a desviar do assunto. Continuando…

     Saí do Hotel e fui para a Disney. Mas, é claro, estou a falar da Disney de Paris. Voltando ao que interessa… Ah, já sei onde ia… Assim que entrei na Disney, fui logo para um divertimento que eu escolhi de livre vontade. Claro que o que eu escolhi foi o meu preferido, que é… o divertimento do Nemo!

Constança G, 6C

Nas Ondas da Nazaré

Résultat de recherche d'images pour "onda gigante nazare 2016"

     Imagem: Praia do Norte

     A Amizade, essa força insuperável que transforma as nossas vidas, enrolou o seu laço fiel em torno dos seis destinos destes jovens inseparáveis: Lourenço, João, Manuel, Maria, Maria, Federica e Matilde. Aquelas férias da Páscoa seriam as mais aventurosas, entre altas ondas, na praia da Nazaré. (OE)

     A Francisca, a irmã mais pequenina da Federica, não podia ir, porque nesse sítio havia muitos ladrões e animais ferozes, (1- Francisca 3º ano) o famoso “Sítio da Nazaré”, onde se formam as ondas maiores do mundo! Era muito, muito, muito, perigoso: dizia-se que, uma vez, de repente, a Nazaré ficou inundada de água, pois uma onda gigante desabou sobre a própria cidade! (2 Tomás 3º ano).

      A Maria  era uma rapariga loira, alta, com olhos azuis, (3 –  Maria B, 6B) os seus cabelos ondulavam ao vento e refletiam o sol, como fios de ouro, quando o vento quase a fazia voar da prancha, nas altas ondas da Nazaré. Elegante, morena do sol, era uma jovem esfuziante de entusiasmo e parecia ter uma energia inesgotável.

      A Maria gostava muito de um rapaz chamado Manuel, que era moreno, baixo, com olhos verdes, cor das belas florestas verdejantes, e um belo rosto (3 – Maria B 6B) salpicado de sardas que lhe davam um ar maroto e atrevido. O seu amor era interminável, e embora ainda não o soubessem, iriam continuar juntos para o resto da sua  vida. (3 – Maria B 6B)

      O Lourenço era ruivo e tinha caracóis, era um pouco baixo, mas muito querido. Era uma pessoa com muita paciência para os outros; gostava muito de João, Maria, Maria e Federica. Eram muito amigos e adoravam aventuras, como descobrir tesouros ou perseguir ladrões.

     O Lourenço era o namorado fiel da Federica; o João era o namorado perfeito da Maria M, e o namorado inigualável da Maria B era o Manuel.

     Maria tinha ainda uma irmã mais nova, que era a Francisca. Como ela era mais pequena, não podia ir, pois tornava-se perigoso. Lourenço era um atleta de alto escalão, João praticava surf e era já um surfista de alta competição, Manuel jogava ténis e muito bem.

      Quando acabaram as aulas, decidiram ir acampar para o “Sítio da Nazaré” porque o João ia entrar num campeonato de Surf. (4 Federica).

     A Maria M era uma rapariga morena, muito bonita, que namorava o João. A Federica era a rapariga perfeita para o Lourenço, com a sua bela cabeleira muito volumosa, (5 Maria M) que fazia lembrar uma princesa do Oriente.

      Nessas férias, os seis amigos foram acampar para uma floresta, na véspera de o João ter a sua prova (5) face às temíveis vagas. Na floresta onde acampavam os seis amigos, brilhava um sol intenso, erguiam-se pinheiros altos, cheios de pinhas castanhas (1 Francisca, 3º ano), que por vezes, caíam, mesmo na cabeça dos rapazes, para grande gozo das meninas.

      À noite, junto da fogueira, estavam a comer marshmellows com chocolate, espetados em pauzinhos, enquanto observavam estrelas maravilhosas. A Maria, a Maria e a Federica, exclamaram ao mesmo tempo:

     – São 3 estrelas… não, quatro… não, dez! Sim, de certeza que são dez! (Francisca, 3º ano). E assim, contando estrelas douradas, os seis amigos apreciavam a maravilha da noite cantando, em sua honra, um hino improvisado das “Super-Heroínas”.

Texto escrito a quatro mãos com dois colaboradores do 3º ano.

Maria M, Maria B, Federica e OE 

Férias em Espanha

Mallorca Strand Cala Llombards

Creative Commons License dronepicr via Compfight

        Estas férias fui a Mayorca, de barco. Fiquei numa casa. Estava eu a carregar um garrafão de água, quando tropecei, bati com a cabeça na parede!

       Fui à praia, mas começou a chover e vi as pessoas a irem-se embora da praia.

        Depois voltamos para casa, mas o meu pai esqueceu-se de pagar o estacionamento. Então ficamos à janela, a ver se vinha a polícia, mas não veio.

Imagem: Ask Beach

       Um dia, fui a uma praia que era em Fromentera: “illetes”; tinha línguas de areia e o meu pai queria chegar até ao fim, mas era muito longe. Então, nós desistimos, e o meu pai foi sozinho até ao fim, tirar fotos. Como ele nunca mais chegava, eu fui ao topo de uma montanha de areia e vi o meu pai. Perguntei se ele queria água, mas ele disse que não.

        Entretanto, quando estava a andar, vi uma senhora com um fato de banho e disse à minha mãe:

       – Quero este fato de banho!

      A senhora olhou para mim e riu-se: ela era Portuguesa!

      De tanto andar, fiquei com calor e fui jogar à bola para dentro de água com o meu irmão. Apareceu um peixe enorme e o meu irmão disse para eu sair dali. E eu perguntei porquê.

      – Estava ali um peixe gigante. Quando foste buscar a bola ele passou por mim e passou por ti. Não o viste?

      No dia a seguir, fui a uma praia onde havia pessoas a nadar, mas a água estava cheia de alforrecas venenosas. Então, não fomos a essa praia, fomos para outra.

Carolina N, 8D

Enigmas de Salamanca

Imagem: Denibatista Flickr Creative Commons

     Eu gostei muito dos meus presentes, mas o que mais gostei foi de um jogo para a Nintendo.

     Gostei imenso de ir a Salamanca.Lá havia muitas igrejas, tão bonitas, tão incríveis, que nem sei explicar.

     Na velha Universidade, descobri uma rã em cima de uma caveira; essa rã era especial, dizem que a pessoa que conseguir encontra-la sem ajuda de ninguém terá muita sorte para o resto da vida.

    Também descobri um astronauta numa Igreja muito, muito antiga e fiquei a pensar como é que eles esculpiram aquilo, se nem sabiam o que era um astronauta ou se alguém do futuro lhes tinha deixado a sua marca…

     Eu adorei o Ano Novo: fui a casa dos meus vizinhos. O pai deles disse-nos para não atirarmos serpentinas para cima dos carros estacionados, mas nós atiramos à mesma! 

(Imagem: Misterio Desocnocido)

Carolina C, 5B

O Natal Maravilhoso

     

Imagem: Quinta da Torre

      Este Natal foi incrível.

     Na primeira semana das férias fui para casa do meu avô que vive em Óbidos. O meu avô tem uma quinta enorme. Eu vou lá com as minhas irmãs a um estágio de cavalos que se chama Ceia (Centro Equestre Internacional de Alfeizerão).

Imagem: Quinta da Torre

     Eu ia de manhã, limpava alguns cavalos, almoçava e, à tarde, ia montar um cavalo chamado Saturno. Era branco, de crinas compridas, gostava de festas; davamos-lhes biscoitos próprios; ele adorava andar a trote.

     O meu avô tem um cavalo chamado Tafetá e, num sábado de manhã, fomos passá-lo à Guia, para ele se habituar a ser montado pela minha irmã. No Sábado, celebramos o Natal com o meu Avô.

     No Domingo, voltei para casa e celebrei com a Família da minha Mãe. Recebi presentes espetaculares: um cartão da Decathlon com dinheiro lá dentro, um casaco muito giro, uma caixa cheia de materiais de artes, uma caixa de brilhantes com dez cores, entre as quais um tom de salmão… A Mãe fez anos no dia 28 e dei-lhe um marcador que é como um livro que se tem de enfeitar, fazer um buraquinho, passar uma fita.

     Na passagem de ano eu fui para o paredão ver os foguetes e bebi champomix. Estas férias foram muito giras. Ninguém diria que iam ser assim tão fantásticas.

     Desejo a todas as pessoas do mundo que este ano corra tudo bem e com muitas felicidades.

Isabel S, 5D

Um País Novo

Kamel

Creative Commons License Nicolas Schabram via Compfight

     Este verão foi inesquecível: conheci um país novo!

   No meio das férias, soube que íamos para África. Eu e as minhas irmãs, como gostamos sempre de saber para onde vamos, resolvemos espreitar o papel que dizia o nome do país. Mas não percebemos qual era! Pensámos: Ibiza, Ásia, ilhas super giras… mas afinal descobrimos que era Marrocos!

    Adorámos, quando soubemos que íamos para África! Naquela noite, não consegui dormir nada de tão ansiosa!

     Fizemos as malas e os nossos avós foram-nos buscar para irmos para o aeroporto. Demoramos imenso tempo na fila do aeroporto.

     A viagem foi linda: a vista era magnífica – o Mediterrâneo era muito azul e havia nuvens brancas e fofas.

     Toda a semana eu tive de pedir para andar de camelo e também fazer a tatuagem de Hena: todos os dias pedia para ir, até que fomos todos andar de camelo.

    Primeiro assustei-me e desatei a correr, de medo, mas depois já não tive medo. E no dia seguinte, o último, o dia de vir para Cascais, fui fazer a tatuagem de Hena.

Margarida C, 5A

A Praia

   Boaventura

Don Amaro via Compfight

     Nas férias de verão, eu fui à Madeira com a minha Mãe. Andamos de avião durante duas horas e meia, para irmos até lá. Chegamos à Madeira e fui logo à piscina do hotel.

     Passados dois dias, fui fazer um Cruzeiro, num grande barco de turismo, para Porto Santo. Vimos, em Porto Santo, imensas pessoas vestidas à moda da Madeira. Comprei uma violeta da Madeira e outras flores.

     Na praia da Madeira havia ondas e eu mergulhava nelas. Na praia havia rochas com peixes muito pequeninos. Quando eu mergulhava, via muitos, todos a nadar à minha volta. A areia era grossa demais para tomar banhos de sol. As pedras eram pequenas, as rochas estavam com muitos peixes à volta e eram tão pequenos que pareciam ser cinquenta ou mais!

     No hotel, à noite, as pessoas vestidas à moda da Madeira, vinham dançar e convidavam os hóspedes. Eu também dancei. Traziam pandeiretas, flautas e bombos.

     Nas férias, eu gostei muito de ir à madeira e de ter dançado. Foi mesmo giro e não vou esquecer!

Mariana C, 6A