Conversas na Oficina: Entre o Difícil e o Sonho

Dragon Tree

trevorklatko via Compfight

Maria SO momento mais difícil do 6º ano foram as pessoas, a arte de conviver e de enfrentar as dificuldades da relação.

André (Convidado) – Pensar que a Turma vai mudar de colegas, que podemos perder amigos bons…

Maria SPara uma nova escola, gostava de encontrar, em Setembro, salas pintadas com cores vivas e cada uma com diferentes recantos: os grupos de alunos poderiam escolher como sentar-se e onde estar.

André – Podemos ter aulas no Ipad com a escola virtual, tecnologia e pufs, umas salas confortáveis e para os profes também. Para aumentar a nossa liberdade, podemos fazer mais trabalhos de grupo; não estarmos sempre calados e não estarmos sempre com os professores

  Maria S –  O que pode aumentar a  liberdade da nossa vida de estudante é ter autonomia nos trabalhos, escolher os pontos do programa…

AndréHá escolas em França em que podemos participar na vida real, por turnos: aprender a cozinhar, lavar a loiça, tratar da horta, ter animais….

OE – Para aumentar a comunhão com a Natureza poderíamos restaurar o nosso pinhal e transformá-lo num espaço de convívio feliz com os animais…

Alexandre SEu podia trazer porquinhos vietnamitas, galinhas com pintainhos… e duas cabrinhas.

André (Convidado) – Eu trazia uma ovelhinha e coelhos do Meco.

Maria S – Eu trazia pássaros coloridos. O Pinhal ajuda-nos a ser mais rústicos e a ter ideias para escrever.

Maria S, Alexandre S e André (Convidado) 

Print Friendly

Um Cãozinho no Acampamento

'Camping On The Coast' - Anglesey

Kris Williams via Compfight

        Era uma vez uns meninos que iam acampar. Eram o João, o Pedro, a Maria e a Matilde. Iam passar as férias de verão a Cuba.

     Quando chegaram, montaram a sua tenda numa mata verdejante, á beira do mar das Caraíbas.

     Ao anoitecer, ouviram um barulho esquisito e tentaram averiguar.

    Descobriram, num tronco oco de uma árvore um cão pequenino, de pelo branco curto, de orelhas caídas, a ladrar, muito aflito.

     A Maria é que o encontrou primeiro: os rapazes treparam à árvore, mas o Pedro caiu, só o João é que chegou até ao buraco do tronco.

     Quando o João tirou o cão  do buraco, ficou muito contente, e numa aflição que podia ter caído, mas correu tudo na perfeição. E os miúdos gritaram de alegria.

     Depois era a hora de ir fazer surf: estavam numa excitação! Gostaram muito de fazer aquelas manobras. Foi uma loucura e muito divertido.

     Passado dois dias tinham de ir embora. Estavam tristes por terem de deixar o acampamento, mas no fim ficaram contentes por saberem que o cãozinho ia com eles.

 Mariana C 6A

Print Friendly

Um Dia em Paris

Finding Nemo the Musical

Creative Commons License Joel via Compfight

     Na 6ª feira, dia 7 de Abril de 2017, fui para Paris. O meu voo foi às 5h 00 da madrugada. O avião em que eu fui era da TAP. Como o horário de Paris é diferente do nosso, cheguei lá às 7h 00 da manhã.

     Assim que cheguei ao hotel – que se chamava Premier Inn, fui pôr as malas no meu quarto. O número do quarto era o 205, portanto estava no 2º andar e localizava-se à esquerda, pois o último algarismo do número 205 é 5 e 5 é um número ímpar.

     Bem… já me estou a desviar do assunto. Continuando…

     Saí do Hotel e fui para a Disney. Mas, é claro, estou a falar da Disney de Paris. Voltando ao que interessa… Ah, já sei onde ia… Assim que entrei na Disney, fui logo para um divertimento que eu escolhi de livre vontade. Claro que o que eu escolhi foi o meu preferido, que é… o divertimento do Nemo!

Constança G, 6C

Print Friendly

Nas ondas da Nazaré

Résultat de recherche d'images pour "onda gigante nazare 2016"

     Imagem: Praia do Norte

     A Amizade, essa força insuperável que transforma as nossas vidas, enrolou o seu laço fiel em torno dos seis destinos destes jovens inseparáveis: Lourenço, João, Manuel, Maria, Maria, Federica e Matilde. Aquelas férias da Páscoa seriam as mais aventurosas, entre altas ondas, na praia da Nazaré. (OE)

     A Francisca, a irmã mais pequenina da Federica, não podia ir, porque nesse sítio havia muitos ladrões e animais ferozes, (1- Francisca 3º ano) o famoso “Sítio da Nazaré”, onde se formam as ondas maiores do mundo! Era muito, muito, muito, perigoso: dizia-se que, uma vez, de repente, a Nazaré ficou inundada de água, pois uma onda gigante desabou sobre a própria cidade! (2 Tomás 3º ano).

      A Maria  era uma rapariga loira, alta, com olhos azuis, (3 –  Maria B, 6B) os seus cabelos ondulavam ao vento e refletiam o sol, como fios de ouro, quando o vento quase a fazia voar da prancha, nas altas ondas da Nazaré. Elegante, morena do sol, era uma jovem esfuziante de entusiasmo e parecia ter uma energia inesgotável.

      A Maria gostava muito de um rapaz chamado Manuel, que era moreno, baixo, com olhos verdes, cor das belas florestas verdejantes, e um belo rosto (3 – Maria B 6B) salpicado de sardas que lhe davam um ar maroto e atrevido. O seu amor era interminável, e embora ainda não o soubessem, iriam continuar juntos para o resto da sua  vida. (3 – Maria B 6B)

      O Lourenço era ruivo e tinha caracóis, era um pouco baixo, mas muito querido. Era uma pessoa com muita paciência para os outros; gostava muito de João, Maria, Maria e Federica. Eram muito amigos e adoravam aventuras, como descobrir tesouros ou perseguir ladrões.

     O Lourenço era o namorado fiel da Federica; o João era o namorado perfeito da Maria M, e o namorado inigualável da Maria B era o Manuel.

     Maria tinha ainda uma irmã mais nova, que era a Francisca. Como ela era mais pequena, não podia ir, pois tornava-se perigoso. Lourenço era um atleta de alto escalão, João praticava surf e era já um surfista de alta competição, Manuel jogava ténis e muito bem.

      Quando acabaram as aulas, decidiram ir acampar para o “Sítio da Nazaré” porque o João ia entrar num campeonato de Surf. (4 Federica).

     A Maria M era uma rapariga morena, muito bonita, que namorava o João. A Federica era a rapariga perfeita para o Lourenço, com a sua bela cabeleira muito volumosa, (5 Maria M) que fazia lembrar uma princesa do Oriente.

      Nessas férias, os seis amigos foram acampar para uma floresta, na véspera de o João ter a sua prova (5) face às temíveis vagas. Na floresta onde acampavam os seis amigos, brilhava um sol intenso, erguiam-se pinheiros altos, cheios de pinhas castanhas (1 Francisca, 3º ano), que por vezes, caíam, mesmo na cabeça dos rapazes, para grande gozo das meninas.

      À noite, junto da fogueira, estavam a comer marshmellows com chocolate, espetados em pauzinhos, enquanto observavam estrelas maravilhosas. A Maria, a Maria e a Federica, exclamaram ao mesmo tempo:

     – São 3 estrelas… não, quatro… não, dez! Sim, de certeza que são dez! (Francisca, 3º ano). E assim, contando estrelas douradas, os seis amigos apreciavam a maravilha da noite cantando, em sua honra, um hino improvisado das “Super-Heroínas”.

Texto escrito a quatro mãos com dois colaboradores do 3º ano.

Maria M, Maria B, Federica e OE 

Print Friendly

Férias em Espanha

Mallorca Strand Cala Llombards

Creative Commons License dronepicr via Compfight

        Estas férias fui a Mayorca, de barco. Fiquei numa casa. Estava eu a carregar um garrafão de água, quando tropecei, bati com a cabeça na parede!

       Fui à praia, mas começou a chover e vi as pessoas a irem-se embora da praia.

        Depois voltamos para casa, mas o meu pai esqueceu-se de pagar o estacionamento. Então ficamos à janela, a ver se vinha a polícia, mas não veio.

Imagem: Ask Beach

       Um dia, fui a uma praia que era em Fromentera: “illetes”; tinha línguas de areia e o meu pai queria chegar até ao fim, mas era muito longe. Então, nós desistimos, e o meu pai foi sozinho até ao fim, tirar fotos. Como ele nunca mais chegava, eu fui ao topo de uma montanha de areia e vi o meu pai. Perguntei se ele queria água, mas ele disse que não.

        Entretanto, quando estava a andar, vi uma senhora com um fato de banho e disse à minha mãe:

       – Quero este fato de banho!

      A senhora olhou para mim e riu-se: ela era Portuguesa!

      De tanto andar, fiquei com calor e fui jogar à bola para dentro de água com o meu irmão. Apareceu um peixe enorme e o meu irmão disse para eu sair dali. E eu perguntei porquê.

      – Estava ali um peixe gigante. Quando foste buscar a bola ele passou por mim e passou por ti. Não o viste?

      No dia a seguir, fui a uma praia onde havia pessoas a nadar, mas a água estava cheia de alforrecas venenosas. Então, não fomos a essa praia, fomos para outra.

Carolina N, 8D

Print Friendly

Enigmas de Salamanca

Imagem: Denibatista Flickr Creative Commons

     Eu gostei muito dos meus presentes, mas o que mais gostei foi de um jogo para a Nintendo.

     Gostei imenso de ir a Salamanca.Lá havia muitas igrejas, tão bonitas, tão incríveis, que nem sei explicar.

     Na velha Universidade, descobri uma rã em cima de uma caveira; essa rã era especial, dizem que a pessoa que conseguir encontra-la sem ajuda de ninguém terá muita sorte para o resto da vida.

    Também descobri um astronauta numa Igreja muito, muito antiga e fiquei a pensar como é que eles esculpiram aquilo, se nem sabiam o que era um astronauta ou se alguém do futuro lhes tinha deixado a sua marca…

     Eu adorei o Ano Novo: fui a casa dos meus vizinhos. O pai deles disse-nos para não atirarmos serpentinas para cima dos carros estacionados, mas nós atiramos à mesma! 

(Imagem: Misterio Desocnocido)

Carolina C, 5B

Print Friendly

O Natal Maravilhoso

     

Imagem: Quinta da Torre

      Este Natal foi incrível.

     Na primeira semana das férias fui para casa do meu avô que vive em Óbidos. O meu avô tem uma quinta enorme. Eu vou lá com as minhas irmãs a um estágio de cavalos que se chama Ceia (Centro Equestre Internacional de Alfeizerão).

Imagem: Quinta da Torre

     Eu ia de manhã, limpava alguns cavalos, almoçava e, à tarde, ia montar um cavalo chamado Saturno. Era branco, de crinas compridas, gostava de festas; davamos-lhes biscoitos próprios; ele adorava andar a trote.

     O meu avô tem um cavalo chamado Tafetá e, num sábado de manhã, fomos passá-lo à Guia, para ele se habituar a ser montado pela minha irmã. No Sábado, celebramos o Natal com o meu Avô.

     No Domingo, voltei para casa e celebrei com a Família da minha Mãe. Recebi presentes espetaculares: um cartão da Decathlon com dinheiro lá dentro, um casaco muito giro, uma caixa cheia de materiais de artes, uma caixa de brilhantes com dez cores, entre as quais um tom de salmão… A Mãe fez anos no dia 28 e dei-lhe um marcador que é como um livro que se tem de enfeitar, fazer um buraquinho, passar uma fita.

     Na passagem de ano eu fui para o paredão ver os foguetes e bebi champomix. Estas férias foram muito giras. Ninguém diria que iam ser assim tão fantásticas.

     Desejo a todas as pessoas do mundo que este ano corra tudo bem e com muitas felicidades.

Isabel S, 5D

Print Friendly

Um País Novo

Kamel

Creative Commons License Nicolas Schabram via Compfight

     Este verão foi inesquecível: conheci um país novo!

   No meio das férias, soube que íamos para África. Eu e as minhas irmãs, como gostamos sempre de saber para onde vamos, resolvemos espreitar o papel que dizia o nome do país. Mas não percebemos qual era! Pensámos: Ibiza, Ásia, ilhas super giras… mas afinal descobrimos que era Marrocos!

    Adorámos, quando soubemos que íamos para África! Naquela noite, não consegui dormir nada de tão ansiosa!

     Fizemos as malas e os nossos avós foram-nos buscar para irmos para o aeroporto. Demoramos imenso tempo na fila do aeroporto.

     A viagem foi linda: a vista era magnífica – o Mediterrâneo era muito azul e havia nuvens brancas e fofas.

     Toda a semana eu tive de pedir para andar de camelo e também fazer a tatuagem de Hena: todos os dias pedia para ir, até que fomos todos andar de camelo.

    Primeiro assustei-me e desatei a correr, de medo, mas depois já não tive medo. E no dia seguinte, o último, o dia de vir para Cascais, fui fazer a tatuagem de Hena.

Margarida C, 5A

Print Friendly

A Praia

   Boaventura

Don Amaro via Compfight

     Nas férias de verão, eu fui à Madeira com a minha Mãe. Andamos de avião durante duas horas e meia, para irmos até lá. Chegamos à Madeira e fui logo à piscina do hotel.

     Passados dois dias, fui fazer um Cruzeiro, num grande barco de turismo, para Porto Santo. Vimos, em Porto Santo, imensas pessoas vestidas à moda da Madeira. Comprei uma violeta da Madeira e outras flores.

     Na praia da Madeira havia ondas e eu mergulhava nelas. Na praia havia rochas com peixes muito pequeninos. Quando eu mergulhava, via muitos, todos a nadar à minha volta. A areia era grossa demais para tomar banhos de sol. As pedras eram pequenas, as rochas estavam com muitos peixes à volta e eram tão pequenos que pareciam ser cinquenta ou mais!

     No hotel, à noite, as pessoas vestidas à moda da Madeira, vinham dançar e convidavam os hóspedes. Eu também dancei. Traziam pandeiretas, flautas e bombos.

     Nas férias, eu gostei muito de ir à madeira e de ter dançado. Foi mesmo giro e não vou esquecer!

Mariana C, 6A

Print Friendly

Notícias de Paris

We'll always have Paris...

Sorin Popovich via Compfight

Paris, 26 Outubro 2015

     Queridos Pais,

      Paris é uma cidade muito bonita, cheia de coisas maravilhosas. Hoje vamos visitar o museu do Louvre e ontem subimos à torre Eiffel: lá de cima vê-se tudo!

     A parte mais fixe foi a ida á Disney: vi o Mikey, a Minnie,  o Pato Donald e fui à montanha russa. 

    Amanhã já estamos juntos para matar as saudades.

Mariana

    PS – Perdi o telemóvel.

Paris, France

Creative Commons License Alejandro via Compfight

     Em relação á minha experiência em Paris, considero que há realidades agradáveis e outras desagradáveis.

     Por um lado, as coisas boas são as paisagens, os monumentos e a beleza natural dos jardins.

     Por outro lado, por vezes é insuportável a poluição do trânsito e o ruído nas ruas; também há muita gente nas filas; por exemplo, na pirâmide do Louvre e na torre Eiffel.

     Mas para além disso, nada se compara à moda de Paris e à deliciosa comida, como as baguetes, os croissants e os crepes.

Maria M, 5 e 6 B

Print Friendly

Momentos Especiais

blue light autumn

Creative Commons License frederic gombert via Compfight

     De entre os 120 meses que vivi, tive muitos dias especiais!

   Este ano fui passar férias à terra da minha avó, perto de Viseu e conheci pessoas novas muito queridas que vivem em sítios muito bonitos: Algarve e Alentejo! Têm familiares onde vive a minha avó e conheci-os lá.

     Outro momento foi muito especial, porque estive com as minhas amigas. Para mim, uma das coisas mais especiais é estar com as minhas amigas! Convidei-as  para o Bounce: saltamos, demos mortais, cambalhotas, tantas coisas divertidas!

     Elas foram lá dormir a minha casa e fizemos frasquinhos com cor para decoração, barro também e pulseiras. Depois vimos um filme “A Barbie de Férias” e fomos dormir.

     No dia a seguir, acordamos, tomamos o pequeno almoço, fomos ao Parque e, logo a seguir, andamos de baloiço, de escorrega, e até subimos sozinhas ao cimo da rua!

     Na minha festa de anos, tinha uma bola espelh0os, pintamos as nossas próprias camisolas, o meu bolo foi de chocolate e era um Minio. Com a minha amiga Federica, inventamos uma dança muito gira e mudamos uma parte de uma música. 

Maria B, 5B

Print Friendly

Verão Espetacular

Gulls on Lake Michigan

Creative Commons License USFWSmidwest via Compfight

      O meu verão foi espetacular! Fui á praia: as ondas baixas, as gaivotas á procura de peixe, era uma maravilha. E ainda por cima foi no Bombarral.

      Mas o meu problema é que eu só queria ir para a Escola. Os meus pais puseram-me na Oficina de Escrita: é ótimo! Ainda por cima tenho a professora Inês.

      A Primária era a melhor coisa da minha vida. E antes, a minha Mãe puxava-me pelo carrinho de bebés. A minha Educadora era a Amélia e as minhas bochechas eram tão fofas, pareciam peluches.

    Desejo aos colegas que cada dia seja melhor.

Francisco M N 5A

Print Friendly

Ghostly, o Terrífico

Halloween Doodles

Iva Wilcox via Compfight

     Primeiro dia de Halloween em Portugal. As coisas assustadoras irão acontecer, ah ah ah!

     Um homem que vivia em Nova Iorque era o homem que teve a ideia do Halloween: chamava-se Ghostly.

     O Ghostly, em Nova Iorque, no dia 31 de Outubro, em 1900, foi mascarado do pior palhaço que podia haver no planeta Terra, porque tinha dois caninos de vampiro. Outro homem que também vivia em Nova Iorque, tinha medo dos palhaços. Então decidiu denunciar o Ghostly.

     O Ghostly não tinha comido desde o dia 1 de Outubro de 1900, o dia em que ele foi vampiro e começou a estar obcecado por um grupo de palhaços. Então, como ouviu que o homem ia fazer uma denúncia, o Ghostly atacou e deu-lhe uma mordidela tão forte que ele disse: “Polícia!”.

     A polícia não ouviu e estava ao fundo da rua a beber café. O homem medricas foi lá fazer a queixa e o Ghostly foi preso, às 23 horas, quando todas as pessoas iam fazer “doce ou travessura”  e à espera que o Ghostly os assustasse.

    Ghostly ficou preso trinta anos. Então pensou para si próprio: “Eu não vou arriscar mais aqui a minha vida. Vou para o país mais pequeno do mundo: Portugal – e assustar as criancinhas.

     Nos anos seguintes, o Halloween nunca foi abandonado por Portugal, só por Ghostly que tentou concretizar o seu sonho, que era todos os países festejarem o  Halloween.

     Em Portugal, no ano 2016, foi quando houve mais pessoas a mascarar-se e a assustar as crianças e até os adultos.

     Vais a “Doce ou Travessura” e quando bateres na última porta, alguém vai-te dizer uma coisa tão assustadora que tu não vais conseguir voltar para casa.

     Vais ficar numa casa, o nº13, onde estará uma velha que te vai dar todos os doces que irá haver na mesa. E quando fores embora, vais ouvir dizer: 

       – Espera.

Vais virar as costas e a velha vai tirar a máscara: é o Ghostly, que neste dia, decidiu assustar-te a ti.

    Atenção, atrás de ti pode estar o Ghostly.

Sofia L, 9C

Print Friendly

A Praia mais Bonita do Mundo

     Baia dos Porcos

Creative Commons License guilherme jofili via Compfight

     Passadas as minhas férias em Pipa, eu e o meu tio decidimos ir para a ilha Fernando de Noronha, porque o meu tio fazia anos.

    No dia 1 de Setembro, foi quando eu parti de Natal para ir para a ilha maravilhosa; chegamos ao aeroporto, e, como estávamos com fome, comemos pão de queijo.          

     Passada uma hora, estava em Fernando de Noronha! No dia seguinte, fomos, eu e o meu tio, fazer um passeio pelas praias mais bonitas de sempre! A praia a que eu mais gostei de ir foi à “praia mais bonita do mundo”: Praia do Sancho“! E as coisas de que eu também mais gostei foram uma água transparente, de fazer snorkelling e de ver os animais: golfinhos a saltar lá ao fundo, tubarões…. logo de manhãzinha, vi peixes de várias cores, raias e tartarugas.

ze_henrique_moura_praia_sancho

Autor: Zé Henrique Moura

       No dia seguinte,  fui fazer um passeio de barco, apra conhecer melhor os animais debaixo de água e ver um pôr do Sol fantástico.

      No dia em que viemos embora, fiquei muito triste, mas teve que ser. Então, chegamos a Natal e fui para Pipa outra vez.

Lourenço C, 6B

Print Friendly

Inglaterra

_DSC5411_DxO

Alexandre Dolique via Compfight

      Fui visitar os meus padrinhos. Foi muito giro mas não fiquei assim tão entusiasmado quando cheguei: o clima não ajudou.

      Quando  cheguei, vi os bebés gémeos da minha madrinha: eram tão fofos que apetecia apertar aquelas bochechas!

the london eye

Creative Commons License Kai Lehmann thank you for +850k views via Compfight

     Mas fui jogar no meu “telelé”. Depois, fui passear e vi muitos monumentos, como o Big Ben, a Tower of London, a Tower Bridge, o London Eye. Vi Legoninjago na televisão.

Miguel M, 5A

Print Friendly

Acontecimentos Inesquecíveis

teleferico_miguel

Imagem: ClicRBS

     Este verão Andei de Teleférico: a vista, lá de cima,  parecia que o meu  carro era de um rato!

    Eu até tocava nas nuvens!

    O único problema é que estava gelado!

   Fiquei com montes de fotos.

transferir

Imagem: Picos de Europa

    Disneylândia: foi a primeira vez que eu andei de avião, foi fantástico!

    Só via nuvens! Aprendi que havia três camadas de nuvens: e só estávamos em cima da primeira.

     A Euro-Disney foi espectacular, principalmente na Disney Studios. Na DisneyLand, a maior parte das diversões estava em remodelação.

 

Miguel M, 5A

 

 

Print Friendly

Parecia Voar no Céu!

   Trek bike

Jim via Compfight

      Eu aprendi a andar de bicicleta  este verão, pois todos os meus amigos já estavam a andar e eu tinha de ir de trotinete. Então, eu cheguei ao ponto em que estava farta e decidi aprender a andar. Quando tentei, consegui logo e soube-me tão bem! Parecia que estava a voar no céu!

      No meu Campo de Férias, eu diverti-me imenso, mas a melhor parte foi quando descobri que a minha amiga Carolina estava a namorar com o Rafael, um menino francês. Eles eram perfeitos um para o outro, mas tiveram que acabar pois o Rafael tinha de ir outra vez para França, porque as férias tinham acabado! Nós ainda tivemos uma ideia, mas eles não quiseram.

    Eu gosto imenso do 5º ano, acho que é mais fácil do que eu pensava e espero que  as pessoas da minha turma achem o mesmo.

Carolina C, 5B

Print Friendly

Uma Emoção Viva em Mim

    hotel-aquashow-park-quarteira

Imagem – Aqua Show Park Hotel Quarteira

     Este verão fui ao Algarve com a minha família. A praia estava óptima e a água quente. Fiquei num apartamento que tinha piscina: eu ia lá todos os dias!

    Um dia antes de me vir embora, fui ao Aquashow de Quarteira: andei numa Montanha Russa de água; no final saltava água para cima de nós e das pessoas que estavam numa ponte. Senti uma emoção de aventura que ainda hoje está viva em mim!

   Passado algum tempo, encontrei uma amiga e passei para uns escorregas coloridos em que encravei a meio! Após isso, fui a outro escorrega que era a “Anaconda”: era tão escuro que não se via nada!

     No fim, fui andar de aviões que se viravam ao contrário. Tinha a sensação que ia cair e vomitar: era estranho mas giro!

Maria B, 6B

Print Friendly

Uma Semana em Cheio!

    Douro sunsetCreative Commons License Artur Tomaz Photography via Compfight

  Num dia de verão, eu e os meus pais fomos andar de barco no rio Douro. Estávamos com os meus primos italianos. Começámos por fazer uma aposta que era ver quem conseguia ir mais longe sem colete.

     Começamos a corrida e quem estava em primeiro lugar era o meu primo: ele é um ótimo nadador! Como já percebemos, ele ganhou.

Jump!

Creative Commons License Fabrizio Sciami via Compfight

    Depois fomos comer umas pataniscas em forma de bolinhas. A seguir, atiramos o meu tio para o rio, ele estava quase a matar-nos: fugimos todos do meu tio.

     No dia seguinte, andamos de ski e de bóia. O meu tio andava muito rápido e eu estava sempre a cair ao rio. Foi uma semana em cheio!

Federica, 6B

Print Friendly

Às Voltas no Slinky

afonso_paris

Imagem: Paris  Vacation

     Um dia fui a Paris, no avião. Eu assustei-me quando começou a levantar, depois até adormeci!

      Daí a pouco acordei sobre Espanha: almocei batatas fritas, vi tudo, amei. Cheguei ao hotel: foi lindo! Depois fui para a Disney lanchar; andei em várias atrações. A Disney era grande, estava cheia de brinquedos, eu queria todos! Fui a quase todas as atrações: Slinky, Stich, Marretas…

Slinky Dog and Woody in the Paint the Night parade

Creative Commons License Ruth Hartnup via Compfight

     Andei às voltas no Slinky,pensei que  ia vomitar, o slinky não gosta de mim…

Afonso S, 5C

Print Friendly

A Viagem Fantástica ao Douro

       sofia_douro

       No sábado fui ao Douro andar de barco.

      Na viagem do autocarro houve muitas curvinhas enquanto estávamos a apanhar todas as pessoas de terra em terra.

     Nós entramos no barco às oito horas e saímos às dezassete horas.

     Durante a viagem, vi muitas casas; uma delas fazia um passeio para chegar ao rio. Então tinha uma mini praia privada.

sofia_vinhas

Imagem:Douro.com

     A floresta era magnífica: mas a pena é que por causa dos incêndios, algumas árvores estavam queimadas. Mesmo assim, apreciei os tons das cores das árvores., o ar puro e saudável para a saúde, a calma que o rio tem, sem nenhumas ondas.

     Apreciei ao longe as vinhas; estão plantadas em socalcos, para que todas apanhem a mesma qualidade de sol e que nenhuma fique prejudicada.

     Durante a viagem, havia música para as pessoas dançarem, comida deliciosa,como, por exemplo, um bolo de chocolate.

nossa_senhora-dos_remedios

Imagem: Nossa Senhora dos Remédios

     Visitámos um Santuário construído no cimo de uma elevação com uma escadaria com mais de 600 degraus. No interior, admirei as imagens de santos.

Adorei a Viagem!

Sofia L, 9C

Print Friendly

Uma Recordação para a Vida

Pêche du soir

Christian Arnal via Compfight

     Nas minhas férias as coisas que me fizeram muito feliz foi ter passado muito tempo com as pessoas de quem gosto: o meu pai, a minha mãe, e a minha irmã mais velha.

     Eu fui muitas vezes à praia até um dia o meu pai comprou-me uma prancha, e eu fui logo correr para as ondas; tentei pôr-me em pé como os surfistas profissionais, mas óbvio que não consegui. O meu pai foi lá e começou a ajudar-me.

JaxBeachPier_12-27-15-1897

Creative Commons License Rob Bixby via Compfight

     Ele ensinou-me que eu não me posso pôr em pé, pois a prancha podia partir-se e também que só era preciso pôr-me deitada e as ondas tratavam do resto; depois de algum treino, conseguia, mais ou menos, fazer bem!

Big Seas

Long Road Photography (formerly Aff) via Compfight

     Só que um dia, estava um dia tão bonito e refrescante que eu decidi ir ver as ondas: estavam uma bomba! Eram enormes! Por isso fui chamar a minha família, até os meus avós foram e todos fizemos uma recordação para a vida!

     Eu senti que não havia família melhor e senti que o meu lugar era ali!

Carolina M, 5D

Print Friendly

As Melhores Férias

barco_douro1

Imagem: Cruzeiros pelo Douro

     Estas férias fui descer o rio Douro de barco, durante a semana. Partimos do Porto: a vista era linda, só se via verde! À hora de almoço, parávamos para almoçar.

     O que eu gostei mais foi de subir e descer as barragens com a Família.

     À noite ia para o hotel ou para uma casa, jantar e dormir.

cruzeiro-douro-12

Imagem: Douro.com

     No dia seguinte, punha-me no barco e continuávamos o caminho. No último dia estivemos numa casa que parecia de bonecas: tinha uma piscina, um jardim maravilhoso e um cheiro óptimo.

     Fomos a uma quinta em que se produzia vinho e estava muito bem arranjada. As vinhas estavam todas em linha e cheias de uvas.

foto_barcadouro_25302

Imagem: Douro.com

     Estas férias foram uma maravilha. Eu adorei estar com os amigos. Foi um máximo!

Isabel S, 5D

Print Friendly

O Verão trouxe Aventuras

sofia_equitacao_charneca

Imagem: Centro Hípico da Charneca

     Este ano, fui outra vez ao Campo de Férias da Pereira Coutinho; este foi o meu último ano, pois já fiz 14 anos.

     O que eu adorei foi andar de cavalo sozinha. A sensação é óptima e divertida! Havia uma altura em que eu pensava que o senhor estava a segurar as rédeas, mas eu olhava para o lado e não estava.

     Na parte da tarde, ficávamos na escola e jogávamos mata, volley, basquetebol… O convívio entre os adolescentes é óptimo, maravilhoso!

sofia_pedra_amarela

Imagem: Campos Sioux

     Na segunda quinzena, fui, pela primeira vez, aos Campos Sioux, na Pedra Amarela, perto do Pisão; é no meio do mato, come-se em mesas e bancos de madeira. Nós tínhamos de inventar e decorar um totem de madeira e dávamos um grito criado por cada tribo. Na primeira semana, foi o “Tugo Fox” e, na segunda, o grito era o “Sem Nome”.

    O ambiente era saudável, havia imensas árvores, com ramos cheios de folhagens espessas e verdes.

     Este ano consegui perder o medo de fazer arborismo, que há dois anos não tive coragem. Subia-se por umas pedras, chegava-se a um sítio alto onde havia árvores e começávamos a aventura: andando por umas passadeiras, saltando por pneus ou mesmo troncos deitados e, assim, andávamos lá no alto, por entre as árvores.

sofia_canoagem

Imagem: Pedaços de Aventura

     Fiz canoagem na praia dos pescadores. Este ano houve uma diferença e foi que ficávamos na praia até tarde.

     Fui ao zoo marine duas vezes: no 1º dia fui com a família mais próxima;  no 2º dia fui também com os primos todos. O que mais gostei foi dos escorregas: havia um colchão para duas pessoas e lá íamos ondulando para cima e para baixo, mas à nossa frente havia uma descida a pique!

     Fui uma semana para o Algarve em que fiquei num bungalow e os meus tios e avó noutro; lá havia três piscinas! Adorei sair à noite!

     Este verão trouxe-me novas aventuras!

Sofia L, 9C

Print Friendly

Férias 2016!

     Nas minhas férias, fui à praia, dei mergulhos e fiz bodyboard com amigos. Numa onda grande, enrolei-me e bati com a cara na prancha e numa pedra!Fizemos, os amigos e eu,  muralhas enormes e buracos grandes.

Barrel. Anglet.

Philippe Basset via Compfight

     Também estive no Gerês, onde fui andar de barco, na barragem. Fiz snowboard e descobri que, debaixo de água há casas e outras pontes.

vilarinho-das-furnas

Imagem: Vilarinho das Furnas

     Quando podíamos deixar a minha irmã Maggy em segurança, eu ia andar de bicicleta com o meu Pai. O que mais gosto é de passear de bicicleta na Serra de Sintra.

     Este fim-de-semana, o meu Pai já montou o conta-quilómetros na minha bicicleta e ainda vai pôr uns pedais de encaixe!

    

      Também fui a Espanha, almocei lá, fui à praia, e gostei muito de ir.

    E agora, um voto à Turma: desejo que toda a gente passe para o 6º!

Afonso F, 5D

Print Friendly

Churrascos ao Luar

zambujeira_do_marImagem: Visit Portugal

     Este verão, a minha Mãe fez anos e fomos ao Algarve. Vimos lá um jogo de Portugal, num restaurante.

     Estive na Zambujeira, no acampamento com a minha família.

     Fui a Espanha, fiquei 13 dias lá, em Conil de la Frontera. E agora, um voto à minha Turma:  eu espero que tenham todos um bom ano!

Vasco L 5C

Print Friendly

De Barco, até à Fuzeta

ilha_da_fusetaImagem: Sul Informação

     No verão, eu gostei de ir à Fuzeta todo o dia!

     Almocei lá, andei de barco: fui ao Algarve, andei num barco a motor que levava cerca de 20 pessoas, fui com amigos da família da Mãe e do Pai.

     A Fuzeta é uma ilha Portuguesa. Sentei-me ao pé de um café, depois fui à água e vi muitos peixes; o areal era muito fofo.

    E agora, um voto para a minha Turma: desejo que todos passem!

Afonso S 5C

Print Friendly

Verão na Austrália

     Estas férias vivi do outro lado do planeta: fui à Austrália!

australia_png

Imagem: Google Maps

     Senti que na Austrália há tudo: inverno e verão. Na primeira parte da viagem, apanhei o inverno em Melbourne, mas o hotel era ótimo e mais alto que a torre Eiffel: havia uma piscina lá em cima – “infinity” – e com a vista toda sobre Melbourne! 

uluru

Imagem: Crystalinks.com

    No deserto, vi imensas realidades diferentes, como um dos “monumentos” mais conhecidos da Austrália: a rocha Uluru, que era gigante. Dizem que é do tamanho do centro de Sidney. Os arborígenas não gostam que as pessoas subam a rocha; dizem que  quem subir fica amaldiçoado. Para subir é preciso agarrar numa corda, senão, cai-se e morre-se…

recife_cairns

     Imagem: Sun Lover

    Cairns é uma cidade onde está sempre calor; é um dos locais preferidos para passar férias, mas temos que ter cuidado com os crocodilos e os tubarões: cada praia avisa que pode haver. Também Cairns foi um dos meus melhores sítios, porque fomos ao recife de corais. Chegamos cedo e levava uma hora e meia para lá chegar; estava imensa vaga e vento. Chegamos e era um Paraíso: nunca tinha visto água tão transparente e tão limpa.

     Nós ficamos numa jangada apetrechada para nos vestirmos para mergulhar. Depois entramos dentro de água e aí foi lindo: eram peixes de todas as cores que possamos imaginar; os corais eram lindos; havia imensas anémonas que abriam e fechavam a boca e ainda o mais fascinante foi a tartaruga a nadar calmamente: era enorme, foi inesquecível!

     Em Cairns também fomos visitar um rio de crocodilos grandes. Fomos num barco, de onde também víamos cobras penduradas nas árvores que queriam atacar-nos. Os crocodilos eram assustadores; um bebé crocodilo é do tamanho de um lagarto grande; e não podíamos pôr as mãos fora do barco, pois os crocodilos rodeavam-nos. 

crocodile_cairn

Imagem: Hardley Crocodile Farm Cairn

     Em Apollo Bay, tudo era floresta tropical e água, onde também vimos baleias, mas naquele mar não se podia entrar, porque havia umas alforrecas mortíferas que matavam as pessoas em dois minutos. 

apollo-bay-aviation

Imagem: Apollo Bay Aviation

    Tomás G, 7A

Print Friendly

Muitos Amigos Diferentes

2016-05-06_15-40-32_ILCE-6300_4092_DxO

Creative Commons License Miguel Discart via Compfight

      Um momento que marcou este sétimo ano foi quando estávamos mesmo a começar o ano e vim com uma amiga ver em que turma tinha ficado e fiquei muito feliz, pois tínhamos ficado juntas! Íamos juntas até ao nono ano! Se o sétimo ano fosse um animal, seria uma girafa, pois é difícil de alcançar.

      Acho que mudei muito, pois o ano passado deixei de falar tanto com as minhas melhores amigas. Comecei o ano a fazer relações novas. E eu que era uma pessoa muito tímida, agora já não sou tão tímida. Foi a melhor coisa que me podia ter acontecido, agora tenho muitos amigos diferentes.

     Tenho segredos que nem eu sei. Como é que eu tive positiva a FQ! Não fiz nada para melhorar as notas, e subi-as! Ainda hoje estou para descobrir…

    Como o ano passado fui para o Campo de férias Milonga, não estive com a Família muito  tempo. Este ano vou compensar, como se fosse este ano e o outro. Gostava de ir viajar, vamos para Monte Clérigo, Vila Moura, Serra da Estrela, Belmonte.

     Adoro praia, mas só comecei a gostar o ano passado. Tinha medo dos peixes aranhas, ficava tapada com a toalha e a minha mãe atirava-me com baldes de água. Gostava de aprender a Surfar. Eu trocava sempre os pés quando tentei o ano passado…

      Acho que tenho de mudar imenso: um objectivo que gostava de alcançar era tentar a alimentação saudável, tentar ser vegetariana. Nós em casa bebemos leite de arroz, leite de amêndoa…Na escola, nós não temos de decorar as coisas, mas aprender.

     Quando estamos com os amigos somos só um, somos apenas nós. Podemos ser nós próprios. Precisamos de nos completar. 

     Sonhar acordado serve para imaginarmos, para ficarmos mais felizes. O adulto deve brincar com os mais novos, e deve ter sobrinhos. Não deve ter filhos, pois os filhos tornam-nos mais rígidos, mais secantes. Se formos tios, somos mais divertidos. O meu tio é assim. Ele brinca muito connosco.

     Gostar de alguém é quando sentimos que precisamos dessa pessoa, como, por exemplo, quando somos pequeninos, gostamos dos nossos pais, porque precisamos deles para tudo. Depois, quando somos crescidos, gostamos dos namorados e namoradas, porque precisamos deles, para ficarmos mais felizes, para falar, para entreter, para pensar e para nos sentirmos melhores.

Matilda M, 7A

Print Friendly

Com a Frescura da Nascente

inesqueciveis_97-98

Imagem: Oficina de Escrita

Verão de 1997:

Sofia Costa

Sofia Bost: “Uma onda monstruosa estava prestes a cair em cima de mim. Pensei que ia morrer, que a onda me ia cair aos bocados e, naquele segundo, a onda desabou sobre mim. Estatelei-me na areia, dei imensas cambalhotas e ia engolindo água…”

Madalena Garcia:”Estava um dia de sol e eu estava radiante para chegar, para ir dar um mergulho à praia. Ajudei o meu tio a guiar o barco, foi sensacional.”

Madalena Lagido: “… foi uma sensação em que o meu coração parecia que ia saltar pela boca, aquilo dava curvas e mais, e mais… o escorrega parecia não ter fim. Mas num abrir e fechar de olhos eu vi uma luz: olhei para cima e só vi azul…”

Francisco Seruya: “Enchi-me de coragem e mergulhei: foi uma sensação única, até parecia que estava a sonhar. De repente, abri os olhos e vi o mar transparente e um cardume de peixes dourados. ”

Tiago Lima:”Quando chegou a minha vez, quase desmaiei; o nadador salvador prendeu-me a bóia ao corpo e fê-la deslizar pelo escorrega; sentia-me horrível: a pista tinha curvas e mais curvas, até que… vejo uma luz lá em baixo: era a água com reflexos do sol.

        Onde estão os nossos alunos de 30 anos?

     Uns vivem em Londres, outros em Portugal; fazem cinema, arte, gestão e informática, psicologia…inventam uma aventura única com aqueles que amam.

      As suas palavras vibrantes de vida, recolhidas à entrada do 6º ano, na velha aula de Português,  ficaram abrigadas no “ouvido atento” da escrita. 19 anos depois ainda vêm inspirar as novas gerações, pois mantêm-se intactas no seu ímpeto de alegria e na sua frescura de nascente.

     Onde quer que estejam os seus autores, muitas felicidades!

OE

Print Friendly

Despedidas Felizes

despedidas_felizes

Imagem: Oficina de Escrita

     Quando tive 62% a Matemática, foi óptimo! O segredo deste sucesso pode até ter sido  não estudar para Matemática!

     Mudar de casa surpreendeu-me. Foi magnífico! Esta casa é diferente! O meu quarto é cor de rosa e o teto é branco.

    O que gostei mais de escrever foram textos de autobiografia.

    Quando estamos com um amigo, nós somos diferentes, principalmente se é o teu melhor amigo. Para mim, a minha melhor amiga é como uma mana; fazemos tudo juntas. Eu adoro-a. O mais cómico é que a minha melhor amiga está no mesmo desporto que eu: lindo! Nós adorávamos e, por coincidência, fomos as duas para a ginástica rítmica, aqui na nossa escola.

     A Professora Carla não nos dava sossego até chegarmos ao nível de competição. Todas as tardes, seguíamos das aulas para o Pavilhão, com o lanche de artista e os tpc da escola. Mas os tpc esvoaçavam pelo ar enquanto fazíamos os exercícios de aquecimento.

     Eu tive de sair por algum tempo, devido a um grande problema no pé, mas isso não nos impediu de rir e estar unidas. Mas houve um dia, antes de eu sair, que a Francisca veio triste para a ginástica, porque tinha de ser operada a um pé.

     Tudo passou: voltaram os dias risonhos, os treinos em esforço, a vitória em figuras difíceis. O campeonato estava às portas e demos o nosso melhor. Foi um sucesso!

    Os meus programas para este verão são ir a Madrid, jogar padel e estar com as pessoas que mais amo.

    Para sermos capazes de amar melhor este verão, devemos não pensar no que os outros dizem; contar apenas com o amor: ele é o resultado das relações e da amizade. Não te preocupes, segue em frente.

    Os meus votos para o verão 2016 é que os professores e alunos continuem de saúde, nadem muito, estejam connosco, sejam felizes. E que a turma do 6C fique junta para a nova etapa!

Sara M, 6C

Print Friendly

Viagens com Pais e Irmão

Fortaleza_do_Queijo

Imagem: Autoria de Alegna13

      Com os Meus Pais e Irmão no Porto…

     Quinta-feira, eu meus pais e o meu irmão fomos para o Porto, mas antes do Porto, passamos pelo Restaurante Vida, apoveitamos e almoçamos…

     Depois fomos à fábrica de calçado, e depois é que chegamos ao Porto – Hotel Bessa, mesmo em frente ao estádio do Bessa (Boa-Vista)…

     Entretanto fomos pôr as malas ao apartamento e mais à frente fomos ao Bessa Hotel até ao Castelo do Queijo a pé, mas ainda passamos pelo Parque da Cidade… foram 6 km!

     Anoiteceu, a partir daí entramos no taxi e voltamos…

    Amanhã vamos a Braga e a Guimarães, são as duas melhores férias do Universo.

[…]

    Braga é uma cidade linda!

     Pois é um local de forte preponderância religiosa… também foi a primeira vez que visitei Braga. Não chegamos a ver o Bom Jesus… tenho muita pena por não ter visto. Dizem que é muito grande…

Carolina F, 6C

Print Friendly

Férias no Brasil

0646970d6198e5fc40f8d636f1c783f4

Imagem: Pousada dos Girassóis

     No primeiro dia de férias, acordei logo às quatro da manhã, para ir viajar para o Brasil, na cidade de S. Paulo.

     Quando cheguei lá, fui para casa dos pais da minha madrasta, porque, no dia seguinte, ia viajar 5 horas e meia de autocarro.

SubportaisImagem

Imagem: Rio Preto on-line

     Quando cheguei a S. José do Rio Preto, fui logo direto para casa do meu Pai. Nesse dia, fui logo comer churrasco.

     No dia seguinte, faltavam dois dias para o meu aniversário e eu estava muito ansioso. E, finalmente, dia 21, à meia-noite, fiz 10 anos, e recebi muitas prendas.

     Passados dois dias, era véspera de Natal, houve jantar de família, e depois eram 2h 20m da manhã e fui para casa, porque depois tinha de acordar às 4 da manhã para ir embora de S. José de Rio Preto.

     Eram 6 da manhã, entrei no avião, fui direto para Brasília, depois fiquei umas horas no Aeroporto e fui para Natal que era o meu destino.

     Mas depois ainda faltava uma viagem de uma hora que era para Pipa. Então, cheguei à Pousada dos Girassóis do meu tio.

     No dia seguinte, fui para a praia, tal como nos dias seguintes. Até que chegou a noite de Ano Novo. Só fomos jantar às 12h e começamos a ouvir fogos de artifício.

     Passados alguns dias, vim-me embora para Portugal.

Lourenço C, 5B

Print Friendly

A Minha Despedida do 6º Ano

Ines_Nokas-You_Tube

Imagem de Ines Nokas

        O que adorei este ano e foi muito especial para mim, foi estar com os meus amigos e fazer brincadeiras malucas: passamos muito tempo a conversar, às vezes dançamos e outras cantamos. 

    Quando estamos com os amigos, unimo-nos como se fôssemos um. Não estamos sós, porque estamos com um amigo e um amigo é muito especial.

    Surpreendeu-me ter fãs no youtube, pois tenho já 13 subscritores, em dois meses e pouco, no meu canal.

     Queria conquistar mais subscritores e continuar com a minha turma… estes votos parecem impossíveis, mas em parte dependem de mim: posso ter mais qualidade nos meus vídeos, melhorar o som, a maneira de falar e editar melhor as imagens.

     Eu poderia fazer um esquema antes de começar os meus vídeos. Assim a construção das frases seria mais perfeita e comunicava melhor.

     Na Oficina de escrita, eu poderia recolher ideias para aperfeiçoar o meu canal e ajudar a Stora a fazer vídeos de escrita criativa. Vamos colocar um frasco bonito para coleccionar as sugestões dos colegas quer sejam youtubers ou não.

      Em relação á turma,  depende pouco de mim, os professores têm de escolher as turmas e não podem ser iguais. Mas podemos ficar com os melhores amigos. Eu escolhi a Adriana e a Raquel, não sei se o Diogo poderá ficar.

    Este verão, vou à praia de Carcavelos, e à piscina da casa dos meus avós, na Costa da Caparica e vou-me livrar um bocadinho da Escola.

        Se eu fosse um animal, eu seria um golfinho, porque os golfinhos são inteligentes e muito brincalhões dentro e fora de água.

    Espero que o nosso verão corra muito bem, que seja muito divertido e que as pessoas que não são youtubers criem um canal para poderem fazer mais amizades.

Inês M, 6C

Print Friendly

Perspetivas de um Jovem Filósofo

joao_rego_7B_novo_frame

Imagem: da Oficina de Escrita

     O momento marcante do meu 7º ano foi o toque de saída, multiplicado alguns milhares de vezes;  todos juntos dão um momento inimaginável em que saboreio a Liberdade na Escola. O toque que irei gostar mais será o último de nove de Junho.

    Um segredo sobre as notas: em Francês, o meu sucesso deve-se a ter um avô que sabe falar francês!

      Se o 7º ano fosse um animal, seria um leão-marinho, porque é muito gordo e nós temos muito que estudar.

     Sonhar acordado serve para nos distrairmos nas aulas, para termos um filme invisível à nossa frente. Leva-nos para o nosso mundo, o mundo da imaginação, sentimo-nos bem. Sai a maldade de dentro de nós.

      Se não fosse a Strª Marina Santos, eu provavelmente, não estaria neste caminho e não teria as notas que tenho agora. Ela puxou-me, falou várias vezes comigo, incentivou-me. Sim, ela merece um magnífico obrigado!

     Uma conquista deste ano, foi ter conseguido desenvolver mais amizades. Ganhei mais competência em controlo, tentei não fazer tantos conflitos e ter mais calma.

     As meninas bonitas, com um coração lindo, linda pele, lindo cabelo e lindo corpo, são uma mudança que me surpreendeu.

     Os meus projetos para este verão são brincar muito e jogar. Vou estar num resort em Portugal; vou encontrar-me com uma jovem senhora; vou muito à praia, mas o que mais prefiro é piscina. Estamos mais à vontade, não é preciso seguir tantas regras. O mar é mais difícil, o mar puxa e vamos ter a Marrocos.

      No meu horizonte está a minha nova casa, a estrear em Setembro. À noite fica escura, fica um pouco assustadora, mas vou gostar muito de estar no meu quarto.

      “A vida não é a nossa morada, é o nosso navio”, porque a vida tem muitos altos e baixos como um navio quando está no mar, dentro de uma tempestade; o navio segue uma direcção que é o seu objetivo, tal como a nossa vida tem o seu. Ele depende de cada pessoa que é, mas ao fim, tudo se interliga: os rumos de todos os navios irão dar ao mesmo porto? Um dia, sim.

    Sê bem-vindo, verão 2016, espero que nos tragas coisas boas, e também más. Com as coisas más aprendemos com as nossas escolhas, com esses erros e vemos a vida de outro modo.

(Ditado)  João Rego 7B

Print Friendly

Brinquem no Mundo Todo!

'Floating', Australia, Queensland, Cairns

Chris Ford via Compfight

Momentos marcantes do 5º Ano

    JP As minhas brincadeiras e os castigos que marcaran os meus disparates.

DN – A festa do Final de Período.

Dificuldades na vida de Estudante

JP A concentração, com as dificuldades que nos desconcentram.

DNTermos que estudar fechados no quarto para temos boas notas.

Se o 5º ano fosse um animal…

JP Para mim seria um tigre, porque eles são ferozes como os professores e corajosos como todos os alunos que enfrentam os testes.

DNSeria uma Chita, porque assim eu seria muito rápido.

Um Acontecimento Quotidiano e Espantoso ao mesmo tempo

JP O meu Surf que eu adoro e me persegue.

DNJogar com a bola de Ténis.

Fish Breath

lolilujah via Compfight

Encorajar um amigo em dificuldade

JP Não desistas, eu estarei para te ajudar, aconteça o que acontecer.

DNAcalma-te, amigo. E alegra-te.

3 Projetos para o Verão 2016

JP Fazer Surf todos os dias, estar com os amigos e divertir-me à grande.

DN – Ser feliz, ter amigos, ter boas notas.

Para um Adulto não perder o contacto com a sua infância…

JP Vir comigo fazer Surf, que nas minhas memórias sempre vão ficar.

DNGravar e filmar os grandes dias da vida, para recordar.

Como é gostar de alguém?

    JP –  É ter um sentimento que nos toca e nos faz querer estar com ela; é ter o sentimento de adorar alguém, que nos faz adorar alguém. (Inspirado em Madalena P.)

DN  – É ser amoroso.

Um brinde às férias de verão 2016

JP Brinquem no mundo todo!

DN – Boa sorte, amigos. E então, depois, estudem bem!

João P 5A e Daniel N

Print Friendly

Um Novo Horizonte

leao NSA

Imagem de NSA

          Um novo horizonte que eu gostaria  de conquistar seria treinar com a  equipa A, na Decatlhon, no futebol. Treino duas vezes por semana, na equipa B, com alguns colegas da minha escola, como o Afonso e outros de fora.

     Se treinar bem posso passar para a Equipa A, onde terei colegas diferentes. Nesta equipa os jogadores são melhores nas suas posições:

     Os Avançados – Que tentam marcar golo e também ajudam a defender.

     Os Defesas – Que defendem os Avançados em duas situações diferentes.

      Os Médios – Não me lembro bem agora.

      O Guarda-redes – Defende a baliza.

    Eu já treinei Avançado, agora o meu Mister está a treinar-me para Defesa. Tenho de ajudar os Avançados quando eles estão a atacar e tenho de defender a baliza quando a equipa adversária tem a bola e está a atacar.

    Treinei ao longo deste ano e desde há anos, só faltei para estudar, quando havia testes. Um momento marcante desta época, foi quando o Mister Américo me convidou para treinar com a Equipa A. Senti a diferença: começamos por fazer passes, depois, entramos no jogos. Jogam de cabeça sem medo, enquanto na Equipa B, encolhem-se todos, praticamente.

    Agora começamos a fazer um campeonato com Odivelas, Cacém e outros Clubes.

    Houve um torneio em que a Equipa adversária faltou e ganhamos 3-0, e na vez seguinte, perdemos 2- 0.

    Treino duas vezes por semana, durante uma hora. Sinto o cansaço físico só quando fazemos jogo, mas é normal. Uma vez estava a equipar-me tive uma caimbra, mas passou. Sempre que caí em campo nunca me magoei.

   Este Verão 2016 vou treinar num Estádio mesmo coladinho ao Estádio gigante do Benfica.

(Ditado) Manuel N, 6A

Print Friendly

Nos Rápidos do Tempo

Playa de Castalejo

Creative Commons License Guillén Pérez via Compfight

Um momento marcante do 8º ano

     Foi hoje mesmo, porque em vez de termos Matemática e Inglês,  as professoras deixaram-nos ver um  filme: “Os Coristas”.

O segredo do sucesso num  assunto de estudo

     Foi ter descoberto, graças à minha Mãe, como fazer apontamentos.

Se o oitavo ano fosse um animal

     Seria uma anaconda, porque nunca mais ia acabar e era venenosa, cheia de estudo, aulas e testes, a cada minuto que passa.

    Estou exausto de acordar às sete da manhã, trazer uma mochila tão pesada, e saber as gerações futuras em perigo com estes pesos.

     Uma pergunta que às vezes me persegue

    Porque é que eu tenho sempre, até às férias, de levantar-me cedo e deitar-me cedo? Isso é uma vida inteira!

Projetos para o Verão

     Gostava de ir uma semana com o Algarve numa bela casinha com piscina e uma varandinha de onde se vê a piscina em frente;  é só atravessar a estrada e está logo a praia: à frente, ainda há um campo de ténis.

     Depois vou com o Pai para Fromentera: água quentinha! Até podemos dormir na varanda! Depois de chegarmos de avião, ainda vamos de barco a motor para a ilha!

     Vou ainda quinze dias com o Pai para o Algarve, para a praia Verde. Há uma discoteca na areia, na própria praia!

Memórias Felizes

     No ano passado, o que mais gostei foi Tróia: tão bom! À nossa frente havia um parque infantil e uma barraquinha sobre a Kidzânia. Podíamos passear à noite, sozinhos, com os amigos, por todo o lado.

“Quando se está com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

     Quando estamos com um amigo, no exterior, no mundo fora desse amigo, há cada vez mais amigos: os que são amigos daquele, conhecem-nos a nós e passam também a ser nossos amigos, ficando assimmais largo o círculo. Não estamos sós, pois há mais pessoas para conhecer.

Brinde para o Verão 2016

     Aproveitem bem as férias, que o tempo passa rápido!

Tomás O, 8C

Print Friendly

Entre o Trabalho e o Lazer

Flickr Montage

Alex Loach via Compfight

Se o sétimo ano fosse um animal

     Seria um cão, porque este ano aconteceram-me muitas coisas boas e, para mim, o cão é o melhor animal que existe para nos ajudar e para confiar.

O segredo de um sucesso nos estudos

     Quando recebi o teste de Inglês, nem acreditei: tive 70%! Foi um grande recorde para mim, pois pensei que iria ter negativa. O segredo é estudar e, quando acabamos, darmos uma grande volta ou passearmos para organizar a mente.

O que significa o Trabalho para ti?

     O trabalho como um apelo é algo que nós devemos fazer e nos deve interessar, para se tornar mais fácil de fazer ou de passar.

    O trabalho como paixão é algo que nós queremos ver como nosso futuro e, um dia mais tarde, como nosso presente. É algo que queremos como objetivo de começar e de terminar. É algo que nós gostamos e queremos fazer ao máximo, temos de o acabar perfeito e de o começar ainda  melhor.

Projetos de Verão

     Viajar muito e divertir-me ao máximo. Vou ao Alentejo, ao Algarve, com a minha Tia; Também espero ir a Espanha e eventualmente a um lugar desconhecido.

Como posso amar melhor este Verão?

     Ajudando os outros com um simples gesto, como as pessoas mais carenciadas que vivem na rua, dar-lhes pão ou até uma simples palavra, como: “Confie na vida, pois ela irá ajudá-lo”.

Catarina C, 7D

Print Friendly

Acolhendo o Verão

fresh_rootz_ok

Imagem do Sapo On Line  

Ensinar a Avó

     Hoje, vêm-me buscar às 3 para ir à praia com a minha avó. Vou-lhe ensinar um bocadinho a nadar.

Os Trampolins

    Os meus “Pelolies” – os meus cães – não vão para os trampolins. Eu tenho um trampolim no jardim do condomínio e eu salto, mas queria saltar com o meu cão ao mesmo tempo. Tenho uns vizinhos franceses que têm trampolim.

    Eu salto uma vez, duas, depois, à terceira, já estou lá em cima, tento rodar para a frente como quem dá uma cambalhota.

     É muito difícil, mas sigo as orientações do meu treinador que pede para fazermos um certo número de abdominais por semana. Ontem fiz uns 25 abdominais no trampolim. Tenho uma aplicação no Ipad que vai contando os abdominais, diz quantas calorias perdi, mas ganho massa magra.

Street Food

     Perto de casa há o jardim do casino e estes cinco dias estiveram lá umas cinquenta carrinhas a venderem comida, mas totalmente diferentes. Havia comida de todo o mundo. Comi a Conopizza, que é uma pizza em cone. A que eu comi tinha queijo a mais, dei uma trinca e saiu o queijo todo.

Sobre Música

       Hoje vimos um filme sobre um menino sem pais, mas que era muito bom músico, tocava –  piano, viola e violino –  e acabou por reencontrar os pais.

À Vela até Lisboa

      Ainda vou treinar as regatas no Optimist com os meus amigos.

     Para a semana todos os membros da minha equipa vão levar os Optimists até Lisboa, mas depois não podemos treinar e temos lá a regata daqui a 15 dias! É o Regata Duarte Belo – este senhor foi o campeão que representou o Portugal no Campeonato Mundial e ficou em 3º lugar.

A Grande Expectativa

      Este verão, vou divertir-me em ir à Austrália,

     A Expectativa maior em relação a Austrália é ver cangurus. São 14 horas de voo com paragem em Dubai. Durante a viagem vemos filmes, ouço música e vou à casa de banho.

     Vou filmar peixes com a minha Go Pro quando fizer snorkling na Austrália.

Um Brinde ao Verão 2016

    Desejo que tenham um feliz verão e não pensem em problemas. Divirtam-se, estejam com os amigos, não entrem em conflitos.

Tomás G, 6C

Print Friendly

Um dos Melhores Acampamentos em Portugal

milonga_2012

 Imagem pertencente a Milonga – Paróquia do Estoril

     Dia 20 de Abril, eu inscrevi-me num dos melhores acampamentos de Portugal, a que a minha irmã já tinha ido.

     Todos os dias eu ia ao email da minha Mãe , para ver se tinha entrado ou não havia vaga.

     Na 6ª feira, duas semanas e meia depois de ter feito a inscrição, soube que tinha entrado, fiquei com uma emoção fantástica!

     Comecei a dançar e, depois de saber que uma amiga minha também tinha entrado, ainda fiquei mais contente!

      Continuando, devem estar a pensar porque é que  este campo de férias é um dos melhores acampamentos de Portugal? Vou explicar:

     Na Milonga existem imensas actividades giríssimas, uma delas ocorre à noite, pesar de eu ainda não ter ido, já me disseram que existe uma noite de terror, em que os monitores e as monitoras assustam os campistas, algumas pessoas ficam mesmo capturadas, e tenho o pressentimento que, neste ano, vou ser uma delas.

     Apesar das actividades todas que eles fazem, o acampamento também é católico e estou ansiosa por ir.

Mariana S, 6C

Print Friendly

Três Meses de Vida Azul

   in clouds

Autumn’s Lull via Compfight

     Um momento marcante do meu 6º ano foi quando toda a turma me apoiou depois de haver um conflito.  

      Se o sexto C fosse um objeto, seria a perna de uma cadeira, que está na sala e é a nossa mascote, chama-se Paulina.

       Quando tive quase 57,5 no teste de Português, descobri que o segredo foi estudar muito e fazer bons intervalos, por exemplo de uma hora.

      Este verão quero andar de bicicleta com a minha mãe, no paredão. Quero fazer Padel, com a minha mãe. ir a Londres com o meu pai; conhecer o Bigbang.

     Quando acordo de manhã, em férias, o meu primeiro pensamento é: Não ter aulas! Não ter de me levantar às sete da manhã. É uma maravilha!

     E brincar  horas sem parar no meu condomínio com a minha BEST FRIEND e a irmã dela.

     Um dia, na festa da minha melhor amiga, fomos ao bounce porque ela fazia 13 anos, mas toda agente pensa que uma menina com a idade dela pode ser amiga de uma menina mais nova do que eu. Mas a idade não importa, o que é mais importante é divertirmo-nos juntas.  

     Desde o dia 18-06-2016 até ao dia 24-06-2016 vou para ao Algarve e vai ser uma diversão!

     Vão ser assim as minhas melhores férias de verão.

E AGORA DESPEÇO-ME COM GRANDE AMOR.

Sara M, 6C

Print Friendly

Nascida para Saltar

                                                 Jamie Riding

Creative Commons License Five Furlongs via Compfight

 Um Momento que marcou este ano:

 No  final de  2015  recebi o meu cavalo castanho, o Barão:  surpresa da minha mãe, mas depois ela disse que era ainda para experimentar, faltavam os atestados médicos; afinal sempre estava doente: havia algo na pata que podia  rebentar de repente. 

A maior dificuldade que os estudos nos trazem:

Não tenho tempo para vida social. Chego a casa, tomo banho e estou a estudar. Geralmente às oito ou sete e meia. Mas gosto também à noite. Deixo para a última. Se chegar às cinco ainda fico na rua, com amigas, faço o máximo que posso quando tenho tempo livre. ao telefone…

Se o sétimo ano fosse um animal, seria um monstro: só o que eu estudei no 7ºano! O que me irrita é que tiro um 90 e depois já não consigo tanto e vou ter 4. Então,para que me esforcei tanto? Aconteceu-me isso imenso e irrita-me. Para que me esforço para noventas se vou ter 4 no final do período?

Desde o 5º ano que não tinha amigas tão á séria! A Mariana e a Sofia é que passaram a ser as minhas melhores amigas. 

A sofia é mesmo divertida. Quando estou com ela divirto-me imenso, apesar de às vezes ter aqueles ataques…

 O Segredo do sucesso obtido este ano num assunto de estudo.

Fiquei surpreendida com o cinco a Matemática. O sucesso deve-se a ter estudado. Gosto imenso de estudar matemática com música, posso estar no jardim, a fazer exercícios.

 3 Projetos para o Verão 2016

 Não estar um dia parada em casa, montar todos os dias, embora tenha de tirar umas férias, ir ao guincho, e à riviera na Caparica.
O que me irrita é que tenho amigos de Lisboa que vêm para cá e outros de Lisboa e a mãe aluga a praia de Tróia e temos de ir para lá.
Venho de Tróia todos os dias montar. Vou ter de arranjar boleia do Tio João Pedro que vai para Lisboa trabalhar e eu vou para a quinta da Marinha.

Para que serve sonhar acordado?

Estou sempre a pensar nos cavalos. Gostava de tirar um curso relacionado com cavalos.

 Um novo Horizonte que quero conquistar.

Limpar os obstáculos nos três dias do Campeonato – 26 de Junho e da Taça da Juventude, no Hipódromo, em início de Agosto. Adorava classificar-me, mas o que mais quero é,pelo menos,não ter penalizações.

 Comentar a frase de Christian Bobin:

 “Quando estamos com um amigo, nem somos dois nem estamos sós.”

 Quando somos mais que dois,não temos a atenção para esse amigo. Se estamos sozinhos não temos a quem dar nem nos divertimos. Mas se estivermos com uma amiga, não somos duas, porque estamos em união.

 Um brinde às férias de Verão 2016.

Brindo a que seja o melhor verão de sempre!

Teresinha R P, 7A

Print Friendly

Conversas na Oficina: Um Verão Recém-Nascido

Foz do Arelho - Lagoa_de_Obidos_8_mini

Imagem autorizada por A Terceira Dimensão

Um Momento que marcou este 8º Ano

     No dia da criança, fomos com o meu primo e o seu melhor amigo visitar uma exposição de pães de forma e carochas; no parque havia uma bola gigante de ar: metemo-nos os três ao mesmo tempo e andamos, mas como eles eram mais pequenos, iam a cair um em cima do outro.

     Fomos para a Baía, jogamos tiro ao alvo, mas não acertei no centro amarelo do alvo. Fomos andar de Seagway, mas foi só durante 30 segundos e, quando vou com o meu pai, ando uma hora. Fizemos escalada pela praia do Peixe e a seguir rapel, desta vez correu bem.

O Segredo do Sucesso obtido este ano num Assunto de Estudo

    O meu 67,5 a Português que foi quase um 4. A minha mãe ajudou-me como de costume, mas desta vez resultou melhor.

Se o oitavo ano fosse um animal…

    Seria um leão, porque é muito difícil.

O que custa mais na vida de um estudante…

    É estudar. As aulas ajudam se estivermos com atenção.

    O que aprecio mais é a Matemática. É difícil, mas é gira, porque é como se fosse um jogo; se conseguir resolver um problema, fica-se contente, ganha-se.

Porque falhamos por vezes, se temos tão boas intenções?

     Por exemplo, para os testes, temos de estudar, não basta só ter a intenção.

Um novo Horizonte que quero conquistar.

    Quero tentar tocar solos muito bons, como o meu professor e os outros guitarristas famosos. Como o Bake in Black dos ACDC.

    Na guitarra eléctrica, a próxima valsa que vou treinar é a nº5, que utiliza todas as diferentes técnicas das anteriores.

 Projetos para o Verão 2016

     Eu e o João Pedro M., na festa dele, vamos disparar nerfs no Parque Marechal Carmona. E também vamos jogar futebol lá.

    Vou brincar com os meus amigos do Algarve, vou levar a minha guitarra  e andar de bicicleta. Já sei fazer truques, até rebentei o pneu da frente quando tentava fazer um “bunny hop” por cima da relva, entre dois pedaços de cimento. A roda bateu no cimento e rebentou o pneu. Agora pode acontecer o mesmo à outra bicicleta,  que é mais frágil.

    Vou tentar ensinar o meu melhor amigo a surfar melhor pois ano passado ele começou a aprender.

     Também penso estar uma semana na Foz do Arelho, na casa dos meus avós, em frente à lagoa, para onde levo a guitarra, pois o meu avô gosta muito de me ouvir tocar.

     Enquanto estou na piscina, vejo as pessoas a fazer kate surf, e  apanho caruma da piscina: por cada uma, ganho 2 cêntimos, se tiver um pinhão é um cêntimo, se forem objectos maiores, 3 cêntimos, se for um bicho, ganho 5 cêntimos. Já tirei uma lagartixa da água.

   Vou a Maiorca, espero que corram muito bem essas férias, mas vou com toda a família.

Como pensa viver as férias em Mayorca?

     Vou tirar um dos dias para ir conhecer a cidade. De resto vou estar na piscina com escorregas e na praia com o meu pai. No hotel há um campo de futebol.

Vou visitar também o Oceanário, vou querer fazer snorkling porque a água é muito transparente e ainda penso ir a um parque de diversões chamado Katmandu.


This photo of Katmandu Park is courtesy of TripAdvisor

     Existia uma pedra vermelha numa montanha do Everest. Toda a gente queria descobri-la porque dava poderes fortes às pessoas. Um dia, um explorador chegou ao Everest e conseguiu descobrir a pedra. Mas estava lá um yeti chamado Brooke, que era grande  e forte, a proteger a pedra. O explorador foi perseguido e escondeu-se numa casa. Mas o yeti entrou e a pedra explodiu: houve uma grande explosão vermelha, a casa começou a voar pelo ar e foi parar, virada ao contrário, na entrada do Parque de Diversões Katmandu.

Em férias, o que é que te faz levantar da cama?

     Ir andar de bicicleta com o meu pai. Agora não posso ir, pois o pai está em recuperação do braço.. Tenho de ver tv, mas também combinei com o Rui irmos andar de Bicicleta este verão.

     O meu pai, com 13 anos, andava pela Quinta da Bicuda, onde só havia a casa dele e pouco mais, o resto era quinta. Então era um espaço de terra aberto. O pai andava a jogar futebol.

Brinde ao Verão a Estrear:

    Brindo a que toda a minha família e os amigos gostem todos muito deste  Verão e  sejam muito felizes.

Diogo T, 8A

Print Friendly

Conversas na Oficina: 3 Vozes Únicas

3_vozes_.mini

Imagem da Oficina de Escrita 

Um grande sucesso na nossa vida

MM Quando o meu Mano nasceu.

E quando fiquei em primeiro lugar, numa prova de dressage; montei a “Formiga”, que é um lusitano branco. O meu Pai monta desde os 15 anos, na Coudelaria do meu tio Henrique Abecassis.

MB – Ter conhecido muitas pessoas novas. Gosto muito de conhecer pessoas.

FedriTer ganho ténis contra meninos de 15 anos! E montei o Lolypop, foi a 2ª vez que andei a cavalo.

E qual é a tua viagem para o Sucesso?

MMA minha viagem para o sucesso passa por muita “coisa” como os meus estudos, partilhar a minha vida com pessoas de quem eu gosto…

Fedri – Não seria possível ter boas férias sem amigas e sem companhia. 

Qual é o teu sonho de férias?

MBÉ estar com as minhas amigas e divertir-me. 

O que diz a tua imaginação sobre a vida a dois?

Fedri – A Vida a dois é uma coisa fantástica.

Realidades espantosas e quotidianas

Fedri  – O facto de a minha irmã existir! 

Uma vez esmagamos ovos nas nossas próprias cabeças!

Se um amigo sofre

MB– “Eu vou estar aqui para o que  precisares e para te consolar.” 

 Para os adultos manterem o seu espírito de infância

Fedri –  Olhar para os seus filhos e pensar que eram eles quando eram pequenos.

Momentos marcantes do 5º Ano

MM – O prof Bento a Rir-se! 

MB – A Festa com o Str de Mat.

Fedri – Ter vinte para a professora Inês.

Se o 5º ano fosse um animal

MB  – Seria um cão, porque os cães são espertos e muito divertidos.

MM –  Seria um tigre, porque são ferozes, elegantes e amigos da família.

Fedri – Seria um leão, porque nós somos poderosos.

 

A maior dificuldade que o estudo traz à nossa vida?

MM – Ter de ler e não poder sair.

MB – Não poder sair.

Fedri – Não poder sair e não estar com as amigas.

 

Segredo de um sucesso num assunto de estudo

Fedri – Estudei com a Maria B e tive 80% a Matemática!

MB – Tive 68% a HGP, graças a estudar com a Beatriz.

MM – Tive 63% a HGP porque estudei com a minha prima.

Projetos para o Verão

MB – Convidar as amigas para ir a minha casa, ao Bounce e à praia da Conceição.

Também gosto muito das praias de Marrocos.  Vou já esta tarde, às 15h 30, para Viseu, para casa da minha avó. 

Gostava de ir para acampamentos, como o My Camp, vou com uma amiga.

Fedri – Ir para o Clube do meu Pai, ValTenis, vou à piscina, jogo ténis, e exploramos a Penha Longa.

Conviver com três amigas, durante todo o verão: a Maria, a Beatriz e a Luísa. Vou estar com a primeira, na Comporta, com as outras em outros lugares de veraneio.

MM – Quero ter muitos meninos nas Clínicas da Penha Longa, para brincar com eles: lá fazemos ténis, padel, bicicleta e jogos de verão. Vou já esta tarde, às 14h 30, para o Algarve.

Para que serve sonhar acordado?

Fedri – Para ajudar a que os sonhos se realizem. E mesmo que não aconteça na vida, realizam-se na nossa cabeça.

MM  – Servem para ver o passado e pressentir o futuro.

MB – Uma vez sonhei que ia ao Bounce, e fui, realizou-se!

Brinde ao verão 2016

 Em conjunto – Que seja feliz,  divertido, cheio de momentos para recordar e bom para nós, amigos, família, as famílias dos refugiados e toda a gente do mundo!

Maria B, Maria M, Fedri, 5B

Print Friendly

A Incrível Festa do Pijama

Walka na pierze / Down fight

Marcin Bajer via Compfight

      Um momento favorito destas férias foi estar  com os meus amigos prediletos.

     Partilhei-o com os meus amigos: Sassá, Cancela, Rodrigo, João, Leonor, Filipa, e o elemento principal, o Potty, o meu cão.

     O que mais gostei foi de fazer uma direta, isto é, não dormir durante a noite e também de ficarmos acordados até às 4 horas da manhã a lutar com as almofadas. Não dormi e, no dia seguinte, não joguei muito bem futebol. Jogamos contra o Benfica e empatamos 4 a 4.

     Foi muito divertido e quero repetir este divertimento. As férias são uma pausa das aulas e servem para nós tranquilizarmos e também aventurarmo-nos no infinito.

Beijinhos

Gonçalo R, 5A

Print Friendly

Bons Momentos das Férias

         Sonoda Umi

RICO Lee via Compfight

     Estas férias foram perfeitas.

     Fui ao Bouce, onde há Mata, futebol e basquetebol; fui a casa dos meus Avós; fui também ao Alentejo, onde fiz “a caça aos ovos”; também fiz “a caça aos ovos” em casa da minha avó, com as minhas primas.

     No Alentejo, os ovos estavam escondidos dentro da casa da minha avó, e lá fora, debaixo da relva, ao pé das árvores, no jardim. Em casa dos meus outros avós, os ovos estavam no quintal.

    Fui também a casa da avó do Francisco B onde estivemos a jogar Eta 5; neste jogo assaltamos carros, fazemos missões, como por exemplo: guiamos submarinos, andamos debaixo de água com um fato, procurar peças para consertar o submarino.

    Fui ao cinema com o Francisco B e com o João Francisco ver o filme “Super-Homem versus Batman”. O que apreciei mais neste filme foi ver o Super-Homem a lutar com um monstro.

     Espero que vocês também tenham tido umas férias felizes!

Manuel N, 6A

Print Friendly

Aventura em Andorra

tomas_g_andorraImagem: Gentileza do Autor

     Mais umas férias divertidas com amigos! Andorra é um lugar ótimo para fazer desportos de neve: lá parecia Portugal, porque só se viam portugueses na rua. Eu dizia que estávamos na Serra da Estrela “Espanhola”. Quem diria que aquilo era um país!

     A minha primeira vez em Andorra foi fascinante. Também, pela primeira vez, experimentei o Snowboard. Acreditem que parece difícil, mas é fácil, o complicado é mesmo os saltos. Mas também passamos por momentos duros: por exemplo, o meu tio, que partiu um osso perto do ombro e o meu amigo Kiko que partiu o braço… mas pronto, já passou!

     O ambiente era muito calmo, tomávamos o pequeno-almoço, almoçávamos e jantávamos todos juntos; dávamos umas grandes voltas de ski, muito divertidas. No primeiro dia, estava sol e chuva, o  que só piorava a neve; chegou a um ponto que eu passei por uma poça de gelo em que estava água! Mas finalmente, no quinto dia, acordei com neve – loucura total – fui à varanda, os telhados cobertos de neve macia e fofa.

     Mas eu, todos os dias, tinha que ir para as aulas que me ajudaram tanto a fazer Snowboard que, ao quarto dia, já estava a fazer pistas pretas! No último dia, nevava de manhã, mas depois, mais para a tarde, entrou um nevoeiro que não se via nada. Eu , o meu pai e mais três amigos decidimos ir visitar um hotel que era no meio da neve dentro de igloos. Era quase no sítio mais longínquo de quem vinha de Soldeu.

    Deu-se uma aventura: não se via nada, tínhamos de esperar uns pelos outros.Passados três meios mecânicos, já víamos os igloos, ou seja, o nosso destino: era lindo, era mesmo como estar dentro de um igloo.

     Paramos lá para beber uma coca-cola. Depois, já estávamos com pressa, porque as cadeirinhas mecânicas para Soldeu iam fechar ás 16 h 30, eram já 16h: tínhamos que ir rápido. Foi ao ir para Soldeu que o meu amigo Kiko partiu o braço, pois parou a prancha de repente e caiu com o braço por baixo.

    Por coincidência, passou uma enfermeira e perguntou se estava tudo bem, ao que nós dissemos: “- Não”. A enfermeira tentou ver qual era o problema, mas ela tinha dito que ia chamar uma mota para vir buscar o meu amigo. Lá foi o meu amigo na mota e nós tínhamos que ir para Soldeu.

     Então, a enfermeira levou-nos para Soldeu nos meios mecânicos. O meu pai tinha falado para os pais do meu amigo a contar o acontecimento e para irem para o hospital. Eu, o meu pai , o meu amigo e o irmão do Kiko chegamos a Soldeu e estávamos cansadíssimos.

    Apesar disto, eu adorei a estadia e queria ficar lá mais tempo, mas as aulas tinham que começar e, no Sábado, vim para Lisboa.

Tomás G, 6C

Print Friendly

Peripécias da Páscoa

   aju_aver_o_parquet

   Imagem:Gentileza de  Aju-a-ver-o-parque

     Nas férias da Páscoa eu fui para o meu ATL: é muito divertido e um dos dias meus favoritos foi quando visitamos o Parque Marechal Carmona, em Cascais, para fazer uma “Caça aos Ovos”.

     Dividimo-nos em equipas e tínhamos de encontrar ovos e coelhos pequeninos. A equipa que conseguisse encontrar mais, ganhava. A minha equipa ficou em 2º lugar. Tínhamos muitos prémios para escolher, mas cada pessoa da equipa tirava um brinde. Eu tirei dois bilhetes grátis para o Cinema.

     Como no fim ainda sobraram brindes, quem quisesse, tirava mais. Eu tirei imensos, como: uma agenda, um estojo, lápis, coelhos grandes da Páscoa e muito mais!

     Mas antes de irmos para o Parque Marechal Carmona, estivemos a pintar uns ovos sem clara e sem gema lá dentro. Quando chegamos ao Parque, a Grandvision tinha estado a observar os nossos ovos e mandou-nos fazer pares. Eu fiquei com a minha prima para dividirmos o nosso brinde, que foi um kit de Ciências! Eu adorei este dia!

    Também gostei de 6ª feira: nós fizemos um lanche de Páscoa no meu ATL, com os avós, pais e amigos. Apresentamos uma dança que tínhamos treindo nas aulas de dança que tínhamos tido ao longo da semana. Ainda apresentamos um Teatro em que fui eu quem teve a ideia: o nome da história era “O Macaco de Rabo Cortado”.

     Eu fiz de Professora, fizemos uma música, eu adorei! Espero que tenham tido umas férias tão felizes como as minhas!

Madalena C, 6A

Print Friendly

A Salvadora

     animais_salvos

   Imagem: La Ferme des Réscapés

     Andava eu a passear com os meus dois amigos pela rua da Carne Assada, em Sintra, quando um dos meus amigos viu uma cobra!

     Era preta, ondulada, pois estava a fugir, e tinha cerca de 80 cm de comprimento com dois dedos de grossura. Rapidamente, eu peguei numa rede e apanhei-a.

    A cobra tentou trepar a rede e nós desatamos a gritar, porque ela estava perto de um pé de um amigo. Então, gritamos todos!

    Uma velhinha ouviu e saiu de casa a correr num passo inseguro . Depois convidou-nos a entrar e mostrou-nos os seus animais. A senhora tinha setenta anos e adorava animais. Ela dedica-se a salvar animais em perigo de vida.

     Contou-nos que tinha comprado um pónei aos ciganos por um balúrdio, só porque ele tinha uma doença nas patas. Mostrou-nos Alces, bambis, cavalos, porcos, patos, pintainhos e patos bebés.

    Era uma senhora muito boa para o ambiente. Ela criou uma espécie de lar de terceira idade para animais. A Quinta da Portagem que herdamos dos meus avós, fica mesmo ao lado e nós nem sonhávamos que ela protegia aqueles animais todos!

Alex, 5C

Print Friendly

Aventuras de Ski

Andorra February 2006

Creative Commons License cdamian via Compfight

     Eu adorei ir a Andorra, nesta Páscoa, porque aprendi a fazer algo de novo: andar de ski!

    Foi espantoso quando andei de ski, senti-me num mundo diferente. Tão bom descer as montanhas enormes e inclinadas, conhecer pessoas novas e, especialmente, estar com a minha Família – tios e primos – divertindo-me!

     As montanhas possuíam uma neve muito macia, especialmente quando nevava. Tornava-se mais espessa quando estava enevoado e escorregadia e dura se havia muito sol.

    Além da neve ser macia, era brilhante por causa da claridade do sol.

     Há uma sensação única quando as pessoas apanham neve: é sentir que, às vezes, pensamos que não temos nada nem somos felizes, mas, na realidade, temos muito mais coisas boas do que as pessoas que as têm, mas não conseguem ser felizes.

    Sinto calor do sol, mas, ao mesmo tempo, sinto frio por causa do ar: é uma sensação muito estranha, mas, ao mesmo tempo, muito interessante.

    Em Pas la Casa, ficamos hospedados: uma enorme mesa rectangular para alguns dos meus primos e amigos da neve.

    Todas as manhãs, eu, um primo e uma amiga nossa tínhamos aulas de ski. A treinadora chamava-se Nica; era simpática e tinha boa técnica para ensinar.

    Fui para as pistas verdes, azuis e uma vermelha. Aprendi a andar aos “S” e aprendi a fazer a “cunha”, isto é, a travar quando a velocidade aumenta demais ou para sair da pista: colocamos os skis em bico, como se fosse um triângulo. E aprendi a andar em paralelas: andar sempre com os skis paralelos. Para fazer as curvas, os joelhos devem dobrar-se um bocadinho e o corpo inclina-se na direcção da curva.

     Às vezes, quando estávamos no hotel, íamos jogar snooker, tablet ou na Nintendo.

     Ao deitar-me, antes de adormecer, num quarto imenso, pensava:

     – Tenho de agradecer a Deus a vida que me deu!

Inês M, 6C

Print Friendly

Acampamento Kikiwaca – A Quinta Inesquecível

 

Praia do Meco

Hans Pohl via Compfight

Dedicado aos Aprendizes da Oficina do 5C e seus Convidados: Alexandre, André, Madalena e Carolina.

     Os quatro amigos foram acampar na Quinta do Miguel, na praia do Meco que é da mãe do André, lá para o Sul do Tejo.

     O André montava as tendas com especial perícia. O Alexandre sabia truques com cordas e fez uma escada para subirem e descerem da árvore.

     As duas amigas inseparáveis prepararam um petisco de salsichas espetadas nuns pauzinhos e tostadas numa fogueirinha improvisada.

     Quando subiu no céu uma lua imensa – pois era Páscoa – os quatros amigos reunidos à volta do fogo escutavam os ruídos da noite: uma coruja branca piava, ouviam-se pequenos seres rastejantes por trás dos arbustos e uma jovem raposa veio espreitar a Carolina, puxando-lhe um bocadinho pelo cabelo.

     Foi então que o André se pôs a tocar no seu miniteclado portátil e toda a floresta pareceu silenciar para escutá-lo.

(Exercícios Criativos: improviso para Projetos de Férias)

O E

Print Friendly

Os Meus Amigos do Algarve

  Late November sunset, Olhão

cyclingshepherd via Compfight   

      Quando eu vou ao Algarve, tenho sempre imensos amigos. As férias dividem-se em duas partes: Julho e Agosto. Em Julho vêm os meus amigos que gostam mais de jogar futebol. Aliás, antes disso, vou para o condomínio ao lado do meu, porque tenho lá um amigo chamado João, e, por isso, eu brinco com ele e as outras pessoas do condomínio dele.

      Quando começam a chegar os meus amigos do futebol, começa logo a diversão no meu condomínio. Nas minhas férias de Julho, de manhã, vou à praia com os meus pais e com  a minha avó, e, à tarde, fico a jogar futebol e vou à piscina com eles.

     Em Agosto, vêm os meus amigos da praia, do futebol e das piscinas e o melhor de tudo é que vem o meu melhor amigo, o Simão.

       Agora, eu conto como é um dia com o Simão. Levantamo-nos cedo e vamos para a praia fazer bodyboard, Surf e ir à Marina ver os barcos. Chegamos a casa e encontramo-nos na piscina, para irmos dar um mergulho antes de comermos.

      O nosso condomínio tem uma piscina muito grande, de um azul transparente, e, no meio, uma piscina pequena, numa ponta do jardim. O jardim tem relva verdejante e palmeiras. Há um jardim secundário, no fundo do condomínio, onde nós jogamos á bola, porque no jardim principal não nos deixam.

     Eu adoro os meus amigos do Algarve. Os nomes deles são:

diogo_tv_amigos

Simão, Xavi, João, Luís, Luís, Pedro, Duarte, Miguel , Miguel, Miguel, Diogo pequeno, Diogo médio, Diogo grande (sou eu).

Diogo Tv, 8A

 

Print Friendly

As Montanhas da Alegria

Grande Boucle

Raphael Goetter via Compfight

Dedicado a Carolina S-C e Mafalda da Oficina do 6B

     Finalmente, chegamos ao fim do 2º período! Estávamos esfuziantes de alegria, Empurrávamo-nos para entrar nos autocarros especialmente alugados para o nosso passeio ao Aqua show no Algarve!

     A prof. Kate apitava com força para nos organizar e sentar nos lugares. Todos queríamos ir lá para trás e sentados ao pé das janelas. A Mafalda, a Carolina e eu tínhamos levado um jogo ultra leve e rápido que se podia jogar com o autocarro em andamento.

     Chegamos sem demora ao local dos nossos sonhos: não havia longas filas de espera, pudemos logo avançar para as nossas montanhas russas de água, quase a pique, as águas espumando na descida vertiginosa, irisadas pelo brilho do sol.

     Descemos e subimos e voltámos a descer, vezes sem conta, entre gritos, canções e gargalhadas, três amigas à solta na liberdade total dos elementos, água, ar e luz, viagens de paraíso!

    Nestes momentos é que celebramos o trabalho vivido e o esforço despendido ao longo de tantas semanas de aulas: somos a coroação de uma vitória, um desejo em tumulto realizado, somos o voto vivo de mais felicidade e o próprio brinde na Amizade!

OE

Print Friendly

O Meu Carnaval

straight on

Chiara Abbate via Compfight

     O meu carnaval vai ser muito giro. Vou fazer sky, a 12h de carro, nas montanhas. Vou para um hotel muito bom, em que nos levam os skys à porta e vou-me deliciar no Jacuzi. Já vou para as maiores pistas com dois ou três dos meus irmãos.

     De manhã tenho aulas, para aprender mais do que já sei. A minha sensação, ao descer as pistas de neve, é tão boa que parece um sonho. E vou levar a minha Go Pro para filmar.

João P, 5A

I'm in Miami Beach!

Pablo Fernández via Compfight

    Eu, no Carnaval, vou aos EUA. Quando vou lá vou visitar as minhas primas, que são sete. Também adoro ir á Feira Popular, têm montanhas russas e muito mais diversões, como o elevador do terror e a casa fantasma.

    Também vou esquiar, só um dia e ainda vou ver, de avião, a praia de Miami! Vou numa avioneta preta e branca, de oito lugares, da empresa do meu pai. Eu fico cheio de medo da turbulência e dos poços de ar.

    Visto de cima, o mar da Flórida tem poucas ondas, várias praias, muitas pessoas, é lindo!

Daniel N, 5A

Print Friendly

Um Encontro Surpreendente

  DSC_0101_resize_42

    Imagem: Guia da Cidade

     No Algarve, uma manhã de céu bonito, estava eu na espreguiçadeira, a apanhar sol, para ficar ainda mais morena do que já sou. Sentia o sol a bater-me com muita força no peito e pensava:

      – É tão bom estar no Algarve…

     Foi nesse momento que apareceu uma grande amiga que vive em Macau e tinha chegado há 4 minutos!

     Ela chama-se Leonor, é um ano mais velha que eu, tem o cabelo curto, castanho aloirado e os olhos verdes, lindos. Fiquei surpreendida, levantei-me para a abraçar, mas dei-lhe um empurrão e, com ela toda vestida, caímos as duas para a piscina!

    Ela saiu para se despir, ficamos a conversar sobre as nossas coisas, e ainda fomos para a praia juntas!

    Até almoçamos lá num bar. Foi um momento inesquecível do Verão!

Carolina F, 6C

Print Friendly

Férias de Verão

Autumn CompositionCreative Commons License Francisco Antunes via Compfight

     As minhas férias foram muito giras, eu adorei!

    Num hotel esplêndido, na Guarda, a minha meia irmã e eu ficamos sozinhas numa casinha à parte   por cima do meu pai e da minha tia. Nem os deixamos dormir!

     Quando acordamos, seguimos logo para Espanha. Ainda estávamos a quatro horas e lá estava eu a perguntar:

     – Já estamos quase? Já estamos quase?

     Chegamos e, a partir desse momento, ficamos sem internet: senti que o mundo ia acabar! Tenho instagram, twitter, snapschat, what’s up, vibe, skype, Messenger, facebook e gmail!

     Logo depois, entramos numa rua estreita com uma casa assustadora com os vidros todos partidos, depois seguimos para Potes. Era lindo: viam-se as montanhas, no seu cimo havia neve brilhante. Nós tínhamos um hotel marcado para uma semana, só que aconteceu uma coisa: a minha tia tinha marcado o hotel para 10/06/2016 e estamos em 2015! Tivemos de ir para o Parque de Campismo mais giro do mundo, quer dizer, de Espanha.

     Montamos as tendas mesmo em frente das montanhas magníficas. À noite íamos jantar a Potes, foi lindíssimo: as ruas todas iluminadas, cheias de lojas a transbordar de artesanato tradicional. 

     Logo no dia seguinte, fomos subir as montanhas; subimos de elevador, pareciam 8000 metros de altitude, era gigante! A sensação era de termos os ouvidos a estalar e parecia que estávamos debaixo de água. Era estranho, mas giro; olhem, não sei… era muito estranho…

     Chegamos lá acima: fazia um frio, mas cheirava a Natureza. As cabras estavam lá em cima, nós não parávamos de tirar fotografias. Seguimos… Estivemos a andar vinte e dois quilómetros. Eu estava quase a andar às cavalitas do meu pai!

Carolina S-C, 6B 

Print Friendly

Verão 2015

DSC_0113Creative Commons License Cláudio Franco via Compfight

     O Verão 2015 foi fantástico! Adorei, fui a Montargil, à Barragem, que era linda, só o pôr-do-sol era magnífico. Adorei andar de barco e tirei imensas fotos. À noite jogava Monopoly com as minhas primas e coma a minha irmã; eu nunca ganhava o jogo.

     De manhã, acordava e ia comer umas bolachs de chorar por mais: chamam-se “5 Gestão”. Quando estava tudo pronto, íamos para o barco fazer sky. Depois, só saíamos do barco quando já era noite.

     Na Barragem de Montargil andei de prancha puxada por um barco; havia umas correntes de água fria por baixo: era uma sensação magnífica. Às vezes, o barco puxava-me e era tão rápido que eu nem estava preparada e caía de chapa com a cara! Quando largava a pega, caía em pé, mas depois, de repente, ficava deitada: sentia liberdade e ansiedade, parecia que me estava a deitar na cama no meio do mar!

mafalda_falesia_mImagem: Flickr Creative commons

     Antes de irmos para Montargil, tínhamos ido para o Algarve: andava sempre de Albufeira para Vilamoura. Na praia da Falésia, foi muito giro, mas houve um problema: quando eu estava na água, no posto ao lado – 05 – em terra, onde se passa por uma ponte, pegaram fogo!

     A reação das pessoas foi de medo e de atrevimento ao mesmo tempo: levantaram-se logo, mas começaram a tirar fotografias. Veio um helicóptero e a sorte é que havia um lago muito perto da praia; então, o helicóptero estava sempre de um lado para o outro, parecia que tinha responsabilidade por todas as pessoas que estavam na praia.

     Foram umas férias fantásticas que nunca pensei ter!

Mafalda A, 6B

Print Friendly

Momentos para Recordar

feira_de_s_mateus_n

Imagem: Feira de S. Mateus

     Numa noite de Verão, em Viseu, a minha prima Iolanda, a minha prima Leonor e a minha mãe fizemos uma noitada: deitámo-nos ás cinco da manhã levantámo-nos às seis da manhã! E enquanto estivemos acordadas, fizemos crepes, vimos filmes, jogamos jogos e brincamos às cozinhas.

     No dia seguinte, de madrugada, fomos buscar o meu primos ao avião e ele trazia duas malas com recordações de Paris. Quando estávamos a voltar para casa, fomos à Figueira da Foz para visitar os meus tios e primos que estavam de férias; passamos esse dia na piscina, fizemos uma “selfie” e aparecemos na SIC.

     Quando estávamos a ir para Viseu, fomos comprar um cão, chamámos-lhe Fofi, porque ele é fofinho.

     No dia em que estávamos ir embora, para nos levarem à camioneta, o Fofi escondeu-se na mala da minha Mãe, mas depois nós tiramo-lo.

     Quando chegamos à Amadora, em casa da minha Tia Fernanda, almoçamos e fomos dar uma volta.

     Enquanto vínhamos no autocarro, já vínhamos sempre a adormecer. Quando chegamos a Cascais, fomos logo descansar e depois fomos ás compras.

     Espero que todos vocês tenham tido umas férias loucas como eu com a minha família. As férias servem para descansar para aproveitar o verão, para darmos passeios, para irmos à praia, para conviver com a família e recordar momentos felizes.

Madalena C, 6A

Print Friendly

Amigos e Diferentes

     Hunting Squirrels

Ralph Hightower via Compfight

     No meu verão, estive na piscina do meu condomínio, a brincar com o meu amigo Afonso, com o Pipo, o cão do meu irmão, com o cão Jim, e ainda com o Caetano, o cão da minha amiga Tabiá.
     Nós andávamos todos a correr atrás do Jim, o fugitivo, que se metia pelas casas todas do Condomínio.
     O meu amigo Afonso contou-me que, uma vez, o Jim saltou para a piscina para salvar um gato, mas quando o pousou no chão continuou a correr atrás dele.
     A Tabiá joga Basquete e o Caetano é um cão brincalhão e bem comportado.               Normalmente nós saltávamos no trampolim dela, com o Caetano e o Afonso.
Nós adorávamos fingir que o Caetano era um cavalo: montávamos nele e com comida de cão, atirávamos para a frente; ele corria até lá e nós a ver se não caíamos.
Também brincávamos na piscina, a ver quem aguentava mais tempo debaixo de água.
     O que eu mais gostei nestas férias foi de estar com os meus amigos. Sinto-me melhor com eles do que cá na escola, com as outras pessoas. Eles são diferentes e eu sinto-me diferente quando estou com eles.

Margarida L, 5B

Print Friendly

Férias Preciosas

ines_miguel_sto_andre_mini

Imagem: Litoral Alentejano

     Eu adorei o Verão 2015, porque acho que é muito bom descontrairmos um bocadinho das aulas secantes! É óbvio, também porque é bom sentir a praia a vir ter connosco e a liberdade a voar à nossa volta! E eu, estas férias, senti que férias não é só “adeus, trabalhos”, mas também sentir a liberdade nas nossas mãos e a praia a pedir brincadeira!

     Na semana em que fui ao Algarve, a prancha começou a dizer “desfruta destas ondas comigo.” E eu pensei: “- Vou-lhe fazer a vontade.”

     Então, lá fui eu andando na areia macia até ao mar. Veio uma onda redondinha e perfeita; mergulhei e senti finalmente a textura que desejava: a água fresquinha, mergulhar nela e entrar noutro mundo!

    Havia uma camisola branca que me salvou a vida, protegia-me mais do frio, com ela sentia-me uma “bodyboarder”.

      Antes tinha vivido no Algarve uns dias irresistíveis: com os meus primos brincava, desfrutava e, óbvio, com os meus pais e tios. A água estava transparente, tal como um vidro acabado de ser limpo.

     O tempo passa depressa, mas temos de aproveitar os momentos bons e não temos de nos focar no que já aconteceu, mas focar-nos no presente e pensar que há tanta coisa boa à nossa disposição, mas outros não têm oportunidade de o fazer.

Inês M, 6C

Print Friendly

Conversas na Oficina – Momentos Únicos

 joao_pinho_arrifana-kanguru

Imagem: Arrifana Kanguru

O.E. – Hoje estiveram na Oficina, a Esperança e o João, amigos de há muitos anos, que vieram partilhar connosco alguns momentos de exceção deste verão 2015, bem como da estreia animadora do seu 2º Ciclo.

João – Andei de avião, de Portugal para Ibiza, via Madrid. O que mais aprecio a bordo é dormir e ver a paisagem do alto.

Esperança – Estive nas minhas praias favoritas: da Arrifana, no Algarve e no Guincho. Na Arrifana o que mais aprecio é acordar mesmo em cima da praia e adormecer com o barulho do mar. No Guincho é giro tomar banho com os amigos e mergulhar por baixo de água.

Esperanca_Praia_do_Guincho

Imagem: Viajar é Alargar os Horizontes

Esperança – A minha atividade preferida é o Surf. Vou começar amanhã, na escola de Surf do Guincho. Se estiver mau tempo, fazemos skate.

João P. – Faço Surf desde os três anos, em S. Pedro, em Carcavelos e no Guincho. A maior onda que apanhei tinha um metro e meio; também já apanhei tubos. O que mais aprecio é a sensação quando nos levantamos e vamos de pé, a virar, depois, quando vamos em cima das ondas, a sentir o vento. Não sinto o cheiro a maresia, porque estou mais concentrado.

Esperança – Temos quatro professores: Pedro, David, e Afonso. Às vezes os professores vão dentro de água connosco.

JoãoEntre 12 a 21 de Julho, estive em Ibiza; durante todo o mês de Junho, estive no Surf Outside, com vários professores.

     O que é totalmente novo agora, no 2º ciclo, é termos de fazer a mochila todos os dias e temos muitas mais matérias. O mais interessante é conviver com os professores. O meu professor favorito é de HGP. É querido, não se zanga muito, mostra muitos vídeos de HGP. É a minha disciplina favorita. Gosto dos Descobrimentos, de saber como foi Portugal antigamente, sinto curiosidade.

Esperança – O meu professor preferido é o de Matemática: dá muitos ralhetes, mas está sempre a brincar. Ele conduziu um barco que era duas vezes o tamanho das Fontainhas. Não gosto de Matemática, mas tem piada a maneira como ele ensina: para cada problema que nós fazemos, ele tem uma história cómica ou prática.

Transcrição de “Conversas na Oficina”

João P e Esperança , 5A

Print Friendly

Momentos Escolhidos

     vasco_l_sol_troia_mini

     Imagem: Troia Resort

     Os meus primos e eu, de madrugada, fomos andar de bicicleta, desde Sol-Tróia a Tróia – 2 km ir e voltar – pois estávamos a procurar o meu tio. Ele não se tinha perdido, eu é que tinha exclamado que chegava primeiro.

     Passado uma semana, vieram os brasileiros, os amigos do meu pai e eu não adorei que eles viessem – a empregada era fixe, pois ensinava-nos muitas coisas, como jogar às cartas, mas jogos do Brasil, em que temos de pôr as cartas por números seguidos. 

vasco_l_waveblue

     Imagem: chriseatsacrisp

     Passados cinco dias, já eu estava em Sagres a divertir-me a fazer Surf, pois quando apanhei uma onda, apercebi-me que era o sítio perfeito para Surfar.

     Apanhar uma onda é uma grande sensação, pois quando damos alguma manobra, sentimo-nos felizes. 

Vasco L, 6C

Print Friendly

Uns Dias Maravilhosos

     SurferInWave-

     Imagem: Aguacene

     Lá estava eu, a dormir o meu sono de beleza, quando surge uma queda de um copo a partir-se em mil bocados. De repente, a minha mãe acorda e diz: 

     – Mas o que vem a ser isto?

     Olha para mim com um ar espantado.

     – Eu não fiz nada, caiu!

     Mas pronto, lá passou. E todos acordamos e fomos tomar o pequeno-almoço. Assim que acabamos, a minha mãe disse:

     – Vou lá para cima bordar. 

     – Ok, Mãe.

     E foi. Mas a minha mãe adorava costura e coisas (malas, bolsas, porta-moedas) para vender. E eu fui para o pc jogar Star Doll e para o Facebook. 

     Mas nunca deixava de ir à praia. Na praia de Carcavelos, adorava ver os Surfistas a surfar “aquela onda”!

Margarida C 6C

Print Friendly

Verão 2015

   tomas_gray_Playa_de_ses_Illetes

Imagem: White Ibiza

      Um dia ensolarado, em Junho, nas férias de verão, começou a animação.

     Em Formentera, aquilo era um paraíso, com o hotel em frente à praia. Dei uns bons mergulhos naquela água transparente e onde, se houvesse uma ondazinha grande, era por causa dos barcos.

     A alegria das pessoas a ver os “Sun set” todas as tardes: o sol a pôr-se durante todos os minutos que restavam para ficar noite!

      Mas a semana estava a ficar mais curta e faltavam cada vez menos dias para nos irmos embora e ainda ia ter muitas mais férias na Comporta!

tomas_gray_praia_troia-

    Imagem: Praia de Sol Tróia

     Estava desejoso de ir para a Comporta com a minha minimoto-quatro. A Comporta em si não tinha nada de novo, mas é sempre giro dar passeios de bicicleta no meio dos arrozais.

     A minha moto-quatro andava imenso, eu tinha à disposição um mato gigante que era o infinito. Um dia, decidi ir um pouco mais longe de onde estava a casa e foi no meio do mato que passou uma lebre a correr. Por alguns segundos pensei que estava a sonhar, mas não.

     Houve um dia em que eu fui andar com o meu pai até uma praia muito longe e havia uma montanha gigante de areia: a minha mota não conseguiu subir e então tive que ir a puxá-la.

    Nós íamos sempre ao Sol-Tróia e houve uma vez em que fomos a Buata Nova. Mas eu já me tinha de ir preparando para a regata em Faro.

tomas_gray_regata_faro

     Regata na Ilha do Farol 7/09/2015

     Durante a regata em Faro, dormimos numa Pousada da Juventude duas noites. A regata era na ilha do Farol, que era muito longe de Faro: tínhamos de ir todos os dias de barco até lá, mas eu, infelizmente, não pude participar, porque a Federação da Vela não deixou e esta regata era muito importante para nós. Não havia vento: tudo à espera que aparecesse a “P”, que é uma bandeira de saída, mas não houve vento…

Tomás G, 6C

Print Friendly

Umas Férias Inesquecíveis

     carlota_c_cabanas_tavira_

     Imagem: Passeios na Ria Formosa

     Estas férias foram inesquecíveis, porque foram as minhas primeiras férias com a minha sobrinha.

     Fui três dias para Tavira com a minha família, menos uma irmã minha. Foi muito divertido: estivemos numa praia, em Cabanas, em que se ia de barco até á praia. Uma vez em que fomos jantar para lá, a minha Mãe encontrou uma mosca na comida!

     Logo na segunda noite, fomos jantar a casa dos pais do meu cunhado: estivemos com a minha sobrinha, com as irmãs, cunhadas e cunhado, tias e sobrinhas do meu cunhado. No dia seguinte fiquei um bocadinho triste por os meus pais e a minha irmã irem embora para Cascais e eu ficar lá com a minha irmã, a minha sobrinha, o meu cunhado e a família dele.

     Fiquei com um quarto grande e uma cama de casal para mim; tinha vista para a corte de ténis; ficamos muitos dias na piscina em que a água vinha de uma nora.

     Um dia fui a Espanha, foi mesmo giro:comi Tapas pela primeira vez. Havia lá uma estátua – era uma pessoa – que piava de cada vez que uma pessoa passava. E elas assustavam-se!

     No último dia fui apanhar Gambozinos à noite. Hi, hi, já sei que são falsos. No dia seguinte fui tirar fotografias no tanque e pela quinta toda, apanhar laranjas muito boas!

(continua)

Carlota C, 6C

Print Friendly

Criança para Toda a Vida

     Tribal Counsel Stephanie Jones via Compfight

     Já começou o verão! Vamos à praia, à piscina e à minha festa de anos!

     A minha festa de anos quero que seja como a do ano passado. O meu jardim relvado vai estar coberto de tochas, o jantar irá ser churrasco, e no dia seguinte vamos à piscina.

     Mas, este ano, a Escola também foi divertida; fizemos disparates, mas isso faz parte da infância. Se o 6º ano fosse um animal, seria um cão Labrador, porque o cão Labrador é o cão mais divertido de todos, fica criança para toda a vida.

    A vida das crianças está dividida em duas partes: “diversão e não-diversão”. A “Não-Diversão” são as aulas de Matemática; a “Diversão” é o verão!

Pedro G, 6D

Print Friendly

Projetos de Verão

PoettoCreative Commons License Daniela via Compfight

      No dia 09 de Junho vou fazer uma peça de Teatro, “Peter e Wendy”; gosto muito; o ano passado fiz “Alice no País das Maravilhas”.

     Este verão vou a Roma. Gostaria de visitar a capela Sistina. Vou à ilha da Sardenha. Já o ano passado andei de barco, para Ibiza e Fromentera; o ano passado, em Ibiza, só havia motas; tirei uma foto montado numa mota de uma loja Pascha. Os meus pais mandaram fazer um álbum digital com umas  paisagens em que andamos de barco. Também vou estar quatro ou cinco horas em pé, num barco com filmes em Italiano.

     Em Julho, faço anos, no dia 10; a minha mãe disse que, este ano, queria passar os meus anos no  Hotel H2O.

h2o_hotel_02

Imagem: Hotel H20

    Todos os anos vou para uma casa que tenho em Midões, onde há um poço; ao fundo tenho uma porta que vai dar a outro poço. Queria comprar um velho palacete que ali há, mas custa mais de um milhão de euros. Lá posso ir à piscina; à noite, depois de jantar, dou grandes passeios, vou até a um café, mas o dono morreu.

7phisalyse

Autor: Gold Bernard Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0

    Durante o dia, no quintal, trato do jardim, onde há laranjeiras, fisális, macieiras, figueiras e uma nogueira.

(Transcrição: “Conversas na Oficina”) Carolina N, 6ºA

Print Friendly

Projetos de Verão

Spinning Antonio de la Mano via Compfight

     No verão irei a Sevilha, para a Isla Magica, depois ao Algarve, ao Alentejo, a Caminha e, finalmente, a Lisboa, visitar as minhas avós.

    Sempre quis ir à Isla Mágica, deve ser tão giro! Nas férias da Páscoa eu fui a Sevilha, mas não fui à Isla Mágica, porque estava fechada. Em Sevilha havia imensas carroças; eu andei numa, foi muito divertido; quase todos os edifícios são feitos de tijolos ou azulejos.

     O meu sonho era ir a Nova Iorque – deve ser tão giro – eu sempre sonhei ir à América toda, a África, a Londres e às Maldivas.

Costa portuguesa de Caminha

PINTOR DE SOÑOS via Compfight

     Em Caminha vou para a casa dos meus bisavós que é uma quinta muito grande. Todos os dias de manhã, vamos a uma esplanada, numa rua que aparece sempre na televisão. A  casa dos meus avós é enorme, mas eu não gosto muito daquela casa, porque é muito antiga, tem uma decoração antiga, o meu quarto e o dos meus pais ficam lá em baixo de tudo, onde era uma adega. De noite, quando estou na cama, oiço passos lá em cima, por isso eu tenho um bocado de medo. A seguir à escada para ir lá para baixo, há uma sala com caricaturas dos reis e, para eu chegar ao quarto, tenho de passar por lá. Eu não gosto dessa sala, porque as caricaturas seguem-me com os olhos… Adoro ir a Caminha, é muito divertido! Temos lá uma casinha de madeira no meio do jardim; foi toda decorada por nós, é quase toda cor de rosa por dentro, é muito gira!

Ovelhas a pastar

Carlos Reis via Compfight

     No Alentejo, vou à piscina e à praia; não gosto muito de ir à praia, porque não gosto de nadar com as ondas, prefiro nadar calmamente, a relaxar!

    A minha casa do Alentejo, fica numa herdade, é muito bonita. Todos os dias de manhã, vou de bicicleta buscar os ovos das galinhas; ponho-os no meu cesto da bicicleta, é muito divertido; mas os ovos já estão num pratinho à porta do galinheiro, porque há um senhor que trabalha lá e vai logo de manhã. Depois vamos ver a Malhadinha – uma vaquinha – e a ovelhinha bebé (ainda não tem nome), a seguir vamos ver as cabrinhas: a Carinha e os filhos (não sei como se chamam): são dois, um menino e uma menina. E às vezes vamos ver as avestruzes, ou lá o que é, foi o meu tio que as comprou, ele adora animais. Também gostamos de ir ver o novo cão bebé, o Max e os cavalos. 

     Dia cinco vou entrar em férias! Vou ter imensas saudades da minha turma, só de pensar que nos vamos todos separar! Umas ótimas férias! Beijinhos. Obrigada aos professores e colegas.

Maria Ana P, 6A

Print Friendly

Improviso sobre as Férias

   Mathieu FlaminiCreative Commons License wonker via Compfight

      Gosto de ir para o Alentejo, com os meus Avós. A minha cadela, quando vai beber,  costuma cair na piscina.

     Os meus pais dizem que sou “cigano”, porque, em férias, gosto de estar nas casas dos outros.

    Uma vez dormi em casa de um amigo de um meu amigo. Acordei e não consegui dormir mais, porque o Francisco estava a avançar para mim, e eu fiquei fora da cama. Também vi a gata dele a espreitar para mim, no escuro.

     Gosto de jogar nos torneios on line da Fifa 2; o meu máximo é chegar às meias-finais. O que é estranho na Fifa 2 é que já houve uma pessoa que me mandou um convite de amizade. Talvez seja porque eu jogo bem Fifa, para fazer equipa. A net irrita, porque está sempre a parar, mas são as outras pessoas que ficam sem ligação e eu passo para os quartos de final.

Manuel N, 5A

Print Friendly

Convite para o Natal 2015

Central Park LampCreative Commons License Randen Pederson via Compfight

   Cascais, 12/05/15

    Olá Amigo!

     Tenho muitas saudades tuas e desejo voltar a ver-te nas férias do Natal!

    Eu estou bem: gostei imenso de ir ao cinema e de jogar futebol. Já vou no volume IX do “Diário de um Banana”, e tu? Já fiz o meu contrato de leitura, já posso estar descansado. E tu, o que andas a ler?

     Fui ao Parque de Palmela e fiz um concurso de obstáculos, mas como tenho vertigens, às vezes não sabia como fazer.

    Conto que nos vamos ver nas férias de Natal; podemos ir ao cinema ver o último filme de Nárnia ou um dos Ninjas. Podemos ir à kidzânia e experimentar os bombeiros. As minhas festas de anos são sempre no cinema e, como sabes, faço anos a cinco de Janeiro.

     Vamos ter umas ótimas férias!

     Um abraço do teu amigo,

Manuel N, 5A

Print Friendly

Férias Fantásticas

         Estou ansiosa para ir estrear as minhas férias de Verão!

       Em Junho, começo as férias com três aniversários seguidos: da minha prima Leonor, que faz cinco anos, do meu primo Bruno que também faz cinco anos e da Maria do Carmo, que é rececionista da ginástica rítmica, que faz 51 anos. O resto de Junho passo-o na praia com a madrinha de um amigo: na praia da Poça, onde gosto muito da piscina, pois posso dar mergulhos e a água é quentinha.

madalena_helpo

Imagem: Helpo

     Em Julho, vou três semanas para a Helpo; na outra que sobra vou ficar com a minha Madrinha, em casa dela, onde vamos à piscina no seu jardim.  Com a Helpo vamos em grupo para a praia, temos atividades-surpresa e fazemos novos amigos.

madalena_mozelo_igreja

 Direitos Reservados: João Paulo Coutinho Panoramio

      Em Agosto vou nadar nas piscinas municipais de Viseu. Vive lá a minha família toda da parte da Mãe. Costumo ficar em casa de uma tia que mora em Mozelos; é uma vila pequenina onde eu posso passear sozinha. Vou todas as manhãs, com a minha prima, à Igreja. Vou ao salão de cabeleireiro da minha tia e ao talho do meu tio.

madalena_palacio_do_gelo_jpg

 Imagem: Pumpkin.pt

     As noites são quentes e podemos ficar no jardim a conversar ou ir às festas que há todo o verão até à uma da manhã. É lá que festejamos os anos da minha prima, do meu primo e da minha Mãe. Eu e uma amiga patinamos no Palácio do Gelo que está aberto, mesmo com o calor.  Em Setembro, vou comprar o material escolar e preparar um bocadinho a Matemática.

     Desejo a todas as pessoas que deem muitas quedas na piscina e quero-vos ver a todos, em Setembro, morenos do Sol.

 Improviso ditado por Madalena C, 5A

Print Friendly

Do 6º Ano para o Verão

rafael_mini_praia-gale

     Imagem: Sol domus

      Ir ao Algarve… o que mais quero é apanhar sol, ir à praia, ver os meus amigos…

   Costumo ir a imensas praias: da Galé, Praia Grande, Salgados… estas últimas são as minhas preferidas, pois são as mais calmas…odeio ondas grandes, às vezes,perco o pé e quando estou debaixo de água venho ao de cima e vem outra onda que me bate na cara! Nos Salgados é que tenho os amigos, lá perto de Albufeira.

    Um momento que marcou o meu 2º ciclo foi conhecer a minha DT – porque apesar de ela ser exigente e de às vezes nos cansar, a Stora é mesmo simpática. Adoro história, principalmente a época do Estado Novo.

    Para estudar, por exemplo, faço sempre resumos, a História, a Ciências e até a Português: escrevo a matéria por palavras minhas e depois escrevo um exercício por baixo. Quando tenho coisas concretas para fazer: por exemplo, para fazer um poema, procuro as rimas; quando tenho uma decisão para tomar, por exemplo, de que cor é que vou comprar uns sapatos ou quando estive a fazer um poema para a stora: nessas situações é que há o silêncio do pensamento.

Ditado por Rafael C, 6C

Print Friendly

Férias Espetaculares!

   SEA OASIS Tiago Pinheiro via Compfight

     As minhas férias foram espetaculares! Fui para casa da minha avó que vive em Belas, com a minha irmã que se chama Carolina e os meus dois primos; o mais velho chama-se Diogo e o mais novo chama-se Duarte.

    Quando chegamos lá fomos pôr as malas nos nossos quartos e, como estava um belo dia de calor, fomos para a piscina brincar os quatro. Foi muito divertido porque demos muitos saltos!

     Depois começou a ficar um bocadinho frio por estarmos muito tempo dentro de água. Saímos e fomos lanchar, porque estávamos a ficar com fome.

     Depois de lanchar, como o meu avô tinha comprado uma bicicleta de dois lugares, fomos andar. Mas fomos só eu e o meu primo Diogo. Foi espantoso!

Mariana H, 6C

Print Friendly

No Embalo das Ondas Pequeninas

 CascaisCreative Commons License Loreta Conte via Compfight

     Uma menina ia no Paredão com a mãe; ela ia de patins; as duas passavam entre as pessoas que iam a caminhar. Chegaram a uma zona em que o chão era um bocado ondulado; a menina teve de descalçar os patins e calçar os ténis: foram as duas a correr.

     Depois, sentaram-se num banco a apreciar a paisagem: cores lindas das barracas, pessoas a passear os cães e a conversar.

     Mais à frente, ondulava uma bandeira tricolor, crianças brincavam com a água e a areia, enquanto os pais as vigiavam, bronzeando-se. Outras davam mergulhos e nadavam com muita felicidade.

     Um bocadinho mais longe, uns barquinhos navegavam no mar calmo, onde se podia pescar ou descansar, no embalo das ondinhas pequeninas. Ouviam-se gritos das gaivotas, misturado com sons de alegria e risos das crianças.

    Ao fundo, no céu limpo, o sol parecia trazer mais água ao mar e coragem aos jovens.

Madalena C, 5A

Print Friendly

Plantas em Mil Tons de Verde

amazon river reflectons mariusz kluzniak via Compfight

     Nestas férias da Páscoa, visitei a Amazónia, foi tão giro!

      Nós descemos o Rio Negro num barco pequenino, com 18 pessoas amigas do meu pai. Nós admirámos as árvores lindíssimas, plantas coloridas em mil tons de verde, o sol escondido pelas horríveis nuvens cinzentas.

     Atingimos o ponto de encontro do rio Amazonas com o rio Negro, que tem águas mais escuras e mais quentes.

      Aqui, as margens afastavam-se e assim observávamos imensos pássaros tropicais, cheios de cores diferentes; os peixes eram magníficos, como as piranhas e piracurus, de dentes afiados, as flores selvagens em tons de azul, amarelo, rosa e muito bonitas.

      O teto do barco estava cheio de coletes de segurança e aranhas enormes: eram horríveis.

      O cheiro tropical era tão bom!

     O céu parecia descer; estávamos a passar uma ponte: depois da ponte chovia torrencialmente, parecia haver uma barreira a dividir as nuvens.

     E estas foram as minhas férias da Páscoa magníficas!

     Carolina S-C, 5B

Print Friendly

Hard Rock – II

Hard-Rock-CafeImagem: Hard Rock Cafe

     Assim que eu entrei, ouvi música de Rock and Roll aos altos berros. Enquanto eu e a minha avó fomos à casa de banho, a minha mãe e o Reinaldo foram pedir uma espécie de i-phone que acendia uma luz quando houvesse uma mesa para nós.

     Essa espera demorou perto de uma hora e meia, mas essa hora e meia não pareceu muito tempo, pois nós fomos comprar camisolas na loja. O Reinaldo comprou cerca de dez camisolas, porque toda a família dele queria camisolas do Hard Rock.

     Quando, finalmente, nos arranjaram mesa, nós não sabíamos o que comer; eu estive quase viinte minutos a escolher o que queria comer. Finalmente, decidi-me e comi um bife do lombo. Não era muito bom, mas eu gostei de ir lá, porque tinha músicas de Rock and Roll e muitas guitarras elétricas e decorações de rock penduradas nas paredes. A guitarra que estava ao pé de nós era vermelha e estava rachada nalguns cantos. Todas as guitarras eram de guitarristas muito famosos. Algumas das músicas que davam aos altos berros, eu sabia tocá-las na minha guitarra.

     Enquanto eu fingia que as tocava na minha “guitarra invisível”, o Reinaldo mostrava fotos da sua família e a minha avó mostrava fotos da nossa família. No fim, eu ainda comi um bolo de Oréo, ótimo. Os adultos continuaram a conversar e eu já a morrer de sono… Quando consegui ir embora ainda me disseram que tínhamos de mostrar Lisboa ao Reinaldo… eu já dormia em pé!

     Depois fomos no carro alugado, para a empresa da minha mãe buscar o nosso carro. A minha avó teve de ir sempre a acordar-me, para eu não dormir no carro alugado, porque o Reinaldo tinha de ficar com o carro. Então, assim que cheguei ao nosso carro, caí como uma pedra e fomos para casa.

Que jantar inesquecível!

Diogo T, 7

Print Friendly

Hard Rock – I

     Hard_Rock_Cafe_Sign

Imagem: Hard Rock Cafe

     Era sexta-feira, quando o meu primo Pedro, de cinco anos, me perguntou se eu queria ir jantar a casa dele. A minha avó disse que eu ia jantar com a minha mãe , ela e um senhor brasileiro do trabalho da minha mãe, chamado Reinaldo.

     Então eu disse ao meu primo que talvez num próximo dia eu pudesse ir jantar a casa dele. O Pedro ficou um pouco triste e começou a chorar; eu convenci-o que, depois, quando eu fosse a casa dele, nós iríamos brincar muito e jogar playstation.

     A minha mãe chegou com o Reinaldo e eu nem podia acreditar no que via. Sempre que a minha mãe ia de viagem, davam-lhe carros pequenos e maus, mas desta vez tinam-lhe dado um BMWX1, muito fixe!

     Saímos de casa da minha avó e fomos para Lisboa, para o Reinaldo deixar as malas no hotel. Enquanto a minha Mãe foi ajudar o Reinaldo a pôr as malas no hotel, eu e a minha avó ficamos a conversar, até que eu me lembrei de perguntar onde é que íamos jantar. A minha avó disse que era surpresa, mas eu lembrei-me que estávamos em Lisboa e que eu, num outro dia, tinha dito à minha mãe que queria ir jantar ao Hard Rock. Então eu virei-me para a minha avó e disse que já sabia onde íamos jantar. Disse que íamos ao Hard Rock jantar e ela disse que sim. Fiquei ansioso que o Reinaldo e aminha mãe chegassem para irmos para o Hard Rock.

Diogo T, 7A

Print Friendly

Acampar em Família

Saturday Night LightsCreative Commons License Luke Detwiler via Compfight

     Um dia, gostava de ir acampar com os meus pais e a minha irmã.

     Gostava de ver os animais e as variedades de árvores que existem na floresta e gostava de sentir o ar fresco.

     Depois, ia também ser divertido montar a tenda todos juntos. Como ia ser a primeira vez, ia ser fabuloso, porque ninguém percebia como montar uma tenda.

     Quando acabássemos de montar a tenda, íamos explorar a floresta. Já estava a imaginar a floresta tão verde e fresca, e o rio a escorrer pelo seu leito com a água limpinha, transparente… Isto era maravilhoso, espetacular.

    Ao entardecer, íamos voltar para a tenda e, ao jantar, íamos comer marshmellows, ia ser delicioso! Quando os saboreássemos, estávamos sentados à volta da fogueira, a contar anedotas, íamo-nos fartar de rir!

     Enquanto estivéssemos a jantar, fazíamos um bocadinho de silêncio e ouvíamos os pássaros a chilrear, os bichinhos a rastejar pelo chão, o restolhar das folhas e a água a escorrer. Depois, olhávamos  para cima e víamos muitas estrelas a brilhar: era espetacular!

     Estou muito ansiosa por ir acampar com a minha família!

 

Mariana H, 6C

Print Friendly

Férias Espetaculares de Carnaval

    Cascais, PortugalCreative Commons License bisonlux via Compfight

     As minhas férias de Natal foram espetaculares!

    Fui, de manhã, andar de bicicleta no paredão, com o meu tio e com a minha irmã. Quando estávamos a andar de bicicleta, começou a ficar muito calor e fomos comer um gelado na Olá. Depois, quando acabamos o gelado, voltamos para casa.

     Quando chegamos a casa, eu e a minha irmã fomos fazer karaoke: foi espantoso e divertido. Depois, começamos a ficar fartas e fomos lanchar iogurte com bolachas de chocolate.

     Depois de lanchar , fomos jogar pingue-pongue: eu joguei contra o meu tio e contra a minha irmã e ganhei aos dois.

      Às cinco horas, a minha mãe chegou e tivemos que ir fazer os trabalhos de casa; quando a minha mãe disse isso, fiquei logo desapontada: o meu dia estava a ser tão entusiasmante e a minha mãe teve logo que o estragar! Mas pronto, pelo menos estive a brincar e a divertir-me o dia todo.

     As férias de Carnaval foram muito animadas, eu adorei, mas a pior parte é que tinha de estudar para História e Inglês… Ser estudante às vezes é cansativo, mas  as matérias também podem ser interessantes.

Mariana H, 6C

Print Friendly

Eu e o Meu Amigo

Surfing Burleigh Heads_1029

Michael Dawes via Compfight

     Nas férias, eu e o meu melhor amigo, o Simão, costumamos acordar perto das 9h. Eu preparo-me para ir para a praia, mas antes de ir, passo pela casa dele para ver se ele já foi.

     Encontramo-nos na praia e, se a maré estiver baixa, vamos surfar; se estiver cheia, ou vamos andar em cima das nossas bóias ou vamos os dois com o irmão dele, o Xavi, até à Marina, ver os barcos passar. Logo a seguir, vamos para o nosso condomínio e damos um mergulhinho na piscina.

     Vamos almoçar e, depois do almoço, vamos os dois andar de bicicleta. Primeiro paramos no skatepark e fazemos umas manobras; depois vamos fazer umas derrapagens a Vila Moura. Se der tempo, ainda comemos um gelado. Depos, vamos para a praia com o Xavi e o Luís:  tal como de manhã, se estiver maré baixa, vamos surfar; se estiver maré alta, vamos jogar as cartas, incluindo os pais.

     Quando saímos da praia, ficamos na piscina das 19h  até às 21h 30 e, no fim, as nossas mães vêm-nos buscar para jantar. Despachamo-nos a comer para, às 22h já estarmos  lá em baixo para jogarmos às escondidas com toda a gente do condomínio. Finalmente, despedimo-nos e vamos para casa dormir…

Diogo T, 7A

Print Friendly

Um Melhor Momento

Dolphins in Pine Island SoundCreative Commons License Pete Markham via Compfight

     Eu estava em Soltróia, a recolher as conchas – a coisa que eu mais gosto de fazer quando estou na praia.

      De repente, vi a água a agitar-se: vi uma barbatana e, subitamente, salta um golfinho, mas não era um, eram três!

     Eu e o meu pai fomos num catamarã atrás dos golfinhos e, de seguida, o golfinho dá um mortal mesmo à minha frente!

     Um acontecimento inesquecível, a coisa mais bonita que eu já tinha visto!

Vasco L, 5C

Print Friendly

Viagem a Londres

     london
Creative Commons License Photo Credit: Roberto Trm via Compfight

     Que surpresa, quando os meus pais, no dia 24 de Dezembro, me disseram que íamos a Londres dali a dois dias!

     Eu desconfiava…

     O voo era às 8h 30, nós tínhamos que estar lá às 7h 30 da manhã, mas tivemos um grande azar: ninguém acordou!

    Todos os alarmes estavam postos para as 6h 30 e o meu pai, quando acordou, eram 7h e 20! O nosso táxi já estava à porta há 30 m! Com o atraso, todos tivemos que nos vestir em cinco segundos. E o pior de tudo era perder o voo!

     Conseguimos! Em meia hora fizemos tudo, fomos rapidíssimos a entrar no avião.

     Na chegada a Londres, em primeiro lugar, saímos do avião; de seguida, fomos apanhar o autocarro que se tinha atrasado por causa de um acidente, mas pronto, dormimos em casa do meu tio que era bastante gira.

EDF Energy London Eye
Creative Commons License Photo Credit: Lorelei92950 via Compfight

    O que nós visitamos: London Eye, onde a vista era lindíssima, uma das paisagens mais espetaculares que eu já vi! O Museu de  Madame Tussauds também foi inesquecível. E ainda fomos ver a praia e visitar universidades em Cambridge.

     Eu já tinha ido, mas uma pessoa não se cansa de ir a Londres!

(Fim da I Parte)                                           Tomás G. 5C

Print Friendly

A Passagem de Ano na Neve

      19/Jan/2014 · Serra da Estrela
Creative Commons License Photo Credit: Antero Pires via Compfight

     Em 2014, no dia vinte e sete de Dezembro, fui para a Serra da Estrela. Fiquei numa casinha de dois andares, feita de madeira.

      No dia seguinte, fui para a neve: equipei-me bem e lá fui; quando cheguei, estava muito frio e vento; até levei com um pedaço de gelo na cabeça e vim-me embora.

     No outro dia, estava melhor e fui para a pista de snowboard; fiz até às oito da noite, fui para casa e bebi uma chávena de chocolate quente.

     No dia trinta, fui ao museu do Pão e foi muito divertido. No dia trinta e um, fui para a neve às sete da manhã e fiquei lá até às cinco da manhã. Durante essas vinte e duas horas, fiquei a fazer ski, a andar de trenó e a fazer snowboard.

     Dia um, às três da tarde, voltei para Cascais.

 Bernardo M, 6C

Print Friendly

Momentos de Liberdade

Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Creative Commons License Photo Credit: Charlotte90T via Compfight

     Um momento de liberdade é tomar todos os banhos de mar em Sesimbra! Visitei, no meu barco “Gutu”, o cabo Espichel, e aprendi a andar de barco sem me balançar. As águas de Sesimbra eram muito lisas e perdi a conta dos banhos que tomei… e a água a 23º!

     Mas quando regressámos a Cascais estava mar bravo! Tive de por colete salva-vidas e um cabo preso ao pulso, uma espécie de “pulseira salva-vidas”.

     Quando eu estou na Marina de Cascais e ando de Kart, sinto-me livre, porque os meus pais não estão a dizer o que tenho que fazer e vou tão rápido que sinto a velocidade!  

    Eu acho que nós, para saborearmos a liberdade, precisamos de ter alguém para brincar. Uma vez, eu a Maria brincamos aos restaurantes: inventamos um restaurante que se chamava Toys’r us Barbirus, onde recebíamos pedidos. Quando tínhamos eventos de caridade, era obrigatório não pagar, mas sim dar gorgeta. Anotávamos os pedidos assim:

ines_restaurante

Imagem: Cadescrita

Inês G, 6B

Print Friendly

Verão 2014

     croquis aquarellé: Portimão vu de Ferragudo - Algarve - Portugal
Photo Credit: Guy MOLL via Compfight

     Quando estava de férias, aprendi a fazer surf com uma amiga minha e depois do fim  da aula fui picada no pé por um peixe aranha.  

     No Algarve fui à praia e, como estava a água muito fria, fui para a praia Verde, onde encontrei a Sofia e nós brincamos muito.

     Nos tempos livres, eu gosto muito de sair de casa em vez de ficar a apodrecer no sofá. Vou com a minha mãe passear e damos um longo passeio, ou de bicicleta ou de patins.

     Ao longo do verão, estive com os meus pais e a minha irmã, mais o meu tio e a minha avó.

    Quando regressei à escola, notei que os professores falam muito e não deixam os alunos falar.

Mariana H, 6C

 

Print Friendly

Férias Maravilhosas

Sardinian natural swimming pool

Creative Commons License Photo Credit: Aitor Garcia Viñas via Compfight

    As minhas férias foram ótimas: andei de barco, fiz imensas atividades novas, aprendi truques difíceis no Surf…  Eu fui à Sardenha, um sítio maravilhoso, lindíssimo!

    No meio de um mar cristalino, surgem algumas ilhas de pedra vulcânica, montanhosa: é bonito, é diferente.

    Ficámos alojados na mansão da minha avó: o seu namorado tem um helicóptero que pousa em cima da casa, num terraço. À noite, via muitas luzes no mar, que eram dos iates ancorados. Via o céu, muito estrelado,  e passava uma brisa quente.

    De manhã, via a previsão do tempo no computador da minha avó para ver se podíamos andar de barco. Se pudéssemos, íamos: é um iate que tem um barco de apoio, que é um semirrígido de sete metros; às vezes eu próprio guiava; avançávamos por entre as ilhas Thaiti, pescávamos, fazíamos pesca submarina e mandávamos bombinhas de comida para os peixes, daquelas que explodem a 4 metros de profundidade. Fui a uma  ilha pequenina lá na Sardenha e adorei!

     Ao vir embora, também gostei muito porque o trabalho do meu pai é na NetJet – aviões privados – e vim-me embora de jato privado.

     Mas o mais importante foi estar com a família e com os meus amigos.

Francisco B. 6D

Print Friendly

Férias, férias…


This is how its done
Creative Commons License Photo Credit: Bryce Bradford via Compfight

     As minhas férias começaram logo com a festa de um amigo. Fomos ao cinema ver o “Planeta dos Macacos 2” na zona vip e depois ainda fomos dormir a casa dele.

     Então fui para Troia durante uma semana, em seguida para o Algarve durante duas semanas e, finalmente, para a Comporta.

     Com o meu pai, fui ao Zoomarine nadar com os golfinhos: foi fantástico! E ainda fomos andar nos escorregas.

    Para a minha festa convidei três pessoas: dois deles eram gémeos; o outro era o B. Fizemos um churrasco e depois eles dormiram lá.

   A seguir veio a pior parte: o mês de Setembro. Já estava a chover e eu, nervoso com o regresso ás aulas “- O que vou fazer?”

    Bom, tive de ir comprar os livros…

Pedro G 6D

Print Friendly

Animais Favoritos

       grandmaster FLAX ~ II
Photo Credit: hobvias sudoneighm via Compfight

     Os meus animais preferidos são os coelhos e os periquitos de coleira. Eu gosto do coelho porque é um animal com quem podemos brincar, dar-lhe festas e não é preciso muito esforço para tratar dele.

      No caso do periquito de coleira é igual: podemos dar-lhe festas, ao contrário da maioria das outras aves, podemos brincar com eles, como, por exemplo: eu antes punha bonecos da Lego em cima da mesa e ele fazia batalhas com os bonecos.

     Se eu fosse atribuir um símbolo aos meus animais, seria: ao periquito de coleira, atribuía o símbolo de ser perseverante, porque estas aves, em pequenas,  voam muito mal, e batem contra tuo, durante os dois primeiros anos. Mas não desistem, continuam sempre a tentar.

     Na minha opinião, ao coelho, eu atribuía o símbolo da inteligência, porque eles têm umas estratégias, tais como: escondem a toca quando saem de casa; e quando veem um predador que acha que não há ali toca e o tentam apanhar, ele vai para a toca. E para os seus bebés não saírem, põe palha ou erva, amontodada,  a tapar a saída de casa.

     Para quem não sabe, os periquitos de coleira  são oriundos de África, Ásia e de alguns países do mundo. Esta raça tem o nome de “coleira”, porque , no pescoço, apresentam uma coleira ou um risco, normalmente azul, vermelho ou laranja, nos machos e um risco sem cor ou cor-de-rosa, nas fêmeas.

     Este pássaro, se não se comprar com cunhas, custa, em bebé, 500 euros e, em adulto, 400 euros.

     E isto é só o início do que eu podia contar sobre os meus animais!

Rafael N 5D

Print Friendly

O Concerto dos Queen

Imagem: Live Concert in Norway 1982

      Neste dia foi tudo muito giro e barulhento no Concerto dos Queen. Foi um “programa de homens”: só eu e o meu Pai – uma noite de verão na Comporta.

     O meu Pai tem lá uma casa, mas não fomos lá passar o dia; ficamos num motel mais perto do Concerto. Chegámos lá um dia antes; comemos pizza de almoço, fomos ao Supermercado comprar coisinhas boas – uns doces “tipo” bolachas. O jantar foi o resto da Pizza, pois não tinha comido tudo.

     Na hora do Concerto, chegou o meu tio  – que tinha organizado o Concerto – e deu-nos bilhetes de graça. Havia uns papelinhos, lá no Concerto, que eram como se fosse dinheiro: um euro verdadeiro por cada bilhetinho. O meu Pai comprou um bloquinho com cem desses bilhetes.

     Quando o concerto começou, tocou logo as músicas que eu mais conhecia: “We are the Champions“, “We will rock you“. A música estava aos berros e eu fiquei com dores de cabeça, mas mesmo assim, gostei de ouvir. Estava uma bela lua cheia, mas os efeitos de luz não eram lá grande coisa. Fomos para trás de tudo, só estávamos ao ar livre, foi tudo muito bonito: olhar as estrelas e a lua naquela escuridão.

     Não era a verdadeira banda, eram espanhóis, mas imitaram bem. O ambiente era leve, mas barulhento, as pessoas que estavam à volta faziam parecer que estavam mais de mil pessoas lá.

     Saímos mais cedo e encontrámos dois senhores à porta, sentados à beira da estrada. O meu Pai deu os nossos bilhetes a eles e voltámos para o Motel, que só tinha cinco quartos.

     Escolhi este momento porque foi um momento em Família, a ouvir uma das minhas bandas preferidas.

Miguel F, 5C

Print Friendly

A Viagem a Londres

St. James's ParkCreative Commons License Ștefan Jurcă via Compfight

     Cheguei a Londres, fui logo pôr as malas no hotel; a primeira refeição foi no Mac Donalds;  havia uma loja de 5 andares, só sobre M&M‘s.

      Fomos ver a troca da guarda do Palácio: um senhor estava com as mãos atrás das costas e quando  parava, fazia uma espécie de sapateado ! E pena que  não chegamos a ver a apresentação  dos guardas  com póneis, mas  vimos  a troca da guarda no palácio de Buckingham.

      Fomos ver a  roda gigante: andava tão devagar que as pessoas entravam e saíam em movimento.

      No museu da Ciência vi um dinossauro mecânico que quase parecia real.

     Vi o Big Ben, lá perto estive num parque: um senhor tinha muitas nozes e deu-nos para chamarmos esquilos. Veio um esquilo de pêlo castanho e olhinhos pretos, comeu à minha mão e fugiu a correr. Havia um pato pateta que era fácil de enganar: pegava-se numa pedra,  mostrava-se e ele vinha ter connosco a pensar que era comida. A primeira vez assustei-me pois parecia mesmo que ele ia dar uma bicada!

     No hotel havia duas tv’s: alugámos o filme Lorax, um menino que gostava muito de uma menina e ele um dia mostrou-lhe uma coisa e disse:

     – Este desenho que eu pintei na parede é de uma árvore real! –  porque já não havia mais árvores.

     Ela disse se alguém lhe trouxesse uma árvore ela casaria logo com ele. O menino aproveitou e foi falar com a avó que sabia onde estavam as árvores.

     E encontrou um senhor nesse sítio que a avó indicou; ele contou uma história sobre um menino que cortava árvores. Apareceu aí o Lorax e disse que se ele não parasse, seira expulso dali, mas ele continuou até que o mundo ficou sem árvores. Depois de contar essa história deu-lhe a última semente de árvore que havia no mundo, antes das árvores acabarem. O menino plantou a semente e quando essa árvore cresceu, deu muitas sementes, que ele deu a toda a cidade.

     E no fim, esse senhor que contou a história a ele, sai de casa, – porque ele estava em casa, fechado – olha-se para a cara dele e vê-se quem é esse senhor que contou a história:  era o próprio senhor da história.

     O rapaz deu  sementes a esse senhor e ele sai de casa para regar as árvores pequenas. O Lorax é o Guardião da floresta.

      Fui a uma espécie de  Shopping …

Miguel F 5C

Print Friendly