Verão na Austrália

     Estas férias vivi do outro lado do planeta: fui à Austrália!

australia_png

Imagem: Google Maps

     Senti que na Austrália há tudo: inverno e verão. Na primeira parte da viagem, apanhei o inverno em Melbourne, mas o hotel era ótimo e mais alto que a torre Eiffel: havia uma piscina lá em cima – “infinity” – e com a vista toda sobre Melbourne! 

uluru

Imagem: Crystalinks.com

    No deserto, vi imensas realidades diferentes, como um dos “monumentos” mais conhecidos da Austrália: a rocha Uluru, que era gigante. Dizem que é do tamanho do centro de Sidney. Os arborígenas não gostam que as pessoas subam a rocha; dizem que  quem subir fica amaldiçoado. Para subir é preciso agarrar numa corda, senão, cai-se e morre-se…

recife_cairns

     Imagem: Sun Lover

    Cairns é uma cidade onde está sempre calor; é um dos locais preferidos para passar férias, mas temos que ter cuidado com os crocodilos e os tubarões: cada praia avisa que pode haver. Também Cairns foi um dos meus melhores sítios, porque fomos ao recife de corais. Chegamos cedo e levava uma hora e meia para lá chegar; estava imensa vaga e vento. Chegamos e era um Paraíso: nunca tinha visto água tão transparente e tão limpa.

     Nós ficamos numa jangada apetrechada para nos vestirmos para mergulhar. Depois entramos dentro de água e aí foi lindo: eram peixes de todas as cores que possamos imaginar; os corais eram lindos; havia imensas anémonas que abriam e fechavam a boca e ainda o mais fascinante foi a tartaruga a nadar calmamente: era enorme, foi inesquecível!

     Em Cairns também fomos visitar um rio de crocodilos grandes. Fomos num barco, de onde também víamos cobras penduradas nas árvores que queriam atacar-nos. Os crocodilos eram assustadores; um bebé crocodilo é do tamanho de um lagarto grande; e não podíamos pôr as mãos fora do barco, pois os crocodilos rodeavam-nos. 

crocodile_cairn

Imagem: Hardley Crocodile Farm Cairn

     Em Apollo Bay, tudo era floresta tropical e água, onde também vimos baleias, mas naquele mar não se podia entrar, porque havia umas alforrecas mortíferas que matavam as pessoas em dois minutos. 

apollo-bay-aviation

Imagem: Apollo Bay Aviation

    Tomás G, 7A

Surf Trip Peniche

Muniz pro surfer

Creative Commons License SayLuiiiis via Compfight

     Mal chegamos a Peniche, eu, o Nuno, o João, o Vasco, o Afonso A. fomos ver a casa do Afonso: era uma quinta enorme, com diversas coisas: tinha um trampolim, uma garagem cheia de fatos, pranchas e também havia lá uma cadela que já estava a “deitar as águas” em situação de parto iminente.

     Sábado, fomos surfar para o Baleal: o João A ensinou-me uma boa tática para ter mais velocidade nos “botames”. Ele diz que é mais importante os “botames” porque se o “botame” fosse bom, a manobra saía bem de certeza.

    Eu tentei dar um “aéreo”  pela primeira vez: até saiu bem!

     O Afonso A, em quase todas as ondas fazia um “aéreo recourse”. O Pai dele é óptimo treinador e surfista e também é muito simpático e calmo.

     Domingo, fomos para uma praia com óptimas ondas. Foi o dia que eu mais gostei, com a minha tentativa de aéreo, mais uma vez e também um lance a soltar as “quinhas” à frente do Nuno.

      Almoçamos no Pingo Doce e depois fomos logo fazer surf. Nos primeiros minutos,  surfei bem e na última meia hora, tentei dar mais dois aéreos “rivense”.

     Os cães também nasceram nesse mesmo dia, eram mínimos, mais ou menos com 13 cm.

      E Fim.

Vasco L, 6C

Comida Deliciosa

    alex_5c_almoco1Imagem: Oficina de Escrita 

      Gosto muito de comida, porque me sabe tão bem e alimenta o nosso organismo.

     Uma das minhas comidas favoritas é massa com salmão e natas, porque tem um sabor delicioso e enche-me muito a barriga. Uma das comidas que eu menos gosto é pizza com cogumelos.

     Gosto de cozinhar, porque assim saboreio a minha própria comida: massa com salmão, feijoada e salsichas, ovo estrelado e ovo mexido.

     Já cozinhei o meu próprio almoço e fiz salsichas, ovo mexido e ovo estrelado. Cozinhei sem ajuda e foi muito divertido, até me enganei na temperatura do fogão.

    Aconselho a quem se interesse a fazer comidas mais fáceis, como por exemplo, bolo de yogurte, para começar!

Lourenço C, 5C

O Novo Mundo

Running From the Sun

Russ Seidel via Compfight     

      Houve uma grande mudança de recreio: já não há escorregas; o campo é maior e é de pedra; em caso de os grandes “chatearem”, só depois de se procurar muito é que encontramos “salvação”. No recreio, temos feito as mesmas brincadeiras: aos agentes secretos, com dardos, facas e temos de matar “os maus” para salvar a nossa família e o nosso chefe.
      No fundo do recreio coberto do Pavilhão há uma passagem, mas não é um local muito secreto: foi descoberto desde sempre.
     Nós, que somos muito curiosos, encontrámos uma passagem em que subi mos dois andares, depois entramos num corredor, vamos até ao fundo, do lado esquerdo, depois descemos um andar, porque há outras escadas, e encontramo-nos na papelaria.
       Na Biblioteca, ao fundo de tudo, há umas portas e um caminho; a minha prima contou-me que, se seguirmos bem esse caminho, encontramos a sala de descanso da Diretora – a minha prima já a encontrou em pijama, a beber chá!
     Os Professores são muito queridos. O Professor de Matemática, nas contas de somar, quando é com três números, junta dois números para ficar um número certo e depois soma com o outro – Esperto!
       De Português não gosto muito, mas este ano estou a gostar.
      Em Ciências estou a aprender imensas coisas: são detalhes de coisas que já sabia, outras são coisas novas, pois graças ao meu pai, a mim e aos professores, sei imensas coisas novas. O meu pai é curioso, sabe um bocadinho de tudo.
       É bom as turmas estarem baralhadas, porque assim temos de começar do pico zero, é como se não conhecêssemos ninguém. Ah, ia-me esquecendo, não estou tão sozinho como penso, pois tenho um grande amigo com quem partilhei a minha idade desde o 2º ano – porque antes éramos mais rivais, lutávamos imenso… – É bom ter alguém aventuroso para partilhar…
       Recordo o Parque da Primária: eu ia secretamente para o outro lado, sem que as vigilantes vissem; quando havia fila, íamos para o corredor onde há a rampa e as escadas, avançávamos até à portaria, íamos à casa de banho dos homens e, outras vezes, íamos por esse túnel só para esperar que a casa de banho ficasse vazia.
       A Professora gritava muito comigo, mas era a brincar; era muito querida. Chamava, algumas vezes, os outros alunos de “Miguel”, porque estava sempre a dizer “Migueeeeeeeeel seu cabeçudo!”
        Na festa de despedida, foi giro as camisolas com a fotografia, da professora
        No passeio de despedida, não sei o nome, mas fomos a um sítio onde havia brincadeiras com água; havia jogos como os matrecos humanos: com água, um sabonete e uma mangueira e muitas vezes as pessoas caíam!
        Também havia uma espécie de jogo em que as pessoas estavam de um lado com um balão de água e tínhamos de fugir sem nos molharmos. Um estava de frente para mim, acertaram-me muitas vezes, mas nenhum rebentou; até que veio um balão aqui e outro aqui e eu saltei e baixei-me.
       Este ano gostaria de alcançar os objetivos: escrever mais rápido, arranjar novos amigos.
       À minha Turma diria para fecharem a boca e pararem de dizer para eu escrever!

Miguel F, 5C