O Dia Belo do Pai

         father-son-paddleboard

Jeremy Hiebert via Compfight

     O meu Pai é uma pessoa alta, fofinho e forte. O seu corpo é ágil e bem constituído. O seu rosto é oval, como a pele, mas um pouco menos morena do que eu; a boca é sorridente e os lábios rosados; o nariz é direito e fino; os olhos são castanhos como a beleza dos troncos das árvores; o seu olhar é bom e generoso.

     O meu Pai é corajoso, é um bom Pai e amigo como o Universo; ele também ralha, mas é fixe e brincalhão. Ele gosta de escalar, ao pé da Guia, num sítio junto ao mar com pedras altas, num clube que distingue vários níveis de escalada. O Pai joga Padel e também comigo; ensinou-me que, quando a bola vai atrás, eu tenho de correr para trás; quando ela vem no meio, não basta tocar-lhe, tenho que empurrá-la com a raquete.  

     O que ele sempre fez na vida foi pedalar na sua bicicleta, vai comigo pela Serra de Sintra e já me pôs contaquilómetros e vai pôr-me pedais de encaixe. Todas as quintas-feiras, o Pai vai correr com os Salamandrecos, mas é só quando não está connosco.

     Pai, eu nunca me esquecerei das vezes em que eu não queria ir para a piscina, mas tu resolvias e vinhas comigo! Também nunca esquecerei quando fomos á Serra da Estrela e, no Hotel, com piscina interior e exterior, quando nós vínhamos sozinhos para o exterior e tu me ensinaste a andar de trenó. Nunca esquecerei que foste tu o primeiro a decidir que eu descesse a rampa grande em pequeno. Foste tu que me ensinaste todos os Desportos!

Afonso F 5D

Print Friendly

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *