Uma Recordação para a Vida

Pêche du soir

Christian Arnal via Compfight

     Nas minhas férias as coisas que me fizeram muito feliz foi ter passado muito tempo com as pessoas de quem gosto: o meu pai, a minha mãe, e a minha irmã mais velha.

     Eu fui muitas vezes à praia até um dia o meu pai comprou-me uma prancha, e eu fui logo correr para as ondas; tentei pôr-me em pé como os surfistas profissionais, mas óbvio que não consegui. O meu pai foi lá e começou a ajudar-me.

JaxBeachPier_12-27-15-1897

Creative Commons License Rob Bixby via Compfight

     Ele ensinou-me que eu não me posso pôr em pé, pois a prancha podia partir-se e também que só era preciso pôr-me deitada e as ondas tratavam do resto; depois de algum treino, conseguia, mais ou menos, fazer bem!

Big Seas

Long Road Photography (formerly Aff) via Compfight

     Só que um dia, estava um dia tão bonito e refrescante que eu decidi ir ver as ondas: estavam uma bomba! Eram enormes! Por isso fui chamar a minha família, até os meus avós foram e todos fizemos uma recordação para a vida!

     Eu senti que não havia família melhor e senti que o meu lugar era ali!

Carolina M, 5D

As Melhores Férias

barco_douro1

Imagem: Cruzeiros pelo Douro

     Estas férias fui descer o rio Douro de barco, durante a semana. Partimos do Porto: a vista era linda, só se via verde! À hora de almoço, parávamos para almoçar.

     O que eu gostei mais foi de subir e descer as barragens com a Família.

     À noite ia para o hotel ou para uma casa, jantar e dormir.

cruzeiro-douro-12

Imagem: Douro.com

     No dia seguinte, punha-me no barco e continuávamos o caminho. No último dia estivemos numa casa que parecia de bonecas: tinha uma piscina, um jardim maravilhoso e um cheiro óptimo.

     Fomos a uma quinta em que se produzia vinho e estava muito bem arranjada. As vinhas estavam todas em linha e cheias de uvas.

foto_barcadouro_25302

Imagem: Douro.com

     Estas férias foram uma maravilha. Eu adorei estar com os amigos. Foi um máximo!

Isabel S, 5D

O Meu Cão é Perfeito!

     La Rula

Creative Commons License Mario Sánchez Prada via Compfight

     O meu cão é de estatura grande, de raça boxer, e tem três anos. O pelo é tigrado: castanho, branco e preto; é curto e macio. As orelhas são pequenas e meio caídas. Ele corre muito depressa e morde como dois tubarões. É um bocadinho preguiçoso. Gosto de brincar à tourada com ele. A minha Mãe é que quis um boxer, mas eu preferia um Huskie ou um gato. Mas, quando o vi, senti-me realmente feliz por ter um boxer na minha casa.

      Lembro-me quando ele tinha medo de subir as escadas , em pequenino. Quando ele for velhinho e doente vou construir uma máquina para apoiar o meu velho cão.

      Hoje durmo sem medo, mas quando tinha cinco anos foi assustador: quando a minha mãe me deixou eu pensei que vinham pesadelos da janela e da porta para baixo da minha cama. Eu tinha medo do escuro quando era pequena. E agora que o meu cão veio, já não tenho.

Svetlana T 5B

 

O Verão trouxe Aventuras

sofia_equitacao_charneca

Imagem: Centro Hípico da Charneca

     Este ano, fui outra vez ao Campo de Férias da Pereira Coutinho; este foi o meu último ano, pois já fiz 14 anos.

     O que eu adorei foi andar de cavalo sozinha. A sensação é óptima e divertida! Havia uma altura em que eu pensava que o senhor estava a segurar as rédeas, mas eu olhava para o lado e não estava.

     Na parte da tarde, ficávamos na escola e jogávamos mata, volley, basquetebol… O convívio entre os adolescentes é óptimo, maravilhoso!

sofia_pedra_amarela

Imagem: Campos Sioux

     Na segunda quinzena, fui, pela primeira vez, aos Campos Sioux, na Pedra Amarela, perto do Pisão; é no meio do mato, come-se em mesas e bancos de madeira. Nós tínhamos de inventar e decorar um totem de madeira e dávamos um grito criado por cada tribo. Na primeira semana, foi o “Tugo Fox” e, na segunda, o grito era o “Sem Nome”.

    O ambiente era saudável, havia imensas árvores, com ramos cheios de folhagens espessas e verdes.

     Este ano consegui perder o medo de fazer arborismo, que há dois anos não tive coragem. Subia-se por umas pedras, chegava-se a um sítio alto onde havia árvores e começávamos a aventura: andando por umas passadeiras, saltando por pneus ou mesmo troncos deitados e, assim, andávamos lá no alto, por entre as árvores.

sofia_canoagem

Imagem: Pedaços de Aventura

     Fiz canoagem na praia dos pescadores. Este ano houve uma diferença e foi que ficávamos na praia até tarde.

     Fui ao zoo marine duas vezes: no 1º dia fui com a família mais próxima;  no 2º dia fui também com os primos todos. O que mais gostei foi dos escorregas: havia um colchão para duas pessoas e lá íamos ondulando para cima e para baixo, mas à nossa frente havia uma descida a pique!

     Fui uma semana para o Algarve em que fiquei num bungalow e os meus tios e avó noutro; lá havia três piscinas! Adorei sair à noite!

     Este verão trouxe-me novas aventuras!

Sofia L, 9C

Os Amigos

Soul Mates

Scott Norris via Compfight

Dedicado a Sofia VG e Catarina C

Os Amigos são irmãos

Que o destino libertou:

Colocou nas nossas mãos

E depois nos inspirou.

Despertamos para Alguém

Que antes não tínhamos visto

E vamos fazer-lhes bem

Como se eles fossem Cristo.

Com os Amigos não há medo

Nem a rotina do dia.

Eles guardam um segredo

E transmitem Alegria.

Sem amigos não há vida,

Os sentimentos são escuros,

Mas basta uma pessoa querida

Para saltar todos os muros.

Sofia, na patinagem,

No Karaté, Catarina,

Ambas vivem a Coragem

Numa vida de menina

E preparam, sem saber,

Um tesouro pró Futuro

Pois é feliz a viver

Quem guarda o coração puro.

OE

Lucy na Universidade – I

     Victoria Learning Theatre

UBC Library Communications via Compfight

     Chamo-me Lucy. Nasci num lugar desconhecido que nem eu sei onde é. Neste momento, vivo com uns senhores muito simpáticos, que cuidam de mim. Essa família é impecável e, para mim, são quase pais.

     Na semana passada, inscrevi-me numa Universidade para estudar Economia, mas não estou confiante de entrar.

     Instalei-me numa Residencial Universitária e, a certa altura, ouvi um barulho: “Dim, dom, dim, dom”. Era a campainha! A minha mãe adotiva tinha chegado. Abri a porta e dei com ela cheia de sacos de compras. Ajudei-a a levar as compras para a cozinha e depois fui para o meu quarto estudar Inglês.

     Quando estava a estudar, ouvi um outro barulho: “Drim”. Era uma mensagem. Fui ver: era a minha melhor amiga, a Liza, a perguntar se eu já tinha entrado na Universidade. Eu respondi que ainda não tinha recebido a confirmação. Então, a minha mãe adotiva chamou-me e eu desci as escadas e fui ter com ela. A minha mãe deu-me uma carta muito pequenina: as cartas grandes costumam ser boas, mas as pequeninas…

     Eu, Lucy, com medo  e muito nervosa, abri a carta: estava lá dentro uma cartolina muito grande, dobrada num retângulo muito pequeno. Dizia:

     “Caro Encarregado de Educação, o seu Educando foi admitido. Deve apresentar-se a 15 /09/2025 para a receção dos alunos do primeiro ano universitário.”

     Dei um grande abraço à minha mãe e fui para o quarto muito feliz. Lembrei-me de enviar uma mensagem à Liza, a dizer que tinha entrado; mandei e, poucos segundos depois, Liza respondeu-me a dizer: “Que bom, amiga, como eu também entrei, vamos ficar juntas!” E eu respondi “Ya, que fixe!”

     Passados quinze dias, numa manhã cheia de sol, entrei numa sala imensa, cheia de colegas que não conhecia.

(Cont)

Madalena M 5C

Uma Amizade à 1ª Vista

   Musa & Tecna ~ DSCN96986_Winx_Musa_Tecna_

applecandy spica via Compfight

    Dia 15 de Setembro de 2015 : eu acordei numa manhã invernosa. Saí da cama e espreitei por entre os estores: vi o meu jardim todo cheio de neve, e, nisto, oiço uma voz:

     – Madalena, já acordaste?

     Era o meu Pai e pensei: ” Hoje é o primeiro dia de aulas”. Fui pôr a farda da escola à pressa e fui com o meu pai e a minha irmã para o carro. Fomos para a escola.

     Eu estava cheia de vergonha, então, agarrei-me ao meu pai, até que entrei para a sala; quando lá entrei, só pensava: “Queres ver que não vou gostar desta escola?”

     Até que uma menina veio ter comigo e perguntou:

     – És nova?

     E eu respondi:

     –  Sim, porquê?. Ela respondeu:  

     – Por nada, mas podemos ser amigas?

      E eu disse:

      – Claro que sim!

      Então começamos a ser amigas. Um dia depois, ela apresentou-me as amigas dela: a Xixica, a Carolina e a Beatriz. Logo depois, a Xixica disse:

     –  Tu não andavas numa escola chamada “Chupeta”, quando eras bebé?

     Eu respondi:

     – Sim, porquê?

     – Eu também – disse a Xixica.

      – Ah, então é daí que conheço a tua cara!

      – Que fixe termos ficado na mesma turma, como em bebés! – exclamou a Xixica.

      – Yah, e assim já tenho uma amiga de quando era pequena!

      – Acho que vamos ser grandes amigas! – disse eu.

      E foi isso que aconteceu: ficamos cada vez mais amigas, melhores amigas, e agora acho que nunca mais nos vamos separar!

Madalena M, 5C

Férias 2016!

     Nas minhas férias, fui à praia, dei mergulhos e fiz bodyboard com amigos. Numa onda grande, enrolei-me e bati com a cara na prancha e numa pedra!Fizemos, os amigos e eu,  muralhas enormes e buracos grandes.

Barrel. Anglet.

Philippe Basset via Compfight

     Também estive no Gerês, onde fui andar de barco, na barragem. Fiz snowboard e descobri que, debaixo de água há casas e outras pontes.

vilarinho-das-furnas

Imagem: Vilarinho das Furnas

     Quando podíamos deixar a minha irmã Maggy em segurança, eu ia andar de bicicleta com o meu Pai. O que mais gosto é de passear de bicicleta na Serra de Sintra.

     Este fim-de-semana, o meu Pai já montou o conta-quilómetros na minha bicicleta e ainda vai pôr uns pedais de encaixe!

    

      Também fui a Espanha, almocei lá, fui à praia, e gostei muito de ir.

    E agora, um voto à Turma: desejo que toda a gente passe para o 6º!

Afonso F, 5D

Um Cão Brincalhão

Silvia Sala via Compfight

     Numa certa manhã de Outono, o meu dono estava a dormir, enquanto eu estava ocupado a brincar com um monte de folhas que ele tinha juntado ontem.

     Quando o meu dono acordou, eu ouvi-o a descer as escadas e chegou ao jardim com um saco de plástico, pronto para apanhar o monte de folhas com que eu tinha brincado esta manhã.

     Quando ele chegou ao jardim, ficou a olhar para mim, boquiaberto, e eu fiquei feliz ao vê-lo, porque assim ele podia ver o magnífico trabalho que eu tinha feito. Mas quando reparei na sua cara de mau, pensei que alguém tinha feito alguma coisa… Mas como? Só estávamos lá os dois!

     Reparei que era comigo, mas eu não estava a perceber, porque eu não tinha feito nada de mal…Mas quando vi que ele tinha um biscoito na mão e não mo deu, eu fiquei mesmo a perceber que tinha feito algo de mal.

     E ele disse-me:

     – Por que é que voltaste a fazer o mesmo de ontem, a desmanchar o meu monte de folhas?

     – Ão, ão, ão!

     Fiquei muito triste, por, no dia seguinte, o meu dono não me dar a ração – de que eu não gosto – nem me trazer um miminho do supermercado. Por isso, os cães que me estão a ler esta narrativa, nunca façam isto aos vossos donos!

(TPC de Português) Madalena C, 7A

Churrascos ao Luar

zambujeira_do_marImagem: Visit Portugal

     Este verão, a minha Mãe fez anos e fomos ao Algarve. Vimos lá um jogo de Portugal, num restaurante.

     Estive na Zambujeira, no acampamento com a minha família.

     Fui a Espanha, fiquei 13 dias lá, em Conil de la Frontera. E agora, um voto à minha Turma:  eu espero que tenham todos um bom ano!

Vasco L 5C

De Barco, até à Fuzeta

ilha_da_fusetaImagem: Sul Informação

     No verão, eu gostei de ir à Fuzeta todo o dia!

     Almocei lá, andei de barco: fui ao Algarve, andei num barco a motor que levava cerca de 20 pessoas, fui com amigos da família da Mãe e do Pai.

     A Fuzeta é uma ilha Portuguesa. Sentei-me ao pé de um café, depois fui à água e vi muitos peixes; o areal era muito fofo.

    E agora, um voto para a minha Turma: desejo que todos passem!

Afonso S 5C

O Mar e Eu

Blue Ringed Octopus

Tom Weilenmann via Compfight

     Eu gosto de fazer mergulho, porque gosto de conviver com os animais como se fossem os meus familiares.

     Quando a maré está baixa, eu consigo ver os búzios; encontro polvos, peixes e caranguejos.

2015-06-30_07-31-26 ZeFlower via Compfight

     Um animal de que eu gostei imenso foi a sapateira, que eu nunca tinha visto, com o meu irmão Tiago. Temos de levar um elástico para ela ficar imobilizada, e apertar-lhe as tenazes com um fio próprio. Agarra-se pelo ponto fraco da barriga.

大安海水浴場

William Chen1 via Compfight

    Eu calço barbatanas, luvas, visto um fato, uns pés por cima do fato, ponho uns óculos com cano de mergulho.

Francisco N, 5C

Verão na Austrália

     Estas férias vivi do outro lado do planeta: fui à Austrália!

australia_png

Imagem: Google Maps

     Senti que na Austrália há tudo: inverno e verão. Na primeira parte da viagem, apanhei o inverno em Melbourne, mas o hotel era ótimo e mais alto que a torre Eiffel: havia uma piscina lá em cima – “infinity” – e com a vista toda sobre Melbourne! 

uluru

Imagem: Crystalinks.com

    No deserto, vi imensas realidades diferentes, como um dos “monumentos” mais conhecidos da Austrália: a rocha Uluru, que era gigante. Dizem que é do tamanho do centro de Sidney. Os arborígenas não gostam que as pessoas subam a rocha; dizem que  quem subir fica amaldiçoado. Para subir é preciso agarrar numa corda, senão, cai-se e morre-se…

recife_cairns

     Imagem: Sun Lover

    Cairns é uma cidade onde está sempre calor; é um dos locais preferidos para passar férias, mas temos que ter cuidado com os crocodilos e os tubarões: cada praia avisa que pode haver. Também Cairns foi um dos meus melhores sítios, porque fomos ao recife de corais. Chegamos cedo e levava uma hora e meia para lá chegar; estava imensa vaga e vento. Chegamos e era um Paraíso: nunca tinha visto água tão transparente e tão limpa.

     Nós ficamos numa jangada apetrechada para nos vestirmos para mergulhar. Depois entramos dentro de água e aí foi lindo: eram peixes de todas as cores que possamos imaginar; os corais eram lindos; havia imensas anémonas que abriam e fechavam a boca e ainda o mais fascinante foi a tartaruga a nadar calmamente: era enorme, foi inesquecível!

     Em Cairns também fomos visitar um rio de crocodilos grandes. Fomos num barco, de onde também víamos cobras penduradas nas árvores que queriam atacar-nos. Os crocodilos eram assustadores; um bebé crocodilo é do tamanho de um lagarto grande; e não podíamos pôr as mãos fora do barco, pois os crocodilos rodeavam-nos. 

crocodile_cairn

Imagem: Hardley Crocodile Farm Cairn

     Em Apollo Bay, tudo era floresta tropical e água, onde também vimos baleias, mas naquele mar não se podia entrar, porque havia umas alforrecas mortíferas que matavam as pessoas em dois minutos. 

apollo-bay-aviation

Imagem: Apollo Bay Aviation

    Tomás G, 7A

O Violino Mágico – II

     v for violin

NFarmer via Compfight

    Três livros numa prateleira, ninguém sabia de onde tinham aparecido, pois antes a prateleira estava vazia, mas no ano em que os três bebés nasceram, sem cabelo, fizeram uma festa e a senhora da biblioteca gritou:

     – Calem-se! São bebés!

      Mas como bebés fazem festas? Talvez os bebés façam festas, talvez os bebés fossem especiais, talvez a Srª da biblioteca fosse demasiado má. Mas isso não importa, o facto de os livros terem aparecido é que era estranho; se calhar, eram dos bebés.  

     Os bebés encontraram um livro que abria uma passagem secreta onde havia 1000 escudos, mas os bebés não eram burros, foram de elevador e, no fundo, encontraram um violino mágico. Um homem misterioso, disse:

      – O que fizeram, seus bebés doidos? 

      Mas que grandes bebés! Aquilo sim, eram bebés! Os bebés pegaram no violino e foram-se embora, virando a fralda e tocaram magnificamente violino. A senhora da biblioteca cantava muito bem e fizeram uma banda. Mas essa banda não durou muito, porque a senhora cantava como uma vaca a dar à luz. 

      Mau! eu não percebo se a senhora cantava como uma vaca a dar à luz ou se cantava bem, talvez certas vacas a darem à luz até cantem bem, mas adiante. Os bebés tornaram-se super-estrelas, mas talvez o violino é que fosse uma estrela. 

     Os bebés cresceram e, até ao fim das suas vidas, a Banda foi um sucesso, e a senhora da biblioteca voltou para a Banda, pois sem ela, eles não eram nada. Mas no fim descobriu-se que o violino era de plástico e tinha sido comprado no “Chinês”.

   Texto a 3 Mãos: exercício de “nonsense”; improviso de escrita alternando os autores segundo o livro “Quero Ser Escritor” de Margarida Fonseca Santos e Elsa Serra

Matilda M, Bernardo M, Vasco S

Sob o Signo das Párabolas

paraboleanime

Imagem: Kindness of mathcurv.com

           A palavra Parábola remete para uma figura geométrica cujo movimento curvilíneo ascende para o alto. Etimologicamente significa, na origem grega, lançar (ballein) para o lado (para).

     No contexto da espiritualidade, a palavra significa uma breve alegoria, onde se distingue, por assim dizer, “um corpo” – conjunto de elementos familiares à nossa experiência concreta – e ainda “uma alma”: uma sequência de ideias paralelas às primeiras, que se entrelaçam num plano superior e que induzem uma alteração na vida daquele que escuta.

     Os relatos originais dos Evangelhos começaram por ser folhas volantes, passando clandestinamente entre as comunidades recém-nascidas. Nelas ficaram consignadas esta mão-cheia de histórias pequeninas com o nome de Parábolas.

     Tão inocentes que qualquer criança as pode recontar, elas induzem, no entanto, um dinamismo transformador no íntimo daqueles que as escutam. Pretendem realizar algo de inédito neles, atraindo-os da segurança humana onde tendem a instalar-se, para o seu inaudito impulso ascendente.

     Contudo, o dispositivo que se despoletou na escuta da Parábola permanece oculto e indisponível ao nosso controlo. Por isso, ela não se esgota numa interpretação única, e pode sempre libertar a energia de um sentido novo.

    Sob o signo das Parábolas, alunos e educadores do CAD, neste ano recém-nascido, somos assim confiados uns aos outros, levados na aventura da  Inovação.

OE

Sob o Signo da Inovação

       Sparrow & Plums

Lilac and Honey via Compfight

     Na primeira reunião alargada a todos os professores, em que se anunciaram as essenciais linhas de força que vão determinar o rumo dinâmico do ano letivo, destacou-se a partilha das boas práticas – que deverá pontuar o ano em reuniões trimestrais e culminar numa espécie de “Convenção”anual, em Julho, a fim de consagrar as iniciativas que se tiverem revelado com maior poder transformador.

     Sob o signo da Inovação, sobressaiu ainda a generalização dos trabalhos de projeto a todos os ciclos. Assim será viável o cruzamento dos diferentes conteúdos do currículo, a sua ligação viva com o mundo real bem como a devolução aos alunos do protagonismo que lhes compete no seu processo de aprendizagem.

     Ambas as orientações têm por base o desafio de implementar um modo de agir plenamente colaborativo, formando-se laços vivos entre as diferentes equipas de estudantes, de educadores e mistas. Assim, as boas práticas se multiplicarão nas partilhas e a juvenil inspiração dos alunos pode vir inaugurar  experiências criativas de trabalho conjunto.

     É com renovada expectativa que aguardamos a manifestação das belezas germinantes deste novo ano letivo.

 OE

Ecologia Emocional para os mais Jovens

 edicare-energias_e_relacoes_para_crescer-siImagem: Botão Colorido- Um loja de Brincadeiras

     Este ano, no nosso Colégio, foi a descoberta: a Edicare publicou há dois anos esta inspiradora trilogia sobre “Ecologia Emocional” que ajuda os pais e professores a guiar os mais novos na aventura de gerir as emoções a partir das experiências simples com o mundo envolvente sob a perspetiva da Ecologia.

    Os três volumes, divulgados pela professora de EV, oferecem também a sua riqueza de sugestões criativas às disciplinas de ET, EMRC, Ciências e Português, que convergem em trabalhos de Projeto.

    Ainda mal foram abordados, já os três livros despertam nos seus leitores uma girândola de inspirações para aprender a reconhecer e a trabalhar as experiências de vida, bem como para refletir por escrito sobre elas, tornando apreensível a sua natureza fugaz e esquiva, como um voo de borboleta. 

    Os autores – que também têm publicados numerosos livros para adultos dentro desta temática – María Mercé Conanglia e Jaume Soler são os fundadores do Instituto de Ecologia Emocional com o seu conceito-chave de “sustentabilidade emocional”  e o seu código ético

    Inspirando-se tanto nas tradições milenárias da sabedoria humana como nas investigações da psicologia moderna, definem a “Ecologia Emocional” como a arte de transformar a energia que toda a emoção nos traz, de modo que a possamos orientar para o aperfeiçoamento das relações connosco próprios, com os outros e com o vasto mundo que nos envolve.

      A nossa equipa de educadores, iniciada recentemente em formações relacionadas com este âmbito do desenvolvimento pessoal, encontrará certamente, na preciosa trilogia dedicada aos mais novos, uma inspiradora ferramenta de trabalho.

OE

O Banquete dos Pobres

parabole-invites-noces

Imagem: Gentillesse de  L’Actualité de Béthanie

    Esta parábola do Reino fala-nos de uma imensa festa  que os primeiros convidados recusaram mas que foi devidamente apreciada pelos sem-abrigo, doentes e desempregados.

     Ela foi ocasião de escuta e de partilha para o nosso Grupo de educadores, à sombra dos pinheiros do Seminário Espiritano, no prelúdio do novo ano letivo: em primeiro lugar, comentámos diversos sentidos aparentes na história; em seguida tentamos escutar o seu eco em nossas vidas. 

   Para nós, sobressaiu o contexto de liberdade em que a breve narrativa se desenrolou: iniciativa desinteressada do Senhor da Festa, opção assumida sem coação, tanto por aqueles que recusaram como por aqueles que aceitaram.

    Em seguida, apreciamos a atitude de perseverança  de quem convida, não se deixando desanimar pelas primeiras recusas, bem como a atitude de humildade de quem aceita sabendo que não pode retribuir; as diversas recusas, por sua vez, expressavam um juízo de valor, segundo o qual o contexto que envolvia os convidados lhes parecia mais importante, ou a nova situação a que podiam aceder lhes parecia banal.

      Na nossa vida, quantas vezes não queremos abrir mão de aceitar um convite, porque estamos cansados ou não queremos afastar-nos das nossas tarefas. E, frequentemente, descobrimos, depois de termos ido, como a experiência foi enriquecedora e como o convívio com os outros nos encheu o coração.

     Também, por vezes, cumprimos um convite por fidelidade à palavra dada; para não desiludirmos os outros; para não deixarmos um lugar vazio, sem motivo, no coração da festa.

     As diferentes interpretações que escutamos desta mesma Parábola também ampliaram o nosso horizonte: numa abordadgem superficial, ela pode parecer bem conhecida, mas na partilha testemunhamos como se libertam novos sentidos.

     Esta Parábola, com as diferentes interpretações que a acompanharam naquela manhã, exigiram de nós a difícil atitude de “parar”, para que pudessem ser escutadas e contempladas.

     Há pessoas, em particular entre os mais jovens, que não têm consciência desta necessidade invisível de construir e descobrir sentido. Com esta Parábola, somos também convidados a fazer pressentir a estas pessoas – como os nossos alunos –  este desejo oculto e poderoso.

    Ao longo do ano, com o novo tema “Deixa-te surpreender…” podemos abordar esta questão do sentido que se esconde na Palavra? Talvez também oferecendo-lhes espaços e momentos para se escutarem a si mesmos; naquele sentido em que Stº Agostinho definia a oração:

” – O que é a Oração? É o grito do teu desejo.” 

OE

Despedidas de 5º Ano

   One World, Many Stories

Creative Commons License Thad Zajdowicz via Compfight

      Um momento que ficará vivo na minha memória foi  quando eu estava de muletas e as minhas amigas ficaram comigo os intervalos todos (PACIÊNCIA).

      A maior dificuldade que os estudos me trouxeram foi sempre que os meus pais iam planear qualquer coisa, e por causa dos meus estudos, não o faziam.

     Às vezes fico a pensar: “por que é que há meninos a sofrer e outros ricalhaços?

     O facto de o amor existir é para mim um facto quotidiano e espantoso ao mesmo tempo.

     Num momento difícil, eu diria a um amigo: “- Não desistas. Não é por causa da tua perna que vais ficar triste!”

     Se o meu 5º ano fosse um animal, seria um leão, porque é perigoso demais, demora muito tempo a morrer, é feroz e insistente.

       Um novo horizonte para mim seria os homens amarelos, um mundo de chocolate, uma terra por conquistar…

Esperança M 5A

O Natal de MARIA

nativity-mary

Imagem: Wikipedia – Public Domain Author: Giotto

     O Tema deste ano, no nosso Colégio, é: “Deixa-te Surpreender por esta História”. Com a Festa de hoje, que celebra o nascimento da Mãe de Jesus, podemos deixar-nos surpreender, pois, na fé cristã, relacionamo-nos, em geral, com a pessoa de Maria na sua função adulta, como Mãe de Jesus ou como nossa Mãe num sentido espiritual, mas não menos afetivo.

     Raramente pensamos a Mãe de Deus como uma bebé, que nasceu como nós, enchendo também de alegria o coração de seus pais.

     A data deste aniversário não ficou inscrita em nenhum documento histórico, de modo que nos resta apenas a força viva da Tradição, apontando já desde o século VII,  para este dia, 8 de Setembro, como o tempo apropriado para a celebração.

      Esta abordagem surpreendente da pessoa da Virgem Maria, que hoje veneramos na contingência  radiosa do seu próprio nascimento, é insuperavelmente interpretada nas palavras que Georges Bernanos (1) coloca na boca de uma personagem:

    ” – Ela é nossa mãe, já se sabe. Ela é a mãe do género humano, a nova Eva. Mas é também a sua filha. O mundo antigo, o doloroso mundo, o mundo de antes da Graça embalou-a durante muito tempo sobre o seu coração desolado – durante séculos e séculos – na expetativa obscura, incompreensível, de uma virgem-mãe… Durante séculos e séculos, ele protegeu com as suas velhas mãos carregadas de crimes, as suas pesadas mãos, a menina maravilhosa. Uma menina pequenina, esta rainha dos Anjos! E ela permaneceu assim, não o esqueças!

[…]

    O olhar da Virgem é o único olhar verdadeiramente infantil, o único verdadeiro olhar de criança que jamais se pousou sobre a nossa vergonha e a nossa desgraça. Para rezar-lhe bem é preciso sentir este seu olhar de terna compaixão, de dolorosa surpresa, de não sei que outro sentimento inexprimível, que a torna mais jovem que o pecado, mais jovem do que a própria raça de onde surgiu, e, que, embora seja Mãe por Graça, Mãe das graças, permanece a filha mais nova de todo o Género Humano.” 

         (1) “Diário de um Pároco de Aldeia” – George Bernanos

OE

Entre o Passado e o Futuro

 brain_storming_blogger  Imagem: Oficina de Escrita

 Blogger – 2016

     Olá, eu chamo-me Catarina, tenho 11 anos, ando no Colégio Amor de Deus de Cascais, adoro escrever e resolvi criar um blogue, porque acho que deve ser giro imaginar-me ser como uma escritora famosa que escreve muito bem.

     Vamos começar a nossa conversa: Eu hoje vou à praia, de manhã, com umas amigas minhas: vamos passas o dia todo juntas e depois, durante a noite, fazemos uma festa de final de aulas e início de férias!

AJUDA – 2030

  Polio vaccination a response of a recent polio outbreak in the Horn of Africa

UNICEF Ethiopia via Compfight 

     Olá, sou a Catarina. Sou médica há quase cinco anos. Adorava ajudar aqueles povos que estão em guerra, porque precisam de muita ajuda. Também acho que deve ser uma experiência enriquecedora para a minha carreira.

    Cá, estamos num hospital e temos tudo à nossa mão, mas lá não, nos países que estão em guerra, nós temos de fazer aquilo tudo no momento, porque senão, uma pessoa pode morrer. Espero que, com as entrevistas que estou a fazer, me contratem para eu ir ajudar a tratar pessoas desses países que estão em guerra.

Catarina C 7D

Felicidade

    curtain.

Lee Royal via Compfight

    O que é realmente a felicidade?

   A felicidade pode ser tanta coisa, eu já senti a felicidade, mas não a verdadeira felicidade. Esta palavra tão divertida, mas, por vezes distante, é do que se vai à procura durante toda a vida, ao menos é o que minha avó diz.

    A minha Mãe diz que a felicidade dela foi quando eu e as minhas irmãs nascemos e quando pinta.

    Para o meu Pai, a felicidade é ter tido a oportunidade de conseguir melhorar.

    Por enquanto, a minha felicidade é ter alguém com quem brincar ou ver o chocolate derreter, ou sair com os amigos, ir à praia, a felicidade é viver, acordar e ver o sol.

    A Felicidade é quase tudo, por enquanto.

Matilda M, 7A

Fugi de Casa

   Have Stick, Will Travel

gfpeck via Compfight

     Minha Doce Clara,

    Quando a Mamã veio do hospital contigo nos braços, nem imaginas, sentia-me como um vulcão, nem consigo descrever! Passaram-se alguns dias e ia pensando que os pais já não gostavam de mim.

     Então, para eles me darem mais valor, fugi de casa. Durante dez dias estive em casa da Tília, a minha melhor amiga ( é óbvio que eles não sabiam que eu tinha uma nova melhor amiga). Quando cheguei a casa, a mãe perguntou:

      – Então, foi bom, em casa da Joana?

      Ela pensava que eu tinha ido dormir a casa da minha antiga melhor amiga. Respondi como se tivesse sido insultada:

     – Foi, foi muito bom ter fugido de casa para ir para casa da Tília. Caso não saiba, é a minha nova melhor amiga, mas de certeza que não sabe…

      A minha mãe começou a chorar e disse:

      – Eu sabia! Sou horrível, sou a pior mãe do mundo!

      Não consegui resistir, abracei-a e disse:

     – Mamã, a mãe é a melhor mãe do mundo, eu é que sou a pior. Mas isto é por causa da Clara: ela destruiu-me a vida!

      A minha mãe sorriu e disse:

     – Isso vai passar, meu amor! A Clara só quer ser como tu!

Matilda M 7A

Muitos Amigos Diferentes

2016-05-06_15-40-32_ILCE-6300_4092_DxO

Creative Commons License Miguel Discart via Compfight

      Um momento que marcou este sétimo ano foi quando estávamos mesmo a começar o ano e vim com uma amiga ver em que turma tinha ficado e fiquei muito feliz, pois tínhamos ficado juntas! Íamos juntas até ao nono ano! Se o sétimo ano fosse um animal, seria uma girafa, pois é difícil de alcançar.

      Acho que mudei muito, pois o ano passado deixei de falar tanto com as minhas melhores amigas. Comecei o ano a fazer relações novas. E eu que era uma pessoa muito tímida, agora já não sou tão tímida. Foi a melhor coisa que me podia ter acontecido, agora tenho muitos amigos diferentes.

     Tenho segredos que nem eu sei. Como é que eu tive positiva a FQ! Não fiz nada para melhorar as notas, e subi-as! Ainda hoje estou para descobrir…

    Como o ano passado fui para o Campo de férias Milonga, não estive com a Família muito  tempo. Este ano vou compensar, como se fosse este ano e o outro. Gostava de ir viajar, vamos para Monte Clérigo, Vila Moura, Serra da Estrela, Belmonte.

     Adoro praia, mas só comecei a gostar o ano passado. Tinha medo dos peixes aranhas, ficava tapada com a toalha e a minha mãe atirava-me com baldes de água. Gostava de aprender a Surfar. Eu trocava sempre os pés quando tentei o ano passado…

      Acho que tenho de mudar imenso: um objectivo que gostava de alcançar era tentar a alimentação saudável, tentar ser vegetariana. Nós em casa bebemos leite de arroz, leite de amêndoa…Na escola, nós não temos de decorar as coisas, mas aprender.

     Quando estamos com os amigos somos só um, somos apenas nós. Podemos ser nós próprios. Precisamos de nos completar. 

     Sonhar acordado serve para imaginarmos, para ficarmos mais felizes. O adulto deve brincar com os mais novos, e deve ter sobrinhos. Não deve ter filhos, pois os filhos tornam-nos mais rígidos, mais secantes. Se formos tios, somos mais divertidos. O meu tio é assim. Ele brinca muito connosco.

     Gostar de alguém é quando sentimos que precisamos dessa pessoa, como, por exemplo, quando somos pequeninos, gostamos dos nossos pais, porque precisamos deles para tudo. Depois, quando somos crescidos, gostamos dos namorados e namoradas, porque precisamos deles, para ficarmos mais felizes, para falar, para entreter, para pensar e para nos sentirmos melhores.

Matilda M, 7A

Teacher Challenge: Step 10

   teacher_step_10_A_mini

   Imagem: Oficina de Escrita

     What is at stake in this 10th challenge – allowing our students to connect with other students –  it’s the heart of an attitude, let us say, the heart of a way of life,  that finds a deep resonance in the inner horizon of our youth.

    In our country, the school year is about to start, so each one and all of us, teachers and educational workers in our school, are gathering and buzzing  to ultimate the last details for the great reception: kids are coming, youth is back again!

    The multiple meetings we went through in July have all been pierced by the watch word: “How to surprise our students?” In fact, the sense of urgency to keep our pace with the global movement of innovation that is transforming life in schools all over the world is deep rooted in our hearts and minds.

   In order to take some baby steps along this demanding path, small teams of teachers are organising different project works trying to cross multiple contents of the curriculum in a unified vision concerning some feature of the real world. At some moment along this process, the question to connect with other students will arise.

    For the moment, some of us have engaged in educational platforms, like Edmodo, its new partner Spiral or Socrative. Students will be invited to use their apps and easily connect to  create and share  learning experiences.  In some classes, the BYOD approach will be tried with students more than 13 years old.

    I love the suggestions Edublogs  gives us as the Twitter classroom account, the Student Blogging Challenge, the list of Class Blogs and the art of connecting classes through Skype.

    We could even stay in the comfort zone of our maternal language, as Portuguese is spoken in Brazil and Africa; we could make a step towards the Spanish speaking countries whose vocabulary and grammar are so similar to ours and where there are several private schools belonging to the same congregation.

    We could even dare a step more and merge into the international web language that English came to be, as our students are constantly in touch with it through their own digital devices, favourite video games  and daily reading routines.

    I wonder until where will we be able to go for the sake of actually “surprising our students?”

Ines P

Flor

Lily in the Grid

 Lainmoon via Compfight

Quando olho para aquela fotografia,

Sinto o ódio a aproximar-se,

Mas a Felicidade a tentar sair da sua pequena janela,

Como uma  criança a correr o mais rápido possível.

Mas parece que não chega a lado nenhum…

A única felicidade que vejo na fotografia

É mesmo a pequena flor com olhos arrebitados.

Matilda M, 7A

Espelho de Mundos

   Twin Jackets

Andrew Griffith via Compfight

     Maria Luísa estava muito atrasada para chegar à Escola onde trabalhava. Sentia-se como uma grávida quase a dar à luz: ia ter uma reunião muito importante com a Diretora da Escola.

     Quando estacionou o seu carro podre de velho, viu, no lugar onde costumava estacionar, um porshe “cayenne” prateado. Foi a correr até chegar à Escola; ao passar a passadeira, a sua saia hippie, rasgou-se; muito envergonhada, mas com pressa, foi para a sala de reuniões.

    Quando chegou, o Sr. Pedro, sub-ajudante da Diretora, perguntou-lhe:

    – Porque mudaste de roupa? Aquelas calças justas, camisa larga branca e as botas de cowboy eram muito mais giras…

    – Cala-te, estou com pressa, tenho de ir para a reunião.

    – Ó Luísa, mas tu já lá estiveste! Não me digas que não te lembras! Ah, ah, ah!

    – Não pode ser, só cheguei agora ao Colégio!

     – Não me digas, tens uma irmã gémea?

     Então, nesse preciso momento, a Maria Luísa, (a Outra) entra na sala. Olham-se as duas, radiantes, e desmaiam!

     A Luísa acorda na sua cama, aliviada, mas o que não sabe é que a outra Maria Luísa também acorda aliviada do outro lado do mundo…

Matilda M, 7A