“…Mais Dilatados Horizontes”

Beach in Kenosha w/ Hot Sunrise

Carl Vizzone via Compfight

Os Céus acima de mim são tão vastos como os Céus dentro de mim.

 Etty Hillesum

     Quando o esforço reflexivo incide sobre a própria vivência não  pretende  favorecer o enclausuramento  de um “eu” voltado sobre si próprio nem o estreitamento do poder de alcance da sua ação no mundo.

     Pelo contrário, esta indagação crítica que sonda a imediatez do vivido  visa libertar uma interioridade  mais genuína, que permanece inacessível sob o vaivém dos afazeres mecanizados e a natureza meramente funcional de contactos que mal afloram o humano.

   O discernimento pessoal que se exerce sobre o nosso agir e pensar opera precisamente um descentramento do “eu” de superfície, uma renovação do seu poder relacional, uma ampliação do horizonte que transcende o arco do quotidiano.

   Celebrámos ontem a memória de Edith Stein, filósofa judia e mística cristã, que iniciou gerações de alunas na arte rigorosa da reflexão; da serenidade da sua escrita luminosa hauriu a força de auto-doação com que assumiu a sua morte em Auschwitz.

    Ela própria encontrou os caminhos do cristianismo a partir da leitura da autobiografia de Teresa de Ávila,  doutora da Igreja, que, para além de traçar um mapa inédito da interioridade humana, palmilhou a Espanha no aventuroso empreendimento das suas 17 fundações.

O. E.