Noite estrelada

 

Criado por Ana Clara R

     Eu pintei um quadro chamado “Noite Estrelada”, em que o artista desse quadro chama-se Van Ghog.

      Esse quadro inspirou-me muito, sobretudo a forma como ele fez as combinações de cores no vento.

    Quando pintava o maravilhoso quadro, sentia-me cada vez mais dentro dele e imaginava-me naquela linda paisagem.

      Eu tenho uma grande paixão pela pintura e tenciono não deixar de pintar. Um conselho que vos dou é não deixar de fazer o que gostamos.

Ana Clara R 5c

Oficina de Escrita 4-5: História com o meu Nome

As Letras Dos Nossos Nomes Formam Histórias

História do Nome "Maria"

Montanhas Russas

     O Francisco e a Inês foram para Los Angeles. Quando chegaram, viram um vulcão em erupção na televisão.  Então a Inês pôs o chapéu de fada e resolveu o problema. Mas, de repente, lembram-se que só lá estavam para ir ao Parque de Diversões. Finalmente, já cansados do snowboard na montanha, sentaram-se num banco. Mas não sabiam que era uma montanha russa debaixo da terra.

Maria C

A História que as Letras contam

Parque de Diversões

     Dois meninos a passear pelo Parque de Diversões: M – Eles a saltarem num trampolim. A – Eles a dormir numa tenda. C – Eles a descerem de escorrega. A – Eles a subirem uma Montanha.

Mafalda B.

   

O Sonho

Um Universo Paralelo

     

   

      Era uma vez um senhor, mais ou menos entre os quarenta e os quarenta e cinco anos, que um dia viu, num beco sem saída, entre duas casas de tijolo, um tijolo saliente aos outros; ele, a princípio, não ligou, mas como ele queria sempre ter tudo arrumado, pôs o tijolo no sítio. Ao pôr o tijolo no sítio, um buraco abriu-se a seus pés! Ele caiu e, logo a seguir, o buraco fechou-se.

     Ele caiu num universo paralelo: parecia o céu: era azul e com umas nuvens amarelas que pareciam mais algodão doce. Ele caiu numa ilha voadora onde havia três objetos: uma boca sem língua, óculos de sol e uma miniporta. Ele pôs tudo numa mochila laranja que estava ao lado, pôs a mochila às costas e abriu uma porta que apareceu mal ele pôs as coisas na mochila.

     Mal entrou, uma luz ofuscante cegou-o. Ele pôs os óculos que tirou da mochila e depois conseguiu ver outra porta. Quando saiu, outro desafio o esperava: viu uma parede gigante. Reparou num buraco na parede. Tirou a porta e pô-la na parede: rapidamente ela cresceu. Ele abriu-a e viu uma montanha russa em forma de R. Enfrentou saltos, curvas e a gravidade.

     No fim viu uma taça vazia e, por cima, uma língua. Pôs a boca lá e começou a sair água da língua. Ele bebeu a água e… acordou de um sonho.

Pedro C

 Esforço e Diversão

     Desportos Radicais: simbolizam uma maneira de viver junto ao que é extremo. Mafalda, Pedro e Maria: para subir, sempre a dois, pois no outro se busca apoio; para descer- só no fim – já se pode vir sozinho, pois a própria gravidade nos traz de volta.

     Primeiro, uma muralha sólida: Maria e Mafalda à mesma altura. Em seguida, um precipício entre dois píncaros: Pedro apoia Maria. Depois, a longa escada que permite uma visão superior: Mafalda disfruta e Maria dança entre os degraus a pique. Finalmente, na descida curvilínea, Pedro redobra de velocidade num escorrega vibratório: tais são as ondulações da nossa escrita criativa!

Prof Inês P